StatCtr

Thursday, May 9, 2013

Livro II - Capítulo XX - Christian Grey e Anastasia Steele



CAPÍTULO VINTE
VENHA PARA CASA COMIGO

Tradução: Neusa Reis


Indico a Anastasia para virar à esquerda para o norte em direção à Interstate 5. Anastasia aperta o acelerador tão rápido que, primeiro me empurra de volta para o meu lugar, em seguida, ela solta o acelerador, percebendo a potência  de seu carro, e sou jogado para o painel onde eu mal tenho tempo de me agarrar com relativa segurança.

"Inferno, Ana, calma," eu a repreendo. Acho que ela está muito acostumada com seu motor de três e meio cavalos de potência de seu Fusca, depois que  trinta e seis e meio deles morreram há muito tempo, o que, possivelmente, lhe exigia apertar o acelerador até embaixo, a cada vez, para chegar até 40 km por hora, a fim poder arrastar todo esse peso morto! Mas neste é suficiente apenas tocar o acelerador para chegar a oitenta - todos os cavalos de potência ainda são garanhões, sem necessidade de forçar o acelerador. Ela convenientemente revira os olhos para mim enquanto Van Morrison começa cantando "Uma noite ‘fantabulosa’ para fazer romance, debaixo da cobertura dos céus de outubro..." e acelera de novo!

"Devagar, Ana!" Eu percebo que estou levantando minha voz enquanto eu me seguro no painel, mais uma vez.

"Tudo bem! Estou diminuindo! Sheesh!" ela diz. Que mulher frustrante! É impossível tê-la simplesmente obedecendo, sem hesitação, e quando o faz, é um porra de um milagre, o que requer um aleluia! Eu suspiro.

"O que Flynn disse?" Pergunto ansiosamente. Tradução: Ele te disse para chutar a minha bunda? Melhor ainda, o que você perguntou a ele? Por que foi necessário eu estar fora da sala? Eles estavam com medo de que eu fizesse a minha própria hipótese? Estou preocupado, estou ansioso, estou apaixonado; eu quero saber!

"Eu já lhe disse, Christian. Ele disse que eu deveria dar-lhe o benefício da dúvida," diz ela, e sinaliza para encostar o carro. Que diabos ela está fazendo? Ela conseguiu sua carteira de motorista no mercado de peixe de Pike, ou o quê?

"Que diabos você está fazendo?" Eu grito em pânico. Eu nunca sei o que ela vai fazer!

"Eu vou deixar você dirigir,” diz ela com calma.

"Que diabos, porque?"

"Porque eu quero olhar para você,” diz ela me fazendo rir em voz alta.

Oh, não, Srta.Steele! Você estava tão insistente ao ponto de brigar para dirigir. Vou aproveitar isso e deixá-la dirigir.

"Não, não, não, não Srta. Steele," eu digo com um brilho nos meus olhos. "Lembre-se, você queria dirigir. Você pode dirigir, e eu por outro lado, vou conseguir olhar para você." Sendo Anastasia, ela não está muito feliz por não ser do seu jeito, e me encara de frente.

"Meu Deus, Anastasia! Mantenha seus olhos na estrada!" Encontro-me gritando. Em vez disso o que ela faz? Ela olha para a estrada e dirige com segurança? Não, é de Anastasia que estamos falando, que sempre faz o inesperado. Ela rapidamente encosta no meio-fio, logo antes de um semáforo, rapidamente estaciona, e apenas sai furiosa para fora do carro batendo a porta atrás dela , e corre para a calçada, cruzando os braços em um gesto defensivo e seus olhos brilham para mim com fúria! Mas que diabos! Eu rapidamente saio do carro para levá-la de volta ao carro.

"O que você está fazendo Ana? Você não pode estacionar aqui!" Pergunto furioso, de pé a apenas alguns centímetros de distância dela e olhando-a.

"Eu sei que eu não posso!” Ela encara de volta para mim.

"Por que você fez, então?" Eu pergunto, completamente exasperado com ela.

"Você tem que perguntar a mim, por quê? Porque eu estou cansada de você rosnando um fluxo constante de ordens para mim! Ou cala a boca sobre a minha condução e para de ser o motorista do assento do lado, ou dirija o maldito carro você mesmo!”

Não podemos simplesmente estacionar no meio da rua, em um semáforo, porque Anastasia decide fazer uma birra!

"Ana, volte para o carro antes de conseguir uma multa aqui!"

"Não,” ela grita com teimosia.

Ela me frustra e me deixa zangado! Me deixa louco! Responde para mim, fica frente a frente comigo, e até mesmo na porra de um semáforo, ela me põe louco! Mesmo com raiva, a atração entre nós é quase palpável e fora deste mundo. Mesmo com raiva estamos excitados. Eu odeio e eu adoro isso. Eu me sinto vivo com ela! Eu expiro uma golfada de ar e desisto. Eu corro minhas mãos pelo meu cabelo em dupla exasperação. Irritado e excitado, e ansioso, e estupefato, eu só olho para ela, mudo. Em um humor inalterado, ela começa a sorrir para mim. Sério? Aqui? Quando estamos brigando, justo quando eu estou irritado, ansioso e excitado, e quase pronto para fodê-la na rua para dar-lhe um porque, ela sorri para mim?

"Para quem diabos você está sorrindo?" Eu rosno para ela.

"Você,” ela responde divertida. Bem, eu estou feliz que eu sou o espetáculo secundário proporcionando a diversão aqui. Minha mulher é a garota mais frustrante, e pelo amor de Deus, eu não podia me contentar com qualquer outra que não fosse ela.

"Baby, você é a mulher mais frustrante do planeta,” eu digo levantando minhas mãos em sinal de rendição. "Tudo bem! Eu vou dirigir,” eu digo pronto para voltar para o carro e ela agarra minha jaqueta me puxando para ela.

"Eu posso ser a mulher mais frustrante, mas então, você, Sr. Grey é o homem mais frustrante do planeta,” diz ela exasperada.

Ela é feita para para mim! Nós encaixamos como uma luva bem-feita. "Bem, Srta. Steele, acho que somos feitos um para o outro,” eu digo suavemente, inclinando-me para sua orelha, enquanto eu corro meu nariz em seus cabelos, inalando o cheiro dela profundamente. Seus braços se enrolam em volta do meu corpo, enquanto eu seguro sua cintura e estamos abraçados desta maneira em uma esquina, o carro estacionado em frente a um semáforo. Eu finalmente sinto a tensão deixar seu corpo.

"Deus... Ana, Ana, Ana," eu sussurro, enquanto eu beijo seus cabelos, e ela só me abraça mais forte, e só assim, o nosso estresse é aliviado, e fazemos as pazes.

I hate you then I love you - Celine Dion e Luciano Pavarotti

Desta vez, pegando a mão dela eu digo: "Vamos, vamos indo,” e a levo até a porta do passageiro, e tenho certeza que ela entra, então, finalmente, ando para o lado do motorista. Com um último olhar para ela, eu ligo o carro, e passo para o tráfego. Eu ligo Van Morrison,  “Moondance", desde o início. Eu sempre amei essa canção, e com um humor descontraído, eu distraidamente começo a cantar junto.

Moondance - Van Morrison

Well, it's a marvelous night for a moondance
With the stars up above in your eyes
A fantabulous night to make romance
Neath the cover of October skies
And all the leaves on the trees are falling
To the sound of the breezes that blow
And I'm trying to please to the calling
Of your heart-strings that play soft and low
And all the nights magic seems to whisper and hush
And all the soft moonlight seems to shine in your blush

Can I just have one a more moondance with you, my love
Can I just make some more romance with a-you, my love
[ Lyrics from: http://www.lyricsfreak.com/v/van+morrison/moondance_20143043.html ]
Well, I wanna make love to you tonight
I can't wait 'til the morning has come
And I know that the time is just right
And straight into my arms you will run
And when you come my heart will be waiting
To make sure that you're never alone
There and then all my dreams will come true, dear
There and then I will make you my own
And every time I touch you, you just tremble inside
And I know how much you want me that you can't hide

Well, it's a marvelous night for a moondance
With the stars up above in your eyes
A fantabulous night to make romance
Neath the cover of October skies
And all the leaves on the trees are falling
To the sound of the breezes that blow
And I'm trying to please to the calling
Of your heart-strings that play soft and low
And all the nights magic seems to whisper and hush
And all the soft moonlight seems to shine in your blush

One more moondance with you in the moonlight
On a magic night
La, la, la, la in the moonlight
On a magic night
Can't I just have one more dance with you my love

 Dança Ao Luar

Bem, está uma noite maravilhosa para uma dança ao luar
Com as estrelas acima dos seus olhos
Uma noite fantabulosa para se fazer romance
Abaixo da coberta dos céus de Outubro
E todas as folhas nas árvores estão caindo
Sob o som das brisas que sopram
E eu estou tentando agradar ao chamado
Das fibras do seu coração que tocam com maciez e lentamente
E toda a magia da noite parece sussurrar e silenciar
E toda a suave luz da lua parece brilhar no seu rosto corado

Posso ter apenas mais uma dança ao luar com você, meu amor?
Posso fazer um pouco mais de romance com você, meu amor?

Bem, eu quero fazer amor com você esta noite,
Eu não posso esperar pela manhã que chegará
E eu sei que a hora é certa
E direto para meus braços você correrá
E quando você vier meu coração estará esperando
Para ter certeza de que você jamais estará sozinha
Ali e depois, todos os meus sonhos se tornarão realidade, querida.
Ali e depois eu te tornarei minha
E cada vez que te toco, você treme por dentro
E eu sei o quanto você me quer, você não consegue esconder.

Posso ter apenas mais uma dança ao luar com você, meu amor?
Posso fazer um pouco mais de romance com você, meu amor?

Bem, eu quero fazer amor com você esta noite.
Eu não posso esperar pela manhã que chegará
E eu sei que a hora é certa
E direto para meus braços você correrá
E quando você vier meu coração estará esperando
Para ter certeza de que você jamais estará sozinha
Ali e depois todos os meus sonhos se tornarão realidade, querida.
Ali e depois eu te tornarei minha
E cada vez que te toco, você treme por dentro
E eu sei o quanto você me quer, você não consegue esconder.

Posso ter apenas mais uma dança ao luar com você, meu amor?
Posso fazer um pouco mais de romance com você, meu amor?

Posso ter apenas mais uma dança ao luar com você, meu amor?
Posso fazer um pouco mais de romance com você, meu amor?


Pela minha visão periférica, eu vejo Anastasia virar e olhar para mim com a boca caindo aberta em estado de choque, de me ver cantar, e então ela franze a testa. O quê? Eu não acho que meu canto foi tão ruim assim... Mas eu continuo cantando todo o tempo de qualquer maneira e em um minuto ou menos, eu vejo seus traços suavizarem. Uma vez que a canção termina eu viro para ela e sorrio.

"Anastasia, você sabia que se tivéssemos conseguido uma multa, a multa teria ido para você, porque o título de propriedade deste carro está em seu nome,” eu digo lembrando-a.
Logo que Van Morrison começa a cantar 

Days Like This - Van Morrison 

Anastasia diz: "Então é uma coisa boa que eu tive uma promoção. Eu posso pagar uma multa de estacionamento ilegal, Sr. Grey," orgulhosamente,  me fazendo suprimir um sorriso.

Entro na direção Norte da Interstate 5. Anastasia me olha com curiosidade, completamente inconsciente e totalmente curiosa para saber para onde estamos indo.

"Onde você está nos levando, Christian,” ela pergunta superada pela curiosidade.

"É uma surpresa. Diga-me, o que mais Flynn disse para você?” Eu peço. Ela sabe que eu estou mudando de assunto, e sua pergunta não vai ser respondida. Desistindo, ela suspira.

"Dr. Flynn disse que você está tentando SSFFTB ou algo assim,” diz ela.

"É chamado SFBT; ele representa a Solução Focada em Terapia Breve. É a opção mais recente de terapia que ele está tentando em mim,” murmuro quase para mim mesmo.

Ela parece surpresa. "Você quer dizer que você tentou outras opções de tratamento?"

Eu bufo, lembrando de todas elas. 50 Tons de fodido não se limpam facilmente e até agora nada funcionou, mas esta parece ser um pouco mais eficaz. Eu brevemente volto-me para ela e, em seguida, olho de volta para onde eu estou dirigindo. "Eu tenho sido submetido a todas as opções de tratamento disponíveis, baby. Os trabalhos... Freud, Gestalt, o cognitivismo, o funcionalismo, o behaviorismo, enactivismo... Ao longo dos anos, os psiquiatras tentaram tudo em mim,” eu digo amargamente. E nada funcionou. Nada... penso  ressentido. Bem, não até agora. Até que eu conheci Ana. Ela é minha terapia. É por isso que o medo de perdê-la é tão assustador. Se eu a perder, vou me perder. A pergunta de Anastasia retira-me dos meus devaneios.

"Você acha que esta abordagem em particular será útil,” ela pergunta, mas eu não quero pensar nisso agora.
"O que mais Flynn disse para você?"

"Ele me disse para não me debruçar sobre o seu passado; em vez disso me concentrar em seu futuro onde você quer estar,” diz ela. Eu sei, ele continua dizendo a mesma coisa, então eu aceno que sei, mas também eu o rejeito, encolhendo os ombros ao mesmo tempo. Minha mente ainda está ocupada tentando descobrir o que mais se discutiu uma vez que eles estavam lá sozinhos por 28 minutos. Tem que ser muito mais do que isto que ela está dizendo.

"Vá em frente, o que mais?" Eu investigo mais. Eu quero saber tudo.

"Em seguida, ele falou sobre seu medo de ser tocado, mas ele usou um nome científico para isso,” diz ela tentando lembrar o termo que ele usou, mas incapaz. É chamado haphephobia, mas eu não a interrompo. Concordo com a cabeça, para que ela continue.

"Então, ele também falou sobre seus pesadelos, e eu acho que ele os chamou terrores noturnos, e ele também falou sobre a sua auto aversão,” diz ela olhando para mim, tentando avaliar minha reação. Aparentemente Flynn tentou pôr tudo para fora para o benefício de Anastasia, sem um julgamento  subjetivo, mas em sua sempre presente maneira psiquiátrica. Eu estou perdido em pensamentos, tentando avaliar o que tudo isso significa para nós, distraidamente mastigando meu dedo mínimo. Mais importante ainda, o que ela acha de tudo isso é o que eu pergunto a mim mesmo e volto-me para olhar para Anastasia. Mas desta vez ela me repreende:

"Mantenha seus olhos na estrada Sr. Grey, não em mim."

Obter informações de Anastasia é como arrancar dentes. "Vamos, Anastasia..." eu incentivo, "Você estava no escritório de Flynn conversando com ele para sempre. Tenho certeza que vocês conversaram sobre outras coisas. O que mais ele disse?” Pergunto determinado a ouvir cada palavra que foi proferida.

Ela olha para frente e engole. O quê?

"Dr. Flynn não acha que você é um sádico,” ela sussurra em voz baixa.

Huh... "Sério?" Pergunto suavemente, e em desacordo com a sua avaliação, eu franzo a testa. Eu sou um sádico, e é aí que Flynn e eu discordamos. Apesar de eu não ter mais a compulsão com Anastasia desde que voltamos a estar juntos. Embora o medo de que algum dia possa voltar está sempre presente, me preocupando. Porque eu sei que Anastasia me deixaria se eu alguma vez praticar qualquer uma das merdas que eu costumava  praticar. O pensamento é deprimente.

"Dr. Flynn estava dizendo que a psiquiatria não reconhece o termo desde os anos noventa,” diz ela em um só fôlego. Dou um gemido interior. Sua avaliação é toda teórica. O que essas teorias sugerem e o que eu sinto, ou sentia, são duas coisas diferentes. A idéia que eu tinha esses impulsos até recentemente é deprimente, escurecendo o meu humor; eu exalo uma golfada de ar lentamente,  em frustração.

"O bom doutor e eu divergimos  nessa avaliação,” me vejo dizendo em voz baixa.

Anastasia dá de ombros. "Dr. Flynn disse que você tende a sempre pensar o pior de si mesmo. Eu sei que isso é verdade. Acho que ele também falou sobre o sadismo sexual e ele disse que era diferente, porque era uma opção de vida, e que isso não era uma condição psiquiátrica. Eu não sei se é isso que você está pensando,” ela murmura insegura, mas sua conclusão me deixa louco, e eu dou um olhar penetrante para ela, com raiva, e minha boca está desenhada em uma linha fina. Eu soube minhas malditas tendências durante anos. Eu sou fodido; não há nenhum modo de lisonjeá-lo ou imaginá-lo, e fazer com que pareça melhor. Eu sou depravado. Eu despejo minha raiva em Anastasia.

"Yeah! Você vai e fala com Flynn uma vez, e de repente você é uma expert!” Eu digo drasticamente, minhas palavras pingando ácido, possivelmente ferindo os sentimentos de Anastasia.

"Ouça Christian, você ficou me importunando para saber o que o Dr. Flynn tinha dito. Se você não quer ouvir sobre isso, então não me pergunte,” diz ela com uma voz suave. Ela vira a cabeça para o lado, para longe de mim e olha pela janela, para nenhum lugar em particular; ela apenas está se distanciando. Apenas perdida em seus próprios pensamentos. Eu não posso aguentar seu silêncio. É pior. Eu quero saber. Eu tenho que saber. Porra! Eu me comportei como um imbecil de novo!

"Eu quero saber sobre o que vocês dois conversaram,” eu digo quando eu, finalmente, saio da autoestrada na direção oeste enquanto o dia está chegando ao fim. É o crepúsculo.

Ela suspira e responde lentamente. "Dr. Flynn me chamou de sua amante."

Finalmente concordamos em algo. "Chamou? Flynn não é nada se ele não for exigente com seus termos. Mas eu diria que é uma descrição precisa, Anastasia. Você não acha?"

"E suas subs? Você pensa nelas como suas amantes?” ela pergunta. Curiosidade ou ciúmes? Eu já sei a resposta para essa pergunta, mas pensando sobre o conteúdo dos meus relacionamentos passados com as subs, eu sei que não havia emoções envolvidas delas para mim, e eu certamente não amava nenhuma delas. Foi apenas sexo com elas.

"Não, elas nunca foram amantes, apenas parceiras sexuais,” murmuro. Este é um assunto delicado com ela, porque ela tem dificuldade em lidar com isso, de que eu tenho um passado... um passado que precisa de revisão. Eu quase a perdi novamente depois que Leila arrombou seu apartamento. Eu estou cauteloso e preocupado com a direção do tópico. Mas eu quero que ela saiba. Que só foi ela. "Você é minha primeira e única amante, Anastasia. Mas eu quero que você seja mais,” acrescento, lembrando-a que eu quero casar com ela.

"Eu sei, Christian. Eu só preciso de um pouco mais de tempo para arrumar minha cabeça em relação aos últimos dias,” diz ela, enquanto eu chego a um semáforo. Eu olho para seu rosto ansiosamente tentando decifrar suas palavras. Isso é um não? Ou será que ela só vai pensar? Quando a luz fica verde, eu forço meu olhar para a estrada na frente.

Nós fizemos um círculo completo quando Van Morrison começa a cantar "Moondance" novamente. Dirijo pelas estradas ladeadas por abetos e pinheiros, e, finalmente, verificando o meu mapa mental, eu faço uma curva em um bairro residencial, e me encaminho para o oeste em direção ao Sound (N.T. é o nome de uma profunda enseada estuarina do oceano Pacífico, localizada na costa noroeste dos Estados Unidos). A curiosidade de Anastasia desperta.

"Onde é que nós vamos, Christian?” ela pergunta mais uma vez, enquanto eu faço outra volta. Eu não vou dizer a ela até chegarmos lá.

"É uma surpresa, baby,” eu digo novamente. Paciência é uma virtude neste caso, Anastasia.

Nós dirigimos passando por bem cuidadas casas abastadas de madeira ou de vinil, de história única, com quintais. Há crianças que brincam nos quintais, ou andam de bicicleta no bairro. Eu finalmente chego ao meu destino depois de virar à esquerda, e chegar à propriedade com dois ornamentados portões de metal branco, fixados em uma parede de granito de dois metros de altura. Eu marco o código que me foi dado, e as portas se abrem. Eu estou nervoso agora. Sabendo que ela não me deu uma resposta ainda, ela se sentirá como se estivesse sendo forçada a tomar uma decisão? Colocando a carroça na frente dos bois? Oh merda! Espero que ela possa manter a mente aberta... Eu estava muito excitado vendo este imóvel no mercado, e eu queria colocar minhas mãos nele antes de mais alguém... Se Anastasia gostar dele. É minha esperança para mais. Eu olho para Anastasia nervosamente. Espero que ela goste! Espero que ela adore! Eu espero...

Ela está intrigada com a minha expressão, e cresce em preocupação.

"O que é Christian?” Ela pergunta.

"É apenas uma idéia,” eu digo, sem dizer nada, ainda esperando, e conduzindo o carro pelos portões. A estrada particular serpenteia para baixo em direção à casa e forrada com árvores de sombra; ela é larga o suficiente para acomodar dois carros. As árvores do lado esquerdo da estrada são mais densamente povoadas em oposição ao lado direito, que se abre para um prado. Ele é verde e exuberante e pontilhada de flores silvestres. Anastasia está espiando curiosamente para fora da janela, olhando as flores silvestres com as últimas luzes do sol poente.



O caminho finalmente se curva ao redor e a casa de estilo mediterrâneo com arenito rosa suave mostra sua impressionante estatura. O BMW preto da corretora de imóveis está estacionado na frente da garagem para quatro carros. Eu estaciono o carro fora do grande pórtico. Eu desligo o carro e viro para Anastasia mais ansioso do que nunca. Eu poderia ter uma noção da resposta dela depois que ela veja o que eu quero mostrar a ela.

"Você poderia manter uma mente aberta, Anastasia?" Eu peço em voz suplicante. Ela franze a testa para mim e eu conheço esse olhar. Ela vai responder com algo.

"Eu acredito que eu precisei de uma mente aberta desde o dia que eu conheci você, Christian,” diz ela, e como ela está certa. Concordo com a cabeça. "Opinião bem defendida, Srta. Steele. Vamos lá, então. "

A corretora de imóveis, a Srta. Olga Kelly sai pelas portas de madeira escura e pesada. Ela está ostentando seu cabelo castanho, um sorriso "pronta para fazer uma venda" e vestida com seu conjunto de cor lilás e saltos Louis Vuitton. O olhar de Anastasia está medindo-a, e embora ela tente esconder isso, ela não está feliz em ver outra morena e não gosta do olhar apreciativo da corretora de imóveis em mim. Sua possessividade me faz sentir um pouco melhor. Você já me possui, baby!

"Olá, Sr. Grey,” diz ela como saudação, com um grande sorriso e aperta minha mão.

"Srta. Kelly," eu respondo a sua saudação. Ela se vira para Anastasia para se apresentar.

"Sou Olga Kelly,” diz ela estendendo a mão a Anastasia.

"Ana Steele,” diz Anastasia, automaticamente, ainda incapaz de decifrar quem ela é. Olga Kelly fica de lado e deixa-nos entrar na casa. Quando entramos na propriedade, Anastasia olha em volta, completamente surpresa ao encontrar uma casa sem móveis. As paredes são agora um desbotado amarelo prímula, com marcas de quadros, onde os retratos de família devem ter sido uma vez pendurados, mostrando sua outrora aparência viva, parecendo  como se a casa vazia estivesse ansiosa para ser a casa de outra família feliz novamente. Uma coisa que é um remanescente dos antigos ocupantes é o candelabro pendurado de estilo antigo. Não é o meu gosto. Eu gosto de equipamentos modernos. Os pisos estão agora gastos e a cera desapareceu dos pisos de madeira de nogueira que também não são o meu gosto. Anastasia está sendo tomada pela casa, mas eu não estou interessado na casa. Se ela gosta do que está lá fora, eu vou comprar o imóvel, porque tenho a intenção de demolir a casa.

Eu puxo a mão dela, e a levo através da arcada para um vestíbulo interior, enquanto a escada dupla de ferro forjado tenta chamar a sua atenção para a sua antiga grandeza. Eu a levo através da grande sala de estar, que só abriga um tapete dourado desmaiado para combinar com as paredes desbotadas. Os olhos de Anastasia vagueiam para os  quatro grandes candelabros de cristal pendendo sozinhos do teto no salão. Mas não é isso que eu quero mostrar a ela também. Eu a puxo ainda mais através da sala: "Venha, nós não estamos lá ainda,” eu digo. Quando eu finalmente chego às portas duplas francesas, fico animado com a perspectiva de um cenário maravilhoso do quintal. Andamos através das portas abertas, e passamos para o grande terraço pavimentado com entorpecidos, grossos,  pisos  travertinos (N.T. tipo de mármore) de cor pálida, dando-lhes um charme do velho mundo. O pátio se abre para um gramado em declive, bem aparado, e mais abaixo é o Sound (N.T. O estuário) refletindo as últimas luzes cintilantes do dia.



O cenário que eu estou vendo é o reverso do que eu vejo do meu catamarã quando eu navego. Deste lado, podemos ver claramente a Ilha Bainbridge,  preguiçosamente jazendo à distância; além,  é o sol se pondo no horizonte ocidental sobre o Olympic National Park. As cores da noite são mágicas, como se houvesse um fogo no céu,  perfeitamente refletindo o estado de espírito em minha alma... todo excitado, mas tranquilo. A água está parada, o crepúsculo está pintando uma imagem celestial, e Anastasia está cativada, mal respirando. Meus olhos estão fixos sobre ela, ansioso para ver e ouvir a reação dela.

"Você me trouxe aqui para admirar esta bela vista, Christian?” Ela pergunta em um sussurro. Eu só posso concordar. Meu coração está na minha garganta. Eu quero esta vista a fim de abrigar o nosso futuro lar. Espero tê-la como minha esposa.

"A vista é simplesmente magnífica. Obrigado por me mostrar isto, Christian,” ela murmura virando a cabeça para trás para admirá-la mais um pouco. Eu quero dizer muito para ela. As emoções que eu estou sentindo agora são esmagadoras. Eu a quero na minha vida de forma permanente mais do que qualquer coisa. Eu quero que ela seja minha esposa; ela me dá esperança para mais. Esperança de uma família, mesmo... Como posso expressar perfeitamente o que eu penso,  o que eu quero, o que está em meu coração? Bastam as minhas próprias palavras? O que Charles Dickens expressa em Our Mutual Friend reflete meus sentimentos, de tal forma que eu não poderia ter dito melhor:

"Você sabe o que eu vou dizer. Eu te amo. O que os outros homens querem dizer quando eles usam essa expressão, eu não posso dizer; o que eu quero dizer é que, eu estou sob a influência de alguma tremenda atração à qual eu tenho resistido em vão, e que me domina. Você poderia me atrair para o  fogo, você poderia me atrair para a água, você poderia me atrair para a forca, você poderia me atrair para qualquer morte, você poderia me atrair para qualquer das coisas que eu mais tenho evitado, você poderia me atrair para qualquer exposição e desgraça. Isto e a confusão que há  em meus pensamentos, de forma que não sirvo para nada, eu quero dizer que você é a minha ruína. Mas se você der uma resposta favorável ao meu oferecimento de mim mesmo em casamento, você pode me atrair para algo de bom - todo bom - com a mesma força ".

Mas eu estou muito emocionado e tudo o que posso dizer em uma única respiração é: "O que você acharia de olhar para esta vista pelo resto de sua vida, Anastasia?"

Sua cabeça apenas gira para me olhar, a boca aberta e a expressão vazia. Ela parece tão atordoada e estupefata, que eu poderia tê-la derrubado com uma pena. (N.T. Quando uma pessoa está tão atônita, tão chocada, se mantendo em pé com tanta dificuldade, que até tocá-la com uma pena pode derrubá-la)

Eu não sei o que essa expressão significa. Mas, enquanto eu ainda tenho a coragem, eu continuo. "Eu sempre quis morar no litoral, e eu sempre naveguei para cima e para baixo o Sound, e talvez eu sempre cobicei uma dessas casas por causa deste cenário. E quando eu vi esta casa entrar no mercado, eu me interessei. Eu quero comprar a casa, e demoli-la e construir uma nova casa..." Eu digo, e engulo, ansioso para terminar o meu pensamento.  "... para nós, Anastasia," eu sussurro, meus olhos cheios de esperança, meu coração na minha mão, eu estou mais vulnerável do que eu já estive em muito tempo. Eu espero... Eu espero... A esperança é uma coisa boa, talvez a melhor das coisas. Eu espero ter um futuro com Ana... Eu espero por mais.

Ela ainda não diz nada. Será que ela não gosta da idéia? Eu a assustei? É outra das minhas merdas? Eu não sei! Diga algo Ana... um gesto pelo menos.

"É apenas uma idéia,” acrescento não querendo estragar ainda mais as coisas. Seus sentidos estão finalmente voltando para ela. Ela vira a cabeça e olha para trás, na direção da casa. Seu rosto é ilegível. Talvez legível, mas eu nunca vi essa expressão em seu rosto antes.

"Por que você quer demolir a casa?" Ela pergunta inesperadamente. Meu rosto despenca pensando que ela não gosta do lugar. Eu não posso fazer uma leitura sobre ela.

"Uhm... Eu queria construir uma casa ecologicamente mais sustentável. Elliot é experiente nisso, ele pode construí-la."

Anastasia olha para o interior da casa com ternura. Seus olhos se movem para a corretora de imóveis que está perto o suficiente para responder a todas as perguntas, mas longe o suficiente para nos dar privacidade. Em seguida, Anastasia olha para o teto com pé direito duplo que está fazendo o salão  parecer ainda maior. A escadaria do vestíbulo leva a uma varanda com vista para o salão. Uma intrincada lareira gigantesca é a peça central da sala, e há uma fila de portas francesas que se abrem para o terraço a partir do salão. Seu olhar não perde nada. O que ela diz a seguir, me surpreende ao máximo:

"Poderíamos, por favor, dar uma olhada na casa?"

O quê? Ela quer ver a casa? Isso significa que ela está interessada? Eu pisco com surpresa. "Claro,” eu digo encolhendo os ombros.

As palavras de Anastasia são como música para os ouvidos da Srta. Kelly, enquanto ela nos leva de volta para a casa, e ela acende como dinamite, e fica atrás de nós como uma galinha atrás de um inseto. Ela nos leva a um tour pela casa. Eu mal posso ouvir a Srta. Kelly, porque minha mente está preocupada tentando decifrar o que Anastasia quer dizer. Será que ela gostou da casa? Isso significa ‘mais’ para nós?

"Sr. Grey, Srta. Steele,” diz a Srta. Kelly, suas palavras cheias de mel. "Esta bela casa tem 1.600 metros quadrados e a propriedade está situada em seis hectares de terra, a maior parte da qual tem vista para o Sound. Como vocês viram do lado de fora, esta propriedade apresenta uma orla excepcionalmente privilegiada que mede bem mais de oitenta metros. Esta impressionante casa foi projetada por um arquiteto europeu conhecido. Esta sala principal ostenta tetos estilo catedral de 6 m de altura,” diz ela, enquanto ela nos leva junto com ela para a cozinha.

"Essa cozinha possui tamanho industrial, embora quente e encantadora, com azulejos espanhóis como roda banca (N.T. backsplash= rodabanca (termo de arquitetura) é uma faixa de cerâmica ou de granito, geralmente entre 7 e 15 cm de altura e 1 cm de espessura, aplicada sobre a parede de bancada de cozinha ou de banheiro para evitar respingos e dar acabamento) e mármore italiano no chão, como você pode ver. As bancadas foram todas trazidas da Espanha,” ela exclama. "Claro que pode acomodar grandes festas e foi construída para abrigar pelo menos dois chefs em  qualquer festa ou evento. À medida que avançamos pela sala de jantar, você pode ver que ela também pode acomodar grandes jantares festivos,” ela diz nos movendo depois dela. Eu observo Anastasia enquanto ela está prestando atenção em tudo que a Srta. Kelly está dizendo,  como um pecador em uma igreja.

"Srta. Steele, você gosta de ler?" Srta. Kelly pergunta a Anastasia. Anastasia olha intrigada.

"Sim, eu amo ler,” ela responde com um olhar interrogativo no rosto.

"Bem, você está com sorte! A próxima sala que eu vou mostrar para vocês é a biblioteca, e temos até uma sala de música, como na tradição das grandiosas casas antigas do Mediterrâneo. Há, naturalmente, um escritório bastante grande,” ela diz olhando para mim.



"Adjacente à cozinha,” diz ela, enquanto ela faz um gesto com a mão, "se você, por favor, vier por aqui,” guiando-nos para outra sala muito grande, "... é uma sala da família.” Os olhos de Anastasia se alargam, com a menção de 'família'. Oh Deus! Esperança cresce em mim.

"Há, claro, uma piscina coberta, um ginásio, uma sauna e um banho turco, tudo dentro do mesmo complexo de exercícios,” diz ela mostrando-nos todos os cômodos.

"Agora, se vocês me seguirem por este caminho,” ela nos diz, nos levando então por um corredor surpreendentemente bem iluminado, e nós descemos através de outra escada de ferro forjado para o subsolo.

"Aqui temos a sala de entretenimento com o seu teatro privado,” diz ela. Cadeiras reclináveis ​​de couro marrom escuro foram fixadas no lugar, e a tela de cinema branca está parecendo convidativa.

"Ao lado do teatro,” ela diz, nos levando para outra sala grande, "é que temos a sala de jogos." Anastasia olha imediatamente para mim, e cora. Eu mal posso esconder um sorriso para sua reação.

"Se vocês me seguirem para o segundo andar, por aqui,” diz a Srta. Kelly e nos leva até o segundo andar subindo a grande escadaria. As mãos de Anastasia acariciam as balaustradas de ferro forjado, como se ela estivesse confortando-o. Então ela se vira para mim e pergunta: "Christian, você não poderia fazer a casa existente mais ecológica e auto-sustentável? Deve ser factível."

O quê? Estou mais que chocado. Você está me dando esperança, Anastasia. Eu adoraria ter esperança, mas por que você não me respondeu ainda? Eu pisco para ela com surpresa.

"Possivelmente, mas eu teria que pedir ao meu irmão Elliot. Ele é o ecológico e especialista em sustentabilidade na construção civil." Ela concorda, acenando com a cabeça, perdida em pensamentos. Ao chegarmos ao segundo andar, a Srta. Kelly nos para dramaticamente diante de um quarto.

"Sr. Grey, Srta. Steele,” ela exclama diante das portas duplas de três metros escondendo um quarto grande. "Aqui temos a suíte master,” diz ela, em seguida abrindo as portas duplas, que nos permitem entrar na suíte master.

"A sala pode precisar de um pouco de TLC, (N.T. Tender Loving Care – muito amor e carinho) no entanto as janelas com altura total, e as balaustradas de pedra calcária da varanda, com vista para a água, fora desta suite, observando a Ilha Bainbridge são uma visão para morrer! Como você pode ver há uma doca 90’ e tem dois elevadores ,” diz ela admirando. Anastasia está hipnotizada e perdida na paisagem.

"Nós temos cinco quartos adicionais neste piso,” diz a Srta. Kelly e continua a turnê. Eu não estou ouvindo o que ela está dizendo depois disso. Estou muito ocupado assistindo Anastasia interagir com ela, como uma mulher que está se preparando para fazer uma casa para sua família. As palavras "seu preço é muito acima dos rubis,” ecoa na minha cabeça. (N.T. O título é uma citação bíblica. Provérbios 31:10, na tradução do rei James, que diz "Quem pode encontrar uma mulher virtuosa? Seu preço é muito acima dos rubis.") Ela é minha mulher. Mas ela não disse "sim" ainda. Por que não ela me deu uma resposta? Por que a tortura?

De alguma forma, a Srta. Kelly deve ter nos descido de volta para o salão. Ela se afasta para nos dar mais privacidade, e eu levo Anastasia pela mão para o terraço novamente. O sol se pôs completamente, e agora apenas as luzes cintilantes das cidades estão brilhando na superfície da água. Eu puxo Anastasia em meus braços, abraçando-a apertado, e com o meu dedo indicador, eu inclino seu queixo para cima e olho para ela procurando seu rosto.

"Isto é muito para segurar?" Eu pergunto. Eu tento manter meu rosto sem expressão, mas há furacões, tornados crescendo dentro da minha alma. Estou desesperado para ela aceitar minha proposta, para ser minha. Ela acena com a cabeça sem dizer nada.

"Eu queria ver se você gostava, antes que eu a compre."

"Quer dizer, se eu gostei da vista?" pergunta ela. Concordo com a cabeça em resposta, palavras tropeçando umas nas outras na minha garganta e não sai nada.

"Eu amo a vista Christian. Mas eu também gosto, não, amo a casa! Esta casa,” diz ela gesticulando com a mão. O quê? Esperança inunda meu coração.

"Você ama?" Eu pergunto.

Ela sorri seu sorriso tímido. "Eu amo, Christian. Você me ganhou no prado."

Suas palavras são a minha perdição, eu inalo profundamente com sua resposta, e sorrio de orelha a orelha, enquanto minha mão agarra seu cabelo com força e meus lábios descem nos dela, e o beijo consome nós dois. Eu estou no céu!

Agradecemos a Srta. Kelly, e eu digo a ela que ela será contatada com uma oferta.

O preço pedido é de 12,8 milhões de dólares. O imposto sobre a propriedade é mais cinqüenta e quatro mil por ano. E, no entanto, eu sinto, se eu comprar essa propriedade, vou estar fazendo um investimento para a minha família futura com Anastasia. Eu espero...

Após entrar no carro, eu dirijo-nos em direção a Seattle, e eu estou completamente eufórico.

"Então, você vai comprar a casa?" Anastasia pergunta.

"Sim, especialmente porque você gostou dela," eu respondo.

"Você vai colocar o Escala no mercado?" pergunta ela.

"Não, por que eu iria querer fazer isso?"

"Para pagar a outra..." ela para de falar. Eu sorrio para ela em resposta.

"Não se preocupe, baby, eu posso pagar."

"Christian, deixe-me perguntar uma coisa,” diz ela com curiosidade. "Você gosta de ser rico... você realmente gosta?"

Eu gosto do poder que o dinheiro me traz. Eu gosto da liberdade e controle que isto me dá. Eu respondo a Anastasia com sinceridade. "Sim. Mostre-me alguém que não gosta disso," eu digo ameaçadoramente. O fato é que todo mundo gosta de ser rico.

Ela parece desconfortável. Eu não quero que ela fique desconfortável perto de mim por causa da minha riqueza. Ela nunca esteve com fome. Ela nunca foi paupérrima. Ela nunca teve uma mãe que morreu na pobreza, que foi empurrada tão para baixo por causa disso; ela não conseguia sequer defender seu próprio filho. Mas, eu não quero Anastasia intimidada com a minha riqueza.

"Você vai ter que aprender a ser rica, isto é, se você disser sim para mim, Anastasia,” eu digo com uma voz suave.

Ela suspira. "É só que eu nunca quis ser abastada, ser rica, Christian."

"Eu sei, e esta é uma das coisas que eu amo sobre você. Mas por outro lado, você nunca esteve com fome,” eu digo. Não que eu jamais desejaria isto para ninguém. Mas essa é a realidade. Ela acena com a cabeça, e muda o assunto.

"Onde você está nos levando agora, Christian?" pergunta ela.

"Para celebrar sua função como editora substituta, é claro. Quão rapidamente você se esqueceu!" Eu digo.

"Oh, sim. Onde?" ela diz sorrindo.

"Nós estaremos comemorando no meu Mile High Club,” eu digo sorrindo.

"O seu clube?"

"Sim, um deles,” eu respondo.

"Onde ele fica?"

"Septuagésimo sexto andar da Columbia Tower,” eu digo sorrindo. (N.T. O mais alto arranha céu de Seattle). Os olhos de Anastasia estão arregalados.

Quando chegamos ao meu clube, nós nos sentamos no bar, enquanto esperamos por uma mesa com privacidade.

Eu estendo a Anastasia uma taça gelada de champanhe Cristal. "Gostaria de Cristal, madame?" Eu pergunto.

"Eu adoraria, senhor,” diz ela coquetemente, batendo os cílios para mim. Ela definitivamente está flertando comigo, e ela sabe o que isto causa em mim.

"Porque, Srta. Steele, você está flertando comigo?"

"Eu estou, Sr. Grey. O que você vai fazer sobre isso?”

Oh, eu posso pensar numa série de coisas. Mas, estou pensando na linha de frustração sexual sabendo como ela gosta de gratificação instantânea, e eu posso atrasar a minha própria urgência para mais tarde; afinal, a expectativa só amplifica a intensidade do resultado final. Ela está me fazendo sofrer toda a semana sem uma resposta, e a única maneira que eu posso retribuir é em espécie: frustrá-la da mesma forma.

"Srta. Steele, eu tenho certeza que eu posso pensar em alguma coisa,” eu digo em voz baixa, desejoso. "Vamos, a nossa mesa está pronta."

Eu pego o cotovelo de Anastasia, mas quando nos aproximamos de nossa mesa, eu me inclino e sussurro em seu ouvido: "Vá ao banheiro e tire suas calcinhas para mim." Ela pára instantaneamente, e com esperançoso desejo, ela levanta os olhos para mim.

"Vá agora," eu peço a ela em um sussurro. Ela procura o meu rosto para se certificar de que estou falando sério. Eu nunca estive mais sério sobre qualquer coisa hoje. Eu sinto sua mudança de comportamento para um devasso. Sem dizer uma palavra, ela me dá a taça de champanhe, e se vira se dirigindo para o banheiro.
Quando o garçom me instala na nossa mesa, ele pergunta:

"Gostaria de esperar pela senhora para pedir, senhor?"

"Não. Eu já sei o que queremos. "

"Certamente, senhor. O que posso fazer por vocês?”

"Para começar, eu quero uma ‘cama de ostras’." (N.T. prato de ostras com sua concha servido sobre gelo picado e com limão) Olhando para o cardápio eu digo: "Depois eu quero robalo, com aspargos, batatas salteadas e molho holandês para nós dois."

"Será tudo, senhor?"

"Sim, obrigado,” eu digo e o garçom corre para comandar nosso pedido.

Anastasia chega depois de alguns minutos. Eu me levanto quando ela retorna para a nossa mesa. Eu coloquei a minha fachada calma para seu benefício e dos outros clientes. Ela olha para ler a minha expressão, tentando decifrar o que vou fazer, mas incapaz.

"Sente-se ao meu lado,” eu digo a Anastasia, e ela desliza no assento ao meu lado.

"Eu já comandei para você, Anastasia, eu espero que você não se importe,” eu digo olhando para ela. Eu entrego a taça de champanhe. Ela me frustrou a semana toda esperando por sua resposta, me fazendo querer gritar, implorar mesmo que ela dissesse sim. No entanto, ela não disse nada, mas hoje à noite, eu também vou frustrá-la como ela me frustrou. No momento em que eu terminar com ela, o universo vai morrer de rir com a ironia! Olho por olho, Anastasia.

Não muito tempo depois que Anastasia está sentada ao meu lado, o garçom chega com a ‘cama de ostras’. Eu sorrio para ela com a lembrança do Hotel Heathmann e as ostras.


"Anastasia, se eu me lembro corretamente, você gostou de ostras na última vez que você provou-as,” eu sussurro em um tom sedutor.

"Essa foi a única vez em que eu provei ostras,” diz ela em um tom rouco, desejoso, lembrando-se. Sorrio para Anastasia sabendo que eu ajustei o fogo para queimar quente. O jogo começa!

"Srta. Steele, quando você vai aprender?" Pergunto divertido. Eu tomo uma ostra, e fazendo um show para tirar minha mão da minha coxa, eu levanto a mão. Eu vejo a respiração do Anastasia suspender, e todo o seu corpo tremer, em expectativa; ela e eu estamos muito sintonizados com o corpo um do outro. Mas eu tenho controle, eu sou o condutor. Quando ela vê minha mão alcançando uma fatia de limão, eu vejo a decepção cruzar seu rosto.

"Aprender o que?” Ela pergunta distraidamente. Saiba que posso torturá-la com o desejo insatisfeito, posso torná-la quente, e com desejo, e sem nenhum fim à vista, eu posso fazê-la implorar para que a toque. Eu quase posso ouvir o seu pequeno coração que vibra, sua jugular no pescoço está pulsando freneticamente. Eu espremo o limão sobre a ostra, e trago a concha aos seus lábios; eu sussurro  "coma".

Seus lábios se dividem com expectativa, mas o único contato que ela tem é com a concha da ostra. Eu não vou tocá-la de todo.

"Deixe sua cabeça cair para trás, baby,” eu sussurro em tom lascivo. Ela faz, e eu coloco a concha da ostra em sua boca e a ostra desliza para baixo na boca e eu posso ver sua garganta trabalhando para engoli-la sem problemas. Fodidamente sexy!

Eu pego outra concha de ostra, e espremo o limão, e a trago para os meus lábios, enquanto meu olhar está sobre o dela, e ponho a casca para trás e deixo a lâmina de ostras cair na minha garganta. Ela engole em seco, seus lábios partem para acomodar sua respiração. Eu pego outra concha de ostra, e outra fatia de limão e espremo na ostra novamente. Eu coloco uma mão no meu quadril e arrasto-a até minha coxa. Seu olhar vai para baixo para minha mão antecipando meu toque em sua perna, o que obviamente não acontece. Coloco a concha de ostra em seus lábios novamente, e mais uma vez eu a alimento, e assisto a ostra deslizar em sua garganta. Eu pego a próxima ostra para mim, e ela está quase ofegante. Eu continuo a minha tortura com todas as doze ostras. Eu não faço nenhum contato físico; apenas a idéia de tocar, a criação do desejo, expectativa, antecipação, mas nunca unindo pele com pele. Está deixando-a louca. Quando eu coloco minha mão de volta na minha coxa, seus olhos seguem minha mão ansiando, desejando. Eu corro minha mão ao longo do comprimento da minha coxa lentamente, e ela só olha para os movimentos de minha mão, quase pronta para  saltar em cima de mim na mesa.

Eu, então, faço uma cena ao levantar a mão da minha perna e colocá-la sobre a mesa. Ela olha para a minha mão como se fosse o grande prêmio em um game show; querendo, desejando.

Quando o garçom volta, o nosso prato principal é trazido, e ele também preenche nossas taças de champanhe. Quando Anastasia percebe o que eu pedi, ela sorri.

"Este é um prato favorito seu,  Sr. Grey?” Ela pergunta com um brilho nos olhos, lembrando  o Heathman.

"Ele certamente se tornou um, Srta. Steele. Embora, no Heathman,  foi bacalhau,” digo relembrando-a. Eu deixo minha mão de volta na minha coxa, novamente e a arrasto por cima dela. O meu olhar está sobre ela. Seu peito começa subindo e descendo em rápida sucessão, distraída,  ardente.

Sem tirar o seu olhar da minha mão, ela diz: "Bem, nós estávamos em uma sala de jantar privada naquela época, e eu me lembro  de que estávamos discutindo contratos."

Eu sorrio com a lembrança. Ela está vindo ao longo do caminho, assim como eu queria. Eu subo um nível com um sorriso licencioso. "Aqueles eram dias felizes. Mas desta vez, Srta. Steele, espero conseguir foder você,” eu digo e sem esperar sua resposta, eu pego minha faca e corto um pedaço de meu robalo. Ela está praticamente explodindo. Mas, ao perceber que eu não estou agindo segundo minhas palavras, sua frustração aumenta.

"Eu não contaria com isso, Sr. Grey,” ela murmura fazendo beicinho. Está funcionando. Ela, então, vira a cabeça para mim e diz: "Falando de contratos, eu vou  lhe perguntar uma coisa sobre o NDA."

"Não há necessidade. Rasgue a maldita coisa,” eu digo.

"Huh? O quê? Você tem certeza?”

"Absoluta".

"Bem, Sr. Grey... Você não acha que eu poderia correr para o Seattle Times, com uma exposição sobre você?” ela diz em uma voz provocante que eu agora sei reconhecer.
"Não, você não vai. Porque, eu confio em você, Srta. Steele. Eu também vou dar-lhe o benefício da dúvida." Ela olha para mim com seu olhar de admiração, e seu sorriso tímido que eu amo. "Idem, Sr. Grey,” sussurra.
Tempo para a próxima onda de assaltos. "Anastasia, eu estou tão feliz que você está usando um vestido esta noite,” murmuro com desejo devasso para seu benefício. Ela estreita os olhos para mim e sibila com raiva:

"Eu não posso dizer, Sr. Grey. Se fosse esse o caso, por que não você nem mesmo me tocou?"

"Você está sentindo falta do meu toque, Srta. Steele?" Eu pergunto sorrindo, zombando dela. Meus lábios partem, exalando.

"Sim,” ela diz fumegante.

"Coma, baby,” eu peço a ela.

Ela levanta o olhar para mim e olha acusadoramente. "Você não está com intenção de me tocar, está Christian?” Ela pergunta.

"Não,” eu digo balançando a cabeça.

"O quê? Por quê?” Ela engasga.

Eu me inclino em seu ouvido e sussurro: "Imagine como este desejo que está se construindo vai fazer você se sentir quando estivermos em casa. Oh, baby, eu mal posso esperar para chegar a casa e ter você." Mais lenha na fogueira.

"Christian, você vai me fazer queimar no septuagésimo sexto andar do Columbia Tower, e vai ser inteiramente culpa sua,” ela sibila por entre os dentes cerrados, a raiva fervendo.

"Oh, baby, eu tenho certeza de que podemos encontrar uma maneira de apagar seu fogo,” eu digo sorrindo desejosamente, totalmente no comando. Ela olha para mim pensando. Ela está tramando algo. Ela mergulha o garfo em seu peixe, e corta um pedaço. Quando o alimento toca seus lábios, ela fecha os olhos saboreando o gosto, parecendo perdida em prazer. Uma vez que ela engole, ela bate seus cílios, e sua mão desce para sua perna, e ela lentamente puxa a saia para cima para expor sua coxa bonita. Ela está me pagando em espécie, e tentando me derrotar no meu próprio jogo. Meu garfo para no ar. Ela quer que eu a toque. Mas eu faço um esforço para ignorá-la, o que não é fácil de fazer quando ela está ofegante e oferecendo-se para mim. Eu finjo que seu jogo recente não me afeta, e continuo a comer. Anastasia abaixa sua faca, e traz a mão lentamente e sensualmente para a parte inferior da coxa e, lentamente, começa tocando, convidando, e tentando me atrair. Está funcionando. Faço uma pausa novamente, mas recupero o controle. Depois de um instante, eu me inclino e sussurro, em voz baixa e rouca,  "Anastasia, eu sei o que você está fazendo."

"Sr. Grey, eu sei o que você está fazendo,” ela responde com sua voz suave. "É exatamente a razão porque eu estou fazendo isso."

Ela então pega um talo de aspargos, e mergulha no molho, e leva-o aos lábios, girando e girando, como se ela estivesse fazendo sexo oral com a língua. Ela está tentando colocar seu jogo em mim, mais uma vez.
Mas, baby, eu estive nesse jogo mais tempo do que você está. Eu me estico, e para seus olhos chocados, eu arranco o aspargo de seus lábios, sem tocá-la, e digo: "Por que Srta. Steele, você acha que eu ia deixar você virar a mesa em mim?"

Eu seguro o aspargo em meus dedos e peço-lhe: "Abra a sua boca, baby."

Ela está ofegante enquanto olha para mim sob seus cílios longos. Eu não estou imune a seus encantos por mais um longo tempo. Apenas tenho melhor controle. Estou sempre com o pau meio-engatilhado quando se trata de Anastasia, pronto para atirar. Uma porra de estado de excitação constante! Um olhar dela vai desencadear isso. Ela parte os lábios apenas o suficiente para que o ar passe através. Em seguida, a língua lentamente aparece e passa no lábio inferior. Oh, porra! Eu só posso sorrir, mas meus olhos escurecem com o desejo devasso.

"Abra bastante,” eu respiro. Enquanto meus lábios se abrem, minha língua está entre os meus dentes. Ela abre mais amplo, aceitando. Sua língua está esperando, seus lábios estão melados e cor de rosa. Eu tomo uma ingestão aguda da respiração. Seu olhar está no meu sem pestanejar. Ela toma a lança de aspargo de mim, e colocando-a em sua boca, ela suga lentamente, suavemente, desejosamente. Puta que pariu!

Eu fecho meus olhos para reprimir o desejo crescente, mas quando eu os abro novamente, também eu estou queimando por ela. Vendo minha reação, ela geme e estende a mão para tocar minha coxa. Eu pego a mão dela. Não... O jogo ainda não acabou. Nós ainda estamos jogando.

"Oh, não, Srta. Steele. Você não toca,” murmuro baixinho para seu benefício. Eu seguro a mão dela e trago para os meus lábios, beijando-a. Eu, então, lentamente coloco a mão dela sobre seu próprio joelho.



"Christian, você não joga limpo,” ela repreende-me, fazendo beicinho.

"Eu sei," eu digo recuperando o controle do jogo mais uma vez. Eu seguro meu champagne e felicitando, eu brindo à sua promoção. Nós brindamos com as taças.

"Sim, foi meio inesperado,” diz ela; lembrando o que Jack, o filho da puta, quase fez para ela, minha expressão escurece. Mas, eu não o quero amortecendo nossa disposição aqui. "Eu quero que você coma agora. Porque não estamos indo para casa até que tenha terminado toda sua refeição. Então, podemos, realmente, comemorar seu sucesso, em casa,” eu digo com um olhar escuro.

"Eu não estou com fome de comida,” ela reclama, pronta para ser fodida agora.

"Anastasia, ou você come agora, ou eu vou colocá-la em meus joelhos aqui, no Mile High Club, e vamos dar um entretenimento para os outros clientes que não vão esquecer,” eu digo ameaçador. Ela se contorce em sua cadeira, e sua boca vai para uma linha esticada, e ela olha para mim. Eu tomo um talo de aspargos, e mergulho-o no molho holandês. Eu o seguro e ofereço a ela.

"Coma isso," eu digo sussurrando com uma voz sedutora. Seu olhar está se conectado com o meu, ela abre os lábios, e recebe a ponta. Lentamente suga, e depois morde.

"Você não come o suficiente, baby, e isso me preocupa. Você perdeu algum peso desde que eu a conheço,” eu digo, em tom carinhoso, gentil.

"A comida não está na minha mente agora. Tudo o que eu quero fazer é ir para casa e fazer amor com você,” ela murmura sombriamente, me fazendo sorrir de sua declaração.

"Como eu, baby, e nós vamos. Mas, primeiro, você deve terminar de comer. "

Em seguida, percebendo que não vamos para casa até que ela coma toda sua comida, ela desiste, e começa a comer.

"Há quanto tempo você conhece Kate Kavanagh, Anastasia?" Pergunto casualmente.

"Desde que comecei a faculdade,” ela responde.

"Entendo... É este também o tempo que você conhece Ethan Kavanagh?" Pergunto indiferente.

"Sim, eu suponho,” diz ela piscando os olhos tentando decifrar onde estou indo com essa linha de questionamento.

"Eu nunca os encontrei até depois de ter conhecido você, mas eu conheço o pai deles há algum tempo e fazemos alguns negócios juntos, de vez em quando,” digo tentando distrair sua linha de pensamento.

"Sério? Eu não sabia disso,” diz ela surpresa.

"Alguma vez você já saiu com Ethan?" Pergunto, apenas suprimindo o ciúme.

Ela balança a cabeça. "Não. Ele é apenas um bom amigo. Irmão da minha melhor amiga,” ela responde. Ethan iria pensar o contrário. Ele tem tesão por Anastasia. A maneira como ele olha para ela me faz pensar que eles tiveram sexo, cinco dias por semana, e ele não chegou a saciar sua sede por ela. Mas, é claro que eu sei que não é verdade. Eu só não quero outros homens salivando sobre minha mulher!

"Como está sua comida?" Eu pergunto enquanto eu coloco a minha coxa muito perto dela, mas sem a tocar. Ela pisca. A pergunta nem mesmo registra ainda em sua cabeça, por um minuto;  ela está muito distraída com as minhas ministrações.

"Ainda comendo,” diz ela, distraída. Eu sorrio. Dentro de poucos minutos, ela finalmente consegue terminar toda a sua comida, e coloca a faca no prato.

"Pronto,” ela sorri como uma criança pequena que realizou algo monumental.

"Boa menina," eu a elogio. Minhas palavras são cheias de promessas do que ela terá para sua recompensa, e ela se contorce em sua cadeira.

"O que fazemos agora?” Ela pergunta ofegante.

"Agora, nós saímos, baby. Eu acredito que você tem certas expectativas de mim, e eu pretendo cumpri-las todas com o melhor de minha capacidade,” eu respondo, e ela quase convulsiona em seu assento.

"Que.. o melhor ... da sua... ca...paci... dade?” diz ela, incapaz de formar uma frase coerente. O desejo está escorrendo para fora dela. Eu me levanto e estendo minha mão. Ela me pergunta se não temos que esperar a conta.

"Não, uma vez que eu sou um membro aqui, eles vão me enviar a conta. Venha, baby, depois de você,” eu digo sorrindo.

Eu olho para a minha mulher com desejo escuro, despindo-a com os meus olhos, imaginando todas as coisas que eu vou fazer com ela em um curto espaço de tempo. Eu não posso esperar para ver sua reação. Ela ergue-se majestosamente, e fica em pé na minha frente e arruma seu vestido lentamente, tomando seu tempo alisando-o sobre suas coxas. Eu sei o que ela está fazendo. Eu me inclino e sussurro: "Eu mal posso esperar para chegar a casa e fodê-la." Ela está atordoada em seu lugar. No caminho para os elevadores, digo ao maître para pedir ao manobrista para trazer o carro de Anastasia e tê-lo pronto quando chegarmos lá embaixo. Eu não tenho tempo para esperar, eu tenho a minha mulher para satisfazer.

Vamos para os elevadores, e eu pressiono o botão para chamar o elevador. Há um casal de meia idade esperando pelo elevador conosco. Quando um dos elevadores chega e abre as suas portas, pego Anastasia pelo cotovelo, e a levo para a parte de trás do elevador. Anastasia olha nos espelhos de vidro fumê escuro que nos rodeiam no elevador. Quando eu entro no elevador, um empresário mais velho chamado George Stathakis, de pé com sua esposa, me reconhece. Ele é um milionário self-made na importação e exportação. Ele sabe onde conseguir as menores ofertas e suprimentos de todo o mundo e vendê-los para os atacadistas e comerciantes em todo o país.



"Grey,” ele me cumprimenta. Aceno com a cabeça em resposta. Há dois casais na nossa frente que estão todos conversando sobre a fofoca local, divulgando mais do que deveriam, possivelmente, devido ao seu estado de meia embriaguez.


As portas do elevador se fecham, e eu me abaixo para atar meus cadarços dos sapatos, para não levantar suspeita de ninguém para o que eu estou prestes a fazer. Depois de refazer meus laços dos sapatos, eu discretamente coloco minha mão em seu tornozelo, e Anastasia fica assustada e completamente rígida. Eu lentamente me levanto do chão com a mão deslizando para cima na perna de Anastasia, e quando eu chego à minha altura total, minha mão está colocada em sua bunda e apertando-a. Anastasia abafa rapidamente um grito sufocado. Meu braço livre se enrola ao redor de sua frente enquanto eu puxo o corpo dela contra a parede do elevador, e a mantenho no lugar. Meu dedo indicador mergulha em seu já desejoso sexo e começo a circular no interior. Minha cabeça está no ombro dela, e eu a abraço forte, enquanto olhamos para a parte de trás das cabeças dos outros passageiros do elevador. Enquanto meu dedo vai até o tamanho da junta, Anastasia se esforça muito para abafar outro gemido. O elevador para no quinquagésimo terceiro andar, e mais algumas pessoas entram no elevador, e eu a puxo para o meu abraço ainda mais apertado. Esta é a segunda mais exibicionista ‘sexcapada’ que eu estou tentando com ela. Eu mergulho outro dedo em seu sexo, e continuo com a minha deliciosa tortura. Meus dedos a encontram molhada, e seu sexo excitado. Eu me inclino em seu ouvido, e sussurro com uma voz que só ela pode ouvir.

"Sempre tão quente e pronta para mim, Srta. Steele." Ela se contorce, e suspira, mal conseguindo se controlar.

"Eu quero que você fique perfeitamente imóvel, e completamente tranquila,” eu ordeno em seu ouvido. O elevador para no quadragésimo quinto andar, e pega mais algumas pessoas. Existem agora oito pessoas que ignoram o que eu estou fazendo para ela. Eu a levo para o canto, e continuo mergulhando meus dedos dentro e fora de seu sexo. Eu posso sentir os lábios de seu sexo inchando, e ela lentamente mói-se em meus dedos. "Silêncio agora," dou-lhe outro aviso. Estou tão fodidamente quente agora! Para os outros passageiros, provavelmente, parecemos um jovem casal tão apaixonado, alheio ao mundo, se acariciando no canto do elevador. Ninguém se preocupa em se virar para dar atenção a nós.

Eu levo meu dedo e esfrego seu cerne sensível, em seguida, mergulho o dedo outra vez de volta para seu sexo, acrescentando outro dedo, sentindo-a por dentro. Ela afunda em meu abraço, mas eu não quero que ela goze. Eu a quero totalmente desejosa de mim quando chegarmos a casa.

"Eu não quero que você goze," eu ordeno-lhe com firmeza. "Eu quero foder você sem sentido mais tarde." Meu braço livre está segurando-a no lugar, enquanto minha mão está espalmada em sua barriga, pressionando-a suavemente, ajeitando o corpo no lugar, e na verdade, tornando mais fácil para minha outra mão cavar nela, e deliciosamente torturá-la.

O elevador finalmente chega ao primeiro andar, e eu levo os meus dedos para fora de seu sexo delicioso, beijando o topo de sua cabeça. George Stathakis vira para dizer um adeus educado, e levando sua esposa para fora, sai do elevador. Ela se vira para olhar para mim, esgotada, desejosa, inacabada, quente e incomodada. Nós somos as duas últimas pessoas no elevador para sair. "Pronta, baby?" Eu pergunto enquanto eu coloco meu dedo indicador e médio, que são os dedos que foderam Anastasia apenas um minuto atrás, em minha boca, e sugo-os. "Você tem um gosto incrivelmente fino Anastasia,” eu sussurro para ela.

"Christian, eu não posso acreditar que você fez isso,” diz ela quase caindo aos pedaços.

"Você não tem idéia do que eu posso fazer, baby,” eu digo estendendo a mão e colocando um fio que escapou do cabelo dela atrás da orelha.

"Eu quero levá-la para casa, mas talvez só possamos chegar até o carro,” eu digo sorrindo e levando-a para fora do elevador antes que ele nos puxe para cima novamente.

"Venha, Srta. Steele," eu digo puxando sua mão.

"Sim, eu quero, mas você não quer me deixar,” ela murmura com petulância. (N.T. De novo o trocadilho. ‘Venha’ também é  ‘goze’ em inglês, por isso ela dá essa resposta petulante.)

"Srta. Steele, que rude!" Eu a repreendo em um fingido horror.

"Por outro lado, eu nunca tive sexo dentro de um carro,” ela murmura. É melhor que ela não tenha tido! Eu paro de repente e me volto para ela, segurando-lhe o queixo para olhar nos meus olhos. "Estou muito feliz em ouvir isto, Srta. Steele. Eu ficaria totalmente surpreso se você tivesse tido sexo dentro de um carro, para não mencionar louco." Eu sibilo através dos meus dentes cerrados. Ela não sabe como eu fico com ciúmes dela. Mesmo a idéia dela com outra pessoa me deixa louco. Ela é minha e só minha.

"Christian, não foi isso que eu quis dizer, e você sabe disso,” ela retruca.

"Que diabos você quis dizer, Ana?" Pergunto em tom severo.

"Foi apenas uma expressão,  pelo amor de Deus!” Ela responde.

"Você quer dizer a famosa expressão "oh, eu nunca tive sexo dentro de um carro,” esta? É incrível como facilmente ela viaja para fora da língua,  Srta. Steele," eu a encaro. A maioria das pessoas tem medo de ciúmes, odeia mesmo. Mas Sidonie Gabrielle Colette (Colette, romancista francesa e pensadora (28/1/1873 – 3/8/1954). Ela é mais conhecida por seu romance Gigi, sobre o qual Lerner e Loewe basearam peças teatrais e filmes musicais do mesmo título.) disse que ‘o ciúme não é de modo nenhum baixo, mas nos pega humildes  e abatidos, à primeira vista,' e meu amor e desejo por Anastasia são tão grandes que até mesmo a idéia de alguém mais tê-la do mesmo jeito que eu, olhando para ela com os mesmos olhos desejosos, corta meu coração com mil cortes, lentamente me sangrando até a minha morte.

"Eu nem estava pensando sobre o que eu estava dizendo, Christian.  Pelo  amor  de Deus,  você  acaba de... fazer isso comigo, em um elevador cheio de gente. Eu ainda não estou em mim mesma,” murmura.

"O que exatamente eu fiz para você Anastasia?" Pergunto querendo que ela me diga, me mostre que eu sou o único que faz com que ela fique quente, desejosa, libertina e devassa. Quero que ela me diga que eu sou seu homem!

Ela estreita os olhos para mim, franzindo a testa. "Você sabe muito bem o que você fez, Sr. Grey! Você me excitou, com outras oito pessoas em um elevador, e deixou-me quente, incomodada e desejosa por você. Agora, me leve pra casa, e me foda!” Diz ela em um suspiro irritado, me surpreendendo. Minha boca cai aberta. Isso é mais do que eu esperava, e ela me exalta e me faz rir.

"Que romântica nata você é, Srta. Steele," eu digo e pego a mão dela e saio do prédio para seu Saab, com o manobrista.


30 comments:

Dani Amoras said...

Que capítulo perfeitooo♡♥♡♥
Sorriso de orelha a orelha!!!
Obrigada, Emine e Neusa...vcs são incriveis!!!


Emine..sou sua fã!
bjos.

Dani Amoras said...
This comment has been removed by the author.
deia said...

amei...vcs são demais!!louca pelo próximo.;)

Neusa Reis said...

Oi meninas, que bom, todo mundo comentou o outro capítulo. E este, muito bom, os dois brigando por causa da Ana dirigindo, parece a vida real, né. E amor, amor, amor em tudo. Agora a criatividade do Christian em matéria de sexo não existe igual. E a casa, que maravilha. Agora o que me faz rir muito é a insegurança dele. O que ele pensa, que graças a nossa querida Emine, agora ficamos sabendo. E o elevador? Que foi aquilo? Bom estamos perto de acabar o livro 2. Momentos muitos tensos e lindos chegando. Beijos e até breve

Isabella Vargas said...

Estou quase em cólicas para saber como é o pensamento do Grey em relação ao acontecimento no seu aniversário. Fora isso a queda do helicóptero!!! Meu Deus que maravilha de Trabalho. Parabens Emine e Neusa.

Pao said...

Maravilloso capítulo, muy creativo Christian ya sea en el con la comida o en el ascensor realmente increíble. Ay el amor que lindo.
Gracias Eminé y Neusa por el excelente capítulo.
¿De verdad está a punto de terminar el libro 2? ¿Cuantos capítulos faltan?

Leda Carneiro said...

Tem razão Neusa, graças a Emine estamos sabendo o quanto Christian é inseguro, heim...Que homem...pensa nela 24/7. Quanto ao sexo é muito criativo, ele sempre sabe o que fazer.
Bjs.

Neusa Reis said...

Pao, el libro 2 termina en el cap. 25. Ja estoy en el 21. Asi, mas 2 semanas como mucho y terminamos. Que tal? Besos

Sandra said...

Ai, delicia de capítulo! Neusa procura não demorar muito para o próximo capítulo ... e 2 semanas é MUITO. Beijos querida e obrigada, viu.

Daniela Martins said...

Nao dá para dizer quais partes dos livros considero as melhores...tanto dos livros originais quanto os capitulos do Cristian's POV da Emine! Vcs duas sao perfeitas em seus trabalhos! Parabens! Ja li os outros capitulos, em ingles, ja postados do livro III. E fico recapitulando qdo vc, Neusa, posta os traduzidos. Aguardo ansiosa por uma nova postagem da Emine, sobre o livro III! porem devemos aguardar pacientemente, pois ela está triste com toda a historia da mae dela!
Emine, I hope your mom get better soon!
bjkas

Ellen Puff said...

Neusa estou desesperada pelos próximos capítulos... Não nos deixe tão ansiosas.... Parabéns pelo trabalho!!!!! Simplesmente maravilhoso!!!!! Obrigada!!!!

Sandra said...

Ai, delicia de capítulo! Neusa procura não demorar muito para o próximo capítulo ... e 2 semanas é MUITO. Beijos querida e obrigada, viu.

Unknown said...

Eu estou encantada com o trabalho de vocês!!!!! Li o primeiro e o segundo livro em um fôlego só!!!! Estou ainda mais encantada com o Sr. Grey....
o que faz o sucesso do 50 tons de cinza, não é, como muitos dizem o BDSM, mas sim o que o amor pode fazer com uma pessoa: a transformação, a abdicação, o estar com ela em pensamentos 24/7!!!!! A história na versão de Christian está ainda melhor, pois podemos entender como e o quanto ele ama e depende desse amor pra viver!!!!!
Simplesmente incrível!!!! Acho que não há palavras suficientes para definir este personagem maravilhoso e apaixonante! Meninas, vocês estão de parabéns pelo excelente trabalho!!!
E claro, muito brigada por proporcionar a oportunidade de conhecer melhor este homem!!!!

Michely said...

Eu estou encantada com o trabalho de vocês!!!!! Li o primeiro e o segundo livro em um fôlego só!!!! Estou ainda mais encantada com o Sr. Grey....
o que faz o sucesso do 50 tons de cinza, não é, como muitos dizem o BDSM, mas sim o que o amor pode fazer com uma pessoa: a transformação, a abdicação, o estar com ela em pensamentos 24/7!!!!! A história na versão de Christian está ainda melhor, pois podemos entender como e o quanto ele ama e depende desse amor pra viver!!!!!
Simplesmente incrível!!!! Acho que não há palavras suficientes para definir este personagem maravilhoso e apaixonante! Meninas, vocês estão de parabéns pelo excelente trabalho!!!
E claro, muito obrigada por proporcionar a oportunidade de conhecer melhor este homem!!!!

Vanessa said...

Parabéns, fico toda semana esperando mais um capítulo! Sei que existem outras traduções, mas nenhuma se iguala a esse trabalho!

Pattystevam said...

Ualll esse capitulo nos faz imaginar essa casa deles...gente que mansão neh e o preço então vixi nem nos meus maiores sonhos sonhei com uma mansão assim..mas esse nosso casal merecem..e concordo com a Neusa em seu comentario..ler os pensamentos do Sr Grey é bom de mais..as inseguranças dele kkkkk amo ler cada capitulo bjs Neusa e Eminé

Anonymous said...

Olá Neusa que delicia de capitulo rss.
Christian e suas artimanhas não me canso dele.
Obrigada voce e Eminné por este frescor em nosssas vidas.
Bom Final de Semana..
Bjuss
Kátia

Cristiane Paladini Paladini said...

Oi Neusa você vai das sequencia na traduçao do livro II, e o livro III. Amei a versão Christian Grey

Cristiane Paladini Paladini said...

Oi quando vc dará continuação ao término do livro do II e tens a intenção de traduzir o livro III, na versão christian grey. mei tudo que li até agora ansiosa pelo restante. bjs

Cristiane Paladini Paladini said...

Oi quando vc dará continuação ao término do livro do II e tens a intenção de traduzir o livro III, na versão christian grey. mei tudo que li até agora ansiosa pelo restante. bjs

Cris Rufo said...

Neusa, simplesmente perfeito. Quando terminei o cap. fiquei frustada e pensei: mas já acabou? rsrsr. Louca pelo próximo cap. Gde Bj.

Neusa Reis said...

Oi meninas, claro que vou terminar o livro 2 e passar para o 3. Imagina se eu ia abandonar vocês e o Christian. Enquanto a Emine permitir, eu traduzo tudo que ela escrever. E quando terminar o 3, passarei a traduzir o livro da autoria dela, The Pella Series. Até segunda feira sai o cap. 21. Beijos

Anonymous said...

neusa sua tradução é maravilhosa!já li a versão em inglês,mas me emociono a cada capitulo.simplismente amo o pov do christian ele tem a fachada de mestre do universo mas por dentro é um menino inseguro!o amor é lindo!!!Deus abençoe vc Emine.ate o próximo e boa semana bjs!

anne caroline godoi said...

Nossa esse capitulo ficou muito gostoso de ler...
Briga da casalzinho mesmo no carro,meu marido faz a mesma coisa,dando palpite.
Obrigada Neusa por mais um capitulo.

Tati said...

maravilhoso!!!!

Tais Castro said...

Olá meninas demorei pra comentar este capítulo porque passei uns dias fora sem internet quase enlouqueci,mas estou de volta adorei este capítulo como todos, ai meu Deus este homem leva a gente a loucura nossa quem não quer uma casa daquela.Agora vou para o próximo que já está aqui me esperando beijos e obrigada!!

Kaila ALEKENA said...

"você me ganhou no prado Cristian"

A mim também... Ai Srº Grey você acaba comigo, se houver um igual Deus, dá ele pra mim....

Amo esse jogo onde dois podem jogar, Ana tem que jogar mais sujo como ele já faz, morde os lábios minha filha deixa ele de quatro hahahhah

Daniela Martins said...

Boa noite, meninas!
Fico tentando imaginar até onde vai o repertorio de Christian em se tratando de sexo!
Meu Deus! Vai ser criativo assim la na minha casa! ;-)
Emocionante ver Anastasia e CG avaliando a casa e oensando em um futuro juntos!
Amei tudo como sempre!
Bjkas
Dani
;-)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry