StatCtr

Friday, March 15, 2013

Livro 1 - Capítulo XXVII - Christian Grey e Anastasia Steele


CAPÍTULO VINTE E SETE
SOAR (OR SORE) WITH ME
 (Planar (ou Machucar-se) Comigo)
(N.T. Difícil fazer em português o mesmo jogo de palavras, Soar e Sore)

Tradução: Neusa Reis                                                                                      
Edição/Revisão: Beatriz Reis




"Christian! Eu quero o morango!" Diz ela, enquanto tenta alcançar um objeto invisível. É ela se debatendo que me acorda.

"Eu não quero a jaula!" ela murmura enquanto sua sobrancelha vinca em seu sono. A Iluminação das luzes da cidade joga uma magia incrível no seu rosto. Estou intrigado.

"Não leve embora, Christian! Eu quero isto... Nããão!" Ela geme. Eu aliso seu cabelo para acalmá-la. Estou curioso para saber o que ela está sonhando.

"Shhh!" Murmuro suavemente. O vinco na testa suaviza, acalmando seu rosto.

"O quê? Não se vá! Eu não posso" Ela estremece em seu sono.

"Eu te amo! Não me deixe! Eu estou com medo ...” 

I Melt with You by Nouvelle Vague

"Baby... Eu estou aqui. Shhh, agora... " Eu a acarinho. Aliso seu cabelo, tentando relaxá-la. Seu braço me procura no escuro. Eu o seguro, e o coloco em volta do meu pescoço. Ela suspira. É o som mais doce.

"Eu morreria!" Seu rosto se contrai. "Eu morreria... Christian," murmura quase inaudível.

O quê? Por quê?

"Não me deixe..." ela sussurra em seu sono. "Eu só quero mais..." ela murmura tristemente.

É o seu medo que eu a deixe. O que ela não sabe, é que é o meu medo, também. Se ela apenas soubesse, que eu não iria que eu fisicamente não poderia deixá-la, que ela tem uma linha direta para a minha alma.

"Eu nunca vou..." ela se cala. "não, eu não vou deixar você", ela murmura. Eu fecho meus olhos e deleito-me com a informação, a segurança de sua declaração em seu sono. Ela disse isso antes, mas como eu espero para ouvi-lo quando ela estiver acordada.

"Eu quero isso!", Ela estende a mão em volta do meu pescoço.

"Shhh, agora... Relaxe, baby," Eu sussurro no seu ouvido. Eu aliso seu cabelo, lentamente, intencionalmente. Ela sossega e relaxa. Suspiros. Seus braços lentamente ficam moles, imóveis. Eu saio da cama. Eu posso olhá-la para sempre assim. Eu vou e me visto de preto ,  para minha surpresa para ela hoje. Eu a deixo dormir, tanto quanto possível, mas para o que eu tenho em mente para ela, eu preciso acordar minha baby.
"Anastasia", eu tento acordá-la.

"Não", ela geme.

"Vamos agora, baby", eu digo em um tom normal.

"Não. Deixe-me tocar você ," ela suspira.

"Acorde," Eu insisto mais.

"Não", ela murmura enquanto ela pisca os olhos por um breve segundo. Eu acaricio seu ouvido com o nariz, enquanto eu sussurro.

"Acorde, baby", com um sorriso de prazer sabendo que ela está aqui comigo em meus braços.

"Ah... não," ela geme, seu rosto se contrai.

"Hora de levantar, baby. Eu vou ligar o abajur," eu digo baixinho.

"Não", ela geme novamente.

"Eu quero perseguir o amanhecer com você", eu digo beijando seu rosto, as pálpebras, a ponta de seu nariz, sua boca e ela finalmente abre os olhos. Ela aperta os olhos um pouco enquanto a luz suave do abajur da mesa lateral toca seus olhos.

"Bom dia, bela" eu murmuro, e ela geme, me fazendo sorrir.

"Você não é uma pessoa matinal", murmuro. Ela aperta os olhos e olha para mim inclinando-me sobre ela, sorrindo. Eu estou achando graça.

"Eu pensei que você queria sexo", ela resmunga. O quê? É por isso que ela está reclamando? O sexo tem sido tão ruim comigo que ela sente que tem de reclamar?

"Anastasia, eu sempre quero sexo com você. É reconfortante saber que você sente o mesmo," eu digo secamente, sarcasticamente.

Ela olha para mim, mas eu estou muito divertido para ser intimidado por sua reação.

"É claro que eu sinto, apenas não quando é tão tarde", ela murmura.

"Não é tarde, ainda é cedo. Vamos lá! Coragem. Nós vamos sair. Vou adiar o sexo."

"Eu estava tendo um sonho tão bom", ela lamenta ansiando por algo que ela perdeu.

"Sonhando com o quê?" Eu pergunto com meu interesse despertado.

"Você", ela cora. Oh, esta reação desperta meu interesse.

"O que eu estava fazendo?" Eu pergunto.

"Tentando me alimentar com morangos", diz ela. Eu sorrio. Eu acho que eu me lembro dela dizendo isso.

"Dr. Flynn poderia ter um dia de campo com isso. Levante, e vista-se. Não se preocupe em tomar banho, nós podemos fazer isso mais tarde”, eu digo com firmeza.

Ela senta-se, e os lençóis apenas caem até a cintura revelando seu corpo nu. Meus olhos escurecem com desejo, e se eu fizesse o que eu quero fazer agora, iríamos perder nossa chance de pegar o nascer do sol. Então, eu vou ter que controlar o meu desejo.

"Que horas são?", Ela pergunta.

"5:30h da manhã", eu respondo.

"Ohh", ela suspira, "parece como se fossem 3:00h"

"Nós não temos muito tempo. Eu tentei deixá-la dormir o maior tempo possível. Venha."

"Posso ter uma ducha?", Ela pergunta. Eu suspiro.

"Se você tiver uma ducha, eu vou querer ir com você, e você e eu sabemos o que vai acontecer depois... Nosso dia vai embora. Venha. "  Nós podemos fazer isso mais tarde.

Eu estou completamente excitado com o que eu planejei para nós, com o que eu quero compartilhar com ela. “Este vai ser o nosso ‘mais’.” Ela sorri para mim em troca.

"O que vamos fazer?", Ela pergunta.

"É uma surpresa. Eu lhe disse, "eu falo sorrindo para ela. 

Come Fly with Me by Frank Sinatra

"Certo", ela responde e salta fora da cama, procurando suas roupas. Ela localiza-as na cadeira ao lado da cama. Eu também coloquei um par de cuecas boxer de jersey para ela. Ela vê a marca Ralph Lauren, e sorri. Ela desliza nelas, e eu sorrio em resposta. Meu segundo par que ela tem em sua posse agora. De alguma forma, o conhecimento de que algo que era tão intimamente meu agora a está cobrindo, me faz mesmo me sentir ainda mais proprietário em relação a ela.

Desde que eu tenho certeza que ela está de pé, e vestindo-se, eu digo, "Eu vou dar-lhe algum espaço, agora que você está de pé", e deixo o quarto para ir para a sala de estar. Menos de dez minutos depois, ela emerge quando eu estou tomando meu café da manhã.

"Coma", digo a ela. Ela não come o suficiente. Ela me encara.

"Anastasia", eu digo com firmeza, ela parece que vai negociar.

"Eu vou tomar um pouco de chá. Posso pegar um croissant para mais tarde?" Eu olho para ela desconfiado e ela me dá um sorriso doce em resposta.

"Não estrague meus planos, Anastasia:" Eu a advirto.

"Eu vou comer mais tarde quando meu estômago estiver acordado. Umas 7:30 h... ok? "

Ela olha para mim docemente, e com expectativa... Um brilho travesso surge em seus olhos quando meu olhar de resposta se fixa sobre ela.

"Eu quero rolar meus olhos para você", diz ela.

"Sem dúvida, faça, e eu vou ganhar meu dia", eu digo com firmeza. Ela olha para o teto, como se ela está considerando a minha ameaça.

"Bem", diz ela, considerando seriamente," uma surra me acordava, eu suponho", diz ela franzindo os lábios, pesando suas opções. Minha boca atinge o chão com sua revelação!

"Por outro lado, eu não quero que você esteja todo excitado e irritado, o clima aqui é quente o suficiente", diz ela dando de ombros com indiferença. Eu finalmente tenho bom senso suficiente para fechar a minha boca, e tentar olhar descontente, mas claramente na presença de Anastasia, eu falho irremediavelmente. Ela está brincalhona, e suas observações fazem o humor vir à tona.

"Você está, como sempre, desafiando, Srta Steele. Beba o seu chá," ordeno-lhe.

Ela olha para o chá, e percebe o rótulo Twinings, e um enorme sorriso cobre seu rosto bonito. Ela senta-se diante de mim, e me olha por um tempo enquanto ela bebe seu chá.

Quando eu termino com meu café da manhã e ela, com seu chá, deixamos o quarto. Eu lhe lanço um casaco.

"Você vai precisar disso", eu digo, e ela me olha intrigada.

"Confie em mim", eu digo a ela sorrindo, e inclino-me para beijá-la rapidamente nos lábios, em seguida, pego a mão dela e nós nos dirigimos para fora.

Está relativamente frio lá fora, e as luzes do pré-alvorecer estão chegando a leste do horizonte. Quando chegamos a frente ao hotel, o manobrista me entrega um conjunto de chaves de um carro esportivo chamativo, descapotável. Anastasia vira para mim e levanta uma sobrancelha questionando ao que eu respondo com um sorriso.

"Você sabe Anastasia, às vezes é ótimo ser eu", eu digo, conspiratório, ainda sorrindo. Como eu não sorriria? Estou aqui com a mulher que eu desejo, e por quem tenho sentimentos, e nós estamos fazendo "mais" juntos. Ela é a minha esperança, aquela que me faz saber que há “mais” para viver, ajuda-me a viver a vida ao máximo, além do que eu esperava. Eu estou em um estado de espírito muito bom. Eu abro a porta do carro, e me curvando exageradamente, eu a deixo entrar. Então, eu vou para o lado do motorista, e me sento.

"Para onde vamos?" Ela pergunta.

"Você vai ver", eu digo a ela, não liberando nada. Eu engato a marcha ‘drive’ no carro, e me encaminho pela Savannah Parkway. Eu programo o GPS, e ligo o iPod sincronizado com o som estéreo do carro, e uma peça orquestral clássica enche o carro.

"O que é isso?", Ela pergunta com uma voz doce, curiosa.

É uma das minhas óperas favoritas.

"É de La Traviata. Uma ópera de Verdi ", eu respondo

La Traviata by Pavarotti

"La Traviata? Eu já ouvi falar dela. Eu não consigo lembrar onde. O que significa isso? " Ela pergunta. Eu olho para ela rapidamente e sorrio.

"Bem, literalmente, a mulher decaída. É baseada no livro de Alexandre Dumas, La Dame aux Camélias, " eu digo explicando.

"Ah. Eu li sobre isso," diz ela.

"Eu pensei que você poderia ter lido."

"A cortesã condenada", ela diz se contorcendo em seu banco de couro. "Hmm, é uma história deprimente", ela murmura.

"Muito deprimente? Você quer escolher uma música? Estão no meu iPod," eu digo com um sorriso secreto esperto.

Eu toco na tela no console entre nós dois, e abro a lista de reprodução.

"Você escolhe", eu digo a ela tentando, mas não conseguindo esconder um sorriso.

Seus dedos tocam, e vão até a lista de reprodução. Ela arrasta para baixo, e depois de encontrar o que quer, ela pressiona ‘tocar’. Britney aparece com seu clube mix, techno beat. Eu abaixo o volume. Não é uma música que eu coloquei no meu iPod. Foi Leila quem colocou essa música na lista. Britney canta com uma voz sensual.

"Tóxico, hein?" Pergunto sorrindo. 

Toxic by Britney Spears

"Eu não sei o que dizer", ela finge inocência.

Eu abaixo o som um pouco mais. Esta não é uma canção que eu coloquei no meu iPod.

"Eu não coloquei essa música no meu iPod", eu digo a Anastasia casual mas sinceramente, em seguida, aperto o pé no acelerador e escondo um pequeno sorriso quando ela é jogada para trás em seu assento, enquanto viajamos ao longo da rodovia. Eu a vejo pela minha visão periférica. Ela aperta as mãos em seu colo, eu vejo sua mandíbula em movimento, apertando; ela está rangendo os dentes, e seu humor desaba quando ela olha para fora. Oh, não! Ela está se perguntando quem colocou a música no meu iPod. O ciúme e a curiosidade estão pingando para fora dela. Enquanto Britney canta "quem... quem? " ela parece ainda mais desamparada.

"Foi Leila", eu respondo sua pergunta silenciosa. Ela se vira para mim e pergunta: "Leila?"

"Uma ex, foi ela quem colocou a música no meu iPod", eu respondo. Ela senta para trás em pensamento profundo, e depois me pergunta "Uma das 15?"

"Sim", eu respondo.

"O que aconteceu com ela?"

"Nós terminamos", eu respondo.

"Por quê?"

Eu suspiro. Quero ser aberto com Anastasia, eu quero que ela saiba que ela é especial, acima de qualquer outra mulher que eu tive.

"Ela queria mais", digo em voz baixa e introspectivo. A sentença paira entre nós. Anastasia é a única com quem eu alguma vez alimentei a idéia de "mais".

"E você não?", Ela pergunta. Eu balanço minha cabeça.

"Eu nunca quis mais, até que eu conheci você", eu declaro simplesmente. Eu quero que ela saiba que eu também quero mais com ela. Encontro-me desejando mais, precisando de mais, querendo mais... porém  só com ela. Ela aceita o que eu digo.

"O que aconteceu com as outras 14", ela pergunta.

"Você quer a lista? Divorciada, decapitada, morta? " Eu digo quase num tom de zombaria.

"Você não é o Henry VIII", diz ela fazendo beicinho.

"Tudo bem. Em nenhuma ordem particular, eu só tive relacionamentos de longo prazo com quatro mulheres, além de Elena, " eu declaro.

"Elena?", ela pergunta.

"Sra. Robinson para você, " eu dou um meio sorriso. Lembro-me da reação de Elena a seu apelido. Seu rosto escurece com medo, ciúme, raiva... Eu não sei o que mais.

"O que aconteceu com as quatro?", Ela pergunta sacudindo a cabeça.

"Tão curiosa, tão ávida por informações, Srta Steele," Eu reclamo com ela brincando, mas eu estou no modo de divulgação completa agora.

"Oh, Sr  ‘quando você começou o seu período’ ?", ela repreende-me de volta.

"Anastasia, um homem precisa saber essas coisas", eu digo. Eu não quero engravidá-la.

"É mesmo?" Ela retruca.

"Eu preciso", eu digo.

"Por quê?"

"Porque eu não quero que você engravide", eu digo exasperado.

"Nem eu! Bem, não por alguns anos ainda," diz ela me levando de surpresa. Ela quer filhos? É muito cedo para visitar este tema assustador.

"Então, as outras quatro, o que aconteceu?" Ela pressiona, e à luz do tópico anterior, este é um que eu posso responder.

"Uma conheceu outra pessoa. As outras três queriam - mais. Eu não estava no mercado para mais, então, " eu afirmo.

"E as outras?" Ela aperta mais. Deus! Ela deveria trabalhar para mim! Ela é no mínimo convincente.

"Só não deu certo", eu digo. Nada funcionou para o desejo do meu coração, até que eu conheci Anastasia. Ela olha para fora do carro novamente. O que ela está pensando?

"Para onde vamos?" Ela pergunta, perplexa, olhando para a I-95.

"Um campo de pouso", eu respondo.

"Nós não estamos indo de volta para Seattle, estamos?" Ela suspira alarmada. Eu rio com a reação dela. Claro que não. Eu quero perseguir a madrugada com ela.

"Não, Anastasia, vamos nos entregar ao meu segundo passatempo favorito, " eu respondo.

"Segundo?", ela pergunta carrancuda.

"Yeah. Eu lhe disse o meu favorito esta manhã," eu digo, e ela olha para mim, examinando minha expressão.
"Satisfazer você, Srta Steele. Isso tem que estar no topo da minha lista. De qualquer maneira que eu possa ter você,  "digo com todo o fervor que eu tenho por ela.

"Bem, isso está bastante alto na minha lista de prioridades divertidas, excêntricas, também", ela murmura, corando.

"Tenho prazer de ouvir isto", murmuro de volta para ela com indiferença.

"Então, campo de pouso?", ela pergunta. Eu sorrio para ela. Estamos quase chegando, de qualquer maneira, assim, ficaria bem contar-lhe o segredo.

"Planar", eu digo. Ela parece questionar.

"Nós vamos perseguir o amanhecer, Anastasia," eu explico. Eu estou tão feliz, porque eu estou indo  compartilhar o meu segundo hobby favorito  com ela, e isto é o nosso "mais". Eu não posso me impedir de me virar e sorrir para ela. Meu GPS me encaminha para virar à direita, e nós entramos em um complexo industrial. Eu estaciono em um grande edifício branco com um cartaz  Brunswick Soaring Association.

Quando eu desligo o motor, eu viro e pergunto-lhe: "Você está pronta para isso?" com uma voz esperançosa.

"Você vai voar?"

"Sim", eu respondo.

"Sim, por favor!", Diz com emoção e sem hesitação. Eu sorrio com sua resposta e me inclino para a frente e beijo minha mulher.

"Outra ‘primeira’ Srta Steele", eu digo enquanto eu saio do carro. Ela é a primeira mulher que eu estou trazendo para compartilhar o meu hobby. Eu ando ao redor do carro e abro sua porta. Ela sai e pega a minha mão estendida. Eu a conduzo ao redor do edifício para encontrar um trecho de asfalto, onde vários aviões estão estacionados. Taylor está de pé ao lado de um homem com a cabeça raspada e olhos selvagens. Anastasia sorri radiante para Taylor e ele sorri de volta para ela gentilmente. Bom, eu não preciso de outros, não quando já tenho meus empregados olhando carinhosamente minha mulher!

"Sr. Grey, este é o piloto do seu rebocador, Sr. Mark Benson," ele apresenta o piloto. Nós apertamos as mãos, e falamos sobre a velocidade do vento, a sua direção, e outras condições climáticas relacionadas.

"Olá, Taylor," Eu ouço Anastasia murmurando timidamente.

"Srta. Steele", ele responde acenando com a cabeça. "Ana," Eu o ouço corrigindo-se. Em seguida, ele se inclina e sussurra algo que não posso ouvir. Eu estreito meus olhos, mas não digo nada.

"Anastasia", eu chamo a minha mulher. "Venha", eu digo enquanto eu estendo minha mão.

"Vejo você depois, Taylor", diz ela sorrindo, e ele lhe dá uma saudação rápida, e volta para o estacionamento.

"Sr. Benson, esta é a minha namorada, Anastasia Steele, " eu apresento a minha mulher para o piloto.

"Prazer em conhecê-lo", ela murmura e eles apertam as mãos. Benson está deslumbrado com  Anastasia... Deus, quem não está? E ele sorri.

"Da mesma forma", diz ele para ela.

Mark Benson lidera o caminho no asfalto em direção à pista.

"Hoje vamos estar sendo rebocados em qual, Mark?"

"Um Blanik, senhor", ele responde.

"L 13 ou L 23?" eu pergunto.

"Você conhece seus planadores", diz ele com um sorriso.

"L 23 senhor", ele responde.

"Alguma razão especial que você prefira este mais que o L 13?"

"Você sabe que o L 13s tem excelentes características acrobáticas, senhor. Quero dizer, eles são projetados duplamente para planador elementar e de treinamento acrobático. E, claro, eles são ótimos para planar", diz ele.

"Eu usei L 23s antes", afirmo de modo prático, sentindo-me no meu elemento. "Eu também prefiro estes. Por uma coisa, é todo de metal, dois lacres auto-sustentáveis, planador de asas altas. Eu usei-o no meu treinamento para dublê de vôo, e vôo com instrumentos. Com o que você está nos rebocando ", eu pergunto, e  Mark ri com prazer de orelha a orelha.

"Eu vou estar rebocando  você em um Pawnee Piper", diz ele. Eu concordo alegremente. Eu amo aviões, e eu adoro voar. O fato de que eu estou começando a fazer isso com minha mulher é como ter um orgasmo duplo sem ter sexo envolvido.

O avião é longo, liso e branco com listras laranja. O cabo longo e branco está ligado ao Piper de hélice única.

"Primeiro precisamos prendê-la em seu pára-quedas", diz Mark a Anastasia.

"Eu vou fazer isso", eu o interrompo. O dia em que alguém mais prendê-la em uma correia será o dia em que o inferno vai congelar. Benson sorri docilmente para mim.

"Eu vou buscar um pouco de lastro," Benson diz, e vai em direção ao avião.

"Você gosta de amarrar-me nas coisas", observa ela com indiferença.

"Srta. Steele, você não tem nem idéia. Aqui, dê um passo para as tiras," eu digo, e ela faz o que lhe é dito. Ela coloca o braço no meu ombro. O toque me faz endurecer, mas não me movo. Eu quero me acostumar com seus toques. Uma vez que seus pés ficam nas laçadas, eu puxo o pára-quedas, e ela coloca seus braços pelas alças. Eu rápida e eficientemente aperto o cinto e  todas as correias.

"Aí, está pronto", eu digo suavemente, quando termino. O fato de que ela esteja amarrada neste pára-quedas é malditamente excitante. Se eu não fosse voar, eu ia fodê-la no local privado mais próximo.

"Você tem seu prendedor de cabelo de ontem?" Eu pergunto-lhe. Ela acena com a cabeça.

"Você quer que eu prenda meu cabelo?"

"Sim", eu respondo. Ela rapidamente coloca o cabelo para cima.

"Primeiro você," Eu a encaminho para a cabine. Ela vai subir atrás o que me faz sorrir.

"Não, na frente. O piloto fica na parte de trás, " digo a ela.

"Mas você vai ser capaz de ver?"

"Eu vou ver bastante", eu digo sorrindo ainda mais.

Estou incrivelmente feliz em apresentá-la ao meu hobby, algo de que gosto imensamente. O fato de que ela está aguardando ansiosamente por isto, e feliz, me faz feliz. Ela pula dentro, e ajeita-se no banco da frente. Eu me inclino, e puxo a correia sobre seus ombros, puxando entre suas pernas para a correia inferior, afivelando-as com o fecho sobre sua barriga. Eu, então, aperto as correias. "Mais que excitante", eu penso para mim mesmo.

"Hmm ... duas vezes em uma manhã. Eu sou um homem de sorte ", eu sussurro e beijo-a rapidamente. "Isso não vai demorar muito... 20, 30 minutos no máximo. Correntes térmicas não são muito boas nesta hora da manhã, mas é deslumbrante lá a essa hora. Eu espero que você não esteja nervosa, " eu digo.

"Estou excitada", ela diz, completamente feliz, sorrindo de orelha a orelha.

"Bom", eu digo sorrindo de volta para ela. De repente, sinto necessidade de acariciá-la na bochecha, eu acaricio seu rosto suavemente, em seguida, passo para o meu lugar. Eu subo no avião por trás dela.

Mark Benson volta com seu sorriso alegre, ele verifica as tiras em Anastasia, e em seguida, verifica o chão da cabine.

"Sim, isso está seguro. Primeira vez? " Pergunta ele.

"Sim", responde Anastasia.

"Você vai adorar", diz ele.

"Obrigada, Sr. Benson", diz ela educadamente.

"Me chame de Mark", diz ele. Então se vira para mim e pergunta: "Tudo bem?"

"Yeah. Vamos, " eu digo.

Estou mais que feliz de estar voando com a minha mulher, na verdade, poder mostrar-lhe algumas das minhas habilidades neste departamento é bastante emocionante. Mark fecha a tampa da cabine,  e caminha para o Piper e entra.

Quando a única hélice do Piper começa a rodar, nós lentamente taxiamos para a pista, e quando o  cabo estica, de repente sacudimos para a frente, e nós estamos fora da terra. Mark fala para a torre, e o Piper pega velocidade e nós atrás dele. Decolagens são geralmente um pouco irregulares, porque estes são aviões de pequeno porte, e quando o Piper ganha bastante velocidade e distância é elevado para o ar e nós também.

"Aqui vamos nós, baby!" Eu grito atrás de Anastasia. Nós podemos ouvir o som do vento e o zumbido distante do motor do Piper. Abaixo de nós, podemos ver a estrada, o sol nascente, e árvores  e casas dispersas pela cidade. Um amanhecer extraordinário está vindo acima do horizonte tornando tudo ainda mais bonito. Esta é a 'hora de ouro' do dia, e o fato de que eu estou compartilhando-a com a minha mulher, minha Anastasia, torna isto apenas mais espetacular!

Quando nós chegamos a 900 metros, Mark me informa a nossa altitude, e eu digo, "Solte", no rádio. Quando o cabo é liberado, o Piper desaparece de nossa visão, e já não estamos sendo puxados, apenas voando sobre a Geórgia.

Eu estabilizo o planador e viro e mergulhamos em espiral em direção ao sol. Nós giramos e giramos em espiral na luz da manhã. Isso é mágico.

"Segure-se firme!" Eu grito e mergulhamos de novo, mas desta vez eu não paro e nós estamos de cabeça para baixo olhando para o chão através do vidro do teto da cabine. Anastasia grita bem alto de prazer, eu vejo os braços indo para cima e para frente, as mãos espalmadas sobre o Perspex  para parar de cair(N.T.   Perspex é a designação comercial de um plástico resistente, leve e transparente.  É muito utilizado em carlingas de avião.) Sua reação me faz rir, e nós dois estamos curtindo o momento, e rindo muito. Eu giro o avião e estamos do lado certo novamente.

"Eu estou feliz por não ter tomado o café da manhã", ela grita para mim, e eu concordo.

"Sim, em retrospectiva, é bom que você não o tenha feito, porque eu vou fazer isso de novo", eu digo, e mergulho o avião, mais uma vez, até que estamos de cabeça para baixo, e ela ri e ri, muito. Coloco na posição correta, mais uma vez.

"Lindo, não é?" Eu falo para  Anastasia.

"Sim", ela grita de volta.

Sou apenas eu, Anastasia, o pequeno espaço confinado, a bolha deste avião, e o céu infinito da Geórgia, e a luz da majestosa manhã. Se o céu existe, eu estou nele agora. O que mais eu poderia pedir?

"Vê o joystick na sua frente? Eu grito para ela.

"Segure firme!" Eu quero que ela assuma  o controle, mesmo que por um pouco.

"O quê? Não! " Ela diz assustada.

"Vá em frente, Anastasia. Agarre-o, " Peço com veemência.

Ela finalmente agarra-o.

"Segure firme e mantenha-o estável. Vê o marcador no meio do painel da frente? Mantenha o ponteiro no centro,  " eu a instruo. Ela faz o que lhe é dito. Ela está pilotando o planador.

"Boa menina!" Eu a encorajo feliz.

"Estou surpresa que você me deixe tomar o controle", ela grita.

"Você ficaria surpresa com o que eu deixaria você fazer, Srta Steele. Devolva para mim agora, " eu digo então retomo o controle do planador. O que ela faria se ela soubesse a profundidade de meus sentimentos por ela? Será que iria assustá-la? Eu não tenho experiência nisso, e a profundidade dos  sentimentos que eu tenho por ela assusta-me até meu âmago; o desconhecimento dos mesmos, a novidade, e o fato de que eu tenho evitado emoções extremas toda a minha vida adulta, torna esta experiência enervante, bem como duplamente agradável.

Depois que eu recebo o controle do planador de volta de Anastasia, nós espiralamos para baixo vários metros, e então eu tenho o planador pronto para pousar e inicio a descida. Eu  chamo por rádio a torre.

"BMA, aqui é BG N Papa Alpha 3, entrando esquerda pista de descida  sete para o campo, BMA," Eu digo com confiança. A torre me dá uma autorização de pouso. Navegamos em  outro grande círculo, nos aproximando lentamente no chão. O aeroporto e as pistas de pouso estão visíveis, e descemos voando por cima da I-95. Uma vez que a aterrissagem está se aproximando, eu dou a Anastasia um aviso:

"Segure, baby. Isto pode ficar instável. "

Eu circulo mais uma vez e desço o planador, e nós tocamos o chão com um baque breve, e corremos ao longo da pista até que eu dê ao planador uma paragem completa. O planador balança um pouco e mergulha para a direita. Assim que paro, eu abro a tampa da cabine, escalo para fora e estico as pernas. Então eu me volto para a minha mulher, e pergunto: "Como foi isso?" Tão feliz quanto eu poderia estar, sorrindo como um adolescente, e me curvo para desatá-la.

"Isso foi extraordinário. Obrigada, " ela sussurra, muito feliz.

"Foi “mais”?" Eu pergunto, esperando que tenha sido.

"Muito mais", ela respira, e eu percebo que estou prendendo a respiração, e respiro, e não posso me impedir de rir de sua resposta.

"Venha," Eu estendo minha mão para ela, e ela salta fora da cabine.

Assim que seus pés tocam o chão, eu a agarro e abraço-a colada ao meu corpo. De repente, minhas mãos estão em seus cabelos, puxando sua cabeça para trás, e minha outra mão viaja vagarosamente até a base de sua espinha. Eu a beijo longa e duramente com toda a minha paixão, minha língua invadindo sua boca. Minha respiração aumenta, acelera e o meu fervor aumenta, e minha ereção é uma tenda tentando sair da minha calça. Eu estou pronto para tomá-la entre a aeronave e a Runway 3. Sua resposta me permite saber que ela não se importa se eu tomá-la na pista ou inclinada sobre o avião. Suas mãos torcem meu cabelo, e estamos ancorados um no outro. Ela me quer, agora, o que torna mais difícil para mim parar. Eu finalmente ganho controle suficiente para interromper e olho para ela. Meus olhos estão escuros com paixão selvagem, cheios de crua intenção carnal, e sensualidade. Ela está sem fôlego como eu estou.

"Café da manhã", eu mal sussurro, embora eu saiba, que ela seria o suficiente para mim para ter para – café da manhã, almoço e jantar juntos. Ela suspira como se eu dissesse: "Sexo. Aqui. Na grama!" Por que eu perco minha razão com ela e ela comigo? Mas eu sei que o "porquê" não importa mesmo. Eu não quero nunca parar. Viro-me e aperto-lhe a mão quando voltamos para o carro.

"E o planador?” Pergunta ela.

"Alguém vai cuidar disso", eu digo. Eles vão precisar rebocá-lo. "Vamos comer agora", eu digo. Eu a quero, ela me quer, mas ela precisa de comida.

"Venha", eu sorrio. Estou mais que feliz. Quem diria que "mais" seria muito, muito mais com ela? Andamos assim; mãos dadas, nós dois rindo como o gato Cheshire, como uma manhã de Natal depois de receber o seu presente favorito. É um dia perfeito

It’s a Beautiful Day - U2

Logo depois que eu coloco minha mulher no carro, eu a faço colocar o cinto de segurança, e eu deslizo em meu próprio assento. Eu saio do espaço de estacionamento, e me encaminho para a I-95 em direção a Savannah. Seu telefone toca no caminho. Ela desliga.

"O que é isso?" Eu pergunto-lhe curiosamente olhando para ela. É alguém chamando-a  que ela não quer que eu saiba? Ela se atrapalha com sua bolsa.

"Alarme para minha pílula", ela murmura enquanto cora fazendo-me imediatamente feliz. Ela toma cuidado. Ela está seguindo as instruções de tomar a pílula.

"Bom, muito bem. Eu odeio camisinha, " eu digo, e ela fica  ainda mais vermelha se isso é possível. Ela se vira e olha para mim e murmura: "Eu gostei que você me apresentou a Mark como sua namorada."

"Não é o que você é?" Eu digo levantando uma sobrancelha. Ela nunca vai ser uma grande sub, mas, agora, eu quero “mais” com ela. Ela é minha namorada.

"Eu sou? Eu pensei que você queria uma submissa, " ela responde de volta.

"Eu também, Anastasia, e eu quero. Mas eu já lhe disse, eu quero “mais”, também," eu digo, deixando-a sem fôlego.

"Eu estou muito feliz que você quer ‘mais’", sussurra.

"Nosso objetivo é agradar, Srta Steele," eu digo sorrindo enquanto eu entro no estacionamento IHOP.

"IHOP?", Ela sorri de volta para mim como se eu não pudesse nunca comer na International House of Pancakes.

Eu saio, e vou para o lado do carro do passageiro, e abro a porta. Eu ofereço minha mão e ela a toma. É cedo, cerca de 8:30 da manhã, e o restaurante está um pouco mais tranquilo. Você pode sentir o cheiro da massa de panqueca e batatas tostadas (N.T. hash brown) e produtos de limpeza que eles usaram. Eu a levo a uma cabine para se sentar.

"Eu nunca teria imaginado você aqui", diz ela enquanto ela desliza em seu assento.

"Meu pai costumava levar-nos a um destes sempre que minha mãe viajava para uma conferência médica. Era o nosso segredo, " eu sorrio com carinho da lembrança. Pego um cardápio, e estendo para ela. Ela está olhando para mim com satisfação carnal, e eu sei o que ela quer, mas não tem nada a ver com comida.

"Eu sei o que eu quero", eu sussurro para ela, a minha voz baixa e rouca.

Ela olha para mim, e eu olho para ela incisivamente, falando diretamente à sua deusa interior. Ela olha para mim como se para atender uma chamada silenciosa que eu fiz.

"Eu quero o que você quiser", ela sussurra. Eu inalo profundamente.

"Aqui?" Pergunto sugestivamente levantando uma sobrancelha para ela e sorrindo maliciosamente, enquanto meus dentes tocam a ponta da minha língua, efetivamente segurando minhas palavras não ditas. Mas nossos olhares fazem toda a conversa. Seu lábio inferior vai para o cativeiro de seus dentes mudando a minha expressão para eu-quero-foder-você-agora, o meu olhar está ficando mais sombrio.

"Não morda seu lábio," eu ordeno. "Não aqui, não agora." Meu olhos endurecem. Eu sou como um copo cheio até a boca; uma pequena gota de sua libertinagem vai me fazer derramar, e eu não serei responsável por minhas ações. Eu não quero passar o resto da manhã na prisão por ações obscenas no IHOP. "Se eu não posso ter você aqui, não me tente," Eu sussurro com firmeza.

"Oi, meu nome é Leandra. O que eu posso fazer por você ... Er...hoje, esta manhã... ", ela diz enquanto  sua voz se apaga, e ela tropeça em suas palavras por algum motivo estranho. Eu olho Anastasia observando a garçonete desnorteada, seu olhar escurecendo com o ciúme e a possessividade. A mulher deve estar me olhando, mas eu não dou a mínima para isso. Ela tem a aparência de uma leoa cujo companheiro está sendo olhado por outra mulher. Isto é mais que excitante, e o fato de que isto teria sido algo que eu faria se ela fosse o objeto de interesse, eu aprovo, e eu a desejo fodidamente mais  agora.

"Anastasia?" Eu a instigo incapaz de manter esse desejo, paixão e interesse carnal fora da minha voz. Ela engole seco e responde.

"Eu disse a você, eu quero o que você quiser", diz ela, com uma voz suave baixa aumentando a minha fome por ela dez vezes. A garçonete olha para um e para o outro, e ela muda para uma cor marrom-arroxeada tão antinatural quanto seu cabelo.

"Devo dar a vocês, pessoal, mais um minuto para decidir?", Ela pergunta.

"Não. Nós sabemos o que queremos, " eu digo incapaz de afastar uma contração de sorriso dos meus lábios com a dualidade do significado do que eu digo. Um para a garçonete, uma para minha mulher.

"Nós queremos ter duas panquecas originais com xarope de bordo (N.T. Maple Syrup) e bacon ao lado, dois copos de suco de laranja, um café preto com leite desnatado, e um English breakfast tea, se você tiver", eu digo, sem tirar  o meu olhar de Anastasia.

"Obrigada, senhor. Isso é tudo? " Sussurra Leandra. Nós dois viramos e a encaramos, e ela cora  um pouco mais e toma distância.

"Você sabe que não é muito justo", diz Anastasia olhando para o tampo de fórmica. Seus dedos traçam um padrão sobre a mesa, e ela está se esforçando para parecer indiferente.

"O que não é justo?" Pergunto curioso.

"Como você desarma as pessoas. Mulheres. A mim, " ela diz baixinho.

"Eu a desarmo?" Pergunto com curiosidade. Ela realmente bufa.

"Todo o tempo", ela responde simplesmente.

"Só parece, Anastasia", eu digo suavemente.

"Não, Christian, é muito mais do que isso", diz ela baixo, com fervor. Minha sobrancelha levanta sabendo seu efeito sobre mim.

"Você me desarma totalmente, Srta Steele. Sua inocência. Que elimina toda a merda, " eu digo.

"É por isso que você mudou de idéia?", Ela pergunta.

"Mudei de idéia?" Eu replico confuso.

"Sim, sobre ... uhm .. nós? "Eu coço meu queixo pensativamente avaliando a questão. O que mudou sobre nós?

"Eu não acho que eu mudei de idéia por si só. Nós só precisamos redefinir nossos parâmetros, redesenhar as nossas linhas de batalha, se você quiser. Nós podemos fazer isto funcionar, eu tenho certeza. Eu quero você submissa na minha sala de jogos. Eu vou te punir se você transgredir as regras. Além disso... bem, eu acho que tudo é discutível. Essas são os meus requisitos, Srta Steele. O que diz a isso? " Eu pergunto, estabelecendo minha nova proposição.

"Então eu vou dormir com você? Na sua cama? " Ela pergunta esperançosa.

"É isso que você quer?" Eu pergunto.

"Sim", ela afirma, com firmeza.

"Eu concordo então. Além disso, eu durmo muito bem quando você está na minha cama. Eu não tinha idéia, " eu digo franzindo a testa, conhecendo o fato que eu não tive pesadelos a cada vez que ela esteve na minha cama. Ela é como meu talismã mantendo o Sandman (N.T. personagem aterrorizante de um filme) e os perpétuos cafetões à distância.

"Eu estava com medo que você me deixaria se eu não concordasse com tudo isso", confessa ela em um sussurro.

"Eu não vou a lugar nenhum Anastasia. Além disso... " Eu interrompo com pensamentos não ditos. Como eu poderia deixá-la? Sou eu que estou com medo de que você vá embora. Sou eu que não posso ficar sem você. Você não acreditaria no que eu concordaria para estar com você. Esses pensamentos permanecem por dizer. Então eu adiciono, "Estamos seguindo o seu conselho, a sua definição: compromisso. Você mandou por e-mail para mim. E, até agora, está funcionando para mim."

"Eu amo que você queira mais", murmura timidamente.

"Eu sei," eu digo. Ela disse isto bastante em seu sono.

"Como você sabe?", Ela pergunta.

"Confie em mim. Eu só sei, " eu digo sorrindo para ela. Ela estreita os olhos para mim tentando decifrar minha expressão. Nossa garçonete Leandra chega nesse momento com o nosso café da manhã. E, para variar, Anastasia come tudo em seu prato. Eu a olho com aprovação, e ela parece irritada que estou feliz que ela está comendo.

"Posso pagá-lo?", ela pergunta depois do café.

"Pagar-me como?" Eu a questiono.

"Pagar por esta refeição", diz ela. Oh não! Eu não gosto de minha mulher pagando nada.

"Eu acho que não", eu resmungo.

"Por favor. Eu quero, " diz ela me fazendo cara feia.

"Você está tentando me castrar completamente?" Eu digo.

"Este é provavelmente o único lugar que eu vou ser capaz de me dar ao luxo de pagar", ela declara.

"Anastasia, eu aprecio o pensamento. Eu aprecio. Mas não," eu digo. Ela franze os lábios para a minha resposta.

"Não feche a cara," Eu a ameaço com os olhos brilhando abominavelmente.

Eu pago  a refeição, e volto para o carro com ela carrancuda para mim.

"Não seja assim", eu sussurro suavemente. "Eu não estou acostumado a isso. Eu gosto de cuidar de você. Não estrague meus planos, Anastasia. Saber que eu sou aquele que faz essas coisas simples para você, me faz feliz. Ok? " Eu digo suavizando o golpe e beijando seus lábios. Ela não pode se impedir de sorrir, e desliza para dentro do banco do passageiro. Eu a levo de volta para a casa de sua mãe.

Ela olha para mim como se perguntasse 'como você sabe onde mora a minha mãe? " Mas decide não falar sabendo das minhas capacidades.

"Você quer entrar?” ela pergunta timidamente.

"Eu preciso trabalhar Anastasia, mas eu vou estar de volta esta noite. A que horas? " Eu pergunto. Ela parece desapontada. Sua aparência me deixa feliz de que ela me quer, que ela está feliz que eu estou aqui, mas ela não está feliz com essa breve separação embora ela vá me ver esta noite. Ele abre céus infinitos em minha alma escura.

"Obrigada... pelo  ‘mais’."  Ela diz.

"Meu prazer, Anastasia", eu respondo beijando-a enquanto ela inala o meu cheiro. É uma combinação inebriante. Minha mulher em meus braços, aqui e agora, e ela tentando me sentir de toda maneira possível.
"Eu o vejo mais tarde", ela diz esperançosa.

"Tente me parar", eu sussurro.

Eu dirijo de volta para  o hotel enquanto ela me dá adeus parecendo desamparada com meu casaco.

Eu disco para Taylor no caminho de volta para o hotel.

"Sim, senhor", ele atende o telefone após o primeiro toque.

"Onde está você?"

"Eu estou no hotel, senhor. Eu me ocupei do assunto com o Sr. Benson, e reservei uma das salas de reunião do hotel. Os representantes da empresa já estão aqui senhor."

"Ok. Eu vou estar aí em 15 minutos. Encontre-me no saguão",  eu digo.

"Sim, senhor", responde ele e eu desligo.

Depois de eu desligar, Voi Che Sapete do "Bodas de Fígaro" começa a tocar, e que  canção apropriada à luz dos meus sentimentos por Anastasia

Voi Che Sapete-Opera by Mozart sung by Maria Ewing

Eu me encaminho para o hotel com os pensamentos em  minha mulher, ansioso para passar mais tempo com ela na casa de sua mãe, esta noite, como um homem jovem convidado por sua garota .

Quando eu chego ao hotel, eu entrego as chaves para o manobrista, e me encaminho para o saguão. Taylor está esperando por mim, como de costume. Ele me atualiza enquanto nos encaminhamos para a sala de reuniões, quando meu BlackBerry zumbe. Eu levanto minha mão para Taylor indicando "um minuto". É uma mensagem de texto de Anastasia me fazendo sorrir como um idiota, e logo diante do meu segurança, que nota isso.
_______________________________________
De: Anastasia Steele
Assunto: Soaring em oposição a sore-ing
Data: 02 de junho de 2011 10:21 EST
Para: Christian Grey

Às vezes, você realmente sabe como fazer uma garota ter um bom momento.

Obrigada,

Ana x
____________________________________
Eu digito a minha resposta rapidamente e eu estou em um estado de espírito brincalhão com ela, o que acontece muitas vezes quando se trata de Anastasia.
______________________________________
De: Christian Grey
Assunto: Soaring em oposição a sore-ing
Data: 02 de junho de 2011 10:25 EST
Para: Anastasia Steele

Vou assumir qualquer das duas,   mais que seu ronco. Eu tive um tempo muito bom também.
Mas, de novo, eu sempre tenho quando estou com você.

Christian Grey
CEO, Grey Enterprises Holdings Inc.
______________________________________
Ela volta como uma vingança. Oh, ela é mal-humorada!
_______________________________________
De: Anastasia Steele
Assunto: ronco
Data: 02 de junho de 2011 10:27 EST
Para: Christian Grey

EU NÃO RONCO. E mesmo se eu fizer isso, é muito deselegante de sua parte apontar.
Você não é um cavalheiro, Sr. Grey! E você está no Sul Profundo também! (N.T. Deep South - Estados americanos do Sul do país)

Ana
_______________________________________
Quem diz que ela não me censura ou repreende? É claro que ela faz. Frequentemente, ao escrever... Mas, novamente, isso é uma das coisas que eu amo sobre ela.
______________________________________
De: Christian Grey
Assunto: Somnilóquio
Data: 02 de junho de 2011 10:29 EST
Para: Anastasia Steele

Eu nunca aleguei ser um cavalheiro, Anastasia, e eu acho que tenho demonstrado isto para você em numerosas ocasiões. Eu não estou intimidado por suas letras maiúsculas GRITANDO. Mas vou confessar uma pequena mentira branca: não, você não ronca, mas você fala. E é totalmente fascinante.

O que aconteceu com o meu beijo?  (N.T. Ela não colocou o  ‘x’ que significa beijo no final do email)

Christian Grey
Malandro & CEO, Grey Enterprises Holdings Inc.
_______________________________________

Eu divulguei mais um segredo. Ela falou em seu sono...de fato, muito, ultimamente. Foi mais do que fascinante. Eu fiquei relaxado, mais tranquilo, foi a coisa mais reconfortante que eu tive em muito, muito tempo.
_______________________________________
De: Anastasia Steele
Assunto: Desembuche
Data: 02 de junho de 2011 10:33 EST
Para: Christian Grey

Você é um malandro  e um canalha, e definitivamente não é um cavalheiro.
Então, o que eu posso dizer? Nenhum beijo para você até que você fale!
_______________________________________

Sua resposta me faz sorrir. Eu sei que ela está se contorcendo em sua cadeira. Mas, eu prefiro ouvi-la dizer isso quando ela está acordada e consciente.
_______________________________________
De: Christian Grey
Assunto: Sono da beleza falando
Data: 02 de junho de 2011 10:36 EST
Para: Anastasia Steele

Seria mais deselegante para mim dizer, e já fui castigado por isso.
Mas se você se comportar, eu posso dizer-lhe esta noite.
Eu tenho que entrar em uma reunião agora.

Laters, baby.

Christian Grey
CEO, Malandro e Canalha, Grey Enterprises Holdings Inc.
_______________________________________

Nós finalmente entramos na sala de reunião privada. Há três pessoas da empresa que possui a terra em que eu estou interessado. Depois das apresentações breves, nós apertamos as mãos, e começamos a falar de negócios.

Taylor está esperando na porta, de pé, olhando impassível como ele normalmente faz. Ele deve ter recebido uma mensagem, pois ele vira as costas, e abre seu texto enquanto eu o vejo pela minha visão periférica. A cor desaparece de seu rosto a medida em que ele empalidece. O que há de errado?

Ele me olha, e eu olho para ele especulativamente. Este é o seu olhar 911 (N.T. 911, número de telefone para acionar serviços de emergência (nos Estados Unidos e Canadá). Concordo com a cabeça, e ele sai para falar. Poucos minutos depois, ele entra de volta para a sala de reunião.

"Desculpe-me, Sr. Grey", diz ele, e se inclina.

"Houve problemas no Escala, senhor. Leila apareceu toda desgrenhada e fora de si, não exatamente em seu estado normal, gritando e berrando e procurando por você. A Sra. Jones tentou acalmá-la, porém ela cortou o pulso em uma tentativa de suicídio, " diz ele enquanto minha cabeça se inclina olhando para ele chocado.

"O que aconteceu depois?" Eu digo com os dentes cerrados, ansioso.

"A Sra. Jones a levou para o hospital, e agora eles estão atendendo-a. Eu acho que ela vai ficar bem, " afirma.

"Diga a Sra. Jones para ficar com ela no hospital até eu chegar lá. Mantenha-a lá. Poderemos ter de levá-la para uma instituição para doentes mentais, para resolver seu problema. Em seguida, chame o piloto, e tenha o avião pronto. Estamos indo de volta para Seattle," eu digo. Então eu me volto para meus companheiros surpresos que estão olhando inquietos.

"Senhores, eu peço desculpas pela interrupção. Parece que teremos  que remarcar a reunião, e eu sinto muito por isso. Mas, eu tenho uma situação de emergência, em Seattle, que me obriga a voltar para casa. Espero que vocês entendam ", eu digo, com um rosto impassível.

"Oh, Sr. Grey. Esperamos que tudo esteja bem, " diz o senhor mais velho com preocupação em sua voz.

"Obrigado, Sr. Brighton. Nada que não se possa resolver, apenas algo que requer minha presença. Meu pessoal  vai entrar em contato com você. "

"Obrigado, senhor", eles dizem, e eu às pressas me afasto da sala de reuniões.

Leila! Por que você faria uma coisa dessas? O que aconteceu? Eu não a vejo  há  quase três anos, e ela se casou depois que nos separamos. Ironicamente, nos separamos porque ela queria mais, e eu não. Ela encontrou alguém que queria essas coisas com ela. O que mudou nas suas circunstâncias? Taylor e eu rapidamente nos encaminhamos para a minha suíte, e eu arrumo minhas coisas enquanto Taylor faz contato com o piloto e o co-piloto. Ele faz o check-out do hotel, e no meu caminho para o Hilton Head, eu chamo Anastasia para dizer a ela que não poderei ir para o jantar. Mas ela não responde. Eu não deixo uma mensagem. Se ela não me ligar de volta, eu vou chamá-la quando eu voltar para Seattle.

Mas meu Blackberry toca, e eu vejo com alívio que é Anastasia.

"Anastasia", eu atendo o telefone imediatamente.

"Oi", ela murmura timidamente.

"Eu tenho que voltar para Seattle. Algo surgiu. Eu estou a caminho do Hilton Head agora. Por favor, peça desculpas a sua mãe. Eu não posso ir ao jantar," eu digo preocupado, aborrecido, e todo negócios

Leaving on a Jet Plane by Chantal Kreviazuk

"Nada de grave, eu espero?", Ela pergunta preocupada.

"Eu tenho uma situação com que eu tenho que lidar. Eu te vejo sexta-feira. Vou enviar Taylor para buscá-la no aeroporto, se eu não puder ir, " eu digo ainda irritado com Leila, mal capaz de conter-me.

"Tudo bem. Eu espero que você resolva a sua situação. Tenha um vôo seguro," diz ela com a preocupação apertando  sua voz. Preocupação por mim... derretendo meu coração, e sua aflição por um minuto breve me traz de volta para a superfície.

"Você também, baby", eu respiro. Isto não é como eu esperava que meu dia seria, mas a gente recebe as coisas como elas vêm para nós. Então eu desligo para chamar a Sra. Jones para descobrir os detalhes do incidente. Estou fervendo de raiva! E os meus 50 Tons estão de volta como uma vingança.


13 comments:

Sopa de Idéias said...

huhhhuuulllll

Tava doida pra sair logo esse capítulo!

Valew Neusa!

Sopa de Idéias said...

Huhhhuullll

Obrigada Neusa e Eminé por mais um capítulo!

Neusa Reis said...

Por nada, querida. O próximo capítulo é um pouco intenso, e eu demoro um pouquinho porque sofro demais junto com ele. Depois deste cap, por toda a culpa que ele carrega (culpa pesa muito) talvez eu pense em perdoá-lo por cuidar tanto da Leila.

Karol Santos said...

Gente estou louca para começarem logo a postar o 2º livro...

Karol Santos said...

Gente estou louca para começarem logo a postar o 2º livro...

Anonymous said...

Por favor ponha outro...
Deseperada por os livros de Cinquentas Sombras de Grey

anne caroline godoi said...

Há!é tão bom ser Christian Grey,kkk
Fico com uma pena do Christian nesse capitulo,ele estava com tantas expectativas sobre o jantar...direpente aparece essa bomba...eita Leila dos infernos.
Obrigada,Neusa por mais um capitulo maravilhoso,agradeça a autora por mim.

Kaila Alekena said...

As surpresas da vida...

são tantas as surpresas que a vida facilmente poderia ser comparada com o bolo surpresa em uma despedida de solteiro, nunca se sabe o que pode surgir de lá.
As vezes achamos que podemos planejar nossa vida com parâmetros invioláveis, fazemos isso apanas por esquecermos que na vida cabe viver... Há dia que será uma eterna partida de futebol, cheio de dribles, marcações, táticas, tem a hora de avançar ,a hora de recuar, a aplicação de cartão pelo juiz que pra você sempre vai está errado, principalmente quando te coloca pra fora do jogo com o cartão vermelho quando você estava prestes a marcar o gol de sua vida, aquele gol que ficaria pra sempre marcado na história, mais ai vem a surpresa e você está fora do lance e não só isso,lhe é tirado completamente seu chão, você olha pra frente e não sabe o que fazer, se sente então perdido, irado,fracassado...
Cristian a parti desse momento vai está nessa roda, tentará controlar o incontrolável, ou seja a vida, e seu 50 tons se multiplicarão e escurecerão de maneiras que o dominador será dominado pela a excêntrica vontade do destino...

Viviane moreira lage said...

Christian e Ana, não tem sossego, estou fascinada, loucamente apaixonada por esse casal em especial pelo louco e possessivo amor de Cristian por Ana.Quero agradecer por esse blog eu já tinha lido a versão de Cristian, mais não tão bem traduzido, agradeço.E a primeira vez que releio um livro, nada me fascinou como essa historia.Agradeça a autora por amor a escrever esta linda,excitante,loucamente apaixonada historia de amor.

Darlene said...

Só de pensar no quanto a Leila vai aprontar ainda não é brincadeira....

Angela said...

Meu Deus eu não canso de ler, ja tinha lido pela versão do Christian, mais em outros sites. mais depois que achei esse blog comecei ler tudo de novo. Parabéns meninas Show.

Daniela Martins said...

Pobre Christian!
Todo animado e ansioso para ir a casa de Ana e ser apresentado à familia dela como SEU namorado e Leila nos apronta uma desta.
Emine, voce conseguiu nos apresentar um Christian totalmente feliz, animado e relaxado! Enquanto lia, ficava imaginando ele sorrindo a vontade, dentro do planador, como um menino!
Thank you!
Bjkas
;-)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry