StatCtr

Tuesday, August 27, 2013

LIVRO III - Capítulo XXIV - Christian e Anastasia FanFiction



Once upon a midnight dreary, while I pondered,
weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of
forgotten lore —
While I nodded, nearly napping, suddenly there
came a tapping,
As of some one gently rapping, rapping at my
 chamber door.
"'Tis some visiter," I muttered, "tapping at my

chamber door —
            Only this and nothing more.

Edgar Allan Poe


PORTLAND

CAPÍTULO XXIV



Enquanto Taylor e eu corremos para o meu escritório, eu murmuro baixinho. "Merda! Tenho uma reunião com os Taiwaneses também! Porra! Porra! Porra!"

Entramos em meu escritório e Andrea salta para seus pés com meu Blackberry na mão. Notando a ansiedade no meu rosto, ela estende o meu telefone para mim sem palavras. Enquanto eu marco o telefone de Anastasia em discagem rápida,  Ros entra ansiosamente.

Ao ver-me ao telefone: "Sr. Grey! Christian, os Taiwaneses já estão na sala de reuniões! A sua presença é necessária,” diz ela, e eu levanto um dedo indicando que será um minuto. Ela bate seus saltos altos Louboutin distraidamente, mostrando seu nervosismo sobre esta reunião crucial.

"Christian,” Anastasia suspira sua saudação atendendo, me deixando mais ansioso do que nunca.

"Cristo, Ana. O que há de errado? "

"É Ray... Ele sofreu um acidente." Maldição! Essa é a última coisa de que precisávamos neste momento.

"Merda!"

"Sim. Eu estou no meu caminho para Portland." O quê? Espero que ela não vá sozinha.

"Portland? Por favor, me diga que Sawyer está com você. "

"Sim, ele está dirigindo."

"Onde está Ray?"

"No OHSU.” (N.T. Oregon Health & Science University Hospital (Hospital OHSU) é um centro de trauma nível I e hospital-escola em Portland, no estado de Oregon, EUA.)

Taylor, Andrea e Ros estão esperando em volta de mim, ansiosamente, sabendo que alguma coisa tinha acontecido com a minha esposa.

"Christian, nós vamos investir uma porrada de dinheiro nos próximos minutos para um estaleiro em Taiwan! Os empresários estão aqui!  Estamos tentando economizar mais de US $ 100 milhões de dólares a partir deste acordo; você não pode explodir esta reunião , que temos  cuidadosamente trabalhado para organizar, por mais de 10 meses!" Ros late.

"Sim, Ros. Eu sei!" Eu rosno para ela com raiva. Eu não preciso dela para me lembrar. Eu já investi centenas de horas, incontáveis ​​reuniões e milhares de empregos dependem disso.

"Sinto muito, baby...  Eu posso estar lá em cerca de três horas. Tenho negócios.  Preciso terminar aqui. Eu vou voar para lá. Tenho uma reunião com alguns caras lá de Taiwan. Eu não posso expulsá-los. É um negócio que estivemos elaborando durante meses." Anastasia está silenciosa do outro lado do telefone, como se ela estivesse tentando digerir a informação.

"Eu vou sair assim que eu puder."

"Tudo bem,” ela sussurra, pesarosa. Sua aquiescência é uma facada no meu coração. Eu quero estar lá para ela. Eu sou o marido dela e ela precisa de mim. Estou falhando com ela. Merda!

"Oh, baby,” eu sussurro no meu Blackberry.

"Eu vou ficar bem, Christian. Fique à vontade. Não se apresse. Eu não quero me preocupar com você também. Voe com segurança. "

"Eu vou.”

"Eu amo você."

"Eu também amo você, baby. Eu estarei com você assim que eu puder. Mantenha Luke perto,” eu ordeno.

"Sim, eu vou."

"Eu vejo você mais tarde."

"Tchau,” diz ela desligando.

Os olhos de Taylor encontram os meus. "O pai de Ana sofreu um acidente de carro."

"Merda!" Escapa dos lábios de Taylor.

"Exatamente!"

"Vamos cancelar esse encontro..." Eu murmuro. Ros se vira para mim imediatamente.

"Sr. Grey, eu imploro. Por favor, esses caras são empresários astutos e você sabe disso. GEH vai repartir entre US$ 3 -400.000.000 dólares para este estaleiro na próxima hora ou algo assim. Você é o nosso melhor negociador.  Sinto muito sobre o pai da Sra. Grey, mas não apenas milhares de postos de trabalho dependem deste negócio, mas GEH depende deste negócio. Se você estiver disparando com todos os seus pistões, você pode nos economizar cerca de cem milhões de dólares,” ela sussurra com fervor.

"Eu sei disso Ros! Eu estou aqui, vamos fazer esse negócio!" Eu sibilo ameaçadoramente. Ela não precisa me ensinar o meu negócio.

"Obrigada,” ela suspira seu alívio.

Quando entramos na sala, os convidados foram  bem  servidos. Warren, Sam e três diretores de alto nível do departamento financeiro já estão lá na sala de reuniões. Taylor toma seu lugar no canto da sala, onde ele pode ter todos sob seus olhos. Nosso tradutor Andy Liu se levanta com o resto do grupo. Embora os empresários falem Inglês muito bem, eu prefiro ter o meu próprio tradutor, apenas para o caso de eu precisar ser avisado de um acordo de contadores entre eles, bem como prevenir um passo errado cultural que qualquer um de nós pode cometer. 

"Sejam bem vindos à Grey House, senhoras e senhores. Espero que sua viagem a Seattle tenha sido agradável. É bom ver todos vocês cara a cara. Para aqueles de vocês que não me conhecem, eu sou Christian Grey, e este é o meu sócio  Ros  Bailey," Eu digo sorrindo e estendendo minha mão, enquanto eu faço o meu circuito ao redor da mesa.   

"Sr.Grey," se curva ligeiramente  o homem magro de cabelos grisalhos com óculos. "Eu sou Lee Chou. Possuo os estaleiros em Taipei e Keelung. Este é Lung  Shyn,”  ele aponta um homem mais jovem na casa dos trinta. "Jian  Hsieh é o meu Diretor Financeiro,” ele aponta um homem extremamente alto, com um rosto muito jovem, mas eu suspeito que ele  também está na casa dos trinta." Una  Zhang é a gerente do porto,” ele aponta para a única mulher do grupo. Ela olha para mim, pisca e timidamente abaixa o olhar quando ela estende sua mão.   

"E o meu nome é Charlie  Koahsiung . Sou o consultor empresarial,” diz o homem bem tonificado que  possivelmente pratica artes marciais  pela aparência de seu corpo  e  seus movimentos graciosos. Ele parece estar  na casa dos quarenta. Ele também é o único que fala Inglês com um sotaque americano.  

No meu caminho para o meu lugar, eu viro para o primeiro homem que eu fui apresentado, e  digo  "Sr. Shyn, eu não ouvi a sua posição na companhia do Sr. Chou," eu digo tanto lhes mostrando que me lembro de seus nomes  como que as informações prestadas são retidas. A informação é desnecessária, é claro, porque  eu já fiz a verificação de antecedentes sobre cada pessoa na reunião. Ele é o gerente do estaleiro em Taipei  e o homem com a maioria das conexões em todo o país de Taiwan  sempre que diz respeito a construção naval. Ele é um grande trunfo.  
  


"Desculpe-me,  Sr. Grey. Eu sou o gerente de estaleiro em Taipei,”  diz ele, curvando-se levemente. 

"Isso significa que a Srta. Zhang é a gerente do porto em Keelung. Por favor, sentem-se,”  eu digo acenando com a cabeça, e  mostro-lhes seus lugares.  

O Sr.Chou olha para mim com expectativa.  

"Sr.Chou, meus companheiros, e os nossos engenheiros examinaram os planos de seus estaleiros e  examinaram as qualificações do atual mercado de trabalho. Depois de considerar o tamanho do seu cais,  cranage ,(N.T. Um pedágio pago para transportar mercadoria por gruas dos navios para o cais),  a doca seca,(N.T. graving dock - uma grande doca, de onde a água pode ser bombeada para fora, usada para a construção de navios ou para a reparação de um navio abaixo da linha d'água), a rampa de lançamento, estamos prontos para fazer a nossa oferta. Estou ciente de que você já tem o seu conjunto de preços. Mas, considerando as perspectivas da economia global atual, e o fechamento dos portos e estaleiros em todo o mundo, trabalhadores  demitidos , apreciará a posição da minha empresa em pedir a negociação de seu preço estabelecido,” eu começo. Eu sei que ele está pronto a demitir 500 funcionários, e o estaleiro vai exigir cerca de US $ 100 milhões de dólares em investimentos para atualizá-lo, para preencher os requisitos das normas da minha empresa.  

"Sr.Grey, temos uma dos maiores cais em Taiwan, de 1600 metros. Ambos os nossos estaleiros têm um de  150 toneladas, três de 60 toneladas, um de 10 toneladas, um de 40 toneladas e dois de 20 toneladas de  cranage. Ambos os estaleiros estão equipados para fazer novas construções e reparos. Nosso preço é muito justo, eu garanto,” diz  Jian  Hsieh. 

"Sr.Hsieh, eu tenho uma cópia das especificações e tenho conhecimento do equipamento existente em ambos os seus estaleiros navais, desde o início de nossas negociações. No entanto, nós queremos usar o estaleiro para fazer o acabamento e para construir os cascos. Adquirir mais do que o que nós precisamos é um desperdício de recursos, como você verá.  Eu só quero o que a minha empresa precisa;  estaleiro  com o mais adequado para as nossas necessidades.” 

"Nós sabemos que GEH está com necessidade de  uma grande força de trabalho com capacidade de montagem de um navio e construção dos cascos. Eu lhe asseguro Sr. Grey, que o que estamos oferecendo não é excessivo, mas necessário,” diz Koahsiung.

"É verdade que devemos  ser capazes de utilizar o equipamento saindo no estaleiro, no entanto,” acrescenta meu braço direito Ros, "O que você está oferecendo ainda não é um ajuste perfeito, Sr.Koahsiung. Precisamos de uma força de trabalho bem qualificada de 16.000, e você quase não tem isso. Treiná-los para o que precisar vai levar tempo e temos encomendas a cumprir."

"Sim, mas você vai economizar um monte de dinheiro com o seu $ 343 milhões da folha de pagamento em dólares. Nós estimamos que o custo de sua folha de pagamento cairá para $ 216,000,000 de dólares ,” diz Miss Zhang.

Ros sorri com conhecimento de causa, e senta-se para trás em sua cadeira, com confiança, com os braços cruzados.

"Srta. Zhang, seus números são enganosos. Você está falando sobre a folha de pagamento de 16.000 bem treinados, bem qualificados funcionários americanos, que atendem e superam nossos padrões rigorosos. Considerando que eles vivem em uma área com maior custo de vida, espera-se de nós pagarmos  $ 343.000.000 de dólares na folha de pagamento. Nós empregamos mais de 40.000 pessoas em todo o mundo. Eu sei o custo da nossa folha de pagamento até a fração de um centavo. No entanto, o que você está nos oferecendo são 8.768 funcionários civis cujas qualificações ainda estão para ser comparadas com o que precisamos, e o valor da folha de pagamento que você sugere é 216 milhões dólares, que é muito além do que eu quero  pagar pela metade do número de empregados cuja produtividade ainda está para ser determinada,” Ros responde arqueando as sobrancelhas.

"Srta. Bailey,” diz o mais velho Chou. Olhando para Miss Zhang repreensivamente, acrescenta, "Miss Zhang falou fora de hora. Perdoe sua juventude e entusiasmo. Nós calculamos o valor da folha de pagamento levando em conta os empregados que se implanta no estaleiro. Claramente, o custo da nossa folha de pagamento é muito menor para os funcionários de Taiwan, que também são bem qualificados em seu ofício...” continua ele.

Minha mente voa de volta para Anastasia. Eles já chegaram a OSHU? Espero que ela não esteja instruindo Sawyer para acelerar. Conhecendo Anastasia, isso é exatamente o que ela faria. Espero que Ray  não esteja  gravemente ferido. Eu não sei como Anastasia levaria isso. Isso iria devastá-la completamente. De repente, eu me preocupo com a minha esposa da pior maneira. Eu quero enviar-lhe um texto, pelo menos, mas eu tenho que manter o foco na reunião. Milhares de empregos e milhões de dólares estão em jogo. Eu sinto Ros me chutar levemente com seus saltos altos Louboutins por debaixo da mesa para chamar minha atenção.

Chou e resto do seu grupo estão olhando para mim com expectativa.

"Warren é nosso CFO. (N.T. Diretor Financeiro). Ele pode responder melhor essa pergunta,” responde Ros.

"Eu certamente posso,” Warren diz confiante. "Dada a atual economia e o estado da indústria de transporte como um todo, nós gostaríamos de oferecer-lhe 200 milhões de dólares pelo estaleiro em Taipei. Dessa forma, você não precisa dispensar os  500 funcionários que agendou demitir no próximo mês. Dadas as circunstâncias, você será forçado a dispensar outros 15% de seus funcionários no próximo ano. Isso são cerca de 1.240 funcionários. A produtividade e a qualidade com certeza vão diminuir, ou você vai ser forçado a eliminar algumas de suas operações. A perspectiva não é positiva de todo...” diz ele olhando para cada um deles com gravidade. As faces estão tensas. Sr.Chou se mexe em sua cadeira desconfortavelmente, tendo algo sido dito em voz alta, que ele sabia o tempo todo.


"Sr.Chou, " eu digo olhando o digno proprietário do estaleiro me sentando na metade da minha cadeira. "Eu quero ser justo com você e sua empresa, que você trabalhou muito duro para criar. Há algumas coisas que eu respeito; uma delas é um trabalho duro. Você e seu grupo parecem ter feito sua lição de casa muito bem, como nós. Vamos todos cortar as merdas aqui,” eu digo em um tom sério, não só porque eu quero sair, mas eu quero que este homem chegue a um acordo justo, enquanto minha empresa economiza dinheiro. Eu vejo meu tradutor Andy Liu endurecer em seu assento como se ele tivesse engolido alguma coisa desagradável. 

"Nós garantimos a nossa mão de obra..." começa Charlie Koahsiung com confiança, mas eu o interrompo.

"Charlie, você não está em posição de garantir a mão de obra de ninguém  e muito menos dos empregados do Sr. Chou. Você é um consultor de negócios que foi contratado para este negócio, e este negócio apenas. Qualquer pessoa pode tomar um saco de merda e bater uma garantia sobre ele. Essa garantia  é tão boa quanto o homem que a está fornecendo. Desde que você está aqui em uma base de assessoria empresarial por hora, a sua garantia é discutível, e nem vale o saco de merda que eu acabei de mencionar... " Eu digo focando a intensidade do meu olhar sobre ele, prendendo-o no seu lugar. Ele imediatamente silencia. Eu sento no meu lugar, e foco o proprietário.

"Sr.Chou, o meu grupo e o seu grupo podem aconselhar-nos para lá e para cá durante todo o ano. Mas no final,  sou eu quem toma a decisão, no meu grupo, e você é o tomador de decisão no seu. Minha oferta final é de $ 245 milhões  de dólares, e eu vou manter os 500 funcionários que você está planejando demitir. Dessa forma, você ficará melhor aos olhos de seus funcionários como um empregador honrado que vendeu seu negócio para manter todos os empregados, em vez de colocar gradualmente todo mundo fora e derrubar o negócio. Com o lucro que você conseguir, você pode melhorar e manter suas outras operações do estaleiro seguindo em frente.  Vejo duas vantagens nisso:  Um) Você e eu podemos fazer negócios em longo prazo, estabelecendo confiança um no outro hoje.  Dois) Seus funcionários e os meus permanecerão empregados nestes tempos difíceis, e os restantes US $ 100 milhões me dão alguma alavancagem para estabelecer uma base de folha de pagamentos e tocar o estaleiro até os códigos americanos e exigências da minha empresa. O que você diz da minha proposta?"  Eu digo dirigindo o meu sincero pedido apenas ao proprietário.

Hsieh começa a falar em mandarim para Chou em fogo rápido. Meu tradutor está perto o suficiente para captar tudo e ele está repetindo no meu ouvido através de um rádio.

Ele está dizendo para ele que se nós negociarmos  mais eles podem eventualmente espremer mais outros US $ 100 milhões porque a GEH precisa desse estaleiro desesperadamente.

"Bi zui! () ,” (N.T. Cale a boca!)  diz Chou firmemente, com os olhos em chamas e a intensidade de sua raiva é dirigida para seu CFO.  Ele parece desapontado. Ele inclina a cabeça para Chou.

"Sr.Grey, sua conversa sincera me impressionou de uma maneira que eu não esperava de um jovem empresário como você,” diz ele em um inglês muito claro, mas com sotaque.

"Eu aceito a sua oferta desde que você me dê sua palavra, por escrito, que você não vai demitir os empregados existentes, mas mantê-los treinados para suas necessidades. O dinheiro que você deve estar economizando deve ser suficiente para proporcionar isso.  Sua folha de pagamento,  como indicamos a você, vai economizar bem mais de US $ 100 milhões de dólares, o que deve fornecer-lhe a poupança que você está procurando. Eu prometo que você terá a produtividade que irá corresponder e superar suas necessidades. E como é que eles dizem isso em Inglês... ” diz ele torturando seu cérebro. "Ah, sim. E isso não é merda!” Acrescenta sorrindo, finalmente, encontrando a expressão correta em inglês que ele queria transmitir, fazendo todos rirem.

Depois que os papéis são assinados, e os sócios taiwaneses são enviados em seu caminho, meu rosto sombrio retorna enquanto Taylor se apressa para o Boeing Field-King County Airport, onde Charlie Tango está sendo preparado para o vôo.

"Sr.Grey? Estou correto em supor que a viagem de Nova York está cancelada?"

"Sim,” eu digo distraidamente. "Sim, parece que sim. Você já falou com Sawyer?"

"Sim, senhor.  Sr.Steele estava na sala de operação passando por uma cirurgia. É seguro assumir que a sua condição é grave. Eu também tinha tomado a liberdade de pedir a Andrea uma reserva para você e a Sra. Grey na suíte do Hotel Heathman, senhor."

Deixo escapar um suspiro exasperado depois de ouvir a condição de Ray. Estou preocupado com Anastasia. Como ela está lidando com isso? Ela está sozinha, e Sawyer está lá, mas isso é pouco conforto para aliviar seu stress. Eu deveria estar lá, segurando-a, cuidando dela, fornecendo todo o apoio que pudesse.

"José Rodriguez e seu pai também estão lá no hospital com a Sra. Grey," diz Taylor soltando a bomba.

"Mas que diabos? Por que eles estão lá? Ana chamou-os para prestar seu apoio?"

"Não. Eles já estavam no hospital quando a Sra. Grey e Sawyer chegaram. Aparentemente, eles também estavam envolvidos no acidente. Sr. Rodriguez Pai também sofreu ferimentos embora não tão ruins quanto o Sr. Steele." Eu aceno com a  cabeça, mal contendo a mim mesmo.  José Jr. esteve reconfortando minha esposa enquanto eu estava trabalhando em um negócio; um negócio essencial, mas um negócio, no entanto. Eu odeio a idéia das mãos de José sobre Anastasia.  

"Sawyer sabe o que aconteceu?"

"Ele não sabe muito, porque ele me chamou quando ele foi pegar uma xícara de chá para a Sra. Grey. Mas ele disse que o Sr. Rodriguez Pai teve um pulso quebrado e um tornozelo. E porque eles foram atingidos do lado do passageiro do veículo, por um motorista bêbado, o Sr.Steele recebeu a maioria das lesões já que ele estava sentado no banco do passageiro. "

"Como está Ana?"

"Perturbada,” diz ele simplesmente.

"Merda!"
*****  *****


O vôo para Portland pareceu muito longo, mesmo embora eu tenha gostado de ter Charlie Tango de volta em serviço. Eu teria gostado mais se não fosse sob condições estressantes. Após desembarcar e proteger Charlie Tango, Taylor me leva para o SUV esperando e não tem que ser dito a ele duas vezes para ir rápido para OHSU.

"Dependendo da condição do pai de Ana, pode ser necessário para nós ficar em Portland por um tempo. Eu sei que você reservou uma suíte no Heathman, mas eu preciso de você para fazer os preparativos necessários  para nos acomodar, pelo menos, pela duração deste fim de semana. Eu ainda vou instruí-lo mais, uma vez que receba uma imagem mais clara da saúde do Sr. Steele. Mandei-lhe um e-mail do carro no caminho até o aeroporto com as instruções do que eu preciso que você  faça para mim."

"Como quiser, senhor," Taylor responde enquanto ele cuidadosamente faz  a volta na entrada de emergência do hospital.

"Deixe-me na frente, em seguida, encontre Sawyer e informe-o de minhas instruções.”

"Sim, senhor."

Eu ando pela entrada de emergência do hospital, e localizo a enfermeira da admissão, que está ocupada com um paciente do andar. Eu olho para o meu relógio, são 14:13h. Com mais um olhar, encontro a mesa da recepção.

"Senhorita,” eu digo recebendo atenção da outra enfermeira.

"Sim,” ela diz com firmeza, em seguida, seu tom de voz muda para um suave, excessivamente amigável. "S... sim. Como posso ajudá-lo, senhor?"

"Estou à procura de um paciente chamado Raymond Steele."

"Você é a terceira pessoa a perguntar por ele. Ele está na sala de cirurgia, no terceiro andar. Verifique com o posto de enfermagem, quando você chegar lá, por favor. Os elevadores estão ao virar da esquina. Vire à direita, pela porta dupla,” diz ela tremulando os cílios.

"Obrigado."

O elevador já tem outros ocupantes quando eu entro. Cumprimento com a cabeça os outros passageiros, enquanto eu aperto o botão do  3 o. andar. Ele lentamente faz o seu caminho para cima, e eu juro que parece que pára em cada metade do andar. No terceiro andar o número acende e as portas do elevador deslizam abertas lentamente, eu saio rapidamente e localizo o posto de enfermagem.

"Posso ajudar... Quero dizer, como posso ajudá-lo, senhor?” Pergunta uma enfermeira curiosa.

"Sim, eu estou procurando Ray Steele e os membros da família que estão esperando por ele."

"Oh...  O Sr. Steele ainda está em cirurgia em OR-4. Ele esteve aqui durante as últimas cinco horas. Um médico deve estar saindo e informando os familiares sobre a sua condição em breve. Se você passar por aquela porta ali, você estará entrando na sala de espera. Como você pode ver é marcado SALA DE ESPERA no topo. Sua filha foi para lá mais cedo."

"Obrigado por sua ajuda,” eu digo educadamente.

"Claro... O prazer foi meu."

Eu me encaminho para a sala de espera com passos seguros na esperança de encontrar minha esposa lá. Eu abro rapidamente a porta, e meu olhar varre a sala para encontrar Ana curvada em uma cadeira de plástico, com a mão na mão de José, e ela parece estar vestindo seu casaco. Agora não é o momento de expressar a minha discordância com o que vejo. Todo mundo levanta os olhos e Anastasia salta com alívio. 

"Christian,” ela suspira meu nome, como se estivesse proferindo seus agradecimentos a Deus. Eu rapidamente me encaminho, e ela fecha a distância pulando rapidamente para os meus braços. Eu a envolvo em meus braços com força e meu nariz está em seu cabelo, inalando seu perfume. Seu corpo tenso relaxa e acalma imediatamente, logo depois que eu a abraço. Saber que eu tenho esse efeito sobre a minha esposa me agrada infinitamente.

"Alguma novidade?" Eu pergunto. Ela balança sua cabeça, em resposta; por uma vez ela está sem palavras, incapaz de falar.

"José,” eu aceno-lhe a minha saudação.

"Christian, este é o meu pai, José Senior.”

"Sr.Rodriguez... nós nos conhecemos no casamento. Presumo que estavam no acidente, também? "

"Sim, nós estávamos,” responde José.  "O pai de Ana, meu pai e eu estávamos em uma viagem de pesca para Astoria, e algum porra de motorista bêbado estava fora de si às sete horas da manhã! Não tenho nenhuma lesão além de um par de costelas machucadas e uma batida na cabeça. Mas o meu pai quebrou o pulso e tornozelo. Mas o dano real foi para o lado do passageiro, e... ” diz ele engolindo, olhando para Anastasia, "bem, Ray estava sentado no lado do passageiro. Os médicos vieram e o levaram para o hospital da comunidade em Astoria, e acabaram por transportar Ray aqui, por via aérea. Ele está na sala de cirurgia há algum tempo, mas ninguém apareceu para nos dar qualquer notícia ainda."

"Vocês dois estão bem o suficiente para estarem aqui?" Eu pergunto.

"Nós não queremos estar em nenhum outro lugar,” José Pai responde com uma voz calma, triste. Concordo com a cabeça. Ele está claramente muito preocupado com seu amigo. Eu pego a mão de Anastasia e sento-a e sento-me ao lado dela.

"Você já comeu?" Pergunto a Anastasia.

Ela balança a cabeça negativamente.

"Mas você está com frio?" Pergunto olhando a jaqueta de José.

Ela balança a cabeça afirmativamente. Eu me mexo na minha cadeira desconfortável, não gostando da idéia de jaqueta de outro homem cobrindo seu corpo, mas, dadas as circunstâncias, eu não digo nada.

A porta se abre e um jovem médico em scrubs azuis brilhantes entra. Ele deve ter sido um dos médicos que fizeram a cirurgia, porque ele parece muito cansado e angustiado. Anastasia pula em pé, com o rosto pálido.

"Ray Steele," ela sussurra o nome de seu pai, sua voz implorando por uma boa notícia. Eu estou ao lado de minha esposa, e coloco meu braço em volta da sua cintura.

"Você é seu parente mais próximo?” Pergunta o médico como se ele estivesse esperando pelas apresentações. Seu olhar avalia minha esposa com seus brilhantes olhos azuis, quase da cor de seu uniforme. Ele é um homem alto, de boa aparência, que acabou de realizar uma cirurgia, mas agora está todo esmerado procurando um vislumbre da minha esposa.

"Eu sou sua filha, Ana.”

"Srta. Steele," ele começa. Em seus sonhos, filho da puta, eu não sou irmão dela. Ela é minha, minha esposa!

"Sra. Grey," eu o corrijo.  Anastasia endurece em meus braços, os olhos brevemente atirando punhais para mim. Não há nada de errado com a declaração de meu território. É uma reação instintiva.

"Minhas desculpas,” gagueja o médico. Claro que ele gagueja, porque ele estava olhando uma perturbada familiar que está de pé nos braços de seu marido. "Eu sou o Doutor Crowe. Seu pai está estável, mas em estado crítico,” ele explica. Eu imediatamente sinto toda a força drenar dos membros de Anastasia, e ela cede em meus braços. Eu a seguro firmemente para evitar que ela caia no chão.

"Ele sofreu graves lesões internas, principalmente, no seu diafragma, mas conseguimos repará-las, e nós fomos capazes de salvar o seu baço.  Infelizmente, ele sofreu uma parada cardíaca durante a operação por causa da perda de sangue. Conseguimos que seu coração funcionasse de novo, mas esta continua a ser uma preocupação. No entanto, a nossa maior preocupação é que ele sofreu contusões graves na cabeça, e a MRI da ressonância magnética mostra que ele tem um inchaço em seu cérebro. Nós o temos num coma induzido para mantê-lo calmo e quieto enquanto nós monitoramos o inchaço do cérebro.

Anastasia está completamente fora de si. Ray vai ter dano cerebral? Ela é incapaz de expressar seus medos novamente.

"É procedimento padrão para estes casos. Por enquanto, só temos de esperar para ver."

"E qual é o prognóstico?" Pergunto friamente.

"Sr.Grey, é difícil dizer no momento. É possível que ele possa ter uma recuperação completa, mas está nas mãos de Deus agora.”

"Quanto tempo você vai mantê-lo em coma?"

"Isso depende de como o cérebro responde. Geralmente de 72 a 96 horas."

Anastasia permanece em silêncio até o momento, ouvindo o intercâmbio entre o médico e eu, finalmente capaz de sussurrar seu pedido.

"Posso vê-lo?"

"Sim, você deve poder vê-lo em cerca de meia hora. Ele foi levado para a UTI, no sexto andar. "

"Obrigado, Doutor,” dizemos os dois ao mesmo tempo, e ele balança a cabeça e volta-se para nos deixar.

"Bem, ele está vivo,” sussurra Anastasia. Mas desta vez, minha esposa forte começa silenciosamente a chorar com o peso de sua angústia.

"Sente-se," Eu ordeno-lhe baixinho.

"Papa, eu acho que devemos ir. Você precisa descansar. Nós não saberemos nada por um tempo,” diz José murmurando para seu pai, que só consegue olhar para ele com uma expressão vazia. "Podemos voltar esta noite, depois de ter descansado. Tudo bem, não é, Ana? " Ele se vira para a minha esposa e pergunta a ela em um tom de súplica.

"Claro,” responde Anastasia.

"Você vai ficar em Portland?" Eu pergunto. José Rodriguez concorda.

"Você precisa de uma carona para casa?"

Ele franze a testa antes de responder. "Eu estava indo chamar um táxi."

"Luke pode levá-lo,” eu digo e Sawyer se levanta. José parece confuso por um minuto como se ele acabasse de conhecê-lo.

"Luke Sawyer," Anastasia esclarece.

"Oh... Claro. Sim, nós apreciaríamos. Obrigado, Christian .”

Anastasia se levanta e abraça José Senior e José Junior em rápida sucessão.

"Fique firme, Ana,” diz José sussurrando no ouvido da minha esposa. "Ele é um homem apto e saudável. As probabilidades estão a seu favor. "

"Espero que sim,” responde ela distraída, e abraça José forte. Em seguida, ela o libera, e encolhendo os ombros tirando sua jaqueta, ela entrega-a de volta para ele.

"Fique com ela, se você ainda está com frio."

"Não, eu estou bem. Obrigada,” ela responde olhando para mim nervosamente. Eu olho para ela, impassível, e, em seguida, pego a mão dela. Eu tenho um casaco, ela pode pegar o meu.

"Se houver alguma mudança, eu vou deixar você saber logo,” diz ela. Em seguida, José empurra a cadeira de rodas de seu pai na direção da porta que Sawyer está mantendo aberta.

Sr. Rodriguez levanta a mão em um gesto de despedida e aborda Anastasia, com a voz embargada: "Ele vai ficar nas minhas orações, Ana. Tinha sido muito bom me reconectar com ele depois de todos esses anos. Ele se tornou um bom amigo."

"Eu sei."

Em seguida, eles saem. Somos apenas nós dois na sala de espera. Eu acaricio a bochecha de Anastasia.

"Você está pálida.  Venha aqui.” Sento-me e puxo minha esposa no meu colo, e envolvo-a em meus braços novamente. Ela enrola-se contra mim, e se aconchega. Eu lentamente e gentilmente acaricio seu cabelo e seguro a mão dela.

"Como foi com Charlie  Tango,” ela pergunta, distraidamente.

Eu sorrio. "Oh, ela foi ‘yar’,” eu respondo secretamente orgulhoso de sua aparência nova e melhorada. Ela sorri, então, olha para mim, confusa.

"Yar?” ela pergunta. (N.T. Yar – ótima)

"É um bordão do Philadelphia Story. Filme favorito de Grace."

My she was yar – the Philadelphia Story

"Eu não conheço."

"Eu acho que tenho em Blu-Ray em casa. Podemos vê-lo e dar uns amassos." Eu me inclino e beijo seu cabelo e sorrio para ela mais uma vez. Ela está silenciosa, mas sorri de volta para mim.

"Posso persuadi-la a comer alguma coisa?" Eu pergunto. É difícil para mim vê-la completamente perturbada, com frio e com fome.

Seu sorriso desaparece. "Agora não. Eu quero ver Ray em primeiro lugar."

Estou sem rumo. Meus ombros caem, mas eu não quero pressioná-la à luz do seu stress.

"Como foram os taiwaneses?"

"Receptivos,” eu respondo resumido, uma vez que o Sr.Chou concordou com meus termos, quando eu consenti com as suas exigências.

"Como receptivos?"

"Eles me deixaram comprar seu estaleiro por menos que o preço que eu estava disposto a pagar."

"Isso é bom?” ela pergunta.

"Sim. Isso é bom. "

"Mas eu pensei que você tinha um estaleiro, por aqui."

"Eu tenho. Nós vamos usar isso para fazer o arranjo. Construir os cascos no Extremo Oriente. É mais barato."

"E sobre a força de trabalho no estaleiro aqui?” Ela pergunta preocupada com meus funcionários já existentes. Estou fazendo isso para que eu não tenha que colocar alguém para fora, cortando os custos e despesas. Materiais mais baratos, mão de obra mais barata, e nós vamos fazer o trabalho mais complicado no estaleiro aqui.

"Vamos reorientar. Devemos ser capazes de manter as redundâncias ao mínimo,” eu digo tranquilizando-a e beijo seu cabelo.

"Vamos ver como está Ray?" Pergunto com uma voz suave, ela acena com a cabeça em silêncio.

*****  *****
Há quatro pacientes na UTI, cada um alojado em sua própria área separada, de alta tecnologia. Anastasia e eu andamos até o final para localizar Ray. Quando finalmente estamos autorizados a ver Ray na UTI, os olhos temerosos de Anastasia olham a austera ala estéril, dinâmica, com monitor cardíaco, monitor de ICP, ventilador, drenagem de urina, restrições de tecido, fluidos Intra Venosos, drenagem torácica e outros equipamentos para monitorar constantemente as suas funções corporais, cada um trabalhando em seu próprio ritmo programado, quase dando um testemunho de manter Ray vivo com seus bips constantes mostrando sua freqüência cardíaca e o monitor exibindo as quedas e picos, nos dizendo que ele está vivo e com a gente, mesmo se ele está em coma induzido. Anastasia é imediatamente sobrecarregada com todos os equipamentos médicos e máquinas mantendo seu pai vivo, possivelmente, sabendo que sem eles, ele não estaria com a gente.

Ela faz uma varredura e para em seu pai deitado na cama, em silêncio, segurando-se em sua vida, parecendo tão pequeno nesta grande cama. Seus olhos se arregalam, sua boca cai aberta e ela está em estado de choque. O tubo endotraqueal em sua boca está lá para ajudá-lo a respirar, e vários fluidos em tubos de gotejamento estão alimentando seu corpo através de uma agulha em cada braço através de um tubo IV e um tubo A e outros tubos que não consegui identificar. Há um oxímetro de pulsação em seu dedo, monitorando a saturação de sua hemoglobina, e por consequência, seu nível de oxigênio no sangue.

Os olhos de Anastasia ampliam ainda mais quando ela percebe o grande curativo que desaparece sob o lençol cobrindo seu corpo. Um gemido escapa de seus lábios, quando tudo se encaixa: ele está em um ventilador, ajudando-o a respirar, para permanecer vivo enquanto ele luta por sua vida. Ray está fora, mas ele não se parece com dor; ele parece em paz, como se ele dormisse.

Nós finalmente notamos uma pequena jovem enfermeira loira verificando seus monitores que indicam seus sinais vitais.

"Posso tocá-lo?" Anastasia pergunta a enfermeira, hesitantemente alcançando sua mão, mas não tocando-o; pedindo permissão da enfermeira.

"Sim,” responde a enfermeira sorrindo gentilmente. A jovem, enfermeira loira artificial, está na casa dos vinte e seu crachá mostra KELLIE RN. Ela olha para a minha mulher com olhos castanhos compadecidos.

Meus olhos estão fixos em minha esposa. Sua aflição, preocupação, angústia é uma renovada facada no meu coração. Eu nunca a vi assim. Eu estou no pé da cama, e Ana cuidadosamente segura a mão de Ray. No momento em que ela toca a mão indiferente, ela desmorona; caindo em uma cadeira ao lado da cama, colocando a cabeça levemente no braço de seu pai, e começa a soluçar.

"Oh, papai. Por favor, melhore. Por favor," ela sussurra suas preces. Eu fecho a curta distância entre nós e alcanço a minha esposa. Quero abraçá-la, confortá-la, mas ela precisa de conexão com seu pai. Eu coloco a minha mão no ombro dela, dando-lhe um aperto tranqüilizador, indicando a ela que eu estou aqui por ela.

"Todos os sinais vitais do Sr. Steele são bons,” a enfermeira lhe garante calmamente.

"Obrigado,” murmuro automaticamente minha resposta. A enfermeira olha para mim e fica boquiaberta depois de dar uma boa olhada em mim.

"Ele pode me ouvir?" Anastasia pergunta.

"Ele está em sono profundo. Mas quem sabe?"

"Posso sentar um pouco?"

"Com certeza," a enfermeira Kellie responde corando.

Eu me inclino para baixo para Ana, ignorando tudo e todos na sala:  "Eu preciso dar um telefonema. Estarei lá fora. Vou lhe dar um tempo sozinha com seu pai,” eu digo. Ela acena com a cabeça. Eu beijo o cabelo de minha esposa e saio da sala.

Minha raiva está crescendo aos trancos e barrancos para o filho da puta que colocou Ray em coma assim. Ele precisa ser preso, e não ver a luz do dia novamente.

Eu pego meu Blackberry, e disco.

"Alô?” Responde minha mãe. Eu tomo uma respiração profunda.

"Oi mãe,” eu respondo com angústia na minha voz.

"Christian, o que há de errado, querido? Ana está bem? "

"Sim, Anastasia está bem, mas seu pai teve um acidente. Ele foi atingido por um motorista bêbado. Ele está na UTI, no OHSU, aqui em Portland. "

"Portland? Você está em Portland? "

"Sim, ele foi trazido aqui."

"Oh, querido! Sinto muito! "

"Eu estou lhe chamando para ver se você conhece algum médico especializado em lesões internas. Seu cirurgião falou sobre possível inchaço em seu cérebro. Eu quero o melhor médico para o seu cuidado, mãe. Minha esposa está completamente transtornada."

"Vou ligar para alguns dos meus colegas e ver o que posso fazer em termos de obter-lhe os melhores médicos para seu tratamento. Na verdade... espere, eu tenho uma amiga na OHSU que pode ser perfeita. Eu estagiei com ela, e sei que suas habilidades são superiores.”

"Se ela é tão boa quanto o que você está dizendo, eu preciso dela para ser designada para o caso de Ray. Quanto mais cedo, melhor. "

"Vou entrar em contato com ela assim que eu desligar de você. Eu vou para aí e falar com seus médicos, e olhar sobre seu prontuário esta noite, querido."

"Eu vou enviar um texto para Andrea reservar os voos."

"Você não precisa fazer isso, Christian. Ana é como minha própria filha. Eu quero ir. Eu estarei junto. Deixe-me chamar minha amiga, então eu vou avisar seu pai e partirei.”

"Obrigado, mãe! Eu realmente aprecio isso. Oh, mãe!" Eu digo com angústia.

"O que é isso querido?"

"Eu nunca vi Ana assim... tão destroçada, tão magoada, eu não sei o que fazer."

"Basta estar lá para ela, querido. Eu estive em quartos de hospital pela maior parte da minha vida. Ela precisa do seu amor e apoio, mesmo se você só a segurar, isso seria uma grande ajuda. Ela só precisa saber que, se ela cair, você está lá para segurá-la."

"Obrigado, mãe. Vou ligar para o pai para olhar para os informes da polícia sobre o acidente."

Meu pai, que é terminantemente contra a embriaguez ao volante, como eu, está furioso. Ele promete verificar os registros da polícia amanhã.

Então eu chamo Taylor.

"Onde está você?"

"No aeroporto. Eu vou voar de volta com Stephan para Seattle, nos próximos 20 minutos.”

"Você teve tempo para fazer o que eu pedi?"

"Sim, senhor. Eu comprei os itens necessários, e eles já estão entregues na sua suíte. Você pode pegar suas chaves no balcão. Organizei para que o presente da  Sra. Grey seja entregue em um dos concessionários em Portland, para que possamos buscá-lo lá. Também estou organizando o resto dos itens em sua lista, senhor.  Stephan e Beighley estão de prontidão esperando sua ordem para voar para a Geórgia depois de dar-lhes o ‘vão em frente’. Andrea está fazendo os arranjos comerciais a serem atendidos em sua ausência. Gail embalou os itens que você pediu para economizar tempo. Eu tenho cerca de dois outros itens deixados na lista. Eu posso dirigir de volta mais tarde, de noite, se quiser.”

"Não. Fique em Seattle hoje. Sawyer está aqui. Eu vou ter uma idéia melhor dos meus planos amanhã, de qualquer maneira. Eu vou informar você antes de sair de Seattle."

"Sim, senhor."

Eu desligo e volto para o posto de enfermagem. As três enfermeiras ocupadas com diversas tarefas no posto olham todas para cima quando me aproximo, e cada uma tem a mesma expressão cativada no rosto.

"Posso ajudá-lo, Sr. ???  Desculpe-me, eu  não  peguei o seu nome antes. Seu paciente é o Sr. Steele, certo? " Pergunta a Enfermeira Kellie.

"Sim,” eu respondo.

"Eu vou levar a minha mulher para comer alguma coisa e descansar um pouco. Ela teve um dia difícil. Vou deixá-las com os nossos números de telefone celular. Caso haja alguma mudança em sua condição, por favor, peça a alguma enfermeira responsável para nos chamar.”

Eu escrevo os nossos números de telefone celular no meu cartão de visita, e entrego-o para a enfermeira. Ela olha para baixo para ver o nome, e quando ela vê "Christian Grey" na frente, seus olhos se arregalam.

"Sim, claro, Sr. Grey," ela responde atordoada. As outras duas enfermeiras a olham  com suas bocas abertas. Então eu caminho de volta para a UTI de Ray e abro lentamente a porta. Anastasia está tranquila e conversando com seu pai. Eu fico na porta primeiro para não perturbá-la.

“... E estamos remodelando uma casa grande com vista para o Sound. Oh, papai, se você visse a vista... É um pedaço do céu. Teremos muitos encontros lá para que você possa nos visitar sempre que quiser. Eu sei que você pode achar que é um desperdício de dinheiro remodelar uma casa perfeitamente bem, mas queremos torná-la mais ecologicamente sustentável, mais ecológica. Ele vai ter uma parede de vidro para obter tanto quanto possível o máximo da vista para o mar. Também estamos construindo um grande pátio coberto. Vai ser lindo.  

E você sabia que o Christian tem uma casa em Aspen? Eu não sabia disso até recentemente, mas estávamos lá para o fim de semana, e tivemos um tempo maravilhoso. Meu marido é apenas um homem maravilhoso. Ele me surpreendeu, convidando-Kate e Elliott, e Ethan e Mia para ir junto com a gente. E...” diz ela sufocando sobre suas palavras. Eu me aproximo, mas eu ainda não quero perturbá-la, quebrando a sua ligação com seu pai. Eu sento no canto da cama.

“... E você pode ir lá com Christian para pescar, e você está convidado a levar o Sr. José Rodriguez e José com você também,” ela sussurra. Mas Ray não responde, ou dá qualquer indicação de que ele a ouve. "Disseram-me que a pesca é grande...” ela choraminga suas palavras suavemente.

O ventilador suga e expele ar, dentro e fora de Ray. Seu monitor do coração constantemente emite sinais sonoros como se para enunciar os seus batimentos cardíacos, para tranqüilizá-la. Um som reconfortante... Sentindo minha presença na sala, ela levanta os olhos.

"Oi,” eu digo suavemente. Meus olhos estão fixos em minha esposa, cheios de compaixão e preocupação.

"Oi,” ela sussurra sua saudação, respondendo.

"Então, eu vou pescar com o seu pai, o Sr. Rodriguez, e José?" Eu pergunto.

Ela balança a cabeça afirmativamente.

"Okay. Vamos comer. Deixe-o dormir.”

Ela franze a testa em desacordo.

"Ana, ele está em coma. Eu dei os nossos números de celulares para as enfermeiras aqui. Se houver qualquer mudança, elas vão nos chamar. Vamos comer,  ir para um hotel, descansar, e depois voltar esta noite."

Ela olha para mim cansada e balança a cabeça concordando. Dou-lhe um sorriso hesitante, e estendo minha mão para ela.

  
*****  *****

A suíte do hotel já foi reservada para nós, mas ainda temos de fazer check-in. Anastasia apenas fica perto de mim mole, cansada, e quase sem vida. Estou extremamente preocupado com ela. Quando eu finalmente abro a porta da suite, ela olha em volta reconhecendo. É a mesma suíte onde eu a levei quando ela chegou bêbada. Tem um monte de boas lembranças para mim. Ela fica na porta, completamente paralisada, imóvel. Mas seu rosto mostra recordação e carinho.

"Casa longe de casa,” murmuro com uma voz suave. Eu pego a mão dela e a puxo, em seguida, pego sua  maleta de mão e coloco-a sobre uma mesa ao lado de um dos sofás estofados.

Eu estou em uma situação onde eu não posso fazer as coisas endireitarem para ela. Eu quero fazer isso endireitar, eu quero ser capaz de curar seu pai. Dar-lhe paz de espírito, mas eu não sei o que fazer. Eu estou fora do meu elemento.

"Você quer uma ducha? Um banho? O que você precisa, Ana? " Pergunto olhando para ela. Eu quero fazer algo para aliviar a tensão, dar-lhe conforto.

"Um banho. Eu gostaria de um banho,” ela murmura depois de um longo minuto.

"Banho. Bom. Sim,” eu respondo e ando a passos largos para o quarto, enquanto solto minha gravata, e a retiro. Então eu descarto meu casaco, juntamente com a gravata, em uma cadeira e, finalmente,  arregaço as mangas no caminho para o banheiro. Assim que eu entro no banheiro, vou direto para a banheira, ligo a água quente e começo a encher a banheira depois de colocar um pouco de óleo de banho, sabonete e sal de banho. Quando eu entro novamente de volta para o quarto, Anastasia está olhando para os sacos Nordstrom na cama. (N.T. Nordstrom é uma cadeia de luxuosas lojas de departamento dos Estados Unidos. A  sede corporativa e a loja principal se encontram no centro de Seattle.)

"Enviei Taylor para pegar algumas coisas. Roupa para dormir. Você sabe," eu digo, olhando para a minha esposa, vigilante. Ela está a um milhão de milhas de distância de seu modo de ser habitual,  alegre, boca inteligente. Ela está perdida, aflita, e eu não sei como consertar isso para ela.

"Oh, Ana," murmuro. "Eu nunca vi você assim. Você é normalmente tão forte e corajosa."

Ela olha para mim com os olhos desolados, sem saber o que dizer;  apenas olha para mim com os olhos azuis arregalados. Ela está em estado de choque. Ela envolve seus braços em torno de seu torso quase que para manter-se sem desmoronar, e para manter o frio que permeia à distância. Eu não aguento mais. Eu puxo minha mulher em meus braços, segurando-a com firmeza.

"Baby, ele está vivo. Seus sinais vitais estão bons. Nós apenas temos que ser pacientes,” murmuro.  "Venha,” eu digo e pegando a mão dela, eu a levo para o banheiro. Eu pego suavemente seu casaco, e coloco-o na cadeira do banheiro. Então eu volto para ela e desabotoo os botões de sua camisa e deslizo-a pelos ombros. Eu a puxo para perto de mim, e enrolo meus braços ao redor de seu corpo e abro o zíper de sua saia. Ela se amontoa em torno de seus pés. Eu a movo fora dela, e retiro seus sapatos, sutiã, calcinha e meias. Normalmente, isso teria me excitado, e eu estou excitado, mas eu quero confortar minha esposa; não exigir dela.

Eu tiro minha roupa e coloco-a em cima das dela. Segurando a mão de Anastasia, eu a levo para a banheira. Entro  primeiro, e a levo para dentro da banheira cheia de água quente misturada com perfume de flor de lótus. Sento-me na água morna e a puxo em meus braços, suas costas na minha frente. Ela está  silenciosa. Focalizando em estourar as bolhas na frente dela. Eu beijo seu cabelo de forma intermitente para tranquilizá-la de que eu estou aqui, pronto para cuidar dela, atender suas necessidades. Eu a puxo ainda mais em meus braços, e mantenho meus braços em volta de seus ombros.

"Você não entrou na banheira com Leila, não é? Aquela vez que você deu banho nela?” Ela pergunta.

Sua pergunta me faz endurecer. Eu nunca faria isso. Minha resposta automática é um bufo e apertar meus braços ao redor de seus ombros. "Uhm... não,” eu respondo tanto chocado como ferido de que ela poderia pensar tão pouco de mim para fazer isso.

"Eu pensei assim. Bom. "

Eu puxo seu cabelo amarrado em um coque alto, e inclino sua cabeça para que eu possa ver seu rosto e sua expressão. "Por que você pergunta?" Eu a questiono com um olhar curioso.

Ela encolhe os ombros. "Curiosidade mórbida. Eu não sei... vê-la esta semana."

Meu rosto endurece. Ela não tem nada que se preocupar com Leila ou qualquer outra sub, escravo, ou qualquer mulher que alguma vez cruzou comigo. "Eu entendo. Pior que mórbida,” eu digo, em tom de censura.

"Quanto tempo você vai apoiá-la?"

"Até que ela esteja em seus pés. Eu não sei,” eu digo a verdade, encolhendo os ombros. "Por quê?" Será que ela desaprova?

"Existem outras?"

"Outras?"

"Ex que você  apoia." Seu tom é neutro, mas eu conheço minha esposa. Ela está acumulando informações que possam voltar e morder-me na bunda. Mas estou determinado a ser verdadeiro.

"Houve uma, sim. Não mais, entretanto."

"Oh?” ela sonda.

"Ela estava estudando para ser médica. Ela é qualificada e agora ela tem outra pessoa."

"Outro dominante?"

"Sim.”

"Leila diz que você tem duas de suas pinturas,” ela sussurra, e eu conheço este tom, mesmo em um sussurro. Ela está machucada.

"Eu tinha. Eu realmente não me importava com elas. Elas tinham  mérito técnico, mas elas eram muito coloridas para mim. Eu acho que Elliot os tem. Como sabemos, ele não tem gosto.”

Ela ri, pela primeira vez desde que eu a vi ela na sala de espera do hospital. Ela toca meu coração de forma tão inesperada, eu envolvo meu outro braço ao redor dela, derramando água por sobre a banheira.

"Assim é melhor,” eu sussurro e beijo-a na têmpora.

"Ele vai se casar com a minha melhor amiga,” ela me avisa.

"Então é melhor eu calar minha boca,” eu digo. 

*****  *****
Eu não sei quanto tempo ficamos na banheira, mas quando saímos, nossas mãos estão encolhidas. Eu envolvo minha esposa no macio, luxuoso robe Heathman, e enrolo seu cabelo em um turbante com uma toalha. Eu a observo enquanto ela percorre o conteúdo dos sacos que Taylor comprou. Ele comprou roupas suficientes para o fim de semana. Enquanto ela está olhando as roupas, eu peço serviço de quarto. Eu não posso suportar a idéia de que ela está passando fome todos os dias. Depois de fazer o meu pedido, eu volto para a minha esposa.

"Além de me assediar na Clayton, você nunca realmente passou em uma loja e apenas comprou coisas?"

"Assediar você?" Pergunto com dor fingida.

"Sim. Assediar-me."

"Você estava nervosa, se bem me lembro. E esse rapaz estava todo sobre você. Qual era o nome dele? "

"Paul.”

"Um de seus muitos admiradores."

Ela revira os olhos, e eu estou feliz de ver um vislumbre de minha esposa normal, revirando os olhos ou não. Eu sorrio com alívio, com um sorriso genuíno, e a beijo.

"Esta é a minha garota,” eu sussurro. "Se vista. Eu não quero que você fique com frio novamente."

Ela se veste com um par de calças jeans, uma t-shirt branca e com o moletom com capuz azul pálido que Taylor comprou para ela. Eu coloquei minha calça jeans preta e um suéter de tricô cinza. Com essa roupa, ela parece pelo menos cinco anos mais jovem.

Eu pego a mão dela e a levo para a sala de estar. O serviço de quarto está à porta em um momento. Eles trazem o carro para a sala de jantar e colocam os pratos na mesa. Eu dou a gorjeta e os dispenso. Anastasia só olha inexpressiva para a comida, e pega o conteúdo de seu prato. Ela mal come três bocados de seu peixe, salada e legumes cozidos no vapor. Eu não quero pressioná-la hoje, mas me preocupa que ela, sob estresse, pare de comer. Eu passeio ao redor da mesa e caminho até ela. Não adianta forçá-la hoje. 

"Você parece tão jovem,” murmuro baixinho. Ela olha para cima para ver os meus olhos brilhando com amor quente por ela. "E pensar que você vai ser um ano mais velha amanhã,” eu digo com uma voz melancólica. Sua resposta é um sorriso desamparado.

"Eu não me sinto bem em celebrar. Podemos ir ver Ray agora? "

"Claro. Eu gostaria que você comesse alguma coisa. Você mal tocou na comida."

"Christian, por favor. Eu não estou com fome. Talvez depois que virmos Ray. Quero desejar-lhe boa noite." Eu aquiesço e pegando minhas chaves e carteira, eu a levo para fora da suíte. Quando chegamos na UTI, encontramos José deixando o lado de Ray. Mas ele está lá sem seu pai.

"Ana, Christian, oi,” ele nos cumprimenta.

"Onde está seu pai?"

"Ele estava cansado demais para voltar. Ele esteve em um acidente de carro esta manhã,” diz ele sorrindo desculpando-se. "E os seus analgésicos o derrubaram. Ele estava fora do ar. Eu tive que lutar para entrar para ver Ray já que eu não sou parente próximo."

"Alguma mudança?" Anastasia pergunta, de repente ansiosa.

"Ele está bem, Ana. No mesmo... mas tudo bem. "

Ela curva-se com alívio.

"Vejo você amanhã, aniversariante?"

"Claro. Nós vamos estar aqui."

José olha para mim com apreensão, lutando com alguma coisa, então puxa Anastasia em um breve abraço. "Hasta mañana." Ele ainda é loucamente apaixonado por minha esposa.

"Boa noite, José."

"Adeus, José," eu digo. José acena com a cabeça; a expressão de anseio amoroso em seu rosto não escapa a minha observação e com seus ombros caídos, ele caminha pelo corredor do hospital saindo pelas portas duplas para os elevadores.

"Ele ainda é louco por você,” eu digo baixinho.

"Não, ele não é. Mesmo que ele seja...” diz ela dando de ombros, sem qualquer pensamento ou cuidado sobre como ele pode sentir-se sobre ela.

Eu me viro para dar-lhe um sorriso apertado. Seu rosto suaviza, e sua expressão muda.

"Parabéns,” murmura.

O quê? Por quê? Eu franzo a testa.

"Por não espumar pela boca."

Minha esposa consegue dizer as coisas mais inesperadas, e eu estou surpreso e magoado que ela pode estar pensando em mim em tais termos, considerando as circunstâncias. Eu olho boquiaberto para ela, um pouco ferido, e um pouco divertido. "Eu nunca espumei. Vamos ver seu pai. Eu tenho uma surpresa para você."

"Surpresa?” ela pergunta com os olhos arregalados, alarmados.

"Venha,” eu comando, segurando a mão dela, e nós empurramos as portas duplas da UTI.

De pé no final da cama do pai da Ana está minha mãe, em profunda discussão com o Dr. Crowe e uma médica. Quando eles nos vêem entrar, minha mãe sorri.

"Christian,” ela vem para a frente e beija minha bochecha, e, em seguida, voltando-se para minha esposa, ela a envolve  em seus braços, abraçando-a calorosamente.

"Ana. Como você está? "

"Eu estou bem. É com o meu pai que eu estou preocupada,” ela responde.

"Ele está em boas mãos. Doutor Sluder é uma especialista em seu campo. Nós estagiamos em Yale. "

Dra. Sluder é uma mulher de cabelos curtos com características élficas e um sorriso tímido.

"Sra. Grey," ela cumprimenta Anastasia muito formalmente. "Como médica responsável pelo seu pai, tenho o prazer de lhe dizer que tudo está no caminho certo. Seus sinais vitais estão estáveis ​​e fortes. Temos toda a fé que ele vai fazer uma recuperação completa. O inchaço do cérebro parou, e mostra sinais de diminuir. Isso é muito encorajador depois de um curto espaço de tempo,” afirma em seu sotaque levemente sulista.

"Isso é uma boa notícia,” murmura Anastasia, aliviada.

O sorriso da médica é quente e reconfortante. "É, Sra. Grey. Estamos cuidando bem de verdade dele. "

"É bom ver você de novo, Grace,” ela acena com a cabeça para minha mãe.

Minha mãe sorri para sua amiga, "Da mesma forma, Lorraina.”

"Dr. Crowe, vamos deixar esse bom pessoal para visitar o Sr. Steele,” ela ordena para o jovem cirurgião. Crowe segue na esteira da Dra. Sluder.

Desde que entrou no hospital, há esperança nos olhos de Anastasia pela primeira vez. Minha mãe pega a mão de Anastasia e aperta suavemente. "Ana, querida, sente-se com ele. Fale com ele. É tudo de bom. Vou esperar com Christian na sala de espera."

Ela acena com a cabeça. Eu sorrio para ela tranqüilizador, e saio da UTI com a minha mãe.

"Mãe? O que você realmente acha?" Eu pergunto, meu rosto triste de novo.

"É como a Dra. Sluder explicou para Ana no interior. O prognóstico é positivo." Eu exalo meu suspiro de alívio.

"Estou tão feliz que você veio, mãe,” eu pronuncio distraidamente. O sorriso de minha mãe é alegre.

"Você e Ana precisavam de mim, Christian. Onde mais eu poderia estar?"

"Obrigado. Bem, isso traz outro pedido... " Eu digo e exalo uma respiração. "É o 22º. aniversário de Ana  amanhã, e passar o dia esperando na UTI não foi o que eu planejei para ela."

"Bem, querido, a vida é cheia de incidentes que estão fora de nosso controle. Nós improvisamos."

"Sim. Quero fazer-lhe uma festa aqui, no Heathman. Eu gostaria que você e meu pai, Kate e Elliot, Mia e Ethan, e José e seu pai estivessem presentes. Preciso ligar para a mãe de Ana para tê-los voando para a surpresa.”

Minha mãe ri alegremente.

"É uma idéia maravilhosa, meu filho!” Ela exclama. "Eu não posso agradecer a Ana o suficiente por me dar meu filho,” diz ela, em voz quase inaudível, mas eu ouço, no entanto.

"Eu vou chamar Elliot e Mia, e você organiza a viagem da mãe de Ana,” diz ela, como se ela estivesse  planejando o casamento de seu filho.

"Obrigado, mãe."
*****      *****
 "Ana?"

"Não, Sra. Adams, quero dizer, Carla. É Christian.”

"Oh, olá Christian?” Ela responde em um tom interrogativo. "Está tudo bem?" Ela pergunta imediatamente preocupada.

"Ana e eu estamos bem, mas Ray teve um acidente de carro. Ele está sendo cuidado em um hospital de Portland."

"Meu Deus! Ele está bem?” Ela grita, chocada.

"Sim,” eu digo em um tom uniforme, reconfortante. "Ele está em condição estável. Ele está recebendo o melhor cuidado pelos melhores médicos disponíveis. Uhm... Eu sei que este não é o momento certo, mas amanhã é o aniversário de Ana, e ela tem estado muito chateada sobre seu pai, e eu pensei que iria animá-la ter sua família e amigos para seu aniversário amanhã à noite,” eu digo e eu me corrijo, "um aniversário surpresa. Eu ficaria lhe devendo, se você e Bob viessem. Eu sei que tornaria absolutamente memorável para ela se você estivesse aqui com ela,” eu digo.

"Oh! Sim... sim."

"Eu vou mandar o jato da  minha empresa buscá-los amanhã e levá-los de volta. Eu agradeceria se você não a chamasse, mesmo que você esteja ciente da condição de Ray, e se ela a chamar, por favor, mantenha a festa surpresa em segredo."

"Christian! Você é um maravilhoso genro! Sim, claro que viremos. É o aniversário do meu bebê depois de tudo. E... "ela engasga com suas palavras...”E pobre Ray. Eu gostaria de vê-lo. Sinto muito Christian. Não se importe comigo. Eu sou uma coisa velha chorona, mas obrigada. Obrigada por cuidar de meu bebê, Christian. "

"É o que eu faço. Ela minha esposa,” eu digo possessivo. Eu posso senti-la sorrir, do outro lado do telefone.

Depois de desligar com Carla, minha mãe vem sorrindo.

"Eles estão vindo,” diz ela simplesmente.

"Ótimo!" Eu respondo e envio um texto para Taylor, informando-lhe que os planos estão em andamento, e deixo Andrea fazer novos acordos para a viagem e hospedagem para os convidados. E eu faço o meu último telefonema para José Jr.

*****      *****
Quando voltarmos para o Heathman, tanto Ana como eu estamos exaustos, mas com um humor melhor do que no início do dia. Anastasia desliza em minha t-shirt branca e vai para a cama.

"Você parece mais animada,” eu digo timidamente enquanto eu puxo meu pijama.

"Sim. Eu acho que conversar com a Dra. Sluder e sua mãe fez uma grande diferença. Você pediu a Grace para vir aqui? "

Eu caio na cama e puxo minha esposa em meus braços virando seu rosto para o outro lado, em conchinha.

"Não,” eu respondo. "Ela queria vir e verificar o seu pai por ela mesma."

"Como é que ela soube?"

"Liguei para ela hoje de manhã."

"Baby, você está exausta. Você deve dormir. "

"Hmmm...” ela murmura em acordo, completamente cansada. Ela vira sua cabeça para olhar para mim interrogativamente. Eu conheço esse olhar. Mas também sei que ela não vai estar aqui completamente, com a mente e o corpo. E quando eu a tiver , eu a quero toda aqui. Agora, tudo o que eu quero fazer é segurar a minha esposa, e mostrar a ela que eu a amo. Ela se vira e se aconchega contra mim, envolvendo sua perna sobre a minha.

"Prometa-me uma coisa,” eu digo baixinho.

"Hmm,” ela cantarola a pergunta.

"Prometa-me que você vai comer alguma coisa amanhã,” eu digo mal me contendo. Ela não comeu nada desde o café da manhã, o que foi há séculos. "Eu posso apenas  tolerar você vestindo a jaqueta de outro homem sem espumar pela boca, mas, Ana... você precisa comer. Por favor. "
"Hmmm,” ela aquiesce. Eu beijo seu cabelo.

"Obrigado por estar aqui,” ela murmura, então sonolentamente beija meu peito.
  

Por que ela iria me agradecer por isso? Eu sou seu marido. Eu prometi amar, defender, proteger, cuidar e, apoiar e compartilhar suas tristezas e confortá-la nos momentos de necessidade; estar ao lado dela.

"Onde mais eu poderia estar? Eu quero estar onde você está, Ana. Estar aqui me faz pensar de quão longe nós viemos. E a primeira noite que eu dormi com você. E  que noite foi aquela. Eu olhei você por horas. Você era apenas... yar,” eu suspiro lembrando. Ela sorri contra meu peito.
"Durma,” murmuro meu comando. Ela fecha seus olhos, e logo nós dois adormecemos.

Dream on - Aerosmith

29 comments:

ana paula said...

Ainda bem que perdi o sono!!!!!!!!
Simplismente encantada, CRISTHIAN é sem duvida
O melhor,em meio ao caos ele encontra uma maneira para fazer Ana se sentir melhor.
Imagina se ele tivesse um coraçao então?
SO ELE MESMO PARA ACHAR QUE NAO TEM.
Esperando pelo proximo e mais anciosa pela noticia da gravidez..
Mais uma vez obrigada NEUZA

Neusa Reis said...

Oi meninas, aí está o presente pelo aniversário da Ana. Um pouquinho só atrasado. Aproveitem! E mais uma vez, obrigada, Emine! Você é yar!! Beijos

Anonymous said...

Que maravilhoso cafe da manhä!!!! Lindo capitulo!!! O carinho , a amor e a ternura de Christian por Ana o transformando cada vez mais.
Obrigada Emine, obrigada Neusa!!
Bjs a todas
Lala

Fer said...

Acordar com esse capítulo foi tudo de bom.O Christian amável é demais!Neusa ,querida,obrigada por essa tradução impecável.Emine obrigada pela história.beijos à todas.

Anonymous said...

Bom Dia Neusa e Emine!!!
Obrigada por alegrar minha manhã!! vcs são simplesmente YAR!! desculpe não comentar tanto mas sempre leio pelo celular e por la não consigo postar comentários!!! Não canso de elogiar vcs!
Emine obrigada por sua atenção com todas nós!!Louca para ter a serie Pella em publicada! Please diga que sera traduzida para o português!!!
Um beijo para as duas!!!!
Carol

Tati said...

Eba!!!!!! acabei de ler !!Christian e mesmo tudo de bom!!!! aiai.... obrigada Emine e Neusa!! vcs duas são YAR!!!! bjs

gabriela bittencourt said...

Boa tarde, Neuão e Emine!!!
Vocês são demais, esse capitulo mostra mais uma vez o quanto ele ama Ana, e faz de tudo para que ela fique bem até nos piores momentos.
Toda mulher deveria ter um Cristian Grey.
Ansiosa para o próximo capitulo, não demore muito para colocar ele não!!!
Beijos para todas!!!

Neusa Reis said...

Oi meninas no capítulo XXIII tem um texto da Emine em resposta à leitora Maria que está muito bom e eu já coloquei a tradução. Vale a pena ler. Pergunta: Christian amou ou não a Elena?
E depois volto para um café completo com todas as iguarias que vcs estão oferecendo sempre. Estamos com a conversa atrasada e esta parte dos comentários está cada vez melhor graças a vocês.Bjs

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Lindo lindo lindo...adorei e quero dizer que vocês duas são yar mesmo!!!


Obrigada Emine, obrigada Neusa pelo presente.
Beijos á todas...nos vemos no próximo capítulo!!!

Ui o livro 3 está acabando...novas emoções nos esperam!!!

Rosângela


Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Obrigada Neusa, por esse capítulo extra, vc e maravilhosa, bjssss

Anonymous said...

Acho esse capitulo um encanto...é tanto amor, carinho e cumplicidade, que derrete nossos corações.Obrigada!
Aline Ribeiro.

Rozeli Lemos de Melo said...

Maravilhoso presente pelo aniversário da Ana.
Quanto carinho,afeto..amor mesmo,daqueles que todos nós sempre procuramos!!!
Bjus a todas.

Alice said...

Hoje faço apenas este comentário: Eta mulher sortuda essa Anastasia viu!
Nos secretos sonhos femininos esse homem certamente se encaixa.
Neusa a cidade onde vc esta e muito linda.
Obrigada e beijo pra vc.
Beijo pra Emine.
Turma do blog beijos também.
Alice

Glenda Castro-Manaus said...

Capítulo emocionante,simplesmente lindo esse amor...Lendo meio atrasada,mais pelo menos li os dois últimos.Muito obrigada mesmo Emine e Neusa,por nos propocionar imensa alegria e muito romantismo.

Kátia said...

yar! yar! yar! yar! rsrsrsrsrs... sem comentários!!!!!!
Bjim a todas as amigas do blog!!!!!!

Leda Carneiro said...

Este capítulo em especial deixou-me triste passei por algo parecido com meu pai há pouco mais de um ano e não sobreviveu. Adorei o Christian tão prestativo, companheiro.
Mais um capítulo rico em detalhes, obrigada Emine e Neusa. Os comentários estão bombando heim Neusa, cada vez mais amigas comentando.

Natii said...

Olá meninas como sempre vcs arrasam nos capitulos muito lindo e muito fofo, amooo demais tudo isso, amoo ler e reler essa historia , vcs como sempre fazendo minhas tardes maravilhosas e emocionantes...

Como sempre e pra sempre ansiosa!!!

Obrigada meninas e beijos da Natii

Daniela Martins said...

Oi, Neusa. Oi, meninas!
Capitulo perfeito...como sempre! Nem temos mais palavras para qualificar o trabalho de Emine!
Ela é otima!
Rosangela, cafezinho com torta de limao?! Aí é golpe baixo! Torta de limao é yar! rsrsrs
Para o cafezinho de hj sugiro um biscoito de queijo beeeemmmm mineirinho! Que tal, Neusa?!
Bjkas
Dani

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Passando pra desejar à todas um excelente domingo!!!

Nossos cafezinhos, comentários e interações estão, sem dúvida alguma, um show à parte!!!
Adoroooooo!!!

Precisamos marcar um encontro gente....aí sim vai ser yar..já pensaram nisso!!!
Bjs e até!!!

Rosângela

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

(y)

Liliana said...

Lindo capitulo! totalmente Yar! rs anciosa pela decoberta da gravidez de Ana! como sempre Emine e Neusa me surpreendendo a cada capitulo. amo voces.

maria said...

Eu apenas passei para agradecer pela resposta e a tradução . A questão do sequestro realmente colocou algo em minha mente .
Muito obrigado pela consideração e resposta!
Beijos e continuarei lindo essa historia maravilhosa.

Keli Chaiane Schenekemberg said...

Muito muito muito muitoooooo bom esses livros obrigada por nos proporcionar isso!!!

Mari Lins said...

Muito bom poder acompanhar a evolução desse relacionamento pela visão do Christian, mas sei que está chegando o momento de ter novamente o choque quanto à rejeição inicial da gravidez da Ana.
Obrigada Emine e Neusa.

Olidelgi said...

Oi Neusa,
Somente hj tive tempo para colocar em dia a leitura.
Bj
Olidelgi

Viviane Oliveira said...

Dear Neusa:
BRIGADÚÚÚÚ por essa maravilha de capítulo. Fiquei muito emocionada com o amor e preocupação do Christian com a Ana, já sabíamos o quanto ela se sentia amada mas ouvir dele é YAR.
Parabéns Eminé, você nos emociona a cada capítulo. Vc realmente possuí um dom e, estou muito feliz de ter encontrado vcs, e olha que foi meio que por acaso... mas agora, vcs meninas, e me refiro a todas daqui, me sinto em casa com mais de 700 novas amigas. ADOOOORO "nosso" blog (olha a intimidade kkkkkk).
Sempre ansiosa por mais!
Bjo a todas vcs meninas em especial par vc Eminé e Neusa.

Viviane Oliveira

Daniela Martins said...

Capitulo simplesmente Yar!
Pobre Christian! Perdido sem poder fazer nada por Ray, apesar de disponibilizar o melhor para ele.
Certamente, se Christian o pudesse cura-lo faria só para nao ver Anastasia devastada!
Porem, muito atencioso e derrubando mais barreiras em pedir ajuda a sua mae e pai!
Lindo!
Parabens novamente! Parabens sempre!
Bjkas
Dani
;-)

Daniela Martins said...

Ahhhh! E como eu poderia deixar de comentar as fotos deste belissimo homem que voce colocou neste capitulo, Emine!
Que exemplar de homem é esse?!
Lindo!

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry