StatCtr

Monday, November 18, 2013

A SÉRIE PELLA - Capítulo VII - Parte II



****   ♡   *****
ALEXANDER AURELIUS PELLA

CAPÍTULO VII - PARTE II
Tradução: Neusa Reis





"Oh, Alex! A vista é simplesmente espetacular! Pensei que seu rancho ficasse no deserto,” Elissa exclama quando ela olha para o vale abaixo.

"Este ainda é o deserto. Mas a água pode transformar. A casa está situada em uma localização geológica única; há água subterrânea, e as montanhas circundantes criam um clima diferente, e ela é isolada. É mais frio do que o deserto ao redor.”

"É de tirar o fôlego!"

"Vamos lá, já que  nós  tivemos um almoço mais tarde, podemos fazer alguns passeios a cavalo. Eu quero lhe mostrar uma coisa,” eu digo a ela, um pouco nervosamente.

"Tudo bem,” diz ela, e eu pego a mão dela para chegar ao térreo, descendo do terraço do segundo andar. Turk e Desertwalker estão esperando lá fora no SUV. Turk deixou outra Conquest Knight funcionando para mim. Abro a porta do passageiro para Elissa, e deixo-a entrar.  Então eu tomo o assento do motorista enquanto ela curiosamente observa.  (N.T. O blindado Conquest Knight  oferece uma exclusiva combinação de conforto, luxo, proteção, robustez e bastante espaço para seus ocupantes. Com um preço de aproximadamente R$ 1 milhão 150 mil, o Conquest Knight XV terá uma produção limitada de apenas 100 unidades. O blindado tem um peso de mais de cinco toneladas, impulsionado por um motor de 300 cavalos de potência com um tanque de combustível com uma generosa capacidade de 263 litros. Sua blindagem garante proteção para praticamente todos os tipos de armas menores, como as calibre 44, além de pneus que suportam rodar certa quilometragem mesmo quando alvejado por tiros. Seu interior de luxo conta com revestimento em couro, central de entretenimento equipada com TV e vídeo, um X-Box 360 e tudo mais que uma limusine oferece).

"Nós não temos que ir longe,” eu digo sorrindo. Eu dirijo na estrada pavimentada por um tempo, e então faço um desvio e viro para a estrada de terra.

"Seu rancho tem um nome?” Ela pergunta hesitante.

Eu engulo em seco. ”Sim,” eu murmuro. Ela olha para mim expectante quando eu não continuo.
"É Anemoi,” digo em voz baixa e hesitantemente,  sem saber se o nome poderia despertar uma reação nela.

" Anemoi?" ela pergunta com uma voz trêmula. Seu comportamento muda para apreensiva.  Ela balança a cabeça para limpar a descrença que está passando por seu rosto, para dar-me o quê? Uma chance de explicar? Ela adquire uma respiração instável enquanto suas mãos seguram a maçaneta da porta. Será que ela vai sair correndo para fora de um veículo em movimento? Embora eu saiba que as portas bloqueiam automaticamente e não serão abertas enquanto o veículo estiver em movimento, meus olhos ainda derivam para as fechaduras para ter certeza. (N.T. Anemoi, os ventos, eram comandados por Éolo, deus dos ventos; tanto as brisas leves quanto as piores tempestades. A cada um era atribuída uma direção dos pontos cardeais).

"Nomes dos deuses ou os ventos?” ela sussurra em um tom quase inaudível.

"O que você quer dizer?” Eu respondo sua pergunta com uma pergunta minha, embora eu saiba exatamente o que ela quer dizer. Eu quero ouvir isso dela.

" Anemoi,” diz ela em uma voz quase firme, "... é o nome dos quatro ventos cardeais, e o nome coletivo dos deuses desses quatro ventos direcionais. Boreas... Zephyros... Notos... Eurus...” diz ela em voz baixa. Suas palavras são ‘staccato’.

"Como você sabe disso? Isso não é informação vulgarmente conhecida... bem, não em Inglês de qualquer maneira,” eu respondo tentando acalmá-la. Ela encolhe os ombros; seu olhar não se encontra com o meu, focado em suas botas.

"Meu tio fez com que eu estudasse Mitologia Grega toda a minha vida e bem...  Eu me formei em Linguística." Huh... Sua revelação de que Gabriel incentivou-a a aprender os mitos gregos antigos me pega de surpresa e minha máscara sem emoções escapa por um momento. Eu não teria pensado que Gabriel encorajaria essa informação sabendo que iria trazê-la para mais perto de mim e entendendo o nosso passado, ele tinha realmente a intenção de nos manter separados. Por que ele faria isso?

"Então,” ela continua seu questionamento tentando manter a voz firme, "seu rancho... é chamado pelo nome dos deuses ou os ventos? "

"Normalmente seria um e o mesmo. Mas, neste caso, são os ventos,” eu respondo,  meu olhar fixo na estrada de terra em frente. Ventos do Tempo . Mas ela não precisa saber disso. Enquanto eu avanço, eu posso ver o SUV ocupado por Turk e Desertwalker,  através da poeira subindo atrás de nós.  

Ela limpa a garganta. ”Só por curiosidade, o que o fez escolher esse nome?” Ela pergunta. Eu posso sentir o seu olhar intenso em mim neste momento. Esperançoso, assustado, curioso, desapontado e determinado. Por que ela iria parecer desapontada?

Eu finalmente chego aos estábulos; levo o SUV para um espaço reservado para carros e caminhões para estacionar. Eu mudo a marcha do SUV para estacionamento e, sem desligá-lo, eu viro o meu corpo para encará-la, examinando seu olhar. Minha expressão é ilegível. O que eu iria dizer a ela? Que esse era o nome de nossa última casa juntos, The Four Winds? Posso dizer-lhe a verdade? Eu não posso fazer uma leitura de Elissa. Eu posso ler a maioria das pessoas como um livro aberto. Se eu pudesse obter qualquer indicação de que ela se lembra de nós, nós dois juntos, então eu diria. Como é torturante que eu tenha que esconder o passado dela. Eu continuo lembrando a mim mesmo que é só por enquanto. O último aviso de Nieto me vem à mente espontaneamente.


"E se alguém lhe informar  sobre isso, e  quebrarem as sementes? O que diabos eu vou fazer então?" Eu perguntei mal controlando minha raiva e tristeza. Eu  não sei qual delas finalmente assumiria.

"Ninguém vai ser capaz. Eles vão silenciar no momento em que tenham a intenção de revelar qualquer coisa. Esse foi o último presente de Marcus para ela."

Por que os outros não e eu posso?" Pergunto em parte aliviado após esta revelação.

"Porque o seu vínculo substitui todos os outros;  incluindo aquele com seu pai angelical que é forjado nos céus. O seu por outro lado a prende na terra, através de sua mãe terrena e no céu através de seu pai angelical. Eu posso ler sua essência claramente marcada nas profundezas de sua alma..." ele disse em uma voz melodiosa. ”É diferente de qualquer outro vínculo celestial ou terreno que  ela possa ter forjado com os outros. O que você tem com ela é ao mesmo tempo sua bênção e sua maldição... o resultado é maior que você,  Alexandros... Se você forçar a florescer para ela o seu passado, suas lembranças de seu passado comum vão se dissolver como um castelo de areia na maré, e os laços com os seus filhos vão ser perdidos para sempre. Deixe as lembranças virem para ela, e elas virão, quando for a hora certa..." ele disse e desapareceu na neblina.

Fechando meus olhos com força, eu sacudo as lembranças para longe, e simplesmente dou de ombros para Elissa em resposta.

 "Este lugar é incomum. Recebe os quatro ventos, direcionados de tal maneira, que faz o clima único. Tenho tido esta terra há um longo tempo. Assim, era apenas apropriado,” eu respondo calmamente, esperando desesperadamente que ela se lembre do rancho The Four Winds,  que tivemos, e de mim como seu marido, seu primeiro e único amante, o pai de seus filhos. Eu me proibi de revelar a intensidade dos meus sentimentos, o desespero que estou sentindo para ela se lembrar. Seu corpo se lembra de mim, Elissa, por que não sua mente, anjo?

"Sério?" Ela pergunta secamente, fazendo-me estremecer. ”Este lugar é chamado The Four Winds, e você está me dizendo que este lugar é apenas chamado assim pelos ventos? Não tem nada a ver com a Sarah?" Ela pergunta com os olhos muito abertos, irritada e decepcionada.

"Sarah?" Eu pergunto surpreso. Como é que o nome do meu rancho tem algo a ver com Sarah?  "Por que o nome do meu rancho teria algo a ver com ela?"

"Por quê?  Você tem que perguntar?  Eu estava tendo sonhos e pesadelos que eu estupidamente disse a ela!” ela diz com pesar, as mãos trêmulas, cobrindo seu rosto. ”Ela provavelmente lhe disse sobre meus sonhos,  não  é? Ela está zombando de mim agora? Ou está tentando me dizer que eu realmente sou louca? "

"Anjo, não!"  Eu digo com uma voz suave. ”Não, baby! Não tem nada a ver com ela,” eu digo com uma voz suave, implorando. Ela balança a cabeça enquanto ela fecha os olhos. Ela está me excluindo.

"É a melhor resposta  que você  tem, Alex?” ela pergunta em voz quase inaudível.

"Essa é a única resposta que eu tenho! Eu nunca encontrei Sarah até ontem à noite!"

"Que tal o seu nome? É Alex? Alexander? Isso é falso também?” Pergunta ela.

"Meu Deus! Não! Não há nada falso sobre o meu nome. Eu sou Alex Pella. Por que você acha isso?"

"Esse trabalho é um ardil? Isso explica por que eu o encontrei, pela manhã, e consegui um emprego com você durante a tarde. Na mesma noite, Sarah tenta me capturar para me entregar para alguma antiga doentia merda sacrificial, e tenta me matar, e você acaba salvando o dia! Isso é um...” ela diz com seus lábios tremendo e ela é incapaz de falar o resto de sua sentença. Ela tem o olhar de decepção no seu rosto. Decepcionada comigo! Ela abre a porta do SUV, e sai correndo, correndo.

"Porra!" Eu amaldiçôo meu epitáfio e deixando minha porta aberta, eu corro atrás dela.

Eu ouço os rápidos dois pares de outros passos correndo atrás de mim. 

"Elissa!" Eu grito atrás dela. ”Por favor, pare! Dê-me uma chance de falar com você!" Ela não pára. Continua a correr até a beira da pista. Ela é rápida! Muito rápida, mas não mais rápida do que eu. Ela deixa uma nuvem de poeira atrás dela. Ela corre para o curral dos cavalos, e, instintivamente, assobia. Eu desacelero meus passos correndo, para um andar rápido e paro, e levanto os braços para parar Turk e Desertwalker.

"Esperem..." Eu digo com firmeza. ”Não a persigam. Eu não quero assustá-la. Eu vou atrás dela. Vocês ficam aqui.”

"Mas Sr. Pella..." exclama Turk.

"Não! É para você ficar!"

"Senhor, por favor. Você sabe que todo mundo está atrás dela!” Ele implora. Ele está certo, é claro, mas eu não quero assustá-la mais do que ela já está.

"Eu sou o suficiente para protegê-la no rancho!"

Turk e Desertwalker olham um para o outro, e ambos soltam um suspiro longo, exasperado, mas não dizem nada, levantando suas mãos em um gesto de rendição, e dão dois passos para trás. Elissa fica em cima da cerca, e assobia novamente. Eu quero ver qual cavalo responde a ela. Quatro cavalos estão selados para o passeio que eu tinha intenção de levá-la antes que ela fugisse. Eles estão no curral entre os cavalos sem sela.  Bucephalus, o meu próprio cavalo levanta a cabeça ao ouvir seu assobio, e vai para ela em um trote rápido, reconhecendo-a!  Os vaqueiros o tinham selado porque eles sabiam que eu iria montá-lo hoje. Dois dos vaqueiros correm para fora dos estábulos para detê-la, mas eu chego a eles mais rápido. Eles conhecem a natureza selvagem de Bucephalus.

"Não! Bucephalus conhece-a! Deixe-o lembrar-se...” eu digo.

"Mas, senhor! Ele conhece a todos nós, mas ele teria nos matado se tentássemos montá-lo!"  Protesta Jason.

"Para trás, cara!” Adverte Maximus em uma voz grave enquanto ele captura o ombro de Jason com seu punho de ferro, sabendo o que eu digo. Então, ele dá um segundo olhar para Elissa e seus olhos se arregalam em reconhecimento. Em seguida, ele vira seu olhar interrogativo para mim. A luta de Jason  concentra sua atenção de volta para o jovem rancheiro.

"Max, B vai machucá-la!" Jason repete tentando livrar-se da mão de Maximus em seu ombro. Maximus é um Nephilim, mas Jason  não é.

"Confie em mim... Ele não vai machucá-la! Assista e veja!"

"Porra, cara! Eu não posso ver uma garota sendo pisoteada pelo demônio do cavalo do Sr. Pella! Não diga que eu  não  avisei!" ele late, e caminha pelas portas do estábulo.

Elissa para e esfrega a crina de Bucephalus e olha para a sua grande estrela branca na testa, depois, lentamente, acaricia-o.  Bucephalus bufa e balança a cabeça maciça e cheira a mão estendida de Elissa; seus grandes lábios beliscando a palma da mão como se buscando a maçã ácida habitual que ela usava para trazê-lo. Bucephalus é o meu muito temperamental garanhão negro, sua  cabeça erguida alta, a cauda curvada para cima, e sua crina ondulada sempre parecendo flutuar para cima e para baixo, em cada andar empinado. Os outros cavalos instintivamente dão-lhe espaço, porque ele é o Senhor entre os cavalos. Mas ele não vai deixar ninguém montá-lo, exceto eu. Na verdade, não só ele  não iria  permitir que um estranho o montasse, mas ele iria resistir, girando e atacando qualquer um dos atendentes que tentassem montá-lo. Estou apreensivo pela proximidade dela com o meu cavalo, mas também incrivelmente hipnotizado, estou quase voltando no tempo.

Ela desce da cerca para o curral, lentamente  se aproximando de B  e, cuidadosamente, toma as rédeas abaixo do queixo. Bucephalus testa seu cavaleiro em potencial. Se o cavaleiro não tiver confiança, ele sacode a cabeça. Sentindo sua timidez, Elissa lhe mostra que ela pode ser uma só com ele, confiante em si mesma. Enquanto a mão direita está segurando firmemente as rédeas sob o queixo, levanta suavemente a mão esquerda, e acaricia o centro de seu nariz e os lábios com os dedos suaves. Ela lenta e suavemente se move em direção ao joelho, coloca a mão em seu corpo, em seguida, arranha e esfrega o flanco de Bucephalus. Ela finalmente se move para frente e ela massageia sua linha superior do pescoço. Foi assim que eu o segurei pela primeira vez quando Bucephalus veio para minha posse! Eu disse isso a ela anos atrás, quando ela era minha esposa. Cavalos  não são  animais verbais, mas eles conhecem a linguagem do corpo, mãos e movimentos de cabeça. As mãos de Elissa trabalham a magia para ganhar sua confiança e resposta positiva.

 Elissa parece atordoada momentaneamente como se ela estivesse se lembrando de algo, lembrando como ganhar a confiança de um cavalo, meu cavalo em particular. Ela levanta lentamente uma perna para cima e monta nele. Ela se inclina para baixo com confiança e esfrega seu pescoço, enquanto ela está segurando firmemente as rédeas. Bucephalus está ereto, alerta com o novo cavaleiro nas costas, vigilante, mas ele também sente sua familiaridade, reconhecendo o seu cavaleiro. Ela coloca as botas nos estribos. Então Bucephalus vira suas orelhas para trás, na tentativa de compreender e sentir esta mulher que  não o montava  por mais de duzentos anos; e isso era quando ela estava em um lugar diferente, num corpo diferente. Ele sente sua confiança em suas costas. Elissa detém as rédeas próximas a ela, trabalhando isso, e eu posso ver suas pernas exercendo pressão apenas o suficiente para levá-lo a um trote, em seguida, para um galope. Meu coração está batendo muito rápido, eu posso ouvi-lo batendo em meus ouvidos, pronto para saltar para fora do meu peito. Tento segurar minha respiração sem sucesso. Minha boca está seca. Ela lhe dá rédea  suficiente para tê-lo controlado a galope e, finalmente o chuta nas costelas enquanto ela está dando a ele o suficiente controle das rédeas, empurrando-o em um trote rápido, em seguida, entra em velocidade de corrida e, finalmente, o faz pular a cerca. Mesmo que ela esteja fugindo de mim, fazendo meu coração doer, sua interação com meu cavalo, que não permite que ninguém o monte, além de mim, e o jeito que ela teve com ele, fazem um show espetacular.

Max observa Elissa com olhos tristes lembrando-se dela de um outro tempo interagindo com o meu cavalo, enquanto ele está ao lado de Turk e Desertwalker. Jason também está completamente chocado. Na verdade, todos eles têm o mesmo olhar estúpido em seus rostos: boca aberta, sem palavras, e imóveis com o que acabara de acontecer. Eu me recupero, e corro para a cerca do curral e assobio para a égua negra freada e selada. Decolamos após Elissa e B . Elissa instigando B para colocar distância entre nós. Ela anda sem direção definida particular. Ela está indo para o Apache Falls, a trilha no canyon que leva à fonte de água, um lugar natural para o meu cavalo ir. É um beco sem saída, mas um oásis escondido dentro das paredes altas de um canyon. O cenário é magnífico, inexplorado, e mágico. Eu posso facilmente alcançar Elissa, mas eu não quero assustá-la mais do que eu já fiz. Equitação vai dar-lhe tempo para esfriar e tempo para eu pensar. É irônico que eu quero ser sincero com ela, mas desta vez a verdade não irá deixar qualquer um de nós livre.

Bucephalus a leva na trilha raramente usada, mantendo um ritmo de corrida constante. Poeira da trilha e de Bucephalus cobrem meu rosto, minhas roupas e meu chapéu Stetson. (N.T. Stetson é o padrão em chapéus, a essência do espírito do oeste e um ícone do estilo de vida americano de todos os dias. Por causa de sua autêntica herança americana, Stetson permanece como uma parte da história e, pela mesma razão, continuará no futuro.) Mas eu monto, quase hipnotizado. Eu sigo sua coluna de poeira deixada para trás. O caminho dá lugar a pedras. Paredes altas vermelhas do canyon começam a subir, e ela está andando em um trote constante, mas não mais em uma velocidade de fugir. Grama Galetta, dentes de leão e margaridas espalhadas começam a pontilhar a vizinhança adicionando um forte contraste ao vermelho das paredes do canyon. O caminho, raramente usado, nos força a uma jornada para o oeste. A égua sob mim fareja a água e grama exuberante na direção que Bucephalus está indo. Há quatro bacias de pedra lisa com água brotando do subsolo e de uma pequena cachoeira das fendas da parede do desfiladeiro. Elas são parcialmente protegidas do sol, e sua água é incrivelmente clara, doce e fria na maior parte do ano. A nascente cria uma piscina, uma lagoa azul. Possui praias de areia e álamos frondosos ao redor. A água também nasce do ventre das formações antigas de travertino (N.T. Rocha calcárea); ambos construídos e destruídos pela água. Há uma grande piscina criada pela cachoeira e várias piscinas menores que caem em cascata em outra corrente, e fazem seu caminho sinuoso em direção às cavernas, e para o rio subterrâneo para suprir a água do subsolo.  

Bucephalus parou, e ele está bebendo a doce água fria profundamente. Elissa desce do cavalo, e olha em volta com admiração. Olha para as lagoas azuis, e as paredes do canyon parcialmente cobertas de hera. Os álamos subindo para o céu, e alguns dos ramos baixando para o chão como se estivessem fazendo um esforço para alcançar a água. Salgueiros do deserto estão em plena floração. Eu saio da égua negra, e deixo-a trotar para a água perto do meu cavalo. Os pássaros estão cantando, e alguns estão bebendo água nas bacias.

Elissa olha em volta com os olhos arregalados.

"O que é isso?” Ela pergunta. ”Um Jardim do Éden no deserto?"

"Eu... uhm, eu queria mostrar-lhe esse lugar, antes que você decolasse,” eu digo baixinho. ”Ele é  chamado Apache Falls."

Dou um passo cauteloso em direção a ela, e ela dá um passo atrás. Eu paro.

"Ellie..." Eu digo com dor na minha voz. ”Por que você está fugindo de mim?" Seu rosto cai.

"Eu não sei se posso confiar em você,” diz ela, sua voz um sussurro.

"Eu não conheço Sarah. Eu nunca a encontrei antes de ontem à noite," eu digo pausando. ”O que faz você pensar que eu a conheço?" Ela olha para mim em silêncio, avaliando. Ela balança a cabeça imperceptivelmente.

"É o que você sabe sobre mim... Coisas que eu nunca disse a ninguém, exceto para três pessoas. Entre os três, apenas Sarah tem má vontade em relação a mim."

"Alguma vez você pensou que tudo o que você acha que eu sei pode ser apenas uma coincidência? Vamos examiná-los por um minuto, o que você não me deu a chance de explicar."

"Como poderia ser, Alex? Eu vir a ser uma espécie toda diferente que eu  nem mesmo sabia que existia! Você e eu virmos a ser a mesma coisa. Eu o encontro na manhã de ontem, e eu vou para uma entrevista de emprego, redirecionada para seu escritório, e consigo um emprego com a condição de uma semana de experiência."

"O emprego é seu, Elissa!" Eu digo com fervor.

"Alex,” diz ela balançando a cabeça. ”Eu não sei se eu o quero mais..."

"O quê? Por quê? Não, Elissa, não... É seu emprego!"

"Alex... eu,” ela diz e fecha os olhos. ”Eu não sei se eu posso fazer isso. Para ser honesta, eu estou imensamente atraída por você,” diz ela visivelmente deglutindo. ”Os sentimentos que tenho por você não são normais. Pelo menos, eles não devem ser...” ela sussurra. ”É doentio. Eles são muito fortes. Muito primitivos, fazendo-me...” ela diz e pára se contendo.

"... insaciavelmente faminto por você,” eu completo sua frase. Ela balança a cabeça concordando com os olhos arregalados, e seus lábios se abrindo. ”Por que normas você acha que não é normal? Somos apenas metade humanos. A outra metade é anjo."

"Eu ainda não posso confiar em você,” ela profere abruptamente e isso me faz estremecer. A picada de suas palavras queima minha alma.

"São muitas coincidências estranhas... É... inquietante!"

"Elissa!" Eu a corto.”Por favor, me julgue pelos meus próprios méritos! Não por sua mãe, seu tio, sua babá ou qualquer outra pessoa. Eu sou Alex Pella! Se você gosta de mim, você gosta de mim por quem eu sou. Se você me odeia, que seja pelos meus próprios erros! Eu nunca... nunca venderia ninguém, muito menos você. Não é assim que eu trabalho."

"Mas,” ela refuta.

"Ellie, como eu a ofendi?" Eu pergunto, e isto a faz parar de repente.

"Essa é a coisa,” ela suspira. ”Há algo sobre você. Algo familiar, mas irreconhecível. E eu não sei se é uma coisa boa ou ruim! "

"Até agora o meu único crime é estar sendo atraído por você tão fortemente quanto você é atraída por mim. Talvez até mais. E se esse é o meu grande pecado, eu admito ser o homem mais pecador deste crime,” digo olhando em seus olhos com um olhar sem piscar. ”Pecador não arrependido..." eu sussurro minhas palavras sedutoramente, enunciando e dando um passo em direção a ela. Desta vez, ela não foge.

"Mas, com o que aconteceu ontem na minha casa...” ela diz e depois sacode a cabeça e corrige a si mesma, "na casa de meu tio, meu mundo virou de cabeça para baixo. Eu não sei em quem confiar ou no que acreditar. Eu descobri que você e eu somos algo mais do que humano; uma espécie que eu nunca soube que existia. Eu estou atraída por você, cativada por sua essência...” ela sussurra  "Sua voz... a visão de você... o seu cheiro... a maneira como você se move...” diz ela e sua voz abaixa em um sussurro quase inaudível, "a maneira como você faz amor comigo... Eu... Eu não posso pensar,” diz ela olhando para mim com os olhos muito abertos. ”Eu só quero me perder em você e isso não pode ser bom para nenhum de nós depois de conhecer um ao outro apenas por um dia. Precisamos de tempo...”

"Teremos tempo.  Nós  acabamos de encontrar um ao outro, Ellie," Eu a corto.  

"Talvez a semana de experiência para o trabalho seja a coisa certa a fazer juntos. Talvez para nós, também...” diz ela, e eu abro minha boca para protestar, mas ela levanta a mão para terminar. ”Sempre que eu digo seu nome, Alex...” diz ela parando e olhando nos meus olhos, buscando, "isto me abala até o meu âmago, e me envolve em uma carícia morna como um encanto mágico. Eu deveria estar fugindo isso! Eu estou enfeitiçada por você!” diz ela, e eu fecho a curta distância entre nós.

Whenever I say your name-Sting

"Você acha que eu posso deixar você ir depois do que você me revelou,  Elissa?"

"Talvez você realmente devesse... Você viu o tipo de problema que poderia me seguir, que quase matou seu homem Anthony, e pode ter cortado para sempre meus laços com a minha família."

"Elissa, você acha que isso iria me assustar? Você tem alguma idéia do que eu sou capaz?"  Eu digo com fervor.

"Este não é o ponto, Alex. Este é o meu fardo, não o seu. É injusto de minha parte trazer  o que eu tenha de maldição para cima de você, ou seus homens!” Diz ela com a voz subindo uma oitava.

"Esta é a única razão? Porque se for...” Eu digo, mas ela me interrompe.

"E quando você me disse o nome do seu rancho...” diz ela parando enquanto seus lábios se curvam. ”O nome Quatro Ventos é o material de que meus pesadelos são feitos,” diz ela visivelmente tremendo.

Estendo a minha mão lentamente até o rosto dela, e limpo a poeira do seu rosto e seu cabelo suavemente. Ela se inclina para o meu toque, os olhos fechados.

"Você vê, eu queria me distanciar de tudo e de todos que eu conhecia, e de todo mundo que me fizesse lembrar de coisas que queimam um buraco no meu coração,” diz ela enquanto suas mãos empoeiradas agarram sua blusa agora manchada com a poeira e sujeira do caminho. ”Mas eu me vejo caindo justo no lugar com o mesmo nome que me assustou até o meu âmago... De alguma forma eu sinto que é parte do meu passado. Algo com o nome de seu rancho, e isso me aterroriza. O que eu não sei, o que eu não entendo, e o que eu não me lembro, me apavora. Tudo o que posso pensar é correr para o mais longe possível. Mesmo se eu tiver que viver na China, ou na Sibéria, ou nos cantos remotos da terra apenas para estar longe disto...” diz ela estremecendo.
"Fugir do que nos faz ter medo, ou do passado é uma corrida que nunca vamos ganhar. Viver em um auto-exílio, deixando o medo assumir o controle de sua vida só irá incapacitar você. Se você deixá-lo controlá-la, tomar a sua vida, ele vai encontrá-la em qualquer canto da terra que você esteja se escondendo," eu rogo a ela.

"Eu não estou pronta para enfrentá-los ainda,” diz ela com os olhos arregalados.

"Eu estou".

"Não é sua luta..."

"Eu vou ser o juiz disso," eu digo, minha voz um sussurro em seu ouvido. Ela engole em seco.

"Por quê?"

"Eu apenas encontrei você.  Não é  razão suficiente?" Minhas mãos estão apertando os topos de seus braços como se ela fosse voar para longe. Eu me inclino; meus lábios estão a apenas um toque de distância dos dela.

"Estou empoeirada, e suada da trilha,” ela sussurra timidamente enquanto seus dedos arrumam mechas soltas do cabelo atrás da orelha.

"Sim, e acho isso irresistível!" Eu digo sorrindo e fecho a distância entre nossos lábios. Ela estremece quando os nossos lábios são mesclados. Minha mão direita viaja para a nuca dela, então eu puxo seu rabo de cavalo afrouxado,  com bastante força, e inclino sua cabeça para cima, prendendo sua boca no cativeiro da minha. Minha mão direita percorre suas costas. Quando chega até suas nádegas, eu a puxo para dentro de mim e a faço sentir minha ereção em saudação plena.

Sua mão alcança minha cabeça e joga o meu chapéu de vaqueiro Stetson fora da minha cabeça. Eu a levanto do chão, e ela envolve as pernas ao redor da minha cintura. Meus lábios consomem os dela, chupando, e tomando, possuindo, e dando tudo que tenho. Minha língua entra em sua boca, como se eu a possuísse, acariciando sensualmente sua língua, mas, em seguida, com um movimento ousado, ela suga a minha língua com tanta força que eu sinto os efeitos por todo o caminho até a ponta do meu pau.

Quando nossos lábios finalmente se separam, nós dois estamos sem fôlego. Eu fecho meus olhos e descanso minha testa na dela, não estando disposto a perder a nossa conexão.

"Sinto-me tão constrangida, porque eu estou muito empoeirada, e pegajosa de suor,” diz ela batendo em sua blusa para demonstrar e uma pequena nuvem de poeira se levanta da blusa. Eu levanto minha sobrancelha, e uma idéia perversa me vem à mente. Deixo-a baixar da minha cintura. Seguro sua mão e puxo-a pela água batendo.

"Você confia em mim?" Pergunto parando.

"Isso depende...” ela responde.

"Confia ou não? Um simples sim ou não vai resolver.” Ela respira fundo, engole e diz: "Sim,” com os olhos arregalados. Eu sorrio maliciosamente.

Minhas mãos alcançam sua blusa e eu desabotoo cada um dos botões com dedos ágeis. Sua respiração é superficial, mas seu coração está batendo como as asas de um beija-flor. Sem desviar o meu olhar, eu insiro minhas mãos sob sua blusa, e deslizo-a para fora de seus braços. Ela mergulha na areia aos seus pés. Eu desabotoo sua calça jeans, e deslizo para baixo o zíper.

"Sente-se," eu ordeno, e sem tirar os olhos de mim, completamente hipnotizada, ela se senta na areia. Eu me ajoelho diante dela, e desato suas botas, e retiro-as uma de cada vez. Então eu puxo suas meias fora de seus pés. Eu coloco-as dentro de suas botas, e coloco as botas em cima de uma pedra. Eu vagarosamente empurro-a para baixo na areia. Lentamente pairando sobre ela, eu roço meus dedos ao longo do cós da calça jeans, e deslizo-a para baixo junto com a calcinha. Ela está deitada na areia com apenas seu sutiã.

"Sente-se," Eu ordeno estendendo minha mão para apoio. Ela segura minha mão, e senta-se. Eu encapsulo suas pernas entre as minhas, meus joelhos na areia, eu me curvo, e alcanço atrás das costas, e desengancho o sutiã. Ela olha para mim com os olhos sem piscar.

"E você?” ela consegue sussurrar. Eu me levanto e puxo-a de pé.

"Dispa-me,"  Eu ordeno sedutoramente, sem afastar o meu olhar de seus olhos azul-safira. Ela levanta as mãos para cima e chega à barra da minha t-shirt. Ela agarra a bainha com bastante força, levanta-se, e eu mantenho meus braços no ar para tornar mais fácil para ela. Ela joga o t-shirt atrás dela na vizinhança da pedra. Em seguida, as mãos descem até o meu cinto de fivela. Ela tenta desatá-lo ansiosamente, mas ela não é bem sucedida. Ela está frustrada com a falta de progresso.

"Devagar, anjo, devagar..." Eu a incentivo e tomo suas mãos e lentamente as oriento, desafivelando meu cinto. Em seguida, guio os dedos desabotoando e abrindo o zíper  de meu jeans. Seus dedos descem sobre o meu cabelo no peito e até a minha trilha feliz, levemente, me fazendo ofegar. Ela insere as mãos sob minha boxer deslizando e puxando para baixo o jeans e a boxer, liberando minha ereção. Minhas calças jeans se amontoam  a meus pés, logo acima das minhas botas de caubói. Dou-lhe um sorriso torto.


 "Tecnicamente, eu ainda estou vestido,” eu digo.
"Sente-se,” ela ordena.


"Sim, senhora".

Sento-me na areia quente, e ela abre minhas botas, uma de cada vez, e puxa as botas fora de meus pés. Em seguida, ela puxa as meias. Finalmente arranca as calças e boxers com uma tal força, que elas voam e aterrissam sobre a pedra a vários metros de distância. Eu me levanto com um movimento rápido, e inclino-me para baixo e retiro-a do chão. Surpresa, ela grita, e seus braços se envolvem em torno do meu pescoço. Eu levo-a até a beira da água, onde a terra e a areia suave encontram com as lambidas  marulhando da água. Ela olha para mim com os olhos perplexos.

"Você  não faria! "

Dou-lhe um sorriso lascivo enquanto eu a deposito na terra macia.

"Alex,” ela grita, em seguida, pega um punhado de terra escura e a joga em mim.

"É assim que é?" Pergunto sorrindo, e com a velocidade de um raio, eu a prendo sob meu corpo. Capturando as mãos com a minha mão direita, eu mantenho-as acima de sua cabeça. Ela se contorce sob mim deslizando ainda mais na terra e areia. Seus pés estão no solo lamacento, onde a água está acariciando suavemente o chão em que  ela está deitada. Meu corpo está pairando a apenas uma polegada acima dela, minha ereção está cutucando sua barriga. Ela enterra seus pés na lama, e arqueia de volta encontrando meu corpo e cobrindo a distância entre nós. Eu prendo seu corpo com minhas pernas, e agarrando um punhado de terra, eu a sujo sobre seus lados, peito, evitando seus seios, e sua barriga, lentamente, espalhando-a ao redor.

"Você está me deixando barrenta!"

"Essa é a idéia,” eu digo sorrindo.

Ela move seus pés enlameados, envolve suas pernas em volta do meu torso e cava seus calcanhares nas minhas costas, espalhando lama por todo meu traseiro. Eu fico na posição de montaria sobre ela tornando seus esforços ineficazes. Eu me mexo e isto solta o meu aperto sobre sua mão para alcançar seu outro lado. Ela pega minha mão esquerda no punho, com a mão esquerda, segurando-a em um aperto  forte, então ela agarra a parte de trás do meu braço esquerdo,   justo na altura do cotovelo, com a mão direita, usando todos os músculos das costas, e prendendo o meu braço esquerdo de forma eficaz. Ela move o pé direito por cima do meu pé esquerdo dobrando o joelho para fora, prendendo meu pé perto de seu quadril, incrivelmente rápido para uma mulher que está apenas conseguindo sua força Nephilim. Ela, então, levanta lentamente o quadril para cima, mudando, e a gravidade toma conta, e ela me prende debaixo dela, me dominando. Seu movimento Jiu-Jitsu me excita inacreditavelmente. Ela está brincando comigo, me combatendo!

Para contra ofensiva, eu suavemente separo meus pés, e fazendo um V com as pernas dobradas no meu joelho, eu levanto meus quadris para cima, e torcendo e girando meu ombro direito, enquanto eu  alavanco meu pescoço e cabeça, eu rolo, e consigo estar de volta de joelhos enquanto  Elissa está presa debaixo de mim, mais uma vez. Eu engancho meu pé direito por cima do seu tornozelo direito e neutralizo seu próximo passo para me rolar novamente. Ela tenta trazer a perna esquerda para dentro, tentando livrá-la da minha armadilha. Ela então tenta a perna direita. Agarra meu pulso, por dentro do meu cotovelo, e dobra e gira seu ombro e me rola de volta para trás e para a água rasa. Estamos completamente enlameados e molhados e estou mais uma vez preso sob ela. Ambas minhas pernas se movem sobre as dela, envolvendo-as na altura dos tornozelos e efetivamente prendendo ambas, eu me sento imediatamente.

Nós dois estamos respirando pesadamente com excitação, e não há nada entre nós além da pele e da lama, causando estranho atrito e sensação à medida que nos movimentamos. Minha ereção está cavando sua barriga, e ela empurra seus quadris em mim. Seus braços enroscam ao redor do meu pescoço e, ela efetivamente me empurra de volta para as águas cristalinas rasas. Eu rolo na água com ela, lavando um pouco da lama de nossas costas. Quando nós revertemos na direção oposta, estamos de volta na terra novamente, mas desta vez ela se encontra debaixo de mim. Nossas costas estão cobertas de areia. Eu a puxo na posição sentada. Meus dentes raspam seu queixo, seu pescoço, e a base de seu pescoço. Ela inclina a cabeça para trás, seus cabelos escuros soltos, molhados, e água pingando absolutamente sexy nas suas costas, que lentamente escorre para baixo. Um pouco de água escorre de seu cabelo para as bochechas, e eu a lambo, minha língua fazendo o seu caminho para sua orelha. Eu capturo o lóbulo da orelha e puxo com os dentes. Um gemido primitivo escapa de seus lábios e eu os selo imediatamente, engolindo sua voz. Seus dedos estão atados no meu cabelo, puxando, e puxando-me para o chão. Suas pernas estão enroladas em torno de mim, e os calcanhares escavam minhas nádegas incentivando-me a afundar nela.

Eu recuo brevemente e olho em seus olhos. ”Sim?” eu pergunto.

"Sim,” ela concorda com a cabeça.

"Eu quero tudo de você!" Eu sussurro sedutoramente. Sua respiração suspende.

"Por enquanto,” ela sussurra de volta. Porra! Ela está negociando comigo durante o sexo!

Ela deita de volta na areia me puxando para baixo com ela. Minha língua roça para baixo até seu pescoço, beijando e mordendo, dolorosamente lenta. Ela arqueia as costas para cima. Minha língua trilha para baixo entre seus seios, provocando, beijando, e chupando. Eu capturo seus seios entre meus polegares e indicadores apertando, alongando, e puxando. Ela geme convulsivamente. Meus lábios se movem ao longo do seu umbigo, e a minha língua assalta o pequeno buraco apertado, enquanto eu movo minha mão direita para baixo até seu sexo, espalmando seu clitóris. Eu introduzo um dedo em sua flor convidativa, em seguida, coloco outro. Seu sexo está encharcado, faminto. Minha boca viaja para seu sexo, e enquanto eu retiro meus dedos dela, minha boca belisca seu ponto sensível de leve, e por um minuto suas pernas estão em volta do meu pescoço, seus quadris estão fora do chão, os cotovelos estão apoiando a elevação de seu corpo do chão. Minha língua mergulha dentro de seu sexo, e gira no sentido anti-horário, empurrando contra a parede frontal da vagina, encontrando seu ponto doce secreto.
"Por favor...” ela arqueja.



Retirando minha língua para fora dela, "Indefinidamente!" Eu apresento um lance para sua oferta anterior do 'por enquanto.’

"Uma ..." ela arqueja, e seus gemidos vão para um tom mais alto, ".... semana ... experiência..." ela geme, suas palavras staccato. Meus lábios trilham seu caminho de volta ao longo de seu torso enquanto minhas mãos passam para os lados, acariciando sedutoramente. Quando eu chego a seus seios, eu capturo o mamilo direito na minha boca, e chupo. Minha língua ‘fellates’ e provoca o mamilo alongado, e eu arrasto meus dentes sobre ele.

"Por favor, Alex,” ela implora escavando seus calcanhares sobre minhas nádegas para me fazer entrar nela.

"Indefinidamente!" Eu rosno, meus olhos levantando de seu peito.

"Por favor..." ela geme levantando seu quadril até encontrar minha ereção.

"Diga-me que você concorda..." Eu sibilo enquanto minha ereção provoca a entrada de seu sexo.
"Eu concordo... em discutir... depois... Por favor, agora! " Ela geme suas palavras.

Eu pairo sobre ela, e afundo meu pau dolorido dentro dela, centímetro por centímetro, até que esteja bolas profundas. Eu paro e arqueio minhas costas para estar nela o mais profundamente possível e ela escava seus calcanhares ainda mais em minhas nádegas e as unhas escavam na terra no chão. A sensação é celestial, porque nós somos agora um só corpo e uma só alma, criados da terra e da luz celestial. O sentimento criado por nossa união, conexão, e unidade é inebriante, consumindo  esmagadoramente. Eu começo a me mover, e esfrego-a na areia e terra. Eu recuo vagarosamente e sinto seu sexo me puxar de volta para dentro, lentamente, e eu me emaranho na resposta de seu corpo. Eu afundo de volta nela novamente, e seu sexo me puxa mais profundo para esse ponto especial, implorando para ser tocado, alerta, friccionando, tocando todos os sinos e disparando todas as sinapses dentro de seu corpo com o atrito que só o meu pau pode proporcionar. Ela arqueia as costas empurrando seus seios na minha boca em boas-vindas, os cotovelos e antebraço apoiando-a. Ela retribui o tango do meu pau com seu sexo, com seus movimentos contrários. Eu tomo seu mamilo esquerdo em minha boca, provoco e chupo. 



Então eu suspendo Elissa fora do chão, fazendo-a sentar-se no meu colo. Eu a levanto, e quando ela desce no meu pau, eu lanço minha ereção mais profundamente nela enquanto eu brinco com o peito, mordendo, chupando e lambendo. Seu duplo orgasmo vem em ondas grandes enquanto seus músculos dentro dela embainham meu sexo e me apertam, tentando me ordenhar para tudo que tenho. Ele rola através de seu corpo e através de nossa conexão para o meu corpo. Ela grita "Alex,” enquanto as unhas raspam e cavam em minhas costas, com a cabeça atirada para trás, enquanto seus movimentos abrandam. Ela finalmente desce no meu peito em um monte grande, repleta, suada, enlameada e cansada.
Eu levanto a minha garota exausta em meus braços sob a cascata de água para lavá-la delicadamente. Sento-me em uma relativamente grande pedra sob a água constantemente chovendo. O ar quente e a água fria a trazem para a consciência novamente. Ela segura meu rosto com suas mãos, enquanto ela procura por algo em meus olhos. Ela empurra o meu cabelo para trás e um lampejo repentino de tristeza passa através de seus olhos, por um momento, e então desaparece. Sem me dar a chance de pensar, ela fecha os lábios sobre os meus com uma emoção sem nome, e então ela começa a se mover novamente. Meu pau meio acalmado, ainda dentro dela, brota em toda atenção mais uma vez. Ela coloca toda a sua ânsia, desejo e afeto em seu beijo e movimentos. Ela me abraça mais apertado, e me beija com mais força, lambendo, chupando, dando, rendendo-se, e tomando. Eu sinto as lágrimas escapando e correndo por suas bochechas, silenciosamente misturadas com a cachoeira, permanecendo disfarçadas. Ela está quase  me adorando com seu corpo. Mas, por que, então, eu também sinto que ela está dizendo um silencioso adeus?


 Amy Winehouse - I’m no good for you

30 comments:

Andrea Leoncio said...

Arrebatador, fantástico... obrigado Neusa por tornar ainda melhor esta história!
A respeito do capítulo eu só posso dizer que estou completamente seduzida e ansiosa por este livro, só não estou completamente feliz porque sei que o próximo capítulo é o último aqui...e vou ter uma longa espera a minha frente.
Por favor, precisamos deste livro publicado no Brasil.

Emine vc é show, uma escritora muito criativa e inteligente, sua escrita mostra uma grande quantidade de pesquisa, suas referencias históricas tornam a leitura muito mais interessante do que um simples romance...vc tem meu respeito e reverencia!
fico aguardando o seu sucesso...porque ele com certeza virá, é só uma questão de tempo!
bjos Emine e Neusa

Kátia said...

Já estava com saudades desta história! Mais uma excelente obra de Emine!!! \o/

Anonymous said...

Que estoria!!!! Lindo!!! Emine com certeza sucesso garantido!! Aguardo anciosa a publicaçao do livro!!
E Neusa como sempre sua tradução impecavel!!!
Agora meninas é esperar e torcer para nâo demorar!!
Bjs Lala

Anonymous said...

Nossa que capitulo agora ja estou me sentindo meio orfãn, que venha logo este livro por favor voces duas sao fantasticas bjos
Rosi

Taís Salazar said...
This comment has been removed by the author.
Taís Salazar said...

Olá...

aguardando ansiosíssima pelos próximos capítulos!!!

Adorei teu Blog!!! #ViciadaNoPella

Jeciane Nogueira said...

Estou adorando essa série! Esse cap então, nem se fala. Gostaria de saber da Neusa quando ela irá postar o próximo cap. Estou muito ansiosa por isto!! beijos!

Jeciane Nogueira said...

Estou adorando essa série! Esse cap então, nem se fala. Gostaria de saber da Neusa quando ela irá postar o próximo cap. Estou muito ansiosa por isto!! beijos!

Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Quente muito quente, capítulo maravilhoso agora estou ainda mais ansiosa esperando o livro, Emine conseguiu reunir tudo que esperamos numa leitura, ja consogo visualizar o Pella as cenas até o filme, amando isso tudo, parabéns Emine e Neusa, bjssssssss amo vocês

Mara Lins said...

Emine você mais uma vez nos encanta com sua escrita. Tivemos aqui só um "petisco" do banquete que será a #seriepella e já percebo um expectativa enorme aqui no Brasil.

Uma linda estória envolvente, cativante, envolvendo romance, anjos e erotismo. Tudo aquilo que nos faz sonhar. Mas o que mais me agrada é saber que em tudo o que você escreve há por trás uma grande investigação, uma enorme pesquisa feita. Você não joga com a sorte, você nos apresenta informações certeiras e sempre interessantes.

Alexander Aurelius Pella será um novo Christian Grey, um homem que nos fará sonhar e Elissa a representação de cada uma de nós.

Neusa, parabéns mais uma vez pela sua tradução impecável.

E já parabenizo, de antemão, a editora que lançar-se nesta aventura emocionante. #seriepella é sucesso garantido.

sonia barcelos said...

Por favor! É maravilhoso! Que agonia quando vamos ver mais capítulos! maravilhooooossooooooo!

Viviane moreira lage said...

Quando comecei a ler achei meio Christian Grey, mais depois que iniciei o capitulo 2 não parei mais.
Fiquei triste quando percebi quem era Pella, personagem que aparece 2 vezes que me lembro no livro da serie fan fiction.Queria que fosse Taylor, quem leu as duas versões entende que Taylor está em todas as ocasiões.Mais depois percebi que seria uma extensão, apenas de fatos que todos nos já conhecemos.
Então abri minha mente e foi uma ótima escolha ...pois me apaixonei pela historia, fazendo sua esposa se apaixonar por vc após 215 anos de procura, tormento, solidão, saudade e um verdadeiro amor.Lindo,LINDO,LINDA HISTORIA.

Em uma noite sombria para mim, perdida em meu pensamentos sombrios e não sei como cheguei neste blogger, um achodo imensamente importante pois me apaixonei reencontrando Grey e Ana, após ler duas vezes, comecei a fusar no blogger e encontrei PELLA, lembro-me de como ele foi amigo e solicito ao Grey, vendo o sofrimento de Grey, agora entendo a carta, a escalada ao topo e o presente dando a Grey.ESPERANÇA, DETERMINAÇÃO,FOCO E O MAIS IMPORTANTE O AMOR.

Deus você e abençoada com esse dom, percebemos o amor que vc tem pela escrita, pesquisa, romantismo e claro que não pode falta uma boa adrenalina..ufa quando ellie protege Anthony, adrenalina pura.
Não vejo a hora dessa historia estar disponível em português seu livro.

Uma pergunta:

Virá com mesmo titulo? Pella?
Pella também e danadinho, a primeira noite de amor foi bonita mais achei que no dia seguinte ela por ser uma virgem...os dois fazendo posições..ufa de qualquer jeito.minha opinião!!!! para quem estava a procura da mulher a 215 anos, ir parar numa suite e só. Ellie nem se quer lembra de nada durante o tango amoroso... nem flash...minha opinião, a cena merecia mais...
Mais de tudo esta lindo, nós leitoras não precisamos aguardar seu sucesso, pois vc já é o sucesso, aguardo ansiosa pelo lançamento e com raiva pois vai demorar....

Obrigada a Emine por este grandioso sucesso, sem duvida será Best selle, você merece!!!!Sorte.
Neuza,obrigada por tudo, blogger, tradução..obrigada imensamente.

viviane lage

Eminé Fougner @ Cowboyland said...

Hi girls! Hi Vivian!

Thank you for all your comments. Remember, there are many popular books that has vampires who live for centuries and feed on blood (True Blood, Vampire Diaries, Twilight etc.)

This concept of Nephilim exist in the Bible as well as the non-canonized books such as the Book of Enoch. This is not a far stretch of imagination. If you take the Bible literally, people don't have trouble in believing that Adam lived 930 years (Genesis 5:5), and Eve lived around the same age as her husband. But few people tell you about Lilith; Adam's first wife who didn't want to be a "submissive" in the sexual positions. She wanted to be on top, she didn't want to lie under him. They were created equal. So the Bible says that God created Eve from his ribs. Then of course there is the story in Genesis 4:25 explaining that Seth was born after Cain slew Abel. Since the biblical account makes it clear that Seth was born outside the garden, because Genesis 5:3 informs us that Adam was 130 years old. We can't think of a man being virile and reproductive at the age of 130 (granted that you are still alive considering the oldest living person recorded 122 years and 164 days-Jeanne Calment of France). I've met someone who was said to be 125 years old when I was a child, but since I didn't see her birth certificate, I'll go with the recorded one. According to the Bible then, people at one time lived very long and were capable of conceiving, having sex in the very young age of 130! You have to remember that they had many many many more children into their several hundred years of age. According to some Biblical scholars they have had 56 children.

I've also research Islamic and Hebrew records, and in their beliefs Adam lived up to 2,000 years, and they have 20 sets of twins, and one single birth totaling 41 children, and from that 41 they reached 40,000 within their lifetime. And according to two different texts I found, Eve lived 1 year more and in the other text it said that she lived 40 years more after her husband's death. As you can see, there's a flood of information for anyone who wish to find out.

I recommend you to read a book called "Biocentrism: How Life and Consciousness Are the Keys to Understanding the Nature of the Universe" written by scientist Dr. Robert Lanza who was voted the 3rd most important scientist alive by NY Times.

Read this article and you will see that it is not that far fetched (more believable than vampires for example): http://www.spiritscienceandmetaphysics.com/scientists-claim-that-quantum-theory-proves-consciousness-moves-to-another-universe-at-death/

Neusa Reis said...

Oi meninas que bom que continuam gostando e comentando. Agora que estou acompanhando as publicações da Emine no POV Christian muito de perto, traduzindo em dia os caps. que ela coloca, vou traduzir o último capítulo da Série Pella que ela postou aqui no Blog. Fiquei adiando este momento com a esperança de que ela colocasse mais um. Mas vamos esperar que ela coloque. Estou muito ansiosa e curiosa para ler estes livros. Para Viviane moreira lage, ela pediu que dissesse que serão 3 livros e que ela ainda não sabe os títulos. Talvez ela peça aos leitores para escolher. Devemos continuar a campanha no Twitter para que sejam publicados em português pela Editora Intrínseca. #seriepella
Bom meninas, adorei o cafezinho.
Fiquem sempre por aqui e comentem sobre esse casal maravilhoso.
Bjs

Fer G. said...

Ownnn tanto tempo sem ler o Pella ,que qdo li agora quase morri de amor por eles de novo.Adoro essa história.Neusa ,minha flor,obrigada por tudo.Emine,maravilhosa,que Deus continue iluminando sua cabeça com essas histórias fantásticas.beijos

andréia novantino said...

Olá, estou acompanhando os capítulos tanto da série Pella quanto do Christian e Anastasia Grey. Ansiosa com os próximos capítulos do Christian fico encantada com a criatividade e os argumentos do texto todo amarrado com notas e explicações e passagens dos outros personagens envolvidos na trama.
Espero que os livros da série Pella não demore muito para publicar umas 3000 páginas tá de bom tamanho...kkkk.

IsaBella Zanovello said...

Olá Neusa e Emine!! Já acompanho o blog à algum tempo,mas nunca comento.Só tenho a dizer que vcs são SENSAVILHOSAS DEMAIS...

Agradeço por terem transformado os meus dias de trabalho mais apimentados e interessantes rsrs!!Estou anciosissima pela continuação do nosso amado CEO e a princesa Ana..e estou iniciando o Pella!!QUE VENHAAAA LOGOOOO OS CAPÍTULOS...já está previsto? hahaha :D

Vocês duas são amadas e muitooo especiais para todas nós seguidoras.Ah,e tbm leio todos os comentários,essas meninas são fantásticas ;)

Um grande abraço a todas as meninas do blog e um imensooo abraço cheio de luz e carinho para as amadas Neusa e Emine!!

BjbjOoos da Bella

JééH said...

Oie meu nome é Jéssika e eu sou a mais nova leitora gostaria de agradecer a vcs por me darem essa ótima oportunidade de ler esse lindo livro... Gostaria de dizer que vcs são maravilhosas e ótimas... Me respondam por favo,, adoro vcs... Hááá quando sairá o próximo capitulo e o livro sera publicado aki no Brasil????
Beijos Jéssika

Luxo da Lix said...

Esta série e mesmo sensacional, desde o início que eu venho aqui pra ler. Estou ancilosa pela publicação impressa também, faço questão de te-la. Obrigada pela sua tradução e pela leitura maravilhosa!

Anabela Encarnação said...

SEM PALAVRAS......SIMPLESMENTE LINDO....SIMPLESMENTE ENVOLVENTE

leila dias said...

Boa noite Emine!
Acabei de ler a serie Perlla e amei! Espero por mais capítulos assim como os do 50 Tons.
Você é demais!
Obrigado por compartilhar conosco seu talento!
Beijos!
Marcia Faria
Rio de Janeiro Brasil

leila dias said...

Boa tarde Emine!
Estou ansiosa por mais capítulos da Serie Pella, quando irá sair?!
Espero que logo!
Beijos!!!!
Marcia Brasil Rio de Janeiro

Cora said...

Hello Emine! Estou sem ar...
Que maravilha de escrita, criatividade, pesquisa e amor. É tudo que qualquer ser humano sonha ter na terra.

Concordo com a Viviane quando ela diz que no primeiro cap. lembra muito CG e Ana. Mas depois tudo muda e a estória toma rumo próprio.

Uma escrita que me deixou ansiosa por "mais", "muito mais"...

Parabéns! Estou louca para ter este livro em minhas mãos.

Kisses and hugs :)

Aline Caroline said...

Faz tempo que tinha lido,mas não havia comentado rs
Ah eu os adoro, e simplesmente estou amando.. Agora então que a serie sera publicada. Mas o que deixa a dúvida quando será que teremos disponível aqui no Brasil? >.<
Fico curiosa pra saber mais sobre Ellei e Alex.. Por favor Neusa poste mais capítulos para nos deliciarmos *-*

isaura said...

nossa amei a serie Pella não vejo a hora de poder devorar o livro rsrs...espero que nao demore.Parabéns Emine vc e muito talentosa, eu amo historia de amor e vc sabe muito bem colocar as palavras certas no contexto da historia.Neusa parabéns vejo seu carinho e obrigada pela tradução maravilhosa.Por favor tem como traduzir o ultimo capitulo...bjos EMINE E NEUSA.

Neusa Reis said...

Meninas queridas, leitoras da Série Pella. É com alegria que comunico que nasceu o primeiro livro desta série. Já tem nome: Echoes in Eternity. Ele é americano, mas depois obterá a cidadania brasileira também. Vai ser publicado em breve em língua inglesa, está em fase final de edição e termos o prazer de poder tê-lo nas mãos logo, logo.
A mamãe orgulhosa Emine Fougner, (com as titias que somos nós leitoras) está muito feliz.
Para que a espera não ficasse longa, eu ainda não tinha traduzido o capítulo que falta. Agora pretendo cuidar disso.
Bjs a todas e obrigada pela fidelidade da espera...

Isaura said...

Estou muito feliz e parabéns Emine com certeza vai ser sucesso, não vejo a hora de sair em português...aí como e difícil esperar rsrs.Neusa obrigada pelo seu carinho por nós, sempre informando das novidades. Obrigada pela próxima tradução do capítulo que falta.bjos meninas Neusa e Emine.

ADRIANA ARISTON said...

Espetacular! Não existem palavras para descrever o trabalho de vocês!!! Emine o que mais me excita é saber o quanto de pesquisa, leitura e dedicação você tem dedica do ao seu trabalho!!! Fora de série, bárbaro mesmo! Neusa vc não é qq tia, VC É A TIA! Show de bola, vcs formam a duple dinâmica!

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque foi prorrogada a promoção e logo voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar! A história é maravilhosa!
Beijos,
Pry

Mónica Alexandra Martins Alves Pernadas said...

olá meninas boa tarde acabei de ler este livro espantoso Ecos na Eternidade,simplesmente lindo adorei recomendo a todas vocês, Emine obrigado pelo seu talento de nos agarrar á história,desde que comecei não consegui parar,fico a aguardar pacientemente o desenrolar desta magnifica históra.felicito tambem as tradutoras Neuza,Mara e silvia.
beijocas muito grande para todas
Mónica Pernadas