StatCtr

Friday, March 8, 2013

Livro 1 - Capítulo XXI - Christian Grey e Anastasia Steele


CAPÍTULO VINTE E UM
DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO
Tradução:  Neusa Reis                                                                             
Edição/Revisão: Beatriz Reis


"Você precisa de uma bebida ou de alguma coisa?" Eu pergunto.

"Não", ela responde. Grande, nem eu.

"Ótimo. Vamos para a cama," eu digo. Ela levanta a sobrancelha para mim.

"Você vai se contentar com a simples antiga baunilha?" Ela pergunta se divertindo.

Eu tombo minha cabeça para um lado, dizendo: "Nada simples ou antigo sobre baunilha; é um sabor muito intrigante."

"Desde quando?" Ela sonda.

"Desde sábado passado. Por quê? Você estava esperando algo mais exótico? " Eu pergunto.

"Oh, não. Eu já tive bastante exótico por um dia , " ela responde. Eu tenho um brilho perverso nos olhos.

"Você tem certeza? Nós atendemos a todos os gostos aqui - pelo menos 31 sabores , " eu digo sorrindo para ela licenciosamente.

"Eu percebi", ela responde secamente. Eu balanço minha cabeça para os seus caminhos provocantes.
"Vamos Srta Steele. Você tem um grande dia amanhã. Quanto mais cedo você estiver na cama, mais cedo você vai ser fodida, e  mais cedo você pode dormir ", eu digo a ela de forma prática. 



I Know You Want Me by Pitbull

"Por que Sr. Grey, você é um romântico nato", diz ela me fazendo parar, de repente, com este comentário de sua boca inteligente. Como eu amaria domá-la, baby!

"Srta Steele, você tem uma boca inteligente. Talvez eu tenha que subjugá-la de alguma forma. Venha ," eu digo levando-a pelo corredor até o meu quarto, e eu não tenho paciência para me virar e fechar a porta, então eu a chuto fechada.

"Mãos para cima," eu comando, todo negócios. Ela levanta os braços para cima, e eu removo seu vestido com um movimento rápido, e digo: "Ta da!" Brincando, como um mágico.

Ela ri, derretendo meu coração e aplaude. Eu me curvo para ela em resposta. Eu coloco o vestido em uma cadeira.

"E para o seu próximo truque?", ela me sonda, provocando.

"Oh, minha querida, Srta Steele. Vá para minha cama," eu rosno, "então eu vou lhe mostrar."

"Você acha que por uma vez eu deveria bancar a difícil", ela pergunta coquete. Isso tem possibilidades, e eu estou excitado e animado, mas, se ela bancasse a difícil, ou fugisse de mim, mesmo em um jogo, eu teria momentos difíceis.

"Bem", eu digo, "a porta está fechada. Não sei como você vai me evitar ," acrescento debochando. "É uma aposta ganha, baby."

"Mas eu sou uma boa negociadora", ela refuta.

"Eu também," eu digo encarando-a. Mas, então, eu tenho a sensação de que ela não quer transar comigo. Posso lidar com isso?

"Você não quer foder?" Eu pergunto.

"Não", ela respira. Algo dentro de mim se despedaça com sua resposta.

"Oh," eu digo franzindo a testa.

Ela respira fundo, fecha e abre os olhos momentaneamente e diz: "Eu quero que você faça amor comigo." Sua resposta me paralisa, e eu olho para ela fixamente tentando processar essa informação. Minha expressão escurece com o que eu sei , o que eu quero, e o que eu quero está bem diante de mim.

"Ana, eu..." Eu digo , incapaz de completar a frase. Eu corro as duas mãos pelos meus cabelos, em dupla exasperação. Isto é o que eu sei. Alterar os meus caminhos é extremamente difícil para mim, para não mencionar que me dá aflição. Mas, não é a foda uma forma de fazer amor, afinal? Pelo menos para mim com Anastasia é.

"Eu pensei que nós fazíamos?" Eu digo interrogativamente.

"Eu quero tocar em você", diz ela, e eu dou um passo para trás involuntário. Não! Eu não posso, mas Deus sabe que eu quero que ela o faça. Mas, é o meu limite rígido. Ser tocado é insuportavelmente doloroso para mim, fazendo-me sentir como se eu tivesse as mãos do cafetão , batendo, apagando o cigarro no meu corpo. Eu nunca fui capaz de superar isso, e é um pouco mais que tortura. Estou com medo disto. Mas, então, eu consigo colocar meu rosto impassível, me recuperando, tomando o controle da situação.

"Oh não, senhorita Steele," eu digo. "Você teve concessões suficientes de mim esta noite. E eu estou dizendo que não."

"Não?", ela pergunta desapontada.

"Não", eu reitero firmemente.

"Olha, você está cansada. Eu estou cansado. Vamos apenas para a cama ," eu digo embora isso é a coisa mais distante do que eu quero fazer agora.

"Então, o toque é um limite rígido para você?", Ela pergunta.

"Sim. Isto não é novidade," eu digo , impassível.

"Por favor, me diga por que", ela pergunta.

"Oh, Anastasia, por favor. Basta deixar isso prá lá agora," eu digo exasperado. Como posso começar a dizer-lhe a profundidade de minha depravação, como estou fodido desde os meus primeiros anos?

"É importante para mim", ela sussurra. Eu corro minhas mãos pelo meu cabelo de novo; exasperação está correndo solta. Ok, não vamos foder esta noite. Eu vou para o meu armário e puxo uma t-shirt para ela colocar, e a jogo para ela. Ela pega, confusa.

"Ponha isso, e vá para a cama", eu atiro , completamente irritado. Ela franze a testa, vira as costas, tira o sutiã, e põe a t-shirt apressadamente. Ela deixa a calcinha, eu noto.

"Eu preciso ir ao banheiro", diz ela pedindo permissão em um sussurro. Eu franzo a testa, confuso. Por que ela está pedindo permissão agora?

"Agora você está pedindo permissão?" Eu digo.

"Uhm... não." ela responde.

"Anastasia, você sabe onde é o banheiro. Hoje, neste momento de nosso estranho acordo, você não precisa da minha permissão para usá-lo," eu digo irritado. Eu tiro minha camisa, enquanto ela corre para o banheiro. Eu tiro minhas calças e cueca fora, e coloco minha calça de pijama que pendura nos quadris. Guardo minhas roupas. Eu finalmente caminho até a porta do banheiro, e bato.

"Entre", diz ela com a boca cheia de pasta de dente. Eu fico na porta divertido que ela está usando a minha escova-de-dentes de novo. Seus olhos pegam os meus no espelho. Ela avalia-me com seus olhos, e ela parece gostar do que vê. Eu finalmente sorrio para ela e venho para ficar ao seu lado. Sem tirar os olhos dos meus, ela enxágua minha escova de dentes, e a estende para mim. Eu tenho humor nos meus olhos.

"Não hesite em pegar emprestada minha escova-de-dentes", eu digo gentilmente zombando dela.

"Obrigado, Senhor", ela responde sorrindo docemente, voltando para o quarto. Eu rapidamente escovo meus dentes, e a sigo para o quarto.

"Você sabe, não foi assim que eu vi esta noite acontecer", eu resmungo petulantemente.

"Imagine se eu dissesse a você que você não pode me tocar", diz ela, e o pensamento disto é aterrador. Eu subo na cama e sento-me de pernas cruzadas.

"Anastasia, eu já lhe disse. Cinqüenta tons. Eu tive um começo difícil na vida... Você não quer essa merda na sua cabeça." Eu digo. É horrível demais para saber. "Por que você quereria?"

"Porque eu quero lhe conhecer melhor", ela responde.

"Você me conhece bem o suficiente", eu respondo.

"Como você pode dizer isso?", Diz ela ficando de joelhos, finalmente, de frente para mim. Reviro os olhos para ela em frustração.

"Você está rolando seus olhos. A última vez que fiz isso, acabei sobre seus joelhos," ela responde-me tornando-me ainda mais frustrado.

"Oh, eu gostaria de colocá-la lá de novo", eu digo para ela. Seus olhos brilham com a minha revelação.

"Diga-me e você pode", diz ela me surpreendendo.

"O que?" Pergunto incrédulo.

"Você me ouviu", diz ela sem rodeios.

"Você está barganhando comigo?" Eu digo atônito. Ela acena com a cabeça.

"Negociando".

"Não é assim que funciona, Anastasia", eu respondo.

"Tudo bem. Diga-me, e eu vou virar meus olhos para você," diz ela, me fazendo rir de sua tenacidade. Ela desarma-me em cada volta. Sua resposta me põe de volta no meu juízo.

"Sempre tão interessada e ávida por informação", eu digo enquanto meus olhos brilham com a especulação. Bem, então, Srta Steele. Vamos ver o que podemos fazer para obrigar você. Ah, sim. Eu saio da sala, enquanto digo a ela, "Não vá embora".

Eu vou para a sala de jogos rapidamente e encontro as bolas prateadas novas que eu comprei para ela. Eu rapidamente volto para o meu quarto, excitado.

"A que horas é a sua primeira entrevista amanhã?" Eu pergunto baixinho.

"Às duas", ela responde. Ótimo! Temos tempo para jogar, e um sorriso lento, malicioso, começa a aparecer em meu rosto.

"Bom", eu digo. Eu percebo que meu rosto está mudando para o Dominante Christian. Você quer informação, eu quero sexo. Podemos negociar... dessa maneira.

"Saia da cama. Fique em pé aqui," eu aponto para o lado da cama. E ela é como ‘um morcego fugindo do inferno’, correndo para chegar ao local. Ansiosa como sempre... Eu fico olhando para ela atentamente.

"Confia em mim?" Eu pergunto-lhe baixinho. Ela acena com a cabeça. Eu estendo a minha mão, e mostro as duas bolas de prata redondas ligadas com um fio grosso preto. "Estas são novas", eu digo inequivocamente. Ela olha para mim questionando, sem saber o que são.

"Eu vou colocar estas dentro de você, e então eu vou bater em você, não por punição, mas para o seu prazer e meu", eu digo, fazendo uma pausa para avaliar a reação dela, com os olhos arregalados. Ela parece surpresa.

"Então nós vamos foder, e se você ainda estiver acordada, eu vou dar algumas informações sobre meus primeiros anos da infância. De acordo? " Eu digo, pedindo-lhe permissão. Ela acena com a cabeça, sem fôlego. Eu sorrio.

"Boa menina. Abra a sua boca ", eu digo. Ela abre

Dynamite - Taio Cruz


"Bem aberta" eu digo. Eu coloco as bolas em sua boca. Elas precisam de lubrificação.

"Elas precisam de lubrificação; chupe", ordeno com uma suave voz calmante. Ela fecha a boca com as bolas, lubrificando. Ela se contorce.

"Fique quieta ,  Anastasia," Eu a advirto. Finalmente eu acho que as bolas estão aquecidas e lubrificadas o suficiente, e eu lhe digo para parar. Eu pego as bolas para fora de sua boca, movo-me em direção a cama, jogo o edredom para o lado e sento na beira da cama.

"Venha aqui", eu ordeno. Ela fica em pé diante de mim.

"Agora, vire-se, curve-se, e agarre seus tornozelos", eu ordeno. Ela pisca hesitando. Minha expressão fica sombria.

"Não hesite," Eu a advirto suavemente. Em seguida, tomo as bolas e coloco-as em minha boca para lubrificar um pouco mais. Eu quero estar dentro dela em todos os sentidos. Ela se curva, e segura seus tornozelos. Sua t-shirt desliza para cima, expondo seu traseiro delicioso. Minha mão encontra seu traseiro e eu o acaricio suavemente. Eu gentilmente movo a calcinha para o lado, e lentamente introduzo o meu dedo, movendo para cima e para baixo em seu sexo. Ela já está excitada e molhada. Eu deslizo um dedo dentro dela e circulo o meu dedo. Ela geme de prazer.

Minha respiração pára e eu suspiro, mas continuo a repetir o movimento. Ela nunca deixa de me surpreender de quão pronta ela está para mim em todos os momentos. Eu retiro o meu dedo, e coloco as bolas uma de cada vez. Uma vez que ambas estão dentro, eu endireito sua calcinha, me inclino para a frente e beijo suavemente seu traseiro bonito. Eu ordeno que ela se levante, e ela trêmula fica em pé. Eu agarro seus quadris para estabilizá-la.

"Você está bem?" Eu pergunto, com voz fria.

"Sim", ela responde baixinho.

"Vire-se," eu ordeno, e ela se vira e me encara.

"Como é que você sente isto?" Eu pergunto.

"Estranho , " é a sua resposta.

"Estranho bom ou estranho ruim?"

"Estranho bom", ela confessa corando.

"Bom", eu respondo, tanto aliviado quanto excitado.

"Anastasia, eu gostaria de um copo de água. Pode Ir buscar um para mim, por favor?" eu lhe pergunto.

"E quando você voltar, eu vou colocá-la em meu joelho. Pense sobre isso, baby. "

Ela sai do quarto para pegar a água. O movimento vai estimular seu interior. Sabe, essas bolas são originadas na China. Eles são pequenas bolas com peso equilibrado. Depois que elas são inseridas na vagina, elas produzem uma sensação erótica em seu interior e em seu entorno de tecidos sensíveis, com o menor movimento dos quadris e pernas. Na verdade, as gueixas usam para lubrificar sua vagina antes de estar com um cliente. Você pode obter um orgasmo explosivo simplesmente andando pelo corredor. Eles são apenas bolas do tamanho de bolas de gude. Estas bolas são relacionadas a sutileza e espontaneidade. Elas são projetadas para marcar sua presença pelo movimento aleatório, o qual produz o clímax esperado. Ela faz a foda muito melhor. É como o pré-aquecimento do forno. Pronto para funcionar. (N.T. Nome das bolas prateadas – Bolas ben-wa)

Ela volta com um copo de água na mão. Eu cuidadosamente a olho, e a sua expressão. Quando ela me entrega o copo, agradeço, tomando um gole da água, e coloco o copo sobre a mesa de cabeceira. Eu posso ver a antecipação nela, e a expectativa é a melhor precursora de sexo bom. Eu viro meus olhos para ela.

"Venha. Fique ao meu lado. Como da última vez . "

Ela se achega toda animada e mais que excitada.

"Peça-me", eu digo baixinho. Eu quero que ela peça para ser espancada. Seu pedido vai atender a uma necessidade profunda em mim. A necessidade de aplicar a punição. Ela franze a testa, sem saber o que pedir.

"Peça-me, " repito em voz um pouco mais dura. Ela olha para mim questionando, ainda não entendendo o significado.

"Anastasia", digo, "peça-me, porque eu não vou dizer de novo", eu digo , ameaçador. A compreensão inunda seus olhos enquanto eu olho para ela expectante. Oh, escapa de seus lábios.

"Espanque-me, por favor, Senhor", ela sussurra fazendo-me desembaraçar-me com suas palavras. Eu fecho meus olhos por um momento para saborear o prazer. Eu me aproximo, seguro sua mão esquerda, e puxo-a para os meus joelhos. Ela cai sobre os meus joelhos, e eu a estabilizo. Eu posso sentir o seu batimento cardíaco através de nossa conexão pele contra pele. Ela está inclinada sobre o meu colo, enquanto seu tronco está descansando na cama. Eu empurro seu cabelo do rosto, colocando-o atrás da orelha. Eu, então, seguro seu cabelo na nuca para mantê-la no lugar, enquanto gentilmente puxo sua cabeça para que ela se desloque para trás.

"Eu quero ver o seu rosto enquanto eu espancar você, Anastasia", murmuro enquanto suavemente esfrego suas costas.

Minha mão se move para baixo entre as bochechas de seu traseiro, e eu empurro contra seu sexo sabendo que vai mover as bolas dentro...isso faz com que ela dê um gemido me fazendo ficar ainda mais excitado.
"Isso é para o prazer, Anastasia, meu e seu," Eu sussurro baixinho.

Eu levanto minha mão e a derrubo com um tapa retumbante contra a junção apertada entre seu traseiro e seu sexo. O tapa traz uma dor prazerosa. Dor superficial, enquanto o sangue sobe à superfície tornando-a rosa, tentando absorver o ataque repentino, as bolas em sua vagina vão avançar com a palmada, estimulando-a por dentro. Há uma infinidade de sensações que podem ser despertadas com um tapa. Ela contrai seu rosto para absorver todas essas sensações diferentes. Eu acaricio seu traseiro para espalhar a sensação, trilho minha mão através de sua pele e sobre a calcinha. Eu levanto minha mão de novo e desfiro mais um golpe. Ela geme desta vez com a sensação se espalhando.

Eu tenho um padrão. Da esquerda para a direita, e depois para baixo. Fazendo as bolas avançarem. Entre cada tapa, eu a massageio, amasso, dentro e fora. Estimulando-a, fazendo-a querer mais, desejar mais. Quando eu terminar com as palmadas , ela não vai querer mais nada, somente a  mim para fodê-la insanamente. Mesmo se ela geme, ela tem prazer. Esquerda, direita, e para baixo. Quando eu bato nela em baixo, ela geme e geme porque as bolas estão se movendo para dentro e dando prazer a ela. Eu não tenho de bater com força para que isso a estimule. A última palmada em baixo a torna selvagem.

"Boa menina, Anastasia," eu rosno, enquanto a minha respiração fica irregular com a excitação. Eu desfiro duas palmadas mais em seu traseiro, em seguida, puxo os fios das pequenas bolas unidas e dou um puxão para fora de repente. Isso a levará a um clímax próximo, aumentando seu desejo de ser fodida. Eu deito ao lado dela na cama, pegando o envelope de papel alumínio do preservativo e rasgando-o. Pego o preservativo, aperto a parte superior e rolo na minha extensão. Seguro suas mãos trazendo-as sobre sua cabeça, e me introduzo dentro dela, deslizando lentamente e preenchendo-a. Ela geme em voz alta já que sua excitação é alta.

"Oh, baby", eu sussurro, enquanto eu me movo para trás e para frente em um ritmo lento e sensual. Eu quero saboreá-la, senti-la, e me perder nela. Como seu clímax está perto, ela se contrai em torno de mim, e nós dois mergulhamos  em um orgasmo delicioso, violento, nos deixando ambos ofegantes. O que ela faz para mim é inacreditável. Eu estou em uma dimensão diferente, mais que completo.

"Ana!" Eu suspiro, seu nome é uma ladainha sobre os meus lábios. Quando eu pronuncio seu nome, eu fico em silêncio, mas ainda ofegante com os solavancos de prazer em cima dela, enquanto minhas mãos ainda estão entrelaçadas acima de sua cabeça. Algo puxa as cordas do meu coração como se uma sensação desconhecida passasse através dele. Eu me inclino para trás finalmente, e olho para ela com admiração. 

Accidentally In Love by Counting Crows

"Eu gostei disto," eu sussurro, e a beijo. Eu finalmente levanto, e a cubro com o edredon e vou para o banheiro. Eu lanço o preservativo na lata do lixo e me limpo. Eu pego uma garrafa de loção com Aloe Vera e volto para o quarto. Sento-me na cama e peço a ela para virar-se. Ela vira. Seu traseiro está rosa  como deveria estar.

"Sua bunda está com uma cor gloriosa", eu digo aprovando, e a massageio com a loção.

"Desembuche, Grey", diz ela bocejando.

"Srta Steele, você sabe como arruinar um momento," eu repreendo a ela.

"Nós tínhamos um acordo", ela refuta.

"Como você se sente?" Eu pergunto-lhe tentando mudar de assunto.

"Enganada". Não há como escapar da inquisição dela. Eu finalmente suspiro, escorrego ao lado dela, e puxo esta bela mulher com uma boca muito inteligente em meus braços. Estamos de conchinha novamente, e eu adoro estar assim com ela. Eu a beijo suavemente em sua orelha.

"A mulher que me trouxe a este mundo era uma prostituta viciada em crack, Anastasia. Agora, vá dormir, " Eu digo, não querendo divulgar mais.

"Era?" ela pergunta novamente.

"Ela está morta", eu respondo.

"Há quanto tempo?", Ela pergunta novamente. Eu suspiro.

"Ela morreu quando eu tinha quatro anos. Eu realmente não me lembro dela. Carrick deu-me alguns detalhes. Eu só me lembro de certas coisas. Por favor, vá dormir agora."

"Boa noite, Christian", ela finalmente concorda.

"Boa noite, Ana", eu digo, e ambos caímos em sono profundo.

Truly, Deeply, Madly by Savage Garden



9 comments:

simone andreia klock said...

OI, vc vai continuar postagem dos livros em portugues???

simone andreia klock said...

Ola, vc vai continuar as postagens dos livros em portugues???

Neusa Reis said...

Vou traduzir todos, até terminar. O que a Emine colocar aqui, eu traduzo para o português, enquanto ela quiser. Obrigada por ler. Um abraço. Neusa

anne caroline godoi said...

Eu quero essas bolas para mim,kkk. Elas devem ser o céu !
A Ana é muito esperta,com esse jeitinho ela consegue arrancar tudo do gostosão...

Anonymous said...

Por favor posta outro capitulo hoje

Kaila Alekena said...

As tão esperadas bolas hahahaha...

"como se sentes?"
"enganada"
Eu também Anastasia hahaha me sinto enganada, depois de uma suculenta surra você e eu merecíamos mais desse homem....
Excelente capitulo...

Daniela Martins said...

Como é bom ver como o amor transforma as pessoas para melhor e, com ele, tudo se supera.
Christian com seu jeito fechado, distante das pessoas (fechado em relação aos seus sentimentos) e totalmente dominador jamais se abriria deste jeito com alguém!
Ana com sua força e, principalmente, com o amor que sente por CG está conseguindo trazê-lo para a luz!
Libdo! Lindo!

Catarina rosa negra said...

Adorei, linda despedida :)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry