StatCtr

Monday, July 22, 2013

LIVRO III – Capítulo XIV - Christian e Anastasia Fanfiction

LAR DOCE LAR
CAPÍTULO XIV
Tradução: Neusa Reis


Anastasia espera que eu explique a minha preocupação, mas eu não consigo encontrar as palavras para expressá-la. Tudo o que posso fazer é segurá-la, com tudo que eu tenho; nunca deixá-la ir. Ela toma uma respiração profunda e começa a recitar seus votos de casamento.

"Eu dou a você minha promessa solene de ser sua parceira fiel, na saúde e na doença, de ficar ao seu lado nos momentos bons e ruins, de compartilhar sua alegria, bem como sua tristeza”, ela recita em um murmúrio. Ouvir seus votos me congela no lugar, me desarmando.

“Eu prometo amar você incondicionalmente, apoiá-lo em seus objetivos e sonhos, honrar e respeitar você,  rir com você e chorar com você, partilhar minhas esperanças e sonhos com você, e lhe trazer conforto em momentos de necessidade”. Estou sem palavras e incapaz de responder ou mover um membro. Acabei de ouvir a sua recitação fervorosa dos votos que ela escreveu para mim com os olhos arregalados, assustados, preocupados, ansiosos e agitados, mesmo. Meus lábios se partem, mas as palavras não saem. Ela continua dizendo o resto de seus votos, me lembrando o que ela prometeu fazer como minha mulher, e parceira da vida.

"E, cuidar de você enquanto nós dois vivermos,” ela diz, e suspira olhando para mim com olhos de sondagem.

"Oh, Ana," eu sussurro e me movo; nosso contato físico se quebra. Nós apenas estamos deitados lado a lado. Eu olho maravilhado para minha esposa. Ela está tentando fazer tudo que pode para ser a esposa que ela prometeu ser... e eu estou no meu esforço para protegê-la, descarrilando suas tentativas, talvez sem querer. Estou impressionado com ela. Eu acaricio seu rosto delicadamente com as costas de meus dedos. O que posso dizer em resposta a isso, para lembrar o que eu tinha prometido a ela? Só que eu também estou levando o meu trabalho como seu marido e seu protetor, muito a sério... Ela tem que saber disso. Ela deve saber isso! Eu começo sussurrando meus votos com uma voz rouca, embalada com todos os meus medos, amor e devoção por ela, para lembrar o que eu prometi e que ela é muito importante para o meu coração.

"Eu solenemente juro que vou proteger e manter e cuidar carinhosa e profundamente, no fundo do meu coração, a nossa união e você. Eu prometo te amar fielmente, abandonando todas as outras, durante os bons e maus momentos, na doença ou na saúde, independentemente de onde a vida nos leve. Eu vou lhe proteger, confiar em você, e respeitá-la. Vou compartilhar suas alegrias e tristezas e consolá-la em momentos de necessidade. Eu prometo cuidar de você e manter suas esperanças e sonhos e mantê-la segura a meu lado. Tudo o que é meu, agora é seu. Eu lhe dou minha mão, meu coração e meu amor a partir deste momento, enquanto nós dois vivermos.”

Lágrimas começam a escorrer dos olhos de Anastasia. Eu não quero preocupar minha esposa, mas por não falar com ela, eu a estou machucando. Eu não sei o que fazer. Eu olho para Anastasia com todo o meu amor e com a luta dentro de mim.

"Não chore,” eu sussurro, enquanto eu limpo suas lágrimas.

"Por que você não fala comigo? Por favor, Christian,” ela implora para mim. Eu fecho meus olhos em agonia. Como posso fazer isso quando meu primeiro instinto é protegê-la de tudo, blindá-la mesmo do próprio mundo? Aqui, ela está me pedindo para expô-la a eles.

"Eu jurei que iria lhe trazer consolo em tempos de necessidade. Por favor, não me  faça quebrar meus  votos,” ela pede ainda mais. Fazê-la romper seus votos é a coisa mais distante da minha mente; por isso, com dificuldade eu decido contar a ela. Eu suspiro, abro meus olhos cautelosamente, assustado, desolado: "É incêndio criminoso," eu consigo dizer. Seus olhos se arregalam com minha resposta.

"E a minha maior preocupação é que eles estão atrás de mim. E se eles estão atrás de mim...”  Eu paro e fecho meus olhos. Tenho medo de que, se eu disser isso em voz alta, pode se tornar realidade. Eu não posso dar essa chance. Mas ela termina meus pensamentos.

"... eles poderiam me pegar,” diz ela em um sussurro. Ouvir isso em voz alta, de seus lábios, me faz estremecer. Ela acaricia meu rosto para aliviar meus medos. E de alguma forma o seu toque me amolece por dentro.

"Obrigada,” diz ela. Eu sulco minhas sobrancelhas para ela. Ela está me agradecendo porque ela está em perigo? Será que ela não valoriza a vida dela?

"Por quê?"

"Por compartilhar isso comigo,” ela responde. Bem, ela é a mestra de arrancar informação. Eu balanço minha cabeça, e pela primeira vez, desde a confirmação do incêndio, eu tenho o fantasma de um sorriso nos lábios.

"Oh, Sra. Grey; você pode ser muito persuasiva."

"E você pode aninhar e internalizar todos os seus sentimentos e se preocupar até a morte. Você provavelmente vai morrer de um ataque do coração, antes que você tenha quarenta anos, e eu quero você por perto por muito mais tempo do que isso,” diz ela.

"Sra. Grey, você será a minha morte. A visão de você sobre esse Jet Ski quase me deu um  ataque cardíaco!" Eu digo a ela, e eu desabo, de costas na cama,  cobrindo meus olhos com os braços. Não é apenas o Jet Ski. É o jeito que ela desconsidera a maior parte de tudo que eu lhe peço para não fazer, pensando em seu bem-estar, mas sendo Anastasia, ela não escuta. Eu tenho uma dor constante dentro de mim... Estou num dilema com ela. Por um lado, todas as suas travessuras me dão vida, mas por outro lado, elas me preocupam até a morte. Veneno e antídoto em um pacote bonito, isto é Anastasia.

"Christian, é apenas um Jet Ski. Você pode imaginar como vai ser como quando nós visitarmos o seu lugar em Aspen e eu for esquiar pela primeira vez,” ela pergunta.

É o nosso lugar, pelo amor de Deus, e ela nunca vai esquiar se eu puder impedir! Ela pode ler o horror no meu rosto.

"Nosso lugar,” eu finalmente consigo murmurar.

Ela continua como se ela não me ouvisse. ”Eu sou um adulto, Christian, e muito mais resistente do que pareço. Quando é que você vai aprender isso?"

Eu não sei se eu posso superar algum dia esse medo? Ela é a pessoa mais importante que já existiu para mim. Como posso conscientemente permitir que ela esteja em qualquer tipo de perigo? Se eu disser qualquer coisa sobre esse fato, ela vai discutir comigo. Minha boca se afina em resposta, mas sem dizer nada, eu apenas encolho os ombros.

"Então, sobre o fogo. A polícia sabe sobre o incêndio criminoso?” ela pergunta.

"Sim,” eu digo com uma expressão séria.

"Bom,” ela responde. Agora seria um bom momento para informar-lhe da segurança adicional.

"A segurança vai ficar mais apertada,” eu digo calmamente, esperando oposição. Mas ela responde com: "Eu entendo,” então olha de cima a baixo para minhas roupas.

"O quê?" Pergunto distraidamente.

"Você".

"Eu? Eu o quê? "

"Sim, você ainda está vestido,” diz ela. Eu olho para as minhas roupas lembrando o desejo compulsivo que eu tive de me enterrar nela.

"Oh," eu respondo divertido, e, finalmente, obtenho um sorriso dela.

 "Sra. Grey, você sabe como é difícil para mim manter minhas mãos longe de você, especialmente quando você está rindo como uma colegial.”

Ela imediatamente se move, e me escarancha. Quando ela levanta as mãos, eu imediatamente entendo que ela quer me fazer cócegas. Eu rapidamente agarro seus pulsos, e a impeço. Eu não posso suportar receber cócegas.

"Não,” eu digo a ela com firmeza. Ela fica amuada, seus sentimentos feridos. Anseio por Ana me tocar sempre que pode, mas é tudo muito novo, e eu ainda não posso suportar receber cócegas. Eu não sei como eu reagiria. Lutar ou fugir. Eu não quero esse tipo de gatilho associado com Ana.

"Por favor, não,” eu digo em um sussurro. ”Eu simplesmente não ia poder suportá-lo. Eu nunca recebi cócegas quando criança,” eu digo, e ela relaxa as mãos, em um gesto para me deixar saber que ela não vai me fazer cócegas.

"Eu costumava olhar Carrick com Mia e Elliot fazendo cócegas neles e parecia um monte de diversão, mas eu nunca pude... Eu...” Eu sou incapaz de admitir, incapaz de enfrentar esses medos ainda. Anastasia coloca seu dedo indicador sobre meus lábios de forma eficaz e felizmente me silenciando.

"Calma, eu sei...” ela murmura, e suavemente beija meu lábio, e depois se enrola no meu peito, onde eu era incapaz de segurá-la no começo. Agora é um sentimento bem-vindo. Meus braços abraçam-na com força, e eu enterro meu nariz em seu cabelo, inalando seu perfume. Eu a acaricio de volta suavemente, suavemente, tranquilizando-a. Ficamos deitados assim por um longo tempo. Eu não posso ter o  suficiente dela. Ela finalmente me faz a pergunta que foi se formando em sua cabeça.

"Qual foi o maior tempo que você ficou sem ver o Dr. Flynn?"

"Duas semanas. Por quê? Você tem um desejo insuportável de me fazer cócegas?" Eu pergunto.

"Não,” ela ri. ”Acho que ele ajuda você,” diz ela.

Eu faço um barulho muito não cavalheiresco. ”Ele deveria, eu pago bastante."  Mas agora ela me deixou curioso. Ela está preocupada comigo? De repente, é muito importante para mim descobrir. Eu gentilmente puxo o cabelo dela, fazendo-a me encarar. Estamos olho no olho; nossos olhares se encontram. Eu quero saber exatamente o que ela sente. Eu quero desesperadamente saber que ela se importa comigo.

"Você está preocupada com meu bem-estar, Sra. Grey?" Pergunto em um tom suave.

"Toda boa esposa está preocupada com o bem-estar de seu amado marido, Sr. Grey," ela brinca comigo. Mas suas palavras são calmantes para minha alma.

"Amado,” eu sussurro, sem poder esconder o meu desgosto. Eu quero muito ser o seu amado, mas eu não consigo superar o sentimento de ser indigno do amor.

"Muito, muito amado,” ela responde, e me beija. Eu me perco nela e em nosso momento particular.

"Você quer ir a terra para comer, Sra. Grey?" Eu pergunto.

"Eu quero comer onde quer que você fique mais feliz,” ela responde com firmeza.

"Bom, isso está resolvido, então,” eu digo sorrindo. ”A bordo do navio é o lugar onde eu posso mantê-la segura. Obrigado por meu presente, baby,” eu digo pegando a câmera e segurando-a, eu tiro fotos de nós dois depois que todas as minhas merdas, meu maiores medos estão desnudados.

"O prazer é todo meu,” responde Anastasia, e eu encontro meu lugar feliz, mais uma vez: nos braços de minha esposa.

****  *****

Anastasia e eu jantamos a bordo, mas ela está estranhamente quieta, sua mente está em um lugar distante.

"No que você está pensando?" Pergunto em um tom suave, interrompendo seus devaneios enquanto eu tomo um gole de meu café depois do jantar.

"Versailles,” ela responde. Sim, nós tivemos um monte de diversão lá.

"Faustoso, não era?" Eu rio. Ela olha ao redor do Fair Lady, confundindo o que estava implícito.

"Eu não estou falando sobre o Fair Lady. Isso dificilmente pode ser chamado de fausto.”

"Eu sei, mas ainda assim é encantador. A melhor lua de mel que uma garota poderia querer,” diz ela.

"Sério?" Pergunto surpreso. Estou muito satisfeito de ouvir que ela gostou da nossa lua de mel, apesar do telefonema do meu trabalho, do incêndio, da foda de punição, dos chupões... Eu estou feliz que eu fiz a coisa certa.

"Claro que é."

"Só nos restam mais dois dias. Existe alguma coisa que você gostaria de ver ou fazer?"

"Eu só quero ficar com você,” ela sussurra.

"Bem, você poderia ficar sem mim por cerca de uma hora? Preciso checar meus e-mails, descobrir o que está acontecendo em casa.”

"Claro,” diz ela em um tom brilhante, que ela reserva para quando ela quer esconder sua decepção. De certa forma, sua resposta me faz feliz. Estou feliz que ela quer passar mais tempo comigo, e até mesmo uma hora de distância de mim, é tão difícil para ela quanto para mim.

"Obrigado pela câmera, baby,” eu digo e faço o meu caminho para o escritório a bordo.

Eu ligo meu laptop no escritório, e começo a olhar os meus e-mails. Até agora, não houve nada de novo. Welch me informa que eles compartilharam as evidências que sua equipe recolheu com a polícia, mas ele não está convencido de que isso vai ser resolvido rapidamente. Ele não está feliz com o progresso lento. Eu pego o meu Blackberry e disco o número dele. Welch responde ao primeiro toque.

"Sr. Grey? "

"Welch, qual é o problema com o departamento de polícia?"

 "Não há nenhum problema com o departamento de polícia, Sr. Grey. Mas eu tenho preocupações que eu não queria expressar todas em um e-mail. Desde que você é o segundo maior contribuinte no estado de Washington, o departamento de polícia se verá obrigado a fazer tudo dentro das normas e, lentamente, para que eles não deixem espaço para erro. Mas tempo não é algo que nós temos,” diz ele, espelhando minhas preocupações.

"Por que você diz isso?" Pergunto com uma voz mal controlada.

"Eles têm que passar por todas as provas, e estabelecer sua própria conclusão. Enquanto isso, vamos esperar. Agora sabemos que esta é a segunda tentativa; eu coloco minha reputação em jogo ao afirmar que é o mesmo criminoso. Primeiro Charlie Tango, e agora a Grey House. Nossa segurança não estava cuidando de Charlie Tango - era a segurança do aeroporto, mas esta é a nossa casa, por assim dizer...” diz ele, e eu o cortei.

"Nós dois sabemos que o criminoso conseguiu se desviar da nossa segurança em nosso próprio território, em nosso próprio quintal! Então me diga Welch, onde é seguro? Eu estou tornando os recursos disponíveis para você encontrar esse filho da puta! Faça o que for preciso, ou que Deus me ajude, eu vou ter suas bolas em um prato! " Eu berro e eu posso senti-lo estremecer.

"Eu entendo," ele murmura com uma voz firme.

"Diga-me de uma vez por todas: o que você precisa para pegar esse filho da puta? Você está com pouco pessoal, você não tem provas suficientes para identificar nada, nem conhecimento suficiente? Que porra vai levá-lo a identificar e encontrar esse idiota? " Eu assobio entre os dentes cerrados.

"Como chefe de sua equipe de segurança, eu gostaria de sua permissão para trazer Pella. Como você sabe, senhor, ele é muito caro."

"Eu pensei que ele só investigasse incidentes relacionados com aeronaves,” eu digo recostado na minha cadeira, enfiando a mão pelo meu cabelo, exasperado. O couro da cadeira protesta com o meu impulso forte.

"Não, senhor, Pella tem as mãos em todos os tipos de assuntos, mas ele não gosta de tornar isso  conhecido. Há uma razão pela qual os principais caras aposentados das ‘ops’ especiais (N.T. OPS - As forças especiais, ou Forças de Operações Especiais são unidades militares altamente treinadas para executar missões não convencionais, muitas vezes de alto risco.) daria seu braço direito e uma perna para trabalhar para ele, mas, novamente, isto desvirtuaria o objetivo. Mas eu discordo... Eles estão todos de boca fechada, é claro, mas uma das minhas fontes sussurrou em meu ouvido que ele fornece até mesmo serviços para os governos para investigar assassinatos, seqüestros, o que você pensar...” diz ele baixando a voz.

"E você sabe disso como?"

"Eu prefiro não revelar minhas fontes, senhor. Código tácito de conduta. Mas eu sei que é verdade...”

"Por que ele iria investigar para os governos? Claramente eles teriam mais recursos do que ele tem,” eu digo, momentaneamente intrigado.

"A política clandestina... Negação plausível... O que você quiser... (N.T. Negação plausível é um termo criado pela CIA durante o governo de Kennedy para descrever o poder que a instituição tem para negar qualquer envolvimento com escândalos durante a sua administração. Em uma negação plausível, todo escândalo ocorre por conta do agente, livrando os superiores da culpa pelo incidente.) Ele tem amigos em todos os governos. É um mistério, para não mencionar uma fonte de inveja, como ele faz amigos poderosos. Desta forma, os governos podem manter as mãos limpas. E ele pode entrar e sair da porra de qualquer país, sem medo, como se fosse dono do maldito lugar, investigando como uma sombra, e chegar a resultados,” ele diz com fervor.

"Como é que ele consegue fazer isso?"

"Porque, de algum modo, ele tem homens e recursos, em todos os lugares, e inigualável senso de rastreamento de qualquer coisa com pouco ou nenhum vestígio. Ele não vai sujar as mãos, mas eu nunca ouvi falar de alguém que possa recolher provas, juntar as peças do quebra-cabeça e chegar a resultados onde outros falharam, com uma tão estranha competência. E ele sempre define suas próprias regras.”

"Você está tentando dizer que você falhou?" Pergunto com a raiva crescendo em mim.

"Não, senhor. Eu estou te pedindo para trazer o melhor. A polícia vai retardar a investigação, e precisamos de resultados, como na semana passada! Eu usei todas as minhas fontes para chegar até ele, mas até mesmo as forças de elite estão de boca fechada quando se trata dele; é como se ele tivesse selado sua lealdade.  Ele não faz um monte de amigos, e ele é extremamente leal aos poucos amigos que ele faz, e ele parece pensar em você como seu amigo! Ele pode ser persuadido a vir uma segunda vez. Ele pode mesmo ser capaz de encontrar laços entre a sabotagem de Charlie Tango com o incêndio criminoso, onde a polícia ou eu não conseguimos fazer a conexão. Ele pode perceber os laços e localizar evidências e fazer conexões a partir da investigação inicial de Charlie Tango que ele completou.”

"Tudo bem! Consiga-o! "

"Sim, senhor. Eu vou conseguir a palavra dele.”

"Mais alguma coisa?"

"Isso é tudo o que tenho por agora, senhor. Eu vou atualizá-lo tão logo se verifique qualquer alteração na investigação, ou se eu ouvir uma palavra do meu contato, sobre Pella.”

"Faça-o rápido. Caso contrário, são as suas bolas, Welch!"

"Sim, senhor,” responde ele, solenemente, e eu desligo.

A exasperação se derrama em cima de mim. Eu não gosto nada de estar fora do meu controle: pessoal, ou de negócios. Eu farei tudo em meu poder para recuperar o controle de volta na minha vida. O pensamento de que há um maníaco lá fora, que está atrás de mim, possivelmente atrás de minha esposa ou até mesmo da minha família, está me levando à loucura! Eu tomo uma respiração profunda, enquanto eu me levanto   e atravesso o comprimento do local, e então eu saio do escritório para encontrar minha esposa. Vejo Anastasia vindo me encontrar no convés. Ela vê minha cara antes que eu possa colocar a máscara impassível no lugar e ela silenciosamente caminha para o meu abraço. Envolvo os braços sobre ela e abraço-a apertado por vários minutos até que o sentimento de desamparo desapareça.


****  *****

"Não! Não, Christian! Não vá! "

Eu acordo no escuro com Anastasia se debatendo na cama, falando em seu sono, nervosa. Ela está com falta de ar, como se alguém a estivesse sufocando, tendo um ataque de pânico!

"Hey," eu sussurro suavemente para não assustá-la. Ela está preocupada e seu pânico me deixa fora de mim. Eu tenho que ter muito cuidado com as informações que eu compartilho com ela a partir de agora. Eu não quero que ela tenha esses pesadelos. Tem que ser o meu fardo para carregar, não o dela.

"Oh, Christian,” ela murmura. Eu posso ouvir seu coração vibrando, e sua angústia me quebra. Eu envolvo meus braços em torno dela. Eu sinto o grande fluxo de lágrimas no meu braço.

"Ana, o que é?" Eu pergunto, acariciando seu rosto, tentando consolá-la e acalmá-la. Oh, meu Deus! Sua angústia me atormenta por dentro, me rasgando.

"Nada. Apenas um pesadelo bobo,” ela sussurra. Eu beijo sua testa, as bochechas manchadas de lágrimas, e a borda de seus lábios, suavemente.

"Apenas um sonho ruim, baby,” eu digo, prometendo guarda-la e protegê-la de qualquer coisa que possa desencadear essa reação de novo.  “Eu tenho você. Eu vou mantê-la segura.”

Ela aconchega a cabeça na dobra do meu braço, inalando meu cheiro profundamente. Eu a abraço forte, aninhando-a em meus braços e entre minhas pernas. Eu prendo Anastasia em meus braços, não conseguindo dormir por bastante tempo. Ela adormece novamente, mas permanece inquieta para o descanso da noite, e, finalmente, eu também caio em um sono perturbado, inquieto.

****  *****

Levanto-me cedo novamente. Chamar o último par de noites de inquietas seria o eufemismo do ano. Anastasia tinha apenas  pesadelos, arisca, chorando e falando em seu sono, constantemente preocupada. Não ter sido capaz de espantar suas preocupações está silenciosamente me levando à loucura. Quem está fazendo isso para mim, para minha esposa, vai ter que pagar por isso, uma vez que eu o alcance! Eu rapidamente tomo meu banho, me seco e coloco minha bermuda jeans com a minha t-shirt cinzenta. Pegando meu Blackberry, eu ando lentamente para fora da cabine, e vou para o escritório. Eu disco o telefone de Welch.

"Uhm... Bom dia, Sr. Grey. Desculpe, eu não tenho certeza qual é a hora na França agora,” diz ele pedindo desculpas.

"São 5:18h da manhã,” eu respondo.

"Está tudo bem?” Pergunta ele alerta.

"Você ouviu alguma coisa sobre Pella?" Eu pergunto, ignorando sua pergunta.

"Na verdade eu ouvi. Eu ia esperar por um momento adequado para chamá-lo, senhor.”

"E ?"

"Ele está atualmente em Londres, mas o mais cedo que ele pode estar em Seattle é terça-feira,” ele responde.

"Terça... Tudo bem,” eu respondo. Eu posso viver com isso. ”Nada de novo com a investigação policial?"

"Não, senhor. Apenas o laboratório criminal veio e polvilhou novamente, mas eu duvido que eles vão encontrar algo de novo.” (N.T. As impressões digitais são revestidas com pó, depois levantadas e levadas para identificação em laboratório)

"E os servidores? Barney  reencaminhou a sala do servidor para o armazenamento de dados externo?"

"Sim, senhor, isso já foi feito. Mas isso é apenas uma solução temporária. Quando Pella e sua equipe concluírem o seu trabalho aqui na sala do servidor, teríamos que voltar a usá-la. Temos proteção permanente no armazenamento de dados externo 24/7, mas usar nossos próprios servidores aqui no local ainda seria o mais seguro.”

"Eu concordo. Vejo você na segunda-feira, então," eu digo desligando.

Eu me sirvo de uma taça de vinho para acalmar, mesmo que seja muito cedo. Eu volto para a cabine. Eu pego uma pequena poltrona estofada e trazendo-a para o lado da cama em silêncio, eu começo a olhar Anastasia. Seu sono é inquieto. Eu a olho por horas. Ela está falando em seu sono mais uma vez. Algumas palavras são ininteligíveis. Mas algumas outras são bastante claras:

"Christian...” ela murmura em seu sono. A pronúncia do meu nome é embalada com preocupação e ansiedade. ”Eu estou com medo... Não o machuque!"  Porra!  Ela está tendo um pesadelo sobre mim.


"Shhh..." Eu murmuro docemente em um sussurro. Ela geme e se vira na cama. Suas mãos, instintivamente, vão para o meu travesseiro e ela sente minha ausência. Imediatamente, em pânico, ela se agita e acorda. Respirando com dificuldade, ainda sob os efeitos de seu pesadelo, ela procura  em volta da cabine por mim. Eu coloco o copo de vinho para baixo, de imediato, e rapidamente me movo e me estico ao lado de Anastasia.

"Ei, não se preocupe, baby. Tudo está bem,” digo suavemente, em um tom calmante. Seus olhos estão arregalados, quase aterrorizados. Eu acaricio seus cabelos carinhosamente, afastando-os para longe de seu rosto, e esse é o único lugar em que eu a toco, para não assustá-la. Sentindo minha presença calmante, ela se tranquiliza imediatamente. Eu tento colocar minha máscara impassível, mas a ansiedade é tão grande, que não consigo. Meus olhos permanecem largos, e cheios de preocupação.

"Você tem estado muito nervosa nos últimos dois dias,” murmuro.

"Eu estou bem, Christian,” ela diz e sorri largo; o sorriso que ela reserva para quando ela quer esconder seu medo e tensão. Ela não pode me enganar. Estamos ambos tentando proteger um ao outro de nos preocuparmos. Mas é o meu trabalho afastar todos os pesadelos. Não trabalho dela. Dor, preocupação, ansiedade está tudo escrito sobre seus olhos.

"Você estava me observando dormir?” ela pergunta.

"Sim...” eu respondo, meu olhar fixo no dela, estudando seu rosto.” Você estava falando."

"Oh,” ela fala, em tom preocupado com o que ela poderia ter revelado.
"Você estava preocupada,” eu sussurro. Sua angústia me enche de preocupação. Está  gravado no franzido do seu rosto. Eu me inclino e beijo sua testa entre as sobrancelhas.

"Quando você franze a testa, um pequeno V se forma bem aqui. É macio para beijar. Não se preocupe, baby, eu vou cuidar de você.”

"Não sou eu que estou preocupada, é você. Quem está cuidando de você?" Ela geme.

Sua angústia me preocupa, mas também puxa as cordas de meu coração. Minha esposa me ama profundamente, o suficiente para ter pesadelos, com medo por mim. Sorrio para ela num tom de admoestação.  ”Eu sou grande o suficiente e feio o suficiente para cuidar de mim." Eu seria um maldito se o último dia de nossa lua de mel fosse ser lembrado por essas memórias ruins. Eu tenho que fazer alguma coisa para mudar isso. Algo divertido. Algo que ela queira fazer... Já sei!

"Venha. Levante-se. Há uma coisa que eu gostaria de fazer antes de ir para casa,” eu digo, rindo amplamente. Ela olha para mim surpresa, e eu dou uma palmada em sua bunda deliciosa. Ela grita em resposta, mas se levanta. Eu a ponho devidamente  banhada, devidamente vestida e alimentada com o café da manhã. Finalmente, conseguindo colocar coletes salva-vidas em nós dois, eu a levo para o Jet Ski. Ela me olha, completamente perplexa. Prendendo a chave do Jet Ski no pulso dela, eu olho para ela com expectativa. Ela pisca com surpresa, seus olhos se arregalam.

"Você quer que eu dirija?” Ela pergunta incrédula.

"Sim,” eu sorrio de sua resposta.  “Isso não está muito apertado?"

"Está tudo bem. Oh ... É por isso que você está vestindo um colete salva-vidas?” ela pergunta levantando uma sobrancelha interrogativa.

"Sim,” eu digo sorrindo. Ela ri da minha resposta.

"Que confiança em minhas habilidades de condução, Sr. Grey,” diz ela com sarcasmo.

"Como sempre, Sra. Grey," eu respondo.

"Bem, não me ensine,” ela previne. Eu levanto minhas mãos em um gesto defensivo, ainda sorrindo como um idiota.

"Será que eu ousaria?" Pergunto em um simulado tom magoado.

"Sim, você faria, e sim, muitas vezes você faz, e não podemos ficar parados e discutindo na calçada aqui,” ela me lembra, colocando as mãos nos quadris.

"Ponto bem defendido, Sra. Grey. Será que vamos ficar nesta plataforma durante todo o dia debatendo suas habilidades de condução ou vamos ter um pouco de diversão? "

"Ponto bem defendido, Sr. Grey. Vamos nos divertir,” diz ela segurando o guidão do Jet Ski. Ela coloca-se no assento, e eu subo atrás dela, chutando-nos longe do iate. Posso notar que Taylor e dois marinheiros estão nos assistindo, provavelmente pensando que o maníaco por controle Christian Grey deve ter perdido a cabeça para deixar sua esposa dirigir o Jet Ski. Todos parecem divertidos. Eu sigo em frente e envolvo meu corpo em torno de Anastasia,  tão perto quanto possível. Nem mesmo o ar pode passar entre nós.


"Pronto?” ela grita para mim acima do ruído do motor do jet ski.

"Como eu sempre estarei,” eu digo em seu ouvido.

Anastasia aperta lentamente as alavancas, atrás das barras das mãos, para aumentar sua velocidade. Nós lentamente nos afastamos do Fair Lady. Anastasia aperta as alavancas mais forte e o Jet Ski,  com a gente em cima, salta para frente.

"Whoa! Ana!" Eu grito, mas eu também estou excitado. Estamos reafirmando a vida juntos, e é delicioso! Anastasia ganha velocidade passando o Fair Lady em direção ao mar aberto. Estamos do lado de fora do Port de Plaisance de Saint-Claude-du-Var, e do Aeroporto Nice Cote d'Azur. Anastasia, por alguma curiosidade bizarra,  dirige o Jet Ski para os aeroportos construídos quase no Mar Mediterrâneo. O Jet Ski se move pulando sobre as ondas, como uma rocha habilmente jogada na água. Eu posso sentir a emoção que Anastasia está experimentando. Ela está no sétimo céu!




"Da próxima vez que fizermos isso, teremos dois jet skis,” eu grito por causa do barulho. Eu posso sentir seu sorriso de resposta, sabendo que eu vou deixá-la fazer algo que considerava perigoso apenas ontem. O extremamente alto rugido de um motor de um  jato se aproximando de repente,  assusta Anastasia e, em vez de aliviar o acelerador, ela aumenta.

"Ana,” eu gerencio para gritar enquanto nós dois somos catapultados para fora do Jet Ski com nossos braços e pernas agitando no ar, nas águas mais frias do Mediterrâneo. A última coisa que eu ouço é o grito dela, enquanto ela mergulha na água em um mergulho grande. Graças ao seu colete salva-vidas, ela ressurge quase imediatamente, mas ela está tossindo e cuspindo água do mar, e olhando ao redor para me encontrar. Estou catapultado para longe dela, mas eu nado para Anastasia, ansioso para ter certeza que ela está bem. O Jet Ski está a poucos metros de distância, silenciosamente flutuando na superfície.

"Você está bem?" Pergunto numa completa explosão de pânico.

"Sim,” ela coaxa, sua garganta está, provavelmente, ainda queimando pela água do mar que ela engoliu. Alívio me inunda imediatamente, e eu a agarro e seguro, abraçando-a com força contra o peito, enquanto meu coração está batendo como um tambor da selva. Em seguida, inclinando-me para trás, eu verifico seu rosto para ver se ela está realmente bem.

"Veja, Christian, não foi tão ruim!” Diz ela rindo. Sim, ela está bem.

"Não, eu acho que não foi. Só que eu estou molhado,” eu gemo, em tom brincalhão.

"Estou molhada também,” ela guincha.

"Eu gosto de você molhada,” eu digo, cobiçando-a.

"Christian,” ela me repreende, maliciosamente. Eu sorrio o mais amplo possível, e inclinando-me, eu beijo minha esposa com tudo que eu tenho. Nós não paramos de nos beijar até que ambos estejamos sem fôlego. Porra! Agora, eu estou pegando fogo para minha esposa. Talvez eu possa fazer algo sobre isso no chuveiro.

"Vem. Vamos voltar. Agora, temos de tomar banho. Eu vou dirigir,” digo antes de montar o Jet Ski novamente.

****  *****

Enquanto nós nos sentamos na Sala de Espera da Primeira Classe da British Airways no Aeroporto de Heathrow, em Londres, estamos esperando o vôo de conexão para Seattle. Enquanto eu estou lendo o Financial Times, ouço o barulho do obturador de uma câmera. Eu levanto os olhos e sorrio para Anastasia. Ela está tentando chamar a minha atenção? Ela está olhando para minha camisa de linho branco e calça jeans, e seus olhos se concentram em meus óculos de aviador dobrados dentro do V da minha camisa aberta.

"Como você está, Sra. Grey?" Eu pergunto.

"É triste ir para casa. Eu gosto de ter você todo para mim.”

Eu sorrio para ela em resposta, segurando a mão dela, eu levanto-a para os meus lábios e beijo seus dedos. Eu adoraria ter mais tempo a sós com ela, mas eu não posso afastar minha mente para longe do criminoso e que ele deve ser capturado para que possamos ter qualquer tipo de paz.

"Eu também,” eu respondo.

"Mas?” ela diz erguendo as sobrancelhas.

"Mas?” eu repito, mas eu não soo convincente para ela. Ela inclina a cabeça para o lado em seu novo olhar interrogativo, cavando por mais informações. Eu tenho que trabalhar mais no meu olhar impassível, se eu quero fazê-la acreditar.

Eu suspiro. ”Eu só quero este incendiário capturado e fora de nossas vidas,” eu digo finalmente.

"Oh," ela responde, entendendo a minha preocupação.

"Eu vou ter as bolas de Welch em um prato, se ele permitir que algo assim volte a acontecer,” eu digo ameaçadoramente. Eu disse isso a Welch! Desta vez eu consigo olhar para Anastasia impassível, desafiando-a a se opor de todo a mim, se ela estiver se sentindo corajosa o suficiente. Ela apenas sorri em resposta, e levantando a câmera, ela imortaliza o olhar impassível.

****  *****

Nós finalmente chegamos ao Escala, após Sawyer pegar-nos no aeroporto. Lar doce lar! Anastasia está tão cansada, que ela adormeceu no carro.

"Hey, dorminhoca, estamos em casa,” eu murmuro no ouvido de Anastasia.

"Hmm," ela murmura ainda meio dormindo. Eu saio, e ando para a porta do passageiro do lado dela e abro. Em vez de deixá-la sair, eu me inclino, desato seu cinto de segurança e levanto Anastasia em meus braços, andando com ela para os elevadores.

"Eei, eu posso andar,” ela protesta, mas ela ainda está muito sonolenta. Eu bufo. Esta é a nossa primeira vez como marido e mulher em nossa casa. Eu vou cruzar o batente com ela nos braços. ”Eu preciso levá-la através do batente,"  eu a relembro. Seus braços se enroscam ao redor do meu pescoço com muita boa vontade.

"Os trinta andares?” ela me desafia, sorrindo.

"Sra. Grey, estou muito satisfeito em anunciar que você ganhou um pouco de peso.”

"O quê?" Ela quase grita, acordando completamente. Sua reação me faz rir.

"Então, se você não se importa, vamos usar o elevador,” eu digo estreitando meus olhos sobre ela, provocando. Taylor abre as portas do saguão do Escala e sorri. Benvindos à casa,  Sr. Grey, Sra. Grey."

"Obrigado, Taylor,” eu respondo. Quando Taylor  volta para o Audi onde Sawyer está esperando por ele, Anastasia vira toda a força de seu olhar sobre mim.

"O que você quer dizer que eu ganhei peso,” ela pergunta. Eu sorrio ainda maior, e seguro-a mais perto do meu peito, enquanto eu ando pelo saguão.

"Não muito,” eu digo, mas lembro que ela só recuperou parte do peso que ela perdeu quando ela me deixou. Eu não posso deixar de lembrar a agonia que eu senti quando ela não estava em minha vida. Meu rosto despenca.

"O que foi?” Ela pergunta com uma voz alarmada.

"Você ganhou um pouco do peso que você perdeu quando você me deixou," eu digo, calmamente, com angústia, enquanto eu aperto o botão de chamada do elevador.

"Hey". Sua voz é serena. Seus dedos seguram meu rosto me fazendo olhar para ela. ”Se eu não tivesse ido, estaríamos aqui de pé, assim, agora?” Ela pede sondando.

Eu sorrio. Não, não estaríamos. ”Não,” eu digo enquanto as portas do elevador se abrem. Eu me inclino e beijo-a depois que eu entro no elevador,  com ela em meus braços. ”Mas eu saberia que eu poderia mantê-la segura, porque você não iria me desafiar."

Às vezes eu sinto falta de controle. Não gostaria, contudo, de trocar o que temos agora, que nunca teria ocorrido se ela não tivesse sido desafiadora. Todo o toque, a proximidade, o casamento tudo teria sido um sonho inalcançável, distante, para mim. Seu desafio é um pequeno preço a pagar.

"Eu gosto de desafiar você,” diz ela estreitando os olhos.

"Eu sei. E isso me faz assim... muito feliz,” eu digo sorrindo para ela.

"Mesmo que eu esteja gorda?” Ela pergunta. Seu comentário me faz rir. ”Mesmo que você esteja gorda,” eu digo beijando-a, a nossa conexão fica mais aquecida, coloca o meu sangue fervendo. Ela tece os dedos no meu cabelo, me segurando contra ela, e nosso beijo, o tango de nossas línguas, é inebriante. Totalmente sensual. O elevador pára na cobertura, as portas abertas e estamos ambos sem fôlego. Eu não mudaria isso por nada no mundo.

"Muito feliz,” murmuro minha declaração. O meu olhar está escuro, o meu sorriso é lascivo e é a nossa primeira noite como marido e mulher. O que é melhor do que o batismo pela primeira vez da casa com sexo enlouquecedor?

"Bem vinda ao lar, Sra. Grey," eu sussurro, enquanto meus lábios bloqueiam novamente nos dela, e então eu sorrio para ela.

"Bem-vindo, Sr. Grey," ela responde sorrindo para mim.

Eu ando por todo o hall de entrada, o corredor, o salão, e coloco-a na ilha da cozinha, fazendo-a sentar-se, com as pernas balançando. Eu pego duas taças de champanhe e uma garrafa de Bollinger da geladeira. Abro a garrafa e despejo o champanhe rosa pálido em cada taça, e entrego-lhe uma delas. Eu separo suas  pernas, e movo-me entre elas, ficando cara a cara com ela.

"Aqui, a nós, Sra. Grey," Eu levanto a minha taça.

"A nós, Sr. Grey,” ela sussurra, sorrindo timidamente. Nós tilintamos as taças e ela levanta-a aos lábios para tomar um gole.

"Eu sei que você está cansada agora, após a longa viagem de volta para casa,” eu sussurro, enquanto eu esfrego o nariz contra o dela. ”Mas eu realmente gostaria de ir para a cama, e não para dormir,” eu digo beijando o canto de sua boca. ”É a nossa primeira noite de volta aqui, e você é realmente minha,” eu digo e vejo um arrepio percorrer seu corpo. Eu planto um beijo suave em sua garganta. É o início da noite, e para os moradores de Seattle, não é hora de ir para a cama ainda, mas, novamente, eles não viajaram tão longe como nós, também.



****  *****

Eu acordo sentindo o estranho silêncio ser quebrado por um suspiro profundo. Eu sinto seu olhar em mim. Meus olhos estão pesados ​​de sono. Mas imediatamente sentindo alguma coisa errada, eu estou bem acordado. Encontro Anastasia olhando para mim com uma espécie de preocupação.

"O que há de errado?" Pergunto imediatamente.

"Nada. Basta voltar a dormir,” diz ela com um sorriso tranquilizador. Oh, ela está com jet-lag, ela não consegue dormir. (N.T. Jet Lag é um distúrbio do sono causado por viajar longas distâncias com diferenças de horário.) Eu me alongo, e espanto o sono para longe do meu rosto e, em seguida, sorrio para ela.

"Jet Lag?” eu pergunto-lhe.

"É isso que isso é? Eu estou incapaz de dormir.”

"Eu tenho a panacéia universal aqui, só para você, baby,” eu digo sorrindo, e ela revira os olhos, enquanto ri. Mas a próxima coisa que eu vejo, são  dentes que roçam minha orelha enviando arrepios ao meu núcleo, e meu pau está  bem acordado.

O ato de fazer amor pesado nos deixa ambos sem fôlego, e cansados, e agradavelmente afugenta jet lag e pesadelos acabam com o súbito aumento dos feromônios. Quando eu acordo de novo, as primeiras luzes do dia de Seattle estão se infiltrando no nosso quarto. Eu calmamente levanto-me, entro na minha roupa de malhar e me encaminho para baixo, para o ginásio, com Taylor. É bom estar voltando para a minha rotina;  me dá uma sensação de controle e alivia muito a tensão.
Quando eu volto do treino, eu vou para o nosso quarto. Minha presença desperta Anastasia. Ela está gloriosamente nua sob os lençóis, e é um atrativo para mim, mas nós temos um dia cheio pela frente. Fomos convidados para a casa dos meus pais para almoçar com a família.

"Chuveiro?” eu pergunto.

"Sim,” diz ela sentando, deixando o lençol cair fora de seu corpo, fazendo-me suspender minha respiração. Eu largo minha toalha da academia no chão, distraído, e carrego minha esposa para fora da cama, e levo-a até o banheiro com seus protestos risonhos.

Ela olha as malas no caminho para o banheiro. Gemidos.

"Eu tenho que desarrumar hoje antes de irmos para seus pais,” ela reclama.

"Deixe a Sra. Jones fazê-lo,” eu respondo. ”Apenas relaxe esta manhã. Mas eu vou ter que fazer algum trabalho,” seu rosto despenca, mas, em seguida, ela coloca seu sorriso brilhante, reservado para quando ela quer mascarar suas verdadeiras emoções.

"Não, eu acho que vou me manter ocupada enquanto você está trabalhando,” ela responde.

****  *****

É quase meio-dia quando estamos no Audi R8, dirigindo para a casa dos meus pais pela I-5, em direção à ponte 520. O humor de Anastasia está abandonado embora ela tente escondê-lo. Ela distraidamente esfrega o couro de seu assento, e deixa escapar: "Você me deixaria dirigir esse?" Me surpreendendo.

"É claro,” eu respondo-lhe sorrindo.” O que é meu é seu. Embora se você amassá-lo, eu iria levá-la para o Quarto Vermelho da Dor,” eu digo olhando para ela com um sorriso diabólico, incitando-a.


"Você está brincando. Você me puniria por amassar o seu carro? Você ama seu carro mais do que você me ama?” Ela pergunta em tom de provocação.

"Perto,” eu a provoco de volta, enquanto minha mão se estende para apertar seu joelho. ”Mas ele não me aquece durante a noite," eu digo com um sorriso lascivo.

"Tenho certeza de que isso poderia ser arranjado. Você poderia dormir nele,” ela me devolve, em um tom de ciúmes, e sua resposta me faz rir. É tão bonito e tão normal.

"Nós não estivemos em casa nem um dia e você já está me chutando para fora?" Eu pergunto-lhe, encantado. Ela olha para mim como se ela estivesse olhando para uma experiência científica bizarra, confusa com a minha reação.

"Por que você está tão contente?” Ela me testa. Eu dou-lhe outro sorriso dividido de orelha a orelha.

"Porque essa conversa é tão normal,” eu respondo. Tão normal que eu sinto que eu ansiava por ela depois dos últimos dias estressantes com preocupação.

"Normal!” ela diz bufando. ”Certamente, não depois de três semanas de casamento!” ela diz, e eu sinto o ar sugado para fora dos meus pulmões, drenando minha energia. Será que ela realmente acha que isso é tão ruim? Eu só estava brincando com ela.

"Eu estou brincando, Christian,” diz ela imediatamente. Mas seu humor também está desaparecido. Sua disposição muda para desconsolada.

"Não se preocupe, eu vou ficar com a Saab,” ela murmura desviando o olhar para a estrada do lado de fora de sua janela. Por que ela está com um humor tão ruim?

"Hey! O que há de errado?" Eu pergunto a ela, sem poder esconder minha preocupação.

"Nada,” responde ela. Se eu aprendi alguma coisa com o Curso de Mudança de Humor de Anastasia 101, é que, "nada" não é nunca "nada,”  mas sempre alguma coisa; na verdade um monte de ‘algumas coisas’.

"Você é tão frustrante às vezes, Ana. Basta dizer-me! " Eu digo exasperado.

Ela se vira e dá-me um olhar, acompanhado por um sorriso. ”De volta para você, Grey," ela diz. Merda! Eu fiz algo de novo. Eu franzo a testa em resposta.

"Eu estou tentando corrigir os meus caminhos,” eu digo com uma voz suave.

"Eu sei. Eu também,” diz ela, e sua simples admissão levanta um pouco os nossos humores.

Somos recebidos na porta por minha mãe, e ela nos leva para o terraço, onde todos os membros da família, assim como Katherine e Ethan estão reunidos. Meu pai está manejando a grelha com seu chapéu de chef inclinado para o lado, e seu avental Licenciado para Grelhar. Anastasia deve achá-lo muito engraçado; porque toda vez que ela olha para sua direção, ela sorri e balança a cabeça, imperceptivelmente. Meu irmão está novamente em seu modo habitual brincando, usando um monte de insinuações sexuais. Nós acabamos trocando um monte de insultos amigáveis ​​e discutindo os novos planos para a nossa casa, enquanto minha mãe e Mia estão criando saladas e acompanhamentos sobre a mesa do terraço. Ouço Ethan e Kate questionando Anastasia sobre a nossa lua de mel e os lugares que visitamos. Eu falo com o meu irmão enquanto eu seguro a mão de Anastasia, brincando com seus anéis, distraído. Sua empresa deve remodelar a nossa nova casa e torná-la mais "verde" e favorável ao meio ambiente.

"Então, se você puder obter os planos finalizados com Gia, eu tenho uma janela de setembro até meados de novembro e posso colocar todo o pessoal nisso,” diz Elliot, que se alonga suavemente e prende sua namorada apertado.

Isso me lembra de que tenho programado com Gia para vir amanhã, para que possamos seguir em frente com nossos planos. Eu quero que a nossa casa seja concluída em breve.

"Sim, Gia deve vir discutir os planos amanhã à noite,” eu respondo-lhe. ”Espero que possamos finalizar tudo, então,”  eu digo olhando para minha esposa.  ”Claro,” ela responde sorrindo, mas o sorriso não alcança seus olhos. Ela ainda está de mau humor. Que diabos está acontecendo? Quando a atenção de todos é desviada para outro lugar, seu rosto desaba novamente como se o seu cachorro acabasse de morrer. Ela está perdida em seus pensamentos mais uma vez. Eu tenho que descobrir o que a está comendo, mesmo que eu tenha que levá-la para a casa de barcos para uma surra prolongada e uma sessão de foda!

"Ana! Você ainda está no sul da França?" Pergunta Katherine. Ela sempre mete o nariz na hora errada.
                                                                                                                                            
"Sim,” responde Anastasia com um pequeno sorriso. O tipo de sorriso que você mostra para a companhia, mas realmente não tem significado.

"Você parece tão bem,” ela cumprimenta Anastasia.

"Vocês dois estão," minha mãe concorda.

"Para o casal feliz!" Meu pai diz erguendo a taça e todos na mesa brindam.
                                                                                                               
"E, claro, parabéns a Ethan por entrar no programa de psicologia em Seattle,” diz Mia, elogiando seu namorado.

Todos na mesa perguntam-nos sobre a nossa lua de mel, e os lugares de nosso itinerário. Ana permanece em silêncio, distante, então eu preencho por nós dois e falo sobre a nossa visita à Irlanda, Londres, Paris, sul da França, e as excursões no Fair Lady. Ana só fica em branco, emburrada, e desolada. Nada do que eu diga ou faça a levanta. Elliot derruba acidentalmente seu copo de vinho no terraço, e para não manchar, todo mundo se movimenta para limpá-lo. Aproveitando a oportunidade eu inclino-me no ouvido de Anastasia:

"Vou levá-la para a casa de barcos e, finalmente, espancar você lá, se você não sair desse humor,” eu sussurro.

A primeira reação animada que recebo dela desde esta manhã é ofegar. Ela olha para mim chocada.

"Você não ousaria!” Ela rosna. Oh, baby! Quão pouco você me conhece, e quão tentadora é sua incredulidade! Eu levanto minha sobrancelha para ela, esperando que ela diga a próxima coisa para mim, apenas para levá-la. Pela  direção dos olhos de Anastasia viajando por toda a mesa, Katherine deve estar nos observando, mas eu não dou a mínima para ela. Anastasia é a minha mulher! Eu bato, eu fodo, eu beijo, e faço amor: ela é minha esposa, e eu preciso descobrir o que diabos a está comendo!

"Você teria que me pegar primeiro, e eu estou usando sapatilhas,” ela sussurra.
.
"Eu me  divertirei tentando,” eu sussurro, com um sorriso lascivo. Ela cora carmesim. Mas eu decido manter meu olho nela até que seu humor esteja completamente mudado.

Depois que terminamos nossas sobremesas, a chuva começa a cair e todos nós saltamos para nossos pés, com nossos pratos e copos na mão, correndo para dentro. Minha mãe está contente que a chuva não começou até que acabamos com a nossa refeição e sobremesa. Vamos lá para dentro, e eu olho o piano dos meus pais. O piano onde passei muitas horas praticando quando criança. Pressiono o pedal do silencioso e começo a tocar baixinho. Anastasia senta e socializa com a minha família. Enquanto  eu toco as notas de Wherever You May Go”, eu começo a cantar a letra baixinho para mim mesmo. Em menos de um minuto a sala está completamente e estranhamente silenciosa, e eu sinto todos os olhos em mim. A primeira vez que eu cantei na frente de qualquer membro da minha família, que não Anastasia,  foi no dia do nosso casamento. Isso foi um choque para todos, mas eu acho que é um choque maior para eles agora, porque, eu posso fazê-lo sem pensar.

Charlene Soraia - Wherever You Will Go

Quando eu paro de cantar e olho para trás,  para minha família, minha mãe suavemente me impele a ir em frente. Acho que ela acaba de promover Anastasia ao nível dos santos depois de ouvir-me cantar uma segunda vez, confirmando que não foi apenas um acaso. Através da minha visão periférica, eu a vejo abraçando Anastasia e eu ouço seus alegres ‘obrigados’.

"Oh, querida garota! Obrigada, muito obrigada!"  Ela pronuncia, completamente eufórica, como quando ela me ouviu falar pela primeira vez. Eu a ouço dizendo a Anastasia que ela está indo fazer um chá com uma voz rouca. Essa é a sua desculpa para ir para a cozinha e derramar lágrimas em particular.

Levanto-me e vou para as portas francesas e olho para fora,  imerso em pensamentos. Anastasia se pavoneia em minha direção.

"Oi,” ela me cumprimenta.

"Oi,” eu respondo, puxando-a para perto de mim, eu envolvo meu braço ao redor da cintura dela e ela coloca a mão no meu bolso de trás.

"Você está se sentindo melhor agora?" Eu pergunto. Ela balança a cabeça afirmativamente.

"Bom".

"Você certamente sabe como silenciar uma sala,” diz ela.

"Eu faço isso o tempo todo,” eu digo sorrindo.

"Sim, você faz no trabalho, mas não aqui."

"Isso é verdade; não, não aqui."

"Então, esta é apenas a segunda vez que eles ouviram você cantar? O nosso casamento e agora?"

"Eu suponho que sim,” eu observo friamente. Ela não tem idéia da profundidade dos meus sentimentos por ela, o que eu faria, como ela me afeta, o que me obriga a fazer apenas por estar na minha vida. De repente, eu quero levá-la para casa, e ter o meu caminho com ela, me perder nela. Eu sinto meu corpo aquecendo, o desejo correndo através de mim. ”Vamos?" Eu pergunto.

Ela desvia o olhar para o meu rosto tentando avaliar o meu humor, tentando entender o que eu estou pensando.

"Você vai me espancar?” Ela pergunta em um sussurro. Imediatamente todos os meus sentidos estão em modo de alerta total, e eu estou completamente focado nela. Meus olhos escurecem, minha boca seca, minhas pupilas dilatam, e meu pulso acelera.

"Eu não quero te machucar, mas eu fico mais do que feliz de jogar,” eu digo sensualmente. Ela cora e olha ao redor da sala para ver se alguém está perto de nós. Então, eu me inclino em seu ouvido, e sem fazer contato, sussurro, "Só se você se comportar mal, Sra. Grey," eu digo, e eu sei que ela está em um nó apertado por dentro,  procurando maneiras de se comportar mal.

"Eu vou ver o que posso fazer,” ela responde com uma voz sussurrada.

"Não vamos perder tempo, então,” eu digo pegando a mão da minha esposa, pronto para sair. Nós dizemos nosso adeus à minha família e amigos, e à medida que caminhamos para o R8, eu jogo as chaves do carro para ela.

"Aqui,” eu digo. ”Não o amasse,"  Eu olho para ela estreitando os olhos, tentando  ser o mais sério  possível, ”ou eu vou ficar muito puto." Sua boca fica aberta, incapaz de acreditar que eu vou deixar ela dirigir meu carro . Você não tem idéia do que eu deixaria você fazer, baby.

"Você tem certeza?” Ela fala sem som, completamente atônita.

"Sim, antes que eu mude de idéia,” eu digo e eu tenho que dizer, eu nunca vi seu riso tão grande antes. Eu abro a porta do motorista, e antes que eu chegue ao lado do passageiro, ela liga o carro, ansiosa para ir.

"Ansiosa, Sra. Grey?"  Pergunto ironicamente.

"Muito,” responde ela animadamente.

Ela lentamente recua o carro, e dirige-se à autoestrada. Esse é de transmissão manual, e eu não sei se ela vai parar o carro ou não. Mas quanto mais cedo ela ganhar uma surra, mais divertido para nós dois. Sawyer e Ryan sobem no Audi SUV e dirigem atrás de nós. Quando Anastasia está à beira da estrada, pronta para entrar na estrada principal, ela se vira para mim e pergunta.

"Você tem certeza disso?"

"Sim,” eu digo com uma voz firme, mas todos os meus instintos gritam não! É claro que eu não tenho nenhuma confiança em suas habilidades de condução. Eu a vi dirigir como um morcego fora do inferno em sua armadilha mortal de carro antes, e ela fez a mesma coisa com o seu Saab. Lentamente, ela avança o R8 para a estrada, e noto que estou segurando com força, meus músculos tensos, eu estou agarrando tão forte, que minhas juntas branqueiam. E minha esposa aperta o maldito acelerador, atirando-nos para a frente! Que diabos foi isso?

"Whoa! Ana! " Eu grito em voz alta. ”Devagar, ou você vai nos matar!"

"Desculpe,” ela murmura, tentando parecer desolada, mas falhando miseravelmente. Eu sorrio para ela, contando suas contravenções.

"Bem, Sra. Grey, isto conta como se comportar mal,” eu digo casualmente, e seu pé imediatamente levanta o pé do acelerador, nos atrasando consideravelmente. Seus olhos dardejam para o espelho retrovisor. Eu sigo seu olhar. O Audi SUV está longe de ser visto. Há apenas um Dodge preto com janelas escuras atrás de nós enquanto nós estamos abrindo caminho para a ponte 520. Meu Blackberry vibra no bolso de trás da minha calça, e com a frustração aumentada eu amaldiçoo um epitáfio.

"O quê?" Eu rosno para Sawyer.

"Estou no viva-voz, Sr. Grey?” Ele pergunta com uma voz plana.

"Não,” eu respondo.

"A Sra. Grey está dirigindo o R8, senhor?"

"Sim. Ela está,” eu respondo e meus olhos derivam para o espelho retrovisor, e os olhos de Anastasia seguem os meus, cruzando olhares no espelho.

"Okay. Há um suspeito seguindo você. Nós já verificamos a placa do Dodge preto alguns carros atrás do R8, e ele está  com placas falsas. Elas são roubadas, e há uma grande possibilidade de que o motorista do carro suspeito talvez seja o criminoso que estamos procurando, senhor.”  Porra! Eu mentalmente amaldiçoo.

"Entendo," eu suspiro a minha exasperação longa e dura, minha mão voa para minha testa esfregando forte, a tensão está escorrendo para fora dos meus poros.

"Nós estamos tentando alcançá-lo, senhor, mas enquanto isso, você pode fazer  a Sra. Grey acelerar e colocar alguma distância entre você e o suspeito?"

"Sim..." eu digo, mas eu não sei se posso confiar nas habilidades de condução de Anastasia em situações estressantes.  ”...Eu não sei,” acrescento eu. Vejo Anastasia olhando para mim com pânico em seus olhos. Pânico pode nos matar a ambos. Eu abaixo o telefone e pressiono-o no meu peito, e me dirijo apenas a Anastasia.

"Nós estamos bem. Continue indo,” eu digo e tento dar-lhe um sorriso tranquilizador.

"Nós estamos indo para tentar cortar o motorista, mas ainda estamos atrás de alguns carros, e o motorista está tentando alcançá-lo rapidamente, senhor. Como o tráfego parece na 520? "

"Tudo bem na 520."

"Ótimo! Assim que você estiver na 520, então, faça a  Sra.  Grey  apertar  o acelerador,  e  rápido siga para a I-5.”

"Assim que atingirmos..."

"Sim, então, a Sra. Grey acelera para colocar alguma distância entre vocês e o suspeito..."

"Sim ..."

"Seria melhor se você deixasse a Sra. Grey saber que você está sendo seguido, senhor. Dessa forma, ela pode entender a urgência, e você pode colocar-nos em mãos-livres e dirigi-la, enquanto eu lhe dou atualizações sobre o que o outro motorista está tentando fazer,” diz ele.

"Eu vou,” eu digo com relutância. Assim que eu desligo o telefone eu o coloco na entrada de mãos-livres, Anastasia olha para mim questionando.

"O que há de errado, Christian,” ela pergunta.

"Basta olhar para onde está indo, baby,” eu digo em um tom suave. O meu olhar está sobre a estrada à frente, na direção da rampa de entrada da 520 para Seattle.

"Eu não quero que você entre em pânico,” eu digo com uma voz suave. ”Mas assim que nós estivermos adequadamente na 520, eu quero que você pise no acelerador. Estamos sendo seguidos.” Ela suspira, e sua boca fica aberta. Seus olhos dardejam no espelho retrovisor. Agora ela sabe que o Dodge é o veículo que está nos seguindo.

"Mantenha seus olhos na estrada, baby," Eu persuado minha mulher suavemente.

"Como você sabe que está sendo seguido?” Ela pergunta em um sussurro ofegante, macio.

"O Dodge atrás de nós tem placas falsas.” Eu respondo sucintamente. Anastasia dá sinal de entrada para chegar até a rampa da 520. Não está chovendo mais, mas é final da tarde, e o tráfego está razoavelmente leve. Graças a Deus, hoje é domingo. Ouço Anastasia tomar uma respiração profunda. Seu peito sobe e desce. Seu olhar desvia para o espelho retrovisor novamente. Anastasia fica mais lenta, e o pânico se eleva em mim! Não é a porra do momento para reduzir! O Dodge também retarda atrás de nós. Em seguida, Anastasia troca a marcha,  e pisa no acelerador; o R8 pula para a frente para a rampa de acesso da 520, colando-nos em nossos lugares. Eu olho o velocímetro, e ele está a 120 km por hora. Demorou menos de sete segundos para o R8 chegar a 120 km por hora. Estes 6,8 segundos são o suficiente para dar um choque elétrico no meu coração, e meus nervos.

"Calma, baby,” eu digo em uma voz calma, embora existam tornados fervendo dentro de mim. Nossas vidas estão em jogo pelo maníaco atrás de nós, e pelas habilidades menos que perfeitas de condução de minha esposa e meu maldito pessoal de segurança, cujas cabeças vou arrancar, se e quando pudermos chegar em casa em segurança!  Anastasia está tecendo entre duas faixas de tráfego, como o jogo Frog Hopper. Ela está tão malditamente perto das laterais, que quando eu olho para o lado, mais parece que estamos dirigindo na água. Meu olhar está atirando punhais, estou irritado e nervoso, e se meus pais estão certos, Anastasia vai nos fazer, os dois, andarmos sobre a água! Ela está me ignorando completamente. Minhas mãos estão segurando uma a outra, tão apertadas que eu estou surpreso que eu não quebrei um dedo ou um osso. Mas, eu tento manter meus pensamentos para mim mesmo para eu não torná-la ainda mais nervosa, colocando-nos em perigo ainda maior.

"Boa menina,” eu consigo respirar meu encorajamento para ela. Eu olho para trás, e ela pode ter perdido o suspeito.

"Eu não posso ver o Dodge," murmuro.

"Estamos bem atrás do suspeito, Sr. Grey," Eu ouço Sawyer explicar.

"Bom. Sra. Grey está indo bem. Com essa velocidade, desde que o tráfego permaneça leve, e do que eu posso ver está, estaremos fora da ponte em poucos minutos.”

"Senhor,” ele concorda.

Nós voamos passando a torre de controle da ponte, e nós já estamos na metade do caminho através do lago Washington. Os olhos de Anastasia dardejam para o velocímetro que está mantendo uma velocidade constante de 120 km por hora.

"Você está indo muito bem, Ana," murmuro, e meu olhar dardeja de volta para trás.

"Onde eu estou indo?” Ela pergunta em um tom surpreendentemente calmo.

"Sra. Grey, direto para a I-5 e, em seguida, para o sul. Queremos ver se o Dodge segue você por todo o caminho,” diz Sawyer. Mantemos a corrida para diante, com a porra de uma sorte de ter encontrado os sinais verdes.

Anastasia olha para mim nervosamente, e eu dou-lhe um sorriso tranquilizador. Mas quando eu olho para a frente, há uma fila de trânsito, que vamos encontrar ao sair da ponte.

"Merda!" Eu praguejo baixinho e com amargura. Nós dois olhamos para trás e identificamos o Dodge cerca de dez carros atrás de nós.

"Dez ou mais carros atrás?” ela pergunta.

"Sim, eu o estou vendo,” eu digo.”  Eu me pergunto quem diabos é ?" Se  Anastasia não estivesse comigo, eu iria parar e espancar o motorista até cair.

"Eu também. Não sabemos se é um homem dirigindo? " Pergunta Anastasia.

"Não, Sra. Grey. Poderia ser um homem ou uma mulher. O tom é muito escuro, senhora.”

"Uma mulher?"  Eu pergunto. Essa possibilidade nunca me ocorreu.

Anastasia dá de ombros e pergunta: "Sua Sra. Robinson?” ela arrisca, com o olhar fixo na estrada. Eu imediatamente enrijeço e tiro o telefone fora da base para evitar que meu pessoal de segurança  se aprofunde em nossos assuntos pessoais.

"Ela não é minha Sra. Robinson:"  Eu rosno para ela. Pelo amor de Deus!  "Eu não falo com ela desde o meu aniversário. E Elena não faria isso. Não é o seu estilo.”

"Leila?"

"Ela está em Connecticut com seus pais. Eu lhe disse,"  Eu digo completamente exasperado.

"Você tem certeza?” Ela me sonda mais, colocando-me através da Inquisição espanhola. Faço uma pausa. Eu saberia se ela estivesse fora de seu estado. Sua família assinou documentos afirmando que iria informar Flynn. Meus pagamentos a ela estão condicionados a esse fato.

"Não. Mas se ela tivesse fugido, eu tenho certeza que os pais dela fariam Flynn saber. Vamos discutir isso quando estivermos em casa. Concentre-se no que você está fazendo,” eu a aviso.

"Mas esse pode ser algum carro aleatório,” ela oferece ajuda.

"Eu não vou correr quaisquer riscos. Não onde você está envolvida," eu devolvo para ela. Será que ela não entende o quão importante ela é para mim? Eu coloco o Blackberry de volta em sua base, e mais uma vez estamos em contato com a minha equipe de segurança.

Felizmente, o tráfego começa a diminuir e Anastasia consegue acelerar mais para o  cruzamento da Mountland em direção à auto-estrada I-5, e mais uma vez estamos jogando o Frog Hopper.

"E se a gente fosse parado pela polícia?” ela pergunta.

"Isso seria uma coisa boa,” eu respondo. Porque o criminoso não teria escolha, senão decolar.

"Não para minha licença de dirigir,” ela responde.

"Não se preocupe com isso,” eu digo. Eu posso conseguir isso esclarecido em um momento. Ela pisa de novo e estamos de volta aos 120 km. Mas o Dodge atrás de nós está acelerando para alcançar-nos. Anastasia aperta o acelerador novamente e o R8 salta para 135 km/h.

"Ele está abrindo o tráfego e pegou velocidade. Ele está fazendo 145 km/h, senhor,” diz Sawyer.

Anastasia aperta o acelerador novamente, e estamos a 150 km/h enquanto nos aproximamos da interseção da I-5.

"Mantenha, Ana," Eu a incentivo. Anastasia desacelera um pouco para se mesclar ao fluxo do tráfego da auto-estrada. Então rapidamente ela se move para a pista mais imediatamente a esquerda. Nós voamos para a frente.

"Ele atingiu 160 km por hora, senhor."

"Fique com ele, Luke," eu exclamo para Sawyer.

Um caminhão entra na pista rápida, cortando Ana, fazendo-a pisar nos freios, e somos empurrados para frente. Somos apenas mantidos no lugar por nossos cintos de segurança.

"Fodido idiota!" Eu amaldiçoo o motorista. ”Passe na frente dele, baby,” eu digo com os dentes cerrados. Ela verifica os espelhos e corta pela direita através de três vias, passando veículos mais lentos, para se deslocar de volta para a pista rápida, novamente.

"Bom movimento, Sra. Grey," eu digo impressionado. ”Onde estão os policiais quando você precisa deles?" Eu reclamo.

"Eu não quero uma multa, Christian,” ela murmura. ”Você teve uma multa dirigindo isso?” Ela pergunta.

"Não,” eu respondo com sinceridade, divertido e sorrindo.

"Você já foi parado,” ela pergunta me vendo sorrir.

"Sim".

"Oh," ela diz, com um tom interrogativo.

"Charme, Sra. Grey. Tudo se resume a charme. Agora se concentre. Onde está o Dodge, Sawyer? "

"Ele está a cento e oitenta, senhor,” diz ele.

Há um Mustang à nossa frente, e ele não vai sair do nosso caminho.

"Pisque o  farol," Eu ordeno a Ana.

"Mas isto me faria uma babaca,” ela responde. Esta é realmente a maldita hora de ter cortesia?

"Então, seja uma babaca!" Eu a mordo.

"Uhm. Eu não sei onde está o farol,” diz ela.

"O pisca-pisca. Puxe-o em sua direção.”

Ela, então, pisca o motorista, e ele fica fora do caminho, mas não antes de mostrar a minha mulher o dedo médio.

"Ele é o babaca,” eu digo baixinho.

"Saia na Saída Stewart!" Eu ordeno a Anastasia.

"Nós estamos tomando a saída da Rua Stewart," Eu informo a Sawyer.

"Vá direto para o Escala, senhor."

Anastasia diminui, verifica seus espelhos, sinaliza e movimenta-se por quatro pistas da rodovia para a rampa de saída. Nós viramos para a Stewart Street, em direção ao sul.

"Temos muita sorte com o tráfego. Mas isso significa que o Dodge tem, também. Não abrande, Ana. Leve-nos para casa,” eu digo.

"Eu não consigo me lembrar do caminho,” ela murmura com pânico crescente.

"Dirija para o sul na Stewart. Continue indo até que eu diga quando,” eu a lembro, ansiosamente. Ela voa pelos últimos três blocos, e o sinal fica amarelo em Yale Avenue.

"Avance o sinal, Ana!" Eu grito, e ela pisa no acelerador.

"Ele está tomando a Stewart," Sawyer nos informa.

"Fique com ele, Luke."

"Luke?"

"Esse é o nome dele,” eu respondo irritado. Ela se vira e olha para mim. Porque é que a atenção de minha esposa pode ser perturbada por coisas simples, como um nome?

"Olhos na estrada!" Eu a mordo.

"Luke Sawyer,” ela repete para si mesma.

"Sim!" Eu estou completamente exasperado. Que porra é essa, Ana?

"Ah,” diz ela, como se ela estivesse fazendo uma nota mental.

"Sou eu, minha senhora,” Sawyer se junta à conversa. Isso é surrealmente fodido. Estamos sendo seguidos e minha esposa e o porra do  segurança estão falando o nome dele!

"O suspeito está descendo a Stewart, senhor. Ele está realmente ganhando velocidade.”

"Vai, Ana. Menos da porra da conversa fiada,” eu rosno para ela.

"Estamos parando no primeiro sinal da Stewart," Sawyer nos informa.

"Ana, rápido! Aqui!”  Eu aponto um estacionamento no lado sul da Boren Avenue. Anastasia vira, os pneus cantando e ela desvia para o estacionamento lotado.

"Dê a volta. Rápido! "  Eu ordeno. ”Ali!" Eu digo apontando para um espaço no estacionamento. Seu olhar se alarga.

"Apenas faça esta porra,” eu digo, e ela estaciona perfeitamente.

"Estamos escondidos no estacionamento entre Stewart e Boren," Eu digo para o Blackberry.

"Ok, senhor,” diz Sawyer irritado que não fomos para o Escala. ”Fique onde estão, nós vamos seguir o suspeito."

Dirijo-me a Anastasia para ver se ela está bem.

"Você está bem?"

"Claro,” ela responde em um sussurro. Eu sorrio debochado em resposta.

"Quem está dirigindo o Dodge não pode nos ouvir, você sabe."

Ela dá uma gargalhada catártica.

"Estamos passando agora Stewart e Boren, senhor. Estou vendo o estacionamento. Ele passou direto por você, senhor.” Nós dois expiramos de alívio.

"Muito bem, Sra. Grey. Boa condução,” eu digo acariciando o rosto de minha esposa com meus dedos. Anastasia salta com o contato, como se eu a tocasse com um fio desencapado. Ela inspira profundamente.

"Isso quer dizer que você vai parar de reclamar sobre a minha condução,” ela pergunta, me fazendo rir em voz alta.

"Eu não iria tão longe a ponto de dizer isso."

"Obrigado por me deixar conduzir o seu carro. Sob tais circunstâncias excitantes, também, " ela diz, mas sua voz racha no final.

"Talvez eu devesse levar agora".

"Para ser honesta, eu não acho que eu posso sair agora para deixá-lo sentar-se aqui. Minhas pernas parecem de Jello,” (N.T. gelatina) diz ela, e ela começa a tremer, quase violentamente.
                                                                                                                                                  
"É a adrenalina, baby,” eu digo.

"Você fez incrivelmente bem, como de costume. Você me assombra, Ana. Você nunca me deixou na mão,” eu confesso tocando seu rosto com as costas das minhas mãos, suavemente. Eu amo essa mulher, e eu estou totalmente preocupado com ela, os riscos de segurança que acabam de  apresentar-se tão perto de nós, tão perto de machucá-la, eu não acho que eu possa lidar com outro incidente como este novamente! Anastasia começa a chorar.

"Não, querida, não. Por favor, não chore,” eu digo e chego até ela. Desabotoando o cinto de segurança, eu a puxo para o meu colo por sobre o console, e a embalo em meus braços. Ela soluça baixinho em meus braços. Eu fico assim segurando-a em meus braços, acalmando-a.

"O suspeito diminuiu fora do Escala. Ele está procurando,” diz a voz de Sawyer, assustando-nos.

"Siga-o,” eu ordeno. Anastasia limpa o nariz com as costas da mão.

"Use a minha camisa,” eu digo beijando sua testa.

"Desculpe,” ela murmura.

"Por quê? Não se preocupe.”

Ela limpa o nariz mais uma vez, e eu inclino seu queixo para cima e beijo seus lábios.

"Seus lábios são tão macios quando você chora, minha linda, garota corajosa,” eu sussurro.

"Beije-me outra vez."

Eu congelo no lugar, porque com toda a adrenalina correndo pelo meu corpo, a minha mulher em meus braços, eu não acho que eu posso só beijá-la e deixar por isso mesmo.

"Beije-me,” ela respira, e eu tenho outro momento  'foda-se a papelada!’, inalando bruscamente. Eu me inclino sobre ela, tirando o Blackberry de sua base,  lançando-o no assento do motorista. Então, minha boca está na dela, e minha mão direita move-se em seu cabelo, segurando-a no lugar. Minha mão esquerda segura o rosto dela, e a minha língua invade sua boca. As mãos dela apertam meu rosto, seus dedos percorrem as minhas costeletas, ela me beija febril. Eu gemo com sua resposta vigorosa, com um ruído gutural profundo. Eu abaixo minhas mãos para seus seios, roçando, até sua cintura e sua bunda. Ela continua se movendo e criando atrito sobre o meu pau.

"Ah!" Eu digo quebrando nossa conexão, talvez sem querer, completamente sem fôlego.

"O quê?" Ela murmura sem deixar meus lábios.

"Ana, estamos em um estacionamento em Seattle."

"E daí?"

"Bem, agora eu quero foder você, e você está se movendo em torno de mim, e é desconfortável,” eu digo.

"Foda-me então,” diz ela beijando minha boca. O quê? Agora? Aqui? Logo depois de uma perseguição de carro ameaçadora, com risco de vida?

"Aqui?" É tudo o que posso perguntar com uma profunda voz rouca.

"Sim. Eu quero você. E eu quero você agora!” Diz ela.

Inclinando minha cabeça para o lado, eu obtenho uma boa olhada de minha esposa. Ela está muito quente, e eu estou morrendo de vontade de estar dentro dela. ”Sra. Grey, que cara de pau!” eu sussurro. O desejo se desfralda dentro de mim, e eu capturo os cabelos na nuca, segurando-a no lugar, e minha boca captura a dela, beijando-a com força. Minha mão patina para baixo de seu corpo, sobre sua coxa. Ela enlaça com os dedos o meu cabelo.

"Estou tão feliz que você está vestindo uma saia,” murmuro, e deslizo a mão sob sua saia azul e branca, acariciando sua coxa. Ela se contorce no meu colo, fazendo chiar o ar através de meus dentes. Porra!

"Fique quieta," Eu rosno para ela, cobrindo seu sexo com a minha mão, e isto a imobiliza. Meu polegar suavemente esfrega sobre o clitóris, e sua respiração trava em resposta. Ela se move novamente.

"Imóvel," eu sussurro minha ordem. Eu a beijo mais uma vez enquanto o meu polegar está circulando sobre a renda fina transparente sobre seu sexo. Dois dos meus dedos encontram o caminho para o seu sexo através da beirada da calcinha.

"Por favor,” ela sussurra.

"Oh, Sra. Grey. Você é uma garota tão gananciosa,” eu digo, meu dedo fodendo com ela. ”Perseguições de carro a excitam?"

"Você me excita,” ela responde, me fazendo sorrir. Vou fodê-la duro e rápido aqui no meu carro.

Eu coloco meu braço sob seus joelhos e levanto-a e coloco seu corpo de frente para o pára-brisas.

"Coloque as pernas de cada lado das minhas," eu ordeno. Ela faz o que eu digo. Correndo a mão pelas suas coxas, eu puxo a saia para cima.
"Mãos nos joelhos, baby. Incline-se para frente e levante essa gloriosa bunda no ar. Cuidado com a cabeça.”

Eu me desloco sob ela e desabotoo as calças, puxo meu zíper para baixo, minha ereção salta livre. Eu coloco um braço em volta da cintura dela e com a outra mão puxo a calcinha rendada para o lado e enfio meu pau em seu sexo, com um movimento rápido, enterrando-o profundamente.

"Ah,” ela grita, e atrita seu sexo em mim, fazendo com que a respiração silve através dos meus dentes. Meus braços serpenteiam em volta dela indo até seu pescoço, e eu inclino sua cabeça para trás para um lado, me aproximando, beijando sua garganta. Com a outra mão, eu seguro seu quadril e ambos começamos a nos mover.




Enquanto ela empurra para cima, eu afundo-me nela, dentro e fora, profundo, forte e rápido. Ela geme alto. Com uma mão, ela agarra o freio de mão e sua mão direita está contra a porta. Eu capturo o lóbulo da orelha com os dentes e mordo, e depois puxo sua orelha enquanto eu a perfuro com  meu pau martelando de novo e de novo, repetidamente. Ela por outro lado sobe  e desce em sincronia comigo, em um ritmo perfeito. Eu movo minha mão em volta debaixo da saia até o ápice de suas coxas, e os meus dedos estimulam seu sexo através da calcinha transparente.

"Ah!" Ela geme novamente.

"Seja. Rápida. baby,” eu respiro em seu ouvido, através dos meus dentes cerrados, com a minha outra mão ainda enrolada em seu pescoço. ”Precisamos fazer isso rápido, Ana,” eu digo aumentando a pressão dos meus dedos contra seu sexo e seu clitóris.

"Ah!" Ela geme, e eu sinto dentro dela o aperto familiar de seus músculos.

"Vamos lá, baby,"  Eu  tento persuadi-la com uma voz rouca em seu ouvido. ”Eu quero ouvir você."

Ela geme novamente, em voz alta desta vez, e eu rosno o seu nome em voz alta, minha respiração em seu pescoço, ainda fodendo duro, e ainda estimulando seu clitóris e seu sexo.

"Sim!" Eu assobio quando eu martelo meu pau dentro dela, enquanto uma onda de orgasmo ondula através dela, se espalhando em seu corpo, e dentro de mim, através de nossa conexão. Eu gozo em voz alta, chegando ao clímax profundamente dentro do seu sexo.

"Oh, Ana," murmuro. O que ela me faz fazer. Eu corro o meu nariz ao longo de sua mandíbula e beijo-a suavemente em seu pescoço, bochecha, e suas têmporas, enquanto ela cai sobre mim, completamente acabada.

"Tensão aliviada, Sra. Grey?"  Eu pergunto, meus dentes em torno de seu lóbulo da orelha novamente. Ela só geme contra mim, incapaz de falar. Sua resposta física me faz sorrir.

"Certamente ajudou com a minha,” acrescento eu. ”Você perdeu sua voz?"

"Sim,” ela murmura.

"Bem, você é uma criatura devassa? Eu não tinha idéia de que você era tão exibicionista ".

Ela senta-se imediatamente, alarmada.

"Ninguém está assistindo, está?” Ela pergunta, nervosa.

"Você acha que eu ia deixar alguém ver a minha esposa gozar?"  Eu pergunto, tranquilizando-a, enquanto eu a acaricio de volta.

"Sexo Carro,” ela exclama.

Eu rio para ela em resposta, enquanto eu enfio uma mecha de seu cabelo atrás da orelha.

"Vamos voltar. Eu vou dirigir,” eu digo e, finalmente, a nossa preciosa conexão é interrompida. Precisamos ir para casa.

Bruce Springsteen - I'm on Fire



18 comments:

Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Como sempre maravilhoso vcs estão de parabéns, por favor o próximo logo rsrs , bjs

Fer G. said...

Quanta Adrenalina,hein? Esse Christian me mata.Obrigada Neusa,obrigada Emine.beijoss

Pao said...

Tengo 2 preguntas
1 ¿Es mi computador o el titulo dice ¨Las dole lar¨?
2 ¿Emine en relación a Alex Pella en este libro el ya conoce a Ellie? ¿O la historia de éles después de la de Christian?
Bueno seguiré leyendo, tenía esas dudas.

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Ah Christian, Christian, Christian Grey!!!
Maravilhoso como sempre!!!
Obrigada Neusa e Emine...ótimo final de semana e até terça!!!
Beijos

Pao said...

A cada día me gusta más y más esta historia, amo a Christian. Sigo esperando la parte cuando él se entera que ella está embarazada. Por favor Neusa otro capítulo de Alex urgente porque está en una parte muy importante. Gracias a ambas por su trabajo. Emine por cierto genial la historia de Alex, super entretenida.

Olidelgi said...

Christian é o máximo, né??? Nossa, foi demais esse capítulo, bem excitante e irresistível. Bom demais. Obrigada, Neusa, por mais esse capítulo. Bjs

Anonymous said...

Christian Grey é maravilhoso! Que história linda, alucinante. Casal dos sonhos! Sortuda a Anastasia. Obrigada Emine e Neusa.

Anonymous said...

Estou louca pelos proximos capitulos!!!! Como sempre maravilhoso o nosso Christian!!!!!

Bjs Lala

Lucia Branco said...

Otimo

Lucia Branco said...

Otimo

Anonymous said...

Ah!!!! Chistian!!!!! Isso é que é homem! Obrigada Emine e Neusa por nos proporcionar esses momentos.
Beijos
Chuquinha

Glenda Castro said...

Como sempre maravilhoso,apaixonada por esta história,muito sortuda Anastásia...Ai ai Cristian!!!

Glenda Castro said...

Como sempre maravilhoso.Sortuda Anastásia!

Anonymous said...

Maravilhoso, muito viciante *-------*
Parabéns Emine e Neusa... Carol Dutra

Aline Caroline said...

Quanta adrenalina *o*
Ótimo,Ótimo,Ótimo!!!
Desespero gente mal voltaram a lua de mel e já acontece isso, nada como sexo no carro pra aliviar as tensões kkk
Obrigada Neuza e Emine *-*

Anonymous said...

O que posso dizer, acompanho este blog algum tempo mais nunca comentei... Li os livros 4 vezes e sentia um vazio depois de terminar, foi quando encontrei este blog com a versão do Christian... só posso dizer que AMO cada capítulo, já estou lendo pela segunda vez e me emociono sempre novamente, parabéns Emine, você é o máximo!!! E obrigada Neusa pela tradução perfeita, vocês fazem nossos dias mais felizes!!!
Só senti falta de você Emine falar dos momentos em que o Christian bate fotos da Ana, pois quando ela vasculha o Blackberry dele (depois do episódio da gravidez) ela encontra muitas fotos dela que ele tirou durante a lua de mel, achei isso muito fofo e romântico, e aqui neste capítulo quando ele está observando ela dormir e coloca o copo de vinho no chão, quando li o livro achei que era a máquina fotográfica... fiquei um pouquinho frustrada por não termos lido nada sobre isso... Mas você nos deslumbra com outros muitos detalhes. MUITO OBRIGADA, bjos Emine e Neusa,
Lorena

Daniela Martins said...

Hello, meninas!
Perseguiçao + adrenalina + Christian + Ana = combinaçao sexual explosiva!
Para mim, Christian é o homem mais arrebatafor que existe! E o mais lindo, mais sexy, mais amatoso, mais tudo de bom sempre!
E passei a gostar mais ainda dele lebdo este POV!
Perfeito, Emine!
Bjkas
Dani
;-)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry