StatCtr

Tuesday, October 31, 2017

Livro V - Capitulo XI -Christian e Anastasia

Quarta-Feira, 1 de novembro de 2017


CAPÍTULO XI

ANTIGOS PESADELOS


Tradução: Neusa Reis


"Você sabe o caminho para o hospital?"
"Sim, senhor. É Wayne County."
Eu disco o número de Ana novamente e depois de um toque, ele é enviado para a caixa postal. Uma mensagem de texto de resposta rápida entra na minha caixa de entrada.
* Eu ligo mais tarde. *
Eu envio um texto de resposta, totalmente furioso.
* Atenda o PORRA DO TELEFONE! *

Nouela - The Sound of Silence

"Onde está o SUV que Sawyer estava dirigindo?" Estou extremamente agitado enquanto eu disco o número de Sawyer.
Taylor toca o ponto azul piscando no nosso destino. Então, ele está no hospital com Ana. Isso é uma espécie de consolo, mas ele também não atende o telefone. Nem mesmo manda um texto rápido de volta!
"Quanto ainda?" Pergunto após quase vinte minutos de silêncio nervoso no carro.
"Mais doze minutos, senhor. Também estou rastreando o telefone da Sra. Grey no hospital. Deveremos estar com ela em cerca de dezesseis minutos, senhor.”
"Você sabia alguma coisa sobre o que quer que ela esteja fazendo agora?" Eu me viro e pergunto a Taylor.
"Nenhuma ideia, senhor,” ─  ele diz devagar e claramente. Bom, Taylor está bravo com Ana também! Suas mãos estão agarrando o volante um pouco apertado demais, os nódulos ficando brancos. Ana tem muito a explicar. Deus, se algo aconteceu com ela, não sei o que eu farei!
"Onde diabos está Sawyer? Tem certeza de que ele está com ela?"
"Estou rastreando o telefone dele. Tem estado se movendo apenas dentro de alguns metros de raio, o que é estranho,” diz ele.
"... e ele não está respondendo." Eu declaro o óbvio.
"Correto.” ─  A preocupação está impregnada nessa única palavra.
A viagem para o hospital é torturante. Minutos parecem uma eternidade. Quando isso terminará? Taylor sente minha ansiedade e atravessa vários sinais vermelhos sem receber nenhuma multa. Os pneus chiam enquanto Taylor mal reduz a velocidade para fazer um retorno no estacionamento do hospital. Assim que Taylor estaciona, eu salto fora do veículo. Posso ouvir a série de blasfêmias de Taylor enquanto ele dispara atrás de mim. Mesmo embora eu esteja no mesmo prédio que minha esposa, minha ansiedade não pára. Eu corro para o balcão de Admissões. A mandíbula da enfermeira cai aberta quando ela consegue olhar para mim.
"Oh ..." ela limpa a garganta, "posso ajudá-lo, senhor?"
"Estou procurando uma paciente aqui. Anastasia Grey." Quando ela consegue afastar seu olhar de mim, ela escreve em seu teclado. Ela balança a cabeça.
"Nós não temos uma paciente com esse nome, senhor. Tem certeza de que ela está neste hospital?"
"Ela está neste prédio. Você pode verificar Sawyer... " Taylor me interrompe.
"Qual é o sobrenome?" A enfermeira pergunta.
"Sawyer é o último nome,” eu digo virando para ela, completamente irritado por ter sido interrompido por Taylor.
"Sr. Grey!"
"O que?" Eu silvo.
"Eu sei o caminho,” ele murmura, indicando o caminho com a cabeça.
"Onde diabos eles estão?" Eu pergunto, as más lembranças da última estadia dela num hospital inundando minha mente.
"Não tenho certeza de qual departamento, senhor. Acabo de localizar o telefone da Sra. Grey. Estou seguindo-o.”
Cristo! Eu estive fora o dia todo. Todos os tipos de merda podiam ter acontecido! E merda aconteceu!
"Jesus! Ana!"
Taylor e eu fazemos um caminho rápido através dos corredores hospitalares lotados. Entre a multidão, vejo uma jovem mulher segurando uma criança pequena que não poderia ter mais de quatro anos de idade. Sou imediatamente esmagado por uma sensação de déjà vu. Eu me sinto em transe e paro de repente. Taylor percebe e se vira para mim.
"Senhor?" Ele me questiona. Não posso dar nem mais um passo à frente.
"Taylor, você acha que os hospitais, os lugares, têm memórias?" ─  Meus olhos absorvem a jovem mãe e seu filho vestindo roupas sujas. Nasci aqui? Trazido aqui por Ella como uma criança doente igual a esta mãe? Eu sinto como se essas antigas paredes me chamassem, ‘ei, carinha insignificante! Aí está você novamente!’  Isto me lembra algo? Acho que me lembro desse lugar. Este hospital em particular. Por que Ana está aqui? Devo fabricar outra lembrança para estas paredes, para guardar, apenas para reproduzir novamente para mim em uma data posterior? É como se as diferentes etapas da construção da minha vida continuassem se reproduzindo aqui, dentro dessas paredes. Eu já odeio isso. Sim, eu reconheço este hospital. Hospitais, dizem, são iguais. Mas eles não são. Este diz:  ‘Olá velho amigo’, para mim. No entanto, não o acho amigável. Isso me dá uma ansiedade inesperada.

Eminem - Mockingbird

"Sr. Grey? Sr. Grey, por aqui." ─  Eu viro para Taylor e reparo que esta não é a primeira vez que ele está chamando minha atenção. Não gosto de estar no escuro. Mesmo o porra do hospital só me fornece fragmentos de informações do meu passado. Não uma imagem completa. Acho que este conhecimento é meu aliado contra a ansiedade causada pelo desconhecido. É por isso que eu gosto de ter controle. E é minha esposa que com frequência me faz perder o controle. Taylor olha para mim com expectativa. Eu concordo com a cabeça e o sigo. O corredor nos leva mais à frente no hospital. Atravessamos as portas operacionais duplas da sala; elas se abrem para outro corredor. Os cômodos ecoam o som constante dos beep dos monitores, alguns têm enfermeiras agitadas. A ansiedade cresce. Eu posso sentir meu coração explodindo no meu peito. Taylor e eu paramos no final do corredor, bem em frente a uma sala obscura. Está ocupada por alguém que não reconheço. Taylor para diante dele.
"Posso ajudá-lo?" O tom do estranho é de mau agouro.
"Não, você não pode. Precisamos entrar aqui.” Taylor dá um passo à frente, encarando o homem. Para seu crédito, ele não recua. Ele está vestindo uma capa longa. Seu rosto tinha visto muitos anos difíceis. Militar? Polícia? Ele não se parece com um policial, mas ele definitivamente dançou na linha entre o legal e o ilegal.
"Me desculpe, mas estou mantendo essa porta fechada até que eu receba instruções.” Ele abre as pernas na largura dos ombros e assume uma posição defensiva.
"Se minha esposa, uma Anastasia Grey está naquela sala, nem você, nem todo o hospital poderão me impedir!" Eu sibilo, invadindo seu espaço pessoal o suficiente para ver as raízes de seus cabelos. Ele verifica seu relógio sem se encolher. Ele me olha com um minucioso escrutínio, com as sobrancelhas se juntando.
"Shhh! Não diga o nome dela em voz alta!" Ele olha em volta, a alguns passos de mim e olha para ambas as direções. Então ele verifica seu relógio novamente.
"Você precisa esperar mais três minutos,” ele diz sem se encolher.
"Sr. Grey, eu ficaria feliz em removê-lo," Taylor avança.
"Você precisa se afastar e aguardar até que seu tempo acabe. Taylor!" Ele ordena.
"Como você sabe meu nome?"
"A senhora chefe,” ele indica com sua cabeça. Senhora Chefe? Minha esposa?
"Nós precisamos entrar!"
"Como eu disse, está trancado por dentro. Além disso, o cara está morrendo. Lady Boss precisa falar com ele antes que ele expire.”
"Oh Deus! Sawyer!" Taylor e eu gritamos ambos, nossos rostos refletindo a mesma expressão horrorizada.
"Abra a porra da porta!" Eu ordeno. "Eu tenho que ver minha esposa!"
"Trancado por dentro, senhor,” ele diz exasperado, mas ainda impassível. Eu me viro para olhar para Taylor; uma conversa silenciosa se passa entre nós. Eu giro o guarda nomeado por minha esposa. Coloco minha mão em seu ombro e digo: "Não encare isso de uma maneira errada,” e eu o deixo desacordado, enquanto Taylor chuta a porta do hospital.
***** ❦      ❧ *****

Levei pelo menos vinte segundos para ajustar meus olhos para a luz fraca do cômodo, depois do corredor brilhante. Ana estava sentada junto à cama do hospital e inclinada para um paciente que estava deitado. Ela ainda estava com suas roupas de exercícios; calças de ioga pretas e uma regata da mesma cor. Ela nem sequer virou a cabeça para o barulho como se tivesse uma missão importante a cumprir e estivesse correndo contra o relógio, sem tempo para completá-la. A cena na sala parece completamente errada.
Sawyer olha, mas não se move de seu posto, nem fala uma palavra; ele parece exausto, um pouco maltratado, desgrenhado, com o braço de sua jaqueta rasgado. Pelo inchaço que ele está exibindo, seu rosto logo mostraria algumas contusões. Ele está de pé atrás de um homem habilmente amarrado com dispositivos improvisados ​​em uma cadeira. Normalmente, eu ficaria muito impressionado com habilidades de manipulação tão requintadas, mas agora não é o momento. A boca do homem estava coberta com fita cirúrgica, enquanto exibia dois roxos. Seu cabelo escuro estava parcialmente emaranhado com sangue e suor. Seu tamanho de fisiculturista aparenta ser muito maior que o de Sawyer, com seus ombros largos, bíceps abaulados cobertos com tatuagens estranhas e músculos das pernas que haviam visto muitas horas na academia. O homem parece ter desmaiado, mas involuntariamente se move um pouco e um gemido abafado é ouvido. Estou farto!


"O que diabos está acontecendo aqui?" Eu rosno, enquanto dou um passo em direção ao meio da sala. Taylor alcança o interruptor da luz que ilumina a sala, mas Sawyer sussurra em voz firme: "Não!"
Ana continua a sussurrar ao homem deitado na cama, o homem fala de volta para ela em tons sussurrados. Mas eu percebo que não é porque ele está respondendo da mesma forma porém que isso é o mais alto que ele pode falar. Ele tem tubos presos em seus braços e uma série de outros tubos que saem por baixo de suas cobertas. Quem diabos é esse homem?
"Ana?" ─  Eu chamo por ela.
Sem se virar para me olhar, ela sussurra, "Shhh!"

             Frank Sinatra - Killing me Softly

Eu lentamente caminho para a cama para olhar melhor o homem. Ele parece ter cinquenta e tantos ou sessenta e poucos anos. Embora seja difícil dizer, este é um homem que parece ter vivido a vida no limite e ter vivido duro. Ele não tem cabelo nem sobrancelhas; sua pele é ictérica. Seu rosto está inchado com os efeitos típicos da quimio, mas seu corpo debaixo das cobertas assim como seus braços sobre elas parecem ser magros. Há um odor estranho, difícil de esquecer, doce e doentio, que permeia através dele. É um odor que senti uma vez antes e eu imediatamente sei o que é: a morte se aproximando. Este homem está morrendo. Este é um odor que não se esquece. Olfato, dizem, tem o gatilho de memória mais poderoso. Sinto meu peito apertar e uma enorme tristeza desce, cobrindo-me. Memórias vívidas chegam inundando-me, desencadeadas por esse cheiro putrefato da morte. Lembro-me desse cheiro porque ele envolvia minha mãe!
Estou congelado no meu lugar. Memórias perversas não apenas retornam à minha mente; elas quebram os diques que as seguram e inundam cada fibra do meu ser.
"Você, fodida puta! Cadela! Oh, Jesus Cristo! Você fez isso a você mesma! Que merda! Como você pode fazer isso? Eu poderia vender essa boceta por pelo menos mais quinze anos! Onde está o porra do seu pestinha? Essa cadela louca o matou também? Oh, porra! O que os policiais vão dizer? Eles não se importariam com uma prostituta, mas eles se importarão com seu bastardo!" Ele grita. O rosto que eu mergulhei profundamente na minha mente, um que eu nunca quis ver novamente, agora está sentado naquela cadeira e gemendo.
Mas como pode ser isso? Ele está aproximadamente com a mesma idade que ele tinha então; se mais velho, dez anos ou menos. Mais corpulento. Dou um passo em direção a ele. Pego o queixo e forço seu rosto a olhar para mim. Estão faltando algumas cicatrizes. Seu cabelo é mais grosso. Ele também é mais corpulento.
Um nome que eu tinha esquecido, enterrado no canto mais escuro da minha mente aparece na minha cabeça. "Detroit Willie,” eu silvo. O homem gemendo abre um pouco seus olhos agora muito inchados e eles se afastam de mim. A reação que eu espero não vem do homem amarrado na cadeira. Vem do homem doente e moribundo na cama, sob a forma de palavras ofegantes. Elas são staccato, abafadas e forçadas.
"Quem... quem..." ─  grande inspiração de ar, "... quer..." outro suspiro e pausa, "saber?" Finalmente ele exala.
"O pestinha!" Eu respondo amargamente. Eu ando até sua cama e olho cuidadosamente para este homem lamentável. Nenhum sinal do que ele tinha sido foi deixado além de uma concha quebrada e esmagada. Na verdade, não reconheço nada de sua juventude, exceto as cicatrizes profundas na bochecha esquerda, possivelmente conseguidas durante uma briga com um cafetão ou um rival. Não há mais nada que me faça lembrar o cafetão de Ella. Ele faz um esforço hercúleo para abrir seus olhos nublados. Fixando seu olhar no meu rosto, ele tenta me colocar em sua memória, encontrar um nome para identificar quem eu sou ou como eu posso saber seu nome.
"Minha memória... é fraca. Receio não..." ─  respiração profunda, "...conhecer você, cara.”
Ana faz uma pausa na gravação do telefone. "Christian!" Ela me repreende como se eu estivesse interrompendo sua missão.
"Você é... ele!" Ele redireciona seu olhar para Ana, e imediatamente eu fico puto.
"Ana! Saia do quarto!"
"Ainda não terminei,” ela retruca.
"Sim, você terminou!"
"Não, eu não terminei!"
"Taylor! Leve a Sra. Grey para fora do quarto!" Eu ordeno. Taylor anda em direção a Ana.
"Sra. Grey, por favor,” ele suplica.
"Taylor, estou cansada de ser manipulada. Não vou embora, não se atreva a tentar me forçar! Que tal vocês dois me aguardarem fora..."
"Ana!" Eu sou inflexível sobre isso.
"Tudo bem, garoto." - Desta vez a voz vem da cama. "Eu lhe disse... o que... eu sei.”
Então ele se vira para mim ligeiramente e acrescenta: "Desculpe, garoto,” ele pausa por muito tempo, lutando por respirar, seus olhos fechando, o rosto ficando mais pálido. "Você parece... com... el...,” mas ele não termina sua frase. Ele desliza para a inconsciência. O homem na cadeira recobra sua consciência e começa a lutar contra suas amarras. Sawyer tenta mantê-lo em seu assento e tão silencioso quanto possível.
Ana coloca o telefone na bolsa e levanta do seu lugar.
"Sawyer, leve-me de volta ao hotel." Ela ordena em um tom firme, deixando-me em pé.
"E sobre ele?" Ele pergunta olhando para Ana, depois para mim.
"O PI vai lidar com ele,” Ana responde, me dando um olhar exasperado.
"Ana! Quem é esse homem?" Eu aponto para o homem que se debate.
"O meio-irmão dele." Ana tem muito a responder. Por que ele está amarrado? Ele atacou Ana? Ele parece ter atacado Sawyer.
"Ele tocou em você?" Sibilo através dos meus dentes.
"Não,” ela diz gentilmente desta vez. "Sawyer teve uma briga com ele quando ele tentou me impedir de questionar o Sr. Willie.”
"Então, ele tocou você!" Eu imediatamente me aproximo dela, verificando seu rosto, braços e verifico seu corpo para detectar qualquer sinal visível de danos ou machucados.
"Não. Sawyer. Ele cuidou disso. Ele não deveria estar aqui quando eu vim conversar com ele,” ela aponta a cama com a cabeça. Eu ando de volta para a cadeira e arranco a fita cirúrgica da boca do homem.
"Porra!" Ele grita seu insulto. Desamarre-me, cara! Este filho da mãe me amarrou! "
"Por que ele te amarrou?" Pergunto com o último fragmento de paciência.
"Para chegar ao meu irmão! Eu me opus. Ela discordou”ele diz balançando a cabeça na direção de Ana. Por um minuto meu coração se enche de orgulho porque Ana se levantou contra este imenso homem. No segundo seguinte, eu me preocupo e fico com raiva de sua imprudência. Eu estou em uma encruzilhada de confusão, raiva, falta de controle dos eventos que cercam minha vida e isso me enraivece. Neste momento, não sei como vou lidar com a Ana. Eu mentalmente faço contagem regressiva na minha cabeça para esfriar.
"Sawyer, eu preciso que você leve a Sra. Grey para o hotel." Minha voz é fria e desprovida de qualquer emoção. Ele olha para o homem na cadeira.
"Foda-se você e a cadela que vieram aqui para assediar um moribundo!" Ele despeja para Sawyer. Rápido como uma serpente, Sawyer o apanha pela garganta com apenas dois dedos, efetivamente desacordando-o e caminha sem palavras pela sala.
"Sra. Grey?" Ele pergunta a ela com reverência. Ana olha para mim vibrando com pura raiva. Ela não diz adeus nem suaviza seu olhar e depois os dois saem da sala do hospital. Vejo o vislumbre de um PI rabugento enquanto fecham a porta.
"Gostaria que ele não tivesse feito isso,” vem uma voz fraca. "Pensa que ele é Jesus para... salvar minha alma,” ele tenta rir, o que se transforma em tosse.
"Você não tem alma redimível!" Eu rosno, incapaz, mas não disposto a deixar o atormentador dos meus sonhos ter poder sobre mim mesmo em seu leito de morte.
"Não importa. Eu vivi minha vida." Uma ira assassina nasce em mim. De repente, estou furioso por ele ter sobrevivido a Ella! Taylor observando cada movimento e contração do meu corpo imediatamente bloqueia meu caminho para sua cama. Suas mãos apertando meus braços. Estou pronto para lutar contra Taylor para tirá-lo do meu caminho.
"Ele merece um longo sofrimento, não uma morte rápida. Você não concorda, senhor?" Taylor sussurra em voz baixa.
"Qual é o problema, garoto? Fraco como a prostituta?" Não tenho certeza se ele disse essas palavras ou eu as imaginei. Mesmo com um pé no túmulo, ele está me provocando. Eu olho para Taylor de tal forma que ele libera meus braços e levanta as mãos em uma forma de rendição.
Ocupo a cadeira que Ana desocupara anteriormente, inclino-me na cama e sussurro com malícia. "Eu tenho toooodo o tempo do mundo para vê-lo morrer sofrendo, enquanto estou sabendo que ninguém nunca amou você, tudo o que acumulou na vida foi ódio e sua existência foi lamentável. Você não tem nada. Você é nada."
Eu sabia que o que eu disse o atingiu por seu crescente pulso na máquina sonora atrás dele.
"Não!" Uma voz sufocada veio do seu agora acordado irmão. "Deixe-o morrer em paz.”
"Ella morreu em paz? Por que ele deveria merecer esse luxo? "
"Dois erros não fazem um acerto! Isso não vai trazer de volta qualquer vadia que  exagerou na dose por conta própria!" O irmão tenta gritar com uma voz bruta.
"Eu não a matei, garoto!" Willie diz soando mais forte. "Estava bravo com ela por ter feito isso a ela mesma, mas teria morrido mais cedo ou mais tarde. Ela não era forte. Não igual à sua mulher... "ele diz e minha reação é exatamente a que ele espera.
"Eu vou te matar se você der uma olhada na minha mulher!"
"Não temos intenções,” diz o irmão. "Isso não com a pequena senhora! Ela é a bruxa branca! Essa mulher é mais assustadora do que você!" Esta declaração bastante sincera me surpreende. O que minha esposa fez para aterrorizar dois bandidos adultos?
Estou surpreso com a forma como eu posso controlar minha raiva. Antes que eu possa fazer outra pergunta, há uma batida na porta.
"O que!” Eu me vejo gritando.
"Com licença,” uma enfermeira de uniforme coloca a cabeça e olha apenas a direção da cama. "O médico vai fazer suas rondas nos próximos vinte minutos. Posso atrasar outros dez, mas este é todo o tempo que lhe resta,” diz ela deixando-me confuso. Como Ana arranjou tudo isso? Ela tem muitas explicações para dar. Eu levanto e ando pelo quarto. O olhar do irmão segue meus movimentos cuidadosamente.
"Você vai me desatar ou o quê?" Ele pergunta cautelosamente.
"Cale-se!" ─  Eu estou bem na frente dele. Invadindo todo o seu espaço pessoal, inclino-me e olho nos seus olhos. Eles são a cópia exata dos olhos do meu antigo torturador. Exceto que em vez de ódio e fúria, esses olhos têm medo neles. Medo! De mim!
"Você está tomando o lugar do seu irmão machucando jovens mulheres agora que ele está morrendo?" Ele empalidece.
"Eu sou um artista tatuador. Se eu machucar alguém é consensual e para a arte corporal. Olhe, homem! Ele terminou com essa parte de sua vida há muito tempo.”
"Talvez, eu ainda tenho isso em mim,” murmura a voz fraca de Willie. "Se..." ele respira profundamente, o oxigênio constantemente bombeando nas narinas.    "... se eu estivesse saudável, eu atrairia sua pequena senhora... como uma acompanhante de classe.”
De repente, eu desço sobre ele para desferir um golpe mortal, fúria que nunca experimentei antes escorrendo por meus poros. Através da névoa de ódio que nubla meus olhos, vejo um pedido de morte desta criatura lamentável. Ele quer se suicidar pelas minhas mãos! Não vou lhe dar essa satisfação. Estou tão singularmente focado nele que finalmente ouço a voz de Taylor atrás de mim, tentando me trazer de volta, enquanto o irmão de Willie grita "não!"
Eu deixo cair minhas mãos. Minha respiração é rápida, e meu coração está correndo como um cavalo ao ataque. "Sua morte,” eu sussurro me inclinando, "não será por minhas mãos. Espero que você não morra imediatamente! Que você sofra muito e quando você morrer," eu enuncio, enquanto cheiro sua morte no ar, "espero que você pague o que fez com todas as mulheres que você vendeu.”
Ele apenas sorri meio torto, com força insuficiente até mesmo para um sorriso completo. A única reação que recebo vem das máquinas que mostram o pulso e a pressão arterial aumentados. Eu me viro para sair de seu quarto; Willie fala novamente.
"Eu estava errado sobre você, peste. Você é tão perigoso quanto sua mulher! Bem como selvagem." Mais uma vez eu me pergunto o que Ana fez com esse homem que me atormentou nos meus sonhos nos últimos vinte e dois anos.
"Ei, e quanto a mim? Desamarre-me!" Grita seu irmão. Eu olho para Taylor.
"Vou deixar o PI fazê-lo,” ele diz e segura a porta aberta para mim.

*****        *****

A viagem de volta para o hotel não é apressada. Eu ainda não quero ir. Eu não quero machucar acidentalmente a Ana, ou dizer algo de que vou me arrepender.
"Conduza-me por aí por um tempo, Taylor." Eu respiro fundo, pego meu telefone e ligo. A voz que eu não ouvia há muito tempo responde.
"Eu pensei que você tinha me deixado,” responde a voz. Respiro fundo.
"Eu preciso de sua ajuda,” eu digo finalmente, totalmente exasperado.
"Eu reconheço esse tom. Deve ser sobre Ana, então."
"Você acha?" Minha voz é zombeteira, mas é ignorada.
"Diga-me o que aconteceu. Melhor ainda, venha.”
"Não posso, estou em Detroit,” digo desapontado.
"Que tal Ana e Teddy?"
"Eles também estão em Detroit. Ela..." Eu respiro fundo sem saber por onde começar. "Ela fez algo gentil. A princípio...Você sabe sobre meus malditos pesadelos." Apenas três pessoas estão bem cientes deles: Elena, Flynn e Ana. Mas apenas Elena e Ana os viram em ação e ambas tiveram abordagens drasticamente diferentes para me ajudar, salvar-me deles. Bem, Elena me ajudou a controlá-los, Ana, eu suponho que esteja tentando eliminá-los.
"Vou vê-lo quando você voltar para Seattle?"
"Sim, é claro, assim que eu voltar amanhã,” digo com ansiedade. "Mas eu preciso da sua ajuda agora. Estou completamente ambivalente sobre como eu deveria me sentir agora. Por um lado, sinto completa e total traição e por isso quero realmente punir a Ana. Por outro lado, ela fez alguns atos incríveis de bondade, e o que ela fez hoje pode ser apenas a continuação disso e, se for esse o caso, quero adorá-la prostrado aos seus pés. Mas então ela colocou-se em perigo e estou perto de despedir Sawyer, então eu me inclino mais para puni-la. Ela me fez perder o controle e quase o matei!" Os olhos de Taylor encontram-se brevemente com os meus no espelho retrovisor, preocupação estampada neles.
            "Christian, eu preciso que você desacelere porque parece que estávamos tendo uma conversa, mas eu só me juntei a você na parte final. Então, comece desde o início." Eu expiro minha exasperação.
Eu conto a história desde o início. Além de uh, huh, hmmm, ok, não recebo nenhuma reação que me diga que ela ou eu fizemos algo certo ou errado nesse assunto.
"O que você acha que deveria fazer?" Essa pergunta irritante novamente.
"Mesmo? Esta é uma pergunta de psiquiatra para evitar qualquer forma de processo de pensamento? Por que estou lhe pagando um caminhão de dinheiro se você não está me dando sua opinião especializada, Flynn?" Eu vomito.
"Você conhece o motivo. Se eu lhe disser o que fazer, então você não está treinando sua mente para pensar de forma construtiva para melhorar seu relacionamento,” ele explica pacientemente. "Então, me diga o que você deveria fazer.”
Eu inalo profundamente. "Estou muito confuso para formar uma opinião ou decidir sobre um curso de ação. Tal como está, se eu permitir que meus instintos possam entrar, você sabe de que jeito isso irá e será ruim para Ana, e eu liberarei a raiva reprimida, mas então eu me sentirei terrível no final, porque ela primeiro aproveitará e depois odiará! Então me odiará por isso!"
"Bem, então, é um enigma e você já conhece a resposta." Ele diz.
"Eu não conheço nenhuma das respostas!" Minha frustração está no ponto crítico, enquanto Flynn fala comigo da maneira que eu faria com Teddy.
"As escolhas da sua mãe biológica e esse homem a quem você testemunhou abusar dela, consequentemente, abusar de você, foram a maior contribuição negativa para sua psique. Posso dar-lhe algumas respostas de livros didáticos, mas você já conhece todas elas. Ana está profundamente apaixonada por você e você por ela. Existe algo que você não faria por ela? Por que é um grande exercício de imaginação achar que ela não iria tão longe para libertá-lo de seus pesadelos? Não significaria que ela faria qualquer coisa por você? Ela não provou isso para você com Jack Hyde?" Ele pergunta com uma pitada de punição.
"Esse é o meu ponto! Ele quase a matou e ela quase perdeu o bebê! Como pôde colocar-se em perigo com esse cafetão?"
Estou muito irritado e muito concentrado no que Taylor está tentando fazer para chamar minha atenção. Finalmente, ele limpa a garganta e levanta a voz para chamar minha atenção, "Sr. Grey?"
"O que?!!” Eu contesto.
"Sawyer chamou. A Sra. Grey levou Teddy e vai pegar um vôo comercial de volta para Seattle.”
"Que diabos!!" Grito no telefone.
"Eu não disse nada,” Flynn assume erroneamente que eu gritei com ele.
"Eu falo com você mais tarde! Emergência!" Eu desligo antes que ele possa dizer uma palavra.
"Dirija para o maldito aeroporto!"
Enquanto tento no meu telefone marcar o número de discagem rápida da Ana, eu vejo um texto dela.

* Teddy e eu estamos voltando para casa. Comercial. Você está com raiva. Como eu. Há coisas sobre o que eu queria falar com você, mas, adivinhe, veremos sobre isso. Nós, ou melhor, eu preciso acalmar-me. *
               
O que diabos isso significa? Ela está fugindo de mim? Minha esposa está me deixando com o nosso filho? O cafetão disse alguma coisa que a deixou aborrecida? Meus olhos estão nublados de névoa, enquanto a enorme rocha que acabou de se formar na minha garganta bloqueia minhas vias aéreas. Com dedos entorpecidos, eu disco o número dela imediatamente.
Ela responde após o quarto toque.
"Eu não posso falar agora, Christian,” sua voz soa chorosa.
"Onde você está indo?" Sibilo minha raiva, dor e desapontamento em uma única respiração.
"Para casa. Os seus capangas não disseram isso já?"Acho que ela quer dizer Sawyer. Posso imaginar seu rosto avermelhado.
"Anastasia Rose Grey! Você vai me dar, e a todos da nossa equipe, um ataque cardíaco coletivo! Você sabe que isso não é justo para qualquer um de nós!" Eu ouvi ela tomar uma respiração arrependida.
"Desculpe,” ela finalmente murmura. "Eu ainda preciso me acalmar sozinha.”
"Você realmente quer me deixar sozinho neste estado? Deixar-me uma confusão?" Eu me vejo implorando.

 The Pretty Reckless - Make me Wanna Die

"Você me dispensou!" Ela sussurra. "Você não me deixa protegê-lo. Você me afasta!" Isso é um disparate.
Meu olhar se encontra com o de Taylor no espelho.
"Sawyer está parando,” ele fala sem som, enquanto ele acelera pela via expressa.
"Eu sou seu marido! É meu trabalho protegê-la e a nosso filho! Você tem alguma ideia do estado em que você me colocou quando ouvi dizer que você estava no hospital? Pior ainda do que encontrá-la com aquele maldito cafetão que personificou tudo de mal durante toda a minha existência! E agora que você descobriu que menino terrível eu era, você está fugindo para longe! Era pior do que o Christian adulto?" Eu sussurro. Estou enlouquecendo. Minha vida está desmoronando ao meu redor e não posso fazer nada sobre isso.
"Nãooo! Não, Christian, não! Não havia nada de errado com você naquela época, e nada de errado com você agora! Não posso ficar com raiva do meu marido superprotetor, ciumento e arrogante sem achá-lo terrível?” Eu ouço Teddy chorar ao fundo. Imediatamente quero pegá-lo nos meus braços e acalmá-lo, mas ela o está levando para casa.
"Apenas volte,” eu imploro.
"Eu só vou para a nossa casa,” ela responde gentilmente. O olhar de Taylor encontra o meu novamente, e ele acena com a cabeça enquanto ele sai da via expressa. Eu desligo o telefone sem responder enquanto Taylor alcança e para junto a outro SUV. Eu saio do SUV onde estou viajando e corro para a porta do passageiro do outro veículo, abrindo-a.
"Onde quer que você vá, eu vou. Nós não fazemos isso sozinhos,” eu digo ao rosto perplexo de minha esposa. Ela perfura buracos acusatórios nas costas de Sawyer e Melissa. Seus lábios são uma linha apertada.
"Eu desci ao meu inferno pessoal para você esta semana. O mínimo que você pode fazer é me ajudar a superar isso. Não fugir quando vai ficar difícil,” eu murmuro. "Eu pensei que você se lembrava de todos os seus votos de casamento." Teddy chora mais forte, com o rosto contorcido, quando ele ouve minha voz e suas pequenas mãos me alcançam para confortá-lo. Ana derrete e ela também começa a chorar enquanto ela me deixa tirá-lo de seu assento do carro. As lágrimas forçam seu caminho silenciosamente por minhas bochechas, enquanto eu aninho meu filho para fazê-lo sentir-se seguro. Neste momento nós três estamos chorando, todos por razões muito diferentes.
"Leve-nos para casa, Christian,” sussurra Ana vindo para o meu lado e abraçando nós dois.
"Sim, vamos para casa.”      

Angelina Jordan - Fly Me to the Moon










41 comments:

Andréia dos Santos said...

Mais um capitulo, já estava fincando ansiosa, obrigada amei.

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Simplesmente perfeito!
Eu não poderia imaginar tal situação.
Imagino como Sr. Grey sentiu quando reconheceu seu torturador e pior, viu sua esposa ao lado dele.

Obrigada, Emine, por mais um lindo e maravilhoso capítulo.
Obrigada, Neusa, por seu talento, por doar seu tempo, por nos fazer entender essa linda historia
Amo vocês!

Beijos

Wava Silva said...

Parabéns pela tradução, essa história tá linda. Estou cada vez mais apaixonada!

gustavo dalcomuni said...

Amei, é impossível não se apaixonar mais e mais a cada capitulo. Espero que o próximo não demore, o meu coração não vai aguentar.

sheila ribeiro said...

jesus, lindoooooooo.por favor nao nos deixe esperando muto para os proximos.
muito obrigada por alegrar minha manhã

Wava Silva said...

Parabéns pela tradução perfeita. Que historia linda e apaixonante. Estou ansiosa com próximos capítulos. Desejo a obra completa para ler e reler repetidamente.

Wava Silva said...

Parabéns pela obra, estou cada vez mais apaixonada. Você esta arrasando!

Cláudia Regina Neves said...

Que maravilha,super gostei,Parabéns Neusa e Emine!

Priscila Pessotto said...

Que maravilha de capítulo!!!
Ana sempre surpreendendo e deixando Christian de cabelos em pé.
E, como foi doloroso ver ele reconhecer o cafetão.
Ansiosa por mais.

Obriga Emine e Neusinha!

Beijos.

Simone said...

A história continua interessante,mas a linguagem mudou ou foi a tradução que mudou? Não sei. Sei que da metade do 4 livro em diante alguma coisa mudou. Mas vamos que vamos. Parabéns

Thais Figueiredo said...

Quero mais

Adelma Alves said...

Parabéns Emine. Você se superou incrivelmente! A historia ficou muito emocionante, fiquei com o coração na boca qdo descobri q era o cafetão. Terá a continuação? Espero que sim. E parabéns a Neusa por traduzir tão perfeitamente. Aguardo o próximo. Bjs.

Josiany Cristina said...

Maravilhoso anciosa pelo novo capítulo. Amei😍

Cacau Monteiro said...

Primeiro obrigado Emine por não desistir de nós e destes personagens que na sua mão fica maravilhosos, eu amo sua escrita. O capítulo ficou fabuloso, emoção a flor da pele, tem horas que tenho pena do Gray, ataque cardíaco coletivo.
Neusa o meu muito obrigado por você traduzir para nós.

Neusa Reis said...

Oi Simone, vc me deixou curiosa. O que vc achou que mudou da metade do 4o. livro em diante? Ficou bom, ruim ou mais ou menos? Melhorou ou piorou? Como a Emine é a mãe e eu sou a babá dessa criança, em português, gostaria muito de ouvir seus comentários. Bjs.

Helenice Pinto Naves said...

Amei o capitulo!! Os fatos complicados vao se resolvendo! Cristian e Ana sempre fofos!!!Neuza, e o proximo livro de Pella?? Tem previsão de quando será lançado? Nos dê um retorno. Grande abraço para voces!!!

Di Vidmontas said...

Que delícia de capitulo, não vejo a hora de ler o próximo. Parabéns!!!!!!!!!!!!!!!

Anonymous said...

Como sempre, muito bem escrito e traduzido.

Como todas fãs, aguardamos o próximo capitulo anciosas.

Grata

Marcela said...

Gentemmmm.....não aguento mais esperar por Pella...tem previsão do proximo livroo?

Erenir Sant' Anna said...

Emine, não tenho mais palavras para enaltecer sua escrita. Cada capítulo surpreende e faz-nos pensar. Tantos sentimentos e situações conflitantes que abastecem o dia a dia das pessoas, e assim também é mostrado em seu discurso realista de modo convincente e bem explicado. E então vemos como as pessoas são únicas e reagem das mais diversas formas. Mas o maior presente de sua escrita é o amor sustentando todas as frustrações e descuidados. Um brinde à sua volta, querida, não demore para postar e leve bem longe sua pena para demonstrar o quanto sua mente brilha com a história do século vinte e um. A sua história é muito consistente e pormenorizada, agrada-nos atribuir a você a verdadeira história de amor incondicional e nas palavras do seu Christian, "irrevogável"que pode retirar a tristeza e colocar a esperança em um amor assim na realidade. beijo querida, nos nos deixe órfãs por muito tempo. E o espetacular Pella, estamos esperando muito a continuação e a sua articulação com o Christian. Obrigada por postar tanta maravilha.

Thais Meire Pires Rocha said...

Emine fougner eu fico literalmente sem palavras para elogiar cada capítulo da versão escrita por você,já perdi as contas de quantas vezes li sua versão,nesse momento estou aqui por que mais uma vez voltei a ler e acabei de finalizar até o último capitulo publicado por você, sempre me emociono,ele sempre me toca como se fosse a primeira vez que estivesse lendo,e como não poderia deixar de agradecer a você por ser tão maravilhosa a cada capítulo também não posso deixar de agradecer a Neuza que faz a tradução de cada capítulo, enfim obrigada por tudo. Espero anciosa novos capítulos.

Anonymous said...

Oi Emine
Eu fiquei muito feliz quando vi que você tinha atualizado a página, sua fanfic é a minha favorita você é uma escritora maravilhosa. Eu sei que sua vida pessoal é corrida,você tem uma vida ocupada, então ter esse tempo para escrever pra nós é muito bom e obrigada por isso. Por favor não deixe de nos presentear com mais um capítulo, entro todo dia na sua página para ver se tem novidades.
Emine a estória está incrível, eu gostaria de ver muito mais do teddy com o Grey, momentos de crescimento pessoal,o Christian passando tempo com seu filho e crescendo junto com ele, mais dessa família que a gente tanto ama. Queria muito ler sobre os primeiros passinhos do teddy e suas primeiras palavras. Muito ansiosa pelo próximo capítulo, bjus de sua fan brasileira Letícia.

Anonymous said...

Eu tbm adorei todos os capítulos aguardo ansiosa por mais o tedy com dois anos e Ana grávida da poebe como termina o livro original da Érica

Catarina Silva said...

Como posso ler todos os capitulos, desde do inicio

Catarina Silva said...

Como posso ler todos os capitulos

Thais Figueiredo said...

Meu Deus quando vai acabar esse livro?
Esperamos com tanta ansiedade ,por favor Emine queremos ver o final , não é justo Abracos

Thais Figueiredo said...

Meu Deus quando vai acabar esse livro?
Esperamos com tanta ansiedade ,por favor Emine queremos ver o final , não é justo Abracos

Bruna silva tomaz said...

Boa noite todos os dias eu verifico o blog para saber de novidades e nada ,meu deus o q ouve o livro masque quero mais muito mais capitulos dele e do grey nem se fala por favor adoro ler tudo q vc escreve então não pare eu lhe suplico.

Neusa Reis said...

Catarina, para ler todos os capítulos até o livro 4, você entra lá em cima, no Blog e abre a janela 50 download. Estão os 4 primeiros livros em português lá. Para ler o Livro 5, é lá em cima também, mas aí vai ler os capítulos um por um. Livro 5, Português e vai clicando nos capítulos. Espero ter ajudado. Bjs

Sheila Martins said...

Ansiosa pelo próximo capítulo. To amando muito <3

N&na Silva said...

Anciosa pelo próxima capítulo! Vcs são mulheres maravilhosas! Escrita mais que incrível e tradução impecável!vou continuar acompanhando vcs .. afinal são uns três anos já é nunca me decepcionei.. bjins 😘

ANJA said...

Maravilhosa historia
Gostaria de saber sobre a continuação... Ansiosa
Terá continuação ou não

Kellynha Christine said...

Que baque, hein.
Esperando pelo próximo.

Bruna silva tomaz said...

Por favor coloque mais capitulos,não so do gray,mas do masquer que tbm esta parado no cap 4 a seculos estava adorando a estória.por favor escreva mais e mais.

Thais Figueiredo said...

Já saiu o 12 capítulo
Neusa esperamos a traduçao com ansiedade

Thais Figueiredo said...

Já saiu o 12 capítulo
Neusa esperamos a traduçao com ansiedade

Thais Figueiredo said...

Já saiu o 12 capítulo
Neusa esperamos a traduçao com ansiedade

Jessica Pedroso said...

Neusa traduz logo o 12 por favor.

Thais Figueiredo said...

Neusa você vai fazer a tradução do 12 capítulo ?

karina vieira said...
This comment has been removed by the author.
karina vieira said...
This comment has been removed by the author.