Wednesday, November 16, 2016

Book V - Chapter VIII - Christian and Anastasia

Like time suspended,
a wound unmended--
you and I. 

We had no ending,
no said goodbye; 

For all my life,
I'll wonder why.
~Lang Leav

“Talk to me,” I order Welch as soon as I enter into Taylor’s suite without any greeting or preamble. He nods all the greeting and agreement to his single nod.
“The perp had been handed over to the government agency after Lincoln’s fate had been sealed,” he begins.
“What will do they do with the perp? Do we have a name?”
“A couple of picture, and an alias, but it’s best if you don’t know,” he states.
“I need to know.”
“Once you see it, you will enter the top-secret territory,” he retorts.
“Someone attacking my family can’t be in any sort of secret territory!”
He exhales deeply.
“In that case,” he says producing a couple of eight by eleven pictures.
I examine the first picture. The top only contains numbers and in place of an alias, it states, John Doe. “This man is dead!” I say after looking at the first picture. I sound for the lack of better expression… stupid.
“So it seems,” Welch sounds just as stupid.
“What happened?” I sounder calmer even though anger is brewing inside me.
“We weren’t given explanations, but I think the asset became a bigger burden than use for them. Unofficially, we were told that he had taken a number of contract killings for various dangerous individuals. That exposes an agency which isn’t supposed to exist. That part is not our problem. We aren’t given a name for obvious reasons. The less we know…”
“Just like that?" I quiz.
"It's not like they can have a military tribunal for an asset of an agency that isn't supposed to exist," he replies.
"So,” I interrupt, “how do we know that this is the man? Or better yet, how do I get to be sure that he’s indeed dead?”
“Check the next picture. He was very much alive when we handed him over after Lincoln has been remanded into the federal custody. We’re following that very closely.” He explains.
I check the next picture. He is indeed alive but bruised up in that picture.
“So, this is the fucker who kidnapped my son?” I ask.
“Yes, sir.”
“And he’s dead?”
“Pella’s inside man verified it. Dead as a doornail,” Welch concludes.
“What does all this mean?” I ask to make sense of all of this.
“It means, Lincoln will not see the daylight in any foreseeable future and neither will he know that it’s you who turned in the state’s evidence. As far as he knows, the former board members he screwed over had turned in all the evidence. That’s part one. Part two of the problem is the man he hired has been put to death for his high-profile contract killing activities. You are free of these two major problems. You can sleep easy now.”

Unforgiven - Metallica

Sleep easy? I have not slept easy for some time, and it will be that way for a while longer. I need to be sure that Linc didn’t assign anyone else, or that he has no way of getting out or getting someone else in his payroll. I convey those concerns to Welch.
“We’re already looking into it sir, but it is very unlikely that he has anyone else assigned since Feds got a hold of his stashed cash. He won’t be getting his hands into that and penniless, he has more to worry about his own well-being in a Maximum-Security Prison than his former enemies.” I nod thoughtfully.
“I still need information about him even when he is locked. I want eyes and ears on him. Is that all?” I ask.
“No, there is one more thing…” Welch says and I tense up. Taylor frowns. What’s going on?
“Well?” I ask impatiently.
“We received a request from Mrs. Grey last week,” he says while Taylor continues to frown. “I have received the results of her request before I give them to her.”
This is the part where I normally be very inquisitive and want to know just exactly what my wife is up to. But, Taylor’s forbidding frown towards Welch tells me that it’s one of those birthday surprise kinds of secrets.
“Wait…” I say holding my hand to him. Then I turn to Taylor.
“Is this something that’s going to jeopardize her safety?” I ask.
“No, sir. Not one bit.”
“How about the Teddy? Mine or anyone in the family?”
“It won’t cause any safety problems sir.”
“Soooo, is there a possibility that she’d let me know what that is after she talks to you, Welch?” I ask Welch with my arms crossed. I am trying to give the freedom my wife is craving without jeopardizing all our safety. That’s something that would be impossible for me to do.
“I believe so, sir. I don’t know if she’d let you know about it today, or even here in San Francisco, but, uhm…” I hold my hand up again to interrupt him.
“Will you be talking to my wife, or will you convey the information to her informant?” I say suppressing a smile. Taylor goes crimson.
“I believe I am the informant, sir, so, I will convey the information to her,” Welch answers without even giving Taylor a sideways glance.
 “Okay. Is there anything else?” I ask.
“That’s all, sir. I’ll see you in Seattle,” he replies. I nod and shake his hand and leave Taylor with his arm crossed facing Welch back in his suite.

*****          *****

Take me to Church - Sofia Karlberg

“Well?” Ana questions me as soon as I get back to our suite.
“Well what?” I ask a little too innocently.
“Whenever my husband answers a question with a question, I think there’s something to be concealed.”
“I had my daily briefing with Taylor and Welch is in town,” I say fishing.
“If he had to come all the way here, what did he want? Was it about Teddy’s kidnapping?” she asks genuinely interested. How should I go about this? I don’t want to worry her. But, I don’t want her to feel I’m leaving her out of the loop when it comes to our son.
“Yes, it was,” I answer truthfully.
“What did he have to say?” she asks visibly worried.
“He finally confirmed that the perp was indeed killed,” I tell her without disclosing how or where he was killed.
“What? Will they charge Melissa? We can’t let them charge Melissa with murder or even manslaughter! She was just doing her job!” she says anxiously and she’s immediately in my arms.
“Relax baby,” I soothe her, “just relax. They can’t do anything to Melissa. There are witnesses from hospital, the cops who were on the scene, to the government officials not to mention my own security detail... They can all testify that she was only doing her job, like a cop would.” For once, I’m not sorry for having my security detail pack guns.
“Ana, you’re shaking! God! Please, baby, don’t cry,” I soothe her as soon as she starts sobbing.
“I think the whole thing is just coming crashing down on me. I’m relieved…” she mutters between sobs. “I mean I’m not relieved that a man is dead, but I am relieved that he won’t be after our baby, after you, Christian! I couldn’t live if anything happened to either one of you!” she buries her head into my chest with warm tears.
“Forget about him, baby. We’re here, celebrating my birthday, spending time together, actually together first time in a month, although I love the little boob thief to death,” I groan. This elicits a teary laughter from Ana.
“What did you call our baby?” asks among teary giggles.
“Boob thief among other things.” I sigh.

“Why?” she says laughing.
“For one thing, he seems a little drunk on breast milk, and he won’t quiet down till he clutches one or both of your gorgeous tits.”
“Oh, I miss him,” she sighs with a genuine smile.
“We’ll go get him now,” I say taking her hand. I hear her phone ringing from the master suite. She frowns.
“Let me see who that is,” she murmurs and releasing my hand, walks to the bedroom rapidly.
“Hello?” I hear her answer her phone inquisitively.
“Oh, hi!” She says somberly, then pauses, “really? I haven’t checked it. I won’t have time to check it till I get back home. Could you just give me the gist of it?” Then she falls silent.
“Uh huh!” Pause. “What about the… uh, you know…”
“Possible? Feasible?” Then her voice is excited. “I’d like a name put on it instead of a number.” Pause. “On… that, yeah. Just a first name.” Pause.
“Yes, and that too.” Then she lowers her voice.
“Yes, please. Inform him and then send me the details. Thanks.”
Then she walks out of the bedroom with her purse.
“Is everything okay?” I ask searching her face.
“Yes, all is well.” She nods.
“Who was it?” I quiz further. Will she lie to me?
“It’s impertinent right now.” She evades. Now I’m curious. What is she hiding? Should I ask Welch? Question Taylor? I should trust her. It’s taking all my willpower to do so. Not the trust part, but, secrets. I know it’s not something that would jeopardize her safety. But, why would she need Welch’s help if it was something like this trip to be arranged? What is she searching? What is she planning?
“Ana, you’re worrying me. Who was it on the phone?” I probe again. Was it really Welch, or someone else?
“Christian, you needn’t worry. I am researching something and I received information on that topic.”
“If it’s just a topic, maybe you wouldn’t mind sharing. Is it about SIP?”
“You won’t let this go, will you?” She rolls her eyes.
“Mrs. Grey, I’m not happy with your tone. Are you pulling a Christian Grey on me?”
“Will you please give me time until we get back home? Then I will let you know. We’re leaving today anyway. Give me time till tomorrow,” she pleads.
I sigh. “Okay, tomorrow, and not a minute later.
She notices my fallen face. I don’t like her keeping secrets from me. It makes me very anxious.
She sighs and gives me a reassuring hug. I feel like a role reversal. I also want to know why Taylor is going along with this. How did she twist his arm?
“Let’s go get our little boob thief,” I smile at her, tugging her hand.

*****          *****
The flight back to Seattle is actually fun and relaxing after having been away from town for a couple of days. Teddy is actually tired of going hand to hand and fusses.
“Let me hold my boy!” I say to Mia who has been hogging him from everyone else.
“I can soothe him Christian!” she protests.
“I think he needs a diaper change. If you could…” I say.
“Here’s your baby!” she hands him to me.
Teddy’s second favorite spot right after snuggling with Ana breasts is lying on my chest. Elliot watches me as I hold him attentively.
“Don’t get ideas just yet!” Kate chides him.
“There’s something special about a baby,” he says looking at Teddy. “Until they pee and poop. Not to mention they put a damper on your sex life. Poor Christian looked wound tighter than a nun’s cunt!”
“Elliot!” Both mom and Kate chides.
“I don’t mean now. I meant a few days ago,” he grins. “He now looks like he had been to the promised land last night,” he laughs. Ana rolls her eyes.
“Christ, Elliot!”
“Hey, don’t blame me, you’re the one who had a baby,” he goes on.
“Elliot, Christian doesn’t just visit the promised land,” Ana chides him.
“No. He owns the deed.” She wriggles her fingers showing off her wedding ring. “I am his. He can have it all,” she smiles sweetly.
“When do you go back to work, Ana?” my mom asks to change the topic.
“Uh, I might next month,” she says looking at me. We haven’t discussed her going back to work yet. With the baby and her full-time work, when will she have any time for me?
“Why haven’t you told me that?” I whisper to her ear.
“What are you whispering about?” Elliot quizzes. Damn, he’s as nosy as his wife! No wonder why they get along. “Is it possibly that the house you own the deed for isn’t available much?” What’s eating up my damn brother?
“That’s enough Elliot!” my dad looks at him sharply. For once, Elliot looks chagrined.
“I’m sorry bro. I overstepped. I was just teasing you like I always do.” He sighs and adds, “I’m an ass.” To which everyone laughs.
“Yes, you are. But you are our ass.” I say, patting my sleeping baby’s back.   
“Give me the baby!” he says extending his hands to receive Teddy. “I tell you, he is pretty tempting but I’m not giving up on sex just yet to have one! I’ll just hold him instead,” he grins again. I shake my head and pass my sleeping son to Elliot.
“Agh! I wish you weren’t this cute and temping!” Teddy coos and all the girls sigh.
“He is a real chick magnet!” Elliot comments.
“Just like his daddy!” Ana says kissing me chastely.

*****          *****

            “Welcome home Mr. Grey, Mrs. Grey! Well, hello Teddy!” Mrs. Taylor gushes.
            “How was your trip?” she asks as she takes Teddy in her arms. “You’ve grown in just a couple of days, haven’t you, young man?” she coos him.
            “Ana, I’ll have to check in with the office, then I’ll join you in our room.”
            Just as I walk to the office, I see Ana summon Taylor to talk to her. What is she really up to? Should I be worried? As I turn the corner to my home office, I see Mrs. Taylor leaving with Teddy and Ana talking to Taylor. Somehow, whatever it is, they all know.     
            Irritated, curious, and trying to be patient in giving Ana the time she needs before she talks to me about whatever that is she’s keeping, I dial my assistant.
            “Grey Enterprises Incorporated. Andrea is speaking, how may I help you?”
            “Grey’s here. Are there any important messages?”
            “Good afternoon, Mr. Grey. Nice to have you back. I have some documents to be signed regarding the shipyard…” she begins.
            I go through the mail on my desk. One large manila envelope catches my eye. On it, in bold letters, it has “MRS. GREY”. Why is it on my desk? Should I open it? Is it related to this thing she’s researching with Welch? Or is it something else? What if it is something else?
            Curiosity gets the better of me and I open it. At first glance I notice that it has pictures from the kidnapping of our son. The picture angle is bad, it’s amateurish shots from a distance as if they’ve been taken in a hurry, or still images captured from a video or like someone took it with a cell phone. After carefully examining the first image, I see myself in the picture. I spread the contents on the table and I can clearly see that I’m in the first three images.
Seeing them again, makes me relieve the moment, that terrible day. My breathing increases and I find my hands fisting. I try to calm myself down. Teddy is safe. The perp is dead. Linc is locked up. I repeat the mantra in my head over and over again. Once I feel the calm wash over me, I pour myself over the pictures once more. The only thing that’s clear in the three images is the devastation on my face. The helplessness. I remember the moment, not because I’ve seen my face in that way, but because I remember the feeling it left on me. I remember my location, memorized my surroundings, my stance, my restlessness, and the utter, unbearable despair. The people, my security detail around are hazy, but I remember how anxious they were as well.  I remember how fiercely I wanted to run to get him. I remember the fucker’s treat to kill him. In an instant, I was ready to give my life for my child I held just for moments. I pull the other picture and see that I’m running towards my son. Taylor was on auto pilot, calculating every risk. “Head on collision will stop him but provide the least amount of injury to the passengers,” he said, leaving out the part the passenger was my newborn baby. The fucker threatened him right then. I take another deep breath and close my eyes before I look at the other picture.
Third image shows the absolute relief on my face after getting Teddy alive: I’ve not seen my face in that form at all. Teddy was so hungry; he was willing to suck my finger. There’s nothing incriminating towards any of my security staff. Behind the three images, there’s a paper with the sharp lines of man’s handwriting.

Mrs. Grey,
Here is the name and location of the grave. It is in the Canton Cemetery in the city of Detroit. You were right: Records indicate that there were no flowers, no sermons and no mourners. Her body was unclaimed and buried in sort of a potter’s field. Four bodies are buried together because it was cheaper. We managed to put a simple stone on hers with only her first name on it as you requested and it is placed next to the number that was assigned by the Wayne County.

We’ve made sure that there was a pastor who performed the last rites however late, also performed a sermon reading 1 Corinthians 13 from the Bible. A homeless shelter was provided food in her name, and a donation has been made to a shelter protecting women and children from domestic violence, also in her name. Attached: pictures and receipts confirming what had been done.

I take a very deep breath. My hands shake as if burnt. This is what Ana was hiding from me! Detroit, Wayne County, Canton Cemetery. I exhale a shaky breath and take a look at the next picture. A simple headstone with no adornments. It simply says:

Christian’s Loving Mommy
Finally, at Peace

No date of birth. No date of death. As if it had just happened. Like an unfinished story. There are fresh flowers placed on the grave. White and pink in color. There’s also a little toy car. So much like the one I’ve had when I was a little boy. Except this one is brand new. I briefly look at the pictures of the cemetery, the homeless shelter and the women and children’s shelter. The final picture just nails me in my seat. It’s a blown-up picture of a young woman holding an infant, looking at him almost the same way I was looking at Teddy. I pull that picture with Teddy in my arms, clearly showing the relief on my face but also exuding pure love. The same look is on the young woman. She looks so very young. I turn it over and the hand-written note makes my heart skip a beat.

Ella and baby Christian
My one and only love

My eyes haze and I quickly look away from the picture. The only picture I’ve had of her was that tiny passport size picture I left at my parents’ house. Why did Ana work to uncover this information? There’s a knock at my door and without expecting my response, Ana walks into my office. She looks cautious.
“Is everything okay? You’ve been locked in here for hours,” she says.
“Has it been hours?” I ask. It felt like only minutes.
“At least two hours,” she says. She walks over to me, and her gaze runs on the items spread on my desk. She’s not shocked or surprised to see the contents there.
“Have you seen them before?” I ask without bothering to pretend the envelope came to my desk by mistake. She meant it to reach me for a reason.
“I had not seen them before. I wasn’t sure if I could handle seeing you so…” she’s lost for words. “…so desperate,” she whispers.
“I remembered how grief-stricken and despaired I was. Even a month after, knowing that this had already happened, that Teddy was safe…. You were safe… We all were… I was still inconsolable. I couldn’t fathom how you felt having lived it. Alone. Just to shield me. I lived with this for a month. It ate me away,” she says as her trembling fingers caress my face.
Then she takes the three pictures in her hand for the first time. She tries to keep her face expressionless. But when she sees the desperation in my face, her tears run down her cheeks in a steady stream. I pull her into my embrace. She places the pictures back on my desk and just hugs me tight. We hold each other like this for a long time. Then she sighs.
“I think you have something to tell me today,” I start, pulling her back and looking at her.
“Yes. Just as I promised.”
“I see that you found the crack whore’s grave. Why?”
“Christian, I don’t want you to call her that again. Please…” she begs.
“Why?” I grunt. “That’s exactly what she was. A crack addict and a whore.”
“What she was, Christian, was a mom. A desperate woman everyone abandoned. A woman who was willing to do anything to take care of her child. Was she bad at it?” she asks rhetorically and then answers her own question. “Yes, very bad. But she still loved you.”
“How do you know, Ana? How do you know she loved me? How do you know she even wanted me?” I ask fervently. There’s no way a crack whore who may have gotten pregnant by one of her johns could have wanted me or loved me.
“You talk as if love is something that is acquired at will. It’s not. Do you remember how angry you were at me when you found out I was pregnant? I didn’t plan on getting pregnant, having a baby so early in life. I too had plans of a career. I too wanted to spend more time with you… just you and me. You were furious. Even though you knew it was our child. You thought, with all the money you to make this process easy, all the freedom you had, you still thought a baby would trap you. Take your freedoms away. Take me… away. From you,” she says all too right about my feelings at the time.
I fought with them. In fact, until Teddy was born, until Ana had gone through that terrible ordeal during her labor, I wasn’t completely sure that I was equipped to deal with fatherhood. How could I be good at something when I had been born to a crack whore? Even being in love was a foreign feeling, being loved in return was completely incomprehensible.
“You changed me,” I say simply. “You made me feel love when everyone else had failed. My parents tried hard all their lives. I was colder than a meat locker in receiving that warm feeling. Undeserving.”
“That’s exactly where you were wrong, Christian!” She says fervently. “We don’t love because there is something to be deserved, we love because it’s freely given. It’s like air around you. We don’t question its presence. It’s not a matter of whether we deserve it, although you deserve it more than anyone.”
“I’m beginning to see that. Old habits are hard to break.”
 “I want to ask you something,” she says picking up the pictures spread around my desk. She examines them carefully, sniffles, but composes herself again. She looks like a woman on an important mission. Something she is determined to fulfill.
“Go ahead, ask me…” I probe curiously.
She separates the picture of me holding my son with relief and pure love written all over my face and the picture of the crack whore holding me as a baby.
“I want you to look at these two pictures. Tell me the similarities. What does this picture…” she says tapping her finger on the crack whore’s face, “what does it make you feel?” she asks.
“The crack whore…” I begin.
“Stop!” Ana orders.
“I hope…” she takes a deep breath, “I hope that my son whom I love more than life itself will never call me by such a derogatory term.”
“I wouldn’t let him!” I say fervently. “You are far removed from her!” but I can’t bring the disgust to my word. I don’t feel it.
“Christian. You have to forgive her. Please. Look, I’m young. I’m willing to be a good mom. We have the resources. But I will make lots of mistakes. Yes, our son will want nothing, will not need anything from anyone, so unlike Elle...” she sighs.
“You are a very strong man. And I will make sure that you are a good dad in your full potential. But you and I will both make mistakes as he grows older. Some mistakes he may not like. Some mistakes he may not even forgive us for. I hope to not make those types of mistakes, but if I ever do, I would rather he forgives me than he berates me to his future wife.”
“What do you want me to do?” I ask bewildered. “That’s all I’ve known about her. The crack whore who let me get abused.”
“That was something she couldn’t live with. Poor thing couldn’t even protect herself. She had a very hard life. It’s not an excuse, I know. But that was a life we wouldn’t wish on anyone. I can’t have you call her ‘a crack whore’ even if that’s what she was! She gave birth to you. She could have had an abortion and I’m so grateful that she had you! There would be no Christian and Ana, without Ella. She made us possible. Demeaning her, demeans you, me, our baby. I can’t have that. Please forgive her.”
She’s right of course. I take a deep breath and exhale my anxiety.
“Look…” she points Ella’s picture as she’s holding me. There is joy and love in her face.
“Look and tell me that this was a mother who didn’t love her baby? It’s impossible, unnatural to not to love your child. It’s automatic.” Then she taps her finger on my picture once again.
“Can you tell me that you weren’t feeling love for your less than a day-old son? He was brand new. You hardly ever held her. Can you say that you loved him less, or you only tried to save him because it would upset me? Wasn’t there a side of you that said, ‘I need to get my baby back, because he’s my son’?”
“Yes, damn it! Yes! I completely, absolutely and irrevocably love my baby! I’m in love with that little bobby thief!” I exclaim.
“Could you then give that much credit to Ella who had the privilege of carrying you for nine months, had to endure a labor with you and cared for you however poorly till you were four? I know she did a terrible job in taking care of you, but that was her best under the circumstances she was under. The look she has on her face looking at you is almost identical you have on yours looking at our son. Can you doubt that this is anything but love?”
“If anyone can convince me of that, it’d be you, baby,” I say.
“I don’t want to convince of something you don’t believe in your heart. I want you to take a look at it, and convince yourself, and forgive her. Because it will most of the wounds in your heart. It’ll make it a place where you can carry love for us,” she pleads.
“I already love both of you beyond any measure Ana. I hate to admit it, but I have already forgiven Ella a while back. Probably right after I got my son back,” I admit sheepishly.
“Christian Grey! Why didn’t you say anything?”
“I guess it slipped my mind. Now, tell me what this is all about with her grave and other things in this file?” I quiz her.
“I’m glad you asked,” she grins ear to ear with a feeling of accomplishment.
“I’d like us to visit her grave for a full measure of closure. To give Ella dignity as your mom even if she’s undeserving. You already have a mom and dad in Grace and Carrick. That will never change. This will just heal you completely. Can we please go? That’s what I asked Welch to arrange…” she confesses.
“Full disclosure,” I raise my eyebrows.
She gets up off my lap and walks around, then comes back to stand before me.
“I want my husband’s full heart, love, attention, care without the taint of the past. Without the festering wounds, bleeding slowly, eroding you a little bit each time. I want to heal those wounds, plug and repair the cuts and make you whole for all of us. It won’t completely happen without facing what once hurt us. I want to be with you, see you through getting over this problem you’ve avoided all your adult life. I don’t want it to spring up at an unexpected moment. I want us to go and see her grave, talk to her like you would to another adult. Close this wound. Let me help you heal it.”
“Oh, Ana, I don’t think you should be visiting her grave. I don’t want to taint you with that sordid past.”
“Christian Trevelyan Grey!” she chides me with her index finger, fixing me in my seat. “If you think I only want you with your good part, the visible gorgeous man, or that the side of you that you show the world, you are fucking mistaken! I took you as you are! I loved all of you. I love you, period! Why the hell do you think it would be hard for me to visit Ella’s grave with my husband? Why can’t I help you see through this closure? Tell me, why? Am I not worthy of sharing a portion of your problems? Did I not promise to be there for you? Why are you denying me that privilege? What would you feel if I shut you out?”
“You don’t play fair, baby,” I mutter.
She shrugs. “I learned from the best. But really, was it fun when I withheld this information from you? Did it bother you that you were excluded from one single thing I did without your knowledge? I see that you opened up the envelope which I knew you would.”
“You know me too well. But it’s different. I have to protect you and my son.”
“That’s the same ole crap you give me. I am strong and I can do something to protect you from your past. It’s not even your current issue. I am just trying to help you with the past. Let me be with you, let us come to close this wound,” she pleads.
“Fuck! How can I say no to you? I’d give you the world if you asked for it. All things you see, desire are within my reach to get for you like a normal man would buy coffee for himself. Price tags or the lack thereof wouldn’t be a problem because I can place a price tag on anything I set my eyes on…”
“Right there!” she cuts me off.
“I’m not asking you to purchase me something. I’m asking you to share what you wouldn’t with anyone else. I’m asking you to be a bigger part of your life. That has no price tag. That’s personal. Private. Intimate. That’s what I want with you. I crave with you. I want that deep of an intimacy with my husband. Please, Christian, just let me.”
“Okay, baby. We will go together.”
She lights up like a thousand megawatts of bulb.
“Thank you Christian!” She’s instantly wrapped around my neck, and her lips locked with mine.

 “Just so you know, you owe me big time, Mrs. Grey,” I mutter into her lips.
She smiles, pulls back.
“I think I can afford it, sir," she says winking. "Just don’t tell my husband!” she whispers. I shoot up like the wind and grab her ready to nail her to collect what is due to me.
“You. Are. Mine. And ONLY mine!”
“Yes, sir,” she responds demurely.
“Oh fuck! Guess you’re paying up now baby!” I lift her up and carry her to my desk. Collection time!

All of Me

Tuesday, November 15, 2016

Livro V ─ Capítulo VIII ─ Christian e Anastasia

Quinta-feira, 21 de Novembro de 2016
Tradução: Neusa Reis
Como o tempo suspenso,
Uma ferida sem curar
  você e eu.
Nós não tivemos nenhum final,
nenhum adeus foi dito.
Por toda a minha vida
Eu vou me perguntar o porquê.

~Lang Leav

"Fale comigo” ordeno a Welch, assim que entro na suíte de Taylor, sem qualquer saudação ou preâmbulo. Ele inclina a cabeça como cumprimento e concordância em um único aceno.
"O bandido tinha sido entregue à agência do governo depois que o destino de Lincoln foi selado” ele começa.
"O que eles vão fazer com o bandido? Nós temos um nome?"
"Um par de fotos e um apelido, mas é melhor se você não souber" ele afirma.
"Eu preciso saber."
"Uma vez que o saiba, você entrará em território top-secret" ele replica.
"Alguém que ataca minha família não pode estar em qualquer tipo de território secreto!"
Ele exala profundamente.
"Neste caso...” Diz ele, produzindo um par de fotos tamanho oito por onze.
Examino a primeira. O alto da foto só contém números e no lugar de um pseudônimo ela estampa:  John Doe. ”Esse homem está morto!" Eu digo depois de olhar. Eu me sinto, por falta de melhor expressão... estúpido.
"Isto parece." Welch parece tão estúpido quanto eu.
"O que aconteceu?" Eu me sinto mais calmo, embora a raiva esteja fervendo dentro de mim.
"Não recebemos explicações, mas acho que a posse dele se tornou um fardo maior do que útil para eles. Extraoficialmente disseram-nos que ele tinha pegado uma série de contratos de assassinatos para vários indivíduos perigosos. Isso expõe uma agência que não é nem mesmo suposta de existir. Essa parte não é problema nosso. Nós não recebemos um nome por razões óbvias. Quanto menos soubermos...”
“Assim desse jeito?" Eu questiono.
"Não é como se eles pudessem ter um tribunal militar para um ativo de uma agência que não deveria existir" ele responde.
"Então" eu interrompo "como nós sabemos que esse é o homem? Ou melhor ainda, como eu posso ter certeza de que ele está realmente morto?"
"Verifique a próxima imagem. Ele estava muito vivo quando o entregamos, depois que Lincoln foi colocado sob custódia federal. Estamos seguindo isso muito de perto" ele explica.
Eu verifico a próxima foto. Ele está realmente vivo, mas ferido nesta imagem.
"Então, esse é o filho da puta que sequestrou meu filho?" Eu pergunto.
"Sim, senhor."
“E ele está morto?”
“O homem de Pella infiltrado verificou. Mortinho da Silva." Welch conclui.
" O que significa tudo isso?" Eu pergunto para entender.
"Significa que Lincoln não verá a luz do dia em nenhum futuro previsível e nem saberá que foi você quem entregou a delação. Até onde ele sabe, os antigos membros do conselho que ele ferrou forneceram todas as provas. Essa é a primeira parte. A segunda parte do problema é que o homem que ele contratou foi condenado à morte por suas atividades de alto nível de matar por contrato. Você está livre desses dois grandes problemas. Você pode dormir melhor agora."

Unforgiven – Metallica

Dormir melhor? Eu não durmo bem há algum tempo, e será assim por um tempo ainda mais longo. Eu preciso ter certeza de que o Linc não contratou nenhum outro, ou que ele não tem como sair ou colocar alguém em sua folha de pagamento. Transmito essas preocupações para Welch.
"Nós já estamos olhando isto, senhor, mas é muito improvável que ele tenha mais alguém contratado uma vez que a Federal confiscou seu dinheiro escondido. Ele não vai colocar as mãos nisso e sem um tostão ele tem mais que se preocupar com seu próprio bem-estar em uma Prisão de Segurança Máxima do que com seus antigos inimigos." Eu aceno com a cabeça pensativamente.
"Eu ainda preciso de informações, mesmo ele estando preso. Quero olhos e ouvidos sobre ele. Isso é tudo?" Eu pergunto.
"Não, há mais uma coisa..." Welch diz e eu fico tenso. Taylor franze o cenho. O que está acontecendo?
"Bem?" Eu pergunto impacientemente.
"Recebemos um pedido da Sra. Grey na semana passada," diz ele, enquanto Taylor continua franzindo o cenho. "Recebi os resultados do seu pedido.  Antes de eu dar a ela..."
Esta é a parte onde eu normalmente estou muito curioso e quero saber exatamente do que minha esposa é capaz. Mas a proibitiva testa franzida de Taylor para Welch diz-me que é um daqueles tipos de segredo surpresa de aniversário.
"Espere..." Eu digo levantando minha mão para ele. Então, volto-me para Taylor.
"Isso é algo que vai prejudicar a segurança dela?" Eu pergunto.
"Não, senhor. Nem um pouco."
“E o Teddy? Eu ou alguém da família?”
"Isso não causará problemas de segurança, senhor."
"Entããão, há uma possibilidade de que ela me deixaria saber o que é isso depois que ela conversar com você, Welch?" Pergunto a Welch com meus braços cruzados. Eu estou tentando dar a minha esposa a liberdade que ela está ansiando, sem comprometer toda nossa segurança. Isso é algo que seria impossível para eu fazer.
 “Eu acredito que sim, senhor. Eu não sei se ela o deixaria saber sobre isso hoje, ou mesmo aqui em San Francisco, mas, uhm..." Eu levantei novamente minha mão para interrompê-lo.
"Você vai falar com minha esposa, ou você vai transmitir as informações para o informante dela?" Eu digo suprimindo um sorriso. Taylor fica vermelho.
"Eu acredito que sou o informante, senhor, então, eu lhe transmitirei a informação." Welch responde sem sequer dar a Taylor um olhar de lado.
“OK! Há mais alguma coisa?" Eu pergunto.
"Isso é tudo, senhor. Vejo você em Seattle" ele responde. Eu concordo com a cabeça e aperto sua mão e deixo Taylor, com seus braços cruzados, encarando Welch em sua suíte.

*****          *****

Take me to Church ─ Sofia Karlberg

"Bem?" Ana me pergunta assim que eu volto para nossa suíte.
"Bem o quê?" Eu pergunto um pouco inocentemente.
"Sempre que meu marido responde a uma pergunta com uma pergunta, eu penso que há algo sendo escondido."
"Eu tive meu briefing diário com Taylor. E Welch está na cidade" eu digo sondando.
"Se ele teve que vir de tão longe até aqui, o que ele queria? Era sobre o sequestro de Teddy?" Ela pergunta genuinamente interessada. Como devo agir sobre isso? Eu não quero preocupá-la. Mas eu não quero que ela sinta que eu estou deixando-a de fora do circuito quando se trata de nosso filho.
"Sim, era." Respondo com sinceridade.
"O que ele tinha a dizer?" Ela pergunta visivelmente preocupada.
"Ele finalmente confirmou que o bandido foi realmente morto.” Eu digo a ela sem revelar como ou onde ele foi morto.
"O quê? Eles vão culpar Melissa? Não podemos deixar que eles a acusem de homicídio, ou mesmo homicídio involuntário! Ela estava apenas fazendo seu trabalho!" Ela diz ansiosamente e, imediatamente, está em meus braços.
"Relaxe baby,” eu a acalmo "apenas relaxe. Eles não podem fazer nada com Melissa. Há testemunhas do hospital, os policiais que estavam no local, os funcionários do governo, para não mencionar minha própria equipe de segurança... Todos eles podem testemunhar que ela estava apenas fazendo seu trabalho, como faria um policial. Por uma vez eu não sinto muito por ter minha equipe de segurança portando armas.”
"Ana, você está tremendo! Deus! Por favor, baby, não chore," eu a acalmo assim que ela começa a soluçar.
"Acho que a coisa toda está acabando de cair sobre mim. Estou aliviada..." Ela murmura entre soluços. "Quero dizer, eu não estou aliviada porque um homem está morto, mas estou aliviada porque ele não estará atrás de nosso bebê, atrás de você, Christian! Eu não poderia viver se alguma coisa acontecesse a qualquer um de vocês!" Ela enterra sua cabeça em meu peito, com lágrimas mornas.
"Esqueça dele, querida. Nós estamos aqui, comemorando meu aniversário, passando um tempo juntos, realmente juntos pela primeira vez em um mês, embora eu ame o pequeno ladrão de peito até à morte" eu gemo. Isso provoca um riso que leva Ana até as lágrimas.
"De que você chamou nosso bebê?" Ela pergunta chorando de rir.
"Ladrão de peito, entre outras coisas." Eu suspiro.

"Por quê?" Ela diz rindo.
"Por um lado, ele parece um pouco bêbado com leite materno, e ele não se acalma até que ele agarre uma ou ambas as suas lindas mamas."
"Oh, sinto falta dele!" Ela suspira com um sorriso genuíno.
"Vamos buscá-lo agora" eu digo pegando sua mão. Eu ouço seu telefone tocando na suíte master. Ela franze o cenho.
"Deixe-me ver quem é" ela murmura, e soltando minha mão caminha para o quarto rapidamente.
"Olá?" Eu ouço ela atender seu telefone com curiosidade.
"Oh, oi!" Ela diz sombriamente, então faz uma pausa. "Realmente? Eu não verifiquei. Eu não terei tempo de verificar isso até eu voltar para casa. Você poderia me dar o principal?" Então ela fica em silêncio.
"Uhul!" Pausa. "E quanto a... hum, você sabe..."
"Possível? Realizável?" Então sua voz está excitada. "Eu gostaria de um nome colocado nele ao invés de um número."  Pausa. "Oh... isso, sim! Apenas um primeiro nome." Pausa.
"Sim, e isso também." Então ela abaixa a voz.
"Sim, por favor. Informe-o e então envie-me os detalhes. Obrigada."
Então ela sai do quarto com a bolsa.
"Está tudo bem?" Eu pergunto olhando seu rosto.
"Sim, está tudo bem." Ela concorda com a cabeça.
"Quem era?" Eu insisto mais. Ela vai mentir para mim?
"É impertinência agora." Ela se esquiva. Agora estou curioso. O que ela está escondendo? Eu deveria perguntar ao Welch? Interrogar o Taylor? Eu deveria confiar nela. Estou necessitando de toda minha força de vontade para fazer isso. Não a parte da confiança, mas dos segredos. Eu sei que não é algo que põe em risco sua segurança. Mas por que ela precisaria da ajuda do Welch se tivesse sido algo como essa viagem para ser arranjado? O que ela está procurando? O que ela está planejando?
“Ana, você está me preocupando. Quem estava ao telefone?” Eu insisto de novo. “Era realmente Welch, ou alguma outra pessoa?”
"Christian, você não precisa se preocupar. Estou pesquisando algo e recebi informações sobre esse tema."
"Se é apenas um tema, talvez você não se importasse em compartilhar. É sobre a SIP?"
"Você não vai desistir, vai?" Ela revira os olhos.
"Sra. Grey, năo estou feliz com o seu tom. Você está pressionando um Christian Grey?"
“Por favor, você me dá um tempo até que voltemos para casa? Então eu vou deixar você saber. Estamos mesmo indo embora hoje. Dê-me tempo até amanhã" ela implora.
Eu suspiro. "Certo! Amanhã, e nem um minuto depois.”
Ela percebe meu rosto caído. Não gosto que ela guarde segredos de mim, isso me deixa muito ansioso.
Ela suspira e me dá um abraço tranquilizador. Eu me sinto como numa inversão de papéis. Eu também quero saber por que Taylor está participando disso. Como ela o persuadiu?
"Vamos pegar nosso pequeno ladrão de peito.” Eu sorrio para ela, puxando-a pela mão.

Dixie Chix - Lullaby

 *****          *****

  O vôo de volta para Seattle é realmente divertido e relaxante depois de termos estado longe da cidade por um par de dias. Teddy está na verdade cansado de ir de mão em mão e inquieta-se.
"Deixe-me segurar meu garoto!" Eu digo para Mia que tem estado monopolizando-o dos demais.
"Eu posso acalmá-lo, Christian!" Ela protesta.
"Eu acho que ele precisa de uma mudança de fralda. Se você pudesse..." Eu digo.
"Aqui está seu bebê!” Ela me entrega.
O segundo lugar favorito de Teddy, logo atrás de se aconchegar nos seios de Ana, é deitado em meu peito. Elliot me observa enquanto eu o seguro com atenção.
"Não tenha idéias ainda!" Kate o repreende.
"Há algo especial em um bebê” ele diz olhando para Teddy. "Até que faz xixi e cocô. Sem mencionar que ele põe uma trava em sua vida sexual. Pobre Christian, parecia mais apertado que sardinha em lata!"
"Elliot!" Tanto a mãe quanto Kate o repreendem.
“Não digo agora. Quis dizer há alguns dias” ele sorri. "Agora ele parece que esteve na terra prometida ontem à noite” ele ri. Ana rola os olhos.
“Cristo, Elliot!”
"Ei, não me culpe, você é quem teve um bebê” ele continua.
"Elliot, Christian não apenas visita a terra prometida” Ana o repreende.
"Não. Ele possui a escritura." Ela retorce seus dedos mostrando sua aliança de casamento. "Eu sou dele. Ele pode ter tudo” ela sorri docemente.
"Quando você volta ao trabalho, Ana?” Minha mãe pergunta para mudar o assunto.
"Humm, eu poderia no próximo mês” ela diz olhando para mim. Nós não discutimos sua volta ao trabalho ainda. Com o bebê e seu trabalho em tempo integral, quando ela terá algum tempo para mim?
"Por que você não me disse isso?" Eu sussurro em seu ouvido.
"O que você está sussurrando?" Elliot questiona. Droga, ele é tão intrometido quanto sua esposa! Não admira que eles se deem tão bem. "Possivelmente porque a casa que você possui a escritura não está muito disponível?" O que está mordendo meu maldito irmão?
"Isso é suficiente, Elliot!" Meu pai olha para ele de forma penetrante. Por uma vez, Elliot parece chateado.
"Desculpe, mano. Eu exagerei. Eu estava só lhe provocando como eu sempre faço." Ele suspira e acrescenta: "Eu sou um babaca." Então todos riem.
"Sim, você é. Mas você é nosso babaca." Eu digo batendo levemente nas costas do meu bebê adormecido.
"Dê-me o bebê!" Ele diz estendendo as mãos para receber Teddy. "Eu lhe digo, ele é bastante tentador, mas eu ainda não estou desistindo do sexo para ter um! Eu só vou segurá-lo" ele sorri novamente. Eu balanço a cabeça e passo meu filho adormecido para Elliot.
"Agh! Eu queria que você não fosse tão fofo e tentador!" Teddy murmura suavemente e todas as garotas suspiram.
"Ele é um verdadeiro gato!" Elliot comenta.
"Igual ao seu pai!" Ana diz beijando-me castamente.

*****          *****

“Bem-vindos, Sr. Grey, Sra. Grey! Bem, olá Teddy!" A Sra. Taylor é efusiva.
            "Como foi sua viagem?" Ela pergunta enquanto pega Teddy em seus braços. "Você cresceu em apenas um par de dias, não é, jovenzinho?" Ela murmura.
”Ana, eu vou ter que ligar para o escritório, depois eu vou me juntar a você em nosso quarto."
Assim que caminho para o escritório, vejo Ana convocar Taylor para conversar. O que ela realmente está fazendo? Eu deveria estar preocupado? Ao virar a esquina para meu escritório de casa, vejo a Sra. Taylor saindo com Teddy, e Ana conversando com Taylor. De alguma forma, seja o que for, todos sabem.
Irritado, curioso e tentando ser paciente em dar a Ana o tempo que ela precisa antes que ela fale comigo sobre o que quer que seja que está guardando, eu disco para minha assistente.
”Empresas Grey.  Andrea falando, como posso ajudá-lo?”
”Aqui é Grey. Há alguma mensagem importante?”
”Boa tarde, Sr. Grey. É bom tê-lo de volta. Tenho alguns documentos para assinar sobre o estaleiro..." ela começa.
 Verifico o correio na minha mesa. Um grande envelope de papel pardo atrai minha atenção. Nele, escrito em negrito, tem "SRA. GREY". Por que está na minha mesa? Devo abri-lo? Está relacionado com essa coisa que ela está pesquisando com Welch? Ou é outra coisa? E se for outra coisa?
 A curiosidade ganha e eu o abro. À primeira vista percebo que tem fotos do rapto de nosso filho. O ângulo da imagem é ruim, são fotos amadoras tomadas à distância, como se tivessem sido tiradas com pressa, ou ainda, imagens capturadas de um vídeo ou como se alguém as tirasse com um telefone celular. Depois de examinar cuidadosamente a primeira imagem, eu me vejo na foto. Eu espalho o conteúdo sobre a mesa e posso ver claramente que estou nas primeiras três imagens.
Vê-las novamente me faz reviver o momento, aquele dia terrível. Minha respiração acelera e eu percebo minhas mãos em punho. Eu tento me acalmar. Teddy está a salvo. O bandido está morto. Linc está preso. Repito o mantra na minha cabeça uma e outra vez. Logo que eu sinto a calma me envolver, eu me detenho sobre as fotos mais uma vez. A única coisa que está clara nas três imagens é a devastação no meu rosto. A impotência. Eu relembro o momento não porque eu vi meu rosto dessa maneira, mas porque eu me lembro do sentimento que deixou em mim. Relembro minha localização, tenho memorizados meu ambiente, minha postura, minha inquietação e o desespero total e insuportável. As pessoas, minha equipe de segurança ao redor, estão nebulosas, mas eu me lembro como eles também estavam ansiosos. Eu me lembro, também, como eu queria ferozmente correr para pegá-lo. Lembro-me da ameaça do filho da puta de matá-lo. Em um instante eu estava pronto a dar minha vida pelo meu filho, que eu tinha segurado apenas por momentos. Pego a outra foto e vejo que estou correndo em direção a ele. Taylor estava no piloto automático, calculando cada risco. "Uma colisão frontal irá pará-lo, oferecendo a menor quantidade de lesões para os passageiros” disse ele, deixando de fora a parte de que um dos passageiros era o meu bebê recém-nascido. O filho da puta o ameaçou naquele momento. Eu respiro fundo e fecho meus olhos antes de olhar para a outra foto.
A terceira imagem mostra o alívio absoluto em meu rosto depois de receber Teddy vivo: eu não tinha visto meu rosto dessa forma. Teddy estava com muita fome; ele estava disposto a chupar meu dedo. Não há nada incriminador em relação a qualquer um dos meus funcionários da equipe de segurança. Além das três imagens, há um papel com as linhas ásperas da escrita de um homem.

Sra. Grey,

Aqui está o nome e a localização do túmulo. É no cemitério de Canton, na cidade de Detroit. Você estava certa, os registros indicam que não havia flores, nem sermões, nem enlutados. Seu corpo era ‘não-reclamado’ e acabou sendo enterrado em uma espécie de cemitério de indigentes. Quatro corpos foram enterrados juntos, porque era mais barato. Conseguimos colocar uma pedra simples no dela, com apenas o seu primeiro nome sobre ela. Conforme você solicitou, o nome foi colocado ao lado do número atribuído pelo Condado de Wayne.

Nos asseguramos de que houvesse um pastor que executou os últimos ritos, ainda que tardios, e também proferiu um sermão lendo Coríntios 1-13 da Bíblia. Foi providenciada comida, em nome dela, para um abrigo de sem-teto, e uma doação foi feita a um abrigo que protege mulheres e crianças da violência doméstica, também em seu nome. Em anexo: fotos e recibos confirmando o que foi feito.

Eu respiro fundo. Minhas mãos tremem como se queimassem. Isso é o que Ana estava escondendo de mim! Detroit, condado de Wayne, cemitério de Canton. Eu exalo uma respiração trêmula e dou uma olhada na próxima foto. Uma lápide simples sem adornos. Ele simplesmente diz:
Amada Mãe de Christian
Finalmente, em Paz

Sem data de nascimento. Sem data de falecimento. Como se tivesse acabado de acontecer. Como uma história inacabada. Há flores frescas colocadas no túmulo. Nas cores branca e cor-de-rosa. Há também um pequeno carro de brinquedo. Muito parecido com o que eu tive quando eu era um garotinho. Exceto que esse é novo. Vejo brevemente as fotos do cemitério, do abrigo para as pessoas sem-teto e do abrigo para mulheres e crianças. A foto final só me prega no meu lugar. É uma foto ampliada de uma jovem segurando uma criança, olhando para ela quase da mesma forma que eu estava olhando para Teddy. Eu pego aquela foto com Teddy em meus braços, mostrando claramente o alívio em meu rosto, mas também exsudando amor puro. O mesmo olhar tem a jovem mulher. Ela parece muito jovem. Eu viro a foto e a nota escrita à mão faz meu coração pular uma batida.

Ella e o bebê Christian
Meu único amor

Meus olhos embaçam e eu rapidamente olho para longe da foto. A única foto que eu tive dela foi aquela pequena foto tamanho para passaporte que deixei na casa dos meus pais. Por que Ana trabalhou para descobrir estas informações? Há uma batida na minha porta e, sem esperar minha resposta, Ana entra em meu escritório. Ela parece cautelosa.
"Está tudo bem? Você está trancado aqui há horas” diz ela.
"Tem horas?" Eu pergunto. Pareciam apenas minutos.
"Pelo menos duas horas” ela diz. Caminha até mim, e seu olhar corre sobre os itens espalhados em minha mesa. Ela não está chocada ou surpresa ao ver o conteúdo lá.
"Você já as tinha visto antes?" Eu pergunto sem me preocupar em fingir que o envelope chegou à minha mesa por engano. Ela quis que isso me alcançasse por uma razão.
"Eu não tinha visto antes. Eu não tinha certeza se eu poderia lidar com você tão..."   ela está perdida nas palavras "...tão desesperado”- ela sussurra.
"Lembrei-me de como eu estava aflita e desesperada. Mesmo um mês depois, sabendo que isso já tinha acontecido, que Teddy estava seguro... Você estava seguro... Todos nós estávamos... Eu ainda estava inconsolável. Eu não conseguia entender como você se sentiu tendo vivido isso. Sozinho. Apenas para me proteger. Eu vivi com isso por um mês. Isso me devorou." Ela diz enquanto seus dedos trêmulos acariciam meu rosto.
Então ela pega as três fotos em sua mão pela primeira vez. Ela tenta manter seu rosto inexpressivo, mas quando ela vê o desespero em meu rosto, suas lágrimas correm por suas bochechas em um fluxo constante. Eu a puxo para o meu colo. Ela coloca as fotos de volta na minha mesa e me abraça com força. Nós nos abraçamos assim por muito tempo. Então, ela suspira.
"Eu acho que você tem algo para me dizer hoje" eu começo, puxando-a para trás e olhando para ela.
"Sim. Assim como prometi.”
“Vejo que você encontrou a sepultura da prostituta drogada. Por quê?"
“Christian, eu não quero que você a chame de novo assim. Por favor...” – ela implora.
"Por quê?" Eu grunhi. "Isso é exatamente o que ela era. Uma viciada em crack e uma prostituta.”
"O que ela era, Christian, era uma mãe. Uma mulher desesperada que todos abandonaram. Uma mulher que estava disposta a fazer qualquer coisa para cuidar de seu filho. Foi ruim isso?" Ela pergunta retoricamente e depois responde sua própria pergunta. ”Sim, muito ruim. Mas ela ainda o amava.”
“Como você sabe, Ana? Como você sabe que ela me amava? Como você sabe que ela até mesmo me queria?" Eu pergunto fervorosamente. Não há nenhuma maneira que uma prostituta drogada, que pode ter engravidado de um de seus machos, possa ter me querido ou me amado.
"Você fala como se o amor fosse algo que é adquirido pela vontade. Não é. Você se lembra de quão zangado estava comigo quando descobriu que eu estava grávida? Eu não planejei engravidar, ter um bebê tão cedo na vida. Eu também tinha planos de uma carreira. Eu também queria passar mais tempo com você... só você e eu. Você estava furioso, mesmo sabendo que era nosso filho. Você pensou, com todo o dinheiro que tinha para facilitar esse processo, toda a liberdade que tinha, você ainda pensou que um bebê iria prendê-lo. Tirar suas liberdades. Tirar-me... daqui. De você.”  Ela fala muito bem sobre meus sentimentos na época.
Eu lutei contra eles. De fato, até que Teddy nasceu, até Ana ter passado por aquela terrível provação durante seu parto, eu não tinha certeza absoluta de que eu estava equipado para lidar com a paternidade. Como eu poderia ser bom em alguma coisa, quando eu tinha nascido de uma prostituta drogada? Mesmo estando apaixonado, era um sentimento estranho, ser amado era completamente incompreensível.
"Você me mudou” eu digo simplesmente. "Você me fez sentir amor, quando todo mundo falhou. Meus pais tentaram duramente toda sua vida. Eu estava mais frio do que uma geladeira para receber esse sentimento quente. Indigno."
"Isso é exatamente onde você estava errado, Christian!" Ela diz com fervor. "Nós não amamos porque há algo a ser merecido, amamos porque nos é livremente dado. É como o ar ao seu redor. Não questionamos sua presença. Não é uma questão de ‘se’ merecemos, embora você mereça isso mais do que ninguém."
"Estou começando a ver isso. Os velhos hábitos são difíceis de mudar.”
“Quero perguntar a você uma coisa.” Ela diz pegando as fotos espalhadas em minha mesa. Examina-as com cuidado, funga, mas compõe-se novamente. Parece uma mulher em uma missão importante. Algo que ela está determinada a cumprir.
"Vá em frente, pergunte-me..." Eu sondo com curiosidade.
Ela separa o meu retrato segurando meu filho, com alívio e puro amor estampado em todo o meu rosto, e a imagem da prostituta drogada segurando-me quando bebê.
"Quero que você olhe para estas duas fotos. Diga-me as semelhanças. O que esta foto..." Ela diz batendo seu dedo no rosto da prostituta drogada. "O que ela faz você sentir?" Ela pergunta.
"A prostituta drogada..." Eu começo.
“Pare!” Ana ordena. "Espero..."  Ela respira fundo. "Espero que meu filho, que eu amo mais do que minha própria vida, nunca me chame por um termo tão depreciativo."
"Eu não o deixaria!" Eu digo fervorosamente. "Você é muito diferente dela!” Mas eu não posso evitar o desgosto em minhas palavras. Eu não sinto isto.
"Christian! Você tem que perdoá-la. Por favor. Olhe, eu sou jovem. Estou disposta a ser uma boa mãe, temos os recursos, mas vou cometer montes de erros. Sim, nosso filho não vai querer nada, não precisará de nada de ninguém, tão diferente de Ella..." Ela suspira.
"Você é um homem muito forte. E eu vou ter certeza de que você seja um bom pai em seu pleno potencial, mas você e eu cometeremos erros enquanto ele cresce. Alguns erros ele pode não gostar, alguns erros ele pode nem mesmo nos perdoar. Espero não cometer esses tipos de erros, mas se eu o fizer, eu preferiria mais que ele me perdoasse do que me censurasse para sua futura esposa.”
"O que você quer que eu faça?" Eu pergunto perplexo. "Isso é tudo que eu sei sobre ela. A puta drogada que me deixou ser abusado.”
"Isso era algo com que ela não poderia viver. A coitada não conseguia nem mesmo se proteger, ela teve uma vida muito dura. Não é uma desculpa, eu sei. Mas essa era uma vida que não desejamos para ninguém. Eu não posso ouvi-lo chamando-a de ‘uma prostituta drogada’ mesmo se isto é o que ela era! Ela deu à luz a você. Ela poderia ter feito um aborto e eu sou muito grata por ela ter tido você! Não haveria Christian e Ana, sem Ella. Ela nos tornou possíveis. Degradá-la, degrada você, eu, nosso bebê. Năo posso aceitar isso. Por favor, perdoe-a.”
Ela tem razão, é claro. Eu respiro fundo e exalo minha ansiedade.
"Olhe..." Ela aponta a foto de Ella me segurando. Há alegria e amor em seu rosto. Olhe e me diga que esta era uma mãe que não amava seu bebê. É impossível, não natural, não amar seu filho. É automático." Então ela bate o dedo na minha foto mais uma vez. Você pode me dizer que você não estava sentindo amor por seu filho de menos de um dia? Ele era novo. Você quase nunca o havia abraçado. Você pode dizer que você o amava menos, ou que você só tentou salvá-lo porque isso me abalaria? Não havia um lado seu que dizia: 'Preciso pegar meu bebê de volta, porque ele é meu filho'?"
“Sim, porra! Sim! Eu completamente, absolutamente e irrevogavelmente amo meu bebê! Eu estou apaixonado por aquele pequeno ladrão de peito!" Eu exclamo.
"Você poderia então dar o mesmo crédito a Ella, que teve o privilégio de carregá-lo por nove meses, teve de suportar um parto e cuidou de você, talvez mal, até que você tinha quatro anos? Eu sei que ela fez um trabalho terrível cuidando-o, mas era o seu melhor nas circunstâncias sob as quais ela estava. O olhar que ela tem no rosto olhando para você é quase idêntico ao que você tem no seu, olhando para o nosso filho. Você pode duvidar de que isso não é nada mais que amor?”
"Se tem alguém que poderia me convencer disso seria você, baby” eu digo.
"Eu não quero convencer você de algo em que você não acredita em seu coração. Eu quero que você dê uma olhada nisso, e convença a si mesmo, e a perdoe. Porque isto irá curar a maioria das feridas em seu coração. Vai torná-lo um lugar onde você possa carregar o amor por nós” ela implora.
"Eu já amo vocês dois além de qualquer medida, Ana. Eu odeio admitir, mas eu já perdoei Ella há um tempo atrás. Provavelmente logo depois de ter meu filho de volta" eu admito timidamente.
"Christian Grey! Por que não me disse nada?”
"Eu acho que escapou da minha mente. Agora, me diga do que se trata isso tudo com o túmulo dela e as outras coisas neste arquivo?" Eu a questiono.
"Estou feliz que você tenha perguntado." Ela sorri de orelha a orelha, com um sentimento de realização.
"Eu gostaria que visitássemos seu túmulo como uma medida completa de encerramento. Dar a Ella dignidade como sua mãe, mesmo que ela não mereça. Você já tem uma mãe e um pai em Grace e Carrick. Isso nunca irá mudar, isso apenas irá curá-lo completamente. Podemos ir, por favor? Isso foi o que eu pedi a Welch para arranjar..." Ela confessa.
"Transparência total." Eu levanto as sobrancelhas.
Ela se levanta do meu colo e dá voltas, depois volta para ficar de pé diante de mim.
"Eu quero o coração completo do meu marido, amor, atenção, cuidado, sem a mácula do passado. Sem as feridas abertas, sangrando lentamente, corroendo você um pouco de cada vez. Eu quero curar essas feridas, fechar e reparar os cortes, e torná-lo inteiro para todos nós. Não vai acontecer totalmente sem enfrentarmos o que uma vez nos feriu. Eu quero estar com você, ver você superar esse problema que você evitou toda sua vida adulta. Eu não quero que ele surja em um momento inesperado. Quero ir, que vejamos seu túmulo, conversemos com ela como você faria com outro adulto. Feche essa ferida. Deixe-me ajudá-lo a curá-la.”
”Oh, Ana! Não acho que você deveria visitar sua sepultura. Não quero lhe manchar com aquele passado sórdido.”
"Christian Trevelyan Grey!" Ela me repreende com o dedo indicador, me fixando no meu assento. "Se você acha que eu só quero você com sua parte boa, o visível homem lindo, ou aquele lado seu que você mostra ao mundo, você está fodidamente errado! Eu peguei-o como você é! Eu amei tudo de você. Eu te amo, ponto! Por que diabos você acha que seria difícil para mim visitar o túmulo de Ella com meu marido? Por que não posso ajudá-lo a ver através deste encerramento? Diga-me, por quê? Eu não sou digna de compartilhar uma parte de seus problemas? Eu não prometi estar aí para você? Por que você está me negando esse privilégio? O que você sentiria se eu o excluísse?”
"Você não joga limpo, baby" eu murmuro.
Ela encolhe os ombros. "Aprendi com o melhor. Mas, realmente, foi divertido quando eu escondi essas informações de você? Você se incomodou por ter sido excluído de uma única coisa que eu fiz sem o seu conhecimento? Vejo que você abriu o envelope, o que eu sabia que você faria.”
“Você me conhece muito bem, mas é diferente. Eu tenho que proteger você e meu filho."
"Esta é a mesma antiga merda que você me dá sempre. Sou forte e posso fazer algo para protegê-lo de seu passado. Isto não é mesmo o seu atual problema. Estou apenas tentando ajudá-lo com o passado. Deixe-me estar com você, vamos fechar essa ferida” ela implora.
"Porra! Como posso dizer não a você? Eu lhe daria o mundo se você pedisse. Todas as coisas que você vê e deseja estão ao meu alcance para obter para você, como um homem normal iria comprar café para si mesmo. As etiquetas de preço ou a falta delas não seriam um problema porque eu posso colocar um preço em qualquer coisa em que eu fixe meus olhos..."
"É isso aí!" Ela me interrompe.
"Eu não estou pedindo que você me compre algo. Estou pedindo para você compartilhar o que não faria com mais ninguém, estou lhe pedindo para eu ser uma parte maior de sua vida. Isso não tem preço. Isso é pessoal. Privado. Íntimo. É o que quero com você. Eu anseio com você. Quero essa profunda intimidade com meu marido. Por favor, Christian, deixe-me.”
"OK, baby! Nós iremos juntos."
Ela se ilumina como uma lâmpada de mil megawatts.
"Obrigada, Christian!" Ela está instantaneamente enrolada em meu pescoço e seus lábios fechados nos meus.
"Só para você saber, você me deve um grande momento, Sra. Grey” murmuro em seus lábios.
Ela sorri, recuando.
"Eu acho que posso pagar, senhor." Ela diz piscando. "Apenas não diga ao meu marido!" Ela sussurra. Eu levanto rápido como o vento e a agarro pronto para cobrar o que é devido a mim.
"Você. É. Minha. E SOMENTE minha!”
"Sim, senhor." Ela responde timidamente.
"Oh, porra! Acho que você vai pagar agora, baby!" Eu a levanto e a carrego para a minha mesa. Tempo de cobrança!

All of Me