StatCtr

Monday, August 26, 2013

LIVRO III - Capítulo XXIII - Christian e Anastasia FanFiction


Leila: Eu vou ver Christian Grey hoje.
Susannah: Como? Ele se recusa a vê-la.
Leila: Ele ama sua esposa. Eu estou indo  vê-la, e se eu o conheço
bem o suficiente, ele virá correndo para ela.
Susannah: Oh, Leila. Você é um mestre da manipulação!
Leila: Eu gosto de pensar em mim como um engenheiro de resultados.

CAPÍTULO XXIII

Teias  Emaranhadas


"Para onde estamos indo?" Anastasia pergunta, contorcendo-se em seu assento.

"É um belo sábado, e eu estou levando minha esposa para passear,”  eu respondo sorrindo maliciosamente.  Ela estreita os olhos, me examinando.

"Huh... Eu estava esperando que você me desse um pouco mais de informação do que isso,”  diz ela tentando conter seu olhar ameaçador. Ela move-se em sua cadeira, tentando encontrar uma posição confortável para sentar-se no banco do passageiro do R8.

"Baby, onde está a diversão disso se eu disser a você todos os meus planos? Metade da diversão está na descoberta, e a outra metade está na construção da expectativa,”  eu digo piscando para ela.  "Além disso, onde estamos indo não é muito longe,”  acrescento eu.

Eu entro a noroeste, na 4ª Avenida,  em direção a Virginia Street. Quando eu pego um semáforo vermelho na Battery Street, ela se vira para mim e pergunta: "Bem, vamos fazer um piquenique?"

"Você não vai desistir, vai? Nossa parada é a apenas 3 km de distância,” eu respondo.

"3 km? Quer dizer que é uma distância a pé? "

"A paciência é uma virtude, Anastasia".

"Eu pensei que você fosse um tipo de cara do momento."

"Eu sou... para algumas coisas." A luz fica verde e eu sigo em frente. Quando eu chego na Wall Street eu sinalizo para  virar à esquerda.

"Estamos indo para a ‘casa grande’?  Você  teve a Sra. Jones preparando uma cesta de piquenique."

"Não, não é a casa grande. Não hoje, de qualquer maneira,”  eu digo suprimindo uma vontade de sorrir.

Quando chegamos a Alaskan Way, eu viro à esquerda e seus olhos crescem.

"Nós estamos indo para o Grace? Estamos indo navegar?” ela pergunta, e eu sorrio largamente em resposta. "Nós vamos navegar! Yesss!”  Diz ela batendo palmas e rindo, enquanto ela está tentando saltar para cima e para baixo em seu assento, contida por seu cinto de segurança, e ela pára abruptamente, ruborizando. Ela aperta as pernas juntas e segura seu abdômen como se quisesse parar o movimento das bolas de prata dentro dela. Meu olhos brilham, eu olho para frente para esconder meu sorriso.

"Alguma coisa fazendo você se sentir desconfortável, baby?" Eu pergunto.

"Uhm...”  diz ela mexendo-se em seu assento "não, não uma coisa,”  responde ela, com a voz uma oitava acima. Eu puxo para a direita e estaciono o R8 perto do Fish Bar do Anthony e saio. Eu passo por trás do meu carro e abro a porta do passageiro. Eu estendo minha mão para Anastasia, e ela a pega. Retirando a cesta de piquenique da mala do carro, eu conduzo minha esposa para o  Grace. É uma sobra de um dia de verão. A brisa é suave, e o sol está fora.

"Você acha que você é capaz de fazer isso?" Eu a desafio.

"Bem, Sr. Grey,  você  esteve pagando por minhas aulas de vela, e você disse que a escola era uma das melhores. Tenho certeza de que posso encarar as demandas,”  diz ela sorrindo.

"Nós não vamos muito longe. Vamos testar suas habilidades neste momento."

"É bom ver você de novo, Sr. Grey, Ana. Bem-vindos a bordo,” diz Liam McConnell em seu sotaque irlandês. Eu entrego-lhe a cesta de piquenique enquanto nós subimos a bordo do catamarã e dou a Mac um olhar significativo por chamar minha esposa por seu nome de batismo.

"Oi Mac," Anastasia responde.

Mac leva a cesta para a cabine, e retorna.

"Você tem certeza que  vocês não vão precisar de meus serviços, Sr. Grey?”  ele pergunta alegremente.

"A Sra. Grey e eu,”  digo enfatizando, "podemos lidar com isso, uma vez que cheguemos a mar aberto. Eu acho que você pode ir uma vez que saiamos do porto."

"Sim, senhor,” ele responde com um brilho nos seus olhos para o que eu dou um olhar impassível.

"Vamos partir,  Sr. Grey?"

"Tão logo eu coloque a Sra. Grey em um dos coletes salva-vidas,”  eu respondo. Eu pego um dos coletes salva-vidas da cômoda, e caminho de volta para ela.
"Cabeça erguida,” eu digo, e ela levanta a cabeça. Então eu coloco o colete por cima da sua cabeça, e aperto as tiras ao redor. Eu pego a mão dela, encaminhando-a para o andar superior, e para a cabine.

"Vou levá-la para fora da marina, mas você vai assumir o timão quando eu lhe disser. Entendeu?"

"Sim, sim, capitão!”  Ela saúda-me com um brilho feliz nos olhos.

"Vem cá, esposa,”  murmuro, e puxo-a entre minhas pernas.

Enya - SailAway

Uma vez que temos o Grace fora do porto, Mac se prepara para sair.

"Estamos indo navegar próximo ao Canal Hood. Devemos estar de volta no final da tarde."

"Sim, senhor. Envie um radio se você precisar de qualquer ajuda. Eu estarei esperando na doca."

"Obrigado, Mac,”  eu digo, enquanto eu o dispenso.

"Sra. Grey, agora somos só você e eu, navegando este bebê ".

"Estou um pouco nervosa, Christian. Eu só tive algumas lições. Eu não sei se eu sou boa nisso. "

"Baby, você é boa em tudo o que fazemos. Além disso, nós não estamos indo longe demais. Se você estiver muito nervosa, não temos que levantar as velas no caminho até lá. Nós podemos apenas abri-las no caminho de volta," eu lembro a ela. Ela dá um suspiro de alívio.

"Sim, por favor. Vamos fazer isso."

Eu beijo-a nos lábios. "Bem, então Sra. Grey, você pode sentar-se no colo do capitão," eu digo fazendo-a sorrir.

"Para onde estamos indo?"

"Certo belíssimo local chamado área do Canal do Hood. Existem algumas pequenas ilhas, e o cenário é apenas de tirar o fôlego. Mas no caminho de volta, você vai ter que me ajudar desfraldando as velas, operando as polias, e içando a vela principal."

"Sim,” ela responde sorrindo.

"Por enquanto, eu estou contente em navegar através das águas com minha esposa em meus braços,” eu digo. Ela inclina a cabeça para trás e me beija. O Canal Hood é um fiorde formando o lóbulo ocidental de Puget Sound. Levo o Grace através do canal, e o ancoro com cerca de uma hora e 15 minutos de navegação. 

"Agora, Sra. Grey," eu digo, enquanto eu me volto para minha esposa. "Eu acredito que eu queria foder você no convés do Grace,” eu digo casualmente, e ela tem uma ingestão aguda de respiração. Seus olhos se arregalam de excitação e antecipação.  
"Venha,” eu digo puxando sua mão.

"Tudo bem,” diz ela me seguindo.

Quando chegamos ao convés, ela se vira para me encarar. "Este lugar... o cenário é de tirar o fôlego,” sussurra.

"Sim, o cenário é de tirar o fôlego," eu sussurro, apenas olhando para ela. Ela engole em seco.

"Beije-me, Christian,” diz ela levantando-se na ponta dos pés para chegar até mim, e eu estou mais do que feliz de me obrigar. Eu puxo seu rabo de cavalo para inclinar sua cabeça justo no ângulo certo, e a mantenho firmemente onde eu a quero. Minha língua parte seus  lábios e encontra a dela com movimentos sensuais. Ela capta a minha língua e chupa-a... forte, e eu sinto um formigamento na ponta do meu pênis. Eu levanto-a do chão, fazendo-a dobrar as pernas em volta do meu torso. Meu pau empurra através das camadas de tecido entre nós para alcançá-la.

Eu empurro sua saia para cima, juntando-a em sua cintura. Ela tenta esfregar seu sexo por cima do meu short. Sua mão alcança entre suas pernas, e espalma meu pau através do meu short, correndo a mão sobre meu comprimento, pressionando-o, fazendo-me gemer por ela.
                      
 Eu insiro  meu dedo para deslizar sobre seu sexo através do lado de sua calcinha. Eu esfrego meus dedos sobre seu sexo liso, e, em seguida, o espalmo. Ela arqueia as costas, e inclina a cabeça para trás. A brisa suave sobre o Sound traz o cheiro salgado do Oceano Pacífico, despertando e fortalecendo meus sentidos.


"Eu vou despir você,” eu digo com uma voz rouca, colocando-a de pé. Segurando a barra de sua blusa, eu levanto sua camisa e a tiro. Eu deslizo a saia para baixo junto com a calcinha. As mãos dela alcançam até o sutiã, mas eu a impeço.

"Eu quero isto vestido," eu murmuro.

"Ah... tudo bem," ela sussurra.


Em seguida, eu rapidamente arranco minhas roupas. 

Finalmente, eu me movo para minha esposa, e paro diante dela. Eu puxo a copa do sutiã esquerdo para baixo fazendo-a florescer seu peito para cima. Minha mão percorre a taça do sutiã direito acariciando-o sobre a renda, puxando seu mamilo, enquanto meus lábios se fecham sobre seu peito esquerdo me aleitando. Eu agito minha língua sobre o mamilo e ela geme alto. Puxando a copa direita para baixo, eu passo para o outro seio. Quando ela atinge seu precipício, minha mão direita viaja até seu sexo, e começa a esfregar. Eu puxo o cordão com as bolas prateadas, e o seu orgasmo detona pulsando em ondas, fazendo-a gritar de prazer. Meus dedos  incansavelmente  mantêm-se esfregando seu sexo até que cada gota de prazer vibre através de seu corpo.

Eu imediatamente a deito na espreguiçadeira.

"Segure os lados da cadeira, e não solte. Em seguida, enrole as pernas em volta do meu pescoço," eu comando. Ela obedece. Eu levanto seu tronco fora da cadeira, enquanto ela está segurando nos lados. O sexo dela está reto diante de meus lábios, e eu selo minha boca sobre ele, lambendo e engolindo o final de seu orgasmo. Mas logo ela está construindo-o novamente enquanto minha língua está implacavelmente pressionando e provocando habilmente. Quando eu selo meus lábios sobre as dobras de seu sexo, minha língua vai fundo dentro de seu sexo, girando, e, em seguida, entrando e saindo. Ela grita o meu nome, "Christian!"


Um toque de minha língua sobre seu clitóris é suficiente para levá-la ao longo da borda novamente. Eu a levanto da cadeira.

"Eu preciso que você se segure nas grades, baby. Não goze, ou eu vou bater em você,”  aviso. Ela mantém-se firme, curvada, a bunda levantada para encontrar meu pau.

Eu brinco com a entrada de seu sexo com meu pau dolorido. Lentamente, cuidadosamente, eu alimento meu pau em seu sexo, enchendo-a até a borda. Eu lentamente recuo, e martelo de volta nela novamente.

"Ah!" Ela geme com surpresa.

"Devagar, Christian. Deixe-me... deixe-me acostumar com isso,”  ela geme. Eu recuo e insiro lentamente meu pau novamente.

"Mais?"

"Sim".

Eu recuo de novo, e, lentamente, me introduzo nela.

"Mais uma vez?"

"Sim,”  ela responde.

Eu recuo, e bato de volta.

"Sim, vá. Mais forte!"  Ela geme, e eu não me detenho." Eu recuo e quando eu meto meu pau, eu puxo seus quadris para me encontrar, encontrando o local mais profundo nela. Finalmente giro meus quadris. Minha mão esquerda viaja para seu clitóris esfregando, e estimulando. Ela está construindo mais uma vez.

"Espere, baby. Não goze até que eu diga a você," Eu sibilo através dos meus dentes.

"Não posso... segurar,”  ela geme.

"Espere,”  eu ordeno martelando.

Eu empurro nela várias vezes rapidamente, em rápida sucessão.
"Agora, goze para mim baby!" Eu comando, e ambos alcançamos o nosso pico juntos e gozamos em voz alta, finalmente caindo no convés, eu colocando minha mulher em cima de mim.

 
Quando voltamos aos nossos sentidos, ”com fome para um piquenique?" Eu pergunto.

"Hmmm ..." é tudo que ela pode responder.

*****  *****
___________________________________________________________
De: Anastasia Grey
Assunto: Velejando & Planando & Apanhando
Data: 5 de setembro de 2011 09:17
Para: Christian Grey


Marido

Você sabe como fazer uma garota ter um bom momento. Vou, claro, estar esperando esse tipo de tratamento a cada fim de semana. Você está me mimando. Eu amo isso.
Sua esposa

xox

Anastasia Grey
Commissioning Editor, SIP
___________________________________________________________
De: Christian Grey
Assunto: A missão da minha vida...
Data: 5 de setembro de 2011 09:24
Para: Anastasia Grey

É mimar você, Sra. Grey.

Christian Grey
CEO Apaixonado, Grey Enterprises Holdings Inc.
___________________________________________________________
De: Anastasia Grey
Assunto: A missão da minha vida...
Data: 5 de setembro de 2011 09:32
Para: Christian Grey

É permitir-lhe -  porque eu amo você, também.
Agora, pare de ser tão piegas.
Você está me fazendo chorar.

Anastasia Grey
Igualmente Apaixonada Commissioning Editor, SIP
___________________________________________________________

Está chegando o aniversário de Anastasia em 10 de setembro. Eu quero planejar uma festa surpresa para ela. Ou talvez levá-la para algum lugar especial. Nova Iorque! Eu nunca a levei para Nova York e nosso apartamento. Seu aniversário seria uma grande oportunidade de batizar o lugar. Da última vez eu tive que sair da cidade abruptamente,  porque... Eu não quero pensar nisso agora. Tudo está indo bem, e tivemos um fim de semana maravilhoso, vela, foda, palmadas no convés do Grace! Planando no domingo.

Sim, eu definitivamente deveria levá-la para Nova York. Eu posso levá-la a Blue Hill depois de ver um show da Broadway; é um excelente lugar para jantar. Gramercy Tavern serve almoços e sua lista de vinhos é excelente. Se voarmos na sexta-feira, eu posso criar um dia de diversão para seu aniversário no sábado. Eu posso levá-la ao Empire State Building durante o dia, e, depois, para um passeio privado de helicóptero sobre a cidade, à noite, olhando as luzes da cidade. Eu posso levá-la para um passeio no West Village, no domingo. Eu fico excitado enquanto eu faço uma lista mental de coisas para fazer em Nova York para Anastasia, e começo a digitar as atividades. Eu também posso levá-la para fazer compras em Bergdorf and Goodman. Nós podemos navegar na Internet e dar uma lista a um personal shopper. Dessa forma, podemos ter mais tempo apenas para nos divertir. 

Depois de passar quase 30 minutos adicionando e  subtraindo da lista, o meu Blackberry vibra com um e-mail recebido de Anastasia. Eu o abro com entusiasmo. Eu ouço uma batida insistente na porta do meu escritório, e sem esperar por uma resposta minha, Taylor entra abruptamente, seu rosto é solene, irritado e desconfortável. Uma mensagem de Anastasia e Taylor com esta cara não pode ser uma boa notícia.

"Taylor?" Pergunto indagador.

"Acabo de receber um  correio de voz  de Prescott. Leila e Susanna estão na SIP e, aparentemente, as duas conseguiram burlar a segurança, e a Sra. Grey sabe sobre sua presença. Prescott disse que vai tentar falar com a Sra. Grey antes dela vê-las. Mas -- "

"O quê?" Eu salto do meu assento. Minha mão vai para o meu e-mail no meu Blackberry.
___________________________________________________________
De: Anastasia Grey
Assunto: Visitantes
Data: 06 de setembro de 2011 15:26
Para: Christian Grey

Christian

Leila está aqui para me ver. Eu vou vê-la com Prescott.
Vou usar minhas habilidades recém-adquiridas de bater com a minha mão, agora curada, se eu precisar.
Tente, e eu digo tente, não se preocupar.
Eu sou uma menina grande.
Vou chamar, uma vez  que tenhamos  falado.

Um x

Anastasia Grey
Commissioning Editor, SIP
___________________________________________________________

Que porra é essa! Será que minha esposa perdeu completamente o juízo? Eu afundo na minha cadeira e encontro meus dedos batendo na marcação rápida o nº 1. O telefone toca, e toca e toca enquanto eu ansiosamente aperto minha mesa tão forte, que minhas juntas estão brancas. Ela não responde seu maldito Blackberry;  ele vai para o correio de voz. Sua voz alegre surge: "Olá!  Você  ligou para Ana Grey..." Eu desligo. Anastasia prometeu não me desafiar! E, no entanto, aqui ela está fazendo exatamente o oposto do que ela disse que iria  fazer! Raiva está fervendo através dos meus poros. Como ela pode ser tão cruel comigo? Como ela poderia permitir a Leila vê-la, sabendo como ela quase me quebrou, nos separou? Leila está intencionalmente desobedecendo minhas instruções e ordens específicas, para nunca mais chegar perto de Anastasia. Que diabos está fazendo Anastasia ao aceitá-la, e onde porra está Prescott deixando isso acontecer? Eu não estou mantendo contato com Leila, e não estou respondendo seus repetidos pedidos para falar com ela. Por que Anastasia atendeu seu pedido para vê-la, sabendo que ela colocou uma arma na sua cabeça?

Eu disco para o escritório de Anastasia. Sua assistente responde alegremente.

"Boa tarde. Escritório de Anastasia Grey na SIP. Hannah falando - " Eu a corto.

"Hannah, é Christian Grey. Eu quero falar com a Sra. Grey, agora!"

"Ana está com..."

"EU SEI com quem ela está" eu grito, enquanto eu, de repente, levanto-me, minha cadeira raspando o chão. Taylor recua. "Ponha-a na porra da linha imediatamente se você valoriza o seu trabalho!" Eu rosno enquanto eu pego o meu paletó para correr para a SIP. Taylor abre a porta sem dizer uma palavra, e corremos para fora.

"Uhm. Sim, imediatamente, Sr. Grey, "  ela geme no telefone. Ouço um pequeno baque quando ela deixa cair o telefone de sua mesa, e ela pega, se desculpando, "Desculpe Sr. Grey! O telefone  --"

"É só colocar a porra da minha esposa no telefone, AGORA! "  Eu sibilo ameaçadoramente entre os dentes. O  telefone bate na mesa de Hannah novamente, e eu ouço saltos altos rápidos clicando no chão se afastando. Andrea e Olivia saltam de pé ao me ouvir gritar. Eu ignoro a ambas, e Taylor e eu aceleramos através do meu escritório, de saída para os elevadores. Que diabos Leila quer de Anastasia? Por que ela entrou em contato com ela? Por que ela iria romper seu acordo de nunca vê-la? Ela sabe que eu corto todo o apoio dela. Por que então ela está se colocando em risco, a menos que ela esteja pronta para acabar com sua vida! Merda! Merda! Merda! Ela só poderia encaminhar seus pedidos através de Flynn. E agora! Deus! Eu pressiono o botão de chamada do elevador várias vezes até que, após o que parece ser uma eternidade, ele atinge meu andar e ding aberto.

Eu ouço uma conversa abafada à distância, ao telefone. O escritório de Anastasia  fica perto da mesa de Hannah. Ela deve ter deixado a porta aberta.

"Desculpe interrompê-la, Ana. Tenho o Sr. Grey na linha?"

"Diga-lhe que estou ocupada."  Ocupada? Ocupada em foder-me por completamente me desobedecer? E se Leila tem uma arma? E se ela não está bem? Porra! Responda o fodido telefone, porra!

"Ele estava muito insistente,”  diz ela soando trêmula.

"Tenho certeza de que ele estava. Será que você se desculparia com ele, e diria que eu vou chamá-lo de volta muito em breve?" Chamar-me de volta? Ela está me dispensando? Minha esposa está determinada a me atormentar com veemência hoje! Há uma longa pausa por alguns segundos.

"Hannah, por favor!”  Ela exclama. Minha mão voa para o meu cabelo, em exasperação, e quando  eu estou esfregando-o com força,  Hannah volta ao telefone.

"Sr. Grey, peço desculpas senhor, mas Ana disse que vai chamá-lo de volta em breve."

"Ela não vai atender?" Pergunto, enquanto minha mão agarra meu cabelo puxando-o.

"Eu sinto muito, senhor. Eu  não pude trazê-la --"

"Porra!" Eu grito enquanto eu desligo. Eu disco o telefone de Prescott.

"Sr. Grey," ela responde.

"Prescott, estou MUITO PUTO  com você por negligenciar as funções para as quais você foi contratada!" Eu grito enquanto eu martelo o meu punho para baixo sobre a barra cromada na parede do elevador. "Você é incapaz e inadequada! Há a porra de uma pessoa no topo da lista de proscritos, e é Leila Williams! E o que diabos você faz? Você a deixa passar para falar com a minha mulher! Eu vou lidar com sua bunda quando eu chegar aí. Agora passe a porra do telefone para a minha mulher!" Eu grito segurando o Blackberry diante da  minha boca.

"Sim, senhor,”  ela responde humildemente. 

"Christian,”  Anastasia atende o telefone com exasperação. Ela tem a ousadia de falar comigo exacerbada.

"O que diabos você está fazendo?" Eu rosno com eriçada raiva.

"Não grite comigo."

"O que você quer dizer, não gritar com você?" Eu grito ainda mais alto. Mesmo Taylor parece com raiva dela."  Eu dei-lhe instruções específicas que você  completamente ignorou - de novo! Inferno, Ana, eu estou fodidamente furioso!"

"Quando você estiver mais calmo, vamos conversar sobre isso,” diz ela se preparando para desligar. A porta do elevador ding aberta e estamos na garagem.

"Não desligue o telefone em  mim!" Eu berro sibilando.

"Adeus, Christian,” ela diz, e desliga na minha cara! Em mim! Eu ligo de novo, e vai para o correio de voz diretamente. Porra! Porra! Porra! Por que ela sempre, sempre me faz sentir impotente, me amarra com nós virtuais? Ela me escraviza com uma palavra, ou ação, ou uma porra de um comportamento colocando-se em perigo mortal! Basicamente, eu corro para o SUV para chegar a SIP. Assim que Taylor pressiona o botão no controle, enquanto ele está correndo atrás de mim, eu abro a porta do passageiro, e ele desliza para o lado do motorista.

"Dirija como se sua vida dependesse disso!" Eu ordeno.

"Sim, senhor!"

O caminho para a SIP é um dos  mais longos, perdendo apenas para o vôo de Nova York. Parece que eu não posso confiar em minha esposa! E se eu estivesse fora da cidade? Eu não posso confiar na porra de segurança para fazer o seu trabalho corretamente, também? Eu solto a minha gravata, e desfaço o primeiro botão da minha camisa branca. Eu corro as duas mãos nos meus cabelos em total desespero, raiva e exasperação. Dirijo a intensidade do meu olhar para Taylor.

"Prescott está despedida! E quando essa porra dessa coisa acabar, eu quero que você aperte a equipe de segurança para quem não pode nunca, jamais, se aproximar da Sra. Grey, mesmo se eles tiverem que arrastar a pessoa para longe, diante de seus olhos! Caso contrário, eles serão substituídos, como Prescott! "

"Sim, senhor."

Fora de controle! Que diabos é que Leila está fazendo lá? O que diabos ela quer? Por que ela está quebrando as regras? E minha esposa está caindo direto na armadilha que Leila está criando,  de boa vontade, com sua porra de curiosidade! O fantasma de Leila com uma arma na cabeça de Ana ainda está assombrando meus sonhos, me irritando. E agora, ela está com ela! Mais uma vez! Se o desafio constante de Anastasia fosse medido em milhas de passageiro frequente, eu  não iria precisar do jato GEH; porque eu estaria voando de primeira classe pelo resto da vida! Estou me desintegrando por dentro de preocupação e medo de que algum mal possa chegar a ela, através de seu próprio desdém, e pela negligência e descuido da minha própria equipe de segurança, porra!

Anastasia será a minha morte! Espero que Leila não a machuque, e eu espero que ela esteja bem quando eu chegar a SIP! Eu estou sendo levado para a brutalidade, ira e raiva, embora eu já esteja lá! Minha esposa cria meu inferno pessoal com sua marca do inferno, e me empurra dentro para queimar a minha alma! Por que você me faz sofrer tanto?

Taylor passa o sinal vermelho para virar a esquina, e SIP está à vista. Ele diminui para pegar a esquina para virar para o estacionamento e antes que ele chegue a uma parada completa, abro a porta e corro para fora. Eu o ouço murmurar: "Merda!" Eu ando com passos bruscos para a SIP. A garota Afro-Americana na recepção cujo crachá diz "Claire" se levanta. Taylor me alcança. Então eu vejo Susannah sentada lá, e ela empalidece assim que ela vê meu rosto furioso. Ela sabe o que isso significa muito bem: eu estou em um estado de espírito punitivo.

"Sr. Grey! Devo informar Ana ou o Sr. Roach de sua chegada?”  ela pergunta correndo atrás de mim.

"Não! Volte para o seu lugar!" Eu a fixo com o meu olhar, e com certeza outros funcionários saem para ver o que está acontecendo.

"O que está acontecendo --" Roach enfia a cabeça fora de seu escritório com uma curiosidade irritada. Quando ele me vê, sua atitude muda,  e ele sai para me encontrar rapidamente, abotoando o paletó.

"Sr. Grey, eu  não  sabia que você estava vindo para cá?”  diz ele em um tom interrogativo.

"O que você está dirigindo aqui, Roach? Por que segurança fraca? Aparentemente, qualquer um poderia entrar aqui!" Ele pisca algumas vezes.

"Sr. Grey, se você quiser, eu posso levá-lo para o meu gabinete para discutir. Gostaria de algo para beber? "

"Esta não é uma visita social, Roach! Eu conheço meu caminho!" Eu sibilo em voz ameaçadoramente baixa. Estou regiamente puto com a falta de segurança por aqui!  Taylor retém Roach.  "Voltem ao trabalho, por favor!”  Ele diz para os outros, e segue-me em meus calcanhares assim que caminho em direção à porta de Anastasia. Hannah fica imediatamente de pé, ruborizando vermelha.

"Uhm... Sr. Grey! Ana não está em seu escritório,”  diz ela com a voz trêmula.

"Onde ela está?" Eu digo transportando a intensidade do meu olhar sobre ela.

"Oh, ela está em uma sala de reuniões com a Srta. Williams, e Prescott."

"Não fique sentada aí! Mostre-me a sala de reuniões!"

"Oh sim, com certeza. Vou levá-lo, senhor...”  diz ela levantando-se abruptamente e, enquanto eu ando para a sala de reunião, percebo que os outros funcionários estão saindo de seus escritórios, e casualmente tentando parecer ocupados. Mas eu não dou a mínima para isso agora. Eu estou com raiva de Leila, por ignorar a minha ordem específica para nunca mais chegar perto de minha esposa! Irritado com Anastasia por me desafiar! Raiva de mim mesmo pela contratação de uma equipe de segurança incompetente! E se eu estivesse fora da cidade? Eu irrompo através da porta da sala de reunião. Ela bate de encontro à  parede só para saltar de volta ligeiramente. Taylor continua atrás de mim. Eu pego a porta, e a fecho. Anastasia está sentada à mesa com Leila. Ela dá a Taylor um sorriso nervoso,  e ele está louco como o inferno, como eu estou. Eu me viro e fixo tanto Anastasia como Leila com a intensidade do meu olhar infernal. Minha raiva e fúria varrem a sala como uma onda de calor. Tanto Anastasia como Leila olham para cima, e seus olhares se fixam em mim. Os olhos de Anastasia passam pelo meu cabelo e minha gravata escura aberta, e seus olhos permanecem no meu cabelo do peito que espreita através da minha camisa aberta em cima. Leila parece nervosa e baixa seu olhar olhando para a borda da mesa, correndo o dedo ao longo da borda. Eu olho para a minha esposa. Registrar o fato de que ela está ilesa não é suficiente para me aliviar. Movo a intensidade do meu olhar sobre Leila, e depois viro para Prescott.

 
"Você,”  eu digo em um tom enganosamente suave. "Você está demitida. Saia agora."

Anastasia estremece como se ela tivesse sido atingida.

"Christian -”  diz ela como se fosse levantar-se.

Eu levanto meu dedo indicador, e a fixo no seu lugar com uma expressão de advertência. "Não,”  eu digo em um tom baixo, pouco auspicioso. Não estou para brincadeiras agora. Anastasia se acalma imediatamente, e aterrissa em seu lugar. Prescott abaixa a cabeça envergonhadamente, e rapidamente sai da sala de reuniões para se juntar a Taylor fora. Eu fecho a porta atrás dela, e olho para Anastasia e Leila novamente,  com um olhar proibitivo, e caminho até a borda da mesa, de pé em frente à Leila; eu me inclino para baixo e coloco as duas mãos sobre a superfície de madeira. O único foco de minha raiva é ela no momento.

"Que porra você está fazendo aqui?" Eu rosno para ela.

"Christian!" Anastasia engasga. Eu ignoro completamente minha esposa.

"Então?”  eu sondo, exigindo uma resposta.

Ela finalmente espreita para mim com os olhos arregalados, o rosto pálido, sua voz um sussurro.

"Eu queria ver você, e você  não iria  me deixar." Então, este é o seu jogo? Tentando me submeter a suas exigências assediando minha mulher, que fodidamente não me escuta?

"Então você veio aqui para incomodar minha mulher?" Eu digo em voz baixa com raiva mal contida. Ela olha para a mesa novamente.

Eu removo minhas mãos da mesa e me levanto em minha altura total, fechando a cara para ela com repugnância.

"Leila, se você chegar em qualquer lugar perto da minha esposa novamente, vou cortar todo o apoio. Médicos, escola de arte, seguro médico - tudo isso - encerrado. Você entendeu?"

"Christian --" Anastasia se intromete novamente. Quando eu viro o meu olhar para ela, ele é glacial, proibindo, e silenciando. Anastasia pisca, olha para mim com olhos incrédulos.

"Sim,”  aquiesce Leila com uma voz quase inaudível.
"O que está fazendo Susannah na recepção?" Eu pergunto. Que diabos é isso? Foder a nova vida do Christian com o descarrilamento de trem de sua vida anterior, tendo uma reunião de submissas no local de trabalho da minha esposa?
"Ela veio comigo."

Será que Susannah ajudou-a em seu assédio de minha esposa? Eu tenho que descobrir. Exasperação corre através de mim novamente, e eu corro a mão pelo meu cabelo, olhando para ela.

"Christian, por favor,”  implora Anastasia para mim. "Leila quer apenas dizer obrigado. Isso é tudo."

Minha esposa é ou uma idiota, ou imprudente com a vida dela, por não levar em conta o que Leila fez com ela invadindo seu apartamento.

"Você ficou com Susannah enquanto você esteve doente?" Eu pergunto, singularmente concentrando meu furor sobre ela.

"Sim,”  ela responde novamente em um sussurro, confirmando minhas suspeitas.

"Ela sabia o que você estava fazendo, enquanto você ficou com ela?"

"Não. Ela estava de férias."

Por que então Leila precisa me ver? Ela pode passar seus pedidos através de Flynn.  Eu corro o meu dedo indicador sobre o meu lábio inferior contemplativo. "Por que você precisa me ver? Você sabe que você deve enviar quaisquer pedidos através de Flynn. Você precisa de alguma coisa?" Eu pergunto, sentindo-me responsável, mais uma vez.

Leila corre seu dedo ao longo da borda da mesa, mantendo-se em silêncio por um minuto.

"Eu tinha que saber,”  diz ela e olha para mim diretamente. Pela primeira vez.

"Tinha que saber o quê?" Eu exclamo. Isto não é necessário. Isto é manipulação!

"Que você está bem."

Eu fico boquiaberto com ela. Ela me colocou perto de uma porra de um ataque cardíaco porque ela queria saber se eu estou bem? Isso é verdade?

"Que eu estou bem?" Pergunto com  escárnio. Isto é ‘in-fodido-crível’! Então, você quer brincar com a vida de Christian Grey? Vindo e assediando minha esposa, alimentando minha raiva? Você acabou de me conhecer?

"Sim".

"Eu estou bem. Então, pergunta respondida. Agora Taylor vai correr com você para Sea-Tac, assim você pode voltar para a Costa Leste. E se você der um passo a oeste do Mississippi, está tudo acabado. Entendeu? "

"Sim. Eu entendi,”  responde ela baixinho.

"Bom,”  eu respondo apaziguado.

Então minha esposa abre a boca novamente. "Pode não ser conveniente para Leila voltar agora. Ela tem planos,”  diz ela defendendo-a! Defendendo Leila! Acabei de abrir meus olhos em um universo paralelo? Por que diabos ela está ficando indignada em nome de Leila e defendendo sua causa?

Eu viro meu olhar para a minha esposa. "Anastasia,”  eu digo com uma voz arrepiante atada com um aviso, "isto não lhe diz respeito."

Ela só faz uma carranca para mim. Ela cruza seus braços e senta para trás. "Leila veio me ver, não a você,”  ela murmura como uma criança petulante. Que pouco ela conhece de Leila. Leila veio vê-la para me atrair até aqui. Ela é apenas a isca.
Em seguida, Leila se volta para Anastasia e diz com os olhos arregalados: "Eu tive minhas instruções, Sra. Grey. Eu as  desobedeci." Então ela olha para mim nervosamente,  querendo dizer alguma coisa, tentando reunir coragem para dizê-lo. Mas não para mim, para minha esposa. Para trazer a dúvida para sua mente.
"Este é o Christian Grey que eu conheço,”  ela murmura em um tom triste, melancólico. Eu franzo a testa para Leila. Anastasia parece como se alguém lhe deu um soco e deixou-a sem fôlego. Ela engasga, as mãos agarram a ponta da mesa automaticamente para encontrar algum apoio. Leila, depois de ter feito o dano que ela queria fazer, dá a Anastasia um sorriso desolado, e se levanta da mesa. Então se vira para mim.

"Eu gostaria de ficar até amanhã. Meu vôo é ao meio-dia,”  diz ela em voz baixa.

"Eu vou mandar alguém buscá-la às dez para levá-la ao aeroporto."

"Obrigado."

"Você está na Susannah?"

"Sim".

"Ok".

Anastasia me olha ameaçadoramente. Eu odeio que isso teve que desenrolar-se diante dos olhos da minha esposa. Mais uma vez, o meu passado joga uma cena espetacularmente feia diante de minha esposa.

"Adeus, Sra. Grey. Obrigado por me receber. "

Anastasia se levanta e estende sua mão para Leila, e ela a pega, sacudindo-a com gratidão.

"Uhm... adeus, então. Boa sorte,”  murmura Anastasia. Leila acena com a cabeça, e se vira para mim. Olhando para mim com os olhos arregalados, ela diz: "Adeus, Christian."  Alívio me inunda por ter evitado um grande desastre como o do apartamento de Anastasia.

"Adeus, Leila,”  eu respondo em voz baixa. "Dr. Flynn, lembre-se. "

"Sim, Senhor."

Eu abro a porta para ela tirando-a da companhia da minha esposa. Mas Leila pára e se vira para mim levantando os olhos, como se tivesse estado guardando este pensamento durante centenas de anos. A mudança repentina em seu comportamento me deixa nervoso, me imobilizando, pronto para qualquer coisa; cauteloso.

"Estou feliz que você esteja feliz. Você merece ser,”  diz ela, e se vira, sem esperar por uma resposta. Eu franzo a testa por trás dela.
The Cardigans – Lovefool (Say that you love me)

Taylor, que esteve pairando na porta, nervoso como um gato de cauda longa em uma sala cheia de cadeiras de balanço, olha para mim para instruções, e eu aceno para ele seguir Leila em segurança para fora do edifício. Ele a conduz para fora. Eu fecho a porta atrás de mim. É chegada a hora de decidir o que fazer com a minha desobediente esposa errante. Eu olho para ela hesitante.

"Nem mesmo pense em ficar com raiva de mim!" Anastasia sibila. "Chame Claude Bastille e chute a merda fora dele ou vá  ver Flynn," minha esposa late para mim. Minha boca cai aberta, completamente tomado de surpresa por sua explosão. Aqui estou com raiva dela como o diabo, tendo tido quase um ataque cardíaco, tendo envelhecido outros 10 anos na última hora, e ela está furiosa comigo! Minha testa vinca.

"Você prometeu que  não iria  fazer isso,”  eu a acuso.

"Fazer o quê?"

"Desafiar-me."

"Não, eu  não,”  ela nega.  "Eu disse que ia ser mais atenciosa.  Eu disse a você que ela estava aqui. Tive Prescott buscando-a e a sua outra amiguinha, também. Prescott estava comigo o tempo todo. Agora  você  demitiu a pobre mulher, quando ela estava apenas fazendo o que eu pedi. Eu lhe disse para não se preocupar, mas aqui estão vocês. Não me lembro de ter recebido sua bula papal decretando que eu  não podia  ver Leila. Eu  não sabia que meus visitantes estavam sujeitos a uma lista de proscritos,”  ela me acusa, sua voz aumentando uma oitava com sua causa justa.

Eu examino a expressão de minha esposa por um minuto inteiro com um olhar indecifrável. Ela nunca deixa de surpreender-me ou chocar-me. A sempre exigente madamezinha, aderindo a suas armas. Eu vim para cá com raiva, zangado com ela, com raiva de todos, e aqui ela está me dominando. Minha boca se torce com um sorriso reprimido.

"Bula papal?" Pergunto divertido, e a carga pesada puxando minha alma para baixo se eleva com seu fervor, me relaxando. Enquanto minha raiva reflui e lentamente abranda, a dela cresce aos trancos e barrancos.

"O quê?" Eu pergunto, completamente exasperado com ela, mais uma vez. Seu rosto permanece, resolutamente, alinhado diretamente com seu gênio.

"Você. Por que você estava tão insensível para com ela? "

Não isso de novo! Eu suspiro e me mexo,  dando um passo em direção a ela e, finalmente, sento-me na mesa. Será que ela não entende que nenhuma outra mulher significa nada para mim, que eu gosto de manter o meu passado no passado?

"Anastasia,”  eu digo lentamente, como se eu estivesse explicando um conceito simples para alguém com entendimento limitado. "Você não entende.  Leila, Susannah... todas elas... elas eram um agradável, divertido passatempo. Mas isso é tudo. Você é o centro do meu universo. E a última vez que vocês duas estiveram em um quarto juntas, ela lhe tinha uma arma apontada. Eu não quero que ela esteja em qualquer lugar perto de você. "

Se eu perder Anastasia, todo o meu mundo desmorona. Nada nem ninguém vai significar nada para mim. Ela é o ponto único, a única pessoa no universo que me faz sentir inteiro. A única pessoa que eu amo. Qualquer coisa e qualquer pessoa com qualquer potencial para prejudicá-la está na minha lista-de-fodidos.

"Mas, Christian, ela estava doente."

"Eu sei disso, e eu sei que ela está melhor agora, mas eu não estou dando mais a ela o benefício da dúvida. O que ela fez foi imperdoável."

"Mas  você  acabou de ser joguete em suas mãos. Ela queria vê-lo novamente, e ela sabia que você viria correndo se ela viesse me ver,”  diz ela. E de quem é a culpa? Ela foi a que aceitou vê-la, apesar dos avisos. Anastasia precisa entender que isso não é nada. Ver Leila, ou como ela disse  'ser joguete em suas mãos' não é nada. Eu iria arar o inferno por Anastasia. Eu encolho os  ombros  para rejeitá-lo.

"Eu não quero você contaminada com minha antiga vida."

Ela parece surpresa.

"Christian ... você é quem você é por causa de sua antiga vida, sua nova vida, quaisquer que sejam. O que atinge você, me atinge. Eu aceitei isso, quando eu concordei em me casar com você, porque eu amo você,”  ela declara.

E essa é a melhor declaração que eu ouvi durante todo o dia. Isso me acalma, e ainda tem a capacidade de me sacudir até o meu âmago. Ela acabou de conhecer uma fração do meu fodido passado, e mesmo sabendo que há um trem desgovernado cheio disso, sim, ela declara seu amor por mim. Eu balanço minha cabeça lentamente.

"Ela  não  me machucou. Ela ama você, também."

"Eu não me importo uma merda!"  O que os outros pensam de mim não tem importância para mim. Se eles me amam, ou me odeiam, é irrelevante. Ela abre a boca de espanto para mim, chocada, mais uma vez. Seus olhos estão arregalados, com a decepção, a tristeza mesmo. Ela visivelmente engole. Sua mão vai até a garganta. Ela pisca várias vezes, como se isso vai ajudá-la a me compreender melhor. Eu fecho os olhos, respiro fundo, e abro de novo, olhando para ela.

"Por que você está defendendo sua causa, de repente?"  Eu pergunto. Minha esposa é um enigma, tanto me confundindo como me irritando ao mesmo tempo.
"Olha, Christian, eu não acho que Leila e eu vamos estar trocando receitas e padrões de tricô em breve. Mas eu não  acho que você seria tão cruel com ela."

Eu sou um sem coração, sem alma e sem cuidado; o filho de uma prostituta drogada. "Eu lhe disse uma vez, eu não tenho um coração,”  murmuro com olhar frio.

Ela revira os olhos para mim, irritada.

"Isso não é verdade, Christian. Você está sendo ridículo. Você se importa com ela. Você  não iria  pagar por aulas de arte e o todo o resto das coisas se você  não se importasse."

Isto não está nos levando a nada. Eu só quero ir para casa, e puni-la por sua rebeldia. Eu não posso espancar, bater com pá, ou chicoteá-la! Merda! Ela olha para mim com pena e eu não quero nada disso! Eu não posso aguentar isso! Ela pode me amar, ficar com raiva de mim, me foder, flertar comigo, e até me odiar de vez em quando. Mas eu não quero sua piedade! Eu olho para ela, ficando mais irritado a cada segundo. "Essa discussão está terminada. Vamos para casa."

Ela baixa a vista  e dá uma olhadela para o relógio Cartier que eu comprei para ela. Eu sigo seu olhar. Ele está marcando quatro e vinte. "É muito cedo,”  ela murmura seu protesto.

"Casa,” eu exijo.

"Christian,” ela suspira, num tom exausto. "Estou cansada de ter a mesma discussão com você,”  me fazendo franzir a testa. Que discussão seria essa?

"Você sabe,” ela explicita: "Eu faço algo que você não gosta, e você pensa em alguma maneira de devolver para mim. Geralmente envolvendo algumas de suas ‘kinky fuckery’ que sejam alucinantes ou cruéis." Ela encolhe os ombros, capitulando. Ela fecha os olhos e respira fundo. Ela acha que nosso sexo é alucinante?

"Alucinante?”  eu pergunto-lhe em voz baixa. Seus olhos se abrem.

"Normalmente, sim."

Uma maneira de distrair minha esposa é mudar o tema, mas estou imensamente curioso. Sua aceitação casual de minhas habilidades na cama é francamente excitante e surpreendentemente sensual, mesmo que ela não tenha querido dizer isso dessa maneira.  

"O que foi alucinante?" Eu pergunto com encantada curiosidade sensual.  

"Você sabe,” diz ela ruborizando o mais doce matiz. Sim, eu sei tudo o que lhe agrada,  e o conhecimento disso me excita. A proximidade da minha esposa, a maneira como ela me enfrenta, até quando brigamos, é uma ligada completa em mim. 

"Eu posso imaginar," eu sussurro em tom lascivo.  

"Christian, eu -" ela diz completamente atônita. 

"Eu gosto de dar prazer a você, por favor,”  murmuro enquanto eu cuidadosamente passo o meu polegar sobre seu lábio inferior.  

"Você dá,”  ela responde em um sussurro abafado. 

"Eu sei," eu digo com uma voz suave. Inclinando-me para frente, minha voz sussurrando, um sopro no ouvido dela:  "É a única coisa que eu sei."  Eu não a toco. Apenas  a  visão, som, e cheiro  criam um ambiente sensual se você souber como utilizá-los.  Ela inspira o meu cheiro fechando os olhos, tentando mergulhar nele, em seguida, abre os olhos e olha para mim.  Eu me inclino para trás e olho para ela, sorrindo, sabendo que ela está sob meu feitiço.  

"O que foi alucinante, Anastasia?"  Eu sondo, com um brilho malicioso nos olhos.  

"Você quer a lista?” pergunta ela. O quê? Isso me surpreende agradavelmente. 

"Há uma lista?"  Eu pergunto. 

Ela suspira e responde: "Bem, as algemas,”  ela murmura, em seguida, cora, possivelmente lembrando nossa lua de mel. Eu não sei se eu gosto de deixar marcas nela. Minhas sobrancelhas sulcam, e eu seguro seus pulsos na minha mão, e rastreio o ponto pulsante em seu pulso com o polegar.  

"Eu não quero marcá-la,” eu digo baixinho. Certamente, ela deve saber o quanto eu a valorizo, e o que ela significa para mim. Sua respiração é superficial, seus olhos estão escuros, e abertos.  Desejosos de mim... Meus lábios se curvam em um sorriso sedutor. "Venha para casa,”  eu insisto.  

"Eu tenho trabalho a fazer."  

"Casa,”  repito. Eu a quero na minha casa, na minha cama, nos meus braços, e debaixo de mim. Eu odeio a distância, eu odeio que nós briguemos, mas eu estou sempre ligado depois de uma briga com ela. Eu tenho que levá-la para casa. Sinto-me perplexo. Eu olho para ela com determinação, com fome, devasso, olhos cinzentos derretidos, e ela olha para mim com seu olhar azul espantado, tentando entender alguma coisa. Eu quero minha mulher para vir para casa comigo. Especialmente depois deste susto de que algum mal viria para ela me preocupando sem fim, eu não estou disposto a deixá-la aqui. Eu levanto a minha mão para o seu  rosto, e o acaricio suavemente.  

"Poderíamos ficar aqui,” eu digo em voz baixa e rouca. Seus olhos se arregalam como se ela tivesse levado um  choque de 1.000 volts de eletricidade.  

"Christian, eu não quero ter sexo aqui. Sua amante acaba de estar nesta sala."  

"Ela nunca foi minha amante,”  eu rosno para ela, minha boca numa linha sombria, e eu franzo a testa.  

"Isso é apenas semântica, Christian.” 

Eu franzo a testa novamente, intrigado.  "Não pense demais sobre isso, Ana. Ela é passado,” eu digo dispensando Leila e todas as outras subs. Seus olhos se arregalam novamente como se ela estivesse revivendo uma lembrança ruim. Seus olhos se arregalam de medo, seu rosto cai, os lábios abertos para acomodar sua respiração acelerada; ela toma duas respirações trêmulas.

Ela sussurra, "Não..." com horror.

"Sim,”  eu contraponho com força, e levantando minha mão, eu agarro-lhe o queixo, inclino-me e coloco um terno beijo nos seus lábios.



"Oh, Christian, você me assusta às vezes,” ela pronuncia em horror completo. Ela agarra minha cabeça em suas mãos. Seus dedos finalmente viajam para o meu cabelo, e ela puxa meus lábios para cobrir os dela com força. Seu súbito fervor me imobiliza por alguns segundos, mas encontro meus braços se envolvendo em torno de seu corpo. Porque é que de repente ela está tão chateada, tão assustada?

"Por quê?" Eu pergunto.

"Você pode afastar-se dela tão facilmente..."

Eu franzo a testa. Eu nunca amei Leila. Ninguém nunca desbloqueou meu coração, nunca ninguém me fez sentir da maneira que Anastasia me faz sentir.

"E você acha que eu poderia me afastar de você, Ana? Por que diabos você acha isso? O que causou isso?" Ela balança a cabeça.

"Nada. Beije-me. Leve-me para casa,”  ela pede. Sim, senhora! Eu inclino-me e a beijo com tudo que eu tenho.



*****  *****
O clima no SUV no caminho para o Escala é exatamente o oposto do que era no caminho para SIP. Anastasia sobe no meu colo e enrola os braços em volta do meu pescoço.

Sting ft. Stevie Wonder – Fragile

"Sra. Grey, você deveria estar com o cinto de segurança,” eu digo, mas envolvo meus braços em torno dela, segurando-a firme, não a deixando  ir. Taylor, sendo o profissional que é, convenientemente nos ignora. Depois do medo, raiva e ansiedade que eu sofri hoje, tê-la em meus braços é como segurar o item mais precioso no mundo inteiro; suave ao toque, dentro do cativeiro de meus braços. Estamos entrelaçados com cada curva de nossos corpos. Ela se apóia em meu braço, e por um instante, o sol da tarde se reflete em seu rosto descansando em meu peito. Isso me faz pensar que há dias na vida que valem a vida e que valem a morte. E por essa mulher, minha esposa, o centro do meu universo, vale a pena viver e vale a pena morrer.

No começo eu  não  entendi sua defesa da causa de Leila até que eu percebi que ela pensou que eu poderia deixá-la, quando ela fizesse algo de errado que eu desaprovaria. Ela faz algo que eu desaprovo quase todos os dias. Mas tudo o que ela faz é uma afirmação da vida, enlouquecedor, levando -me a insanidade, e me torturando e ainda assim ela é a única pessoa que pode me desafiar assim. Eu sempre vou querer estar no controle, embora o amor que eu tenho por ela sempre se choca com a minha tendência a estar no controle de tudo em todos os momentos. Não importa o que ela faça, o que ela fale, ou como ela desobedeça,  voluntariamente ou não, não é o suficiente para ela me abandonar, para me afastar. Ninguém pode me fazer me livrar da minha esposa, ou ela se livrar de mim, e ninguém, nenhuma mulher ou outra entidade, poderá ficar entre nós. Eu iria persegui-la até os confins da terra. Eu a amo loucamente. As realidades devassas do meu passado, os pesadelos de abuso do cafetão e da morte da prostituta drogada, me mantêm acordado durante a noite, mas as dores do passado empalidecem, em comparação com o tipo do dano que minha esposa pode me causar se ela se machucar. Porque eu sei que Anastasia é a única que pode realmente me ferir, me machucar, me levar à loucura; me fazer vaguear entre o céu e o inferno no mesmo dia.

Embora eu queira que ela esteja segura durante a viagem para casa e presa no cinto de segurança, no momento eu só quero que seu rosto permaneça pressionado perto do meu coração. Eu não quero deixá-la longe do abraço apertado dos meus braços. Mesmo que ela me ponha furioso, ansioso e com medo ao ver Leila, tê-la dentro da segurança dos meus braços é um pedaço do céu. Eu fecho meus olhos e inalo o cheiro dela. Em seguida, coloco um beijo no topo de sua cabeça enquanto Taylor entra lentamente na garagem subterrânea. Assim que ele estaciona o carro, pego a mão de Anastasia, e a puxo para o meu lado. A subida pelo elevador é longa. Quando chegamos a nossa cobertura, eu puxo a mão de Anastasia sem uma palavra, e levo-a na direção do nosso quarto sem dizer uma palavra para Taylor. Ela anda com passos rápidos atrás de mim, ”espere, eu tenho que depositar minha maleta,” diz ela. Eu a pego de sua mão e atiro-a sobre a mesa ao lado do sofá.

Quando entramos em nosso quarto, eu fecho a porta atrás de nós, trancando-a e, quando ela dá alguns passos no sentido de seu closet, eu arranco-a de volta para mim tão rápido, que ela está alinhada comigo.  Excitada, seu peito está subindo e descendo em rápida sucessão. Eu me inclino, buscando a permissão dela para beijá-la. Ela levanta a cabeça, e captura meu rosto, me puxando para seus lábios. Não há nada gentil em nossa expressão carnal. Eu a quero ferozmente.

"Eu quero você atada... algemada..." eu sussurro rouco em seus lábios.

"Christian- eu... eu não sei se é uma boa idéia depois de hoje. Você vai me machucar? "

"Ana..." eu gemo. "Eu não quero machucar você. Pensei que as algemas estavam em algum lugar no topo da sua lista," Eu digo  desafiando-a. "Eu quero lhe dar prazer, baby." Eu murmuro em seus lábios, mordiscando e chupando o lábio inferior. Ela geme, e eu engulo seu som, selando minha boca sobre a dela novamente.

"Então... Ohhh," ela geme, "sim, faça-o!"

"Espere,” eu digo, e eu ando para o aparelho de som, e programo-o com quatro músicas, colocando-as em modo repetição. Então eu abro uma gaveta da cômoda, pego  alguns itens, e coloco-os ao meu lado enquanto eu sento na cama para tirar meus sapatos e meias e, finalmente eu, lentamente, volto para minha esposa que está observando cada movimento meu. "Tire a roupa.  Lentamente..." eu sussurro sedutor. O som ganha vida com a melodia suave de um violino tocando.



"Oh!" Anastasia suspira. Ela, lentamente, desabotoa sua camisa, e deixa-a deslizar por seus braços. Então ela abre o zíper da saia lápis cinza e baixa-a com movimentos sensuais por seus quadris. Elas se juntam a seus pés. Eu seguro a mão dela e deixo-a sair de sua saia. Ela está em pé diante de mim em seu sutiã e  calcinha, sua cinta-liga e meias. Eu expiro lentamente. Porra! Eu sou um homem sortudo! Então a voz aveludada de Sting vem cantando: "
Whenever I Say Your Name."

Sting – Whenever I Say Your Name

Quando as mãos dela se chegam para soltar suas meias, eu a impeço.
"Mantenha-as," murmuro, enquanto eu passo meu dedo indicador sobre seu queixo; o mais suave dos toques.
"Agora o sutiã,”  eu digo. Ela desabotoa seu sutiã, e lentamente desliza-o para fora de seus braços. Minha língua corre nos meus dentes e lábios.

"E, você não vai precisar disso," eu sussurro e eu rasgo sua calcinha. Ela engasga. Eu lentamente tiro minha jaqueta. Afrouxo a gravata um pouco mais, e tiro-a do meu pescoço. Eu a coloco em torno do pescoço da minha esposa, e aperto-a só um pouco .


"Desabotoe  minha camisa,”  eu ordeno. Seus olhos se iluminam, suas narinas dilatam, e ela sorri. Em seguida, desabotoa minha camisa até o fim, e puxa-a para fora do cós da minha calça. Suas mãos se movem para desabotoar a calça, mas eu seguro suas mãos.

"Apenas abra o ziper. Eu quero você de joelhos primeiro," eu digo.

"Oh, meu...” ela sussurra. Ela abre o ziper e mergulha a mão nas minhas boxers liberando minha ereção. Quando ela segura minha ereção na mão, "Espere, baby,” eu digo à minha esposa super ansiosa. "Seus sapatos."
Sento-a na cama, e tiro-os um por um, correndo o polegar sob o arco do pé. Ela treme com a sensação, e segura-se com as mãos.

"Eu quero vendar você e amarrar suas mãos para trás. Tudo que eu quero é a sua boca... por agora,”  eu sorrio.
Sua respiração acelera. Eu puxo uma cadeira ao lado da cama, e atiro um travesseiro no chão diante da cadeira.
"Vire-se, baby,”  eu sussurro.

"Christian,”  ela murmura com incerteza.

"Você confia em mim, Ana?" Eu sussurro a minha pergunta no seu ouvido; minha voz apenas um sopro. Ela acena com a cabeça. Eu algemo as mãos dela atrás.



"Agora, ajoelhe-se no travesseiro, baby,” eu digo, e ela obedece imediatamente. Sento-me na cadeira, e seus olhos estão sobre minha substancial ereção, gananciosos. Ela se inclina e captura a ponta da minha ereção, revestindo-a com os lábios.

"Aghh!... Devagar, baby!" Eu gemo, segurando sua cabeça. "Eu ainda quero vendar você."

Ela gira a língua sobre a ponta do meu pau. "Merda! Baby!" Eu empurro meus quadris. Eu coloco a venda em seus olhos. Eu seguro sua cabeça e, lentamente, guio sua boca sobre a minha ereção. Ela lentamente desliza minha ereção dentro e fora de sua boca. Ela roça os dentes ao longo do caminho enquanto "Every Breath You Take" começa.

Sting – Every Breath You Take

Um sorriso arrasta-se nos lábios de Anastasia, e ela move a boca quase até a raiz do meu pau, me fazendo ter uma ingestão aguda de respiração.

"Ahhh ! Ana!" Eu exclamo, minha voz um som irregular. Ela esvazia sua bochecha e suga-me forte e rápido. "Sssim!" Eu sibilo. Sua língua roça da raiz às pontas, enquanto ela puxa a boca para trás, e faz um som de gemido. O suor a umedece, brilhando sua pele ainda mais, e fazendo o meu entusiasmo crescer. Estou à sua mercê.

"Baby, devagar... Ana! Ffffuck! " Eu agarro os braços da cadeira, enquanto ela me bombeia, me fazendo chegar ao clímax.


"Baby! Ahhh! Eu vou gozar na sua boca se você não abrandar! Ana!" Gemo, meus dedos enrolando, minha cabeça caindo para trás. Ela está me dizendo que ela me possui! Merda! Isso é...  muito... fodido... quente!

Meus olhos rolam para trás em minha cabeça enquanto eu sinto a ponta do meu pau jorrando grosso em sua boca, e ela diminui suas ministrações, e suga-me até secar. Quando eu desço das minhas alturas, eu consigo abrir os olhos e ouvir o último acorde da canção, "I’ll be watching you." Quando ela puxa seus lábios para longe do meu pau, ele está apenas semi-domesticado.

Eu puxo a  venda fora. Ela pisca os olhos e olha para mim com um olhar de satisfação no rosto.

"Tskkk...tsskk....  tsskk... Sra. Grey. Você me confunde. Possui a mim. Estou em admiração por você,”  eu digo levantando-a do chão. "Mas eu acho que é hora de retribuir o favor, baby,” eu sorrio lascivamente. Eu descarto minha camisa e minha calça, sem tirar os olhos da minha esposa. Eu a faço andar para trás para a cama, e ela pára quando as  costas de suas pernas atingem a cama. Eu desfaço a braçadeira de couro de uma de suas mãos e esfrego seus pulsos. Empurrando-a de costas na cama, eu subo em cima dela. Eu tomo as algemas de couro e amarro cada cotovelo em cada joelho. Ela está amarrada, e fodidamente gostosa .

Great Gig in the Sky – Pink Floyd

Eu me inclino para baixo e prendo seus quadris, abrindo-os ainda mais, mergulhando-a na cama. Eu começo arrastando beijos para cima, em sua perna, e finalmente chego ao seu sexo. Eu passo e vibro minha língua sobre seu molhado sexo inchado. Eu chupo seu clitóris em minha boca, e ela geme, levantando seus quadris para cima para encontrar minha boca, me fazendo sorrir com malícia. Enquanto eu movo minha língua habilmente sobre seu clitóris, eu levanto suas nádegas e introduzo dois dedos em seu sexo encharcado. Minha boca é implacável em seu sexo florescente enquanto meus dedos escavam dentro e fora dela.

"Oh, por favor, Christian,”  ela pede, e eu tiro meus dedos fora dela e diminuo os assaltos amorosos da minha língua no seu sexo, e levanto a cabeça um pouco para trás, e gentilmente sopro sobre ela para esfriar a tensão se construindo.


"Tudo a seu tempo,” murmuro. Ela foi bastante implacável, mesmo amarrada e com os olhos vendados. Devo retribuir o favor. Ela puxa contra suas algemas, mas as pernas estão bem abertas e os cotovelos atados aos joelhos. Ela é forçada a suportar os efeitos do prazer que eu estou lhe dando. Inclino-me, e minha boca cobre a entrada de seu sexo. Eu corro minha língua ao longo de sua abertura, e agito-a sobre o clitóris várias vezes. Então eu mergulho minha língua em seu sexo, e habilmente redemoinho dentro dela, lambendo... uma, duas, três vezes. Minha língua entra e sai incansavelmente. Suas mãos encontram a minha cabeça, e ela agarra em meus cabelos. Eu sinto o aperto familiar de seus músculos, "Não goze,”  murmuro, em uma advertência. "Eu vou bater em você, se você gozar." Ela geme em resposta.
Eu quero ensinar a minha esposa como controlar seu desejo de gozar, como prolongar a sensação, como multiplicar e aumentar o resultado final.

"Controle, Ana. É tudo sobre controle,” eu relembro a ela. Então eu passo a minha língua sobre seu sexo, mergulhando, lambendo, sugando, e a língua fodendo com ela incansavelmente, construindo suas sensações, e tocando o ponto hot, e ela não pode mais suportar a tensão acumulada. O orgasmo rola em ondas grandes, e eu me certifico de que eu continue a sugar tudo o que ela está pronta para me dar. Ela geme, e incapaz de segurar qualquer coisa, ela empurra seu sexo em minha boca, cedendo.

"Oh, Ana. Você gozou," eu a repreendo. Eu me sinto vitorioso, sendo capaz de dar orgasmos múltiplos a minha esposa e ela não conseguir resistir, a mim... de novo. Eu coloco-a sobre sua frente, e ela tenta se sustentar em seus antebraços. Em uma particularmente elevada nota da canção, eu levanto minha mão e bato nela em sua nádega muito forte. É uma sensação incrível.


"Ah,”  ela grita.

"Controle,”  eu advirto e agarro seus quadris para cima e empurro forte meu pau nela, em um movimento rápido, e imediatamente eu sinto os tremores do seu orgasmo ainda rolando apertando seus músculos dentro. Eu permaneço profundamente dentro dela, saboreando a sensação disso. Então, eu me inclino e desencaixo ambos os punhos. Eu envolvo meus braços em torno dela e a puxo em meu colo, de costas para a minha frente. Eu enrolo minha mão sob seu queixo em torno de sua garganta.

"Mova-se" Eu ordeno.

Ela geme e sobe e desce no meu colo. Quero-a muito, para fazer isto lento e doce.

"Mais rápido,”  eu sussurro rouco.



Ela se move cada vez mais rápido. Eu gemo, e puxo sua cabeça para trás e mordo seu pescoço. Eu movo minha mão em seu corpo, começando em seu quadril,  descendo até seu sexo, e em seu clitóris, e fechando os dedos em torno de seu sexo, eu começo a estimulá-la.

"Sim, Ana," Eu groso baixinho em seu ouvido. "Você é minha. Só você," eu sussurro lembrando-lhe que ninguém mais importa. Só ela!

"Sim,”  ela respira, e seu sexo aperta quando ela se move para cima e para baixo, tentando ordenhar cada gota de mim, revestindo todo o meu comprimento.

"Goze para mim," Eu ordeno-lhe.

E ela obedece.

"Christian,”  ela grita meu nome, e essa única palavra... meu nome, é a minha perdição. Eu a abraço enquanto seu clímax transborda, e eu invisto nela mais duas vezes, mais profundo, e me esvazio dentro dela, reivindicando minha esposa de dentro para fora.

"Oh, Ana, eu amo você,” eu gemo,  enquanto eu ouço Sting cantarolar, “that’s not the shape of my heart.”

Sting – Shape of My Heart

Eu beijo seu ombro e afasto seu cabelo de seu rosto. "Isso completa a lista, Sra. Grey?" murmuro. Ela está deitada na cama sobre sua barriga. Eu massageio delicadamente seu traseiro. Eu me sustento ao lado dela em um cotovelo.

"Hmm..."

"Isso é um sim?"

"Hmmm...”  diz ela sorrindo.

Eu sorrio e a beijo novamente, e ela rola de lado para me encarar.

"Bem,”  eu sondo, ansioso para saber como foi meu desempenho.

"Sim. Isto faz parte da lista. Mas é uma longa lista."

Eu sorrio de orelha a orelha, de alguma forma, incrivelmente feliz com a aprovação de minha esposa. Eu me inclino para  frente e a beijo suavemente. "Bom. Vamos jantar?" Pergunto com carinho e travessura.

Ela acena com a cabeça. Em seguida, ela se estica e puxa delicadamente os pelinhos no meu peito. "Eu quero que você me diga uma coisa,”  ela sussurra.

"O quê?"

"Não fique com raiva."

"O que é, Ana?" Eu pergunto.

"Você se importa."

O quê? Por que ela iria trazer isso até aqui logo depois que tivemos sexo alucinante? Meus olhos se arregalam. Não há espaço para mais ninguém. É só ela.

"Eu quero que você admita que você se importa. Porque o Christian que eu conheço e amo se importa."

Isso me paralisa. Meus olhos estão sobre os dela. O que ela quer de mim? O que eu diria? Eu não a amo. Mas eu não sou feito de pedra. Eu... Eu não sei. O que eu sinto por Leila, ou penso dela não é nada comparado com o que eu sinto por Ana. Me importar, sim... De um ser humano para outro. De alguém que teve um relacionamento com... Porra, Ana! Por que você faz isso comigo? Eu abro minha boca. E a fecho. Ela olha para mim como se ela me implorasse para  ter um coração. Porra! Sim, eu tenho um coração!

"Sim. Sim, eu me importo. Feliz? " Pergunto em um sussurro.

Ela suspira seu alívio, e sorri. "Sim. Muito.”

Mas que diabos? Eu franzo a testa. "Eu não posso acreditar que eu estou falando com você agora, aqui na nossa cama, sobre --"

Ela coloca seu dedo sobre meus lábios. "Nós não estamos. Vamos comer. Eu estou com fome. "

Eu suspiro, e balanço a cabeça. "Você me seduz e me confunde, Sra. Grey."

"Bom,”  ela responde com um sorriso doce e me beija.

*****  ***** 
_______________________________________________

De: Anastasia Grey
Assunto: A lista
Data: 9 de setembro de 2011 09:32
Para: Christian Grey

Isso está definitivamente no  topo.
: D

Um  x

Anastasia Grey
Commissioning Editor, SIP
________________________________________________

Meu interfone vibra.

"Sr. Grey, Barney quer falar com você. "

"Coloque-o na linha."

"Sr. Grey, eu gostaria de mostrar-lhe o novo set-up que criei para impedir o acesso não autorizado a sala do servidor, se tiver tempo, senhor." Eu olho para o meu relógio. Eu ainda tenho cerca de 30 minutos para o encontro com os taiwaneses.

"É... Acho que tenho tempo suficiente. Estou indo.”
"Muito bem, senhor. Eu vou mostrar a você alguns esquemas em primeiro lugar, então, eu vou explicar como o novo sistema de entrada para a sala do servidor funciona,”  diz ele com a emoção de um novo brinquedo. Um novo brinquedo caro, necessário.

Eu digito e envio uma mensagem para Anastasia, mas a bateria do meu celular está quase esgotada.
____________________________________________________
De: Christian Grey
Assunto: Diga-me algo
Nova Data: 9 de setembro de 2011 09:41
Para: Anastasia Grey

Você  tem dito isso nos últimos três dias.
Tome uma decisão. Ou... podemos tentar algo mais.
;)

Christian Grey
CEO, Aproveitando este Jogo, Grey Enterprises Holdings Inc.
________________________________________________

Eu saio do meu escritório.

"Andrea, eu estou indo para verificar uma coisa. Eu estarei perto do escritório, mas eu preciso de você para carregar meu celular, e se alguém ligar, responda e tome a mensagem."

"Certamente, senhor,”  ela diz e estende a mão para receber o telefone celular. Taylor está de pé, e pronto para me seguir.

"Eu não vou demorar muito, Taylor. Você pode ir tomar um café,”  eu digo, e ele concorda. O escritório de Barney  não é  longe. Ele tem um comando central configurado em sua mesa. É o sonho de qualquer nerd.

"Sr. Grey! Aqui está o que eu tenho para o novo sistema, e eu acredito que você vai ver o quão benéfico ele vai ser para parar todo e qualquer acesso não autorizado à nossa sala de servidores que, como você concorda, é crucial para as operações da empresa.

Leva-lhe todo o tempo mais dez minutos para explicar o sistema simples, embora eficaz.

"Como eu expliquei para você, senhor,”  ele recapitula enquanto nós caminhamos para a sala do servidor, "há dez medidas de segurança física que tomamos.  Nós  já tínhamos um bloqueio do sistema, mas é evidente que ele não foi tão eficaz como pensávamos. Tivemos também um sistema de vigilância, mas agora eu adicionei câmeras de parede ao invés de apenas as câmeras aéreas para identificar o rosto ao entrar no cômodo.  Nós  já bloqueamos os mais vulneráveis. Nós temos um sistema de segurança top de linha vigiando a sala do servidor. Agora, a entrada na sala é mais difícil do que conseguir um artefato checado no Arquivo Secreto do Vaticano,”  diz ele sorrindo.

"Bem, eu só espero que isso não interfira nas funções da sala do servidor caso você precise entrar nela rapidamente."

"Claro, senhor. Eu já implementei atalhos para isso assim como você faria em um cofre. Aqui,  deixe-me  mostrar-lhe,”  diz  ele. Quando ele começa a demonstrar, Taylor corre em nossa direção a toda velocidade. Seu rosto está sombrio. O que  diabos aconteceu? Minha freqüência cardíaca aumenta.

"O que há de errado?"

"Eu não tenho certeza ainda. Ana...”  diz ele, e depois se corrige," a Sra. Grey chamou tentando chegar até você. "

"Cuspa! O que há de errado com Ana? " Eu pergunto enquanto eu rapidamente começo a andar em direção ao meu escritório.

"Alguma coisa está errada, e ela não está em seu escritório. Você precisa chamá-la de imediato. Andrea disse que ela estava muito chateada, quase chorando. "

"Onde diabos está Sawyer?"

"Eu só tive tempo para encontrar o senhor. Eu não sei o que está acontecendo."

"Porra!" Eu murmuro uma maldição.  


*****  *****

35 comments:

Mari Lins said...

Que maravilha de capítulo, e as fotos estão mesmo cada vez melhores ilustrando os momentos que todas nós ficamos sonhando.
Continuo, às vezes, querendo eu bater na Anastácia, sua ingenuidade sem maldade certas vezes chega a chocar. Acho que realmente ela será a morte do Christian.
Isso que eu chamo de começar bem a semana, fica agora a expectativa do acidente do Ray.Grata Emine e Neusa.

Olidelgi said...

Olá Neusa,
Grande capítulo, hein????
Tbm acho que Ana será a morte de Christian, ela não tem nenhuma noção de maldade, confia demais nas pessoas, independente de quem seja. E depois de tanto estresse, nada como um grande sexo, que só CG pode proporcionar. Ulalá!!! É de dar calafrios. rsrsrs
A Emine é demais mesmo, grande escritora e conhecedora de CG, ela vai fundo em sua alma. Parabéns, Emine!!! Vc tem minha admiração e respeito, grande escritora.
Obrigada, Neusa, por tornar minha semana muito melhor com um novo capítulo.
Bjs,
Olidelgi

Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Maravilhoso amiga, estava em crise de abstinência aqui, sem meu cafezinho rsrsrs, vc sempre traduzindo para nós com tanto carinho, e Emine se superando sempre, mil vezes obrigada, bjssssss

Fer G. said...

Oi Neusa,meu cafezinho tava tão bom que nem jantei kkkk.Amei como sempre esse capítulo.A história está ficando cada vez melhor.O Christian é enlouquecedor em todos os sentidos.Obrigada Emine pela sua linda história.Obrigada de coração Neusa ,pela sua disposição em traduzir.Ansiosa pela continuação da série Pella tbm.beijosss

Kenya Coutinho said...

Olá Neusa, obrigada por mis capitulo maravilhoso! Bjo

maria said...

eu li e reli todos os livros mas até hoje nunca consegui entender se christian amou ou não amou elena porque em uma parte do 1° livro ele diz que ele gostaria que ela mostrasse um pouco de afeto por ele e eu nunca vi explicado se ele amou ou não amou ela. me explique por favor!em uma parte ele fala que pensou que a amava e então diz que não a amou mas no entanto não explicou como ele chegou a essa conclusão. e também eu gostaria de entender como elena o tocava,ele diz que depois de um tempo ele deixou ela tocar nele,no entanto ele tinha medo de ser tocado .como assim?ele gostava de ser tocado por ela? ele tolerava o seu toque? e no final ele acha que elena o ajudou o o arruinou?

Anonymous said...

Oii estava passando aqui desde ontem toda hora mal contendo a espera maravilhoso capitulo e ansiosa pelos proximos que vão ser demais e obrigada Neusa e Emine bjos Rosi

Anonymous said...

Que emocionante!!! Cada vez mais ansiosa por esses capítulos e também louca para saber mais sobre Alex Pella.
Obrigada Emine e Neusa, por tudo!!!
Aline Ribeiro

Anonymous said...

Emoçöes a flor da pele!!!! Lindo capitulo!!! Meu cafe hoje foi da manhä com iogurte grego!!!
Bjs Lala

gabriela bittencourt said...

Que capitulo maravilhoso.
Adorei a Ana no controle com Cristian, isso mostra que ela e forte tanto quanto ele.

Eu já estou ansiosa para o próximo capitulo para ver o que aconteceu com o acidente de Ray e como Cristian armou o aniversario de Ana.
Neusa e Emine obrigada por mais um capitulo a semana começa até melhor.
Beijos...

Natii said...

Nossaaaaa eu tava doida pra chegar nesse capitulo, como sempre maravilhoso , meninas vcs arrasam sem palavras, só sei que amooo muito tudo isso, e como sempre e pra sempre ansiosississsima pelos proximos!!!

Bjinhoss da Natii

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Boa tarde meninas!!!
Emine e Neusa, vou ser repetitiva....estes livros estão cada vez mais e mais maravilhosos, deslumbrantes, emocionantes e únicos!!
Emine, digo e repito, você realmente nos mostra a alma de CG e Neusa você a traduz perfeitamente!!!
Obrigada por toda dedicação e sensibilidade que vocês tão gentilmente compartilham.
Capitulo sensual com cenas caliente e também sofrido e enlouquecedor, acabei rindo quando CG fala "Se o desafio constante de Anastácia fosse medido em milhas, eu não precisaria do jato da GEH, e estaria voando de primeira classe pelo resto da vida"....rsrsrs..

Este cafezinho está cada vez melhor com o delicioso bolo de fubá cremoso que tão gentilmente foi ofericido pela Daniela Martins, o iogurte grego da Lala e eu complemento com torta de limão e pão de queijo minerin, viu Alice e Pao que também gosta de nossas guloseimas.

Beijin pra todas vocês minhas amigas virtuais...sim já me considero amiga de todas!!!

Ah..não sou mineirinha não, sou paulistana que hoje mora em Curitiba, essa cidade linda que eu adoro!!
Beijos

Kátia said...

Nossa!!!! Mais um capítulo eletrizante!!!!! Adoro quando a Ana desafia o Christian! Tenho um marido superprotetor, e a medida que fui lendo os livros 50 Tons e os livros da Emine percebi como ele e Christian são semelhantes! Começamos nosso relacionamento bem cedo, foi amor à primeira vista, éramos muito jovens e estamos juntos há 18 anos desde o primeiro dia que nos conhecemos, com um casal de filhos maravilhosos..., enfim nos descobrimos juntos, amadurecemos juntos e fortalecemos o nosso amor.... e passamos por várias situações muito semelhantes às do livro, acho que de alguma forma a minha história se identifica com a deles.... acho que por isso AMO tanto esta série! :) Beijos!!!!!!

Kátia said...

Rosângela, também ri bastante na parte "Se o desafio constante de Anastácia fosse medido em milhas, eu não precisaria do jato da GEH, e estaria voando de primeira classe pelo resto da vida"... rsrsrs. Meu cafezinho foi com pão de queijo, daqueles bem mineirim, pois sou de Minas...Servidas meninas? Abraços a todas e em especial à Emine e a Neusa! Bjim....

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Katia...adoro pão de queijo!!!
Adoro vocês mineiros..sempre tão gentis e atenciosos!!
Aceito com certeza...hum posso até sentir o cherim..

Interessante o relato de seu relacionamento!!

Beijos Katia e beijos meninas

Viviane Oliveira said...

Olá meninas.

Que capítulo??! Quem vai ter o ataque cardíaco antes dos 40 sou eu aguardando todas as emoções que estão por vir... Afffffff...... Gente vcs são maravilhosas.
Eminé, já disse e repito, vc realmente entende a alma do Christian e Neusa que talento o seu para a tradução! AMBAS estão de parabéns. Fico entrando a todo momento para ver se há publicado novo cap. pois sempre fico com um gostinho de QUERO MAIS.
Tbém, leio o comentário de todas as meninas daqui, e cada vez mais me convenço que a DIVERSIDADE é o que dá tempero a vida, pois cada uma tem o seu jeito de entender a Ana e o Cris. ADORO os comentários 'too'.
E quanto ao seu post EMiné ref a escolha de atores, sim, é claro que estarei na primeira fila para ver o filme, mas, este ator terá de ser INCRIVELMENTE bom para passar para 'nosotras' a alma do Christian considerando que VC Eminé nos fez conhcé-la tão bem. Eu, particularmente não ficaria sem poder 'tirar o olhar de cima dele'. Mas.... Vamos conceder a ele o mesmo beneficio que a ANa concedeu ao Christian: FÉ E PACIÊNCIA .
Neusa saudade do seu comentário.
Um beijo pra todas.
Super, mega, ultra ansiosa por mais.
Bj
Viviane

Nilvânia said...

Depois de um capítulo desses, preciso de um banho gelado urgente!! kkkk
Vi que é um consenso de que nós, mulheres, adoramos quando Anastácia consegue dominar Cristian! è interessante que todas nos sentimos poderosas quando dominamos um homem!!
Ansiosa para o próximo capítulo, como sempre!!! kkkk
E Neusa, não nos deixe muito tempo em abstinência!!! Bjs
Nilvânia

Nilvânia said...

Depois de um capítulo desses, preciso de um banho gelado urgente!! kkkk
Vi que é um consenso de que nós, mulheres, adoramos quando Anastácia consegue dominar Cristian! è interessante que todas nos sentimos poderosas quando dominamos um homem!!
Ansiosa para o próximo capítulo, como sempre!!! kkkk
E Neusa, não nos deixe muito tempo em abstinência!!! Bjs
Nilvânia

Neusa Reis said...

Oi meninas passando rapidinho só para desejar Feliz Aniversário à minha querida Ana Steele, atualmente Ana Grey. E talvez, só talvez, hoje bem tarde, no máximo amanhã, eu deixe aqui um presente para vocês, para comemorarmos juntas o aniversário dela, com "bolo, guaraná e muitos doces" para nós todas.Com a nossa Emine querida como convidada de honra da nossa festa.Bjkas meninas

Ana Louzada said...

Olá Neusa!!!! Quanto tempo, mas tô voltando após alguns contratempos.
Adoro tudo o que a Emine escreve e vc traduz. Vcs são ótimas!!! Ansiosa pelo próximo capítulo. O pontinho tá chegando. Grande beijo.z

Daniela Martins said...

Oi, Neusa, Christian deixa qualquer uma sem folego...Emine sempre surpreende a cada capitulo...e capricha nas fotos!
Vamos sim comemorar niver da Ana!
E ja que sou goiana com um pezinho em minas (rsrsr) que tal um cafezinho com um pao de queijo quentinho antes da festa da Ana?!
Bjkas e parabens pela traduçao mais uma vez!

Rozeli Lemos de Melo said...

Olá meninas!
Bom meu café foi ontem, após o jantar, por isso foi só o "cafezinho preto" cheiroso e saboroso.
Como me atrasei no trabalho que trouxe para casa, não deu para comentar e fui dormir de madrugada...mas depois de ler esse capítulo eletrizante, trabalhei feliz rsrsrsrsrsrs
Considero que mais e mais a Ana vai se transformando, mais forte e mais determinada, mesmo sedendo aos encantos do Sr. Grey, ela estabeleceu, durante a discussão no escritório, que sabia da intenção dele de puni-la e que ela não queria isso!
Ler esse blog é formidável, texto magnífico da Emine, tradução perfeita da Neusa e vocês meninas que comentam são um capítulo a parte, as visões, as opiniões, as nossas conversas sobre esse café imaginário (que devem deixar a Emine nos achando malucas).Leio o texto e volto sempre para ver quem mais comentou...
Bjus e agora vou dormir tarde de novo, esperando esse presente que talvez venha hoje ou amanhã.

ana paula said...

Magico
Essa é a palavra para este capitulo
Parabens pela traducao e pelo empenho.
Estava lendo em um outro blog e a traducao era muito ruim.
Comecei a ler novamente e é simplismente o maximo.

Alice said...

Querida Neusa mais uma vez obrigada pelo carinho e empenho neste seu trabalho de tradução. Sei que isto nao e fácil .
O trabalho da Emine dando-nos essa estória sob a ótica de Cristian Grey e simplesmente fantástico. Ela amarra todas as pontas soltas interligando-as magistralmente.
Obrigada, obrigada a vocês duas por nos oferecerem este trabalho simplesmente perfeito! Beijos para vocês duas.
Beijos para a turma do blog
Alice

Leda Carneiro said...

Obrigada Emine e Neusa por mais um capítulo maravilhoso.

Eminé Fougner @ Cowboyland said...

Hi Maria!

Your question came up before in one of the English chapters. I'll explain it to you as well. Excellent question by the way: You are confused about whether Christian loved Elena or not. Because it sounds contradicting. Book 1 he says he didn't love her, but then he hints he may have.

It's actually very simple. What Christian felt towards Elena is like the kidnapping victims who are with their captives for a long time. It's very similar to the Stockholm Syndrome. We have understand Christian's mindset first. He had the fear of being touched. It was to such a great degree that even as a small child, he didn't want Grace to give him a bath, dry him, or simply hug him. This fear overtook him.

When an individual can't be touched, we lose part of our humanity. We're warm blooded social animals. We need physical closeness like eating, drinking, breathing. Since Christian couldn't do any of that, he was basically starved for touch, starved for affection. So, this woman comes along into his life and rather shockingly introduces him to something he's not had all through his childhood.

He's getting something he's starved for in a way that is devious and wrong. He's a child still. In a way, he's a hostage of this situation because without Elena's harsh ways, he will lose the ability to be touched. Can you imagine going on for 15 years without a single hug, or a kiss, or anything to warm you, or calm you, or soothe you or simply give you love? The absence of the physical touch starved him and made him violent. He was losing control of his behavior because it was the only way he could have some sort of human connection.

Clearly, the loss of what Elena was offering would be too hard for him. It would mean the loss of physical touch, and something new: sex. Why wouldn't he think he loved her. Because she was giving him something he never had: intimacy. But in reality Elena was training him to be her new boy-toy. She's probably seen the potential in him.

Therefore it is normal for him to initially think that he is in love with her. That's what he was trying to explain to Ana. He thought he loved her. He would do anything for her. But that's because he couldn't differentiate love from lust. Lust alone isn't love. However the kind of love you have for someone that would keep you up at night, and fill your daylight hours is always accompanied by lust. It's not so the other way around.

He managed to differentiate this after all was said and done. When he stopped the physical relationship with Elena. He could understand it then. If he cared for her after, that was the kind of care he would have for a friend. Because she gave him something he didn't have before: control. He'd probably always care for her. But he's never been in love with Elena.

It's caring for her, lusting for her (in the past), having sex, fucking, but then these things do not trigger love. A car collision is also very intimate, but then again, not love inspiring, or close to someone. He could only see the distinction when Ana got into his life. Of course if he truly loved Elena, he would have made the effort to keep her in his life as a lover. Obviously that wasn't the case.

He's jealous of Ana if a male fly looks sideways at her, let alone another man. That's being in love.

Neusa Reis said...

Tradução da resposta da Emine à pergunta da leitora Maria:

"Oi Maria
Sua pergunta já surgiu antes, em um dos capítulos em inglês. Eu vou explicar isso para você também. Excelente pergunta, a propósito. Você está confusa sobre se Christian amava Elena ou não. Porque parece contraditório. No Livro 1 , ele diz que não a amava , mas , em seguida, ele sugere que ele pode ter amado.

É realmente muito simples. O que Christian sentia em relação a Elena é como as vítimas de sequestro que estão com seus sequestradores por um longo tempo . É muito semelhante à Síndrome de Estocolmo. Temos que entender a mentalidade de Christian primeiro. Ele tinha medo de ser tocado. Isto avançou para um grau elevado de tal forma que até mesmo como criança pequena, ele não queria Grace para dar -lhe um banho , secá-lo, ou simplesmente abraçá-lo. Este medo tomou conta dele .

Quando um indivíduo não pode ser tocado, perde parte da nossa humanidade. Somos animais sociais, de sangue quente . Precisamos de proximidade física, como comer, beber, respirar . Uma vez que Christian não podia fazer isso, ele ficou basicamente carente de toque, carente de afeto . Então , esta mulher aparece em sua vida e embora de forma chocante apresenta-o a algo que ele não teve durante toda a sua infância.

Ele está recebendo algo pelo que ele está faminto de uma forma que é tortuosa e errada. Ele é uma criança ainda . De certa forma, ele é um refém desta situação porque sem as formas severas de Elena , ele vai perder a capacidade de ser tocado. Você pode imaginar seguir por 15 anos sem um único abraço, ou um beijo , ou qualquer coisa para aquecê-lo , ou acalmá-lo , ou consolá-lo ou simplesmente dar-lhe amor ? A ausência do contato físico o faz faminto e o faz violento. Ele estava perdendo o controle de seu comportamento, porque essa era a única maneira com a qual ele poderia ter algum tipo de conexão humana .

Claramente, a perda do que Elena estava oferecendo seria muito difícil para ele. Isso significaria a perda de contato físico, e de algo novo: o sexo. Por que ele não acharia que ele a amava? Ela estava dando a ele algo que ele nunca teve : a intimidade. Mas, na realidade Elena estava treinando-o para ser seu novo garoto - brinquedo. Ela provavelmente viu o potencial dele.

Por isso, é normal que ele pense que , inicialmente, ele está apaixonado por ela . Isso é o que ele estava tentando explicar para Ana . Ele pensou que ele a amava. Ele faria qualquer coisa por ela. Mas isso é porque ele não conseguia diferenciar amor de luxúria. Luxúria por si só não é amor. No entanto, o tipo de amor que você tem por alguém que iria aquecê-lo à noite, e preencher suas horas do dia é sempre acompanhado por luxúria. Não é assim o contrário.

Ele conseguiu diferenciar isso depois de tudo que foi dito e feito. Quando ele parou o relacionamento físico com Elena. Ele podia compreendê-lo depois . Se ele se importava com ela depois , esse era o tipo de cuidado que ele teria para um amigo . Porque ela deu a ele algo que ele não tinha antes : o controle . Ele provavelmente sempre cuidaria dela. Mas ele nunca foi apaixonado por Elena .

É cuidar dela, desejando-a ( no passado), fazer sexo , foder, mas , daí, essas coisas não provocam amor. A colisão de carro também é muito íntima, mas, novamente, não inspiradora de amor , ou aproximação de alguém . Ele só pôde ver a diferença quando Ana entrou em sua vida. É claro que se ele realmente amasse Elena , ele teria feito o esforço de mantê-la em sua vida como uma amante. Obviamente que não era o caso .

Ele tem ciúmes de Ana até se uma mosca macho olha de soslaio para ela, e muito mais de outro homem. Isso é estar apaixonado."

Tati said...

maravilhoso!!! como sempre!! super ansiosa agora!!! parabéns Emine e Neusa!!! bjs

Pao said...

Neusa acepto tu invitación para el bolo e o guaraná tenho saudades. Aquí en Chile no hay. Maravilloso capítulo quiero más. Se acerca el termino del libro. mmmmmm que maravilla quiero mas capítulos. Gracias

Anonymous said...

otimo capaitulo tem até uma foto de um certo franceinho kkkkk
gente amei lindo como sempre

Neusa Reis said...

Oi meninas, vamos ao nosso café. Com todas as propostas de comidinhas com o café, só de falar engordei uns 3 quilos.
Mari Lins, tem razão as fotos estão cada vez mais ousadas. E realmente, acho que a Ana às vezes exagera com essa história de nunca fazer o que ele quer. Eu jamais teria recebido a Leila, p.ex. Obrigada a vc. Bj
Olidelgi, obrigada a você. A criatividade do Christian não tem limites. E a Emine para mim É o Christian. Melhor do que a autora que o criou. Bj
Joenes, é um prazer. Esse cafezinho realmente é insubstituível e viciante. Bjs
Fer, depois do cap. I do livro 4, vou traduzir os dois que faltam da série Pella. Seria uma maldade parar no XXVI, vcs verão porque. E o Grey é enlouquecedor mesmo. Obrigada e bj.
Kenya, por nada. É sempre um prazer. Tome sempre um café conosco. Bj
Maria, a Emine respondeu com quase um capítulo. Que bom que vc gostou. Pergunte sempre. Bj
Rosi, vão ser cada vez melhores. Obrigada por vir para o café. Bj
Aline, Alex será depois do cap.1 do livro 4 que virá o Alex. Não dá para parar antes, vc verá.Obrigada Bj
Lala, vc é demais; com iogurte grego? Vou tentar. Emoções a flor da pele mesmo. Bj
Gabriela, obrigada a você por estar por aqui. A Ana é forte, e está cada vez mais no controle. E que presentinhos de aniversário, hem? A minha semana também, por causa dos comentários de vcs. Bj
Natii, obrigada por vir tomar o cafezinho. Está cada vez melhor mesmo. Bjs
Rosangela, vc gosta mesmo do cafezinho, né.? Que bom! Também adorei esta frase dele, aliás nos capítulos mais recentes tem tido sempre estas frases bem humoradas. Obrigada por estar sempre por aqui, e por vir e voltar, no mesmo capítulo. O café acabou virando lanche completo com todas essas comidinhas. Realmente Curitiba é uma beleza, prá fazer turismo e prá morar. Bjs
Katia!! Marido superprotetor!! Parabéns pela vida que você tem. É assim mesmo, altos e baixos, mas não perdendo o foco da razão que nos fez ficar juntos, que muitas vezes é abandonada durante a vida. Que bom ter vc aqui com o seu testemunho de que Ana e Christian são possíveis.Bjs
Katia, pão de queijo? Vou morrer! Coma uns por mim. Abraços prá vc também e obrigada.
Viviane, vou me internar perto de vc, pq também vou ter um ataque. Vc atingiu o ponto. Fé e paciência. Mas creio que muita paciência. Nós somos mesmo privilegiadas de termos podido conhecer tão bem os personagens através da Emine, sobretudo o Christian. Mas somos por isso mais exigentes. Eu expliquei num comentário no Cap. XXV pq não estava comentando. Eu também sinto saudades de vcs que procuram os capítulos enquanto eu procuro os comentários. Bjs e obrigada
Nilvânia, nem sei se banho ia resolver.E no começo ele fazia ela pensar que estava dominando sem estar. Agora, ele até gosta. Vou tentar, mas tá difícil fazer mais.
Ana, que bom que voltou, não nos deixe. Chega no XXVI, pelo menos é anunciado. Grande emoção. Bj
Daniela, obrigada, mais pão de queijo porque eu adoro.As fotos são tudo de bom.E a Emine também. Obrigada e bjs
Rozeli, que bom que pelo menos tomou o cafezinho preto. Vc fez uma análise muito boa da posição da Ana. É isso mesmo. E essa interação entre nós só tem aqui. Acho que a Emine ainda não se deu conta do que está acontecendo aqui. Ou se percebeu está quietinha para não mexer com as “malucas” do café imaginário... Rsrsrs. Eu também volto várias vezes para ver quem comentou e o que disse. Bjs e obrigada.
Ana Paula, vc disse tudo. Mágico! Obrigada por estar aqui e tome um cafezinho conosco. Bjs
Alice, obrigada a você por nos seguir. A Emine realmente é uma preciosidade. Que bom que a encontramos! Dá muito trabalho, mesmo, a tradução. Mas o retorno, com a felicidade das pessoas é melhor ainda. Bjs
Leda, onde vc está? Obrigada a vc por vir por aqui. Bjs
Tati, obrigada a vc. E volte sempre! Bjs
Pao, que pena não ter guaraná por aí. Volte por aqui para tomar. E aproveite o cafezinho. Vamos ter mais em breve. Obrigada por estar sempre por aqui. Bj
Anonymous, obrigada. Assine no texto prá gente se conhecer. Volte sempre. Bjs

Daniela Martins said...

Hello, meninas!
Boa noite, Emine!
Nao sei mais o que dizer para descrever tudo que acho deste POV sem ser repetitiva!
É simplesmente maravilhoso! Incrivel! Lindo! Apaixonante! Viciante!
Nunca vou ter o suficiente disto!
Pode publicar ate o livro 50.000 que com certeza todas nós amaríamos mais do que tudo!
Parabens!
Bjkas
Dani
;-)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry

Unknown said...
This comment has been removed by the author.
Deise said...

Depois de ler, reler, ler novamente... pq quando acabo de ler já sinto saudades dessa família linda... admiro muito a força e coragem de Ana... Suzanna na versão de Ana fala a respeito do Club das Subs, imagino como seria um capítulo falando sobre uma reunião delas, compartilhando suas experiências com o Mestre... já conhecemos Leila, Suzanne e a médica, seria extremamente interessante essa reunião do Club das Subs