StatCtr

Wednesday, April 10, 2013

Livro II - Capítulo IX - Christian Grey e Anastasia Steele



CAPÍTULO NOVE

LEVE-ME COMO EU SOU

Tradução: Neusa Reis




Eu fecho a cara com a beligerante reação agressiva de Sawyer, e dou-lhe o "tudo limpo,” quando eu entro no saguão. Imediatamente decepcionado, Sawyer guarda sua arma, e permite-me entrar.

"Taylor está exagerando,” eu digo para acalmar Anastasia, enquanto eu ofereço a minha mão para ela. Anastasia olha chocada, assustada, preocupada, e apreensiva. Seu olhar percorre meu corpo observando tudo, notando meus botões da camisa abertos, tentando ter certeza que estou ileso. Eu tento esconder a tensão no meu corpo, mas não consigo. Eu olho para a minha garota com apreensão, preocupado com ela.

"Está tudo bem, baby,” eu digo, e enquanto eu caminho em direção a ela, eu abro meus braços para recebê-la em meu abraço protetor.  


Hysteria - Def Leppard

Ela está  envolta em meus braços, salva e segura. Passei esta última hora, preocupado e envelhecendo, temendo que algum dano, ainda que remoto, pudesse acontecer a Anastasia. Eu queria protegê-la, mas também encontrar Leila para obter-lhe a ajuda que precisa e para remover o elemento de perigo que ela poderia criar.

"Eu estava tão preocupada, Christian,” ela sussurra, finalmente sentindo-se segura em meus braços, a tensão deixando seu corpo, tentando sentir minha presença inalando meu cheiro, me abraçando.

"Eu sei. Estamos todos nervosos."

Sawyer sai para conferenciar com o resto da equipe de segurança.

"Honestamente, as suas ex estão provando ser muito desafiadoras, Sr. Grey,” ela murmura, e seu comportamento brincalhão, apesar do susto que nós passamos, me relaxa. Eu estava tão preocupado que isso pudesse adicionar uma nova pressão sobre Anastasia depois do que Elena tinha feito na festa beneficente; eu acabei de perceber que eu tinha superado os temores de que ela me deixaria ao encontrar minhas  insuportáveis ex.

"Sim. Elas são" eu digo, achando verdadeiro o que ela está dizendo. Eu tenho que tomar o controle da situação com as duas. Depois de abraçá-la e sentir seu calor em meus braços, e finalmente sentindo segurança suficiente para tê-la comigo, eu a liberto dos meus braços apenas para pegar a mão dela na minha. Quando eu a levo para a sala de estar, eu explico o que Taylor e sua equipe de segurança estão fazendo: "Taylor e sua equipe estão verificando todos os armários e despensa. Eu não acho que ela está aqui. "

"Por que ela estaria aqui?" Ela pergunta. Eu não sei a resposta para isso, e eu não vejo nenhuma razão pela qual ela estaria no meu apartamento.

"Exatamente,” eu respondo.

"Ela poderia entrar?" Pergunta Anastasia. Temos um sistema de segurança de alto nível no apartamento, eu não tenho certeza se ela pode ultrapassar isso.

"Eu não vejo como. Mas Taylor é super cauteloso, às vezes," eu digo, sabendo da total dedicação de Taylor ao seu trabalho.

"Você já procurou na sala de jogos?" Pergunta Anastasia, em voz baixa. Eu sei a que ela está se referindo. Leila tinha sido uma frequentadora da minha sala de jogos; minha sub. E, claro, os pensamentos de Leila e eu, viriam para Anastasia espontaneamente, sabendo como ela fica com ciúmes. Eu franzo a testa, mas respondo a sua pergunta:

" Sim, ela está fechada, mas Taylor e eu verificamos,” digo lembrando a reação exagerada de Taylor.

Ela respira estremecendo como se para limpar a ansiedade da última hora e o medo. Eu quero que ela relaxe e descontraia.

"Você quer uma bebida ou alguma coisa?" Eu pergunto-lhe.

"Não," ela diz, finalmente esgotando a última porção de adrenalina que o stress lhe deu, ela está completamente cansada, e mal consegue ficar em pé.

"Venha. Deixe-me colocá-la na cama. Você parece exausta," eu digo como se ela fosse uma criança pequena. Eu seguro sua mão e a levo para o meu quarto.

Ela pega sua bolsa e coloca-a em cima da penteadeira, e esvazia o conteúdo da mesma. Pegando um pedaço de papel, ela o entrega para mim. "Aqui," ela diz, "Eu não sei se você quer ler isso.  Eu quero ignorá-lo. "

Eu olho para o bilhete, e o conteúdo dele me aborrece:

Talvez eu tenha julgado você mal. E você definitivamente me julgou mal. Chame-me se você precisar preencher qualquer um dos espaços em branco - poderíamos almoçar. Christian não quer que eu fale com você, mas eu ficaria mais do que feliz em ajudar. Não me interprete mal, eu aprovo, acredite em mim - mas então me ajude, se você machucá-lo... Ele já se machucou bastante.

Chame-me: (206) 279-6261

Mrs. Robinson

Eu não quero analisá-lo na frente de Anastasia, que já vê vermelho mesmo quando ela ouve a letra "R."

"Eu não tenho certeza de quais espaços em branco ela pode preencher,” eu digo descartando a nota, mas vou ajeitar isso. "Eu preciso falar com Taylor," eu digo, como forma de mudança de tópico para que ela não se alongue muito sobre Elena e contribua para o que já acabou por ser uma noite infernal.

"Deixe-me desabotoar o seu vestido,” eu digo olhando para ela. Ela deve ir para a cama. Ela parece morta de cansaço.

"Você vai chamar a polícia sobre o carro?" ela me pergunta enquanto eu desabotoo seu vestido. Isso, naturalmente, não é uma opção. Eu arrasto o cabelo solto para o lado, e os meus dedos descem pelas suas costas agora nuas.

"Não. Eu não quero  a polícia envolvida. Leila precisa de ajuda, não da intervenção da polícia, e eu não os quero aqui. Nós apenas temos de redobrar os nossos esforços para encontrá-la," eu digo inclinando-me e beijando-a no ombro. Eu não quero Anastasia preocupada com isso. Esse é meu problema, que eu trouxe para nossa porta. Leila está passando por luto agora; e eu tenho que pedir ajuda para ela, eu devo-lhe isto. Eu não posso abandoná-la. Eu odeio o fato de que isto foi trazido à atenção de Anastasia. Eu sei que ela pode ficar muito ciumenta. Ela está com ciúmes de Elena, e agora Leila, que na verdade foi ao seu encontro no trabalho. Eu queria ter resolvido isso antes de chegar a este ponto. Tudo o que tenho que fazer agora é encontrar Leila, obter ajuda para ela e minimizar os danos para Anastasia.

"Vá para a cama," eu ordeno a Anastasia, e eu vou ao encontro de Taylor. Ele está esperando estoicamente no meu escritório.

"Taylor, o que você achou?"

"Nenhum traço dela aqui, senhor."

"Você acha que ela entrou na casa?"

"Nós não encontramos qualquer evidência de arrombamento, senhor. Nós varremos o apartamento duas vezes. Nenhum sinal dela. Examinei a pintura do carro. É uma tinta à base de óleo, senhor, e é branca, o que significa que é de secagem rápida. Dada a umidade em Seattle, eu diria que ela foi lançada no carro da Srta. Steele cerca de 3 horas atrás, ou talvez um pouco mais. Ela pode já estar muito longe," diz ele, e eu concordo. Taylor parece desconfortável.

"Mas?" Eu sondo apertando minhas sobrancelhas. Os instintos de Taylor nunca falham, e eu sou pura atenção.

"Ela tem essa capacidade de iludir-nos, senhor. Eu tenho certeza que ela está seguindo você ou a Srta. Steele, de alguma forma. Ela se certificou que ela causaria os danos quando todos se fossem. Seu horário não é uma coincidência. Ela sabia que nós tínhamos saído, e ela provavelmente suspeitava que fosse  por um bom tempo, porque estávamos todos vestidos para uma festa. Isso lhe deu tempo para esquematizar um plano para ir buscar a pintura, desfigurar o carro e cortar os pneus. Meu instinto me diz que ela não está longe do Escala. Mas, "onde,” é a questão. Isto está me incomodando, que não fomos capazes de localizá-la," diz ele, trocando de  pé nervosamente.

"O que mais?" Eu pergunto com voz firme.

"Perdoe-me, senhor?"

"Taylor, você trabalha para mim há quatro anos. Você me conhece bem, e eu aprendi a ler você como um livro. Você e eu podemos nos comunicar com apenas um olhar. Há algo mais. Eu quero saber o que é!" Ele balança a cabeça.

"Eu estive pensando sobre isso desde que ela veio e fez uma cena na frente de Gail. Leila mudou de tática. Primeiro foi chamar sua atenção. Você está prestando atenção agora. Ela está dizendo agora, olha o que eu posso fazer. Olhe para a dor que eu possa causar, espere o que está por vir. É como um jogo de gato e rato com ela. Mas eu não tenho certeza se ela é o gato ou o rato! Ela está jogando os dois. E depois há o fato de que ela está sofrendo, que é outra preocupação, porque é isso  faz com que ela fique instável. Ela não se importa com o que acontecer. Isso é o que me preocupa. Mas ela é  suficientemente coerente para fazer um plano, embora apressado ou de improviso." O rosto aflito, com medo, de Anastasia surge diante de meus olhos espontaneamente. Eu fecho meus olhos, e inspiro profundamente. As últimas horas desde que Elena jogou sua merda em Anastasia foram horrendas.

Pensei que Anastasia iria partir depois que Taylor me ligou e me contou sobre o confronto. Felizmente Elena não divulgou o que eu temia que ela fosse dizer. É claro que a hora que ela dançou com o Dr. Flynn foi outro momento que me preocupou. Mas John é um profissional e eu lhe pago bem. Ele não espalharia informação de seu paciente para outro próximo do paciente.

"Há agora quatro de vocês para cobrir muito mais terreno para encontrá-la, Taylor. Eu não quero deixar nada ao acaso. Sawyer seguirá Anastasia em todos os momentos. Sua segurança é prioridade. Eu quero que Leila seja encontrada. Descubra se ela está em contato com qualquer um de seus amigos aqui, ou com sua família no leste. Eu tenho coisas suficientes para me preocupar sem isto pairando sobre mim. É preciso ser resolvido agora!" Eu digo. Taylor concorda estoicamente.

"Se você não precisa mais de mim, senhor, eu vou para o meu escritório, e colocar todos a par."

"Tudo bem,” eu digo brevemente e Taylor sai.

Eu corro minhas mãos pelo meu cabelo. Onde Leila poderia estar? Qual é o seu problema com Anastasia? Eu tive outras subs antes e depois dela. Por que Anastasia? Meu telefone toca perturbando o silêncio em meu escritório, me fazendo pular. Quem diabos poderia chamar-me na escuridão da noite, depois das 2:00 horas da manhã? É outra emergência, porra, como se eu não tivesse tido o suficiente delas hoje à noite?
Eu olho para o identificador e é Elena. Ótimo! Esta noite está ficando melhor e melhor todo o tempo!
"O que?" Eu rosno no alto-falante sem um preâmbulo. Ela está surpresa ao me ouvir.
"Oh, Christian, eu não achei que você estaria acordado neste momento. Sinto muito por ligar tão     tarde."

"Bem, eu estou completamente puto com você! Depois de dizer que você deixasse Anastasia sozinha, o que você faz? Você vai pelas minhas costas e envia uma nota para ela, sabendo muito bem que eu iria saber! O que você estava planejando dizer a ela? Que lacunas você pensou que poderia preencher que eu não poderia?" Eu posso ouvi-la estremecer no telefone.
"Uhm... Eu precisava falar com você, " diz ela.

"Às 2:00 horas da manhã? Eu não sei por que você está me ligando a esta hora. Não tenho nada a dizer para você..." Eu fervo de raiva. Não depois do que ela jogou sobre Anastasia depois que eu disse a ela para deixá-la sozinha. Eu não gosto de pessoas indo pelas minhas costas.

"Estou ciente do horário. Eu pensei que você estivesse dormindo, e eu estava pensando em deixar uma mensagem. Eu posso te ligar amanhã, se quiser... "

"Bem, você pode me dizer agora. Você não tem que deixar uma mensagem."

"Eu não queria que Anastasia pensasse tão mal de mim. Ela não sabe a natureza da nossa relação. E ela me julgou mal. Incomoda-me que ela me veja como uma pedófila. Você sabe que eu não sou , Christian! Eu só estava tentando ajudá-lo da única maneira que eu sabia! E eu não vou tolerar Anastasia machucando você! Ouça, Christian ... ela tem capacidade para ferir você muito duramente!" Diz ela e eu a corto.

"Não, escute você. Eu lhe pedi e agora eu estou te dizendo. Deixe-a em paz! Ela não tem nada a ver com você. Você entendeu?" Eu digo com uma voz ameaçadora.

"Christian, por favor. Eu me importo com você imensamente!" Diz ela suplicante.

"Eu sei disso. Mas eu estou falando sério, Elena. Deixe-a sozinha, porra. Eu preciso repetir quantas vezes para você? "

"Christian, você já sofreu bastante! Você não sabe o que ela pode fazer com você, se ela lhe machucar novamente. Eu sei que você não pode aguentar. Eu senti a necessidade de protegê-lo! "

"Você está me ouvindo?" Eu pergunto-lhe exasperado.

"Sim, eu estou. Muito bem! Eu vou deixá-la sozinha," diz ela renunciando.

"Ótimo. Boa noite! " Eu bato a porra do telefone em cima da mesa.

A raiva está se propagando através de mim, eu estou pronto para quebrar algo. Eu coloco minha cabeça entre as mãos. Eu estou no meu limite. Eu odeio a interferência dos outros na minha vida. Leila está fazendo isso por alguma vingança que ela sente que precisa cobrar de mim, desencadeada por sua dor, e Elena está fazendo isso por causa de um desejo equivocado de me proteger! E há Anastasia que está no meio desta tempestade de merda, e eu estou com muito medo de que ela possa me deixar por causa das ações delas. Há uma batida leve na minha porta. Quem diabos é agora?
"O que?" Eu rosno como um animal com raiva, pronto para devorar com uma mordida gigante quem está por trás dessa porta. A porta é aberta tentativamente. Eu olho para cima e tenho a visão do céu no meu inferno pessoal. Meu rosto e alma encontram consolo naquele momento em que eu vejo aqueles olhos azuis espreitando meio assustados com a minha ferocidade ao  atender a porta. Eu não quero que ela tenha medo de mim. Eu sou cauteloso agora. Estou muito cansado e aborrecido. Eu só quero abraçar  a minha garota, e encontrar o meu centro neste furacão.

Enquanto minha mente passa da tempestade para a calma, eu pisco para apagar o que estava me incomodando e olhar a visão diante de mim. Anastasia está usando uma das minhas t-shirt parecendo uma adolescente.

"Você devia estar em seda ou cetim, Anastasia," Eu digo sem fôlego, como se eu tivesse corrido uma maratona. "Mas, mesmo com minha t-shirt, você está linda." Ela cora com esta cor linda subindo em suas bochechas.

"Eu sinto sua falta, venha para a cama,” ela sussurra suavemente. Sua voz está me chamando, como o chamado de uma sereia. 



Bliss - Muse

Eu não posso não atendê-la, então saio da minha cadeira e caminho em direção a ela. Meus olhos estão cheios de promessas e de desejo por ela, mas eles ainda estão matizados com a tristeza residual do que ela passou, em apenas uma noite, por causa das minhas  ex. Ela é a minha luz de velas no túnel escuro da minha alma. A única esperança que eu posso focar. Eu sou atraído por ela, e perdido sem ela. Se você nasce na escuridão, como eu, torna-se seu companheiro. É tudo o que você conhece. É confortável, porque você não conhece outra coisa. E as tentativas de  resgate tentando me tirar das trevas, sempre foram infrutíferas. Meu corpo pode ter estado fora do confinamento dessa masmorra, mas minha alma nunca esteve. Não até essa pequena centelha de luz. Não era forte, apenas um ponto na escuridão me acenando, chamando-me silenciosamente para ele. Estou sem alternativa a não ser ir para esta minúscula luz de velas. Quando eu a alcanço, ela me consome me mantendo em seu poder, prometendo coisas boas, me puxando para fora do calabouço, fundindo-me em  sua luz. Esta é a forma como ela, sem esforço, me tira dos meus pensamentos escuros, raiva e miséria.

"Você sabe o que você significa para mim?" Murmuro mal escondendo o medo de perdê-la. "Se alguma coisa acontecer com você, por minha causa..." Eu não posso colocar o resto do pensamento em palavras; é muito doloroso para sequer levantar uma hipótese sobre isso. Eu tento manter a angústia à distância,  tentando vincar minhas sobrancelhas como se isso fosse fazer o trabalho, mas a dor está sempre presente. Eu quase perdi isto quando ela se foi por seis dias, e eu sabia que ela estava a apenas 10 minutos de distância de mim. Se algo acontecesse e Anastasia e eu não existíssemos no mesmo universo, eu simplesmente morreria de tormento! Eu perderia a metade reclamada de  minha alma. Eu preciso dela mais do que da minha próxima respiração! Ela é muito importante para mim. Eu mal posso olhar para ela, como se ela fosse desaparecer das minhas mãos, evaporar de alguma forma.

"Nada vai acontecer comigo,” diz ela, com uma melódica voz suave, tranquilizando-me com seu eu frágil. Ela olha para mim com amor em seus olhos, estendendo suas mãos ela alcança meu rosto e suavemente o acaricia. Ela passa os dedos suaves através da barba incipiente em minhas bochechas.

"A sua barba cresce muito rápido," ela sussurra, efetivamente me levando para algum assunto que está completamente fora da zona de perigo.

Seu dedo indicador levemente traça meu lábio inferior, e depois com sua unha com uma mínima pressão traça a linha do meu lábio. Seu dedo desce até a minha garganta. Então ela emprega dois dedos para a mesma finalidade. Em seguida, três. E depois, quatro. Seus dedos arrastam-se sobre minha garganta para baixo até o meu pescoço e no limite da zona de segurança e de perigo. Meus olhos estão bem abertos enquanto eu a observo, totalmente envolvido em sua magia. Ela está fazendo o contato. Estou imóvel. Uma lua orbitando seu planeta. Seduzido. Ela traz o dedo até a borda da minha camisa. Seus dedos traçam a linha dos botões da camisa para cima e para baixo, lentamente, sem pressa.

"Eu não vou tocar em você. Eu só quero desabotoar sua camisa," ela sussurra, aliviando-me, tentando acalmar meus medos. 

By Your Side - Tenth Avenue North

Eu não posso evitar. Isto ainda é difícil para mim. Meus olhos se arregalam ansiosos, mas eu não quero ficar longe de sua proximidade. Eu fico imóvel, e eu quero deixá-la explorar. Aos poucos, timidamente, ela desabotoa o botão de cima, abrindo a gola da camisa e mantendo-se longe da minha pele, com cuidado para não me tocar. Ela repete o processo com o próximo botão. O meu olhar está sobre ela, hipnotizado. Ícaro para o Sol. Ainda apreensivo, mas incapaz de sair da atração. Estou à mercê de suas mãos. Ela se move para baixo para soltar outro botão. Em seguida, um terceiro. Completamente focada com a tarefa em mãos. O terceiro desabotoado, ela se move para o quarto botão na fila. Uma vez que ela o desabotoa, a linha de batom vermelho, agora residual, aparece ligeiramente. Ela sorri e olha para mim.

"Voltando ao território seguro,” diz ela traçando a linha com os dedos e, em seguida, ela desata o último botão. Minha respiração está ofegante. Por que isso é assustador e quente como o inferno? Ela puxa a camisa para fora dos limites da minha calça, completamente abrindo a frente dela e descobrindo meu peito. Ela remove as abotoaduras, num sexy movimento sensual, ao mesmo tempo.

"Posso tirar sua camisa?” Ela pergunta em voz baixa carregada de desejo sensual. Estou sem palavras, todo libertinagem, pura atenção. Eu só posso concordar. Ela se aproxima e puxa a camisa dos meus ombros. A camisa fica pendurada em minhas mãos que eu livro com um puxão. Agora estou nu da cintura para cima. É o meu território. Estou de volta e sorrio afetado para Anastasia.

"E as minhas calças, Srta. Steele?" Pergunto erguendo minhas sobrancelhas com nada mais que fome carnal.

"No quarto. Eu quero você na sua cama," diz ela, com promessas em seu tom.

"Quer? Srta. Steele, você é insaciável," eu digo com prazer.

"Eu não posso pensar por que,” diz ela inocentemente, agarrando minha mão, tomando a liderança, puxando-me para longe da miséria empilhada até a altura do céu em meu escritório, e leva-me para o meu quarto. Eu automaticamente sinto algo estranho no quarto. Está frio. Nós mantemos o apartamento em uma temperatura constante. Meu olhar vai rapidamente ao redor do quarto, e eu noto a porta da varanda aberta. Eu fecho a cara  e olho para Anastasia intrigado.

"Você abriu a porta da varanda?" Eu pergunto.

"Não,” ela responde surpresa por isto tanto quanto eu. Então seu rosto muda, o sangue foge de seu rosto, ela fica pálida, sem cor como um fantasma. Sua boca fica aberta. O que aconteceu? O que a está incomodando?
"O que?" eu exclamo, e incapaz de suportar o suspense, eu a encaro.
"Quando eu acordei,” ela diz, parando, tentando lembrar, "havia alguém aqui,” diz ela em um sussurro apontando para o pé da cama. "Eu pensei que era minha imaginação."

"O que?" Eu berro horrorizado. Eu corro para a porta da varanda, olho para fora, fazendo uma varredura  para ver se há alguém. Ela está aqui. Ela está por perto! E porra! Ela estava no meu quarto, onde minha namorada estava dormindo! Porra! Ela poderia tê-la machucado. Eu retorno e tranco a porta. "Você tem certeza? Quem? " Eu pergunto, em voz tensa. Eu olho atentamente em seus olhos.

"Uma mulher, eu acho. Estava escuro. Eu tinha acabado de acordar,” ela explica. Meus temores se confirmaram. Leila está aqui em algum lugar.

"Vista-se,” eu ordeno em um grunhido. Ela me olha confusa. "Agora!" Eu grito, e ela pula.

"Minhas roupas estão lá em cima,” ela choraminga.

Eu vou para o meu armário e retiro um conjunto de moleton de malhar.

"Coloque-o,” eu ordeno.

Então eu tiro uma de minhas t-shirts e a coloco. Pego o telefone e ligo para o ramal de Taylor. Ele responde ao primeiro toque.

"Ela ainda está aqui, porra," eu sibilo antes que ele possa até dizer 'Olá'


Dangerous - Michael Jackson

Taylor bate o telefone, e corre para o meu quarto em poucos segundos, juntamente com Ryan.

Eu dou para Taylor a versão abreviada da presença de Leila no meu quarto e nós encontrando a porta da varanda aberta. Taylor é todo negócios: "Há quanto tempo?" ele pergunta a Anastasia.

"Cerca de dez minutos,” diz ela, soando fraca.

"Ela conhece o apartamento como a palma de sua mão,” eu digo. "Estou levando Anastasia embora agora. Ela está escondida aqui em algum lugar. Encontre-a. Quando Gail estará de volta? " Eu pergunto.

"Amanhã à noite, senhor."

"Ela não deve voltar até este lugar estar seguro. Entendeu?" Eu exclamo mal segurando a minha sanidade mental.

"Sim, senhor. Você vai para Bellevue? "

"Eu não vou levar este problema para os meus pais. Faça-me uma reserva em algum lugar," eu ordeno.

"Sim. Eu informo você. "

Em seguida, Anastasia vira e diz a coisa mais idiota.

"Não estamos todos exagerando um pouco?"

Meus olhos estão em chamas, e se eu pudesse atirar fogo por eles, eu provavelmente faria. Eu fecho a cara para ela, e não contenho minha raiva. "Ela pode ter uma arma,” eu rosno. Será que ela acha que eu ia facilitar com a vida dela?

"Christian, ela estava de pé, no final da cama. Ela poderia ter atirado em mim então, se era isso que ela queria fazer. "

Inspirar. Expirar. Um. Dois. Três. Quatro. Cinco. Seis. Sete. Oito. Nove. Dez. Porra! Não está funcionando.

"Eu não estou preparado para assumir esse risco. Taylor! Anastasia precisa de sapatos!" Taylor corre para pegar os sapatos em seu quarto.

Eu rapidamente entro em meu closet, deixando Anastasia sob os olhos atentos e protetores de  Ryan. Pego uma bolsa de couro de mão, e a encho com roupas que eu poderia usar nos próximos dias. Eu pego um dos meus casacos jeans para Anastasia. Eu tiro minhas calças pretas do terno, e coloco meu jeans e um blazer risca de giz em cima da minha t-shirt. Eu agarro minha bolsa de mão e a jaqueta jeans e volto para o meu quarto. Anastasia ainda está de pé, onde a deixei. Eu coloco a jaqueta ao redor de seus ombros.
"Venha,” eu digo segurando sua mão na minha, possessivamente e caminho com rápidas passadas, enquanto quase arrasto Anastasia atrás de mim.


"Eu não posso acreditar que ela poderia se esconder em algum lugar aqui,” ela murmura enquanto ela olha para a porta da varanda, ao sair.

"É um lugar grande. Você não viu tudo, ainda. "

"Por que você não liga pra ela? diga-lhe que você quer falar com ela..." pergunta Anastasia.

"Anastasia, ela está instável, e ela pode estar armada," eu digo. Por que eu daria essa chance?

"Então, nós apenas fugimos?" Ela pergunta incrédula.

"Por enquanto, sim."

"Supondo que ela tente atirar em Taylor?" Ela pergunta preocupada.

"Taylor conhece e entende de armas,” eu digo com desaprovação. "Ele vai ser mais rápido do que ela  com uma arma."

"Ray estava no exército. Ele me ensinou a atirar."

Viro-me e olho para Anastasia com descrença. Outra amante de armas na minha casa?

"Você, com uma arma?" Pergunto chocado. Eu nunca soube disso.

"Sim,” ela diz ofendida, como se eu tivesse dito que ela era indigna ou incapaz de ter uma arma. De certa forma, eu não posso imaginar uma arma em suas mãos delicadas. Esta é uma informação nova para eu digerir.  "Eu posso atirar,  Sr. Grey, então é melhor você tomar cuidado. Não é apenas com  ex subs loucas que você precisa se preocupar. "

É legal que a minha namorada não esteja completamente indefesa. "Eu vou ter isso em mente, Srta. Steele," eu lhe respondo brevemente, sorrindo para sua tenacidade e espírito inabalável.

Quando chegamos ao hall de entrada, Taylor está esperando para nos encontrar com uma sacola de mão com as roupas de Anastasia e seu Converse preto. Um sorriso tímido se arrasta no rosto de Anastasia, e logo a luz de sua aura pessoal faz Taylor sorrir de volta para ela, em tom tranqüilizador. Ela deixa a minha mão, vai e abraça Taylor, que cora e fica tímido como um adolescente.

"Tenha cuidado,” murmura Anastasia preocupada.

"Sim, Srta. Steele," é o que Taylor mal pode proferir. Eu não gosto de minha namorada demonstrando afeto para outros, mesmo que seja de preocupação legítima. Ela é minha, porra! Eu avalio Taylor, e ele timidamente ajusta a gravata, com um gesto nervoso.

"Informe-me para onde estou indo,” eu digo a Taylor. Ele tira sua carteira do casaco e tira um cartão de crédito entregando-o a mim. Ele reservou o hotel em seu nome. Ótima idéia.

"Bem pensado,” eu digo com aprovação.

Ryan entra no hall de entrada, e se vira para Taylor, "Sawyer e Reynolds não encontraram nada," explica ele. A casa está limpa, mas eu não posso dar uma chance. As fechaduras precisam ser trocadas antes que possamos voltar.

 "Acompanhem o Sr. Grey e a Srta. Steele para a garagem," Taylor ordena a Ryan.

A descida para a garagem é silenciosa, quase sinistra. É o meio da noite. Não há uma única alma na garagem enquanto os moradores do Escala estão dormindo. São três horas da manhã afinal. Eu iço Anastasia no banco do passageiro do meu R8, colocando sua bolsa e a minha na mala do carro. Eu não posso impedir Anastasia de ver a destruição de seu veículo. Seu Audi tem os pneus cortados, e de acordo com Taylor, tinta à base de óleo branca está desfigurando o carro, parecendo uma vítima de abuso, que foi ferida além do conserto, por um amante desprezado. A cena me faz tremer. É isso que Leila quer fazer a Anastasia? Magoá-la além do conserto? A raiva sobe em mim. Eu afasto o meu olhar para longe do carro e escorrego para o banco do motorista.

"Um veículo de substituição vai chegar segunda-feira,” eu digo a Anastasia para tranquilizá-la, mas não posso retirar o tom sombrio da minha voz.

"Como ela poderia saber que era o meu carro?" Anastasia pergunta intrigada.

Oh, não! Eu tenho que explicar! Eu me remexo nervosamente no lugar, mas opto pela verdade.

"Ela tinha um Audi A3. Eu compro um para todas as minhas submissas. É um dos carros mais seguros da sua classe," eu digo como explicação.

Anastasia pisca. Ela é muito inteligente para eu jogar areia nos seus olhos.

"Entãoooo, não é bem um presente de formatura, não é?" Diz ela avaliando corretamente.

"Anastasia, apesar do que eu esperasse, você nunca foi minha submissa, então, tecnicamente, é um presente de formatura,” eu digo enquanto eu saio da vaga de estacionamento e avanço em direção à saída da garagem. Seu rosto despenca. Eu vejo as engrenagens girando em sua cabeça, com as mudanças de expressões que correm através de seu olhar.

"Você ainda está esperando?" Ela pergunta em um sussurro.

Eu não consigo uma chance de responder. Felizmente o telefone vibra através do Bluetooth no carro.

"Grey," é a minha exclamação ao responder.

"Fairmont Olímpic. Em meu nome,” diz Taylor direto ao ponto.

"Obrigado, Taylor. E, Taylor, tenha cuidado." Taylor faz uma pausa. É o seu  silêncio  'eu-também-estou-chocado-e-eu-nãosei-o-que-fazer-com-esta-preocupação-vinda-de-Grey'. Ele está surpreso assim como eu, por eu estar mostrando preocupação com o seu bem-estar.

"Sim, senhor,” diz ele calmamente, oprimido. Eu desligo.

A esta hora sinistra da noite, as ruas estão desertas. Eu dirijo pela Quinta Avenida para I-5. Quando eu entro na rampa da auto-estrada, eu acelero, e sigo para o norte. Estou muito irritado. E se Leila desmoronasse quando ela viu Anastasia na minha cama e atirasse nela? Meus pensamentos voltam para o último dia. Ela foi punida por pular na minha cama na noite anterior. Tratei seu comportamento como a peste bubônica. Esse foi o dia em que ela finalmente declarou, depois de suas muitas dicas e sinais, que ela queria ser minha namorada. Eu recusei. Eu nunca quis uma namorada. Eu nunca senti um desejo muito forte para ter alguém permanecendo na minha vida para sempre. Não até Anastasia

No Ordinary Love - Sade

Meus sentimentos por ela são tão fortes que me assustam. O medo da possibilidade de perdê-la por qualquer razão está nas profundezas dos meus piores pesadelos. Eu farei tudo em meu poder para evitar isso.

Deus! Minha mente continua mostrando uma imagem onde Anastasia está dormindo no escuro, desconhecendo qualquer coisa que possa acontecer com ela, impotente. Estou na mesma casa, com quatro guardas de segurança que são experientes militares, pelo amor de Deus, e ela poderia ter levado um tiro! Droga! Dou uma olhada no meu espelho retrovisor. Leila está nos seguindo? Estou ficando nervoso, como se eu tivesse tomado dez xícaras de café expresso triplo!

O meu olhar está na estrada, mas eu vejo Anastasia olhando pela janela, uma tristeza crescendo nela desde que eu não respondi sua pergunta. Eu sei que ela se preocupa que eu ainda a queira  como uma sub. Eu finalmente respondo a sua pergunta.

"Não. Não é o que eu espero, não mais. Eu pensei que fosse óbvio,” eu respondo a sua pergunta com uma calma voz suave.

Ela se vira para olhar para mim. Seu olhar gruda em mim, sem dizer uma palavra. Ela aperta o casaco forte em torno de si mesma como se para evitar que se desmorone. A frieza cresce entre nós.

"Preocupa-me que, você sabe... que eu não seja suficiente para você. "

Deus! Não de novo! Não esta noite! Não depois de toda essa merda que passamos em questão de poucas horas.

"Você é mais do que suficiente. Pelo amor de Deus, Anastasia! O que eu tenho que fazer para provar isso para você? "

Ela tem algumas emoções não faladas voando através de seu rosto novamente.

"Por que você achou que eu ia embora quando eu lhe disse que o Dr. Flynn tinha me dito  tudo o que havia para saber sobre você?"

Como posso explicar que eu estive em um calabouço para  almas muito tempo, sem ver  a luz,  até que eu a encontrei! Como é que ela acha que uma pessoa fica cinquenta tons fodido? Minha merda está no fundo da alma. O que você vê não é o que você vai levar. Você vai levar um montão de bagagem. Coisas que eu também estou envergonhado de falar... Muito sombrias. Ela vai correr de mim, e isso é algo que não posso administrar! Eu não posso dizer isso a ela. Eu suspiro profundo, como se não tivesse restado  outra lufada de ar em meus pulmões. Eu olho para fora. Ela ainda está olhando para mim. Procurando uma resposta.

"Você não pode nem começar a entender a profundidade da minha depravação, Anastasia. E não é algo que eu quero compartilhar com você,” eu digo. Ela deveria me dar esta margem de manobra.
"E você realmente acha que eu ia partir, se eu soubesse?" ela pergunta em voz alta. Seu tom de voz transmite a expressão ‘você confia em mim tão pouco assim’?

"Você pensa  tão mal de mim?” Ela pergunta em voz baixa.

"Eu sei que você vai partir,” eu digo, sabendo o meu próprio fodido segredo


When You’re Gone - the Cranberries

"Christian... Acho que isso é muito improvável. Eu não posso me imaginar existindo sem você. "

"Você me deixou uma vez. Eu não quero ir para lá de novo. " Nunca!

"Elena disse que te viu no último sábado,” sussurra ela, calmamente. Acusando.

"Ela não viu!" Eu respondo franzindo a testa.

"Você não foi vê-la, quando eu o deixei?" Maldição Ana! Você acredita numa mulher que você detesta, mas a minha palavra não é boa o suficiente para você?

"Não!" Eu exclamo de volta. "Eu disse que não. E eu não gosto que duvidem de mim," Eu a repreendo. "Eu não fui a lugar nenhum no fim de semana passado. Sentei-me e fiz o planador que você me deu. Levei um tempão," eu digo baixinho. Foi um dia em que meu coração e alma foram tirados de mim. Eu estava destruído. Por que eu iria procurar Elena? Eu queria estar onde eu poderia estar mais próximo a Anastasia. Na época, o modelo de planador que ela me deixou foi a coisa mais próxima de suas mãos, seu coração, seus pensamentos e alma.

Ela ainda parece em dúvida.

"Ao contrário do que pensa Elena, eu não corro para ela com todos os meus problemas, Anastasia. Eu não corro para ninguém. Você deve ter notado. Eu não sou de falar muito," eu digo com a raiva tomando minha alma, e eu aperto o volante até que o sangue foge de minhas mãos.

"Carrick me disse que você não falou por dois anos,” ela informa.

"Foi?" Digo. Um homem não pode manter segredos sobre si mesmo?

"Eu meio que o empurrei para obter informações,” diz ela envergonhada.

"Então, o que mais papai disse?" Pergunto tentando decifrar que tipo de informação ela descobriu.

"Ele disse que sua mãe foi o médico que examinou você quando foi trazido para o hospital. Depois que foi descoberto em seu apartamento. "

Tudo isso é verdade, claro, mas eu estou completamente espantado como eles podem divulgar informações sobre mim tão facilmente.

"Ele disse que ajudou ter aprendido a tocar piano. E Mia," acrescenta ela lembrando.

Mia. Minha irmã foi a melhor coisa que me aconteceu nesses anos. Seu nome traz um sorriso aos meus lábios. Lembrando como ela era pequena. Indefesa... Ela era alguém que poderia precisar de mim. Eu poderia protegê-la. "Ela tinha cerca de seis meses de idade quando chegou. Fiquei emocionado, Elliot menos. Ele já tinha tido que lidar com a minha chegada. Ela era perfeita." Bonita, adorável. Um bebê! Eu a amei desde o primeiro momento em que pus os olhos em minha irmãzinha. Mas me lembrando de suas 'interrupções' no início da noite, acrescento, "menos, agora, é claro." Anastasia dá uma risadinha em resposta. Um dos melhores sons no mundo! Pacífica! Feliz!

Eu olho para ela provocando, "Você acha isso divertido, Srta. Steele?"

"Ela parecia determinada a manter-nos afastados,” ela responde.

Eu rio, ainda desamparado. "Sim, ela quase conseguiu. Mas nós chegamos lá no final,” eu digo enquanto  eu aproximo minha mão para apertar seu joelho para lembrar como foi divertido alcançar o objetivo final. Desta vez, o meu sorriso é genuíno. Verifico o espelho retrovisor de novo para ter certeza que ninguém está nos seguindo.

"Eu não acho que estamos sendo seguidos,” eu digo e saio da auto-estrada, voltando para o centro de Seattle.

"Posso perguntar uma coisa sobre Elena?" Anastasia diz bruscamente quando paramos no sinal vermelho. Não, ela de novo!

"Se você quer," eu digo, apreensivamente.

"Você me disse há muito tempo que ela amava você de uma maneira que você achou aceitável. O que isso significa? "

"Não é óbvio?" Eu pergunto. Eu já estava ferrado, em rota de desastre. Ela me salvou de me destruir.

"Não para mim,” ela responde.

"Eu estava fora de controle. Eu não suportava ser tocado. Eu não posso suportar isso até agora. Para um menino adolescente de quatorze, quinze anos de idade, com hormônios em fúria, foi um momento difícil. Ela me mostrou uma maneira de desabafar," eu explico. Eu realmente acho que a sua intervenção salvou-me, não importa como tenha me danificado de outras maneiras. Mas Anastasia não entende isso. Ela nunca viveu o tormento que vivi, e eu não acho que eu poderia suportar se alguém a tivesse  torturado da maneira como eu fui.

"Mia disse que você era um brigão".

Que merda! O que há com as pessoas que estão tão dispostas a ceder informações sobre mim?

"Cristo!" Eu rosno. "O que há com a minha família loquaz? Na verdade, não são eles. É você!" Quando nós paramos em outro  sinal  vermelho, eu me viro e aperto meus olhos para ela.

"Você arranca informações das pessoas,” eu digo com um desgosto brincalhão.

"Mia ofereceu essa informação. Na verdade, ela estava muito afável. Ela estava preocupada que você ia começar uma briga na marquise, se você não me ganhasse no leilão,” ela murmura petulantemente.
"Oh, baby não havia perigo disso. Não havia nenhuma maneira que eu fosse deixar ninguém dançar com você. Eu disse que, para mim, dançar com você é uma expressão vertical de uma missão horizontal."

"Você deixou o Dr. Flynn,” ela afirma interrogando.

"Ele é sempre a exceção à regra." John não é só meu terapeuta, mas também meu amigo. E é claro que eu sei que ele está apaixonado por sua esposa.

Nós finalmente chegamos ao Hotel Fairmont Olympic, e eu estaciono próximo à entrada.

"Venha,” eu digo a Anastasia, enquanto eu saio e pego nossas malas do porta-malas. Um manobrista corre para nós, e, apesar de surpreso com a hora e o veículo, ele é cortês. Eu lanço-lhe as chaves do carro.

"Em nome de Taylor," eu digo. O manobrista confirma para mim, e com um sorriso estampado de orelha a orelha na cara, ele entra em minha R8 e vai embora. Eu pego a mão da minha garota, e com as malas na outra mão, caminhamos para o saguão.

Nós nos encaminhamos para a recepção. A recepcionista fica vermelho-beterraba quando ela me vê entrar.

"Eu tenho uma reserva. Taylor, para dois," ela está nervosa, esquecendo o comportamento profissional esperado dela em um hotel como este. Ela verifica seu computador, e encontra a reserva.

Engolindo, ela diz:  "Você... você precisa de uma mão... com suas malas, Sr. Taylor?"

"Nós estamos bem,” eu digo em tom brusco. "Onde estão os elevadores?"

A recepcionista agora carmesim dá as instruções sobre os elevadores. Eu pego a mão de Anastasia, e nós nos encaminhamos para os elevadores, depois de passar pelo saguão decorado com bom gosto.

O elevador leva-nos para o nosso andar, e nós andamos para a nossa suíte. Tem dois quartos, uma sala de jantar formal, e um piano de cauda. Padrão para o que eu escolheria. A sala de estar tem uma lareira queimando com ardente fogo laranja.

"Bem, senhora Taylor, não sei sobre você, mas eu realmente gostaria de uma bebida,” digo enquanto eu fecho e tranco a porta. Depois de todo o stress por que passamos, eu preciso de algo forte e relaxante. Eu ando para o quarto com as malas e minha garota, firmemente, em minhas mãos. Eu coloco as sacolas sobre a poltrona, ao pé da cama de dossel king size, e caminho de volta para a sala, a mão de Anastasia ainda firmemente em minha mão. Anastasia anda para a lareira tentando aquecer as mãos, como se para exorcizar o frio que entrou em seus ossos de todos os acontecimentos da noite, de estraçalhar os nervos.

Eu vou para o bar e olho para as bebidas.

"Armagnac?" Pergunto a Anastasia. Este conhaque aqueceria o mais gelado alpinista no topo dos Alpes Austríacos. Ele deve fazer este trabalho para nós.

"Por favor,” responde Anastasia.

"Foi um dia e tanto, hein?"

Ela acena com a cabeça, sem palavras. Eu olho para ela preocupado, procurando um traço de desgosto, apreensão, preocupação, qualquer coisa que possa fazê-la fugir de mim.

"Eu estou bem,” ela sussurra para me tranquilizar. Posso ter a certeza? "E você?" Ela pergunta devolvendo a pergunta para mim.

"Bem, agora eu gostaria de beber isso e, então, se você não estiver muito cansada, levá-la para a cama e me perder em você,” eu digo com calor em meus olhos, que emana da minha alma ardente, ansiando por ela. 


I’m on Fire - Bruce Springsteen

"Eu acho que isto pode ser arranjado, Sr. Taylor,” diz ela dando-me um de seus sorrisos tímidos, de mocinha. Eu me inclino para baixo e tiro meus sapatos e meias. Quando eu olho para Anastasia, percebo que ela está mordendo o lábio.

"Sra. Taylor, pare de morder o lábio," eu sussurro. Eu preciso dela quando estou assim. Eu preciso dela quando eu estou com raiva. Eu preciso dela quando estou triste... quando eu estou desesperado... Eu preciso dela quando eu estou perdido... Eu preciso dela agora!

Ela cora. Eu tomo um gole de meu conhaque e olho minha garota com olhos famintos.

"Você nunca deixa de me surpreender, Anastasia. Depois de um dia como o de hoje, ou melhor, ontem, você não está se lamentando ou correndo para as colinas gritando. Estou muito impressionado com você. Você é muito forte. " Eu observo com um olhar de adoração.

"Você é um bom motivo para eu ficar,” ela murmura. "Eu disse a você, Christian, eu não vou a lugar nenhum, não importa o que você tenha feito. Você sabe como me sinto sobre você. "

Eu gostaria de poder acreditar em Anastasia. Eu gostaria de  poder. Gostaria que o seu amor por mim fosse forte o suficiente para nós dois. Forte o suficiente para arrastar-se por toda a merda que está correndo sob a superfície, dentro de minha alma. Eu tenho que duvidar disso, baby. Se eu deixar a dúvida ir, eu posso perder você! Eu não posso lidar com isso! Ela olha para mim, tentando me convencer. Por agora, vamos ter que deixar por isso mesmo.

"Onde é que você vai pendurar os meus retratos do José,” Ela pergunta mudando de tópico.

"Isso depende,” eu digo, os meus lábios se contorcendo em um sorriso reprimido. Eu tenho planos, mas ao contrário de minha família, eu não estou prestes a divulgá-los para o mais qualificado enganador que a cidade de Seattle já conheceu.

"De quê?" Ela pergunta intrigada.

"Circunstâncias,” digo, não soltando nada. "Não se preocupe. Sua exposição ainda não acabou, então eu não tenho que decidir logo."

Ela inclina a cabeça para o lado me copiando, e estreita os olhos de uma maneira interrogativa.

"Você pode olhar tão severamente como você queira, Sra. Taylor. Eu não estou dizendo nada,” eu a provoco.

"Eu posso arrancar a verdade para fora de você,” ela ameaça. Oh baby, isso é legal.

Eu levanto uma sobrancelha para ela e digo: "Realmente, Anastasia. Eu acho que você não deve fazer promessas que não pode cumprir. "

"Hmmm..." passa por seus lábios e ela pega seu copo e coloca em cima da lareira. Então, ela pega  minha mão, e rouba o meu copo de meus dedos, e coloca ao lado do dela.

"Nós vamos ter que ver isso,” murmura. Ela pega a minha mão, assumindo a liderança, e me puxa para o quarto. Estou completamente divertido com sua ação corajosa. Ela me leva ao pé da cama, e para.

"Agora você me tem aqui, Anastasia, o que você vai fazer comigo?" Eu pergunto, em voz baixa provocando.

"Eu vou começar a despir você. Eu quero terminar o que comecei mais cedo," diz ela lembrando-me de sua sessão de despir em meu escritório. Ela se aproxima das lapelas de meu casaco listrado, e com o máximo cuidado para não me tocar, ela gentilmente empurra o casaco sobre meus ombros. Eu vacilo claro, segurando a minha respiração. Mas eu mantenho meu chão. Eu quero fazer isso. Muito! Eu quero tanto que ela me toque! Eu quero não só suportar ser tocado, mas quero aproveitar seus toques! Eu anseio por eles. Meus olhos estão colados nela. Eles estão bem abertos, e queimando nela. Estou apreensivo, com medo, mas eu preciso disso. Eu preciso dela! Ela leva o casaco todo o caminho para fora dos meus ombros, e coloca-o sobre a poltrona.

"Agora, a t-shirt," ela sussurra e levanta a barra. Eu levanto os meus braços para ela, e eu afasto meu  corpo enquanto ela puxa a t-shirt fora. Agora estou nu da cintura para cima, como eu estava quando descobrimos que Leila tinha invadido. Eu só estou vestindo meu jeans pendurado em meus quadris, os topos de minha trilha feliz aparecendo em minha cueca boxer, apenas um vislumbre para fazer Anastasia ter fome de mim.




"E agora?" Eu sussurro, quente, queimando.

"Eu quero te beijar aqui,” diz ela correndo o dedo de um lado do quadril para o outro, me fazendo doer por ela, seu dedo acendendo um incêndio em mim.

Eu inalo profundamente para acomodar o desejo crescente e a necessidade em mim. "Eu não estou parando você,” eu respiro. Ela estende a mão e pega a minha mão na dela. "É melhor você se deitar agora,” diz ela me levando para o lado da cama. Eu me sinto um pouco apreensivo. Ninguém nunca tomou a liderança comigo.  


Take the Lead – Tango Scene – Asi se baila el tango

Eu nunca tinha dado as rédeas para outra pessoa durante o sexo - não desde Elena.

Eu levanto a colcha e sento-me na borda, olhando Anastasia, olhando para ela expectante, cauteloso, sério. Anastasia está diante de mim e tira fora a jaqueta jeans. Então, ela tira o moleton. Droga! Eu sei que não há nada sob a minha t-shirt! Estou morrendo de vontade de colocar minhas mãos sobre ela. Na verdade, para suprimir o desejo de tocá-la, eu esfrego meu polegar sobre as pontas dos meus dedos. Ela olha para mim, respira fundo, e pega a barra de sua camiseta e a retira. Ela está diante de mim gloriosamente nua. Eu olho para ela como se eu estivesse olhando para uma deusa. Eu não consigo tirar meus olhos dela, e engulo. Meus lábios caem abertos com desejo.

"Você é Afrodite, Anastasia," eu sussurro


She’s So High - Tal Bachman

Ela estende a mão e segura o meu rosto inclinando minha cabeça para cima para  encontrar seu rosto descendente e me beija. É tão malditamente gostoso! Eu não posso impedir-me de  deixar escapar um gemido baixo. Quando começamos a nos beijar, isso é tudo que eu posso aguentar antes que eu seja consumido por desejo e queime instantaneamente, eu pego seus quadris, e a fixo debaixo de mim, minhas pernas forçando as dela separadas. Suas pernas me envolvem, aninhando-me. Eu tomo a iniciativa de beijá-la, sugando sua língua, os lábios, a boca, eu não me canso dela! Minhas mãos passam para suas coxas, seus quadris e barriga. Puxando-a, apertando, e deixando-a querendo mais. Meus dedos se deslocam até seus seios, e eu os espalmo na minha mão, amassando e puxando o mamilo, fazendo-a gemer. Ela está pegando fogo, desejosa e ofegante. Ela levanta o quadril e esfrega-se contra minha masculinidade crescente por trás da minha braguilha. Minha ereção está empurrando, impaciente. Eu mergulho para baixo e esfrego contra seu sexo, ela geme em êxtase. Eu me afasto e sua pélvis vai para cima novamente, e mais uma vez eu desço e a empurro, e seu gemido de resposta me faz afundar e reivindicar sua boca e beijá-la apaixonadamente. Este lento, tortuoso, apaixonado tango na cama vai mais e mais, eu me perdendo nela, ela está perdida em mim, toda preocupação evaporada, desaparecida. Somos apenas Anastasia e eu, fazendo amor juntos - aqui e agora.

Ela avança timidamente, e agarra o meu cabelo puxando a minha boca na dela, tentando invadir-me através da minha boca, voraz em seu esforço para me reclamar. Enquanto a boca está trabalhando sua magia em meus lábios, seus dedos se arrastam para baixo, os braços descendo no meu traseiro, e ela desliza a mão dentro da minha calça jeans, apertando minhas nádegas, empurrando-as para baixo, pressionando-me em cima dela para reivindicá-la, fundir-me com ela, sermos um, unidos.

"Você vai me abater, Ana,"  eu sussurro e me afasto dela. Se eu não tomá-la agora, vou explodir. Eu pego um pacote de preservativo do bolso e o entrego a ela enquanto eu me ocupo tentando tirar minha calça jeans fora.

"Você me quer, baby, e eu com certeza quero você. Você sabe o que fazer. " 


Sweet Child O’ Mine - Guns ‘N Roses

Ela rasga o pacote e embainha o preservativo sobre a minha masculinidade, crescendo em tamanho. Eu sorrio para ela, apreciando a sensação de sua mão em mim acariciando, deslizando sobre meu comprimento. Eu me inclino e esfrego o nariz contra o dela, e quando eu entro no sexo de Anastasia, a deliciosa, requintada sensação se espalha sobre mim, fazendo-me fechar os olhos, deleitando-me com a sensação de estar dentro dela. Anastasia tentativamente alcança meus braços, agarrando-os, e arqueando as costas e inclinando a cabeça para trás, tentando absorver todas as sensações que eu estou dando a ela. Eu entro e saio dela com ritmo lento, como um homem apaixonado, terno. Enquanto pressiono meu corpo sobre ela, fundindo-me com ela, unindo-me, eu seguro seu rosto em minhas mãos.

"Você me faz esquecer de tudo. Você é a melhor terapia,” eu respiro enquanto meu comprimento se move em um ritmo lento, como se provando minha refeição favorita, um manjar diferente e delicioso.

"Por favor, Christian, mais rápido,” ela implora para a liberação rápida.

"Oh, não, querida. Eu preciso disso lento," eu digo beijando-a docemente, e eu mordo seu lábio inferior suavemente, enquanto ela geme em minha boca.

Ela move as mãos no meu cabelo, me olhando com admiração, movendo-se com o meu ritmo lento, entregando-se a mim; e eu sinto a tensão deliciosa subindo, seus músculos internos começando a se contrair, seus olhos rolando para trás, enquanto ela atinge o seu clímax, fazendo-me gemer, "Oh, Ana," e eu gozo com o nome dela como uma ladainha em meus lábios.

Depois de fazer amor, eu me abaixo e apenas coloco meus braços em volta dela repousando minha cabeça em sua barriga. Há certa intimidade, algo mais próximo do que sexo, em se manter assim. É calmante, carinhoso. Eu nunca mostrei minha alma para ninguém. Nunca assim. Neste exato momento, enquanto Anastasia está me segurando, acariciando meu cabelo, ela está segurando meu coração e alma em suas mãos pequenas.  


Closer - Kings of Leon

Neste bolha frágil, eu estou com muito medo de perder isso... Eu nunca soube que eu poderia amar alguém assim, o desejo de dar tudo de mim, redefinir as minhas verdades. Estou sereno no meio de uma tempestade, tudo porque ela é meu porto seguro. Há duas coisas que me dão medo: Anastasia se machucar por minha causa, e Anastasia me deixar. Eu posso fazer algo sobre o primeiro. Eu posso protegê-la. Mas, a segunda depende de Anastasia. Esse é meu maior medo.

"Eu nunca vou ter o suficiente de você. Não me deixe,” murmuro beijando sua barriga.

"Eu não vou a lugar nenhum, Christian, e eu me lembro de que eu queria beijar sua barriga,” diz ela com uma voz carregada de sono. Sua declaração me faz sorrir. "Nada vai parar você agora, baby,” eu digo.

"Eu não acho que eu posso me mexer... Estou morta de cansaço. "

Ela teve uma noite penosa. Eu suspiro, e me movo para deitar ao lado dela. Eu puxo as cobertas sobre nós. Eu olho para ela com todo o meu amor.

"Durma agora, baby,” eu sussurro. Eu me inclino para baixo e beijo seu cabelo. Finalmente envolvo meus braços em torno dela e nós dois sucumbimos ao sono


Lullaby - Dixie Chix

Eu acordei por minha própria vontade. Mas o sol já tinha subido. Verifico a hora. São quase 10:00 h. Eu levanto e me  visto. Eu volto para a cama e deito em cima das cobertas olhando Anastasia dormir. Ela parece pacífica, tão jovem, e tão inocente. As linhas de preocupação se foram. Eu só quero tocar e segurá-la, mas eu não quero acordá-la. Ela se mexe um pouco. Eu poderia assistir o sono de Anastasia durante horas. Ela aperta seus olhos e, finalmente, os abre um pouco. Parece que ela está de ressaca, mas são os efeitos da longa noite que tivemos.

"Oi,” murmuro enquanto eu sorrio para ela.

"Oi,” ela sussurra de volta com o sono puxando sua voz.

"Há quanto tempo você está me observando,” ela pergunta.

"Eu podia ver você dormir por horas, Anastasia. Mas eu só estou aqui há cerca de cinco minutos." Ela sorri, eu me inclino para baixo e a beijo.  "Dra. Greene vai estar aqui em breve," eu a lembro.

"Oh,” ela responde, como se tivesse esquecido.

"Dormiu bem?" Eu pergunto. "Certamente pareceu isso para mim, com tudo o que roncou,” eu digo provocando. É claro que ela não ronca.

"Eu não ronco!" Ela faz beicinho.

"Não. Você não ronca," eu digo, tirando-a de uma fria.

"Você tomou banho?"

"Não. Esperando por você,” eu respondo.

"Ah, tudo bem."

"Que horas são?"

"Dez e quinze. Eu não tive coração para acordá-la mais cedo," eu digo.

"Você me disse que não tinha um coração."

Isso é um fato. Eu não tenho um coração. Mas de alguma forma, quando Anastasia está comigo, meu coração está aqui, batendo, amando, sofrendo, sentindo. Ela deve ser a razão pela qual eu tenho uma alma e um coração. Do que quer que as almas sejam feitas, a dela e a minha são a mesma, e ela acha o que eu perdi e traz para a superfície. Porque ela é a guardiã de ambos. Aonde ela vai, aí vai meu coração.

"O café da manhã está aqui. Panquecas e bacon para você. Venha, levante-se, eu estou ficando sozinho aqui," eu digo golpeando-a por trás, que é uma forma eficaz de conseguir que ela pule e levante-se.

Anastasia se estica, e caminha até o banheiro. Eu volto para a sala de jantar, e espero por ela enquanto eu como o meu café da manhã. Depois que eu termino o meu café da manhã, eu começo a ler o jornal de domingo enquanto tomo café. Anastasia sai do quarto. Limpa e em um dos roupões de banho do hotel. A visão dela me faz sorrir.

"Coma. Você vai precisar de sua força hoje,” provoco. Tenho grandes planos para hoje.

"E por que isso? Você vai me trancar no quarto?" Ela pergunta.

"Embora a idéia seja tentadora, eu pensei em sairmos hoje. Um pouco de ar fresco. "

"É seguro?" Pergunta inocentemente Anastasia.

A preocupação cresce novamente. Esta é a minha realidade agora, e eu tenho que continuar sendo vigilante. "Aonde nós vamos, é. E não é um assunto para brincadeira," eu acrescento sério. Eu olho para Anastasia incisivamente para que ela entenda a gravidade da situação. Eu não quero que ela leve o problema com ânimo leve e torne-se complacente, e se machuque.

Ela cora e olha para baixo, para a comida no prato, como se ela estivesse escondendo a chave para a minha declaração. Quando Anastasia só tinha dado algumas mordidas, ouvimos uma batida na porta.

"Deve ser o bom médico," eu resmungo. Levanto-me e caminho em direção à porta. Eu deixo a Dra. Greene entrar, e as levo para o quarto. Desta vez eu não vou esperar pela Dra. Greene para me dar um olhar de advertência.

(Dra. Greene – foto de uma de nossas leitoras)

Eu continuo a ler os jornais de domingo e algumas reportagens de negócios, enquanto Anastasia está trancada no quarto com a Dra. Greene. Desta vez, o médico está levando mais tempo do que da outra vez. O que elas estão fazendo lá? Meu olhar desvia para a porta algumas vezes. Estava pensando seriamente em ir direto lá e verificar,  se eu não achasse  que a sensata Dra. Greene me chutaria de volta para fora. Eu ando para  frente e para trás nervosamente, olhando para a porta fechada. Ainda ninguém sai. Eu verifico o meu relógio. O tempo parece não avançar.

Finalmente ambas emergem do quarto, Anastasia atordoada e a Dra. Greene com os lábios apertados, e sombria. Estou surpreso e a preocupação sobe para a superfície. Ninguém diz nada. É domingo, assim a Dra. Greene quer ir embora. Eu aperto sua mão confuso, e a faço sair. Depois que eu fecho a porta atrás de mim, eu me viro e olho para Anastasia cautelosamente. "Tudo bem?" Eu pergunto.

Ela acena com a cabeça em silêncio. Eu inclino minha cabeça para um lado. Eu estou completamente preocupado que algo está errado com Anastasia. Ela nunca é silenciosa assim. Após a última visita da Dra. Greene, ela estava brincando comigo.

"Anastasia, o que é? O que a Dra. Greene disse? " Eu pergunto.

Ela balança a cabeça ainda se recuperando de algum estado de choque. "Você está liberado em sete dias,” ela murmura automaticamente, olhando à distância.

"Sete dias?"

"Sim,” ela responde monossilábica.

"Ana, o que está errado?" Pergunto novamente, desta vez preocupado


The Sound of Silence - Simon and Garfunkel

Ela olha para mim com os olhos arregalados, cautelosa. Ela engole como se ela tivesse tido alguma notícia ruim. "Não é nada para se preocupar. Por favor, Christian, apenas deixe prá lá," ela responde.

Mas que diabos? Nada para se preocupar? Só deixar prá lá? Há algo que ela está escondendo de mim. Oh, meu Deus! Há algo de errado com ela! Ela está doente? Ela tem um problema de saúde? A Dra. estava com os lábios apertados. É tudo a merda da confidencialidade médico-paciente! E Anastasia não vai me dizer nada! Eu estou ficando louco aqui! Eu paro bem na frente dela segurando seu queixo, eu inclino sua cabeça e a faço olhar nos meus olhos. Decididamente, eu examino seu rosto, seus olhos em pânico, em um esforço para tentar entender o seu segredo, e a preocupação está subindo em mim aos trancos e barrancos, a cada segundo. O que há de errado com ela?

"Diga-me!" Eu exclamo para ela exigente.

"Não há nada a dizer. Eu gostaria de me vestir," ela diz e volta a sair do meu alcance. Eu me sinto preocupado, e exasperado. Ela é não está cooperando, e eu vou enlouquecer com todos estes cenários na minha cabeça. Passo a mão na minha cabeça, contrariado.

"Vamos para a ducha," digo finalmente.

"É claro,” ela murmura, sua mente completamente em outro lugar. Eu me preocupo mais, e fico ansioso.

"Venha,” eu digo rabugento; eu pego sua mão apertada, como se ela fosse derreter longe de mim. A caminhada até o banheiro é sombria. Eu, andando na frente e puxando decididamente Anastasia atrás,  cuja mente tinha ido para alguma outra dimensão, e ela está fora de seu corpo. Deus! O que está errado?
Eu entro no banheiro, solto a mão de Anastasia, ligo o chuveiro, e tiro minhas roupas. Então eu viro para Anastasia, e começo a desatar o roupão. "Eu não sei o que está chateando você, ou se você está apenas mal-humorada por falta de sono, Anastasia,” eu digo olhando para ela preocupado, "Mas eu quero que você me diga. Minha imaginação está fugindo de controle, e eu não gosto disso," eu digo, colocando minha preocupação diante dela para que ela possa se abrir comigo. Em resposta, ela apenas rola os olhos para mim! Mas que diabos? Eu a encaro, estreito meus olhos tão apertados, que você poderia vendar-me com uma tira de fio dental!

Ela suspira e responde:

"Dr. Greene me repreendeu sobre esquecer a pílula. Ela disse que eu poderia estar grávida. "

"O que?" Sai da minha boca,  completamente chocado e fora de mim. O sangue foge do meu rosto, e eu congelo, enquanto eu olho para ela questionando e a compreensão surge em mim, que ela poderia estar grávida, e maldição! Isso não pode ser!

"Mas eu não estou. Ela fez um teste. Foi um choque, isso é tudo. Eu não posso acreditar que eu fui tão estúpida," ela explica o resto, e uma carga foi tirada dos meus ombros. Eu mentalmente cedo. "Você tem certeza que você não está?"

"Sim,” ela confirma.

Eu dou um profundo suspiro de alívio. "Ótimo. Sim, eu posso ver que notícias como essa seriam muito perturbadoras," eu digo, com alívio inundando-me.

Ela me olha carrancuda, como se ela não estivesse feliz com a minha reação." Eu estava mais preocupada com a sua reação,” diz ela.

Estou confuso, olho para ela franzindo a testa. "Minha reação? Bem, naturalmente eu estou aliviado. Seria o máximo de negligência e maus modos engravidá-la."

"Então, talvez devamos nos abster,” ela responde bruscamente para mim. Por que ela está com raiva de mim? Estou confuso. Eu olho para ela tentando resolver o mistério por trás de sua reação.

"Você está de mau humor esta manhã," eu avalio.

"Foi apenas um choque, isso é tudo,” diz ela, amuada. Eu a amo com todos os seus humores. Bom, mau, insanamente enlouquecedor, triste, petulante... tudo sobre ela é quente! Eu agarro as lapelas de seu roupão, e a puxo em meus braços, abraçando-a. Segurando-a e sentindo-a em meus braços, sua frente nua está dentro do abraço do meu corpo nu. Eu inalo o cheiro dela, fechando os olhos, e beijo seu cabelo enquanto eu pressiono sua cabeça no meu peito. Eu não quero que ela fique com raiva de mim.

"Ana, eu não estou acostumado a isso,” murmuro, sem saber como me comportar. "Minha inclinação natural é para batê-lo fora de você, mas eu duvido seriamente que você queira,” eu digo com sinceridade. Essa é a única maneira a que eu estou acostumado. Eu não estou acostumado a ser deixado no escuro, e ter que lidar com as peculiaridades do sexo feminino, especialmente de alguém como Anastasia.

"Não, eu não quero. Isso ajuda,” diz ela, enquanto seu abraço fica mais apertado em volta de mim. Quando nós ficamos apertados em nosso abraço por um longo tempo, eu me sinto aliviado, algo muda dentro de mim percebendo que existem outras maneiras além das que eu tenho utilizado, com resultado muito mais agradável. Depois que eu sinto a tensão deixar o corpo de Anastasia, eu a solto, e digo: "Venha, vamos prá ducha."







Eu tiro o seu roupão e deixo-o cair a seus pés no chão. Nós dois entramos no chuveiro. O chuveiro é bem grande e a  prodigiosa chuva tem água suficiente para lavar facilmente nós dois ao mesmo tempo. Molho meu cabelo, e pego  o frasco de xampu. Eu esguicho um pouco em minha mão, e entrego o frasco a Anastasia. Ela espelha minhas ações. Depois de quase sensualmente esfregando o xampu no cabelo dela, ela parece relaxada com os olhos fechados, e ela permite que a água lave o shampoo fora de seu cabelo. A espuma desce em riachos à sua volta, suas pernas e, finalmente, alcançam e se reúnem no ralo. Eu esguicho um pouco de sabonete líquido em minha mão e esfrego minhas mãos, ensaboando. Eu chego ao corpo de Anastasia e começo a ensaboá-la, de seus ombros para os braços, axilas, peito e as costas. Eu gentilmente a giro, sem dizer uma palavra; eu a puxo contra mim, pele com pele e começo a lavar seu estômago, sua barriga, e entre suas pernas, sobre seu sexo e suas nádegas.

Eu viro Anastasia de novo, e desta vez estamos frente a frente. Seu olhar persiste em mim com admiração, olhando para mim expectante.

"Aqui," Eu entrego-lhe o sabonete líquido. "Eu quero que você lave os restos do batom." Seu olhar dardeja no meu ansiosamente. Eu olho para ela minha decisão tomada.

"Não vagueie longe da linha, por favor," eu murmuro em voz nervosa, mas firme.

"Certo,” ela sussurra. Eu a observo sem pestanejar. Ela coloca um pouco de sabonete líquido na  palma de sua mão, e depois esfrega as palmas das mãos para espalhar o sabonete. Suas mãos se movem lenta, mas decididamente, sobre meus ombros e ela começa a esfregar suavemente sobre as linhas de batom. Meu corpo fica tenso. Tenho que me concentrar fechando os olhos. Eu tenho que encontrar um lugar feliz na minha mente para deixá-la fazer isso. Minha respiração aumenta, minha frequência cardíaca dispara, como se meu coração estivesse tentando sair do meu peito. Supero o medo, e eu tento acalmar o menino escondido dentro de mim, dizendo a ele que é seguro. É só Anastasia, que nos ama, tanto o menino pequeno como o homem fodido dentro de nós. Seus dedos tremem, mas ela continua em rota determinada. Ela ensaboa meu peito com sabonete com o mais suave dos toques, e ainda que os movimentos sejam simples, saudáveis, e de puro amor, eu ainda me encontro engolindo nervosamente, tenso e apertando minha mandíbula.

As mãos dela deixam meu corpo por um breve momento,  me dando uma chance de relaxar com alívio. Ela coloca um pouco mais de sabonete em sua mão e pergunta: "Pronto?" Com uma voz tensa correspondendo a minha.

"Sim,” é o meu sussurro de resposta, quase inaudível, atado com puro medo não diluído.

Ela coloca as mãos sobre o peito e mais uma vez eu estou congelado no meu lugar, impotente. Meu instinto me diz para afastá-la e correr. Fugir para longe dela, de seu alcance. Eu inspiro rasas respirações rápidas para soltar o medo, mas o meu corpo fica tenso, rígido mesmo, e cada movimento de suas mãos fazem o medo crescer, como se ela fosse pular a fronteira a qualquer segundo, e invadir meu território escuro, tornando-me vulnerável. A dor e o medo são insuportáveis! Olhando para ela, vejo os rios de  lágrimas descendo em torrentes, correndo contra a água do chuveiro. Eu não posso suportar vê-la chorar por mim. Eu não sou digno de seu choro.

"Não. Por favor, não chore,” eu imploro, em um sussurro angustiado

Don’t Cry - Guns ‘N Roses

Eu a envolvo em meus braços, e a mantenho apertada contra mim. "Por favor, não chore por mim, Ana,” e com isso ela solta seus soluços e enterra seu rosto enlutado em meu pescoço. Eu não posso suportar vê-la assim! Eu me afasto, segurando seu rosto, capturando-o efetivamente em minhas mãos, abaixo a cabeça e mergulho em seus lábios e me perco no beijo.

"Não chore, Ana, por favor," Eu suplico em  sua boca e lábios. "Foi há muito tempo. Estou sofrendo para  você me tocar, mas eu simplesmente não posso suportar isso. É muito. Por favor, não chore, baby."

"Eu quero tocar em você, também. Mais do que você jamais saberá. Ver você assim... Tão ferido e com medo, Christian. Fere-me profundamente. Eu te amo muito. "

A reafirmação de seu amor me relaxa, centraliza-me e eu estou mais uma vez no meu lugar mais seguro. Eu corro o meu polegar sobre seu lábio inferior. "Eu sei, eu sei,” eu sussurro.

"Você é tão fácil de amar. Você não vê isso? "

"Não, querida, eu não sou,” eu digo descrente. Não há nada para amar em mim.

"Você é. E eu o amo e assim faz sua família. Assim fazem Elena e Leila. Eles têm uma maneira estranha de mostrar isso, mas eu sei que elas o amam. Você é digno,” diz ela.

Cada uma de suas palavras são como facadas em minha alma escura, não importa quão amorosas. Eu não sou digno do amor e carinho de ninguém. Eu sou ruim no meu âmago! Ela não tem idéia do que eu gostaria de fazer com ela! Nenhuma idéia! Será que ela ainda me amaria se soubesse?

"Pare," eu digo incapaz de suportar. Eu coloco meu dedo sobre seus lábios, e balanço a cabeça para detê-la. Agonia aperta-me no meu âmago. "Eu não posso ouvir isso. Eu não sou nada, Anastasia. Eu sou uma casca de um homem. Eu não tenho um coração. "

"Sim, você tem. E eu quero isso, tudo isso. Você é um bom homem, Christian, um homem realmente muito bom. Nunca duvide disso. Olha o que você fez... o que você conseguiu,” diz ela com fervor, entre soluços. "Olha o que você fez por mim... a que você virou as costas por mim,” diz ela, em sussurros, completamente em reverência. "Eu sei. Eu sei como você se sente sobre mim,” diz ela, e eu olho com o medo apertando-me,  bem na minha garganta. Uma coisa é eu saber, a outra, é ela saber! Eu não sou digno dela. Ela não pode saber disso! Ela não deve saber disso!

Eu entro em pânico, mas eu fico firme em meu lugar. Eu olho para ela, a confusão nublando meus olhos.

"Você me ama,” ela sussurra.

Ela sabe! Ela sabe! Meus olhos se arregalam automaticamente em pânico. Minha boca está emudecida, incapaz de pronunciar uma única palavra. Eu não posso negar o que já está selado sobre a minha alma. Eu sou indigno, torturado, e neste momento eu estou descobrindo toda a minha alma para ela fazer o que ela quiser. Eu sou todo dela. Leve-me como eu sou, Ana.

"Sim,” eu sussurro. "Eu amo você." 

Truly Madly Deeply - Savage Garden


30 comments:

Dani Amoras said...

Esse cap.foi perfeitoo!!!Amei muito,principalmente o final♡♡

Obrigada!!

Dani Amoras said...

Esse cap.foi perfeitooo!!Amei,principalmente o final♡♡

Obrigada e ansiosa pelo X!!!
by.

Daniela Martins said...

Bom dia! O que mais dizer sobre esses capitulos e sobre a Eminé!?
Como sempre PERFEITO!
Eminé, vc é demais! Super talentosa!
Thanks a lot!
Hugs
;)
Dani

Anonymous said...

Em extase!!!! Perfeito.
E ansiosa...
bjos
Adriana

Pao said...

Gracias, hermoso el capítulo.
Más por favor.

Aline said...

Adoro, adoro essa parte do livro. Ela é muito corajosa em dizer que ele a ama. Garota esperta!! Eminé e Neusa, como sempre, de parabéns!!!

Mylla Moura said...

Amei o capitulo...quando saira o proximo...estou muito ansiosa!!! Obg pelo seu trabalho!

Tati said...

lindo!!!! estou ainda mais apaixonada pela estoria!!!,descobrir esse lado do Christian é maravilhoso!!! obrigada Eminé!!!Obrigada Neusa!!!!

Jordana Sirlaide said...

Bem, o que dizer desse capítulo? Simplesmente PERFEITO!
Parabéns Eminé e Neusa! Não me canso de dizer que estou amando tudooo!!!!
Ansiosa pelo próximo.

Kisses

Ana Louzada said...

Simplesmente maravilhoso!!!!
Parabéns Eminé e Neusa!!!! Vcs são demais. Tudo perfeito. Fica sempre o gostinho de quero mais.
Beijos pra vcs.

Ana Louzada said...

Simplesmente maravilhoso!!!!
Parabéns Eminé e Neusa!!!! Vcs são demais. Tudo perfeito. Fica sempre o gostinho de quero mais.
Beijos pra vcs.

Tatiana said...

Gostaria de dizer a Neusa e a Eminé que eu me divirto, eu choro, eu fico nervosa e q eu fico maravilhada com o trabalho de vcs!!! Capitulo lindo, o Grey e um amor, apesar dos seus 50 tons , eu queria um maor como esse! Obrigada

Pattystevam said...

Capitulo perfeito..estou muito ansiosa pelo confronto Leila X Christian..ver seus pensamentos e o famoso banho que ele deu nela..bjs Eminé e bjs Neusa ..*-*

Tais Castro said...

Quanto mais eu leio mais eu amo esse livro essa estória me cativou completamente espero ansiosamente os próximos capítulos a sua tradução é perfeita,obrigada pela dedicação,estou louca pelo terceiro também e ansiosa demais pelos filmes,obrigado por estarem fazendo esta versão ficou ótima,é muito bom ver o ponto de vista dele.

Tais Castro said...

Quanto mais eu leio mais eu amo esse livro essa estória me cativou completamente espero ansiosamente os próximos capítulos a sua tradução é perfeita,obrigada pela dedicação,estou louca pelo terceiro também e ansiosa demais pelos filmes,obrigado por estarem fazendo esta versão ficou ótima,é muito bom ver o ponto de vista dele.

anne caroline godoi said...

Quase tive uma sincope quando vi aquelas fotos do banho...maravilhoso.
Perfeito o capitulo....

Neusa Reis said...

Vocês não imaginam como é bom ler os comentários de vocês. É como uma recompensa. Creio que a Emine deve sentir isso mais ainda tendo em vista que ela escreve a história. Aqui neste capítulo tive a impressão de que Christian abriu as portas para Anastasia, deixou ela entrar. Ela pode explorar à vontade sua alma e seu coração. Como será a dor física de alguém que tem o trauma de 'não tocar' que ele tem. E mesmo assim ele aguenta e quer que ela vá em frente. Embora lá no fundo do baú tenha o último segredinho, que ele tem pavor que ela descubra e o deixe. Continuamos todas à espera do banho. Rsrsrsrs...
P.S. De donde eres, Pao? Me gustaria saberlo.

Vanessa said...

Por favor, continueee! Como me alegra ler a versão dele! Vcs mere em muitos elogios! Mas, por favor não parem,,

Josy Silva said...

Estou apaixonada por tudo isso, esse blog da emine virou meu vício, gente eu amo esse livro 2, porque é quando o Christian assume o fato de amar a Ana, e se rende de fato ao amor e decide construir uma vida com ela, é muito romântico. Emine te agradeço muito por ter tido a iniciativa se fazer esse blog e compartilhar conosco essa estória maravilhosa e cativante e a vc Neusa por estar fazendo um favor enorme de traduzir, vocês são muito importantes pra nós os leitores um abraço

Tita said...

olá

estou a adorar ler...e neuza por faaaaaaaaaaaaaavor quero o próximo capitulo...

beijos e OBRIGADO :)

Keka Passos said...

Super ansiosa pelo próximo capitulo,Eminé você é demais e Neusa...muito obrigada pela tradução perfeita...bjkas...

Débora Simões said...

Amei o capítulo,e estou amando a história. Quando sai o próximo?

Anonymous said...

essa é a história de amor mais linda que já li..adoro a trilogia e a versão de Grey consegue ser mais empolgante..Neusa estou adorando a sua tradução...louca p/ ler os próximos cap. BJs

Anonymous said...

essa é a história de amor mais linda que já li..adoro a trilogia e a versão de Grey consegue ser mais empolgante..Neusa estou adorando a sua tradução...louca p/ ler os próximos cap. BJs

Kaila Alekena said...

Gente tem uma fábrica de camisinha dentro do bolso de Cristian, não é possível uma coisa dessa hahahah.

Esse homem é super precavido e preparado, ou seja no controle de todas as coisas... e ai vem esse sentimento avassalador que o desnuda por completo, revela lhe muito mais que seu corpo, revela lhe a alma.

Tenho creio que uns 3 capítulos sem comentar,observar a entrega de Cristian ao seu amor e diante de todo drama de suas ex é altamente intenso e agitado...
Emine li o capitulo de Cristian e Leila,como você o descreve,antes da redenção que o amor provocou em Cristian, sei que pra você é difícil escrever sobre Cristian naquelas condições,assim como é difícil escrever ele no seu sofrimento infantil ou o ser pedófilo e hipócrita da Elena, mas isto consiste a essência do escritor, sua habilidade em escancarar a alma humana em seus defeitos e suas qualidades, ninguém é perfeito e também ninguém é igual em seus defeitos.

Exponha, coloque pra fora a alma destroçada desse personagem, se preciso for coloque sua mente em um lugar feliz como ele mesmo teria colocado, talvez você precise desnudar a si própria e revelar o "mais" que existe nesse personagem...
Quanto a este capitulo...suspirando... e suspirando..aquela tomada de controle de Ana e ele dizendo "ninguém vai te para Ana"roucamente por causa do seu desejo por essa incrível mulher, prendeu minha respiração hahahaha
E Ana não terminou o que tinha intenção... Ele tomou o controle de volta e pasme para foder e sim fazer amor... deliciaaaaa amooo muito tudo isso!!!!!

Angela Gonçalves said...

Jesus que capítulo lindo, eu li a trilogia na versão da Ana umas duas vezes já, dai achei varias traduções da versão do Grey, mais só descobri o Blog no livro quatro, então enquanto estou esperando os novos capítulos do livro 4, resolvi voltar a ler os outros livros pela tradução da Neuza, e lendo com mais calma, posso dizer saboreando melhor os capítulos e gente como é lindo, e emocionante. Sempre que posso estou no blog. Muito obrigada...

Daniela Martins said...

Linda a cena de Anastasia e CG no banho! Com sua persistência, Ana conseguiu fazer com que Christian expressasse seu amor a ela em palavras!
Apenas uma coisa que não consigo entender. Sabemos que Escala é um prédio luxuoso e, claro, cheio de segurança. Como Leila conseguiu entrar na garagem e destruir o carro de Ana sem ninguém perceber? Claro, se ela conseguiu entrar na garagem, facilmente teve acesso ao elevador e a penthouse de CG.
Já pensei mil vezes em como ela conseguiu! Jack conseguiu entrar porque ele foi fazer uma entrega para o novo morador e aproveitou a oportunidade!
Amo muito seu blog, Emine!
Obrigada
Bjkas
Dani
��

Patricia Morais said...

Adoro esse capitulo......ele é tocante e nos faz ver o quanto os traumas de infância marcam a vida de uma pessoa adulta......mas com amor e carinho tudo se torna possível....

Simoni said...

Lindo.....

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry