StatCtr

Saturday, October 5, 2013

LIVRO IV - Capítulo VI - Christian e Anastasia FanFiction

CAPÍTULO VI

HISTÓRIA PARA DORMIR

Tradução: Neusa Reis

Os lábios de Anastasia partem como se sua inalação profunda não pudesse obter ar suficiente para seus pulmões. Ela está curiosa, mas também no precipício de uma decisão. Ela está pronta para isso? Eu fecho meus olhos e engulo em seco tentando decidir se eu quero contar-lhe tudo. Depois do que vivemos durante esta semana, a nossa vida mudou de forma irrevogável, e eu não quero que nada fique entre nós. Nem mesmo um sussurro ou um fantasma do meu fodido passado. Quando eu abro meus olhos de novo, o olhar de Anastasia está fixado em mim com toda a sua intensidade. Lembranças daquele fatídico verão vêm em torrentes. Eu respiro fundo e as comportas abrem.
Bryan Adams – Please Forgive Me
"Era um dia quente de verão. Eu estava trabalhando duro,” eu bufo lembrando. Eu não fazia esse trabalho árduo há um longo tempo. Eu balanço minha cabeça, divertindo-me com o pensamento de quão duro eu trabalhei para a pequena quantidade de dinheiro. "O trabalho era árduo, tirando todos aqueles escombros. Eu estava trabalhando para mim mesmo, e Ele... - " eu digo lembrando. Era a Sra. Lincoln então. "...Sra. Lincoln apareceu do nada e me trouxe um pouco de limonada. Trocamos uma pequena conversa, e eu fiz algum comentário idiota... e ela me deu um tapa. Ela me deu um tapa muito forte,” eu digo, com o fantasma da dor a minha mão chegando a minha bochecha novamente, acariciando.
Depois de me dar um fodido tapa muito forte, queimando meu rosto, ela agarrou meu rosto com as mãos, mas não me tocou em qualquer outro lugar, e me beijou ferozmente com dominância,  intensa carícia  de seus lábios. O beijo de Elena era possessivo, tudo consumindo, como se ela me acendesse um fogo e me deixasse queimar-me por dentro com um fogo que nunca ia apagar. Foi uma sensação que eu nunca tinha experimentado, e eu nunca pensei que eu poderia experimentar. Ela despertou a fera em mim. Eu continuo falando sobre a minha primeira experiência com Elena.
"Mas no entanto ela me beijou. E quando ela terminou, ela me deu um tapa de novo,” murmuro, piscando. Até o dia de hoje, eu ainda estou perplexo com isso. Eu era um encrenqueiro, indigno de amor ou cuidado. Porque eu era, e ainda sou, uma besta por dentro. Você vê, o único dia do ano que eu me sentia confortável era Halloween. Porque esse era o único dia em que os fantasmas e os monstros em mim combinavam com o cenário lá fora, um dia irônico que me colocava dentro da norma. O beijo de Elena despertou o  monstro faminto  em mim, então; uma besta sexualmente faminta que eu nunca soube que existia dentro de mim veio para forçar, com poder total. E a dor, a dor que veio junto com o escuro, com o assustador lado macabro em mim... a dor era familiar, bem-vinda mesmo.
"Eu nunca tinha sido beijado antes ou apanhado daquele jeito,” eu confesso.
Eu olho para baixo para Anastasia. Elena é o seu limite rígido. Eu não sei se devo contar a ela sobre isso, mas eu quero. Não quero barreiras entre nós. Nenhuma mancha escura deixada oculta.
"Você quer ouvir isso?" Eu pergunto.
Indecisão atravessa seu rosto. "Só se você quiser me dizer,” diz ela em voz baixa, me encarando.
"Eu estou tentando dar-lhe algum contexto."
Ela acena com a cabeça concordando, encorajando-me a continuar, então. Mas Anastasia parece chocada, seus olhos estão arregalados, e ela está sem palavras. Eu procuro em seu rosto por um traço de desinteresse, medo ou qualquer indicação de que ela não quer ouvir isso. Eu finalmente vejo o incentivo que eu estou procurando em seu rosto, e rolo sobre minhas costas olhando para o teto.
"Bem, naturalmente, eu estava confuso e irritado e com tesão como o inferno. Quero dizer, uma mulher mais velha, quente, vem para você dessa maneira -" eu digo balançando a cabeça. Meninos de quinze anos, não importa o quanto meninas de quinze anos de idade pensem que eles sejam quentes e irresistíveis, não são exatamente o material que mulheres mais velhas estão procurando. Mas, agora eu reconheço a presença dominante inicial de Elena. Ela queria alguém que ela pudesse treinar e dominar completamente. Eu nunca tive chance de escapar.  Elena teve primeiramente uma ingestão aguda de ar, depois da minha  observação idiota, e sua postura mudou imediatamente, para uma dominante. Ela empurrou os ombros para trás, em quadratura com eles, a cabeça ligeiramente avançou, como uma águia pronta para capturar a presa. Eu não podia senão responder a sua posição, automaticamente, porque eu nunca tinha visto nada como isso antes. Na verdade, eu não me lembro de ter visto Elena com esta posição dominante em nenhum dos encontros familiares.
Eu ouço uma ingestão controlada de respiração de Anastasia ao meu comentário sobre Elena ser quente. Minha observação foi retrospectiva, de como eu me senti sobre mim mesmo, e quão insignificante e sem valor eu pensava  ser. Um caso de doação de caridade; um danificado garoto órfão de merda, nascido de uma prostituta que estava nas drogas. Espancado pelo cafetão dela, faminto até o ponto em que eu não me importaria de comer grama de jardim se eu tivesse oportunidade, ou chance de sair, eu fui uma vez assim insignificante aos quatro anos de idade. Então, Elena me beijando, este inútil homem-criança e me batendo para endireitar o meu comportamento boca suja, imediatamente focou todo o meu interesse nela. De repente eu era o foco desta mulher quente. 
Confuso, interessado, excitado e para uma mudança, eu queria que essa experiência continuasse. Fui apresentado a uma sensação; desencadeada pelos lábios de Elena sobre os meus, e seu tapa forte me sacudiu dentro e fora do meu corpo, me disciplinando. Eu quis tudo isso com tal intensidade, como se toda a fome de quinze anos que eu tive por contato físico, estava prestes a ser saciada na forma de um banquete prometido de sensações com ela.  O comportamento de Elena disse que ela me queria e seu beijo me fez querer experimentar isso de novo e de novo.  
Sentindo o olhar de Anastasia em mim, eu continuo minha história.
"Ela voltou para a casa, deixando-me no quintal. Ela agiu como se nada tivesse acontecido. Eu estava em uma perda total. Então eu voltei ao trabalho, carregando o entulho para o lixo. Quando saí naquela noite, ela me pediu para voltar no dia seguinte. Ela não mencionou o que havia acontecido. Assim, no dia seguinte, eu voltei. Eu mal podia esperar para vê-la de novo,” eu sussurro, finalmente permitindo Anastasia em meu passado sombrio; sentindo como se eu estivesse em um confessionário, derramando todos os meus pecados para uma pessoa que tinha o poder de perdoar e limpar a lousa para mim.
Eu não sei o que Anastasia está pensando, mas posso sentir o julgamento que está passando por sua cabeça, em relação a mim, mas principalmente para Elena.
"Ela não me tocou quando me beijou,” murmuro e me volto para minha esposa, olhando para ela, tentando ver o que ela está pensando. Eu vejo seu rosto inquisidor dirigido a mim. "Você tem que entender... minha vida era o inferno na terra. Eu era uma ereção ambulante, quinze anos de idade, alto para a minha idade, os hormônios em fúria. As meninas na escola -" eu paro por aí. Meninas achavam que eu era um cara bonito, mas eu não podia deixá-las perto de mim sem pânico. Eu era uma fodida aberração! Eu não podia deixar as meninas ou qualquer um para este assunto, me tocar. Mesmo um simples, não pensado gesto para muitos, era um gatilho para eu perder as estribeiras. Não é porque eu não estava excitado, ou que meus hormônios não estavam causando estragos no meu corpo com relação ao sexo oposto. Meu medo de toque ultrapassou minha vida, e não havia nenhuma maneira de me livrar dele. O rosto de Anastasia suaviza com a compreensão.
"Eu estava com raiva, com uma fodida raiva de todos, de mim, dos meus pais. Eu não tinha amigos. Meu terapeuta na época era um babaca total. Os meus pais, me mantiveram em uma rédea curta; eles não entendiam," eu solto um longo suspiro.  Meu olhar flui para o teto novamente, olhando, mas não vendo. Minha mão percorre o meu cabelo, exasperado, como se isso tivesse acontecido ontem. Nada acalmava minha alma, nada saciava a raiva que eu tinha em mim; nem as brigas, nem a terapia, nem os conselhos dos meus pais, ou suas preocupações, nem restrições ou limites, e eu era uma merda de uma bola apertada de energia negativa,  pronto para estourar a qualquer momento. Não havia nada que pudesse me conter e não ser danificado por mim. Eu era mercadoria danificada! Mesmo respirar exigia um esforço. Tudo me irritava; eu estava zangado com o universo por me ter  existindo, e sendo dessa maneira. Meu mundo era caótico, raios de energia carregando dentro de mim, descontrolado, selvagem, volátil e violento direcionado a todos os lugares e a todos. Então Elena veio, contendo isso para mim. Eu percebo que Anastasia está inusualmente imóvel ao meu lado.
"Eu simplesmente não podia suportar alguém tocar-me. Eu não podia! Não podia suportar qualquer pessoa perto de mim. Eu costumava brigar... porra, eu briguei. Entrei em algumas brigas horríveis. Fui expulso de um par de escolas. Mas foi uma forma de desabafar. Para tolerar algum tipo de contato físico," eu digo interrompendo.
Brigar serviu para dois propósitos. Isto me deu dor quando eu era atingido, e isto me permitiu sentir... alguma coisa, qualquer coisa. E, no entanto quão pouco ou quão negativo era, aquela foi a forma para mim de tocar sem pretender, ou focando no ato de tocar e ser tocado, mesmo que fosse violento. Todo o stress me colocou pronto para estourar a qualquer momento.
Eu procuro o rosto de Anastasia. Ela está silenciosa, congelada como uma estátua, seus olhos estão arregalados em choque total. Eu franzo a testa. Estou assustando-a? Não há nenhuma indicação disso. Eu acho que ela quer que eu vá adiante. Eu viro em minhas  costas e continuo a olhar para o teto novamente.
"Bem, você pegou a idéia. E quando ela me beijou, ela só pegou meu rosto. Ela não me tocou,” eu digo em voz quase inaudível. Eu não estou esperando que Anastasia entenda isso. Imagine alguém dando-lhe comida e água depois que você foi carente por 15 anos, se fosse possível sobreviver a tal provação. Esse foi o meu sentimento, e, claro, tendo 15 anos de idade, eu levei tudo o que ela estava disposta a me dar, fazer para mim ou por mim, e segurei-o como um bote salva-vidas. Eu estava finalmente respirando.
Elena era amiga da minha mãe e ela frequentava nossa casa muitas vezes. Eu não tinha prestado atenção nela antes, embora qualquer um podia ver que ela era uma quente mulher atraente. Eu já havia pegado uma vez minha mãe perguntando quando ela iria ter filhos. Elena disse que ela preferia as crianças da minha mãe em vez de ter seus próprios filhos. E a ironia não está agora perdida por  mim.
Anastasia dobra sua mão sob seu travesseiro e descansa a cabeça no travesseiro de forma a conter-se. Por quê?
"Bem, no dia seguinte eu voltei para a casa dela, não sabendo o que esperar. E eu vou poupar você dos detalhes sórdidos, mas havia mais do mesmo. E foi assim que nosso relacionamento começou," eu resumo. Mas a lembrança do segundo dia corre espontaneamente.

Quando cheguei a casa dos Lincoln naquele dia, Elena abriu a porta, sem uma palavra deixou-me entrar, acenou para minha mãe com um sorriso encantador. Uma vez que minha mãe foi embora, ela fechou a porta, olhou para o relógio, ”você está 12 minutos atrasado,” disse ela com seu olhar gelado, me congelando até o meu núcleo e furiosa ao mesmo tempo, fazendo-a quente como um vulcão. Fiquei bastante surpreso com o olhar contraditório.
"Elena, minha mãe tinha..." Eu disse tentando dizer a ela que minha mãe tinha me feito tirar o lixo e rapidamente fazer algumas tarefas antes de eu sair, mas ela não me deixou terminar minhas palavras, batendo-me com força em  minha bochecha e depois com as costas da mão. Eu ainda posso sentir o zumbido nos meus ouvidos com a lembrança.
"Sra. Lincoln,” ela corrigiu-me firme e decididamente, agarrando em seguida minha cabeça, um pouco me puxando para baixo, porque eu era ainda mais alto do que ela. Ela me beijou selvagemente, punitivamente, brutalmente de fato, mordendo o interior do meu lábio inferior, tirando sangue. O gosto de cobre na minha boca era bem-vindo, apesar da selvageria de seu ato. Eu estava viciado.
"Eu não atraso! Se eu lhe pedir para estar aqui às 9:00 da manhã eu  NÃO indico que seja 09:01 ou 08:59. Eu quis dizer exatamente às 9:00. Você deve ser pontual. E você tem que fazer o que lhe foi pedido. Você me entende, Christian?"
"Ah, sim," Eu me lembro de resmungar, confuso.
"O quê?” Ela me perguntou batendo no meu rosto novamente.
"S... S .. sim," Eu rangia então. Ela me bateu com as costas da mão depois da minha fala arrastada.
“’Sim, senhora,’  é a resposta correta,” ela sibila, seu olhar fixo em mim.
"Sim, senhora,” eu respondi olhando para ela com devoção, então ela puxou meu rosto e me beijou brutalmente de novo. Uma vez que ela soltou meus lábios inchados, ela me recompensou com um prazeiroso sorriso predatório, com um sorriso que eu tentei ganhar daí prá frente.
"Eu preciso que você venha todos os dias desta semana, no momento exato que eu lhe disser para vir, e você vai realizar o que eu lhe pedir para realizar,” ela disse com um duplo sentido que mesmo eu, um adolescente com tesão,  não deixaria de perceber.
"Na quarta-feira, eu tenho..." Eu disse e ela me deu um olhar aguçado, e depois me deu um tapa novamente, me fazendo piscar.
"Resposta errada. Eu não tolero desobediência."
"Sim, minha senhora, eu estarei aqui,” eu consegui responder.
"Bom. Agora, o seu trabalho está esperando no quintal,” ela disse para meu rosto confuso, completamente impassível. Foi assim que tudo começou. Dentro dessa semana Elena me fez parar de beber, faltar às aulas, brigar e me deu o primeiro gosto da vara, e minha primeira experiência sexual. Ela tomou todas as decisões por mim, e eu devia apenas obedecer. Pela primeira vez na minha vida, eu não tinha que pensar como lidar com algo, alguém ou um problema. Já estava decidido por mim. Tudo que Elena tinha para me dizer era para saltar. E se eu tivesse a sua permissão para falar, eu nem sequer tinha que perguntar que altura, porque Elena já teria especificado a altura, comprimento, e a duração deste salto. Meu mundo caótico focado, porque o caos foi eliminado por ela assumir o controle total e absoluto sobre mim.

Afrojack - assumir o controle

Eu me mexo no meu lugar, virando de  lado, eu olho para Anastasia.
"E você sabe uma coisa, Ana? Meu mundo entrou em foco. Nítido e claro. Tudo. Era exatamente o que eu precisava. Ela era uma lufada de ar fresco. Tomando decisões, levando toda essa merda para longe de mim, me deixando respirar."
Eu posso ver que é doloroso para Anastasia ouvir isso; mas esta é a minha vida, sem censura. Esta era a pessoa, o homem-criança que eu fui uma vez, fora de controle, indisciplinado, caótico, argumentativo, desobediente, e prejudicial para o meu próprio bem-estar e futuro. Se a minha vida não tivesse encontrado o foco que precisava, eu não sei onde eu estaria sem a interferência correta e certa para a pessoa que eu era. É inteiramente possível que eu pudesse ter encontrado isso, mas talvez ao longo do caminho, eu teria causado outros danos a mim mesmo, e, inadvertidamente, à minha família, até que o foco entrasse na minha vida. Há um tempo e um lugar para certas experiências na vida... Como a porra do clichê diz ‘tudo acontece por uma razão’, e talvez fosse necessário que  eu vivesse isso no momento, por mais errado que fosse. Porque eu não estava recebendo a ajuda certa em qualquer outro lugar. Nada estava funcionando. Eu entendo agora que Elena tinha me usado como um aluno; escravo sexual em formação, um menino-brinquedo de uma esposa troféu entediada. Ela poderia ter ainda me ajudado, sem me abusar. Mas Elena tinha o seu caminho, e eu nunca poderia ter argumentado com isso. Ela poderia ter esperado até que eu fosse velho o suficiente para dar o meu consentimento? Ela poderia ter, mas Elena nunca teve escrúpulos sobre minha idade. Ela me possuía, e desfrutou da experiência.
Minha última declaração provoca uma faísca de dor atravessar o rosto de Anastasia, mas ela não me impede, ou discute comigo, ou me diz que ela está desgostosa por mim.
"E mesmo quando tudo acabou,  meu mundo ficou em foco por causa dela. E ficou assim até que eu conheci você,” eu digo, e o choque no rosto de Ana é claro como a luz do dia. Eu coloco uma mecha de cabelo atrás da sua orelha. Eu sei o que ela está pensando, mas sua marca de caos é exatamente o que eu precisava, depois de ter aprendido a controlar, e focar. Porque esta é a minha natureza. Quero controle, eu preciso de controle, como o ar que eu respiro. Mas eu já aprendi a exercitar isso. Fiel à minha natureza, eu também preciso da emoção, do caos, do desafio que Anastasia traz para a minha vida. Eu não sabia que esta era uma necessidade, até que ela tropeçou na minha porta.


"Você virou meu mundo de cabeça para baixo,” eu digo fechando meus olhos, lembrando-me da primeira sensação de desafio que ela me deu, telefonando bêbada. A primeira noite, Ana dormindo na minha cama... Eu não pude fechar os olhos para dormir uma piscadela, porque tudo que eu queria era vê-la. Senti imediatamente que esta era a mulher que eu precisava na minha vida. Foi além de desejá-la. Foi cru, primitivo, necessidade irrevogável. Minha vida encontrou sua finalidade quando descobri Anastasia. Eu olho para a minha esposa, ela é pura atenção.
"Meu mundo era ordenado, calmo e controlado, então você entrou na minha vida com sua boca inteligente, sua inocência, sua beleza e sua temeridade tranquila... e tudo o que antes era apenas aborrecido, vazio, medíocre... não era nada."
Seu rosto suaviza; sua respiração acelerada e os olhos bem abertos, enquanto ela escuta.
"Eu me apaixonei,” eu sussurro. Eu ouço sua respiração falhar,  e ela para de respirar por um tempo. Eu acaricio seu rosto.
"Eu também,”  ela murmura. Sua resposta enche meus olhos de amor por ela, intensamente.
"Eu sei,” eu falo sem som. Ela toma uma respiração profunda.
"Você sabe?” Ela pergunta.
"Sim,” eu confirmo. Claro que sim. O conhecimento do seu amor é o bem mais bem-vindo e mais valioso que eu tenho em meu coração; isso significa que eu tenho o coração e a alma da minha esposa.
"Finalmente,” ela sussurra, enquanto ela sorri timidamente para mim. Concordo com a cabeça.
"E isto colocou tudo em perspectiva para mim. Quando eu era mais jovem, Elena era o centro do meu mundo. Não havia nada que eu não faria para ela. E ela fez muito por mim. Ela parou a minha bebida. Me fez trabalhar duro na escola... Você sabe, ela me deu um mecanismo de enfrentamento que eu não tinha antes, me permitiu experimentar coisas que eu nunca pensei que eu pudesse."
"Toque,” ela sussurra, ainda triste.
Eu sei que é difícil para ela ouvir. Mas, sem a ajuda de Elena, eu não sei onde eu estaria neste momento da minha vida. Porque, pela primeira vez na minha vida, meus problemas não estavam me afogando e não era uma luta constante para me manter à tona para respirar. Não foi difícil obedecê-la, porque ela também era falha como eu e muito diferente de minha família perfeita. Eu estava bem consciente de seu lado escuro começando com o primeiro tapa no meu rosto; mas nesse escuro, sua voz de comando era o único som que eu ouvia e que me guiava, escurecendo todo o resto que me dava medo, puxando-os para as sombras, não apagando-os ou fazendo-os desaparecer, mas misturando-os à escuridão, então eu já não os via, e não os deixava me afetar até que eu era capaz de construir camadas de proteção para proteger-me, por mim mesmo. Elena me ensinou a esconder e mascarar todos os meus medos, mantendo-os à distância e perder minhas inibições, apresentou-me a um estilo de vida que se tornou meu mecanismo de enfrentamento.
Eu não tinha pensado nisso ou mesmo considerado os erros dessa relação até recentemente. Lembro-me de uma pausa na escola e voltar para casa de Harvard. Minha mãe reuniu toda a família e os 'amigos' para comemorar o meu regresso a casa. Meu irmão Elliot pensou que estava me fazendo um favor e levou sua então namorada e a companheira de quarto dela para uma possível combinação comigo. A menina era como branco sobre arroz em mim, tentando chegar ao meu lado bom, e ela era bonita, eu vou conceder-lhe isso, mas eu não estava no mercado para alguém. Eu tinha Elena, ela era tudo o que eu queria ou precisava. E Elena tinha-me, pelas bolas, literalmente. Ela me olhou com frieza durante o jantar da minha mãe. Pegando em meu braço depois, ela disse: "Christian, querido, eu tenho que saber tudo sobre a sua escola,” e me levou pelo cais. Meus pais pensavam nela como uma tia para seus filhos. Quando chegamos à escuridão relativa do cais, ela deixou cair toda a farsa e se virou e me deu um tapa muito forte.

"Você cruzou a linha por tolerar aquela vadia. Eu não compartilho, Christian. Isto foi intolerável, e você tem se comportado mal e desviou-se do que eu esperava de você quando você estava fora. Eu vou fazer algo sobre isso. Quando eu sair nos próximos 10 minutos, eu quero que você entre em qualquer carro que você possa, e chegue à minha casa precisamente 15 minutos depois de eu ter ido embora. O Sr. Lincoln está fora em uma viagem de negócios,” disse ela, e no brilho do luar, eu podia ver seus irritados, frios olhos azuis, sinistros, e cheios de fúria.

"Quando você chegar lá,” ela disse com sua mão segurando meu pau, e bolas, apertando forte até que meus olhos rolaram para trás da minha cabeça,  "Eu não quero nada sobre você, exceto uma gaiola para pau,” ela enuncia, sem dar mais detalhes. Elena poderia vir para cima com os castigos mais cruéis ou incomuns. Eu não sabia o que deveria esperar. Eu nem sei que desculpas eu dei a minha família e saí 15 minutos depois dela, para chegar  até a casa dela na hora.


A porta de sua casa estava aberta e ela estava em sua roupa toda de couro de Dominatrix. Eu silenciosamente fui para seu calabouço, e tirei minhas  roupas. Coloquei meu pênis dentro da jaula para pau o que não era fácil e também não era façanha livre de dor, considerando que eu tinha uma ereção enorme com a expectativa. Eu tive que passar por todas as   fórmulas e equações de microeconomia para desviar minha atenção da minha excitação, para conter meu pau dentro do confinamento mínimo da gaiola para pau.  



Elena caminhou atrás de mim, me mandando ir e ficar perto da parede decorada com correntes e algemas de metal. Nem as correntes nem as algemas estavam presas à parede; mas sim a uma unidade livre, que você pode girar a sua volta e aplicar a punição, tanto na parte da frente ou de trás. Ela estava indo bater a merda fora de mim, sabendo que ela pretendia deixar a sua marca por todo o corpo, do meu pulso para o meu pau e até meus pés. Sem shorts ou t-shirt para mim nas próximas duas semanas. Ela algemou meus tornozelos em primeiro lugar e, em seguida, os pulsos, certificando-se de que eles foram adicionalmente apertados, em seguida, puxou as correntes para me fazer spread-eagle (N.T. O spread eagle é a posição em que uma pessoa tem seus braços esticados e as pernas afastadas, figurativamente semelhante a uma águia com as asas espalhadas. É um estilo que aparece comumente na natureza e geometria. No modelo humano é representada pela letra "X".) contra a parede de pedra fria. Apesar da punição que eu ia receber meu pau tentou crescer.  Fórmulas de Microeconomia eram brincadeira de criança para mim, eu poderia recitá-las dormindo. Eu tinha que pensar em algo mais. Comecei a recitar a Tabela Periódica em francês na minha cabeça.

"Tableau Périodique des Elements,” eu comecei na minha cabeça. “Hydrogène, Hélium, Lithium, Béryllium, Bore, Carbone, Azote, Oxygène, Flour, Néon, Magnésium, Aluminium, Silicium, Phosphore, Soufre,  Chlore, Argon, Calcium, Scandium, Titane, Vanadium, Chrome….
Eu podia ouvir Elena escolhendo um item da parede para o meu castigo. Eu coloquei meu rosto na pedra fria, e o confinamento do metal segurando meu pau, e apertando minhas bolas estava também transferindo frio da parede de pedra. Minha mente estava ocupada brevemente pensando com que ela ia me bater. Tentei acolher a idéia de que era algo simples como uma pá ou um chicote, mas Elena era brutal com seus castigos. Eu sabia que ela iria escolher algo como um chicote, flagelo, cinto de couro molhado, ou uma bengala... Ela testou no ar atrás de mim e eu ouvi as múltiplas tiras voando atrás de mim, pensando: "Porra! É o gato de nove caudas!" E dói como o inferno, cavando mesmo na pele, removendo-a, deixando várias vergões, tudo ao mesmo tempo. Até mesmo a tabela periódica em francês não era o suficiente para conseguir que minha mente se distanciasse da punição, embora eu poderia normalmente lidar com uma porrada de pancadas. Mas desta vez ela não estava poupando nada. 




A fim de lidar com a dor, comecei a recitar a tabela periódica com pesos e números atômicos, todos em francês. “Hydrogène…” respiro fundo, e seguro, “nombre atomique: un. Groupe: un. Période: un. Configuration électronique: 1s1. Nombre d’oxydation: -1 + 1.Électronégativité: 2.2… “

Então eu senti os tentáculos do gato pousarem nas minhas costas, e meus braços e minhas nádegas e eu até senti o calor do sangue escorrendo no meio das minhas costas. Um dos tentáculos atingiram meu pau enjaulado enquanto seus golpes, começaram a chover de forma estratégica. Minhas bolas deviam estar roxas então, mas eu só queria atravessar o fodido castigo! Eu não sei quantos deles eu recebi chovendo em cima de mim, começando sistematicamente com as costas e os braços, e depois descendo para minhas nádegas e pernas, após cruzando vergões em minhas costas sobre meus ombros e de volta, até eu atingir um ponto onde eu queria usar a palavra segura para ela, mas receando desapontá-la, eu não fiz. Eu queria flutuar para fora do meu corpo, ir para um lugar sem dor, onde as minhas pernas não tremessem, meus braços não tremessem, meu rosto não estivesse contorcido, apertado de dor e onde eu não tivesse de recitar a fodida tabela periódica em francês! Mas eu não tive essa sorte porque, a fim de lidar com a dor, eu apertei minhas mãos - a única parte do meu corpo que eu podia mexer - com tanta força que minhas unhas estavam enterrando em minhas mãos e tirando sangue, tudo inconscientemente!

Essa não foi a primeira vez que Elena exerceu sua dominação sobre mim espetacularmente, com força e, sem dúvida, não foi a última vez, mas essa foi a primeira vez que ela me trouxe apenas a um fio de cabelo perto do meu ponto de ruptura, e ainda assim eu ainda não podia dizer não, parar ou ´dizer vermelho' para ela. Eu queria que ela me punisse por existir. Não por uma menina burra que mostrou interesse em mim na presença de Elena. Mas, por estar aqui, na Terra. Punir o indigno, indigno de ser amado, sem importância; preencher o vazio em mim com tanta dor, que eu não tinha que pensar em que buraco desesperado na porra da minha alma a vida estava sendo sugada fora de mim. Mas também era o meu ponto de virada ao perceber que o que eu tinha com Elena era uma maneira de lidar com esse buraco, o sentimento de inutilidade, e não amor. Porque ela me permitiu experimentar o toque humano, o toque de uma mulher, com intensa dor e prazer mórbido. 

Mas, além disso, naquele dia, ela me virou ainda acorrentado, algemado e estendido, colocou minhas costas punidas contra a parede, fazendo com que o sangue quente secasse contra a pedra fria, e usou uma bengala para marcar-me e excitar-me me golpeando na minha frente. Apesar da dor, meu corpo respondeu, e meu pau ficou azul e roxo, se esforçando por uma ereção, não cabendo no confinamento. Depois de ter ficado satisfeita com a surra que ela liberou, Elena abriu a gaiola para pau e começou a me chupar. 



"Você não tem permissão para gozar. Você deve segurar; se você não puder, eu vou ter certeza de que sua punição irá manter você sem poder sentar por um mês inteiro!" ela diz com um sorriso predatório. Uma vez que ela terminou de  me chupar, fazendo meu pau pulsar por um alívio, ela me soltou. Abriu minhas correntes  e algemas e eu quase caí sobre a parede atrás de mim, mas eu não lhe dei a satisfação de ver-me quase desfalecer. 

"Agora, foda-me para o meu prazer só!" Ela ordenou recostando-se no banco de punição, e empurrei duro dentro dela, recitando o Tableau Périodique des éléments para trás até que ela gritou seu alívio, deixando meu pau machucado, e perigosamente desesperado por alívio. Mas a dor da falta de alívio cresceu dentro de mim, me doendo como o inferno todo o caminho até os dedos dos pés, ainda que de alguma forma algo apagou na minha cabeça. Eu podia controlar-me. Eu podia controlar a dor, eu podia aguentar uma foda de punição muito dura, e ainda me sair bem. Eu sabia que eu estava finalmente no controle da minha vida, do meu mundo, e tudo nele. Eu poderia ser um dominante. Eu podia ficar bem. Eu finalmente quebrei o muro de medo. Eu não tinha nenhum. Isso até Anastasia entrar em minha vida.

Eu olho para o rosto de minha esposa. "Toque,” disse ela. Sim, eu tinha aprendido a experimentar toque com Elena, mas eu aprendi a viver a minha vida com Anastasia. Eu aceno com a cabeça concordando.

"De certa maneira,” eu digo sem dar mais detalhes, eu franzo a testa, tentando afastar a lembrança. Eu olho para minha esposa com medo. Há trevas no meu passado. Trevas com que eu tive que aprender a lidar, trevas que eu tive que percorrer para chegar à luz. Escuridão que me consumia, consumia minha vida, e tudo o que eu fiz, então meu sol se levantou, e apaguei as sombras. E o meu sol está neste momento olhando para mim implorando por mais.

"Se você crescer com uma auto-imagem totalmente negativa, pensando que você é algum tipo de rejeição, um selvagem indigno de ser amado, você acha que merece ser espancado."

Eu conheço isso bem; e eu tomei um monte de punição, espancamento, e eu dei as boas vindas ao sentimento! Dei as boas vindas! Desejei-o, quis! Porque essa era a minha regra. Isso era tudo o que eu conhecia. Faço uma pausa e passo a mão pelo meu cabelo. "Ana, é muito mais fácil de administrar sua dor do lado de fora..." Eu digo, confessando. Ao usá-la do lado de fora, ela combinava com o tormento que eu estava passando lá dentro. Ela me deu uma sensação mórbida de normalidade. Elena não segurava nada com suas punições e ela não tomou qualquer merda de mim. Mas, seus métodos de controle, embora brutais, me mostraram como canalizar minha raiva com a intensidade que eu estava sentindo-a. De alguma forma, ela sempre soube, e não segurou nada em seu alívio e recolheu suas próprias dívidas com sangue, pele, carne, bolas azuis... Nada era proibido, exceto a zona proibida para as mãos. A única vez que ela quebrou essa regra, eu deixei de ser seu sub. Eu era forte, controlado e dominava a arte de canalizar meus demônios e tempestades dentro da minha alma. Eu não era mais um aluno. 

"Ela canalizou minha raiva,” murmuro como a minha boca diluída em uma linha sombria. "Principalmente para dentro – eu percebo agora. Dr. Flynn tinha estado mais e mais sobre isso há algum tempo. Eu só recentemente  vi o que o nosso relacionamento era. Você sabe... no meu aniversário."

Eu tinha uma suspeita de que eu não era o único sub que Elena tinha. É evidente que eu estava em Harvard e iria levar 3 ou 4 semanas para vê-la entre as visitas, e ela tinha a necessidade de dominar, exercer a dor, e foder - não que ela parasse de me dominar, mesmo que eu estivesse  do outro lado do país. Eu suspeitava que ela tivesse outras distrações além de mim, mas eu era o seu menino brinquedo favorito desde que eu era o melhor, mais sombrio e mais intenso. Ela gostava de me controlar; quebrar o garanhão inquebrável. Eu acho que ela continuamente queria exercer seu domínio sobre mim, mesmo depois que o sexo entre nós acabou. Ela conseguiu o topo desde a base, agora percebo. Isso ficou claro no meu aniversário, quando ela perdeu isto completamente e confrontou Anastasia.

Sem ter qualquer controle sobre seu próprio comportamento, em casa dos meus pais, pelo amor de Deus, não se importando com quem iria ouvi-la e, claramente, a minha mãe a ouviu, Elena tinha mostrado tanto para mim quanto para Anastasia que ela queria continuar me dominando. Quando Anastasia e eu ficamos noivos, Elena percebeu que ela estava perdendo qualquer esperança de me controlar, sabendo que Anastasia a odiava com paixão e minha garota era alguém que Elena não podia controlar, e ela, em troca não poderia me controlar através dela. Ela entrou em pânico sabendo que eu estava apaixonado por Anastasia e sua espera para conseguir dominar-me, mais uma vez, estaria terminada, e nossa briga terrível se seguiu. Mas eu não percebi isso até muito recentemente, até que eu pensei sobre isso. 

Eu era a mais longa relação masculina de Elena. Mais do que a que ela tinha com seu marido, e ela me dominou por cinco anos dessa relação. Ela sabe que nenhuma outra mulher havia feito isso comigo, exceto ela. Eu sou um dos mais ricos, capazes de mente e de corpo, e mais fortes homens do mundo. Pelos padrões da GQ e People Magazine aparentemente  eu sou um dos mais sexy homens vivos. É evidente que, depois de ter desempenhado um papel importante em moldar-me, Elena não gostou de me perder para alguém que ela não pode dominar, alguém que definitivamente vai cortar o acesso a mim. De certa forma, eu me submeto a minha esposa, de forma voluntária. Isso tem que estar matando-a. Porque Elena não é nada se não for competitiva e possessiva. Mas eu sou um maior dominante do que ela é, e eu protejo o que é meu, e aqueles que eu amo intensamente. Elena é um negócio acabado, uma fase que precisava acontecer, mas tudo no passado.

Um visível arrepio percorre o corpo de Anastasia, sem dúvida, com a menção de Elena no meu aniversário, trazendo à tona as lembranças feias na vanguarda de sua mente. Eu quero tudo isso apagado.

"Do lado dela a nossa relação era sobre sexo e controle e uma mulher solitária encontrando algum tipo de conforto com seu menino brinquedo."

"Mas você gosta de controle,” ela sussurra, avaliando corretamente seu marido.

"Sim. Eu gosto. Eu sempre gostarei, Ana. É quem eu sou. Eu o entreguei por um breve tempo. Deixei alguém tomar todas as minhas decisões por mim. Eu não poderia fazer isso sozinho - eu não estava em um estado adequado.  Mas pela minha submissão a ela, eu me encontrei e encontrei a força para assumir o comando da minha vida... Assumir o controle e tomar minhas próprias decisões."

"Tornar-se um Dom?" Ela pergunta se perguntando se era minha a decisão.

"Sim".

"Sua decisão?"

"Sim".

"A saída de Harvard?"

"Minha decisão, e foi a melhor decisão que já tomei. Até que eu conheci você," eu digo e seu rosto de reveste de  uma expressão de espanto.

"Eu?" Ela pergunta tendo dificuldade em acreditar.

"Sim," eu sussurro, enquanto meus lábios se curvam em um sorriso. "A melhor decisão que eu já tomei foi casar-me com você."

"Não começar sua empresa?"

Eu balanço minha cabeça, sem quebrar o meu olhar.

"Não aprender a voar?"

Eu balanço minha cabeça novamente. "Você,” eu falo sem som. Sem dúvida, a minha melhor decisão. Eu encontrei metade do meu coração que estava faltando o tempo todo. Muitas pessoas passam pela vida sem encontrar sua outra metade, e é uma pena, porque enquanto isso não acontece, eles estão sem rumo sem perceber que eles estão se contentando com o segundo ou terceiro ou décimo quinto ou centésimo quinquagésimo melhor. E, no entanto, eu a encontrei, e eu caí loucamente e irrevogavelmente apaixonado por ela. Elena sabia disso antes de eu ter um nome para os meus sentimentos.

"Ela sabia," eu sussurro.

Anastasia não entende. Ela franze a testa.

"Sabia o quê?"

"Que eu estava loucamente apaixonado por você. Ela me incentivou a ir até a Geórgia para vê-la, e eu estou feliz que ela o fez. Ela pensou que você iria enlouquecer e partir. O que você fez."  Elena talvez pensasse que uma vez que Ana estivesse fora da minha vida, eu pegaria outra sub, e seguiria em frente até que ela e eu retomássemos a relação sexual. Sua intenção só se tornou evidente em sua muito controlada, muito bem ensaiada mente - que não deixa qualquer pensamento perdido fora - no meu aniversário, por causa de seu pânico em ouvir a nossa decisão de nos casarmos; ela pensou em estar me perdendo para sua inferior, na mente de Elena. No entanto, Anastasia é superior a qualquer outra mulher que eu conheço. E na ausência de Ana, depois que ela me deixou, percebi um monte de coisas: Eu estava apaixonado pelo amor da minha vida, em caráter irrevogável, insanamente, completamente e sacudindo a alma. Eu não poderia viver sem ela e eu faria qualquer coisa para recuperá-la em minha vida. Qualquer coisa que precisasse! Eu nunca, nunca me senti assim por ninguém. Nem por Elena, nem por qualquer sub que eu fodi, nem para qualquer outra pessoa que eu encontrei. Anastasia tornou-se o único foco de minha vida, de repente, tornando-se a pessoa mais importante, porque em um nível mais profundo, eu sabia que sua alma me chamou. Ter Ana na minha vida tem sido essencial para o meu bem-estar e a minha sanidade. Ela me mataria se ela estivesse com outra pessoa. E uma vez que a maior parte do meu tempo tem sido consumido apenas  pensando sobre ela, ela tornou-se a única mulher que me fez me sentir seguro, centrado em meu universo, fazendo meu coração e minha alma completos, e, finalmente, fazendo-me normal, dentro dos padrões Christian Grey.  

Anastasia empalidece; claramente descontente, sabendo que Elena teve tanta interferência, mesmo que ela não demonstrasse e fizesse isso mais veladamente.

"Ela achou que eu precisava de toda a pompa do estilo de vida que eu gostava."

"O Dom?" Ana sussurra.

Concordo com a cabeça. "Permitiu-me manter todos na distância do braço, me deu o controle e me manteve separado, ou assim eu pensava. Tenho certeza de que você entendeu por que," eu acrescento suavemente. 

"Sua mãe biológica?"

"Eu não queria me machucar novamente. E então você me deixou. E eu estava uma bagunça,” eu sussurro, minha voz quase inaudível. Eu queria machucar e punir a mim mesmo quando ela se foi. Eu queria que o meu exterior combinasse com a dor e tormento que eu sentia por dentro. Eu espiralei fora de controle, porque Anastasia levou o centro do meu universo para longe, e deixou-me sem rumo, sem propósito. Minha mãe biológica morreu comigo. Não que ela fosse boa mãe, mas ela era uma mãe. Ela apenas acabou com a vida, tomou o caminho mais fácil, em vez de enfrentar seus problemas. E Ana... Ela me deixou em vez de me enfrentar. Anastasia me deixando naquela manhã, foi o terceiro pior incidente da minha vida. O primeiro foi encontrá-la quase morta, o segundo quando estava falando com ela ao telefone no banco, quando ela me disse que estava me deixando, depois de tê-la como minha esposa, fazendo-me pensar que ela estava me deixando, e não apenas ela, mas com uma parte de mim na forma de nosso filho.

"Eu tinha evitado intimidade tanto tempo - eu não sei como fazer isso,” eu sussurro. Eu vou cometer erros espetaculares. Eu não quero que ela fuja de mim cada vez que eu estragar. E parte da razão pela qual eu não contei a ela tudo sobre mim foi por causa desse medo... de que ela iria me deixar. Deixar-me é a coisa lógica a fazer. Eu sou ruim, inútil, podre até o caroço, e ela é boa. Isto não faz sentido. Elena era diferente, porque eu não tinha que me preocupar em perdê-la. Ela era sombria, e ruim como eu. Eu podia entender isso. O que eu tinha dificuldade de entendimento era que todas essas pessoas boas me amavam e eu tentei mantê-las no comprimento do braço, porque no fundo eu sabia que não era digno deles. No entanto, o seu amor foi-me dado livremente, um presente. Eu não entendi isso até que eu quase perdi minha esposa.

"Você está indo bem," murmura Anastasia, me incentivando. Ela traça meus lábios com o dedo indicador, e eu franzo os lábios para beijá-lo.


"Você sente falta?" Ela sussurra hesitante.

"Falta?"

"Desse estilo de vida."

"Sim, eu sinto,” eu respondo com outra confissão. O rosto dela despenca. Eu não quero Anastasia pensando que ela  pode não ser o suficiente para minhas necessidades. Eu quero que ela perceba que isso é o que eu conhecia, o que me dava controle,  e o  que me fez ser quem eu sou, até certo ponto. Mas, o que Ana me dá é de longe mais do que aquilo. Eu quero que ela entenda que isso é o que eu sinto falta com relação a ele, e não de quem  eu sinto falta.

"Mas só na medida em que eu perco o controle que ele traz. E, francamente, seu golpe estúpido -" Eu digo perdendo o fôlego, eu paro com a dor que a lembrança trás, "que salvou minha irmã," eu sussurro, completamente impressionado com seu ato por mim e minha família, porque ela me ama, embora eu ainda não sei por que, depois de ter me comportado horrivelmente em relação a ela. Ela colocou sua vida em risco, e a vida de nosso bebê - um bebê sobre quem ela e eu discutimos apenas duas noites antes. "É assim que eu sei," eu sussurro.

"Sabe?"

"Realmente sei que você me ama."

Ela franze a testa. "Você sabe".

"Sim. Porque você arriscou tanto... por mim, por minha família. "

Eu estava pronto para amá-la toda a minha vida, mesmo se ela não me amasse, ou até mesmo se eu não entendesse completamente sua afeição por mim. Eu pensei que amá-la era o suficiente. Eu a ouvi dizer que ela me ama inúmeras vezes, mas ainda tendo estes segredos obscuros, eu sentia que ela não poderia me amar, esse homem que eu detesto, se ela realmente soubesse tudo sobre mim. No entanto, ela me surpreende em cada esquina. Ela me ama apesar dos meus defeitos, e ‘fuckeduppedness’, conhecendo os meus mais profundos segredos mais sombrios.

 Anastasia franze a testa e o V de costume, que eu vim a amar, se forma entre as sobrancelhas.

"Você tem um V aqui quando você franze a testa. É muito macio para beijar. Eu posso me comportar tão mal... e mesmo assim você ainda está aqui,” murmuro. Em admiração por minha esposa.

"Por que você está surpreso que eu ainda estou aqui? Eu disse que não iria deixá-lo. "

"Por causa da maneira que eu me comportei quando você me disse que estava grávida,” eu digo, correndo meu dedo pelo seu rosto. "Você estava certa. Eu sou um adolescente”.

Os olhos de Anastasia se ampliam, lembrando.

"Christian, eu disse algumas coisas terríveis,” diz ela tentando tomar de volta suas palavras. Mas eu coloco meu dedo indicador sobre seus lábios e a silencio suavemente.

"Shhh. Eu merecia ouvir. Além disso esta é a minha história para dormir,” murmuro e rolo sobre minhas costas de novo.

"Quando você me disse que estava grávida - " eu digo me dirigindo à minha esposa, mas também invocando o menor membro da minha família, sangue do meu sangue, carne da minha carne, eu paro. "Eu pensei que seria só eu e você por um tempo. Eu tinha pensado em filhos, mas apenas no abstrato. Eu tinha essa vaga idéia que teríamos um filho em algum momento no futuro."

Seus olhos se arregalam com outro desejo oculto, mas eu não a sondo. Porque há coisas que Anastasia quer fazer, e metas que quer alcançar. Eu vi seu fervoroso desejo em Londres, quando visitamos a casa Austen.  Ela devorou ​​a informação. Ela quer descobrir os futuros Austens e Brontes.

"Bem, você puxou o tapete de debaixo de mim.  Cristo, foi inesperado. Nunca em um milhão de anos, quando eu perguntei o que estava errado, eu esperava que você estivesse grávida,” eu digo suspirando. Lembro-me da fúria, a raiva fervendo, me superando e me fazendo perder o controle.

"Eu estava tão zangado. Zangado com você. Zangado comigo mesmo. Zangado com todos. E ele me levou de volta, aquele sentimento de nada estar no meu controle. Eu tinha que sair. Fui ver Flynn, mas ele estava na noite de algum evento de pais da escola." Faço uma pausa e arqueio a sobrancelha. Mesmo Flynn, deixou-me ficar sozinho na água, metade me afogando, e esperava que eu me levantasse e crescesse. Em retrospectiva, era o que eu precisava.

"Irônico,” sussurra Anastasia, e eu sorrio. De fato. Então eu começo a contar o rescaldo.

"Então, eu andei e andei e andei e eu... me encontrei no salão. Elena estava saindo. Ela ficou surpresa ao me ver. E, verdade seja dita, fiquei surpreso ao me encontrar lá. Ela podia dizer que eu estava zangado e me perguntou se eu queria uma bebida."

É agora ou nunca. Eu tenho que me livrar dos meus demônios, exorcizá-los. Eu quero me sentir leve, não esta carga pesada puxando meus ombros para baixo. Os lábios de Ana partem, o peito sobe e desce em rápida sucessão. Eu não quero magoá-la, mas eu preciso tirar isso.

"Fomos a um bar tranquilo que eu conheço e eu tive uma garrafa de vinho. Ela pediu desculpas pela forma como ela se comportou da última vez que nos vimos. Ela está magoada que minha mãe não tem mais nada a ver com ela - isto estreitou seu círculo social - mas ela entende. Nós conversamos sobre negócios, que estão indo bem, apesar da recessão... " Agora, eu chego ao ponto sobre o qual Anastasia realmente  está curiosa." Eu mencionei que você queria ter filhos."

O rosto da minha esposa fica chocado. Isso não é o que ela esperava. Ela pisca e franze a testa. "Eu pensei que você tinha deixado ela saber que eu estava grávida."

Eu sei que ela pensava isso, mas eu nunca iria trair Ana dessa forma, mesmo que eu estivesse extremamente zangado como eu estava então.

"Não, eu não disse."

"Por que você não me contou isso?" Ela pergunta, completamente surpresa. Será que a minha mulher bateu com a cabeça mais forte do que eu pensei?  Ela nunca me deu a chance. Tivemos uma briga e ela me fez passar pelo tratamento do silêncio, e saiu do quarto, quebrando meu coração, e assustando o inferno para fora de mim.

Eu simplesmente dou de ombros. "Eu nunca tive a chance."

"Sim, você teve."

"Eu não pude encontrá-la na manhã seguinte, Ana. E quando eu a encontrei, você estava tão brava comigo... " Eu digo suspirando. Eu pensei que ela me odiava, e ela estaria bem dentro de seu direito, se ela fizesse, mas eu precisava dela desesperadamente.

"Eu estava,” ela finalmente murmura.

"De qualquer forma, em algum momento da noite - cerca de metade da segunda garrafa - ela se inclinou para me tocar. E eu congelei,” eu sussurro, jogando meu braço sobre os meus olhos com desgosto e apreensão renovada. Eu não posso divulgar mais disto, mas Ana precisa saber.

"Ela viu que eu recuei dela. Isso chocou a nós ambos" eu confesso. Eu havia permitido a Elena beijar minha bochecha antes, e ela podia tocar meus braços, o que não criava qualquer reação negativa em mim. Mas eu sempre tinha assumido que não tinha a conotação sexual que ela quis passar naquela noite. Mesmo no estupor da minha bebedeira eu sabia a diferença. Meu corpo em muitos níveis sabia que Elena não era o que eu queria ou precisava.

Após o choque inicial, Anastasia afastou meus braços, querendo que eu a olhasse. Eu abaixo meu braço, e dirijo o olhar para seus azuis arregalados. Devo parecer um fantasma sem sangue. Meus olhos estão arregalados, e eu estou com medo da reação de Ana.

"O quê?" Ela respira seu horror.

Eu franzo a testa e minha garganta trabalha para engolir. Duro.

"Ela deu uma cantada em mim," eu sussurro,  ainda chocado em  um nível. Eu me permiti pensar que Elena nunca faria nada para me recuperar de volta em sua vida como parceiro sexual? Como pude ser tão estúpido para algo que era tão evidente como o nariz no meu rosto.

"Foi um momento, suspenso no tempo. Ela viu minha expressão, e ela percebeu o quão longe ela cruzou a linha. Eu disse... não. Eu não pensava nela assim por anos e, além disso, eu digo engolindo de novo... "Eu amo você. Eu disse a ela isto, eu amo minha esposa.”

O olhar de Anastasia está firmemente fixo no meu rosto, procurando. A verdade no que eu digo? Ou para ver se há mais para a história. Mas ela está em busca...

"Ela recuou imediatamente. Desculpou-se mais uma vez, fez parecer uma piada. Quero dizer, ela disse que está feliz com Isaac e com o negócio e ela não queria ter de nenhum de nós qualquer má vontade. Ela disse que perdeu a minha amizade, mas ela podia ver que minha vida era com você agora. E quão  estranho aquilo era, dado o que aconteceu da última vez em que estivemos todos no mesmo quarto. Eu não poderia ter concordado mais com ela. Nós nos despedimos, nossas despedidas finais. Eu disse que não iria vê-la novamente, e ela seguiu seu caminho." Eu o resumi o mais leve que eu pude, mas completamente verdade.

As narinas de Anastasia se dilatam, e ela está mergulhada profundamente em pensamentos por um momento. Há medo e ansiedade em seu rosto. "Você a beijou?" Ela sussurra sua pergunta.

"Não!" Eu ronco minha resposta. "Eu não podia suportar estar tão perto dela."

Quando ela vai entender que ela é a minha vida. Ela, Anastasia, sozinha.

"Eu estava muito infeliz. Eu queria voltar para casa com você. Mas... eu sabia que me comportara mal. Eu fiquei e terminei a garrafa, em seguida, comecei no uísque. Enquanto eu estava bebendo, eu lembrei de você me dizendo há algum tempo, ‘se fosse meu filho’... E eu comecei a pensar sobre Junior e sobre como Elena e eu começamos. E isso me fez sentir... desconfortável. Eu nunca tinha pensado nisso assim antes."

Eu não contei a ela sobre meu pesadelo onde Elena tinha a mão sobre nosso filho. Isso é muito difícil para mim para pensar. Eu não quero magoá-la.

"Só isso?"

"Praticamente."

"Oh".

"Oh?" Deixe isso com minha esposa para simplificar e minimizar alguma coisa.

"Acabou?"

"Sim. Acabou desde  que eu coloquei os olhos em você. Eu finalmente percebi isso naquela noite e ela também. "

"Sinto muito,” ela murmura.

Sobre o que ela está arrependida? Eu franzo a testa e pergunto. "Sobre o que?"

"Estar tão zangada no dia seguinte."

Eu bufo novamente. Eu escrevi o livro sobre a raiva. Eu lido com raiva. "Baby, eu entendo de raiva,” eu digo pausando. "Você vê, Ana, eu quero você para mim. Eu não quero dividir você. O que temos, eu nunca tive antes. Eu quero ser o centro do seu universo, por um tempo, pelo menos. "

"Você é. Isso não vai mudar,” ela profere fervorosamente acreditando em sua declaração. Isso não é verdade. Ela foi filha única. Eu sei como as outras coisas, as carreiras, as crianças têm precedência sobre, até mesmo, o amor da sua vida, às vezes. É por isso que a maioria das pessoas têm problemas em seus relacionamentos, porque eles permitem que outras coisas assumam as suas vidas de forma gradual. Eu temia perdê-la, e talvez cair na armadilha da complacência. Eu não queria que o futuro fosse inevitável como tal. Eu fiquei com medo!

Eu sorrio tristemente, submetendo-me ao nosso destino. Eu nunca vou deixá-la, mesmo que ela ame outra pessoa mais do que ela me ama. "Ana,” eu sussurro, minha voz envelhecida. "Isso não é verdade."

Seus lábios tremem, e seus olhos brilham com lágrimas não derramadas.

"Como pode ser?" Eu murmuro e a barragem explode.

"Merda! Não chore, Ana. Por favor, não chore." Eu acaricio seu rosto.

"Sinto muito,” diz ela, com os lábios trêmulos. Eu esfrego o meu polegar sobre eles, acalmando-a.

"Não, Ana, não. Não se desculpe. Você vai ter alguém mais para amar assim. E você está certa. É assim que deve ser. "

"Blip vai amar você também. Você vai ser o centro do mundo de Blip,  de - Junior,” ela sussurra. "As crianças amam seus pais incondicionalmente, Christian. É assim que elas vieram ao mundo. Programadas para amar. Todos os bebês... até mesmo você. Pense no livro infantil que você gostava quando você era pequeno. Você ainda queria sua mãe. Você a amava."

Minhas sobrancelhas sulcam, eu retiro a minha mão e empunho contra meu queixo.

"Não,” eu sussurro. Não, eu não amava a prostituta. Ela não me amava! Ela permitiu a algum babaca abusar de mim. Ela não fez nada, nem uma  maldita coisa para ele parar! E quando as coisas ficaram difíceis, porém, ela fugiu! Eu não a amo!

"Sim. Você ama,” ela insiste chorando. "Claro que você ama. Não era uma opção. É por isso que você está tão magoado."

Eu olho para ela, incapaz de, e com medo de procurar em outro lugar. Se eu fizer, as lembranças horríveis vão inundar.

"Adeus, Christian,” foram suas últimas palavras. Não  ‘boa noite!’  Adeus. Ela sabia que estava me deixando sozinho no mundo. Ela sabia! Ela me machucou não me protegendo, por me deixar! Por ser uma mãe de merda! Eu tenho medo de amá-la... O que isso faz de mim? Eu continuo olhando para a minha esposa com uma expressão de dor crua.

"É por isso que você é capaz de me amar,” ela murmura. "Perdoe-a. Ela tinha seu próprio mundo de dor para lidar. Ela era uma mãe de merda, e você a amava."

Ela teve sua vida miserável para lidar. Ela não tinha controle sobre sua vida também. Alguém tomou as decisões por ela, mas todas as decisões erradas, e todas as escolhas prejudiciais. Homens... número infinito deles. E o maldito cafetão! Eu tenho essa vontade de encontrar o filho da puta e fazê-lo pagar pelo que ele fez com ela. Por destruir cada vestígio de humanidade nela tão completamente que ela não conseguiu encontrar uma saída, exceto se matar diante de seu filho de quatro anos. Ela era uma mãe ruim. Mas ela fez um par de coisas que eu amei. Ela me fez um bolo de aniversário. Chocolate. Eu me senti especial e valorizado. Então ela me deixou pentear seu cabelo bonito. Apenas nós dois. Ninguém mais se preocupando. Um raro momento de alegria.

"Eu costumava escovar seu cabelo. Ela era bonita,” eu sussurro.

"Um olhar para você e ninguém duvidaria disso."

"Ela era uma mãe de merda,” eu sussurro, e até eu tenho dificuldade em ouvir minha voz.

Ela acena com a cabeça em concordância, e eu fecho meus olhos, a dor é crua. Eu sou o filho de uma prostituta drogada que era uma mãe de merda. Uma horrível que não teve a capacidade de proteger o seu próprio filho. Fui informado sobre mães no meio do deserto Africano, para onde eu envio remessas de alimentos. Mulheres que não tem nada para vestir, onde dormir, o que comer, e elas ferozmente protegem seus filhos em condições piores. E, no entanto, a minha própria maldita mãe não fez isso por mim! Não dizem que a maçã não cai longe da árvore?

"Eu estou com medo de que eu serei um pai de merda,” eu sussurro. Em seguida, será a vida de alguém que eu vou ter fodido.

A mão de Ana chega suavemente para o meu rosto, e ela acaricia. Eu me vejo inclinando-me para seu toque, enchendo-me com o calor, e me  centrando  aqui e agora.

"Christian, você acha  por um momento, que eu deixaria você ser um pai de merda?"

Sua voz determinada é o que me faz abrir os olhos. Eu olho para ela por uma eternidade. Minha esposa é a minha rocha. Esta garotinha pode chutar a minha bunda com duas palavras. Eu sorrio, e sinto alívio pela primeira vez. "Não, eu não acho que você deixaria,” eu digo acariciando seu rosto com as costas de meus dedos.

O que eu fiz para merecê-la, merecer o seu amor? Minha esposa é a pessoa mais forte que eu conheço. Ela chutou minha bunda, e a de Elena, ambos no mesmo dia - dois fortes dominantes, e cria uma criança sem medo, acima disso. Estou em admiração por ela, por sua força. "Deus, você é forte, Sra. Grey. Eu a amo demais." Eu beijo sua testa. "Eu não sabia que eu podia."

Como posso amar alguém mais e mais a cada dia? Mas ela consegue me surpreender em cada esquina.

"Oh, Christian,” ela sussurra.

"Agora, isso é o fim de sua história para dormir."

"Isso é que é uma história para dormir...” ela murmura.

Sorrio para sua observação, completamente aliviado de ter deixado a escuridão atrás de mim. "Como está sua cabeça?"

"A minha cabeça?"

"Dói?"

"Não,” responde ela, confusa.

"Bom. Acho que você deveria dormir agora."

Ela franze a testa, sem vontade.

"Durma. Você precisa disso," eu ordeno severamente.

Ela faz cara amuada. "Eu tenho uma pergunta."

"Oh? O que foi? "  Eu pergunto, cauteloso novamente.

"Por que você de repente se tornou todo... próximo, por falta de uma palavra melhor?"

Eu franzo a testa, pensando.

"Você está me dizendo tudo isso, quando arrancar a informação de você é normalmente uma muito angustiante e tentativa experiência."

"É mesmo?" Pergunto, em resposta, sabendo muito bem que eu não sou de divulgar informações.

"Você sabe que é."

"Por que estou sendo próximo? Eu não posso dizer. Vendo você praticamente morta no concreto frio, talvez. O fato de que eu vou ser pai. Eu não sei. Você disse que você queria saber, e eu não quero que Elena se interponha entre nós. Ela não pode. Ela é o passado e eu já disse isso a você muitas vezes. Você é meu presente e meu futuro."

"Se ela não tivesse dado uma cantada em você... vocês ainda seriam amigos?"

"Isso é mais do que uma pergunta,” eu digo evasivamente.

"Sinto muito. Você não tem que me dizer,” ela murmura ruborizando envergonhada. "Você já ofereceu voluntariamente mais do que eu jamais pensei que faria."

Meu olhar se suaviza. Eu suspiro. "Não, eu não penso assim, mas ela era  percebida como negócios inacabados desde o meu aniversário. Ela cruzou a linha, e eu terminei. Por favor, acredite em mim. Eu não vou vê-la novamente. Você disse que ela é um limite rígido para você. Esse é um termo que eu entendo," eu falo sinceramente.

Anastasia solta um suave suspiro.

"Boa noite, Christian. Obrigada pela esclarecedora história para dormir." Eu me inclino e a beijo, e seus lábios assumem os meus possessivamente, acendendo os fogos de artifício, e meu sangue está cantando no meu corpo.

"Não,” eu sussurro. "Estou desesperado para fazer amor com você."

"Então faça."

"Não, você precisa descansar, e já é tarde. Vá dormir,” eu digo desligando o abajur da mesa de cabeceira.

"Eu o amo incondicionalmente, Christian,” ela murmura enquanto ela se aninha ao meu lado.
"Eu sei," eu sussurro, sorrindo timidamente. "Mas eu a amo mais."

Lullaby - Dixie Chix



A Last Confession
What lively lad most pleasured me
Of all that with me lay?
I answer that I gave my soul
And loved in misery,
But had great pleasure with a lad
That I loved bodily.
Flinging from his arms I laughed
To think his passion such
He fancied that I gave a soul
Did but our bodies touch,
And laughed upon his breast to think
Beast gave beast as much.
I gave what other women gave
That stepped out of their clothes.
But when this soul, its body off,
Naked to naked goes,
He it has found shall find therein
What none other knows,
And give his own and take his own
And rule in his own right;
And though it loved in misery
Close and cling so tight,
There's not a bird of day that dare
Extinguish that delight.

William Butler Yeats




58 comments:

Edilene Barbosa Louredo said...

Meu Deus você é demais acabei de ler o cap 5 e me deparo com a grata surpresa de mais um cap,sou sua fã,obrigada por mais essa surpresa,amo esse casal.

Edilene Barbosa Louredo said...

Meu Deus você é demais acabei de ler o cap 5 e me deparo com a grata surpresa de mais um cap,sou sua fã,obrigada por mais essa surpresa,amo esse casal.

Anonymous said...

Peeerfeito como todos os outros capítulos, um belo presente de domingo ! Estoou ansiosa pelo próximo capitulo . Muitíssimo ansiosa !

Renata Domingues said...

Perfeito cada dia mais apaixonada, um excelente presente para esse domingo lindo!
Obrigada meninas!

Anonymous said...

Neusa quase morri de ódio dessa Elena muito tenso, muito bom o presente de domingo , meninas hoje cheguei cedo também, um beijo para todas vocês um bom final e domingo e boa semana a todas agora só um cha o almoço foi um churrasco daqueles com tudo que tem direito,
Emine você preenche todas as lacunas que ficaram do livro da tia Erica, você é the best como escritora beijos.

Rosi

Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Obrigada por mais este capítulo perfeitamente traduzido por vc Neusa, Emine sempre maravilhosa na sua versão, uma excelente semana , Abraços

Anonymous said...

Cada vez fica melhor!!! Quando Cris conta sua historia para Ana , acho que seu arrependimento e seu amor em cada frase e palavras. É a virada da relação deles. Ele fica totalmente transparente...entregando totalmente seu amor a Ana. Capitulo Lindo!!!
Um fim de domingo maravilhoso!
Meninas nosso cafe ficando cada vez melhor!
Neusa mantendo a traducao a mil ! Não para não!
Emine mais um capitulo maravilhoso!
Rosangela parabens pelo dia de ontem! Tenho 20 anos de casada.E pode ter certeza pessoas como nós säo raras hoje em dia!
Bjs a todas Lala

Viviane Oliveira said...

Eu te amo mais...... É assim que eu ou meu marido terminamos nossas despedidas..... Só,por isso já valeu esse ESCLARECEDOR e lindo capítulo. Só vc Emine consegue nos passar tantos detalhes de forma encantadora. Isso é bem próximo de nós, simples mortais, pois quem nunca ficou de "papo" com seu amor, deitados, jogando conversa fora, ou simplesmente desnudando sua alma. Vc entende Emine qdo falo de sensibilidade? Pra mim é isso e o diferencial do seu trabalho. Simplesmente amo.
Neusa querida, vc realmente tinha razão, foi de tirar o fôlego. Obrigada mais uma vez. Fico ainda mais ansiosa pelos próximos!
Meninas todas bonitas, como foram de findi? Adorei o contato pelo face. Vcs são de mais! E ñ esqueçam que sempre cabe mais um..rsrsrsrsrs
Bjos pra todas.
Desejo uma ótima semana!
Vivi

Sandra said...

Oba! Mas logo agora que vi o capitulo novo meu tablet reclamou que está com pouca bateria. Vou carregar e devorar-lo. Beijos e boa semana a todas!

Anonymous said...

Capitulo bastante revelador mostrando o lado Dominador e controlador do Christian, embora as suas relações sexuais com Elena tenham sido um pouco demais para nós que somos 100% a favor de Ana, mas foi importante. Muito obrigado a Emine que mais uma vez entrou perfeitamente na cabeça do Christian e a Neusa por sua tradução impecãvel. Bjossss e aguardando ansiosa os próximos capítulos. Kel

Kelly nASCIMENTO said...

Terminei de ler o cap 6 e já estou na expectativa do próximo.

Kátia said...

Uau! Mais um capítulo daqueles! Como sempre muito bom! Emine e você consegue passar os sentimentos como se os tivéssemos vivenciando com eles! Muito obrigada por mais esse capítulo e obrigada também à Neusa pela excelente tradução! Bejim a todas as amigas do blog e uma ótima semana! E que venham os próximos capítulos! :)

Anonymous said...

Bom dia girls! Foi pra fechar o domingo com chave de ouro né. Sou a favor de transparência entre um casal, sempre. E Rosângela e Lala, me espelho em pessoas como vocês, quero longos anos com meu esposo, escolhi isso.
Bjs a todas, Pry!

gabriela bittencourt said...

Bom dia meninas!!!
Mais um capitulo de tirar o fôlego hein!
Cada dia mais e fico apaixonada pelo Christan, esse carinho que ele tem pela Ana e lindo demais.
Mas e compensação eu cada dia tenho mais ódio de Elena, kkkkk.
Neusa e Emine, eu acabo me repetindo nos meus comentários mas vcs são maravilhosas, e sempre se preocupando com todos que lêem o livro.
Obrigada mais uma vez!!!
E boa semana para todas.

Daysi Cristina said...

Aaaahhh que alegria... Capítulo Novo?! Delícia d+

Louca pra ler, vou dar uma pausa aqui na batalha para saboreá-lo, pq a Neusa me deixou super curiosa e acho q não consigo resistir até a noite, passei o fds longe do blog.

Glenda... Minha conterrânea?! Que máximo!! Amei saber q não sou a única aqui de Manaus. Semana já está começando bem.

Rosangela.. Parabéns pelo aniversário de casamento! A comemoração deve ter sido maravilhosa. Qto a questão do encontro q estão qrendo fazer sentiria-me honrada em participar, qdo decidirem o dia e o lugar me avisem. Agora tenho uma amiga aqui para ir comigo. kkkk (Glenda)

A vcs "amigas" bom diaaa e excelente semana.

Depois volto pra comentar o capítulo VI..
Beijos

Daysi Cristina said...

Aaaahhh que alegria... Capítulo Novo?! Delícia d+

Louca pra ler, vou dar uma pausa aqui na batalha para saboreá-lo, pq a Neusa me deixou super curiosa e acho q não consigo resistir até a noite, passei o fds longe do blog.

Glenda... Minha conterrânea?! Que máximo!! Amei saber q não sou a única aqui de Manaus. Semana já está começando bem.

Rosangela.. Parabéns pelo aniversário de casamento! A comemoração deve ter sido maravilhosa. Qto a questão do encontro q estão qrendo fazer sentiria-me honrada em participar, qdo decidirem o dia e o lugar me avisem. Agora tenho uma amiga aqui para ir comigo. kkkk (Glenda)

A vcs "amigas" bom diaaa e excelente semana.

Depois volto pra comentar o capítulo VI..
Beijos

Naines said...

Obrigada pelo excelente trabalho que vocês, Neusa e Emine, estão nos propiciando. Os livros de E. L. James, principalmente o terceiro, deixaram uma grande lacuna, vocês a estão preenchendo. Mas ainda tenho várias perguntas: 1ª- Como Christian conhecia sua subs? Era Elena que as apresentava?. 2ª- Christian não tinha curiosidade de conhecer o passado de sua mãe, sua origem? Ele tem o poder suficiente para investigar este passado. 3ª- Christian foi uma criança inteligente e sem problemas físicos e motores, sua mãe sempre foi viciada ou viciou-se depois de alguma desilusão? Crianças nascidas de mães viciadas apresentam sequelas, isto Christian não teve. 4ª- Por que Anastásia retornou para o padastro depois do terceiro casamento de sua mãe? O que aconteceu? Gostaria que vocês pudessem responder à estas questões. Continuem nos envolvendo com suas maravilhosas criações. Um último comentário, como vai a série Pellas, quando a termos no papel?
Naines

Neusa Reis said...

Queridas meninas espero que este capítulo tenha mexido com vocês o tanto que mexeu comigo. Vocês viram, o perigo pode estar ao lado, a confiança que a mãe do Christian tinha na "amiga" e a Bitch despejando todas suas mazelas em cima do filho dela, que já era um problema só. E que era uma criança! A pedófila conseguiu dele o primeiro beijo, a primeira "foda" porque nem amor teve naquilo. Assim como, segundo ele, ela lhe deu um foco na vida, poderia tê-lo transformado em algo muito pior do que ele era, e que teve a sorte de conseguir ser resgatado pelo amor da Ana.
E ainda tem gente que vem me dizer que estes livros são só pornografia! E todo o resto? E o exemplo que as nossas amigas daqui contaram que adaptaram para suas vidas, para melhorar seus relacionamentos. É o que eu digo desde os primeiros capítulos: O CHRISTIAN NÃO MENTE PARA A ANA. Isso não tem preço.Verdade, boa ou má, acima de tudo.
NAINES querida, creio que suas perguntas serão respondidas pela EMINE que na verdade ela É o CHRISTIAN GREY. Rsrsrs
Pelo que sei, a Série Pella são livros que a Emine está escrevendo. Ela já colocou aqui até o cap. VIII e eu já traduzi até o 7A e parei para alcançar a Emine no Livro 4 e então voltarei para terminar. Não sei se ela vai continuar publicando aqui porque o livro deve sair até o final do ano, em inglês. Adorei sua participação. Muito oportuna. E a todas que estão por aqui, participando, contando coisas, "comendo", se divertindo, sou eu que tenho que agradecer as sempre amáveis palavras e elogios. Meio sem tempo para um café colonial, mas sempre lendo num café rápido. Beijos

Kátia said...

Acabei de ver na net que estão cotando Scott Eastwood, filho de Clint Eastwood, para viver o CG. Gostei dele... O que vcs acham?

Leda Carneiro said...

Um misto de sentimentos, é o que senti lendo este capítulo, raiva, ódio de Elena, bem merecida a surra que o marido deu nela é o que gostaria de eu mesma lhe dar. Emocionei-me por Christian, admiração por Ana, enfim capítulo maravilhoso. Eminé post o próximo capítulo logo, está demorando, quero mais, sempre. Neusa, meninas Bjs.

Tati said...

UAU acabei de ler e Neusa e emine digo com todas as letras cada dia passo a odiar mais e mais Helena!!! ele é repulsiva!!!que bom que Christian se abriu e contou tudo pra Ana adorei!!!!agora eu estou mais louca que ele descubra que foi o marido dela que pagou a fiança do Jack!! vamos ver!!! ansiosa pelo próximo!!! bjs

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Oi meninassss..Neusa..Emine!!!

Uau...que capítulo foi esse???? Essa Elena é mesmo uma Bitch pedófila filha da mãe..não gosto dela..metida..concordo com a Leda Carneiro a surra foi pouca, mas tenho certeza que o castigo vai chegar logo para a clã Lincoln!!
Senti a emoção na confissão de Christian.
Pois é também escuto que esse livro só tem sacanagem...podre dessas pessoas...nunca conseguirão interpretar um livro!!

Neusa como sempre sua tradução é exemplar e Emine como você entende a alma desse personagem, é emoção pura, obrigada sempre!!

Agora meus agradecimentos às mensagens que recebi;;
Obrigada Neusa pelo carinho, a comemoração foi o "most"!!
Katia, desculpe no capitulo 5 deixei te agradecer sua mensagem...muito muito obrigada!!
Obrigada Lalá, sermos felizes e realizadas no casamento é o que importa, não é mesmo?
Pry...com toda sua determinação é claro que terá longos anos...e agradeço muito o carinho
Daysi Cristina, a comemoração foi "yar" e eu que ficarei encantada em conhece-la e agora com a Glenda, vai ser tudo de bom!!

Bom..que todas tenham uma excelente semana, vou voltar, é claro para compartilhar nossos cafezinhos e oh...precisamos sim conversar sério sobre "nosso encontro"!!

minha sugestão para o cafezinho hoje é bolo Marta Rocha com guaraná!!

Beijos beijos e beijos...até amanhã!!

Rosângela

Leda Carneiro said...

Gostei do Scott Eastwood para viver o personagem do Christian, espero que seja confirmado, melhor ser um desconhecido mesmo, esperamos que a "pegada" dele agrade, tudo indica que sim.

Lina said...

Amei, amei... Super capitulo, obrigada Neusa por ser tão rapida... Super de mais... Ai meus deus como u detesto essa Elena... e não tó nem ai que ela possa de alguma maneira ter ajudado o Christian...
Mais adorei o capitulo e estou aqui já super ansiosa para o proximo...
Beijinhos.

Daysi Cristina said...

Caracas… &$#@!*\|
Gente estou em estado de choque!!
Emine, literalmente PARABÉNS vc é uma excelente escritora, como disse a Neusa vc é o próprio Christian Grey (risos), entrou profundamente na mente dele, não consigo imaginar a ELJames lhe superando no quesito CG. Impressionante!! Obrigada por nos proporcionar essa leitura, desse lado dele q ficou tão escuro, de fato.

Neusa à vc meu muito obrigada, por sua dedicação em traduzir os capítulos, vc tem minha atenção e admiração, pq só quem gosta e se preocupa com o próximo, faz o que vc faz, ceder uma boa parte do seu dia para traduzir. PARABÉNS por mais um capítulo, haja fôlego para ler, reler e escrever. Esse capítulo realmente foi profundo na alma do CG!

Impressionante, acho que é uma palavra que pode descrever o que achei desse capítulo. Nos livros “originais” digamos assim, eu tive uma idéia desse mundo do Christian, não que tenha sido explicado nos mínimos detalhes, pq afinal não era a intenção da James mostrar o ritual sado e pra isso confesso que fui para o Google pesquisar sobre esse mundo, por curiosidade mesmo, pq eu não tinha idéia que esse mundo pudesse existir assim com tantas dores, sei lá, nem sei explicar direito (por exemplo, usar uma Pá? Haja fôlego para aturar uma punição dessas), mas existe e tenho certeza que eu não me submeteria a ele (pelo menos não da forma como o Christian, senti pena e dor por ele). Hj, eu descobri que existe uma tal de “gaiola para pau” nunca que eu ouvi falar, nem mesmo nas minhas pesquisas, agora tenho certeza elas foram mal realizadas (risos).

Uma coisa ficou claro, claríssimo. O perigo pode está ao lado! A bandida da Elena era considerada uma tia para os Greys. Ainda bem que existiu a Ana para mostrar o amor para o Christian e agora o Blip, mal posso esperar para mais emoções.

Beijos e abraços

Glenda Castro said...

Nossa,que mulher maligna essa tal de Helena!Merecia ela estar numa gaiola...Mas ainda bem que tudo é passado.
Maravilhoso ver a evolução de Cristian,se abrindo com Anastasia,o que o amor não faz heim! Transparência é muito importante na vida de um casal.
Emine,cada dia mais aplaudindo de pé seu trabalho;
Neusa querida,valeu de novo.
Daysi Cristina,minha conterrânea,num calor como o nosso que tal oferecermos um delicioso musse de cupuaçu?kkk

bjs a todas.

ana paula said...

Lindo.
Ler ete capitulo pela otica de CHRISTIAN é simplismente demais.
Imaginar que ele achava que merecia passar por este sofrimento é muito triste.
Ninguem merece passar por isso(a menos que tenha adotado como modelo de vida,como acontece com as subs dele) mas com ele foi uma imposicao e devido aos muitoa problemas da vida dele isso pareceu normal.
Chorei rios de imaginar o que ela fez ele passar.

Ediene O Maia said...

E maravilho ver o lado do Christian que história de dormi, cada dia odiando mais Elena como ela o tratava, senti a emoção que ele estava falando a verdade não queria deixar mais nada entre ele e a Ana do seu passado e o encontro dele com a Elena que tudo tinha acabado entre eles, eu adorei o capitulo fantástico como sempre não vou cansar de falar essas palavras.
Neusa como sempre sua tradução e maravilhoso obrigado por tirar um pouco do seu tempo para traduzir para nos poder ler cada capitulo maravilhoso.
Emine como sempre você e maravilhosa como você ver a alma do Christian e entende ele muito bem você esta de parabéns.
Eu gostaria de saber se tem alguém aqui de Brasília seria maravilhoso não ser a única aqui.
Oi meninas que todas tenham uma excelente semana beijos.

Alice said...

Olá Emine, Neusa, amigas do blog ..
Acabei de ler o capítulo. Simplesmente fantástico!!
Emine realmente entra na cabeça do CG e nos passa toda a sua auto flagelação nos mínimos detalhes.
Muito bom! Neusa como sempre primorosa na tradução.
O que dizer?! No words.... :0)

Rosangela parabéns atrasados pelo niver de casamento! Você tem um sorriso lindo de morrer.
Não conheço esse seu bolo nem a musse da Glenda. Devem ser ótimos! To ficando que nem a dona Redonda!

Beijos Emine, beijos Neusa.
Beijos amigas do blog

Glenda Castro said...

Oi meninas,boa tarde!
Dando uma passadinha rápida para ver se tem novidades,lendo também os comentários que são demais,dessa forma podemos nos conhecer mais um pouquinho.
Alice querida o dia que você tiver a oportunidade de conhecer essa fruta(cupuaçu)e provar as coisas que se pode fazer com ela,vai se apaixonar.O cupuaçu é uma fruta típica da região Norte,tem cheiro e sabor maravilhoso,com ela podemos fazer suco,sorvetes,doces,e musses...Só você provando mesmo,rsrs

Abraço.

Anonymous said...

Gostei da indicação de Scott Eastwood para Christian Grey, espero que agrade a todas as fâs. Realmente pelas descrições que Anastásia faz dele, é o que mais se assemelha, tem idade, porte físico e não é um ator "marcado" por algum outro papel. Vamos ver o que a mídia acha.
Naines

Naines said...

Gostei de que Scott Eastwood seja um dos indicados para representar Christian Grey. Pelas descrições de Anastásia, é bem semelhante: tem o porte físico e idade. Quanto ao ator, ainda não está "mardado" por algum papel relevante. Vamos ver o que a mídia e os produtores decidem.
Naines

Cinthia said...

Olá Neusa, Emine e meninas ... Acompanho o blog a algum tempo e sempre leio em ingles mas como a Emine demora para atualizar e eu sou MUITO ansiosa comecei a ler a versão em português e me apaixonei tudo de novo kkkkkkk. Parabéns pelo trabalho Neusa... Bjo

Tati said...

Olá, acabei de ler o capitulo IV, estou ansiosa pelo próximo, eu amo este casal.

Tati said...

Olá, acabei de ler o capitulo IV, estou ansiosa pelo próximo, eu amo este casal.

Fer G. said...

Oi Neusa querida,oi Emine.Consegui colocar a leitura em dia.Qdo estava viajando só pensava nos capítulos que estava perdendo.Lindo o jeito do Christian de se abrir para a Ana.Cada vez mais apaixonada pela a história.Obrigada Neusa pela sua disposição e obrigada Emine por nos proporcionar uma história tão linda,beijoss

Daysi Cristina said...

Oi meninas.. Boa noite!!
Vim aqui ver se tinha novidades, nem tem :( Mas tudo bem, logo, logo teremos.

Glenda.. Creme de cupuaçu é uma ótima pedida!! Amooo d+

Ah vou tentar encontrar vcs pelo fb, se encontrarem Daysi Cristina, claro sou eu.

Fiquem a vontade para me encontrarem tbm, meu email é daysi_cris@hotmail.com

Beijos a todas

Neusa Reis said...

Queridas meninas, a Emine mandou prá mim as respostas das perguntas da Naines que eu traduzi e estou colocando aqui prá vocês aproveitarem também. Respostas bem interessantes...

“Assim, as perguntas de Naines :
1 . Como Christian encontrava suas subs?
Aquelas pessoas que praticam este estilo de vida conhecem as outras pessoas que estão na cena. É como um clube secreto exclusivo. Nos anos anteriores, Christian fazia parte da cena. Você tem que lembrar que há homens poderosos que participam deste estilo de vida (políticos, empresários , atores, etc. ), mas você não ouve os seus nomes até que aconteça algo drástico. Alguns anos atrás, ouvimos uma história similar. A famosa bonita atriz de Star Trek foi casada com um político poderoso. A atriz era Jeri Ryan. Ela foi casada com Jack Ryan , que era um banqueiro de investimentos e, posteriormente, um político candidato Republicano. Ele estava mesmo indo para ser um senador. De acordo com os jornais eles costumavam ir a clubes de sexo onde ele queria que os outros assistissem enquanto eles realizavam atos sexuais. Assim, clubes como esses existem em todo o país. Lembre que Christian disse que quando ele estava aprendendo a ser um dominante, ele foi para tais clubes e efetivamente pagou por sexo. Ele provavelmente fez as ligações lá, para as futuras candidatas a "submissas." Então, esse estilo de vida não é um mito. Ele existe.
De outra maneira, é claro, ele não poderia agora ir lá, abertamente, mas, mais uma vez, eles são clubes muito exclusivos e se o fizesse, ele teria que ter muito cuidado, porque ele preserva sua privacidade. Mas eu acho que Elena tinha muito a ver com a apresentação das novas subs ou candidatas, sabendo do que ele gostava. Sendo uma parte da cena, ela pode ter visto as potenciais candidatas e o informado da disponibilidade e tudo o que ele tinha que fazer para isso, era conseguir os antecedentes e ver a pessoa e ajustar os detalhes finos. Eu não acho que qualquer mulher por quem ele se mostrasse interessado especialmente aquelas que estivessem na cena, iria recusar. Se você se lembra do capítulo em que Christian levou Ana ao Esclava pela primeira vez e ela estava brava com ele; durante seu confronto, ela perguntou-lhe se Elena conhecera todas as suas submissas, e ele disse que sim. Porque ela poderia examiná-las, analisar se elas eram boas o suficiente para ele, para satisfazer suas necessidades. A razão pela qual Elena não estava feliz com Ana (principal motivo) era porque ela não tinha nada a ver com a obtenção de Ana. Christian a encontrou, tudo por conta própria, e ela não era da cena. Elena sabia como fazer as submissas obedecerem. Mas Elena não tomava a decisão final sobre as submissas , no entanto, sabemos que ela teve sua entrada. Ela podia controlar Christian indiretamente; ainda tinha poder sobre ele.
2 . Christian tinha curiosidade sobre sua mãe biológica e seu passado? Isso é definitivamente um NÃO. Ele não queria ter nada a ver com ela. Ele nem sequer falava sobre ela em termos de "mãe". Ele se referia a ela como a "prostituta de crack." Isso não é apenas pejorativo, mas também afastava-a de sua pessoa. Não a mãe de nascimento, não a mãe biológica, mas uma prostituta drogada. Ele ainda era incapaz de lidar com seu passado. Estes eram os demônios que ele tinha. Estes eram os pesadelos que ele ainda não conseguia superar até mesmo depois que ele adquiriu sua riqueza e poder e lugar na sociedade. Ele não queria lidar com isso e isso representava para ele um momento em que ele não tinha controle sobre sua vida. Então, ele não tinha qualquer desejo de revisitar esse tempo, ele queria desesperadamente esquecer. Sim, ele tem dinheiro e ele pode descobrir as suas raízes até muitas gerações. Mas o que ele iria ganhar além de abrir velhas feridas? Se ele tinha parentes vivos seriam melhor do que a mulher que foi a mãe dele? Eles seriam uns sanguessugas, tentando ordenhar seu novo parente. Quem precisa disso? O que ele precisa é de finalização.

Continua

Neusa Reis said...

Continuação

"Porque a maioria de nós não quer revisitar um passado doloroso ou história ou nós fazemos o nosso melhor para evitar qualquer coisa que possa nos lembrar desta época. Ele só chegou a um término com isso porque Ana o empurrou para visitar o túmulo de sua mãe. Porque se ele entendeu que ela o amava, mas estava impotente para protegê-lo, então esta era uma batalha ganha por Christian, um pesadelo a menos. Todos nós precisamos saber que nossos pais nos amam, mesmo que não admitamos. É uma necessidade inata. Caso contrário, vamos ter ressentimentos e pesadelos, que é o que ele tinha.
3. Christian era uma criança inteligente, sem quaisquer problemas de inteligência ou qualquer falta de habilidades motoras. Ela estava perguntando sobre se sua mãe era viciada ou desiludida. Se a pergunta é sobre a mãe biológica, a questão não reside nas habilidades de Christian ou na falta delas. Lembra quando Christian foi encontrado, ele estava extremamente desnutrido e ele nem sequer parecia uma criança de 4 anos. A mãe teve muitos problemas para cuidar adequadamente de seu filho. Ela era prostituta; não sabemos como ela chegou a este comércio, mas ela o fez e parece que ela teve vários cafetões, em momentos diferentes. Assim, mesmo se ela tinha um gênio em casa, ela não tinha a capacidade cognitiva para perceber isso. Porque ela estava muito consumida em seus próprios problemas e pela sobrevivência do dia a dia. Ela estava ocupada com seus clientes e os cafetões batiam nela nas outras vezes. Christian só pode pensar em duas boas lembranças relacionadas a ela. Quando ela foi fazer um bolo de chocolate para o aniversário dele e quando ela o deixou escovar seus cabelos. Quão triste é isso? Ela tinha um problema de dependência. Essas questões não vão deixá-la perceber o valor de seu filho. É claro que quando Grace o adotou, ele parou de falar, chocado, se sentindo inútil e incapaz de mostrar qualquer interesse em qualquer coisa até 6 anos de idade, com o piano. Ele encontrou uma maneira de se expressar, suas dores, seus sentimentos, o que não podia fazer antes.
4 . Anastasia não se dava bem com seu seguinte padrasto do Texas. O homem era abusivo, eu acredito e ele pode ter abusado verbalmente de Ana. Lembre-se que ela tem baixa auto-estima. Ela não vê a si mesma como digna. Sua mãe a está acarinhando, assim como Ray está. Então, alguém tinha que ter dito a ela que não era boa o suficiente, ou inútil , ou algo nessa linha para fazê-la sentir que ela é insuficiente. Esse é o elo perdido. O outro padrasto. Claro, Ray Steele a adotou. Para todos os efeitos e propósitos, ele ainda é seu pai. Isso Essa é a que ela conhece como uma figura paterna. Criou-a. É natural, portanto, para ela, que volte para o outro pai que ela conhece e legalmente ele é seu pai e tem direitos iguais sobre Ana. Na maioria das vezes nós pensamos em pais que doaram sua semente, ou deram à luz. Aqueles não são suficientes para se qualificar como um pai, mesmo os cães na rua fazem isso. Paternidade envolve a criação de uma criança, cuidar, ocupar-se das necessidades daquela criança, se preocupar com a criança. Ray já tinha feito tudo isso. Ele é o pai dela. Não há, claro, nada de errado com ela voltando para um lugar onde ela foi relativamente feliz.
5. A série de Pella. Eu estou trabalhando nisso ainda. Ela vai para o editor dentro de um mês, depois para publicação. Não vai ser lançado até a primeira parte do próximo ano. Porque tudo é lento no mundo editorial começando com Ação de Graças aqui que é em (28 de novembro ), em seguida, para baixo com outro feriado, preparando todo o caminho depois do Ano Novo .
Espero que isto responda a todas as suas perguntas.”
EMINE

Neusa Reis said...

Continuação

"Porque a maioria de nós não quer revisitar um passado doloroso ou história ou nós fazemos o nosso melhor para evitar qualquer coisa que possa nos lembrar desta época. Ele só chegou a um término com isso porque Ana o empurrou para visitar o túmulo de sua mãe. Porque se ele entendeu que ela o amava, mas estava impotente para protegê-lo, então esta era uma batalha ganha por Christian, um pesadelo a menos. Todos nós precisamos saber que nossos pais nos amam, mesmo que não admitamos. É uma necessidade inata. Caso contrário, vamos ter ressentimentos e pesadelos, que é o que ele tinha.
3. Christian era uma criança inteligente, sem quaisquer problemas de inteligência ou qualquer falta de habilidades motoras. Ela estava perguntando sobre se sua mãe era viciada ou desiludida. Se a pergunta é sobre a mãe biológica, a questão não reside nas habilidades de Christian ou na falta delas. Lembra quando Christian foi encontrado, ele estava extremamente desnutrido e ele nem sequer parecia uma criança de 4 anos. A mãe teve muitos problemas para cuidar adequadamente de seu filho. Ela era prostituta; não sabemos como ela chegou a este comércio, mas ela o fez e parece que ela teve vários cafetões, em momentos diferentes. Assim, mesmo se ela tinha um gênio em casa, ela não tinha a capacidade cognitiva para perceber isso. Porque ela estava muito consumida em seus próprios problemas e pela sobrevivência do dia a dia. Ela estava ocupada com seus clientes e os cafetões batiam nela nas outras vezes. Christian só pode pensar em duas boas lembranças relacionadas a ela. Quando ela foi fazer um bolo de chocolate para o aniversário dele e quando ela o deixou escovar seus cabelos. Quão triste é isso? Ela tinha um problema de dependência. Essas questões não vão deixá-la perceber o valor de seu filho. É claro que quando Grace o adotou, ele parou de falar, chocado, se sentindo inútil e incapaz de mostrar qualquer interesse em qualquer coisa até 6 anos de idade, com o piano. Ele encontrou uma maneira de se expressar, suas dores, seus sentimentos, o que não podia fazer antes.
4 . Anastasia não se dava bem com seu seguinte padrasto do Texas. O homem era abusivo, eu acredito e ele pode ter abusado verbalmente de Ana. Lembre-se que ela tem baixa auto-estima. Ela não vê a si mesma como digna. Sua mãe a está acarinhando, assim como Ray está. Então, alguém tinha que ter dito a ela que não era boa o suficiente, ou inútil , ou algo nessa linha para fazê-la sentir que ela é insuficiente. Esse é o elo perdido. O outro padrasto. Claro, Ray Steele a adotou. Para todos os efeitos e propósitos, ele ainda é seu pai. Isso Essa é a que ela conhece como uma figura paterna. Criou-a. É natural, portanto, para ela, que volte para o outro pai que ela conhece e legalmente ele é seu pai e tem direitos iguais sobre Ana. Na maioria das vezes nós pensamos em pais que doaram sua semente, ou deram à luz. Aqueles não são suficientes para se qualificar como um pai, mesmo os cães na rua fazem isso. Paternidade envolve a criação de uma criança, cuidar, ocupar-se das necessidades daquela criança, se preocupar com a criança. Ray já tinha feito tudo isso. Ele é o pai dela. Não há, claro, nada de errado com ela voltando para um lugar onde ela foi relativamente feliz.
5. A série de Pella. Eu estou trabalhando nisso ainda. Ela vai para o editor dentro de um mês, depois para publicação. Não vai ser lançado até a primeira parte do próximo ano. Porque tudo é lento no mundo editorial começando com Ação de Graças aqui que é em (28 de novembro ), em seguida, para baixo com outro feriado, preparando todo o caminho depois do Ano Novo .
Espero que isto responda a todas as suas perguntas.”
EMINE

Anonymous said...

Bom dia meninas!

Muito esclarecedora a Emine, incrível como ela consegue sanar nossas dúvidas! Obrigada Neusa pela tradução impecável!
Bjs para todas!

Pry

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Bom diaaaa!!!
Dando minha passadinha diária para ler os comentários e me deparo com esta explicação tão esclarecedora da Emine!!

Obrigada Neusa por traduzi-la, como sempre primorosa!!
Alice obrigada pelo meu niver de casório e obrigada pelo elogio do sorriso...to me sentindo!! rsrsrs..
O bolo é feito com 7 recheios..é divino. conheço a fruta cupuaçu, só experimentei o sorvete, mas a musse nunca comi!! Deve ser maravilhosa!!

mais duas estão no meu face...amei..Alice e Daysi!!
Beijos Neusa, beijos Emine e beijos gurias do blog!!

Inté

Rosângela

Daysi Cristina said...

Não me canso de conhecer o Christian e até mesmo a Ana, através da Emine. Coisa boa é ser escritora!! :D

Gostei de mais dessas esclarecedoras questões que os envolvem, esses personagens, que para mim parecem tão reais. (Qtas pessoas no mundo, sofrem ou já sofreram com essas questões? Inúmeras, acho eu!!)

Obrigada Emine por tudo isso e obrigadíssima, claro a Neusa!!

É... tentei encontrar vcs no face, mas não conseguir :( Encontrei somente a Rosangela, então me procurem lá meninas (Glenda conterrânea, te quero no meu face kkkk. Meu email daysi_cris@hotmail.com

Beijos
Neusa... Qdo teremos mais um capítulo?? Sem pressão!! Só curiosidade e um pouco de ansiedade :D

Beijos a todas

Naines said...

Obrigada Emine e Neusa, por esclarecerem minhas dúvidas. Adoro o trabalho de vocês, não vejo a hora da série Pellas ir para o papel, serei umas das primeiras da fila. Será que não houve alguma editora interessada na versão de Christian? Gosto mais de ler no papel.
Naines

Claudinha said...

Por favor quando vai traduzir os outros capitulos?? Estou me sentindo orfã de Cristian Grey BJUSSSS

maria virginia machado said...

AAAAHHHHHHHHHHHH Louca!!É como eu me sinto neste momento, louca por mais um pouco de Chistian Grey. Esse serie é maravilhosa a ansiedade está me consumindo. Seu blog é TOP PARABENS por favor continue postando os capítulos. Bjkas

Alice said...

Ei amigas estou pegando a mania de marcar o ponto aqui :0) .....
Emineeee kd vcccccc?! O que achou do novo CG? Sua opinião e muito importante.
Neusa, amiga querida, você tbem gostou da escolha para o papel de CG?
E vocês gente? Que silencioooo....
Rosangela esqueci de comentar sobre o bolo de 3 camadas! Que delicia! Pra vc que adora cozinhar e fácil, já pra mim fico com o da confeitaria mesmo até animar encarar um desses (rs).
Glenda, se cupuacu for uma fruta escura eu acho que tomei sorvete dela em Natal.
Linda a mensagem da Daisy no FB.
Tenho amigas lindas.... todas... sem exceção.
Beijos pra todo mundo
Inte

Raquel said...

Amo esses dois! E estou amando esta versao! Parabens Emine e Neusa. Vcs sao demais!

Anonymous said...

Alguem sabe se haverão outros capítulos do livro 4? Caso sim, quantos mais? Eu já li até o capítulo XIV e amei!

Anonymous said...

Alguem sabe se haverão outros capítulos do livro 4? Caso sim, quantos mais? Eu já li até o capítulo XIV e amei!

Cora said...

Uauuuuuuuuu...capítulo extremamente revelador!!! Chocante ao mesmo tempo. Eu estava segurando para lê-lo pq já tinha visto que por enquanto era o último. Ás vezes me pergunto: que magia é esta que nos deixa tão viciadas em CG. Por que ele esteve num universo desconhecido (pra mim)? Porque através do amor ele consegue mudar, se abrir? Pela (mega) corajosa Ana? Ou tudo isso e muito mais junto?
Como vi em outros posts, também me olharam de esquerda quando eu disse que tinha gostado muito de 50 Tons, porque sou uma leitura compulsiva de boa literatura. Como assim você gostou deste livro? Muitas e muitas vezes (só para os amigos mais próximos) expliquei que este livro tinha muito MAIS "do que as simples aparências". Ele mexe conosco de uma forma, acredito, profunda. Tanto nos relacionamentos como a análise de nós mesmos!( Apesar de achar que o primeiro livro da ELJames foi muito mal escrito ou mal traduzido para o português). EMINE,NEUSA obrigado por este lindo texto. Se todas as pessoas se revelassem assim para as pessoas que amam as coisas no mundo seriam bem diferentes. Beijos (e ansiosa pelos próximos capítulos kkkk)

Anonymous said...

Estou me sentindo órfã. Cade novo capítulo hj é dia.......rsrsrsrs

Cora said...

Hi! Meninas já viram quem vai fazer o querido CG no cinema? Jamie Dornan. Curti ;)

Claudia Ferreira Peixoto said...

OI Neusa. Não vejo a hora de ler mais um capitulo.Muito assiosa.

Claudia Ferreira Peixoto said...

Oi Neusa, adorando os capitulo.Não vejo a hora de ler mais um.BJOS

Daniela Martins said...

Boa noite, meninas!
Hello, Emine!
Estou atrasada nos comentarios, mas nao na leitura! Sempre leio pelo cel, mas nao consigo comentar atraves dele. So pelo tablet...assim, acabo demorando para postar algum comentario, mas estou sempre lendo o que vcs postam!
Capitulo perfeito, novamente! Alias, nao tinha q ser diferente! Emine arrrasa!
Neusa, vc uma fofa traduzindo tudo! Leio todos os capitulos em ingles evejo que vc é fiel a tudo que Emine escreve!
Parabens pelo trabalho!
Meninas, quais sao as suas sugestões para nossos cafezinhos esta semana?
Está tao corrido aqui p mim que confesso q esta semana estou sem inspiraça, mas vou apostar no velho e bom paozinho de queijo saindo do forno!
Bjkas para todas.
Dani
;-)

Daniela Martins said...

Olá, Emine!
Meu Deus, como Christian estava "quebrado".
" Eu queria que ela me punisse por existir. Não por uma menina burra que mostrou interesse em mim na presença de Elena. Mas, por estar aqui, na Terra. Punir o indigno, indigno de ser amado, sem importância; preencher o vazio em mim com tanta dor, que eu não tinha que pensar em que buraco desesperado na porra da minha alma a vida estava sendo sugada fora de mim..."
Ainda bem que existe o amor. E que Christian e Anastasia se encontraram e juntos encontraram o amor!
Bjkas
Dani
;-)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry