StatCtr

Friday, March 8, 2013

Livro 1 - Capítulo XIX - Christian Grey e Anastasia Steele


CAPÍTULO DEZENOVE
OH, QUE TEIAS EMARANHADAS TECEMOS!

Tradução:  Neusa Reis                                                                              
Edição/Revisão:  Beatriz Reis


Ela me encara de volta. Mia quebra o nosso olhar com uma pergunta.

"Onde você conheceu a Ana?", Ela pergunta.

"Ela me entrevistou para a revista estudantil WSU", eu respondo.

"Que Kate edita", acrescenta Anastasia. Mia sorri para Kate que está sentada em frente a Elliot e a conversa vai na direção da revista estudantil.

"Vinho, Ana?", Pergunta meu pai.

"Sim, por favor", ela responde sorrindo. Meu pai enche o resto das taças. Anastasia espreita para mim quando eu viro para olhar para ela, minha cabeça inclinada para um lado. Eu ainda estou irritado com a revelação anterior.

"O que?" Eu pergunto.

"Por favor, não fique com raiva de mim", ela sussurra.

"Eu não estou bravo com você", eu digo, mas isso não é verdade. Eu estou bravo. Fervendo... bravo.

Ela sabe disso, e ela olha para mim. Ela me lê bem. Eu suspiro.

"Sim, estou bravo com você." Eu fecho meus olhos por um instante para acalmar minha raiva.

"Louco com as palmas nervosas?", Ela pergunta nervosamente, com uma voz sussurrante.

"O que vocês dois estão cochichando?" Kate, a trituradora de bolas pergunta,  metendo o nariz onde não foi chamada.  Anastasia cora e eu encaro Kate para que não se meta em nossos assuntos. Estou cuidando da minha vida como ela deveria estar fazendo com a dela.

"Apenas sobre a minha viagem para a Geórgia," Anastasia responde docemente tentando diminuir a tensão que está se construindo entre nós. Kate sorri, e algum pensamento perverso está cruzando sua mente. Eu me pergunto o que a bruxinha está armando.

"Como estava o José quando você foi para o bar com ele na sexta-feira?"

Que porra é essa? Ela saiu com o fotógrafo quando ela está saindo  comigo? Estou sendo traído? Eu não saio com mais ninguém, por que ela está saindo com o fotógrafo sabendo como me sinto sobre isso? Sabendo como eu sou ciumento do filho da puta... Como ela pôde fazer isso comigo?  Com o que mais eu vou ter que lidar esta noite? Será que ela vai me fazer ter um ataque cardíaco, e enviar-me para minha sepultura cedo? Estou com louco com as palmas nervosas! E pensar que eu tenho que saber esse pouco de informação da própria trituradora de bolas, e não de Anastasia! Porra! Minha raiva é como uma panela de pressão. Eu vou explodir se eu não deixar sair algum vapor!

"Ele estava bem",  murmura Anastasia o que confirma minhas suspeitas. Ela saiu com ele! Eu me inclino para ela, e sussurro, "Louco com as palmas nervosas, " eu digo mal contendo um  vulcão de emoções. "Especialmente agora", eu digo em um tom calmo e mortal. Ela se contorce em seu assento.

Minha mãe reaparece carregando duas placas com Gretchen atrás dela com bandejas. O telefone toca, e meu pai se desculpa para atender ao telefone. Minha mãe pede a Gretchen para deixar a bandeja no console. Enquanto isso, Anastasia olha a ajudante com olhos curiosos e ciumentos. Então ela fecha a cara  e finalmente olha para suas mãos em seu colo. Meu pai retorna para a sala de jantar.

"Chamada para você, querida. É do hospital, " ele diz para minha mãe.

"Por favor, comecem todos", minha mãe convida os hóspedes e sorri enquanto ela deixa a sala. Anastasia enruga as sobrancelhas, mas ela tem apetite esta noite provavelmente causado pelas atividades sexuais que ela fez comigo esta tarde.

Minha mãe volta alguns minutos depois, e meu pai pergunta se está tudo bem ao que a minha mãe responde suspirando, “outro caso de sarampo."

"Oh, não", é a resposta de meu pai.

"Sim, uma criança. O quarto caso este mês. Se pelos menos  as pessoas tivessem  vacinado seus filhos ", diz ela balançando a cabeça tristemente, acrescentando: "Estou tão feliz que nossos filhos nunca passaram por isso. Eles nunca pegaram nada pior do que catapora, graças a Deus. Pobre Elliot ", diz ela enquanto ela se senta sorrindo para o meu irmão. Elliot fecha a cara  ao  ser colocado em evidência, se contorcendo, desconfortável. "Christian e Mia tiveram sorte. Eles tiveram isso levemente, apenas uma mancha para compartilhar entre eles, " ao que  Mia ri, e eu rolo meus olhos. Elliot quer seguir em frente fora do tópico atual.

"Então, você assistiu o jogo dos Mariners, pai?", Pergunta ele, e o assunto é trocado. Eu olho para Anastasia e ela está comendo com vontade o que me agrada. Elliot, meu pai e eu mudamos de assunto para o basquete. Nós gostamos de falar de esportes e eventos atuais.

"Como você está indo com a  instalação  em seu apartamento novo,  querida?" Minha mãe pergunta educadamente a Anastasia trazendo-a de seus pensamentos. Ela fala sobre a sua mudança, e como ela e Kate são gratas a Elliot por sua ajuda. Só então Gretchen entra na sala de jantar e limpa a mesa. Ela encosta em mim quando  ela passa, e eu noto que Anastasia estreita os olhos para ela automaticamente. Enquanto isso, Kate e Mia estão discursando sobre Paris.

"Você já esteve em Paris, Ana?" Mia pergunta a  Anastasia trazendo-a de seus pensamentos silenciosos.
"Não, mas eu adoraria ir", ela responde a Mia.

"Nós passamos a lua de mel em Paris", diz minha mãe sorrindo carinhosamente para o meu pai que sorri de volta para ela. Eles parecem ainda muito apaixonados um pelo outro.

"É uma cidade linda",  Mia concorda com eles, acrescentando   "apesar dos parisienses. Christian, você deve levar Ana para Paris ", Mia diz com firmeza

La Vie en rose by Louis Armstrong

"Eu acho que Anastasia preferiria Londres", eu respondo suavemente para sua declaração. Eu me lembro dela me dizendo o quanto ela queria ver de onde são seus autores favoritos. Eu tenho uma luta interna para não tocar essa beleza ao meu lado;  daí  eu tenho esse desejo irresistível de tocá-la e amá-la. Especialmente quando eu sei muito bem que ela não tem nada por baixo desse vestido. Eu coloco a minha mão na coxa dela. Todo o seu corpo aperta em resposta. Ela cora e se mexe em sua cadeira, e ela tenta se afastar de mim! Eu não quero que ela me recuse. É por causa do fotógrafo? Será que ela o deseja em vez de mim? É por isso que ela saiu  com ele? Minha mão aperta sua coxa, tranquilizando-a. Ela está desnorteada, estende a mão para seu vinho, em desespero. Eu quero o que é meu, não importa onde eu estou. Ela é minha!

Gretchen entra com o prato principal: um bife Wellington. Somos servidos, e enquanto ela está servindo meu prato, Anastasia dá esse olhar venenoso para ela. Eu olho para Anastasia bastante intrigado  por não entender sua reação à ajudante. Se ela gosta de mim, e fica com ciúmes de mim, por que negar-me o que é meu?

"Então, o que havia de errado com os parisienses?" Elliot pergunta a Mia.

"Eles não foram  atraídos pelo seu jeito encantador?" Ele sonda sorrindo.

"Ugh, não, eles não foram!" Mia responde. Eu me pergunto por quê? Poderia ser a sua natureza forte, ou sua boca indiscreta?  "E o senhor Floubert, o ogro com quem eu estava trabalhando, ele era um tirano dominador", diz ela ao que Anastasia reage engasgando com seu vinho. Ela possivelmente está pensando em mim, mas eu não quero que ela se engasgue.

"Anastasia, você está bem?" Pergunto solícito, tirando minha mão de sua coxa no momento. É realmente muito engraçado vê-la responder assim ao comentário de Mia. Eu estou em sua mente, então! Ela acena com a cabeça, e eu a acaricio suavemente até que eu sei que ela está recuperada. Saber que Anastasia está comendo com vontade esta noite  me agrada imensamente. Eu nunca a vi comer tão bem. Isso me dá a alegria de que ela não está matando a si mesma de fome.

Elliot brinca comigo sobre eu estar assistindo Anastasia comer, e eu desconsidero-o com uma piada, ele não pode me tirar meu bom humor vendo minha mulher comer. Em seguida, a sobremesa  é servida, e é “syllabub” de limão. (N.T. sobremesa típica inglesa) Mia começa a falar sobre suas façanhas em Paris. Então, ela começa a falar sobre o quão bonita é Paris.

"Paris est fière de son histoire, Paris est  merveilleuse a la tombée du jour. Grâce aux nombreux adjectifs épicènes,  bien souvent,  on n'a pas à se poser la question: Paris est agréable la nuit, insuportable en été, magnifique à l'aube ".

Todo mundo se vira para ela e olha para Mia, como se ela tivesse mudado para latim. Bem, perto... Ela entrou no francês e ela nem sequer percebeu isso. Ela nos diz que Paris se orgulha de sua história, e parece maravilhosa no crepúsculo, é boa à noite, insuportável no verão, e magnífica ao amanhecer. Claro, ninguém na mesa, além de mim e Mia entende o que ela disse. Nós somos os únicos na família que falam francês.

"Qu'est-ce?", Ela pergunta, confusa, depois de ver o meu sorriso. Eu sorrio mais amplo e respondo a sua pergunta de "o que? '.

"Rien ...", digo, "nada" enquanto não consigo me conter e começo a rir forte.

"Pourquoi est-ce que ça vous fait rire Christian?", Diz ela, me perguntando por que eu estou rindo, completamente confusa. Eu rio  ainda mais forte, enquanto a mesa de jantar inteira está olhando para nós.

"Pourquoi  tout le monde me regarde?", Diz ela perguntando por que está todo mundo olhando para ela. Eu rio ainda mais forte quando ela ainda nem sequer percebe que estamos conversando em francês. Ela olha para mim completamente intrigada.

"Ils vous regardent", digo, tentando dizer a ela porque eles estão olhando para ela, enquanto tentava conter minha diversão ", eh bien ... parce que tu parles français ... Nous parlons Français ... en ce moment. " Eu lhe respondo, entre acessos de riso. Eu não ria tão forte há um longo tempo. "Porque", eu digo a ela, "você está falando francês, na verdade, nós dois estamos no momento." Ela cora, e então começa a rir com o resto de nós.

"Oh, eu sinto muito. Eu nem percebi que estava fazendo isso! ," Ela responde.

Elliot fala sobre seu mais recente projeto de construção, uma nova comunidade eco-sustentável no norte de Seattle. Sua namorada, Kate parece completamente apaixonada por ele, ela está radiante, com uma mistura de amor e desejo por ele. Pelo menos ela não estará esmagando suas bolas... não no mal sentido, de toda forma. Ele se vira e sorri para Kate, e uma troca apaixonada sem palavras passa por eles. Percebo Anastasia corando embaraçada. Ela suspira, e espia para mim. Maldição! Ela cora e aperta as pernas eu percebo enquanto seu quadril encosta no meu enquanto ela está tentando suprimir a sua paixão crescente. Então, ela agarra seu lábio inferior entre os dentes.

Espio para ela, e levanto a mão para puxar seu queixo.

"Não morda seu lábio," eu murmuro com voz rouca. "Eu quero fazer isso." 

When I need you by Julio Iglesias

Minha mãe e irmã recolhem nossas taças de sobremesa e se encaminham para a cozinha enquanto meu pai, Katherine, a trituradora de bolas, e Elliot discutem os méritos de painéis solares no Estado de Washington. Eu participo da conversa enquanto coloco minha mão sobre o joelho de Anastasia. Meus dedos começam a viajar para cima até a coxa. Anastasia segura a respiração, e  pressiona as coxas juntas para impedir minha mão de continuar subindo. Oh, baby, esta é a segunda vez que você se nega no decurso do jantar. Estou cheio de desejo sexual, e com raiva, e com ciúmes do porra do fotógrafo de merda. Minha energia sexual já reprimida está me frustrando, e ela só me nega fechando as pernas! Ela não pode simplesmente negar-me o que já é meu! Dou-lhe um sorriso. Isso não vai me ajudar a acalmar-me, e se eu estava louco com as palmas nervosas antes, estou explodindo agora, e nada mais que punir e transar com ela vai acalmar este sentimento. Estou dividido entre emoções estranhas.

Por um lado, ninguém nunca se negou antes! Nunca! Esta é a primeira vez, que qualquer uma fechou as pernas para mim! É ao mesmo tempo extremamente quente, e mais que frustrante. Ela só está me torturando por morder aquele lábio... Eu não posso suportar. Eu tenho que tocá-la! Eu tenho que saber que seus lugares sagrados são meus. Sua linguagem corporal diz que ela me deseja. Então por que ela não cede a mim? Eu tenho que tirá-la daqui, fodê-la, puni-la, e acalmar meu monstro interior.

"Anastasia, posso levá-la para uma visita à propriedade?" Eu pergunto-lhe abertamente, para que outros não saiam por aí atrás de nós. Conhecendo-a, ela poderia dizer 'não' para mim de novo, então eu fico em pé para estar um passo à frente dela. Eu estendo minha mão para ela, que a recebe e coloca nela sua mão pequena e eu a aperto. Assim que nos tocamos, nossa conexão é estabelecida, e eu sinto essa atração exigente por ela novamente. Nossos olhares bloqueiam, e há imenso desejo em mim, fome, e paixão.

Anastasia vira-se e diz: "Com licença" para o meu pai, e segue-me para fora da sala de jantar.

Eu a conduzo através do corredor e pela cozinha onde Mia e minha mãe estão colocando tudo na máquina de lavar louças.

"Eu vou mostrar para Anastasia o jardim de trás", eu digo para a minha mãe, inocentemente, como se eu estivesse indo para familiarizá-la com a propriedade. Isso é algo que um namorado que está trazendo sua namorada à casa de seus pais pela primeira vez pode fazer. É um ato inocente. Minha mãe acena para nós, enquanto Mia volta para a sala de jantar.

Nós saímos para o pátio de laje cinza iluminado com iluminação indireta. Há arbustos em vasos de pedra e uma mesa de metal pequena e elegante com cadeiras está colocada em um canto. Nós passamos por isto, e subimos para o vasto gramado que leva até a baía. A cidade de Seattle está no horizonte, cintilando em luzes brilhantes. Dois barcos estão atracados na casa de barcos, e a lua de prata está no fundo sobre a água. Normalmente eu iria prestar atenção para a paisagem, mas minha mente está muito longe dos arredores. Eu estou mais ocupado com o que eu quero fazer com a Srta Steele.

Estou puxando Anastasia atrás de mim, e os saltos altos estão cavando e afundando na grama macia. Ela está tendo um momento difícil  me seguindo.

"Pare, por favor," ela implora quando  ela tropeça. Eu paro a seu pedido. Eu olho para ela. Eu tenho a minha cara impassível, eu não aparento nada. Agora, eu quero transar com ela Sete Tons de Domingo, logo depois que eu libere para ela uma boa dose de palmadas!

"Meus saltos. Eu preciso tirar os sapatos, " diz ela.

"Não se preocupe", eu digo, e me abaixo e a coloco por cima do meu ombro. Ela grita bem alto com o choque da surpresa, e eu dou-lhe um tapa muito duro no seu traseiro.

"Mantenha sua voz baixa:" Eu rosno. Agora, eu estou mais que zangado com ela, eu estou no momento de liberar sua punição.

"Para onde vamos?", Ela respira.

"Casa de barcos," eu lhe atiro em resposta.

Ela está pendurada em meus quadris, porque ela está de cabeça para baixo, e pretendo levá-la até o segundo andar da casa de barcos e dar-lhe a razão do que.

"Por quê?", Ela pergunta.

"Eu preciso ficar sozinho com você", eu respondo.

"Para quê?", Ela pergunta como uma criança particularmente irritante de dois anos de idade.

"Porque eu vou espancar  e depois foder você."

"Por quê?", Ela choraminga baixinho.

"Você sabe por que," eu sibilo. Porque ela negou-me o que é meu!

"Eu pensei que você fosse um tipo de cara de momento, "  ela implora ofegante, de cabeça para baixo nos meus quadris.

"Anastasia, eu estou no momento, acredite em mim."

Baby, eu estive esperando a noite toda por este momento, e é a hora do seu castigo.

Eu irrompo pela porta de madeira da casa de barcos e acendo algumas das luzes. Eles são fluorescentes, intensas e elas zumbem. O barco a motor está flutuando suavemente na escuridão da água. Mas eu não paro. Eu subo as escadas de madeira para o segundo andar.

Eu paro na porta para acender as luzes de halogenio no segundo andar, que são mais suaves aos olhos. O cômodo é decorado em um tema náutico da Nova Inglaterra. Agora me pergunte se eu dou a mínima para a decoração deste lugar, ou que ele abriga os meus troféus. Não! Não dou a mínima. Eu tenho dois objetivos em mente e ambos envolvem a mulher que eu estou carregando no meu ombro como um Neanderthal teria feito há milhares de anos atrás. O mobiliário é escasso aqui, mas há um sofá que posso usar para transar com ela. Inferno, eu não preciso nem mesmo de um sofá para fazer isso!

Eu coloco Anastasia em  pé sobre o chão de madeira. Assim que os pés tocam o chão, seus olhos estão em mim, levando-me em sua sedução. Ela está hipnotizada, como eu estou com o seu olhar... Ela está enfeitiçada. Ela me olha como uma presa olharia seu predador. Minha respiração está forte pelo esforço, bem como pela raiva. Meus olhos estão ardendo de raiva, necessidade e pura e completa luxúria , tudo por esta mulher diante de mim.

"Por favor, não me bata", ela sussurra suplicante, tomando-me completamente de surpresa. Ela deveria ser minha submissa. Mas, aqui está ela, negociando sua punição comigo, me pedindo para poupá-la da palmada. Minha testa sulca, meus olhos se arregalam, e eu pisco com seu apelo inesperado.

"Eu não quero que você me espanque, não aqui, não agora. Por favor, não, " ela suplica um pouco mais.

Estou totalmente surpreso e chocado com a reação dela. Quero espancá-la e transar com ela depois disto, mas ela toca as cordas do meu coração, e me deixa incapaz de fazer o que tenho a intenção de fazer. É como se ela apagasse o fogo da raiva com um extintor, desarmando-me completamente.

Sua mão timidamente me alcança, e seus dedos tocam levemente minha bochecha, ao longo da borda da minha costeleta até a barba no meu queixo. Seu toque faz algo para mim, acalmando-me, e eu fecho os olhos momentaneamente. Minha respiração está instável. Eu sinto aquele desejo dentro de mim de novo. Somente tê-la acalmaria minha necessidade. Debaixo de toda essa raiva, há medo. Assim que meus olhos se fecham, eu inclino meu rosto em sua mão. Eu anseio por seu toque. Nada é  suficiente com ela. Minha respiração fica presa em minha garganta, e algo dentro de meu coração dói, dolorosamente. Como se sua mão estivesse chegando e apertando-o. Eu quero que ela o faça, apesar da dor! Sinto sua outra mão chegando, e correndo pelo meu cabelo, suavemente, gentilmente. Ninando-me. Acariciando como uma amante. Eu dou um gemido involuntário, quase inaudível, e eu lentamente abro meus olhos, cautelosamente. Na sedução completa desta mulher que está me amando com a ponta dos seus dedos.

Ela dá um passo para  frente e seu corpo está completamente alinhado com o meu. Ela gentilmente puxa meu cabelo, trazendo a minha boca até a dela, e ela me beija! Ela força a língua entre os meus lábios na minha boca. Eu gemo. Eu quero isso! Eu a abraço com força, puxando-a tão perto de mim, que nem sequer uma molécula de ar pode passar entre nós. Coloco minhas mãos em  seu cabelo. Eu a beijo de volta, firme e possessivo. Ela é minha. Quero reivindicar o que é meu. Nossas línguas giram e  ‘tango’ uma com a outra, devorando, consumindo, amando , e preenchendo. Ela é o meu alimento da alma. Eu não posso viver sem ela. Eu preciso de uma experiência de afirmação da vida com ela. Eu preciso saber que ela é minha.

Eu recuo, de repente, ambos as nossas respirações se misturando uma com a outra, irregulares. Suas mãos caem para meus braços, e eu a encaro  com um misto de incredulidade, desejo, querer, pergunta, e  emoções não identificadas.

"O que você está fazendo comigo?" eu sussurro. Você me desarma completamente, me castra. Você me deixa sem defesa. Você me faz sentir impotente. Deixa minha vida fora de controle, e eu tenho esse sentimento maldito que está rasgando meu coração escuro cada vez que eu penso que você se foi. Estou mais que confuso.

"Beijando você", ela responde simplesmente.

Como? Por quê?  "Você disse que não", eu digo descrente.

"O que?", Diz ela, confusa. Ela não sabe para que ela disse "não".

"Na mesa de jantar, com as pernas", eu esclareço. A compreensão a atinge então. Sim, isso!

"Mas  Christian", ela refuta, "estávamos à mesa de jantar dos seus pais ", ela olha para mim perplexa. "É inapropriado", ela simplesmente afirma. Eu só tenho surpresa em meus olhos, agora com crescente luxúria.

"Ninguém nunca disse não para mim antes." Uma submissa jamais teria feito isso. Na verdade, se eu quisesse foder uma submissa enquanto os meus pais estivessem dando um jantar, ela teria apenas se colocado sobre a mesa e aberto as  pernas para mim. Isso é o que faz uma submissa. Sim, aqui  estava ela me negando, e por Deus, esta é a coisa mais quente que já foi feita para mim. "E a sua negação, embora enlouquecedora, também é assim, fodidamente - quente", eu digo compreendendo. Eu estou cheio de admiração e desejo por ela. Minha mão se move para baixo para seu traseiro. Eu a puxo  bruscamente de encontro a  mim, e ela pode sentir minha ereção completa.

"Você está bravo e ligado, porque eu disse  não?", ela respira, chocada.

"Eu estou louco, porque você nunca mencionou a Geórgia para mim. Eu estou louco, porque você foi beber com o cara que tentou seduzi-la quando estava bêbada, e te deixou doente com um completo estranho. Que tipo de amigo é esse? E eu estou louco e excitado porque você fechou as pernas para mim, "  eu rosno perigosamente, e minhas mãos lentamente levantam a barra de seu vestido.

Eu quero que ela saiba que eu a possuo, somente eu. Ninguém mais. Seu corpo é meu para fazer o que eu desejo. Não aquele porra de fotógrafo que tenta voltar para a linha com ela.

"Eu quero você, e eu quero você agora. E se você não vai me deixar bater em você - o que você realmente merece - eu vou te foder no sofá neste minuto, rapidamente, e para o meu prazer sozinho. Você não vai gozar. "

Eu levanto seu vestido, e metade da bunda dela está visível. Eu me movo repentinamente e toco seu sexo, e afundo um dos meus dedos nela, enquanto minha outra mão em torno de sua cintura segura-a firmemente no lugar. Ela suprime um gemido de prazer.

"Isso é meu", eu sussurro entre os dentes cerrados. "Tudo meu! Você entendeu? " Eu quero marcar o meu território. Estou incrivelmente possessivo com ela, o medo de que algum outro desgraçado pode entrar e tirar o que é meu está se envolvendo em  mim. Meu dedo entra e sai de seu sexo, eu olho para ela, avaliando sua reação, e observando para ver sua resposta.

"Sim, tudo seu", ela respira desejando, quente para mim, pronta para ser fodida por mim. Aberta... O alívio me inunda. Corre através de minha corrente sanguínea. Meu batimento cardíaco e o dela se misturam, e correm um para o outro, tentando fugir de nossos corações e se fundir.

Neste momento,  eu não vejo nada, não sinto nada, eu não posso pensar em ninguém ou qualquer coisa, exceto em  Anastasia. Todo o meu ser fica em atenção apenas para ela. Nada existe neste exato momento, apenas  eu e ela sozinhos. Ela me consome, me conquista de corpo e alma, e eu tenho de tê-la. Eu faço a minha jogada. 

Animal by The Cab


11 comments:

Anonymous said...

Eu não entedo porque o Christian diz que uma submissa abriria as pernas a mesma que os pais adoptivos de Christian tivessem a dar um jantar....O CHristian nao tem respeito pelo pais ou está a exagerar????????

Anonymous said...

Esses capitulos são maraviolhosos....
A úniuca coisa má é o fim dos capitulos que deixa muito a desejar...Por favor ponha mais....
Adoro o primeiro livro,mas estranhamente a minha parte preferida é quando ela o abandona porque é partir dessa acção que o Christian demonstra que ama e acredita que ama Anastasia porque ele não acredito que é amor porque Elena ensino lhe que era uma emoção inutil e estupida...
Claro que Christian também demonstra que gosta dela mais que devia por causa dos ataques que cuimes que ele tem...

Eminé Fougner @ Cowboyland said...

Essa é uma grande questão. Eu vou responder em Inglês. Talvez Neusa pode interpretá-lo.

It's not exaggeration. It's figurative speech. Because, he took Ana as a submissive, and part of the requirements he asked of her is that she would submit to him anytime, anywhere without question. Well, Ana will not do that. Sure, he's not going to have her on dinner table. But he's just demonstrating that a submissive doesn't question.

He won't do that either. You know he's very reserved in public. He has to protect his public figure, and he has love and respect for his parents. It was just figurative speech that he wants her to fully submit without question. In the upcoming chapters you will see that his respect for both his parents, especially his mother is great.

Eminé Fougner @ Cowboyland said...

Capítulo XX está pronto.
http://eminethe1st.blogspot.com/2013/03/livro-1-capitulo-xx-christian-grey-e.html

Neusa Reis said...

Meninas , a nossa querida Emine respondeu a pergunta do Anonymous. Aqui vai a tradução:
"Não é exagero. É figura de linguagem. Porque, ele tem a Ana como uma submissa, e parte das exigências que ele fêz a ela é que ela se submeteria a ele, a qualquer momento, em qualquer lugar, sem hesitação. Bem, Ana não vai fazer isso. Claro, e ele não vai tê-la na mesa de jantar. Mas ele está apenas demonstrando que uma submissa não questionaria.

Ele não vai fazer o que quer. Você sabe que ele é muito reservado em público. Ele tem que proteger a sua figura pública, e ele tem amor e respeito por seus pais. Foi apenas uma figura de linguagem, ele quer que ela se submeta totalmente, sem questionar. Nos próximos capítulos você vai ver que seu respeito por seus pais, especialmente sua mãe, é grande."

anne caroline godoi said...

Adoro esse homem possessivo ,ciumento,bipolar... Adoro ele de todo jeito,kkk.
Tudo que o Christian esta passando é novo,é normal essas reações dele,pois o único tipo de relacionamento que ele teve foi o que a vadia velha lhe ensinou...
Essa pov do Christian esta maravilhosa...é uma pena que sempre fico com gostinho de quero mais...rs

Kaila Alekena said...

Dale Ana... Descobriu cmo abater a fera!
A submissão pra que a quer é algo inquestionável, Ana coitada sem nem um osso submisso jamais iria achar normal abria as pernas pra seu Dom, mesmo ele sendo Cristian Grey, amo a atitude de Ana nesse capítulo... Lembrem-se meninas O homem manda e a mulher governa!!!

Anonymous said...

Ah como queria ter um Christian só para mim......

Daniela Martins said...

Por favor, alguem me diz como deixar de ser viciada neste blog?!
Acho que preciso de "reahb", mas será que eu quero mesmo isto?!
Claro que Nao quero! Eu quero "mais"! Quero mais CG! Quero mais control freak! Quero mais palmas de maos coçando! Quero mais megalomaniaco! Quero muito, muito mais!
Amo tudo isto aqui e sempre quero mais!
Bjkas
Dani
;-)

lady freitas said...

pensando sobre esse capitulo,foi por isso que Cristian nuca se apaixonou por nenhuma das outras subs. Que chato uma mulher robô. Programada para obedecer,confesso que até esse momento do livro não ia muito com a cara de Cristian não,só apos Ana deixar ele é que me ame apaixonei por ele. Meninas parabéns mais uma vez.

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry