StatCtr

Monday, February 11, 2013

Livro 1 - Capítulo VIII - Christian Grey e Anastasia Steele


CAPÍTULO  8
MALUCOS E CORAJOSOS


Depois de sentar-me, eu rolo a camisinha fora e atiro-a no cesto de lixo. Eu me viro para Anastasia que está me olhando meio surpresa, meio horrorizada, com a chegada de minha mãe e eu posso ver que ela está pensando o que minha mãe iria pensar dela aqui na minha cama.

Dou-lhe um sorriso malicioso e digo: "Vamos, baby, nós precisamos nos vestir - você vai se encontrar com minha mãe." Eu pulo da cama e visto meu jeans, no comando. Anastasia, por outro lado, ainda está exaurida na cama, lutando para se mover para fora de seu lugar, porque suas mãos ainda estão atadas. Ela finalmente desiste e diz, "Christian, não posso me mover..." me olhando perplexa.

Eu sorrio o mais amplo possível, e desato suas mãos, embora eu teria gostado de jogar com ela mais um pouco. Mais tarde, talvez... Eu gosto da idéia dela amarrada, na minha cama, à minha mercê. É incrivelmente hot! E uma vez que ela se esforçou para me tocar, muitas vezes, a gravata marcou seus pulsos em rosa. A visão disto  é sexy como o inferno e me põe ligado outra vez. Inferno! Eu olho para isto por um minuto, mas eu não quero ficar duro  antes de eu ir ver minha mãe e apresentar a mulher em minha cama para ela. Eu a beijo levemente, e sorrio. Eu olho para longe e fecho os olhos por um minuto. Eu não tenho tempo para fodê-la de novo... Não quando minha mãe está esperando na sala de estar. Eu quero tê-la encontrando minha mãe. Eu nunca fiz uma tentativa de apresentar qualquer mulher para qualquer pessoa da minha família e ela já conheceu meu irmão e agora isso. Ela é a minha primeira. Estranhamente, eu quero apresentar Anastasia. Há também uma noção estranha de orgulho. Não é apenas minha conquista dela. É também algo mais. Então, novamente, eu a reivindiquei de todas as formas possíveis, e isto seria colocar outra reivindicação nela. Eu gosto da idéia.

"Outro primeiro," eu reconheço. Eu aponto para as gavetas e digo que há roupas limpas que ela pode usar. Os olhos dela crescem em pânico. Desde que eu sei que eu sou o primeiro homem na vida dela, ela nunca realmente conheceu a mãe de alguém na posição de uma amante.

"Talvez eu deva ficar aqui", diz ela completamente vermelha de vergonha já que minha mãe praticamente marchou sobre nós.

"Oh, não, você não vai!" Eu a ameaço. "Encontre algo nas minhas gavetas, e coloque sobre você." Eu coloco uma t-shirt branca, e corro meus dedos por meu cabelo pós foda,  e eu estou pronto para cumprimentar a minha mãe, mas eu quero que Anastasia venha . Eu tenho esse desejo compulsivo de exibi-la, quase usá-la no meu braço. Eu balanço minha cabeça com o sentimento.  Anastasia, por outro lado ainda está empoleirada em cima da cama, e me olhando como um coelho assustado. Preocupada.

"Baby, você pode usar um saco e ficará ótima.  Apenas  coloque  algo meu,  e  saia  dentro de cinco minutos ", eu digo suave e docemente. "Mas se você não estiver lá fora dentro desse prazo, vou arrastá-la para conhecê-la, mesmo se você não tiver nada sobre o corpo," a minha voz a ameaça. Ela fecha a cara. Eu aponto para a gaveta onde guardo as t-shirt, e digo-lhe que as camisas estão no closet. Eu indico cinco minutos com a minha mão direita para ela com um olhar de advertência. Porra, eu quero que ela conheça minha mãe! Com uma última olhadela eu a avalio,  suavizando meu olhar, enquanto o dela se estreita, e eu quero pular nela por aquele olhar, é tão malditamente quente, ao invés disso eu sorrio para ela com ternura. Porque a Sra. Grey está esperando na sala de estar; quanto mais cedo eu vá, melhor.

Eu fecho a porta do quarto atrás de mim para ela se preparar e entro na sala de estar. Minha mãe está de pé com Taylor. Quando ela me vê eu posso ver o brilho em seus olhos, questionando e muito curiosa.

Eu ando para ela e a beijo brevemente nas bochechas. Nós não nos tocamos. Ela entendeu que eu não gosto de ser tocado, e ela não o faz desde minha infância. "Olá mãe", eu digo educadamente.

"Olá Christian", diz ela especulativamente. Ela está inquieta e posso adivinhar o por quê. Ela pensa que eu tenho um cara aqui na minha cama. Como ela me conhece pouco quando se trata de minha vida pessoal. Ela tenta continuar com indiferença: "Bem, eu não vi você por duas semanas, e eu estava ficando preocupada. Então, eu vim aqui para ver se você gostaria de ir almoçar comigo?"  Diz ela fazendo soar como uma pergunta.

"Obrigado, mãe", eu digo, "Eu adoraria, mas, ah, eu tenho planos para o dia. Eu tenho companhia." Curiosidade cresce em seus olhos, mas ela é educada, e fica esperando eu me explicar. Minha mãe é uma mulher impecavelmente vestida, que está ostentando um conjunto de malha cor de caramelo com sapatos combinando. Ela está bem penteada e manicurada como sempre. Sua maquiagem leve está no lugar, e seu cabelo em um coque elegante, como se ela tivesse deixado o salão de beleza há alguns minutos.

"Eu tenho alguém especial aqui comigo", eu digo para a minha mãe olhando para ela especulativamente, examinando sua expressão. "Você vai encontrar “ela” em alguns minutos", eu digo, enquanto educadamente a levo para o grande sofá para sentar.

A resposta de minha mãe é automática e surpreendida, virando a cabeça para mim com os olhos arregalados de excitação "Ela?", ela diz.

É claro que isso é o que ela diria sabendo muito bem que ela achava que eu era um gay celibatário. Eu estou ansioso para refutar a ela... com a Srta Anastasia Steele para tanto! Eu não posso esperar para ver a expressão de minha mãe quando ela vir Anastasia. Como se com a deixa, Anastasia sai do meu quarto, vestindo sua própria camisa da noite anterior, sua calça jeans, e os seus sapatos Converse. Sua jaqueta está inteligentemente cobrindo as marcas deixadas pela ligadura de minha gravata de seda prata em seus pulsos. Menina esperta! Seu cabelo está amarrado em um rabo de cavalo, mas ela ainda não conseguiu disfarçar de todo de se mostrar recém fodida. Eu gosto disso! Muito... De alguma forma, eu tenho um certo prazer em apresentá-la a minha mãe, como se assegurando um outro direito sobre ela.

Quando eu a vejo sair do meu quarto, eu sinto um pouco de desejo por ela de novo, e eu me levanto para encontrá-la e digo: "Aqui está ela", para minha mãe, a minha voz estranhamente matizada com orgulho e isto está refletido em meu quente e apreciativo sorriso para Anastasia. Deus! Ela está maravilhosa! Será que eu irei ter o suficiente dela algum dia?

Assim que eu me levanto e dirijo o olhar para Anastasia, minha mãe vira a cabeça na direção da porta do meu quarto, e eu posso ver o brilho apreciativo em seus olhos. Mas também contem algum alívio oculto  neles. Ela deve ter pensado que eu ia permanecer solteiro toda a minha vida. Se ela apenas soubesse! Quando Anastasia se aproxima de mim, eu estendo a minha mão e a alcanço, e seguro a parte baixa de suas costas enquanto eu a puxo para perto de mim. Os olhos da minha mãe não perdem nada, e eu posso ver que ela está anotando tudo com uma excitação mal contida, para contar sua apresentação a Anastasia para o resto da família. Eu vejo que Elliot não os viu ainda para falar sobre Ana e eu. Este pensamento aquece meus olhos, " Ana e eu", como em "nós". Balanço a cabeça interiormente, e me volto para a minha mãe e a apresento formalmente a ela.

"Mãe, esta é Anastasia Steele. Anastasia, esta é a minha mãe Grace Trevelyan-Grey ".

Quando minha mãe estende a mão a Anastasia, ela se comporta como qualquer mãe cujo filho acaba de apresentar sua primeira namorada, dizendo: "Que prazer conhecê-la, Anastasia!" Com toda a sinceridade dela completamente liberada. Na verdade, ela está radiante de alegria como uma nova mãe cujo bebê disse sua primeira palavra ou deu o primeiro passo! Bem, de certa forma, é o meu primeiro passo. Ela está encontrando uma mulher na minha vida, ou que eu espero manter em minha vida, pela primeira vez. Para sempre! Há muito a ser dito sobre isto, e sua reação me faz interiormente feliz, mas eu escondo meu sorriso.
Anastasia alcança e aceita a mão da minha mãe e diz:  "Dra. Trevelyan-Grey ", apresentando-se timidamente. Minha mãe também parece atordoada por esta beleza tímida. Eu não sei o que ela estava esperando, talvez um exuberante namorado? Isto vai mostrar a ela! Mas o que ela encontra em Anastasia é uma deslumbrante, despretensiosa beleza tímida e a Dra. Grey está mais do que feliz de conhecê-la. Para minha surpresa, minha profissional, nunca absurda mãe, vira-se para Anastasia e diz: "Por favor, me chame de Grace," eu franzo a testa. Ela nunca permitiu que alguém que acabou de conhecer a chame por seu primeiro nome. Ela não é fria, mas ela geralmente é distante e, principalmente, profissional. Então ela acrescenta: "Eu geralmente sou a Dra. Trevelyan para os meus pacientes, e, obviamente, que eles chamam minha sogra de Sra. Grey. Eu sou Grace para os meus amigos", ela diz, e pisca! Para Anastasia! O que há com ela que cativa todos que a conhecem?

Ela se vira e dirige sua pergunta para ambos, seus olhos acesos com curiosidade incontida, "Então, como vocês se conheceram?" Gzuis, mãe! Eu respondo-lhe.

"Anastasia me entrevistou para o jornal estudantil da WSU. Foi assim que nos conhecemos, e eu vou entregar os diplomas  esta semana. "

"Você vai se formar esta semana, Anastasia?" Minha mãe se vira e pergunta a ela.

"Sim", ela responde suavemente. Seu celular toca, e ela se desculpa para responder a seu telefone. Meus olhos se fixam nela com ciúme mal contido. Quem está chamando? Ela responde dizendo: "Kate?", enquanto ela se afasta para uma relativa privacidade, mas não antes de eu pegá-la dizendo: "Olha, José, agora não é um bom momento."

Porra! Aí está, o fodido candidato a estuprador está chamando ela. Por que ele não a deixa em paz? Minha mãe está dizendo algo, mas não consigo me concentrar. Minha mente está vagando. Ela se move para o balcão, e eu a observo em cada passo, como um predador para a presa, estreitando os olhos.

"Chistian?" minha mãe diz.

"Desculpe , mãe. O que você estava dizendo?"

"Ela é linda! Eu gostei muito dela", ela solta, o que momentaneamente me distrai, porque eu nunca tinha visto ela mal se contendo antes. Dou-lhe um sorriso educado que não atinge meus olhos.

"Obrigado", eu digo educadamente, ainda olhando para Anastasia sussurrando no telefone. Eu tenho que deixá-la saber que eu não compartilho, e eu não quero que ela fique vendo outros caras. Eu a reivindiquei, e eu não quero mais ninguém colocando reivindicações sobre ela. Ela é minha! Ela tem que ser minha. Deus! Eu não posso conter esse ciúme em mim! Eu só quero enviar minha mãe fora e tomá-la de novo, para que ela saiba a quem ela pertence. Ela é minha!

Quanto tempo será que ela vai falar com ele? Desligue já! Porra! O que diabos está errado comigo? Quando ela finalmente desliga o telefone, eu lentamente dou um suspiro de alívio, meus olhos ainda fixos nela. Ela caminha de volta para mim, enquanto minha mãe está resmungando algo sobre Elliot.

"... De qualquer maneira, Elliot ligou e disse que você estava por aqui... Eu não o tinha visto por duas semanas, querido. "

Elliot chamou, hein? Ele disse a ela sobre Anastasia? É por isso que ela está aqui?

"Ligou, é?" Murmuro, ainda olhando para Anastasia, sem demonstrar nada a nenhuma delas. Meu rosto impassível está no lugar.

Minha mãe continua a falar para mim. "Como eu disse antes, eu queria ver se você queria almoçar comigo, desde que estava na cidade, mas eu vejo que você tem outros planos", diz ela sorrindo. "Eu não quero interromper seus planos", diz ela recolhendo seu casaco, e se preparando para sair, ainda sorrindo e oferecendo-me o rosto para um beijo. Eu beijo minha mãe rapidamente.

"Foi ótimo ver você mãe, mas eu tenho que levar Anastasia de volta a Portland".

"É claro querido", diz ela, em seguida, voltando-se para Anastasia com adoração mal contida, ela fala, "Anastasia, foi um prazer conhecê-la! Espero ver você novamente! "Ela estende suas mãos a Anastasia , sinceramente, completamente encantada. Anastasia, tímida como sempre, pega a mão de minha mãe com um olhar de surpresa em seu rosto, finalmente concordando.

Taylor vem de seu escritório, sabendo que minha mãe está prestes a sair, e a encaminha para a porta. A última coisa que eu ouvi de minha mãe foi ela agradecendo a Taylor educadamente. Assim que ela está fora do alcance de minha  voz, eu me viro para Anastasia e a encaro com minha crescente zanga.

"Então, o fotógrafo chamou?"

Ela parece um pouco assustada. "Sim", ela diz e sua voz é quase inaudível.

"O que ele queria de você?" Eu digo de maneira uniforme, todo negócios. Se o filho da puta estivesse aqui, eu ia dar-lhe uma lição que ele não ia esquecer por um longo tempo

I'll be Watching You - Police

"Ele ligou para pedir desculpas", ela murmura, "você sabe... pelo que aconteceu na sexta-feira", diz ela vagamente.

"Sei", eu digo, e ela aceitou o pedido de desculpas? É isso? Ele pede desculpas e ela perdoa e está tudo bem com o quase estuprador? Enquanto eu estava organizando meus pensamentos para nova observação, Taylor volta e me diz que há um problema para o envio de ajuda a Darfur. Ele cumprimenta com a cabeça Anastasia, e profissionalmente a saúda. Ela sorri para ele. Meu ciúme cresce em mim novamente. Eu não quero vê-la sorrindo para cada cara que ela vê! Mesmo que seja falta de educação. Será que ela não vê que ela pertence a mim? Porra! Ainda não. Mas ela precisa saber. É por isso que eu quero que ela assine o contrato. Dessa forma, ela não precisa pensar sobre qualquer um desses problemas que estão me incomodando. Ela só tem que seguir as minhas instruções e minha liderança. "Taylor mora aqui?" Ela pergunta trazendo-me dos meus devaneios, embora nunca o meu olhar a tenha deixado.

"Sim." Eu digo em um tom cortante. Ela me olha surpresa. Eu vou lidar com ela em um minuto. Agora eu tenho o assunto Darfur nas mãos. Pego meu Blackberry do balcão da cozinha, e chamo meu braço direito, Ros. "Ros, qual é o problema?"
                                                                                                                 
Ela me fala do problema com o envio de alimentos por terra, onde os senhores da guerra são conhecidos por desviar carregamentos de ajuda, colocando tanto a tripulação americana quanto a local em perigo. Eu escuto Ros enquanto ainda estou olhando Anastasia com meus olhos fixos. Eu tenho que tomá-la de novo e lembrá-la exatamente a quem ela pertence. Ela parece confusa, perdida e incrivelmente pequena em meu salão. Ela abaixa o olhar novamente, torcendo as mãos nervosamente.

Metade de minha mente está ouvindo Ros, mas eu estou mais ocupado olhando e pensando em Anastasia. Eu lentamente volto para Ros, quando ela diz: "Quais são suas ordens, Sr. Grey?", Diz ela.

"Eu não vou colocar nenhuma tripulação em risco."

"Você quer que eles tentem uma rota diferente?" Ela me consulta.

"Não, cancele... Nós vamos apenas por ar desta vez... "

"Como quiser, senhor."

"Bom". Eu digo e desligo, meu olhar não deixando Anastasia por um segundo.

Mesmo os poucos minutos no telefone lidando com outra coisa não ajudaram e minha raiva não diminuiu. Se Anastasia tivesse assinado o contrato, ela seria punida agora por receber um telefonema do filho da puta. Entretanto, ela não assinou. Assim, ela precisa ler e fazer isso o mais rápido possível. Eu olho para ela, mais uma vez, e depois vou para o meu estúdio para trazer de volta o contrato impresso. Eu entrego a ela secamente.

Este é o contrato," eu digo com firmeza, "Eu quero que você leia. Nós vamos discutir o assunto no próximo fim de semana. Posso sugerir que você faça alguma pesquisa sobre o que está envolvido para melhor garantir a si mesma? "Eu tomo uma inspiração. "Isto é, se você concordar," eu admito, mas a ansiedade aumenta em mim com a possibilidade de que ela pode não aceitar, e meus olhos suavizam e quando eu falo de novo, há um apelo um pouco escondido na minha voz, " Eu realmente espero que você concorde, Anastasia..."

"Pesquisar, como?", Ela pergunta.

"Você pode encontrar um monte de informações na internet." Eu digo, e, de repente ela desanima. Ela não quer nosso acordo? O que há de errado? Sua expressão facial me deixa preocupado. E se ela me achou arrogante e decide contra o que eu estou pedindo a ela?

"O que há de errado?" Eu pergunto.

"Eu não tenho um computador. Eu vou pedir a minha colega de quarto, Kate, se eu posso usar seu laptop." Oh... Eu posso resolver esse problema facilmente. Eu entrego-lhe o envelope grande contendo o contrato.
Sabendo de suas reservas sobre receber presentes, eu digo: "Eu suponho que eu posso lhe emprestar um. Pegue suas coisas, nós vamos voltar para Portland agora, e obter alguma coisa para comer no caminho. Vou me vestir agora. Desculpe-me." digo.

 "Eu vou fazer um telefonema", murmura. Eu franzo a testa. E se ela fôr chamá-lo?

Eu tenho que saber. "O fotógrafo?" Pergunto com minha mandíbula apertada com raiva mal contida. Ela pisca e olha confusa.

"Apenas lembre-se, Srta Steele," eu digo rapidamente, "Eu. Não. Compartilho!” Eu enuncio. Ela está surpresa, me dando um olhar "qual é o seu problema?" Mas não me importo.

"Apenas lembre-se disto." Eu digo em um tom gelado, de súbito me sentindo distante. Eu vou para o meu quarto para me vestir, deixando-a de pé no meio da sala de boca aberta com a minha breve bronca. Eu coloco uns poucos itens de vestuário em minha sacola de bagagem de mão, uma vez que eu vou ficar em Portland para a cerimônia de formatura. Então eu rapidamente me visto , pronto para ir, mas ainda irritado sob a superfície. Pego minha bolsa que eu acabo de arrumar e caminho para a sala de estar. Minha mente ainda está se recuperando. Ela ainda não assinou o contrato. Se ela tivesse assinado, eu teria o controle da situação. Mas neste momento, eu não tenho controle sobre isso. Isso está me deixando mais irritado, mas eu faço o meu melhor para ser educado. Ela ainda está de pé onde eu a deixei quando eu saí. E esse sentimento, de não ter qualquer controle sobre seus assuntos, e ela ser uma completa estranha às minhas expectativas, desejos e demandas, está me deixando preocupado. Eu quero que ela saiba as minhas regras, aprenda e as siga. Se ela sair da linha, como ela fez hoje, falando a esse filho da puta, eu posso corrigir o seu comportamento por meio de punição, para minha satisfação, e para que ela aprenda a se comportar dentro de meus limites.

Eu estou à porta e olho para ela. "Pronta?" Eu pergunto. Ela concorda, hesitante, meus olhos apertam. Eu coloquei minha jaqueta de couro sobre as minhas calças jeans penduradas dos quadris. Eu vejo seus olhos visivelmente apreciando. Eu aprovo. Eu a vejo tentar esconder um pequeno suspiro. Eu me acalmei, e não demonstro  nada. Ela franze a testa.

"Amanhã, então," eu digo a Taylor lembrando-lhe que ele deve vir e me encontrar em Portland.

"Sim, senhor. Qual veículo você vai estar dirigindo, senhor? ", pergunta ele.

"O R8.", Eu respondo.

"Tenha uma boa viagem, Sr. Grey. Srta. Steele ", diz ele.

O estranho olhar de Taylor para Anastasia me perturba. Talvez ele também tornou-se apaixonado por ela em um curto espaço de tempo. Ela é difícil de não gostar. Conhecendo meus caminhos tortuosos, ele pode ter suas opiniões sobre meu estilo de vida, mas eu não ligo para quais são elas. Ele faz parte da minha equipe. Eu sou seu chefe. Taylor está comigo há quatro anos. Ele sabe para que serve minha Sala de Jogos, e ele conheceu quase todas as minhas subs. Mas ele também sabe que estilo de vida dominante e submissa era escolha delas. Isso me dá uma pontada de culpa de que não é assim para Anastasia. Ela nunca teve relações sexuais antes e muito menos o tipo de relacionamento em que eu estou interessado. Taylor abre a porta para nós, sem demonstrar mais nada e sua expressão é ilegível. Eu chamo o elevador. Anastasia está pensativa. Ela está remoendo alguma coisa em sua mente. Eu passei a conhecer bem este seu lado nos últimos dois dias. Ela pensa demais.

Mas eu não posso deixá-la apenas pensando demais sobre algo e então decidir me deixar, sem eu dar minha opinião. Precisamos nos comunicar. Eu quero muito que isso funcione. Eu preciso disso... Na verdade, eu nunca quis, ou precisei tanto de alguma coisa antes! Existem essas emoções estranhas percorrendo meu corpo e minha mente. O que eu sei é que eu a quero desesperadamente. Eu não posso aguentar o suspense e pergunto: "O que é que há, Anastasia?"

"O que você está pensando?"

Ela me olha surpresa ao descobrir que eu sei que ela está pensando sobre algo. Ugh! Esse lábio delicioso vai voltar para o cativeiro de seus dentes de novo. Eu gemo, e alcanço e puxo seu queixo para liberar o lábio.

"Pare de morder este lábio, Ana. Ou então Deus me ajude, eu vou foder você neste elevador e eu não dou uma merda para quem vai estar conosco! "

Tonight by Enrique Iglesias

Sua mandíbula cai aberta e ela fica vermelha cor de beterraba. Porque é que sua reação é tão fodidamente hot para mim? De repente, ela parece mais jovem, mais inocente para mim e me derreto por dentro. Eu não posso deixar de sorrir para ela suavemente. Com um olhar, um corar, ela muda meu humor das profundezas do desespero e do inferno para o céu. Ela é como uma bela feiticeira, mágica mulher. Estou intimidado por ela! 

Black Magic Woman by Santana

Ela finalmente diz: "Christian, eu tenho um problema", decidindo falar sobre o que ela está remoendo.

Um problema? Eu sou todo  ouvidos. Que tipo de problema?

"Oh?" Ela tem a minha total atenção, e eu estou segurando a minha respiração. Quando o elevador chega, a porta se abre e eu a deixo entrar, mas ainda esperando por ela para me dizer qual é o problema. Eu aperto para o nível do térreo. Eu levanto minhas sobrancelhas para persuadi-la a falar sobre o seu problema.
"Por favor, vá em frente", eu digo.

"Uhm... Bem, aqui está a coisa... " diz ela, e pára, olhando para as mãos, e torcendo as mãos de novo, como se elas tivessem uma pista secreta de como ajudá-la no que vai dizer. Em seguida, ela encontra sua determinação, e fala: "Olha. Eu realmente preciso falar com Kate. Eu preciso lhe fazer algumas perguntas sobre sexo, e vendo como você está envolvido, eu não acho que é uma boa idéia eu fazer minhas perguntas para você. Você vê, você quer que eu faça uma lista de coisas a realizar... ", diz ela corando e à deriva, em seguida, toma sua resolução e acrescenta enquanto meus olhos queimam, olhando para ela intensamente, e completamente prestando atenção, tentando ler o que ela diz e o que ela omite em sua expressão e suas palavras.

"Eu só preciso falar com ela. Eu não tenho pontos de referência, nenhuma experiência, e você, não me deixando falar com ninguém, mas apenas com, bem, você, não ajuda... " Ela olha suplicante. "Eu realmente preciso da ajuda dela. Sabe, garota para garota. Bem, você não sabe. Mas eu só tenho que falar com ela... Por favor? ", ela pede suplicante.

Oh Deus! Como posso dizer não para ela suplicante, e implorando? Reviro os olhos. Se é tão importante para ela, eu concordo , "Tudo bem. Você pode falar com ela se você precisa", eu digo. Ela me faz ficar exasperado algumas vezes. Mas eu tenho que lembrá-la sobre o envolvimento de Elliot com sua companheira de quarto. Ela não deve falar nada com meu irmão. De repente eu sinto que ela está como um porco-espinho, levantando seus espinhos para defender sua colega de quarto, sua melhor amiga. Ela está totalmente ao lado dela. Eu aprovo. Ela é leal!

"Kate não faria isso", ela a defende.  "Além disso, se ela me dissesse alguma coisa sobre Elliot, eu não viria correndo para você falar sobre isso."

Eu balanço minha cabeça. "Veja, eu realmente não me importo sobre a vida sexual do meu irmão, com quem ele dorme ou como ele faz isso. Essencialmente, o que ele faz não me interessa. Mas, por outro lado eu sou um interesse para ele ", eu murmuro. "Meu irmão é um bastardo intrometido, e posso dizer-lhe que ele está profundamente interessado no que temos feito até agora, ou o que faremos." Dou-lhe um aviso.

"Se Kate soubesse o que eu pretendo fazer com você, ela teria minhas bolas em um prato", eu digo baixinho. Ela é como eu. Determinada, não absurda, e uma trituradora de bolas.

"Ok, tudo bem", ela concorda balançando a cabeça. Sua resposta me faz sorrir. Quanto mais cedo ela se submeter a mim, mais cedo eu posso lhe dizer o que fazer, em vez de tentar negociar um comportamento, e ficar exasperado em troca, como eu estou agora! Eu realmente quero que ela assine o seu contrato, e logo.

"Quanto mais cedo eu tiver a sua submissão melhor, para que possamos parar com tudo isso", eu digo baixinho.

"Parar com o quê?", Ela pergunta confusa.

Como ela pode não saber o que ela está fazendo? Ela vai contra a minha vontade, apesar do fato de eu continuar dizendo a ela que eu quero ser o único a responder suas perguntas. Eu quero ser o professor, o instrutor. Ela assinou um NDA para não discutir nada com ninguém, mas ela quer ir para a sua colega de quarto e falar com ela sobre coisas que ela assinou que ela não faria. Ela é exasperante. Eu suspiro, e digo: "Então, você pararia de me desafiar!"

Ela parece incrédula e confusa. Eu me curvo para baixo e levanto seu queixo para cima, e planto um beijo em seus lábios enquanto o elevador “ding” aberto. Eu seguro sua mão e a levo para fora do elevador. Eu a levo para o meu R8 preto.

"Bonito carro", ela murmura secamente quando ela o vê. Ela está tirando sarro de mim? Eu amo seus modos provocadores. Isto faz algo em  mim que eu não posso explicar. Encontro-me sorrindo. "Eu sei," eu digo. É o meu outro baby, além de Anastasia, é claro. Não importa o quanto ela ferva meu sangue, com sua rebeldia, suas observações despreocupadas e seu comportamento inocente apenas tiram o meu fôlego, e eu me sinto como um outro jovem com ela. Apenas eu, Christian ... nenhuma alma esmagada pela merda fodida do meu passado. Apenas um homem jovem levando uma jovem mulher para um passeio de carro num dia encantador; muito claro e simples... Muito comum

We are Young by Fun ft. Jeanelle Monae

De repente eu tenho este desejo esmagador de mostrar-lhe tudo. Eu quero colocar o mundo a seus pés. Eu pego sua mão, e a levo até a porta do passageiro, abrindo-a para ela. Ela sobe, e "uau...", diz ela achando-o surpreendentemente baixo. Eu sorrio. É um carro esporte, baby, baixo centro de gravidade para velocidade. Eu ando para o lado do condutor, abro a porta do motorista e entro no carro.

"Que tipo de carro é esse?", Diz ela.

"É um Audi R8 Spyder. Já que está um dia bonito, vamos andar sem capota. Eu tenho alguns bonés de beisebol no porta-luvas. Quer pegar um para cada um de nós, por favor? "

"Você pode usar os óculos de sol daí também", acrescento. Ela concorda com a cabeça. Quando nós colocamos nosso cinto de segurança, e ela está pegando os bonés de beisebol para nós, eu ligo o carro. O MP3 player é ligado automaticamente e é Bruce Springsteen cantando. Uma canção linda em um dia tão lindo com uma mulher adorável. Eu não posso me segurar e rio com alegria, e digo: "Adoro Bruce," enquanto eu saio  da vaga do estacionamento e da garagem do Escala. É uma bela manhã de maio, em Seattle. Nós dirigimos através do tráfego. Eu estou perdido em pensamentos sobre ela. Sobre esta linda mulher sentada ao meu lado. Tão perto, mas tão longe. O que ela vai pensar do conteúdo do contrato? Será que ela vai concordar com ele? Será que ela vai ficar com medo, e correr para as montanhas? Eu balanço levemente minha cabeça um pouco fora dos meus devaneios, e me concentro na canção de Bruce

I’m on Fire by Bruce Springsteen

Eu dirijo na I-5 em direção ao sul para Portland. A capota do conversível abaixada, o vento varre as nossas cabeças sobre os bonés e óculos de sol. Quando Bruce diz: "Eu posso te levar mais alto... Oh, eu estou em fogo, " eu viro meu olhar para Anastasia. Ela não tem idéia de quanto é adequada esta canção para definir meus sentimentos por ela. Eu também acordo no meio da noite com meus lençóis molhados dos pesadelos, e a sensação residual do meu passado como ele descreveu: "como um trem de carga correndo no meio da minha cabeça", e não tem Anastasia estado esfriando meu desejo? Como posso deixá-la ir? Será que ela não percebe o quanto eu a desejo?

Como pode alguém que acabei de conhecer significar tanto para mim? Como ela pode criar espaço para ela na minha alma escura, se é que a mesma ainda está presente, criando espaço dentro de mim tão rápido? Como pode alguém tão inocente como ela fazer isso? Eu estou em fogo por ela! Se ela soubesse!

Droga! Tudo o que posso fazer é olhar para ela. Eu estou em fogo, desejo, e necessidade dela, meus lábios se contraem em um sorriso. Eu estendo minha mão direita lentamente para ela e coloco-a em seu joelho, apenas apertando suavemente. Sua resposta é automática. Assim que nós nos tocamos, ou nos conectamos de qualquer maneira possível, a corrente começa a fluir, e circular entre nós.

"Você está com fome?" Pergunto com a voz rouca, com desejo na minha voz.

"Não particularmente", diz ela. Estou descontente porque ela quase não come nada embora eu  percebi que ela está com fome de mim. Mas ainda assim... É uma das minhas regras que ela tem que comer corretamente para manter-se saudável. Eu a lembro de que ela deve comer.

"Vou levá-la a um ótimo restaurante perto de Olympia." Ela suspira, eu escondo um pequeno sorriso, eu aperto seu joelho novamente com fome de sua reação. E imediatamente sua respiração se altera. Ela quer mais. Eu removo minha mão e coloco-a novamente no volante. Expectativa. Isso é metade da diversão, e o sexo é amplificado com ela em muitos níveis. É uma grande ferramenta para o controle também. Uma que eu dominei muito, muito bem. Eu aperto o meu pé no acelerador e ganho velocidade através da auto-estrada, enquanto Anastasia olha para mim com um tipo diferente de fome.

Chegamos ao restaurante. Não é um lugar grande, mas um local pequeno e charmoso com cadeiras e toalhas de mesa aleatoriamente combinadas. A comida, porém, é ótima embora também seja simples.

"Que tipo de comida que eles têm aqui?", Ela pergunta , desconfiada.

"Oh, o que quer que eles peguem ou colham. Mas o gosto é bom ", eu faço uma cara e ela começa a rir da minha expressão dissimulada. Um som tão bonito, despreocupado, e jovem! Eu amo isso! A garçonete vem para pegar o nosso pedido de bebidas. Ela ostenta sua franja loira e parece frustrada enquanto ela tenta chamar a minha atenção mas eu a ignoro, enquanto Anastasia está discretamente tentando observar seu comportamento e minha reação. Eu aprovo! Ela é ciumenta, o que faz algo em mim, e eu sinto minha ereção crescer.

Vendo que Anastasia não tem muita experiência em escolher o vinho, eu ordeno duas taças de Pinot Grigio, mas ela franze os lábios como se desaprovando. Eu fico frustrado. Eu conheço vinho, e ela não. Encontro-me cobrando dela, dizendo: "O que?"

Ela se encolhe, baixa seu olhar como se machucada, "Eu queria Diet Coke", sussurra.

Não. Isso não é uma boa escolha. Primeiro de tudo, tem sacarina que provoca câncer. E a minha escolha de vinho é um bom vinho, e ele vai com tudo o que este lugar pode oferecer. Eu explico para ela. Ela concorda.
Sinto-me surpreso por sua aquiescência pois ela normalmente refutaria com sua própria opinião.

"Minha mãe gostou de você", eu digo a ela mudando de assunto, e ela está completamente surpresa com isso. "Sério?", Diz ela ficando vermelha. Mesmo elogios são difíceis para ela de aceitar, embora ela seja bem merecedora deles.

"Sim", eu sorrio, "minha mãe sempre pensou que eu era gay, e eu acredito que ela estava esperando um cara sair do meu quarto." Ela franze o cenho.

"Por que neste mundo a sua própria mãe ia pensar que você fosse gay?" Ela pergunta confusa.

"Porque ela nunca me viu com uma garota" Sua cabeça ligeiramente se ajeita, e ela deixa escapar:

"Nenhuma das 15?"

Eu sorrio. Ela lembrou. Ela estava prestando atenção.

"Não, nenhuma das 15. É uma primeira vez, " eu digo. "Você é a primeira que ela conheceu. Na verdade, esta semana foi uma semana de muitos primeiros para mim," eu digo mergulhando no pensamento do que isso poderia significar.

"Sério?", Diz ela suave e inocentemente.

"Sim", eu digo apenas suavemente, "você é a primeira mulher com que eu dormi. Você sabe, dormir,  dormir ", eu digo, sorrindo:" primeira que eu tive sexo na minha cama ", eu digo com desejo e fogo subindo em mim", primeira que andou em Charlie Tango, e primeira garota que eu apresentei a minha mãe. O que você está fazendo comigo? Você me enfeitiçou completamente!" Eu digo desarmado, meu olhar intenso. Posso imaginar estar sem ela, mesmo depois desse tempo curto de conhecê-la? Meu subconsciente me diz "infelizmente, não". 

Hard to Say I’m Sorry by Boyz to Men

Depois que nossos vinhos chegam, ela toma um gole rápido para conseguir  um pouco de coragem para algo que ela quer dizer. Meu olhar para ela é intenso. "Eu realmente apreciei este fim de semana, Christian", ela sussurra. Meus olhos se estreitam enquanto suspendo a minha respiração. Como ela pode me fazer suspirar com estas simples palavras? Por que o meu nome está saindo de seus lábios tão malditamente sexy? Ela morde o lábio, distraidamente.

"Pare de morder o lábio, Anastasia," eu resmungo sabendo muito bem que isto vai ser minha ruína com minha crescente ereção, ela suspira e os dentes liberam o lábio do cativeiro. "Eu apreciei imensamente o fim de semana também," minha voz rouca.

"Uhm, Christian, posso perguntar uma coisa?", Ela sussurra, como se ela não quisesse que os outros a ouçam. "É claro", eu digo com o meu olhar atentamente sobre ela.

Sua voz diminui uma oitava, "o que é sexo baunilha?", ela pergunta me fazendo sorrir de orelha a orelha.
"É apenas sexo simples, sem brinquedos envolvidos. Sem extras. Você sabe... " Eu sorrio lembrando. Ela não sabe. Dando-me outro prazer inesperado. Eu sou o seu primeiro. "Bem, você não sabe. Mas é isso o que é. "

"Oh", ela diz ainda especulando e remoendo algo na cabeça.

Quando a comida chega, eu ignoro a garçonete. Não é que eu estivesse minimamente interessado nela. Como eu poderia estar interessado em alguém mais além de Anastasia? Quando ela deixa  nossa comida e sai, Anastasia dá uma risadinha, e isso é o som mais lindo que eu já ouvi. Tão despreocupada, tão melódica, tão condizente com ela. Perfeitamente adorável!

"Christian?", ela pergunta: "Por que você nunca fez sexo baunilha antes? Você sempre teve... você sabe, essas suas predileções particulares? " Eu lentamente concordo com a cabeça, e suspiro. Como posso explicar a ela que Elena me seduziu em uma idade jovem, e eu não conheci mais nada? Ela olha para mim esperando uma resposta. Eu finalmente prefiro a verdade e digo, "Uma amiga da minha mãe me seduziu quando eu tinha 15 anos."

Sua boca cai aberta, seu rosto fica desapontado, entristecido.

"Oh," eu ouço, juntamente com um suspiro que escapa. Eu leio seus lábios dizendo: "meu Deus!", Mas nenhum som lhe escapa. Seu olhar muda.

"Ela tinha gostos singulares. Eu fui seu submisso por seis anos," dou de ombros. Passado, negócio encerrado.

Sua boca ainda está aberta. Pela primeira vez, sua boca inteligente está sem palavras. "O que quer dizer, eu sei o que isto envolve, Anastasia." Ela continua a olhar incapaz de digerir a notícia, como se ela tivesse comido algo ruim, e estivesse fazendo ela ficar doente.

Eu viro minha cabeça, "olhe, Anastasia, eu não tive a introdução normal para o sexo."

Sua boca encontra a sua voz, finalmente.

"Deixe-me perguntar-lhe isso, então; você nunca ... nunca namorou alguém na faculdade?"

"Não", eu balanço minha cabeça.

"Mas por que não?"

Eu não acho que ela realmente quer saber a resposta para isso. Mas eu pergunto de qualquer maneira.

"Você realmente quer a resposta para isso?"

"Sim!", Diz ela, com firmeza. Hmm, ela está curiosa sobre mim.

"Eu só não queria. Ela era tudo que eu queria, tudo que eu precisava. E, além disso, se eu tivesse tido, ela teria batido a merda fora de mim ", sorri com carinho com a  memória. Ela teria me espancado muito. Seus olhos escurecem com raiva, sua mandíbula endurece, mas ela fala com calma.

"Você disse que ela era uma amiga de sua mãe. Quantos anos ela tinha? "  Onde ela está indo com isso, mas eu respondo.

"Oh, ela era velha o suficiente para saber melhor", eu digo com uma reflexão tardia.

Ela faz a pergunta que a está queimando agora.

"Você ainda a vê?"

"Sim", eu digo calmamente.

Ela tem decepção em seus olhos, e preocupação.

"Você aind... uhm... faz...? " ela fala arrastadamente, os olhos intensos, e cheios de preocupação, com o rosto ficando pálido. Eu não a vi tão doente nem quando  ela regou o canteiro de flores no jardim da frente daquele bar.

"Não", eu balanço minha cabeça. Estou realmente feliz de ver o ciúme crescendo nela pensando numa competição. "Ela é apenas uma boa amiga", acrescento.

Ela então me pergunta a mais idiota das perguntas. Pior que a pergunta "você é gay, Sr. Grey?"

"Hmm... Sua mãe sabe? "

"Claro que não." O que ela está pensando? Oh mãe, a propósito, uma de suas boas amigas me seduziu quando eu tinha 15 anos, e nós tivemos um relacionamento durante seis anos. Agora nós somos apenas bons amigos. Minha mãe não compreenderia a complexidade do nosso relacionamento.

Ela permanece em silêncio de novo. Ela está pensando, remoendo. Ponderando sobre o que ouviu e não é de seu agrado. Ela toma um gole do vinho. A comida chega, mas ela está apenas olhando para ela como se a garçonete tivesse trazido um prato de esterco.

"Tempo integral?"

"O que?"

"Você era seu submisso em tempo integral?"

Oh ... "Sim, mas eu não a via o tempo todo. Era difícil. Primeiro eu era muito jovem e ainda na escola, e então, naturalmente, eu fui para a faculdade. " Ela apenas olha, sem palavras mais uma vez. "Anastasia, coma por favor", eu digo.

"Eu não estou com fome, Sr. Grey", diz ela distante.

"Coma!" Eu digo com firmeza, lentamente, ameaçador. Ela só olha pra mim. Ela não parece se importar com o meu tom de voz ameaçador.

"Eu preciso de um minuto", diz ela, e me surpreende. Ela está certa. Muita informação para absorver.

"Claro," eu concordo.

Ela está pensando novamente. Remoendo. Eu não quero que o meu passado de merda afete sua decisão. Ela parece preocupada. Eu espero que ela fale. Ela finalmente levanta os olhos.

"Será que o nosso... uhm... "tentando encontrar a palavra certa,"... relacionamento será assim? "

"Você, apenas mandando em mim, dando ordens?"

"Sim", eu confirmo. Mas é mais do que isso.

"Entendo", ela afirma categoricamente.

"É mais do que isso Anastasia ... Quando você começar a se submeter a mim, você realmente vai querer fazer isso ", digo em voz baixa fervorosa.

Ela parece cética. Seu rosto diz: "É, cara, certo!" Seus olhos se estreitando. Ela baixa os bonitos olhos azuis até a mesa novamente olhando para as mãos pequenas, desta vez até mesmo as mãos são incapazes de se mover, imóveis, perdidas, como ela.

"É um grande passo para mim", diz ela e come um pouco de sua comida distraidamente.

"Eu sei que é, " eu digo. Quando eu fecho meus olhos, eu não quero que ela escorregue por entre meus dedos decidindo contra nosso acordo. Eu quero que ela mantenha a mente aberta. Mas eu não posso, eu não vou influenciar sua decisão de uma forma ou de outra. Ela merece o melhor. Isto é tudo com ela. Ela tem que ser a única a tomar a decisão final.

"Olha Ana, você precisa fazer a sua pesquisa, ler o contrato, e seguir seu instinto. Se você tiver algo de difícil compreensão, ou algum conceito, eu ficaria mais do que feliz em explicar para você. Eu vou estar em Portland até sexta-feira. Então, se você quiser falar sobre isso, antes disso, me chame ", eu digo. Estou nervoso diante desta linda mulher. Ela é inteligente, ela é linda, ela é talentosa e além do mais, ela é uma negociadora dura, inesperado de alguém que parece submissa, mas é muito independente.

"Você vai me chamar, Anastasia? Talvez possamos jantar na quarta-feira?" Eu pergunto. Ela não diz nada, não demonstra nada. Este olhar em branco novamente. Ela fica impassível, melhor até do que eu neste exato momento. Merda! E se isso não é impassível, e ela está decidindo contra nosso acordo. Eu não posso aguentar isto. Ela tem que pelo menos considerar.

"Anastasia?" Eu chamo. "Eu realmente, realmente, realmente quero fazer isto funcionar. Na verdade, eu nunca quis nada tanto quanto eu quero que isto funcione. "  Nem quando eu comecei a minha empresa, e nem quando eu encontrei qualquer outra mulher, nem com nenhuma aquisição. É ela! Esta mulher que eu reivindiquei de todas as formas. Eu a quero. Eu preciso dela! Meus olhos estão ardendo de desejo por ela!  "Diga alguma coisa, Ana..." minha voz está suplicando.

Sua pergunta me surpreende: "O que aconteceu com as 15", ela deixa escapar.

"Isso e aquilo ... Tudo se resume a isto, Anastasia. Nós éramos incompatíveis. " É isso mesmo. Eu não era compatível com nenhuma delas. Ela tem preocupação em seus olhos. Por quê?  Descrença.

"Se você não era compatível com as submissas treinadas, e com 15 delas, o que o faz pensar...", ela diz, a voz baixa, preocupada, arrastada, agora quase inaudível, "o que faz você pensar que eu, que não sei nada de nada,  posso ser compatível com você? "

"Você é!" Eu digo com fervor. "Acredite-me, eu sei!" Eu quero que ela saiba isto, e acredite em mim, porque é a verdade.

"Você ainda está vendo alguma delas?", Ela pergunta com uma outra preocupação numa corrente de ciúmes. Ela ainda gosta de mim, apesar de todas as minhas declarações.

"Não, Anastasia! Eu não estou vendo nenhuma delas. Eu sou um homem monogâmico nos meus relacionamentos. Eu não tenho múltiplos parceiros." Eu quero que ela saiba que ela será a única quando tivermos nosso acordo.

Ela não demonstra nada, "entendo", ela murmura. Ela está aliviada?

"Apenas faça sua pesquisa, você vai ter uma imagem melhor", eu digo. Ela coloca o garfo para baixo, e para de comer. Eu não posso tê-la sem comer. Ela quase não comeu nada nos últimos dois dias. Eu não sei como ela consegue funcionar mal comendo qualquer alimento. Essa é outra razão pela qual ela precisa assinar o contrato, para que eu possa ter certeza que ela vai cuidar de si mesma.

"Isso é tudo o que você vai comer?" Eu questiono, minha boca numa linha fina.

Ela não diz nada, apenas acena com a cabeça. Eu não quero abusar de minha sorte aqui. Eu tenho que escolher minhas batalhas com ela. E comida não está no topo da lista. Eu como e limpo meu prato enquanto ela se contorce na cadeira, desconfortável. Ela está cheia de pensamentos, e eu sei que ela está analisando minhas informações, e mais um monte de outras coisas que estão passando por sua mente, enquanto seu rosto se altera e se altera. O que eu daria para saber o que ela está pensando agora! E ela está se contorcendo...  desconfortavelmente. Isso pode ser atribuído a minha conquista dela.

"Eu daria qualquer coisa para descobrir o que você está pensando neste exato momento", eu sussurro. E ela cora até a raiz dos cabelos. Entendo. Isso é o que ela está pensando. Onde eu estive, como eu a reivindiquei, e me agrada saber que tenho esse efeito sobre ela. Dou-lhe um sorriso lascivo.

"Eu posso adivinhar o que você está pensando", eu sussurro.

"Tem certeza que você não é um leitor de mentes?"

"Não, eu não sou. Mas eu sei como ler o seu corpo. Estive lendo seu corpo nos últimos dois dias,  lembra-se? Eu acho que eu aprendi isso muito bem," eu digo sugestivamente. Eu quero essa mulher. Lembro-me de nossa experiência também. Não é só ela que está afetada. Eu também!

Eu movimento a garçonete pela conta. Eu pago, e levantamos para ir embora. Eu estendo a minha mão para receber a dela. Quando as pontas dos nossos dedos se tocam, a conexão é feita de novo, e esta maldita corrente prazerosa encontra o seu caminho através de nós. Ela sente isso também. Está no seu suspiro. Eu a levo de volta para o carro, e abro a porta do passageiro para ela. Ela entra. Ela está calma e pensando em todas as minhas revelações para ela nesta manhã. Eu quero tão malditamente que isso funcione! E se ela disser não? Vou deixá-la ir? Será que vou ficar bem se ela está com algum outro filho da puta como o fotógrafo, ou o presunçoso Princetoniano (N.T. estudante de Princeton) da loja, ou alguém como eles?

Eu tenho que deixá-la tomar sua própria decisão, mas eu estou morrendo de ciúmes. Deus! Dou-lhe um olhar de soslaio. A proximidade é envolvente. O ar está carregado com eletricidade, e seu aroma é inebriante. Todo puro, todo caseiro, todo mulher, todo Anastasia!

Eu dou o sinal e saio da auto-estrada. Eu entro na sua rua e, finalmente, em seu complexo de apartamentos, e entro em uma vaga do estacionamento, desligando o motor.

Por um momento,  olhamos um para o outro sem palavras. Finalmente, ela se reajusta e diz com alguma emoção desconhecida, "Você quer entrar Christian?" É querer? Desejo?

"Eu não posso. Eu tenho que trabalhar. Eu tenho muito trabalho acumulado, " eu digo. Eu quero, mas não posso ficar tão perto dela. Eu tenho que dar-lhe espaço, e eu tenho que me dar espaço. Me testar. Testar a minha vontade. Eu tenho que saber se é um desejo real, querer, ou alguma outra coisa. Ela está muito fascinante nesta proximidade.

Minha resposta a deixa triste, mas ela abaixa o olhar novamente para as mãos e não está disposta a mostrar suas emoções. Maldita mulher! Eu não aguento mais! Tomo sua mão direita, e a puxo em meus lábios e beijo cada junta dos dedos, fazendo-a ofegar. Eu me vejo fazendo com ela coisas que eu normalmente não estaria fazendo. Ela tem admiração e adoração em seus olhos com o meu gesto. Estamos trancados mais uma vez em nosso próprio pequeno planeta, uma bolha assim.

Meu cérebro finalmente se conecta com o resto do meu corpo e minhas pernas encontram sua função. Eu saio do carro e me movimento para o lado do passageiro. Eu abro sua porta, estendendo minha mão para ela. Ela aceita. Eu estou cheio dessas emoções estranhas novamente.

"Obrigado por este fim de semana novamente, Anastasia," Eu respiro fervorosamente. "Foi o melhor!" Eu digo. Sim, simplesmente o melhor. Eu não me lembro tendo um melhor. Nunca! "E sobre quarta-feira? Eu vou buscá-la no trabalho, ou onde quer que você queira que vá buscá-la... " Eu me calo suavemente.

"Quarta-feira, então", diz ela simplesmente. Eu beijo sua mão novamente. Ela vira a cabeça para o lado. Ela está em um tumulto emocional também. Ela olha desolada, confusa e triste. Mas ela esconde o rosto de mim, e se vira para ir embora segurando seu nariz no ar. Lembrando-me do jeito que ela foi embora no meio da rua, após a sessão de fotos. O que está errado? Quando ela vai embora, ela se vira para mim com uma reflexão tardia.

"Oh, Christian", ela me puxa do meu emaranhado de pensamentos, "Eu estou vestindo sua cueca", e mostra o cós de minha cueca boxer brevemente. Minha boca cai aberta. Estou completamente chocado! Ela me chocou mais uma vez! Ela, de cueca, em minha boxer é fodidamente hot! Se eu não tivesse trabalho a fazer, e se não estivéssemos em um estacionamento aberto, eu foderia ela no capô do meu carro!   

I don't Wanna Fall in Love - Chris Isaac  

Ela sorri alegremente vendo meu rosto, e volta-se convencida, e vai embora, deixando-me em pé, parado, com meu olhar chocado para ela. No momento em que eu consigo conectar-me com o sul do meu corpo, eu faço minhas pernas caminharem de volta para o carro, aperto o cinto e me afasto do estacionamento. Eu me dirijo para o Hotel Heathman. Taylor deve estar me esperando no hotel. Chego ao hotel, e um manobrista corre até mim com reverência. Eu lanço as chaves para ele.

"Sr. Grey! " Cumprimenta o porteiro.

Eu pego meu Blackberry, pressionando o botão de atalho.

"Sim, senhor", responde Taylor.

"Eu estou aqui", eu digo.

"Sim senhor, sua suíte de costume está pronta. Eu trouxe tudo que você pediu. "

"Eu vou te ver imediatamente. Eu preciso ser atualizado. "

"Sim, senhor", diz Taylor. Eu desligo.

Outra semana esperando. Porra! Eu odeio esperar. E desta vez eu provei a Srta. Steele. Vai ser muito mais difícil de esperar até quarta-feira. Eu entro no hotel com os pensamentos em Anastasia. Eu já estou sentindo falta dela.

Droga! Eu odeio esperar com uma paixão! Não é o meu estilo.

Quarta-feira então. Eu não posso "não" ter uma maneira de ficar em contato com ela, não saber o que ela está fazendo, com quem ela está falando, o pensamento disto já está me matando. Eu não acho que eu posso desistir dela. Não importa o quão justo eu quero ser para ela. Ela me reivindicou tanto quanto eu a reivindiquei. Por agora, controle-se Grey!

Entro no prédio do hotel, vou até o lobby, e até os elevadores. Pressiono o botão de chamada. A lembrança dela no elevador ainda está fresca. Eu me decido. Se eu não a tiver, eu vou ficar louco! Dessa maneira, eu estou mais apertado do que o cinto de um ministro batista em um café da manhã onde você pode ter panquecas a vontade! Respire Grey, respire. Eu entro no elevador, e  as suas portas se fecham sobre  mim com os meus pensamentos sobre Anastasia. 

Principles of Lust by Enigma


14 comments:

anne caroline godoi said...

Conhecer a sogra no primeiro encontro é foda... Adoro esse ciúmes do Christian,ele consegue ser fofo até mesmo nesses momentos. Adorei as musicas.

PENHA Storani said...

Estas fan ficiton dos 50 tons versão Grey estão realmente fantásticas, e a tradução também.

Neusa Reis said...

Obrigada, Anne Caroline e Penha Storani. Um abraço Neusa

Anonymous said...

Porque a Elena serviu de submissa para Christian?Porque Elena o quis?

Neusa Reis said...

Eu diria que ela o quis porque ele era jovem (15 anos) e bonito e ela achou que poderia treiná-lo para servi-la. Ele era inexperiente e estava numa crise da adolescência da qual ela se aproveitou. E no capítulo A Redenção de Christian você vai entender porque ela foi submissa dele. Um abraço.

Catharina Oliveira Bastos said...

Esse amor desesperado, essa necessidade dela, a insegurança, o ciúme...Esse Christian Grey me mata! Eminé capturou magistralmente o personagem, ela se aprofunda tornando o Christian mais denso, mas tbm explicando mtas das suas ações. Parabéns Eminé pelo texto e vc Neusa pela excelente tradução, trabalho cuidadoso, mto diferente dos q a gente vê na internet.

Anonymous said...

Mas eu não entedo porque o Christian diz que a Elena o ajudo e que ela é sua amiga e porque ele a encontra todos os anos para jantar?

meire said...

Sou leitora nova, estou adorando a historia contada pelo Christian, excelente traduçao. Parabens!

Tati said...

Por indicaçao d uma amiga descobri vcs. Estou adorando a "releitura" pelos olhos do Grey. Parabéns pela ideia/traduçao. Tati

Kaila Alekena said...

Bom, o "time" está sendo encontrado,a obscuridade dos 50 tons mediante a sua inesperada necessidade por Anastásia... Este capítulo basicamente nos dá a dimensão do conflito que Cristian enfrentará até o "sim" de Anastásia, a necessidade adquirida pelos anos de pratica Dom e Sub e a recém descoberta de um sexo baunilha que foi melhor do que tudo que ele conhecia... nisso se baseia este grande amor , até onde minhas escolhas são mais forte do que meu destino?

Daniela Martins said...

Hello, Emine!
Como é bom ver CG e Ana se conhecendo!
Linda historia!
Esta visao de CG é de tirar o folego!
Totalmente viciante!
Parabens!
Neusa, grande abraço!
Bjkas
Dani
;-)

Katinha Rodrigues said...

Emine...Neusa....qto mais leio essa história mais me apaixono!!! É lindo a maneira que Christian vai se envolvendo com Ana sem ter controle da situação .... Ohh Sr, Grey...vc é o lobo mal dos meus sonhos!!! =) Quando li a trilogia 50tons fiquei muito curiosa em relação á como ele se sentia e o que se passava pela sua cabeça....Essa com certeza é a melhor história que li na vida!!! Nos prende...nos arrebata..nos faz sonhar!!!Obrigado mais uma vez pela linda história e pela maravilhosa tradução que sempre nos deixa com vontade de "quero mais" Um Grande beijo♥

3ºB - DIREITO - UNINOVE VILA MARIA said...

Oi .. queria saber se tem como mandar os livros por e-mail, queria imprimir .. jaque.vl13@hotmail.com

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry