Friday, September 16, 2016

50 Shades Darker Trailer!!


I’ve been waiting for the longest time for the 50 Shades Darker trailer since it’s my favorite book of the trilogy (by a close margin with 50 Shades Freed).

In the 50 Shades of Grey, we’ve met the dark Christian who was tormented by his terrible childhood and still invariably under the influence of the Bitch Troll since he believed that Elena gave him an outlet to release his pent up emotions (not that we’re not grateful for that since he became the sex God under her perverted tutelage though I’m still not liking her for the troll she is).  

 50 Shades of Grey left us heartbroken with Christian and Ana breaking up. 50 Shades Darker will unite them again: the second book is packed with Soooo  many  variable  emotions, incidents, new characters in the form of Elena, Jack Hyde, Dr. Flynn and the infamous Leila. I’m bursting with excitement of this installment of the trilogy!

I wanted to wait for a few days to see what others would say about the trailer. I’m surprised and (rolling my eyes big time) that people still call 50 Shades a “porn movie”. Just get over it! It’s not porn. It’s a beautiful love story that just doesn’t conceal the hot, erotic, loving, and overwhelming relationship Christian and Anastasia has. Why should it be hidden and just assumed that they just might be having sex? What the couple has is more than fucking. The bond they have is binding, loving, passionate, and unbreakable; this is not a random one night stand story. It is an intense love story. A story all the fans love.

Now, let’s get down the brass tacks…

Of course I expected the masked ball scene in the beginning. It’s the theme of the book after all. The real and the proverbial masks are on and then off in the second book. I think Dakota does a great job in portraying a stronger Ana, finding herself, growing up.  Jamie, well he seems Christian personified. When I saw him showing up in the Jose’s photography exhibition in the trailer, I found myself grinning ear to ear. I think that part is changed in the movie since Christian took Ana to the exhibition in the book, but I suppose that bit of change is okay.

One thing I was disappointed about the trailer was, Elena.  Of course many of us envisioned a different Elena; maybe Charlize Theron, Michelle Pfeiffer, or even Sharon Stone. I loved Kim Basinger in 9 ½ Weeks.  How could we not adore her? She was the original submissive. She played amazing scenes with Mickey Rourke. However, in recent years, she’s been dressing up in more masculine clothes in her personal life, and that seemed to be reflected in the movie which is just not Elena. Yes, she does dress up all in black and that’s how she was supposed to be in the 50 Shades Darker, but, from that tiny glimpse I got, she seemed to have been totally covered up in a manly suit and she didn’t appear to be the immaculate diva she’s always been. I will have to see the entire film to form a better opinion on her portrayal.

Aaand the shower scene… Oh, that was fabulous! Of course it was only three seconds of tease.

50 Shades Darker has one nightmare after another in the book: first Elena (trolling), then Leila (breaking in, gun point hostage situation), Jack Hyde (cornering Ana in the office) and finally Charlie Tango going down with Christian. Of course, there’s also the unanswered proposal. I’m so looking forward to seeing how they have portrayed Christian’s marriage proposal and Ana’s answer. What I didn’t see in the trailer is Dr. Flynn. Hopefully, he’s not cut out of the story. It’d be a shame if it was. He’s an integral character to the story and Christian’s personal growth.

All in all, I’m quite pleased, and anxiously waiting for the movie to come out on Valentine’s Day 2017!

On a personal note, I’ve been working myself to death (literally – I’ve had pneumonia twice this year; recovering from the second one which brought me close to dying), burying loved ones (father figured passed away in my arms back in May) personal growth, family time (helping my 13 y/o daughter graduate high school 4 years ahead of her peers and going into an Ivy League college), writing new books (not yet published but they will be), and of course missing Christian and Ana (I’m back on them again this month). Sometimes, we have to take a break to focus on ourselves, regroup so we can be the giving individuals again. Well, I’m back :)

Hugs to you all!


#eBookLove International Read an Ebook Day 

Wednesday, April 27, 2016

MASQUE - Chapter III


Right now, I want something. I am craving something. Actually, someone… Someone with long wavy locks of strawberry blonde hair, full luscious lips and killer legs. I can’t get those azure eyes looking at me first with shock, then fury and finally the suppressed, unwelcome desire out of my mind. Unwelcome. This is something I have never encountered before. The unknown territory gives me unease. I’ve been bewitched since I first laid eyes on her on the yacht. Am I losing my edge? Women look to find ways to get themselves noticed and in my presence, my bed.

I don’t waste time chasing them like some playboy. I know exactly what I like and I get what I want, when I want them without useless relationships. Yet, I want to chase her. I have been seeking her since I first laid eyes on her. Isn’t that the very definition of chase? Shit! The need for that thrill is unbearable, utterly foreign to me. I’m completely intrigued by her. Maybe she can provide me with enough distraction for a little while. The sight of her on the yacht, dissipated the suffocating mood I’ve been experiencing lately. It was as thick as the haze of the heavy smog weighing over the cityscape I can see through the tinted windows of my forty-eighth floor office of the Gibson Grand Tower in downtown Los Angeles. I need to know more about her. I can’t get her out of my mind.

The stiletto heeled boots’ irritated fast pace meeting the Italian marble floor outside my office and the two protesting voices of my assistants bring me back from my reveries.

“For heaven’s sake, Jude, I can find my way in!” It’s Lei’s voice.

“Miss Giovanni, Mr. Gibson has a full schedule this afternoon. I can’t possibly fit you in at the last minute!” I did tell them not to bother me until I went through the contract my lawyers prepared for this investment project. But I can’t seem to focus.

“I can see his door is wide open! He couldn’t be that busy!”

“He just returned from a meeting ma’am. Perhaps we can schedule you for a different day.”

“Let her in,” I buzz my assistants. They both have concealed earphones to hear me as opposed to a loud intercom system. A few seconds later, there is a knock at my door.

Lei Giovanni glides in flanked by my irritated assistants Jude and Eliza, with her regal head held high shaded by a custom made summer hat and covering her eyes by sporting one of the priciest pair of sun glasses her fashion design company is offering only to the financially worthy. With an hourglass figure wearing a black dress that pours over her curves, her plunging neckline reaching below her belly-button giving a glimpse to her perfectly altered breasts, she walks toward my desk with her hips swaying with a pronounced sexuality. Her stilettoes are making love to the floor with a measured rhythm. She could be one of the overpriced runway models in one of her fashion shows in Milan, or Paris or New York. I sit back and enjoy the show she’s putting on for my benefit.

“Can I get you anything Ms. Giovanni?” Jude asks with his South African accent laced with the Queen’s English he learned no doubt when he was at Oxford.

“Aren’t you the sweet one, Jude?” but turns to Eliza to order.

“Ace of Spades Rose, please, Elizabeth, something or other,” she says snapping her finger to Eliza.

“It’s Eliza, Ms. Giovanni.”

“Well, chop-chop Eliza!” as she claps her hands together, scolding my assistant then turns back to Jude again.

“Tell me, what do you owe that delicious accent and that exotic look of yours to? I could make you one of my models… that is if Ronan didn’t mind parting with you,” she purrs.

“My mother is South African, a black woman and my father is Swiss, ma’am.”

“Delicious. That tan skin with those blue-green eyes. Hmmmm… Anytime you are ready to make the leap…”

“Thank you, Miss Giovanni. But, I’m quite happy here.”

“You may leave Jude.” I order to save him from Lei verbally molesting my young gay assistant. He nods and leaves quickly.

“Ciao, Lei,” I greet her with a smile. “I don’t endorse your attempts at coercing or seducing my assistants into leaving my employment. You, of all people should know well by now that I don’t take kindly to those who steal anything from me.” She knows. I forgive of course… that is as long as I get the opportunity to punish first. She takes off her sun glasses. Her impeccably made up brown eyes sparkle with excitement. I rise from my seat then corner my desk and stand before it.

“Perhaps I have forgotten what you do to those who steal from you. I might just have to make an attempt so you can remind me what may come of it.” She challenges.

“My assistants are far more valuable than just strutting on the runway,” I say sitting at the edge of my desk, my arms crossed. She gives me an appreciating look from the wave of my hair, to my torso, blatantly staring at my bulge below my belt then my legs. She licks her lips in approval, and extends her hand. I take it as I come to a full stance and she leans in for kisses on both cheeks. She then pulls back and turns around, giving me a view of her backside, then sits on a chair crossing her long legs displaying her Manolo Blahnik lace backed ankle boots with open toes drawing the eyes up her long shapely legs.

“I don’t want both of them. You can keep the girl. I’ve no use for her. It’s him I want,” she says smiling. I know exactly what she wants: her next boy toy.

“He’s gay. He’d be of no use for your personal demands.”

“Not even a little bit? Hmmm. Pity,” she murmurs.

“I’m sure you didn’t come here to discuss Jude. I received the monthly report from your business manager. You’re settling into the American market well, and my company helped the Lei brand take hold in North America with new marketing strategies. So, what do I owe to your visit?”

“Couldn’t I have just missed you?”

I smile in response. We do meet once a week, but she usually doesn’t come to my office unless there is something urgent. We both know that’s not the reason. I shake my head.

 “May I remind you that you have Lucas.” My response causes her to make a bored face.

“Yes, he provides plenty of pleasure. As a submissive…” she qualifies. “And I am enjoying myself quite a lot but I hate breaking in the proverbial virgins to the scene. It takes time to train them properly. I much prefer you.” Her admittance surprises me.

“That is never happening, Lei.”

There’s a knock at my door. Eliza walks in with Lei’s chilled champagne in a bucket along with two flutes. She pours one for Lei, and looks at me to see if I want some, I shake my head no. After Eliza leaves, Lei turns to me again.

“I know! I made a huge mistake. A judgement in error,” she looks at me with pleading eyes. The aloof persona slips and for a moment I get a glimpse of the woman I’d met prior to her total body makeover when I was only nineteen. Underground sex clubs have patrons from the most elite in the world with lots of disposable income to secure the privacy, pleasure, the toys and the trained bodies they require. I was first introduced to them in London while I was at Cambridge attending uni.

“Lei, we have something better going. We have a valuable friendship, respect for one another, trust, an exceedingly successful business partnership in the fashion industry, and an understanding of each other. I care enough about you that I don’t want more than that. We are much too toxic for one another in that way. We both know that.”

“That was then. You needed to be pushed and it was my duty to push you as your Dominatrix. I had not realized it was your breaking point. Will you never forgive me for it?” She pleads which falls onto deaf ears.

“It’s been over five years Lei. Let it go,” I reiterate. Rule Number 1 in any BDSM relationship is to know one another’s limits and to strictly adhere to the safewords. Yet, I had never used a safeword for my pain threshold no matter how hard she punished me. I asked her to push me to my limits in pain in order to cover the old scars, to feel that I exist, that there’s life within me, to be deserving of feeling self-worth, to be rid of the guilt of the constant reminder because I was the unplanned pregnancy that got my parents into a loveless marriage, to even have the right to feel pleasure.

I had one cardinal rule: NO SHARING! She broke my trust by forcing me to be shared with another woman. I never share and I don’t like to be shared. But, this couldn’t be the reason she’s here today, to settle an old tab that I had written off long ago.

“I have offered myself to you to do with as you wish, Ronan. For as long as you wish… Yet you continue punishing me by just remaining a friend, not even as friends with benefits, and never touching me that way or letting me get near your body again.” She takes a long sip of her champagne.

“But this has had a lasting effect, has it not? It made you more aware of your other partners’ needs and limits. But that’s not why you are here. The only time you start robbing the cradle is when…”

Realization dawns on me. I raise my eyebrows quizzically. She looks at me with hurt in her eyes. Of course!

“The anniversary is tomorrow,” she whispers. “If I didn’t have his pictures, I’d forget the shape of his face, the way he looked at me. I’ve already forgotten the feel of his body on mine.” She rises from her seat and paces impatiently.

“Twelve years! I have forgotten everything he meant to me except the pain of his loss. It doesn’t go away!” She’s talking about the death of her husband. His private jet went down several years ago. She survived, he didn’t. Maybe this is why I’m still friends with her. She was capable of loving so deeply. Maybe one of us still has a soul indeed.

“Did you see your shrink?” I ask concerned.

“Yes,” she rolls her eyes. “I spend a fortune on weekly therapy. Basically, I pay somebody to be my friend without worrying that they will write a Tell All book since he signed an NDA. Trust is an expensive commodity in this town,” she waves her hand. Most successful people are in the same pair of painful shoes. Real friends are incredibly rare and betrayals are so common place, it’s almost a Hollywood cliché.

“I hoped that you had time for me this evening, for dinner perhaps.” Lei and I have an understanding.

“I have a business meeting at ten tonight. I could do dinner beforehand.”

“Great! Where’s your meeting?”

“Sayers Manor.”

“I’ll have a table reserved at Capo. It’s practically next door. How about eight?”

“Great! I don’t want you to feel like I’m shoving you out, but I’m shoving you out. I have contracts to read through.”

“Why pay your overpriced lawyers if you have to read them yourself?” She quizzes.

“Control, Lei. You of all people should know that. To remind them who is in charge at all times.”

“See you at eight then.”

Once she leaves, I call Jude in.

“Yes, sir?”

“I need you to make sure that my lawyer Whitaker comes to the Sayers Manor tonight to execute the contracts. I also need you to be there. Arrive no later than 9:30 p.m. The meeting starts at 10:00 p.m.”

The dim lights at Copa provides enough privacy and creates a comfortable ambiance. When I arrive at the restaurant, Lei is already seated. I give her a friendly smile and she reciprocates.

“Good evening, Lei!”

Buonasera Ronan!” She gets up and leans in to receive kisses on her cheeks. Her hand connects with my upper arm. She releases me and we both sit down at the same time. The waiter rushes to the table to ask what we would like to drink. I order Châteauneuf-du-Pape White 2009 without even looking at the wine list.

After the waiter scurries away, she scrutinizes me with an assessing gaze. Then purses her lips.

“Hmmm… Anxious, a little on the edge, nervous, and something else I can’t put my finger on,” she states her findings nonchalantly.

 “Business.” I answer a little too brusquely. The fact is, I’m disappointed that little Miss Adler, the mysterious Aphrodite won’t be at the meeting this evening. This knowledge and recognition surprises me. I’m carrying the little memento I recovered in Cannes, waiting to return it to its rightful owner in due time.

“Nooo,” she croons thoughtfully. “That’s not it.”

“Alright, if you say so,” I say with a smile playing on my lips.

“Maybe you want to talk about her.” She probes.

If not for the waiter interrupting with the wine, I’d have a surprised expression on my face.
Lei runs her tongue around the rim of her harlot red lips. “Well… How’s sex?” she asks with the same mischief of a lover who had just given you a great blow job and the waiter, whose name tag reads Kevin’s eyes widen and he blushes like the Chinese flag. He quickly pours the wine, takes our order and scurries away.

“Sex in general is always fantastic.”

“With her… I take that it’s beyond your expectations if you are edgy like this for having to endure an evening at that business meeting instead of being with her.” She raises her eyebrows looking at me anew as if the old Ronan is gone and he’s been replaced by a clone.
“You come to this ridiculously erroneous conclusion, how?” I ask.

“Ah, Ronan, I may not know the details of your current,” she tries to find a word that would fit her definition, “acquisition,” she qualifies with a grin having found the right noun, “I do know you, and I definitely know that look!”

“What look would that be?”

She leans in as if to make it look like she is letting me in on a secret.


“Longing?” I ask surprised. “I think you’re letting your unresolved issues with your late husband cloud your judgement, and you end up attributing those feelings to me. I long for no woman.” I think I’m trying to convince myself more than Lei by my declaration. Miss Adler will just be a diversion, an acquisition. That’s all.

She leans in even further and continues in a firm whisper as if I have said nothing. “I don’t think she’s meeting all your needs. You have needs that even a very experienced submissive can’t fulfill. It takes the proper amount of pain to receive the ultimate ratio of pleasure…”

She finally leans back letting the rest of her thoughts linger in the air, letting it sink in. Her gaze drifts to the waiter pouring wine for the patrons at the next table. As if she has no care in the world; she eyes the flowers on the table finding something interesting about them, then looks at the wall art. I know exactly what she’s doing. It’s a play for control.

“Do tell about this woman I don’t have. So, maybe when I actually meet such a woman, I’ll recognize her from your description.” My arms are crossed and my eyebrows are raised in challenge.

“I’ve known you since you were 19 and we’ve done everything under the sun. Your time at Cambridge would be dull as ditchwater had it not been for the entertainment I provided on the weekends in London. Besides, what you’ve learned since you were 14, was it, about the scene only gave you pain and little pleasure.” She was right of course. She showed me that I can get pleasure without guilt. What I’d learned in Paris as a lost young teen was mostly detrimental to me. She changed the tides for me. I couldn’t think of a life without her guidance. When I moved to attend Harvard for my MBA, Lei followed me to the States.

She continues her assessment. “As much as you can comprehend my body language, so can I of yours. I know that it’s not anyone you’ve been pictured with in the magazines or the newspapers. I haven’t seen you with anyone twice. That means those are just arm candies. I’m almost positive that you’ve never been photographed with this one. She must be quite new.”

Lei and I met at a sex club in London and she recognized the masochistic self-destructiveness in me. Surviving a jet crash that killed her husband made her drown in survivor’s guilt and she was punishing herself for living. She had lost the love of her life, and I had never known unconditional love. In a way, we saved each other by being what the other needed at the time.

 Always looking for ways to have the ultimate control, I’m not cut out to be a submissive. It was however what I needed when I was in my teens. I know she’s attempting to control my reins. It’s a game I have mastered.

“Lei,” I whisper leaning in as if she’s finally going to be privy to that secret. “There is no such woman. Even the commander in chief is entitled to have a few nerves from time to time. I take big risks after all and over sixty thousand people’s jobs around the globe depend on me making the right business decisions. Don’t keep probing because you’ll find nothing other than irritating the fuck out of me! Save both of us the misery of it.”

She rolls her eyes.

“For fuck’s sake! You’re too touchy today.” She wants to say something else, but she restrains herself and we finally can resume our dinner peacefully.

By the time it’s 9:30, my assistant Jude calls me to let me know he’s here. When I walk Lei out, the warm California evening breeze greets us with a hint of the Pacific’s brine. I hand the ticket to the valet for Lei’s car. Dre is waiting for me with vigilant eyes, always alert, always scanning the vicinity. While we are waiting for her car to arrive, a yellow cab passes the Sayers Manor and stops between the Copa and Sayers. I don’t pay attention to it until I see the passenger. The bright light from the Sayer as well as Copa softly reflect the long strawberry blonde hair brightly as the waves fall onto her white dress, nearly identical to the one I saw on the yacht in Cannes hugging every curve of her body softly. She leans in to the taxi cab and pays him, then straightens up. As if she senses my presence, she turns to our direction. When she sees me with Lei waiting for the valet, her recognition of me is written all over her face. Miss Adler’s eyes are locked on mine, almost in a trance and I find that I can’t take my eyes away from her either.

Why is she here? Didn’t she say she wasn’t coming, that she can’t even afford the cover charge? Did she finally accept the producer’s offer for a date? I feel an explosion of drowning emotions charging at me in a wave: anger, envy, resentment, sadness, fear and insecurity. The onslaught of this cocktail of toxic emotions surprises me. I’ve no reason to feel this way! Oh fuck!

My mind doesn’t stop spinning. Why did she just arrive in a cab? Doesn’t she have a car? The cab moves and I can see that the dress is about five inches above her knee. She stands frozen in her place resembling a deer caught in the headlights facing towards me. I must be wearing the identical surprised expression on my face. Even though we manage to break the connection, she makes an effort to turn her back giving me a glimpse of that sweet ass. The next thing I hear is Lei’s voice, bringing me back to the here and now.

“That’s her! Isn’t it? It’s your new woman!” Her voice is incredulous, laced with surprise and something else. That something else is the same feeling I have towards Miss Adler: Jealousy! Shit!

Tuesday, April 26, 2016




Tradução:  Neusa Reis

Agora, eu quero algo. Estou ansiando por algo. Na verdade, alguém... Alguém de cabelo loiro morango com longas madeixas onduladas, deliciosos lábios cheios e pernas de matar. Eu não consigo tirar da minha mente aqueles olhos azuis olhando para mim, primeiro com choque, em seguida fúria e finalmente, com reprimido, inoportuno desejo. Inoportuno. Isso é algo que eu nunca encontrei antes. O território desconhecido deixa-me inquieto. Eu fui enfeitiçado desde que eu coloquei meus olhos sobre ela no iate. Estou perdendo meu equilíbrio? As mulheres buscam encontrar maneiras de serem notadas e estar na minha presença, na minha cama.

Não perco tempo perseguindo-as como alguns playboys. Eu sei exatamente o que eu gosto e eu consigo o que eu quero, quando eu quero, sem relações inúteis. No entanto, eu quero persegui-la. Eu estive procurando por ela desde que eu coloquei meus olhos nela. Não é esta a própria definição de perseguição? Merda! A necessidade dessa sensação é insuportável, totalmente estranha para mim. Eu estou completamente intrigado com ela. Talvez ela possa me fornecer distração suficiente por um tempo. A visão dela no iate dissipou o humor sufocante com o qual eu tinha estado ultimamente. Era tão espesso quanto a cerração da forte poluição pairando sobre a paisagem urbana, a qual eu posso ver através das janelas escurecidas do meu escritório no quadragésimo oitavo andar da Gibson Grand Tower no centro de Los Angeles. Eu preciso saber mais sobre ela. Eu não consigo tirá-la da minha mente.

Os saltos altos agulha das botas, num irritado ritmo rápido encontrando com o chão de mármore italiano fora do meu escritório e as duas vozes que protestam, de meus assistentes, me trazem de volta dos meus devaneios.

"Pelo amor de Deus, Jude, eu posso encontrar meu caminho!" É a voz de Lei.

"Srta. Giovanni, o Sr. Gibson tem uma agenda cheia esta tarde. Eu não posso eventualmente encaixá-la no último minuto!"  Eu disse a eles para não me incomodar até que eu terminasse de repassar o contrato que meus advogados tinham preparado para este projeto de investimento. Mas eu não consigo me concentrar.

"Eu posso ver sua porta bem aberta! Ele não pode estar tão ocupado!"

"Ele acabou de voltar de uma reunião, senhora. Talvez possamos agendá-la para um outro dia."

"Deixe-a entrar," eu murmuro para meus assistentes. Ambos têm fones de ouvido ocultos para ouvir-me, em oposição a um sistema de intercomunicação ruidoso. Alguns segundos depois, há uma batida na minha porta.

Lei Giovanni desliza, ladeada por meus irritados assistentes Jude e Eliza, com sua régia cabeça erguida, à sombra de um chapéu de verão feito sob encomenda e cobrindo seus olhos um dos pares de óculos de sol mais caros que sua empresa de design de moda está oferecendo apenas para os financeiramente merecedores. Com uma silhueta de ampulheta, usando um vestido preto que se derrama sobre suas curvas, seu decote chegando abaixo de seu umbigo dando um vislumbre de seus seios perfeitamente modificados, ela caminha em direção à minha mesa com seus quadris balançando com uma sexualidade pronunciada. Seus saltos agulha estão fazendo amor com o chão em um ritmo calculado. Ela poderia ser um dos superfaturados modelos de passarela em um de seus desfiles de moda em Milão, Paris ou Nova York. Eu sento e relaxo e aproveito o show que ela está apresentando por minha causa.

"Eu posso lhe oferecer algo, Sra. Giovanni?" Jude pergunta com seu sotaque sul africano misturado com
o inglês perfeito (N.T. Queens English) que ele aprendeu sem dúvida quando estava em Oxford.

"Você é muito gentil, Jude!"  Mas se vira para Eliza para pedir.

"Ace of Spades Rosé, por favor, Elizabeth, esse ou outro", diz ela apontando o dedo para Eliza.

"É Eliza, Sra. Giovanni".

"Bem, vapt-vupt  Eliza!" ela bate palmas, repreendendo minha  assistente, em seguida volta-se para Jude novamente.

"Diga-me, a que você deve esse delicioso sotaque e essa sua aparência exótica? Eu poderia fazê-lo um dos meus modelos... isto se Ronan não se importar de se separar de você," ela ronrona.

"Minha mãe é sul-africana, uma mulher negra e meu pai é suíço, senhora."

"Delicioso. Essa pele bronzeada com esses olhos azul-esverdeados. Hmmm... A qualquer momento que você esteja pronto para dar esse passo... "

"Obrigado, Srta Giovanni. Mas, estou muito feliz aqui."

"Você pode sair, Jude." Eu ordeno a fim de salvá-lo de Lei verbalmente molestando meu jovem assistente gay. Ele balança a cabeça concordando e sai rapidamente.

"Ciao Lei,"  eu a cumprimento com um sorriso. "Eu não endosso suas tentativas de coagir ou seduzir meus assistentes para deixar o emprego. Você, mais que todas as pessoas, deveria saber bem, atualmente, que  eu não levo gentilmente quem rouba qualquer coisa de mim." Ela sabe. Eu perdôo, é claro... contanto que eu tenha a oportunidade de punir primeiro. Ela tira seus óculos de sol. Seus impecavelmente maquiados olhos castanhos brilham com entusiasmo. Eu levanto-me da cadeira, em seguida contorno minha mesa e fico diante dela.

"Talvez eu tenha esquecido o que você faz com aqueles que roubam de você. Eu poderia simplesmente fazer uma tentativa para que você possa me lembrar o que pode vir disso." Ela desafia.

"Meus assistentes são muito mais valiosos do que apenas desfilando na passarela", eu digo sentado na borda da minha mesa, meus braços cruzados. Ela me dá um olhar apreciativo da onda do meu cabelo ao meu torso, descaradamente olhando para minha protuberância abaixo do meu cinto, em seguida minhas pernas. Ela lambe os lábios em sinal de aprovação e estende sua mão. Eu a pego enquanto eu me aproximo para uma saudação completa e ela se inclina para os beijos em ambas as faces. Ela então a retira e se vira, dando-me uma visão de seu traseiro, em seguida senta-se em uma cadeira cruzando suas longas pernas, exibindo suas meias botas Manolo Blahnik atadas atrás, abertas nos dedos, atraindo os olhos para cima, para suas longas pernas bem torneadas.

"Eu não quero os dois. Você pode manter a garota. Eu não tenho nenhum uso para ela. É ele que eu quero", diz ela sorrindo. Eu sei exatamente o que ela quer: seu próximo brinquedinho.

"Ele é gay. Ele não seria de nenhuma utilidade para suas demandas pessoais".

"Nem mesmo um pouquinho? Hmmm. Pena," ela murmura.

"Eu tenho certeza que você não veio aqui para discutir Jude. Eu recebi o relatório mensal do seu gerente de negócios. Você está se estabelecendo bem no mercado americano e minha empresa ajudou a marca Lei a se firmar na América do Norte com novas estratégias de marketing. Então, a que eu devo a sua visita? "

"Eu não poderia ter sentido sua falta?"

Eu sorrio em resposta. Nós nos encontramos uma vez por semana, mas ela geralmente não vem ao meu escritório a menos que haja algo urgente. Nós dois sabemos que não é a razão. Eu balanço minha cabeça.

"Posso lembrá-la que você tem Lucas." Minha resposta faz com que ela faça uma cara entediada.

"Sim, ele oferece muito prazer. Como um submisso... " ela qualifica. "E eu estou me divertindo bastante, mas eu odeio introduzir os proverbiais virgens para a cena. Leva tempo para treiná-los adequadamente. Eu prefiro muito mais você." Sua admissão me surpreende.

"Isso nunca vai estar acontecendo, Lei."

Há uma batida na minha porta. Eliza entra com a champanhe gelada da Lei em um balde, juntamente com duas taças. Ela serve uma para Lei e olha para mim para ver se eu quero um pouco; eu balanço a  cabeça que não. Após a saída de Eliza, Lei vira para mim novamente.

"Eu sei! Eu cometi um erro enorme. Uma decisão errada," ela olha para mim com olhos suplicantes. A persona indiferente escorrega e por um momento eu obtenho um vislumbre da mulher que eu conheci antes da sua reforma total do corpo, quando eu tinha apenas dezenove anos. Clubes de sexo clandestinos têm clientes da melhor elite do mundo com muita renda disponível para garantir a privacidade, o prazer, os brinquedos e os corpos treinados que necessitam. Eu fui apresentado pela primeira vez a eles em Londres, enquanto eu estava em Cambridge frequentando a universidade.

"Lei, temos algo melhor acontecendo. Nós temos uma amizade valiosa, respeito um pelo outro, confiança, uma parceria de negócios extremamente bem sucedida na indústria da moda e uma compreensão um do outro. Eu me importo o suficiente com você e eu não quero mais do que isso. Nós somos muito tóxicos um para o outro de outra maneira. Nós dois sabemos disso."

"Isso foi antes. Você precisava ser forçado e era meu dever forçá-lo como sua Dominatrix. Eu não tinha percebido que era o seu ponto de rutura. Você nunca vai me perdoar por isso?"  Ela implora, o que cai em ouvidos surdos.

"Já fazem mais de cinco anos, Lei. Deixa prá lá," reitero. Regra número 1 em qualquer relacionamento BDSM é um conhecer os limites do outro e respeitar estritamente as palavras de segurança. No entanto, eu nunca usei a palavra de segurança para o meu limiar de dor, não importa o quão duro ela me puniu. Pedi-lhe para me empurrar para os meus limites na dor a fim de cobrir as cicatrizes antigas, para sentir que eu existo, que há vida dentro de mim, para ser merecedor do sentimento de auto-estima, para livrar-me da culpa da lembrança constante de que eu era a gravidez não planejada que levou meus pais a um casamento sem amor, para até mesmo ter o direito de sentir prazer.

Eu tinha uma regra fundamental: SEM COMPARTILHAMENTO! Ela perdeu a minha confiança me forçando a ser compartilhado com outra mulher. Eu nunca compartilho e eu não gosto de ser compartilhado. Mas, isso não podia ser a razão pela qual ela está aqui hoje, para encerrar um assunto que eu deixei prá trás há muito tempo.

"Eu me ofereci a você para fazer comigo o que quiser, Ronan. Pelo tempo que você desejar...  Mesmo assim você continua me punindo permanecendo apenas um amigo, nem mesmo amigo com benefícios, e nunca me tocando dessa forma ou me deixando chegar perto de seu corpo novamente." Ela toma um longo gole de champanhe.

"Mas isso teve um efeito duradouro, não teve? Fez você mais consciente das necessidades e limites de seus outros parceiros. Mas não é por isso que você está aqui. A única vez que você começou a ser “papa anjo” foi quando... "

A percepção me atinge. Eu levanto minhas sobrancelhas interrogativamente. Ela olha para mim com dor em seus olhos. É claro!

"O aniversário é amanhã", ela sussurra. "Se eu não tivesse as fotos dele, eu teria esquecido a forma do seu rosto, a maneira como ele olhava para mim. Eu já esqueci a sensação de seu corpo no meu." Ela se levanta de sua cadeira e anda impaciente.

"Doze anos! Esqueci tudo o que ele significava para mim exceto a dor de sua perda. Ela não vai embora!" Ela está falando sobre a morte de seu marido. Seu jato particular caiu há vários anos. Ela sobreviveu, ele não. Talvez seja por isso que ainda sou amigo dela. Ela foi capaz de amar tão profundamente. Talvez um de nós ainda tem uma alma, na verdade.

"Você viu seu psiquiatra?" pergunto preocupado.

"Sim", ela revira os olhos. "Eu gasto uma fortuna em terapia semanal. Basicamente eu pago a alguém para ser meu amigo sem me preocupar se ele vai escrever um livro Tell All (N.T. Conta Tudo, sobretudo o lado escandaloso dos fatos ou da vida de alguém) uma vez que ele assinou um NDA. A confiança é um bem caro nesta cidade," ela acena a mão. A maioria das pessoas bem-sucedidas estão no mesmo par de sapatos dolorosos. Os amigos reais são incrivelmente raros e traições são tão lugar comum, quase um clichê de Hollywood.

"Eu esperava que você tivesse tempo para mim esta noite, para jantar, talvez." Lei e eu temos um entendimento.

"Eu tenho uma reunião de negócios às dez da noite. Eu podia jantar antes."

"Ótimo! Onde é sua reunião?"

"Sayers Manor."

"Eu vou ter uma mesa reservada no Copa. É praticamente ao lado. Que tal às oito?"

"Ótimo! Eu não quero que você se sinta como se eu estivesse colocando-a para fora, mas eu estou colocando-a para fora. Eu tenho contratos para repassar."

"Por que pagar seus advogados dispendiosos se você tem que lê-los você mesmo?" Ela questiona.

"Controle, Lei. Você, entre todas as pessoas, deveria saber disso. Para lembrá-los quem manda em todos os momentos."

"Vejo você às oito, então."

Logo que ela sai eu chamo Jude.

"Sim senhor?"

"Eu preciso que você tenha certeza de que o meu advogado Whitaker vem ao Sayers Manor hoje à noite para executar os contratos. Eu também preciso que você esteja lá. Chegue o mais tardar 21:30h. A reunião começa às 22:00h".

As luzes fracas no Copa fornecem bastante privacidade e criam um ambiente confortável. Quando eu chego ao restaurante, Lei já está sentada. Dou-lhe um sorriso amigável e ela retribui.

"Boa noite, Lei!"

"Buonasera Ronan!" Ela levanta e se inclina para receber beijos em suas bochechas. Sua mão se conecta com o meu braço. Ela me libera e ambos nos sentamos ao mesmo tempo. O garçom corre para a mesa para perguntar o que eu gostaria de beber. Eu ordeno Châteauneuf-du-Pape Branco 2009 sem sequer olhar para a lista de vinhos.

Após o garçom sair correndo, ela me examina com um olhar avaliador. Em seguida, franze os lábios.

"Hmmm... ansioso, um pouco no limite, nervoso, e algo mais que eu não consigo identificar", ela enuncia suas descobertas com indiferença.

 "Negócios". Eu respondo um pouco bruscamente. O fato é que eu estou desapontado que a pequena Srta. Adler, a misteriosa Aphrodite, não estará no encontro desta noite. Este conhecimento e reconhecimento me surpreende. Estou carregando a pequena lembrança que eu recuperei em Cannes, esperando para devolvê-la ao seu legítimo proprietário no tempo devido.

"Nããão", ela cantarola, pensativamente. "Não é isso."

"Tudo bem, se você acha isso," eu digo com um sorriso brincando em meus lábios.

"Talvez você queira falar sobre ela." Ela sonda.

Se não fosse o garçom interrompendo com o vinho, eu teria uma expressão de surpresa no rosto.

Lei corre sua língua ao redor da borda dos lábios vermelho-prostituta. "Bem ... Como é o sexo?" pergunta ela com a mesma maldade de uma amante que tenha acabado de lhe dar um grande boquete e o garçom, cujo nome no crachá diz Kevin arregala os olhos e fica vermelho como a bandeira chinesa. Ele rapidamente serve o vinho, pega o nosso pedido e desaparece.

"Sexo em geral é sempre fantástico."

"Com ela... Eu penso que isso é além de suas expectativas se você está nervoso assim por ter de suportar uma noite nessa reunião de negócios em vez de estar com ela." Ela levanta suas sobrancelhas olhando para mim novamente como se o velho Ronan tivesse partido e estivesse sendo substituído por um clone.

"Você chegou a esta conclusão ridiculamente errada, como?" eu pergunto.

"Ah, Ronan, eu posso não saber os detalhes de sua atual..." ela tenta encontrar uma palavra que se encaixe em sua definição, "aquisição", ela qualifica com um sorriso malicioso tendo encontrado o substantivo certo, "eu conheço você, e eu definitivamente conheço esse olhar!"

"Que olhar seria esse?"

Ela se inclina como para fazer parecer que ela está me contando um segredo.


"Anseio?" Eu pergunto surpreso. "Eu acho que você está deixando seus problemas não resolvidos com o seu falecido marido nublar seu julgamento, e você acaba atribuindo esses sentimentos para mim. Eu não anseio por nenhuma mulher." Eu acho que estou tentando me convencer mais do que a Lei da minha declaração. A Srta. Adler vai ser apenas uma diversão, uma aquisição. Isso é tudo.

Ela se inclina ainda mais e continua em um sussurro firme como se eu não tivesse dito nada. "Eu não acho que ela está satisfazendo todas as suas necessidades. Você tem necessidades que mesmo uma submissa muito experiente não pode preencher. É preciso a quantidade adequada de dor para receber a proporção final de prazer... "

Ela finalmente se inclina para trás deixando o resto de seus pensamentos permanecerem no ar, deixando-os afundar-se. O olhar dela vaga do garçom servindo vinho para os clientes na mesa ao lado. Como se ela não tivesse nenhuma preocupação no mundo; ela olha as flores sobre a mesa encontrando algo interessante nelas, em seguida, olha para a arte na parede. Eu sei exatamente o que ela está fazendo. É um jogo para o controle.

"Conte sobre essa mulher que eu não tenho. Então, talvez, quando eu realmente encontrar essa mulher eu vou reconhecê-la a partir de sua descrição." Meus braços estão cruzados e as sobrancelhas estão levantadas em desafio.

"Eu o conheço desde que você tinha 19 anos e nós fizemos tudo sob o sol. O seu tempo em Cambridge seria muito maçante se não tivesse sido pelo entretenimento que eu forneci nos fins de semana em Londres. Além disso, o que você aprendeu desde que você tinha 14, digamos, sobre a cena, só lhe deu dor e pouco prazer." Ela estava certa, é claro. Ela me mostrou que eu posso obter prazer sem culpa. O que eu tinha aprendido em Paris como um jovem adolescente perdido foi principalmente prejudicial para mim. Ela mudou para mim as marés. Eu não conseguia pensar em uma vida sem sua orientação. Quando me mudei para frequentar Harvard, para o meu MBA, Lei me seguiu para os Estados Unidos.

Ela continua a sua avaliação. "Por mais que você possa compreender a minha linguagem corporal, eu também posso entender a sua. Eu sei que não é qualquer uma com quem você foi fotografado nas revistas ou jornais. Eu não vi você com qualquer pessoa duas vezes. Isso significa que essas são apenas troféus. Tenho quase certeza de que você nunca foi fotografado com essa. Ela deve ser muito recente."

Lei e eu nos encontramos em um clube de sexo em Londres e ela reconheceu a autodestruição masoquista em mim. Sobreviver a um acidente de avião que matou seu marido a fez se afogar na culpa do sobrevivente e ela estava punindo-se por viver. Ela tinha perdido o amor de sua vida e eu nunca tinha conhecido o amor incondicional. De certa forma, nós salvamos um ao outro sendo um o que o outro necessitava no momento.

 Sempre à procura de maneiras de ter o controle final, eu não fui talhado para ser um submisso. No entanto, era talvez o que eu necessitava quando estava na minha adolescência. Sei que ela está tentando controlar minhas rédeas. É um jogo que eu tenho dominado.

"Lei", eu sussurro inclinando-me como se ela finalmente fosse ficar a par desse segredo. "Não existe tal mulher. Mesmo o comandante-em-chefe tem direito de ter algum nervosismo de vez em quando. Afinal eu corro grandes riscos e mais de sessenta mil postos de trabalho ao redor do mundo dependem de mim tomando as decisões de negócio certas. Não fique sondando porque você não vai conseguir nada que não seja irritar a merda para fora de mim! Salve-nos a ambos dessa miséria."

Ela revira os olhos.

"Pelo amor de Deus! Você está muito sensível hoje." Ela quer dizer outra coisa, mas ela restringe a si mesma e finalmente podemos retomar o nosso jantar em paz.

No instante que são 9:30h o meu assistente Jude me chama para me informar que ele já está aqui. Quando eu acompanho Lei para fora, a quente brisa da noite da Califórnia nos cumprimenta com um toque de salmoura do Pacífico. Eu entrego o ticket do carro de Lei para o manobrista. Dre está esperando por mim com olhos vigilantes, sempre alerta, sempre digitalizando a vizinhança. Enquanto nós estamos esperando pelo carro dela chegar, um táxi amarelo passa pelo Sayers Manor e pára entre o Copa e o Sayers. Eu não presto atenção nisso até que eu vejo o passageiro. A luz brilhante do Sayer bem como do Copa, suavemente refletem o longo cabelo loiro morango brilhante enquanto as ondas caem sobre seu vestido branco, quase idêntico ao que eu vi no iate em Cannes, abraçando suavemente cada curva de seu corpo. Ela se inclina para o táxi e paga, então se endireita. Como se ela sentisse a minha presença, ela se vira para nossa direção. Quando ela me vê com Lei, esperando o manobrista, seu reconhecimento de mim está escrito em todo seu rosto. Os olhos da Srta. Adler estão presos nos meus, quase num transe e eu acho que eu não posso afastar meus olhos para longe dela também.

Por que ela está aqui? Ela não disse que não viria, que não podia sequer pagar a taxa de consumação? Será que ela finalmente aceitou a oferta do produtor para um encontro? Eu sinto uma explosão de emoções me afogando, irrompendo em mim como uma onda: raiva, inveja, ressentimento, tristeza, medo e insegurança. O ataque deste coquetel de emoções tóxicas me surpreende. Eu não tenho nenhuma razão para me sentir assim! Oh porra!

Minha mente não pára de girar. Por que ela acaba de chegar em um táxi? Ela não tem carro? O taxi se movimenta e eu posso ver que o vestido é cerca de 12 cm acima do joelho. Ela está congelada em seu lugar, parecendo um cervo apanhado nos faróis, voltada para mim. Devo estar apresentando uma expressão de surpresa idêntica em meu rosto. Mesmo embora tenhamos conseguido quebrar a conexão, ela faz um esforço para virar de costas me dando um vislumbre do seu doce traseiro. A próxima coisa que eu ouço é a voz de Lei, trazendo-me de volta para o aqui e agora.

"É ela! Não é? É a sua nova mulher!" A voz dela é incrédula, atada com surpresa e algo mais. Esse algo mais é o mesmo sentimento que eu tenho em relação à Srta. Adler:  Ciume!  Merda!