StatCtr

Saturday, October 5, 2013

LIVRO IV - Capítulo V - Christian e Anastasia FanFiction

 

CAPÍTULO V
REGRESSO A CASA
Tradução: Neusa Reis





Taylor entra na garagem do Escala, e parando o SUV ao lado dos elevadores, ele nos deixa para evitar os fotógrafos e repórteres. Eu tiro Anastasia fora do SUV. Com meus braços ainda envoltos em torno de sua cintura, eu a apresso até o elevador esperando.
Uma vez que estamos no elevador, eu pergunto: "Feliz de estar em casa?"
"Sim,” diz ela em um tom sussurrado. Ela olha em volta do elevador. Nenhum de nós esteve em casa desde quinta-feira. A última vez que estive aqui foi quinta de manhã cedo, antes de Anastasia acordar. Mas, finalmente, estando em nosso ambiente doméstico, tendo deixado o perigo, os sequestros, hospital ficando para trás, Anastasia, inexoravelmente, tem um colapso. Ela começa a tremer violentamente.
"Hey," eu digo passando os braços ao redor dela enquanto eu puxo a minha mulher mais perto. "Você está em casa. Você está segura,” eu sussurro uma e outra vez para fazê-la perceber que o perigo acabou. Eu beijo seu cabelo.
"Oh, Christian,” ela começa a soluçar. A barragem se rompe e ela chora no meu peito.
"Calma agora," eu sussurro, segurando a cabeça dela. Eu quase perdi a minha esposa, meu filho, minha família. A única mulher que significa algo para mim, e sua tristeza traz imediatamente de volta o marido protetor em mim. Preocupação com o bem estar dela, e vingança, em igual medida, fermentam dentro de mim. É difícil para mim vê-la quebrada assim e não ficar furioso com aqueles que infligiram essa dor, o dano quase irreparável. Ela continua a chorar no meu peito. A porta do elevador ding aberta e eu a ergo do chão e levo minha esposa para o saguão. Ela envolve seus braços em volta do meu pescoço e continua a soluçar baixinho.  
Eu a levo para o nosso quarto e carrego-a até o banheiro, e a sento numa cadeira. "Banho?" Eu pergunto.
Ela balança a cabeça Não, quase violentamente.
"Chuveiro?" Pergunto com crescente preocupação e medo me sufocando. Ela acena com a cabeça concordando. Eu ligo o chuveiro, e Ana começa a chorar em suas mãos. A água correndo no chuveiro imita suas emoções, inundando. Eu sou um homem que está acostumado a estar no controle, acostumado a ter problemas resolvidos imediatamente. Vendo minha esposa espancada, machucada, quase de volta da beira da morte, tendo perdido tanto peso em questão de poucos dias, e emocionalmente perturbada, talvez por um longo tempo, me mata por dentro. Eu prometi mantê-la segura, protegê-la, cuidar dela,  e eu falhei.
"Hey," eu sibilo. Eu me ajoelho na frente dela, e gentilmente puxo suas mãos longe do rosto; emoldurando seu rosto em lágrimas, eu a conforto. Ela olha para mim, os olhos perplexos, como se perdida, mas tentando encontrar seu foco. Ela pisca as lágrimas.
"Sinto muito, Christian. Apenas sinto muito por tudo. Por fazer você se preocupar, por arriscar tudo... e pelas coisas que eu disse,” diz ela, enquanto ela chora mais.
"Calma, baby, por favor," eu cantarolo beijando sua testa. "Eu sinto muito, também. São precisos dois para o tango, Ana,” eu digo sorrindo. Eu nunca pensei que eu estaria citando minha mãe. "Bem, isso é o que minha mãe sempre diz. Eu disse coisas e fiz coisas de que eu não me orgulho,” murmuro com contrição e remorso. "Vamos tirar sua roupa,” murmuro com uma voz suave. Ela olha para mim com grandes aros vermelhos nos olhos azuis, e limpa o nariz com as costas da mão. Eu beijo sua testa novamente, e a levanto, e faço um trabalho rápido de tirar sua roupa. Mas eu mostro um cuidado especial quando eu puxo sua camiseta para fora de sua cabeça, porque eu não sei como está sua dor de cabeça. Eu tiro minhas próprias roupas muito rápido, e segurando a mão dela, eu levo minha esposa para o chuveiro sob a água quente em cascata. Eu puxo Anastasia em meus braços, e mantenho-a lá por um longo tempo como se a água lavasse fora a sujeira, tristeza e problemas dos últimos dias que pareceram anos. Segurando-a assim em meus braços, quando eu pensei que ela estava me deixando, e então quando eu a encontrei eu pensei que ela tinha morrido, é, ao mesmo tempo, alívio bem como surreal. A preocupação no hospital de que ela poderia não acordar ou recuperar-se quase me matou de angústia. Estou mais do que grato por tê-la em meus braços agora. Estamos em casa. Sabendo que existem pessoas, que significam e desejam mal para mim, e para as pessoas que eu amo, sem pensar duas vezes, para alcançar os meus milhões, ou tentar se vingar, aperta o meu coração, e me dá uma determinação fervorosa de proteger aqueles que eu amo; ferozmente e violentamente, se necessário.

Heavy in Your Arms - Florence & The Machine
Anastasia chora sobre o meu peito, em silêncio, e com soluços dolorosos do coração, até que ela esgote as lágrimas. Eu a abraço e beijo-a na cabeça enquanto ela solta todos os seus medos, preocupações e estresse e deixe a água lavar para fora dela. Eu a balanço suavemente em um ritmo suave, abraçando-a  pele contra  pele, seu rosto esfregando meu cabelo no peito. Tudo o que eu quero fazer é protegê-la, amá-la e mantê-la segura. Ela finalmente pára de chorar e dá um passo para trás.
"Melhor?" Pergunto com cautela e ela balança a cabeça em resposta.
"Bem. Deixe-me olhar para você,” eu digo querendo fazer um inventário de seus ferimentos. Ela me olha fixamente, mas eu pego a mão dela e examino seu braço, tomando nota das contusões no ombro e cortes e arranhões em seu cotovelo e punho. Cada um quebra meu coração. Jack Hyde espancou minha esposa violentamente, chutou-a no chão por causa de seu ódio por mim, porque ele queria tê-la e ela se negou. Eu beijo cada um de seus machucados como se meus beijos iriam torná-los melhor, curá-los de alguma forma. Eu pego a toalha e gel de banho da prateleira e espremo o gel sobre a toalhinha, ensaboando-a. Doce aroma de jasmim enche nossas narinas, mas não me faz me sentir calmo, como teria feito normalmente, depois de ver o corpo machucado de minha esposa.
"Vire-se,” eu peço-lhe. Eu começo ensaboando seu braço ferido, seu pescoço, ombro, suas costas e seu outro braço. Quando eu a viro de lado, eu sigo sua lateral e o grande hematoma onde ela foi chutada; raiva ferve em mim, pronta para entrar em erupção. Quando meus dedos alcançam a contusão especialmente escurecida em um tom roxo e azul, ela estremece imediatamente com dor. Eu posso ver que a contusão é profunda, estendendo-se para os músculos e costelas. Eu fecho meus olhos como se eu sou o único que está aflito, e os meus lábios se transformam em uma linha fina. Ar sibila por entre meus dentes. A raiva é o mínimo que eu sinto.
"Não me faz mal,” ela murmura para me acalmar, mas eu tenho dificuldade em acreditar. Ela está tentando me acalmar. Eu tenho esse fúria assassina crescendo em mim. Hyde fez todos os esforços para sequestrar minha esposa, e não há qualquer evidência de que ele iria deixá-la, ou a Mia, sair do local com vida. Quando sua primeira tentativa fracassou, ele fez uma segunda tentativa. Se lhe fosse dada uma nova chance, eu sei que ele iria fazer outra tentativa contra sua vida. Eu só quero eliminá-lo, e ao perigo que ele criou para a minha família. Meus olhos estão ardendo como vulcões, perigosos, encontrando os dela. "Eu quero matá-lo. Eu quase o fiz,” eu sussurro lembrando como cheguei perto de matá-lo. Isto levou os policiais a puxarem suas armas para mim, mas mesmo assim não teriam me parado. Foi só o conhecimento de que minha esposa precisava de cuidados médicos urgentes e eu queria estar com ela quando ela estivesse obtendo. Minha respiração aumenta e eu tento empurrar a lembrança para longe. Eu esguicho um pouco mais de gel de banho no pano e gentilmente, e ternamente, eu lavo seus lados, suas nádegas e costas. Então eu me ajoelho diante de minha esposa como se me submetendo a ela, e lavo as pernas com reverência. Eu vejo a contusão no joelho, escura, parecendo dolorosa. Eu me inclino para ela, e beijo-a suavemente. Em seguida, lavo as pernas e os pés.  Anastasia estende as mãos e acaricia meu cabelo molhado, seus dedos entrelaçados nas minhas costas molhadas. Eu lentamente fico de pé. Quando eu me levanto eu começo a olhar os hematomas em suas costelas novamente.
"Oh, baby,” eu gemo em voz atormentada. Eu tenho que me distrair de saltar fora do chuveiro, me encaminhar para o hospital e encontrar o filho da puta, para acabar com a sua vida miserável, para que ele nunca possa prejudicar outro ser humano novamente.



"Eu estou bem,” ela me acalma. Ela me alcança, as mãos prendendo o meu rosto, e me puxando para baixo em seus lábios. Hesito. Porque um beijo nunca é apenas um beijo para nós... Apenas um simples toque em seus lábios vai deixar a ambos ligados. Eu não posso fazer isso quando ela está machucada. Seus lábios se moldam nos meus de qualquer maneira, cheios de necessidade e desejo e ela começa a me beijar apaixonadamente apesar da minha hesitação. Sua língua força o seu caminho em minha boca, e eu estou perdido. Minha língua encontra a  dela, acariciando-a em movimentos suaves, mas sensuais, reconhecendo sua boca. E meu pau desperta, crescendo e pressionando contra seu corpo. Oh, porra! Eu não posso fazer isso!
"Não,” eu sussurro contra seus lábios, e puxo-a para trás, longe de mim. "Vamos começar a deixar você limpa."
Ela faz beicinho, zangada comigo por quebrar a conexão entre nós, depois de ver o quão sério eu sou sobre o assunto. Eu não quero colocá-la em perigo por ter relações sexuais com ela. Eu não tive a minha esposa por dias, e eu não quero perder o controle. Mesmo se eu for muito gentil, ela pode se machucar com seus músculos e costelas machucadas, feridas. Ela está zangada; briguenta mesmo. Colocando as mãos nos quadris, ela me olha com raiva, como uma criança a quem é dito que não poderia ter doces; a reação dela me faz sorrir. Eu beijo-a brevemente, mas quebro nossa conexão para não excitá-la ainda mais.
"Limpa... Não suja,” eu enuncio.
"Eu gosto suja,” ela responde.



"Eu também, Sra. Grey. Mas não agora, não aqui,” eu digo. Sem lhe dar chance de dizer mais uma palavra, eu pego o shampoo, apertando um pouco na minha mão; eu levo-o ao seu cabelo, e começo a lavá-lo. Ela sabe que eu falo sério, e, finalmente, fechando os olhos, entrega-se à suave fricção de meus dedos, relaxando sob a água. Depois de uma minuciosa massagem de seu cabelo, deixo a água quente correr, levando a espuma de seu cabelo, e correr de volta para o ralo em riachos preguiçosos. Uma vez que eu a lavo completamente, eu começo a lavar meu cabelo e corpo. Ela quer me lavar. Deixo-a porque eu desejo seu toque de qualquer maneira possível. Mas quando a mão dela permanece no meu pau, sua mão ensaboada deslizando para cima e para baixo, tentando me bombear, e me dando uma ereção, eu tenho que retirar-lhe a mão, e suportar o desejo reprimido, acompanhado por uma ereção dolorosa pulsando.
Quando saímos do chuveiro, de alguma forma ela parece mais feliz, energizada e relaxada. Eu a envolvo em uma toalha de banho grande, felpuda, e envolvo uma em torno de meus quadris. Anastasia começa a secar o cabelo, enquanto eu estou secando o meu com uma toalha.
"Eu ainda não entendo por que Elizabeth estava envolvida com Jack,” ela murmura confusa.
"Eu sim,” eu respondo sombriamente, lembrando o envolvimento do filho da puta com ela.
Ela está completamente surpresa, e olha para mim. Quando ela me vê secar meu cabelo, meu peito e ombros ainda molhados com água cintilante, ela faz um esforço visível para organizar seus pensamentos. Ela olha como se eu fosse alguma coisa para comer; seu olhar nunca deixando meu corpo. Estou extremamente tentado, com o seu olhar com uma linha direta para o meu pau, minha ereção mal domada buscando o crescimento completo novamente.
"Apreciando a vista?" Eu pergunto.
"Como você sabe?” Ela pergunta tentando ignorar o fato de que eu a peguei olhando. Mesmo se eu não a visse olhando, meu corpo tem uma conexão direta. Quando estamos perto um do outro, eu sinto sua presença, seu olhar, seu humor.
"Que você está apreciando a vista?" Eu provoco.
"Não,” ela me repreende mudando de assunto. "Sobre Elizabeth."
"Detetive Clark insinuou isto."
Ela levanta as sobrancelhas, em sua forma usual de exigir-me dizer-lhe mais.
"Hyde tinha vídeos. Vídeos de todas elas. Em várias unidades flash USB. "Ela franze a testa, completamente chocada com esta informação.”
"Vídeos dele fodendo-a e fodendo todas as suas PAs,” eu digo, sem dar-lhe os detalhes. Seus olhos se arregalam com a compreensão.
"Exatamente. Material de chantagem. Ele gosta disto duro,” eu digo franzindo a testa. Isso é mais ou menos como eu. Eu gosto disto duro, e ainda tirei fotos das minhas subs, que estavam cientes que as fotos estavam sendo tiradas, tanto para recreação, a seu tempo, bem como contra qualquer exposição. Ele não é diferente de mim. Estou imediatamente enojado de mim, e cheio de auto aversão. Eu fodi mais duro, experimentei merda mais bizarra, do que Hyde pode sequer sonhar.
"Não!" Anastasia me adverte. Eu franzo a testa para ela, sem compreender seu significado.
"Não o quê?" Eu pergunto e a olho com inquietação e preocupação. Eu fiz alguma coisa para machucá-la?
"Você não é nada parecido com ele".
Meus olhos endurecem. Ela sabia o que eu estava pensando. É claro que ela sabia. Nós entendemos um ao outro, muitas vezes sem palavras.
"Você não é,” diz ela teimosamente.
"Fomos cortados no mesmo tecido,” murmuro com nojo.
"Não, você não é,” ela se encaixa. Como ela pode pensar isso? Nós dois tivemos infâncias fodidas. Eu não conheço o meu pai; seu pai morreu em uma briga de bar. Minha mãe era uma prostituta de crack, a sua era uma bêbada e uma viciada em drogas. Eu sou uma criança adotada pelos Grey, e ele esteve dentro e fora de lares adotivos. Ele teve uma infância conturbada roubando carros; bebi como um adolescente, e briguei com qualquer um possível e fui expulso de três escolas em um ano. Eu poderia ter acabado no reformatório como ele, se não tivesse sido por Elena focar minha atenção em sexo, e meus pais terem mantido uma rédea curta em mim. Nós somos a mesma merda!
"Vocês dois têm um passado com problemas, e ambos nasceram em Detroit. É isso aí, Christian,” ela diz  enfiando as mãos nos quadris.
"Ana, sua fé em mim é tocante, especialmente à luz dos últimos dias. Saberemos mais quando Welch estiver  aqui,” eu digo dispensando o tema. Ela não vai mudar a minha opinião sobre isso. Estou enojado de mim mesmo; sobre a forma como eu me comportei e distanciei minha esposa de mim com o meu próprio comportamento perturbador; eu sou responsável por ela ter caído presa por Hyde, porque eu não fui confiante o suficiente para lhe perguntar as perguntas certas no banco. Tenho sorte de que ela esteja viva e comigo hoje.
"Christian -" ela começa, mas eu a corto com um beijo.
"Chega,” eu respiro em seus lábios. Eu esperava que ela me incomodasse mais, mas ela não o faz. Ela para com uma careta.
"E não faça cara amuada,” eu digo. "Venha. Deixe-me secar o seu cabelo." Depois que ela está vestida com calça de moletom e uma t-shirt, eu a sento entre minhas pernas para ter acesso total ao seu cabelo, enquanto efetivamente eu a aquieto. Secar o cabelo e ter esse acesso a ela, relaxa a nós dois. Logo que o secador é silenciado, eu a levo para nossa cama, sento-a na minha frente e eu começo a pentear seu cabelo com uma escova de cabelo.
"Então Clark disse mais alguma coisa enquanto eu estava inconsciente? ” ela pergunta.
"Não que eu me lembre."
"Eu ouvi algumas de suas conversas,” ela retruca. Que conversas ela ouviu? Minha mão com a escova de cabelo para no ar. O que ela ouviu? Quanto ela ouviu?
"Ouviu?" Eu sondo indiferente.
"Sim. Meu pai, seu pai, o detetive Clark... sua mãe,” diz ela. Ela ouviu quase todos.
"E Kate?"
"Kate estava lá?” ela pergunta.
"Brevemente, sim. Ela está zangada com você, também," eu digo a ela.
Ela imediatamente se vira no meu colo. "Pare com a merda todo mundo está com raiva de Ana , ok? " ela se encaixa.
"Só lhe dizendo a verdade,” murmuro perplexo com seu súbito acesso de raiva.
"Sim, foi imprudente, mas você sabe, sua irmã estava em perigo,” diz ela. Lembrar o quão perto as duas estiveram de morrer faz com que meu rosto despenque novamente.
"Sim. Ela estava,” eu digo segurando seu queixo.
"Obrigado,” eu digo e registro o choque no seu rosto diante da minha gratidão por ela. "Mas não mais imprudências. Porque da próxima vez, eu vou bater a merda viva fora de você,” eu ameacei com nada além da verdade em meu tom. Ela engasga.
"Você não faria isso!"
"Eu certamente faria,” eu digo, meu tom sério. Ela procura o meu rosto e vê a determinação de ferro. "Eu tenho a permissão do seu padrasto." Eu sorrio afetadamente. Ela está tentando ver se eu estou brincando. Ela lança-se para mim, e eu viro para que ela caia em cima da cama e logo em meus braços. Isso poderia ter levado aos mais sujos atos, mas ela estremece com a dor. A visão dela quase se contorcendo de dor drena o sangue do meu rosto. "Comporte-se!" Eu a censuro, com raiva, tanto para ela e para mim mesmo, por ceder.
"Desculpe,” ela murmura, e sua mão acaricia minha bochecha.
Seu contato significa muito  para mim, e eu me aninho nele, beijando-lhe a mão com delicadeza. "Sinceramente, Ana, você realmente não tem consideração por sua própria segurança." Levanto a bainha de sua t-shirt e coloco meus dedos em sua barriga, onde o nosso bebê está residindo. Anastasia pára de respirar.



"Não é só você mais,” eu sussurro enquanto meus dedos patinam sobre sua cintura, e sua pele por baixo. A maravilha é que o meu filho, nosso bebê, que fizemos juntos, está crescendo dentro da minha esposa. Mas justo nesse momento, eu sinto Anastasia ofegante de desejo, e seu corpo ficando quente, o rosto ficando vermelho com a luxúria. Eu tensiono imediatamente e paro de mover meus dedos e olho para ela. Eu deliberadamente movo meu dedo para longe de sua barriga e simplesmente dobro uma mecha perdida de cabelo.
"Não,” eu sussurro. Eu não quero nada mais agora do que ter minha mulher, fazer amor com ela, e me enterrar profundamente nela por dias; mas não podemos. Não sem machucá-la, e isso é algo que eu não vou fazer.
Ela olha para mim com um olhar misturado com decepção, desejo intenso, e luxúria carnal, tudo empacotado em um.
"Não olhe para mim assim. Eu vi os hematomas. E a resposta é não,” eu digo em uma firme, determinada voz. Quando eu beijo sua testa, ela se contorce sob mim.
"Christian,” ela lamenta.
"Não. Vá para a cama,” eu digo sentando-me.
"Cama?"
"Você precisa de descanso."
"Eu preciso de você."
Isso me pega de surpresa e leva todo o meu autocontrole para me afastar dela. Eu fecho meus olhos e abano a cabeça, tentando desligar alguns dos meus sentidos para evitar ceder a sua vontade. Quando eu finalmente recupero o controle, e tomo a decisão de  que sua segurança vem antes de seu desejo por mim, eu consigo abrir os olhos decididamente. "Basta fazer o que lhe foi dito, Ana.”
Ela finalmente consegue acenar com a cabeça concordando, embora com relutância. "Tudo bem,” diz ela fazendo beicinho como uma criança pequena, me fazendo rir em voz alta. "Eu estou indo para aquecer alguma coisa. A Sra. Jones tem estado ocupada. "
 "Christian, eu vou fazer isto. Eu estou bem. Caramba, eu quero sexo - eu certamente posso cozinhar,” diz ela, enquanto ela se senta desajeitada e com dificuldade. Mas eu posso ver a tristeza em seus olhos enquanto ela tenta esconder a sua dor.
"Cama,” eu ordeno apontando para o travesseiro, meus olhos faiscando.
"Junte-se a mim,” ela murmura, tentando me seduzir.
"Ana, vá para a cama. Agora!" Ordeno mais uma vez. Ela olha para mim com os olhos apertados e faz carranca. Levantando-se, ela derruba bruscamente seu moletom no chão, conseguindo olhar para mim o tempo todo. Eu tento não sorrir para suas palhaçadas, mas é difícil não fazê-lo. Eu puxo o edredom para deixá-la entrar debaixo.
"Você ouviu a Dra. Singh. Ela disse repouso," recordo-lhe com uma voz suave. Ela fica na cama e cruza os braços, exasperada. "Fique,” eu comando novamente, finalmente, fazendo minha mulher fazer o que eu ordeno. Ela fecha a cara mais profundo.
Eu vou para a cozinha e aqueço o frango ensopado que a Sra. Jones preparou. Eu preparo duas bandejas, uma para Ana e outra para mim. Levando a comida para o nosso quarto, eu sento Anastasia na cama para que ela possa desfrutar de sua comida. Sento-me na cama com as pernas cruzadas e como junto com ela.
"Isso foi muito bem aquecido,” ela sorri maliciosa, e eu sorrio para ela em resposta. Quando ela termina toda a sua comida, ela parece cheia e pronta para dormir.
"Você parece cansada,” eu digo a ela, e levo a bandeja para longe dela.
"Eu estou,” diz ela bocejando.
"Bom. Durma,” eu digo beijando-a. "Eu tenho alguns trabalhos que eu preciso fazer. Eu vou fazer isso aqui, se está tudo bem com você."
Ela acena com a cabeça, mas incapaz de manter-se acordada, seus olhos se fecham.
Eu levo as bandejas para a cozinha, limpando-as;  deixo os pratos na pia. Em seguida, pegando o meu laptop, eu ando de volta para o nosso quarto e sento no meu lado da cama para trabalhar. Eu passo por meus e-mails acumulados. Ros e Warren estão em Taiwan para a assinatura dos documentos e inspeção do estaleiro. Ela diz que tudo está indo bem e que eles estão voltando hoje. Eu vou aos documentos assinados, e suas anotações. Deus! Há centenas de e-mails acumulados. Eu os classifico por categoria e olho os mais importantes. Meu Blackberry vibra com um texto entrando. É uma mensagem de Taylor:
* Welch está aqui para vê-lo. *
Este é o temido encontro, mas um que eu devo ir para descobrir a ligação entre Hyde e eu. Ele vai me dar uma melhor compreensão do por que o filho da puta é obcecado por mim. Eu texto de volta.
* Leve-o ao meu escritório. Estou indo. *
Quando eu chego ao meu escritório, Welch está sentado e um grande envelope pardo está na minha mesa, suspeitosamente, esperando por mim. Ele se levanta para me cumprimentar, e Taylor está esperando com as mãos  às costas,  à vontade. Eu ando para o meu lugar, e mostro-lhe a cadeira para sentá-lo novamente.
"Conte-me sobre sua viagem," eu começo a conversa.
"Meu ponto de partida para a busca estava em suas antigas moradias. Os apartamentos ainda estão lá, mas eu queria ver se os antigos ocupantes incluíam Hyde e sua mãe em qualquer momento. Mas não havia registros de seus caminhos cruzando de alguma forma quando você estava com sua mãe biológica. Você não tinha ido à escola, ou a um grupo de brincadeiras. Você não tinha parentes conhecidos. Após a confirmação de que você não tinha nenhuma conexão com Hyde enquanto estava com sua mãe biológica, eu procurei por uma conexão depois que você foi levado para longe da cena da morte. O que eu descobri é interessante. Lembra-se o breve tempo que você esteve em uma família de acolhimento antes que sua adoção fosse finalizada pelo Dra. e Sr. Grey? ” Ele pergunta.
"Família de acolhimento? Eu estive em uma família de acolhimento?” Eu pergunto a ele completamente chocado.
Quero primeiro dar-lhe um quadro geral das circunstâncias que envolveram sua adoção, para ajudar você a entender melhor como e por que você estava em uma família de acolhimento, que vai explicar a maneira como você e Hyde estavam no mesmo lugar, e ao mesmo tempo,” ele diz. Eu sou imediatamente pura atenção, minhas sobrancelhas subindo. Estou em um choque muito grande; ele poderia derrubar-me com uma pena!
"O quê? Você está dizendo que eu estava com ele no mesmo lugar e ao mesmo tempo?"
"Sim, senhor, eu estou. Estou chegando a isso, mas eu preciso explicar como isso ocorreu, em primeiro lugar. De acordo com as leis de adoção atuais, se um casal já está aprovado para adoção, geralmente não há período de espera para adoções abertas, no estado de origem do indivíduo,  desde que a criança também seja  um residente desse Estado. Mas as leis eram diferentes. Eu acho que é muito importante para mim tornar  as leis de adoção claras para você em 1987 - o ano em que foi adotado, senhor. Eu quase não descobria isso e poderíamos facilmente ter ignorado a sua estadia lar de acolhimento. Porque no ano em que foi adotado, houve várias mudanças nas leis de adoção. Não foi fácil para mim descobri-las, porque algumas deles se aplicavam ao seu caso e outras não, e  é extremamente difícil localizar informações porque os registros não são mantidos em um lugar, e alguns são conseguidos e alguns simplesmente não existem. É um grande labirinto, mas entrei em contato com Pella. Ele me mostrou a direção certa com as mudanças nas leis de adoção, arquivos estaduais, bem como registros por diferentes agências de assistência social. No estado de Michigan, se uma criança está sendo adotada, a criança deve estar completamente livre de qualquer responsável legal a princípio, e deve ser tomada sob a guarda do Estado. Essa é uma das condições primárias de adotabilidade de uma criança.
Se o possível pai adotivo é casado com um dos pais e o padrasto/madrasta  é um candidato a adoção dessa criança, o pai biológico, que é o cônjuge deste pai adotivo, deve primeiro concordar em cortar os seus direitos parentais e a criança deve ficar totalmente sob a guarda do Estado pela duração do processo de adoção. Os direitos da mãe biológica ou pai, que está sendo substituído por um pai adotivo, já devem ter sido cortados,  voluntariamente ou pelo Estado. Eu verifiquei as leis de adoção e esta era a lei no momento de sua adoção. Sua mãe biológica morreu, e você não tinha um pai biológico a vista. Você ficou sob a guarda do Estado. Mesmo que a família Grey fosse qualificada para adotá-lo, as leis afirmam que suas relações de sangue devem ser procuradas. Se ninguém se apresentar, em seguida, você se tornaria adotável. Durante esse processo, a criança a ser adotada não pode viver com os pais adotivos. Foi assim que você foi colocado em um lar de acolhimento."
"Então, como é que Hyde entrou na foto?"
"Esse é outro problema. Eu encontrei a família que acolheu você. Legalmente, os nomes dos menores não podem ser dados ao conhecimento público para os outros. Aparentemente, essas leis eram ainda mais rigorosas antes. E os serviços sociais do Estado não têm todos os registros. Os estados têm trabalhado com muitas agências de assistência social. Infelizmente a sua  manutenção de registros  é lamentavelmente muito atrasada. Nem todos os registros estão disponíveis, e grande parte da informação está faltando. Os documentos judiciais são absurdos. Eu tive que passar por todos os registros do tribunal para descobrir que você estava de fato em uma casa de acolhimento. Mas o nome da agência não estava disponível nos autos. Eu tive que encontrar uma funcionária que trabalhava na época de sua adoção, e ela me levou para uma conhecida agência de assistência social da época. Numa terceira tentativa eu consegui um nome da agência e de lá o nome da família que acolhia você,” diz ele solenemente.
"Quem era?" Pergunto em um sussurro.
"Janice e Chuck Collier, e seus filhos gêmeos e filha adolescente. A família acolheu crianças por anos para complementar sua renda. Você não foi o primeiro a ser acolhido com eles, ou o último, senhor,” diz ele. Eu olho para ele, impassível, sem estar. Como é que isso liga com Hyde?
"E então?"
"Você vê, porque eu represento você, eu posso alcançar seus registros, e descobrir mais sobre eles. Mas, legalmente, não estamos autorizados a fazer isso com Hyde. Eu, basicamente, estava num beco sem saída até que eu localizei a família. Bem, a senhora Collier, para ser exato. Seu marido faleceu de um ataque cardíaco cerca de dois anos atrás. Ela ainda vive na mesma casa. Você foi colocado aos cuidados dos Colliers por dois meses e nove dias. Esse é o tempo que o tribunal aloca para qualquer possível parente de sangue seu se apresentar para reivindicá-lo, e uma vez que não apareceu ninguém, o processo de adoção seguiu. Enquanto isso, você permaneceu com a família Collier como uma criança acolhida até a conclusão de sua adoção. A Sra. Collier se lembra de você,” diz ele.
"Ela lembra? O que ela disse? " Pergunto surpreso.
"A Sra. Collier tem cerca de 67 anos agora. Ela e seu marido acolheram dezenas de crianças ao longo dos anos, mas ela se lembra de você. Ela disse que você tinha quatro anos, mas parecia muito menor do que sua idade, você estava com medo, e não falava. Ela se lembra de você estar muito desnutrido. Ela disse que você colava nela e gostava de se sentar ao seu lado enquanto ela lia para você, mas nunca no colo, o que ela achava estranho para uma criança daquela idade. Você tentava manter-se distante de seu marido. Ela disse que você tinha um medo muito diferente e inusitado de homens adultos. Ela me contou uma história: Aparentemente seu marido, um homem ex-soldado, gostava de pontualidade na mesa de jantar, e você estava brincando com um pequeno carro de brinquedo. Quando o Sr. Collier chamou para vir para a mesa do jantar, você ficou com medo e se escondeu no armário debaixo da pia, segurando seu cobertor,” diz ele. Meus olhos se arregalam e eu engulo em seco.
"Vá em frente..." eu peço. Eu não me lembro de nada disso. Ele está me deixando louco. Lembro-me de quase tudo do meu passado, mas não tenho um pingo de memória desse tempo.
"E antes que você viesse morar com eles, a família de acolhida tinha outras duas crianças acolhidas. Uma das crianças foi devolvida à sua avó materna apenas um par de dias antes que você fosse colocado sob seus cuidados, e lá estava uma outra criança, que ainda permaneceu em sua casa. Um menino órfão de nove anos de idade, cuja mãe foi para a cadeia por posse de drogas. Ela se lembra de seu primeiro, mas não do último nome."
"Qual era o nome?" Eu pergunto, incapaz de reconhecer minha voz áspera.
"Jack. Seu nome era Jack. "
"Ela disse que a família dela teve muitas crianças acolhidas ao longo dos anos. Ela não teria lembrado de você, mas, duas coisas salientavam em você: você não falava, e que tenha sido adotado por uma família rica o que a surpreendeu."
"Por que a surpreendeu?" Pergunto ofendido.
"Ela disse que gostava muito de você, mas que ela pensou que uma família muito rica como essa  iria adotar um bebê ou ...” diz ele parando, e limpando a garganta.
"Vá em frente, não adoce para mim, Welch!" Ordeno, meus olhos em chamas.
"... Uma criança sem necessidades especiais, com menos bagagem, ou melhor criação. Ela disse que não estava dizendo isso por ser cruel, porque ela tinha acolhido tantas crianças, mas você não falava, não deixava que as pessoas o tocassem, se escondia com a visão de um homem adulto, mas com necessidade desesperada de cuidados. De acordo com ela muitas dessas crianças não foram adotadas incluindo as que ela acolheu. Eles acabaram permanecendo no sistema de adoção, até que chegaram a 18, ou um parente deles os reivindicou o que, ela disse,  também era raro. É por isso que ela ficou extremamente feliz por você ter encontrado um bom lar."
"Mais alguma coisa?"
"Sim, eu tenho um par de fotos,” diz ele, entregando-me duas imagens desbotadas. A imagem superior é de uma pequena casa em ruínas com uma porta de entrada estranhamente amarela e uma janela no telhado. A varanda da frente parece desgastada e a pintura descascada, pelo que eu posso ver, e o jardim da frente é indescritível .
Eu passo a imagem da casa para baixo, e pego a outra imagem. É o retrato de uma família em frente da casa com a porta amarela. Os adultos da imagem parecem estar na metade dos 40  anos, um marido e mulher pela aparência disso. O homem tem cabelo cortado à máquina, grosso no meio, e vestindo roupas gastas. O cabelo da mulher é preso atrás, e loira, ela também está usando roupas sujas, muito usadas. Mas ambos parecem alegres. O homem tem a mão caída sobre sua filha adolescente parecendo irritada. Seus filhos gêmeos parecem ter cerca de doze anos de idade e aparentam alegres e sorridentes.
"Os Collier?" Eu pergunto.
"Sim, senhor. Chuck e Janice Collier, seus filhos gêmeos e a filha adolescente." Eu me reconheço na foto, escondendo-me atrás de um menino de cabelos vermelhos. Minhas narinas se abrem e meus olhos se arregalam. Eu olho para a minha imagem por dois minutos inteiros. Eu pareço sujo, extremamente desnutrido, com medo, vestido com roupas incompatíveis, segurando um cobertor sujo de criança. Eu pareço uma criança de dois anos, e não uma criança de quatro anos. Eu estou me escondendo atrás de um menino carrancudo de cabelo louro avermelhado que parece ter menos de dez anos de idade.
"Quem é o outro garoto?" Eu pergunto.
"Esse,"  Welch diz significativamente , “é Jack Hyde".
"Está confirmado?"
"Sim, senhor. Ele estava no sistema de famílias de acolhimento até que sua mãe o recuperou. A Sra. Collier não lembrava  o sobrenome dele, mas ela se lembra de seu primeiro nome e de ele ser uma criança agressiva. Ela disse que ele ficou hostil com você depois que seus pais adotivos vieram visitá-lo, cerca de uma semana antes de sua adoção ser aprovada,” diz ele, e essa afirmação levanta imediatamente o alarme. "Eu tive que rastrear para trás para localizar registros de família de acolhimento de Hyde, porque ele tinha estado em alguns lares diferentes por um monte de períodos mais longos. Mas esses registros eram muito mais difíceis de encontrar, porque seus registros do estado só tinham uma entrada e alguns dos registros foram alcançados e eu tive que puxar um monte de cordas e pagar aos funcionários para ter acesso a suas informações. Mas enquanto isso, eu voltei para a mesma agência de acolhimento que o colocou nos Colliers para cruzar e verificar as informações que a Sra. Collier forneceu e eles tinham me deixado olhar os registros por cerca de 15 minutos. Lá estava ele. Eu só tirei fotos dos registros, porque eu não estava autorizado a fazer cópias,” diz ele e empurra o envelope grande para mim. "Este arquivo contém informações tanto de você e Hyde e coloca ambos no mesmo lugar com a família Collier - de 13 de maio até 22 de julho de 1987. Você e Hyde compartilharam a mesma família de acolhimento por dois meses e nove dias. Foi assim que os dois primeiro se encontraram; isso é de onde ele conhece você! O pen drive aí também contém todos os vídeos que ele fez fodendo suas assistentes e Elizabeth Morgan ,” diz ele enfatizando.
Eu olho para ele perplexo, sem palavras por um momento.
"Onde você conseguiu isso?"
"Vamos apenas dizer que é um gesto de boa vontade da polícia local pela nossa ajuda e cooperação."
"E sobre a investigação da polícia aqui? Você ouviu falar outra coisa além disso?"
"Eles vão levar um tempo para reconstruir a cena, senhor, e o filho da puta ainda está no hospital, mas não falando.  Claro,  a mulher Morgan está cantando longe para salvar sua própria bunda. Mas, eu queria que você fosse o primeiro a obter as informações. Você quer apresentar as nossas conclusões para a polícia? "
"Sim, para meus advogados também. Eu quero ter certeza de que o filho da puta não veja a luz do dia novamente. Isto irá mostrar-lhes que não é um ato de violência aleatório mas enraizado no passado."
"Sim, senhor. Vou informá-lo se houver novas informações ressurgindo,” diz ele, antes dele sair. Taylor olha para mim solenemente antes que ele acompanhe Welch fora. Eu olho para os arquivos que Welch trouxe e um calafrio me percorre. Eu coloco o pen drive  na porta USB, e vários arquivos abrem. Eu clico em cada um e vejo ele foder mulheres diferentes com estilos diferentes de BDSM pesado. O filho da puta gosta duro. Merda! Ele é como eu, em mais maneiras do que uma! Pegando as duas fotos que Welch trouxe, eu ando de volta para o  nosso quarto como um zumbi. Anastasia ainda está dormindo. Sento-me na poltrona olhando minha esposa, a única pessoa que está me ancorando para o aqui e agora.
O filho da puta do Hyde quase a matou por causa de seu ódio por mim, por não ter quem e o que me pertence. Estou abalado até o meu núcleo, meu rosto é horrível. Eu estou perdendo um pedaço do meu passado. Não me lembro de nada sobre isso. Nada! Nem uma única visão ou uma lembrança simples. Por quê? Lembro-me de tudo antes e depois. Por que não desse período? Eu olho para a foto uma e outra vez, e mesmo assim só vejo os rostos de estranhos. Eu não me lembro deles. Eu sou um homem que gosta de saber tudo, o conhecimento me dá o controle e poder. No entanto, eu não exerço esse poder sobre o meu próprio passado. Isso está me deixando louco. Eu ainda tenho que fazer a conexão entre o que Hyde tinha escrito em sua nota de resgate, e esta informação que falta. O fato de que Hyde saiba alguma coisa sobre mim que eu não sei, e que o filho da puta exerça controle sobre meu passado, está me atormentando por dentro.
O sol está se pondo atrás de mim, e o anoitecer está se estendendo sobre o céu de Seattle como um cobertor. É a hora mágica. As luzes vermelhas e laranja do pôr do sol estão suavemente penetrando em nosso quarto. As últimas luzes do dia, em tons de rosa e vermelho dançam no rosto de Anastasia. Estou obcecado por ela, como se sem ela eu estarei perdido para sempre. Ela se mexe na cama, retira o braço de sua testa, e pisca algumas vezes. Ao ver meu rosto atormentado, ela senta-se imediatamente.
"O que há de errado?” Ela pergunta, fazendo uma careta.
"Welch acaba de sair,” murmuro.
"E?” ela pergunta ansiosamente.
"Eu vivi com o filho da puta,” eu consigo sussurrar.
"Viveu? Com Jack? "
Concordo com a cabeça em resposta, meus olhos arregalados, ainda atordoado.
"Vocês eram parentes?"
"Não. Meu Deus, não. "
Ela se move na cama, abrindo espaço para mim, e levanta o edredom, batendo no espaço ao lado dela na cama. Eu chuto meus sapatos, e subo imediatamente na cama com ela. Eu preciso estar perto dela. Eu não posso estar dentro dela quando ela está fisicamente machucada assim; mas eu ainda tenho que ter contato físico. Eu preciso dela desesperadamente. Eu envolvo um braço ao redor dela, e me enrolo ao lado dela, colocando minha cabeça em seu colo. Sua mão alcança meu cabelo, e ela começa a correr os dedos pelo meu cabelo, me acalmando. Eu posso sentir o seu olhar penetrante em mim.
"Eu não entendo,” ela murmura.
Eu fecho meus olhos, e me esforço para lembrar o passado, franzindo as sobrancelhas.
"Depois que fui encontrado com a prostituta de crack, antes de eu ir viver com Carrick e Grace, eu estive sob os cuidados do estado de Michigan. Eu vivia em um lar de acolhimento. Mas eu não me lembro de nada sobre esse tempo," eu continuo a dizer, atormentado com a falta de lembranças da época.
"Por quanto tempo?" Ela sussurra sua pergunta.
"Dois meses mais ou menos. Eu não tenho nenhuma lembrança."
"Você falou com sua mãe e seu pai sobre isso?” ela pergunta. Eu nem sequer pensei em perguntar-lhes. Eu não gosto de pedir ajuda a ninguém.
"Não,” eu respondo simplesmente.
"Talvez você devesse. Talvez eles pudessem preencher as lacunas."
Eu a abraço mais apertado, e me enrosco o mais próximo possível de minha esposa. Estendo minha mão segurando as fotos. "Aqui,” eu digo. Ana se inclina e gira a lâmpada da mesa de cabeceira para ver melhor. Ela observa silenciosamente as fotos por um longo tempo.
Finalmente, eu ouço sua voz sussurrada: "Este é você." Seus olhos marejados. Concordo com a cabeça.
"Este sou eu."
"Welch trouxe essas fotos?"
"Sim. Eu não me lembro de nada disso,” murmuro com uma voz plana, insípida e desolada.
"Você quer dizer lembrar-se de estar com os pais de acolhimento? Por que deveria? Christian, foi há muito tempo. É isso que o preocupa?"
"Lembro-me de outras coisas, de antes e depois. Quando eu conheci minha mãe e meu pai. Mas isso... eu não me lembro disso. Isto é como um enorme abismo. "
Sua mão acaricia meu cabelo de novo distraidamente, e eu levanto minha cabeça de debaixo do seu braço.
"Jack está nesta foto?
"Sim, ele é o garoto mais velho," eu digo fechando os olhos bem fechados, tentando me concentrar. Tentando lembrar e tentando esquecer, para empurrar para longe as más recordações. Eu agarro minha esposa com tudo que eu tenho, abraçando-a como se algo fosse me jogar para fora de sua órbita, e eu fosse estar perdido para sempre.

"Quando Jack me ligou para dizer que ele tinha Mia, ele disse que se as coisas tivessem sido diferentes, poderia ter sido ele."
Eu fecho meus olhos e vomito meu epitáfio. "Esse filho da puta!"
É claro que poderia. Se o que a senhora Collier disse sobre a agressividade de Hyde depois de conhecer os meus pais está correto, ele acha que eu o tirei de uma família que ele poderia ter tido. Ele está realmente doente da cabeça.
"Você acha que ele fez tudo isso porque os Grey adotaram você no lugar dele?"
"Quem sabe?" Eu digo em tom amargo. "Eu não ligo uma merda pra ele."
"Talvez ele soubesse que estávamos vendo um ao outro quando eu fui para a entrevista de emprego. Talvez ele planejasse me seduzir o tempo todo,” ela resmunga enojada.
"Eu não penso assim,” respondo, finalmente, meus olhos abertos.  "As pesquisas que ele fez sobre minha família não começam até uma semana ou mais depois que você começou o seu trabalho na SIP. Barney sabe as datas exatas. E, Ana, ele fodeu todas as suas assistentes e gravou-as,” eu digo segurando apertado Anastasia.
Um arrepio percorre Ana. Ela medita por um minuto.
"Christian, eu acho que você deveria conversar com sua mãe e seu pai,” ela insiste enquanto ela se desloca na cama, deslizando para trás, ficando olho no olho comigo. Seu preocupado olhar azul trava com os meus olhos perplexos. Estou atormentado que eu vivi com alguém há muito tempo atrás, e essa pessoa tentou me prejudicar, minha família e negócios, uma e outra vez. Levei muito tempo para descobrir este fato, e o vazio na minha cabeça, a falta de lembranças sobre esse tempo, é um buraco negro dentro.
"Deixe-me chamá-los,” ela sussurra. Eu balanço minha cabeça negativamente. Eu não gosto de pedir ajuda de ninguém, nem mesmo dos meus pais. Aprendi a cuidar de mim, e eu tenho feito isso toda a minha vida. "Por favor,” ela pede. Eu fico olhando para ela, angústia e vacilação enlaçando cada fibra do meu ser, refletindo-se através do meu olhar. Eu não sei se eu deveria ligar para os meus pais. Eu não pedi a eles qualquer coisa há anos. Mas, Ana é a minha rocha. Talvez eles pudessem lançar alguma luz sobre esse tempo da minha vida.
"Eu vou chamá-los," eu sussurro.
"Bom. Podemos ir e vê-los juntos, ou você pode ir. O que você preferir,” diz ela em voz baixa. Eu não quero levá-la para um passeio de carro em seu estado machucada, ou deixá-la sozinha em casa. Se meus pais estiverem disponíveis, eles podem vir aqui. Mas duvido que eles estejam.
"Não. Eles podem vir aqui. "
"Por quê?"
"Eu não quero que você vá a lugar nenhum."
"Christian, eu estou bem para um passeio de carro."
"Não!" Eu digo inflexível, mas sorrio para ela. A viagem pode não ser necessária. "De qualquer forma, é sábado à noite, eles estão provavelmente em alguma função." Eles participam de uma série de instituições de caridade e vão a reuniões sociais com seus amigos e colegas.
"Chame-os,” ela insiste. "Esta notícia obviamente aborreceu você. Eles podem ser capazes de lançar alguma luz,” diz ela. Em seguida, vira a cabeça e olha para o despertador.  São18:54h.  Eu olho para a minha esposa, por um momento, impassível, contemplando. Há apenas em seu rosto, amor e preocupação por mim. Eu não quero adicionar preocupação para seu prato que já está cheio. Ela está grávida, também. Estresse não seria bom para ela ou o bebê.
"Ok," eu concordo. Sento-me e pego o telefone sem fio apoiado sobre a mesa de cabeceira. Enquanto Anastasia envolve seu braço em torno de mim e descansa a cabeça no meu peito, eu respiro fundo e disco o telefone da casa dos meus pais.
"Residência Grey," responde meu pai.
"Pai?" Eu respondo completamente surpreso ao encontrá-lo em casa. Eu liguei para ele em casa, esperando que eles não estivessem lá.
"Oi Christian! Como está a Ana? Você está de volta ao hospital?” Ele pergunta preocupado.
"Ana está bem. Estamos em casa agora,” eu digo e dou outro suspiro. "Welch acaba de sair. Ele descobriu a conexão... "
"Conexão? Com Hyde? "
"Sim. O lar de acolhimento em Detroit."
"Oh! Tinha esquecido totalmente disso!" Então ele fala com alguém com uma voz abafada. "É Christian, querida. Ele descobriu a conexão com o personagem Hyde...” em seguida, ele responde à pergunta de minha mãe. "O lar de acolhimento em Detroit...  Sim, fiquei surpreso também,” diz ele.
"Eu não me lembro de nada disso,” eu digo com uma voz quase inaudível. Ana me abraça mais apertado, e eu aperto seu ombro em resposta.
"Bem, sua mãe se lembra dele."
"Sim?"
"Sim, nós podemos vir e falar com você sobre isso, se quiser."
"Você pode? Você virá? "
"Sim, acho que podemos sair assim que sua mãe puder pegar seu casaco e bolsa."
"Ótimo" eu respondo, desligando. Meus pais estão dispostos a conduzir até aqui para explicar algo sobre o meu passado? Por que ainda estou surpreso com isso?
"Eles estão a caminho,” eu digo a Ana, incapaz de livrar-me do espanto de minha voz.
"Ótimo. Eu deveria me vestir,” diz Anastasia.
Eu a abraço apertado como se eu fosse perder o meu sol se ela se movesse alguns metros de distância para se vestir. "Não vá," eu sussurro.
"Tudo bem,” diz ela aconchegando-se ao meu lado, e me abraçando até que a sensação de perda passasse.
*****      *****
Quando meus pais chegam ao Escala, nós os encontramos na entrada do Salão. Meu pais estão radiantes para nós. Minha mãe faz o caminho mais curto para Anastasia e suavemente a abraça enquanto meu pai aperta minha mão.
"Ana, Ana, querida Ana”, minha mãe, sussurra para ela em gratidão. "Salvando dois dos meus filhos. Como posso lhe agradecer?” Ela pergunta, fazendo minha esposa corar. Então meu pai abraça Anastasia, beijando-a na testa. Mas minha irmã sempre indisciplinada agarra Anastasia e aperta-a forte esquecendo suas costelas  machucadas! Vejo Ana ofegante e estremecendo, enquanto Mia murmura, "obrigado por me salvar daqueles idiotas."
"Mia!" Eu olho furioso para ela. "Você precisa ter cuidado! Ela está com dor."
"Oh! Desculpe,” Mia diz envergonhada.
"Eu estou bem,” Anastasia tenta aplacar. Mas ela tem um suspiro de alívio quando Mia a solta. Ela dá uma boa olhada na minha irmã e observa seus jeans pretos apertados, blusa de babados rosa pálido. Então seus olhos imperceptivelmente derivam para suas próprias roupas. Ela parece simplesmente maravilhosa em seu vestido envelope e sapatilhas. Eu quero que ela esteja confortável enquanto ela está se curando. Mia corre para mim e me dá um abraço forte, colocando os braços em volta da minha cintura.
Uma vez que Mia me solta, os meus pais me olham com expectativa. Eu entrego a minha mãe as fotos. Ambos se inclinam para as fotos, e minha mãe suspira, sua mão imediatamente voa para sua boca para abafar o extravasamento de suas emoções. Seu olhar está pleno de reconhecimento. O rosto do meu pai está sombrio, enquanto ele envolve o braço em torno da minha mãe para emprestar sua força.
"Oh, querido," minha mãe acaricia meu rosto.
Taylor chega à porta de entrada e pigarreia. "Sr. Grey? A Srta.Kavanagh, o irmão dela, e seu irmão estão chegando, senhor."
O quê? Eu não os convidei. Não quando Ana mal chegou em casa e ainda com dor. Eu franzo a testa. "Obrigado, Taylor," murmuro, completamente desnorteado.
"Eu liguei para Elliot e disse a ele que nós estávamos vindo,” minha irmã diz sorrindo. "É uma festa de boas vindas,” diz ela dando de ombros. Então, isso é tudo que ela está fazendo. Meu pais encaram minha irmã com desagrado enquanto Anastasia olha para mim com simpatia.
"É melhor comermos alguma coisa juntos,” Ana anuncia. "Mia, você poderia me dar uma mão?"
"Oh, eu adoraria,” ela responde. Enquanto Anastasia e Mia fazem o seu caminho para a cozinha, eu levo os meus pais para meu escritório.
Depois que meus pais entram, eu fecho a porta, e mostro-lhes as cadeiras diante de minha mesa. Eu vou e fico em pé inclinando na minha mesa.
"Eu não me lembro de nada daquele tempo. Na verdade, esta é a primeira vez que ouvi que eu estive em  um lar de acolhimento. "
"Isso completamente escapou da minha mente também. Faz tanto tempo,” meu pai diz voltando-se para minha mãe.
"Lembro-me bem,” diz ela baixinho, engolindo em seco. "Adotamos Elliot, de modo que éramos aptos como candidatos a pais adotivos. Mas desde que sua mãe biológica morreu e não havia nenhum nome de pai registrado, o estado por lei tinha a obrigação de esperar para ver se algum parente de sangue se apresentava para reivindicá-lo,” diz ela. O meu olhar é duro; meus lábios estão tensos e apertados em uma linha fina. Estou tão feliz que nenhum membro da porra da família veio, qualquer um dos meus parentes de sangue. Se eles não podiam ser uma família decente para sua filha, que bem podiam fazer por mim, exceto contribuir para minha ‘fuckeduppedness’?
"Foram os mais longos dois meses que esperamos, preocupados que alguém pudesse vir e levá-lo. Alguém que poderia ser prejudicial para o seu bem-estar... Eu vi um monte de crianças abusadas nas mãos de seus familiares; você estava no maior perigo, porque você já tinha experimentado isso em sua antiga casa, querido."
"O cafetão era meu pai biológico?" Eu pergunto, me preparando para o pior.
"Não, ele não era,” diz meu pai resolutamente.
"Como você pode ter certeza?"
"Eu o vi na delegacia quando ele foi chamado para dar seu depoimento. Ele não se parece nada com você, e ele negou veementemente que você fosse dele, alegando que ele tinha uma vasectomia, e que ele tinha a prova,  que ele forneceu mais tarde. Estamos cem por cento seguros de que ele não era relacionado com você de qualquer maneira. Ele afirma que sua mãe biológica não sabia quem era o pai,” diz ele e dou um suspiro de alívio.
"Vocês encontraram meus pais de acolhimento?" Pergunto querendo confirmar o que a Sra. Collier afirmou a Welch.
"Algumas vezes. Sendo que a última foi na semana anterior à que os papéis da adoção foram finalizados," minha mãe responde.
"Vocês se lembram de ter visto o outro garoto?" Pergunto a ambos.
"Para ser honesto filho, não estávamos prestando atenção às outras crianças na casa da família de acolhimento. Havia outras crianças em sua casa, mas não sabíamos quais eram os seus próprios ou se haviam outras crianças adotivas. Então, obviamente, não queria ofendê-los de qualquer forma, controlando seus filhos. Nós viemos e passamos um tempo com você e lhe trouxemos um brinquedo, e alguns itens de vestuário básicos." Eu aceno com a cabeça concordando. Eu não sabia nada disso! Aparentemente um simples pedaço de informação, mas um pedaço que faltava do meu passado. Um pedaço importante... Minha mente continua indo de volta para a possibilidade do que teria acontecido se alguém se apresentasse. E se o maldito cafetão chegasse e afirmasse que ele era meu pai e continuasse a abusar de mim? E se...e se... Estou completamente inquieto, tenso e agitado, como se isso tivesse acontecido apenas ontem. Neste momento, eu estou tão fodidamente abalado como se eu tivesse caído do céu sem rumo; eu não me sinto como o CEO dominador da Grey Enterprises Holdings Inc., mas um menino perdido.
Eu balanço minha cabeça. "Eu não me lembro de nada. Lembro-me de toda a outra merda de antes... com a prostituta do crack, o cafetão, o abuso. Ainda tenho pesadelos com eles. E mais, após a adoção. Mas eu não me lembro de nada disso! Nada,”  eu sussurro, meus olhos arregalados.
Minha mãe se chega e prende minha mão na dela.
"Estou muito feliz que você nos chamou para ajudá-lo a se lembrar,” diz ela.
"Ana me disse para chamá-los. Eu não sei se eu teria. Ela queria que eu..."Eu digo encolhendo os ombros.
"Ela é uma garota maravilhosa. Ela o ama, filho. Eu não sei o que nós teríamos feito sem ela. Ela o deu de volta para nós, de muitas formas, acendeu-o como fogos de artifício e, agora, salvou a vida de Mia. Ela vai nos fazer avós, também! Ela é enviada do céu!" Minha mãe jorra com lágrimas como se Anastasia acabasse de andar sobre a água após a cura de uma colônia de leprosos, tudo em uma noite.
"Eu nunca estive tão feliz por ter sido provado que eu estava errado, Christian,” diz meu pai. "O que Ana fez para a nossa família não pode ser reembolsado. Ela colocou sua vida, a vida de seu bebê em perigo, pela nossa filha, e ela o ama loucamente. Ela faz com que você se comunique conosco. Você percebe quanto tempo se passou desde que nós tivéssemos este tipo de coração a coração ou até mesmo próximo a ele, sem contar o hospital?"
"Isso seria quase nunca".
"Não é porque não tentamos. A última vez que eu realmente tentei chegar até você foi quando você deixou Harvard e tivemos aquela explosão. Depois disso você colocou paredes mais espessas em torno de você, filho. Depois disso, não importa o que eu fizesse, o quanto eu tentasse me conectar com você, você estava distante; quilômetros de distância. Sempre cordial, respeitoso, mas uma entidade independente, não mais um pai-filho, apesar de eu ter tentado estar perto de você. Isto ,” diz ele apontando ao redor da sala com a mão," isto é uma primeira vez. Mas estou feliz em saber que você está perto de sua mãe. Eu quero que você saiba, nós..." ele se corrige, "... nós queremos que você saiba que você deve ser capaz de chegar até nós com qualquer coisa, sem temer ou esperar  nosso julgamento ou crítica, ou apreensão,” diz ele enquanto minha mãe acena com a cabeça concordando com fervor, com os olhos cheios de lágrimas, uma mão segurando a minha, a outra sufocando um soluço sobre sua boca.
"Nós só temos que agradecer a Ana por dá-lo de volta para nós," minha mãe sussurra.
"Eu sei mãe. Você se lembra de mais alguma coisa sobre a minha casa de acolhimento?" Pergunto a meus pais.
"Bem, quando nós visitamos você, a mãe de acolhimento fez alguns deliciosos assados, ​​o que foi surpreendente e ofereceu-nos um pouco e você parecia amar seus doces, e ela estava preparando o jantar, quando estávamos nos preparando para sair, que cheirava celestial. Ela era muito educada. Nos pediu para ficar para o jantar, mas não queríamos nos intrometer com eles, e fomos embora. Faz um longo tempo, mas eu me lembro disso,” diz a minha mãe.
"Obrigado por compartilhar esta informação, mamãe e papai,” eu digo, ainda triste e abalado. Eu me levanto. Minha mãe me entrega as fotos de volta, e eu coloco-as na minha mesa. Estou girando a um milhão de km por hora; tanta merda para organizar na minha cabeça. Eu levo meus pais para fora do meu estúdio, em transe. Os sons altos de visitantes nos saudam fora da porta. Quando volto para o salão, depois dos meus pais, eu ainda estou pálido, mas quando vejo Anastasia com uma taça de champanhe na mão, meus olhos se arregalam. Que diabos ela está pensando? Ela não pode ter álcool quando ela está grávida!
A Million Miles an Hour - Eastern Conference Champions

Vejo Katherine Kavanagh, e cumprimento-a friamente enquanto caminho em direção a Anastasia. "Kate".
Ela responde: "Christian,” na mesma medida fria. Meus olhos estão presos na taça que Anastasia está segurando. "Seus remédios, Sra. Grey," eu digo incisivamente. Ela estreita os olhos para mim. Minha mãe se junta a nós com sua própria taça de champanhe.
"Um gole vai ficar bem,” diz ela com uma piscadela. Eu carranco para as duas.
"Ei, mano! Você viu o jogo Mariners e  Rangers?” Ele pergunta.
"Não. Como foi isso? "
"Perdemos de 7 a 6. Mas foi um grande jogo!"
"Quem marcou?" Pergunto  seguindo-o para o sofá.
"Bem, Gentry sozinho pela esquerda, e Napoli, fizeram o gol dos Rangers primeiro. Mas, então, Suzuki chegou pelo campo interno sozinho para Kennedy e Ryan marcarem e Saunders em segundo...” ele começa a dar-me jogada por jogada.
Meus olhos se voltam para minha esposa, que é abraçada pelos meus pais que estão  beijando suas bochechas e falando com ela. Minha irmã se senta ao lado de Ethan Kavanagh e eles estão de mãos dadas. Ethan salta para a conversa.
"Você perdeu um grande jogo, Christian! Esteve tão perto. Eu realmente pensei que nós iríamos ganhar! Carp marcou para a direita, e Seager marcou para os Mariners, mas não foi o suficiente para ganhar! Aposto que teria ganho se o jogador Brendan Ryan dos Mariners não deixasse o jogo no alto do terceiro tempo com espasmo no pescoço!” Diz entusiasmado.
"Vamos lá! Essa merda não é nada demais!" meu irmão diz.
"É claro que é! Andrus e Hamilton do Rangers bateram em casa, bateram por cima no terceiro tempo, cara! Precisávamos dele... "
Quando meus pais e Anastasia caminham de volta para o salão, Anastasia vem e se aconchega perto de mim com a sua bebida ainda em sua mão.
"Um gole," Eu sibilo para ela, e tiro o copo da mão dela.
"Sim, senhor,” diz ela completamente submissa, enquanto bate os cílios e me desarma imediatamente. Coloco meus braços em torno dela, puxando-a para mim, e tendo minha família por perto, volto para o meu irmão para continuar a falar sobre o último jogo dos Mariner.
Depois de todos terem comido, e os pratos retirados, enviamos a minha família, e os Kavanagh embora. Minha esposa precisa de descanso.
Eu seguro a mão de Anastasia; levo-a de volta ao nosso quarto.
"Meus pais acham que você anda sobre a água,” murmuro enquanto eu tiro minha camisa. Ela está na cama enrolada e me olhando, me fodendo com os olhos, para meu prazer.
"Que bom que você pensa de forma diferente,” ela bufa.
"Oh, eu não sei,” eu digo enquanto eu tiro meu jeans.
"Eles preencheram as lacunas para você?"
"Algumas. Eu vivi com os Collier por dois meses, enquanto mamãe e papai esperavam a papelada. Eles já estavam aprovados para adoção por causa de Elliot, mas a espera é exigida por lei para ver se eu tinha parentes vivos que queriam me reivindicar.”
"Como você se sente sobre isso?” Ela pergunta empurrando-me para minha preocupação anterior.
Eu franzo a testa. Eu não gosto nada disso. "Sobre não ter parentes vivos? Foda-se isso. Se eles fossem parecidos como a prostituta drogada ..." Eu digo com nojo. Eu não digo o resto do pensamento. É perturbador o suficiente do jeito que é.
Eu coloco meu pijama, subo na cama e puxo minha esposa para a segurança de meus braços.
"Isto vai voltar para mim. Lembro-me da comida. A Sra. Collier sabia cozinhar. E, pelo menos sabemos por que o filho da puta está sobre minha família." Oh, merda! Eu me lembro! Lembro-me de outra coisa. "Porra!" Murmuro enquanto minha mão percorre meu cabelo. Estou boquiaberto, em  choque, para Anastasia.
"O quê?” Ela pergunta interessada.
"Faz sentido agora!" declaro.
"O quê?” Ela pergunta exasperada.
"Passarinho. A Sra. Collier costumava me chamar de Passarinho.”
Anastasia me olha fixamente. "Isso faz sentido?” ela pergunta erguendo as sobrancelhas, confusa.
"A nota,” eu digo olhando para ela. "A nota de resgate que o filho da puta deixou. Foi algo como 'Você sabe quem eu sou? Porque eu sei quem você é, Passarinho’."
Anastasia ainda olha para mim com um olhar vazio.
"É de um livro infantil. Cristo! Os Collier tinham. Ele se chamava, 'Are You My Mother’? Merda! Eu amava  esse livro," Eu digo com meus olhos arregalando. Lembro-me agora! As lembranças vêm em inundações.
A compreensão atinge os olhos de Anastasia.
"A Sra. Collier costumava ler para mim." Seus  lábios abrem para dizer algo, e fecham  novamente, sem saber o que dizer.
"Cristo. Ele sabia... O filho da puta sabia! "
"Você vai dizer à polícia?"
"Sim. É claro que eu vou. Cristo sabe o que Clark vai fazer com essa informação,” Eu balanço a cabeça tentando limpar a minha cabeça da merda Hyde. "De qualquer forma, obrigado por esta noite."
"Por quê?” Ela pergunta.
"Catering para a minha família em um piscar de olhos."
"Não me agradeça, agradeça a Mia e a Sra. Jones. Ela mantém a despensa bem abastecida." Eu balanço minha cabeça. Ela não entende como ela é especial. Minha esposa ainda tem dificuldades  em receber um elogio.
"Como você está se sentindo, Sra. Grey?"
"Bem. Como você está se sentindo?” Ela me pergunta. Estou perfeitamente saudável.
"Eu estou bem,” eu digo franzindo a testa. Pareço doente?
Ela sorri e começa arrastando os dedos para baixo na minha barriga e no meu caminho feliz. Eu pego suas mãos, sabendo exatamente o que ela está tentando fazer. "Oh, não. Não tenha idéias."
Ela faz beicinho, fazendo-me suspirar. Estou morrendo de vontade de fazer amor com ela. Mas eu não posso, quando ela não está bem o suficiente. "Ana, Ana, Ana, o que eu vou fazer com você?" Pergunto beijando seu cabelo.
"Eu tenho algumas idéias,” diz ela se contorcendo ao meu lado. Mas ela imediatamente estremece, e segura suas costelas automaticamente com a dor.
"Baby, você já passou por muita coisa. Além disso, tenho uma história para dormir para você."
Ela olha para cima piscando. "Você queria saber..." Eu digo, minha voz sumindo. Eu engulo, inquieto, mas ainda determinado a despir a minha alma para a minha esposa. Seus olhos se arregalam com a compreensão. Eu me viro deixando minha esposa sem fala, para variar.
"Imagine isto, um adolescente procurando ganhar algum dinheiro extra para que ele possa continuar seu hábito de beber em segredo,” eu começo minha história. Eu me viro na cama, então eu estou de lado e estamos deitados cara a cara. Eu olho nos olhos de Anastasia, querendo  capturar toda a sua reação.
"Então, eu estava no quintal, nos Lincoln, limpando os escombros e lixo da extensão que o Sr. Lincoln tinha acabado de adicionar ao lugar..."
As mandíbulas de Anastasia caem abertas,  completamente chocada por que estou compartilhando minha história mais sombria com ela. Mas, esta é uma noite de revelações. Eu não quero nada não dito entre nós. Ela é minha esposa, a mãe de meu filho que vai nascer, ela é meu tudo.




 Roberto Carlos - Como É Grande o Meu Amor Por Você.

           

 

Como é grande o meu amor por você

Roberto Carlos

Eu tenho tanto pra lhe falar
Mas com palavras não sei dizer
Como é grande o meu amor por você
E não há nada pra comparar
Para poder lhe explicar
Como é grande o meu amor por você
Nem mesmo o céu nem as estrelas
Nem mesmo o mar e o infinito
Não é maior que o meu amor
Nem mais bonito
Me desespero a procurar
Alguma forma de lhe falar
Como é grande o meu amor por você
Nunca se esqueça, nem um segundo
Que eu tenho o amor maior do mundo
Como é grande o meu amor por você
Nunca se esqueça, nem um segundo
Que eu tenho o amor maior do mundo
Como é grande o meu amor por você
Mas como é grande o meu amor por você


38 comments:

Andrea Leoncio said...

Bom dia!!!!
A insonia me pegou novamente, e eu estou feliz que tenho este capitulo sensacional para ler.
Li os últimos comentários e não posso acreditar! o blog esta fervendo de entusiasmo e alegria, cafezinhos deliciosos e receitas regionais, todo mundo fazendo contato e planos de se encontrar pessoalmente...só tenho uma coisa para dizer...ESTOU DENTRO!!!! vcs são adoráveis!
Por favor me add, vou encontra-las!

A vc Neusa o meu agradecimento, pois sem vc nada disso seria possível.
Emine querida, espero que vc esteja bem, saiba que estaremos aqui torcendo por vc...e como pode ver aprendemos a nos divertir enquanto esperamos...rsrsrsr

Bjos para todas e um ótimo dia!!!

Neusa Reis said...

Bom dia meninas, antes tarde do que nunca, né. Demorei um pouco mas aqui estou. Andrea, o prêmio da semana é seu graças a sua insônia. A primeira que deixou comentário. Eu leio tudo mas não tenho escrito muito porque estou nesta corrida louca atrás da Emine para alcançá-la. Se vcs soubessem as peripécias que faço para traduzir em locais os mais inesperados!!.Rsrsrs... E trabalho o dia todo! Capítulo lindo outra vez, que termina com a cereja do bolo: Roberto Carlos. Ah Emine, vc é demais.
Não preciso nem dizer que vcs são lindas, dando show de comentários, encontrando formas de passar o tempo para esperar os capítulos, conversando entre si. E o nosso cafezinho está ganhando fama e está vindo gente cada vez em maior nr. e de mais longe para tomar. E a variedade de opçôes para acompanhar o café cada vez maior. E batemos record no último, até onde vi, 68 comentários. Mas não fiquem brincando no facebook e esquecendo de vir brincar aqui, hem? Eu só olho aqui, meu face está meio que desativado.
E claro que o cap. está lindo, o Christian cuidando da Ana quando chegaram em casa, a doçura, o cuidado ao dar-lhe banho, o que ele pensa e diz, meu Deus, só Christian. E o próximo, um capítulo duro, com a Bitch Troll, tive a sensação de um sequestro, em que o sequestrado não consegue se desapegar do sequestrador, Síndrome de Estocolmo.Beijos queridas, vcs me fazem ganhar meus dias, todos os dias, com seus comentários.
E esperando a escolha do Christian com muita inquietação...

Anonymous said...

Mais um capítulo maravilhoso. Parabéns mais uma vez Emine e Neusa. Abraços a todas vcs. Kel

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Ai ai ai..não creio e de novo não vou poder ler agora!!

mais tarde eu volto!!

Bjs meninas e bom dia!!!

Olidelgi said...

Oba, capítulo novo!!!!! Vou começar a ler, depois volto pra escrever mais um pouco. Valeu, Neusa.
Bjs,
Olidelgi

Sandra said...

Terminei de ler agora!!! Obrigada Neusa pelo seu tempo ... obrigada Emine !! Tenho paiXão por essas história de AMOR! Beijos especiais a todas no blog.

Renata Domingues said...

Perfeito como sempre!!
Vou participar desse cafezinho tbm, apesar de não gostar muito de café , vou de suco com bolo de laranja!! Vou agora para o almoço com um mocotozinho que fiz!! Delicia quem quiser um pouco é só falar já estou me sentindo em casa kkkk
Muito anciosa pelo próximo meninas vcs estão de parabéns !!

Anonymous said...

Ah meu Deus, não poderei ler agora também. Voltarei mais tarde meninas... Bjs Pry

Daysi Cristina said...

Oie... Bom dia!! Todo santo dia venho aqui,virou meu point obrigatório (risos). Que alegria ver mais um capítulo, esse capítulo cheio de fortes emoções. Ai o amor é lindo e transformador de fato, feliz d+ por conhecer esse lado do Christian, graças a vc Neusa e a Emine claro. Só comentando, sempre ouvi falar da trilogia e sempre eram os mesmos comentários maldosos, é uma "putaria só, o homem que bate na mulher e ela que gosta, como pode?! Era, na verdade SÃO comentários que me deixam muitas vezes irritada (risos) eu defendo sempre que ouço tais comentários, por exemplo com esses recentes acontecimentos sobre o elenco para o filme, nossa as chamadas que li eram horríveis, dizendo que o filme seria pornô, erótico e etc".

Mas, enfim, nós que lemos e relemos e gostamos da trilogia é que sabemos e nós claro, nos entendemos ;)

Vejo pelos comentários que estão todas unidas e o bate papo rola solto, estão até planejando encontros. Que legal!! Infelizmente eu não poderei participar desse encontro :D eu moro em Manaus/AM... Bem aqui pertinho!! Mas sempre estarei por aqui, pq eu quero saber o desenrolar dos pensamentos do Sr. Grey!! hehehe

Beijos meninas

Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Neusa minha amiga obrigada por esse capítulo, ansiosa para ler daqui a pouco com um cafezinho delicioso, Abraços Joenes

Kenya Coutinho said...

Neusa, você é maravilhosa! Obrigada pro mais um capitulo! Bjo

Alice said...

Aiaaiai.... Neusa querida, esse Cristian e muito maravilhoso e ainda pra arrematar me colocam Roberto Carlos?! e vc ainda deu uma canja do que vem no próximo capítulo, pra não falar no frenesi que estou pela escolha do novo CG.... HAJA CORAÇÃO.
Dispensei o cafezinho ... To muito nervosa.
Emineeeeee ...... Neusaaaaaaaa.... já falei que amodoro vocês?! .. já?! ... pois então to repetindo :0)
Beijos amigas do blog

PS: mocotó , arroz com pequi, bolo de laranja, suco, quantas gostosuras. Obrigada pelo convite amigas
Alice

Anonymous said...

Meninas , Emine e Neusa

Adoro essa interaçao toda!!!
Estive fora por alguns dias q quando chego dois capitulos maravilhosos!!! E com o nosso Rei no final!! Lindo !
Bjs Lala

Anonymous said...

Oiiii meninas já li bem rápido, para matar a ansiedade agora vou ler bem calma , saborear mais como se fosse um mousse de morangos kkk
Neusa querida mais uma vez obrigada ontem vim ao blog 5 vezes não aguentava mais, Emine beijo grande, agora somos amiga no face, noticias mais próximas ,e Dayse já faz algum tempo que simplesmente ignoro certos comentários sobre a trilogia, só do meu olhar de paisagem que aprendi com o Cristiam e o Taylor kkkk beijo a todas nesta hora apenas um chazinho to atrasada hoje.

ROSI

Anonymous said...

Oiiii meninas já li bem rápido, para matar a ansiedade agora vou ler bem calma , saborear mais como se fosse um mousse de morangos kkk
Neusa querida mais uma vez obrigada ontem vim ao blog 5 vezes não aguentava mais, Emine beijo grande, agora somos amiga no face, noticias mais próximas ,e Dayse já faz algum tempo que simplesmente ignoro certos comentários sobre a trilogia, só do meu olhar de paisagem que aprendi com o Cristiam e o Taylor kkkk beijo a todas nesta hora apenas um chazinho to atrasada hoje.

ROSI

Leda Carneiro said...

Estou adorando essa interação das meninas! Leio todos os comentários.
Capítulo lindo...apaixonante e com o nosso Rei no final!! Valeu Eminé.
Neusa querida até imagino os locais que anda traduzindo para não perder tempo e não nos deixar esperando por muito tempo, estamos sempre querendo o próximo capítulo.....heim! Somos insaneáveis, né!!!
Bjs

Nair Sousa said...

Nossa que delicia, assim que chegar em casa vou ler, não via a hora de ler mais um capitulo. bjs a todos

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Oi meninassssssss, Emine, Neusa...
Agora sim, li o capitulo!
Deslumbrante, emocionante, que lindo!

Neusa será que posso imaginar os lugares? melhor não!! rsrsrs. você é fantástica mesmo, trabalhando tanto só para nos dar essa alegria. E a Emine então, ela não para nunca!!!
Não se preocupe, jamais as deixaremos, vocês são responsáveis por toda essa interação, o FB é só uma maneira que encontramos para estreitarmos nossos laços.
Daysi já escutei cada absurdo também e é bem o que a Rosi falou, faça cara de paisagem!! rsrsrs!!
Estamos querendo marcar sim um encontro, mas nada foi discutido ainda, imagino que devemos planejar, escolher uma data, que imagino que não será este ano, um local bom para todas, então pense com carinho nesse encontro.
Sandra, Renata, Alice com todas essas guloseimas vamos precisar malhar muito, vamos ter que chamar o personal do Sr. Grey...rsrsrs...GESSSSUUIISSS!!
Daniela Martins...barreado é uma comida típica do litoral do paraná é feito com carne bovina, geralmente carne de segunda, como dizia minha mãe, eu faço com músculo, bem temperadinha com louro, cominho, coentro, cebola, alho, tomate e bacon.
Dizem(não sei se é verdade não sou daqui do paraná) que esse nome barreado se deve ao fato desta carne ser cozida em uma panela de barro, tampada e lacrada com uma mistura de barro com água. Na verdade eu só vi o lacre feito com farinha de mandioca com agua. Eu faço na panela de pressão e dizem que fica igualzinha.

Nossa estou parecendo a Neusa, falando com cada uma de vocês...rsrsrs.
O que quero dizer é que eu estou adorando poder fazer parte dessa família, como disse ontem..dessa turma de doidinhas, adorando conhece-las através do FB ou do gmail.

Podem me procurar gente...adoro!!!
Já falei demais!!

Beijos...á TODASSSSSSS!!
Inté manhã...

Rosângela

Ediene O Maia said...

OI meninas!!
Estou adorando essa interação de todas, estou amando cada capítulo, estou adorando os comentários de vocês. Sempre estou entrando no blog para ler os comentários de todas vocês e vê se tem capitulo novo......
Estou adorando essa conversa de todas vc com café, bolo, pão de queijos, mas eu não sou de tomar café, ou eu tomo um pouco de suco mais a minha preferencia e um belo copo de água rsrsrsrs
Emine como sempre nos surpreendendo com um grande capítulo e com a música do grande cantor Roberto Carlos.
Neusa da pra imaginar cada lugar que vc tem que passar para poder traduzir cada capítulo pra todas nós poderem ler cada capítulo maravilhoso, mais uma vez vc nos surpreende com os seus esforços, muito obrigada Neusa...
Beijos!!

Tati said...

estou adorando!!! estou meio sem tempo!! mas meninas assim que sobrar um tempinho vou catar vcs no face!!!!
neusa e emine sempre maravilhosas111 BJS

Anonymous said...

Bom dia, meninas!!! Que capítulo! Lindo, cheio de amor!
Também faço cara de paisagem frente aos comentários inúteis relacionados à trilogia.
E Rosângela, com o Sr. Grey como personal, adeus rapidinho às calorias!!! kkkk
Mais uma vez obrigada Neusa e Emine!
Abraços, Pry

Natii said...

Nossaaaa, como eu fico feliz quando leio cada capitulo que vcs nos proporciona meninas, sem palavras viu, adorooo muitooo e ficou mais que feliz que outras meninas estao comentando bastante tambem, fico ansiosissima quando nao tem um novo capitulo, mas nao tem problema re-leio os anteriores que é bom demais,vcs Emine e Neusa são pessoas maravilhosas que nos faz feliz com essa historia lindaa, amooo muitooo ....

E como sempre e para sempre ansiosaaa pelos proximoss!!!

Bejos a todas da Natii

Viviane Oliveira said...

Retardatária chegando.... Olá meninas, vi o cap. só ontem, mas como leio os comentários 1°, me dei ao luxo de esperar para ler a noite, bem acomodada em minha cama, ao som de Como é grande o meu amor por vc. Resultado, mta emoção. Neusa e Emine, sei que é redundante, mas ñ há nada a dizer além de PARABÉNS E OBRIGADA. Mais um belo capítulo, costurando as brechas que para mim ficaram no original. SIMPLESMENTE amo a riqueza dos detalhes.
Amigas do blog e face, mto bacana todos os comentários, família aumentando.... Muito legal mesmo. Isso aí, vamos nos achando!!!
Bjo pra todas.
Mega ansiosa por mais...
Vivi

Neusa Reis said...

Oi meninas não posso resistir a vir aqui dizer a vocês que o próximo capítulo vai deixar vocês louquinhas. É muito intenso, muito, muito. Tenho que dar umas paradinhas para respirar. Não é para chorar (rsrsrs) como sempre faço. A Emine se superou em muito, muito. A gente vai até o fundo da alma de Christian Grey. E odeia a Bitch Troll até o último fio do cabelo dela. Realmente o que ela fez é inominável. Aguardem e depois me digam. Bjs

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Nesa Neusa Neusa!!!

Você depois desse comentário....affiii...naõ vejo a hora de ler!!

Também não suporto essa tal de Elena..já li o capitulo em ingles..mas nada se compara a sua tradução (meu ingreis é ruim pra carapipipipi)recoro ao google tradutor que é pior que o meu ingles...rsrsrs...
Aguardando anciosamente pelo capitulo e obrigada sua linda por fazer isso por nós!!

Meninas....boa noite...bom final de sexta e bom final de semana!!

Amanhã é meu aniversário de casamento 28 anos....não estarei disponível pra vocês!! rsrsrs...vou ficar o dia inteirinho com meu maridão...affiiii!!

Beijos

Rosângela


Anonymous said...

Rosangela parabéns aproveita bem o dia com tudo que tem direito!!!!!
Neusa sorte tua que não sei teu endereço depois deste comentário
quero morrer cada pouco entrando aqui em qualquer lugar para ver as novidades Meninas a todas um beijo bom final semana.

Rosi

Viviane Oliveira said...

Rosangela querida, super parabéns pelo seu niver de casamento, é encantador conhecer histórias como a sua, de muito amor e superação. Que o dia seja perfeito, com muito romantismo que é o que merece uma pessoa sensível e de bem com a vida como vc. Parabéns ao seu maridão tbém.
Neusa vc realmente quer nos matar né??? Ainda bem que ñ sou cardíaca.... POR FAVOR, POR FAVOR, POR FAVOR, POR FAVOR não demore muito, agora sim, vou entrar de cinco em cinco minutos, acho até que vou colocar uma alerta no google..... Kkkkkkkkkkkk
Bjs pra todas.
Bom findi!!!
Vivi

Glenda Castro said...

Tão lindo esse cuidado de Cristian com Anatasia,o banho,o carinho e a paciência do desejo reprimido,ai ai...simplesmente maravilhoso.
Nunca me canso de te agradecer Emine,por nos proporcionar esses momentos maravilhosos,e a vc Neusa querida por seu empenho diario.Eu li ontem de madrugada,mas não conseguir comentar.Li vários comentários e fico feliz por estar conhecendo novas pessoas,fazendo amizades tanto aqui no Blogger,como no FB.
Querida Daysi Cristina também sou de Manaus,pelo menos uma amiga por perto,rsrs
Querida amiga Rosangela Maria,parabéns pelo aniversário de casamento,estou quase chegando perto de vc,ano que vem faço Bodas de prata,e te desejo o melhor pra vcs dois.
A todas as meninas do Blogger desejo um ótimo fim de semana,bjs

Kátia said...

Primeiro parabéns a Rosângela!!! Mais outros 28, e outros e outros.... sempre com muito amor, paixão e carinho...
Oi meninas! Estava de férias e fui passear com a família e só agora consegui ler os capítulos 3, 4 e 5! (POUCO ATRASADA RSRSRS). Já tinha lido-os em inglês, mas na língua pátria é muito melhor!!! Não tenho FB, mas pretendo criar um a vou pedir add a vcs! Só de ler os "cafezinhos" a gente já engorda, mas aceito tudo e agradeço! Hoje o meu cafezinho foi sanduíche (preparado pelo maridão, é a especialidade dele :) ) com cola cola. Servidas? (Do sanduíche é claro, pois não compartilho rsrsrsrs)
Abraços e bjinhos a todas!!!!!!

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Oi meninas.....boa noite..antes de ontinuar minha noitada..rsrsrs...passei por aqui não resisti pra ver se tinha capitulo novo!!

Agradeço muito as mensagens...
Nossa to me sentindo especial...obrigada Rosi, Viviane, Glenda pelo carinho eu que me sinto honrada em conhece-las e poder fazer parte dessa família!!

E Katia faça sim o face e venha fazer parte desse bando de doidinhas!!

Beijos...agora vou ser feliz!!! rsrsrs

Rosângela

Neusa Reis said...

Oi Rosangela, li seu comentário agora de manhã e espero que você tenha sido muito feliz... E que seus 28 anos se multipliquem com a mesma alegria que você está sentindo agora. Muitos beijos ao casal.

Daniela Martins said...

Bom domingo a todas vcs!
Mais uma vez ovacionando Eminé e Neusa!
Temos que aplaudir esse lindo trabalho!
Rosangela, este barreado parece ser delicioso.
Acho que aqui em Go conhecemos como carne de panela (feita na panela de pressao).
Minha mae faz e fica deliciosa tambem, mas nao coloca bacon!
Meninas, bom restinho de fds para vcs!
Bjkas
Dani
;-)

Liliana said...

adorei este capitulo, na verdade eu adoro todos eles! rs estive um pouco ocupada essa semana . Neusa como sempre traduzindo maravilhosamente. E Emine voce é demais..
bjus e boa semana

Fer G. said...

Oi Neusa,Emine e meninas.Atrasada nos comentários ,mas não deixo de fazê-lo.Esse capítulo foi lindo.CG é de matar! obrigada por tudo.bjs

Cora said...

Oie meninas! Como muitas aqui eu li e reli 50 Tons, depois de uma síndrome de abstinência...kkkk...sem Cristian ou Ana, encontrei esse lugar maravilhoso em que Emine e Neusa nos brindam com estes capítulos na visão do CG. Também venho aqui todos os dias pra ver se tem alguma novidade. Eu vou de chá como a Ana...kkk
Bjus

jean konell said...

Oi... Nossa! descobri seu blogs, faz uma semana e não consigo desgrudar rsrsrs.... Parabéns.. Adorei.. Estou ansiosa para o próximo capítulo. Estou em crise de abstinência rsrs..

Daniela Martins said...

Boa noite!
Passando de novo para bater o meu ponto e dizer que sou completamente, absolutamente, loucamente e irremediavelmente apaixonada por tudo isto aqui!
Nos ultimos paragrafos segurei a respiraçao!
Christian começando a contar toda a sua historia com a cobra Elena!
Emine, obrigada!
Obrigada, Neusa, pela traduçao linda!
Bjkas
Dani
;-)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry