StatCtr

Sunday, June 30, 2013

A Série Pella - Capítulo III – AURORA

 

CAPÍTULO III
AURORA
ELISSA CASSANDRA DUNCAN
Tradução: Neusa Reis

Estou confusa, atordoada! Eu poderia jurar que vi alguém fora dos meus sonhos. Mas ele só acabou por ser alguém,  Alex... Sr. Pella, o dolorosamente atraente, possivelmente meu futuro patrão, necessário no Arizona amanhã. Quanto tempo eu estive em seu escritório? Pareceram anos, e ao mesmo tempo nenhum momento. Como isso poderia ser possível? Eu sinto que estou sob algum tipo de magia, um feitiço do qual eu não quero acordar para uma mudança. Meu coração nunca parou de bater em alta velocidade. Estou exausta apenas por estar na presença de Alex... do Sr. Pella. É melhor eu me acostumar a chamá-lo de Sr. Pella se eu for trabalhar para ele. Tenho certeza que todas as mulheres que o conhecem e homens que não estejam seguros de si,  estão apenas babando em cima dele.

"Sr. Pella, Sr. Pella, Sr. Pella, Sr. Pella... Alex,"  murmuro incapaz de me impedir. Então, meu subconsciente me repreende: "Ele vai ser seu chefe. Melhor se acostumar a chamá-lo de 'Sr. Pella'!” Eu afundo contra a parede do elevador. Preciso do emprego. Isso é tudo o que eu gostaria em uma carreira. Algo diferente, lugares diferentes todos os dias para ir, culturas diferentes para aprender. Eu ainda estou apavorada com a idéia de ter que estabelecer contatos entre um intenso, no controle e totalmente lindo homem, e os principais empresários do mundo. Mas eu tenho que sair da proximidade da Sarah e seu odioso psiquiatra.

Posso realmente trabalhar para o homem mais intenso que eu já conheci na minha vida, um homem por quem eu sinto uma atração profunda, a partir do segundo em que eu o conheci? Entretanto, essa experiência pode me dar alguma coisa para fugir dos meus sonhos. Deus sabe que eu tenho estado tentando alguma coisa, qualquer coisa, intensa de morrer, apenas para ser capaz de sentir, para não ser tão insensível à minha existência aqui e agora, e não viver em alguma terra dos sonhos. Talvez essa intensidade seja exatamente o que eu preciso. Algo para sacudir-me, para ingressar na vida nas horas da luz do dia... Eu solto um suspiro que eu não sabia que eu estava segurando. Ele é tão incrivelmente bonito e um maldito pacote final, viril e ridiculamente rico. Oh merda! Estamos em níveis totalmente diferentes. Ele provavelmente tem as mulheres em fila por todo o caminho, em todos  os cantos da terra, considerando todos os lugares que ele tenha estado, só para ter um vislumbre dele ou trinta segundos de seu precioso tempo. As mulheres que são bonitas, inteligentes, igualmente ricas, confiantes e com proezas sexuais... Meu coração afunda. Qualidades que não possuo...

"Bem ao contrário de você..." meu subconsciente me lembra,  como se eu precisasse ser lembrada. Eu não tenho nada em meu nome, o que eu deveria ter, me será tirado, logo que eles me trancafiem; Sarah deixou muito claro para mim. Minha conta corrente possui um gritante US$ 63,27; minha própria babá me deu o dinheiro para o combustível para chegar aqui. Eu sou uma recém graduada da faculdade, e a única razão pela qual eu não tenho empréstimos estudantis é porque o meu tio insistiu em pagar a minha faculdade. Ele e Stella compraram meu primeiro carro novo como um presente de formatura, um Mustang prata. Eu tenho duas melhores amigas, Melie e Rose, e eu não tive um namorado para falar sobre ele. A maioria dos caras, especialmente o último namorado, tinha o único propósito de me levar à quarta base, sem passar pela primeira, segunda ou até mesmo a terceira, que foi por isso que eu terminei com ele no ano passado. Quando se trata de sexo, o cachorro do vizinho, com dois anos, provavelmente tem melhores proezas sexuais do que eu tenho... meu subconsciente balança a cabeça para mim, tristemente. O único sexo que eu tive foi nos meus sonhos,  com um homem que não existe. Basta dizer que a extensão da minha experiência é lamentável, na melhor das hipóteses. A isso se resume o pobre inventário da minha vida. ‘Só se preocupe com a manutenção do emprego!' Eu lembro a mim mesma. Ele provavelmente pode contratar o melhor funcionário que ele quiser; por que ele quer alguém que não tem qualquer experiência de trabalho? Eu tenho que trabalhar pra caramba esta semana para provar a mim mesma.

A porta do elevador ding aberta, e eu endireito minhas costas quando eu saio e fico cara a cara com duas mulheres de pernas longas, uma loira e uma morena. A loira tem um aspecto elegante, sofisticada e muito segura de si. Eu não posso deixar de notar que ela está usando um par de botas de couro de jacaré Manolo Blahnik. Eu sei que elas custam 14 mil dólares porque Sarah possui um par, e seu vestido acabou de chegar de Paris, Londres ou Milão ou alguma capital da moda como essa. A outra mulher é uma morena, com cabelo brilhante longo, liso até a metade de suas costas, vestindo uma saia lápis  abraçando suas curvas em todos os lugares certos, e a curva de seus ‘Ds’ duplos acentuadas por sua blusa sem mangas que a abraça e pés calçados em botas Ferragamo. Ela não só cheira a dinheiro, mas também a classe. Ambas as mulheres estão segurando super caras bolsas Gucci, elegantemente, em seus braços. Pela aparência de todos quatro bem arrumados caras da segurança,  de boca aberta, posso dizer que essas mulheres estão acostumadas a receber essa reação, e eu tenho certeza que elas esperam obter a mesma resposta lá em cima.


De repente, eu me sinto muito fora do lugar. Comparada a essas duas, eu pareço uma adolescente que invadiu o armário de sua mãe e brinca de se vestir com suas roupas. As duas mulheres param de falar quando me vêem sair do elevador,  bem na frente delas e me dão um olhar avaliador, da cabeça aos pés, enquanto elas estão bloqueando o meu caminho. A brilhante ID ‘Visitante - Piso 35' que eu tenho marcada em meu peito,  capta a sua atenção. O quê? É um privilégio chegar ao 35 º andar? Decidindo que eu não sou páreo para elas de qualquer forma ou maneira, elas sorriem uma para a outra, conspiratoriamente. Elas parecem muito seguras do conhecimento de que elas se parecem com um milhão de dólares e eu, pareço uma vaqueira que está estranha em um vestido, e qualquer trabalho que vão executar no andar de cima, está no seu rosto que eu não estou qualificada para ele. Ambas portam a mesma ID ‘Visitante-35o Andar' colocada em seus grandes seios acentuados. Meu coração fica apertado, meu rosto cora, e eu sinto uma sensação de queimação estranha nos meus braços. De repente eu me sinto tonta. Elas estão sendo entrevistadas para o mesmo trabalho? Será que elas vão conseguir um treinamento de uma semana depois de mim? Por que deveria me importar quem Alex... Quero dizer, o Sr. Pella deve contratar? É a sua empresa, seu cargo de assistente pessoal. Eu posso encontrar outro emprego. Meu subconsciente me relembra, em voz baixa, que este é o trabalho que eu quero e talvez eu me sinta um pouquinho ciumenta. Eu a calo imediatamente.

Ambas as mulheres estão diante de mim, intencionalmente bloqueando meu caminho. Por que elas tentam intimidar uma estranha que apenas visitou um piso para onde elas vão?  Isso não faz sentido. "O Sr. Pella e eu tivemos um encontro, e quando ele saiu, depois de mais de 24 horas de sessão de foda muito intensa, ele tinha o mais satisfeito olhar em seu rosto," diz a loira, em tom lascivo, para a morena, mas seu olhar está grudado no meu rosto, enquanto ela está mastigando seu artificialmente reforçado lábio inferior.

"Isso não é nada,” diz a morena completamente confiante. "Ele deve ter ido devagar com você. Ele tem locais para foder  e companhia para foder em todo o mundo. Quando ele me amarrou e me fodeu insanamente,  eu estava completamente esgotada em questão de três horas, e eu posso lidar com vários caras ao mesmo tempo. Mas no final," diz ela suspirando, "nós dois estávamos muito satisfeitos de várias maneiras," ela termina a frase com um olhar de soslaio para mim, enquanto sua língua acaricia seu lábio superior, como se ela acabasse de confessar sua maior capacidade.

"Desculpem-me,” eu digo, enquanto eu empurro as duas mulheres fora do meu caminho e elas se separam como o Mar Vermelho, sem esconder seu desprezo indisfarçável. Por que elas insultam alguém com quem seus caminhos simplesmente cruzaram? É de assustar a competição em off para uma posição rara? Ser sua  assistente é uma posição rara? Lágrimas picam por trás dos meus olhos, mas eu mantenho minhas costas retas e mantenho minhas lágrimas represadas dentro de mim. Por que diabos eu iria me sentir assim? Por que os olhares que recebo, de duas vadias, me incomodam tanto assim? Nada que alguém já disse ou fez me incomodou antes. Mas não é a aparência... É o tema... Elas começaram a falar sobre ele logo que notaram que eu saí e perceberam que eu vinha do seu escritório. A pontada de ciúme que eu sinto é absurdamente ridícula. Eu conheci o cara só esta manhã! E daí que ele me salvou de cair da pedra e receber uma concussão, ou pior, morrer? E daí se ele era irracionalmente atraente e prestou-me um pouco de atenção. Ele provavelmente vai dar mais atenção a estas duas vadias. Tenho certeza de que elas seriam mais agradáveis aos olhos dos clientes do Sr. Pella. Meu coração se contrai e dói com pontadas. ‘Pensamentos felizes... pensamentos felizes... pensamentos felizes...' eu me lembro. Merda! Eu não tenho nada.

"Tudo bem! Pense em outra coisa!" Me lembra meu subconsciente, exasperada. Outra coisa, outra coisa, outra coisa... Oh, o cowboy! Lembro-me dele enquanto eu ando até a mesa de Segurança.

"Estou devolvendo a identificação," eu digo em voz baixa, para o segurança bem arrumado, sentado na mesa com vários monitores diante dele. Então eu observo o P gravado em cursiva na minha identidade de visitante. Ele concorda com a cabeça e silenciosamente a recebe de mim, ainda de olho nas duas vadias ricas que acabam de  entrar no elevador.
"Uhm... Desculpe-me," eu chamo sua atenção.

"O que é que este P significa em minha ID de  visitante?" Ele olha para a ID, e depois, quando ele olha de volta para mim, ele tem um olhar reverente em seu rosto. Por que ele está me olhando de forma estranha, reverente? Eu quase desejo que ele me olhe com indiferença.

"Ele alerta os assistentes no andar de cima que um convidado especial do Sr. Pella chegou." Convidado especial? Eu estou aqui para uma entrevista.

"E sobre a ID regular de visitante do 35º. Andar? Elas não são especiais?"

"Nem todo mundo é autorizado ao 35º. andar. Só quem tem negócios pode subir. E o P só é emitido para raros visitantes," diz ele, e murmura baixinho: "raros como um unicórnio vivo." Os outros três seguranças que estavam igualmente preocupados com as mulheres que estão subindo, agora estão olhando para mim com o mesmo olhar reverente que este está me dando. Eu balanço minha cabeça e caminho em direção à garagem subterrânea, tentando apagar da minha mente o que eu ouvi das duas mulheres. Mas as vadias ainda têm negócios lá em cima, eu penso para mim mesma. Meu rosto despenca novamente. Eu tenho que pensar em outra coisa.
"Hellooo? O cowboy?" Meu subconsciente me lembra.
  


Quem era aquele homem? Devo voltar e pedir para ver a ID dele? Isso não seria possível, a não ser que eu queira ser chutada para fora ou parecer uma idiota demente diante das vadias com classe. Ou fingir que eu preciso usar o banheiro... mas eles devem ter um banheiro aqui embaixo. Além disso, eu devolvi minha etiqueta especial de visitante. Eu fico completamente e totalmente curiosa. Eu sinto que eu apenas tive um ‘déjà vu’! Um cowboy... Bem, não exatamente um cowboy, mas um cavalheiro. Encontrar um homem que pertence ao oeste selvagem em seu apogeu, aqui, na mais moderna maravilha arquitetônica, uma construção mais fortificada do que Fort Knox, na cidade de Los Angeles, é a visão mais curiosa; a menos que, claro, meu enigmático  ‘curva meus joelhos no momento em que eu o vejo’ novo chefe,  tem algum tipo de show acontecendo para seus clientes e este cowboy é uma parte dele. Mas então ele pareceu e agiu com  muita educação, uma classe em si próprio;  um cavalheiro. Eu nunca conheci um cowboy na minha vida, mas eu me sentia como se eu tivesse conhecido este homem toda uma vida e apenas o seu momentâneo olhar e a saudação, me deram um sentimento paternal em relação a ele. Estranho, porque eu só tenho um tio e  esse desconhecido não é ele.

Eu ando no subsolo, preocupada, e começo a me enrolar com minha bolsa para encontrar as chaves do carro,  parado no meio do estacionamento. Eu deixo cair minha bolsa e me abaixo para pegá-la,  naqueles saltos altos, que eu não estou muito acostumada a usar. Este não é meu dia. O veículo de segurança, patrulhando a estrutura do estacionamento, quase me atinge quando eu me abaixo para pegar minha bolsa. Eu ouço o carro guinchando e parando a apenas poucos centímetros de mim. Eu levanto imediatamente, com uma descarga de adrenalina e fico cara a cara com o carro reservado para a segurança, totalmente congelada no meu lugar. Meu sangue está correndo quente, meu coração está batendo a cem km por hora, estou tremendo violentamente, ainda incapaz de me mover. A porta do veículo de segurança abre e um agente de segurança jovem, bem cuidado, impecavelmente vestido, apressa-se para meu lado.

"Senhorita! Senhorita, você está bem?" Ele pergunta e eu vagamente percebo que ele deixou a porta do carro aberta. Um arrepio percorre meu corpo e minha mão treme,  quando eu finalmente pego as chaves do carro da bolsa, e transfiro para a minha mão esquerda, ainda tremendo. Meu corpo está pegando fogo do que deve ter sido o encontro mais intenso que eu tive com Alex, combinado com o encontro com as  vadias fora do elevador e o quase acidente agora.

O jovem oficial de segurança está a apenas sessenta cm de distância de mim e segura meu braço direito, acima do meu cotovelo.

"Senhorita, você está bem? Você se machucou?" Ele pergunta. Eu balanço minha cabeça sem dizer nada.

"É este o seu Mustang prata?" Ele pergunta apontando para o meu carro. Concordo com a cabeça.




"Você precisa de ajuda para entrar?" Pergunta ele, amavelmente. Eu balanço minha cabeça. Meu corpo está queimando. É a ansiedade? Adrenalina? Medo?

"Eu vou ajudá-la de qualquer maneira,” diz ele,  com preocupação envolvendo sua voz. "Sinto muito,” resmunga. "Eu realmente não vi você. Foi a bolsa vermelha que chamou minha atenção quando você... levantou-se," diz ele sacudindo a cabeça. Ele pressiona o controle remoto sem tirar minhas chaves da minha mão e desbloqueia meu carro. Abrindo a porta para mim, ele me leva para dentro.

"Você pode dirigir daqui em diante? Ou você precisa descansar um pouco?” Ele pergunta preocupado.

"Estou bem, obrigada,” eu consigo sussurrar uma resposta, e acho que ele dá um suspiro de alívio. Eu me movo no banco do meu carro, e soltando minha bolsa no banco do passageiro, tento inserir a chave na ignição, ainda tremendo. Eu mantenho uma mão no volante para me equilibrar, sentindo a queimadura intensa em meus braços e pulsos e deixo cair as chaves no chão do meu carro. Eu me inclino de lado, sem jeito e pego as chaves, e desta vez, ainda trêmula, eu consigo inserir a chave na ignição e ligar meu carro. A música do meu iPod acoplado vem automaticamente, enquanto o guarda de segurança fecha a porta, ainda com preocupação em seu rosto. De onde é que esta canção vem? Não é alguma que eu tenha carregado. Será que algum dos meus amigos a carregou para mim? Eu já ouvi esta música antes. É Daughtry cantando "Break the Spell." É uma música hipnotizante. Ao ouvir isso, eu a sinto me acalmando, me levando para um lugar diferente. Eu percebo que ela define o sentimento estranho que eu tenho sentido todos os dias por Alex, pelo menos em parte...


Like a moth into a flame, I'm hypnotized and like a stone I'm paralyzed
Cause I can't look away. You find your way under my skin, in trying not to
Love you but I hate the way that I keep giving in to you like I always do no
Matter how I try, maybe could it be that you’re the part of me that's keeping
Me alive.”  

"Como uma mariposa para uma chama, estou hipnotizada e como uma pedra, estou paralisada,
Porque eu não consigo desviar o olhar. Você está sob minha pele, na tentativa  de não
Amar você, mas eu odeio a maneira como eu continuo me entregando a você, como eu sempre faço, não
Importa o quanto eu tente, talvez seja porque você é a parte de mim que está me
Mantendo viva."

Daughtry – Break the Spell

Ele canta, e minha cabeça está tonta, minhas pálpebras estão pesadas, minha respiração é superficial. A última coisa que eu ouço quando minha cabeça cai sobre o meu volante é: "Como é que eu vou quebrar este feitiço no qual você me mantém presa se estou tão viciada na dor." Outra vez não, não em plena luz do dia! E eu desmaio incapaz de ter controle sobre o meu corpo e o sono me domina, mergulhando-me em meu pesadelo recorrente. O pesadelo que me deixa sem vida, de tal forma que eu tento quase qualquer coisa para me sentir viva aqui e agora. Eu forço meus olhos para permanecerem abertos sem sucesso, e eu mergulho na escuridão, à luz do dia, pela segunda vez.

Eu espreito para fora da janela esperando o meu marido voltar para a sala de visitas. É uma noite escura sem estrelas, mas eu ainda posso distinguir o caminho de pedra terminando nos estábulos, uns três km abaixo, na estrada. Nossas duas gêmeas de dois anos, Agnes e Jill estão dormindo no andar de cima. Eu ando até minha estante e pego um livro para ler, enquanto espero Alexander voltar dos estábulos. Eu tenho uma sensação desconfortável dentro de mim, me contraindo e não consigo superar isso. Toda a ajuda, inclusive a babá,  está longe esta noite. Mas só me preocupo com a ausência de Alexander. O capataz nos acordou no meio da noite e eles voaram aos estábulos porque ambos, Boreas e seu potro de  quase dois anos, Zephyr, estavam inquietos e chutando e pulando e relinchando incansavelmente há horas. Alexander partiu com Buck Whitman para ver o que estava incomodando os meus bens mais preciosos de cavalos. Tudo, eu finalmente percebo, inclusive a casa, está estranhamente silencioso, como se a morte estivesse descendo sobre ela. Um arrepio percorre meu corpo como se alguém simplesmente passou por cima de minha sepultura e me obrigo a sento-me na espreguiçadeira e leio o livro na minha mão, sem sequer olhar para o título.

"Corra Elissa!" Eu ouço uma voz distante. Estranho... Eu olho para cima. Embora o tom da voz indique que ele está gritando, ainda soava como um sussurro aos meus ouvidos. Eu olho para cima e não vejo ninguém. Apenas a luz fraca, em cima da pequena mesa de chá que eu tenho ao lado da minha cadeira. Nenhum som além de meus batimentos cardíacos aumentando e do carrilhão do grande relógio que compramos em um leilão em Paris, no ano passado. Certamente, devo ter imaginado. Eu balanço minha cabeça, como se para sacudir o nervosismo para longe, e abaixo meu olhar de volta às palavras de Sócrates no livro que estou segurando.

"Apresse-se e corraaa!" diz a mesma voz em um tom mais alto e forte, determinada. "O que você está esperando? Corraaaa! Vá!" Ouço dizer alto e claro desta vez, em sua pretendida intensidade e afinação. Por que eu vou correr? Para onde eu vou correr? Eu olho em volta e não vejo ninguém.

É então que o cheiro acre de fogo atinge minhas narinas de repente, a sufocante intensidade me fazendo perceber por que eu tenho que me movimentar. Eu deixo cair o livro no chão, e pulo de pé, correndo a toda velocidade, me encaminhando para a enorme escada em caracol,  subindo-a  três de cada vez, enquanto gritando: "Agnes! Jill!" e eu tropeço na minha longa camisola. A fumaça está atingindo minhas narinas com força agora, enchendo meus pulmões e queimando meus olhos. Eu me ponho na posição de rastejar e subir, enquanto seguro no corrimão de ferro forjado. Eu dou uma olhada ao redor para ver o fogo. Talvez tenha uma idéia do que poderia ter causado isso. O que eu vejo me choca de maneira absoluta, o fogo parece plasma como se tivesse um corpo, envolvendo e, implodindo e sufocando. Ele invade como o inferno, consumindo todos os cantos da Four Winds, nossa casa, com a intenção de extinguir toda a vida dentro dela.



"Alexander! Socorro! "Eu me vejo gritando entre tosses. A agonia está crescendo em mim, quando eu ouço os gritos terríveis das minhas gêmeas. Tudo em que eu posso pensar é em salvar minhas crianças. Elas têm que viver! Eu vou com prazer queimar viva, desde que elas sobrevivam. "Por favor, Deus! Ajude-me a tirá-las! Por favor!" Eu imploro, enquanto eu avanço lentamente em meu caminho para cima, pelas escadas. Eu consigo tirar meu roupão e envolvê-lo em torno de minha cabeça para facilitar a respiração. Tudo em que posso pensar é chegar ao berçário, e ele parece a quilômetros de distância. A casa é construída de pedra, principalmente. Deve conter e retardar o fogo, mas isso é pouco consolo, porque ele parece estar consumindo e se espalhando como os cinco rios do Hades!

Eu não posso ir mais longe no corredor. Eu estou bloqueada.

"Elissa!" Eu ouço a voz angustiada de Alexander chamando meu nome, me dando alívio. A única voz que eu desejava ouvir toda a noite. Meu amor está aqui!

"Alexander! Eu estou aqui! "

Os gritos de Agnes e Jill são agora mais altos, com medo, e sufocados, na verdade. "Mamãe está vindo!" Eu grito determinada, mas eu sou incapaz de avançar uma polegada, bloqueada por algo que eu não posso ver.

"Alexander! Eu não posso me mexer! Pegue as meninas! Por favor!" Peço com uma voz trêmula, o medo me tomando. Eu deveria me sentir quente nesse calor, mas eu sinto frio subindo dos meus dedos, espalhando-se pelo meu corpo. Eu tenho que esfregar as mãos para aquecê-las, minha respiração sai nevoenta, como um dia de inverno com neve. Meu corpo está tremendo e tremendo, eu quase não noto a aura azul clara que está em torno do meu corpo, me fazendo pensar no azul do céu perto do amanhecer. Eu tenho um sentimento sinistro de que eu nunca mais vou ver esta cor, ou qualquer outra cor do céu novamente. Algo está terminando hoje à noite e eu me sinto terrivelmente fria.
  


"Continue correndo, Elissa! Estou chegando para pegar você!"  Eu ouço sua voz de comando, como uma tábua de salvação me preservando, me dando um jato de adrenalina, uma vontade de me agarrar a vida. Sinto-me focada imediatamente.

"Alexander! Eu não posso fazer isso. Estou bloqueada!" Eu choro. Eu não tenho nenhuma idéia do que está bloqueando meu caminho. É invisível!

"Você tem que! Corra, Elissa! Corra! Ouça a minha voz, anjo!" Ele ordena determinado, soando muito mais perto de mim. Então eu o vejo. Meus olhos buscam as gêmeas. Ele se abaixa e pega a minha mão, me puxando para cima com firmeza, me comandando, "vamos!" Meu corpo se eleva em meus pés com a sua força e quando eu sou guinada para a frente, com o puxão, eu bato nessa parede etérea, e caio para trás sentindo-me pior do que estar sendo batida pela sua força total. Nós olhamos um para o outro com horror. Mas Alexander se recompõe, e procura uma solução. Eu ouço os sinos tocando vagamente à distância, pedindo toda a ajuda que eu sei que vai ser de pouca utilidade. Ninguém pode entrar em Quatro Ventos. A não ser que eles trabalhem na fazenda. Eu tenho que fazer Alexander levar as meninas para fora e salvar minha família. Eu tenho que forçá-lo. Ele não vai querer ir se eu não for e eu vou perder todos os que eu amo. Essa noite terei que quebrar o coração do único homem que eu já amei.

"Você tem que levar as crianças para fora! Eu tenho que... encontrar uma outra maneira" eu consigo dizer, mas uma voz estrondosa reverbera, interrompendo-me:

"Nephilim!"

O quê? Meu rosto cai, e os meus dedos frios chegam até o meu cabelo em desespero, agarrando. Deixo escapar um suspiro antes de enfrentar meu marido novamente. Eu tenho que ser forte, para ele, para nós. Mas, eu sei em meu coração que este é o fim para mim. Eu fecho meus olhos com a aceitação da inevitabilidade do que está por vir. Eu me viro para olhar para o rosto do meu marido, meu único amor, incapaz de falar.

"Pelo amor de tudo que é mais sagrado, o que é Elissa?" Ele implora, depois de ver o meu rosto, o medo apertando seu tom.

"Eu não sei. Algo está chegando. Para mim... Para nós! Alexander, chame Zephyr! Ele vai levar todos vocês para fora," eu digo com uma evidente segurança.

"O quê? Não! Não sem você!" Ele se aproxima finalmente capaz de tocar minha mão, e puxa meu braço resolutamente, mas estamos sendo lentamente separados pela parede etérea gradualmente se espessando. Ela separa as nossas mãos com facilidade, como se puxando uma faca da manteiga. Horror está escrito em todo o rosto de Alexander. Ele soca a parede invisível, mas nada mexe. Ele procura um lugar para agarrar, algo para puxá-lo até chegar a mim, os olhos dão uma varredura rapidamente, uma maneira de levá-lo para o meu lado da parede. Não há nada! Frustração, raiva juntamente com os gritos de nossas gêmeas agrupadas no chão, chamando mamãe, rasga minha alma, e finalmente quebra  o controle dirigido de meu marido.

Alexander faz um punho com a mão e ele esmurra e esmurra e esmurra a parede invisível, seus olhos selvagens, como um louco, perdido em raiva, desespero, até que o sangue começa a escorrer da divisão de seus dedos, marcando a parede invisível com seu sangue que escoa e se espalha, onde seus punhos haviam pousado, como se manchando a vista através de uma janela de vidro. Eu grito e coloco minhas mãos na parede, tentando impedir o meu marido de ferir-se além do conserto, tentando parar o sangue escorrendo, mas eu não sou nem capaz de tocar nem capturar o sangue, nem suas mãos para curá-las, e os meus esforços desesperados para pará-lo são completamente inúteis.

"Não, Alexander! Não! Por favor!" Peço caindo de joelhos, com as mãos espalmadas sobre a barreira, o meu olhar sem esperança. "Eu vou ter que encontrar outra maneira. As meninas precisam de você. Eu preciso de você! Por favor!" uma grande cadeia de lágrimas descem em uma inundação no meu rosto, lágrimas que eu já não podia manter aprisionadas.

Aquela voz profunda está ficando mais perto, embora soe como se estivesse atrás de uma cachoeira. E Alexander não vai parar de socar incansavelmente,  em uma vã tentativa de chegar até mim. Ele tem que parar! Ele tem que ir, ir, antes deles chegarem aqui! Eu sei que alguma coisa, alguém está procurando por mim! O conhecimento disto está enraizado em mim. Eu só não sei o que está atrás de mim. Eu tenho que me acalmar, fazê-lo ir. Se eu desabar, ele também desaba! Mas ele não vai parar de esmurrar, e enquanto eu tremo como uma folha seca do outro lado do muro se espessando, eu ouço suas juntas racharem,  finalmente quebrando, e sua raiva lentamente dando lugar a uma agonia que rasga a alma, que me mata por dentro, para o que eu tenho que fazer com ele... conosco!

"Buscai os Nephilims!" A voz estronda novamente. É a minha deixa para fazê-lo ir. Meus olhos estão nublados com a torrente de lágrimas, meu longo cabelo escuro desgrenhado, meus olhos de safira correspondendo ao horror em seus olhos azuis.

"Tem que ser assim, amor..." Eu digo sufocando as palavras. "Encontre-me em outro tempo, em outro lugar. Nieto saberia o que fazer. Esta não é uma barreira, é um..." Eu tento manter firme minha voz tremendo, "é um muro de proteção. O fogo está me procurando. Por enquanto. Se este muro cair, todos nós morreremos."

"Como você sabe? Como você pode ter certeza? Tem que haver uma maneira! Por favor! Vamos encontrá-la, ou vamos morrer juntos," ele me implora com os olhos escurecendo. Não! Ele não pode morrer! Meus olhos ficam arregalados em sinal de protesto e eu balanço a cabeça violentamente.

"Não! Eu não posso deixar você morrer! Ouça-me, baby! Eu não sei como eu sei disso, mas eu tenho certeza. Este muro só pode se manter até eu partir. Eu não posso ir até que você vá... Eu estou  implorando, Alexander! Faça isso pelas meninas... Faça isso por mim... Eu amo você! Eu sempre vou amar você. Sempre! Agora, por favor, vá! Você vai encontrar-me outra vez... em outro lugar." A voz fica muito mais perto.

"O sangue do adulto Nephilim deve ser mantido vivo até o sacrifício. Encontre-a! "

Eu olho para trás de mim,  com medo, e, em seguida, volto-me para ele. Ele está me procurando!

"Eu estou implorando a você,  Alex, por favor! Vá! Não me deixe assistir a sua morte e a morte de minhas crianças! Porque eu terei que me voluntariar para ser sacrificada! Por favor!" Peço, tremendo como uma folha apanhada no momento de congelamento, e seu coração não é capaz de suportar qualquer um dos meus lamentos, lágrimas se agrupando em seus olhos. Todo o corpo de Alexander está tremendo, ele coloca as mãos maltratadas por cima da barreira deixando impressões de mãos sangrentas, e grita com raiva de mim, "Eu não posso ir! Eu não posso deixá-la para outra pessoa pegá-la e machucá-la! Não! É melhor que todos nós morramos juntos. Porque se você ..." Seu queixo treme na sua última palavra,  "se você morrer,” diz ele com os dentes cerrados, suas palavras sufocando-o como um veneno, “para que eu vou viver?"

"Há coisas piores do que a morte, amor," eu tento convencê-lo,  “e isso com certeza teria de ser uma delas. Lamento que a responsabilidade das nossas meninas recaia sobre você,” eu digo tomando um fôlego e adiciono, rapidamente,  “por enquanto, apenas..." e olho em seus olhos com palavras não ditas do meu amor indelével por ele. Eu finalmente sussurro fervorosamente como se alguém pudesse ouvir o nosso segredo, “mas você é o único que deve preservar a nossa família intacta!" Eu olho para ele com uma urgência suplicante. "Se todos vocês morrerem, eu não tenho nada por que viver e lutar. Você vai me encontrar em outro momento. Nieto é sua chave. Lembre-se do poema bobo que meu pai me ensinou e me pediu para eu recitá-lo, todas as manhãs quando eu acordava, e todas as noites antes de eu ir dormir, que deixava você louco? " Eu olho para ele com expectativa. "Não era apenas um velho poema, Alexander! Ele tinha um propósito. Meu pai sabia que esse dia estava chegando."

Ele balança a cabeça e me dá um sorriso que não alcança seus olhos, e repete o poema comigo:

When the sun rises on the rings of fire,
Eagles’ wings will set afire,
That’s the time to abandon the nest,
Fly on the winds of west.”

"Quando o sol se levanta sobre os anéis de fogo,
Asas de águias vão incendiar,
Essa é a hora de abandonar o ninho,
Voar nos ventos do oeste."

"Os anéis de fogo estão ao nosso redor, procurando-nos. A hora é agora!" Eu lhe mostro as minhas marcas de nascença, de ambos os meus braços, que estavam com forma estranha antes, mas a marca no meu pulso direito parece uma águia alçando vôo com duas estrelas em suas asas e meu pulso esquerdo tem uma cabeça de águia mergulhando diante de um sol ardente." É hora de deixar o ninho, meu amor!" Eu digo, e sussurro dolorosamente, “em direções diferentes. Você sabe, Zephyr tem esse nome por causa dos  ventos ocidentais. Ele é o que pode levá-lo embora! Por favor, você pode ir agora?"


Ele olha para mim como se me encontrasse pela primeira vez. A barreira invisível está se espessando, com o perigo iminente  se aproximando. Mágoa, raiva, dor e angústia torcem seu rosto como se alguém simplesmente arrancasse o coração dele, e o prendesse no Lago de Fogo em Hades. Eu o estou machucando, e isso está me matando por dentro!

Eu olho para ele com súplica desesperada e falo, sem som, as palavras:  "Por favor, vá! Salve nossa família!"

"Eu a amo! Eu sou seu coração, corpo e alma! Como eu poderia deixá-la?" Ele sussurra, como o homem destruído que ele se tornou. Eu o destruí! Palavras não ditas passam entre nós, quando nós dois, finalmente, entendemos que amar significa às vezes fazer escolhas impossíveis. Ele finalmente levanta a cabeça, respira, e uma determinação implacável, de aço trava seus olhos, "é melhor você não desistir de nós! Prometa-me que você vai nos procurar! " ele pede com a voz rouca de angústia.

Eu olho para ele. Como posso fazer essa promessa, quando a morte está à minha porta?

"Eu não vou sair, se você não fizer essa promessa, Elissa! Prometa-me, por favor!" Ele me suplica, seus olhos sem piscar, avermelhados, com lágrimas, e arregalados.

A determinação corre ao longo de toda a minha postura, e eu engulo entre meus soluços, incapaz de ver sua agonia.

"Eu prometo. Vou procurá-lo, não importa onde ou quando! Por favor, vá agora! Diga a Agnes e Jill que a mamãe as ama..." Eu digo engasgada com minhas palavras, "muito, muito mesmo. Mais do que a própria vida! A morte não pode conquistar o meu amor por você! Eu vou amar você além da vida, além da morte... Meu coração, meu corpo, minha alma amam você,  Alexander!"  Alexander enxuga as lágrimas com as costas da manga enfumaçada, com  força, e grita sem olhar para trás, "Zephyr,” em seguida, ele se inclina para pegar nossas filhas chorando, do chão.

                A sombra de Zephyr aparece na neblina, trotando em direção a eles e Alexander agarra sua crina, enquanto seus cachos loiros escuros estão se movendo como se uma brisa de primavera estivesse soprando neles. Zephyr caminha como se estivesse dentro do pasto fazendo um passeio, completamente à vontade em fogo e fumaça. Sua mãe foi criada neste fogo. Isso não é nada para ele. Enquanto Zephyr ganha velocidade através das barreiras, com sua preciosa carga, o meu coração e alma quebram em pedaços. Eu ouço um som crepitante como a água derramada na fogueira, dizendo "ela está aqui, mestre!"

O vozeirão responde e soa muito mais perto "não a machuquem. Ainda,” diz a voz, divertida. "Não até eu conseguir o que eu preciso dela."

                A morte é agora bem-vinda, uma vez que tudo que eu sempre amei se foi em segurança. O fogo chia em torno de mim, avançando em seu caminho e ainda incapaz de me atingir. Lava encontrando o oceano seu fogo apaga.

                "A mestiça está aqui mestre! Ela está protegida!" Chia a voz de fogo.

                "A minha chave para o céu...” diz uma positivamente regozijante voz estrondosa. "O calcanhar de Aquiles de seu pai e do marido... Elissa Cassandra. Estou tão feliz em conhecê-la finalmente. Infelizmente não vai ser uma circunstância feliz para você,” diz ele me provocando. Eu não posso ver seu rosto. A aura que me rodeia está começando a ser uma sombra mais opaca, de luz azul, espessa.
                Ele abre suas asas e a rajada de vento vindo de suas asas tenta empurrar a fumaça na aura, minha frágil proteção. "Nós não podemos chegar a ela, mestre. Ou uma mão sem pecado deve capturá-la, ou ela deve entregar-se voluntariamente a nós..." chia a voz.

                "Onde está seu calcanhar de Aquiles?" Estronda a voz, sua ira evidente.

                "Partiu, mestre..." chia a voz ardente humildemente.

"AAAAARGH!" estronda o anjo alado escuro, e bate com o punho na minha aura como se para quebrar a minha casca; as vibrações que seu soco cria,  correm em grandes ondas em torno de mim. O fim está próximo. Eu fecho meus olhos, tentando encontrar meu lugar feliz. "Isto é pelo meu amor..." eu sussurro, e asas escuras batem ao redor e voltam para mim, "Amor, é uma emoção superestimado! Você está fadada a sofrer a angústia de amar, e seu destino final, a morte por sacrifício, para abrir as portas para os seus superiores! Você não vai alcançar a imortalidade! Eu não vou mais ser caído uma vez que seu sangue seja derramado ou manchado,” ele berra ferozmente enquanto seu tamanho cresce cinco vezes mais e seu pé está a caminho de me esmagar sob seu enorme tamanho,  sua intenção muito clara.

                Eu fecho minha mente para tudo, incapaz de me mover, deitada no chão, resistindo, mas meu coração está finalmente sereno, sabendo que todas as pessoas que eu amo estão seguras e longe, eles não vão me ver no momento de minha morte. Meus olhos fechados, eu sussurro, "Eu amo você, Alexander! Eu amo vocês, Agnes e Jill! Eu sempre vou amar vocês...” eu sussurro.

Então aquilo acontece: vento agita meu cabelo inesperadamente, e eu sinto como se alguém estivesse puxando meu corpo para fora do inferno, com uma mão invisível, mãos, talvez. Eu grito. Eu não ouço nada no início, nem um único barulho, nem uma palavra, apenas escuridão, a sensação de cair através do espaço vazio, e o vento, só o vento. Estou privada de todos os meus sentidos. Isto é a morte? Então os meus sentidos voltam à vida rápido, eu ouço mais gritos. Sem dor física, mas uma dor aguda na minha alma e absoluta, excruciante, lancinante dor no meu coração. Isso é pior do que a morte, pior do que nada. Então eu sinto que estou sendo puxada em um túnel de vento. Girando tudo em volta, batendo, sussurrando, suave, embalando. A dor da perda é entorpecente, mas a dor ainda está perfurando, emanando como choques elétricos e rasgando minha alma em pequenos pedaços. O rosto de um homem velho do Pueblo emerge, com os olhos sem fundo, e rugas profundas. Eu o conheço? Eu acho que eu o conheço. Uma pena pendurada na trança esquerda de seu cabelo. Os olhos que viram muitos anos estão marcados com linhas profundas. E de suas orelhas balançam, o que parecem ser, dois brincos pesados ​​demais para as orelhas transportarem. Eu posso ver tudo nesta névoa ventosa. Seus lábios muito finos estão bem fechados. Seu nariz torto deve ter sido quebrado há muito tempo, e não se curou corretamente. Sua bandana de indígena de Pueblo, enrolada no alto da cabeça, duas vezes, amarrada em um nó apertado no lado esquerdo de sua cabeça. Um poncho desbotado está cobrindo o tronco e agitando-se rapidamente com o vento. Então, ele abre os lábios finos e me fala com uma melódica voz triste.

"Isto é o melhor que consigo fazer Elissa, filha de Marcus. Possam as sementes de sua memória florescer no momento certo...” diz ele com aquela voz melodiosa e pressiona algo em minha pele, debaixo do braço, na base do meu seio direito, enquanto ele me flutua ainda mais no túnel feito de vento.

"Isto é tão perto de seu coração e alma que eu posso conseguir, sem danificar seu passado... Que você possa encontrar o caminho para casa, criança de Marcus, esposa de Alexander Aurélio, mãe de Agnes e Jill. Ouça minhas últimas palavras, e acorde para um novo começo... Ouça as minhas últimas palavras e esqueça o passado e permaneça distante da sombra dos Anjos Caídos... Ouça minhas últimas palavras e não... desista... do... amor...” diz ele em uma língua antiga, e me empurra para frente com tanta força que eu sou sugada para um ciclone, como energia e, finalmente, o nada...

"Ellie! Ellie! Acorde!" Alguém me sacode com preocupação.

 "Devemos chamar um doutor, senhor?” Pergunta a voz masculina preocupada.

"O médico já está aqui!" exclama uma dominante voz masculina, severamente.

"Minhas desculpas, senhor,” responde uma voz,  humilde.

 "O segurança está esperando lá fora?” Pergunta a voz de comando.

"Sim, ele está, senhor,” responde a primeira voz em um tom suave, como se para não me acordar.

"Ele não pode sair até que ele me dê um relatório completo sobre o que aconteceu!" Ordena a voz dominante. "Certifique-se de que ele permaneça,” ele comanda, com um desprezo inconfundível.

"Sim, senhor,” responde a voz suave, então ouço rápidos passos se distanciando em direção à porta. Quando os passos cessam, eu não ouço a porta abrir e fechar. A voz do macho dominante suaviza, e fala-me baixinho, suas palavras acariciando meu nome, enquanto braços fortes estão gentilmente me balançando, em um ritmo calmante.

"Srta. Duncan? Ellie? Acorde... Você está bem. Você acabou de desmaiar em seu carro. Acorde."  Uma mão está lentamente, suavemente, esfregando meu cabelo. Eu sinto tudo, e eu o ouço, mas por que eu não posso abrir os olhos?

"Doc?" Sua voz preocupada pergunta.

"Ela vai vir por si mesma em poucos minutos. Ela deve ter tido um choque. O segurança disse que ela quase teve um acidente. Ele estava a apenas centímetros de distância de bater nela. Ele afirma que não a viu, e ele disse que ela estava muito abalada quando ele conseguiu parar o carro...” diz uma voz suave, mas com autoridade.

"Porra! Como ele não poderia ver uma mulher andando em um enorme parque de estacionamento? O que ele estava olhando?"

"Ele alega que ela se abaixou para pegar a bolsa,  que foi por isso que ele não a viu, porque  ele estava subindo uma ladeira. Mas ele afirmou que, logo depois que ele ajudou a jovem a entrar em seu carro, ela desmaiou. Ele disse que tentou acordá-la, vendo-a desmaiada, mas ela não queria acordar, o que é muito comum com o choque. Foi quando ele pediu ajuda. Ela deve ter tido uma semana difícil, e possivelmente o quase acidente foi a última gota que transbordou a taça."

Eu sinto um arrepio percorrer meu corpo, sacudindo-me. "Será que ela vai ficar bem?” Ele pergunta preocupado.

"Claro. É apenas a forma como o corpo lida com o choque, Alex. É uma resposta fisiológica. Os corpos estão acostumados a lidar com os acontecimentos a uma velocidade mais lenta, onde se pode controlar a resposta. Quando algo traumático acontece, o cérebro não consegue compreender o que está acontecendo,  porque acontece muito rapidamente, e ser quase atropelado por um carro fará isso com você. O corpo dela simplesmente puxou todo o sangue para o centro dela, como uma medida de proteção e de defesa, longe das extremidades. O cérebro dela foi temporariamente desligado."

"Mas ela está quente e fria ao mesmo tempo,” diz a voz preocupada.

"O hipotálamo regula a temperatura corporal. Quando o cérebro se desliga, o mesmo acontece com a glândula. Nada para se preocupar...” diz ele, mas eu ouço a preocupação na voz do médico. Eu tento mover meus dedos. As pontas dos meus dedos conseguem se mover.

"Você deveria deitá-la melhor. Acho que ela está voltando aos seus sentidos agora, e meu trabalho aqui está terminado,” diz a voz do doutor.

"Você tem certeza Hen...” a voz dominante vacila quando é interrompida.

"Absolutamente certo. Eu a examinei,” responde o médico com firmeza. Sinto-me sendo colocada sobre uma superfície de couro. Um gemido escapa dos meus lábios.

"Ellie, você está machucada?" Pergunta a voz carregada de preocupação.

"Ow!" Eu gerencio gemer em voz rouca, mal capaz de deixar meus olhos abertos, sentindo como se eu tivesse a maior ressaca de todo o sempre. Eu sei disso, porque minhas  duas melhores amigas me levaram para Tijuana, para o meu aniversário de 18 anos e o consumo excessivo de álcool que tivemos juntas, me deu a mesma dor de cabeça latejante, sensação de mal estar, deixando-me tonta e com a cabeça leve, com a garganta seca, ressecada. Eu tento balançar a minha perna para baixo para sentar, mas eu imediatamente me sinto fora de equilíbrio, meu estômago dói, meu coração dispara e meus olhos ardem, e me dá uma dor de cabeça quando eu tento abri-los; eu imediatamente os fecho. Vozes estão amplificadas na minha cabeça. Sinto-me febril; especialmente meus braços, parecem em chamas.

"Você não deve tentar sentar-se, Srta. Duncan!" Uma voz ordena, e eu a reconheço como sendo a voz  de Alex... A voz do Sr. Pella.

"Desculpe... Eu não sei o que deu em mim,” murmuro.

"Tenha certeza, eu vou lidar com a segurança por quase bater em você e colocá-la em estado de choque,” sua voz murmura em um tom baixo, mas claramente audível.

"Sou igualmente culpada, eu deveria ter prestado atenção,” eu respondo. "Eu me sinto bem agora, eu deveria ir,” acrescento.

"Eu não acho que você esteja pronta para dirigir duas horas, Srta Duncan. Vou fazer alguém levá-la para sua casa."

"Nããão!" Eu protesto, mas depois a cabeça me trai, quando minha própria voz ecoa em minha cabeça, como em um clube e eu acabo segurando minha cabeça entre minhas mãos.

"Justo como eu pensava! Eu não quero ser a causa da lesão da minha nova assistente antes dela começar a trabalhar para mim," ele contradiz, em um tom acariciante, sensual, tendo recuperado o seu equilíbrio.

"A assistente em experiência..." Eu o corrijo em um murmúrio baixo,  meus olhos fechados. De alguma forma eu o sinto sorrir afetado para mim.

"Anthony vai levá-la para casa, e ele também vai pegar você."

"Mas..." Eu protesto, mas ele me corta.

"Eu disse antes, Srta. Duncan. Se eu pretendo manter um bom empregado por um longo tempo, então eu faço o que está em meu poder para garantir o bem-estar do empregado, para sua máxima produtividade,” diz ele em seu tom autoconfiante.

"É gentil de sua parte,” eu respondo, em tom mordaz, minha mão ainda segurando a minha cabeça martelando, meus olhos fechados. Acho que ele está sorrindo para mim com a resposta, mas eu não posso vê-lo. Mesmo de olhos fechados, eu posso sentir seu magnetismo. Sua atração. Ele deve ter se aproximado de mim, porque eu sinto sua respiração perto da minha orelha.

"Você gostaria de ficar? O doutor disse que você precisa descansar. Eu posso...” sua voz falha, “Eu posso levá-la para o meu apartamento na cidade, e certificar-me de você receber algum cuidado,” diz ele, enquanto cada palavra é suave e macia. Eu viro minha cabeça em sua direção lentamente. Ele está sentado perto de mim, mas não me sufocando. Seu olhar está cheio de preocupação; ele parece ansioso. Suas mãos estão em seu colo, espalhadas abertas.

"Não seria apropriado para mim,  ficar com o meu novo chefe em potencial,” eu respondo com uma voz suave, mas internamente eu me chuto. Como posso desejar um homem que acabei de conhecer tão desesperadamente, tão vorazmente?

"Eu tenho uma casa... Eu posso ir para lá, enquanto você está no meu apartamento. Dessa forma, você não vai se sentir sufocada com minha presença e eu posso ter alguém para cuidar de você durante a noite. Por favor... Você acabou de desmaiar no meu prédio, logo após um dos meus seguranças quase bater em você com o carro da minha empresa."

"Não se preocupe, Sr. Pella... Eu não estou planejando processá-lo. Como eu disse, eu sou igualmente culpada,” eu respondo, virando minha cabeça de volta para olhar para o meu colo.

"Você está me ferindo, Srta Duncan. Eu não quis estender a minha cortesia porque eu pensei que você ia me processar. Apesar de que estaria dentro de seus direitos fazê-lo. Estou, no entanto, genuinamente preocupado com seu bem-estar. Você pode ligar para a sua família e dizer a eles onde você está, se isso vai fazer você se sentir segura."

"Não, não é isso... Eu não quero colocá-lo para fora de sua casa, incomodar você,” eu gaguejo minha resposta, olhando para ele novamente.

"Bem,” diz ele sorrindo enquanto ele mostra seus dentes lindos, marcando sua boca beijável e ligeiramente inclinado mas sem nunca tocar, "Eu tenho um par de quartos de hóspedes em meu apartamento. Você é  mais do que bem-vinda para usar um deles... esta noite. Você gostaria que eu ficasse no meu apartamento, Ellie?” Pergunta ele no tom mais sedutor. Meu coração está martelando nos meus ouvidos. É sua proximidade ou a minha experiência anterior? Eu engulo. Meus lábios se partem  e eu expiro lentamente. Meu corpo fica mais quente, e eu pressiono meus joelhos juntos para suprimir um desejo estranho que eu nunca tive antes. À exceção do pequeno brilho em seus olhos, ele não me dá qualquer indicação de seus pensamentos.

"É o seu apartamento. Eu não poderia colocá-lo fora... Você tem o hábito de deixar seus empregados ficarem com você?"

"Não, nunca,” ele responde decidido,  e firmemente olhando para mim,  com seus olhos penetrantes. "No entanto, minha segurança pessoal, bem como minha assistente pessoal, devem conhecer tanto o meu apartamento como minha casa, por dentro e por fora porque você pode ser obrigada a trabalhar contra o relógio, às vezes. Parte do trabalho...” diz ele encolhendo os ombros como se ele tivesse essa discussão a cada dia. "Mas, hoje, você iria  apenas. Ser. Uma. Visita...” acrescenta baixinho.

"Oh," eu respondo desapontada. Claro... Parte do trabalho... Eu me pergunto se as Peitudas Um e Dois tinham passado a noite como convidadas em seu apartamento. A partir dos pedaços da conversa que eu ouvi, elas provavelmente passaram a noite como super ultra convidadas especiais e, principalmente, fazendo amor a noite toda. Estranhamente, o ciúme me queima por dentro, e eu fecho meus olhos com força, meu rosto tem uma expressão de dor.

"Ellie, você está com dor?” Diz ele em voz baixa, as mãos imediatamente segurando meus ombros, tentando decifrar minha expressão facial. A conexão me sacode, me fazendo estremecer, me coloca em plena consciência de sua presença. Quando eu viro minha cabeça, eu estou cara a cara com ele, e tudo em que posso me concentrar é em sua boca cinzelada. Eu me forço a olhar para seus olhos, e eles estão cheios de preocupação, e de alguma forma muito familiares. Seu olhar azul escuro está focado no meu rosto, na minha reação. Seu cabelo é escuro e ondulado e cortado curto. Eu quase desejo que seu cabelo fosse mais longo. Longos suficientes para eu correr meus dedos por eles. Eu sinto um rubor crescer em meu rosto com o meu pensamento rebelde e eu fecho meus olhos.

"Ellie? O que há de errado?” Ele pergunta enquanto uma de suas mãos corre suavemente na minha bochecha. Este toque suave e sensual desperta sentimentos em mim, que eu não sabia que existiam, músculos apertam dentro de mim que eu nunca tinha utilizado, e eu me vejo inclinando-me para suas carícias suaves. O sentimento é muito novo, muito sedutor, muito cativante, mas estranhamente distante e familiar. Posso trabalhar para este homem quando eu sinto essa intensa atração por ele? Toda vez que ele tiver companhia feminina eu vou sentir ciúmes, e não tenho direito! E se ele tem uma namorada ou companhias pré-aprovadas do sexo feminino? Considerando ainda que os empregados que ele escolhe para trabalhar para ele têm que ser avaliados, antes mesmo de conseguir uma entrevista, quem pode dizer que ele não tem um departamento inteiro dedicado a aprovar suas proporções corporais e habilidades sexuais, antes que elas possam ocupar sua cama. Oh, merda! Eu gemo de dor. Imediatamente suas duas mãos estão delicadamente no meu rosto, empurrando meu cabelo para trás, me examinando. Quando eu abro meus olhos, estamos apenas a centímetros de distância. Eu engulo em seco. Seu olhar é intenso, sondando; alguma dor oculta é um pouco evidente naquele olhar ardente dele.

"Ellie? Por favor, fale comigo,” sua voz é urgente.

"Sim,” eu resmungo. Seu alívio é evidente, com aquela única palavra. O canto de sua boca beijável se contorce ​​em um meio sorriso.

"Você está bem? Como você se sente?” Pergunta ele, sem pestanejar, ou tirar seu olhar intenso do meu rosto. Eu concordo com a cabeça.

"Eu... deveria ir. Eu tenho que fazer as malas. Se eu ficar, eu não vou ter nada para levar comigo, e eu tenho certeza que você não gostaria de ter uma nada apresentável assistente pessoal."

"Mas você não está bem. Eu não posso dar uma chance da minha nova assistente ter um acidente a caminho de casa, porque eu deixei você ir. Artigos de vestuário podem ser comprados aqui...” diz ele. Mas eu sei que, com o total em minha conta bancária, eu não posso nem comprar um par de botas. E a sua inebriante, intoxicante  proximidade, não me deixam tomar uma decisão coerente. Eu baixo os olhos. Eu não quero que ele veja a profundidade do meu desejo por ele.

"Eu estou bem, realmente... Desde que eu vou estar me mudando para LA, eu não deveria adicionar despesas extras, quando eu já tenho esses itens. Eu tenho que ter cuidado com as minhas finanças, Sr. Pella. Afinal de contas, você só está me dando uma experiência de uma semana, e você poderia facilmente dizer não no final da semana..." e ele abre a boca para dizer algo, mas eu interrompo.

"Antes que você diga que você paga pelo vestuário exigido de sua segurança próxima e assistentes, eu gostaria de expressar que eu não quero estar em dívida com o meu novo chefe..." Eu digo, então, emendando, acrescento, "novo chefe na pendência da semana de experiência, quero dizer."  Um fantasma de um sorriso se arrasta até seus lábios. Suas mãos lentamente caem sobre seu próprio colo, fazendo-me sentir abandonada e saudosa, e seu dedo indicador direito e o polegar vão até o rosto dele, distraidamente acariciando seu lábio inferior, como se ele estivesse pensando. E se ele está pensando que eu sou muito problemática para contratar? Este desejo estranho em mim por ele é quase insuportável, excessivo, urgente, esmagador e até mesmo turbulento. Isto é saudável, ou mesmo normal? Mas eu nunca quis nada normal, ou comum. Eu amo a intensidade da vida. Por um lado, eu não quero estar na mesma casa com uma mãe biológica que não gosta de mim, uma mãe que é esmagadoramente egoísta, a ponto de querer me trancafiar para gerir a minha próxima herança,  deixando-me querer estar longe, longe dela. Por outro lado, eu estou olhando para este insanamente, angelicalmente belo espécime, um homem que um simples olhar, um simples toque, mesmo um simples passo que ele dá na minha direção grita intensidade sexual, sensualidade e desejo voraz. Eu posso viver com isso, se eu o vir guardando o toque, o olhar, o passo para outra pessoa? Isso não é nada bom. Eu me encontrei com ele há menos de vinte e quatro horas. Vou estar mexida no final da semana. Mas então, eu acho que vou aprender a não ser tão insensível à vida. Eu decido que eu quero a intensidade, mesmo que ele tenha namoradas em cada cidade.

"Srta. Duncan, você não ficaria em dívida comigo, de qualquer forma ou modo. Sou eu que  estou  pedindo para você ficar. Seria apenas um pequeno preço a pagar pela paz de espírito, e garantir a sua segurança."

"Obrigada, mas eu não posso aceitar isso...” eu respondo em voz baixa. Mas ele não vai desistir.

"Que tal um compromisso então... Anthony a leva a Montecito, você faz a mala, diz adeus a sua família por uma semana e ele a trás de volta para Los Angeles, hoje."

"Huh?" Eu pergunto. É evidente que isto é menos que articular para uma mulher que fala quatro idiomas fluentemente. Mas eu não entendo que tipo de compromisso é esse. Eu não sei se ele me ouviu, e se ele o fez, ele conseguiu ignorar minha observação, sem qualquer aviso e continua.

"Dessa forma, você não fica em dívida comigo, e você pode começar a familiarizar-se com o meu apartamento ou casa, pois vai ter que fazê-lo, se estiver trabalhando para mim. Como parte de seu trabalho, você é obrigada a estar à mão a qualquer momento, em qualquer local, assim como aqui, ou em qualquer outro lugar que eu possa exigir que você esteja. Você começa sua experiência hoje. Esse é o compromisso que eu estou oferecendo a você,” ele explica, seu olhar firme e penetrante através de mim, mas com o máximo de profissionalismo, com facilidade em suas reivindicações, e um leve toque de arrogância,  de um homem que está acostumado a obter o que quer em todos os momentos.

"Ok, Sr. Pella."

"Ok, você vai ficar, ou ok, você começa a trabalhar hoje?” Ele pergunta em um bem freado controle, mas algum temor oculto provoca um ligeiro deslize em sua cuidadosamente colocada máscara, me mostrando que alma perturbada ele é. O olhar que ele me dá tem um imenso poder, com uma fome voraz, uma exigência implacável para conseguir o que quer e um controle absoluto do seu mundo em ordem. Qualquer idiota pode ver que ele é um homem perigoso, mas, estranhamente, todos os nervos do meu corpo gritam que o perigo não é para mim, que ele vai me manter em segurança.

"Eu começo a trabalhar hoje,” respondo, simplesmente, para este homem para quem eu sinto que,  não posso ou não quero dizer não. Ele pega o seu smartphone do bolso e rapidamente disca para  alguém. Sem desviar o olhar de mim, ele fala  no fone.

"Anthony, você está levando a Srta. Duncan para Montecito, e trazendo-a de volta com sua bagagem,” diz ele, e ouve a resposta.

"Dentro dos próximos 10 minutos,” ele responde, e ele desliga.

"Sr. Pella, já que estarei  trabalhando para você, pelo menos toda a próxima semana, há alguém com quem eu preciso me familiarizar?  Sua outra equipe, membros da família, esposa, namorada?” Pergunto com indiferença, ou pelo menos eu espero que seja indiferente. A minha pergunta é inesperada e um brilho luminoso atravessa seus olhos, enquanto sua respiração acelera. Minha pergunta o pega de surpresa.

"Você vai conhecer o meu pessoal imediato e equipe de segurança em breve. Amanhã, talvez... Membros da minha família,” diz ele e há uma pontinha de dor em suas cuidadosamente proferidas palavras, “ou estão mortos, ou perdemos contato. Não há mulheres que me importem o suficiente para familiarizá-la."

O que eu digo para esta resposta? Seus familiares estão mortos ou ele perdeu o contato com eles. Isso é realmente triste. Não tenho ninguém para chamar de família, exceto meu tio e minha babá. Sarah não conta. Será que isso é um mau momento para mencionar a Peituda Um e a Peituda Dois que  eu conheci lá embaixo?

"Bem, uhm... Eu conheci duas senhoras lá embaixo, depois da minha entrevista com você, e eu não pude deixar de ouvir a conversa, bastante descarada. Elas estavam indicando uma para a outra que ambas estavam bem familiarizadas com você em muitas maneiras. Pensei que talvez uma delas pudesse ser sua namorada,” eu digo, dando de ombros. Ele inclina a cabeça para um lado, curva-se para se conectar com o meu olhar. Seu olhar tem fogo nele, quente, exigente e curioso.

"Você vai encontrar muitas outras mulheres falando de mim. Apenas parte da fachada. Eu não tenho ninguém digno de apresentação há muito... muito... muito tempo,” diz ele enunciando.

O que significa isso? Ele só as fode e as deixa? Eu quero descobrir? Quem foi a última mulher com quem ele se importava muito, muito, muito, muito tempo atrás?

Há uma batida em sua porta, e sem uma resposta, um homem alto, musculoso, com uma precisão militar, entra no escritório.

"Sr. Pella. Estou pronto para conduzir a Srta Duncan para Montecito. No veículo dela ou um dos nossos, senhor?” Ele pergunta, e acena com a cabeça em minha direção numa saudação.

"Um dos nossos,” ele responde. “Seria mais fácil de transportar a bagagem dela”.

"Logo que você estiver pronta,  Srta Duncan, vou levá-la,” diz ele virando-se para mim, e eu me levanto.

"Eu estou pronta".

"Eu vou vê-la esta noite, Srta Duncan,” diz Alex com uma ameaça, ou promessa, em sua voz. Minha respiração acelera, meu olhar está sobre ele incapaz de desviar-se. Por que eu não posso controlar minha reação em sua proximidade sensual e eletrizante? Tomo sua mão estendida e cumprimento-o, e deixo que o choque percorra meu corpo, uma reação bem-vinda agora. Quando eu puxo minha mão, Antony está segurando a porta aberta para mim. Alex segue-nos, uma conversa silenciosa se passa entre os dois.

E o sentimento de déjà vu me varre novamente.

"Até esta noite..." suas palavras pairam no ar, uma promessa e uma ameaça.

"Alex," Eu concordo com a cabeça e Anthony e eu entramos no elevador, deixando Alex olhando intensamente para as portas se fechando.



29 comments:

Tati said...

Nossa!!! ansiosa pelo próximo capitulo!! Emine parabéns estou adorando tudo!!! Neusa obrigada por compartilhar sua tradução com a gente!! bjs

Anonymous said...

maravilhosoooooooooooo

Natii said...

Estou amandooo essa historia, meu Deus essas coisas só acontecem ou existem em historias assim, aiii que invejaa kkkk mais inveja boa!Simplismente amandoo tudo... bjos meninas e que venham os proximos por favorr!

Olidelgi said...

Amando essa a série Pella, linda demais. Emine vc é mesmo demais, uma grande escritora. Parabéns!!!! E, Neusa sua traduçào é ótima, aguardando ansiosa pelo próximo capítulo.
Bjs,
Olidelgi

Neusa Reis said...

Oi meninas que bom que estão gostando. Eu agora sou bígama, me apaixonei pelo Alex também. E aguardem a primeira vez deles, não vai ser fácil não. Tem que parar de ler prá respirar. Amor demais... Rsrsrs
E muita ação também. Enfim perfeita como tudo que a Emine faz.
A história vai ficando bem clara com os relatos e conversas dos personagens. Bjs

Alessandra said...

Minha nossa! Novo anuncio nos classificados:
"Troco Christian Grey, em excelente estado, por Alex Pella"
É isso, Emine e Neusa, estou profundamente apaixonada pelo Alex!

Anonymous said...

Meu Deus!!!! Vcs estão querendo matar todas nós!!!! Que série, que história, que amor.....Emine como sempre arrasando na escrita!
Obridada por nos proporcionar momentos com tanto amor!!!! Já comecei a chorar..... Adoro um romance, e pelo visto este promete! E Neuza obrigada por dispor de seu tempo para nos fazer duplamente felizes!!
Bjs a todas
Lala

Patrícia Costa said...
This comment has been removed by the author.
Patrícia Costa said...

meu deussssssssssss, lindo demais, maravilhoso! Estou muito anciosa pela continuação! Linda história de amor, por favor Neusa, não demorea traduzir os próximos capítulos desta sériem e do livro III 50 tons de liberdade senão eu vou ter um ataque cardíaco aqui!!!! RSrs :)

Pao said...

Capítulo precioso pero a la vez muy triste, que forma espantosa de perder a su familia y que terrible para él tener que dejarla en la casa sabiendo que se iba a morir. Una historia realmente apasionante, romántica y hermosa. Gracias Emine, preciosa historia. ¿Emine esta historia es un solo libro?¿ o la historia continua? Gracias por la traducción, realmente estarás bien ocupada ahora con la traducción de los dos libros. Gracias por tu dedicación y esfuerzo.

Eminé Fougner @ Cowboyland said...

Thank you for your lovely comments everyone! Love you all!

Pao - this is a series. There will be about 4 books.

I will post a synopsis later (sometime by the weekend I hope). Look for it under the English site.

Leda Carneiro said...

Concordo com vc Neusa, apaixonoi-me por Pella também, que homem.Estou amando essa série Emine.


Anonymous said...

Que história maravilhosa! Amando cada capítulo! ! !
Aline Ribeiro

Hosana Carelos said...

Amei o lindo e poderoso Alex Pella.
Muito intenso...


Janiara Hernandez da Rosa said...

Adorooooo!!!
Agora além de viciada em Grey tem Pella, meus dias são melhores com eles!!!
Ameiiiii

Andrea Leoncio said...

Tirei o dia para reler estes poucos capítulos da Série Pella e comentar todos eles...mas não consigo encontrar palavras suficientes, foi por isso que não tinha comentado antes...não queria ser repetitiva, agora correndo o risco de ser completamente piegas, tenho que dizer que estou apaixonada pela história e eu preciso ler inteiro,então fico torcendo para que ele seja publicado no Brasil...e que não demore muito!
Beijos Emine
Beijos Neusa

Jeciane Nogueira said...

Estou adorando essa história da Emine !!! Me emocionei muito na parte em que a Elle e o Alex se despedem no incêndio. Parabéns para Emine,você é muito talendosa. Obrigada Neusa por sua maravilhosa tradução!!

Cora said...

Nooooosaaaa...fogooooo, fogoooo!

Neusa to contigo, virei bígama também...kkk

Bjões Emeni e Neusa

Margareth said...

Obrigada Emine, obrigada Neuza....obrigada por tanto carinho conosco, obrigada por esta estória maravilhosa, grandiosa.
Vc é uma grande escritora Emine, por favor não nos abandone, e vc Neuza obrigada pela delicadeza e detalhes e comprometimento na tradução.
bjs em todas!!!!

Eminé Fougner @ Cowboyland said...

Hi Margareth!

I'm not going to abandon you. I'm actually writing a lot. I have finished writing the first book in the Pella Series. It's called: Echoes in Eternity (Ecos na Eternidade)

It's getting edited right now. The first publishing date is September 2nd. Meanwhile I am going to continue with 50 Shades.

I just got so much work to do. My job, book and the blog... and family. Lots and lots of work.

But, don't worry. You are not going to be abandoned. Please be patient with me until I get my schedule in order. I homeschool one of my children as well. I just got a lot on my plate lately. But, I am busily writing. No worries. I love you all, and thank you for your dedication.

hugs and kisses!!! <3

Margareth said...

Querida Emine, qdo li seu post resposta qse tive um desmaio (rs)

Muito obrigada pelo carinho, muito obrigada pela atenção.

Sou sua fã fiel - amo sua literatura e o que precisar de nós, aqui no Brasil, conte conosco, pois vim somar ao seu fã clube.

Vc pretende publicar o livro 1 (Eco na Eterninade aqui no seu blog, ou teremos somente o livro?) Bom, eu, irei comprar de qualquer forma qdo for publicado.

bjs,

Margareth

Eminé Fougner @ Cowboyland said...

Querida Margareth,

The Echoes in Eternity (Ecos na Eternidade) will be published as a book on September 2nd. Neusa is going to be the Portuguese translator. I don't have a timeline for Portuguese yet. It is dependent on Neusa's schedule. It would be great to have it at the same time. But we shall see.

I will also be in Brazil (Sao Paulo) in December of 2014. (December 12th). I will attend a convention (Convenção 50 Tons de Cinza Brazil). If you are close by to Sao Paulo, I'd like to see you. I will see most of my readers if they come there. If they can't attend, I will still see them in Sao Paulo maybe at a mall or someplace convenient for everyone.

I hope to see you there!

abraços e beijos!!

Daniela Martins said...

Beautiful!
Wonderful!
Amazing!
Perfect!
Pretty good!
Congratulations again, dear Emine!
Kisses and hugs!
Dani
;-)

Daniela Martins said...

Nao resisti e acabei lendo este capitulo novamente agora! Quanto sentimento lindo....e as palavras que você, Emine, escolhe para expressa-los, são maravilhosas.
Não me canso de ler/reler isto: " Deus sabe que eu tenho estado tentando alguma coisa, qualquer coisa, intensa de morrer, apenas para ser capaz de sentir, para não ser tão insensível à minha existência aqui e agora, e não viver em alguma terra dos sonhos. Talvez essa intensidade seja exatamente o que eu preciso. Algo para sacudir-me, para ingressar na vida nas horas da luz do dia..."
Pode isto ser mais perfeito?!
Me deixe aterrisar e cobtinuar a leitura!
Bjkas
Dani
;-)

Anonymous said...

Apaixonada por seus livros emine!!! Esperando anciosa pelo proximo capitulo do grey.. começei a ler o do pella e me apaixonei!!! Agora estou duplamente apaixonada e anciosa!!! Kkkkk neuza vc é maravilhosa!! Sua tradução é divina!! Tanto sentimento!! Como sou nova por aqui queria te perguntar quanto tempo a emine leva pra postar? Desculpa!! E que sofro de anciedade aguda!! Kkkkkk. Obrigada meninas por fazer meus dias melhores!!! Bjins NINA

Thamy said...

Hello Emine, Neusa.
I am here again reading the series pella the third time, and to dying to read the book, did the book already out in Portuguese? where can I buy? or even the book in English, so learn English to read this book, I am in love with Mr. Pella, sorry the mistakes I used google translator to order in English. kiss

Ola Emine, Neusa.
Estou eu aqui novamente lendo a serie pella pela terceira vez, e to louca pra ler o livro, por acaso o livro ja saiu em portugues? onde posso comprar? ou mesmo o livro em ingles, aprendo ingles so para ler esse livro, sou apaixonada pelo Sr. Pella, desculpe os erros usei o google tradutor para mandar em ingles. bjo

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Boa tarde Thamy!

O livro em português saíra em breve!

Vamos divulgar aqui no blog!!

O livro em ingles você pode comprar na amazon.com
Mesmo que você não tenha o kindle, na hora que você comprar o livro eles te dão a possibilidade de baixar gratuitamente o kindle PC, tablet ou pelo smartphone!

Espero ter lhe ajudado!

Beijos

Rosângea

Thamy said...

Obrigado Rosangela, espero que o livro em portugues saia logo

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque foi prorrogada a promoção e logo voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar! A história é maravilhosa!
Beijos,
Pry