StatCtr

Wednesday, October 23, 2013

LIVRO IV - Capítulo XII - Christian e Anastasia FanFiction


CAPÍTULO XII

Intrusões do Intruso

Tradução: Neusa Reis


 "Sr. Grey! Você poderia se apressar com os shorts e a t-shirt, senhor? Eu preciso da sua ajuda!" A voz de Gail me traz de volta aos meus sentidos. Pego a primeira t-shirt e par de shorts que minhas mãos podem alcançar e corro de volta para o banheiro onde Gail está tentando impedir Anastasia de fundir-se com o chão do banheiro frio.

Percebo que minha esposa está caída sobre o vaso sanitário enquanto a Sra. Jones envolveu seu cabelo sobre o pulso dela, segurando a cabeça com uma mão e  com a outra mão na cintura de Ana. Quando eu chego ao banheiro, Gail rasga um papel higiênico de 30 cm e limpa o rosto de Ana, jogando o papel no vaso sanitário, puxando Ana para trás e dando descarga.

"Eu vou segurar a Sra. Grey, e você coloca a t-shirt nela, senhor,” ela me dirige. Eu concordo com a cabeça, ainda aborrecido. Gail segura a minha esposa de novo, e eu rapidamente a visto com a t-shirt, que vem abaixo de seus quadris. Eu insiro cada pé nos shorts e puxo-os para cima. Então eu pego minha esposa em meus braços, levando-a de volta para o nosso quarto.
"Ana, baby,” eu a induzo a falar comigo. ”Sra. Jones, você pode ir ver o que está retardando Taylor e a doutora?"
"Sim, senhor."
"Eu estou bem, Christian," respira Anastasia, mal voltando para seus sentidos. Ela parece muito fraca em meus braços, quase pronta para desmaiar novamente. ”É apenas o enjôo matinal. Você poderia me dar algumas bolachas e club soda? Por favor?” ela pergunta, sua voz é muito fraca.
"Sim... certo, biscoitos, e..."
"Club soda,” ela acrescenta com uma voz suave. Depois de depositar cuidadosamente minha mulher na nossa cama, eu me levanto para ir.
"Christian!"
"Sim?" Dirijo-me a ela com olhos desconfiados.
"Você poderia colocar o cesto de lixo próximo a mim, apenas por se acaso..." Eu só posso assentir em resposta. Estou amarrado com nós por dentro. Este bebê está causando estragos em seu corpo. Eu coloco o cesto de lixo de seu lado da cama. Percebo Sawyer pairando fora da porta.
"Sawyer, traga para a Sra. Grey alguns biscoitos e club soda!" Eu ordeno.
"Senhor,” ele responde e desaparece.
Anastasia se move na cama, tentando sentar-se.
"Ana, pelo amor de Deus, deite-se!" Eu a ataco.
"Christian, eu preciso tomar um banho. Eu não quero me atrasar para o trabalho,” ela murmura, vacilante mesmo, quando ela se senta na cama.
"Não! Não! Não! Você não vai trabalhar hoje! Você sabe o que o médico disse ontem. Você não tem permissão para ir a qualquer lugar até que a Dra. Greene chegue aqui e a examine."
"Christian...” ela tenta protestar. ”É por isso que eu não queria lhe falar sobre os episódios de enjôo matinal que eu tive. Você fica muito preocupado. É normal.  A maioria das mulheres grávidas passa por isso...” diz ela e outro ataque começando sacode seu corpo. Eu corro para seu lado, e levanto o cesto de lixo vazio logo debaixo de sua cabeça, apoiando-a com a outra mão.
"Eu não me importo se esta é a norma para cada mulher! Eu não estou casado com cada mulher. Sou casado com você, e responsável por seu bem-estar. E agora, você não está bem,” murmuro decididamente.
Sawyer entra com uma bandeja cheia de biscoitos variados e uma garrafa de club soda. ”Eu não tinha certeza de que tipo ela precisava,” diz ele timidamente.
Sra. Jones e Taylor entram. Eu levanto uma sobrancelha interrogativa para Taylor.
"Ela está a caminho. Ela deverá estar aqui na próxima hora."
"Uma hora?" Eu grito.
"Christian, por favor..." Ana me repreende, ”minha cabeça está martelando."
"Sim, senhor. Eu a acordei. Ela vai ficar pronta e dirigir-se para cá,” Taylor sussurra suas respostas, suave o suficiente para não acordar um bebê dormindo.
Anastasia alcança a bandeja trazida por Sawyer e pega um cracker Saltine com uma mão trêmula. Preocupação nubla meus olhos. Eu olho para a Sra. Jones e Sawyer como se eles possuíssem as respostas para os mistérios da gravidez de uma mulher.
"Ana, querida, eu vou fazer para você um bom caldo de galinha. Ele vai complementar os eletrólitos que você perdeu e você pode comê-lo com seus biscoitos,” a Sra. Jones diz enquanto sai da sala.
"Christian, eu deveria ir para o trabalho. Eu tenho pilhas de manuscritos para repassar. Eu tenho três reuniões agendadas hoje, e eu vou me encontrar com um dos nossos autores para uma possível data de lançamento."
"Ana," eu tento me controlar com toda a minha paciência. ”Você acabou de cair na porra do banheiro porque você vomitou todo o conteúdo de seu estômago e mais algum! Eu estou pirando aqui, e você está me dizendo que você está indo para o trabalho? A resposta é não!”
"Eu vou ficar bem. Isto vem em certos momentos, e no tempo que eu ficar pronta para ir para o trabalho, deve diminuir,” ela argumenta, com a voz trêmula. Porra! Mesmo sua voz não é forte o suficiente.
Eu passo uma mão frustrada por cima do meu cabelo. Ela toma um gole do club soda e faz uma careta. Mordiscando seu biscoito, ela termina um e leva outro para os lábios. Tanto Taylor como eu a observamos consumir seu biscoito. Ela lava-o para baixo com outro gole da garrafa de seu club soda.
"Você precisa beber um pouco mais de água. Você está muito pálida,” murmuro. Eu me inclino para baixo e coloco meus lábios na sua testa tomando sua temperatura. Ela não está quente, na verdade ela está muito fria para o meu toque. Ela também tem contas frias de suor acima das sobrancelhas. Seus olhos estão muito abertos, sua pele de alabastro está muito pálida, muito amarela, como se alguém tivesse drenado seu sangue.

"Eu vou ver o que está retendo a Dra. Greene, se você não precisa de mim agora, senhor,” diz Taylor. Concordo com a cabeça. Ele rapidamente se afasta de nosso quarto acenando com a cabeça para Sawyer ir com ele.
"Eu acho que eu deveria ir para o trabalho, pelo menos após a hora do almoço. A Dra. Greene disse que eu poderia trabalhar a tempo parcial. Nós deveríamos tentar o cronograma, lembra?” Ela diz, enquanto ela levanta a garrafa aos lábios com um leve tremor de suas mãos. Ela ainda está tentando negociar comigo. Se ela apenas soubesse a preocupação que eu tenho em meu coração, e a ansiedade que ela está me dando por consistentemente tentar fazer o que ela quiser, em vez daquilo que é bom para ela...
"Talvez você possa informar Roach que eu vou estar lá essa tarde. Hannah pode remarcar as reuniões...” diz ela. Eu tenho que admirar a sua persistência, mas atualmente não estou com vontade ou desejo de ceder a suas capitulações.
"Eu vou fazer Roach saber que você não está bem, e ter Hannah reagendando suas reuniões para outro editor."
"Outro editor?" Sua cabeça se volta.
"Sim, outro editor que não esteja grávida ou, pelo menos..." mas eu não tenho a chance de terminar minha frase. Anastasia coloca com força a garrafa sobre a mesa lateral,  com tanta pressa que ela oscila em seu lugar e, finalmente, incapaz de se equilibrar, cai para o lado, derramando o seu conteúdo. Por um minuto eu acho que ela está fazendo isso para ser rancorosa, mas sua cabeça está bem dentro do cesto de lixo, onde ela deposita as bolachas e a água que ela acabou de consumir. Num piscar de olhos, ela derruba a cesta no chão desmoronando na  cama com o rosto para baixo.
"Anaaa!" Eu grito, enquanto eu tento puxá-la para cima em meu abraço. O que está acontecendo com minha esposa?
Sra. Jones corre depois que ela ouve o meu lamento. ”Isso não pode ser normal!" Eu gemo para ninguém em particular, enquanto eu pego minha esposa no meu  abraço protetor.
"Às vezes, as mulheres têm esses episódios violentos de enjôos matinais, Sr. Grey. Não é a regra, mas, infelizmente, é normal para uma pequena percentagem de mulheres,” responde Gail.
"Eu não vou ficar esperando o médico aparecer!  Chame Sawyer ou Taylor. Nós estamos nos dirigindo para o hospital. Eu não vou ter uma esposa morta!” Eu digo balançando Ana para frente e para trás em meus braços. Os olhos de Gail se arregalam.
Um som distinto dos saltos de uma mulher andando decididamente no piso faz, tanto Gail como eu, virarmos a cabeça na direção da porta. Está aberta, mas a médica ainda faz um gesto de bater. Ela põe a cabeça para dentro do quarto com os cabelos em um rabo de cavalo úmido. Ela está vestida com calças cigarrette cor de carvão, e uma camisa de seda de cor creme com babados.
"Não há necessidade de ir ao hospital até que eu examine minha paciente,” diz ela sorrindo, mas com firmeza. ”Deite a Sra. Grey, Sr. Grey," ela ordena com autoridade, colocando sua maleta de médico sobre a cama. Quando eu não ponho Anastasia para baixo, ela ergue a cabeça, arqueia as sobrancelhas, e olha para mim com os olhos que dizem, 'Bem, eu estou esperando!’ Eu gentilmente, hesitante, coloco minha esposa para baixo, a qual parece ainda mais pálida. Percebo a enfermeira com uniforme no último minuto.
"Esta é a minha enfermeira, Erica,” ela a apresenta a nós, e sem uma pausa em seu discurso, ela continua.” Erica, eu preciso que você coloque o suporte I V aqui ao lado da cama. Vamos mantê-la hidratada,” diz ela.
"I V? Você está indo dar-lhe I V?” Eu pergunto.
"Sim, Sr. Grey. E, eu gostaria que você desse espaço à minha enfermeira para que ela possa ligar o braço da Sra. Grey na linha I V, se você não se importa, por favor."
"Eu me importo! Você pode explicar por que o I V? O que você vai dar a ela?”
"Sr. Grey, ou eu posso tomar dez minutos para explicar-lhe, enquanto sua esposa continua a ficar desidratada, ou eu resolvo o problema, em seguida, explico isso para você. Qual deles você prefere?”
"Coloque-a!" Eu digo de mau humor.
"Obrigado."
A enfermeira olha para mim com suas pupilas dilatadas, seus lábios entreabrem. Ela olha como se ela simplesmente esquecesse o que ela precisava fazer. Quando ela vacila em seu passo, a Dra. Greene se vira para ela, olhando para o rosto estupefato, tentando chamar sua atenção. Quando ela não consegue, a Dr. Greene suspira e repreende a enfermeira também.
"Erica! A Sra. Grey precisa de sua atenção. Não o  Sr. Grey!  I V!  Agora,” ela dá-lhe a ordem em uma firme, decidida maneira.
"Sim, senhora,” ela responde corando todo o caminho até suas orelhas. A Sra. Jones desliza silenciosamente para fora da sala.
Enquanto a enfermeira está ligando a linha I V, a Dra. Green toma  a temperatura de Ana, pulso e sua pressão arterial, gravando-as em um tablet. Ela coloca o tablet no pé da cama, e ocupa-se com Anastasia novamente. Meu olhar se move para o conteúdo do gráfico da minha esposa. As palavras "possível hiperemese gravídica,” pegam meus olhos. Que diabos é isso? Uma doença? Sua pressão arterial também está bastante baixa: 8,5/5,0. Eu pego o meu Blackberry e digito uma busca no Google: "hiperemese gravídica."
"Olá, Sra. Grey. Bem-vinda de volta!” Eu ouço a médica dizendo. Um gemido escapa dos lábios de Ana. Meus olhos saem imediatamente da tela do meu Blackberry para olhar minha esposa.
"Oi. Eu estou muito bem, Dra. Greene," Anastasia tenta tranquilizá-la. ”Eu só tinha vomitado muito. Isso é tudo,” diz ela, dando um olhar furtivo para mim.
"Deixe-me decidir o quão bem você realmente está, Sra. Grey," Dra. Greene diz em sua voz sem objetivamente séria.  "Você já comeu essa manhã?"
"Eu acordei com uma vontade enorme de expelir tudo do meu estômago. E comi três bolachas de sal e meia garrafa de club soda, mas...” sua voz abaixa. ”Estou com receio que todas elas desocuparam meu estômago,” diz ela.
"A noite passada foi a primeira vez que você teve um episódio violento, ou você teve antes?"
Os olhos de Anastasia derivam para o meu olhar preocupado de novo. Ela olha para o médico.
"Não,” sua voz é um sussurro.
"Eu entendo. Quantas vezes por dia?”
"Não muito..." Anastasia responde evasivamente.
"Eu preciso de um número, Sra. Grey."
"Talvez como uma vez por dia... mas só recentemente, e não tão mau como isso."
"Há certos gatilhos? Certos alimentos, perfumes?”
"Café com leite, e perfumes pesados ou aromas..."
"Há quanto tempo você tem se sentido tonta?"
"Cerca de uma semana. Só piorou ontem, embora!” Acrescenta ela rapidamente para meu benefício. Eu endureço no meu lugar. Ela não disse nada sobre isso para mim.
"Junto com a sua tontura, você tem vertigens, visão borrada, desmaios?"
"Ela desmaiou. Ontem à noite e hoje," eu informo.
Anastasia respira um suspiro exasperado.”Christian, eu estava só com fome, e eu tinha expelido tudo do meu estômago. É por isso. Eu estou bem. Eu não tenho certeza se eu preciso do IV,” diz ela levantando o braço para cima.
"Sra. Grey, você está desidratada, e seu corpo está perdendo eletrólitos, vitaminas e líquidos. Sua pressão arterial está perigosamente baixa. Você acabou de me dizer que você é sensível a odores, o que também pode exacerbar alguns dos seus sintomas. Mas, nos últimos cinco minutos, você já recuperou a sua cor, e suas habilidades motoras se estabilizaram. Você estava tremendo antes. Eu recomendo que você fique em casa durante esta semana,” ela começa dizendo.
"Mas, eu tenho reuniões, e  montanhas de trabalho empilhadas!" Ana protesta.
"Sr. Grey, vou enfatizar a importância dos cuidados a Sra. Grey nesta fase,” diz ela virando-se para mim. ”Eu acredito que você vai lembrá-la da importância de seus cuidados,” acrescenta ela.
"Dra. Greene, eu estou bem aqui.”
"Sim, Sra. Grey, eu percebo isso. Mas você é minha paciente. Eu não estou satisfeita em encontrá-la em um estado tão desidratado no qual você ainda está mais preocupada com seu trabalho do que com sua própria saúde. Vou precisar da colaboração de ambos para o seu cuidado, especialmente a sua, Sra. Grey. Você é a que está carregando o bebê." Anastasia acena com a cabeça concordando imediatamente, envergonhada.
"Quanto tempo? Quanto tempo vou estar na cama, e amarrada a uma I V?”
"Uma vez que nós a reidratemos com esta bolsa, você deve estar bem. Entretanto, eu recomendo que você tenha pequenas quantidades de comida e bebida, muitas vezes. Em sua condição particular, são necessários cuidados continuados.”
"É perigoso para o bebê?" Eu pergunto, em voz quase inaudível.
"Não, Sr. Grey. A maioria das mulheres grávidas passam pelo enjôo matinal, embora apenas algumas experimentam isso severamente assim, como a Sra. Grey.”
"Isso pode representar uma ameaça à vida da minha esposa?" Faço a pergunta que está assentada pesada, no fundo da minha mente.
A médica suspira. Os olhos de Ana arregalam-se, com medo até da minha pergunta implícita: O bebê representa um perigo para a vida da minha esposa?
"Sr. Grey, esta é a sua primeira gravidez. E é verdade que ela está tendo enjôos matinais severos. Mas ela vai seguir seu curso e isto acabará por parar em torno de 12 semanas. Mas, por pior que possa parecer, isso é saudável...” diz ela.
"Saudável? Eu não usaria esse adjetivo para o que ela experimentou," Eu bufo de escárnio arrogante.
"Isso significa que os hormônios da Sra. Grey estão funcionando. Nós precisamos monitorá-la com mais freqüência. Ela precisa manter-se hidratada, e manter um pouco de comida dentro. Vou receitar-lhe alguns medicamentos para náuseas e ver como ela passa esta noite. Se assim o desejar, podemos atribuir uma enfermeira para ela. Mas, eu acredito que ela pode controlar. Ela só precisa ser mantida sob observação,” em seguida, voltando-se para Anastasia, ela acrescenta: "Talvez, se você ficasse em casa esta semana, seria melhor, afinal de contas, Sra. Grey,” diz ela.
Anastasia começa a abrir a boca, mas pensando melhor, ela sabiamente fecha.
No momento em que a enfermeira está tirando a linha I V do braço de Anastasia, minha esposa está parecendo e se sentindo melhor, tanto que ela não parece aquela que  estava vomitando as tripas para fora.
"Ana, por que você não se deita um pouco mais, e talvez termine a sopa que a Sra. Jones fez para você. Eu preciso ter uma palavra com a Dra. Greene," eu digo.
Ela olha para mim, preocupada, com os olhos arregalados.
"Se é sobre a minha saúde, você pode fazer suas perguntas aqui,” ela desafia.
"Um marido ainda pode fazer perguntas privadas, baby,” eu respondo. A Greene olha de Anastasia para mim.
"Erica, por que você não pega o IV e espera por mim lá fora?"
"Sim, Dra. Greene,” diz Erica, e se põe para fora do quarto com o suporte I V e agora o saco vazio I V pendurado no gancho em cima dele. Ela fecha a porta atrás dela.
"Sr. Grey, por que você não se senta?” Dra. Greene aponta para uma cadeira. ”Sra. Grey, eu tenho certeza que vocês dois têm dúvidas depois dos episódios de ontem à noite e desta manhã. Sr. Grey, você ainda parece muito abalado. Vou responder a todas suas perguntas da melhor forma que possa. Tenho certeza que a Sra. Grey também tem dúvidas e preocupações uma vez que ela é aquela que está experimentando os sintomas." Ela olha para nós ambos.
"O bebê está fazendo mal à minha esposa?" Eu pergunto. Meu queixo está apertado; meus lábios estão afinados em uma linha sombria. Meus olhos parecem preocupados; com medo mesmo. Anastasia me olha chocada.
"Bem, Sr. Grey, esta é uma pergunta válida depois de ter testemunhado o severo enjôo da manhã da Sra. Grey. Mas isso faz parte da gravidez. Algumas mulheres passam por episódios violentos como o que ela sofreu."
"Vomitando dezoito vezes no curso de duas horas? E se isso durar mais de 12 semanas? Esta fonte médica na web diz que ele pode causar séria morbidade materna e fetal, mesmo a morte materna e fetal!” Eu sibilo entre os dentes andando pela sala.
"Christian ..." Ana me chama com sua voz suave e preocupada.
"Ana! Eu preciso saber!” Eu digo em agonia. Então eu viro para a Dra. Greene, "Este bebê está matando minha mulher?" Medo escorre por cada poro. Ana me olha horrorizada.

"Não, Sr. Grey. O bebê está onde deveria estar, dobrado dentro do ventre de sua esposa corretamente. Conseguimos até ouvir um batimento cardíaco estável e saudável."
"Mas, por que o desmaio? Ela ficou sem cor tão rapidamente, eu... eu entrei em pânico. Eu não sabia o que fazer! Se fosse para proteger minha esposa de outra pessoa, ou um intruso, eu poderia me colocar entre ela e o agressor. Mas como posso protegê-la contra o seu próprio corpo? Diga-me como, Dra. Greene?” Rogo.
"Oh, Christian!" Anastasia  sussurra estendendo a mão para mim, sentada em nossa cama. Meu corpo traidor sempre responde a ela, e eu me encontro caminhando em direção a ela imediatamente, sem um segundo pensamento.
"Estou feliz que você está fazendo as perguntas que estão preocupando você, Sr. Grey. Cada gravidez carrega seus próprios riscos. Há mulheres que não tiveram nenhum sintoma; sem padecimento durante a gravidez, podem acabar tendo um parto difícil, e vice-versa. Não há garantias. Aqui é onde você entra. Você pode proteger a Sra. Grey, certificando-se que ela está tomando suas vitaminas, mantendo-se hidratada, comendo corretamente, e se exercitando, para depois ajudar durante o parto, e quando ela tiver desejo, você se certifica de que eles são cumpridos. Seu corpo vai se ajustar.”
Eu balanço minha cabeça.
"Eu preciso de garantias, Dra. Greene! Este bebê está matando minha esposa ou não?” Eu pergunto, não encontrando a resposta que eu precisava dela, em primeiro lugar, o meu olhar cristais de gelo. Eu não posso aguentar o tormento de vê-la enganchada em uma linha I V, ou desmaiando diariamente. Está me rasgando por dentro.
"Christian" Anastasia grita com desapontamento, puxando a mão da minha. ”Como você poderia pensar isso?"
"Anastasia, seu bem-estar é mais importante para mim do que minha própria vida,” eu digo baixinho, como se estivesse falando com uma criança pequena.
"Não, Sr. Grey, o bebê não a está matando. Mas ninguém pode dar-lhe todas as garantias. Isto não é um negócio, é vida. Você vai ter que confiar em que o corpo da Sra. Grey irá se ajustar dentro das próximas quatro semanas. Concordo com a cabeça rigidamente.
"Sobre o meu trabalho... Eu me sinto bem para  trabalhar. Acho que ainda devo tentar ir ao trabalho esta tarde.”
"Absolutamente não!" Eu sibilo.
"Christian eu deveria..."
"Você quer discutir sobre isso também, Anastasia?" Eu pergunto.
"Sinto muito Sra. Grey, mas vou ter que concordar com o Sr. Grey sobre isso. Você precisa descansar. À luz da velocidade com a qual você ficou desidratada hoje, isso significaria uma viagem do trabalho para a sala de emergência com bastante frequência. Porque nós ficamos ocupadas com a quantidade de trabalho que temos que realizar e na maioria das vezes as mulheres grávidas se esquecem de comer e beber. Além de que só seria contraproducente para as outras pessoas que trabalham na sua empresa, se elas tiverem que correr para a sala de emergência do hospital com frequência. Você só deve trabalhar em sua casa, por enquanto, até que você domine seu enjôo matinal. Ordens do médico,” ela diz com firmeza.
Dra. Greene me dá a receita para Anastasia e alguns medicamentos de amostras para as náuseas de Anastasia. Ela fala com a minha esposa sobre a importância do repouso, hidratação, vitaminas, comida e tomar o cuidado adequado de si mesma até que ela está sem fôlego. Quando a Dra. Greene diz a Ana para saciar quando ela tiver desejos, porque é um momento em que ela pode se aproveitar deles, minha esposa concorda silenciosamente, enquanto ela cora profusamente.
"Eu vou acompanhá-la, Dra. Greene," eu digo, e a levo para fora.
Quando eu me viro para falar com ela, ela olha para mim com olhos conhecedores.
"Antes de você dizer isso, e se arrepender mais tarde, Sr. Grey, eu vou lhe poupar o trabalho. A Sra. Grey é saudável o suficiente para levar seu filho a termo. É possível que ela pudesse ter uma gravidez difícil? Sim, muito possível. Mas, temos a mais recente tecnologia médica, e a Sra. Grey pode ter tudo isso à sua disposição. Eu sou a melhor obstetra em Seattle e, como tal, na minha carreira de dezoito anos, eu nunca perdi um paciente durante a gravidez ou o parto."
"Mas você não está me dando todas as garantias!"
"Sr. Grey, ninguém pode lhe dar isso. As mulheres têm tido bebês desde o início dos tempos. Garanto-lhe que tão difícil quanto possa parecer para você, este é um processo natural. Se você está preocupado com a Sra. Grey, por que não a traz para o seu trabalho parte do tempo, para manter um olho nela e desta maneira ela poderia também estar saindo de casa para uma mudança."
"Posso fazer isso?"
"Claro, por que não? Mas não hoje, talvez amanhã. Ela parece exausta hoje. Vamos ver como ela se sente o resto do dia."
Taylor leva a médica para fora do saguão. Eu sinto um peso pesado caindo sobre mim. O tipo de preocupação que eu sinto está machucando profundamente  minha alma. É diferente do que o que eu sentia antes, quando ela disse que estava me deixando, ou quando a encontrei quase sem vida no concreto frio. E esse medo, também, é muito desagradável. Porque, é o próprio corpo da minha esposa que a está machucando; o mesmo corpo que eu estou tentando proteger. Sinto-me impotente e amarrado com nós por dentro.
Em vez de voltar para o meu quarto, eu ando para o meu estúdio. Eu preciso de uma mudança de ritmo. Lidar com outro problema que eu possa resolver. Vendo o meu rosto sombrio em uma nota diferente, Taylor me segue.
"Welch chamou-o?"
"Sim, senhor. Eu na verdade acabo de desligar o telefonema dele."
"Qual é a sua conclusão?"
"Ele acha que a Sra. Lincoln está dizendo a verdade."
"Isso ainda está para ser visto..." murmuro e disco para Welch.
"Sr. Grey,” vem a voz profunda pelo alto-falante do meu Blackberry.
"Diga-me o que você descobriu depois que você entrevistou a Sra. Lincoln..."
"Ela repetiu exatamente o que ela lhe disse, porém eu descobri outra coisa,” diz ele, e eu presto atenção.
"O quê?"
"Eu me perguntava por que o Sr. Lincoln poderia tê-la chamado. Por que não fazer a mesma ameaça diretamente a você. Ocorreu-me que Lincoln estava tentando instilar o medo em todas as pessoas que receberam a mensagem: Você, a Sra. Lincoln e a Sra. Grey,  na expectativa do que ele poderia fazer. Se ele conseguir feri-lo, ele vai ferir a Sra. Grey que o ama e a Sra. Lincoln que parece se preocupar com você.  Se ele ferir a Sra. Grey, bem, eu não tenho que explicar isso. Então, ele deixou um ponto de interrogação. Talvez um desafio implícito. Um duelo, se você quiser. Ou simplesmente um mal-estar perpétuo... Mesmo que ele não faça nada, ele quer que você esteja desconfortável. Ele quer que você sempre olhe por cima do seu ombro."



Eu percebi que eu estava segurando na mesa, muito apertado, meus dedos estão brancos. Eu sei que Lincoln não pode me processar, porque ele assinou sua demissão do trabalho. Mas ele está me desafiando implicitamente.
"Eu quero duas coisas: eu quero que você localize o dinheiro que ele está escondendo. Eu também quero que ele seja observado 24/7, nos próximos 6 meses. Se ele fizer alguma coisa fora da linha, qualquer coisa fora dos âmbitos do direito, eu quero saber imediatamente.”  Ninguém ameaça a minha família, e fica impune. Lincoln está ou indo para a cadeia, ou para o seu túmulo. Eu não me importo com o que.
"Bastante interessante, ele acaba de deixar a cidade."
"O quê?"
"Ele saiu para  férias no Caribe."
O que diabos isso significa? Você ameaça alguém e foge. "Ele estava puto ontem. Ele fez uma ameaça à sua ex esposa, mas a ameaça implicava prejudicar a mim e minha família, e, em seguida, sai de férias. O que estou perdendo aqui?”
Eu começo a andar no meu estúdio. Os olhos de Taylor seguem os meus movimentos.
"Desde a nossa descoberta de Lincoln pagando a fiança de Hyde até hoje, tudo do comportamento de Lincoln tinha sido improvisado, decisões precipitadas, onde ele não tinha 100% do controle. O sucesso de Hyde em sua missão dependia de Hyde. Um elemento que Lincoln não conhecia bem e ele, certamente, não controlava. Ele não vai envolver alguém. Tudo o que ele fizer, nós vamos ter que esperar tanto dele, quanto de onde ele tem maior controle sobre o resultado do que ele faz. Mas para ele chegar até você de qualquer forma, ele precisa penetrar através das nossas camadas de segurança. Ele não pode fazer isso com a Madeireira Lincoln tendo saído de seu dispor."

Danger Zone - Kenny Loggins

"Ele ainda tem os fodidos milhões com que pode realizar muito! A Sra. Lincoln não sabe nada sobre eles?” Eu grito.
"Não, senhor. Ficou muito claro que ela não sabe. Ele nunca a incluiu em seus negócios. Ela era apenas uma esposa troféu, uma companhia para exibir ou uma propriedade como sua ex empresa, a Madeireira Lincoln. Ela não tem idéia de onde ele poderia ter colocado o dinheiro. Mas a julgar pelo que encontramos em seu escritório, eu estou apostando que ele o tem em esconderijos secretos, postos de parte em diferentes lugares que ele possa possuir. As informações da conta que encontramos são ainda de suas contas, obviamente, e ele será capaz de acessá-las. Ele não está sofrendo por dinheiro no momento."
"Eu não quero esperar até que ele encontre uma brecha na minha armadura enquanto ele está esperando o momento propício. Tenha seus homens farejando e descobrindo qual será seu próximo passo. E encontre o porra do advogado, aquele que faz o seu trabalho sujo. Se Lincoln sempre usou esse filho da puta, ele pode ser uma mina de ouro de informações. Veja o que ele sabe."
"Eu já pensei nisso, senhor, e os meus homens foram enviados. Vou manter uma rédea curta sobre ele. Mas mantê-lo à solta, usá-lo como isca. Se Lincoln vai utilizar os seus serviços ou alguém que ele conhece, nós vamos saber. Tudo o que ele pretende fazer, ele não vai fazer isso agora. Porque se Lincoln deseja fazer algum dano, ele vai ter de determinar como, onde e quando atacar. Ele não vai conseguir isso, dando-lhe um alerta. Acho que sua expectativa inicial é de que ele está indo torná-lo desconfortável. Mesmo que ele arquive este desejo por um longo tempo, ele quer  enviar-lhe uma mensagem dizendo-lhe para você sempre olhar por cima do ombro. Ele está desafiando você...” diz Welch pausando. Ele tentou isso ontem. Ele me incitou, tentando me levar a atacá-lo, para ficar em vantagem. É a mesma tática. Mas eu não quero lhe dar uma chance quando a segurança da minha família está em jogo.
"Isto é o que eu quero: eu quero que ele seja rastreado. Eu quero saber o que ele fala, com quem ele dorme,  o que come,  fode, e com quem ele se associa. Quando você me der o seu relatório, eu espero até saber quem foi seu professor de jardim de infância! Conhecê-lo bem o suficiente para determinar o que ele pensa e qual será seu próximo passo. Ao identificar em minha família um alvo, ameaçando-os, fez-se e tornou-se um alvo!  Congra-porra-tulações! Ele só ganhou  a porra de uma recompensa por sua própria maldita cabeça!”
A porta do meu estúdio abre e Anastasia pega a minha última frase. Seus olhos se arregalaram com medo e apreensão depois de  ouvir o que eu tinha dito em pura raiva.
"Welch, informe-me de volta em breve!" Eu digo desligando. Eu ando até minha esposa, mas não a toco. Eu não quero assustá-la.
"Ana, você está se sentindo bem?" Eu pergunto baixinho, meu olhar se suavizando.
"Sim,” diz ela distraída. ”Com quem você estava falando?"
Eu olho para Taylor, e ele deixa o estúdio imediatamente. Esconder isso, juntamente com o meu comportamento anterior à luz de seu enjôo matinal pode causar uma ameaça maior. Eu não quero que as ameaças de Linc sejam uma profecia auto-realizável.
"Eu estava conversando com Welch sobre Linc." Ela pisca.
"Linc? Por quê?”
"Ele fez uma ameaça, contra mim e aqueles que eu amo, para Elena."
"Elena?” ela pergunta, seus olhos ficando mais frios e mais duros. ”Como você sabe? Achei que você não era suposto falar com Elena."
"E eu não sou. Elena chamou para me informar sobre a ameaça que ele passou para ela, e eu coloquei Welch verificando isso. Considerando-se o que havia acontecido com Mia e seu seqüestro, eu não estou dando uma chance de arriscar o seu bem-estar. Estou dizendo isso porque eu quero que você se mantenha confiando em mim." Ela fica em silêncio por um momento, avaliando.
"Ele ameaçou você também?"
"Sim,” eu sussurro. ”Mas, eu não estou preocupado comigo. Estou preocupado com você e nosso bebê,” eu digo e sinto a verdade esmagadora nisso. Mesmo o bebê causando a Anastasia enfraquecer e adoecer, o que está assustando a merda fora de mim, a ameaça implícita de  Lincoln, está trazendo o protetor feroz para fora de mim.
"Você está preocupado com o bebê? Pensei... pensei...”
"Você sempre vai ser minha preocupação primária, Anastasia. Entrei em pânico, e eu vou entrar em pânico mais ainda, à medida que nós nos ajustarmos às fases de sua gravidez. Qualquer coisa que dói em você, dói em mim..." Eu digo olhando para ela, mostrando o quão vulnerável eu tornei-me à luz de tudo o que aconteceu com ela." Mas eu estou tentando entender o processo da gravidez, e não é fácil não ter controle sobre algo como isso. Algo que você quer..." Eu digo então me corrigindo, ”alguém que nós queremos tem que ferir o seu corpo para estar aqui com a gente. Ele assusta o inferno fora de mim!” Eu sussurro. Ela pega um vislumbre do medo em meus olhos, e seu olhar bloqueia com o meu enquanto suas mãos chegam até o meu rosto. Eu me inclino para seu toque. 
"Você não tem que ir trabalhar hoje?” Ela pergunta mudando de assunto.
"Quando você está doente? Ana, você desmaiou nos meus braços! Você acha que eu posso pensar em ir para o trabalho quando você está doente?” Tenho reuniões, e pilhas de trabalho, mas nada disso é tão importante quanto a minha esposa. Eu tenho  numerosas pessoas muito bem pagas que podem tirar a carga de cima de mim ocasionalmente.
"Na verdade, estou me sentindo muito melhor após a IV, o caldo da Sra. Jones com biscoitos e o remédio para náuseas,” ela diz. O que ela está me perguntando?
"Se você pensa que está indo para o trabalho, porque você está se sentindo melhor nos últimos dez minutos, você está completamente enganada,  Sra. Grey," Eu a advirto. Ela franze os lábios refletindo.
"O que você entende por recompensa por sua cabeça,” ela pergunta. Anastasia está por todo  o mapa hoje, saltando de tópico em tópico.
"Nada com que você deva se preocupar, baby. A única coisa que você precisa se preocupar é com esse pequenino, e seu bem-estar.”
"Christian, eu não quero estar de volta à estaca zero. Agradeço por compartilhar as informações sobre a ameaça de Linc, mas eu preciso saber se há alguma coisa mais que o está incomodando. Eu deveria estar preocupada com Elena?” ela pergunta com ciúme mal disfarçado.
"Ana, eu estou lhe dizendo tudo sobre isso, porque eu preciso que você confie em mim. Linc chamou Elena e fez uma ameaça implícita, que estou levando a sério à luz do que ele tinha feito com a liberação de Hyde, vendo uma oportunidade potencial para ferir a mim e a minha família. Em troca, eu fodi com ele desmantelando sua empresa amada. Agora, ele está tentando encontrar uma maneira de se vingar. Eu preciso saber que você está protegida. Ao fazer uma ameaça implícita contra aqueles que eu amo, contra você, ele colocou uma recompensa por sua cabeça. Eu nunca, jamais deixarei que ninguém a machuque. Nunca!”
Anastasia engole em seco. ”Você não está pensando em matá-lo, está Christian?” Ela pergunta em um sussurro, petrificada. Eu balanço minha cabeça.
"Não,” eu digo, com meia-verdade. Eu não vou matá-lo agora, mas ao primeiro sinal de que ele está tentando machucar minha família, eu não hesitaria em machucá-lo do jeito que ele tem a intenção de ferir aqueles que eu amo. ”Mas eu tenho que manter os olhos e ouvidos sobre ele, para que tudo que ele faz seja monitorado. Pelo menos para os próximos seis meses. Nesse momento, eu vou reavaliar a situação. Esta é a nossa paz de espírito.”
"E o que acontece com Elena?"
"Elena não é a minha preocupação, você é!  Você e nosso bebê,” eu digo espalhando minha mão sobre sua barriga plana. "Aliás, como você se sente agora?"
"Ótima, na verdade. Apenas com fome de ovos, panquecas, bacon e chocolate para barrar no pão francês,” diz ela corando.
"Pão francês só?" Pergunto levantando as sobrancelhas.
"Por enquanto,” ela sussurra.
"Venha, vamos alimentá-la,” eu digo puxando-a para fora do meu escritório.

*****   ♡   *****
O resto de ontem foi sem intercorrências. Mas, eu não estou prendendo a respiração para a mesma boa sorte para hoje. Eu decidi trabalhar em casa, pelo menos na parte da manhã para ficar de olho nos sintomas da minha esposa. Tomo banho cedo e vou treinar antes de Anastasia acordar. Quando eu volto, eu não a encontro na cama.
"Ana,” eu grito. Sua resposta vem do banheiro, na forma de um murmúrio. Corro para encontrá-la lentamente erguendo-se da pia. Ela coloca a tampa de volta no enxaguante bucal.
"Eu não estou desmaiando hoje,” diz ela sorrindo. ”Não é nada como ontem."
"Não poupe o meu sentimento, Ana. Eu preciso saber que você está bem! Você tem que me dizer se você não está bem para que eu possa cuidar adequadamente de você,” eu repreendo a ela.
"Relaxe, Christian. Eu estou bem." Ela abre a água do chuveiro enquanto ela vai para a pia para escovar os dentes. Ela despe sua t-shirt, em seguida, sua calcinha. O meu olhar está firme em seu corpo. Eu não posso deixar de olhar para sua bela forma. Seus seios estão crescendo em tamanho, completos. Seus mamilos estão frisados, apertados sob o meu olhar. Ela tem arrepios se formando em sua pele. Eu rapidamente arranco  minhas roupas descuidadamente. Anastasia sorri sabendo o tipo de efeito que ela tem em mim. Seu olhar avalia lentamente meu corpo. Meu pau pulsa com a intensidade do seu olhar. Ela distraidamente lambe o lábio inferior, e morde-o.
"Ana..." Eu digo asperamente, puxando o queixo para baixo, liberando o lábio inferior. ”Você não está bem."
"Bem, Sr. Grey. Lembro-me da Dra. Greene dizendo-lhe para cumprir todos os meus desejos. Ordens do médico...” diz ela dando de ombros. ”A não ser, claro, que se essa ordem pode ser quebrada, eu acho que sua ordem para eu não ir trabalhar também pode..." Eu não a deixo terminar. Minha boca desce em velocidade relâmpago na dela, capturando os lábios, tomando, não perguntando. Eu chupo seu lábio inferior e ligeiramente roço meus dentes sobre ele, engolindo seus gemidos famintos. Eu devagar faço andar minha esposa para trás para o chuveiro. A água em cascata nos lava com renovada paixão. Suas mãos estão enlaçadas no meu cabelo molhado, me puxando para ela, trabalhando duro para unir nossos corpos.


 "Devagar, baby,” murmuro.
"Por favor,” ela pede. Meus lábios deslizam para baixo no seu queixo e eu a mordisco. ”Por favor, Christian! Eu preciso de você,” ela pede.
"Vire-se,” eu ordeno. Ela obedece imediatamente, o peito arfando para cima e para baixo.
"Mãos na parede,” eu digo e ela pressiona as palmas das mãos sobre os azulejos no chuveiro. Usando meus pés, abro suas pernas. Eu espremo um pouco de gel de banho em minha palma da mão e ensaboo. Eu começo com os ombros, e amasso os músculos com as mãos ensaboadas. Eu corro minhas mãos para cima e para baixo em seus lados, em círculos, e em seus seios. Amassando os montes doloridos, eu puxo e alongo os mamilos entre o polegar e o indicador, brincando e beliscando-os. Minha mão direita cai mais em seu peito, descendo para sua barriga, por cima do osso púbico e, em seguida, para as dobras de seu sexo apertado, fazendo-a ofegar. Eu fundo meu corpo com o dela por trás, meu pau deitado pesado em sua parte inferior das costas, cavando dentro. Meus dedos provocam e atropelam sua fenda, sentindo a maciez cremosa, convidando-me para dentro. Quando eu mergulho um dedo, ela suspira e gira os quadris, tentando desesperadamente obter alguma fricção.


"Calma, Ana," eu ordeno. Mas ela não vai escutar. Ela geme implorando por mais.
"Não! Rápido,” ela implora. Eu não quero pressioná-la até seus limites. Ela tem estado frágil recentemente. ”Eu preciso de mais. Preciso de mais rápido!” Ela arqueia as costas, e os seios são empurrados em minhas mãos, doendo por meu toque, e desesperados por atenção.
Ver sua fraqueza nos últimos dois dias está me deixando mais vigilante, como se ela fosse cair nos meus braços de forma inesperada. Minha esposa quer ser imprudente,  como de costume. Eu preciso levá-la em um ritmo lento. Percebendo minha  intenção, ela vira o rosto para mim. Eu olho para ela interrogativamente, minha mão está suspensa no ar. Sem uma palavra, ela aperta o gel de ducha em sua palma, faz espuma e levanta  a mão em um gesto para indicar que ela vai me lavar. Concordo com a cabeça. Ela coloca as mãos nos meus peitorais, logo disparando minhas sinapses com seu toque. Ela corre círculos no meu torso, movendo delicadamente as mãos sobre minha barriga, meus quadris, e cobre meu saco pesado dentro de sua palma. Eu puxo uma ingestão aguda de respiração. Com uma mão, ela agarra a base do meu pau. Com as mãos ensaboadas ela alisa-o e a mão desliza para cima e para baixo. Quando o círculo de seu dedo polegar e dedo indicador alcançam a coroa do meu pau, ela aumenta seu aperto, em um esforço para espremer o pré gozo. Eu gemo de prazer. 



A água lava o sabão, que escorre em filetes preguiçosos por minhas pernas. Quando ela se senta no banco, suas mãos nunca deixam meu pau, me levando para o banco como se ela fosse estar ali um pouco. Ela levanta o olhar molhado até mim, e mergulhando a cabeça, seus lábios quentes e úmidos circundam a ponta. Sua língua se encontra com a coroa e dá voltas em torno dela, lambendo. Como se mil sensações diferentes percorressem a ponta do meu pau, eu ponho minha mão direita na parede do chuveiro para estabilizar meu equilíbrio com o ataque de sensações com o assalto repentino da minha esposa. Ela está determinada a me chupar com tal entusiasmo, que ela está prestes a me abater. No começo eu não sabia o que fazer com ela. Ela esteve doente durante os últimos dois dias. A visão de comida iria desmontá-la e levá-la correndo para o banheiro. Odores... Me mataria se ela tivesse associado qualquer parte de mim com enjôos matinais. Mas, como de costume, comportando-se exatamente o oposto do que eu esperava que ela se comportasse, Anastasia me surpreende. Minha esposa está mais do que voraz por mim!


"Anaaa..." Eu sibilo através de meus dentes em um sussurro sem fôlego. ”Você... você... bem... ahhh! Tem certeza?” Eu pergunto. Eu não quero que ela pare, mas em seguida, com a náusea à vista diante do menor gatilho, eu não quero que ela siga em frente se isso vai deixar minha esposa doente. Ela me mataria se ela desmaiasse por eu gozar em sua boca. Sem afastar suas mãos ou seus lábios fora do meu pau pesado, latejante, ela levanta os cílios longos, e olha para mim com a boca repleta de minha ereção pulsante. O que ela tem em seu olhar é uma declaração inequívoca de posse. Sua língua incansavelmente corre ao redor da coroa, em um quase desespero por um gosto de mim. Ela me chupa com puxões fortes, como se ela não se cansasse de mim. Eu empurro para frente com cuidado, mas ela garante que eu saiba que ela quer mais. Eu empurro novamente fodendo sua boca, apenas com movimentos superficiais. Mas Anastasia me puxa mais profundo. Olhando para mim, pedindo mais com seu olhar.
"Cristo, Ana!"
Ficar sem sexo durante os últimos dois dias é o suficiente para me empurrar sobre a borda.
"Baby! Se você não tiver certeza, eu não quero gozar em sua boca!” Eu respiro, minha cabeça inclinada para trás. Em um frenesi desesperado, ela pega minhas nádegas, e encoraja-me a mover-me em sua boca. Um rosnado erótico escapa de meus lábios do fundo de minha garganta. Eu movo lentamente o meu pau dentro do oco de sua bochecha, sua mão está se movendo no espaço deixado por seus lábios, e quando seus dedos se retiram, sua boca está assumindo meu comprimento. Eu posso sentir o desespero, a fome voraz que eu não tinha experimentado antes nela, nesta intensidade avassaladora.

Ponho a minha outra mão também pressionada contra a parede do chuveiro molhado, enquanto eu gozo com os assaltos amorosos da minha esposa. O som que sai de mim é completamente cru e rouco. Eu sinto o aperto das minhas bolas antes de alcançar o precipício do meu clímax e jorro grosso na sua boca, pronto para retirar-me, mas sua  mão direita aperta minha nádega, suas unhas cravando-se em minha carne em alerta, como se eu estivesse tirando dela sua refeição favorita. O segundo prazer derrama-se de mim, meus olhos rolam para trás em minha cabeça, e minha mão esquerda escava nas mechas úmidas de minha esposa. Esta é uma crua declaração puramente carnal de posse, uma conquista de minha esposa. Quando eu volto para os meus sentidos e meus olhos se concentram mais uma vez, eu vejo minha mulher lambendo os lábios. A água da ducha está chovendo sobre nós; fazendo gotejar água das mechas de seu cabelo, como pérolas sobre seu corpo, e descendo para o chão do chuveiro em uma corrida.
"Christian, eu estou desesperadamente desejando você,” diz ela com um tipo diferente de fome, como se eu não tivesse alimentado durante dias, e ela estivesse morrendo de fome. ”Eu preciso tanto de você, eu quero que você foda o inferno fora de mim,” ela diz com fervor e determinação. Foder o inferno fora dela? Quem diria que o sexo seria o que saciaria sua fome e sedaria seu corpo? Uma vez que as suas palavras se registram, eu olho para a minha mulher com um rosto impassível, então meus lábios se curvam em um arremedo de um sorriso. Foder o inferno fora dela... Eu estou mais do que feliz em obedecer. Fecho a água do chuveiro, pegando minha esposa do chão, eu a levo para fora do chuveiro.
"Na sala de jogos,” ela exige.
Foder o inferno fora de minha esposa grávida na sala de jogos não me dá uma sensação fácil. Nesse cenário, com minha esposa grávida que esteve violentamente doente durante os últimos dois dias, eu não acho que é sábio.
"Ana, eu não acho que..."
"Por favor,” ela implora desesperadamente. O que essa gravidez está fazendo com ela? ”Eu confio em você..." ela sussurra. Se a minha mulher quer alguma coisa, eu vou ser o único a fornecer para ela. Mas, porra, na sala de jogos, logo depois que ela esteve doente o suficiente para derrubá-la, não é sábio hoje.
"Ana, eu não vou levá-la para a sala de jogos, esta manhã. Eu não vou correr o risco. Porque se você ficar doente, enquanto eu estou tocando-a, fodendo o  inferno fora de você, como você colocou, me mataria.”
"Christian, eu não me importo! Eu quero você!  Desesperadamente...” ela reitera.
"Na sala de jogos hoje não, Ana! Eu digo quando! Eu digo como!” Murmuro em uma voz determinada, inflexível. "Mas eu lhe devo um punhado de orgasmos,” eu digo, dando um sorriso lascivo, movendo-a para nosso quarto nos meus braços.
"Christian...” ela protesta.
"Eu vou levá-la lá, baby. Só não hoje. Só quando eu estiver convencido de que você está melhor."


"Eu estou melhor,” ela começa a discutir. Mas antes que ela possa começar outro surto de seus protestos, eu tomo a sua boca,  e cubro-a com a minha, efetivamente aquietando-a. Meus lábios são suaves num primeiro momento, solícitos mesmo. Eu quero sentir a minha esposa pela primeira vez. Sentir que ela está bem e não apenas dizendo que ela está se sentindo melhor. Ela entreabre os lábios, enquanto  fecha os olhos. Logo, ela avança e puxa meu cabelo molhado, com os dedos entrelaçados neles, seu corpo pressionando o meu, fazendo minha ereção escavar em sua barriga, enrolando uma perna atrás da minha, seus mamilos animados e duas esferas me provocando; seu corpo inteiro está procurando uma resposta minha, com uma intensidade brutal.  Seu beijo se torna exigente, agressivo mesmo. É uma reiteração de sua declaração anterior de posse, a fome e o desejo que ela tem por mim, quase alcançando o meu desejo insaciável por ela. É impossível não retribuir, e quando finalmente enfio minha língua quase com força em sua boca, correspondendo e superando seu fervor, ela engasga. Sua mão direita abaixa, as unhas arranham minhas costas, me seduzindo mais. Um gemido misturado com um lamento de prazer escapa de seus lábios e passa para os meus. Nossa necessidade um pelo outro é inebriante, desesperada. Minha língua se movimenta na dela, com movimentos mais profundos e mais hábeis. Sua língua coincide com os movimentos de minha língua, e nosso foder o inferno fora dela começa na boca.


 Eu faço Anastasia andar para trás, para nossa cama, e quando ela não pode mais se mover, a traseira de suas pernas encontrando com a cama, eu a empurro para nossa cama. Eu caio sobre ela, suspenso apenas pelos meus cotovelos. Eu roço meus dentes sobre seu queixo, e ela arqueia o pescoço, levanta os quadris para cima, empurrando o peito para se fundir com o meu corpo, em uma exibição ostensiva de sua rendição.


"Ansiosa, Sra. Grey?" Murmuro com um sorriso em meus lábios, me movendo para baixo em seu pescoço.
"Simmm," um gemido escapa de seus lábios. Eu copo um de seus seios e sinto o mamilo duro. Ela está muito ligada, muito faminta, muito voraz, para ser saciada com fazer amor suave. O que ela precisa é de foda intensa, crua, e igualmente selvagem. Eu imediatamente me afasto dela, deixando-a olhando confusa. Eu tento reprimir um sorriso.


"Onde você está indo?” Ela pergunta enquanto eu me encaminho em direção ao armário.
"Trazer o kit de emergência,” eu respondo. O olhar confuso em seu rosto não tem preço.
Eu trago uma caixa de madeira polida com alguns itens nela, reservada para ocasiões como essas. O olhar de Anastasia segue-me sem palavras. Eu ando para o dock para iPod e procuro através do conteúdo, até selecionar a  música que eu desejo. A profunda voz de baixo-barítono de Leonard Cohen começa cantando, se ela quer um amante, eu sou seu homem.

If You Want a Lover – Leonard Cohen

Eu ando para minha esposa com passos arrogantes, sensuais, sem tirar meu ardente olhar dela. Ela é bonita pra caralho. A visão dela pode fazer um homem chorar de alegria. Mas, no momento, gostaria apenas de foder o inferno fora dela, assim como ela pediu.
Eu coloco a caixa em cima da cama ao lado dela, e a abro. Eu tiro dois conjuntos de algemas de couro macio para as restrições. Ela arqueia uma sobrancelha e sorri enquanto seus lábios entreabrem em antecipação. Eu coloco a braçadeira para o tornozelo e prendo a alça de couro. Tomando a outra alça, eu a amarro em seu cotovelo que imediatamente puxa a perna direita para cima, expondo seu sexo inchado de desejo. Repito o processo no seu lado esquerdo. Então eu levanto os prendedores de mamilo ajustáveis, presos um ao outro com uma corrente. Seus olhos se arregalam, e ela respira fortemente. Ela morde o lábio inferior em resposta. Tomando seu mamilo esquerdo entre o polegar e o dedo indicador eu o rolo e puxo habilmente. Um arrepio percorre-a enquanto ela fecha seus olhos, e empurra automaticamente seu peito em minhas mãos, enquanto ela arqueia as costas.


"Olhos... abertos,” eu ordeno. Quando ela os abre, lentamente, eles estão cheios de desejo carnal. Ela engole em seco. Eu baixo minha boca sobre o peito dela, e chupo-o no calor úmido da minha boca, com gosto. O mamilo imediatamente levanta, enquanto eu o cubro com minha língua. Quando eu estou satisfeito com o resultado, eu sento sobre ela, enquanto minha ereção se movendo sobre o corpo dela a distrai, eu aperto a braçadeira sobre o mamilo. Eu ajusto a tensão em algum lugar no meio entre a dor e o prazer. Repetindo o processo sensual em seu lado direito, eu dou um puxão na corrente, ligeiramente puxando os mamilos. As pernas de Anastasia já estão afastadas, e puxadas  para cima para os cotovelos. Quando eu agarro um de seus pés, eu roço meus dentes na almofada de sua sola.


"Agghh!" Ela geme se contorcendo debaixo de mim.


"Silêncio agora," Eu a silencio de forma eficaz. Meus lábios se movem para cima de  seus tornozelos, por trás dos joelhos, eu localizo o ponto entre os dois ligamentos atrás do joelho dela, no vinco formado quando a perna está dobrada. Tomando meu indicador e o dedo médio, eu aplico uma leve pressão entre os dois tendões. É um dos melhores pontos para aliviar o stress e fadiga e promover o desejo sexual. Eu me ajoelho e beijo e chupo até chegar a seu abdômen. Eu me inclino para os tendões, onde as pernas se juntam a seu abdômen e com a palma da minha mão, eu aplico pressão, e em seguida, mergulho o nariz em seu sexo inalando-a profundamente. Sem sequer tocá-la no ápice de suas coxas, no entanto, ela está completamente excitada e desejosa por mim. Eu localizo o ponto alguns dedos abaixo do umbigo e diretamente acima da bexiga dela e  pressiono suavemente com três dedos, enquanto minha língua lambe o comprimento de sua fenda. Um forte, involuntário gemido sobe de seus lábios.
"Christian!"


As dobras de seu sexo florescem abertas para mim; ela está molhada, cremosa e excitada. Meus lábios cobrem seu clitóris e eu chupo forte, minha língua está brincando sobre a ponta dele incansavelmente, ateando fogo em todas as terminações nervosas do corpo dela. Eu sinto seu olhar em mim, e quando eu abro meus olhos, eu vejo as pupilas dilatadas, suas íris escurecidas de desejo relegado. Ela tenta chegar ao meu cabelo, mas não pode fazê-lo sem mover a perna, e eu empurro suas pernas para baixo. Ela está impotente contra minhas ministrações, como ela me deixou desamparado no chuveiro. Olho por olho. Minha língua mergulha em seu sexo e prova seu desejo por mim. Eu redemoinho dentro dela e a fodo com minha língua, em impulsos tanto rasos como profundos. Ela é forçada a absorver o prazer já que ela não pode fechar as pernas, e suportar a intensidade de seu orgasmo com o meu nome truncado em seus lábios. Sem dar chance para suas ondas de orgasmos diminuírem, eu viro minha esposa, levantando suas nádegas para o meu prazer. Eu mergulho meu pau em um impulso rápido, e mergulho nas profundezas do seu sexo. Eu seguro sua bunda para cima, e sustento as ondas dos tremores de seu orgasmo, puxando meu pau mais profundo. Em seguida, puxando-o para trás com um controle cuidadoso, eu só insiro a coroa, esfregando-a suavemente, absorvendo as ondas de seu último orgasmo. Ele sacode através do meu corpo em uma onda de eletricidade. Minha ereção está dura, quente, e trêmula, doendo para alcançar as profundezas de seu sexo, fazê-la gemer, fazê-la minha, dominar seu sexo, e, finalmente, deixá-la me ordenhar para tudo que eu tenho por ela. Eu empurro mais profundo com o ritmo da música. 


Eu sinto seus músculos internos apertarem e abraçarem meu pau mais, tornando a nossa intimidade não apenas foder, mas fazer amor intensamente apaixonado. Eu puxo meu pau fora do abraço de seu sexo,  como numa provocação, e depois o meto no seu sexo acolhedor, uma e outra vez. Quando eu inclino seu quadril, eu consigo encontrar o local mais profundo, o meu lugar favorito na Terra, localizado dentro da minha esposa. Angulando meus quadris, eu esfrego nesse lugar implacavelmente, provocando mais prazer.
"Oh, por favor!" Anastasia grita. Retiro para prolongar a sensação lentamente, permitindo que suas ondulações que se aproximam de seu auge diminuam por um pouco. Assim que elas desaparecem, eu mergulho de volta. Eu continuo a minha deliciosa tortura dentro e fora, dentro e fora. Então, eu me inclino para baixo, e enquanto eu mergulho de novo, eu puxo seus grampos de mamilo, intensificando as sensações de dor e prazer, fazendo seu sexo empunhar meu pau como uma luva apertada. Seus quadris me encontram, impulso por impulso, empurrando de volta para mim. Minhas bolas estão pesadas e doloridas, enquanto elas ritmicamente batem em seu clitóris, aumentando sua estimulação. Quando eu chego ao meu intenso clímax, eu mal consigo ouvir o Sr. Cohen cantarolar: "Se você quer um médico, vou examinar cada centímetro de você. Se você quiser um motorista, entre. Ou, se você quiser me levar para um passeio, você sabe que pode. Eu sou seu homem...” (If you want a doctor, I’ll examine every inch of you. If you want a driver, climb inside. Or if you want to take me for a ride, you know you can. I’m your man…”)
Eu sou de fato seu homem, eu penso enquanto eu despejo o meu desejo, paixão e necessidade nela, apaixonadamente. No auge de seu clímax, eu puxo e retiro a corrente de seus grampos de mamilo e ela grita seu muito intenso orgasmo. Eu finalmente empurro nela mais quatro vezes, e paro; meu pau ainda está depositado profundamente dentro dela, minhas bolas efetivamente batendo em seu clitóris, uma última vez. Uma vez que minha visão consegue se focar no aqui e agora, eu saio dela com sucção. Desfazendo as algemas, eu solto os braços e as pernas de suas restrições. Então, eu os massageio e deixo o sangue circular de volta em suas extremidades.
"Será que isso atende às suas expectativas de foder o inferno fora de você, Sra. Grey?” Eu pergunto.
"Sssiimm!" Sua resposta ofegante escapa de seus lábios. ”Completamente!" Eu sorrio em resposta.
*****   ♡   *****
Depois da nossa foda intensa, Anastasia veste um sexy vestido de verão branco curto, com alças. Seu decote é perturbador. Não é muito profundo, mas certamente enfatiza os seios crescendo, que eu não quero que os outros em casa desfrutem olhando. Eu não digo nada; tivemos uma manhã maravilhosa, eu não quero trazer má sorte. Anastasia traz seu trabalho, espalhando-o sobre a cama, então ela fica no meio dele de pernas cruzadas. Um olhar superficial me diz que eles são alguns dos manuscritos que ela quer ler. Ela finalmente se deita, levantando suas pernas para cima enquanto ela cruza as pernas na altura dos tornozelos, ela distraidamente anota alguns deles com uma caneta. Seu decote é ainda mais perturbador deste ângulo, mas eu continuo a trabalhar no meu laptop. Enquanto eu estou distraído com seu decote e meu trabalho, seu Blackberry toca, nos assustando a ambos. Vendo o identificador de chamadas, ela franze a testa, em seguida, toma uma respiração profunda e responde. O meu olhar está fixo nela desejando que ela me diga quem é. É o filho da puta do José?
"Oi mãe,” ela responde tão alegremente quanto ela pode.
Foda-se! Será que José chamou sua mãe também?
"Sim, Ray recebeu alta do hospital na noite passada. É por isso que você não pode encontrá-lo lá,” ela diz e faz uma pausa.
"Ele está bem. Só precisa ir à fisioterapia por um par de meses. Você não ligou para o celular dele?” ela pergunta. Eu levanto minhas sobrancelhas. Anastasia liga o viva-voz por minha causa.
"Claro que não, querida. Se ele estivesse no hospital e dormindo, eu não quereria perturbá-lo. Quando a enfermeira disse que ele não estava mais lá, eu tinha que ter certeza de que ele não fora transferido para outro lugar. É por isso que eu lhe chamei."
"Eu passei um pouco de tempo com ele depois que ele recebeu alta. Ele foi levado de volta para Montesano por amigos. Mas ele estava muito bem, mãe."
"Ah, bom! Eu não sei como dizer isso, mas eu tinha essa sensação desconfortável todo o dia de ontem e durante todo o dia de hoje. Eu temia que algo tivesse acontecido com Ray. Acho que entrei em pânico quando o hospital disse que ele não estava lá."
"Papai está bem, mãe. Mas, eu estava doente ontem."
"O quê! Qual é o problema? Está relacionado a seus ferimentos? Você foi ao médico? O que dói? Sua cabeça, suas costelas? Seus ferimentos curaram? Você quer que eu vá? Oh querida, fale comigo!”
"Mãe, me deixe dizer uma palavra no intervalo,” Anastasia diz revirando os olhos.
"Desculpe, querida..."
"Eu estava doente, mas não foi nenhuma dessas coisas que me levaram a estar nesse estado." Anastasia toma uma respiração profunda, e olha para mim, travando o seu olhar com o meu.
"Mãe, eu estava tendo enjôos matinais. Eu estou grávida." Primeiro, há uma longa pausa, como se uma moeda redonda estivesse levando alguns segundos para cair por um buraco quadrado, e, em seguida, um grito muito alto vem através do alto-falante.
"Mamãe? Mãe? Você está bem?”
"Ana!!! Estou muito feliz! Tanto por você como por Christian! Você realmente vai me fazer uma avó?”
"Sim, mãe,” vem a voz hesitante de Ana. Carla se agarra na sua hesitação.
"O que está errado, doçura?  Você quer que o bebê, não é?”
"Com certeza! Eu nunca quis tanto nada na minha vida afora Christian,” ela murmura em voz baixa, olhando para mim. ”Mas, eu estou tendo o pior enjôo matinal, especialmente esta semana. Ele me atacou de repente. Eu não quero que você se preocupe com isso. Estamos tentando mantê-lo sob controle,” explica ela.
"Eu sinto muito, querida. Infelizmente, você herdou de mim. Eu os tive quando eu estava grávida de você  também. Por um tempo eu estive perdendo peso em vez de ganhar. Seu pai, Deus abençoe sua alma,” ela diz, com sua voz embargada,  ”não sabia como lidar com isso. Eu fui hospitalizada, veja você, e eles tinham que me alimentar através de um I V.  Nós dois éramos muito jovens e inexperientes. Isto preocupava seu pai demais. Mas há luz no fim do túnel. Durou apenas o primeiro trimestre. Eu comi, você cresceu, e nós estávamos apaixonados por você antes de você nascer. Eu acho que aquilo nos levou para passarmos por aquela fase difícil,” diz ela. A garganta de Ana trabalha em um gole visivelmente difícil.
"Obrigada, mãe,” Anastasia sussurra.
"Pelo que,  querida?"
"Por não me tirar e me carregar por uma gravidez difícil. Eu não estaria aqui se você não me guardasse,” diz ela, e eu acho que isso é por minha causa.
"Querida, eu não mudaria isso por nada. Ter você me deu uma nova vida, uma família própria. E quando seu pai se foi, você era tudo que eu tinha,” ela soluça.
"Eu a amo, mãe! Obrigado por tudo que você fez por mim."
"Eu também a amo, baby. Diga a Christian que eu disse oi e parabéns. Chame-me a qualquer hora que você precisar.”
"Eu vou mãe. Obrigado."
Depois de Anastasia colocar o telefone de volta na cama, ela olha para mim e diz: "Bem, isso é todo mundo..."
"Todo mundo?"
"Sim, todos foram informados de nosso pequeno Blip."
Antes que eu possa responder ao seu comentário, é o meu Blackberry que vibra neste momento. Eu o pego e dou uma olhada no interlocutor. Levantando meu dedo em um gesto que diz um minuto, eu respondo.  Meu tom e meu olhar se transformam imediatamente em um firme.
"Ros! O que está acontecendo?”
"Sr. Grey, você está cancelando nosso encontro hoje?”
"Se Andrea informou-a de seu cancelamento, você não devia estar perguntando sobre isso, Ros."
"Bem, acontece que é uma reunião muito importante, porque envolve a descoberta final que nossa equipe de engenharia fez. Eu tinha entendido que seria algo que você gostaria de participar, uma vez que já tivemos algumas semanas muito estressantes."
"Descoberta? Que descoberta?”
"Bem, essa era a surpresa. Eles podem ter a tecnologia de energia solar e/ou eólia em que têm estado trabalhando, finalmente atendendo suas necessidades,” ela acrescenta.
"Sério?" Pergunto com entusiasmo, levantando-me do meu lugar instantaneamente.
"Sim, é verdade. Claro, eu não vi por mim mesma, mas eu estava ansiosa para uma demonstração. Você ainda acha que não pode vir hoje?”
"Deixe-me chamá-la de volta."
"Tudo bem, senhor. Vou aguardar a sua chamada de volta."
Eu pressiono o botão "End" no meu Blackberry. Meus olhos estão em chamas com excitação quando eu olho para Anastasia. Ela pisca para mim com curiosidade fervorosa.
"Anastasia, o que você diria de ir trabalhar comigo hoje?"
Ela franze os lábios. ”Você não quer me deixar ir para o meu trabalho, mas você quer que eu vá trabalhar com você?"
"Sim. Eu quero mostrar a minha mulher em que temos estado trabalhando. O celular que funciona com energia solar e do vento. O que eu queria dar a lugares remotos na terra onde eles não têm eletricidade prontamente acessível. É claro que se ele funcionar da maneira que deveria, eu acho que pode ser benéfico para os caminhantes, campistas, entusiastas de ar livre, que estão longe de tecnologia por longos períodos de tempo, ou até mesmo dar uma chance de sobrevivência a um soldado que pode ficar abandonado em algum lugar, sem nenhum meio de comunicação."
Ela sorri, lembrando-se. Ela sabe claramente do que eu gosto, onde se encontra a minha paixão. Ela comprou alguns brinquedos para mim utilizando a energia limpa, sabendo minha paixão.
"Sr. Grey, leve-me para o trabalho,” diz ela sorrindo, e eu estendo minha mão para ela, excitado com a possibilidade de levá-la para a GEH, pela primeira vez desde que ela primeiro tropeçou em meu escritório.



Here it is – Leonard Cohen


48 comments:

Anonymous said...

Perfeito!!!
Obrigada Neusa e Emine!
Volto depois pra comentar mais..

Pry

Anonymous said...

Apaixonante como sempre!
Obrigada Neusa e Emine.
B-jos

Anonymous said...

Maravilha... estava ansiosa por mais um capitulo!
Obrigado Emine e Neusa...

Joenes Carvalho said...

Acabei de ler mais esse maravilhoso capítulo traduzido com maestria por vc Neusa querida, entro várias vezes ao dia e qdo encontro um novo capítulo postado por vc ou Emine minha felicidade é enorme, Parabéns por sua competência e dedicação , , obrigada por tudo, tenha uma excelente semana, Abraços

Joenes Carvalho

Agatha W F Tobias Santos said...

Nossa que perfeito!!!!!
Agora que tava bom acabou o capítulo, parabéns Neusa e Emine é claro.... Vcs são D+++++
Gostaria de saber sobre a série Pella, vai continuar a escrever?!? já li todos os capítulos to achando o máximo e ansiosa para ler mais....
Bjs to no aguardo do prox capitulo....

Agatha Tobias

Agatha W F Tobias Santos said...

Gente agora que tava bom.... Rsrsrsrsrs
Super ansiosa para o prox capítulo....
Parabéns Emine e Neusa...

Sobre a Série Pella vai continuar?!? to adorando a história, gostaria de ler mais....

Bjcas
Agatha Tobias

Glenda Suely said...

Que surpresa boa.Lido demais,fofo demais,sex demais,tudo demais!
Maravilhoso esses momentos,mudanças no corpo,apetite dobrado em todos os sentidos,LINDO ISSO.
Estou envolvida demais por essa história querida Emine,a cada capítulo vc se supera,vc é fanta stica!E Neusa querida como sempre,sua competência e responsabilidade me fazem admira-la ainda mais,e vc tem todo meu respeito.
Bom vou ficar aqui relendo esse capítulo lindo,até vir outro.

Ps:Mais por favor.

Bjs

Anonymous said...

Nossa estou adorando essa versão Cristian.. fico super ansiosa pelos novos capítulos... Parabéns a vocês por elaborarem essa historia e traduzir para nós!!

Um grande abraço

Thaís Gomes

ana paula said...

Ai que vontade que nao acabe nunca,começo a ler pedindo para que seja um capitulo enorme,que delicia poder acompanhar este CG preocupado,paternal,preocupado,mas ao mesmo tempo quente o suficiente para uma "foda alucinante" como ele mesmo diz.
Emine,nao encontro palavras para te agradecer.
Neusa,vc tb muito obrigada por gastar um pouco do seu tempo com essa traducao tão brilhante.
Esse capitulo estava simplismente lindo.
Amei do começo ao fim.

Neusa Reis said...

Agatha, Faltam 2 capítulos da Série Pella para serem traduzidos.Quando eu alcançar a Emine no POV Christian (que está faltando pouco) eu vou traduzir. Esta série é um livro que a Emine escreveu e que está sendo preparado para ser publicado agora em 2014. Creio que depois do cap. VIII, ela não vai colocar mais nada aqui. Mas como somos brasileiras e não desistimos nunca, talvez a gente a convença a colocar um cap. daqui outro dali, até o livro sair, porque senão morreremos de ansiedade. Bjs

Natii said...

Nossaaa, que capitulo maravilhoso... Emine vc é simplesmente abençoada por Deus e vc Neusa sua linda ainda mais pornos transmitir em palavras que possamos entender e nos delirar com esse fascínio todo , amoooo demais tudo isso e como sempre fico ansiossissima quando termina e esperando pelos próximos, que concerteza vão estar de tirar o folego!!! Amooo ... beijos da Natii

Elaine said...

Estou adorando!!! Vc se me dizer quantos capitulos tem ao total? A Emine já escreveu tudo? Obrigada, pelo trabalho de vocês!!!

Elaine said...

Lindo capitulo. Quantos capitulos tem no total? A Emine já escreveu todos? Obrigada pelo trabalho de vcs.

Elaine said...

Lindo capitulo! No total, quantos capitulos são? A Emine já escreveu todos? Obrigada pelo trabalho de vocês!

Elaine said...

Lindo capitulo! No total, quantos capitulos são? A Emine já escreveu todos? Obrigada pelo trabalho de vocês!

Fer G. said...

Neusa querida,foi um ótimo domingo com o Christian ,apesar de todo vômito.Obrigada Emine.Neusa,sem palavras para a sua dedicação.grd beijo.

Viviane Oliveira said...

Olá meninas todas. Como vão?
Neusa querida mto, mas mto obrigada por mais essa tradução perfeita. Vc é maravilhosa e agradeço seu empenho e dedicação na realização desse trabalho. Vc tem noção do qto nos faz feliz???
Emine mais uma vez parabéns por mais esse capítulo MARAVILHOSO. Nossos adjetivos para o seu trabalho já estão ficando repetitivos, pq ñ há palavra melhor do que essa para descrever sua escrita e como ela nos faz sentir. Abençoada seja sua criatividade. Obrigada pelo seu tempo, carinho, comprometimento e dedicação ao escrever essa estória.
Amo cada vez mais os cuidados do Christian com a Ana, ela se adaptando a gravidez e lidando com os medos de ambos, amo ver a dedicação dos seus empregados, vc consegue passar pra nós todas essas informações através de detalhes mto sutis, mas, acima de tudo amo VER o homem em que vc o transformou. Tenho certeza que todas nós gostaríamos de um pouco de Christian Grey em algum aspecto de nossos relacionamentos.
Sempre anciosa por mais!!
Desejo a todas um ótima semana.
Bjos gurias. Fiquem bem!

Vivi Oliveira

Anonymous said...

Capitulo fofo!! Cris super preocupado! Sexo alicinante!!!
Näo sei como vai ser qd acabar!!! A Emine nâo pode parar!! Nem vc Neusa!!!
Bjs a todas Lala

Mara Lins said...

OMG!!! Por favor, me mandem um CG acompanhado de um kit de emergência.

Que capítulo envolvente. Como é bom vê-lo tão preocupado com a Ana, a ponto de achar que seu filho a está matando.

Quanta percepção da Emine, em retratar um momento tão delicado.

Obrigada Neusa e Emine, por mais esta obra tão perfeita.

Beijos a todas.

Anonymous said...

capitulo perfeito para o feriado
anciosa por mais, virou um vicio
esta estoria. parabens para escritora que sempre nos impressiona, parabens neusa pela dedicaçao na traduçao .
ivone

Olidelgi said...

Que capítulo, hein, Neusa e Emine???
Christian como sempre muito protetor e preocupado com a Ana, e ela como sempre muito teimosa e cabeça dura, nunca pensa no coitado do Christian.
Neusa, que bom que vc está alcançando a Emine, assim ficaremos atualizadas e teremos o capítulo em tempo quase igual ao que é postado por ela.
Parabéns e obrigada pelo excelente trabalho. Vc é 1.000.
Bjs
Olidelgi

Olidelgi said...

Que capítulo, hein, Neusa e Emine???
Christian como sempre muito protetor e preocupado com a Ana, e ela como sempre muito teimosa e cabeça dura, nunca pensa no coitado do Christian.
Neusa, que bom que vc está alcançando a Emine, assim ficaremos atualizadas e teremos o capítulo em tempo quase igual ao que é postado por ela.
Parabéns e obrigada pelo excelente trabalho. Vc é 1.000.
Bjs
Olidelgi

Vanessa said...

Toda semana é melhor, vcs fazem a nossa alegria! Obrigada

Vanessa said...

Toda semana é melhor, vcs fazem a nossa alegria! Obrigada

Naines said...

Olá Emine e Neuza, estou adorando a sensibilidade de vocês ao retratar Christian preocupado com a gravidez de Anastásia. Muitas mulheres quando grávidas acabam deixando de lado a parte sexual de seu relacionamento, para sorte de Christian, Anastásia entrou em fase totalmente sexual, esta é outra pecularidade de uma gravidez saudável. Anastásia é muito teimosa, mas sabe o que quer. Uma pergunta: Em qual site encontram fotos tão eróticas? Adoro o trabalho de vocês, espero que continuem nos dando tanto prazer.
Naines.

Alessandra Machado said...

Olá Neusa! Olá Emine!
Essa fic é sem sombra de dúvidas a mais bem escrita que eu já li. Parabéns para as duas pelo trabalho. Para Emine pela criação e para Neusa pela excelente tradução. Entro todos os dias ansiosa por capítulos novos e quando encontro meu dia fica mais feliz. Muito obrigada!

Poliany Krystene Oliveira said...

Hello Neuza, hello Emine; ,muito obrigdaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, adorei esse capítulo, já estou querendo o próximo!!! bjs

Kátia said...

Bom dia! Só agora vo o capítulo rsrs.... Está ótimo como sempre!!!! Beijos a todas!!! :)
PS: O pessoal anda meio sumido do blog....

Tati said...

AiAi!!!! Adorei que kit é esse meu deus!!!! kkkkkkkkk
Passando mal!!!!

Claudia Ferreira Peixoto said...

Que capitulo maravilhoso.Não vejo a hora de ler os proximos.....

Anonymous said...

capitulo mais que perfeito
anciosa pelo próximo
parabéns!!

Iracema said...

Finalmente consegui alcançar vcs.
Amando tudo.

Iracema. :)

Iracema said...

Finalmente alcancei vcs.
Amando tudo :)


Iracema

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Oi Eminé, olá Neusa!!

Que capítulo alucinante foi esse?
Imagino o sofrimento de Christian preocupado com o bem estar de sua amada Ana, a proteção dela e do filho contra seu inimigo, tudo perfeito como sempre.
Eu fui insaciável em minhas duas gravides...queria a toda hora e a todo instante...e como é bom poder satisfazer esses desejos!

Ele é incrível mesmo até um kit de emergência ele providenciou...arrasou!!

Tudo tudo perfeito Emine e sua tradução Neusa como sempre ímpar, não tem igual, perfeita!!

Estamos alcançando a Emine graças á seu esforço e dedicação, sabemos que você faz isso por amor essa é a grande diferença de sua tradução com as demais que vimos circulando por aí. Obrigada mais uma vez!

Minha sugestão para o cafezinho da tarde hoje é pão de queijo com chá!! Hum é bom demais da conta!!


Meninas e amigas do blog desejando à todas uma excelente semana..a gente se por aí.

Beijos Emine, beijos Neusa, beijos gurias..inté

Rosângela


Cristina Sales said...

Perfeito !! Fiquei mais apaixonada pelo Christian!!

Obrigada Neusa..

Audy Passos said...

GENTE POR FAVOR ME DIGAM QUE NÃO ACABA AKI O LIVRO 4?PRECISO DEMAIS SABER COMO ANA SE SAIU NO PARTO DO BABY TED E PQ ELA E CHRISTIAN RESO,VERAM TER OUTRO BEBE RESPONDA-ME SE PUDEREM E DESDE AGRADEÇO E ELOGIOS AOS MONTES VCS POR TRADUZIREM ESTA MARAVILHA!!!!

Audy Passos said...

genteeeeeee tem mais neh?por favor preciso saber do parto do baby ted e sobre a decisão deles sobre ter uma menina,agredeço a vcs pela tradução e parabenizo sobre o trabalho bjimmm

janalima said...


Pessoal tem mais... digam que sim... quero saber do nascimento do filho deles.....por favor!!! bjs e parabéns!!

janalima said...

por favor, quando estará disponível as outras partes? o nascimento do bebê a segunda gravidez..... bjs

janalima said...


pessoas quando sairá o próximo capítulo? quero mais!! bjs e parabéns a todos vocês

Neusa Reis said...

Oi pessoal para quem está perguntando a Emine respondeu o seguinte:

" Eu não estou lá ainda, ela está grávida de três meses. O que tenho em mente é Ação de Graças no próximo capítulo (depois de eu colocar a versão mais leve do 17, é claro - tem que fazer todo mundo feliz), passando depois para a casa nova, então o seu primeiro Natal, e que o bebê é esperado em 11 de maio ou 12, no livro. Mas eu tenho uma virada surpreendente que, por causa do casamento de Kate, será uma semana antes do bebê nascer, e é aí que vem a surpresa. Eu poderia escrever o nascimento do bebê, dentro de cerca de 6 ou 7 capítulos. Eu não sei exatamente ainda. Mas já que vão continuar por mais 15 meses pelo menos, haverá um livro 5, que vai levá-la a partir do pico da história, e vai seguir em frente. O 5 vai cobrir a paternidade e até o nascimento do bebê Phoebe."
Bem meninas, presente de Natal antecipado. Vai ter o livro V e muitos assuntos que não foram abordados.
Bjs

Neusa

Anonymous said...

Oi Emine, interessante as fotos,cada vez mais ousadas, mas, infelizmente, nos impede de ler em local público como uma sala de espera, por exemplo.
Bjs, Analu.

Neusa Reis said...

Analu, sempre dá para dar uma ajeitada. Eu traduzo em qualquer lugar. E estas fotos não têm preço. Rsrsrsrs

Andrea Leoncio said...

Presente de natal maravilhoso...obrigada Emine!

Me faltam palavras para expressar o quanto é bem vindo esse blog em minha vida...ou o quanto voce Emine e voce Neusa são queridas, e o pouco que aprendi sobre vcs é motivo de inspiração e admiração!

Parabéns pelo trabalho impecável!

com carinho desejo a vcs Sucesso em todas as suas realizações!!!

Daniela Martins said...

Good afternoon, Emine e Neusa!
I don´t have more words to say about your job! You´re always perfect!
Meninas do cafezinho, precisamos nos encontrar mais vezes por aqui! Estou meio atrasada nas postagens dos comentarios, mas é porque nao consigo postá-los atraves do celular! Quando estou com o tablet em maos eu posto, mas sempre leio assim que Emine libera!
Eminé, thank you!
kisse and hugs
Dani
:)

Daniela Martins said...

Good afternoon, Emine e Neusa!
I don´t have more words to say about your job! You´re always perfect!
Meninas do cafezinho, precisamos nos encontrar mais vezes por aqui! Estou meio atrasada nas postagens dos comentarios, mas é porque nao consigo postá-los atraves do celular! Quando estou com o tablet em maos eu posto, mas sempre leio assim que Emine libera!
Eminé, thank you!
kisse and hugs
Dani
:)

Daniela Martins said...

NossaM
Os hormonios da gravidez estao deixando a Anastasia mais maniaca sexual insaciavel do que nunca!
Adoro ver Christian satisfazendo todos os desejos da Ana!
Emine, por mim poderia ter ate o livro 50 do POV e ate o livro 50 da Serie Pella!
Quando Echoes in Eternity sera lançado aí?
Bjkas
Dani
;-)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry