StatCtr

Tuesday, February 7, 2017

Livro V - Capitulo IX -Christian e Anastasia

Quarta-Feira, 8 de fevereiro de 2017

CAPÍTULO IX
LEMBRANÇA DISTANTE

Tradução: Neusa Reis

Algum dia, em algum lugar - em qualquer lugar, infalivelmente, você vai encontrar a si mesmo, e essa, e só essa, poderá ser a hora mais feliz ou mais amarga de sua vida.
Neruda
Hoje à noite eu posso escrever os versos mais tristes.
Eu a amei, e por vezes ela me amou também.
Neruda




É natureza humana em geral, ou apenas meu tormento pessoal enterrar algumas lembranças dolorosas tão profundamente dentro de si, que eu quase nunca me lembro se houveram realmente algumas experiências horríveis na minha infância para enterrar... isto é até que a noite chega. Os pesadelos são o catalogador cruel dessas lembranças que são as mais pesadas na alma de alguém. O estresse sobre a segurança da minha família, das recentes semanas, apenas incrementou esses pesadelos. Lembranças, que eu não tinha recordado antes, surgiram viciosamente ontem à noite. Ana tentou me ajudar, sacudi-las para fora de mim. Como poderiam ser apagadas quando deixaram marcas permanentes no tecido da minha alma?

*****       *****

O feio, imundo, tapete verde manchado e meu pequeno carro velho de brinquedo estão de volta. Mamãe ainda está no sofá. Ainda não se movendo. Meus pés descalços fazem pequenos ruídos abafados enquanto eu ando para ela. Eu coloquei meu cobertorzinho sobre ela, mas ela ainda está muito fria.
"Mamãe?" Eu sussurro. Ela não pisca. Ela não se move. Eu me inclino para olhar seus olhos. Eles me olham de volta. Mas eles não me vêem. Seus lábios não sorriem quando eu a chamo. Nós estamos sozinhos. Ele não está aqui. Mamãe sempre sorri quando ele não está aqui. Mamãe sempre me abraça quando ele não está aqui. Mamãe sempre acaricia meu cabelo e me beija quando ele não está aqui. Eu levanto os lábios da mamãe para fazê-la sorrir. Eles estão frios. Eles estão roxos como Barney, o dinossauro. Eu olho para seus olhos novamente.
“Mamãe? Você pode me ver?" Mamãe não diz nada. Mamãe não fala. Talvez a mamãe esteja brava com o Christian.
Eu pisco para ela. Talvez ela se esqueceu de como piscar. Ela não pisca.
Beijo a bochecha da mamãe. Está fria.
"Mamãe, estou com fome."  Mamãe não me dá comida. Mamãe dorme com os olhos abertos.
"Você quer brincar com meu carro?" Eu ofereço-lhe o carro. Ela não olha para o meu carro. Ela não diz "Obrigada, Christian. ” Mamãe fica em silêncio. Eu levanto-o bem na frente de seus olhos. Não. Ela olha para ele.
"Mamãe?" Eu sacudo seu ombro. Seu braço cai e sua mão faz um som. Thump!
"Você se machucou mamãe?" Eu largo o carro e me sento no chão. Levanto a mão da mamãe. Sua mão está fria. Sua mão está roxa também. Mamãe está machucada. Eu seguro sua mão e coloco o brinquedo nela. Mas ela o deixa cair. Eu o pego de volta.
"Mamãe, fale comigo!" Eu começo a chorar. Os lábios da mamãe não se movem. Mas ela chama por mim. Uma e outra vez.
"Christian! Christian!"
A porta da frente range. Choca-se na parede. Tuc. Tuc. Tuc. Ele entra com grandes passadas.
“Que porra é essa? A cadela se suicidou!" Sua voz ressoa. Eu me encolho. Quero proteger a mamãe. Ele levanta sua mão grande. Tapa!  Eu vôo para longe do sofá. Meu carro voa da minha mão e bate na parede. Eu não digo "meu carro!" Ele vira a minha mãe.
"Porra! Porra! Puta cadela! Que porra! O que você está olhando, estúpido?"
Ele me chuta com suas botas grandes. Meu corpo rola como meu carro e minha cabeça bate na parede. Minhas lágrimas escorrem pelo meu rosto. Mamãe tinha dito 'não chore quando ele te bater. Isso o deixa louco." Mas minhas lágrimas vêm sem me perguntar.
"Você está chorando, seu pequeno bastardo? Está? Droga de merdinha! ”
"Desculpe, mamãe!" Eu decepcionei mamãe chorando.
“A cadela não está aqui! Ela morreu!" Ele zomba.
"Porra! Cheira a morte neste buraco de merda! A puta cadela me fez perder muito dinheiro! Eu poderia ter vendido aquela buceta por mais dez anos! " Ele tira a mamãe do sofá e chuta ela!
"Não! Mamãe!" Eu tenho que proteger a mamãe. Ela está fria. Ela está dormindo. Ela está dormindo com os olhos abertos. Mamãe precisa de mim. Eu corro para ela. Ela está no chão. Seus braços estão torcidos.
"Mamãe!" Eu coloco meus braços em volta dela. "Não a chute, por favor!"
“Ela morreu! Seu estúpido pedaço de merda!" Eu vejo sua bota vindo para mim. Eu abraço mamãe apertado. Meu corpo inteiro está apertado. Dói menos assim. Sua bota me chuta na bunda.
"Eu estou fora daqui!" Ele bate a porta. Sacode o apartamento. Eu abraço mamãe mais apertado. Mamãe não está quente. Mamãe está fria. Quero que a mamãe me abrace. Quero que ela fique quente. Quero que a mamãe acaricie meu cabelo. Quero que a mamãe fale. Chore. Mamãe está em silêncio.
            "Acorde, mamãe! Acorde!" Eu choro.

*****      *****

"Christian! Christian! Christian! Baby!"
Então sua voz muda. Suave. Gentil. Soluçando. Estou chorando. A voz da mamãe está chorando.
*****       *****

Silêncio... Então finalmente, "Christian..." chama a voz suave, repleta de amor, que poderia transformar um moribundo em uma vida florescente.
“Mamãe!”
Eu me sinto entorpecido. O entorpecimento é preferível à dor insuportável. Esconde o medo como um cobertor. Esconde minha fraqueza também. Minhas mãos pequenas. Braços pequenos. Mamãe não está se mexendo. Mas mamãe está me chamando para me salvar.

*****       *****

Respiração rápida, semi-escuridão e eu abruptamente me sento. Um bebê chorando soa como música para os meus ouvidos. Teddy está na cama? Devo ter assustado ele. A mão gentil de Ana já está no meu cabelo, tentando me acalmar.
"Apenas um sonho ruim, ” murmuro tentando diminuir meu pulso. "Onde está Teddy?" Eu olho ao redor.
"Ele está no quarto dormindo, baby. Estou preocupada com você," ela murmura suavemente.
"Eu estou bem!" Eu ignoro isso.
"Eu pensei ter ouvido o bebê chorar." Eu não quero preocupá-la.
"Não era o bebê, querido. Era você," ela murmura suavemente. Então ela pega meu rosto em suas mãos e beija as lágrimas que eu não sabia que tinha na face...

Sarah McLachlan, “Possession”

As lágrimas de Ana e as minhas se misturam enquanto ela me beija mais.
“Você está nervoso com a viagem de amanhã?”
"Eu não quero falar sobre isso agora." Eu resisto à sua persuasão.
Ainda estou sob a influência do pesadelo. Eu tive mil versões diferentes desse sonho. E a conclusão é a mesma: ela morre no final. A prostituta viciada em crack... a mulher que vendeu seu corpo por dinheiro para sustentar seu vício de crack. A mulher que deu à luz a mim... Minha mãe biológica. A jovem viciada, assustada, abusada, degradada, esquecida e solitária que não tinha ninguém no mundo, apenas eu...  Mal-amada, abandonada por todos, exceto pelo pequeno bastardo, igualmente mal-amado e indigno, Christian... A mulher que uma vez foi minha mãe. Deus! Minha mãe está morta!
"Fazem duas semanas que você está tendo o mesmo pesadelo repetidas vezes. Por favor, Christian, conte-me pelo menos esse. Esse sonho. Fale comigo. Exponha o que você não está me dizendo. Não esconda seus pesadelos de mim, marido. Derrame luz neles para que nunca mais voltem outra vez. Por favor Christian, deixe-me entrar," ela me implora. Como posso resistir aos seus apelos? No entanto, como posso deixá-la experimentar esse horror que foi a minha infância? Só a idéia do que eu passei é suficientemente dura para ela.
"Apenas faça amor comigo, abrace-me e eu esquecerei, ” eu beijo seu pescoço. Preciso deste contato. Eu preciso dele mais do que do ar que eu respiro. Eu preciso senti-la. Eu preciso sentir que eu existo.
“Christian, por favor! Fale comigo. Não me deixe de fora. Você prometeu ontem à noite! Se você sonhasse novamente, me diria! Eu não posso repará-lo. Mas se você a libertar, este pesadelo nunca mais o incomodará. Liberte a Ella de sua mente.
“Ana, deixe-me afugentar o pesadelo fazendo amor com você. Eu preciso foder você. Agora!" Eu preciso sair da influência do sonho. Eu vou me sentir como eu mesmo uma vez que eu foda minha esposa.
"Eu vou fazer um acordo com você. Você pode me foder como quiser e até me espancar, duramente..." diz ela com a que eu agora conheço, sua doce, delicada, sedutora voz de negociação. Ninguém pode resistir, nem mesmo eu.
"Você é minha esposa! Eu já posso foder você como eu quiser," eu estreito minhas sobrancelhas.
"Bem, há aquela coisa que você tem estado evitando mesmo que eu saiba que você ama absolutamente fazê-la..."
Estou com toda a atenção agora. Ela tem alguma idéia de quanto poder ela está exercendo sobre mim? Quão imensamente esmagador seu corpo inteiro é para mim? Minha mulher é uma arma perigosa, tudo o que ela tem a fazer é olhar para mim de lado e estou sob seu feitiço.

Black Magic Woman – Santana


"Esta noite. Sem adiamento!" Eu aviso.
"Você pode usar a chibata de equitação, uma régua, açoite e suas mãos, mas nenhum chicote, ou correia. (N.T. tawse – correia com a ponta aberta em tiras)"
"Você está negociando comigo, Sra. Grey?" Eu levanto as sobrancelhas.
"Sim, Senhor, eu estou, ” ela sussurra me dando um sorriso malicioso.
"Eu não usaria aqueles em você, Ana. Você sabe disso, não sabe? Eu nunca a machucaria assim. Qualquer coisa que eu usasse em você seria para o prazer de ambos," eu a tranquilizo.
"Eu sei disso, Christian. Eu confio em você. Eu sempre confio em você. Além disso, eu gosto tanto quanto você disso," ela murmura.  "Meu marido," ela me beija. Porra! Meu pau agora está formando uma tenda em minha boxer. Sempre, hein? Jesus Cristo! Minha mulher derrete meu coração.
"Esta noite. Depois que você me deixar entrar em sua mente, depois de banir aquele pesadelo que está tomando como refém as noites de meu marido, você pode me ter. De. Qualquer. Maneira. Que. Você. Goste. Assim que me deixar espantar tudo." Eu sorrio. Minha mulherzinha corajosa. Sempre disposta a me proteger de seu próprio jeito. Minha leoa. Eu sacudo minha cabeça suspirando.
"Bem. Você ganha. Eu tenho uma história para dormir que vai acabar com todas as histórias para dormir. Tem certeza de que não quer fazer amor primeiro? Eu realmente não quero que você associe o nosso fazer amor com um pesadelo terrível. "
"Eu vou fazer amor com meu marido. Não com o pesadelo. Eu quero ter certeza de que ele se foi para sempre. Então, fale marido meu," ela ordena.
“Coisinha mandona, não é? ”
“Aprendido com o melhor. Não demore com isto, Senhor." Ela enfatiza para me lembrar o que está por vir. Ela sai do meu colo, senta-se, batendo de leve em sua perna ela coloca minha cabeça em seu colo. Enfiando os dedos no meu cabelo, ela me motiva a começar a falar.
"Começa no mesmo lugar de sempre. Aquele quarto sujo, com aquele tapete verde detestável. Pratos na pia. Nada na geladeira. Verde, crostas de mofo de alguma merda deixada nos pratos sujos. Copos sujos. Pia de água. E uma merda de saco aberto de ervilhas congeladas." Eu paro, me perdendo naquele pequeno apartamento desagradável. O lugar que guardou algumas das piores lembranças que tive e que me atormentaram durante anos.
"Fale-me sobre o pequeno Christian em seu sonho," ela incentiva acariciando meus cabelos, inclinando-se para baixo e beijando a parte superior de minha cabeça. Eu respiro fundo.
"Pense em um garotinho que é menor do que deveria ser. Tão pequeno que a camisa de manga longa que eu deveria vestir era três tamanhos maior. "
"Oh, talvez sua mãe quis que você crescesse com ela, ” ela comenta. "Talvez ela não pudesse comprar isso com freqüência. Você sabe o quão rápido as crianças crescem."
"Sim eu sei. Mas, ela não a comprou nova. Provavelmente alguma merda de terceira mão de alguma das instituições de caridade. Além disso, considerando que o casaco tinha mais buracos do que um queijo suíço, não havia como comprar para que eu crescesse nele. Tenho absoluta certeza de que ela não poderia comprar nada que fosse decente, mesmo em oferta," eu digo dando de  ombros. Eu me lembro bem porque eu podia enfiar meu carrinho através de alguns dos buracos.
"Então os sapatos... eu poderia balançar meu dedo grande do pé fora de um deles, o dedo pequeno fora do outro. Acho que eu podia ver a dor nos olhos dela em seus momentos de clareza.”
"Por que ela não ..." ela sonda sem terminar a pergunta. Nós temos uma conexão pela qual eu já sei o que ela estava perguntando.
"Porque ela tinha que sustentar seu vício da droga. A única forma de ganhar dinheiro era vendendo o corpo e o pouco que podia guardar do cafetão, provavelmente comprava crack, ou o cafetão estava fornecendo-o para mantê-la presa ao trabalho." Eu olho para minha esposa. Eu não quero ter sua piedade, ou ver tristeza em seu rosto. Isso iria me derrubar. Ela apenas balança a cabeça, sorrindo tranqüilamente. Eu estreito meus olhos.
"Vamos marido, temos um acordo!" Ela repreende.
"Em um desses sonhos, ela está me dando um banho. Deve ter sido real, porque o sonho é muito vívido. Ella... minha mãe," eu a qualifico, "leva-me para me dar um banho. Ela vê as marcas das mãos, hematomas não curados. Meu rosto, pescoço..." minha mão automaticamente vai para o meu rosto. A mão de Ana chega sobre a minha e acaricia as feridas da criança perdida dentro de mim.
"Eu me lembro dela beijando cada uma dessas contusões e chorando. Eu digo a ela para não chorar e beijo suas bochechas." Isto volta para mim, de repente, inesperadamente. Eu me sento.
“Christian? ” Ana parece preocupada.
Fecho os olhos e balanço a cabeça.
"Eu disse a ela, 'não se preocupe mamãe. Eu vou proteger você. ’  Ela chorou e disse, 'não, é meu trabalho proteger você, querido. Eu sinto muito, Christian. Eu falhei com você.' Ana, você não vê? Ela me amava! Minha mãe me amava!" Eu digo com clareza.
“Claro que sim, Christian! Ela era apenas uma vítima de suas circunstâncias. Como poderia qualquer mãe dar à luz a você e não o amar? Não mais do que eu poderia dizer isso sobre meu próprio filho." Ela sorri com lábios trêmulos.
"Oh, porra!"
"O quê?" Sua voz está preocupada.
"Eu sei por que tenho tido esses sonhos." Eu tenho quase certeza agora.
"Porque você vai visitar seu túmulo amanhã."
"Tenho certeza de que é parte disso, mas minha mente está jogando milhares de cenários diferentes em que ela sai viva. A criança que eu era ainda está procurando um caminho, uma circunstância, uma cena onde sua mãe saia viva. Ainda estou tentando salvá-la! Para protegê-la! Jesus! Eu falhei com ela! "
"Você. Não. Falhou. Ninguém. Nem Ella, nem o garotinho que você era. Você me ouve? Ninguém. É o trabalho dos pais salvar a criança. Não uma criancinha de quatro anos que não podia nem mesmo alcançar a pia para beber água quanto mais salvar sua mãe de problemas dos quais ela não podia nem mesmo se salvar. Não é justo perguntar isso a você mais do que se você perguntasse a Teddy."
Eu sorrio com isso.
"Você está dando ao Dr. Flynn uma forte concorrência. "
Ela ri em voz alta.
“Tenho um longo caminho a percorrer para chegar ao nível de Flynn. Por outro lado, eu não sou um psiquiatra caro."
"Não, senhora, você não é! Mas você não tem preço para mim." Eu puxo sua cabeça para baixo para um beijo." Além disso, eu não quero beijar Flynn."
"Espero que não! Ele não é seu tipo."
"Sério?"  Eu provoco. "Qual você acha que é meu tipo?" "Seu tipo éééé..." ela diz, "cabelos escuros, olhos azuis, atrevida, amante de sexo, submissa ocasional, que normalmente responde pelo nome de Sra. Anastasia Grey e é louca por você."
Eu me sento. Estou pronto para receber o que ela prometeu.
"Você está pronta para pagar, Sra. Grey?" Eu pergunto. Ela empurra-me de volta para baixo, na cama, com a ponta dos dedos.
"Não tão rápido, Sr. Grey! Você não terminou o sonho."
"Talvez não, mas eu quero você agora."
"Não, senhor! Isso não foi o acordo. Diga-me a coisa tooooda," ela diz com um sorriso.
"Somente para você Sra. Grey," eu suspiro e lhe digo o pesadelo em sua totalidade e em todos os seus detalhes horripilantes. Ela ouve atentamente, continuando a esfregar meu cabelo, me acalmando como um copo de água fria no deserto quente. Mesmo que seu rosto sorria para mim, eu posso ver as rodas dentadas girando em sua cabeça. O que ela está pensando? Mais importante, o que ela está planejando? Quando minha história chega ao fim, ela faz uma pausa.
 "Eu queria poder tirar a dor de sua infância, tê-lo aqui mesmo sem nenhum desses abusos. Eu queria que Ella não tivesse medo de mostrar seu amor por você. Se isso não fosse possível, eu gostaria que você nascesse diretamente na casa de Grace e Carrick. Eu queria que você tivesse tido seu amor toda a sua vida. Eu queria que você fosse feliz, sem qualquer problema, inocente de todos os males que aconteceram no mundo." Ela diz enfaticamente.
"Desejo tudo isso com a dor de saber que se você não tivesse vivenciado nenhuma dessas coisas, você não seria o Christian que eu conheço, ou você não estaria aqui comigo. Você provavelmente nunca teria descoberto o lado kinky de si mesmo porque você não teria os problemas que o levaram a procurar algum tipo de libertação. Tanto quanto eu estou com raiva de Elena pelo que ela fez para você, tanto quanto eu a odeio, sim, a odeio por se aproveitar de um menino de quinze anos, na sua maneira torcida, ela lhe deu uma saída. Eu gosto do Christian kinky. Eu amo o Christian gentil. Eu amo quando você é possessivo, mas eu também adoro quando você me dá espaço para respirar. Eu amo quando você segura nosso filho e olha para ele com tanto amor e adoração, estou apaixonada por você de novo.
Mas se você nunca tivesse nascido de Ella, ou se ela fosse uma mãe boa e adequada para você, com uma vida comum, você nunca teria conhecido Grace. Você nunca teria sido adotado e nós nunca teríamos nos encontrado. Você não teria a dor conduzindo-o para conquistar o mundo, para preencher o vazio dentro de você e eu nunca teria vindo para entrevistá-lo. Eu queria que esses pesadelos nunca o incomodassem. Se eu pudesse, eu os levaria embora. Para dar-lhe um sono tranquilo, sabendo que eu não estaria aqui para lhe dizer isso.



Suas palavras imediatamente me sacudiram como um milhão de watts. A idéia de que ela nunca poderia ser uma parte da minha vida porque eu ignoraria sua existência, ou que meu filho nunca teria nascido, me dói mais do que qualquer parte do meu passado ou tudo isso coletivamente.
"Como poderia algum sono ser tranquilo se eu não tivesse você em minha vida? Se eu nunca tivesse experimentado a imensa felicidade quando me casei com você, ou quando eu fodi você pela primeira vez? Ou o alívio que senti quando Teddy nasceu? Como eu poderia desistir de tudo isso? Se devia encontrar esta Rose, ” referindo-me ao seu segundo nome, paro e lhe acaricio a bochecha, "entre os espinhos que é o meu passado, estou disposto a arar o inferno por você todas as noites."
Sim, piegas, eu sei, mas mesmo a idéia de nunca ter conhecido Ana, não a tocar, ou não poder falar com ela, rouba minha respiração.
"Christian, não há inferno para você de agora em diante. Seus pesadelos são apenas os vestígios de que você vivenciou essas coisas. Você é imensamente forte e poderoso, física, financeira e politicamente; para não mencionar que você é forte na família. Você tem a mim e Teddy... Você é todo nosso mundo. Você tem Grace, Carrick, seu irmão e irmã. Você tem uma família inteira que simplesmente o adora, o ama incondicionalmente. Você não está mais sozinho." Mulher maldita! Você pode derreter meu coração e fazer saltar meu pau tudo ao mesmo tempo.
"Anastasia Grey," eu digo puxando-a para mim. "Eu a amo. Não consigo imaginar uma existência sem você. Você é minha esposa e eu quero só fazer amor com você agora."
Ela parece surpresa.
"Você indicou o seu fim da barganha. Estou completamente excitada. Eu quero que você obtenha o que você merecidamente ganhou," diz ela.
"Eu vou adiá-lo. Eu não preciso apenas foder e espancar agora. Eu preciso da intimidade final. Profunda, amorosa, definitiva intimidade. Eu quero estar dentro do seu corpo, e você dentro da minha mente, sem espaço para mais nada. "
O sorriso que ela cintila faz meu coração parar. É ao mesmo tempo inocente e incrivelmente sedutor.
"Sim, Senhor, ” ela responde ansiosamente. Jesus Cristo! Eu ardo por esta mulher.
"Vamos deixá-la completamente nua, mulher!  No final da noite, quero que você invada todos os meus sonhos. Você já conquistou todos os meus pensamentos..." Eu murmuro. Eu atiro sua regata de lado.
"Christian! Quando você fala assim, como não posso dar-lhe tudo de mim de boa vontade e completamente? Eu sou sua, corpo e alma. Irreversivelmente,” ela diz com paixão, enquanto eu abro gradualmente meu caminho até ela, segurando sua cintura e rapidamente removendo seu top.
Empurro-a para baixo na cama e lenta e vagarosamente removo sua calcinha. Eu agarro sua perna e a arrasto para baixo em direção a mim. Eu beijo e suavemente mordo seu peito do pé e chupo seu dedo grande provocando um gemido licencioso. Então com um rastro de beijos, eu chego até atrás de seu joelho e lambo e chupo o ponto sensível. Mordidas suaves, lambidas e beijos me levam até sua coxa e seu ápice. Eu ainda não toquei seu sexo.



"Eu quero meu corpo cobrindo o seu, completamente sobrepujando você, meu pau enchendo seu sexo, meu suor cobrindo seus seios, torso, coxas, pernas, e eu vou fazer amor com você até que você não pense em nada mais além de mim!" Eu lentamente me movimento em sua barriga, o vale entre seus seios, em seguida, lambo seu peito esquerdo dando um forte chupão.



A boca de Ana se abre com um gemido. É quando eu abandono o mamilo dela e rapidamente tomo seus lábios macios. Ela retribui com intensa ferocidade. Sua língua esfrega a costura dos meus lábios e eu retribuo suas ministrações. Ela facilmente aceita as pontadas da minha língua em sua boca. Ela choraminga, seu corpo estremece com um frenesi apaixonado bem debaixo de mim, o que me destrói completamente. Minha esposa só dispara quando eu a toco. Minha língua a acaricia com lambidas profundas e luxuriosas.
Empurro as pernas dela abertas com os joelhos e prendo seu corpo debaixo de mim na cama. Deus! Eu quero montá-la agora mesmo e apenas entrar nela.
Ela empurra seus quadris e seu sexo se encontra com minha boxer. Ela geme seus protestos.
"Por favor ..." é o único gemido que escapa de seus lábios que só é engolido por meus beijos.
"Lento, bebê, ” eu a advirto. Mas ela não terá nada disso.
Ela me obriga a empurrar minha mão para fodê-la duro, para obter sua libertação de imediato. Mas eu quero isso reafirmante, lento e terno. Minha esposa tem outras idéias.
"Ana!" Eu a previno. Ela meneia mais.
"Eu quero duro e rápido!" Ela reclama.
"Mulher, não me force a amarrá-la!"
"Duro e rápido!" Ela se queixa, exigindo.
Meu peso a deixa imediatamente. Eu verifico a gaveta da cômoda para algumas amarras e encontro exatamente o que eu estou procurando.
"Você quer duro e rápido? Bem! Eu vou foder você tão duro que você não será capaz de andar amanhã! Mas eu farei isso em meus termos!" Ela só me devolve um sorriso lascivo em resposta.
Eu subo de volta na parte de trás da cama e para cima de Ana sem tocar seu corpo. Juntando suas mãos, eu amarro-as com um lenço de seda, em seguida, a viro e levanto sua bunda no ar, em seguida, dou um tapa em seu adorável derrière (N.T. traseiro) com uma pancada afiada. Ela grita, mas rapidamente aplico várias palmadas bem colocadas em suas nádegas, cada uma delas ardendo minha mão e tornando suas nádegas cor-de-rosa.


"Christian! ” Ela grita.
"Você pediu por isso!" Eu contesto.
"OK! Bem! Você ganhou! Gentil!" Ana e eu estamos ambos sem fôlego, mas de repente eu me sinto vivo. Eu me sinto em meu elemento. Eu me sinto no controle. O traseiro de Ana está reluzente, seu sexo está brilhando úmido e ela abre as pernas de forma convidativa. Eu deslizo dois dedos entre as dobras de seu sexo. Ela está completamente molhada!
"Molhada, quente, suave. Simplesmente perfeita!" Ana geme em febril expectativa. Eu esfrego minha mão sobre suas nádegas. As transferências de calor em minha mão, sua pele pinicando e nossas emoções derretem e se fundem um no outro. Toda vez que a toco, fico perdido; estou em chamas, apenas a sensação de ar proporciona algum alívio na minha pele ardente, mas nada além de estar dentro dela sacia o ardor da minha alma. Eu preciso dela, quero ela, desamparadamente apaixonado por ela. Mas o mais importante, como eu poderia sobreviver sem ela?
Eu tiro meus dedos de seu sexo e saboreio o gosto deles. Mmmm. Minha esposa é incrivelmente doce. Eu a viro de volta e a puxo para mim. Levantando-a, eu a tomo em meus braços.
"Eu quero que você prove a si mesma em meus lábios." Ela envolve seus pulsos amarrados em volta do meu pescoço e oferece seus lábios para mim. Quando voltamos a respirar depois de alguns minutos, eu digo: "Agora, quero que minha exigente sedutora esteja amarrada naquela cadeira, ” aponto com a cabeça "para satisfazer minhas necessidades. ”
“E quanto às minhas necessidades? ”
"Ao satisfazer as minhas, vou me certificar de que minha esposa receba fortuitas, excitantes, enlouquecedoras recompensas." Ela mastiga seu lábio inferior para me seduzir. Querida, você simplesmente não devia fazer isso!
Levo Ana para a cadeira de rococó francês antiga, do século XVII, com braços de nogueira esculpidos intricados, que comprei para ela quando estávamos em Paris. Eu nunca a fodi nela antes.
Coloco dois travesseiros finos nos braços de madeira e levanto as pernas de Ana sobre eles.
"O que fazer com seus braços?" Eu murmuro. Depois de desamarra-los, amarro cada um a cada perna com lenços de seda. Ana está ofegante. Os lábios úmidos de seu sexo estão gloriosamente expostos para mim. Eu tiro minha boxer e meu pênis salta de alívio. O olhar de Ana vai direto para ele e seu corpo treme de expectativa. Eu corro as pontas de dois dedos através desses lábios e ela desamparadamente se arqueia com minha carícia.
"Oh Deus!" Ela geme quando meus dedos mal entram nela.
"Eu quero foder você como eu quiser. Provar você, tocá-la em todos os lugares e me perder em você com minha boca, minhas mãos, meu pau e quando tiver terminado com você, esposa, ambos estaremos completamente esgotados e saciados.
Em seguida, puxo outro lenço de seda e o mostro a ela.
"Mas você não vai me ver fazendo isso. Eu só quero que você me sinta. Sinta minha presença de todas as maneiras possíveis, ” eu a previno. Ela balança a cabeça em concordância e expectativa. Preciso dominá-la esta noite. Eu a amo desafiando-me; torna isto duplamente emocionante para nós dois. Eu amarro o lenço em torno de seus olhos.
“Você confia em mim, esposa? ”
"Sempre," ela sussurra.
Eu me ajoelho e agarro seus quadris, em seguida, abaixo a cabeça para o ápice de suas coxas. Seu peito se ergue com o primeiro contato. Eu inalo seu perfume e trilho beijos, mordidinhas e lambidas ao longo de suas coxas. Eu esfrego somente contra seu sexo, mas eu não o toco. Ela tenta girar seu quadril contra minha cabeça, mas eu a seguro firmemente no lugar. Eu lambo sua barriga e me encaminho para seu torso. Quando eu capturo seu seio esquerdo, eu encontro seus mamilos duros e eretos. Eu chupo e giro seus mamilos então tomo uma bocada de seu peito. Ela está incapaz de se mover, mas eu posso senti-la tentando empurrar-se para a frente. Dores agudas de sensações irradiam através de nós dois. Eu puxo seu outro mamilo com o meu dedo indicador e polegar enquanto chupo o outro peito. Eu sei que seu sexo já está se contraindo com desejo. Porque eu sinto o doce sabor do leite materno na minha boca. Eu mudo para seu outro peito enquanto seguro o que eu acabei de abandonar com minhas mãos, espalhando o leite em torno dele. Meu pau está agora doendo dolorosamente para entrar nela.
Ela está se contorcendo na cadeira.
"Christian, por favor! Por favor, foda-me!" Cristo! Ela está amarrada na cadeira, mas eu sou quem está indefeso e à sua mercê.
"Ainda não, linda! ” Eu murmuro. “Tome-me primeiro na boca. ”
Ela lambe seus lábios logo antes de eu descansar a cabeça do meu pau sobre seus lábios molhados.
"Eu só vou me mover lentamente, bebê," eu digo a ela. Ana lambe a ponta do meu pau, então lentamente a suga. Sua língua está constantemente girando, e sua cabeça se movendo, tentando tomar mais de mim. Jesus Cristo! Ela pode me emascular com isso. Sua boca é o céu. Meus olhos rolam para trás enquanto a sensação toma meu corpo inteiro. Ela torna ocas suas bochechas e tenta puxar meu pau com sucções suaves. Eu quero ficar naquele calor, e prazer. Sua boca simplesmente me deixa sem palavras. Minha respiração aumenta enquanto sua língua gira em torno de minha ponta.
"Chega, bebê, é suficiente!" Eu consigo dizer e tirar meu pau de sua boca. Ela lambe os lábios novamente, satisfeita consigo mesma. Preciso me concentrar para atrasar minha liberação. Eu me inclino e desta vez realmente lambo seu sexo. Seu sexo quente e molhado é como seda. Parece tão perfeito. Eu deslizo minha língua entre suas dobras, em seguida, chupo seu clitóris até que ela atinge seu pico. Mas eu não quero que ela goze ainda, eu abrando e, em seguida, sondo dentro dela com a língua. Eu sinto o aperto de seu sexo em torno da minha língua. Eu sei que ela está pronta o suficiente. Empurro a cadeira e inclino-a, apoiando a cabeça na parede para me dar força suficiente. Eu retorno, em seguida, puxo seus quadris para a frente em seu assento e depois de separar as minhas pernas para o ângulo perfeito, eu entro nela. Seu sexo abraça meu pau como uma luva de veludo apertada, quente, molhada e perfeita.
Eu me mantenho no lugar por alguns segundos. Sentindo-a. Minhas bolas se aproximam em expectativa. Eu recuo um pouco, então segurando seu quadril para cima no ângulo que eu preciso, eu empurro até a base. É duro e rápido em seguida. Eu estou desesperado para nos levar ao nosso pico. Eu fodo duro, mas eu quero que nós aproveitemos o maior tempo possível. Ana tenta acompanhar o meu ritmo. "Oh! Crist..." Ana grita incapaz de completar meu nome, quase com dor, o que imediatamente me preocupa.
"Ana! Você está machucada?" Eu desacelero, pronto para parar.
"Não se atreva a desacelerar! Mais forte!"
"Sim, senhora!" Eu sorrio maliciosamente, e empurro mais profundo, mantendo suas nádegas no controle completo de minha movimentação. Ela eleva as nádegas um pouco mais para me colocar o mais profundo possível. Meus golpes são implacáveis, esticando-a, esfregando-a nos cantos mais profundos de seu sexo.
"Perfeito! Isso é perfeito!" Ela geme. Nosso amor e luxúria se tornam uma única entidade, levando-nos a um plano diferente, ligando-nos, conectando-nos, e conduzindo-nos ao nosso pico. Gemendo com cada impulso.
Eu puxo sua venda para baixo.
"Assista-me foder você, veja o poder que você tem sobre mim", eu gemo com cada empurrão.
Quando a pulsação começa, já estou muito perto do meu pico, mas eu faço o meu melhor para me segurar apenas um pouco mais, mordendo meu lábio, exercendo dor em mim mesmo. Preciso senti-la assim mais alguns minutos. Eu me choco febrilmente, martelando. Ela grita sua liberação com meu nome como uma litania. Estou no céu. Minha libertação segue a dela. Quando empurro meu último impulso em seu sexo, eu esguicho dentro dela minha liberação quente e cremosa. Os olhos de Ana estão obscurecidos com a expansão de seu clímax, seu corpo quente, seu peito subindo e descendo rapidamente, sua respiração forte. Eu relutantemente retiro meu pau fora dela, muito lentamente. Certificando-me de que ela saiba que me dói ficar desconectado dela.
 Sei que a posição deve ter feito doer seus braços e pernas, e seu sexo está dolorido. Mas ela está completamente e muito satisfatoriamente fodida e amada. Eu imediatamente desato seus braços e solto suas pernas da cadeira.
"Agora, eu consigo limpar minha esposa, ” eu digo enquanto a pego e a levo para o banheiro em meus braços. Desta vez, eu a adoro lenta e calmamente no chuveiro, mostrando-lhe todas as maneiras como eu a amo.

Jace Everett - Angel Loves the Devil Outta me


Qualquer um que é observador, que descobre a pessoa com que sempre sonhou, sabe que a energia sexual entra em jogo antes mesmo do sexo. O maior prazer não é o sexo, mas a paixão com que é praticado. Quando a paixão é intensa, então o sexo se une para completar a dança.
 Paulo Coelho



31 comments:

Anonymous said...

Parabéns pelo excelente trabalho Emine!!! E Neusa, obrigada pela brilhante tradução!!
Espero que tenha também mais de Pella e Masque, pois sou viciada nas três histórias. Bjs

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Perfeito, maravilhoso, sensacional!
Parabéns Emine por mais um capítulo escrito com tanta perfeição!

Obrigada, Neusa pela tradução perfeita e tão rápida. Adorooooooooo!!

Bom final de semana a todas!

Beijos e abraços

Rosângela

Barbara Araujo said...

Parabéns Emine, capítulo maravilhoso. Estava com saudades.
Obrigada Neusa pela tradução.

Dani Soares said...

Simplesmente maravilhoso ❤️❤️

Jessika Lu said...

Parabéns lindas!
Simplesmente amei ❤❤
Aguardo ansiosamente pelo próximo.

Daniela Martins said...

Que perfeição de capítulo, Emine! Ao lermos a versão original ja sabemos do verdadeiro amor que há entre Christian e Ana, mas lendo a sua versão derramo lágrimas. É um amor que transende! Muito lindo!Obrigada! E, por favor, não demore a escrever (não apenas CG's POV). Você é uma escritora perfeita! Não nos prive desta sua escrita!
Abraços!
Dani Martins ;-)

sonia barcelos said...

Só existe uma palavra para descrever o que sinto agora. Obrigado!

Anonymous said...

Hi, really love reading your blog, btw, have you watch the movie, fifty shades darker? I'm looking forward to read your review about the movie

Silvia said...

Que perfeição....Obrigada! E, por favor, não demore a escrever....aguardando ansiosa....

Rose Viana said...

Demais.... Obrigada....

Idalina Rodrigues said...

Amei, estava com saudades.Sei que é muito trabalho, mas isso não deveria demorar tanto. Vocês são muito boas nisso.
Ansiosa para mais atualização.
Obrigada.

Idalina Rodrigues said...

Parabéns suas lindas!
Adorei o capítulo, ansiosa pelo próximo.

Dan Navarro said...

Simplesmente Fabuloso!!!!! Amei cada frase... cada respiração destes dois!
Vocês duas são demais!, fico esperando o próximo!!!!!!!!

Maria said...

Oba,she came back to write again...i love you and history.

Maria said...

Ebaaa!ela voltou a escrever de novo,simplesmente amo a sua história sou apaixonada por cada capítulo e fico ansiosa para voce voltar a escrever,emine e neusa amo vcs muito continue escrevendo.obrigado vcs sao demais.bjs

Helenice Pinto Naves said...

Amei o capitulo 8 e o capitulo 9. Eles ajudaram o Cristian a digerir os traumas com a mae. Ana com seu amor mostrou como é importante perdoar para seguir em frente. Obrigada Emine e Neusa!!
Ah!! E a continuaçao se Pella? Quero ler a continuacao dessa Linda história de amor!!
Um grande abraço a todas!!

Neuza said...

Adorei!Estava ansiosa pela continuação da historia.Vcs estão de parabens meninas!Aguardando proximo capitulo

album familia said...

Muito bom. Intenso. Como sempre o amor cura as feridas. Parabéns!

Anonymous said...

Por favor continua...Adoro

Anonymous said...

Estou ansiosa pela continuação, quando sairá a próxima, e quero agradecer a vocês ao trabalho e muito sucesso. Agurdo ansiosa.

odineia antunes said...

Quase matando as leitoras de curiosidade mas volto isso que importa a nos presentear com sua escrita exemplar

Glauciane Paula said...

Perfeito, gostaria de saber se terminou? ou ainda vai prosseguir...

Glauciane Paula said...

Por favor, gostaria de saber se ira continuar...amando

Tiago Peres Do Prado said...

Oi Neuza e emine, adoro o trabalho de vocês, gostaria de saber se já lançaram os outros livros que são sequência ao ecos na eternidade, se não quando será lançado??? Aguardo resposta

Tiago Peres Do Prado said...

Oi Neuza e emine, gostaria de dizer que gosto muito do trabalho de vocês, poderiam me informar se já saiu a continuação de ecos na eternidade??se Não, quando será lançado?? ? Aguardo resposta obrigado

Erenir Sant' Anna said...

Emine, minha linda e preferida autora, continue esta história, tem muito a preencher. Estamos saudosas de sua competente criação. Tem algo que Christian possa resgatar com os pais adotivos? Encaminhar Mia? E se ele encontrasse seu pai biológico e, de alguma maneira, não fosse essa tão degradante a sua história familiar que o fizesse mais alegre? E Ana poderia ter um encontro espiritual ou com a família do pai verdadeiro? Não tem mais perseguidores inerentes a Lincoln, Elena e mesmo Leila? José sossegou? Pella não pode desaparecer simplesmente, já faz parte dessa história! Gostaríamos de sua presença no Brasil, vamos fazer um grande encontro. Hospede-se aqui em casa, em São Paulo. Vamos reunir as fãs dos personagens, da sua visão tão proveitosa, além de tudo ensina muita coisa. Te amamos aqui! Beijus para você e sua escudeira Neusa Reis! Maravilhosas mulheres que inspiram as demais!

Elizium Oficial #goelz1 said...

ola, gostaria de saber quando sera o proximo capitulo, adoro essa historia e gostaria muito q continuasse a ser publicada, sei q existem compromissos mais esse livro e tao instigante q gostaria muito q continuasse, com carinho de um leitor :)

ERIKA said...

POR FAVOR CONTINUE A HISTORIA,APAIXONADA COM SUA HISTORIA.

Rita Tavares said...
This comment has been removed by the author.
Rita Tavares said...

Gostaria de saber se haverá continuação?
Se sim, quando sairá o próximo capítulo?
Tem que ter... Aguardando, ansiosa!

Bjs

Perola Negra said...

Por favor... Continue a história. É simplesmente maravilhosa! Não nos abandone!