StatCtr

Friday, March 8, 2013

Livro 1 - Capítulo XV - Christian Grey e Anastasia Steele


CAPÍTULO QUINZE
CINQUENTA TONS DE FODIDO

Tradução: Neusa Reis                                                                
Edição/Revisão:  Beatriz Reis


Enquanto nós ambos descemos de nosso êxtase e voltamos aos nossos sentidos, eu estou completamente maravilhado e cativado por esta mulher linda que eu reivindiquei em todos os sentidos da palavra. E ela só foi minha! Que sensação isto é para um megalomaníaco como eu! Eu estou acabando de perceber o valor disto apenas agora. Na verdade eu nem sequer tinha compreendido totalmente o quanto era importante para mim, até que ela subiu em cima de mim se atrapalhando com o preservativo, tentando encaixá-lo no meu comprimento. Eu percebi que ela nunca tinha feito isso com nenhum outro homem. Nunca se sentou em cima de outro homem. Nunca deu prazer a outro homem. Nunca foi reivindicada por outro homem. Ela é minha, em todos os sentidos da palavra... Completamente, totalmente e irrevogavelmente! Minha...

Ela está deitada em cima de mim, com a cabeça no meu peito, e eu sinto o cheiro de baunilha, sabonete, ar livre, e nosso sexo em minha mulher: não há nada mais inebriante, mais sedutor, no planeta, do que a sua mulher deitada em cima de você, completamente saciada e satisfeita e você enterrado e perdido nela... Eu fecho meus olhos completamente tomado pelo sentimento disto. Nunca me senti assim antes. Nunca!

Enquanto eu estou com os olhos fechados, ela estica a mão para o meu peito me tocando, me sentindo. Embora eu desesperadamente precise e deseje que ela me toque, eu não posso suportar a sensação disto. Minha mão escorrega e agarra a dela; ela parece ofendida. Mas seu olhar suaviza o meu e eu puxo-lhe a mão para os lábios e beijo cada uma de suas juntas. Então eu giro para olhar para ela.

"Não", murmuro, enquanto eu a beijo levemente nos lábios.

"Por que você não gosta de ser tocado?" Ela sussurra, olhando nos meus olhos.

Como eu poderia dizer a ela que aberração de vida eu tive, que a minha mãe era uma prostituta de crack, ou que ninguém sabe quem é meu pai, ou que eu era espancado pelo cafetão dela e ela não fez nada para me proteger! Ou a parte em que ela se suicidou quando eu tinha quatro anos, e eu tive que viver com seu corpo morto, dormir ao lado de seu corpo morto, tentando acordá-la por quatro dias para que ela pudesse me confortar, ou me alimentar, ou cuidar de mim! Como eu poderia dizer a ela que eu estou irreversivelmente danificado e fodido? Em vez disso eu digo: "Porque eu sou cinquenta tons de fodido, Anastasia."

Ela pisca para mim. "Eu tive uma introdução muito dura na vida. Eu não quero sobrecarregá-la com os detalhes. Apenas não faça." Eu esfrego meu nariz no dela e me retiro para fora dela, sentando-me.

"Eu acho que isso é todo o básico do básico cumprido. Como foi isso?" Eu digo saindo de um tema muito desconfortável. Afinal, o sexo com Anastasia é o meu tema favorito. Na verdade eu estou bastante satisfeito comigo mesmo por ser o seu primeiro e único professor.

Seu rosto parece frustrado com alguma emoção que ela não está me contando. Tristeza, curiosidade, desejo. Ela quer me conhecer, saber mais sobre os meus problemas, mas como eu posso dizer a ela sem despertar ainda mais sua curiosidade sobre minhas montanhas de problemas. Então eu iria perdê-la para sempre...se ela souber mais sobre a verdade por trás de minhas predileções. Eu nunca poderia falar com ela sobre isso. Nunca! Ela correria para as montanhas e nunca mais voltaria. Eu não posso perdê-la.

Ela inclina sua linda cabeça para um lado, imitando-me, e faz um enorme esforço para sorrir para mim. "Se você imagina por um minuto que eu acho que você cedeu o controle para mim, Sr. Grey, bem, você não levou em conta a minha média da faculdade (GPA)", diz ela sorrindo timidamente para mim. "Mas obrigada pela ilusão."

Ela é uma mulher inteligente, e quando eu acho que a iludi, ela diz algo inesperado, ou faz algo inesperado. "Srta Steele, você não é apenas um rosto bonito. Você já teve seis orgasmos até agora e todos eles pertencem a mim, " eu me vanglorio  brincando. O primeiro olhar que atravessa seu rosto é surpresa, percebendo que eu estava contando. Ela cora e pisca ao mesmo tempo, e sua reação me faz olhar para ela, eu franzo minhas sobrancelhas com o entendimento de que ela está escondendo alguma coisa. O ciúme está crescendo em mim. Teria alguém lhe dado um orgasmo que eu não sei? Eu não acho que posso lidar com isso. Ela deveria ser apenas minha. Ou ela deu prazer a si mesma? Curiosidade e ciúmes tiram o melhor de mim:

"Você tem alguma coisa para me dizer?" Eu pergunto, minha voz está de repente dura. Ela franze a testa, em seguida, parece envergonhada, fica vermelha " Eu tive um sonho esta manhã", ela respira sem saber como eu iria reagir a esta informação.

"Oh", eu a encaro questionando.

Ela joga o braço sobre os olhos em mortificação absoluta e diz: "Eu gozei em meu sono." Estou mais que aliviado ao descobrir isso. Aliviado que ninguém mais a tocou além de mim. Ela é toda minha! Ela não se tocou ainda, sabendo minhas regras. Meu alívio imediato me torna silencioso, mas também divertido. Ela espreita para mim de debaixo do braço, vendo-me sorrir. "Em seu sono?" Eu pergunto.

"Sim. Me acordou", ela respira.

"Eu tenho certeza que sim", eu digo, sabendo muito bem como isso afeta alguém. Se ela soubesse que ela me deu o melhor sonho molhado que eu tive, quando ela estava mantendo-se afastada. "Com o que você estava sonhando?" Pergunto querendo descobrir o que deu a ela o orgasmo. Espero que ela estava sonhando comigo, já que ela agora ocupa meus melhores sonhos, e às vezes o pensamento de perdê-la me dá os piores pesadelos.

 "Você", ela mal sussurra.

Sua resposta me alivia imensamente. Ela sonhou comigo - um sonho erótico bom o suficiente para dar a ela um orgasmo! "O que eu estava fazendo?" Eu pergunto. Desta vez, ela joga os dois braços sobre os olhos de novo. Seu constrangimento faz com que ela esconda o rosto como uma criança pequena. Mas eu não vou ser dissuadido por isso. Esta é uma notícia quente! Eu tenho que saber o que eu estava fazendo. "Anastasia, o que eu estava fazendo? Eu não vou perguntar de novo."

"Você tinha um chicote", diz ela a cor cobrindo suas bochechas enquanto seus braços estão tentando enterrar o rosto. Estou muito excitado com este pedaço de informação. Ela me quer, e o que é mais, ela deseja brinquedos suficientemente para sonhar com eles. Eu gentilmente movo seus braços e pergunto: "Sério?"

"Sim." Ela respira ficando vermelha mais uma vez.

"Há esperança para você ainda," murmuro, completamente aliviado. "Eu tenho vários chicotes", pensando que talvez nós poderíamos tentar um deles neste domingo.

"Couro marrom trançado?", Ela pergunta me fazendo rir. Se esse é o desejo dos seus sonhos, eu tenho certeza de encontrar um. "Não, mas eu tenho certeza que eu poderia conseguir um", eu digo com meus olhos brilhando de excitação e expectativa. Eu me inclino, e dou-lhe um pequeno beijo, em seguida, pego minha boxer... Seu rosto desaba. Taylor deve estar esperando por mim lá fora. Eu tenho que voltar para o hotel. Ela vira a cabeça rapidamente para o relógio na mesa de cabeceira. Ele marca nove e quarenta.

Ela também rola para fora da cama, e rapidamente pega suas calças de moleton e uma blusa, e os coloca, e em seguida, senta-se na cama, de pernas cruzadas, me observando. Minha mente avança para este domingo, e o quanto eu sempre quero estar dentro dela. Deus! Eu poderia viver enterrado dentro dela o tempo todo! Que me traz outro tópico; ela usa alguma forma de controle de natalidade? Uma vez que começamos nosso relacionamento, precisamos descobrir um método anticoncepcional. Eu pretendo aproveitar muito dela, e eu odeio esses preservativos. Estou ansioso para estar completamente no comando.
 "Quando é o seu próximo período?" Pergunto interrompendo seus devaneios profundos.

"O quê?", Ela pergunta sacudindo a cabeça não completamente na mesma página que eu.

"Eu odeio usar essas coisas", eu resmungo segurando o preservativo. Então eu o coloco no chão, para libertar as minhas mãos e entrar no meu jeans. Ela não me respondeu ainda. Ela está ocupada com seus próprios pensamentos.

"Então?" Eu a sondo de novo, e ela não me responde, por alguma razão. Eu olho para ela, e ela olha para trás. De repente, ela fica envergonhada. Vergonha de mim! Mas ela não deve sentir vergonha de mim, não depois de todos os atos que fizemos juntos.

"Na próxima semana", diz ela, finalmente, olhando para as mãos.

"Você precisa encontrar algum método de contracepção", eu digo para ela. Eu não quero que ela fique grávida. É muito importante resolver isso. Tenho a intenção de gastar muito tempo com ela. Mas ela me olha com um rosto em branco, como se eu tivesse começado a falar grego. A compreensão me alcança.  Ela é muito jovem, e ela não foi sexualmente ativa antes de ela me conhecer. Há uma grande possibilidade de que ela não tenha sequer um ginecologista.

Eu sento na cama para colocar minhas meias e sapatos.

"Você tem um médico, Anastasia?" Eu pergunto-lhe. Ela balança a cabeça em resposta me fazendo franzir a testa. Como eu pensava.

"Eu posso pedir ao meu médico pessoal para vir vê-la em seu apartamento neste domingo de manhã antes de você vir me ver. Ou ele pode ver você na minha casa. Qual você prefere? " Pergunto  a ela,  e desde que ela não tem um médico dela, o meu pode resolver o problema.

Ela está pensativa. "Na sua casa", ela responde calmamente.

"Tudo bem. Eu vou informar você sobre o horário, " eu digo fazendo uma nota mental para Andrea agendar o meu médico para vir ao Escala.

"Você está indo embora?" Ela pergunta surpreendida, com uma corrente de melancolia.

"Sim", eu respondo.

Um olhar interrogativo passa por seu rosto "Como é que você vai voltar?", Ela sussurra em voz baixa.

"Taylor vem me pegar", eu respondo.

"Eu posso levá-lo, se quiser. Eu tenho um lindo carro novo," diz ela tirando  meu fôlego com sua resposta surpreendente, pois sua reação inicial foi menos que benvinda. Ela consegue me surpreender em cada momento. Dirijo o olhar para ela incapaz de manter o calor fora deles.

"Isso me agradaria muito. Mas acho que você já bebeu demais," eu digo. Eu não quero colocá-la em perigo por fazê-la dirigir meio-embriagada.

Sendo a garota observadora que ela é, ela pergunta: "Será que você me embriagou de propósito?"

"Sim", eu respondo com sinceridade. Eu sempre me esforço para falar a verdade para ela.

"Por quê?" Ela questiona.

"Porque você tende a pensar demais em tudo, e eu estou convencido de que você é reticente como o seu padrasto. Mas quando você coloca uma gota de vinho  em você, ele  a  solta  e você  começa  a  falar," eu digo. "Eu preciso que você se comunique honestamente comigo, baby. Caso contrário, você se cala, desliga e eu não tenho idéia do que você está pensando. In vino veritas, Anastasia, " eu digo.

"E você acha que é sempre honesto comigo?" Ela questiona.

"Eu tento ser", eu digo olhando para ela cautelosamente. Ela precisa entender que os relacionamentos como este em que estamos entrando são baseados na confiança. "Isso só vai funcionar se formos honestos um com o outro", eu digo disposto a entender.

Ela parece triste de repente. Seu rosto tem alguma emoção escondida que ela não quer que eu veja ou compreenda. Finalmente, ela puxa um pouco de coragem e segurando o segundo preservativo, ela diz: "Eu gostaria que você ficasse e usasse isso", me fazendo sorrir com humor. Eu gostaria muito de ficar e usar o preservativo e fazer tudo que eu quero, mas eu estou quebrando muitas de minhas próprias regras. Eu não posso perder o controle desta. Eu tenho que manter o controle. Eu estou deixando esta bela, sedutora, encantadora mulher obter o melhor de mim.

"Anastasia, cruzei tantas linhas aqui esta noite. Eu tenho que ir. Eu vou te ver no domingo. Eu vou ter o contrato revisado pronto para você, e então nós podemos realmente começar a jogar," eu digo com firmeza.
"Jogar", ela diz piscando. Sim, querida, jogar. Ela parece ansiosa.

"Eu gostaria de fazer uma cena com você. Mas eu não vou fazer isso até que você tenha assinado seu contrato. Dessa forma, eu sei que você está pronta," eu digo, como forma de explicação.

"Ah. Então, eu poderia estender isso, se eu não assinar?" Ela pergunta, brincando. Eu olho para ela avaliando seu comportamento. Minha baby quer jogar. Eu posso retribuir. Meus lábios se contorcem em um sorriso.

"Bem", eu digo com um brilho malicioso nos meus olhos, "Eu suponho que você poderia, mas eu poderia ter um colapso nervoso."

 "Colapso? Como? "Ela pergunta inocentemente, brincando, me fazendo concordar com a cabeça, e sorrir. " Poderia ficar muito feio", eu digo brincando com ela. Ela sorri em resposta.

"Feio, como?", Ela pede em seu modo doce.

"Oh, você sabe, explosões, perseguições de carro, sequestro, encarceramento", eu digo com indiferença.

"Você me seqüestraria?" Ela pergunta surpresa.

"Ah, sim", eu sorrio para ela. Será que ela tem alguma idéia do quanto eu a desejo, e como cheguei perto de ter um colapso?

"Você me seguraria contra a minha vontade?", Diz ela em voz sussurrada, elevando as temperaturas.

"Ah, sim," eu concordo. "E então nós estamos falando TPE 24/7," Eu digo a ela. Ela me dá um olhar vazio.

"Você me deixou perdida", diz ela em voz sussurrada, a proximidade é tão grande, que eu posso ouvir seu coração batendo...

Ela não tem certeza se eu estou falando sério. O que ela faria, se ela de fato soubesse que eu estou sério.

"Controle Total 24 horas por dia, 7 dias na semana," (N.T. TPE, Total Power Exchange, 24 horas por 7 dias), eu digo a ela com o desejo fazendo meus olhos brilharem, cheios de excitação.

"Então, você não tem escolha, baby", eu digo insultando-a.

"É evidente", diz ela com as suas palavras pingando sarcasmo, e revirando os olhos para mim! Oh, graças a Deus! Baby, eu estive esperando esse momento chegar, então eu vou lhe dar uma lição. Estou animado e mais que excitado com a perspectiva de castigá-la.

"Oh, Anastasia Steele, você acaba de rolar seus olhos para mim?" Ela parece reticente.

"Não", ela guincha em voz baixa.

 "Eu acho que sim. O que eu disse que eu faria com você se você rolasse seus olhos para mim de novo?" pergunto  triunfante.

Sento-me na beira da cama, esperando para reivindicar meu prêmio na forma de sua bunda redonda rosada.
 "Venha aqui", eu digo baixinho. Ela empalidece. Ela me encara tentando descobrir se estou falando sério ou não, completamente imóvel.

"Eu não assinei", sussurra.

"Eu lhe disse o que eu faria, Anastasia. Eu sou um homem de palavra "  eu digo, com os meus olhos em chamas. "Eu vou espancar você, e então eu vou te foder muito rápido e muito duro. Parece que vamos precisar do preservativo depois de tudo", eu digo, o meu olhar fixo nela, com uma voz suave, ameaçadora, e devassa

Bad Things by Jace Everett

Ela está paralisada em seu lugar, mas eu posso ver que ela está indecisa, com emoções diferentes. Querendo, desejando, carente, com medo. Eu olho para ela esperando ela se mover, meus olhos estão desejosos, minhas mãos estão se contraindo com a expectativa. Ela descruza suas pernas, hesitante. Ela olha a porta, calculando sua chance de escapar. Pensando, pesando suas opções.

"Eu ainda estou esperando", eu digo. "Anastasia, eu não sou um homem muito paciente," Eu a advirto com uma voz pesada e um olhar severo. Ela está ofegante, com medo, mas também parece incrivelmente excitada, do jeito que eu gosto. Lentamente, com as pernas trêmulas ela rasteja até mim na cama, e ela está ao meu lado. Eu dou um suspiro interior de alívio.

"Boa menina, " murmuro.

"Agora levante-se, " eu ordeno.

Timidamente, ela fica em pé. Eu estendo  minha mão, e ela deposita o preservativo em minha palma. Eu estou tão cheio de vontade de puni-la e transar com ela, que eu a agarro com a velocidade de uma cobra, e a curvo sobre meus joelhos. Eu queria fazer isso desde o dia em que ela me perguntou se eu era gay no dia da minha entrevista com ela.

Com um movimento suave, eu posiciono meu corpo de uma maneira que faço seu tronco  descansar na cama ao meu lado. Eu lanço minha perna direita sobre as dela para firmá-la em seu lugar e planto meu antebraço esquerdo na parte de baixo de suas costas, segurando seu corpo para baixo, deixando-a completamente imóvel. É uma porra de uma visão linda, eu estou mais que excitado, e mal posso conter-me para dar a ela sua punição por sua desobediência a qual está chegando desde o dia em que a encontrei.

 "Coloque suas mãos em ambos os lados de sua cabeça," Eu ordeno,  ao que ela obedece imediatamente.

Agora, é hora de ler o crime, e decretar e liberar sua punição por suas transgressões. "Por que estou fazendo isso, Anastasia?" Eu pergunto-lhe.

"Porque eu revirei os olhos para você", diz ela, em voz quase inaudível.

"Você acha que é educado?" Peço firmemente.

"Não", ela responde claramente.

"Você vai fazer isso de novo?" Eu pergunto-lhe. Não que ela se vá se atrever a tentar depois que ela receber uma dose deste castigo.

"Não", ela responde imediatamente.

"Eu vou espancar você cada vez que você fizer isso, você entende?" Eu digo de forma muito firme e clara. Então eu puxo para baixo suas calças de moletom, dolorosamente lento, fazendo um show disto. Lembre-se disto baby! Estou saboreando isso. Excitado, feliz, desejoso, quente, e minhas mãos estão coçando para machucar seu traseiro, e difundir a dor prazeirosa. Eu posso sentir a vibração rápida de seu coração sob o meu toque.

Coloco minha mão em seu traseiro desnudo, cor de  alabastro e delicioso. É tão doce e suave, e bonito, e em breve vai estar vermelho rosado. O pensamento  me excita além do imaginável. Eu suavemente a acaricio , esfrego seu traseiro, girando e girando com a palma da minha mão para cobrir a maior parte da superfície, e espalhar mais a dor. E rápido como uma picada de cobra, eu levanto minha mão e lhe dou  a sua primeira palmada - tão dura quanto eu posso.

"Oww!" É sua resposta automática para seu primeiro gosto doloroso de punição. Ela tenta levantar, balançando, mas a minha mão se move entre as omoplatas, mantendo-a firmemente para baixo. Eu acaricio novamente onde ela recebeu o golpe. Minha respiração está excitada. Isto é como o sexo para mim: excitante, quente, emocionante, ligado, como o clímax que  se aproxima - é mais alto, mais forte. Eu bato nela de novo e de novo, em rápida sucessão. Ela não faz nenhum som depois de seu primeiro "ow". Ela tenta se mexer para longe dos golpes, mas sem som. Eu sei que dói, porque minha mão está doendo, e isto está me excitando além do imaginável.

"Fique quieta," eu resmungo, minha voz rouca. "Ou eu vou bater em você por mais tempo," Eu a advirto.

Eu a esfrego para espalhar o sangue que está correndo para a superfície da pele com cada um dos meus golpes, tornando seu traseiro de alabastro rosado. Eu aperfeiçoei este padrão rítmico, com anos de prática, carinho, acariciar, bater forte. Repetir. Carinho, acariciar, bater forte. Ela não deu um ‘ai’ desde seu primeiro ‘ow’ de  surpresa,  o que está me excitando cada vez mais, me surpreendendo com sua resistência. Se eu bater no mesmo local, a tendência natural do corpo é a liberação de alguns hormônios para amortecer a área e é por isso que eu acaricio para espalhar a sensação, então eu não atinjo o mesmo local duas vezes seguidas: isto proporciona  o máximo de dor. Na minha décima palmada ela grita de dor. "Aargh!"

"Eu estou apenas me aquecendo", eu digo e bato nela novamente, então acariciando-a suavemente. Isto faz duas coisas: a palmada fornece a dor pretendida, mas desperta algumas sensações dentro estimuladas para sair com a carícia sensual, uma dor prazerosa que causa um efeito de entorpecimento mental. Eu a atinjo de novo... Eu estou mantendo uma contagem interna, e curtindo o inferno com sua punição; fazendo uma refeição com isto. Satisfazendo a fome da besta em mim! Eu a acaricio suavemente de novo, e desfecho o meu golpe. Desta vez, ela grita, involuntariamente, mais uma vez.

"Ninguém pode ouvi-la, baby, só eu." E minhas palmadas se seguem uma e outra vez. Bater, carinho, acariciar. Repetir. Onze. Doze. Eu conto na minha cabeça. Eu continuo o meu ritmo implacável. Cada uma das seguintes seis palmadas fazem-na gritar,  fazendo-me ainda mais desejoso dela. Minha palmada final é a décima oitava.

Mesmo a minha mão está cantando de dor, e eu finalmente digo "Chega", com a voz rouca.

Estou impressionado com a forma como ela lidou com isso, e não chorou. "Muito bem, Anastasia. Agora eu vou foder você," eu digo a ela cheio de desejo. Eu acaricio seu traseiro suavemente, e está rosa, quase vermelho. Eu esfrego esta bunda rosada linda girando e girando e para baixo. Enquanto eu acaricio seu traseiro, eu insiro rapidamente dois dedos dentro dela, levando-a completamente de surpresa; o meu propósito foi atingido. Ela suspira, porque isso está lhe dando uma sensação de prazer após a grande dose de espancamento e carícias que ela recebeu. Eu a encontro excitada e molhada como eu desejava e esperava, o que me agrada ainda mais. Isto alimenta o desejo em mim em grandes doses.

"Sinta isso. Veja o quanto seu corpo gosta disso, Anastasia. Você está molhada apenas para mim, " eu digo com respeito e reverência na minha voz. Ela continua a me surpreender em cada momento. Meus dedos entram e saem em rápida sequência fazendo-a gemer. Então eu removo rapidamente os dedos, sabendo muito bem que ela está agora cheia de desejo... por mim.

"Da próxima vez, eu vou fazê-la contar. Agora onde está aquele  preservativo? "

Eu alcanço o preservativo e levanto-a suavemente e a empurro de bruços sobre a cama. Eu abro o zíper de meus jeans, rasgo o pacote do preservativo, e o enrolo no meu comprimento. Eu tiro seu moletom, e a guio para uma posição ajoelhada, acariciando seu traseiro rosa avermelhado com crescente desejo.

"Eu vou tomar você agora. Você pode gozar," murmuro. E eu entro dentro dela, com força. Ela geme alto em resposta. Eu puxo para trás e a seguir para frente para encontrar meu ritmo de batida nela, com um ritmo rápido e intenso contra seu traseiro rosa pink. A aparência dele faz crescer meu desejo em muitos níveis.

O rosto dela está abaixado, seus  gemidos estão indicando que o seu clímax se aproxima. Ela agarra nos lençóis com os nós dos dedos brancos; essa visão me leva ao cume e o puxão do clímax iminente aperta meu interior, e ambos alcançamos e explodimos em um intenso, demolidor orgasmo.

"Oh, Ana!" Eu clamo encontrando a minha libertação, segurando-a firmemente em seu lugar, enquanto eu me esvazio dentro dela. Eu colapso, ofegando forte ao lado dela, e eu a puxo para cima de mim, enterrando meu rosto em seu cabelo, segurando-a perto. Estou mais que saciado.  Eu encontrei o meu par, que pode satisfazer plenamente a mim, e me levar.

"Oh, baby", eu respiro. "Bem-vinda ao meu mundo." Nós ficamos deitados, ofegando juntos, esperando nossa respiração diminuir. Eu estou completamente em reverência por esta mulher em meus braços. Ela é o meu par perfeito em todos os sentidos da palavra. Como posso deixá-la ir? Eu gentilmente acaricio seu cabelo enquanto ela está no meu peito de novo,  completamente desgastada, e saciada, do jeito que eu gosto.

Eu acaricio seu cabelo novamente, inalando profundamente. "Bom trabalho, baby", eu sussurro, alegria tranquila derramando-se da minha voz. Quero vesti-la e eu pego na barra de sua camisa. "É isso que você usa para dormir?" Pergunto gentilmente.

 "Sim", ela respira sonolenta.

Ela merece muito mais do que isso. "Você deveria estar em sedas e cetins, garota bonita. Vou levá-la às compras , " eu digo.

"Eu gosto do meu moleton", ela murmura, tentando e não conseguindo soar irritada. Ainda tentando ser desafiadora. Eu beijo sua cabeça novamente. "Vamos ver", eu digo. Vamos fazer algumas compras para ela. Ficamos deitados por mais alguns minutos, e ela cochila em meus braços.

"Eu tenho que ir", eu digo, e inclinando-me para baixo, eu beijo sua testa suavemente.

"Você está bem?" Eu pergunto com uma voz suave. Ela pensa um pouco na minha pergunta. Então simplesmente sussurra: "Eu estou bem." Eu levanto da cama. "Onde é o banheiro?" Eu pergunto-lhe.

"No final do corredor, na esquerda", ela responde. Pegando o outro preservativo, vou para o banheiro para jogar fora. Eu lanço os preservativos no lixo do banheiro, e me lavo. Verifico o armário de remédios, e encontro um vidro de óleo de bebê. Isso vai fazer o trabalho de parcialmente aliviar a dor de seu traseiro machucado. Quando eu volto para o quarto, ela colocou suas calças de moletom, sua cabeça entre as mãos. Ela não vai me olhar nos olhos. Ela só olha para as mãos.

"Eu encontrei um pouco de óleo de bebê. Deixe-me esfregar seu traseiro," eu digo.

"Não. Eu vou ficar bem , " ela responde.

"Anastasia", digo em voz de advertência. Finalmente, ela fica em pé de frente para a cama. Sento-me ao lado dela puxando suas calças de moletom para baixo novamente. Eu esguicho óleo de bebê na minha mão e depois a massageio no seu traseiro machucado com carinho.

Por alguma razão, eu sinto que seu traseiro é como um santuário para adoração. Eu não posso manter minhas mãos fora dele,  reverentemente agora.

"Eu gosto das minhas mãos em você", murmuro. Ela acena com a cabeça em resposta.

"Aí está", eu digo depois de finalmente terminar e puxar suas calças para cima novamente.

"Eu estou saindo agora", eu digo, tendo Taylor esperando do lado de fora já há algum tempo.

Ela automaticamente vira-se para sua mesa de cabeceira para olhar para o relógio. Ele marca  10:30h.

 "Eu vou te levar lá fora", ela diz baixinho ainda não olhando para mim. Eu pego sua  mão, e a levo até a porta da frente.

 "Você não tem que chamar Taylor?", Ela pergunta, ainda evitando o contato visual comigo. Castigo severo fazer isso com você.

"Taylor está aqui desde as nove. Olhe para mim," eu respiro. Ela se esforça para encontrar os meus olhos, e quando ela finalmente o faz, eu olho para ela com admiração. Ela é incrível, eu estou em reverência completa diante dela.

"Você não chorou", murmuro , então meu desejo cresce e ela é como o sol para mim, eu a agarro de repente, e a beijo com toda a minha paixão.

"Domingo", eu sussurro contra seus lábios, e é tanto uma promessa como uma ameaça. Eu a deixo na porta me observando percorrer o caminho e subir no Audi preto SUV.

"Senhor", diz Taylor em forma de saudação. Eu aceno para ele no escuro. "Heathman?"

"Sim", eu confirmo. Meus pensamentos são todos para Anastasia na curta distância de volta para o hotel.

"Taylor", digo lembrando. "Eu quero que você verifique que o Blackberry será entregue a Srta Steele amanhã no trabalho. Eu não me importo se eles vão ter que fazer um a partir do zero. "

"Sim, senhor", ele diz, com firmeza, e conhecendo Taylor, ele fica vermelho, porque ele não gosta de                            incompetência, e embora seja uma tarefa simples, ainda continua por terminar. Eu preciso ser capaz de contatar Anastasia em todos os momentos. Eu não posso deixar algum outro fodido se insinuar e levá-la embora. Eu não posso lidar com isso. Não depois que eu a reivindiquei como minha em todos os sentidos, e ninguém a tomou antes. Ia me matar saber que alguém está aquecendo-a, abraçando-a, fodendo-a... O pensamento me faz franzir a testa, e eu cerro os dentes.

"Taylor, certifique-se!" Eu digo. Ele sabe o que está por vir. Ele tem a capacidade de me ler. Nós aperfeiçoamos a comunicação silenciosa, que é uma das razões pelas quais ele é meu braço direito. Ele sabe o que precisa ser feito antes que lhe seja dito, e segue as ordens à risca.

"Sim, senhor! Mesmo se eu tiver que fabricar o telefone eu mesmo, ela vai recebê-lo amanhã! "

"Tudo bem", eu digo, mas eu me sinto desconfortável. Deixá-la abandonada não me caiu bem. Mas eu não posso quebrar minhas próprias regras. Por que eu tenho esse medo, de repente, como se algo está errado, ou ela pode escorregar por entre meus dedos? Ela está ocupando minha mente o tempo todo, na vigília e no sono. Como pode alguém tão inexperiente, tão inocente, tão desafiadora e ainda tão tímida ser tão cativante? Como ela pôde conquistar-me no curso de poucas semanas? Eu balanço minha cabeça, como se para esvaziá-lo dos pensamentos dela. Quando chego ao hotel, Taylor e eu saímos  do SUV, e ele dá a chave para o manobrista. Nós nos encaminhamos para a minha suíte. Eu repasso  rapidamente a agenda de amanhã com ele, quando  estaremos indo de volta para Seattle após uma semana de estadia em Portland. Vou ter de administrar um dia sem Anastasia no sábado. Isso me faz enfatizar para Taylor o ponto de ela ter o Blackberry, e eu acho que mesmo que ele tenha que inventá-lo, ele será entregue. Ele vai para sua suíte ao lado da minha, e eu abro uma garrafa de vinho. Sirvo-me de um copo, e me encaminho para o meu laptop para escrever para Anastasia um e-mail, bem como para verificar as minhas mensagens que chegaram na minha ausência. Há uma mensagem da minha irmã Mia, dando-me a informação do voo de chegada de Paris amanhã. Digito uma resposta rápida à ela, confirmando que eu irei pegá-la.

Eu, então, escrevo um e-mail para Anastasia:
_____________________________________________
De: Christian Grey
Assunto: Você
Data: 26 de maio de 2011 23:15
Para: Anastasia Steele
Querida Srta Steele

Você é simplesmente maravilhosamente. Você é a mulher mais linda, inteligente, espirituosa e corajosa que eu já conheci. Tome um Advil - isto não é um pedido. E não conduza o seu Fusca novamente. Eu saberei.

Christian Grey CEO,
Grey Enterprises Holdings Inc.
_____________________________________________
Por um lado, eu quero que ela vá dormir, porque ela estará trabalhando amanhã, mas por outro lado eu quero que ela me responda, reconhecendo que recebeu minha mensagem, e assim eu sei que ela está lá, em seu pequeno apartamento, e não com alguém. Eu sei que o pensamento não é razoável, mas eu ainda não posso deixar de sentir isso. O ding do meu e-mail anunciando sua resposta soa 15 minutos mais tarde. Estou ansioso como um menino de escola recebendo uma nota da sua primeira paixão.
_____________________________________________
De: Anastasia Steele
Assunto: Bajulação
Data: 26 de maio de 2011 23:21
Para: Christian Grey

Caro Sr. Grey

Bajulação não vai levá-lo a lugar nenhum, mas uma vez que você esteve em todos os lugares, é um ponto discutível. Vou ter de conduzir o meu Fusca a uma garagem para vender - portanto, não vou aceitar graciosamente qualquer um dos seus disparates sobre isso. Eu prefiro vinho tinto em lugar do Advil.

Ana

PS: Caning (N.T. Bater com vara, bastão, bengala) é um limite RÍGIDO para mim.
_____________________________________________

Sua mensagem me deixa frustrado. Por que ela não pode aceitar um elogio? Será que ela pensa tão pouco de si mesma? Por que ela ainda está acordada? Ela precisa dormir se ela quer ter uma noite completa de descanso. Eu rapidamente digito sua resposta.
_____________________________________________
De: Christian Grey
Assunto: mulheres frustrantes que não sabem receber elogios
Data: 26 de maio de 2011 23:27
Para: Anastasia Steele

Prezada Sra. Steele

Eu não fui bajulador com você, eu estava apenas dizendo o que eu penso de você. Você deve ir para a cama. Eu aceito a sua adição aos limites rígidos. Não beba demais. Taylor irá pegar seu carro e também conseguir um preço bom para ele.

Christian Grey
 CEO Grey Enterprises Holdings Inc.
_____________________________________________
Eu suspiro, e clico em enviar. Sua resposta é rápida, e desta vez é enlouquecedora. O que ela está tentando fazer comigo?
_____________________________________________
De: Anastasia Steele
Assunto: Taylor - Ele é o homem certo para o trabalho?
Data: 26 de maio de 2011 23:39
Para: Christian Grey

Caro senhor,

Estou intrigada que você graciosamente arrisque seu braço direito para conduzir o meu carro, mas você não quer deixar uma mulher que você fode ocasionalmente conduzir o carro acima mencionado a uma loja. Como posso ter certeza de que Taylor é o homem certo para me conseguir o melhor negócio para o referido carro? Eu era conhecida, no passado, provavelmente antes de lhe encontrar, por saber conduzir uma negociação difícil.

Ana
_____________________________________________

Esta mensagem me deixa louco, e eu tenho em mente dirigir direto para lá, e dar-lhe todas as ramificações de seu discurso inflamado. Eu estou supondo que ela tomou muito champanhe, e em seguida bebeu vinho tinto para acalmar o traseiro machucado. Este reconhecimento é a única coisa que me mantém no hotel agora. Eu imediatamente escrevo-lhe uma resposta.
_____________________________________________
De: Christian Grey
Assunto: Cuidado!
Data: 26 de maio de 2011 23:43
Para: Anastasia Steele

Prezada Sra. Steele,

Eu estou assumindo que é o VINHO TINTO falando, e que você teve um dia muito longo. Embora eu esteja tentado a dirigir de volta para aí, para garantir que você não se sente por uma semana, em vez de uma noite. Taylor é ex-exército e capaz de dirigir qualquer coisa de uma moto a um tanque Sherman. Seu carro não representa um perigo para ele. Agora, por favor não se refira a si mesma como "uma mulher que eu fodo ocasionalmente", porque, francamente isso me deixa louco, e você realmente não gostaria de mim quando estou com raiva.

Christian Grey CEO,
Grey Enterprises Holdings Inc.
_____________________________________________

Eu ainda estou bufando pelas narinas quando ding a sua mensagem de volta, e meu coração salta para minha boca com o que ela diz. Então, meus receios não eram infundados.
_____________________________________________
De: Anastasia Steele
Assunto: Cuidado você
Data: 26 de maio de 2011 23:57
Para: Christian Grey

Caro Sr. Grey,

De qualquer maneira, eu não tenho certeza se eu gosto de você, especialmente no momento.

Srta. Steele
_____________________________________________
O quê? Ela não gosta de mim? Por que ela não gosta de mim? Eu rapidamente escrevo de volta para ela.
_____________________________________________
De: Christian Grey
Assunto: Cuidado você
Data: 27 de maio 2011 00:02
Para: Anastasia Steele

Por que você não gosta de mim?

Christian Grey CEO,
Grey Enterprises Holdings Inc.
_____________________________________________

Eu espero ansiosamente que ela escreva-me de volta. Eu conto os minutos e os segundos no relógio. Finalmente seu ding de resposta entra na minha caixa de e-mail.
_____________________________________________
De: Anastasia Steele
Assunto: Cuidado você
Data: 27 de maio 2011 00:09
Para: Christian Grey

Porque você nunca fica comigo.
_____________________________________________

Eu fico olhando para a tela do laptop por um minuto. Eu a aborreci! Ela finalmente disse o que a estava incomodando. Eu sabia que algo estava errado. Eu tive a sensação, mas eu a deixei. Mas ela não disse nada. Ela disse que estava tudo bem! Ela está muito intimidada por mim para me dizer como ela se sente, exceto quando está bêbada e está escrevendo-me um e-mail? Eu preciso que ela se comunique comigo abertamente, e de forma clara.

Eu tinha tirado a roupa para me preparar para ir para a cama, mas rapidamente me visto, colocando a minha jaqueta de risca de giz, e pegando as chaves do carro. Eu envio um texto rápido para Taylor informando-o de que eu estou indo de volta para a Srta Steele e que eu vou passar a noite lá na sua casa. Eu dirijo a seu complexo de apartamentos com os pensamentos dela nublando minha mente e me preocupando. Eu estaciono o carro e saio rapidamente. Eu percorro o caminho de pedra para seu prédio, e subo as escadas de dois em dois degraus. Eu bato na porta com firmeza, e em rápida sucessão. 

You're Always on My Mind - Michael Buble

É sua companheira de apartamento, Kate, a trituradora de bolas, que abre a porta. Quando ela me vê, muda seu rosto e ela usa um tom irritado, pronta para dilacerar-me. "O que diabos você pensa que está fazendo aqui?", ela grita.

"Estou aqui para ver Anastasia", eu respondo.

"Bem, você não pode!" É sua resposta. Meu coração dá um salto. Anastasia está recusando-me agora? Será que ela mudou de idéia? Será que ela decidiu que o que temos é ruim para ela?

"Por que não posso?" É a minha resposta.

"Que merda você fez com ela agora?", Ela me pergunta.

"O que você quer dizer?" Eu pergunto-lhe incrédulo.

"Desde que ela conheceu você, ela chora o tempo todo", é a resposta. Ela esmaga meu coração escuro. Eu não quero Anastasia chorando. Estou mais que preocupado que ela vai escorregar por entre meus dedos porque ela não se comunica comigo, e que eu sou também muito fodido,  e duro com ela. Eu tenho que vê-la!

"Kate, não me faça forçar minha entrada", eu digo encarando-a firmemente. "Eu tenho que entrar agora para ver o que há de errado com ela", e empurro a porta toda aberta e entro.

"Você não pode entrar aqui!", Ela grita atrás de mim. Eu rapidamente caminho através da sala de estar, e explodo no quarto de Anastasia, e acendo a luz de cima para encontrá-la soluçando em voz alta em seu travesseiro; ela se vira e fecha seus olhos apertados , mas não antes de eu ter um vislumbre de seus olhos vermelhos e inchados de lágrimas !

"Jesus, Ana," murmuro. Eu desligo o interruptor de novo, e eu corro para o lado dela em um instante.

"O que você está fazendo aqui?", ela suspira entre soluços. Ela é incapaz de parar de chorar. Eu acendo o abajur da mesa de cabeceira. Ela aperta os olhos novamente com a agressão da luz. Sua colega de apartamento Katherine vem e fica na porta.

"Você quer que eu ponha prá fora esse babaca?", ela pergunta a Anastasia, irradiando hostilidade termonuclear. Levanto minhas sobrancelhas para ela, claramente não conhecendo muitas pessoas  falando comigo nesses termos, pelo menos direto na minha cara, embora eu saiba  que eu sou um babaca.  Mas seu antagonismo feroz me faz pensar que eu fiz algo terrivelmente errado para Anastasia, embora eu não saiba o que. Anastasia balança a cabeça para ela em negativa, e sua companheira de quarto revira os olhos para ela.
"Apenas grite se precisar de mim", diz ela suavemente para Anastasia, então vira seu olhar venenoso para mim e sibila, "Grey - suas cartas estão marcadas!", apontando um dedo bem manicurado para mim, e se vira e puxa a porta mas não a  fecha. Estou abalado até o âmago, porque claramente eu fiz algo para alguém com quem eu me importo muito, e eu não tenho a menor idéia do que foi! Eu olho para baixo para Anastasia com uma expressão grave, meu  rosto pálido.

Eu pego minha jaqueta e de dentro do meu bolso eu puxo meu lenço e o entrego a ela.

"O que está acontecendo?" Pergunto suavemente,  preocupado.

"Por que você está aqui?" Ela me pergunta em resposta, ignorando a minha pergunta. Suas lágrimas cessaram de fluir, mas ela está muito perturbada, seu corpo está sacudido por soluços secos. Isso me aborrece, e eu estou ansioso para saber o que eu fiz, e como eu posso consertar isso.

"Parte do meu papel é o de cuidar de suas necessidades. Você disse que queria que eu ficasse , então aqui estou eu. E então eu encontro você assim. " Eu pisco para ela, completamente desnorteado.

"Eu tenho certeza que eu sou o responsável, mas não tenho idéia do por quê. Isto é porque eu bati em você? "

Ela se ergue na cama. Seu estremecimento não escapa da minha visão. Ela senta-se e me encara.

"Você tomou um Advil?" Pergunto, ao que ela responde com um aceno de cabeça negando. Será que algum dia ela vai ouvir qualquer coisa que eu peça a ela para fazer? Eu estreito meus olhos, levanto-me, e deixo o quarto para conseguir-lhe um Advil.

Acho Kate ocupada com sua embalagem na sala de estar, e pergunto se ela tem algum Advil que eu possa dar para Anastasia. Ela estreita os olhos para mim, e dá-me aquele tipo de olhar  'se olhar pudesse matar ".

"Nós temos alguns no armário de remédios do banheiro", ela responde e acrescenta: "lembre-se da minha ameaça para você, Grey... É melhor fazer isso direito! " Ela diz  sem deixar de olhar para mim.

"Eu vou lembrar", eu digo, enchendo uma xícara de chá com água, e indo buscar dois Advil Gelcaps para Anastasia, e caminhando de volta para o quarto.

 "Tome isso," Eu ordeno-lhe, e eu gentilmente sento na cama ao lado dela para não perturbá-la. Ela coloca os Advil em sua boca e engole-os com a água.

 "Fale comigo", eu sussurro, suprimindo minha preocupação. "Você me disse que estava bem. Eu nunca teria deixado você se eu achasse que você estava assim," eu digo olhando para ela, tentando descobrir as razões por trás de seu estado atual. Ela só olha para as mãos. O que a está preocupando?

Ela não diz nada.

"Eu percebo que quando você disse que você estava bem, não estava", eu digo, aparentemente acertando em cheio, porque ela cora.

"Eu pensei que eu estava bem", ela sussurra ainda olhando para as mãos.

"Anastasia, você não pode me dizer o que você acha que eu quero ouvir. Isso não é muito honesto, " eu a repreendo. Todos os relacionamentos são baseados em confiança, especialmente este em que estamos. Caso contrário, não vai funcionar. "Como posso confiar em qualquer coisa que você tenha me dito?"

Ela finalmente espreita para mim sob a cascata de cabelos castanhos. Eu fecho a cara para ela, com um olhar triste nos meus olhos. Frustração, preocupação, seu estado, aumentam o meu nível de ansiedade me fazendo correr as duas mãos pelo meu cabelo.

"Como você se sentiu quando eu estava espancando você e depois?" Eu pergunto-lhe.

"Eu não gostei disso. Eu prefiro que você não faça isso de novo, " ela diz baixinho.

"Isto não foi feito para você gostar", digo a ela.

"Por que você gosta disso, então?" Ela pergunta olhando para mim. Sua pergunta me surpreende. É em parte por causa da besta em mim que gosta de vê-la naquele estado, me mostrando que eu tenho total controle sobre ela, e isto satisfaz uma necessidade em mim e me excita.

"Você realmente quer saber?" Eu pergunto-lhe. Ela pode não gostar do que eu vou dizer.

"Acredite-me, eu estou fascinada", diz ela com sarcasmo gotejando das palavras dela.

Eu estreito meus olhos para ela novamente. "Cuidado, " advirto. Ela empalidece.

"Você vai me espancar de novo?" Ela me pergunta desafiadora.

"Não, não esta noite", eu respondo. Eu não quero machucá-la... agora.

"Então," ela me incentiva.

"Eu gosto do controle que isto me trás, Anastasia. Eu quero que você se comporte de uma determinada maneira e se não o fizer, vou puni-la, e você vai aprender a se comportar da maneira que eu desejo. Gosto de puni-la. Eu queria espancar você desde que você me perguntou se eu era gay." Ela cora. Lembro-me dela ficando envergonhada depois de ter feito a pergunta, no momento mesmo que ela me perguntou e percebeu qual era a pergunta  que sua colega de quarto tinha escrito.

 "Então você não gosta do jeito que eu sou", diz ela, com tristeza. Isso não é verdade! Eu amo o jeito que ela é. Na verdade ela é uma lufada de ar fresco na minha vida fodida. Olho para ela, confuso novamente. "Eu acho que você é encantadora do jeito que é", eu digo com total honestidade.  

You're in my Heart by Rod Stewart

"Então por que você está tentando me mudar?"

"Eu não quero mudar você. Eu gostaria que você fosse polida e seguisse o conjunto de regras que eu lhe dei e não me desafiasse. Simples , " eu digo.

"Mas você quer me punir?"

"Sim, quero."

 "Isso é o que eu não entendo", diz ela confusa. Eu suspiro e passo minhas mãos pelo meu cabelo de novo, completamente exasperado.

"É o jeito que eu sou, Anastasia. Eu preciso controlá-la. Eu preciso que você se comporte de uma certa maneira, e se você não o fizer - adoro ver sua bonita pele de alabastro rosa e aquecida sob minhas mãos. Isso me excita. "

Seus olhos se arregalam, seu olhar está em algum lugar entre o medo e a reticência.  "Então, não é pela dor que você está me fazendo passar", ela pergunta. Eu engulo seco. Na verdade, tem muito a ver com isso. Ela alimenta a minha necessidade de dar dor para ela.

"Um pouco, para ver se você pode levá-lo, mas isso não é toda a razão. É o fato de que você é minha para fazer o que eu achar melhor - o controle final sobre outra pessoa. E isso me excita. Demais, Anastasia. Olha, eu não estou me explicando muito bem... Eu nunca tive que fazê-lo antes. Eu não pensei sobre isso em nenhuma grande profundidade. Eu sempre estive com pessoas que pensam como eu, " dou de ombros quase me desculpando.

"E você ainda não respondeu à minha pergunta - como você se sentiu depois?" Eu pergunto-lhe.

"Confusa", ela responde.

"Você estava sexualmente excitada por aquilo, Anastasia", digo lembrando-a. Eu fecho meus olhos com a memória fresca daquilo enquanto eu sinto a minha libido subindo em mim. Quando eu reabro os olhos, eu a encaro com quente, ardente paixão. Esse olhar faz algo para ela, e eu a sinto responder na mesma moeda. Ela gosta disto também.

Na verdade, um monte de desejo está pulsando entre nós, seus olhos fixos nos meus com vontade e paixão selvagem.

 "Não olhe para mim desse jeito", murmuro. Ela franze a testa.

"Eu não tenho preservativos, Anastasia, e você sabe, você está chateada. Ao contrário do que sua companheira de apartamento acredita, eu não sou um monstro priápico.  (N.T. Priapismo é uma condição médica geralmente dolorosa e potencialmente danosa na qual o pênis ereto não retorna ao seu estado flácido, apesar da ausência de estimulação física e psicológica. A ereção dura em média 4 horas)Assim, você se sentiu confusa? "  Eu pergunto-lhe. Ela se contorce sob o escrutínio do meu olhar.

"Você não tem problema em ser honesta comigo por escrito. Seus e-mails sempre me dizem exatamente como se sente.  Porque  você não pode fazer isso conversando?  Eu a  intimido  tanto assim? "  Ela apenas olha aleatoriamente para um canto do quarto dela. Sem olhar para mim, ela sussurra sua resposta:

 "Você me seduz, Christian. Me oprime completamente. Eu me sinto como Ícaro voando muito perto do Sol. "

Sua resposta me faz suspirar. "Bem, eu acho que você entendeu isto da maneira errada", eu respiro a minha resposta.

 "O que?" Ela pergunta surpresa.

"Oh, Anastasia, você me enfeitiçou de corpo e alma. Não é óbvio? "

"Você ainda não respondeu minha pergunta. Escreva-me um e-mail, por favor. Mas agora, eu realmente gostaria de dormir. Posso ficar?" eu pergunto-lhe.

"Você quer ficar?", Ela pergunta-me com um tom de esperança.

"Você me queria aqui", eu respondo, embora eu saiba o sentido pleno de sua pergunta. A resposta é, sim, eu quero ficar. Na verdade não há outro lugar no planeta que eu preferiria estar mais do que este quarto minúsculo, em seu pequeno apartamento, que ela está compartilhando com sua colega trituradora de bolas.

"Você não respondeu à minha pergunta", diz ela sondando.

"Vou escrever um e-mail", murmuro nervosamente. Eu me levanto e esvazio meus bolsos tirando meu BlackBerry, chaves, carteira e dinheiro. Eu tiro o meu relógio, sapatos, meias e calças jeans e coloco-os em uma cadeira. Eu dou a volta até o outro lado da cama e deslizo ao lado de Anastasia. Meu lugar feliz. "Deite-se", eu ordeno.

Ela também desliza lentamente sob as cobertas, estremecendo um pouco, olhando para mim. Ela está chocada, mas visivelmente feliz de me ter em sua cama para ficar com ela. Como posso escapar dela? Será que ela não sabe que eu estou viciado? Eu me apoio sobre um cotovelo, olhando para baixo, para Anastasia.

"Se você for chorar, chore na minha frente. Por favor. Eu preciso saber, " eu digo. Eu não quero jamais que ela seja infeliz na minha ausência.

"Você quer que eu chore?" Ela pergunta curiosamente.

"Não particularmente. Eu só quero saber como você está se sentindo. Eu não quero que você escorregue por entre meus dedos. Apague a luz. É tarde, e ambos temos que trabalhar amanhã."

Ela desliga o abajur da mesa de cabeceira, deitando de costas.

"Deite-se de lado, de costas para mim", murmuro na escuridão. Eu lentamente me movo e coloco meus braços em torno dela, e puxo-a para o meu peito fundindo nossos corpos. A sensação é maravilhosa. Agora mesmo, ela é minha. "Durma baby", eu sussurro inalando seu perfume celestial profundamente. Então nós derivamos para um sono tranquilo. 

Lullaby - Dixie Chix


8 comments:

anne caroline godoi said...

Estou tão viciada nessa estória ,que preciso de uma dose diária... Aos pouquinhos a Ana foi ganhando espaço... Com esse jeitinho de quem não quer nada...

Danny said...

Fascinada , amando cada capitulo .....

Kaila Alekena said...

Você escolheu a degradação agora deita e rola Anastasia... o numero de comentários talvez defina esse capítulo... chocante, degradante,arrepelante, degradante...ops ja falei degradante? affff voou falar de novo DEGRADANTE...mais Anastasia escolheu a degradação... Quando lemos pela primeira vez acho que a maioria de nós chegou nessa parte odiando Anastasia por permitir aquela agressão, nossa Ana onde está sua boca inteligente e nariz pedante nesse momento?Eu senti cada tapa, cada palmada com um horror beirando a raiva, falava o tempo todo...ai que pacote de tons de merda tem esse cara gostoso e sensual e gostoso... já falei gostoso? pois é Gostoso,mas me custava acreditar que alguém pode amar a ponto de permitir o espancamento e mais uma vez Ana me surpreendeu, assim como ela surpreende o Cristian Fudido Grey e pensar que tudo isso foi só o começo...

sonia barcelos said...

Estou lendo pela quarta vez! É viciante! Parabéns! Vcs são ótimas!
E o Pella não vai continuar? tb é viciante e maravilhoso!

Daniela Martins said...

Totalmente viciada nesta história! CG'POV é muito melhor!
Christian quebrando as regras é surpreendente!

Carliete Viegas said...

Totalmente viciante, to lendo pela terceira vez e quero sempre leer de novo !!! *-*

milla said...

Estou lendo mais uma vez, e de novo, e de novo, e de novo... já perdi as contas. O enredo dos personagens é inebriante, nem precisa falar, quem não viveu ou sonha em viver um louco amor, arrebatador, daqueles que fazem tudo o mais não ter sentido... a formatação que vocês fizeram no blog com as imagens e as músicas inspiradoras também dão um toque encantador, nos fazendo realmente viajar nessa história e querer ser um dos personagens. Fala a verdade, fodido ou não o Christian é o homem dos nossos sonhos... quem não tem defeitos? O importante é que no final de tudo o amor fala mais alto! Parabéns a vocês pelo maravilhoso trabalho, por traduzir o nosso desejo de sonhar com o Christian e conhecê-lo cada vez mais. Abraços!

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry