StatCtr

Tuesday, February 13, 2018

Livro V - Capítulo XII -Christian e Anastasia

Quarta-Feira, 14 de fevereiro de 2018


CAPÍTULO XII

A DESCIDA PARA O INFERNO É SEMPRE DURA

“Abandone Toda Esperança Você que Entra Aqui”

Escrito acima dos portões do Inferno (Inferno de Dante)
Tradução: Neusa Reis


O voo e a ida para casa podem ser descritos em uma palavra: tenso.
― Venha, homenzinho. Vamos colocá-lo na cama. Eu pego Teddy de Gail.
― Ele está muito ativo para ir dormir, Sr. Grey. Acho que a viagem o deixou exausto.
― Ele não é o único, eu murmuro.
― O jantar deverá estar pronto em uma hora, senhor, ela diz enquanto caminha em direção à cozinha. Seguro o meu filho nos braços, apertado, e gentilmente coloco sua cabeça no meu ombro. Ele tem essa habilidade estranha, quando ele tenta deslizar dos meus braços ou me dizer o que ele quer, simplesmente com sua linguagem corporal. Claro, a primeira coisa que Teddy faz é agarrar meu cabelo.
 ― Hmmm. Eu acredito que está na hora de outro corte de cabelo, Sr. Grey. A voz inesperada de Ana me faz virar. Ela cortando meu cabelo me traz sempre lembranças deliciosas.
 ― Embora eu adoraria aceitar essa oferta, você com um objeto afiado quando ainda está com raiva de mim não é uma coisa boa. Ela não tem certeza se ela deveria estar magoada com minha resposta. Para não mencionar que ainda estou bravo com ela. Ana estende seus braços para levar Teddy para a cama, que agora está interessado em meu rosto.
  Levanto Teddy no ar. ―  Este é o meu filho! Eu digo com todo o orgulho. Sinto um momento de déjà vu.
 ― Cuidado, Christian! Ele é tão pequeno! A voz de Ana está ansiosa, o que é completamente o oposto do riso feliz de bebê, de Teddy, que ecoa na sala.
 ― Ele é o filho de seu pai! Ele ama isso! Não é, filho? Claro, Teddy não entende nada disso. Ele só quer que eu o entretenha. Este se tornou seu jogo favorito e uma leve fonte de ansiedade para Ana.
 ― Meninos, por favor!
 ― Devemos fazer a mamãe feliz, Teddy? Eu pergunto a ele enquanto eu o levanto levemente no ar. E o riso alegre do bebê ecoa novamente.
 ― Christian!
 ― Tudo bem, tudo bem, − eu rio em voz alta. ― Mamãe ganha! É hora de dormir.  Ana e eu levamos Teddy para o quarto dele. O único livro que ele mostra muita excitação quando lemos para ele é Goodnight Moon, o livro que temos lido todas as noites desde que ele foi trazido do hospital para casa.
Goodnight Moon
Ana quer ampliar seus jovens horizontes lendo para ele The Tale of Peter Rabbit. Ela encolhe os ombros.
 ― Era o meu favorito. Eu gostaria que se tornasse um dos seus favoritos.
Quando colocamos nosso filho na cama, ele finalmente está bocejando, ouvindo o pequeno hipopótamo que tem a gravação real dos sons dos batimentos cardíacos de Ana e os sons que ele teria ouvido quando estava no ventre dela. De alguma forma, faz ele se sentir confortável imediatamente e suas pálpebras estão fechando. Quando saímos do quarto do nosso filho, volto-me para Ana. A expressão séria no meu rosto diz tudo. Mas minhas palavras deixam isso claro.
O caminho para o paraíso, começa no inferno
                                                                                                  O Inferno de Dante


In the Shadows ~ Amy Stroup


 ― Agora, é a sua vez de me contar uma história da hora de dormir da vida real.
 ― Christian, eu não quero falar sobre isso! − Ela reclama.
Eu a pego pela cintura e levanto-a no meu ombro. Ela pára no meio do grito por medo de acordar Teddy.
 ― Nosso quarto, ou devo dar prazer a você, impotente, em nossa Sala de Jogos 2, para confessar tudo?  Eu sinto que um tremor de excitação a atravessa.
 ― Christian! − Eu posso sentir ela rolar os olhos no momento que ela pronuncia meu nome, o que a faz receber uma palmada forte em seu traseiro.
 ― Nem no nosso quarto nem no Quarto de Jogos 2. A biblioteca, por favor, − diz ela.


 ― Se você acha que eu não posso fodê-la, de toda forma imaginável, na biblioteca, você é ou esquecida ou ingênua, Sra. Grey! − O barulhão no balcão e a subseqüente desajeitada tentativa de limpeza me fazem saber que Gail me ouviu.
Giro a maçaneta e chuto a porta para fechar, depois de entrar na biblioteca e trancá-la. É o cômodo favorito de Ana na casa. A cor vermelha quente do mogno brasileiro, recuperado de uma antiga mansão abandonada, convida você a se sentar, quase abraça você. Ter a madeira lixada de novo revelou o distinto aroma de rosa,  como acontece no início da primavera quando as rosas estão brotando. Existem diversos sofás de couro e cadeiras para convidá-lo a passar horas lendo. Tem uma varanda com vista para o Sound (N.T. Estuário do Sound). Tudo nesta biblioteca diz, venha e relaxe. A iluminação é fraca e controlada.


 ― Você vai me colocar no chão, Senhor? − Ela parece cordial.
 ― Estou pensando sobre isso. Ainda não tenho certeza se eu quero esquivar-me de dar-lhe uma forma de punição. − Ela se balança para escorregar para baixo. Eu bato em sua bunda novamente.
 ― Somente quando eu disser que você pode. − Minha advertência é decisiva. Não sei se posso administrar para ter controle total porque ela me assustou demais pelo seu  bem-estar. Suas transgressões são muitas: evitando meus telefonemas, saindo para conhecer o cafetão de Ella e seu irmão no hospital, quando eu achava que ela estava lá como paciente, contratando um IP (N.T. Investigador Particular) sem falar comigo... Não sei por onde começar. Eu posso fazê-la cooperar, mas ela não vai gostar do jeito que vou fazer isso. Bem, ela vai adorar isso durante, mas vai me odiar depois. E eu vou me sentir como merda. Ainda indeciso com o curso de ação que desejo adotar, deixo Ana deslizar para baixo.
― Vamos tratar disso às claras, Ana. Sabendo quão aterrorizado eu ficaria, por que você se colocou em perigo? Você não é apenas Ana Grey, minha esposa, mas você é a mãe de Teddy! Esqueça de mim, mas você nem mesmo pensou nele? Você tem idéia de como isso poderia afetá-lo se alguma coisa acontecesse com você? − Eu tento segurar a ansiedade esmagadora sobre mim.
 ― Aí está! − Diz Ana.
 ― Aí está o que? − Eu agito minha cabeça questionando. As mãos dela se erguem e gentilmente seguram meu rosto.
 ― Aprendi muito com você. Como ser cautelosa, estar segura, planejar, assumir o controle...
 ― Mas você não assumiu o controle, Ana!
 ― Tudo bem, ótimo, hora da terapia. − Ana puxa seu celular para fora do bolso, percorre a lista de contatos e marca um número. Quando uma voz surpresa responde após o segundo toque, eu sacudo a cabeça com um pequeno sorriso.
 ― Ana, que surpresa ouvir você. Você ainda está em Detroit? − Ela coloca o telefone no viva-voz.
 ― Não, estamos de volta, Dr. Flynn. Mas estamos tendo um pequeno problema. Nós realmente precisamos conversar com você agora, se você estiver disponível. − Flynn me cobra tempo dobrado por telefonemas inesperados, e isso ainda são uns trocados para mim. Na grande piscina de psiquiatras muito caros, ele é o melhor terapeuta que tive e que conseguiu tornar-se meu amigo. Movo minha mão para pegar o telefone, coloco-o na mesa e a conduzo para sentar-se no sofá de couro. Ela senta, com as pernas cruzadas, voltada para o telefone. Sento-me ao lado dela.
 ― Como foi a viagem a Detroit? − Flynn pergunta. A única pergunta significativa que abre as comportas. Depois que ouve a síntese do que aconteceu em Detroit - bom e ruim, eu devo adicionar, Flynn faz perguntas apenas para esclarecer a história.
 ― Estou muito impressionado, Ana − ele afirma logo que há uma pausa, fazendo-me rolar os olhos. Ana sorri.  ― Como você arranjou o IP, e como você conseguiu localizar o cafetão? − Ele questiona em sua pergunta de acompanhamento. Eu mesmo estou curioso para descobrir sobre isso. Ela olha para mim brevemente e suspira.
 ― Eu pesquisei sobre vários IPs e um deles me pareceu muito afiado, um ex-detetive que fechou 93% de seus casos. Eu também usei o cérebro do detetive Clark sobre como escolher um bom IP.
 ― Jesus! Então, você escolheu um IP do nada!  − E se ele fosse um babaca e uma vez que descobrisse quem ela era, usasse essa informação para machucar-nos? Machucá-la?
Ana vê o olhar horrorizado no meu rosto.
 ― Christian, não sou uma idiota!
 ― Não é uma questão de você ser idiota ou não, Ana! Você é uma das mais inteligentes, mas também a mais obstinada, tenaz e batalhadora mulher cabeça dura que conheço. Meu problema é você não querendo entender que tenho inimigos, rivais, pessoas que desejam me ver, ou àqueles que amo, machucados. É por isso que é importante que você deixe as coisas que podem colocá-la no caminho de se machucar fora da sua lista de a fazer!
 ― Por que não posso protegê-lo?
 ― Eu pago a Taylor um dinheiro muito bom para fazer exatamente isso! − Eu rosno.
 ― Christian, eu não estou falando sobre proteger seu corpo! Por que você insiste em sofrer com o seu pesadelo, quando é muito mais simples ter um confronto com o homem que tem o papel principal na sua dor? Você se magoa, eu me magoo, lembra? − ela suaviza sua voz.
 ― Se eu quisesse ter um confronto com ele, eu teria feito isso há muito tempo. Eu odiei esse homem toda a minha vida mais do que qualquer outro! Mais do que Linc! Inferno, até Hyde entrar em nossas vidas em seus caminhos destrutivos, Detroit Willy foi o campeão absoluto da minha lista de mais odiados! O que estou lhe dizendo é simplesmente isso: tudo e todos se tornam inconsequentes quando se trata de você e meu filho. Se é uma escolha entre a possibilidade de você se machucar ou eu continuar tendo pesadelos até morrer, eu escolho o último.
 ― E a sua família, Christian? − A voz incorpórea de Flynn surge do telefone de Ana em um tom sem julgamento.
 ― Eu amo minha família. Mas Ana é diferente. Sou diferente quando estou com ela. Eu não posso, sob qualquer circunstância, lidar com isso se ela se machucar. − A mão de Ana encontra a minha com simpatia enquanto ela se vira para mim e se inclina.
 ― Mas Christian, você não deve me parar porque há uma possibilidade remota de que alguém possa me machucar por um rancor contra você que eu desconheça. − Apenas esta declaração me deixa zangado porque a possibilidade não é remota; tudo é muito real. Ela foi seqüestrada, nosso bebê foi sequestrado pouco depois de ter nascido. A ameaça está sempre presente e aconteceu, mesmo embora eu tivesse uma ampla quantidade de precauções implementadas. Eu apresento todas essas preocupações com o máximo de controle, o que teria feito o diabo ficar orgulhoso. ― Christian, tomei todas as precauções que você achava desejáveis. Você e sua equipe de segurança me deram informações detalhadas sobre estar segura em Detroit. Eu estava segura. Estudei os locais e eu já sabia que Detroit Willy estava incapacitado. Eu simplesmente não sabia o quanto estava mal, e quando o IP foi ao hospital para ‘providenciar’, ela faz o gesto de aspas no ar, o encontro, ele descobriu que Willy estava entrando e saindo da consciência e poderia morrer a qualquer dia, a qualquer hora na verdade, guardando seus segredos com ele sobre Ella, e talvez para sempre condenando você a seus pesadelos. Eu pude finalmente ajudá-lo, potencialmente libertando você dos pesadelos!
Eu olho para Ana silenciosamente. Para me libertar do pesadelo que tive toda a minha vida, minha esposa estava disposta a colocar-se em perigo. Eu a adoro fodidamente e ainda estou bravo com ela por ter sido tão imprudente.
 ― Você poderia ter se machucado!
 ― Havia um risco mínimo, Christian. Havia o IP que deveria fornecer parte da proteção de guarda-costas, e eu sabia que se eu me certificasse de que Sawyer não teria a chance de alertá-lo, ele poderia ser o principal guarda-costas. Eu só não contei que Willy tivesse um irmão. − Isto ela murmura. ― Eu não quero que você me torne assim insubstituível, fácil de destruir parte de sua vida, como um objeto, de modo que que eu não consiga ser um parceiro pleno em sua vida, − ela implora.
― Você não quer ser insubstituível? Por que você simplesmente não arranca meu coração!

― O que você diz a isso, Christian? − Flynn dirige sua pergunta para mim, ignorando totalmente a resposta infantil de Ana. Estou com raiva de ambos!
― Dez ... nove ... oito ... sete ... seis ... cinco ... quatro ... três ... dois ... um ... − Eu conto na minha cabeça, então exalo profundamente.
― Claramente minha esposa esquece que ela é uma parceira plena na minha vida. No entanto, ela me trata como se eu não tivesse nada a ver com sua segurança. Por que você não confia em mim, Ana? Eu tenho lidado com inimigos a maior parte da minha vida profissional. Ela não confia. Isso é algo que eu tenho que ensinar-lhe, mas não posso ensinar-lhe nada se ela não acredita que haja um perigo real!  − Eu zombo.
― Desculpe-me por não ter sido clara, Christian. Eu quis dizer insubstituível como  uma de suas obras de arte, ou como uma das peças no Louvre... − Depois de ver minha cara de paisagem, ela balbucia. ― Eu não acho que estou sendo clara. É simplesmente isso: você não entende que estou tentando provar que sou digna de você, Christian! Se eu não posso ser um parceiro pleno em sua vida, então qualquer mulher pode me substituir. − Ana explode.
 ― O que?!?  Ana, você não precisa tentar provar seu valor para mim. Quero dizer, não é suficiente que eu tenha ficado louco quando eu encontrei você machucada no ano passado? Você quase perdeu nosso filho! Não é um trauma suficiente? Você sabe por que você é importante para mim? − Eu giro completamente para encará-la. Ela balança a cabeça, 'não'.
― Cada mulher que ocupou aquele quarto no Escala e esteve na minha vida por um tempo, só me deu prazer vazio.
 ― Se você lhes desse uma chance, elas poderiam mostrar-lhe seu amor também. Como eu sou diferente se eu não puder ser sua parceira plena no casamento?  − Ela responde, me instigando.
 ― Não. O que aquelas mulheres viram em mim foram poucas coisas: mistério, grande sexo, um homem rico. Elas tinham necessidade de ser dominadas e eu necessitava dominar. Eu preenchi minha necessidade de ser ‘dark’ e seus desejos mais apaixonados. Eu era uma droga para elas. Mas todos elas eram substituíveis. O prazer fantástico pode ser um prazer vazio. Você já sabe disso sobre elas, Ana. Nós já falamos sobre isso há muito tempo.  − Ela ignora o que estou tentando dizer e se desvaloriza.
 ― E quanto a mim, então? Apenas prazer fantástico com um pouco mais de valor intrínseco?  − Ela pergunta veementemente.
 ― Ana, por que você definiria seu valor com Christian em tais termos? − Flynn pergunta.
 ― Não estou definindo, estou perguntando. −  Ela se corrige.
 ― Eu acredito que você chegou a essa conclusão porque você quer que ele valide a resposta que você tem na sua cabeça. −  Ele investiga. Ana fecha os olhos.
 ― Eu não sei se isso é o que eu estou pensando, Dr. Flynn. Na verdade, Christian é excepcionalmente bom em mostrar uma cara de paisagem quando se trata de suas emoções. Mas, de alguma forma, quando eu quero fazer algo importante para ajudá-lo, ele não controla essas emoções. Isso me faz pensar que sou um artefato caro que ele não quer riscado, lascado ou quebrado. Eu não quero luvas de pelica.
 ― Anaaa − a voz de Flynn é paternal, gentil.  ― Você quer que Christian controle suas emoções quando ele a encontra à cabeceira do ex cafetão da mãe dele, e colocando em suas palavras, o homem que teve o papel principal em sua dor e a fonte de seus pesadelos?  −  Flynn calmamente pergunta.
 ― Mas não é isso que você ensina a Christian, a controlar suas emoções? Não seria útil se ele praticasse isso até entender completamente o que exatamente aconteceu? − Ela quase grita em direção do telefone.
 ― Jesus Cristo! − Eu murmuro, enquanto Ana me ignora, revirando os olhos.
 ― Ah ... Você entendeu mal o que eu ensinei ao Christian. Não o ensinei a controlar suas emoções. As emoções não podem ser controladas; elas são canalizadas. Se elas não são canalizadas adequadamente, o indivíduo paga por isso, de uma forma ou de outra. Ajudo Christian a entender essas emoções. Meu principal trabalho é ajudá-lo a tomar consciência do que ele está sentindo, oooou, ele fala arrastado, ―  como ele tem feito há anos, o que ele estava tentando evitar sentir. Ele disse a você o quão destrutivo ele era quando adolescente. Ana fechou os olhos e eu li seus lábios silenciosamente sussurrando duas palavras:  ― Oh, nãããão!
Flynn continua: ― Ana, não podemos evitar sentimentos sem enfrentar as consequências. Christian já sabe como manter as emoções e impulsos destrutivos sob controle, o que em troca, o ajuda a manter o controle sobre suas ações.
 ― Ele não teria me deixado ir se ele soubesse que eu iria ver o ss... −  ela tropeça em suas palavras, ― Sr. Detroit Willy. Você diz que as emoções não podem ser controladas, mas e as minhas emoções, minha necessidade, meu desejo de proteger meu marido? Às vezes, é preciso correr riscos calculados para realizar algo significativo, e eu consegui isso! −  Ela diz com um leve orgulho em sua voz.
Eu ergo minha mão.
 ― Tudo bem. Uma vez que você fez esse enorme esforço e me mostrou que o cafetão é realmente um homem fraco e indefeso, estou disposto a colocar de lado sentimentos, medos ou preocupações por você, por enquanto. Conte-me toda a história.
Após um profundo suspiro, e inspirar, ela diz:
 ― Ao ver a perspectiva de seu irmão poder ser gravemente ferido, Willy ficou falante. Bem, tão falante quanto um moribundo pode ser. Talvez ele quisesse ser absolvido de seus pecados; ou, no final, se você acreditar na pequena cruz tatuada em seu pescoço. −  Ela balança a cabeça e continua.
 ― Enfim, ele me contou que Ella era uma adolescente fugitiva. Não tenho certeza se ela estava tentando encontrar-se ou tinha problemas em casa. Mas ela se foi aos dezessete anos com seu namorado. Ela ficou grávida de você aos dezoito anos e seu namorado adolescente ficou assustado com a perspectiva de se tornar um jovem pai, suponho, e ela não teve escolha senão voltar para a casa dos pais. Mas ela não disse que estava grávida. No início, ela o escondeu, mas então ela contou a sua mãe. Logo que o pai descobriu, eles deram a ela duas opções: ou fazer um aborto ou ser expulsa de sua casa. Ela estava em seu primeiro trimestre, então eles achavam que um aborto poderia ser fácil de realizar. Eu acho que eles esperavam que ela mudasse seus modos imprudentes e voltasse para a escola. Você conhece a opção que ela escolheu e a consequência. − Ela começa. Milhares de imagens atravessam minha mente. Ella fez a escolha de me ter, mesmo que isso significasse que ela se tornasse sem-teto. Por que então ela se tornou uma mãe de merda?
  ― Isso ainda não me diz se ela me teve enquanto ainda estava vivendo com seus pais. Eles poderiam ter mudado de idéia. −  Eu pergunto esperançosamente. Todo mundo merece uma segunda chance. Ela sacode a cabeça com 'não'.  
― Quando Ella foi inflexível em não abortar você, ela também foi inflexível em que ela não iria dar você em adoção. Então, seus pais pensaram: se ela fez a cama, deixemos que deite nela. Ela teve que ir embora. Mesmo que os pais estivessem blefando, ou mostrando amor exigente para ter as coisas de seu jeito quando ficaram difíceis, ela fez uma escolha e partiu para Detroit em um ônibus. Ela pode ter estado em uma jornada para convencê-los - você sabe, suas escolhas seriam melhores que as deles. Mas assim que ela saiu do ônibus, ela foi abordada por um cafetão que recruta essas jovens mulheres - bonitas, mas sem família procurando por elas. Jovem, linda e vulnerável; bem do jeito que eles gostam delas.  − Eu nem percebi que minhas mãos estavam fortemente apertadas até as minhas unhas enterrarem o suficiente para doer.
 ― Era o Willy? −  Sibilo minha pergunta.
 ― Alguém trabalhando para ele; seu recrutador. Prometeu-lhe um emprego, um lugar para ficar, o que ela precisava desesperadamente. Ela era muito ingênua, e ele era muito bom em seu trabalho. Eles não descobriram que estava grávida até que começou a aparecer, depois de quase seis meses.
 ― Ela aceitou ser uma prostituta imediatamente depois do ônibus, embora grávida?  − Eu tenho pouco controle sobre minha raiva.
 ― Christian, deixe ela contar a história e reserve seu julgamento para depois de ter ouvido a coisa toda − A voz de Flynn tenta me acalmar. ― O recrutador não disse que ele estava dirigindo uma agência de prostituição, Christian. Ele a abordou com uma perspectiva de aluguel baixo e possível emprego. Quando o emprego, −  ela faz aspas no ar novamente ― não foi conseguido, e o aluguel, a comida e as pequenas despesas foram pagas por esse suposto amigo novo, ele a quebrou mental e fisicamente para sua nova profissão. Normalmente, mulheres que se recusam são estupradas por gangues. Fazem-nas se sentir inferiores. Drogadas. Dessa forma, elas são totalmente dependentes de seu cafetão. −  Ana pára um minuto e inspira. Eu acho que isso é exatamente o que Ella passou.  
― Eu tenho que confessar; eu não fiz isso apenas por você. Ella era uma mulher. Uma mãe adolescente, sozinha, ou achava que estava sozinha. Ela estava nas mãos dos predadores. Mesmo que ela fosse forte o suficiente para deixar esse estilo de vida, Willy disse que tinham castigos severos para mulheres que tentavam fugir de seus cafetões e quase ninguém se importa se uma prostituta é morta. Willy a prendia através de você. Ele disse que quase todas as prostitutas que têm crianças entregam o filho ao Child Protective Services. Ella queria mantê-lo. Então, ele a drogou e ameaçou-a de que, no momento em que ela ao menos pensasse em fugir ou ir para outro cafetão, ele se certificaria de que você seria levado embora. Depois de ouvir tudo isso, fiquei ainda mais convencida de que sua honra precisava ser reparada como mulher.
―  Eu deveria tê-lo matado! − Eu grito e o vaso de cristal que compramos em Paris foi esmagado contra a parede. Quinze segundos depois, há uma batida na porta.
― Está tudo bem, senhor? −  Taylor pergunta do outro lado da porta.
― Sim, Taylor, está. −  Ana responde com uma voz gentil.
― Você tem certeza?
― Sim, apenas faça Gail vir em meia hora com a vassoura, por favor. − Ela responde.
 ― Senhora.
 ― Christian, eu quero que você venha ao meu consultório amanhã. −  A voz de Flynn soa, junto com a minha equipe de segurança.
Ana se aproxima. ― Christian. Há algumas coisas que você precisa saber. Ella amou você e lutou para mantê-lo apesar de todas as suas debilidades.
― Talvez ela deveria ter desistido de mim!
― Ou talvez ela simplesmente não pudesse confiar num mundo onde tudo em que ela confiava lhe virou as costas. Primeiro, o namorado, depois os pais dela, e depois o cafetão. Você era tudo o que ela tinha. −  Ana a defende.
― Você não entende, Ana? Não importa que eu fosse tudo o que ela tinha. Ela estava drogada a maior parte do tempo para ao menos perceber que eu existia. Eu, uma criança de 4 anos cuidava dela! Ela desistiu no final! Depois de tudo pelo que ela lutou, ela aceitou a derrota! −  Não há nada além de compreensão e simpatia nos olhos de Ana.
― Christian, você era sua fraqueza. Ela não podia desistir de você, mas não podia lhe proporcionar uma vida decente e normal também. Na verdade, Ella tentou fugir três vezes. As fotos que ela enviou para sua família foram seu esforço para voltar para eles com o rabo entre as pernas. Mas seu cafetão esmagou-os quando eles vieram buscá-la. Ele disse a eles: desculpem-me por isso, a prostituta está morta. Eles estavam procurando por você, o que não era bom para o negócio de Willy. Então, ele disse: por que vocês acham que a cadela está morta? Porque ela era uma mãe de merda e não cuidava de seu filho. Ele morreu, ela se matou.
― E eles engoliram isso? − Estou completamente incrédulo.

"Com uma dor tão profunda, a língua deve se mover em vão; a linguagem dos nossos sentidos e memória não possui palavras para tal dor. "                                                                                                                                        Inferno de Dante
― Eles devem ter aceitado, por causa do tanto que ela lutou com eles para mantê-lo. Assim, ela nunca conseguiu ver seus pais depois que os deixou. Ella foi mantida em absoluto desespero. Ela era escrava de seus vícios e de seu cafetão. Enquanto ela estivesse viva, o cafetão usaria sua existência como uma arma contra ela. A única maneira que ela pôde encontrar para dar a você o salto para uma vida normal, fora de sua própria miserável vida, foi sair da sua vida. Por isso ela se matou, Christian! Um último ato de amor maternal.
― O quê? − Não consigo reconhecer minha própria voz. Sacudido em meu âmago com a percepção de que, em toda a sua maternidade de merda, ela realmente me amava. No entanto, eu tinha causado a morte dela.
― Christian, você era a única coisa pura e certa em sua vida. Você era o filho do amor, amor adolescente na verdade, mas amor apesar disso. Você foi a culminância de suas esperanças e sonhos.
― Eu era seu calcanhar de Aquiles! Ela poderia ter tido uma vida normal longe dos cafetões e clientes e drogas, se tivesse me abortado...  − Ana interrompe.
― Ela também poderia ter dado você em adoção logo que você nasceu. Isso não foi você, Christian! Ella quis você, como qualquer mãe que aguarda o dia em que segurará seu bebê em seus braços. Ela fez essa escolha de bom grado, mas quando ela estava presa nas drogas - principalmente a heroína, e na prostituição, ela só podia pensar em uma maneira de salvá-lo.
― Não! não... não... não... − Primeiro, eu congelo no lugar, então eu sinto um tremor incontrolável tomar conta de mim. Ana corre para mim e me abraça tão apertado quanto ela consegue. Meus braços não cooperam comigo para segurá-la.
Unsteady - X Ambassadors

― Christian, ouça-me, − diz Flynn com firmeza. ― Se Ella era viciada em heroína, estivesse você com ela ou não, ela já estava nas garras da destruição. Você sabe tudo sobre vícios. A heroína é mais forte do que qualquer laço humano, qualquer argumento convincente e mais forte do que qualquer crença religiosa que o viciado aprecie. É como se os adictos estivessem possuídos. Eles têm muito pouca ou nenhuma capacidade de se importar. A sua percepção da realidade desapareceu. Se Ella tivesse um momento de clareza, ela teria percebido isso. Para ela, mantê-lo nesse ambiente teve mais efeitos negativos para você do que qualquer outra coisa que você experimentou depois. Quanto a você ser abortado ou não: há bebês nascidos de mães adolescentes todos os dias. Essas crianças podem muito bem continuar tendo vidas felizes se a mãe tiver apoio ou se o bebê for adotado por outra família. Ela fez escolhas como todos nós fazemos todos os dias. Nós não culpamos os outros. Você não consegue suportar o peso das escolhas dela. Ela pagou por isso completamente, para que você pudesse ter uma vida. De qualquer forma, seria homenageá-la se você jogasse isso fora? − Fico sem palavras. Devo estar em estado de choque.
― Christian, fale comigo, por favor! Christian!  − Ela segura meu rosto em suas mãos e olha para mim. Eu olho para ela sem vê-la.
― Christian! Olhe para mim! Olhe, baby! Christian! Dr. Flynn, ele não consegue parar de tremer! − Grita Ana, sua voz distante. Ela bate levemente no meu rosto com as duas mãos.
― Olhe para mim, baby! − Ela ordena, a coisinha mandona.
― ANA! −  Com essa chamada autoritária de seu nome, ele consegue sua atenção.
― Sim! −  Ela diz com total atenção.
― Isso é perfeitamente normal. Ele teve muito para absorver, e mesmo para um cara duro como Christian é esmagador. Ele está sofrendo nesse instante. Dê-lhe tempo. Estarei logo aí, − e ele desliga. Que grosseiro!
― Christian! −  E ela sobe no meu colo, e apenas trava seus lábios com os meus. Primeiro suavemente, então quase me instigando a assumir o controle, me arrancando com força das profundezas onde minha alma afundou, ela beija duro, sugando meu lábio inferior, arranhando com seus dentes. Seu cheiro delicioso permeia meus sentidos. Ela empurra minhas mãos para as minhas costas efetivamente tomando o controle. Isso encaixa algo dentro de mim e desperto.



Eu me movo como uma cobra, levanto-a e a jogo de costas no sofá, efetivamente imobilizando-a em baixo de mim.
― Assumindo o controle novamente, Sra. Grey? −  Eu murmuro em seus lábios. O sexo sempre foi meu mecanismo de compensação.
― Bem-vindo de volta, − ela sussurra e envolve as pernas em volta da minha cintura. Pego seus braços e prendo-os sobre sua cabeça.
― Sra. Grey, eu vou te foder de todas as formas imagináveis! − Eu efetivamente a imobilizo debaixo de mim e movo habilmente minha pelve em seu sexo. Ela só pode gemer em resposta.
Há uma batida forte na porta.
― O que!?! − Eu rosno.
― Sr. Grey, há um assunto importante que necessita sua atenção. − O que poderia ser tão importante agora?
― Meu escritório! −  Eu ordeno.
― Senhor! − É a resposta de Taylor.
― Você prometeu de todas as formas! −  Ana protesta.
― Marcado para mais tarde, baby. Eu vou fazer valer a pena sua espera, − digo gentilmente.
― Christian? −  Seu enunciado do meu nome está carregado de ansiedade, preocupação e zanga, do jeito de uma mulher que não obteve o sexo de todas as formas possíveis que lhe foi prometido. Essa rispidez me faz sorrir.
― Você sabe, eu sempre mantenho minha palavra, baby. Além disso, Flynn deverá estar aqui em breve. OK?
― OK, − ela concorda depois que vê que eu estou de volta ao controle. Quando chego à porta, ela me chama de novo.
― Christian! −  Eu olho para trás.
― Você está acima de tudo... l’amor che move il sole e alter stelle − ela cita O Paraíso de Dante. Desta vez, meu sorriso tem calor.
― Pelo contrário, Sra. Grey, você é o amor que move o sol e as outras estrelas. Nunca pensei em me identificar com todos esses homens torturados pelo amor. Dante, Heathcliff, ou mesmo, Darcy. Você é minha Beatrice, Catherine, Elizabeth, todas juntas em uma. Minha Anastasia. −  Com isso ela corre para mim, quase que salta para me beijar com tudo o que ela consegue.

*****          *****

“Um rápido raio rasgará as nuvens,
e cada branco será queimado por feridas.
Eu lhe digo isso. Eu quero tudo doendo."
Dante Alighieri, Inferno

Dois minutos depois estou no meu escritório.
― Acabei de receber um texto, senhor, − Taylor começa sem um preâmbulo. Eu olho para o nome, e eu não reconheço isso. Pierce o S.
― Quem é Pierce? − Pergunto.
― Sra. Lincoln... hum... novo amigo.
― Você me chamou aqui, longe de minha esposa, por causa de Elena? Agora, estou realmente zangado.
― Sr. Grey. Leia o texto, por favor. 

*Sr. Taylor. A Sra Lincoln disse que você está informado sobre mim. Que eu só entrasse em contato com você em situações de vida ou morte. Eu acho que isso conta como uma: Alguém atingiu intencionalmente o carro dela do lado do motorista, esta tarde, & ela está ligada à vida por um tênue fio. Socorro! *

Há uma foto de Elena anexada à mensagem parecendo pior do que quando Linc lhe deu uma surra. Porra!





49 comments:

Luciia santana said...

Uauuuu...demais parabéns

Priscila Pessotto said...

Você é demais, Emine!
Ana com seu amor sempre fechando as feridas. Espero que agora Christian consiga aceitar que a mãe o amava, acredito que vai um tempinho ainda até ele assimilar tudo.
Agora, deu uma coisa eu sei, odeio a Elena! Isso é hora para aparecer? Já infernizou demais o casamento dos dois. Espero que Christian não vá correndo cuidar dela.
Obrigada, Emine!
Obrigda, Neusinha!

Beijos meninas!

Perola Negra said...

E agora? Ele vai ajudar Helena? Por favor não nos deixe morrer de ansiedade!!!! Vc é uma super escritora. Parabéns!!!

Thais Figueiredo said...

Obrigada Neusa , você é demais!

Thais Figueiredo said...

Obrigada Neusa!

Thais Figueiredo said...

Obrigada Neusa!

Thais Figueiredo said...

Obrigada Neusa!

Carla Beatriz said...

Amei, muito obrigado :D

Cláudia Regina Neves said...

Obrigado Neusa,como sempre,muita competência no seu trabalho de tradução,amei! :D

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Amei o capítulo, Mas as vezes tenho vontade de bater na Ana!! Acho que até p Dr. Flynn sentiu vontade kkkkkkkk...
E agora essa?? Elena volta das sombras? Será que não é outra armadilha?? Sinceramente eu espero que ele não vá atras desta megera... odeio essa mulher!!

Neusinha, obrigada pela tradução que como sempre está impecável, irretocável, maravulhosa.

Dear dear Emeni. thanks for another wonderful chapter. I hope it will not be long to present us with your wonderful writing.

Miss you and I love youuuuuu

<3 <3

Bia said...

Aí que saudade!!!! Amei ��

Amanda Brito said...

E tem gente que tem a audácia de dizer que Jamie Dorman não deveria ser Christian Grey. Tsk tsk

Rose Viana said...

Minha nossa valeu a espera.... Demais...

Rose Viana said...

Minha nossa valeu a espera... Demais...

CENTRAL FIRE EXTINTORES said...

Maravilhoso capítulo !
Vcs são maravilhosas!
Maravilhosa espera !
Mente Maravilhosa!
Maravilhosa tradução!

Porque não consigo comentar, com minha conta pessoal?!

Danisoaresdani.ds@gmail.com
Sigo a Emine no Twitter, qual sua rede social mai ativa Neuza ?

CENTRAL FIRE EXTINTORES said...

Ele é perfeito! Meu GREY 💙

CENTRAL FIRE EXTINTORES said...

Vamos sofrer de ansiedade 😍🤤

CENTRAL FIRE EXTINTORES said...

Com certeza ele vai!

CENTRAL FIRE EXTINTORES said...

Eu amoooooooooooo GREY
Eu amoooooooooooooo sua versão!
Ela é a melhor
Ela tem o melhor enredo!

Apaixonada aqui!

DaniSoares

Magnificat said...

Parabéns!
Você precisa continuar escrevendo para nosso deleite.
Eu não consigo imaginar outro Christian que não seja o Jamie Dornan. O casal escolhido e perfeito.

Mª Umbelina Marçal Gadelha said...

Parabéns!Você é ótima.
Quando sai o próximo capítulo?
Este casal agora faz parte dos meus dias.

Tayriny Sousa said...

Quando vai sair o próximo capítulo? ��

ane said...

Ual que capitulo maravilhoso
Chocada e maravilhada ao mesmo tempo

Anonymous said...

Oi Emine, espero que você esteja bem.
A sua fic é a minha favorita de todas muito obrigada por atualizar, estava com saudades.
Neste capítulo fiquei chateada pelo retorno da Elena, eu não gosto dela de forma alguma, sei que mesmo for caminhos tortos ela ajudou o Christian a entrar nos trilhos da vida dele até o ponto onde a Ana entra e esta forma não lhe serve mais, porém mesmo assim pra mim essa mulher é uma pedófila que só serve para atrapalhar a relação do casal. Espero que o Christian não largue tudo e corra atrás de Elena para ajudá-la, pois ele não tem nada haver com a vida dela, não tem nada haver com os problemas dela, e ele fazendo isso só machucaria a Ana. Espero que essa vaca caia em sí e saia da vida deles de uma vez.
Esperarei ansiosa pelo próximo capítulo,por favor não leve muito tempo,já estou com saudades.
Da sua fan Letícia

Anonymous said...

Encontrei esse blog há pouco tempo e já sou apaixonada pela história! Parabéns Emine! Espero que não demore muito o próximo capítulo,estou ansiosa, já virei leitira assídua!
Natacha

Sonryon Pak said...
This comment has been removed by the author.
Sonryon Pak said...
This comment has been removed by the author.
Bruna silva tomaz said...

Boa noite emine g,gostaria de saber quando vai ter mais capitulos tanto de gray ,quanto masque estou ansiosa e eapero q coloque bastante capitulos do seu romance masque eu adoro ler ele pena q ñ tem pistado nada mais dele .

Anonymous said...

Boa noite.
Voltei para ver se já tinha novidades, mas ainda não.
Só espero que esta Helena não venha desestabilizar os dois... Aliás já era para ela ter sumido.
Tenho umas curiosidades:
Como foi o final do relacionamento de Christian e Helena?
Como ele ficou rico e construiu aquele império todo em 7 anos?
Porém a que mais me intrigou tanto no filme quanto nos livros, foi como Leila conseguiu entrar tantas vezes no apartamento de Christian e de Anastásia com todos aqueles seguranças de olho nela e nenhum viu nada. Será que eles eram tão bons mesmo?
Aguardo a sua próxima postagem.

Anonymous said...

Amo seus capítulos... Todos eles.
Só não gosto das fotografias - por mais bonitas que sejam - de outros artistas como Christian e Anastasia. Na minha opinião as fotos devem ser apenas de Jamie Dornan e de Dakota quando se tratar do casal.

Anonymous said...

Estou sempre retornando aqui para ver se tem novidades.
Amo Christian Grey. E adorei ver neste capítulo, fotos dos artistas que fizeram o papel dos dois no cinema.
Vejo que há outras postagens com fotos belíssimas, mas que não são eles, aí não gosto.
Não acho que Elena deva continuar atrapalhando a vida dos dois, não. Ela deve sumir de vez ou pelo menos Grey deve deixá-la fora...
Espero ansiosa pelo próximo capítulo.

Anonymous said...

Amo seu jeito de escrever.
Voltei porque quero ver a continuação da história... Pena que acabou no cinema e que no último filme tenham cortado tantas partes interessantes.
Me diz porque a Leila tem tanta facilidade de entrar na fortaleza do Grey? E até da Ana. Aliás, com ela conseguiu entrar lá? Como ela descobriu a cada de Ana, o trabalho...?
Se eu fosse Ana já teria dado um basta nessas subs, elas já tiveram bastante dele, não é mais para ele continuar ajudando-as de jeito nenhum. E essa Leila é bem folgada.

Anonymous said...

Oi Emine. Boa noite.
Quero tanto ver o próximo capítulo.
Me diz porque um "segundo quarto vermelho"e agora na casa da família. Como vai ser com os filhos dele crescidos, curiosos para saber o que tem lá? Seria necessário mesmo esse quarto? pensei que ele fosse destruir o primeiro...
Ah! Escreve um capítulo mostrando a relação dele com as 4 subs principais. Por favor.

Anonymous said...

Boa noite

No cinema não tem continuação dessa linda história, mas sempre estou voltando aqui para ver se tem um novo capítulo.
Emine espero que você continue nos deleitando.
Se eu soubesse escrever igual a você, eu seria uma escritora com certeza. Não pare.
Também gostei da série Pella e espero a continuidade...
Mas ainda não entendi a relação que existe entre ele e CG, espero que não pelo mesmo lado da mitologia também.
Biluca

Biluca said...

Oi Emine.
Virei sua fã.
Gosto de tudo o que você escreve.
Sinto não saber inglês para acompanhar seus escritos originais, mas agradeço a Neusa por se dedicar traduzindo as suas obras para nós.
Comecei a seguir você por causa do CG, Depois conheci o Pella e o Masque. Amei todos.
Continuo voltando aqui para ver se tem novidades.
Por favor, eu sei que você faz um trabalho de pesquisa bem apurado e que tem outros afazeres, mas não nos deixe esperar demais...
Boa sorte para você.
Obrigada.
Biluca

Biluca said...

Obrigada Emine e Neusa. Vocês são semais.

Cacau Monteiro said...

Obrigado a Emine e Neusa por nós trazer este presente. Emine, mulher você é maravilhosa. Sou sua fã

Biluca said...

Oi
Voltei, mas vejo que não há continuação em nenhuma das histórias que me cativaram: Pella, Masque e Christian Grey - o meu favorito. AH, como eu gostaria de encontrar um CG na vida!
Sei que e difícil o exercício da escrita (é por isso que escrever não é para qualquer pessoa), mas gostaria tanto de encontrar novos capítulos. Afinal, são eles que trazem um pouco de fantasia para meus dias cansados, sem lazer... apenas cheios de tarefas e responsabilidades.
Dê-nos ao menos notícias.
Te cuida.

Célia Maciel said...

Nossa fiquei mais que feliz com um novo capitulo.
Amei vc ter nos presenteado novamente com Cristian e Ana, não nos abandone por muito tempo novamente por favor .
amei esse capitulo e ansiosa por mais.
Bjus e até breve assim espero.

Biluca said...

Good morning Emine
Bom dia Neusa.
Dê-nos uma boa noticia.
Voltei ansiosa por mais um capítulo.
Estou aguardando Masque e Pella.
Posso ter esperança/
Bjs.

Biluca

Cris SChaves said...

Eu ainda espero novos capítulos... gostaria muito que não parassem de nos honrar com a escrita de vcs... Obrigada!

Josi Cardoso said...

Alguém sabe me dizer se a fic foi abandonada.. Como fa da página me sinto assim cada vez que venho ver se tenho capítulo novo e nada 😢 Emine por favor nao nos abandone!!!!

Josi Cardoso said...

Alguém sabe me dizer se a fic foi abandonada.. Como fa da página me sinto assim cada vez que venho ver se tenho capítulo novo e nada 😢 Emine por favor nao nos abandone!!!!

Anonymous said...

Mais capítulos, por favor.....Masque e 50 Tons, não nos abandone. Bjs

Cacau Monteiro said...

Ola boa noite
Sou uma fã muito feliz em ter emine escrevendo e a Neusa traduzindo.
Espero ansiosa em ver mais cspitulos feste casal que amo.
Amo seu Grey Emine

Unknown said...

Oi, boa tarde!!!
Amo tanto essa estória, de como a Emine escreve e a Neusa traduz. Que saudade imensa!!!! Emine volta a escrever, não abandona a gente não. Você tem uma mente incrível e nos apaixonamos por seu trabalho. Volta vai!!!!

Patricia said...

Cansada de não ter tradução.

Sheila pereira ribeiro said...

Gostaríamos de receber uma resposta se vai haver continuação. Muito tempo em silêncio.

Anonymous said...

emine poderia nos presentear com alguns capitulos daqui a pouco faz um ano sem nenhum capitulo novo ,poderia postar pelo menos uns 3 capitulos de natal ne kkk fazer suas fãs felizes nesse fim de ano.