StatCtr

Saturday, June 1, 2013

LIVRO II – CAPÍTULO FINAL -CAPÍTULO XXV - Christian E Anastasia Fanfiction



CAPÍTULO VINTE E CINCO

                   “Eu a amo; eu a amo  com um amor que não morrerá. Até o sol ficar frio e as estrelas envelhecerem.”
Shakespeare

O Amor tudo vence: rendamo-nos ao amor.

Tradução: Neusa Reis


(above cover is created by a fan: Helene Cuji! Thank you Helene!)






A postura de Ana é algo entre defensiva e ofensiva. O que há nesse pedaço de papel?  É uma carta de um ex-amante? Como seria possível? Ela não teve outro amante. Teve? O pensamento é mais do que preocupante. Ela é a minha garota. Eu estou me tornando uma pilha de nervos a cada segundo.

"Ana, o que é?" Eu murmuro em um tom cauteloso. Ela não responde; em vez disso o seu olhar está focado em Katherine Kavanagh. Um calafrio gelado percorre minha espinha.

"Kate! Você não tem nada a ver com isso," ela fervilha com veneno. Kate está surpresa com sua resposta e pisca para ela com os olhos arregalados. A troca que acontece entre elas e o olhar que diz "Não diga a Christian!" no rosto de Ana me deixa mais nervoso do que nunca! O que ela está escondendo? O que ela não quer que eu saiba? O que há nesse fodido papel?

"Ana! O que é?" Pergunto novamente em um tom ameaçador.

"Christian, você poderia sair, por favor,” ela pede me dispensando! A mim! Ninguém me dispensa!

"Não! Mostre-me," eu digo num firme, ártico tom "não foda comigo agora!” estendendo minha mão para o papel em sua mão. Depois de uma breve hesitação, ela me entrega o papel.

Quando eu tenho um primeiro vislumbre do e-mail de Anastasia enviado para mim discutindo o contrato... O Contrato da Submissa... Meu coração afunda mais rápido que o Titanic! Ouço Katherine novamente.

"O que ele fez com você?" Ela pergunta em tom apreensivo.

"Isso não é assunto seu, Kate,” responde Anastasia, exasperada.

O sangue congela em minhas veias. Esta é a primeira vez que alguém tão perto de minha família descobriu sobre o meu estilo de vida. Mas, mesmo isso não me importa agora. O que isto vai fazer com o meu relacionamento com Anastasia? Será que eles vão tentar tirá-la de mim? Eu morreria e mataria antes que isso aconteça! Com quem ela falou sobre isso? Elliot? Os meus pais? Oh, meu Deus! Meus pais! De onde ela tirou isso? Anastasia se ‘logou’ e enviou alguma mensagem do  computador dela? Alguém enviou para ela?

"Onde você conseguiu isso?" Pergunto em ameaçador tom macio, reservado para os que tentam foder comigo, minha cabeça inclinada para um lado, sem piscar, pura atenção. Ela tem a decência de corar, pelo menos.

"Isso é irrelevante,” ela responde, e sua resposta é refletida de volta para ela pelo meu olhar de pedra.

"Ela estava no bolso de uma jaqueta - que eu suponho que é sua -  que eu encontrei pendurada atrás da porta do quarto de Ana,” ela responde. Enquanto ela encara o meu olhar de lava derretida. Descobrimos de onde ela tirou isso. E agora a pergunta chega: se ela falou a alguém sobre isto. A quem eu tenho que coagir, lutar e discutir?

"Você já disse a alguém?" Eu pergunto em uma voz suave como seda. Eu não quero a minha merda fodida manchando toda minha família perfeita demais. O que me preocupa, irracionalmente, implacavelmente, e torturando-me de todas as formas é que alguém vai rasgar meu coração levando Anastasia, de alguma maneira, para longe de mim, por causa da minha existência fodida, imperfeita, ruim até o âmago! Todos os meus Cinqüenta Tons voltando para me assombrar novamente!

"Não! Claro que não," ela exclama para mim, ofendida. Isso já é algo. Concordo com a cabeça em resposta e o alívio se derrama sobre mim. Com o e-mail na minha mão, eu me dirijo para a lareira da sala de jantar, pego o longo acendedor da prateleira da lareira, e coloco fogo no papel. Enquanto eu assisto e certifico-me que todo o papel não é nada mais que cinzas cinzentas sobre os troncos falsos, permaneço vigilante sobre ele.

"Nem mesmo Elliot?" Eu ouço Anastasia perguntar a ela.

"Ninguém,” ela responde de forma inequívoca. Há um momentâneo pesado, opressivo silêncio. Katherine o quebra.

The Sound of Silence- Simon & Garfunkel

"Eu só quero estar certa que você está bem, Ana,” diz ela em um sussurro. Pelo menos suas intenções são honestas e boas. Mas a estrada para o inferno está pavimentada com boas intenções. Ela pode nos destruir, e eu não gosto que outras pessoas tenham controle sobre meu destino; menos ainda  sobre o destino de Anastasia.

"Estou muito bem, Kate. Na verdade, mais do que bem. Por favor, Christian e eu estamos bem, realmente bem. Isso é notícia antiga. Por favor, ignore isso,” diz Anastasia.

"Ignorar isso?” pergunta a bruxa cuja vassoura está estacionada na porta da frente. "Como eu posso ignorar aquilo?" Ela pergunta em um tom mais enfático, apontando para a lareira com uma mão. "O que ele fez com você?"  Sua voz é misturada com preocupação e inquietação, como se eu fosse algum tipo de semente do demônio.

"Ele não fez nada para mim, Kate. Honestamente, eu estou bem,” responde Anastasia com uma voz convincente.

A Bruxa Má do Oeste pisca. (N.T. A Bruxa Malvada do Oeste é um personagem fictício criado por L. Frank Baum, sendo a principal adversária do Mágico de  "O Mágico de Oz".)  "Sério?”  Ela sonda, desejando que  Anastasia dissesse algo ruim sobre mim; quase em um esforço para tirá-la de mim. Desejando que Anastasia acorde de um feitiço que a está atormentando, e de repente eu sinto o impulso manter Anastasia afastada de todos, especialmente de Kate, para que ela não seja tirada de mim. Ponho meus braços em volta de Anastasia, e a trago mais para perto. Meus olhos estão constantemente em Katherine, sem sequer piscar, como se ela fosse o predador, e estivesse tentando arrebatar-me o que é mais precioso para mim.

"Ana consentiu em ser minha esposa, Katherine," Eu declaro suavemente, mas ressonante. Ela não tem nenhum engano ao me ouvir.

"Esposa!" ela guincha em um tom que diz ‘você está fora de sua fodida mente?’ Irritada, chocada, horrorizada, e seus olhos estão esbugalhados para fora das órbitas. Se ela os abrisse um pouco mais amplamente, seriam dois globos verdes flutuando para longe.

"Nós vamos nos casar. Nós vamos anunciar nosso noivado esta noite," eu digo,  e adiciono mentalmente, 'isto é, se você não foder as coisas para nós!"  Ela está agora de longe encabeçando a minha ‘lista de merda’, com grande distância de qualquer um que está nessa lista.

"Oh!" É tudo o que ela poderia dizer se ela pudesse pegar seu queixo do chão. Eu não poderia tê-la chocado mais se eu lhe dissesse que era Han Solo. (N.T. Han Solo é um personagem ficcional, protagonista dos livros e filmes de ficção científica da série Star Wars: Guerra nas Estrelas, O Império Contra-Ataca e O Retorno de Jedi. No cinema, Han Solo foi interpretado pelo ator Harrison Ford.) Uma vez que ela localiza sua voz ela se vira para  Anastasia  e sibila.

"Eu a deixo sozinha por 16 dias, e acontece isso? É muito repentino.   Então,  ontem,   quando  eu  disse... "  seu olhar procura o de Anastasia. Da forma como ela está se comportando, você pensaria que foi ela quem deu à luz a Anastasia. Ela parece confusa, de repente. "Onde aquele e-mail se encaixa em tudo isso?"
Eu não quero uma esposa que é uma submissa! Embora eu adorasse que ela me obedecesse. Mas isso não é assunto de Katherine!

"Não se encaixa, Kate. Simplesmente esqueça, por favor. Eu o amo e ele me ama. Não faça isso. Não estrague a festa dele e a nossa noite," sussurra Anastasia em uma súplica. Eu odeio isso, que ela tenha que implorar a Katherine por mim. Eu não quero minha garota implorando a ninguém. Meu coração se apaixona por ela de novo, por causa de sua declaração de amor.

"Não. Claro que não vou. Você está bem?" Ela sonda mais. Que porra nós temos que fazer para provar isto a Kavanagh?

"Eu nunca estive mais feliz,” diz Anastasia em um sussurro, e sua confirmação me faz feliz. Mas Kavanagh não é nada se ela não for implacável. Ela estende a mão e agarra a mão de Anastasia, mesmo eu estando enrolado em torno dela. Eu não gosto de seu gesto. Parece como se ela estivesse tentando tirá-la de meu abraço...

"Você realmente está bem?” Ela pergunta mais uma vez em busca de confirmação.

"Sim,” responde Anastasia com alegria desta vez. Anastasia sai do meu abraço, e Kavanagh abraça Anastasia. Um milhão de coisas passam pela minha mente. O medo é a mais importante, seguido pela raiva muito bem disfarçada. Medo de perder Anastasia, medo da minha família saber exatamente quão fodido eu sou, pior ainda quão fodido eu fui. Eles não merecem ser manchados com a minha merda! Raiva de mim mesmo por ser descuidado e de Katherine, em seu esforço para levar Anastasia para longe de mim. Mesmo que sua intenção fosse proteger Anastasia, ninguém pode protegê-la melhor do que eu. Ela é minha garota, minha mulher, minha noiva. Eu morreria mil vezes antes de eu deixar alguém levá-la para longe de mim!

"Oh, Ana... Eu estava tão preocupada quando li isso. Eu não sabia o que pensar. Você vai explicar isso para mim?"  Ela pergunta em voz baixa a Anastasia.

"Um dia, mas não agora."

"Bom. Eu não vou contar a ninguém. Eu te amo tanto Ana, como minha própria irmã. Eu só pensei..." Ela vai a deriva. "Eu só não sabia o que pensar. Sinto muito. Se você está feliz, eu estou feliz."  Obrigado por essa merda!

"Christian. Sinto muito! Eu estava tão preocupada com Anastasia. Sinto muito por me intrometer," Eu aceno com a cabeça concordando. Pelo menos ela está arrependida. Mas isso não vai tirar você da minha lista de merda. Meus olhos são pedaços de gelo, o meu olhar é nada menos que ártico. O gelo cobriu o vulcão.

"Eu realmente sinto muito. Você está certa, não é da minha conta," ela sussurra para Anastasia, mortificada por seu comportamento anterior.

Há uma batida na porta, o que separa o abraço de Katherine e Anastasia. Minha mãe enfia a cabeça pela porta.

Sua pergunta é dirigida a mim. Meu pai deve ter contado a ela sobre o comportamento agressivo não acolhedor de Katherine.

"Está tudo bem, querido?"

Mas a resposta imediata de Kavanagh altera os seus modos.

"Está tudo bem, Sra. Grey."

"Tudo bem, mãe,” eu respondo friamente.

"Bom,” ela diz aliviada e entra no recinto. "Então você não vai provavelmente se importar se eu der a meu filho um abraço de aniversário,” diz ela iluminada de felicidade. Preciso vê-la também. Preciso de sua ajuda, afinal.

"Feliz aniversário, querido,” minha mãe diz com sua voz suave. "Estou muito feliz que você ainda está conosco."

"Mãe, eu estou completamente bem,” eu digo tranqüilizador, e eu sorrio para ela. Ela se afasta ainda me segurando e me olha, me avaliando com um olhar de mãe e sua felicidade está em todo o seu rosto. Ela está radiante.

"Estou tão feliz por você,” diz ela, e acaricia suavemente meu rosto. Seu carinho me pega de surpresa, mas é bem-vindo e me vejo sorrindo como um idiota.

"Bem, crianças, se tiverem terminado seu tête-à-tête, há uma multidão de pessoas aqui para verificar que você realmente está inteiro, Christian e para lhe desejar um feliz aniversário."

"Eu já estarei lá, mãe,” eu digo tranquilizando-a.

O olhar de minha mãe está ansiosamente verificando Anastasia e Katherine, e seus sorrisos a tranquilizam de que tudo está bem. Minha mãe pisca para Anastasia conspiratória, e abre a porta para nós. Eu ofereço minha mão para Anastasia, minha noiva e Kate, a bruxa segue minha mãe, que não vai nos deixar aqui sozinhos, fora da sala de jantar.

Antes de sairmos, Katherine diz: "Christian, eu realmente queria, sinceramente, pedir desculpas,” diz ela, em suave tom humilde que é contrito e sincero. Concordo com a cabeça para ela, desculpas aceitas, mas o ato não esquecido.

Quando saímos para o corredor, Anastasia olha para mim desconfiada e pergunta: "Sua mãe sabe sobre nós?"

"Sim,” eu digo a ela, não disposto a elaborar.

"Oh,” diz ela surpreendida, agradavelmente, eu acho. Então ela acrescenta: "Bem, isso foi um começo interessante para a noite,” sorrindo. De repente, sinto uma vontade de rir de sua avaliação, mas apenas me contento com um sorriso divertido. Ninguém pode simplificar uma questão como Anastasia pode. Mas, essa é uma das coisas que eu amo nela. Sua raiva é como chuva de verão no deserto; vem com um trovão, mas vai embora em poucos minutos.

"Como sempre, Srta. Steele, você tem um dom para subavaliar,” eu digo, e levanto sua mão para os meus lábios, e beijo seus dedos. Quando entramos na espaçosa sala de estar dos meus pais, atrás da minha mãe, eu fico surpreso com a multidão reunida ali. Há um estrondoso aplauso e gritos de Feliz Aniversário.

Anastasia também está surpresa com a multidão reunida e seu olhar varre a sala, timidamente. Toda a minha família está presente, e então aí está  Ethan pendurado na minha irmã. Eu estreito meus olhos, mas ela é uma mulher adulta, eu decido. John e Rhian estão aqui, e Bastille, Mac, a vadia da  Lily, e oh merda! Elena!

Quando o aplauso termina, todos os olhos se voltam para mim com expectativa. Eu aproveito minha deixa: "Obrigado a todos,” eu digo.  A ajudante de meus pais, Gretchen,  chega com uma bandeja de champanhe, e eu digo: "Parece que eu vou precisar de uma dessas," e eu pego duas taças de champanhe, e depois de entregar uma para Anastasia, eu pego sua mão, apertando-a.


Eu levanto a taça de champanhe para a sala, e todos os convidados movem-se para frente. Elena é a primeira a me alcançar no grupo.

"Christian, eu estava tão preocupada,” diz ela, me abraçando e beijando-me nas duas faces. Anastasia tenta arrancar a mão, claramente perturbada por Elena, mas eu a seguro mais apertada.

"Eu estou bem, Elena," murmuro em um tom hostil.

"Por que você não me ligou?" Ela pergunta com fervor, buscando o meu olhar.

"Eu estive ocupado,” eu a corto curto, mas ela sonda ainda mais.

"Você não recebeu minhas mensagens?" Porra! Eu não quero que Anastasia escute isso! Eu me sinto desconfortável, porque a forma como Elena está se comportando em relação a mim é de proprietária, mesmo embora ela tenha pleno conhecimento de que Anastasia é muito importante para mim. Ela não está recuando, e nem  está cumprimentando Anastasia, a quem eu estou segurando tão perto de meu corpo, que você pensaria que estamos grudados pelos quadris! Eu puxo Anastasia ainda mais perto, quase como um cobertor de segurança, ela é o meu centro, e é minha alma. Sem ela, eu não tenho um coração ou uma alma. Ela me faz quase humano. Faz-me sentir. Cruzo os braços em volta dela. Se estivéssemos mais próximos, estaríamos fazendo sexo. Eu dou meu olhar mais impassível a Elena, e ela, finalmente, não pode ignorar Anastasia.


"Ana,” ela ronrona, "Você está linda, querida."

"Elena," Anastasia espelha seu tom. "Obrigada."

Minha mãe está intrigada com o desconforto e descontentamento que Elena e Anastasia têm entre elas. Ela franze a testa, pensando. E não é uma coisa boa, quando ela faz isso. Minha mãe é uma mulher brilhante.

Mas, eu não vou tolerar o cerco de Elena a Alamo. (N.T. A Batalha do Álamo foi um evento crucial na Revolução do Texas. Depois de um cerco de 13 dias, as tropas mexicanas lançaram um ataque sobre a Missão Alamo , em San Antonio, Texas. Todos os defensores texanos foram mortos.) Sabemos o resultado disso. Eu vou ter que cortar o mal pela raiz antes que isto aqui se transforme em uma guerra.

"Elena, eu preciso fazer um anúncio,” eu digo indiferentemente para Elena, assim, ela se afasta de  Anastasia. Eu não quero que ninguém estrague o seu humor.

"Claro,” ela diz, com um sorriso forçado reservado para gentilezas sem sinceridade, recuando.

"Pessoal!" Eu chamo os convidados em uma voz clara. Eu sei como chamar a atenção de um local. Um aviso claro é tudo o que precisa. Mesmo que esta seja uma ocasião feliz, minha voz ainda é dominante, e exigindo nada menos do que toda a sua atenção. Em menos de um minuto, as vozes na sala de acalmam, e todos os olhos se viram para mim.

"Eu gostaria de agradecer a todos por terem vindo hoje. Devo dizer, eu só estava esperando um jantar tranquilo e familiar, então isso é uma surpresa agradável." Minha irmã capta o meu olhar, e ela sorri para mim me dando um aceno. Ela está em modo brincalhão novamente.

"Ros e eu,” eu digo lembrando o calvário que passamos juntos e que agora está ao lado de sua namorada Gwen, “nós escapamos por um triz ontem."

Ros sorri alegremente, e levanta sua taça para mim, e eu aceno para ela em confirmação.

"Então, eu estou especialmente contente de estar aqui hoje para compartilhar com todos vocês minhas muito boas notícias. Esta mulher bonita," eu digo, olhando para a minha noiva  carinhosamente, "Senhorita Anastasia Rose Steele, consentiu em ser minha esposa, e eu gostaria que vocês todos fossem os primeiros a saber."
A multidão está simplesmente ofegando em uníssono, como se tivesse  crescido em mim um conjunto de chifres, completamente pasmada. Mas, finalmente, encontram a sua voz, e dão vivas, seguidos por uma rodada de aplausos. Será que todos eles pensavam que eu era gay? Anastasia cora com todos os olhares fixos e encarando, alguns sinceramente felizes como minha família, John e sua esposa. Alguns ciumentos como a vadia da Lily, e alguns um pouco verdes, nauseados, como o de Elena. Fodam-se! Eu não quero perder um minuto sequer olhando para outra pessoa, apenas para minha mulher. Eu seguro seu queixo, levantando-o para os meus lábios, e beijo-a muito rapidamente.

"Você vai em breve ser minha," eu sussurro.

Here I am -  Bryan Adams

"Eu já sou sua,” ela murmura de volta.

"Legalmente, baby,” eu faço mímica com as palavras, para ela, e sorrio com o pensamento de que ninguém pode tirá-la de mim. Muito rapidamente, meus pais se aproximam, e eles abraçam e beijam Anastasia e a passam em torno como os doces de Halloween.

Minha mãe está fora de si. Eu acho que a reação dela aqui ultrapassa aquela de quando ela quase nos encontrou, e percebeu que eu, na verdade, não era gay. Descrevê-la como apenas feliz seria como dizer que o Dilúvio de Noé foi uma ducha leve.

"Oh, querida Ana! Estou tão contente que você está se tornando da família! A mudança em Christian... é tão avassaladora... Ele está... ele está feliz. Sou muito grata a você," diz ela abraçando Anastasia novamente.
Mia salta.

"Onde está o anel?" E é claro que não há um no dedo dela, porque eu não o tinha dado a ela ainda!

"Uhm..." Anastasia diz parecendo perdida, e olha para mim para conseguir ajuda.

"Nós estamos indo escolher juntos," eu digo carrancudo para ela.

Mas Mia não se abala. Ela pode me enfrentar como ninguém pode. Bem, quase ninguém, exceto Anastasia.
"Oh, não olhe para mim desse jeito, Grey!” Diz ela censurando, e depois me abraça com toda sua força. "Estou tão feliz por você, Christian," diz ela.



"Quando você vai se casar? Você marcou uma data?" ela pergunta sorrindo para mim. Estou muito feliz que é a minha mãe que está me ajudando com a surpresa para Anastasia. Mia não poderia guardar um segredo como esse sem deixar que todos soubessem, para não mencionar que eu não quero que ela venha e estrague a minha glória. Eu já estraguei tudo na minha proposta inicial; eu não quero repetir o meu desastre. Minha irmã pode ser exasperante. Anastasia acaba de aceitar, como poderíamos definir uma data?

"Eu não tenho nenhuma idéia, e não, nós não marcamos. Ana e eu precisamos discutir tudo isso," eu digo, irritado, enquanto eu balanço minha cabeça advertindo-a, mas é da minha irmã que estamos  falando.

"Eu espero que você tenha um grande casamento aqui!" Diz ela esperançosa, me ignorando completamente.

"Nós provavelmente vamos voar para Vegas amanhã,” eu dou um grunhido, e ela zomba de mim, fazendo beicinho. Deus! Lidar com mulheres, sobre as quais não tenho controle é completamente cansativo. Eu me viro, e encontro meu irmão Elliot me segurando em outro abraço de urso, totalmente feliz por mim.



"É isso aí, mano!” Diz ele batendo nas minhas costas, menos sufocado do que ontem, mas feliz. Por mim... Estou sobrecarregado com a demonstração de amor da minha família. Depois que minha família libera a mim e a Anastasia de seus abraços, Flynn e Rhian vêm ao nosso encontro.

John estende sua mão, "Christian,” ele diz e sacode minha mão, completamente satisfeito.

"John. Rhian." Cumprimento-os de volta, e beijo Rhian em sua bochecha. Anastasia avalia seu cabelo preto, olhos castanhos, e decote. O comportamento agradável de Rhian relaxa Anastasia. Acho que as mulheres avaliam outras mulheres como os homens fazem em uma ‘competição de mijo’. Estou secretamente satisfeito com a possessividade de Anastasia, e eu quero que ela saiba que ela me possui corpo e alma.

"Fico feliz que você ainda está com a gente, Christian. Minha vida seria muito sem graça, e pobre sem você," ele brinca. Estou à vontade e confortável com ele, porque ele é uma das poucas pessoas que pode dizer o que pensa, e brincar sem ficar intimidado. Eu sorrio da sua observação e John, em troca, é  repreendido por sua esposa, e isto de alguma forma me diverte porque me relembra o que Anastasia pode fazer comigo e sabendo que John e Rhian têm um relacionamento íntimo, isso me dá mais esperança para o nosso futuro.

Acho meus modos de novo, e apresento minha noiva com orgulho.

"Rhian, esta é Anastasia, minha noiva. Ana, esta é a esposa de John. "

"Estou muito feliz por conhecer a mulher que finalmente conquistou o coração do Christian,” diz ela gentilmente a Anastasia.

Ana, com seu tímido sorriso murmura um agradecimento.

"Essa foi uma googly (N.T. bola que desvia – jogo de críquete) que você rolou, Christian,” diz John com seu sotaque londrino, sacudindo a cabeça em descrença, mas eu franzo a testa para ele. Eu não chamaria a minha decisão de casar-me com Anastasia uma googly. Deveria ter estado claro para ele o tempo todo que eu amo Anastasia.

"John, você e suas metáforas de críquete!" Rhian repreende o marido novamente.

"O que é uma googly?" Pergunta Anastasia.

"Oh, no giro da perna do boliche Googly é uma arma básica e comum."

"John!" Repreende Rhian sabendo que ele vai entrar em modo de explicação completa.

"É basicamente uma bola de críquete rolando como se fosse quebrar de uma maneira mas realmente quebra no sentido oposto,” explica John resumindo. Rhian revira os olhos para o marido.

 "Parabéns a vocês dois e feliz aniversário, Christian. Que presente de aniversário maravilhoso," diz Rhian efetivamente mudando de assunto.

Agradeço-lhe, e sorrio.

"Ana, é tão bom finalmente conhecê-la, o que você faz?"

Anastasia sorri, e diz que ela trabalha no mercado editorial.

"John,” eu aceno com a cabeça para o lado, a um par de passos de distância das garotas. Anastasia, enquanto está falando com Rhian, me segue com seu olhar.

"Como está Leila?" Pergunto, em tom calmo.

"Ela está bem, Christian. Respondendo bem ao tratamento. Outro par de semanas e podemos considerar um programa ambulatorial para ela." Eu aceno com a cabeça concordando.

"Ela disse a você quantas vezes ela esteve no apartamento?"

"Ela disse que algumas vezes. Mas não um número exato. "

"Ela sempre usava a mesma rota?"

"Sim, isso é o que ela disse."

"Pergunte a ela algo para mim,” eu digo trazendo à tona as fotos.

"Claro, o que é?"

"Pergunte a ela se ela se mudou a caixa de fotos do meu cofre e realocou-as em meu armário."

"Fotos?" John pergunta erguendo suas sobrancelhas. Eu me sinto um pouco envergonhado. Eu baixo minha voz.

"Sim, fotos dela e das outras submissas".

"Que tipo de fotos?"

"Que tipo você acha?" Pergunto sarcasticamente. Ele pondera um minuto.

"Por que você as manteria?" John pergunta com as sobrancelhas levantadas.

"Eu não mantenho mais. Eu as destruí. "

"Você fez isso porque?" ele incentiva.

"Anastasia as encontrou. Suspeito que Leila colocou-as onde Ana poderia encontrá-las," eu digo.

"Aha..." diz ele, e por esta única palavra, eu sei que nós vamos estar falando sobre isso nas próximas semanas. Ele finalmente balança a cabeça. Quando ele vê Ros e Gwen vindo em nossa direção, ele fecha o tópico.

"Ok, eu vou perguntar a ela. Falaremos sobre isso em sua próxima sessão. É seu aniversário hoje. "

"Feliz Aniversário, Sr. Grey!" Dizem Ros e Gwen em uníssono, e ambas me dão um breve abraço.

"Ros, Gwen,” eu digo girando e indicando Ana, "esta linda mulher é a minha noiva, Anastasia," eu a apresento.

"Anastasia, é tão bom conhecê-la!" Diz Ros em sua voz rouca, e eu não posso deixar de fazer uma careta. Gwen, que é uma loira borbulhante, dá um abraço em Anastasia. Eu não quero que elas permaneçam abraçando minha mulher, visto que ambas jogam no outro time. Não que elas teriam olhos para outra pessoa que não fosse uma para a outra, mas por que arriscar?

"Por favor, me chame Ana,” diz Anastasia.

Eu cuidadosamente puxo Anastasia para debaixo do meu braço e a abraço.

"Anastasia, você deve estar orgulhosa das habilidades de pilotagem do Sr. Grey. Isso foi o que nos salvou ontem. Por mais assustadora que a experiência tenha sido, eu não hesitaria em andar com ele no Charlie Tango novamente," exclama Ros.

"Sim. Eu sou grata que ambos chegaram a casa sãos e salvos," Anastasia diz em voz sombria.

"Eu também! e inacreditavelmente aliviada de ver Ros,  depois que ela não chegou a casa quando ela deveria," diz Gwen,  engasgando com suas palavras.

"Sim, como eu. Len, o motorista do caminhão deixou-me em primeiro lugar, e eu estava andando nas minhas meias, os sapatos na mão, toda suja e com minha blusa ensanguentda."

"Onde você mora?" Pergunta Ana querendo mudar o tópico desagradável.

"Oh, não estamos muito longe do apartamento do Sr. Grey. Na verdade, o nosso apartamento está quase do lado oposto ao Escala."

"Você aceitou o conselho de Len?" Pergunto a Ros. Por um momento, ela parece confusa.

"Que conselho? Ele me deu alguns... Eu acho...” ela diz esquadrinhando seu cérebro.

"Aquele sobre o sal Epsom. Seus pés estavam muito inchados no momento em que chegamos à estrada pavimentada."

"Sr. Grey, Ros disse que você estava prestes a jogar fora seu Jimmy Choos!"  Gwen diz completamente chocada. Às vezes é difícil entender as mulheres. Nós termos estado em um acidente de helicóptero não foi o destaque de ontem, mas eu querer atirar seus sapatos foi?

"Bem, isso funcionou bem. Ela usou meus sapatos pela  duração da caminhada,” eu digo com desdém.

"Você emprestou seus sapatos?" Pergunta Anastasia com admiração, quase reverência.

"Sim, ela estava de saltos,” eu digo com indiferença, mas me faz mais que feliz que ela pareça muito orgulhosa de mim.

Poucos minutos depois, minha mãe chega e interrompe a conversa e anuncia a todos que o jantar está pronto e está sendo servido, em estilo buffet, na cozinha. À medida que caminhamos em direção à sala de jantar, eu procuro uma oportunidade de ver minha mãe sem Anastasia. Pela primeira vez, a Mia autoritária é bem-vinda. Ela vem em seus saltos altos e vestido rosa boneca pálido, e em toda sua altura,  com dois copos de coquetel. Pela aparência deles, são os Martinis de limão especiais do meu pai.

"Ana,” ela irrompe, e encontro minha chance e solto a mão de Anastasia, e deixo minha noiva aos cuidados de minha irmã, que se agarra a Anastasia,  mais perto do que um carrapato na orelha de um cão. Anastasia olha para mim, com seu olhar confuso o-que-eu-devo-fazer, e dou de ombros, e dou-lhe um sorriso simpático. Esta é Mia. Poderia muito bem ir se acostumando com ela. Então eu vou e encontro minha mãe.

Tentamos encontrar um canto tranqüilo longe dos olhares indiscretos. Minha mãe está se comportando como um espião do 007.

"Você tem o que eu preciso?" Ela pergunta,  olhando para todos os lados menos para mim. Quem é essa mulher e o que ela fez com minha mãe?

"O quê?" Pergunto confuso. Ela repete-se em um tom uniforme.

"Vamos,  Christian. As pessoas estão esperando lá dentro. É a sua festa, não temos tempo! Você tem ou você não tem o que eu preciso?" Ela ralha comigo.

"Sim, senhora." Eu pego a caixa preciosa do meu bolso.

Ela a coloca dentro de seu bolso.

"Você não quer dar uma olhada?" Pergunto em um tom enquanto eu tento não sorrir para ela.

"Não, eu confio que você colocou o que é necessário aqui. Caso contrário, você estará em apuros, mas não por mim. E, além disso, eu quero ser surpreendida quando eu o vir em seu dedo," diz ela sorrindo.

"Hey Grey! Homem, feliz aniversário!” Diz Bastille em seu caminho para a sala de jantar.

"Obrigado, Bastille!" Eu respondo por trás de sua figura se afastando em direção à sala de jantar.

"Eles entregaram a..." eu abaixo minha voz para o caso de outro convidado passar... "a custódia? "

"Custódia? Oh filho,” ela balança a cabeça. "Sim, parece um prado de primavera. Simplesmente lindo, eu chorei. Há uma muito marcante, uma peça central. Vou colocar isso lá ".

"Obrigado por ajudar, mamãe!" Eu digo, abraçando-a e pegando-a  de surpresa.

"Qualquer coisa para o meu filho,” diz ela com uma voz feliz, mas embargada. Às vezes é impossível entender as mulheres, especialmente quando elas juntam extrema felicidade e tristeza, tudo em uma frase, e fluem ambas as emoções, ao mesmo tempo, com mais entusiasmo do que a Niagara Falls. ‘Conviva com isso!’ meu subconsciente diz.

"Ok, vá para a sua noiva, filho. Eu capitalizei bastante seu tempo. Eu vou fazer isso em algum momento antes do jantar acabar. Se qualquer um de nós desaparecermos agora vai parecer estranho." Eu concordo, e me encaminho para encontrar Anastasia.

Eu vou para o salão, e Anastasia não está à vista. Dirijo-me para a cozinha e franzo a testa quando eu não a vejo, mas Mia está lá conversando animadamente com Kate, em seu cativeiro agora.

"Mia? Você viu Anastasia?"

"Ela está... oh querido. A última vez que a vi, ela estava na... uhm... área da sala de jantar,” ela diz, e sorri, e volta para a conversa. É estranho que Anastasia não tenha vindo para a cozinha ainda. Eu rapidamente vou para a sala de jantar, e encontro a porta fechada. Mas há vozes vindo de dentro. Vozes... zangadas. Uma delas é de Anastasia e a outra é de Elena!

"... E se você acha que ele vai ser feliz com uma ratinha caçadora de fortunas como você..." Eu ouço quando eu chego perto da porta, em seguida, ouço Anastasia gritando.

"Não ouse me dizer onde eu estou me metendo! Quando você vai aprender? Não é da sua maldita conta!"

Eu empurro a porta abrindo o mais rápido que posso e vejo Elena encharcada com o Martini do meu pai, lívida e eu conheço esse olhar. Ela parece como se quisesse chicotear a merda fora de Anastasia se ela pudesse, e Anastasia tremendo, o sangue drenado de seu rosto, completamente pálida. Como isso aconteceu? E o que exatamente aconteceu? Raiva, não... fúria assassina está espessando meu sangue. Eu me posiciono entre Anastasia e Elena em uma postura protetora, defendendo subconscientemente Anastasia do ‘acidente de trem’ do meu passado que desaba em mim a cada fodida vez; ironicamente, a minha posição é como a dela, quando ela se posicionou entre mim e Katherine,  logo  que chegamos aqui.

"Que porra você está fazendo, Elena?" Eu digo em ameaçador tom ártico, que ela entende muito bem. Ela está surpresa que ele é dirigido a ela. "Ela não é certa para você, Christian," ela sussurra.

O sangue foge do meu cérebro por um segundo. "O quê?" Eu grito com tanta malignidade que eu nem sequer reconheço a minha própria voz, fazendo com que ambas,  Elena e Anastasia, saltem. Meu corpo é como um fio desencapado.

"Como porra você sabe o que é certo para mim?" Eu fervo com veneno.

"Você tem necessidades, Christian,” diz ela em um tom mais suave, tentando me coagir. Ela está trazendo à tona suas habilidades para submeter. Cadela fodida!

"Eu já lhe disse antes - isto não é da porra da sua conta!" Eu dou um rugido em um tom que minha voz reverbera pela sala, e naquele momento eu realmente não me importo com quem me ouve. Ninguém tenta tirar Anastasia de mim, e sai impune! Eu posso ver seu jogo agora. Ela não teve nada a ver comigo encontrando Anastasia, e ela sabe que eu a amo. Ela não tem controle sobre mim! Eu sou dono da  minha vida! Ela não! Eu a puxo para o seu jogo.


"O que é isso?" Eu a encaro com animosidade. "Você acha  que é você?" Eu pego um vislumbre nos olhos dela que sim; na verdade,  é isso!  "Você?" Eu pergunto incrédulo. "Você acha que você é a certa para mim?" Eu falo através de dentes cerrados, com repugnância.

Quando as palavras estão fora da minha boca, Elena primeiro engole e, em seguida seu olhar e seus modos mudam para a dominatrix Elena. Comandando, no controle, sutil, e com um olhar que não é apenas desejoso, mas me comandando para me submeter... Para obedecer! Foda-se, cadela! Eu não sou mais a criança de 15 anos de idade!

"Eu fui a melhor coisa que já aconteceu com você,” ela sibila para mim, insolentemente. Olhando para mim, ela aprecia minha aparência na frente de Anastasia, sem respeito a qualquer um de nós, assumindo o comando da sala. "Olhe para você agora. Um dos mais ricos, mais bem sucedidos empresários dos EUA. Você é controlado, orientado...” em seguida, o olhar dela ligeiramente desvia para Anastasia com um olhar de menosprezo eu-tenho-você-cadela-mas-você-é-desprezível, em seguida, ela muda seu olhar de volta para mim novamente,  como se para enfatizar a linguagem corporal dela, "você não precisa de nada! Você é  o mestre de seu universo."

Eu me sinto chocado que ela pegue o crédito de todo o trabalho duro que eu tinha feito, como se foder com ela me proporcionaria tudo pelo que eu trabalhei, às vezes, 27 horas seguidas! Eu me sinto violado. Incredulidade passa por mim como se tivesse sido coberto por uma onda de água ártica. Eu me vejo dando um passo para trás para olhá-la com se eu tivesse acabado de abrir os olhos.

"Você amava isso, Christian!” Ela sibila. "Não tente iludir a você mesmo. Você estava na rota para a autodestruição, e EU salvei você disso, salvei você de uma vida atrás das grades!” Ela me provoca. Como se ela tivesse seu chicote e me amarrasse, e desfrutasse das proverbiais chibatadas com que ela está pintando o meu corpo. Como da última vez,  quando eu era um submisso para ela... Lembranças fodidas invadem minha vista por um momento. Ela me manchava assim. Ela quer assumir o controle de mim! "Acredite-me baby, que é onde você teria terminado. Eu ensinei a você tudo o que você sabe, tudo que você precisa,” diz ela enunciando as palavras.

É isso o que ela realmente pensa! Ela pensa que ela me possui... Ela pensa que ela tem direitos sobre mim, sobre quem eu escolho, quem eu fodo, quem deve ser o que na minha empresa, o que eu tenho que fazer. A compreensão me faz  empalidecer. Suas verdadeiras cores... Eu nunca tinha notado antes... Como eu posso ter sido tão fodidamente estúpido?

"Você me ensinou como foder, Elena. Mas isto é vazio, como você. Não é de admirar que Linc a deixasse," eu sibilo de volta para ela. Ela pensa que ela pode decidir minha vida! Por mim! Eu posso ver  agora! Ela me enviou para a Georgia sabendo que Anastasia iria pirar e deixar-me, e ela o fez. Ela estava  jogando comigo todo o tempo! Porra! Fodida! Ela não tem nenhum cuidado ou  amor, por ninguém! Não por mim... Eu posso ser um fodido homem sem coração, mas mesmo eu sinto alguma coisa... Alguma coisa por Ana! E ela quer tirar isso de mim. Eu morreria! Eu mataria antes qualquer um que  fizesse uma tentativa de tirá-la de mim.

"Você nunca, nem uma vez, me abraçou,” eu digo em um sussurro, recordando o quão desesperadamente eu precisava disso então. "Você nunca disse que você me amava." Aí está... A porra das minhas vísceras derramadas no chão, para a minha noiva e minha ex-dominante e submissa, verem.

Eu vejo o mesmo olhar no rosto dela novamente. O rosto que está tentando penetrar através de meus pensamentos, encontrar aquele interruptor para fazer eu me submeter a ela.

"Amor é para tolos, Christian,” diz ela em uma voz desdenhosa.

"Fora da minha casa!" Eu ouço uma voz furiosa que eu nunca tinha ouvido falar neste tom antes, me sacudindo de volta para o aqui e agora. Minha mãe está de pé na soleira da porta, e o olhar dela está fixo em Elena, em uma raiva homicida, tornando-a pálida. O olhar que ela está dando a ela pode fazer um homem crescido cagar em suas calças! Ela se parece com uma leoa protegendo seu filhote.

Distraidamente eu percebo que eu inspiro forte, e assim também fazem Anastasia e Elena, com a presença de minha mãe. Este é o maior OSM (Oh Shit! Moment) de toda a minha vida.

Minha mãe passeia para dentro do cômodo como um predador espreitando. Graciosamente, como o nome dela. Seus olhos não piscam, fúria está gotejando de cada célula dela, como suor. O ar está pesado com a raiva dela. Eu não sei se vou tentar salvar a mulher de quem eu queria ‘bater a merda fora’ um minuto atrás, das mãos de minha mãe ou salvar a Dra. Trevelyan, da acusação de  homicídio. Minha mãe para diretamente na frente de Elena. Ela parece que cresceu para 3m de altura. Ela é uma mãe leoa. Elena está congelada no lugar, os olhos arregalados, e seus pés congelados. Ela está mantida firmemente no lugar com o olhar de minha mãe você-não-fode-comigo. Meus olhos mal registram a mão levantada da minha mãe  balançando para trás e descendo no rosto de Elena  muito forte, é como o tiro que foi ouvido em torno do mundo, aquele que começou a revolução norte-americana, ressoando ao redor das paredes!

"Tire as suas patas imundas do meu filho, sua puta e ponha-se para fora da minha casa – agora!" sibila a minha mãe, com uma voz tipo ameaçadora, mas mantendo seu status elegante, e ninguém quereria meter-se com ela.

A  gravidade da situação finalmente se estabelece para Elena, e ela segura a bochecha avermelhada junto com seu ego ferido, choque e horror no rosto dela, incapaz de pronunciar uma única palavra para minha mãe, ela controla-se para encontrar seus pés e apressa-se para fora do cômodo. Eu posso ouvir um único soluço incontido e  os pés de Elena retirando-se,  apressados.

Minha mãe, Dr. Grace Trevelyan-Grey vira-se para me enfrentar. O som do silêncio é ensurdecedor. É tangível, denso, e preocupante. O olhar de minha mãe carrega dor,  desapontamento, raiva, desgosto, e um milhão de perguntas, todas exigindo uma resposta. Em seguida, sem afastar seu  olhar do meu, ela pede a Anastasia, "Ana, antes de entregá-lo para você, você se importaria de me dar um minuto ou dois sozinha com meu filho?" em uma suave, mas controlada voz, e ela parece mais forte do que eu jamais a vi em minha vida.

"Oh claro,” sussurra Anastasia, e quando ela sai da sala, eu não tenho a coragem para olhar para ela. Minha mãe e eu continuamos a contemplar um ao outro, e ela, finalmente, rompe seu silêncio.

"Quanto tempo, Christian?" Ela pergunta em uma voz macia. Eu quero que minha mãe grite comigo, berre, fique louca, me bata, se decepcione comigo, mas não isto...  Não piedade, não preocupação, não ternura... Eu não mereço isso!

"Quantos anos  você tinha?" Ela pergunta em um tom mais insistente.


Eu não digo nada de novo. Eu quero poupá-la da agonia em que isso vai completamente colocá-la.

"Ok, Christian. Deixe-me colocar desta forma. Claramente ela seduziu você, e você e ela...” ela prende a respiração, e minha mãe gentil, cujo pior palavrão é "inferno,” diz para mim, "explique-me, Christian. Quando ela começou a foder meu filho? Quantos anos você tinha quando ela seduziu você?"

"Mãe, deixe para lá. Acabou. Acabou há muitos anos,” eu digo com uma espécie de humilhação terra-engula-me-agora.

"Não, não acabou, Christian! Ela não desistiu. Ela estava dando uma cantada em você, dizendo-lhe para deixar Ana! Será que isso soa para você como uma mulher que desistiu?  Agora  me  diga,”  ela articula: "quan-tos a-nos vo-cê ti-nha? "

"Mãe, por favor. Deixe..." Eu digo, mas ela não me deixa terminar. Seu olhar se muda  tanto em gelado quanto quente. Seu comando é palpável. Ela não está para se mexer com ela. Ela está em seu modo ‘mamãe’ total, eu-vou-chamar-você-por-todos-os-nomes-e-virei-para-cima-de-você-como-um-trem. Minha gentil mãe está pronta para ‘espancar a merda fora de mim’ pela primeira vez em sua vida.

"Christian Grey! Eu sei onde a cadela mora. Eu posso dirigir até a casa dela com seu pai, no meio de sua festa de aniversário. Eu vou ‘bater a fodida merda para fora dela’ para você não tê-la novamente! Mas, para o seu bem, eu realmente não gostaria de passar o resto de seu aniversário na cadeia do condado. Mas, eu estou disposta a fazê-lo. Ninguém seduz o meu filho, e fode com ele durante anos sob o meu nariz... ” diz ela engasgando, e suas mãos voam para a boca em agonia,  ”e se sai bem com isso. Agora diga-me antes que você me faça passar mais miséria, diga-me ago..." seus olhos se enchem até a borda, e ela segura as lágrimas.

"Eu tinha quinze anos!" Eu despejo.

A agonia corre através de seu rosto. "Quinze?” ela diz com uma voz quase inaudível, completamente chocada. Lágrimas escorrem sozinhas, em silêncio.

"Como?" Ela respira.

"Mãe, por favor..."

Minha mãe está maior diante de mim, e eu tenho 14 anos de idade, novamente, tendo uma ‘conversa’ depois de uma das minhas brigas. "Christian Trevelyan Grey! Eu lhe fiz uma pergunta direta, eu espero uma resposta direta. Eu não sou estúpida, por isso não me trate como uma idiota! Se você tem qualquer respeito por mim... se você já teve qualquer respeito por mim, diga-me a verdade."

"Aconteceu quando o Sr. Lincoln estava remodelando parte da casa dele. Lembra quando você me levou lá, pela primeira vez, para um emprego de verão. Ela me beijou, e foi assim que tudo começou."

"Como?" Ela respira novamente.

"Mãe, por favor... Você sabe como isso acontece. Você quer que lhe diga os detalhes de como nós fodemos? " Eu digo friamente.

"Por quanto tempo?” Ela pergunta me  ignorando friamente, continuando sua inquisição.

"Seis anos".

Ela olha para mim. "Isso não parece há seis anos. Parecia que você ainda tinha alguma coisa com ela, e que ela ainda quer você. Você quer destruir tudo o que você tem com Ana por causa dessa  molestadora de crianças?"

"Deus, não! Mãe, faz muitos anos. Está no passado. Anastasia é o meu futuro. Ela é a única que eu amo. Ela é a única com quem eu quero passar minha vida."

Ela balança a cabeça.

"Sente-se,” ela aponta para a cadeira.

"Mamãe!"

"Sente-se, eu disse! Não me faça chamar o seu pai e seu irmão para fazê-lo sentar sua bunda nessa cadeira! " Eu sento,  puxando uma cadeira, amuado como um adolescente.

"Christian Grey, se não fosse o seu aniversário, e Anastasia não estivesse aqui, não sei se  poderia me conter e não matá-lo! Hoje à noite você deve sua vida a Ana!” Diz ela olhando para mim.

"Você não tem idéia de quanta raiva eu estou de você. Você não me disse nada quando isso começou. Como eu pude não perceber? Como eu pude não saber? Como vocês conseguiram esconder isso de nós?" Ela anda ao redor. "Eu me sinto como merda! Eu falhei como mãe. Eu sou uma mãe falha. Onde foi que eu errei? Eu tentei fazer o certo por você, Christian...” diz ela perdida, andando prá lá e prá cá diante de mim. Minha serena mãe me confunde pelo segundo dia consecutivo.

"Mãe! Por favor... Não é nada que você ou papai fizeram. Sou eu! É tudo comigo. Eu sou fodido! Eu sou inútil. Eu sou manchado... " Eu me lamento, mas ela me corta.

"Não! NÃO! NÃO! Você não vai conseguir acabar com isso com sua auto recriminação. Você é inteligente, você sempre foi amado. Tudo que você tem a fazer é amar a si mesmo, meu filho! Eu culpo Elena por isso! Você era uma criança. Mas você deveria ter nos contado. Dito a mim,” ela engasga com suas palavras. "Eu não sou uma boa mãe,” ela soluça se descontrolando, cobrindo o rosto com as duas mãos.

Levanto-me e aperto minha mãe em meus braços.

"Sou eu, mãe. Sou sempre eu. Eu sou fodido. Eu sou... "

Ela levanta a cabeça e bate no meu braço com toda força. "Você tem que parar com isso agora mesmo! Você não é nenhuma dessas coisas. Você teve uma infância ruim, mas isso não foi culpa sua. Você teve uma mãe que não tinha meios para protegê-lo. Isso não foi culpa sua também. Mas, você tomou outras decisões por si próprio, que são fodidas." Ela se afasta e olha para mim.

"Há uma garota do lado de fora que é adorável, e apaixonada por você. É melhor não estragar tudo por causa dessa vadia da Elena, ou Deus me ajude, eu irei matá-la eu mesma, e ter certeza que nenhum médico vá remendá-la! E você sabe como eu detesto armas! Não a deixe estragar  o que você tem com a Ana!"

"Mãe, eu amo Anastasia! Ela é o meu futuro. Ela é tudo. Eu não posso viver sem ela. Por algum milagre, ela me ama. Embora eu não saiba por quê!"  Eu digo em voz baixa.

"Ela o ama porque você é digno de amor. Se você acha que não é digno de seu amor, então por Deus, cresça algumas bolas, como um homem de verdade, e faça-se digno. Você me entende Christian Trevelyan Grey?” Ela olha pra mim.

"Sim, senhora".

Ela compõe-se de novo, e enxuga os olhos, arruma os ombros, levanta o queixo.

"Tudo bem! Vá agradecer-lhe por salvar sua vida, porque você poderia estar respirando pela última vez, se não fosse por ela, então Deus me ajude! Vá e seja um bom noivo, e é melhor não deixar a vadia da Elena ficar no meio de vocês dois. Agora, ocupe-se fazendo aquela garota feliz!"

"Ok mãe,” eu digo em silêncio, e dou um passo para sair, e minha mãe me agarra e me abraça apertado em seus braços. "Eu ainda estou louca como o inferno, mas eu te amo filho. Nunca se esqueça disso!"

"Eu também te amo, mãe,” eu digo desnorteado.

"Espere, Christian,” diz ela, e tira a caixa do anel de seu bolso.

"À luz da última meia hora, eu acho que é melhor você dar a ela, em vez de tentar deixar Ana encontrá-lo nas flores, filho. E, é a tradição de qualquer maneira, você sabe, um joelho e tudo,” diz ela sorrindo.

"Sim, mãe,” eu digo sorrindo e recebo a caixa do anel de volta dela.

*****
Eu procuro Anastasia fora da porta, mas ela não está lá. Eu me encaminho para a sala de estar. As pessoas estão comendo e conversando. Meu olhar percorre a sala, mas ela não está à vista. Eu procuro na cozinha e em vários cômodos, mas ela não está em lugar nenhum. O pânico sobe em mim. Ela me deixou! Ela realmente me deixou desta vez! Estou prestes a chamar Taylor, mas eu decido verificar mais um quarto. O meu antigo quarto. Eu faço o meu caminho para a balaustrada. Subo as escadas de dois, três degraus de cada vez, e quando eu me dirijo para o segundo andar, eu encontro Anastasia descendo as escadas do terceiro andar. Ela pára em seu caminho no topo das escadas do segundo andar, e eu venho até um degrau abaixo. Estamos olho no olho.

"Oi,” eu digo cautelosamente.

"Oi,” ela responde com cautela.

"Eu estava preocupado..." Eu começo as minhas palavras, mas ela me corta.

 I Wanna Run to You - Whitney Houston

"Eu sei. Eu sinto muito... Eu simplesmente não conseguia enfrentar as festividades. Eu só tinha que ir embora, você sabe. Para pensar,” e suas mãos chegam ao meu rosto, e me acariciam com seu toque suave. Inclino-me para elas e fecho os olhos, deixando a sensação correr através do meu coração.

"E você pensou que faria isso no meu quarto?" Eu digo finalmente abrindo os olhos.

"Sim,” ela sussurra.

Eu automaticamente chego até ela, e puxo-a para meus braços, e a abraço, aliviado que ela veio de bom grado, segurando apertado, apreciando o cheiro dela, inalando profundamente seu cabelo.

"Eu sinto muito que você teve de suportar isso, baby,” eu sussurro fervorosamente.

"Não é culpa sua, Christian. Por que ela estava aqui? ” Ela pergunta.

Meu rosto faz uma careta de desculpa.

"Ela é uma amiga da família."

"Não mais. Como está sua mãe? ” Ela pergunta.

"Minha mãe está muito fodida de raiva de mim agora. Estou muito feliz por você estar aqui, e que estamos no meio de uma festa. Caso contrário, eu poderia estar respirando o meu último,” eu digo colocando tudo em poucas palavras.

"Assim tão ruim, hein?"

Eu só posso assentir em resposta. Ainda chocado com a reação da minha mãe.

"Você pode culpá-la?” Ela pergunta em voz baixa, sedutora. Eu estou abraçando-a com mais força. Eu estava tão preocupado, e as palavras da minha mãe me dizendo, lembrando, que eu poderia perder Anastasia por causa de Elena me assustam mais, e eu a abraço mais apertado.

Depois do que parece uma eternidade, eu respondo. "Não."

Eu posso sentir a ingestão aguda de fôlego de Anastasia depois que ela ouve minha resposta.

"Podemos sentar?” ela pergunta.

"Claro. Aqui? " Pergunto confuso. Ela acena concordando com a cabeça, e senta-se no topo da escada.

"Então, como você se sente?” Ela pergunta em voz solícita, nervosa. Suas mãos segurando as minhas com força, seu olhar no meu rosto sombrio. Eu posso apenas suspirar em primeiro lugar.

"Eu acho que eu me sinto libertado,” eu respondo com sinceridade. Depois de anos escondendo isso, eu nem percebi que era um fardo sobre meus ombros. Sempre escondendo isso, mantendo sempre na distância dos braços, de modo que ninguém chegasse perto o suficiente para descobrir. Eu sorrio com alívio, tirando o cansaço.

"Sério?” Ela pergunta sorrindo.

"Nosso relacionamento de negócios está acabado. Encerrado."

Ela parece confusa, e franze a testa. "Você vai liquidar o negócio do salão?"

Na verdade, eu bufo em resposta. "Anastasia, eu não sou tão vingativo,” eu digo, reprovando. "Não. Eu só vou presenteá-la com ele. Vou falar com o meu advogado na segunda-feira. Devo isto a ela."

Ela inclina-se para o lado, e arqueia sua sobrancelha de forma interrogativa. "Não mais Sra. Robinson?" Oh, Ana, como você torna leve qualquer situação. Minha boca se torce em um sorriso reprimido.

"Foi-se,” eu digo e seu sorriso de resposta pode iluminar toda a cidade de Seattle.

"Eu sinto muito que você perdeu um amigo,” diz ela.

Realmente Srta. Steele? Eu dou de ombros, em seguida, sorrio para ela. "Sente?" Eu pergunto em voz tentadora.

"Não,” ela diz em uma confissão, corando, envergonhada. De alguma forma, sua resposta me faz feliz. Isso significa que ela está com ciúmes de mim, possessiva, e proprietária em relação a mim. Eu amo isso na minha mulher.

"Venha,” eu digo e tomo-lhe a mão. "Vamos participar da festa em nossa honra. Eu  poderia até mesmo ficar bêbado."

"Você ficar bêbado?” ela pergunta, deslizando sua mão na minha.

"Não, desde que eu era um adolescente selvagem,” eu respondo enquanto nós nos encaminhamos para baixo.

"Você já comeu?" Eu pergunto.

"Não,” ela responde em voz baixa.

"Bem, você deveria. Pelo olhar e cheiro de Elena, esse foi um dos coquetéis letais do meu pai que você jogou sobre ela." Lembrando o rosto lívido de Elena, pegajoso com o Martini de Anastasia, eu não posso impedir-me de  me divertir.

"Christian, eu...” diz ela, mas eu levanto  minha mão e a interrompo. Eu não estou criticando-a.

"Sem discutir, Anastasia. Se você estiver indo beber e jogar álcool sobre minhas ex, você precisa comer. É a regra número um. Eu acredito que nós já tivemos essa discussão após nossa primeira noite juntos."

Eu dou uma olhada no rosto dela, e uma divertida e tímida expressão lampeja através dele. Eu paro no corredor, de pé diante dela e acaricio seu rosto, e o maxilar, lembrando a primeira noite que passei com ela no Hotel Heathman.

"Fiquei acordado por horas e assisti você dormir,” confesso, em um murmúrio. "Eu devo ter amado você desde aí."

Seus lábios se partem com minha confissão e sua respiração acelera. Eu me inclino para ela, e beijo-a suavemente nos lábios, e seus olhos se fecham, derretendo no nosso beijo.

"Coma,” eu sussurro em seus lábios.

"Tudo bem,” diz ela, e eu seguro sua mão e caminho até a cozinha com a minha noiva.

*****

Os dois últimos convidados a deixar a festa são John e Rhian.

"Parabéns mais uma vez, Ana. Vocês dois vão ficar bem,” diz John sorrindo para ela, e reconfortando. Eles deixam a casa de braços dados como um casal muito feliz que eles são.

"Boa noite," nós ambos dizemos,  em uníssono.

Assim que eu fecho a porta, eu me ilumino com emoção.

"Só a família ficou. Acho que a minha mãe teve bebida demais,” eu digo ouvindo a voz jovial de minha mãe cantar karaoke fora do tom,  no Wii.

"Você a censura?” Ela pergunta sorrindo com malícia.

"Você está sorrindo para mim, senhorita Steele?"

"Eu estou,” ela responde.

"Foi um senhor dia,” eu digo o que resume os acontecimentos, grosseiramente subestimando os eventos.

"Christian, recentemente, todos os dias com você têm sido um senhor dia,” diz ela com ironia.

"Bem colocado, Srta. Steele. Venha comigo... Eu quero lhe mostrar uma coisa,” eu digo nervoso, animado, ansioso, preocupado... eu disse nervoso? Eu pego a mão de Anastasia, e nós andamos através da casa para a área da cozinha, onde meu pai, Elliot e Ethan estão falando sobre os jogos dos Mariners da temporada, enquanto bebem o  último dos cocktails e comem as sobras.

Elliot, sendo um babaca, provoca sugestivamente, "Fora para um passeio, irmãozinho?" Mas, eu estou muito nervoso para prestar qualquer atenção. O meu pai dá-lhe uma carranca repreensiva, sacudindo a cabeça para admoestar meu irmão.

O tempo está bonito lá fora; meia-lua está brilhando sobre a baía e as luzes da cidade cintilam ao longe, fazendo tons de cinza com o céu noturno. As luzes da casa de barcos estão acesas. Bom. Minha mãe assegurou-se de que elas fossem deixadas acesas.

"Christian, eu gostaria de ir à igreja amanhã,” diz Anastasia, me pegando de surpresa.

"Oh?"

"Eu rezei para que você voltasse vivo e você voltou. É o mínimo que eu posso fazer,” diz ela me tirando o fôlego.

"Ok,” eu digo para ela. Eu poderia ir com ela. Andamos de mãos dadas em direção à casa de barcos, por alguns momentos, juntos. Anastasia vira a cabeça para me fazer uma pergunta. "Onde você vai colocar as fotos que José tirou de mim?"

"Eu pensei que você poderia querer colocá-las na nova casa,” eu respondo.

"Você a comprou?” Ela me pergunta surpresa. Eu pensei que ela amava a casa. Eu paro no meu caminho. Ela não a quer agora? Meu coração afunda de repente. Ela está infeliz porque eu comprei?

"Sim, comprei. Achei que você gostava dela."

"Eu gosto. Quando você comprou-a?"

"Ontem de manhã. Agora precisamos decidir o que fazer com ela,” eu digo com alívio me cobrindo.

"Não a derrube, por favor,” ela implora para mim. "É uma linda casa. Ele só precisa de algum cuidado amoroso e carinho."

Minha garota; ela está sempre tentando consertar as coisas, vendo o que é bom nelas, em vez de se concentrar no que há de errado com elas. Eu não esperaria nada menos dela. Eu sorrio com sua resposta.

"Ok, baby. Eu vou falar com Elliot. Ele conhece uma boa arquiteta, ela fez alguns trabalhos na minha casa  em Aspen. Tenho certeza de que Elliot pode fazer a reforma."

De repente Anastasia bufa. O quê? O que eu disse?

"O quê?" Eu pergunto.

"Eu me lembro da última vez que você me levou para a casa de barcos."

Ah, sim, eu me encontro rindo carinhosamente da lembrança. "Oh, isso foi divertido. Na verdade... " Eu digo e colho Anastasia do chão e coloco-a no meu ombro, fazendo-a gritar, deliciada.

"Você estava realmente com raiva, se bem me lembro,” diz ela ofegante.

"Anastasia, estou sempre realmente com raiva,” eu respondo.

"Não, você não está."

Eu bato na bunda dela quando eu alcanço a porta de madeira para a casa de barcos. Eu a deixo deslizar para o chão, e pego sua preciosa mão na minha.


"Não, você está certa. Não mais," eu digo enquanto eu me inclino para ela, e a beijo, dura e apaixonadamente, consumindo tudo, ardente e desejoso. Quando quebramos o beijo, nós dois estamos ofegantes e sem fôlego, quentes e incomodados.

Ansiedade e nervosismo me cobrem como um manto. Eu olho para ela, muito preocupado com sua reação. Ela percebe a minha tensão, e sem dizer uma palavra, ela levanta a mão suavemente para o meu rosto acariciando, correndo os dedos pelas minhas costeletas, minha mandíbula e meu queixo, e finalmente, seu dedo indicador toca meus lábios. Eu fecho meus olhos, relaxando instantaneamente. Quando abro os olhos novamente, eles estão queimando de desejo por ela.

Eu engulo.

"Eu tenho algo para lhe mostrar aqui,” murmuro com uma voz quase inaudível, e abro a porta, deixando-a entrar.  A lancha no cais subindo e descendo na água escura, parada ao lado de um barco a remo.

"Venha,” eu digo pegando sua mão e levando-a até as escadas de madeira. Eu abro a porta, e volto a convidá-la a entrar.

Esta é a primeira vez que eu estou vendo o local, e eu percebo que Janice e sua equipe fizeram um trabalho mais do que maravilhoso arranjando as flores, pela forma de reação de Anastasia. Seu queixo cai aberto. Há flores por toda parte. Flores de todas as cores, flores do prado, selvagens e exóticas. Há luzes brilhando feericamente, e lanternas em miniatura suavemente brilhando ao redor da sala. O lugar parece uma página de um conto de fadas. Completamente mágico. Mas, eu quero saber o que ela pensa. Eu ainda estou fodidamente nervoso.

Como se aproveitando a deixa, o rosto de Anastasia se vira para encontrar meu olhar inexpressivo, embora eu seja tudo menos isso. Eu quero que ela ame isso, não apenas goste disso. Eu quero que ela se lembre desse momento até o seu último suspiro. No entanto, eu só consigo dar de ombros com indiferença.

"Você queria corações e flores,” murmuro com os olhos ardentes.

"Você tem meu coração,” eu digo em um pequeno sussurro, e então eu agito minha mão em volta para demonstrar o resto da frase. Ela completa para mim.

 Just Say Yes - Snow Patrol

"E aqui estão as flores,” ela sussurra.

"Christian, é absolutamente adorável!” Diz ela sem fôlego.

Agarro sua mão e puxo-a para o cômodo. Meu coração é um grande tambor da selva, batendo na minha garganta, tentando sair do meu corpo. E assim que nós estamos no cômodo, eu afundo no chão em um joelho na frente dela. Sua boca se abre, incapaz de dizer uma palavra. Não sai nada... Nem mesmo o sussurro de um suspiro.

Eu tiro o anel do meu bolso, que eu estava indo colocar como uma flor, e depois propor a ela. Você sabe, flor entre flores, jóia entre as jóias... única da espécie, como ela.

Eu engulo em seco, mais uma vez, tentando passar um log através. Todo o meu amor,  e paixão, e meu coração na minha mão, diante dela, oferecido a ela. Tudo o que ela tem a fazer é pegá-lo.

"Anastasia Steele. Eu amo você. Eu quero amar, cuidar, e proteger você para o resto da minha vida. Seja minha. Sempre. Compartilhe minha vida comigo. Case-se comigo,” eu peço.

Seus olhos se arregalam, as lágrimas estão na borda ameaçando cair em uma enxurrada de emoções. Seu lábios se agitam e tremem. Eu quase posso ouvir seu coração bater como as asas de um beija-flor, rápido, e mais rápido ainda. Ela pisca e as lágrimas caem, e ela diz um claro "Sim” me fazendo sorrir tão amplo quanto possível. Eu deslizo o anel em seu dedo. É um anel oval de 14 quilates, estilo eduardino, com diamante cortado oval, em um anel de platina. É simples, mas eleva o ordinário para o extraordinário. Sua simplicidade é a sua beleza.

Quando você quer alguma coisa, e dinheiro não é objeção, quase tudo o que quiser, praticamente em qualquer lugar, e a qualquer momento, é bastante possível. Depois que propus a Anastasia desajeitadamente pela primeira vez, eu queria ter esse momento especial com ela. Eu queria fazer isto para ela, deslumbrá-la. Eu queria ter algo a ver com a confecção de seu anel. Mas sendo quem eu sou, eu não queria que a informação fosse divulgada para Anastasia não chegar a ser perseguida pelos paparazzi. A primeira coisa que Taylor fez para mim foi fazer o joalheiro assinar um NDA, sem saber quem era seu cliente. Tudo que o joalheiro precisava saber era que Taylor tinha dinheiro apoiando sua busca, e que ele estava autorizado, para qualquer quantidade de pagamento, até cinco milhões de dólares, para cobrir o custo de qualquer anel que eu escolhesse. Tivemos uma sessão privada online  mostrando os diamantes antes de tê-los colocados em um anel de platina. Depois de ter passado por tantos diamantes, e com a frustração crescendo por não encontrar algo que me falasse, eu estava prestes a desistir com este joalheiro em  particular. Então, ele disse que eles tinham outros diamantes que tinham acabado de chegar, e embora ainda não estivessem cortados, e não totalmente trabalhados, capturaram meus olhos como da primeira vez em que eu conheci Anastasia. Diamante em bruto.

Bonito, e não trabalhado. Elegante, embora despretensioso. Eu tinha meus olhos postos neste simples diamante parecendo 14 quilates, e, finalmente o tendo escolhido, eu o tive fixado neste simples, mas requintado anel de platina. Toda a transação foi tratada de forma anônima. Quando este diamante foi mostrado para mim, eu percebi sua simplicidade, sua aparência impecável sob a lupa, por mais áspero que ele ainda estivesse na superfície, percebi que havia algo de especial nisso: a limpidez dele que criava mais brilho, ele era quase incolor. Eu sabia que esta pedra refletiria o brilho de Anastasia, sua marca de beleza, só reforçando a que ela já tem, e não reduziria sua elegância, tirando-a ou fazendo-lhe sombra. Era único como Anastasia. O anel só foi concluído nesta manhã, Taylor foi informado, e ele o pegou.

Ele entregou-me dizendo: "Boa sorte, senhor!" Com uma voz rouca. Ele esteve queimando um buraco no meu bolso o dia inteiro!


Because You Loved Me - Celine Dion

E aqui ela o adora, tirando o meu fôlego! 



"Oh, Christian," ela soluça, e soluça lágrimas de alegria, caindo de joelhos e se juntando a mim no chão, beijando-me forte, com as mãos agarradas no meu cabelo. Ela me beija com tal paixão, tal fervor, tal exigência  que neste momento as nossas almas se fundem, e nós realmente pertencemos um ao outro. Neste momento, ela é todo o meu universo. Neste momento, eu leio sua alma e a minha está nua para ela fazer o que ela quiser. Esse beijo é a minha rendição final para ela, e a dela para mim. Ela é minha mulher. Ela é a metade da minha alma. Ela é o meu primeiro amor, último amor, todo amor. Eu sou egoísta. Eu a quero toda para mim, nunca querendo compartilhá-la, mesmo com sua própria sombra. Eu sou fodido e inseguro quando se trata dela. Eu sou mesmo insano e fora de controle, com meu amor por ela. Eu sou a porra de um adolescente no corpo de um adulto. Mas ela lida com isso e me ama no meu pior. Como eu poderia não querer oferecer-lhe o meu melhor? Seu amor por mim me faz querer ser um homem melhor.



Seu amor por mim me faz querer amá-la mais como se meu coração crescesse aos trancos e barrancos. 
Estou profundamente, loucamente, irrevogavelmente apaixonado por essa mulher, e nem mesmo a morte irá nos separar.

I have Nothing – Whitney Houston

*****

"Eu te amo sem saber como, nem quando, nem onde. Eu te amo simplesmente, sem problemas nem orgulho: eu te amo desta maneira, porque eu não conheço nenhuma outra maneira de amar, apenas esta, em que não existem eu ou você, tão íntima que a tua mão sobre meu peito é a minha mão, tão íntima que quando eu adormeço teus olhos se fecham."

Pablo Neruda, 100 sonetos de amor

*****

Ae fond kiss
Ae fond kiss, and then we sever!
A farewell, and then forever!
Deep in heart-wring tears I’ll pledge thee,
Warring sighs and groans I’ll wage thee.
Who shall say that Fortune grieves him,
While the star of hope she leaves him?
Me, nae cheerful twinkle lights me,
Dark despair around benights me.
Robert Burns

(N.T. Robert Burns, o “bardo nacional escocês”.  Escreveu poemas sobre diversos aspectos da vida escocesa, e é muito popular na Irlanda, Irlanda do Norte e Inglaterra.)

*****



Debruçou-se sobre o artigo com a notícia.

"Seattle Times
18 de junho de 2011 - sábado

Christian Grey, um dos homens mais ricos do mundo, Número 2 em Seattle, apenas atrás de  Bill Gates, e um dos funcionários de gestão mais elevados da Grey Enterprises Incorporated, Ros Bailey, sobreviveram a um acidente de helicóptero perto de Silver Lake, Washington, com lesões mínimas. Autoridades creditam às habilidades de pilotagem do Sr. Christian Grey a sobrevivência ao acidente e ter salvo a vida da Srta. Ros Bailey. A polícia não está liberando qualquer informação até que uma investigação completa seja concluída. Mas de acordo com uma fonte não identificada com a investigação, a polícia suspeita de um crime. A fonte disse que ambos os motores do helicóptero falharam simultaneamente. Um comunicado divulgado pela empresa confirma essa falha dupla do motor. De acordo com o comunicado divulgado pela GEH, o helicóptero Eurocopter EC135, do Sr. Grey, teve problemas técnicos e os motores do helicóptero falharam quando ele estava pilotando-o de volta de Portland para Seattle; mas os representantes da empresa estão em silêncio sobre os rumores de qualquer crime.

O Eurocopter EC135 é um dos mais seguros e mais caros em sua classe. Sua alta resistência e alcance estendido permitem que este helicóptero realize uma ampla gama de requisitos de missão. O helicóptero possui uma cabine e aero eletrônicos modernos, bem como o rotor da cauda Fenestron do Eurocopter, dando-lhe alta performance e excelente capacidade de manobra. O EC135 foi concebido com um elevado grau de resistência a choque, devido à sua absorção de energia pela fuselagem e  bancos, juntamente com células de combustível resistentes a quedas.”

O artigo termina, e o rosto do homem se contrai com raiva.

"Foda-se esse filho da puta! Seu dia chegará, Grey! O seu dia chegará,” diz ele jogando o jornal no chão. Ele podia guardar rancor. Ele poderia guardá-lo por anos, aguardando a sua hora. Ele ganhou seu salário, agora era a sua vez de pagar.

E o que você sabe? Grey pisou no pé de alguma outra pessoa, também?

"Que esposa você fodeu durante esse tempo, Grey?” Ele murmura. Ele iria descobrir. E ele se asseguraria que o outro filho da puta completaria o trabalho corretamente desta vez.

Ele senta-se recostado na cadeira do escritório. Ela range sob seu peso. Apesar de seus 47 anos, ele está na  melhor forma de sua vida, dado o seu estilo de vida, e o constante rigoroso trabalho de treinamento. Por um momento ele se perde em pensamentos, voltando no tempo sete anos. Ele estava em uma viagem de negócios. Era para ser uma grande máquina de fazer dinheiro para a Madeireira Lincoln. Mas que ia tomar-lhe pelo menos uma semana.

"Eu não quero ir. Você sabe que terá que ir a reuniões durante todo o dia e trabalhar toda noite. Eu vou ficar completamente entediada. E além disso...” disse ela arrastando a mão sobre o peito dele, abrindo os botões, um a um, ela continuou seu ataque sensual ronronando em seu ouvido: "você vai sentir mais falta de mim, e eu vou sentir sua falta. Você pode amarrar-me na cruz de madeira, e punir-me por não ter vindo com você." Seus olhos se estreitaram. Foi uma proposta que o fez ter todos os tipos de ereção. Punir e foder! Sim, ele ia ficar cansado de toda forma e  não estava levando nenhum brinquedo com ele. Ele precisava estar atirando com todos os seus pistões. Elena seria uma distração.

"Cruz de madeira, e a mesa de flagelação,” ele disse, com uma voz rouca.

Tendo aberto o último botão, ela escorregou suas mãos sob a camisa, por sobre os ombros e lentamente empurrou sua camisa para baixo. Um arrepio percorreu-o. Ele adorava isso. Ele adorava quando ela assumia o comando, e ele adorava quando ele a punia e a fodia.

Sua viagem terminou mais rápido do que ele esperava. Era apenas o segundo dia de sua viagem, ele fechou o negócio e voltou para casa, para Seattle, vindo da costa leste,  ansioso para chicotear e foder sua esposa.
Ele veio para uma casa vazia. Ele ligou para o celular de sua esposa. Em um tom uniforme, ele perguntou: "Oi, onde está você?"

"Em casa, lendo. E você? "

Ele fez uma pausa, mas decidiu fazer o jogo. "Acabando de chegar ao hotel. Estou ansioso pela minha recompensa quando eu chegar em casa,” disse ele, mas só ele percebeu a ameaça em sua voz.

"Eu também,” respondeu ela.

Depois que desligou, ele chamou as empresas de cartão de crédito e verificou para ver onde sua esposa estava gastando seu dinheiro, o que ela estava fazendo. Ele ficou surpreso ao ver viagens para Cambridge, MA cada vez que ele estava fora da cidade, até onde ele pode recuperar os relatórios, mas as viagens tinham parado cerca de um mês atrás. O que ela estava fazendo? Extratos bancários... Ele precisava olhar os extratos bancários. Duas de suas contas conjuntas não continham nada fora do comum. Ela tinha uma conta de manutenção da casa no seu nome. Havia quatro grandes depósitos de várias contas conjuntas. Um depósito total de 100.000 dólares feito na conta e, no mesmo dia repassado, para uma conta em nome de um Christian Grey!

Christian Grey? O filho de Carrick e Grace Grey? Eles não tinham carência de dinheiro. Eles estavam bem, como  qualquer outro na vizinhança. Por que Elena lhe daria dinheiro? A menos que... A menos que... ela estava fodendo ele! Uma ocasião, ele permitiu a Elena adicionar uma outra garota, ou mesmo um submisso masculino na equação. Mas nunca sem sua permissão! Ele era seu dom. Ele possuía a bunda dela! E pensar que ela deu a esse Grey a merda do dinheiro?

Elena não voltou para casa naquela noite. Quando ela caminhou de volta para casa, na tarde do dia seguinte, ela se surpreendeu ao encontrá-lo em casa.

"Eu senti sua falta e uma vez que eu terminei o trabalho cedo, eu pensei em voltar para casa e reclamar o meu prêmio,” disse ele com um sorriso licencioso. Ela rapidamente recompôs-se, com evidente alívio em seus olhos.

"Oh, eu estou tão contente. Eu estava fazendo compras,” disse ela,  tudo rápido demais.

"Sério? O que você comprou? "

"Nada despertou minha curiosidade, então eu decidi não comprar."

"Christian Grey foi com você?” Ele perguntou calmamente, parando-a em seu caminho. Ela mexeu-se nervosa.

"Christian... quem... Grey? O filho de Grace? Por que... Eu não entendo."  Ela parecia perturbada.

"Por quem você me toma, Elena? Hmm? Você acha que eu sou um fodido estúpido como você?"

"Deu-lhe 100 mil para te foder?" Todo o sangue foge de seu rosto.

"Como você sabe disso? Quero dizer, não!” Diz ela, mas as costas da mão com que ele bate em sua  cara partem seu lábio, e a mordida acidental de sua bochecha perfura um buraco no queixo dela. O sangue jorra para fora, e dentro de sua boca. Ele pega seu cabelo loiro e puxa-a para baixo, capturando sua boca, saboreando o sangue nela e morde o lábio inferior com força suficiente para rasgá-lo fora, como a orelha de Evander Holyfield! (N.T.  pugilista norte-americano, pentacampeão mundial dos pesos-pesados. Holyfield ficou mundialmente conhecido por vencer Mike Tyson, e por ter sido vítima de uma mordida dele, onde parte de sua orelha foi arrancada.) Todo o sangue do lábio dela jorra em sua boca e na dele e ele engole avidamente e, em seguida prendendo seu cabelo com uma mão, ele bate com força, novamente, na outra face.


"Você decidiu foder alguém mais sem minha permissão?” ele grita com fúria assassina. Seus olhos azuis são fragmentos gelados, com raiva beirando a loucura.

"Mas às vezes você adiciona alguém na mistura!"

"Eu tomo as decisões, Elena. Você não! Eu vou bater em você cada uma polegada de sua vida, Elena! Quando eu terminar com você, você vai se arrepender de ter fodido  alguém  sem o meu consentimento!"

Seus olhos se arregalam e ela grita.

"Vermelho! Vermelho” ela grita com o sangue escorrendo de sua boca.

"Vermelho? Há quanto tempo você fode com ele? " Seu cabelo ainda em suas mãos.

"Vermelho!"

"Quanto tempo Elena?"

"Vermelho,” ela grita de novo, e ele dá um soco nela, sentindo o estalo de suas costelas sob o golpe bem sucedido.

"Há quanto tempo você fode com ele?"

Ela está dobrada no chão. Ele a levanta pelos cabelos loiros agora ensanguentados. Ele a leva para o nível de seu olho. "Quanto tempo?” Ele pergunta em um tom calmo e ameaçador.

"S...” ela suspira. Ele puxa com força novamente. Um incoerente "s... se... seis... anos!" Seus olhos se arregalam! Ele a golpeou novamente e ela levantou os braços na defesa, e seu pulso quebrou sob o seu soco.

"Você fodeu uma criança? Puta! Ah, isso não tem preço. Você deveria ter me contado."

"Então, você foderia com ele também?" a idéia nunca passou pela sua mente, mas se ele tivesse feito, ele não estaria com esta raiva.

"Eu não gosto particularmente deles nessa idade. Mas se você queria foder com ele, você tinha que pedir minha permissão, no que você falhou. Eu tinha que ser o responsável. Eu sou o melhor, lembra-se?"

"O melhor? Ele era melhor do que você com... com... com... 15, do que você..."  suspiros  “em seu auge!" De alguma forma ela reuniu suas forças para vomitar este último veneno para o marido.

"Eu acho que vou amordaçar você,” ele disse naquele dia sinistro, e pelo tempo que ele esteve com ela, um lado de seu rosto quase cedeu, o outro foi espancado até virar polpa. Ela teve três costelas quebradas, pulso quebrado, braço, e hematomas em locais onde apenas os dominantes sabem que existem.

"Agora, cadela!” Ele disse a ela.

"Aqui está como isso vai ser. Eu ainda estou fora da cidade. E um dos meus funcionários a encontrou. Se você se atrever a dar queixa, vou expô-la e ao menino Grey! Você vai ser indiciada por acusações de pedofilia. Seria uma vergonha para a comunidade, e eu vou ser o marido que não podia suportar a pedofilia de sua esposa, e a deixou! Com quem você acha que a lei vai ser leniente?"

Ela estava mal se movendo no chão.

"Registre queixa, nós dois iremos para a cadeia. Fique em silêncio; você começará um bom acordo de divórcio! É pegar ou largar! Sem negociação! Sem dinheiro, nada, se você registrar queixa, e eu vou me certificar que você seja marcada como uma molestadora de crianças para o resto da vida! Você aceita o acordo?” ele perguntou forçando.

Há um aceno de cabeça quase imperceptível de Elena no chão. Foi assim que depois a encontraram, em um par de horas no seu carro, fora da cidade. Ela manteve sua parte no trato. Agora, é hora do filho da puta do Grey pagar. Oh, ele iria pagar, agora que ele sabia que havia outra pessoa a quem podia se aliar. Ele faria Christian Grey pagar caro com tudo o que ele tinha! Nada de zona proibida... Nada.





49 comments:

Neusa Reis said...

Oi meninas, este capítulo está espetacular. E com ele encerramos o livro 2. E vamos para o livro 3, o qual para atender aos inúmeros pedidos, a Emine dividiu em 3 e 4. E no quatro, segundo ela: "Eu não vou mudar a história, por assim dizer, mas aprofundá-la. Porque não sabemos nada sobre a gravidez, sobre o parto, nada sobre mudar para a casa nova, o casamento de Kate, o casamento de Taylor, baby Ted, o que aconteceu com Jack e Lincoln, e como Christian e Ana decidiram ter o segundo bebê. Todas essas coisas estão faltando. Isso significa que eu vou ter um monte de liberdade para preencher os espaços em branco". Já pensaram que beleza vai ser este livro 4? Vou tentar ser rápida (mais ainda, rsrs) com o livro 3 para chegarmos logo no 4.
Agradeço demais a todas que estão comentando, nem que seja deixando uma frase. Isto ajuda muito a gente a sentir o que vocês estão pensando. E para colocar o comentário, quem não tem conta Google, coloca como Anonymous, não esquecendo de deixar a assinatura no texto prá gente saber quem é.
Este capítulo tem muito conteúdo, apresenta o Lincoln, ex marido da Elena e mostra um diálogo da Grace com o Christian que quem é mãe vai se sentir bastante tocada. Bom, uns dias até domingo descansando e lá pela quarta posto outro. Procurem sempre por aqui porque posso não resisitir, aí posto antes. Beijos...

Pattystevam said...

Fantastico esse capitulo..nossa a cena da Elena e Ana foi bem intenso...fiquei com uma duvidazinha..Se a mae de Grey nao tivesse entrado ali naquele momento sera que Elena teria convencido Grey?? sobre o dominio??sera que Elena o teria dominado??sobre o Lincoln e Elena foi mto esclarecedor entao sera que Elena tudo que ela é aprendeu com Lincoln..Se vendo por esse lado ela nunca soube o que é o amor tbm..ela apenas conheceu o outro lado..o lado dominador..sendo assim podemos compreender um pouco Elena..bjs Emine e bjs Neusa...ansiosa para proximo livro que devo confessa é o que mais gostei e que delicia saber que tera o 4 livro bjs..

Anonymous said...

estou amando cada virgula desse livro, já li o um e o dois varias vezes, com a tradução fica espetácular, ver o amor de Christian tão puro e cristalino, e Ana se rendendo completamente aos seus encantos tem sido delicioso.

Rosa Souza said...

Muito, mas muito feliz pela notícia do 4º livro, para podermos nos deliciar com os detalhes que não tivemos na primeira versão.
Obrigada a Emine por mais esse presente para nós apaixonadas pelo casal (em especial ao Sr. Grey).
E parabéns Neusa pela maravilhosa tradução..sempre ansiosa pelos próximos capítulos...
Obrigada as duas por fazer meus dias mais felizes e principalmente mais românticos...bjs

Olidelgi said...

Olá Neusa e Emine,
Como sempre fazendo um belíssimo trabalho, nesta versão do Christian, realmente esclarecendo alguns fatos que ficaram no ar pela versão de E.L.James. A Elena teve o que merecia, mas será que ele para por aí ou vai aprontar mais alguma, antes do encontro qdo Ana conta a Christian da gravidez, bem, com certeza a Emine nos dará esses esclarecimentos. Acredito que o Christian nunca deixaria a Elena submetê-lo novamente, principalmente porque ele estava defendendo sua amada e descobrindo ao mesmo tempo as intenções dela para com ele.
O amor deles é realmente maravilhoso, faz a gente delirar, simplesmente sublime.
Parabéns, Neusa, mais uma vez pela excelente tradução e, à Emine, por nos prestigiar com esse belo trabalho de POV de Christian, simplesmente maravilhoso.
Aguardando ansiosa o próximo livro, vem aí o casamento, a lua de mel, enfim muitas surpresas nos aguardam, rsrsrs.
Vc vai postar o livro completo para donwload? Quero tê-lo pra mim, para poder ler e reler a qualquer hora ou lugar, rsrsrsrs.
Bjs
Olidelgi

Rosa said...

UAdorei o blog....vc e d+....parabens...super anciosa para o 3 livro....:-) bjs Rosa

Daniele Santiago said...

mais um capítulo maravilhoso... fiquei emocionada com a atitude da mãe do Christian... muito forte... adorei saber que haverá um quarto livro com mais conteúdos... parabéns meninas... um excelente trabalho, fico impressionada com cada capítulo!!! bjus

Anonymous said...

Eu não entendi como tudo começo por um simples beijo entre o Christian e a Elena?O que um beijo leva o Christian submeter se a Elena?Porque?Não faz muito sentido...Poderia explicar por favor...
Adoro ciquentas sombras de Grey,mas ainda adoro mais os livros na perspectiva de Christian e que tentei e conseguem preencher oq eu não aparece nos livros sobre a grávidez,os filhos,os casamentos,a lua de mel...
Obrigada pela ideia maravilhosa..
E fico feliz por este blog ser livre,não é preciso ser um membro para conseguimos ler...

Edilaine Tank said...


Neusa..olho quase todos os dias o blog..masi uam vez parabéns!!!
E que Deus lhe dê muita saude para vc continuar a nos encher de alegria!!!
bj
Edilaine

Cute Dream´s said...

Obrigada Emine e Neusa!!!!! Fazem meus dias mais felizes certamente.
Ansiosa pelo o 3 livro e ainda mais pelo 4.*_*
Obrigadaaa, Neusa! Thank You, Emine!

Pao said...

Excelente, debo reconocer que no esperaba que su madre tuviera un comportamiento tan protector, el amor de Christian y de Ana es maravilloso. Aunque odie Elena creo que ninguna mujer apesar del comportamiento que haya tenido no merece ser golpeada aún siendo una pedófila bueno me gustó mucho saber que tendremos para mucho rato la historia de Christian y Ana. Desde ya muchas gracias por su trabajo maravilloso y estoy esperando ansiosa el libro 3 y el 4.
Vi que empezaron a traducir en español maravillosa noticia tengo muchas amigas que esperan con ansia el libro de Grey. Ojalá que este listo pronto el primer libro.

Natii said...

Maravilhoso estava muitooo anciosa, muito emocionante tudo de lindo e lindo estou sem palavras :) só tenho que agradecer a vcs duas por nos darem esse privilégio de ver a versão do Christian lindo lindo.... simplismente perfeiro parabaens!!!

Tati said...

Maravilhoso!!!eu estou muito Ansiosa pelo livro 3 e o 4!!!!!!! minha nossa adorei saber que vou ler mais sobre eles!!! Parabéns Neusa e Emine!!!!

Anonymous said...

maravilhosoa ansiosa pelos outro rs ta muito bom obriga da neuza e emine silvana

Anonymous said...

muito bom so tenho a agradece espero mai bjo emine e neuza silvana

Ivana Meira Oliveira Rocha said...

Vc é simplesmente incrível Neusa, não esquecendo é claro da Emine.
Estou relendo os 50 Tons em paralelo e estou fascinada com as óticas dos personagens.
Não vejo a hora de ler os próximos capítulos.
Ivana Meira

Tatiana said...

Estava sem net um período e fiquei louca de vontade de ler os capítulos, que faltavam. Consegui apenas entrar hj e to aqui em cólicas pra começar logo a lê-los. Neusa e Eminé vcs não sabem como me sinto feliz em saber do quarto livro, to amando ideia ainda mais vindo de vcs 2 q são maravilhosas no que fazem!!! Beijos

Cristina said...

adoro o Grey e a Ana...e a cada novo capítulo fico roendo as unhas de felicidade e ansiedade, e será super interessante os detalhes que vocês irão oferecer no livro 4...rsrs

Cristina said...

adoro o Grey e a Ana...e a cada novo capítulo fico roendo as unhas de felicidade e ansiedade, e será super interessante os detalhes que vocês irão oferecer no livro 4...rsrs

Cristina said...

adoro o Grey e a Ana...e a cada novo capítulo fico roendo as unhas de felicidade e ansiedade, e será super interessante os detalhes que vocês irão oferecer no livro 4...rsrs

Jordana Sirlaide said...

Que capítulo maravilhoso! Fechou com chave de ouro. Christian todo corações e flores... lindooo!!! Amando cada capítulo dessa bela história mais e mais - rsrsrs.
Parabéns Emine! Vc é incrível! Estou muito feliz porque vamos ter o prazer de mais um livro. Realmente, algumas lacunas precisam ser preenchidas.
E Neusa, vc arrasa como sempre. Sua tradução é perfeita!
Ansiosa pelos livros 3 e 4.

Beijos

Sandra said...

Obrigada Emine e Neusa! Amando cada detalhe da história de grey e Ana. Estou muito feliz em saber do quarto livro, d+. Beijão

Penha Storani said...

Neuza, vc é uma fofa linda. Este capítulo está d+. A Eminé conseguiu tornar real o ódio do Lincoln contra o Grey, perfeito, adorei. Ansiosa pelo livro três e quatro. Bjs para todas que curtem essa saga.

Janiara Hernandez da Rosa said...

Neuza e Emine vcs sao MARAVILHOSAS! Estao de Parabens!
OnSimplesmente estou contando os minutos para começar a ler os proximos livros! Um grande abraço

Anonymous said...

Quando começa com o livro 3?Estou ansiosa,eu já li mas foi em inglês,traduzido podemos entender melhor.

Luxo da Lix said...

Seu trabalho esta maravilhoso. Que delicia ler este livro. Riquíssimo, fantástico. Estou amando tuuuuuudo!

eliane cristina rosa leite said...

Com sempre Neusa vc tem cido espetacular ate agora, nem tenho palavras pra descrever...anciosa pelo 3 e o 4...bjs te mais

Liliana said...

Olá Neusa, Emine! adorei este capitulo em especial, porque sempre quis saber o que Gracy tinha conversado com Christian. e sinceramente quase chorei, pois foi muito intenso. Estou anciosissima pelo livro 3 e fiquei mais que feliz em saber do livro 4. bjus e bom dimingo!! Liliana

Liliana said...

Olá Neusa, Emine! adorei este capitulo em especial, porque sempre quis saber o que Gracy tinha conversado com Christian. e sinceramente quase chorei, pois foi muito intenso. Estou anciosissima pelo livro 3 e fiquei mais que feliz em saber do livro 4. bjus e bom dimingo!! Liliana

Liliana said...

Olá Neusa, Emine! adorei este capitulo em especial, porque sempre quis saber o que Gracy tinha conversado com Christian. e sinceramente quase chorei, pois foi muito intenso. Estou anciosissima pelo livro 3 e fiquei mais que feliz em saber do livro 4. bjus e bom dimingo!! Liliana

Liliana rodrigues said...

Olá Neusa, Emine! adorei este capitulo em especial, porque sempre quis saber o que Gracy tinha conversado com Christian. e sinceramente quase chorei, pois foi muito intenso. Estou anciosissima pelo livro 3 e fiquei mais que feliz em saber do livro 4. bjus e bom dimingo!! Liliana

Gabi Neves said...

Fiquei muito feliz de ler o segundo livro!!!
Com o ficava muito ansiosa la pelo capitulo 16 parei de ler e esperei q fosse tudo traduzido!!!rsrsrsrs!!
´Neusa vc e d´+++,obrigado pela tradução e pela dedicação!!
Emine,sem palavras para descrever o quanto amo a sua forma de escrever sobre esse casal q eu amo tanto!!!
´Como sempre ansiosa pelo terceiro livro!!!rsrsrsrsr
Vcs são as melhores!!!

anne caroline godoi said...

Adoro a bofetada que a Grace da na vadia da Elena...só faltou o arrancar de cabelos. Era tão bom ela ter outra oportunidade .
Neusa,realmente esse capitulo ficou espetacular,sem palavras para descreve-lo.nao que os outros nao tenham ficado ótimos ,mas esses tem gostinho de final feliz.
Parabéns por mais essa etapa concluída .
Estou ansiosa pelo próximo.
Uma perguntinha,vc vai traduzir Pella?porfavor diga que sim....

Anonymous said...

cade o livro III gente?

Camilinha said...

Neusa estou carente.....cadê o livro 3?? Meu Deus o blog é viciante!!!
Bjus e mto obrigada pelas traduções

Camilinha said...

Neusa está nos deixando aflitas, cadê o livro 03? Adora suas traduções e sou viciada no blog.
Bjus e obrigada por nos proporcionar a leitura

Leda Carneiro said...

Ufa, finalmente consegui ler este capítulo, como sempre emocionante. Adoro Christian coração e flores. Ansiosa pelo tradução do próximo livro.Obrigada Emine pelo quarto livro, faltou muita informação para nós. Neusa estou lendo, viu! Bjs.

Mariah Lignot said...

Eminé e Neusa!!!!!
Incrível
Adorei cada capitulo!
Continuem, por favor estou viciada....
💋💋💋
Mariah

Anonymous said...

Meu Deus estou srm palavras AMO 50 tons e essa versao da Emine é maravilhosa.... Sem falar que é muitoooooo bom saber que tera um quarto livro.... Estou viciada e muito obrigado Neusa e Emine por nos dar essa alegria de poder desfrutar deste lindo romace do Cristian e da Ana..... Estou louca pra ler o livri 3 muito OBRIGADOOOOO mesmo meninas ;) Bjaoo Carol Dutra

Brasil Orgânico said...

Para quê esperarmos por E.L.James se temos vcs? Parabéns meninas. Excelente.

Raisa said...

Para que esperarmos por E.L.James se temos vcs? Parabéns. Excelente.

IsaBella Zanovello said...

Meninas,vocês são simplesmente magnificas! Obrigada e parabéns por esse belíssimo trabalho que é feito com tanto carinho. Nós,viciadas nesse CEO delicious,amamoooooooos loucamente tudo isso!!!!!!

Grande beijo Neusa e Emine <3

Virginia Zani said...

Como faço para salvar em PDF, nao estou conseguindo. Essa tradução está otima, todas as outras que tive acesso são péssimas.

Virginia Zani said...

Como faço para salvar em pdf? Essa tradução está otima.

Eminé Fougner @ Cowboyland said...

Virginia, email me at eminethe1st@gmail.com and I will send you the pdf files.

Daniela Martins said...

Fechando o livro II com chave de ouro!
Corações e flores!
Gostei a maneira que você nos apresentou como Sr Lincoln soube do relacionamento de Elena com CG!
E Anastasia é realmente muito forte! Soube se impor sobre Kate e Elena! Tudo isso por amor a CG!
Parabéns por tudo que vc já escreveu aqui, Emine! Não só pelo POV de CG, mas tambm pela Série Pella!
Boa noite!
Bjkas

luara said...

quer dizer q o Lincon queria ter o Grey tbem, por isso ele ta tão bravo, e ja acabei de ler o livro 4 queria ver ocomo vai ser o parto.
beijos adoro vcs, Nara

luara said...

quer dizer q o Lincon queria ter o Grey tbem, por isso ele ta tão bravo, e ja acabei de ler o livro 4 queria ver ocomo vai ser o parto.
beijos adoro vcs, Nara

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry