StatCtr

Monday, June 24, 2013

PELLA SERIES – Capítulo I – O Despertar

To die, to sleep,
No more; and by a sleep to say we end
The heart-ache, and the thousand natural shocks
That flesh is heir to: 'tis a consummation
Devoutly to be wished. To die, to sleep;
To sleep, perchance to dream – ay, there's the rub:
For in that sleep of death what dreams may come,
When we have shuffled off this mortal coil,
Must give us pause – there's the respect
That makes calamity of so long life.

Morrer... dormir: não mais.
Dizer que rematamos com um sono, a angústia
E as mil pelejas naturais - herança do homem:
Morrer para dormir... é uma consumação
Que bem merece e desejamos com fervor. Morrer, dormir;
Dormir... Talvez sonhar: eis onde surge o obstáculo:
Pois quando livre do tumulto da existência,
No repouso da morte o sonho que tenhamos
Devem fazer-nos hesitar: eis a suspeita
Que impõe tão longa vida aos nossos infortúnios.

William Shakespeare (N.T. Hamlet- Ato III, Cena I –William Shakespeare –
Tradução da Wikipedia)


CAPÍTULO  I
DESPERTAR
Elissa Cassandra Duncan
Tradução:  Neusa Reis

Uma rajada de vento precipita ar frio e úmido no meu quarto pela janela aberta, fazendo-me tremer debaixo do meu cobertor. Eu abro meus olhos  apenas ligeiramente, tentando me orientar. Minha mão vai automaticamente para o travesseiro ao meu lado. Vazio. Onde está Alexander? Devo ter adormecido e ele deve ter me levado para a nossa cama. O ar está úmido e frio, o que me traz de volta para os meus sentidos, eu sento-me ereta imediatamente e olho ao redor freneticamente. Percebo um despertador em cima de uma mesa lateral que exibe 03h14 em cor verde, fraca. Um despertador? Ar úmido e frio? Meus olhos buscam o relógio suíço de parede, esculpido em madeira de nogueira, pendurado sobre painéis de madeira. Eu me esforço para ouvir o seu reconfortante, repetitivo, tic tac. Nenhum  som, exceto um sibilar distante. Por que não estou sentindo as lambidas, quentes e secas do ar do deserto? Eu despenco para fora da cama no escuro, enquanto o pânico corre através de mim. Onde diabos estou? Que lugar é esse?


"Alexander,” eu sussurro suavemente, a princípio. Além da minha própria respiração áspera, não há nenhuma resposta. Nenhum som, exceto o barulho suave do sussurro da cortina esvoaçante, ondulando ao vento. Meu olhos dardejam para frente e para trás,  tentando encontrar meu rumo neste lugar estranho.

"Baby, você não está de volta ainda? Alexander?" Eu sussurro no escuro, num tom fervoroso, meu pânico está crescendo. A compreensão me atinge: Alexander pode estar em casa, mas eu é que não estou lá. Lágrimas começam a correr espontaneamente enquanto o medo aumenta em mim. Eu cerro meus dentes, como se isso fosse ajudar, mas é claro que não. Algo está muito errado. A força sai fora do meu corpo, como se uma força invisível apenas sugasse uma parte essencial de mim, me deixando uma casca vazia. Eu despenco no chão. Eu tento ficar de pé, sentindo o meu caminho ao redor. Suave luar se infiltra através da porta da varanda aberta e eu rastejo em direção a ela, automaticamente ofegando por ar, tentando obter uma sensação de onde estou. Eu posso ver a suave névoa distante do amanhecer, no céu oriental. Eu limpo meus olhos com as costas da minha mão, e esfrego-os com os meus pulsos, como se para arrancá-los fora de suas bases para ver uma realidade diferente, mas o esforço é completamente desperdiçado, porque eu ainda estou aqui.

As silhuetas fora parecem diferentes, estranhas. As árvores são altas e esguias, e a paisagem montanhosa é um estranho contraste com a grande extensão de campos abertos que eu estava esperando ver. Minha respiração aumenta, meu coração bate como um tambor da selva rapidamente, minhas mãos tremem, eu agarro o corrimão de pedra na varanda e olho para o oeste,  com a esperança de ver a estrada de pedra romana volteando para baixo, para os estábulos e a casa do vaqueiro, a Casa, mas tudo o que posso ver é a pontinha de um grande volume de água. Meu coração afunda. É o oceano... Eu puxo uma golfada de ar tremulamente, caindo de joelhos mais uma vez. Estou cheia de desespero. Tinha sido apenas um sonho. Alexander era apenas um sonho. Como pode ser isso? Eu o segurei, eu o beijei, eu poderia descrever cada curva de seu sorriso, cada fio de seu cabelo. Quando eu fecho meus olhos, ainda posso sentir as carícias dele, toque, beijo, e aquele olhar firme que olha para mim, através de mim, penetrante, desejoso e lascivo. A maneira como sua voz cresce em um tom rouco quando estamos sozinhos, fazendo meu corpo inteiro desejar atenção, enrolando meus dedos dos pés de desejo por ele. Eu conheceria essa voz em qualquer lugar, não conheceria? Como o amor poderia ser um sonho? Meus joelhos se dobram diante de mim, e eu rolo na posição fetal no chão, abraçando meus joelhos até meu peito, soluçando.

Quando minhas lágrimas acabam, eu me sinto completamente gasta e vazia. Eu tropeço em meu caminho para o banheiro, e olho para mim mesma no espelho. Eu pareço patética; olhos inchados vermelhos, meu nariz escorrendo, cor rosada em todo o meu rosto, meu cabelo desgrenhado, e topos de meus seios aparecendo sobre minha blusa funcionando como meu pijama. Eu deixo correr a água tão fria quanto possível na pia e lavo as mãos com água e sabão, aplicando a espuma por todo o meu rosto, e esfrego forte, como se esfregando o sonho fora da minha cabeça. Eu preencho minhas mãos com água fria e enxaguo o meu rosto com ela uma e outra vez. Eu aliso meu cabelo para trás. Quando eu olho para o espelho novamente, eu estou meio decente. Eu tenho que sair da casa. Eu tenho que afastar a sensação de ser uma estrangeira em minha própria vida, enquanto os meus sonhos estão se tornando a minha realidade, tentando tomar conta da minha existência. Eu tenho que reafirmar a minha vida aqui e agora, e não posso deixar meus sonhos me ultrapassarem assim. Surfar por um tempo vai limpar a minha cabeça e me dar uma chance para arrumar meu raciocínio. Ou talvez correr resolveria... Sim, eu acho que vou para uma corrida, e ver o nascer do sol sobre o arco de pedra no mar. (N.T. Spewing Arch. Um arco de pedra no mar é criado quando as forças erosivas naturais da água agem através de uma fatia de rocha e deixam para trás um arco. Quando a maré alta chega, as ondas batem, e seria basicamente vomitar água acima do arco, e é por isso que ele é chamado spewing arch - ‘arco vomitando’.)

Ainda é muito cedo e o ar está frio, mas eu preciso sair e sacudir este sentimento de mal-estar. Eu abro as portas duplas da minha varanda, bem como as janelas adjacentes tão amplas quanto possível. A varanda e as janelas têm vista para o oceano, permitindo que o ar salgado do Pacífico, úmido e frio, corra dentro. Eu viro meu olhar para o amanhecer do céu oriental. O sol estará subindo logo o que marcaria o fim do meu sonho de Alexander, e o início de uma existência diferente.

Eu sou Ellie durante as horas em que estou acordada, uma nova graduada da faculdade. Mas nas últimas duas semanas, meu sono foi me levando para outro lugar,  em um tempo diferente. Sonhos comuns foram me iludindo como se eu agora estivesse lembrando memórias de um tempo em que eu era outra pessoa. Oh merda! E se eu estou ficando louca?

"Acorde! Acorde! Acorde!" Aconselho-me a mim mesma, andando pelo meu quarto, respirando profundamente. Eu paro no meu caminho... Estes sonhos começaram novamente, há duas semanas, depois de três anos de... nada! Eu pensei que estava livre deles. Por que agora? Nas duas últimas semanas eu estive sonhando com um homem que eu nunca vi na minha vida. O sonho da última noite era, de longe, o mais intenso, tão palpável, parecia tão real, eu ainda estou tremendo com sua intensidade e é apavorante. Que maneira de começar o meu vigésimo primeiro aniversário!

Meu subconsciente balança a cabeça com pena - 'pobre coitada está definhando atrás de alguém que só existe quando ela vai dormir,’ diz ela desaprovando. Eu a faço calar. Alexander! Esse nome desperta paixão e anseios nas profundezas da minha alma. Sonhos sobre um homem que eu nunca conheci com olhos azuis incríveis, tão profundos, um olhar para eles pode deixá-lo perdido nas profundezas de sua alma, cabelo loiro escuro ondulado, na altura dos ombros, sorriso meio torto, magro, e sempre nas bem-desgastadas botas de montaria. Meu coração dói como se alguém pegasse uma peça insubstituível de mim e me deixasse vazia.
  


Lágrimas ardiam por trás dos meus olhos, e eu me recusei a deixá-las sair. Isso é ridículo! Eu não vou chorar por alguém que a minha mente criou. Mas então, há duas noites... O sonho parecia tão real, tão assustador, e me deixou tão terrivelmente vazia. Meus subconsciente aponta novamente dizendo:  fique pensando nele e sua bunda vai ser arrastada de volta para o psiquiatra!

Eu verifico o relógio na minha mesa de cabeceira. Finalmente são 05:28h. Eu coloco meus shorts de corrida, coloco meu sutiã de correr,  e o cubro com um das minhas bem-gastas t-shirts de algodão branco com a gola cortada; uma que Sarah odiava porque ela disse que ‘positivamente diminui a nossa posição social!’ não por causa da gola que eu arranquei, mas porque não foi comprada na Neiman Marcus. Eu coloquei meus tênis de corrida, amarrei-os, e fiz alguns alongamentos. Eu, então, puxei meu cabelo em um rabo de cavalo e guardei o meu iPod no lado direito do meu sutiã de correr, e meu smartphone acompanha meu seio esquerdo. Stella, a única figura de mãe de verdade que eu tenho na vida, a babá que me criou desde a infância, cruelmente chama meu iPod de "seio Pod,” depois que ela me observou algumas vezes empurrando o iPod no meu sutiã. A lembrança me faz sorrir.

Eu desço correndo para o hall de entrada, onde eu me encontro com James, o mordomo do meu tio que tinha acabado de recuperar o jornal da manhã. "Bom dia, senhorita Ellie,” diz ele, inclinando a cabeça ligeiramente. "Você vai se juntar a seu tio para o café da manhã?"

"Sim, eu vou estar de volta em uma hora, James,” eu digo enquanto eu corro para fora.

Eu coloco meus óculos escuros, embora o sol ainda não tenha saído. Eu corrijo o meu rabo de cavalo, pegando um vislumbre de meu reflexo no vidro e porta de entrada de ferro forjado, dando ao meu rabo de cavalo um puxão,  e me dirijo para as escadas que levam até a praia,  para a minha corrida matinal. Correr é extremamente terapêutico. Eu resolvo a maioria dos meus problemas durante a corrida, a cavalo ou surfando. É estranho que minha mente goste de multitarefas, e funcione melhor quando eu estou fazendo mais de uma coisa.

Eu amo o nascer do sol, ele me renova por dentro; ajuda-me a começar do zero. Eu corro para baixo os degraus claros,  feitos de tábuas de troncos flutuantes,  contando cento e dezessete deles. A maré está baixa; dia perfeito para correr para o arco de pedra do mar.
Quando eu chego ao pé da escada,  eu me lembro de ligar meu ‘seioPod’, e o programo para a minha música favorita, e o coloco na repetição, aumentando o volume. Mantendo meu ritmo constante, eu começo a ouvir os Kings of Leon cantando "Closer". De alguma forma, essa canção fala às profundezas da minha alma. Eu a escutei muitas vezes, mas no momento em que as luzes vermelhas do nascer do sol alcançam as montanhas, pintando a escuridão, a imagem de Alexander vindo atrás de mim e beijando meu pescoço,  me chamando "anjo,” invade minha mente.



Quando o Kings of Leon começam a cantar: "Você pensa em mim? Onde eu estou agora? Bebê onde posso dormir? Me sinto tão bem, mas eu sou velho, 2000 anos de perseguição estão cobrando seu preço," Eu sinto o vento me nocauteando. Meus olhos escurecem, eu tento recuperar o fôlego em suspiros curtos, meu corpo se aquece apertando minha virilha, e a consciência da inexistência de Alexander me deixa com uma sensação de vazio e os joelhos enfraquecidos. Para me equilibrar, eu me inclino para baixo, tentando recuperar o fôlego, minhas mãos apertando minhas pernas logo acima dos meus joelhos. Eu não posso deixar meus sonhos atravessarem para o dia. Ouço passos firmes de alguém correndo e deslizando para o meu lado.

Closer - by Kings of Leon

"Já está exausta?” Pergunta uma voz masculina rouca, em um tom sofisticado tingido por um leve sotaque, que eu não posso identificar. Ele não é californiano.

Encontro-me olhando para um par de tênis de corrida Ecco que a minha amiga Melie descreveu como "O preço vai induzir a enjôo e cãimbras graves na carteira dos corredores!" Meus olhos sobem lentamente sobre a bem-definida batata da perna,  como uma estátua de deus Romano. Suas pernas bem tonificadas estão mal disfarçadas sob os shorts de corrida, que pendem baixo em seus quadris, de forma a mostrar seus quadris impecáveis e cintura. Eu acho que Rose e Melie apenas babariam em seu seus ‘loins of Apollo’ (N.T. O ‘V’ que acaba na virilha), não que eu já não esteja fazendo isso no momento. Seus bíceps e antebraços estão ostentando veias grossas, e por algum motivo, eu o imagino como um guerreiro empunhando uma espada no passado, e balanço a cabeça para limpar meus pensamentos. Quando o meu olhar alcança o seu rosto, ele está sombreado,  como uma silhueta contra a tela laranja do amanhecer pintado no céu oriental. Mas eu posso distinguir as ondas de seu cabelo escuro curto. Aquela voz rouca proferindo apenas duas palavras me chama como uma ladainha. Mesmo que eu tivesse um QI de um dígito, eu poderia facilmente dizer que este homem é  sexo com pernas.

Meu cérebro e a boca perdem a conexão por dois minutos inteiros e eu, descaradamente, encaro o espécime de homem diante de mim, incapaz de mudar meu olhar, ou piscar para esse assunto. Eu engulo e, finalmente, algumas das minhas sinapses acendem, me ajudando a ser coerente o suficiente para amarrar algumas palavras juntas.

                "Uhm, não,” eu consigo dizer finalmente, limpando a garganta. Eu tento arrumar minhas idéias sem me sentir perdida, "Eu estava apenas me alongando."

"Oh,” ele responde, simplesmente olhando para mim com uma cara séria. Eu posso finalmente ver os contornos dele claramente, e eu acho que ele está tentando parecer indiferente. Sua voz tem algo mais profundo, como se ele estivesse ansiando por alguma coisa, com o reconhecimento, como se ele me conhecesse.

"Você se importa se eu correr com você?" ele pergunta, e a voz tem um efeito de carícia em mim; fazendo-me imediatamente pensar que este homem pode fazer coisas para uma mulher com sua voz, que os outros não conseguem fazer com as mãos! Minha boca está ligeiramente aberta e estou tendo problemas para colocar palavras para fora dela. Ele olha para mim com expectativa, com a intensidade de seu olhar penetrante, olhando através de mim, avaliando.

Oh merda! Ele vai pensar que eu sou retardada mental, ou talvez essa seja a reação inicial que ele obtém de cada mulher, que eu suponho que piora progressivamente, assim como eu estou me comportando agora. Sua presença é extremamente cativante. Mesmo que o seu olhar se esconda por trás de seus óculos de sol escuros, eu sinto sua ferocidade ardente, permeando através da minha pele, me aquecendo e me dando arrepios, tudo ao mesmo tempo. Este homem poderia fazer amor com um olhar, ou duas palavras e fazer uma mulher gozar, dobrando-a de joelhos sem nem mesmo tocá-la. 



Eu mergulho minha mão no meu sutiã esportivo, em uma tentativa de diminuir o volume do meu ‘seioPod’, enquanto seus olhos seguem os meus dedos, e ele me dá um reprimido sorriso torto, que chama algo mais profundo em minha virilha, “meu iPod,” eu murmuro rapidamente.

"Estou vendo..." ele murmura, distraidamente acariciando o lábio inferior com o dedo indicador, atraindo minha atenção para sua boca. "Isso explica por que você não podia me ouvir,” diz ele,  desculpando meu comportamento silencioso.

"Sim, bem..." eu respondo, com outra menos do que inteligente resposta. "Eu sinto muito... Eu, uhm, eu gosto de fazer a minha corrida da manhã sozinha," digo, finalmente amarrando uma frase metade coerente, enquanto o dispenso. Se eu ficar aqui, vou acabar fazendo uma merda ainda maior por mim mesma,  diante deste homem sedutoramente atraente.


"Eu sou Alex,” diz ele,  em um tom assertivo,  sedutoramente,  como se ele não me ouvisse acabar de dispensá-lo, estendendo a mão para mim com expectativa. Sua proximidade está colocando todos os meus sentidos em sobremarcha; ele é alto, magro, angular, aparência fluentemente muscular, e cabelo curto, escuro e ondulado, que emoldura seu rosto bem esculpido espetacularmente. E aqueles olhos escondidos atrás de um par de caros óculos de corrida ainda conseguem furar através de mim com uma força escaldante. Tudo o que ele tem sobre ele, embora deliciosamente pouco, está gritando com classe e bom gosto caro - ao contrário do meu colarinho rasgado da camiseta branca, comprada na loja ‘US$ 5 or Less’ , no cais, no centro de Santa Barbara. Sarah, minha mãe postiça, iria aprovar o seu gosto caro, eu penso com má vontade. Percebo que a sua t-shirt está fora de suas costas e convenientemente dobrada atrás de seus shorts, sublinhando e destacando os seus bem-trabalhados abs (N.T. tanquinho) cobertos com camadas de suor. Eu sinto o calor subindo em mim apesar da brisa fresca do oceano. Eu tento esconder o meu rubor sem sucesso. O ligeiro tremor de seus lábios põe para fora seu divertimento, me fazendo amuar. Mas, meus anos de boas maneiras enraizadas assumem. 



"Ellie,” eu murmuro, enquanto eu estendo a mão para pegar sua mão estendida. No segundo em que as pontas dos seus dedos tocam as minhas, eu sinto uma faísca de fogo e uma descarga que corre dele para dentro de mim, tornando minha garganta seca. Eu sinto como se eu mergulhasse minha mão profundamente, até o pulso, em brasas quentes, e me falta o ar, e imediatamente e com força, puxo minha mão de volta da dele. Se ele não avançasse para pegar meus antebraços de imediato,  extremamente rápido, com ambas as mãos, eu teria batido com minha bunda na areia, mas em vez disso estou corada agora, com seu corpo tão perto que nem mesmo ar passaria entre nós. Eu sinto sua respiração suspender, e então ele inala profundamente, respirando instável, como se para absorver o meu cheiro. Eu acho que ele sussurrou meu nome completo, "Elissa Cassandra!" com um desejo triste em sua voz. Ou estou apenas imaginando coisas?

Tento me afastar vacilante, confusa, segurando bem apertada a gola da minha t-shirt cortada bem acima do meu peito, como se ele tivesse me dado um choque com milhares de Volts de eletricidade. Agitada e confusa, "O que?" eu gaguejo, ainda incapaz e também sem vontade de me afastar de sua proximidade. Ele age como se eu não o tratasse como a peste bubônica. Então suas mãos lentamente movem-se sobre os meus ombros, me segurando para me manter firme em meus pés.

"Ellie, você está bem?" Ele pergunta, com uma voz preocupada, ainda rouca. Não,  não estou! Por que estou me comportando desta maneira diante deste homem lindo? Eu tento me recompor, e fecho os olhos brevemente, para escapar do cativeiro de seu olhar por trás dos seus óculos. Mesmo então eu sinto a força, o magnetismo que ele tem sobre mim. Firme! Você age como se nunca tivesse visto um homem antes! ' Meu subconsciente me repreende.

"Não... eu quero dizer, sim, eu estou bem. Mas, antes disso... Você... disse alguma coisa?" Eu digo piscando várias vezes. Oh, Deus! Ele vai pensar que eu sou louca! Inferno, às vezes meu subconsciente pensa que eu sou louca!

"Oh, aquilo... Ellie,” diz ele naquele tom culto, "é diminutivo para alguma coisa?" Ele pergunta sorrindo, mas seu tom de voz é inconfundivelmente de comando. Ele olha para mim, inclinando a cabeça para um lado, dobrando os joelhos, abaixando-se para o meu 1,70 m e tentando capturar o meu olhar com aqueles olhos penetrantes, escondidos por trás de seus óculos de sol.

"Diminutivo para Ellie," eu respondo bruscamente. O que há com ele que me faz reagir dessa maneira? Meu corpo responde a ele de tal forma que é como se eu não fosse a única no controle dele. Eu acho que meu QI caiu cinqüenta pontos desde que eu coloquei os olhos em seu rosto, menos de vinte minutos atrás! Eu finalmente consigo retribuir o seu sorriso, tentando ser casual. "Suponho que eu te vejo por aí, Alex?" Eu digo em um tom não intencional de pergunta, ele balança a cabeça concordando, expectante.

"Eu tenho que terminar minha corrida" eu adiciono rapidamente, e suas mãos, lentamente e com relutância, se retraem dos meus ombros e estranhamente, a ausência de nossa conexão faz com que eu me sinta desamparada. Assim que eu termino as minhas palavras, o meu smartphone vibra dentro do meu sutiã repicando ‘Droid!’ Eu poderia parecer mais idiota diante deste deus de um homem? Sinto-me mortificada, ficando mais vermelha do que o manifesto comunista! Ele sorri completamente neste momento, mostrando deslumbrantes dentes brancos perfeitamente retos, enfatizando seus lábios beijáveis ​​e diz "seu peito está falando,” apontando para o meu sutiã.

Minhas mãos vão automaticamente para o meu rosto, cobrindo os olhos com humilhação.

"Mensagem de texto,” murmuro quase inaudível e estou pronta para dar uma reprimenda em quem me enviou a mensagem. Claro que eu não vou mergulhar a mão no meu sutiã de correr, novamente, e pegar o smartphone, na presença do cara mais bonito, fora dos meus sonhos, em quem eu já coloquei meus olhos.

"Ciao..." Eu encontro-me dizendo, sem levantar os olhos para olhar para ele, desejando que o chão me engolisse e me fizesse desaparecer, enquanto eu pego o meu ritmo para executar a minha corrida regular.

"Ellie," ele me chama em uma voz contrita, correndo atrás de mim, facilmente me alcançando. "Perdoe-me. Eu realmente não queria envergonhá-la," diz ele, em tom de desculpa. Eu abrando o meu ritmo.

"Desculpas aceitas,” eu digo olhando para frente, continuando a correr, e ele facilmente prossegue comigo. Na verdade eu acho que ele pode me ultrapassar de longe.

"Nesse caso, eu posso continuar a correr com você, como uma prova de sua aceitação do meu pedido de desculpas?" Ele pergunta, na mais doce, mais culta entonação, embora de tal forma que eu não poderia confundir a demanda oculta nela, nem podia negar o pedido. Como alguém pode reunir tanta paixão, tanta sofisticação, e tão controlada demanda em uma única frase?

"Claro..." eu respondo quase inaudível. Mesmo que o meu olhar esteja fixo no meu destino, o arco de pedra do mar, eu posso sentir seu sorriso.

 "Você é italiana?" pergunta ele, me confundindo.

               "Não, eu sou californiana. O que lhe fez pensar isso?"

               "A maneira como você disse 'ciao'. Soou completamente natural..." ele responde meditativo.

               "Eu não sei por que eu disse isso. Parecia a coisa certa a dizer," eu respondo, e sinto o seu olhar escaldante no meu perfil. "Você corre aqui todas as manhãs?" Ele pergunta, possivelmente como uma conversa inicial.

"Eu não tenho chance de correr todos os dias, mas às vezes eu venho aqui para surfar, dependendo das ondas, é claro,” acrescento eu, com um sorriso, ainda olhando para frente.

"Você é estudante?” Ele pergunta.

"Estou feliz em dizer que eu não sou mais uma estudante. Eu acabo de me  graduar na UCSB (N.T. University of California, Santa Barbara) com meu Masters. Mas, chega de falar de mim. Eu nunca vi você nesta praia antes. Você acabou de se mudar para a vizinhança? Você é um estudante?" Pergunto sondando.

"Por quê? Apenas certas pessoas utilizam esta praia?" Ele pergunta provocando.

"Nesta hora, sim. Apenas certas pessoas vêm muito cedo, e se você viesse aqui regularmente, você saberia disso. Somente aqueles que amam o silêncio, a corrida e a hora feiticeira do nascer do sol vêm tão cedo. Você começa a reconhecer os rostos. Apenas um outro cara corre tão cedo como eu," digo, finalmente virando meu rosto, olhando para ele, enquanto eu continuo a correr. Ele não diz nada, olhando para frente, e parece que sua mandíbula está trancada. Por quê? Eu disse alguma coisa para ofendê-lo?

"Mas, você ainda não respondeu minhas perguntas,” eu indico para mudar o tópico.

"Não, eu não," ele responde educadamente, mas sem rodeios.

                "Não, você não respondeu, ou, não, você não se mudou para a vizinhança ou não, você não é um estudante?" Eu investigo mais.

Ele finalmente dá uma agradável risada de menino. "Na verdade, todos os acima. Não, eu não respondi a sua pergunta, não, eu não mudei para a vizinhança, e não, eu não sou um estudante. Estou na cidade a negócios," ele responde e eu sinto uma pontada de tristeza dentro de mim. Isso significa que eu não vou conseguir vê-lo novamente. Por que eu me sinto triste por não ver um estranho?

"Negócios, hein?" Eu pergunto.

"Sim, negócios,” ele responde com um sorriso, como se ele estivesse aproveitando uma piada interna, sem revelar nada. "Para onde estamos correndo?" Ele pergunta curioso.

"Para o arco de pedra do mar. É o melhor lugar para ver o nascer do sol,” eu respondo.

Eu me apresso e corro para fora da areia. Eu sigo um percurso para cima até a colina e encontro o caminho que serpenteia para subir para o arco.

"Você tem que escalar?” Ele pergunta intrigado.

"Um pouco,” eu respondo sorrindo.

"Você não acha que é perigoso?" Ele pergunta, seu rosto tomando uma expressão séria.

"Você não tem que escalar se você achar isso perigoso,” eu respondo, encolhendo os ombros.

"Não por mim..." diz ele censurando, "Pode ser perigoso para você. É uma grande queda do arco, para não mencionar os quase trinta metros,  de sessenta ou mesmo setenta e cinco graus de inclinação, em alguns lugares, que você terá que subir". Esfregando a mão na superfície da rocha, ele acrescenta com os olhos arregalados, "Isto é arenito, é muito macio, e sua base pode facilmente ruir sob seus pés. E a maré está subindo,” ele explica preocupado.

"Eu sei, mas eu já fiz isso três vezes antes. Isso não acontece com frequência e é por isso que acho que é emocionante, me sentar sobre o arco, com o sol e a água subindo. É mágico!" Eu sussurro fervorosamente. Eu vou deixá-lo conhecer um de meus segredos. Por que ele está ficando tão tenso? Ele aperta os olhos e olha para mim, sem dizer uma palavra, me estudando.

"Fique à vontade, então," eu digo, dando de ombros, e começo subindo. Eu me aproximo e pego um afloramento no arenito, agarrando-o com força, e puxo o meu peso para cima, colocando o meu pé direito em uma das reentrâncias que eu localizo. Eu localizo outro ponto de apoio e coloco o meu pé esquerdo, firmemente nele, e então eu chego com a mão direita para pegar o outro apoio. Eu me viro para conseguir me mover por treze metros, subindo firmemente sobre a rocha, quando eu chego a um ponto onde não é possível localizar outro apoio perto de meu pé direito e coloco meu pé na superfície da rocha lisa, esperando poder usar o ângulo de quarenta e cinco graus, que é relativamente mais plana do que outras superfícies na rocha. Assim que eu levanto meu pé esquerdo fora de sua posição, eu erroneamente solto a minha mão esquerda também, e meu peso me puxa para baixo, fazendo-me deslizar sobre a rocha cerca de dez metros, antes que eu possa pegar um apoio.

"Agh!" Eu abafo um grito.

"Porra!" Alex murmura seu epitáfio embaixo, na rocha, e eu o ouço lutando para subir rapidamente para chegar até mim. Suas invectivas me surpreendem mais do que quase cair da rocha.

"Espere!" Ele ordena.

"Eu estou bem! Apenas raspei minha perna um pouco,” asseguro-lhe.

Ele está aos meus pés em menos de dois minutos, colocando ambos em apoios resistentes e me guiando por debaixo, ajudando-me a chegar ao arco. Abalada, mas segura, consigo subir no arenito e, finalmente, chego ao crescente em forma de arco, esculpido por batidas incansáveis do Oceano Pacífico na rocha.
"É seu dia de sorte,” eu digo sorrindo para ele, quando ele finalmente senta-se diante de mim, espelhando a minha posição como montando em uma sela em cima do arco. Dessa forma eu posso ver o sol nascer no leste, ao longo da Santa Ynez Mountains, e ver a maré subindo no oeste.

"Normalmente, é impossível ver o sol nascer sentado no arco porque, ou a maré está alta, ou o tempo não está bom. Mas a maré não está tão alta agora, e o tempo, bem, você pode ver,” eu digo abrindo os braços. "É um dia roubado do céu! Além do arranhão na minha perna, este nascer do sol é tão bom quanto ele pode," eu digo. Eu sinto seu olhar fixo em mim, sem dizer nada. Ele está com raiva de mim?  "E eu sinto muito..." Eu resmungo corando, desviando o olhar.

"De que você está se desculpando, Ellie?” Ele pergunta, em voz baixa.

"Por assustar você quando eu escorreguei um pouco," eu digo mortificada.

"Eu não me assusto facilmente,” diz ele de modo prático," e eu sou totalmente a favor de arriscar, mas se você não estiver preparada, você não deve escalar."

"Ah, mas isso é basicamente escalada sem cordas! Não escalada." Eu protesto.

"Escalada sem corda se a subida,” diz ele enfatizando a palavra,” é feita em rochas que estão a menos de quatro metros de altura! Isso é cerca de doze talvez treze metros de altura. E você não tinha equipamento. Admitindo-se que a subida seja em um ângulo constante, ainda é perigoso sem o equipamento certo. Você não se importa com a sua própria segurança?" Ele pergunta incisivamente.

"Sim..." Eu digo olhando em frente para o sol nascente, em voz baixa.

"Por que você fez isso, então?” Ele pergunta em um sussurro enfático, seu olhar ardente constante no meu perfil, por trás de seus óculos de sol, me fazendo corar, e me aquecendo e me queimando por dentro.

"Porque eu precisava disso!" Eu digo secamente.

"Precisa? Precisa cair de uma rocha gigante? "

Eu viro meu rosto para ele, e levanto os óculos escuros e olho para ele, com raiva. "Não. Você não iria entender isso," eu digo, em seguida, viro a cabeça de volta para o nascer do sol sobre as montanhas e ouço as firmes e constantes ondas reconfortantes do Pacífico, que estão atrás de mim. Seu olhar permanece em mim, mas ele não diz nada. Eu suspiro.

                "Isso me dá um despertar eufórico. Me mantem aqui e agora... A experiência... Isto separa o dia e a noite para mim..." Eu digo, e ele parece confuso. Dou um pequeno sorriso, mas meus olhos permanecem tristes.

                "É mais emocional e espiritual, do que apenas físico, embora seja uma parte disso. Isso permite que eu me concentre. Ajuda-me a fechar qualquer coisa fora," eu digo, e o sol finalmente aponta plenamente sua cabeça sobre as montanhas.

                "Mas, você não parecia concentrada. Você estava distraída," ele observa. Eu dou de ombros, sem uma resposta.

                Dirijo-me ao outro lado e vejo a maré subir. "É melhor nos movimentarmos. A maré vai ficar maior em breve," eu digo, me levantando cambaleando. Ele rapidamente fica em pé para me firmar.

                "Eu vou ajudá-la a descer,” diz ele. E não é um pedido.
  


Uma vez que estamos no chão plano, eu me viro, "obrigada, por salvar o dia,” eu sorrio.

                "Você está indo embora?"

                "Claro, eu tenho que dirigir para LA hoje para uma entrevista de emprego. Eu preciso ficar pronta."

                "Posso levá-la de volta?" Ele pergunta, e quando ele vê a minha expressão confusa, acrescenta, "só para ter certeza que você chega em casa com segurança,” acrescenta ele, com uma pequena curvatura de seus lábios.

                "Isso é muito gentil da sua parte, mas, eu andei nessa estrada sozinha, diariamente, durante anos. Tenho certeza de que posso encontrar meu caminho de forma segura" eu respondo secamente.

                Ele estende sua mão novamente, e quando eu toco a mão estendida, eu sinto a mesma descarga de eletricidade fluindo através de mim. Eu rapidamente puxo minha mão para trás e seguro-a na minha outra mão.

                "Foi realmente um nascer do sol espetacular,” diz ele, como se isto tivesse outro significado. "Companhia bonita, requintado cenário,” diz ele suavemente.

                "Obrigada. Eu... uhm, melhor ir. Prazer em conhecê-lo, Alex," eu digo não sabendo mais o que dizer.

"O prazer foi meu, Ellie,” diz ele em um tom rouco, sua voz acariciando meu nome. Viro-me sem olhar para trás e começo a correr em direção a casa. Eu posso sentir o seu penetrante olhar atrás de mim, olhando para as minhas costas desamparado, desesperado, e, como se eu o deixasse desprovido de algo que ele está carente. Quem é ele? Eu anseio por saber.
  
Eu ponho meus fones de ouvido novamente, e ligo meu ‘seioPod’. Kings of Leon está cantando CLOSER,  repetindo:

Stranded in this spooky town,

Stoplights are swaying and the phone lines are down,

This floor is crackling cold,

She took my heart, I think she took my soul,

With the moon I run,

Far from the carnage of the fiery sun...”


O nascer do sol no arco combinado com uma canção ardente,  despertam algo em mim que eu não posso nomear, algo que chama no mais profundo de minha alma, onde ninguém jamais havia chegado. Esse sentimento aprofunda a dor, e dores emocionais ondulam das profundezas do meu ser que eu nem sabia que existiam. O que diabos há de errado comigo?
  
"Estou muito malditamente doente da cabeça! Talvez o psiquiatra de Sarah esteja  certo,” gemo, e corro mais rápido. Eu faço um grande ‘loop’ ao redor da praia, inalando o ar salgado e salobre. Subo a parte de trás da colina em um ritmo de corrida, e me encaminho para casa pelo caminho de trás. Eu corro para dentro da casa pela entrada de trás, utilizada para entregas, e subo as escadas entrando em meu quarto, tentando não encontrar ninguém.

                Eu entro correndo no meu banheiro ligando o chuveiro. Eu tiro o meu ‘seioPod’  fora e enrolo os fones de ouvido em torno dele. Eu, então, pego meu smartphone para verificar a mensagem. Foi Melie.

* Estou apaixonada! Chame-me a.s.a.p.!!! *

O mais rápido possível uma ova! Ela merece esperar um tempo, pelo inoportuno constrangimento, de pelo menos três horas,. Eu sei que não foi culpa dela, mas ainda assim, mesmo o constrangimento não intencional, na frente de um cara quente, merece uma três horas de espera em meu livro. Eu tiro a roupa e puxo o elástico do meu rabo de cavalo, colocando a água tão quente quanto eu posso tolerar, para soltar os músculos. Meu chuveiro é grande, como uma caixa de vidro transparente. Molho meu cabelo e passo shampoo. Cheiro de violetas preenche o chuveiro. Este é o meu perfume favorito. Eu fecho meus olhos, inclino a cabeça para trás e deixo a água tirar a espuma que ficou no meu cabelo. Eu posso sentir a espuma preguiçosamente fazendo o seu caminho para baixo nas minhas costas. Depois de ensaboar a esponja com sabonete líquido de fresia, estou pronta para esfregar meus braços. Eu levanto meu braço direito para passar a esponja e então eu noto duas alfinetadas frescas, debaixo do braço, apenas cerca de 2,5 cm de distância da minha lateral, na base do meu seio direito. Eu olho para elas com curiosidade. Essas marcas não estavam lá ontem. Picadas de insetos, talvez, mas duas delas ao mesmo tempo? É muito estranho porque eu não senti nenhuma picada antes.

Como se com a deixa, sangue aparece em ambas as alfinetadas, fica lá dentro de seu minúsculo menisco por um momento, e depois preguiçosamente escorre pelo meu lado em seu próprio caminho. É hipnotizante. Eu toco o sangue escorrendo lentamente para ver se é real. Meus dedos estão manchados com listras vermelhas de sangue. Em seguida, ele começa a escorrer para fora das alfinetadas em um ritmo lento, mas constante por um minuto. Coloco meus dedos sobre os minúsculos furos. Surpreendentemente, eu podia sentir a pulsação sob meus dedos. Eu pressiono os buracos,  um pouco mais forte. A água do chuveiro das minhas costas dilui o sangue e leva-o pelo ralo, tornando a água rosa. Quando eu tiro meus dedos fora das alfinetadas, o sangue começa a escorrer constantemente, novamente. Com curiosidade mórbida, eu seguro minha mão esquerda debaixo dos buracos, apertando para ver se o sangue está correndo firme o suficiente para ser reunido.

Sangue vermelho escuro pegajoso e escorregadio corre em seu caminho para baixo, um pouco dele na minha mão esquerda, e um pouco ainda consegue se misturar com a água do chuveiro e escorrer pelo meu lado. Ele finalmente coagula e pára, e eu trago minha palma contendo a pequena poça de sangue para perto dos meus olhos. Eu mergulho meu dedo indicador e médio da mão direita no sangue acumulado. Trazendo os dedos agora ensanguentados até meus olhos, para examiná-los de perto. O sangue corre lentamente para baixo em direção a palma da mão direita, enquanto eu levanto minha mão. Ele corre decididamente desta maneira para baixo, na almofada da minha palma, aquecendo a minha pele, enquanto corre por seu caminho até a minha mão direita. Há uma sensação de formigamento estranho que começa a aquecer quando atinge meu pulso, e marca ao redor da meu pequeno sinal de nascença, preenchendo, tingindo e escurecendo-o. Quando o sinal de nascença aquece, isso me faz sentir como se eu estivesse sendo marcada com um ferro quente, queimando, eu sacudo automaticamente minha mão e deixo a água lavar fora o sangue imediatamente. Irei examinar os buracos no espelho quando eu sair.

Eu me esfrego e fico perdida em meus pensamentos. Deixo a água correr na minha cabeça, e depois viro as costas para deixá-la correr, inclinando a cabeça ligeiramente para cima. É quando eu vejo as impressões de mãos sangrentas na parede do chuveiro! Marcas de mãos ensanguentados impressas na parede de vidro e sangue fresco escorrendo para o chão do chuveiro. Enquanto meus olhos ficam mais arregalados, eu vejo uma mão pousando na minha parede do chuveiro com tal força, que parece ter deixado outra mão sangrenta impressa, depois outra, depois outra e depois outra. "Não! Alexander! Não, por favor!" Eu sussurro automaticamente, minhas mãos cobrindo a boca para mascarar o meu horror. Mas as marcas de mão parecem estar implacavelmente pousando uma e outra e outra vez. Nenhum som. Apenas o impacto... Sangue escorre para baixo misturado com a água do chuveiro. Eu mordo minha mão tentando abafar um grito que sai de todo modo. Duas pessoas correm para meu banheiro simultaneamente, mas ao me encontrar ainda no chuveiro, eles viram as costas de vergonha, e não ultrapassam a porta do banheiro. Eu continuo a gritar, mas por um motivo diferente, uma vez que eu estou envergonhada com a companhia inesperada no banheiro.

Sarah, a mulher que eu tenho dificuldade em chamar de ‘mãe’, e tio Gabriel param na porta do banheiro desajeitadamente, de costas para mim, e tio Gabriel protegendo os olhos com as duas mãos consegue murmurar: "Eu sinto muitíssimo. Eu pensei que algo estava errado!"

A terceira e muito mais baixa pessoa entra no banheiro, com sua máscara de olho empurrada por cima da cabeça, empurrando os outros dois para o lado, murmurando "nada para ver aqui,” e se aproxima do chuveiro, pegando a toalha de banho grande, estendendo-a para mim.

Desligo a água, ainda não conseguindo tirar os olhos da parede do chuveiro, onde as mãos sangrentas impressas apareceram pela primeira vez, e agora desapareceram, como se elas nunca tivessem estado lá. Eu ainda estou tremendo, com medo de que meus sonhos e minha realidade estejam se sobrepondo. Stella me envolve, entregando-me outra toalha para o meu cabelo.

Sarah e Tio Gabriel ainda estão de pé, de costas para nós na porta do banheiro. "A costa está segura,” resmunga Stella.

Quando eu paro de tremer, e limpo os olhos com as costas das minhas mãos, muito grosseiramente, o fluxo constante de lágrimas continua rolando. Mas eu ainda consigo perceber que Stella está usando duas polainas de cores diferentes, um rosa e uma fúcsia, sob suas bermudas de algodão, com uma t-shirt XL que diz "Born to be Wild,” e sua máscara para olhos, de seda cor de rosa,  com as palavras bordadas "Do Not Disturb,” que, aliás, era a única coisa empurrando para trás seus encaracolados cabelos loiro-grisalhos despenteados, que estão pendurados em duas tranças irregulares. Suas mãos estão vestindo meias, enquanto seus pés estão descalços.

Por um momento eu esqueço o que eu tinha acabado de vivenciar e peço-lhe entre soluços: "Stella, você está vestindo meias em suas mãos?"

"Sim,” ela me repreende: "eu não tive a chance de tirá-las desde que eu ouvi você gritando loucamente, e eu caí da cama. Apenas corri para aqui! Em que você me esperava,  em um vestido de baile? "

Mas ela ainda me puxa em um abraço e me reboca para fora do banheiro para o meu quarto, ainda empurrando mamãe e o tio Gabriel para fora do caminho, como se fossem luminárias em seu caminho.

"Mas por quê?" Pergunto entre minhas lágrimas, tentando me distrair.

"Oh, toda noite eu massageio as mãos com loção, e coloco as meias, o que mantém a pele suave como o traseiro de um bebê. Um dos meus segredos de beleza,” ela informa, “o que me lembra que você não deve tomar banho em água muito quente, não é? É ruim para a sua pele, você sabe."

"Stella!" tio Gabriel grita exasperado.

Ela se vira para ele e diz: "Bem, é ruim para a pele dela. Isto pendura a pele. Pouco antes de você sair do chuveiro, ligue a água fria e deixe-a correr sobre sua pele, ok? Isto a enrijesse completamente. Dois minutos no máximo. Você vai me agradecer quando estiver mais velha! "

Sarah esfrega as têmporas como se ela estivesse pronta para explodir com a maior dor de cabeça de enxaqueca que ela já teve. Tio Gabriel pigarreia desconfortável com a maneira como a conversa está indo e pergunta gentilmente, "Ellie, você se importa de nos dizer o que aconteceu?"

Eu não tenho certeza se eu posso compartilhar isso com eles. Eles vão definitivamente pensar que estou louca, inferno, meu próprio subconsciente acena com a cabeça tristemente, concordando, mas, então, Stella nunca faria isso. Apesar de quão pequena Stella é, ela me guia para minha cama, sentando-me e me abraça protetoramente. Eu me agarro a ela, apenas completamente gasto.

"Eu pensei que eu tivesse visto sangue na parede do chuveiro,” eu sussurro.

"Sangue?" Três deles perguntam ao mesmo tempo.

"Sim, como no meu sonho. Marcas de mão e sangue ".

Stella entende imediatamente, Sarah não entende e ela finalmente diz: "Isso é demais para eu lidar. Estou traumatizada aqui! Acho que vou marcar uma consulta com o Dr. Newman." Ela vira as costas para sair,  toda afobada para chegar ao seu quarto para organizar esse encontro. Eu suspiro exasperada. Eu tenho que sair desta casa, para longe dela, e logo.

Stella grita com autoridade: "Você para bem aí! Você perguntou a sua filha se está ok, antes de marcar uma consulta com este psiquiatra assustador? Ellie não gosta dele!"

"Eu sou a mãe dela! Eu sei o que é melhor! Ela precisa de ajuda! Estou traumatizada com sua...” ela procura uma palavra que não fosse tão ofensiva e ela finalmente se estabelece com "sua condição!” Acompanhada de uma cara que parece martirizada.

"Senhorita Sarah... não é conveniente para você declarar-se uma vítima em cada situação? Esta realmente não é sobre você,” ressoa Stella com um calmo controle, que eu não tinha visto nela antes. Ela então se vira para o meu tio. Uma conversa silenciosa se passa entre os dois. Meu tio se vira para minha mãe, acompanhando-a para fora do meu quarto. Assim que eles estão fora do alcance da voz, Stella se vira para mim e pergunta:

"Que roupa posso trazer para você usar hoje?” Ela pergunta, completamente me surpreendendo.

"Oh, eu posso fazer isso Stella, obrigado!" Eu respondo.

"Você sabe que eu gosto de mimá-la,  s'il vous plaît!(N.T. Por favor)  Mas, que tal isso? Você se veste e desce para a cozinha, para me ajudar a debulhar alguns feijões verdes ".

"James não gosta de nós invadindo sua cozinha,” digo tentando sorrir.

"Tenho certeza que a nossa presença será tolerável,” diz ela. "Eu vou me trocar  também. Encontre-me na cozinha em 10 minutos. "

"Eu não tenho muito tempo hoje, Stella. Tenho uma entrevista de emprego em LA esta tarde. Eu tenho que me preparar e dirigir."

"Entrevista de emprego?” ela pergunta virando em seus calcanhares.

"Sim, você sabe que eu me formei na semana passada. Eu preciso de um emprego. "

"Você vai ter um fundo fiduciário quando você fizer 25!” Diz ela.

"O que será  daqui a quatro anos de distância,” eu digo, dando de ombros, “e, francamente, eu não quero isso. Sarah vive alegando isso, que é o dinheiro dos seus pais. Eu não ligo para isso. Eu acho que é por isso que ela continua obrigando-me a ir ao seu psiquiatra. Eu não quero ser certificada como louca, porque ela se preocupa com o dinheiro mais do que comigo. Preciso fazer minha própria vida. Eu preciso sair da cidade, Los Angeles, Nova York, Paris, Londres... Eu não sei. Só não aqui."

"Mas, querida, é seu aniversário hoje!” Diz ela.

"Momento perfeito para crescer!” Eu respondo sorrindo.

"Você realmente quer se afastar?"

"Não só eu quero, mas eu preciso me afastar, Stella. Eu preciso ficar longe de Sarah, longe desta casa. Eu preciso da distância. Eu preciso me encontrar,” eu digo, e seu olhar se alarga por um segundo, mas ela o esconde imediatamente.

"Bem, então menininha,” diz ela sorrindo. "Deixe-me ser sua babá, uma última vez. Você escolhe a sua roupa, e deixe-me ver se você parece sofisticada, madura e inteligente como uma nova funcionária em potencial! "


"Okay. Obrigado Stella. Você é a mãe que eu nunca tive... Você sempre terá um lugar especial no meu coração. Mas, eu preciso me encontrar e logo. Eu quero me mudar na próxima semana," confesso e deixando-a de boca aberta, eu entro no meu closet.

10 comments:

Andrea Leoncio said...

Que alegria encontrar a Serie Pella em portugues, obrigada Neusa!!! Isso definitivamente coroou o meu dia!!!

E parabens Emine vc tem um dom maravilhoso!!!

Neusa Reis said...

Oi Andrea, bom é ter você sendo a primeira a comentar. Tenho certeza que todas vão adorar,. O Alex é como se fosse o Christian, mais poderoso. O Amor dele pela Elissa é o amor da alma gêmea, acima do tempo. Você vê, é tão forte espiritualmente que se reflete no físico. Bjs e continue por aqui. E agradecimentos sinceros a Emine que não nos deceociona nunca... Esta história é de autoria exclusiva dela.

Tati said...

UAU!!! Adorei NEUSA!!!!! COM CERTEZA VOU ACOMPANHAR!!! PARABÉNS EMINE!!!

HORTENCIA LAGE said...

Lindo amo essa história,louca pelos capitulos seguintes

Andrea Leoncio said...

Ola Neusa,eu estava em extrema expectativa pela sua tradução desta historia, eu sempre me senti atraida pela personalidade de Alexandre, o grande, tanto que dei o nome de Alexandre o meu filho mais novo que hoje tem 27 anos.

Por isso não posso nem começar a descrever o quanto estou interessada nesta historia da Emine, vai ser emoção pura, sem diluir!!

E eu agradeço a Emine que realmente não nos decepciona nunca....

Aline Caroline said...

Nossa, surpreendente!!
Curiosa para ler essa história, que mostrou ser muito interessante.
Expectativas já não faltam para essa história que certamente irei acompanhar..

Pao said...

A cada momento me gusta más. Solo una consulta ¿ Emine tiene una sinopsis de este livro?
Seguiré leyendo.

Andrea Leoncio said...

A ansiedade em ver esse livro publicado esta atingindo o limite...e para acalmar o anseio resolvi ler os capítulos disponíveis novamente. E a cada vez que leio reafirma para mim que esta história será um grande sucesso!
Parabéns Emine, vc é uma grande escritora! Sou sua fã!
E a vc Neusa, obrigada por tornar ainda maior o prazer de ler em nossa própria língua!
Bijos para as duas e muito sucesso.

Margareth said...

Ontem mergulhei nesta estória, das 22 horas até às 4:00 da madrugada, e dá pra parar de ler?

E hj estou (re) lendo com calma me atentando aos detalhes.

Só posso dizer PARABÉNS Emine, PARABÉNS Neusa, meu muito obrigada por nos brindar com esta fabulosa estória e sua tradução exemplar

Daniela Martins said...

Lindo! Lindo! Lindo!
Como Neusa disse: Amor de alma gêmea!
Perfeito, Emine!
Parabens!
Beijos
Dani
;-)