StatCtr

Monday, July 15, 2013

A Série Pella - Capítulo V – Noite sem Estrelas


NOITE SEM ESTRELAS
CAPÍTULO  V
Elissa Cassandra Duncan

Tradução: Neusa Reis

"Oi, eu não acredito que nos conheçamos. Eu sou Ellie," eu digo e estendo minha mão para o - o que do Alex? cara da Segurança? Motorista?

"Prazer em conhecê-la, senhora. Meu nome é Anthony Decimus,” ele responde segurando minha mão estendida, não olhando nos meus olhos. Estranho...

"O que você faz para o Sr. Pella, se posso perguntar?" Eu o questiono lentamente.

"Eu tenho algumas posições, senhora,” ele me responde enigmaticamente. Eu pisco. Ele mantém o seu comportamento em um nível profissional comigo, olhando para frente na posição atenção, como um soldado experiente na presença de um oficial de patente mais elevada.

"Eu não quero me intrometer, eu sinto muito," eu digo contrariada.

"Você não o fez, senhora. Trabalhar para um homem como o Sr. Pella não é um emprego das nove às seis; portanto, a minha posição não é uma convencional. Mas a minha principal responsabilidade é a escolta pessoal e eu sou o chefe da segurança. No entanto, eu também assumo outras responsabilidades que não têm uma descrição do trabalho fora daqui,” diz ele, e a minha resposta para ele é um olhar confuso.

"Será que ninguém tem empregos convencionais nesta empresa?" Eu pergunto.

"Há trabalhos convencionais em Pella Aerospace and Energy Enterprises Incorporated como qualquer outra empresa, senhora. No entanto, aqueles de nós que trabalhamos para o Sr. Pella especificamente e só para ele, não têm empregos convencionais. Ele é um patrão não convencional, senhora,” ele diz com um sorriso educado. Oh! Assim, isso o confirma então. Meu trabalho também será um pouco não convencional.

"Como assim?" Eu pergunto, e as portas do elevador se abrem.

Anthony indica a passagem respeitosamente, e me faz sair.

Uma vez que estamos na garagem subterrânea, "Siga-me, por favor, senhora,” ele pede e eu o sigo.
"Você sabe onde eu moro?" Pergunto uma vez que alcançamos um estranho veículo parecendo com SUV que eu não acredito que eu já tenha visto igual antes. Parece um veículo blindado muito high tech.

"Vou solicitar o endereço para você, uma vez que estivermos no veículo, senhora."

"Que tipo de  SUV é isso, Sr. Decimus?" Pergunto enquanto ele abre a porta do passageiro para mim.
"Por favor, você pode me chamar Anthony, madame. Ele é um Conquest Knight  XV, senhora."

"Nunca vi um,” murmuro.

"Eu não acredito que você o veria, senhora. Eles não são amplamente utilizados,” ele responde e fecha a porta. Meus olhos se concentram nas pesadas ​​dobradiças da porta. Quando ele chega ao assento do motorista, ele olha para mim com expectativa. Oh, meu endereço! Ele aperta um botão e uma grande tela desliza para fora e se inclina em sua direção. Eu lhe dou o endereço. Ele bate em alguns botões e acena com a cabeça, e depois dá ré no SUV para fora do seu espaço de estacionamento. Quando chegamos ao portão de saída, no espaço de estacionamento, ele fica mais lento e, em seis segundos, uma luz azul verifica algo no veículo e o portão se abre, e ele introduz o veículo no tráfego de Los Angeles. Eu não tinha percebido que o sol já estaria perto de se por. Há quanto tempo estou aqui? Os faróis dianteiros acendem automaticamente.

"Eu vou tomar um caminho diferente para evitar a hora do rush, senhora."

"Eu não sei se há alguma maneira de evitá-lo, Anthony. Está tudo ocupado por toda parte, neste momento, na cidade." Ele sorri educadamente, mas, parece que ele sabe de alguma coisa que eu não sei. As janelas do SUV são fortemente matizadas, e torna o visual mais escuro do lado de fora da minha janela do passageiro. O interior é completamente customizado. Os assentos são de couro cor de carvão vegetal; cheira a novo. Eu respiro fundo, automaticamente, inalando o cheiro de couro macio. Faz-me sentir confortado por alguma razão estranha.

"Você gostaria de um pouco de música, ou você prefere assistir a TV, senhora?" Anthony pergunta.

"TV? Aqui?" Eu pergunto.

"Sim, senhora. O veículo está equipado com o modelo de última geração de sistema de satélites, caso deseje utilizá-lo."

"Oh... Eu não preciso assistir TV. Mas, você pode ligar a música se você gosta,” eu respondo.

"O que você gostaria, senhora?” Ele pergunta educadamente olhando para frente para  a estrada.

"Surpreenda-me. Mesmo o rádio seria bom..."

Ele aperta alguns botões em seu volante e o sistema acústico, perfeitamente equilibrado, entra, suavemente.

A voz angelical de Christina Perri ecoa ao redor. Ela está cantando "A Thousand Years.”

Christina Perri - A Thousand Years

"Isto está no rádio?"

"Não, senhora,” ele balança a cabeça. "Eu acredito que é no iPod,” ele responde.

"De quem é a compilação que estamos ouvindo?" Eu pergunto.

Ele limpa a garganta, relutante em responder. "Sua?" Eu pergunto.

"Não, senhora. Eu geralmente conduzo o Sr. Pella neste veículo. Eu acredito que é a sua compilação,” ele responde. Huh... Alex Pella é um romântico, ou ele está apaixonado por alguém?  Eu sinto um ciúme repentino em mim. Eu expiro um fôlego que eu não sabia que eu estava segurando.

"Ele vai ficar com raiva de você por me levar em seu carro?" Pergunto preocupada.

"Não, senhora. Eu tinha perguntado se eu deveria levá-la em seu veículo, ou no veículo da empresa."

"Mas você acabou de dizer que este é o veículo dele, e não o veículo da empresa," afirmo, levantando as sobrancelhas.

"Tecnicamente, a empresa pertence a ele, assim como o SUV. O que pertence à empresa pertence ao Sr. Pella.  Estou acostumado a dirigir este veículo.  Eu lhe asseguro, senhora, o Sr. Pella não vai se opor,” diz ele sorrindo, como se ele estivesse a par de um segredo que eu não estou.

"Você acha que ele ficaria chateado por nós ouvirmos música do seu iPod?"

"Neste caso, não, senhora."  O que significa isso? Existem outros casos? Outras mulheres que são levadas neste SUV? Talvez alguém que ele goste... Ele disse que amava alguém. Ou, eu acho que ele disse. O que exatamente ele disse? Estou confusa.

"Os membros da minha família ou estão mortos, ou perdemos contato. Não há mulheres que me importem o suficiente para familiarizá-la,” disse ele. Isso significa que ele tem alguém, ou mais de uma mulher com quem ele dorme, mas não vale a pena mencionar? Apenas sexo casual? Talvez eu possa perguntar a Anthony. Oh merda! Como posso perguntar uma coisa tão pessoal sobre o meu futuro chefe? Eu limpo minha garganta. Anthony olha para mim com um meio sorriso através de sua visão periférica.

"Anthony,” eu digo baixinho, intrigada.  “Uma vez que eu vou ser a assistente pessoal do Sr. Pella, pela próxima semana, há alguma coisa que eu deveria saber sobre ele? Uhm... Eu realmente nunca tive um emprego de verdade que não fosse voluntário. Eu não quero fazer um mau trabalho. Eu não sei exatamente o que o meu trabalho envolve, também. Seria bom se eu soubesse um pouco mais sobre o homem para quem eu estaria trabalhando," eu explico enquanto Miss Perri canta, dizendo a alguém para não ter medo, porque ela o amou por mil anos, e ela o amaria por mais mil. Eu engulo uma vez que compreendo a letra. Eu permaneço congelada no meu lugar. Por que essa música me faz pensar no Sr. Pella... Alex?

"Sr. Pella é um indivíduo muito complexo, senhora,” ele responde. Eu percebi isso por mim mesma. Talvez ele não tenha trabalhado para ele tempo suficiente para conhecê-lo melhor.

"Há quanto tempo você trabalha para ele?" Pergunto, de repente, olhando para ele com curiosidade.

"Faz muito tempo, senhora. Parece toda a vida,” diz ele, com a voz se distanciando como se ele estivesse perdido em suas memórias. Como é frustrante! Este homem é tão enigmático quanto o seu patrão. Para minha surpresa, ele continua, "Eu sou o que trabalhou mais tempo para o Sr. Pella."

Eu olho para o rosto de Anthony estudando-o. Ele não pode ter mais de trinta anos, trinta se tanto. Ele diz que parece uma vida. Se este rapaz é o funcionário que trabalhou por mais tempo, ele não poderia ter trabalhado para ele mais de dez anos, a menos que ele fosse uma criança prodígio, mas, mesmo assim, ele precisava ser velho e maduro o suficiente para manter um emprego. Então, novamente, Alex é quase da mesma idade que Anthony. Logo, talvez eles tenham sido crianças prodígio.

"Quantos anos tem o Sr. Pella?" Pergunto, surpreendendo-o. Ele olha para frente e pensa sobre isso. Por que ele tem que pensar sobre a idade de seu patrão?  "Você não sabe?" Eu pergunto.

Ele dá esse meio, uma espécie de triste, sorriso eu-sei-algo-que-você-não-sabe.  "Sr. Pella não comemora seu aniversário, senhora, então eu não deveria tentar adivinhar. Nós nunca tocamos no assunto."

"Certamente, seus pais ou irmãos iriam enviar um cartão ou algo para ele. Todo mundo comemora o seu aniversário," eu declaro, sondando mais.

"O Sr. Pella não, senhora. Ele não tem pais, e ele perdeu sua família na noite de seu aniversário."
Minhas mãos voam para a minha boca, o meu coração partido por ele.

"Ele perdeu seus pais em seu aniversário?"

"Não, senhora. Ele perdeu seus pais muito antes. Ele perdeu sua família, sua esposa e as crianças na noite de seu aniversário,” diz ele em voz baixa.

"Como?" Eu pergunto, em voz quase inaudível.

Então a voz de Christina Perri ecoa claramente através dos altifalantes do SUV...

"Eu morri todos os dias esperando por você... Querida, não tenha medo, eu lhe amei por mil anos... Eu vou lhe amar por mais mil..."

"Incêndio, senhora...” diz ele, e grandes gotas de lágrimas correm pelo meu rosto por sua própria vontade. Nenhum som, nenhum gemido, nenhum ruído vindo de mim. Apenas minhas lágrimas solitárias... Estou confusa com a minha reação esmagadora à sua história. Eu já ouvi histórias horríveis quando eu me ofereci para ajudar os refugiados. Fiquei imensamente triste, mas eu não derramei lágrimas. Por que agora? Por que esta história me afetou profundamente?

"Você está bem, Srta.  Duncan?  Desculpe-me,  eu não queria incomodá-la. Não é uma história agradável. Desculpe-me, eu não deveria ter contado."

"Não,” eu gaguejo, "você não precisa se desculpar. Eu não sei por que estou reagindo dessa maneira. Sinto muito, eu não deveria ter me intrometido."

Enquanto eu tento limpar fora minhas lágrimas,  bastante grosseiramente, a voz de Sting é ouvida pelos alto-falantes cantando o "Shape of My Heart.”

Sting – Shape of My Heart 

Pesar recobre meu coração como uma noite sem estrelas, mais uma vez. Eu enterro meu rosto em minhas mãos, incapaz de parar essa tristeza esmagadora. Anthony está definitivamente indo dizer ao chefe que ele está contratando uma doente mental. Eu não posso deixar de lamentar. Talvez a tristeza que eu estou sentindo é por mim. Eu levanto minha cabeça, sentindo o aperto na minha garganta; eu olho para a estrada e para o tráfego com olhos que não veem. Esta é a primeira vez que eu realmente, verdadeiramente  gostei de alguém, e  verifica-se que seu coração pertence a alguém que perdeu. Se essas músicas que ele estava ouvindo, não constituem uma prova disso, eu não sei o que seriam.

"Há quanto tempo?" Eu sussurro, sem me importar se eu seria mais contratada ou não.

"Foi há muito tempo, senhora. Você não deve se preocupar com isso,” diz ele efetivamente fechando o tópico, e eu aceno com a cabeça em resposta.

"Você gosta de trabalhar com ele?" Pergunto para aliviar o clima no veículo.

"Gostar...” diz ele, pesando as conotações da palavra, significado. "Não, senhora. Eu não gosto do Sr. Pella,” diz ele pronunciando a palavra como se ele não estivesse acostumado a utilizá-la e minha boca cai aberta e de alguma forma, o choque de sua declaração, para minhas lágrimas.

"Você não gosta do seu chefe?" Pergunto completamente perplexa.

"Gostar é uma palavra muito leve, muito simples, Srta. Duncan. Porque quando se usa a palavra ‘gostar,’ ela significa, aproveitar, agradar ou satisfazer. Eu não trabalho para o Sr. Pella porque eu gosto dele, ou o acho agradável ou satisfatório para qualquer assunto, senhora. Às vezes ele não é agradável, o que em troca pode criar desentendimentos com aqueles de nós com quem ele se consulta e podemos, como resultado, ficar insatisfeitos. No entanto, eu seguiria o Sr. Pella em qualquer expedição, até os confins da terra, e aceitaria sua liderança, incondicionalmente. O Sr. Pella sempre tem a palavra final, porque suas intuições, avaliação, julgamento e previsões são incomparáveis, e todos nós sabemos disso."

"Espere um minuto... Volte atrás. O mais evasivo, um dos homens mais ricos do mundo, um homem que é dono de toda a sua empresa - permite que você e alguns outros discutam com ele?”

"Não alguns outros, Srta. Duncan. Só eu e um outro."

"Por quê?"

 "Porque ele tem a nossa lealdade, devoção, obediência, fidelidade, respeito, estima e amor, senhora. Nós morreríamos por ele sem qualquer escrúpulo ou  pensar  duas  vezes,” diz ele verdadeiramente e ele parece mais velho e mais sábio, além de sua idade.

"Você responde a perguntas de qualquer um sobre o Sr. Pella?"

"Não, senhora,” ele responde com um rosto solene. Ficou mais escuro do lado de fora; o sol está se pondo.

"Por que responder a mim, então?  Se você é devotado a ele, com certeza, você não deveria ter respondido a perguntas de uma total estranha, assim, candidamente," eu observo. Ele me dá aquele sorriso de conhecedor novamente.

"Você não é uma estranha, senhora,” ele começa. Em seguida, ele tenta continuar, mas embora a boca permaneça aberta, as palavras não saem. Eu pestanejo.

"Anthony, você está bem?" Eu pergunto. Seus olhos saltam, e sua mão vai para a garganta.

"Oh, Deus! Você está sufocando? Encoste, para que eu possa ajudá-lo!" Eu grito, tentando lembrar como executar uma manobra de Heimlich. (N.T. A manobra de Heimlich é uma técnica de emergência que consiste na realização de uma série de compressões no nível superior do abdomen, mais precisamente abaixo do esterno.).  Ele balança a cabeça,  não!  O quê?  Não, ele não está sufocando, ou não, ele não quer ajuda? Ele está tendo uma reação alérgica? Seus olhos estão cobertos com alguma agonia. Ele está sofrendo! Eu não sei o que fazer!
"Você está sufocando?" Algo gorgoleja em sua garganta. Sua mão direita está sobre sua garganta, lutando com alguma coisa.

"Pare! Eu vou ligar para o 911!" Eu grito ansiosa. Ele balança a cabeça com veemência. Eu tento pescar meu celular da minha bolsa. Os olhos de Anthony estão rolando para trás em sua cabeça! Nós desviamos de nossa pista.

"Anthony! Encosta! Nós dois vamos morrer! Por favor!" Eu imploro. Ele convoca todo o seu foco, e pressiona algo no painel. Um botão discreto, mal se percebe que está marcado, "CASA.”  Minhas mãos alcançam o volante para mantê-lo na linha.

"Oh meu Deus! O que eu preciso fazer?" Eu exclamo.  Anthony luta contra alguma força para olhar para mim e falar sem som as palavras: "Sua outra visão!"

"O quê? O que diabos isso significa? Que outra visão? " Eu olho para ele perplexa.

"Anthony! O carro!" Eu grito e agarro o volante para puxá-lo de volta para nossa pista. Sua mão direita agarra meu pulso esquerdo com toda a sua força. Ele aponta para algo no meu braço. Minha marca de nascimento! Cavando sua unha nela, ele raspa meu pulso fazendo-me gritar. Eu tento puxar meu pulso fora de seu alcance. Mas o polegar cava nele, finalmente rompendo a pele e me fazendo sangrar! Eu o puxo para fora de seu alcance. O homem está completamente fora de seu juízo! Meu pulso começa a queimar como se estivesse em fogo. Quando começamos a desviar de novo, eu não tenho outra escolha, além de segurar o volante, ainda com medo de que ele vá me arranhar. Embora eu prefira isso, mais do que morrer em um acidente de carro, de qualquer forma. A cabeça de Anthony está quase adormecida. Só quando a cabeça rola para trás percebo algo cobrindo o rosto! Alguém está pairando sobre ele e, descendo por sua garganta e peito! Chegando até ele;  tentando duro puxar algo fora dele pela força! Anthony parece estar perdendo a batalha.

"O que diabos é você?" Eu grito. E a forma transparente, desloca-se para olhar para mim. O corpo parece sólido, mas transparente, as últimas luzes do dia lançando-se através do corpo desta criatura. Seus cabelos parecem chamas transparentes, lambendo seu rosto; descendo e enrolando no pescoço de Anthony, propositadamente estrangulando-o!
"Saia de perto dele!" Eu grito. Covas gêmeas de lava derretida, como olhos, olham para mim de forma maliciosa enquanto duplicam o seu esforço para extrair a vida de Anthony. Eu tento golpeá-la, mas minhas mãos apenas captam ar. Eu tento empurrá-lo, mas eu acabo empurrando Anthony.

"Filha de Marcus...  Se você deseja salvar este Nephilim, você deve entregar o seu corpo e alma para mim! Ele tem não mais que alguns minutos para partir com sua alma, em uma agonia infernal!"

"Deixe-o em paz! O que é você? Quem é você?" Pergunto enquanto rapidamente tento encontrar uma maneira de ajudar a Anthony.

"Eu estou segurando seu coração batendo no aperto do meu inferno. A alma que dá animação a este corpo deixará de existir em breve. Sua palavra, filha de Marcus! Eu preciso da sua palavra!"

"Você pegou a pessoa errada! Eu não tenho pai! Deixem-no ir!" Ele ri e para minha surpresa absoluta, anéis de fogo correm através de seu corpo, enquanto sua língua sai da sua incrivelmente grande boca desarticulada, em uma grande chama e bate em Anthony no rosto, queimando-o!

"A sua palavra prometendo o seu corpo e alma, ou a vida dele  extraída agonizantemente! Se você se entregar, vou fazer o seu último minuto indolor,” sua voz chia.

 Anthony fala sem som, "fuja!" Para onde diabos eu iria fugir?  Se tivermos uma chance, vamos tê-la juntos. Eu olho em volta para pegar algo para bater nesta criatura de Hades, e a única coisa que eu tenho é a minha bolsa. Eu a sacudo com força e ela passa completamente por seu corpo etéreo de fogo, como se fosse um fruto da minha imaginação e eu só consigo acertar o nariz de Anthony!  Minha tentativa só faz com que ele se desvie, e ele finalmente perde o controle do veículo. Eu ouço o ruído alto dos pneus, e o SUV inclina-se para o seu lado. Embora eu esperasse  que rolássemos, eu me sinto leve primeiro, e depois experimento o dobro do meu peso, como sendo levantada no ar. Todo o SUV está fora do chão! Eu grito. Eu acho que é isso. O que sobe tem que descer! Nós dois estamos indo morrer!

"Alex,” eu ouço de meus lábios involuntariamente. "Stella, tio Gabe, eu amo você!" Encontro-me sussurrando. Eu ouço grandes asas batendo do lado de fora com uma força tão turbulenta que cria o efeito de rajadas de vento soprando, prontas para rasgar este SUV blindado em pedacinhos!  Talvez estejamos rolando e minha mente está pregando peças em mim. Talvez nós já morremos... O fato de eu sentir meu coração ainda batendo na vizinhança da minha garganta, meus ouvidos e até mesmo meus dedos como uma orquestra da mais alta percussão e Anthony, de súbito, agarrando meu braço esquerdo com um aperto de morte me lembrando que ainda estamos vivos e com uma porrada de problemas! A luta está prestes a terminar para Anthony enquanto a criatura etérea está arrancando sua alma com força e eu nunca vi um olhar tão torturado no rosto de ninguém antes, enquanto o torturador do submundo dobra seus esforços; o aperto de Anthony no meu braço enfraquece!

"Há algo delicioso a ser dito sobre uma vida vivida por muito tempo com um monte de dor e sofrimento e para, entretanto, reviver e sofrer tudo uma e outra vez enquanto a alma sai do corpo. Eu amo dar a experiência da perda do amor, a perda de amigos e familiares, e a perda do propósito na vida,  e o abismo escuro para empurrá-lo de onde você não consegue encontrar o caminho para sair no sétimo círculo do inferno! Perdido! Isso me dá como uma alegria pura,” ele sussurra. Eu não posso mais aguentar a miséria em que Anthony está sendo colocado por este meio e solto meu cinto de segurança, enquanto eu luto, tentando mover Anthony de seu assento para tentar salvá-lo, embora não sabendo como, um rosto incrivelmente brilhante de uma mulher loura, com uma coroa trançada, alcança o pára-brisa, como se ela fosse feita de luz! Ela está estranhamente focada na criatura etérea de fogo. Quando sua mão se estende para agarrá-lo, sinto as palavras ecoando em todo o SUV:

"Deo duce, lux caelestis comitante!"  Suas palavras não saem de seus lábios em um discurso, mas como padrões de pensamento formando-se em torno desta criatura do inferno que tinha estado torturando Anthony. Eu posso ver e sentir o significado de suas palavras, mais do que compreendê-las como um padrão lingüístico através de meus ouvidos: "Guiado por Deus, armado com a luz celestial" A sensação é estranha, como se descobrisse um novo membro que eu não sabia que eu possuía. Logo que  as palavras se solidificam, elas tecem ao redor dele em uma velocidade ofuscante;  seu corpo ardente é extraído rapidamente de Anthony, o que tanto me assusta como me dá imenso alívio ao mesmo tempo. A última coisa que eu vejo é a retirada de seu cabelo flamejante em volta do pescoço e rosto de Anthony. Eu vagamente ouço o Cranberries cantarolando através do sistema de som Hold onto my hands, I feel I'm sinking, sinking without you...” ao fundo. (N.T. Segure em minhas mãos, eu sinto que estou afundando, afundando sem você...”)

Cranberries - When You're Gone

Meu coração se parte de novo. Eu vejo tudo ao meu redor, em câmera lenta, Anthony está ofegante, segurando a garganta:  seus olhos arregalados e olhando para mim com um apelo no rosto ou o quê? Perigo! Ele está me implorando para escapar! Será que não estamos fora de perigo ainda? Como posso viver comigo mesma se eu deixá-lo morrer, mesmo se escapar era ainda uma possibilidade? Ele ainda está com medo por mim. Quando vejo os tentáculos de fogo ainda chegando a Anthony, queimando-o, eu grito!

"Anthony!"

Por que ele não tenta me machucar? Por que somente Anthony?  Ver Anthony lutando para empurrar os tentáculos para longe rompe alguma coisa em mim e eu despenco sobre o console dividindo nossos assentos, e lanço-me sobre Anthony, protegendo de danos seu rosto e seu corpo com o meu. Os tentáculos se aproximam tentando chegar até ele através de mim, e eu sinto uma aura azul, fria, crescer e me cercar como uma parede frágil. Enquanto os tentáculos lambem meu corpo, na tentativa de machucar Anthony, há um som de assobio como a lava encontrando o oceano. Eu prendo Anthony, firmemente envolvendo meus braços ao redor dele, gritando "Não!" Em vez de queimar, meu corpo está ficando frio, e eu estou tremendo. Onde está aquela  mulher que limitou esta criatura de Hades?

Em seguida, o som sibilante fervilha em torno de mim, “abyssus abyssum invocate!" O som é muito estranho, embora sinistramente familiar. Eu já ouvi o que ele disse antes, desta criatura. Déjà vu. "Inferno chama o inferno!"

"Não no meu turno" sibila, uma voz feminina puramente angelical, igualmente proibitiva e eu sinto uma forte lufada de sucção; e por um momento, tudo o que não é parafusado no SUV está flutuando no ar. Eu agarro Anthony enquanto  minhas pernas levantam do chão e se agarram sobre o volante, e os braços fortes da mulher angelical arrancam a criatura, assobiando com tal força que eu imagino o SUV explodindo. Quando eu finalmente sinto o aperto de Anthony me mantendo no lugar, o último som que eu ouço é a sua grave voz embargada chamando "Srta. Duncan! Ellie! " e eu sinto a minha força escorregar, minhas pálpebras ficando pesadas; Eu me forço a me manter à tona, coerente, mas incapaz de controlá-lo, eu escorrego para as sombras da minha inconsciência.

 Quando a escuridão me consome, eu me encontro no vazio, envolta na aura azul pálido. Eu tento fazer um som, mas não sai nada. É o uivo que me atrai... nada além do som de um uivo de lobo; saudoso, chamando, acenando e triste. Eu estou impotente, instintivamente atraída para o som. Eu estou cercado pelo eclipse total e o uivo que está me chamando, empurrando-me para frente. Um horizonte vermelho finalmente emerge descansando contra o breu. Tudo está imóvel, e nenhum som é diferente do uivo.  Eu posso sentir o cheiro da chuva fresca na terra, e, finalmente, identificar o animal que simplesmente parou de uivar e cujo olhar intenso está me perfurando. Eu me abaixo até o chão e encontro seu olhar, seguindo seus movimentos. O ar é pesado e grosso; nada se mexe. Talvez as criaturas da noite estivessem indo de volta para suas cavernas e fendas, mas nada se mexe. O animal me circunda quinze vezes, avançando em seu caminho,  mais próximo a cada volta que faz. Não é um lobo, mas um coiote. Está lenta e cautelosamente se aproximando de mim.

O sol ainda não apontou sua cabeça sobre o horizonte, mas a coloração vermelha e laranja no céu mostra a silhueta escura do disperso saguaro, (N.T. cactus alto e ramificado horizontalmente)  creosoto, (N.T. O governador ou, na tradução literal do inglês, arbusto de creosoto (Larrea tridentata) é uma espécie de planta muito comum nos desertos da América do Norte) e esse coiote. Eu paraliso abruptamente com o reconhecimento. Eu me lembro disso. Eu conheço isso! A adrenalina envia alarme para todos os nervos do meu corpo disparando minhas sinapses. O coiote deixa de circular, e à medida que avança em minha direção, o ar brilha em torno dele. O animal está envolto em uma névoa espessa transformando-o e moldando-o com cada movimento, mudando-o. O vermelho e laranja do céu se mexem em torno do coiote e, finalmente, uma cabeça e um corpo apontam para fora do nevoeiro, rapidamente ficando ereto. Um rosto enrugado velho com os olhos sem fundo emerge. Uma pena pendurada na trança esquerda de seu cabelo. Os olhos que viram muitos anos estão marcados com numerosas linhas profundas. De suas orelhas balançam o que parecem ser dois brincos, pesados ​​demais para as orelhas transportarem. Seus lábios muito finos estão bem fechados. Seu nariz comprido está  inclinado para baixo, uma vez que havia sido quebrado há muito tempo e não se curara corretamente. Sua bandana Pueblo está enrolada no alto da cabeça duas vezes, amarrada em um nó apertado no lado esquerdo de sua cabeça. Ele se move em minha direção ágil e gracioso.
           
"Você finalmente me chamou, Elissa, filha de Marcus, esposa de Alexander Aurelius, mãe de Agnes e Jill,” diz ele em um tom melodioso.
           
"Eu chamei?" Pergunto confusa.
           
"Você sabe o que você é?” Ele pergunta.  Sim, uma garota da Califórnia de vinte e um anos tendo um pesadelo! Eu fecho a cara interiormente.

 "Você quer dizer quem eu sou?" Pergunto, em resposta, confusa.

 "Eu lhe disse quem você é. O que você é... é um Nephilim. "
        
 "Um quê?" Eu pergunto.

 "Você é a filha de um anjo e uma mulher humana. Um Nephilim,” e aí está. Isto confirma que eu sou louca.

 "Você sabe o que é 'transa de uma noite só' ?" Pergunto levantando as sobrancelhas. "Eu sou o produto de uma transa de uma noite só. A mulher que foi minha mãe não conhecia o homem com quem ela dormiu, e engravidou em um encontro sexual único e ta daa, aqui estou eu,”  eu digo abrindo os braços melancolicamente, achando estranho que eu me explique para este estranho familiar.

            "Não!” Diz ele olhando para trás, com os olhos arregalados como se estivesse sendo perseguido pelos cães infernais Ele fala enunciando, e rapidamente. "Isto é como  você entrou em seu último ciclo. Essas pessoas só emprestaram seus corpos como vasos e, infelizmente, isso não poderia ter sido evitado. Você é a filha de Marcus. Você não tem muito tempo aqui, neste plano. Você foi encontrada! Você deve sair de sua casa imediatamente! Você tem inimigos perto de você, inimigos que têm poder para prejudicá-la, que podem ultrapassar suas defesas naturais. Lembre-se, você ainda é mortal!” Diz ele.

            "É porque eu sou uma mortal! Todo mundo é!" Eu grito, exasperada.

            "Nem todo mundo... Imortais vivem ao seu redor... perto de você, na verdade," ele me exorta e eu não posso deixar de olhá-lo com desprezo arrogante porque o que ele diz é completamente contrário a tudo o que me foi ensinado. Ele é, possivelmente, uma invenção da minha imaginação. Imortalidade seria simplesmente inexplicável.

"Você não me deixa escolha, filha de Marcus. Você questiona sua própria mente quando você me vê metamorfosear de uma criatura do deserto neste velho. Se você quiser entender, compreender verdadeiramente o que você é, você deve abrir sua mente! Você é única; um dos poucos que restaram de sua espécie. O que torna você não só de muito valor como um alvo,”  diz ele. "Abra os olhos e veja!"
            "Eles estão abertos!"
            "Não... Você está olhando, mas você não está vendo,” ele diz, e vira a cabeça, inclinando-a para cima. "Olhe! Espie e veja!” Diz ele e agarrando meus pulsos com as mãos calejadas, ele pressiona seus dedos nas minhas marcas de nascença que Anthony raspou antes. Eles ganham vida sob o seu toque. "Sementes de suas lembranças estão queimadas em sua alma. Deixe-as acordar dentro de você,” ele canta alegremente em uma língua antiga. A pressão das pontas dos seus dedos calejados, lentamente, começa a queimar. A intensidade de seu toque me queima, acendendo um fogo que eu não sabia que existia dentro de mim, sacudindo-me acordada. Quando ele desaparece da minha visão, eu me encontro buscando por ar; minhas costas arqueiam do chão duro, enquanto eu tusso forte. Um par de mãos me coloca suavemente para baixo, novamente, na terra firme. Minha respiração, devagar, volta ao normal e eu descontroladamente pisco os olhos, tentando abri-los. Minha visão, primeiro está desfocada, e as imagens se agitam umas dentro das outras. Mas aos poucos tudo fica em foco e claro. Há três pares de olhos preocupados olhando para baixo,  para mim.

            "Ela está de volta..." a mulher com o cabelo loiro diz com o mais familiar dos sons. Eu ainda devo estar sonhando, porque esta é a mulher que enfiou a mão no pára-brisa do SUV, sem quebrá-lo, para arrancar a criatura do Hades, mas ela tem a voz de Stella.

            "Ellie?” Diz uma voz suave que eu reconheço. É a voz do meu tio. Eu pisco várias vezes. As vozes são familiares, mas dois dos rostos são diferentes; a minha realidade parece distorcida. Será que eu acordei em uma dimensão diferente?

            "Pergunta:" eu digo, enquanto eu continuo a piscar repetidamente meus olhos e, finalmente, esfrego-os com as almofadas das minhas palmas das mãos. "Eu ainda estou sonhando?"

            A mulher sorri e responde: "Não, querida, você não está."

            "Stella?" Eu pergunto questionando. "Seus esquemas para a juventude e pele pura devem ter funcionado bem..."

"Por que você diz isso, meu amor?” Ela pede em seu sotaque francês de costume, e eu sinto alívio sabendo que pelo menos um dos meus sentidos está funcionando corretamente.

"Porque, você parece sensacional agora. Você está irradiando juventude e beleza... Assim como meu tio." Eu sussurro, e ela se vira para o meu tio com os olhos arregalados.

            "Você pode me ver como eu sou?"

            "Sim. Tem alguma coisa errada com a minha visão? " Pergunto preocupada.

            "Não. Sabe o que você é? "

            "Estranhamente todo mundo está me fazendo esta pergunta. Eu teria dito uma garota de 21 anos da Califórnia, mas, aparentemente, a resposta correta é um Nephilim. Eu estou louca?"

            "Não, querida, você não está louca. Nós estivemos esperando que você descobrisse o que você é, há um longo tempo,” diz Stella com alívio evidente em seu tom. Todos os três soltam um suspiro que estavam segurando, e eu percebi que só Anthony não disse nada.

            "Você é como eu também, Anthony?" Eu pergunto.

            "Sim, senhora. Apesar de que você é muito mais valiosa do que eu. Eu não sou da primeira geração.”

            "E sobre..." Eu limpo minha garganta. "E sobre o Sr. Pella... Ele é como nós?" Eu pergunto, em voz quase inaudível.

            "Ele definitivamente é,  senhora,” ele responde. Não perco o olhar que os três trocam.
            "Há muitos de nós?" Pergunto tentando sentar-me, achando a tarefa difícil.

            "Muito poucos, não tantos como costumava haver, senhora."

A voz inquieta do meu tio vem alertando. "Vamos nos mudar. Ellie, precisamos mudá-la para outro lugar. Não é seguro aqui."

            "Eu já estou me mudando. Eu tenho um novo emprego!"

            "Srta. Duncan,” enfatiza Anthony, "está indo trabalhar para o meu patrão, o Sr. Alex Pella,  como sua assistente pessoal. Eu vim com ela para levá-la de volta para Los Angeles, depois que ela embalar seus pertences para a semana." Este bit de informação torna tanto o meu tio Gabe como Stella,  silenciosos.

            "Voltar?” Pergunta meu tio enquanto Stella parece estar boquiaberta pela primeira vez.

            "Eu não tive tempo para informá-lo. Aconteceu muito rápido. Eu tenho um novo emprego como assistente pessoal do Sr. Pella... seu chefe,” eu digo levantando meu polegar para Anthony, que está me ajudando a ficar de  pé. "Podemos discutir isso em casa, eu preciso fazer a mala.”

            "Você sabe o que aconteceu aqui?" Stella pergunta finalmente encontrando sua voz.

            "Que tal se todos nós nos movimentamos e conversamos no caminho...” sugere Anthony, e abre a porta do SUV para mim. Nós nos empilhamos dentro.

            "Onde está seu carro?" Pergunto a meu tio.

            "Isso não é importante agora. Nós temos algumas coisas para discutir. Parece que você já conseguiu um trabalho hoje e está se mudando no mesmo que você conseguiu este trabalho e nós não sabemos onde,” diz ele. "Eu não acho que esta é uma sábia decisão, Ellie. Você sabe o que aconteceu aqui? "

            "Eu desmaiei, o que parece estar acontecendo muitas vezes recentemente. Comprometo-me a ver um médico após eu voltar dessa semana de trabalho,” eu digo.

            "Não... Quero dizer, sim, você desmaiou, mas você não desmaiou porque você está doente. Você desmaiou porque você está recuperando memórias de seu próprio ser como um Nephilim. Seu corpo está começando a aprender a ajustar," tio Gabe responde. Eu olho para ele timidamente. A confirmação da minha experiência de alguma forma me deixa inquieta. Eu viro minha cabeça para Anthony para confirmar que eu estou ouvindo tudo corretamente:
            "Anthony, eu não estou sendo conduzida para uma unidade de saúde mental, estou?" Eu pergunto.

            "Posso assegurar-lhe que você está muito saudável Srta. Duncan. Eu só estou lhe deixando em sua casa para empacotar,” responde Anthony com uma cara séria.

            "Você é um Nephilim... A primeira geração Nephilim, e seu tio e eu estamos aqui para protegê-la,” explica Stella.

            "Você soube o tempo todo, mas você não me contou? Você sabia que eu pensava que eu estava ficando louca! Deixei Sarah me levar para seu psiquiatra! Ele me fez pensar que eu sou louca! Por que você não me contou? "

            "Baby, mesmo ganhando suas habilidades e lembranças, um passo de cada vez, está cobrando um preço alto em seu corpo. Olhe para isso! Você esteve desmaiando a  cada vez. Se tivéssemos inundado você com essas informações isso iria matá-la; você é valiosa demais para correr esse risco, baby! Isso  tem que ocorrer por si só."

            "Então, você não pode preencher os brancos para mim?"

            "Sinto muito, querida. Não sem prejudicar irreversivelmente você. Você deve confiar em seus próprios instintos e confiar que nós sempre cuidamos de você,” diz o meu tio em uma voz suave, mas sombria. O SUV para diante dos portões de ferro forjado da casa do meu tio. As portas duplas deslizam para trás e Anthony avança.

            "Sarah... é um Nephilim?" Pergunto com relutância.

            "Nem um pouco! Ela é muito aborrecida e, possivelmente, sabia que você era especial o tempo todo e...” continua Stella com alívio em sua voz, mas meu tio a repreende.

"Stella!” Com uma voz firme e um olhar ameaçador.

            "E você?" Eu pergunto para mudar o tópico de Sarah.

            "Nós somos..." Stella deixa a frase suspensa no ar olhando para o meu tio para completar o resto embora ele a repreenda... “Watchers,” ele termina enquanto Anthony estaciona o SUV em frente da casa.

            Eu testo a palavra, ”Watchers? O que exatamente é um Watcher?" Eu pergunto. Este é um pedaço de informação que eles precisam esconder de Anthony?

            "Grigori," Stella responde.

            "Ok, eu não tenho nenhuma idéia do que é isso..." Eu lanço as minhas mãos no ar, exasperada.

            "Você sabe que eu não sou parente da sua mãe, a Sarah, eu quero dizer. Eu fui adotado por seus pais,” diz o tio Gabe e abre a porta do SUV.  Eu o sigo para fora do veículo. Então, ele se vira para mim e segura meus braços sobre meus cotovelos, com firmeza e olha nos meus olhos severamente.

            "Ouça-me, Ellie. Você está em perigo. Em perigo mortal,” ele enuncia cada palavra claramente, então eu não tenho nenhuma dúvida do sentido de seu discurso. "Isso não é para ser tomado de ânimo leve. Assim, muitos estão atrás de você! Precisamos levá-la para um lugar seguro até que possamos determinar o que pode ser feito. Nossa casa não é mais segura, embora possa fornecer uma quantidade limitada de proteção. Agora que eles já sabem que você completou a idade, eles vão encontrá-la!"

            "Você está me dizendo isso agora? Quem está me procurando? Quem irá me encontrar? "

            "The Fallen Angels, os caçadores de recompensas, os Darklings... Quem quer um pedaço do céu, quem pode lucrar com isso, vai vir atrás de você! "

            "Por que eles me querem? Eu não tenho nada. Menos do que nada..."

            "Você tem sua alma. Uma alma de valor inestimável, uma alma que pode ser uma chave para o céu. Isso não é apenas nada! Há pessoas que são seus servos, pessoas que venderiam suas almas por um pacote de cigarros. Sabe as extensões a que eles iriam se soubessem o quão valiosa você é? " Meu tio responde com firmeza.

            "Eu não quero viver fugindo! Eu tenho um emprego. Um grande emprego! Estou indo hoje à noite!” Eu respondo.
            "Eles tentaram levá-la não mais do que meia hora atrás, Ellie!" Meu tio me repreende com raiva.
            "E de alguma forma eu consegui impedi-lo, ele, ela, o que quer que fosse!” Eu respondo com igual fervor.
            "Foi só Phlegethon! Seus poderes são limitados na superfície da terra, mas fortes o suficiente para quase rasgar a alma de Anthony! É apenas um servo de um seus inimigos!" Meu tio diz asperamente. Eu chego para abrir a porta da frente da casa. A mão de meu tio chega para mantê-la no lugar.

            "Você conhece Anthony? O meu trabalho é algo que vocês todos  cozinharam?"
Pergunto desapontada.

            "Eu só o conheci quando nós viemos para salvá-la. Mas eu sei o que ele é. Não há muitos de sua espécie. Ellie, por favor, eu estou te implorando. Não vá! Precisamos protegê-la! "

            "Posso assegurar-lhe, senhor, a Srta. Duncan estará bem protegida!" Interrompe Anthony. Meu tio vira a cabeça para Anthony como se ele estivesse apenas agora percebendo sua presença.

            "Como você não conseguiu protegê-la? E se a gente não chegar a tempo?” Diz ele ameaçadoramente, fazendo Anthony estremecer.

            "É a minha escolha! Minha vida!"

            "Sua vida NÃO é sua!" Meu tio grita para mim e minha mão recua da porta. Teria sido melhor se ele simplesmente me batesse.

            "Eu sempre vivi a minha vida como todo mundo nessa casa me disse para viver. Eu fui para a escola que você escolheu. Eu fiz amizade com pessoas que você considerou dignas. Fui ao psiquiatra que Sarah me fez ir mesmo que ela não tenha sido minha mãe um único dia, para não mencionar que me culpava por existir! A única pessoa que não me faz sentir que eu sou um fardo é Stella, e ela é a babá. Então, eu estou lhe perguntando,  tio, que vida é essa que eu estou vivendo? " Eu sussurro.

            "É toda sua, baby!” Diz Stella, seu olhar atirando punhais no meu tio. "Vá empacotar."

            "Stella! Eu tenho um juramento! Você tem um juramento! Ela precisa ser protegida! "

            "Eu pretendo manter o meu juramento! Deixe-a viver, Gabriel! Deixe-a ter uma chance na vida! " Vomita Stella quando ela me empurra para dentro da casa.

            "Eu tenho um dever! Nós dois temos,” diz meu tio, e Stella se vira em seus calcanhares para falar com meu tio e ordena a Anthony:

            "Não fique aí parado, Anthony, guarde a porta dela enquanto eu dou uma palavra com Gabriel,” diz ela, e Anthony me segue lá em cima. Eu subo as escadas em caracol, dois degraus de cada vez, ansiosa para sair da casa. Eu rapidamente faço um inventário mental dos itens que eu quero levar comigo: duas malas devem ser suficientes. Quando eu chego a minha porta, Anthony interrompe: "Eu vou esperar por você aqui, senhora, para lhe dar privacidade,” diz ele, e eu aceno com a cabeça, enquanto eu fecho minha porta. Devo ter deixado a porta da varanda aberta; meu quarto parece frio, mas eu não me importo. Eu vou para o meu armário de imediato, e baixo as malas que eu vou levar para a viagem. Eu rapidamente recolho as roupas que eu quero usar, e as dobro, enquanto eu as coloco nas malas. Eu deveria tomar um banho rápido. Meu vestido preto está  poeirento por eu ter sido colocada no chão. Eu rapidamente me encaminho para o banheiro e ligo o chuveiro quente. Eu escolho minhas roupas para vestir e preparo os meus cosméticos e sacola de itens pessoais. Quando o vapor começa a cobrir as paredes do chuveiro, eu arranco o meu vestido e minhas roupas de baixo e rapidamente entro no chuveiro. Eu quero me limpar e sair rapidamente, mas a água quente relaxa os músculos e me livra da dor que eu não sabia que eu tinha. Eu finalmente levo meu tempo debaixo da água quente.

            Quando eu termino de lavar meu cabelo e corpo, eu saio do chuveiro, e enrolo uma toalha de banho ao redor do meu corpo, e outra como um turbante no meu cabelo. Depois de me secar, eu rapidamente coloco meu sutiã preto e calcinha tipo shorts. Eu coloco as calças de brim Hugger e uma vistosa blusa sem mangas preta. Meu cabelo entra em um rabo de cavalo, e eu finalmente coloco minhas meias e tênis. Tomando minha bolsa de cosméticos, eu me encaminho para o meu quarto, e estaco de repente. Sarah está de pé no meio do cômodo, esperando por mim. Por que Anthony a deixaria entrar? Ou ela estava no meu quarto o tempo todo, escondendo-se na varanda, talvez? Ao vê-la olhando para mim, sem pestanejar, o meu passo vacila.

            "Indo para algum lugar?” Ela pergunta com indiferença.

            "Sim. Eu tenho um emprego. Vou me mudar,” eu respondo enquanto eu avanço para a minha cama para colocar o último item e fechar as malas. Eu verifico o meu relógio. Eu estive no meu quarto por 37 minutos!

            "Eu entendo... Você acha que é sábio para você deixar... ” diz ela com indiferença franzindo os lábios, “... sem completar o seu tratamento com o Dr. Newman?” ela pergunta, arqueando as sobrancelhas perfeitamente depiladas.

            "Eu não gosto dele, e ele com certeza não gosta de mim. É melhor eu não utilizar os seus serviços,” eu respondo olhando para ela incisivamente. Ouço ruídos abafados abaixo. Eu ando em direção à porta para ver o que está acontecendo.

            "Pare!" Sarah grita bem alto, a fúria emanando de seu corpo, seus olhos parecendo vidrados.

            "Tive um longo dia, Sarah. Podemos discutir isso outra hora?" Pergunto para acalmá-la.

            Ela dá um passo adiante em relação a mim, me congelando no lugar com o olhar. "Você acha que esta oportunidade irá ocorrer outra vez?” Diz ela com um sorriso zombeteiro.

            "Você tem sido uma menina perturbada, anormal, esquisita desde o nascimento,” ela afirma como  se ela estivesse explicando um fato simples a um idiota. "Você sabe o que você fez quando você nasceu?”  Ela me pergunta retoricamente. Sem esperar pela minha resposta, ela continua, enquanto ela lentamente anda em minha direção. "Podem pensar que eu não me lembro, porque me colocaram para dormir. Mas eu acordei, eu estava coerente o suficiente. Eu vi tudo!” Ela diz com uma voz grave gutural. "Eles a limparam e tentaram dá-la para mim quando me viram meio coerente, e você gritou como se eu fosse o diabo! Mas no segundo que a puta da sua babá entrou no quarto, você sorriu para ela! Você, um bebê recém-nascido, estendeu os braços para ela! Eu vi isso! Você estendeu os braços  para ela! E quando ela a segurou firmemente como se você pertencesse a ela, você falou! Que tipo de bebê fala? Apenas um anormal,” ela vomita.

            "Eu falei?" Pergunto incrédula.  "Diga, mamãe,” eu digo sarcasticamente: "O que um recém-nascido falaria? Eu sei que você me odeia, mas eu não posso acreditar que o seu ódio se estenderia para inventar uma merda assim!" Eu grito para ela.

            "Você disse uma palavra... uma única palavra, 'Alexander'. Eu nunca somei dois mais dois até seus sonhos bizarros começarem. Você é uma abominação! Você não me pertence, e eu sei exatamente como consertar o meu erro!” Ela diz e se move para trás de mim, me pega em uma ‘choke-hold’  (N.T. gravata) e aponta uma faca estranha para a minha garganta.

            "O que você está fazendo?" Eu grito.

            "Esperando para você ser recolhida! Não se atreva a se mover, ou eu juro por Deus que vou abrir sua garganta, como um cordeiro sacrificial,” ela grita enquanto  seu braço direito me segura apertado e a ponta da faca escava bem na minha jugular. Eu posso sentir a respiração de Sarah no meu pescoço. Eu tento lutar, e ela se inclina em minha orelha e sussurra: "Se você deseja ser descuidada com sua vida, tentando escapar de mim, por favor, só vai me fazer mais feliz e eu não hesitarei em mandá-la de volta para o inferno de onde você veio!"

Meus olhos lentamente percorrem o braço em volta do meu pescoço e quando eu olho para baixo, para a faca, eu vagamente percebo uma pequena sombra opaca de um gládio de prata, com entalhes sobre ele. (N.T. gládio era a espada utilizada pelas legiões romanas. Era uma espada curta, de dois gumes, de mais ou menos 60 cm, mais larga na extremidade. Era muito mais uma arma de perfuração do que de corte, ou seja, devia ser utilizada como um punhal, ou uma adaga)  De onde ela tirou isso? Eu a sinto se mexer atrás de mim, e ela move o braço esquerdo pressionando alguma coisa. Lágrimas picam atrás dos meus olhos. Esta é a mulher que deu à luz a mim! Meu coração se despedaça mais. Como pode a própria mãe odiar seu filho? Eu tremo em seu aperto, e não de medo de morrer, mas de ódio de todas as suas palavras, roubando minha força, fazendo-me sentir inútil. Minhas lágrimas silenciosas me traem e escorrem em um fluxo constante, através de minhas bochechas, em seu braço.

            "Esse é seu jeito de pedir a minha misericórdia? Porque eu seria  misericordiosa com uma abominação?”  Ela zomba de mim. Eu não digo nada em resposta e tento desligar meus sentimentos. Eu tenho que ficar longe dela. Os ruídos fora crescem, e Sarah se mexe atrás de mim mais uma vez.

            "Eu não posso acreditar nisso! Três homens não podem fazer o trabalho que uma única mulher pode realizar!”  Ela grita e pressiona algo, seu telefone, eu acho. Ela está lendo uma mensagem de texto enquanto ela está me mantendo refém? Eu me esforço para encontrar uma abertura, mas ela me chuta na minha canela, e uma forte dor viaja através da minha perna.

            "9-1-1 operador, qual é a localização exata de sua emergência?" Eu ouço a voz ao telefone. Eu estou momentaneamente surpreendida ao saber que ela está ligando para o 911.

             "Por favor, ajude-nos! Minha filha e eu estamos no Duncan Estate. Aqui é Sarah Duncan! Estamos em perigo!" Sarah grita. Que diabos ela está tentando fazer? Matar-me e culpar outra pessoa?

            "Que tipo de perigo senhora?" O operador responde.

            "Socorro! Por favor! É ela! Minha mã..." Eu grito, mas eu não posso dizer o resto das minhas palavras pois Sarah desliga o telefone e empurra o gládio em minha garganta um pouco mais.

            "Obrigado por isso!” Diz ela, e eu sinto seu sorriso atrás de mim. "Isso vai dar o aroma de seu sangue para os tubarões...  Agora, temos que esperar,” ela diz, e como se fosse uma deixa, a porta do meu quarto é aberta com estrondo. Alex Pella está à porta, como um deus grego! Meus olhos estão bem abertos a princípio, e eu pisco várias vezes para ver se ele está realmente aqui, ou se eu estou sonhando de novo. Minha respiração suspende, meus lábios tremem e eu engulo em seco. Abro os olhos arregalados, com medo de que ele desapareça se eu fechá-los. O gládio empurra ainda mais para minha jugular, com apenas pressão suficiente para que. se ela apertar apenas mais um milímetro, ela vai tirar sangue. Os olhos de Alex avaliam rapidamente a situação. Ele é surpreendido por encontrar Sarah com uma lâmina na minha garganta, mas como um homem no comando, ele rapidamente se recompõe, seus olhos me dão um olhar de cima a baixo rapidamente, em menos de três segundos, e ele concentra a intensidade de seu olhar azul escuro em Sarah. Se ele sentiu qualquer alívio por ver-me viva e inteira, ele não dá nenhuma indicação de seus pensamentos. Parece que ele está no controle total de seus movimentos, emoções e palavras.

            "Não. Chegue. Mais. Perto. Eu vou empurrar isso em sua garganta e isto vai matá-la facilmente!” Diz Sarah, sem qualquer emoção.

            "Você faria isso com a sua filha?” Pergunta Alex com um rosto impassível, dando um passo adiante.

            "Ela era apenas um filho biológico, não minha filha! Eu nunca quis tê-la! Ela levou tudo... " Sarah continua, mas suas palavras estão perdidas para mim. Sua falta de amor, a declaração de sua repulsa por mim, diante deste homem por quem eu estou exaustivamente atraída, gosto mesmo, dói mais do que se ela estivesse dando um depoimento para mostrar a ele que eu não sou digna de amor. Se Sarah me abrir agora ou a terra me engolir,  não faria de todo diferença. Minha garganta incha enquanto eu tento engolir uma pedra enorme, me sufocando. A resposta de Alex para Sarah me traz de volta para os meus sentidos.

            "A falha nesse argumento é que Abraão estava servindo seu Deus. Quem você está servindo, Sarah?” Ele pergunta e dá mais um passo para frente. Como ele sabe o nome dela? Será que eles se conhecem?  Ele não olha para mim. Seu olhar só está fixado em Sarah como se eu não estivesse nem mesmo na sala. Isso é pior. Será que ele está de acordo  com ela?

            "Eu! Vou recuperar a minha juventude, a minha antiga beleza e a imortalidade. Eles prometeram!" Sarah diz tão segura de si. "Uma vez que ela esteja fora do caminho, posso ter tudo o que era meu por direito!"

            "Eu não quero nada... Você pode ficar com tudo,” eu sussurro. Estou morrendo por dentro. Ela nunca me deu nada, para começar, como ela poderia alegar que eu tirei tudo dela?

            "Não fale nada!" Sarah grita e com a intensidade de seu ódio, ela empurra o último milímetro em minha garganta e tira sangue. Eu sinto a gota de sangue quente recolhida na ponta de seu gládio. O olhar de Alex se alarga por uma fração de segundo, e ele olha para mim, então ele imediatamente olha para Sarah novamente, levantando as mãos para cima para mostrar a ela que ele não é perigoso. Mais dois passos, e Sara exerce um pouco mais de pressão sobre o gládio, e meu sangue começa escorrendo preguiçosamente sobre minha garganta em um risco quente.

            "Não se aproxime,” Sarah fala em um tom doce como se ela estivesse falando de um dia agradável ao sol.

            "Se você matá-la, Sarah, eles vão te matar. Eles precisam dela viva, diz Alex. Acabei de perceber que ele está negociando com Sarah pela minha vida. Ele quer me salvar! O que todo mundo sabe que eu não sei?

"Não! Eles ainda precisam de mim. Eu sou a única que pode tocá-la e matá-la,  enquanto eles não podem nem sequer tocá-la,  como se ela fosse água benta para o diabo!” Diz ela rindo estridente. "Eles não podem sequer tocá-la! Sim, senhor, eles precisam de mim!" Sarah diz, em um tom estranho. "Eles disseram que ela é uma abominação... Eu sabia o tempo todo! Ela é! Eu estava certa!"  Sarah sibila. Ouvindo a aversão de uma mulher que me deu à luz em frente ao único homem que eu realmente gostei e desejei, o homem que vai ser o meu futuro patrão, esmaga minha alma e eu tremo como uma folha, mal conseguindo ficar de pé. Algumas coisas acontecem simultaneamente naquele momento. Eu vejo um borrão de um dardo no meu quarto, com uma velocidade estonteante, criando uma onda de vento e em menos de dois segundos de tempo,  Alex fecha a lacuna entre nós e captura o gládio da mão de Sarah, enquanto me puxa para fora de seu alcance e me esconde atrás dele, me protegendo com seu corpo.

Eu agarro Alex com todas as minhas forças, e como a adrenalina desaparece de meu corpo, minhas pernas enfraquecem. Tudo parece estar chacoalhando e sacudindo. Eu finalmente percebo que  é o meu corpo que está fazendo o tremor. Minha respiração acelera com ansiedade, eu não posso ter ar suficiente nos meus pulmões e eu me sinto mal por estar na mesma sala com Sarah. O braço de Alex me envolve com firmeza, segurando-me firmemente, protegendo o meu corpo: sua posição é defensiva, vigilante e pronto para atacar. Eu vagamente percebo que Stella está segurando Sarah. Eu me agarro em Alex como se minha vida dependesse disso e cedo em seu abraço. A voz de Stella me traz para aqui e agora.

"Leve Ellie para longe, e proteja a minha menina, Alex,”  diz ela e meu olhar finalmente localiza Stella. Estou atônita, com a minha respiração superficial, e eu olho para a única mulher que cuidou de mim. Seu tom de voz suave é a minha ruína, eu sinto as lágrimas brotando por trás dos meus olhos. Sarah pode machucar Stella? Eu preciso saber. Estou preocupada com ela, mas eu não posso formar uma única frase sem desmoronar. Eu não esperava que a minha última , na casa que eu , fosse ser assim.

"Vá em frente querida! Saia para o mundo e viva sua vida! Eu estarei lá quando você precisar de mim!" Stella sussurra em voz baixa. Eu vagamente percebo a escuridão através da minha porta da varanda aberta atrás dela, enquanto a cortina simples ondeia com o vento suave. Eu imperceptivelmente noto que é uma noite sem estrelas. Meus braços seguram Alex apertado. Neste momento ele é meu bote salva-vidas. Para onde eu vou a partir daqui? De onde eu faço parte? Sarah olha para mim com um sorriso malicioso, tirando prazer da minha tristeza. Alex me puxa para fora do cômodo, suave mas insistentemente, e as primeiras palavras coerentes que consigo fazer sair da minha boca são, "minhas malas,” entre meus soluços. Meu corpo treme de forma incontrolável, e uma represa está quebrada atrás dos meus olhos. Eu não tenho nenhum lugar para chamar de casa.  Estou oficialmente sem teto.

"Anthony vai buscá-las,” diz Alex suavemente. Suas palavras gentis me dão conforto. Quando eu olho nos olhos dele para agradecer-lhe, ele tem mais do que preocupação e cuidado neles. Ele me olha com desejo e alguns sentimentos não ditos. "Obrigada, Sr. Pella..." Eu gaguejo e esfrego as lágrimas selvagemente com minhas juntas.

"Shhh..." ele murmura, e segura minhas mãos suavemente. Ele beija minhas juntas, uma por uma carinhosamente, suave e sensualmente. Em seguida, ele vira as palmas das mãos para cima e as beija, enquanto seu olhar está fixo em meus olhos. Quando ele finalmente coloca-as para baixo, lentamente,  dos meus lados, ele assume a tarefa de secar minhas lágrimas suavemente, me fazendo esquecer completamente o que acabou de acontecer no meu quarto.

"Está tudo bem, você está bem. Estou aqui, agora,” diz ele em um sussurro suave, sua voz cheia de certa suave emoção. Sua estatura imponente irradia incandescência, paixão, desejo e amor. Será que é porque somos da mesma espécie? Mas, neste momento, eu não me importo, eu estou cativada e protegida dentro do campo de força corporal que ele acabou de criar entre nós. Eu só vejo seu rosto esculpido e seus penetrantes olhos azuis olhando para mim,  avaliando, atados com uma emoção profunda. Aspiro seu inebriante almiscarado masculino, uma mistura de ar livre, uma combinação de cravo, musgo, especiarias e patchouli, que é forte, viril, dominador e ao mesmo tempo muito urbano. A atração que sinto por ele é imensurável, incontrolável e intensa, mesmo em face do perigo que se encontra a apenas quinze metros de distância. Mas ela não pode ser impedida porque o sentimento que eu tenho por Alex não tem interruptor para deligar. Eu estou impotente contra seu magnetismo; vejo-me colocando minha cabeça em seu peito, e de alguma forma, eu me sinto em casa, eu envolvo meus braços ao redor de seu torso firme, sentindo seus músculos tensos debaixo dos meus braços. A sensação de déjà vu, o sentimento de pertencer ao cativeiro de seu abraço, me purifica.

"Você me salvou, Sr. Pella... outra vez..." murmuro para agradecer-lhe. Mas, finalmente, a compreensão surge em mim que o homem em quem eu estou me segurando em um abraço à prova de luz, como um amante, é o meu futuro chefe. Eu me sinto tão envergonhada, eu me torno carmesim como o manifesto comunista e lentamente começo a retirar meus braços, e murmuro um pedido de desculpas sob a minha respiração, enquanto eu tento reunir coragem de olhar para seu rosto. Alex levanta as sobrancelhas para mim enquanto ele coloca meus braços em volta de sua cintura com firmeza. Ele não gosta que eu o chame Sr. Pella e ele quer que eu o segure. Minhas entranhas derretem.

"Alex,” eu me corrijo suavemente enquanto meu coração pega velocidade, minha garganta seca, e tudo que eu quero fazer é beijá-lo como se não houvesse amanhã. Estou atraída por ele com tal intensidade que Dédalo e Ícaro não tinham nada mais do que eu;  eu quero me mesclar com ele. (N.T. Dédalo e Ícaro queriam voar e estavam tão atraídos pelo Sol, que Ícaro voou perto demais dele e seu calor derreteu a cera que colava as penas de suas asas e Ícaro despencou e morreu). Tudo ao meu redor deixa de existir, a não ser para ele. Eu olho para ele com os lábios entreabertos, o meu coração na minha garganta, tentando estourar fora do meu corpo, meu sangue canta para este homem e, neste momento, eu não me importaria se ele me tomasse aqui e agora. Eu vejo o meu ardor refletido em seus olhos. Seu olhar está ligado com o meu, buscando a confirmação da minha paixão, dos meus sentimentos e do meu desejo por ele.


"Eu vou fazer algo que eu queria fazer desde a primeira vez que eu coloquei meus olhos em você!” ele murmura com uma voz rouca, licenciosa, enquanto seu dedo empurra a parte inferior das minhas costas, instando-me para diante contra sua frente, onde eu  sinto sua excitação grossa contra a minha cintura. O conhecimento de que ele me quer tanto como eu quero a ele é inebriante, vívido!

"O quê?" Pergunto engolindo, tentando disfarçar minha respiração ofegante, pedindo-lhe com meus olhos para me beijar. Ele geme quando  ele se abaixa, me erguendo, e pressiona-me firmemente no seu corpo, fazendo-me sentir cada centímetro de sua ereção dura, deixando-me saber o quanto ele me quer, também.


 "Isso...” diz ele, enquanto ele inclina sua cabeça para fechar os últimos cinco cm de distância entre nós, me envolvendo com ele, enquanto  meu corpo inteiro se espreme nele. Seus braços me levantam ainda mais, enquanto eu coloco minhas pernas ao redor de seu torso, empurrando-me para a sua ereção,  e seus lábios encontram os meus, selando-os. Merda!  Eu o quero!



21 comments:

jacqueline aires said...

Minha nossa...fiquei sem fôlego. Amei esse capítulo e aguardo os próximos com ansiedade.

Anonymous said...

ai meu deus neusa, nao poderia acabar esse capitulo de uma forma mais frustante, necessito urgentemente do proximo hahahahah, mais anciosa ainda! a gente se empolga tanto que se esquece que vc tb tem sua vida particular e muitas outras coisas pra fazer alem desse trabalho que eu amo tanto, muito obrigada por todo o carinho e dedicacao a nos, sempre respondendo os nossos comentarios! tambem fico imensamente feliz qdo vc responde, td de bom e otima semana, ate o proximo maravilhoso capitulo! bjusss

patricia costa

Anonymous said...

é bom de maisssssssss

Tati said...

TO de boca aberta ate agora!!!! minha nossa!!! Emine estou adorando tudo!!!! parabéns!!! obrigada NEUSA!!!bjs

Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Maravilhoso adorando tudo isso, essa espera pelos capítulos está me matando, rsrsrs

Anonymous said...

Socorro...! Proximo capitulo urgente!!!kkkk

Olidelgi said...

Nooosssaaaa, com esse frio só mesmo um capítulo como esse para esquentar um pouco. Esse Alex Pella é demais, mesmo, hein!!!!!

Ansiedade tomando conta à espera do próximo capítulo.

Bjs

Danny said...

Uahuu .... Essa espera estar virando tortura mais um , mais um por favor ..... Bjs amando muitoooooo

Anonymous said...

Gente, quanta intensidade!!!! Preciso urgente do proximo capitulo!!!!!!
Bjs Lala

Pao said...

Precioso capítulo necesito el próximo rápidamente. Gracias por una excelente y entretenida historia y gracias Neusa por hacer posible que la tengamos nosotras

Luxo da Lix said...

Uau! Que espetáculo de livro é esse?! Muito bom, fabuloso!

Mari Lins said...

Jesus!!! Sem fôlego até agora. Emocionante demais esta história. Parabéns Emine pela facilidade com que escreve e nos contagia e prende. Neusa quero mais, muito mais. Que delícia de história, que delícia de homem. Obrigada Emine pelo presente. Obrigada Neusa por trazê-lo tão brilhantemente até nós.

Mari Lins said...
This comment has been removed by the author.
Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Ai meu Deus...primeiro Christian, agora Alex Pella!!! Dois Deuses!! Ui!!
Desse jeito não dá!!!
Ainda bem que maridão volta hoje!!!

Obrigada Neusa por sua dedicação e obrigada Emine pelo belíssimo trabalho.

Beijos!!

Anonymous said...

Cada dia mais apaixonada pela série. Que capítulo emocionante!
Aline Ribeiro

Andrea Leoncio said...

Oh! Emine,é incrível como vc consegue tornar tudo tão real, eu consigo VER as suas palavras com os olhos da mente, e me sinto transportada para a história.

E Neusa belo trabalho! e obrigada por compartilhar conosco o seu tempo,seu conhecimento e seu carinho
Beijos

Jeciane Nogueira said...

Aaah!... Estou cada vez mais apaixonada pela história e pelo pella que é incrivelmente sexy e apaixonado por Elli. Valeu Neusa por mais um capítulo! Indo agora para o próximo capítulo da série. Beijos!;)

Margareth said...

apaixonada pela estória.
Obrigada Emine, obrigada Neusa.
Emine vc escreve desenhando, pois consigo ver/enxergar suas frases, suas palavras.....vc é divina.
Sem dúvidas, se Pella virar livro compro a coleção toda!!!
Isso é uma promessa.
Obrigada Emine, Neusa

Daniela Martins said...

Hello, Emine!
Amando cada vez mais esta linda historia!
Nao vejo a hora de poder comprar seu livro (Echoes in eternity) e me perder entre as paginas! Ler e reler mil vezez!
Parabens, Emine.
Parabens pela traduçao, Neusinha.,
Beijos
Dani
;-)

Patrícia said...

Nossa, que livro é esse.... Chorei quando coloquei a múnica da Christina Perri, me senti vivendo aquele momento, loucuraaaa.
Louca para ler todo livro.
Simplesmente D+

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque foi prorrogada a promoção e logo voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar! A história é maravilhosa!
Beijos,
Pry