StatCtr

Saturday, September 14, 2013

Livro III - Capítulo XXVI - Capítulo Final - Christian e Anastasia Fanfiction


ALONE 

From childhood's hour I have not been
As others were; I have not seen
As others saw; I could not bring
My passions from a common spring.
From the same source I have not taken
My sorrow; I could not awaken
My heart to joy at the same tone;
And all I loved, I loved alone.
Then- in my childhood, in the dawn
Of a most stormy life- was drawn
From every depth of good and ill
The mystery which binds me still:
From the torrent, or the fountain,
From the red cliff of the mountain,
From the sun that round me rolled
In its autumn tint of gold,
From the lightning in the sky
As it passed me flying by,
From the thunder and the storm,
And the cloud that took the form
(When the rest of Heaven was blue)
Of a demon in my view.
Edgar Allan Poe


O MAIS PEQUENINO INVASOR
CAPÍTULO XXVI
Tradução: Neusa Reis





Não me admira que por isso o médico não venha falar comigo. Eu tinha acabado de sentar para passar alguns documentos de trabalho no meu laptop, sabendo que o médico podia demorar um pouco, quando recebo esta grande notícia. Eu tomo uma respiração profunda, e eu estou no processo de fechar os inúmeros documentos que eu tinha aberto no meu laptop para ir ver Anastasia, quando a porta da sala de espera se abre novamente. Eu levanto os olhos e vejo minha mulher radiante. 



"Ele está acordado,” ela proclama excitadamente. Sua confirmação de seu despertar, bem como a sua clara alegria finalmente aliviam toda a tensão em que tenho vivido há dias. Eu sorrio como se parte da carga pesada fosse tirada dos meus ombros. Eu quero que isso seja a sua alegria e não quero dizer a ela que eu já tinha ouvido. Pego o laptop e coloco-o de lado e estreito minha esposa no meu abraço.

"Como ele está?" Eu pergunto enquanto eu a abraço.

"Falando, com sede, e desnorteado. Ele não se lembra nada do acidente."

"Isso é compreensível. Agora que ele está acordado, eu quero fazer com que ele se mude para Seattle. Então, podemos ir para casa, e minha mãe pode manter um olho nele,” afirmo o que eu estava pensando.

"Eu não tenho certeza que ele está bem o suficiente para ser transferido,” ela responde imediatamente. Mas essa opinião deve ser deixada para os médicos. Temos tecnologia suficiente para fornecer os mesmos cuidados de seu ambiente de suporte, uma vez que ele não está usando máquinas para a sustentação da vida e ele pode ser confortavelmente transferido para um hospital de Seattle, em um helicóptero médico, por um período que vai demorar menos de uma hora.

"Eu vou falar com o Dr. Sluder. Obter sua opinião," afirmo simplesmente.

"Você sente falta de casa?” ela pergunta percebendo.

"Sim.”

"Tudo bem,” ela aquiesce entendendo.

Dr. Sluder nos cumprimenta depois de nós voltarmos de ver Ray. Ray está como Anastasia descreveu, confuso, mas agora informado de que ele tinha estado em um acidente e em coma. Depois de seu coma e quase morte, a menor animação de seus membros, e proferindo talvez poucas palavras, tornam Anastasia completamente eufórica. É como uma injeção de adrenalina. Enquanto o médico de Ray explica sua melhora, Ana sorri constantemente, enquanto ela aperta minha mão com entusiasmo. Quando estamos a sós com o Dr. Sluder para discutir a saúde dele, eu me viro para ela e faço a pergunta que está na minha mente desde ontem:

"Doutor Sluder, Ray está bem o suficiente para ser transferido para Seattle?"

"Precisamos observá-lo por pelo menos 24 horas e realizar alguns testes para dar a luz verde para a sua transferência. Eu sou oitenta por cento positivo que a sua transferência pode ser factível em algum momento da terça-feira, sujeita a seus resultados dos testes,” ela responde. Bom, mais um ou dois dias em Portland talvez. Sinto alívio com essa informação.
Quando saímos para o Heathman, eu viro e vejo Anastasia com seu grande sorriso.

"Você não parou de sorrir," eu observo.

"Estou muito aliviada e feliz."

Eu sorrio em resposta. Fico feliz quando ela está feliz. "Bom." O ar está fresco e crocante, enquanto a escuridão da noite começa a cobrir a cidade. Anastasia entrega as chaves de seu R8 para o manobrista que olha o carro com uma apreciação carnal como se ele fosse uma mulher bonita. Um arrepio percorre o corpo de Anastasia, e eu sei que não é a preocupação neste momento, mas o frio do ar. Eu coloco meu braço em volta dela.

O porteiro abre a porta para entrarmos.

"Vamos celebrar?" Pergunto ao entrarmos no saguão.

"Celebrar?"

"Seu pai,” eu lembro a ela. Que rápido nos esquecemos. Ela ri em resposta: "Ah, ele.”

"Eu senti falta desse som,” eu digo beijando seu cabelo. Eu tinha de fato. Ver minha esposa angustiada, e a esperança sugada para fora dela, tinha sido muito difícil. E sua euforia atual imediatamente me alivia.

"Podemos comer no nosso quarto? Você sabe, ter uma noite tranquila dentro?"

"Claro. Venha,” eu digo, enquanto eu pego a mão dela.

O jantar é mais do que agradável, porque Anastasia limpa a comida e sobremesa até o último bocado, me surpreendendo e me agradando.

"Estava delicioso,” murmura completamente repleta, empurrando seu prato. "Eles com certeza sabem como fazer uma boa tarte Tatin aqui."
Tomamos um banho relaxante, juntos. Quando eu saio e me seco, coloco minha camiseta e jeans. Eu vou para a sala de estar e ligo o iPod. Talvez todos os apetites de Anastasia estejam de volta. Só há uma maneira de descobrir. Coloco Dido em shuffle, e ela está cantando Bandeira Branca .

Dido - White Flag

Quando Anastasia sai de banho tomado e vestindo apenas a minha t-shirt e, possivelmente, apenas a calcinha por baixo, ela parece boa o suficiente para comer. Se eu tiver sorte, talvez eu possa. "Isso foi o máximo que eu já vi  você comer durante todo o tempo em que estivemos aqui,” eu observo.

"Eu estava com fome,” ela responde.

Sento-me na minha cadeira e recosto-me, em seguida, tomo um gole de meu vinho branco com um sorriso de auto-satisfação.  "O que você gostaria de fazer agora?" Pergunto com uma voz suave, esperançosa, concupiscente.

"O que você quer fazer?” Ela responde com outra pergunta.

Não é óbvio? Eu levanto uma sobrancelha, parecendo divertido. "O que eu sempre quero fazer."

"E o que é?" Qual é,  Ana! Pare de me provocar!

"Sra. Grey, não seja tão tímida," eu digo. Mas desta vez ela se estica através da mesa de jantar, agarra a minha mão e a vira. Seu toque inflama meu sangue, me queimando; uma corrente passa sobre cada uma das minhas células como um fogo selvagem. Minha respiração é superficial, embora rápida. Ela desliza sobre minha palma da mão com o dedo indicador.

"Eu gostaria que você me tocasse com isso,” ela murmura enquanto ela corre o dedo ao longo do meu dedo indicador. Seu toque ressoa na minha virilha e para baixo até a ponta do meu pênis, fazendo-me remexer na minha cadeira. "Só isso?" Eu pergunto enquanto meus olhos escurecem, e eu sou a carnalidade personificada.

"Talvez esse?” Acrescenta ela correndo seu dedo ao longo do meu dedo do meio e de volta para a palma da minha mão. "E esse,” ela continua traçando uma linha com a unha por cima do meu dedo anelar, "definitivamente esse,” ela confirma enquanto seu dedo pára sobre a minha aliança de casamento. "Isso é muito sexy."

Meus olhos estão abertos, focados, atentos, e estou completamente ligado.

"É?"

"Com certeza é. Isto diz que este homem é meu." Ela está definitivamente me ligando. Eu me inclino para  frente e toco seu queixo com a outra mão fazendo-a olhar para mim.
"Sra. Grey, você está me seduzindo? "

"Eu espero que sim."


"Anastasia, eu sou óbvio,” digo em uma voz baixa e carnal. "Venha aqui,” eu ordeno baixinho pegando sua mão e puxando-a para o meu colo. "Eu gosto de ter acesso irrestrito a você,” eu digo e corro minha mão sobre sua coxa até suas nádegas. Agarrando seu pescoço com a outra mão, eu seguro-a firmemente no lugar, e beijo-a com tudo que eu tenho. Primeiro suave e sensual, mas quando ela passa os dedos através do meu cabelo, me segurando no lugar, estou mais uma vez no fogo por ela, e minha língua mergulha em sua boca e explora, tocando, sentindo, lambendo e exigindo. Sua língua enrola em torno da minha, e se move em uma dança sedutora, espelhando suas mãos. É excitante, libidinoso e inebriante. Eu tenho que tê-la, agora.




"Vamos para a cama,” murmuro contra seus lábios.

"Cama?” ela pergunta, insegura. Será que minha esposa quer algo diferente? Eu chego mais para trás, e puxo o cabelo para cima, fazendo-a olhar para mim. "Onde você preferiria,  Sra. Grey?"  Ela encolhe os ombros, fingindo indiferença. "Surpreenda-me.”

Eu sorrio malicioso. Ela está pronta para qualquer coisa. "Você está agressiva esta noite,” eu digo correndo meu nariz ao longo do dela.

"Talvez eu precise ser contida,” acrescenta ela. Porra! Como isto é quente!

"Talvez você precise. Você está ficando muito mandona na sua velhice,” eu digo estreitando meus olhos sobre ela, mas eu estou completamente satisfeito com a sua demanda.

"O que você vai fazer sobre isso?” Ela pergunta sedutoramente. Você me pergunta isso? Eu posso fazer uma série de coisas com este pedido. "Eu sei o que eu gostaria de fazer sobre isso. Depende se você estará pronta para isso."

"Oh, Sr. Grey, você tem sido muito gentil comigo nestes últimos dois dias. Eu não sou feita de vidro,  você sabe."

"Você não gosta de suave?"

"Com você, claro. Mas você sabe... a variedade é o tempero da vida,” ela responde batendo os cílios de uma maneira graciosa.

"Você está atrás de algo menos suave?" Atrevo-me a perguntar?

"Algo de afirmação da vida,” ela responde. Eu sou mais do que capaz de fornecer isso. Concordo com a cabeça. Eu olho para ela por um momento, avaliando o seu humor. Ela morde o lábio. "Não morda seu lábio," eu sussurro, e fico de pé de repente, com Ana em meus braços. Ela suspira em reação à rapidez do meu movimento, e agarra meu bíceps. Vou até o menor dos três sofás na sala de estar, e coloco-a nele.

"Espere aqui. Não se mova," eu lhe ordeno, olhando-a por um momento com a intensidade do meu desejo carnal e giro em meus calcanhares e caminho de volta para o quarto com passos seguros. Eu sei exatamente o que quero fazer, e como eu quero fazê-lo. Eu vou para o banheiro e pego uma toalha de mão e o óleo de massagem. Volto por trás dela, e ela fica assustada ao me encontrar lá.

"Eu acho que nós vamos nos livrar disso,” eu digo, enquanto eu puxo sua camiseta e arrasto-a por sobre sua cabeça. Ela está nua, exceto por sua calcinha. Completamente quente. Eu puxo seu rabo de cavalo para trás, mais uma vez, e beijo-a.



"Levante-se,” eu ordeno contra os lábios dela, e solto-a. Ela imediatamente obedece. Eu coloco a toalha no sofá onde eu quero que ela se sente. Ela me olha com curiosidade.

"Tire sua  calcinha," eu comando com uma voz rouca. Ela engole em seco, mas excitada e expectante, e atira-as ao lado do sofá.

"Sente-se,” eu digo e puxo seu rabo de cavalo novamente, inclinando sua cabeça para trás mais uma vez. "Você vai me dizer para parar se isso ficar demais, sim?"

Muito excitada, ela é incapaz de pronunciar uma palavra. Ela balança a cabeça afirmativamente. 

"Diga," Eu comando em uma voz severa.

"Sim,” ela guincha.

Eu sorrio com sua resposta. "Bom. Assim, Sra. Grey... por demanda popular, eu irei amarrar você,” eu sussurro, falando para sua libido. Seus olhos se escurecem, as íris azuis quase desaparecem em um anel azul, com as pupilas se dilatando.

"Traga os joelhos para cima," eu ordeno novamente em um tom suave. "E se sente para trás."

Ela descansa os pés na beira do sofá, com os joelhos na frente dela. Chego até a perna esquerda, e tomando o cinto de um dos roupões de banho, eu amarro uma extremidade logo acima do joelho.
"Roupões de banho?” ela questiona.

"Estou improvisando,” eu respondo sorrindo. Não estamos em casa afinal. Então eu aperto o nó corrediço acima do joelho e amarro a outra extremidade do cinto de veludo macio ao redor do remate no canto de trás do sofá, desta forma abrindo as pernas em uma posição convidativa.

"Não se mova,” eu a advirto, e repito o processo na perna direita, amarrando o segundo cinto de roupão de banho para o outro remate. Completamente sedutora e de dar água na boca. Ela está diante de mim, esparramada no sofá, com as pernas bastante afastadas, amarrada e totalmente ligada.

"Tudo bem?" Eu pergunto baixinho, olhando para ela por trás do sofá. Ela concorda com a cabeça. Eu me curvo e a beijo. Eu deliberadamente não amarro suas mãos. Eu tenho um trabalho para elas.

"Você não tem idéia de quão quente você parece agora,” murmuro e esfrego o nariz contra o dela. O que eu quero fazer requer um tipo diferente de música. "Mudança de música, eu acho,” eu digo, ficando de  pé, e caminhando até o deck para iPod.

Gabriella Cilmi - Sweet About Me

Esta posição a está expondo; deixando você se sentindo vulnerável, impotente e, claro, apropriadamente penetrável. Do jeito que eu gosto. A cantora tem uma voz sensual, jovem e atraente. Ela começa a cantar Sweet about me.” Olhando-me , diz ela, enquanto ela começa a cantar. Que apropriado. É exatamente isso que eu pretendo fazer. Assistir minha esposa dar prazer a si mesma. Eu me viro e meu olhar trava com Anastasia. Sem quebrar o olhar com ela, passeio para a frente do sofá e agilmente afundo de joelhos diante dela. Meus olhos digitalizam seu corpo, e ela agora tem o efeito completo de como ela está exposta.

"Exposta? Vulnerável?" Eu pergunto, sabendo exatamente como ela se sente. Minhas mãos não deixam meus joelhos. Ela acena com a cabeça.

"Bom,” eu digo. Isso é exatamente o que eu queria. "Estenda as suas mãos." Nossos olhos permanecem bloqueados, e ela não pode afastar o olhar para longe de mim. Ela faz o que lhe é dito. Eu derramo óleo de massagem perfumado com uma almiscarada fragrância rica, sensual. Ele contém semente de ambreta (N.T. Usada somente em perfumes de luxo por causa de seu preço elevado (de 46 a 57 milhões de reais/kg., de âmbar, doce, almiscarado, animal, frutado) sândalo e patchouli. A combinação desses elementos faz com que o cheiro fique muito erótico, inspirador, de terra e estimulante. É perfeito para criar o óleo de massagem profundo e rico. Ela aspira o perfume enquanto ela fecha os olhos. Eu sei que ela está cativada por ele.
"Esfregue suas mãos," Eu ordeno enquanto ela abre os olhos. Ela está praticamente se contorcendo, sob meu olhar abrasador. "Fique quieta,” advirto.

"Agora, Anastasia, eu quero que você toque a si mesma," eu digo com uma voz rouca.
Ela pisca e olha para mim, hesitante. Eu vou guiá-la até o fim. Estou completamente ligado com a idéia de minha mulher dar prazer a si mesma para os meus olhos só.

Sheena Easton - For Your Eyes Only

"Comece em sua garganta e trabalhe para baixo." Ela está relutante.

"Não seja tímida, Ana. Vamos.  Faça-o." Minha voz e rosto um desafio, mas acima de tudo eu estou morrendo para ver isso. Eu quero vê-la confiante em sua sexualidade. Ela finalmente, hesitante, coloca as mãos sobre sua garganta, e lentamente desliza-as para o topo de seu peito com facilidade, espalhando o rastro de óleo e o cheiro inebriante.

"Mais baixo,” murmuro, minha voz rouca, cheia de expectativa carnal, meus olhos estão em chamas. Ela cobre os seios com as mãos.

"Provoque a si mesma," eu ordeno suavemente. Ela puxa os mamilos gentilmente. Eu quero vê-la realmente dar prazer a si mesma, puxar, esticar e alongar os mamilos.

"Mais forte," eu a incentivo. Sento-me imóvel entre suas coxas, apenas observando-a, ligado além da crença. Ela ainda está muito macia e suave. "Como eu faria,” acrescento eu, o meu olhar escurecendo. Ela geme e puxa os mamilos mais forte. Eles endurecem com o óleo de massagem, as ministrações de Anastasia, e meu olhar intenso.



"Sssimm. Assim. Mais uma vez." Eu lhe ordeno.

Anastasia fecha os olhos, e puxa mais. Desta vez, ela torce e rola-os entre seus polegares e dedos, gemendo forte. Minha respiração é superficial, mas rápida. Estou excitado. Eu quero ver isso de novo. E de novo. Eu quero que ela sinta o meu olhar. Assistir seus dedos deslizarem, puxarem, provocarem, ouvindo seus gemidos, e vendo seus olhos fixos nos meus é extremamente erótico, uma fodida ligada!

"Abra seus olhos," eu ordeno. Ela pisca para mim.

"Outra vez. Eu quero ver você. Ver você curtir seu toque." Ela repete novamente. E uma vez mais.

"Agora. Mãos. Mais baixo." Ela se contorce sob seu próprio toque.

"Fique quieta, Ana. Absorva o prazer. Mais baixo,” eu digo em voz baixa e rouca. Como a chamada de sereia, tentando-a, seduzindo tudo ao mesmo tempo.


 "Você faz isso,” ela sussurra, ansiando pelo meu toque.

"Oh, eu irei - logo. Você. Mais baixo. Agora." Eu digo, minha voz a personificação da sensualidade. Eu corro minha língua sobre os dentes, e ela se contorce, puxando as amarras. Eu balanço minha cabeça em advertência.
"Imóvel," eu digo. Eu levo minhas mãos e coloco-as em seus joelhos, segurando-a no lugar. "Vamos lá, Ana – mais baixo."

Ela desliza as mãos sobre seu estômago e para baixo sobre sua barriga.

"Mais baixo..." Eu mexo a boca, sem som, novamente, carnalmente.

"Christian, por favor."

Minhas mãos deslizam para baixo pelos joelhos, deslizando sobre suas coxas, movendo-se em direção a seu sexo. "Vamos lá, Ana. Toque a si mesma."



Ela finalmente move sua mão esquerda, deslizando sobre seu sexo, e esfrega-se em círculos lentos, sua boca formando um O, ofegando.

"De novo,” eu sussurro.

Ela geme mais alto, e repete seus movimentos, o prazer perfurando, ela inclina a cabeça para trás, ofegando.

"De novo.”

Seu gemido alto é o que sobe a escala para mim, e eu inalo bruscamente. Eu pego suas mãos, curvo a cabeça para baixo, e esfrego o meu nariz, em seguida, minha língua para frente e para trás sobre as convidativas flores de seu sexo, empoleiradas no ápice de suas coxas.


 "Ah,” ela geme alto.

Ela faz um movimento para me tocar, mas eu não quero  isto abreviado. Cada vez que ela tenta mover sua mão, eu prendo seus pulsos com mais força.

"Vou restringir estes também. Fique quieta," Eu ordeno. Ela geme. Eu libero seus pulsos em seguida insiro os meus dois dedos médios profundamente em seu sexo enquanto a palma da minha mão descansa sobre seu clitóris.

"Eu vou fazer você gozar rapidamente, Ana. Pronta?" Eu pergunto.

"Sim,” é a resposta ofegante.

Eu posiciono minha mão de tal maneira que meus dedos se movem contra seu ponto sensível, e esfrego enquanto eu movo minha mão para cima e para baixo, em rápida sucessão, eu esfrego e estimulo seu clitóris e o ponto G ao mesmo tempo. Isso deve despertá-la intensamente, construindo seu prazer, perfurando através de seu sexo, se espalhando para o resto do seu corpo. Ela tenta diminuir a tensão se construindo, esticando as pernas, mas está atada, e isso não vai funcionar. Ela deve absorver tudo isso  em doses concentradas. Ela agarra a toalha debaixo dela. Ela tenta se segurar, mantendo seu orgasmo na baia.


 "Renda-se,” eu sussurro derrubando a escala, e ela deixa ir; seu orgasmo surgindo se espalha através de seu corpo, pulsando-o através de meus dedos, ela grita de forma incoerente. Eu pressiono a base de minha mão contra seu clitóris enquanto os tremores de seu orgasmo correm através de seu corpo, a sensação é prolongada pela minha mão, deixando-a desfrutar da doce sensação agonizante um pouco mais. Enquanto ela ainda está no cativeiro de suas réplicas, eu desamarro suas pernas.

"Minha vez," murmuro e giro Anastasia sobre si mesma, deixando-a de bruços no sofá, e seus joelhos no chão. Eu abro suas pernas para acomodar a minha ereção faminta, e bato forte em suas nádegas.

"Ah,” ela grita, enquanto eu mergulho meu pau em seu sexo. É quente, apertado e molhado. Os tremores secundários ainda pulsando puxam minha ereção mais profundo, à procura de mais.

"Oh, Ana," Eu sibilo com os dentes cerrados, e começo a me mover. Eu agarro seus quadris intensamente, e martelo nela implacavelmente uma e outra vez. Agora sinto seu familiar aperto de seu sexo, pronto para pulsar outro orgasmo através de seu corpo, mas ela o mantém na baia. É tão fodido e atraente ao mesmo tempo.


 "Vamos lá, Ana!" Eu grito ordenando-lhe para deixar ir, e ela assim o faz.  Seu orgasmo explode a partir de um único ponto onde meu pau martela estimulando e esfregando, puxando um orgasmo intenso eletrificando todo o seu corpo, fazendo-a gritar quando ela goza. Eu tenho que segurá-la de desfalecer a partir da intensidade de seu prazer. Ela está acabada e a vida está afirmada.

"Foi afirmação de vida o suficiente para você?" Pergunto beijando seu cabelo.

"Oh, sim,” ela murmura, muito cansada para mover seu olhar do teto. Ela está caída sobre mim, suas costas sobre minha frente, no chão ao lado do sofá. Ela consegue mover a cabeça para observar-me ainda vestido.

"Eu acho que nós devemos ir novamente. Sem roupas para você desta vez,” ela murmura.

"Cristo, Ana. Dê a um homem uma chance,” murmuro fazendo-a rir. Eu dou uma risada em resposta a esse doce som. "Estou feliz porque Ray está consciente. Parece que todos os seus apetites estão de volta,” eu digo, com um sorriso, completamente satisfeito.

Ela se vira e fecha a cara para mim. "Você está esquecendo-se de ontem à noite e hoje de manhã?” ela pergunta fazendo  beicinho.

"Nada esquecido sobre qualquer um desses,” eu sorrio. Eu seguro a bunda dela em minhas palmas das mãos. "Você tem uma bunda fantástica, Sra. Grey."
"Assim como você,” responde ela arqueando uma sobrancelha para mim. "Embora a sua ainda esteja sob cobertura,” acrescenta ela.

"E o que você vai fazer sobre isso, Sra. Grey?"

"Ora, eu vou despir você, Sr. Grey. Todo você,” ela responde me fazendo sorrir tão amplamente quanto possível.

"E eu acho que há muita coisa que é doce em você,” ela murmura, finalmente coerente o suficiente para ouvir a letra da canção  refletindo os sentimentos declarados na música. Mas, eu não sou isso. Estou longe disso. A compreensão faz meu rosto desabar.

"Você é,”  ela sussurra fervorosamente depois que ela lança um olhar sobre o meu rosto. Ela se inclina e beija o canto da minha boca. Eu fecho meus olhos e aperto os braços em volta dela. Eu quero ser digno de sua estima, mas eu não sou o que ela pensa. Eu sou um homem duro, difícil, inferior e quebrado por dentro. Só me sinto inteiro com ela, e essa coisa, esse traço de caráter de que ela fala, não pertence a mim.

"Christian, você é. Você fez este fim de semana tão especial -  apesar do que aconteceu com Ray. Obrigado,” ela pronuncia com fervor.

Abro os olhos arregalados, sério, e desnorteado. Eu estou em uma perda. Eu faço o que posso fazer por ela, porque eu amo Anastasia. Eu faria qualquer coisa por ela, mas eu não sou esse cara doce. Eu não conheço nenhuma outra maneira de expressar o meu amor  por ela.

"Porque eu amo você,” murmuro.

"Eu sei. Eu também amo você,” diz ela acariciando meu rosto. "E você é precioso para mim, também. Você sabe disso, não sabe? "

Eu quero acreditar, eu realmente quero, mas mesmo  que eu não possa me amar, eu não vejo como ela pode... Como ela pode amar um homem indigno? Estou perdido, sem uma bússola.

"Acredite em mim,” ela sussurra.

"Não é fácil,” eu respondo com uma voz quase inaudível. Como pode alguém que foi até mesmo odiado pela forma mais baixa de ser humano, ser digno do seu amor?  Não ser amado é mais fácil. É o que eu sei. Eu aprendi muito com o meu imenso amor por ela, mas como eu posso aprender a receber algo de que eu sou indigno? Amor... Eu sou indigno de seu amor, desta emoção sagrada, e não é fácil de aceitar isso. Portanto, é lógico que a razão de ser amado por ela simplesmente não possa ser verdade. Eu quero desesperadamente recebê-lo, mas eu estou tendo dificuldade em manter a porta do meu coração aberta para ela derramar o seu amor dentro.

"Experimente. Tente forte, porque é verdade,” ela insiste, acariciando meu rosto mais uma vez. Seus dedos correm contra minhas costeletas. Eu descobri que meu coração é capaz de amar Anastasia, mas é um caminho sem volta. Eu sou capaz de amá-la, mas não consigo receber sua reciprocidade de volta no meu coração. Meu coração tem sido assolado, abandonado e negligenciado quando eu mais precisava disso como uma criança, e mais tarde, ele só rejeitou, evitou e abandonou todo o amor oferecido para mim, permanecendo vago; porque eu sou simplesmente detestável e indigno. 

"Você vai ficar com frio. Venha,” eu fico em pé e a puxo para ficar ao meu lado. Ela desliza o braço em volta da minha cintura e vagamos de volta para o quarto. Ela não diz nada, depois disso, talvez  compreendendo como eu me sinto.

Ela franze a testa ao entrar no quarto.

"Vamos assistir TV?” ela pergunta.

Eu rosno. TV? Eu pensava que eu ia fodê-la completamente de novo. "Eu estava esperando pela segunda rodada,” eu respondo. Ela arqueia a sobrancelha com curiosidade e para ao lado da cama.

"Bem, nesse caso, eu acho que vou estar no comando,” diz ela, e me coloca na cama enquanto eu fico de boca aberta para ela. Ela sobe e me monta, prendendo minhas mãos para baixo ao lado da minha cabeça. Isso é quente!
Eu sorrio para ela. "Bem, Sra. Grey, agora que você me tem, o que você vai fazer comigo?"

Ela se inclina e sussurra em meu ouvido: "Eu vou foder você com a minha boca,” ela responde.

Eu fecho meus olhos, inalando bruscamente, e ela apenas corre  seus dentes suavemente ao longo da minha mandíbula, enquanto ela faz seu caminho até meu pescoço e torso.





*****  *****
A manhã me encontra inquieto novamente, e eu estou levantado  e trabalhando bem cedo na suite. Eu tenho que responder a toneladas de e-mails de trabalho. Mas primeiro eu encomendo o café da manhã para Anastasia e para mim, para ser entregue em trinta minutos.

Não estar em Seattle acrescenta comunicados adicionais à minha agenda diária, então eu mergulho neles imediatamente. E logo eu descubro um e-mail de um Detective Clark. Isso não pode ser uma boa notícia. Merda!
______________________________________________
De: Jefferson Clark
Assunto: Entrevista
Data: 12 de setembro de 2011; 07:50
Para: Christian Grey

Sr. Grey,
Eu gostaria de falar com a Sra. Grey sobre Jack Hyde hoje. Por favor, deixe-me saber a que horas seria conveniente para ela.
Obrigado,

J. Clark
Detective, Seattle Police  Department
 _________________________________________
Eu respondo-lhe imediatamente.
_________________________________________

De: Christian Grey
Subject: RE: Entrevista
Data: 12 de setembro de 2011; 07:54
Para: Jefferson Clark

Detective Clark,

Minha esposa está indisponível atualmente. Estamos em Portland. Seu pai teve um grave acidente de carro. Isto poderia esperar? Se não for possível, pode ser feito através do telefone?

Christian Grey
CEO, Grey Enterprises Holdings Inc
________________________________________

De: Jefferson Clark
Assunto: Entrevista
Data: 12 de setembro de 2011; 07:59
Para: Christian Grey

Não, Sr. Grey. Infelizmente, não posso esperar. E eu prefiro uma abordagem em pessoa. Eu não sou muito uma pessoa de telefone.
Eu ficaria feliz em dirigir para Portland hoje. Isto é importante. Quanto mais cedo eu falar com a Sra. Grey, quanto mais cedo eu vou estar fora de seu pé. Por favor, informe-me onde posso encontrar a Sra. Grey.

Obrigado,

J. Clark
Detective, Seattle Police Department
______________________________________

Acho que não há como evitá-lo. Ele está certo; quanto mais cedo isso for feito, mais cedo ele está fora de nosso pé. Mas para o filho da puta Hyde? Eu não quero perder tempo com esse imbecil.

Enquanto eu estou pensando, Anastasia entra.

"Bom dia,” murmura da porta. Viro-me e sorrio para ela. "Você é uma visão colírio para os olhos, baby,” eu digo. Ao ver o meu sorriso feliz, ela só avança na minha direção e se enrola no meu colo. "Como você é,” diz ela.

"Eu estava apenas trabalhando,” eu respondo, mexendo-me no meu lugar e beijando seus cabelos. Estou inquieto pelo e-mail do detetive, e realmente odiando que mesmo um único minuto do nosso tempo seja gasto com o filho da puta do Hyde, mesmo que seja de forma indireta. Anastasia sente meu desconforto.

"O quê?” Ela pergunta.

Eu suspiro. "Eu recebi um e-mail do Detetive Clark. Ele quer falar com você sobre aquele filho da puta Hyde."

"Sério?” Ela pergunta surpresa. Ela se senta para trás para olhar para mim.
"Sim. Eu disse a ele que você está em Portland, por enquanto, então ele teria que esperar. Mas ele disse que gostaria de entrevistá-la aqui."

"Ele está vindo para cá?" Anastasia pergunta surpresa.

"Aparentemente, sim,” eu digo distraído.

Ela franze a testa. "O que poderia ser tão importante que não pode esperar?"

"Exatamente."

"Quando é que ele vem?"

"Hoje. Eu vou mandar um e-mail de volta."

"Não tenho nada a esconder. Eu me pergunto o que ele quer saber?” Ela pergunta.

“Nós vamos descobrir quando ele chegar aqui. Estou intrigado, também," eu respondo, me mexendo novamente. "O café da manhã estará aqui em breve. Vamos comer, então podemos ir e ver o seu pai.”

Ela acena com a cabeça. Olhando minhas janelas abertas no meu laptop, "Você pode ficar aqui se quiser. Eu posso ver que você está ocupado,” diz ela.

Eu carranco. Não quero mandá-la a qualquer lugar sozinha, se eu puder evitar. "Não, eu quero ir com você."

"Tudo bem,” diz ela sorrindo. E envolvendo os braços em volta do meu pescoço, ela me beija.

Uma vez que ela me libera, há uma batida na porta. Eu aperto enviar no meu e-mail antes de ir abrir a porta.
______________________________________
De: Christian Grey
Subject: RE: Entrevista
Data: 12 de setembro de 2011; 07:54
Para: Jefferson Clark

Detective Clark,

Estamos hospedados no Hotel Heathman, em Portland. Deixe-me saber a hora que você vai estar aqui. Gostaríamos de ir ao hospital.

Christian Grey
CEO, Grey Enterprises Holdings Inc.
_____________________________________

*****  *****
O pai de Anastasia deve ir cada vez melhor, porque ele está bem o suficiente para ter paciência para ser Comichão e Coçadinha.(N.T. Itchy and Scratchy (em português brasileiro, Comichão e Coçadinha) é um desenho animado que é visto na série de animação Os Simpsons, como atração do programa do palhaço Krusty. O desenho animado é uma paródia de Tom & Jerry, porém, com bastante humor negro, violência aumentada e bem mais cômica).
Ele está impaciente e desconfortável tendo estado deitado na cama por alguns dias. Ele odeia estar confinado em um quarto de hospital, mesmo que ele vá precisar de tempo para se recuperar.

"Pai, você acaba de estar em um acidente de carro. Levará algum tempo para se curar. Christian e eu queremos levá-lo para Seattle."

"Eu não sei porque você está se incomodando comigo. Eu vou ficar bem aqui por mim mesmo."

"Não seja ridículo,” diz ela apertando a mão dele com um gesto de amor, e ele sorri para Anastasia. Eu viro minha cabeça para a porta para deixar Ana sozinha com seu pai, e me encaminho para a sala de espera para trabalhar. Eu ligo meu laptop, e pego outra cadeira para colocar o mouse sobre ela. Meu laptop está no meu colo, eu abro alguns arquivos para trabalhar. Eu verifico meus e-mails novamente para ver se há uma resposta do Clark. Não há nenhuma.

Meu Blackberry vibra, e eu o retiro do bolso das minhas calças.

"Grey,” eu digo respondendo meu Blackberry sem olhar para o nome. Falando do diabo...

"Sr. Grey. Aqui é o detetive Clark,” diz ele. "Duas horas parece bem para você hoje?” Ele pergunta.

"Não, não podemos. Estamos no hospital com o pai da minha esposa. Esse não é um momento muito bom. Após o almoço, mas antes do jantar e de preferência ainda no horário comercial seria melhor para nós."

"Quatro da tarde seria bom então. Isso iria me dar tempo suficiente para fazer todas as minhas perguntas para a Sra. Grey, e ainda estar dentro do horário comercial no momento em que completasse a entrevista.”

"Detetive Clark, sobre o que é isso?" Pergunto irritado.

"Eu disse a você. Eu tenho algumas perguntas não respondidas sobre o Sr. Hyde, e algumas verificações a cruzar com as declarações que ele nos deu,” diz ele enigmaticamente.

"E isso não pode ser feito por telefone?"

"Não, senhor, eu prefiro ficar cara a cara,” diz ele com firmeza.

"Quatro horas, no Hotel Heathman, então,” eu respondo e a porta se abre.

"Vejo você então, Sr. Grey." Eu desligo. Anastasia olha para mim intrigada.

"Clark vai estar aqui às quatro da tarde."

Ela franze a testa, o que reflete o meu sentimento. "Tudo bem,” ela aquiesce. "Ray quer café e donuts."

Eu rio com isso. "Eu acho que eu ia querer também se eu tivesse um acidente. Peça a Taylor para ir."

"Não, eu vou,” ela responde.

"Leve Taylor com você " Eu me oponho a ela com voz severa.

"Tudo bem,” diz ela fazendo sua concessão mas não sem revirar os olhos. Oh, Sra. Grey, vá em frente, me desafie. Eu sorrio e inclino minha cabeça para o lado. Eu posso puxá-la no meu colo aqui, se ela assim o desejar, por continuar com esta atitude. Eu apenas vou ser muito feliz de utilizar minhas palmas das mãos nervosas.

"Não há ninguém aqui,” eu digo em uma voz baixa, rouca, ameaçadora. Seus olhos brilham, prestes mesmo a me desafiar, mas para quando um jovem casal entra no quarto. A mulher está chorando copiosamente. Ao vê-la, Anastasia dá de ombros se desculpando, e eu aceno com a cabeça concordando. Nós estivemos em seu lugar apenas um par de dias atrás. Eu pego meu laptop, e pego a mão da minha esposa, e a levo para fora da sala de espera.

"Eles precisam de privacidade mais do que nós,” murmuro. "Nós vamos ter a nossa diversão mais tarde."

Taylor está esperando pacientemente do lado de fora como de costume. Que diabo - não há lugar para trabalhar no hospital, e minha esposa está prestes a ir pegar um café e donuts. Eu estou no jogo, também. "Vamos todos pegar um café e donuts," eu digo, e saímos.
*****  *****
Às 3:30h em ponto, estamos no hotel. Taylor já está informado da visita do Detetive, e ele está conosco na suíte. Exatamente às 04:00, há uma batida na porta. Taylor vai até a porta e acompanha Clark para a sala. Clark aparenta seu habitual mau humor, perversamente auto irritável. Bem-vindo ao clube; eu estou prestes a chegar lá também.

"Sr. Grey, Sra. Grey, obrigado por me receberem." Ele nos cumprimenta. Pelo menos ele tem alguma forma de educação.
"Detetive Clark," eu aperto sua mão, mostrando a minha civilidade contida, e o encaminho a um assento. Ana e eu sentamos no sofá que batizamos ontem à noite. Anastasia deve estar pensando a mesma coisa, porque ela cora profusamente.

"É a Sra. Grey que eu quero ver,” Clark diz incisivamente para mim e Taylor. Eu olho para Taylor, e aceno imperceptivelmente. Taylor vira as costas e sai, fechando a porta atrás de si. Seria um dia frio no inferno, se eu fosse deixá-lo sozinho com a minha esposa para falar sobre o filho da puta do Hyde.

"Qualquer coisa que você gostaria de dizer para a minha esposa, você pode dizer na minha frente,” eu digo, com uma voz até mesmo legal e profissional. O detetive é implacável. Ele se vira para Anastasia.

"Tem certeza que você gostaria que seu marido estivesse presente?” Ele pergunta como se insinuando que há algo que Ana está escondendo. Eu olho para Anastasia. Ela franze a testa para ele. "Claro,” ela responde com firmeza. "Não tenho nada a esconder. Você está apenas me entrevistando?” ela pergunta.

"Sim, senhora.”

"Então, eu gostaria que o meu marido ficasse,” diz ela.

O que isso pode ser?  Estou enrolado mais apertado do que num tambor, embora tensão e estresse estejam irradiando de cada célula do meu corpo.

"Tudo bem,” murmura Clark, resignado. Ele limpa a garganta como um preâmbulo de alguma notícia ruim que ele vai anunciar sobre o pedaço de merda. "Sra.Grey, o Sr. Hyde afirma que você o assediou sexualmente e fez vários avanços obscenos em direção a ele,” diz ele como se ele estivesse falando sobre o tempo de domingo. Estou prestes a pular em meus pés, e bater nesse babaca por dizer uma coisa dessas. Estou falando a todo o meu auto-controle para me conter, sem levantar-me e dizer-lhe onde ele pode ir com isso. Eu só me mexo no meu lugar, sentado para frente, pronto. A mão de Anastasia encontra minha coxa e aperta para me conter mais, me lembrando.

"Isso é um absurdo,” eu detono com malícia. Anastasia aperta minha perna mais forte para me silenciar.

"Isso não é verdade,” ela esclarece perfeitamente calma. "Na verdade, foi o contrário. Ele me abordou de uma forma muito agressiva, e ele foi demitido. "

A boca de Clark se estreita em uma linha fina brevemente, antes dele reforçar suas declarações contra acusatórias.

"Hyde alega que você fabricou um conto sobre o assédio sexual, a fim de levá-lo a ser demitido. Ele diz que fez isso porque ele recusou seus avanços e porque queria o seu trabalho. "

Eu posso matar esse filho da puta do Hyde pela fabricação de uma história tão maliciosa. Anastasia franze o cenho. "Isso não é verdade,” diz ela sacudindo a cabeça. Chateada, mas ainda calma.

"Detective, por favor, não me diga que você dirigiu todo este caminho para assediar minha esposa com essas acusações ridículas," eu sibilo.

Clark vira seu imperturbável olhar azul  para mim, mas restringindo-se como eu estou fazendo. "Eu preciso ouvir isso da Sra. Grey, senhor,” diz ele. Estou prestes a chutar a bunda dele para fora da minha suíte, e ele não terá as atenciosas boas vindas que eu  apresentei a ele, sem a presença de um exército de advogados! Anastasia, por outro lado aperta minha perna mais uma vez para me manter contido.

"Você não tem que ouvir essa merda, Ana.”

"Eu acho que eu deveria deixar o Detective Clark saber o que aconteceu,” diz ela me olhando. Eu olho para ela, impassível por um minuto, em seguida, levanto minha mão em um gesto de resignação.

"O que Hyde diz  simplesmente não é verdade,” explica Ana mantendo sua frieza, e calma. Ela respira fundo e olha o detetive no olho. "Sr. Hyde me abordou na cozinha do escritório uma noite. Ele me disse que foi graças a ele que eu tinha sido contratada e que ele esperava favores sexuais em troca. Ele tentou me chantagear, usando e-mails que eu tinha enviado para Christian, que não era meu marido então. Eu não sabia que Hyde tinha estado monitorando meus e-mails. Ele estava delirante, ele me acusou mesmo de ser um espião enviado por Christian, supostamente para ajudá-lo a assumir o controle da empresa. Ele não sabia que Christian já tinha comprado a SIP,” ela resume tudo com calma. Ela balança a cabeça como se para afastar as más recordações para longe.

"No final, eu... eu o derrubei,” diz ela. Os olhos de Clark ampliam, e as sobrancelhas levantam com surpresa. "Derrubou-o?” Ele pergunta se inclinando para frente.

"Meu pai é ex-militar. Hyde... uhm.. ele me tocou e eu sei como me defender.”

Eu olho para Anastasia com orgulho, e apesar de eu tentar escondê-lo, ela sabe que eu estou muito malditamente orgulhoso dela por chutar as bolas de Hyde.

"Eu entendo,” diz Clark recostando-se no sofá novamente, suspirando pesadamente. Eu sei que ele sabe que Anastasia está dizendo a verdade.

"Você falou com alguma das ex-PAs do Hyde?" Pergunto afavelmente.

"Sim, nós falamos. Mas a verdade é que não pudemos conseguir que qualquer uma das suas assistentes falassem conosco. Todas dizem que ele era um chefe exemplar, apesar de que nenhuma delas durou mais de três meses,” diz ele, sabendo que há algo suspeito lá. Se ele tem metade do cérebro, ele descobriu isso.

"Nós tivemos esse problema também,” murmuro quase distraidamente.

Tanto Anastasia quanto o Detective Clark têm a mesma expressão boquiaberta em seus rostos.

"Meu chefe de segurança. Ele entrevistou as últimas cinco PAs do Hyde,” eu explico.

"E por que isso?" Pergunta Clark acusatório.

Eu o encaro com meu olhar implacável; inflexível para sua acusação. "Porque minha esposa trabalhava para ele, e eu executo verificações de segurança para qualquer um com quem  minha esposa trabalhe," eu declaro. Eu o encaro  dizendo, 'você se atreve a ter um problema com isso?’ Clark cora. Anastasia dá de ombros, desculpando-se, sabendo de minhas tendências controladoras.

"Eu entendo,” Clark murmura.  "Eu acho que há mais além disso do que os olhos vêem, Sr. Grey. Estamos realizando uma pesquisa mais completa em seu apartamento amanhã, então talvez algo irá apresentar-se em seguida. Apesar de que tudo aponta que ele não vive lá há algum tempo."

"Você já procurou?" Eu pergunto.

"Sim. Estamos fazendo isso de novo. Uma procura minuciosa neste momento,” afirma.

"Você ainda não o acusou de tentativa de assassinato de Ros Bailey e eu?" Eu digo baixinho.

Anastasia chicoteia a cabeça para mim, ouvindo isso pela primeira vez, seus olhos procurando o meu rosto, questionando, preocupada.

"Estamos na esperança de encontrar mais evidências em relação à sabotagem de sua aeronave, Sr. Grey. Precisamos de mais do que uma cópia parcial, e enquanto ele estiver sob custódia, pode-se construir um caso.”

"Isso é tudo o que você veio fazer aqui?" Pergunto, e agora minha voz é acusatória.

Clark se arrepia como um porco-espinho, mas mantém a compostura. "Sim, Sr. Grey, é, a menos que você tenha tido quaisquer outros pensamentos sobre a nota?” Ele pergunta. O filho da puta tem que perguntar isso na presença de Anastasia! Ela sulca as sobrancelhas e me encara pesquisando meu rosto.

"Não. Eu lhe disse. Não significou nada para mim,” eu respondo incapaz de esconder a minha exasperação. "E eu não vejo por que você não poderia ter feito isso por telefone."
"Eu acho que eu lhe disse, eu prefiro uma abordagem face a face. E eu estou visitando minha tia-avó que vive em Portland... dois pássaros... uma pedra,” ele responde com a sua marca de rosto impassível, parecendo imperturbável com o meu mau humor.

"Bem, se estiver tudo pronto, tenho trabalho para fazer,” eu digo levantando, efetivamente chutando-o para fora. O detetive Clark se levanta, aproveitando a deixa.

"Obrigado por seu tempo, Sra. Grey," diz ele educadamente a Anastasia. Ela acena com a cabeça em resposta, sem uma palavra.

"Sr. Grey," ele diz incapaz de economizar uma palavra amável para mim, não que eu dê a mínima! Ele sai, e eu fecho a porta atrás dele.

Anastasia afunda no sofá, exausta com o estresse da entrevista.

"Você pode acreditar que babaca?" Eu explodo.

"Clark?"

"Não. Esse filho da puta, Hyde.”

"Não, eu não posso."

"Qual é a porra do jogo?" Eu sibilo entre os dentes cerrados.

"Eu não sei. Você acha que Clark acreditou em mim? "

"Claro que ele acreditou. Ele sabe que Hyde é um fodido babaca.”

"Você está muito xingador,” afirma Anastasia olhando para mim.
"Xingador?" Eu sorrio. Deixe isso para minha esposa para colocar tudo no menor denominador comum. "É mesmo uma palavra?"

"É agora,” diz ela, muito segura de si.

Eu sorrio com sua declaração, e sento-me ao lado dela, puxando-a em meus braços.

"Não pense sobre aquele filho da puta. Vamos ver o seu pai, e tentar falar sobre a mudança de amanhã. "

"Ele estava convencido de que ele queria ficar em Portland e não ser um incômodo."

"Eu vou falar com ele."

"Quero viajar com ele,” diz ela. Eu olho para Ana por um momento. Ela está determinada. Ok, eu vou dar isso a ela. É seu pai, seu único parente próximo.

"Okay. Eu vou também. Sawyer e Taylor podem levar os carros. Vou deixar Sawyer conduzir o seu R8 hoje à noite,” eu digo, e é simples assim.

*****  *****

Não demorou muito para eu convencer Ray. Digo-lhe que Ana vai estar dirigindo para lá e para cá, para Portland, para visitá-lo diariamente, e é muito mais fácil de tê-lo em Seattle do que em Portland. Conhecendo sua filha teimosa, ele faz uma careta.

"São três horas de carro de cada vez. Eu não acho que eu quero tê-la dirigindo todos os dias para me ver,” diz ele.

"Nem eu, Ray. E ela tem esse pé de chumbo. Eu não a quero aqui deitada ao seu lado quando  você e eu podemos ter paz de espírito, bastando tê-lo em Seattle. Isso realmente seria um favor para nós. Eu espero que você não se importe. Eu odeio ter que pedir-lhe isto como um favor vendo que você acabou de ter um acidente. Você se incomodaria muito se o Northwest Hospital o tratasse em Seattle?"

"Favor? Christian, eu estou preocupado com a minha filha teimosa fazendo essa viagem diária. Seria a cara dela,” diz ele. Não que eu deixaria Ana de carro indo e voltando diariamente. Mas Ray não tem que saber disso. "Vocês dois têm trabalho,” pondera a idéia em sua cabeça. Então sacode a cabeça chegando à decisão. "Eu vou,” ele aquiesce rabugento, mas também com relutância. E é isso.

Na terça-feira Ray é checado no centro de reabilitação do Northwest Hospital, olhando ao redor, verificando seu novo ambiente depois que ele foi transferido através de um helicóptero médico. Anastasia quer permanecer no hospital com Ray por um pouco mais de tempo para se certificar de que ele se instalou. Eu concordo, embora eu teria gostado de ir para o  trabalho com ela como normalmente fazemos. Ela está indo para o trabalho logo depois que ela fale com os médicos. Estamos em nossa própria casa. Eu a deixo no hospital com Sawyer, mas tenho montes de trabalho para fazer. Taylor me leva a GEH diretamente.

Andrea salta de pé assim que caminho através da porta.

"Bom dia, Sr. Grey. Bem-vindo de volta, senhor,” ela saúda, e segue-me no meu escritório com seu tablet e uma pilha de documentos. Ela está repleta de eficiência.

"Sr. Grey, temos algumas reuniões adiadas de sexta-feira e ontem. Sam está com a equipe de engenharia e eles estão esperando por você na sala de reuniões nr. 3.”

"Lembre-me a agenda novamente, Andrea,” eu digo enquanto eu começo a desnatação do conteúdo das pastas que estão colocadas diante de mim.

"Sim, senhor. Uma vez que a compra do estaleiro vai ser finalizada dentro de alguns dias, você está programado para ir a Taipei. Nossa equipe de engenharia pretende familiarizá-lo totalmente com as capacidades do estaleiro, o que precisa ser adicionado, alterado e como alocar a força de trabalho adicional que estamos planejando mudar. Tenho diante de você as especificações existentes, a força de trabalho atual categorizada de acordo com a classe de trabalho e títulos, os empregados adicionais necessários. Walter também vai encontrá-lo depois que você acabar com os engenheiros para discutir a destinação dos recursos para as melhorias necessárias e a força de trabalho adicional, bem como o pagamento final aos taiwaneses. Os fundos devem mudar de mãos após a assinatura dos documentos em Taipei dentro de duas semanas, no máximo."

"Okay. Vamos a isto então,” eu digo enquanto eu me levanto da minha cadeira. Andrea e Taylor me seguem no meu caminho.

No momento em que terminamos com as reuniões já é quase 1:00h.  Ros, Sam, Walter e eu vamos almoçar para discutir a viagem para Taipei, e rever as notas da reunião. Eu quero ligar e falar com Anastasia, mas faltar apenas um dia e meio de trabalho está tendo seus efeitos, e eles devem ser completados. Há cerca de três horas que eu não vejo minha esposa, e eu já estou sentindo falta dela. Deus! Como posso ser ligado a outro ser humano tanto assim? Escrevo-lhe um e-mail.
__________________________________________________
De: Christian Grey
Assunto: Sentindo sua falta
Data: 13 set 2011 13:57
Para: Anastasia Grey

Sra. Grey,

Estive no escritório por apenas três horas, e eu já estou sentindo falta de você.
Espero que Ray tenha se instalado em seu novo quarto bem. Mamãe vai vê-lo esta tarde e fazer um check-up nele.
Vou buscá-la por volta das seis esta noite, e podemos ir vê-lo antes de ir para casa.
Parece bom?
Seu marido amoroso,

Christian Grey
CEO, Grey Enterprises Holdings, Inc.
___________________________________

Sua resposta é curta, brusca, e francamente inquietante. O que aconteceu na minha ausência? Ray está bem? Estou preocupado agora. Se algo foi alterado na condição de Ray, porque eu o tinha transferido, eu nunca me perdoaria. Mas, ela não disse. É sobre o trabalho? Disseram alguma coisa, ou fizeram alguma coisa porque ela se foi?
____________________________________
De: Anastasia Grey
Assunto: Sentindo sua falta
Data: 13 set 2011 14:09
Para: Christian Grey

Claro.
X

Anastasia Grey
Commissioning Editor, SIP
___________________________________
Escrevo-lhe uma resposta para descobrir. O que está incomodando a ela?
___________________________________

De: Christian Grey
Assunto: Sentindo sua falta
Data: 13 Setembro 2011 14:13
Para: Anastasia Grey

Você está bem?

Christian Grey
CEO, Grey Empresas Holdings Inc.
___________________________________
Ela está me assustando. O que aconteceu com a minha esposa alegre que eu deixei esta manhã no hospital?
___________________________________
De: Anastasia Grey
Assunto: Sentindo sua falta
Data: 13 Setembro 2011 14:16
Para: Christian Grey

Bem. Apenas ocupada.
Vejo você às seis.

X
Anastasia Grey
Commissioning Editor, SIP
_________________________________

Algo está definitivamente errado. Não há palavras carinhosas, nenhum cumprimento, nenhuma boca inteligente, nada de sua perspicácia habitual. O que aconteceu com minha esposa nas últimas horas?

Eu chamo Sawyer.

"Sim, Sr. Grey,” ele responde.

"Sawyer, a Sra. Grey está bem?"

"Eu acredito que sim, senhor. Embora ela parecia que viu um fantasma mais cedo."

"Quando foi isso? No trabalho ou no hospital? "

"Depois do hospital. Eu estava esperando por ela no SUV. Ela tinha acabado de visitar seu pai.  A Sra. Grey parecia que estava fria. Muito fria, mas o clima era muito agradável. Seu rosto estava pálido. Ela parecia muito chateada, apreensiva, e preocupada, senhor. "
Isso não faz sentido. O que a incomodava? Sawyer diz que ela parecia que viu um fantasma. Será que alguém a visitou no hospital? José? Será que alguém fêz alguma coisa com ela? Será que o seu trabalho a chamou dando-lhe uma má notícia? Que diabos aconteceu com minha esposa?

"Você a levou diretamente para SIP?"

"Sim, senhor. Perguntei a ela onde ela gostaria de ir vendo que ela não estava se sentindo bem. Ela disse: SIP. "

"Você tem certeza que ela não estava doente?"

"Eu não sei senhor. Ela poderia estar. Ela não parecia bem. Vindo a pensar sobre isso, ela estava sentindo frio quando o tempo estava bom. Ela parecia um pouco doente. Mas ela parecia chateada. Eu não poderia dizer com certeza, senhor."

"Obrigado Sawyer. Fique de olho nela. Se ela estiver doente, me ligue. "

"Sim, senhor."

Duvido que ela esteja doente. Ela teria me dito que ela não estava se sentindo bem. É outra coisa. Seis da tarde não poderia chegar cedo o suficiente. Eu chamo minha mãe e pergunto se ela teve a oportunidade de visitar Ray. Ela me diz que a condição de Ray, embora cansado, melhorava rapidamente. Então, não é Ray. O que diabos aconteceu?

*****  *****

Taylor abre a porta, e Anastasia sobe no SUV timidamente, como uma gazela perseguida por um leão. O que ou quem a está incomodando?

"Oi,” eu a cumprimento, refletindo sua cautela.

"Oi,” ela murmura, sua resposta sem entusiasmo. Meu coração afunda para os meus pés. A aflição está gravada no meu rosto, e eu estou preocupado com ela.

"O que há de errado?" Pergunto franzindo a testa. Ela balança a cabeça enquanto Taylor nos leva para o hospital.

"Nada,” responde ela. Como poderia ser nada quando seu rosto me diz que o mundo está caindo aos pedaços?

"O trabalho está  bem?" Eu sondo.

"Sim. Bem. Obrigado." Suas palavras são staccato, sem emoção e direto ao ponto. Eu gemo interiormente.

"Ana, o que há de errado?" Pergunto, em tom enérgico. Eu sei que algo está errado, e eu sei que ela está escondendo alguma coisa.

"Eu apenas senti sua falta, isso é tudo. E eu estive preocupada com Ray,” ela diz. Oh! Ela estava preocupada com a sua transferência. Pode ser isto. Eu relaxo um pouco. "Ray está bem. Eu falei com mamãe esta tarde e ela está impressionada com o seu progresso." Eu pego sua mão na minha. Está congelando. "Rapaz, sua mão está fria. Você já comeu hoje?"

Ela cora profusamente. Ela está preocupada com seu pai, sua rotina normal está perturbada, e ela não tinha comido. Isso poderia fazer com que ela fique doente.

"Ana," eu a repreendo, completamente descontente. Eu acho que pedir a ela para se lembrar de comer não é pedir muito.

"Eu vou comer esta noite. Eu realmente não tenho tido tempo."

Dai-me paciência! Ela frustra o inferno fora de mim. Ela é magra como ela é. Eu balanço minha cabeça em consternação. "Você quer que eu adicione 'alimentar minha esposa’ à lista de tarefas da equipe de segurança?"  
"Sinto muito. Eu vou comer. Acabou sendo um dia estranho. Você sabe, mudando papai e tudo mais."
Aí está de novo. Essa pontada de inquietação. Alguma coisa está terrivelmente errada. Eu não consigo colocar o dedo sobre isso. Meus lábios se pressionam em uma linha fina e dura.

Eu tenho que contar a ela sobre a minha viagem iminente para Taiwan. Talvez ela gostaria de vir comigo. "Talvez eu tenha que ir para Taiwan,” eu digo.

"Oh. Quando?"

"No final desta semana. Talvez na próxima semana."

"Ok.”

"Eu quero que você venha comigo." Ela engole. Eu sei que ela vai dizer 'não'. Se ela nem sequer foi para Nova York comigo, é claro que ela não iria para Taiwan. O que há de errado em pedir a minha esposa para estar ao meu lado quando eu quero e preciso dela?

"Christian, por favor. Eu tenho o meu trabalho. Não vamos refazer essa discussão novamente."

Eu suspiro, e faço beicinho. Por que ela não pode fazer isso por mim? Se ela estivesse fazendo algo para seu trabalho, e ela quisesse me levar com ela, era meu dever como seu marido estar em seus braços e para apoiá-la em sua empreitada. Às vezes, eu precisarei dela para estar ao meu lado numa entediante atividade. Será que ela não entende que eu preciso dela? Mas, ela me faz tomar um banco traseiro em seu trabalho. "Pensei em perguntar," eu digo tristemente. Sua atitude brusca, seu comportamento, e a preocupação em seus olhos me fazem perguntar por que ela está neste estado de espírito. Isto me corrói, preocupando.

"Quanto tempo você vai ficar?” ela pergunta.

"Não mais do que um par de dias. Eu gostaria que você me dissesse o que está incomodando você."

"Bem, agora que o meu amado marido está indo embora..."

Eu beijo seus dedos. "Eu não vou ficar longe por muito tempo."

"Bom,” diz ela sorrindo, mas não chega a seus olhos, e a preocupação escurecendo-os permanece preocupante.

Ray está um pouco mais alegre, e ele está me agradecendo a cada instante.

"Você não tem que me agradecer Ray. Ana gosta de vê-lo diariamente, e na verdade você está me fazendo um favor ao aceitar ser tratado em Seattle. Mas se você realmente acha que você quer me agradecer, você pode fazer isso vindo pescar comigo algum dia em Aspen.”

"Que tipo de pesca eles têm lá?"

"O lago, pesca no rio. Pesca com mosca é muito popular."

"Não diga!" E nós realmente levamos um bom tempo conversando sobre pesca e Mariners.  Ele ainda está fraco, porém, e se cansa depois de pouco tempo. É melhor sairmos. Eu olho para Ana, e ela concorda.

"Papai, vamos deixá-lo para dormir."

"Obrigado, doce Ana. Eu gosto que você apareça. Vi sua mãe hoje, também, Christian. Ela é muito reconfortante. E ela é uma fã dos Mariners."

"Ela não é louca por pesca, contudo," eu digo com ironia enquanto eu me levanto para ir embora.

"Não conheço muitas mulheres que são, hein?” Ele responde sorrindo.
"Vejo você amanhã, ok?" Anastasia diz e o beija. Ela não disse mais do que três frases durante todo o tempo que estivemos lá. Ela continuou olhando para a distância, e desligando. Que porra está errada?

"Venha,” eu digo estendendo minha mão, e franzindo a testa para ela. Ela a pega e deixamos o hospital. A viagem para casa não é diferente do passeio para o hospital. Ela está fora do ar.

"Sr. e  Sra. Grey, o jantar está servido," Gail anuncia. Ela cozinhou frango Chasseur. Eu pego a mão de Ana e a levo para a mesa de jantar para comer o nosso jantar. O meu olhar está constantemente sobre ela, e ela está completamente inconsciente de que eu estou olhando para ela. O garfo na mão dela, ela só belisca sua comida, dificilmente comendo quatro pequenas mordidas. Eu não posso mais aguentar. Ela está com esse humor desde esta tarde, e a preocupação está me matando.

"Inferno! Ana, você vai me dizer o que está errado?" Eu pergunto enquanto eu empurro meu prato vazio, completamente irritado. Ela olha para mim em silêncio. "Por favor. Você está me deixando louco,” eu imploro.

Ela engole. Eu posso ver o pânico em seus olhos. Meu coração dispara com a reação dela. O que diabos está errado com minha esposa? Ela toma uma respiração profunda.

"Estou grávida.”

Por um momento, eu entendi que ela disse que ela está grávida. Mas isso não pode estar certo. Ela apenas não pode estar grávida. Eu congelo no meu lugar. Toda a cor drena do meu rosto. Eu só quero confirmar o que ouvi. "O quê?" Eu sussurro minha pergunta. Embora eu esteja com medo de ouvir a mesma resposta, eu tenho que saber.

"Estou grávida,” ela repete novamente. Ela está grávida, porra?!

Eu não entendo como isso aconteceu. Ela está tomando uma injeção de controle de natalidade para evitar a gravidez. Minha testa sulca com a incompreensão de sua simples declaração.  "Como?" eu pergunto.  Por uma vez que eu entrego a ela o controle da contracepção, e ela fode tudo! Ela tomou a injeção? Por que diabos eu iria permitir que ela tivesse controle sobre isso quando ela não consegue se lembrar de comer?

Ela se atreve a dar o olhar como-você-acha-que-eu-fiquei-grávida.

Minha postura muda imediatamente em resposta a seu olhar descarado. Meus olhos  endurecem, transformando-se em adagas geladas. "Sua injeção?" Eu berro. Seu rosto empalidece.

"Você esqueceu sua injeção?"

Ela só olha para mim sem dizer nada. Ela esqueceu a porra da injeção! Eu não posso acreditar nisso. Eu estou fodidamente furioso! Ela tem de ser lembrada de tudo? Coma Ana ... vista-se aquecida Ana... durma Ana... Não vá para a porra de viagem com Hyde, Ana... A única coisa que eu confiei a ela, uma porra de uma injeção! E ela não fêz isso! É minha maldita culpa em consentir em dar-lhe as rédeas dessa decisão!

"Cristo, Ana!" Eu grito batendo minhas mãos em punhos sobre a mesa, fazendo-a saltar. Eu levanto abruptamente, e a cadeira em que eu estava sentado treme e oscila em seu lugar, quase se derrubando, mas eu não dou uma merda agora. "Você tem uma coisa, uma coisa para se lembrar. Merda! Eu não acredito, porra. Como você pode ser tão estúpida?"

Ela engasga com meu epitáfio. Sim, estúpida! Ela nunca faz o que ela diz. Nunca! Sempre faz o que quer sem mostrar uma porra de  preocupação sobre o que eu poderia pensar, ou querer ou sentir. Isso foi o cúmulo! Porra! Ela olha para baixo para seus dedos, "Eu sinto muito,” ela sussurra. Desculpas não resolvem!

"Sente? Porra!"  Isso é tudo o que ela tem a dizer?

"Eu sei que o momento não é muito bom."

"Não é muito bom!" Eu grito. Nós nos casamos o que  -  três minutos atrás, e eu só a conhecia por um total de cinco minutos, e ela fica grávida apesar do fato de eu ter fornecido a ela o melhor médico da cidade de Seattle, dado sua injeção para que ela não tivesse que se lembrar de tomar a pílula todos os dias, e tudo o que tinha a fazer era ir buscar a segunda injeção quando era devido e programado!
"Nós conhecemos um ao outro há cinco fodidos minutos. Eu queria mostrar-lhe a porra do mundo e agora... Foda-se! Fraldas e vômito e merda!" Eu fecho meus olhos. Estou tentando ganhar o controle sobre essa crescente raiva. E eu tenho esse sentimento sinistro de que eu não tenho controle sobre minha vida. Eu perdi isso. Ela me fez perder todo o controle. Ela está espalhando seu comportamento caótico em todos os aspectos da minha vida.  Eu. Não. Tenho. Controle!  Estou sufocando. Eu não posso ser um pai! Eu simplesmente não posso! Eu não sou bom para mim, como eu posso ser bom para um bebê? Espere! Ela estava automaticamente programada para a próxima injeção. Eles teriam dado a ela uma visita de cortesia para vir para a sua injeção e seu check-up. Será que ela deliberadamente evitou ir ao médico? Ela tentou engravidar? Se ela engravidou de propósito por que ela faria isso sabendo como eu me sentiria? Todas essas malditas emoções estão nublando meu julgamento escorregadio.

"Você se esqueceu? Diga-me. Ou você fez isso de propósito?" Pergunto enquanto meus olhos queimam e fúria se inflama ao redor de mim, como uma bomba de hidrogênio, consumindo a mim  e tudo ao meu redor.

"Não,” ela sussurra.

"Eu pensei que tinha concordado com isso!" Eu grito.

"Eu sei. Nós tínhamos. Sinto muito." Então, ela simplesmente se esqueceu? Negligenciou? Ignorou? Por que você tem que foder nossas vidas, Anastasia?

"Isto é o porque. É o porque eu gosto de controle. Assim uma merda como esta não vem e estraga tudo,” eu berro.

"Christian, por favor, não grite comigo,” diz ela, enquanto ela abre as torneiras. "Porra!" Eu estou pirando! Isso é errado! Isso é ruim! Muito, muito ruim! Eu sou um homem fodido! Como posso ser confiável para ter um filho? Eu mal, mal tive tempo de ter uma vida normal... Mal apertei Anastasia em meus braços, passei cinco malditos minutos com ela, e agora! Um bebê! Eu vou perdê-la para um bebê! Eu corro a mão pelo meu cabelo, mas eu estou pronto para retirá-lo da minha cabeça. Encontro meus dedos  puxando um  punhado de cabelo. Se nunca fui fodido antes, eu estou totalmente, completamente fodido para a vida agora, cortesia de Anastasia!

"Eu sei que nenhum de nós está pronto para isso, mas eu acho que você vai ser um pai maravilhoso,” diz ela engasgando. "Nós vamos descobrir isso."

"Como diabos você sabe!" Eu grito. Não, eu berro. "Diga-me como!" Estou de luto pela perda de minha esposa, a mulher que eu pensei que eu teria para mim por alguns anos, e agora, ela nunca vai ser a mesma coisa para mim: ela não vai me amar, gastar tempo comigo, cuidar de mim, ou até mesmo me segurar como no passado. Isso não é justo! Eu nunca tive isso antes, nunca! Eu nunca tinha sido abraçado, nunca fui amado, nunca fui o centro da vida de alguém antes. E isso tudo se foi! Isso se foi!  E eu vou ter a responsabilidade de outro ser humano, um bebê! Que porra  eu sei sobre um bebê? Eu não estou apto para ser um pai! Pessoas como eu nunca deveriam ter filhos. Eu vou foder com isso, e não vai ser só a minha vida fodida dessa vez!

Eu queria aprender a ter uma vida em primeiro lugar com a minha esposa. Estou perdendo isso. Não, eu já perdi... Perdi duas das coisas mais importantes esta noite: minha mulher; seu amor e atenção, e o controle sobre a minha vida. Estou de luto, apavorado, e petrificado. O fodido caos  governa minha vida novamente. Estou de volta a ter quatro anos de idade. Outros me dizem o que é melhor para mim. Outros tomam decisões sem a minha permissão, ou desejo, e empurram os resultados sobre mim para lidar com a merda! O que diabos eu faço? Como diabos eu vou voltar para a minha vida? Estou apavorado como eu não estive em um tempo muito longo. Cada barreira que eu cuidadosamente ergui para me proteger, mesmo de mim mesmo, por vezes, e do mundo agora, está em ruínas. Estou derrotado.

"Ah, foda-se isso!" Eu retumbo insolentemente, e levanto as mãos para cima. Estou destruído, derrotado em minha própria vida, pela única pessoa que eu mais amo. Todos os castigos estão afastados, mesmo que ela tenha descoberto minha alma de todas as camadas de proteção que eu tinha cuidadosamente erguido toda a minha vida para o mundo inteiro ver e rasgar parte por parte através de seu descuido! Eu me viro em meus calcanhares, e marcho em direção ao saguão. Eu pego minha jaqueta, e saio pelas portas duplas, batendo a porta atrás de mim.

Eu não tenho nenhum lugar para ir. Ninguém para conversar! Ninguém me entende. Ninguém! Ninguém sabe o que os meus medos fazem comigo. Como eles me tornam um animal, uma ameaça para mim mesmo e para a sociedade. O elevador desce ao saguão do Escala. Eu coloco meu casaco e saio para a rua iluminada. Ouço passos rápidos, mas quase silenciosos atrás de mim. Sem olhar para trás, eu sei que eles são de Taylor. Eu me viro em meus calcanhares e paro para conversar com ele.

"Vá para casa Taylor. Eu estou indo só para o consultório de Flynn," eu ordeno.

"Eu tenho certeza que você não vai se importar de eu ir lá com você até que o Dr. Flynn apareça, senhor,” diz ele com um olhar impassível, mas ele não consegue esconder a preocupação em seus olhos.

"Eu quero alguém que me obedeça, faça exatamente o que eu digo esta noite! Que porra você não entendeu? Eu tenho que demitir o chefe da minha segurança hoje à noite? " Eu digo vigorosamente.

"Sr. Grey, por favor, senhor. Deixe-me fazer o meu trabalho, que você me contratou para fazer."

"Vá para casa, Taylor," Eu ordeno olhando para ele incisivamente. Ele me olha fixamente, avaliando com o olhar para ver se eu sou um perigo para mim. Eu posso ver isso claramente  em seus olhos. Tendo tomado sua decisão, ele acena com a cabeça.

"Eu vou lhe ver em casa, senhor,” ele diz, e volta. Eu sei que ele vai estar me rastreando, mas eu só quero pelo menos a ilusão de que eu tenho algum tipo de controle esta noite. Estou irradiando tensão, apavorado. Estou realmente com medo do meu futuro... o nosso futuro agora. O que diabos eu faço?

Eu pego meu Blackberry  e marco o Dr. Flynn quando  eu estou a apenas alguns quarteirões de distância do seu escritório. Ele toca cinco vezes antes que ele responda seu maldito telefone. Há uma série de ruídos de fundo.

"Christian,” ele cumprimenta, em voz baixa, tentando não incomodar algumas pessoas no segundo plano.

"John! Eu preciso vê-lo agora! Estou quase no seu consultório. Em quanto tempo você pode chegar aqui?"

"Sinto muito, Christian. Eu não posso hoje à noite. Eu estou na escola dos meus filhos. Os alunos prepararam uma apresentação para os pais. É noite dos pais aqui. Não posso sair agora. Isto não pode esperar até amanhã?"

Estou hiperventilando. Isso nunca aconteceu antes! Eu estou congelado sob uma lâmpada semi-iluminada de rua.

"Não! Não pode. Isto é uma emergência!"

"Eu só posso falar com você por alguns minutos, pois a vez de meus filhos está chegando,” diz ele, em seguida, ele pede desculpas a alguém pelo barulho que ele está fazendo. Ele abaixa a voz.

"O que há de errado?"

"Tudo! Minha vida está regiamente fodida! Anastasia está grávida! Aparentemente, ela se esqueceu de tomar sua injeção Depo Provera de controle de natalidade, e agora ela está grávida, porra!" Eu sibilo.

"Parabéns a ambos, Christian. Isso pode parecer  como uma coisa ruim para você, mas não é. Você tem uma incrível capacidade de descobrir as coisas, resolver os problemas insolúveis. Olha, você conseguiu ter um relacionamento normal com Ana, não é mesmo? Vocês são ambos inteligentes,  indivíduos capazes...” ele começa.

"John! Você não entende? Eu perdi todo o controle e eu definitivamente vou perder a minha mulher: Porque ela vai pertencer ao bebê. Não a  mim! Tudo o que eu cuidadosamente criei para ter um pouco de sanidade, alguma libertação e um senso de controle desapareceu! Partiu! Destruído!" Eu posso ouvir John suspirando do outro lado do telefone.

"Christian, olha, eu tenho que ir, mas eu vou lhe ver logo pela manhã. É a vez dos meus filhos agora. Não pense demais esta noite. Dê uma pausa, tome uma bebida, relaxe, e então volte para sua esposa e vamos conversar amanhã de manhã,” diz ele e desliga. Ele desliga na minha cara! Esta noite não poderia ficar pior!

Eu começo andando e vagando pelas ruas. Com quem eu falo? Não com meus pais. Eles vão dizer o que John havia dito. E Elliot? Que porra é que ele sabe sobre como se tornar um pai? Ele nunca engravidou ninguém... A verdade é que eu não tenho amigos, nenhum lugar para ir, e eu estou na necessidade desesperada de ter alguns minutos com alguém que me entenda. Eu estou fodido de raiva de mim mesmo por ceder sobre este assunto, confiando que Anastasia se encarregasse do controle de natalidade. Eu nunca cedi a qualquer mulher que eu fodi antes sobre isso, por que eu fiz isso com ela? Como eu pude ser tão fodido de  confiar, quando eu não posso confiar nela para alimentar-se? A raiva, tensão, desespero estão irradiando através de mim com energia suficiente para aniquilar tudo na vizinhança. Eu estou procurando algo familiar. Algo que possa me colocar de volta na minha órbita. Estou perdido. Eu viro a esquina, e me encontro no bairro de compras de luxo. A placa iluminada do Esclava é como um sinal acenando, chamando-me várias portas abaixo. Estabelecimentos e lojas estão fechados agora, mas quando  eu chego perto do Esclava, Elena sai pela porta do salão e fecha atrás dela, trancando-a. Ela sente a minha presença  algumas portas para baixo e aguarda eu me aproximar.

Eu não sei por que estou aqui, ou como eu cheguei aqui. É este o lugar para eu estar? Com certeza não parece ser. Mas Elena é familiar;  eu a associo com o controle da minha vida. Ainda assim...  Eu não posso falar com ela sobre a gravidez de Ana. Mas eu preciso falar com alguém, eu preciso organizar os meus pensamentos e a minha cabeça junto. Como está, minha vida está em frangalhos. O tapete que eu pensei que estava bem pregado sob meus pés foi puxado debaixo de mim, deixando-me impotente, fora de controle e no caos. E agora eu estou cara a cara com o meu maior negócio inacabado. Ver Elena me faz sentir que esta não é a órbita a qual eu pertenço. A minha  é em casa. Mas talvez isso seja algo que eu posso terminar, finalizar. Eu posso deixar algo resolvido para trás de mim esta noite. Isso vai me dar algum senso de controle. Algum sentimento de realização mesmo que pouco.

"Christian,” ela me cumprimenta, olhando-me com cuidado.

"Elena," Eu aceno com a cabeça.

"Você parece chateado,” diz ela com cuidado. "Eu não o vejo assim há um  tempo muito longo. Eu... uhm, eu estava indo para um bar da esquina para tomar uma bebida tranquila. Você gostaria de se juntar a mim?” Ela pergunta. Concordo com a cabeça. A caminhada até o bar é tranquila. Eu ainda estou muito tenso, mas eu sinto uma sensação de errado nisso. Caos. Estou contribuindo para o meu próprio caos agora. Foda-se!

Peço uma mesa em vez de um assento no bar. Nós somos levados a uma mesa de canto.

"Uma garrafa de Sancerre, se você tem isso," eu digo. "Elena?" Eu pergunto.

"Eu vou tomar Sancerre com você,” ela diz com seus olhos não me deixando. O garçom sai.

"Quer falar sobre isso?"

"Sobre o quê?" Eu sibilo.

"O seu  recém-adquirido quinquagésimo primeiro tom de sua ‘fuckeduppedness’ para começar. Está tudo sobre o seu rosto..." Eu balanço minha cabeça. O garçom chega com a garrafa e duas taças. Ele serve o vinho, e pergunta-me se preciso de mais alguma coisa. Eu o mando embora.

"Uma vez que você veio ao Esclava, e não ao Escala, eu vou ser ousada e assumir que se trata de Anastasia,” diz ela. Eu suspiro, e engulo o meu vinho, e sirvo outra taça e tomo outro gole.

"Assim ruim, hein?" Eu olho para Elena. Essa mulher me ensinou tudo que eu sei sobre foder e controle. Durante anos, ela tinha sido o único amigo que eu tive. Não havia nada debaixo do sol de que nós não falamos. Houve até um momento em que eu pensei que eu a amava e que eu faria qualquer coisa por ela. Qualquer coisa que ela me pedisse para fazer. Mas isso, isso aqui está longe desses dias. Eu não sinto nada disso mais. Vê-la aqui só enfatiza o meu amor por Anastasia. A Anastasia grávida que me fodeu, mas é  Anastasia que eu quero.  

"Anastasia quer ter um bebê,” eu digo e bebo minha taça de novo. Isso não é o que Elena esperava.

"Oh,” eu aposto que ela estava esperando um problema na sala de jogos ou que eu estivesse querendo o divórcio, ou que ela estivesse me deixando, mas eu posso ver no rosto de Elena que isso a pegou de surpresa. Ela toma um gole cuidadoso de seu vinho. Coloca-o de volta na mesa.

"E você não quer um filho?” Ela pergunta com cuidado.

"Olhe para mim, Elena! Você me conhece a maior parte da minha vida. Eu sou o material de pai para você? Eu sou um merda, filho de uma prostituta drogada!"

"Você é o melhor em sua sala de jogos. Paternidade? Vocês dois são um pouco jovens demais. Como isso afetaria o seu lado dominante?” ela pergunta.
"Eu sei,” murmuro.
"Talvez algumas escolhas que você fez recentemente não estavam no seu melhor interesse,” ela murmura, enquanto  casualmente toma um gole. "Certamente, você é melhor sendo um dominante. Você é o melhor! Você está em seu elemento quando você está no controle, porque você nasceu para ser um dominante. Claro,” ela diz com suas palavras persistentes," não há nada de errado em tentar outras curiosidades,” diz ela, como se Anastasia fosse uma curiosidade. Eu estreito meus olhos. Tenho saudades de Ana já. Eu tomo meu vinho de novo. Despejo outra taça, e coloco-a sobre a mesa. Minha mão está tremendo, irradiando o meu medo.

Elena lambe o lábio inferior, e morde-o lentamente, como se para me seduzir. Sua mão se estende para tocar a minha, e quando ela agarra minha mão trêmula, eu me encolho e arranco-a fora de seu alcance automaticamente. Não é por isso que eu estou aqui com ela! Mas a minha reação impulsiva choca a nós dois. Eu nunca me afastei do toque de Elena. Nunca! É como se o tempo parasse;  tudo, cada movimento suspenso no tempo. Minha repulsa automática por ela e minha expressão facial lhe dizem que seus avanços não são bem-vindos, indesejados e indesejáveis. Que diabos eu estou fazendo aqui?

"Não!" Eu sibilo. "Eu não estou aqui para isso. Eu amo minha esposa! Eu não penso em você desse jeito, não mais! Na verdade, eu não penso em você desse jeito há anos!"

Elena está nervosa.

"Christian, desculpe-me. Você não entendeu. Você nunca se afastou de mim antes. Essa coisa de casamento está deixando  você tenso. Honestamente! Quando você se tornou um puritano? Só porque eu tentei dar-lhe um aperto amigável reconfortante não significa que eu quero você na minha sala de jogos... ” diz ela nervosamente pegando sua taça de vinho e tragando-a.

Desta vez eu vejo Elena para o que ela é. Anastasia está carregando um filho. Meu filho. Meu bebê. E de repente eu vejo Júnior com Elena. Ela o está esbofeteando, em seguida, beijando-o, depois esbofeteando-o novamente. Ele está ajoelhado na sua sala de jogos escura, nu, e ela está lá para foder... Bílis sobe na minha garganta, e eu estou enojado. A imagem de meu próprio filho com ela... Eu não agüento a idéia! De onde é que este protecionismo por uma pessoa que não existia esta manhã vem? Minhas mãos cerram os punhos. Juntas brancas. Eu sinto um momento de clareza. Uma epifania. Eu regiamente fodi tudo novamente. Deixei minha esposa em casa, e aqui eu estou tomando uma bebida com uma mulher que Anastasia odeia. Como se com a deixa, meu telefone vibra com uma mensagem de texto. Eu olho para ela. É Ana.

* Onde você está? *

Eu não respondo. Eu preciso terminar este negócio. Coloco meu celular de volta no bolso.

"Elena," eu começo. "Esta é a última vez, a última vez que você e eu vamos  ver um ao outro. Não vai haver outra vez. Este era o nosso negócio inacabado, e estamos terminando-o aqui e agora. Estou indo para a minha esposa depois disso. Eu a amo mais do que amei qualquer coisa ou pessoa, ou todas as pessoas que amei combinadas. Ela é a minha vida. Todo o meu universo,” eu digo meus olhos fixos nos dela.

Seu olhar é impassível, impenetrável. "Eu sei. Eu posso ver isso em você, Christian. Eu não carrego contra  você ou Anastasia qualquer má vontade. Além disso, tenho Isaac que me deixa muito feliz e tenho Esclava que me mantém imensamente ocupada. Mas eu sinto falta da amizade de sua mãe. Desde seu aniversário, meu círculo social diminuiu terrivelmente. Quando ela levou sua amizade para longe, ela também levou seu próprio círculo social para longe de mim. Costumávamos ser  parte dos mesmos círculos, você sabe...” diz ela, em seguida, toma mais um gole de vinho. "Eu entendo seus sentimentos, ela o ama, ela é sua mãe. Eu, entretanto, sinto terrivelmente perder sua amizade. Lamento a perda da mesma. E a última vez que estivemos juntos, você sabe, você, Anastasia, e,” ela olha para o seu copo de vinho suspirando,  "Grace, foi o mais terrível, único, momento mais embaraçoso da minha vida. Eu não posso voltar atrás, mas eu entendo que depois do que aconteceu, é impossível voltar para o que eu tinha com Grace ou com você para este assunto sem você ficar em apuros com sua esposa,” diz ela sorrindo.

"Nós não podemos ter o que tínhamos antes, Elena, nem mesmo a amizade. Agora eu entendo,” murmuro.

"Entende o quê?"

"Que o que fizemos, o que nós tivemos... estava errado. É melhor que separemos nossos caminhos permanentemente, de forma conclusiva. Eu não vou vê-la novamente, Elena. Nunca."
Ela pega sua bolsa e tenta sorrir quando ela se levanta com os pés trêmulos.

"Isso é um adeus, então," ela diz.

"Não, Elena. É despedida. Esta é a última vez que nos vemos ou falamos um com o outro." Ela balança a cabeça com um sorriso triste.

"Adeus Christian. Boa sorte com tudo,” diz ela quando ela vira as costas e vai embora.

Não posso sequer suportar estar perto dela. Eu percebo isso agora. Finalizando isto, nem sequer me sinto remotamente satisfeito, porque eu estou miserável. Sem minha esposa, nada faz sentido, sinto-me como merda! Estou perdido, um planeta sem sol, uma vida sem alma. Eu estou oco, vazio e sem sentido sem ela. Ter agido como um asno com Anastasia é angustiante, e eu não posso voltar para casa para ela. Meu comportamento foi deplorável. Eu olho para a garrafa de vinho vazia agora. O que eu faço agora? Esta noite, eu quero afogar minhas mágoas. Eu quero esquecer o quão desprezível eu fui. Vou pedir-lhe perdão amanhã.

"Garçom! Eu preciso de uma garrafa de uísque!"

Alone - Celine Dion

Nota da Emine Fougner:

Oi a todos. Eu ia colocar a parte com Elena na próxima semana, mas eu decidi colocá-la hoje, já que vocês já estavam esperando. No Livro I, vemos Christian Dominante. No Livro II, ele é Christian, o namorado, no III, ele é o marido. E é conveniente que ele se torne, Christian, o futuro pai no Livro IV. Então, vamos continuar de onde paramos na próxima semana em um novo livro. Nada vai ficar de fora. Obrigada pela leitura!
ALONE / Só
Desde a infância eu tenho sido
Diferente d'outros – tenho visto
D'outro modo – minhas paixões
Tinham uma outra fonte e
Minhas mágoas outra origem -
No mesmo tom não despertava
O meu coração para a alegria -
O que amei – eu amei só.
Então – na infância – a aurora
Da vida atormentada – estava
Em cada nicho de bem e mal
O mistério que me prendia -
Da correnteza, da fonte -
Da escarpas rubras do monte -
Do sol que me rodeava
Em pleno outono dourado -
Do relâmpago nos céus
Quando sobre mim passava -
Do trovão, da tormenta -
E a nuvem tem a forma(Quando o resto do céu é azul)
D'um demônio aos meus olhos
.
Edgard Allan Poe
Trad. Leonardo de Magalhaens

Diversos comentários da Emine Fougner em resposta às leitoras do capítulo em inglês, que ajudarão a melhor entender este capítulo.

Oi Jean! Muitos críticos diminuem ou humilham a trilogia como pornografia. Mas minhas opiniões são conhecidas sobre o assunto. Tive que educar *alguém* na semana do Memorial Day sobre isso. Alguém que deve permanecer anônimo, disse que era pornô e sem importância. Porque (ela declarou isso ) o sexo não era o aspecto mais importante de um relacionamento, porque não era importante para ela. Ser igualmente fortes era o aspecto mais importante de um relacionamento. Isso é extraordinário vindo de alguém cujos pais são divorciados pela mesma razão que ela disse ser sem importância. O fato é que ninguém sabe a fórmula certa. Acreditar nas mesmas coisas é importante até certo ponto, mas há talvez 2 bilhões de outras pessoas que podem acreditar na mesma coisa que você, mas não as tornam compatíveis e muito menos para casar. Eu não consigo dormir com alguém toda a minha vida se eu não tenho nenhum sentimento por ele. Sexo é uma parte integrante da vida de um casal. Fazer a coisa certa ajuda  :)  É engraçado que as pessoas que foram casadas ​​por cerca de 3 minutos tentam dar aconselhamento de casamento e sexual e criticar os livros. Para mim, os críticos são como eunucos em um harém: sabem como é feito, eles têm visto isto ser feito todos os dias, mas eles são incapazes de fazê-lo eles mesmos. No final, estamos lendo uma história de amor com muito sexo nela. Isso não me incomoda, se isso incomoda os críticos, bem, eles podem afastar seus traseiros arrogantes e ler outra coisa. É engraçado quando perguntam ao meu marido o que ele pensa sobre o que eu escrevo. É engraçado ver a cara deles quando ele diz que eu sou uma menina crescida, a minha própria pessoa e eu posso fazer o que quero.

Nina minha amiga  :) Você me conhece agora -  Elena está no passado de Christian . Eu queria que ele a visse pelo que ela era. Ela vai fazer tentativas de ganhá-lo de volta. Ela o viu com muitas subs e outras mulheres enquanto ele estava aprendendo a ser um sub/dom. Elena sabe que Ana é sua maior rival até à data. Você vai ver o que os novos capítulos trarão. Por enquanto ela está concedendo. Christian ainda é um menino por dentro. Se alguém teve o tipo de infância que ele teve, o medo que ele tem seria proeminente. Na verdade, a paternidade é muito assustadora para um monte de homens. Muitos deles ficam com ciúmes do tempo que o bebê toma, mesmo se eles não o admitem. Tenho certeza de que muitas mães experimentaram isso. Às vezes, os casais têm problemas, porque, de repente, o marido está tocando o segundo violino para o bebê, e eles podem carregar ressentimentos (mesmo que não admitam). É um ato de equilíbrio muito bom para as mães. Mesmo com anos na estrada, as pessoas podem ter problemas porque a mãe se concentra demais nas crianças, e os maridos não têm o tempo que eles costumavam ter. Apenas um ano atrás, uma amiga minha passou por isso. Seu filho tem 8 anos. Seu marido lhe disse que eles não tinham sexo tantas vezes como eles tinham quando eram solteiros baixando para até uma vez por mês, se tanto, na época, e que ela estava gastando muito tempo dedicando-se ao seu filho e nenhum a ele. Nem mesmo a terapia poderia salvar seu casamento. Ele manteve seu ressentimento todos os oito anos em vez de resolvê-lo imediatamente, o que é uma armadilha em que  um monte de casais caem. Ela tinha ressentimentos pela perda do romantismo e ambos mantiveram silêncio. Se os casais não resolvem suas diferenças imediatamente, e as deixam crescerem, o menor incidente pode finalmente separá-los. Portanto, eu acho que esses capítulos são importantes para passar por eles, pois podem ajudar a relação de alguém aí fora. O tema sublinhado é: equilíbrio. Todo relacionamento precisa ser alimentado. Cultivar o relacionamento pai-filho é maravilhoso, mas sem deixar de lado o que temos com o nosso parceiro. É sempre o mais mágico, bem como o mais duro, com o primeiro filho - porque vamos encará-lo, é como aprender a andar de novo.

Oi Vee ! Acho que todo relacionamento passa por dificuldades, e este é o seu primeiro grande. Pensei muito sobre o porquê de Christian isolar-se em camadas de proteção, da sociedade, da família, ou do amor para essa matéria. Medo. Ele não tem que ser racional. Muitas vezes as fobias não são racionais. No fundo ele é um garoto perdido. Ele vai crescer realmente rápido, porque ele não pode proteger-se das realidades da vida. Ela está se aproximando dele. A vadia da  Elena... ela não terminou com ele, mas ele terminou com ela .

               Oi Angela ! Você tem algumas questões válidas. Elena é uma questão complicada para Christian . Ele nunca a viu como uma molestadora de crianças até que a idéia de sua própria criança ajoelhada em uma posição sub o atingiu. É como diz este ditado: você não percebe o quão suja é a letra de uma música até você ouvi-la na boca de uma criança. Crianças fazem isso para nós, mudam a nossa perspectiva.

Os sentimentos de Elena em relação a Christian não são tanto amor no sentido que pensamos, mas possessividade  porque ela acha que o moldou para o homem que ele é. Ele é um bem, como um carro ou um imóvel, algo que ela gostaria de dizer que é dela. Eu pesquisei sobre isso. É muito semelhante à pederastia da Grécia Antiga. Apesar de que era o relacionamento homossexual entre um homem adulto e um adolescente. O que eles praticavam era nada mais do que abuso sexual infantil, e moldando o menino em tudo o que eles queriam. É repulsivo, e é exatamente isso que Elena fez a Christian. Mas, infelizmente, tal não ficou limitado aí; isto (ambos os sexos) fez parte dos tempos clássicos, Próximo e Médio Oriente, Ásia Central, China Imperial, mesmo durante o Renascimento europeu. O que Elena fez com Christian foi "estupro". Leis podem variar, mas geralmente são destinadas a punir os adultos se aproveitando sexualmente de um menor.

Ele não disse a Elena sobre a gravidez porque isso era um assunto privado, e ele não tinha permissão de Ana para deixar a cadela troll saber sobre isso. Isso iria aborrecê-la demais.

Ele teve confiança em Elena em um grau até sua discussão (ou muito no passado), mas ela sempre usou o conhecimento interno para sua vantagem, então isso realmente não é confiar em tudo. É equivocado.

Você está muito certa sobre sua avaliação. O sexo é uma saída para algumas pessoas, e isso é uma grande saída para CG. Desde que comecei a escrever o meu próprio livro e os 50 Tons, eu fiz uma extensa pesquisa. Lidar com sexo não se limita aos tempos modernos. Tem sido tão longo quanto a história humana. Como Jean e você disseram, o casamento requer confiança, amizade, respeito, mas, acima de tudo, exige o amor. Apenas o sexo não é amor, afinal ele está em todo lugar, mas é uma parte essencial da vida de um casal.

Mas nós amamos essa história porque é uma história de amor única. Estou surpresa que as pessoas possam falar sobre dar a luz a seu filho em detalhes para um grupo de outras, mas quando se trata de falar sobre sexo, especialmente na vida de um casal, é pornografia. Elas precisam crescer. Elas não poderiam ter um bebê, se elas não tivessem sexo. Isto não é a concepção de uma virgem. Portanto, elas não estão realizando pornô em casa.

A série é uma história de amor moderna com erotismo porque a representação da sexualidade incide sobre sentimentos e emoções, enquanto pornô envolve a descrição dos atos de uma forma sensacional.

Isto é importante para eu  fazer  porque durante muitos anos eu me ofereci como intérprete para mulheres agredidas e abrigos para crianças em todos os EUA e Canadá, e eu fui a intérprete de plantão para o departamento de polícia. O consenso geral que eu vi nessas famílias era que elas não tinham amor, intimidade e conexão. O que experimentamos nesta história é que há uma abundância de amor, intimidade e conexão.

Qualidades do amor são como em Coríntios 1 - 13 para mim - embora a definição possa variar de pessoa para pessoa: O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não é orgulhoso. Não desonra, não é egoísta, não se irrita e não mantém registros de erros... Sempre protege, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Na relação da equação o casamento, amor, sexo e intimidade são variáveis ​​integrais. Pode não ser assim para alguns, mas as exceções não mudam a regra. Quando aquela senhora disse-me que o sexo não é um grande negócio em um relacionamento, eu disse que ela podia exercer os seus pensamentos e opiniões em seu próprio relacionamento, mas da mesma forma, ela não tinha direito de impor suas opiniões sobre mim ou em meu quarto. Só porque ela queria o celibato com o marido não significa que eu ou os outros deveríamos. E eu pretendo fazer isso direito. Se alguém tem de fazer alguma coisa corretamente, é preciso aprender. Eu não quero apenas mal existir. Eu quero fazer o meu melhor em cada tarefa em que eu colocar minha mão, quer se trate de ser pais, trabalho, ou ser uma esposa, e por que não que se aplica a um quarto? Deixe essas outras do meu sexo serem egoístas e tirânicas, negando sexo a seus maridos (parece com a nova edição da Inquisição espanhola). Seria um dia frio no inferno, se eu deixasse alguém de fora me dizer o que devo fazer no meu próprio quarto. Estou naturalmente muito feliz que eu tenho amigos que não estão tensos em falar dessa parte muito normal de um relacionamento, e não tenho nenhum escrúpulo em escrevê-lo.

Oi Catarina! Como você sabe, Christian é o grande prêmio de qualquer loteria; ele é Oxford, Harvard, Sorbonne, tudo empacotado em um. Então, ela seria estúpida de perder a oportunidade. Christian estava louco, perdido em sua cabeça, preocupado, e teria sido fácil tirar proveito dele. Pense na primeira vez que ela se lançou sobre ele: ele estava perdido, vulnerável, um pacote de raiva e cheio de energia que o fez vulnerável a seus avanços, juntamente com os hormônios adolescentes. Esta foi mais uma oportunidade que ela teria gostado de aproveitar, mas não funcionou muito bem dessa vez. Claramente ele está apenas no início da tempestade, mas nem mesmo no olho. A vida vai ficar muito esmagadora para ele muito em breve. Ele vai se sentir mais ferido do que ele jamais se sentiu na vida. Apenas mais alguns dias  ;)


46 comments:

Andrea Leoncio said...

Oi Emine, Neusa e todas as garotas do blog.
Muito bom ler mais um capítulo traduzido, eu estou em profunda abstinencia e trabalhando duro para esperar a volta das férias merecidas de nossa querida autora...para passar o tempo eu tenho relido os livros originais, pois vejam só, senti saudade dos pensamentos da Ana...rsrsrsr.
Bom que vc está de volta Neusa, também senti sua falta.
Emine, espero que vc esteja bem de sua indisposição, e realmente esteja aproveitando o passeio e sua família!
Continuarei por aqui, sempre em busca de novidades, adoro o cafezinho virtual e os comentários todos.
bjs

Aline Caroline said...

Como não amar Emine, fico muito grata por compartilhar tudo isso conosco, e como sempre Neusa obrigada!!
É otimo vir aqui ler, e a cada semana poder ter um pouco mais de CG.. E as pessoas ainda tem preconceito e muito simplesmente ao se dizer sobre 50 tons, elas te acham pervertidas mas como sempre digo as pessoas julgam o livro pela capa. Outro dia uma amiga de minha mãe veio me criticar por ler isso, e como minha mãe deixava. Claro que defendo 50 tons com unhas e dentes, não vejo como um porno.. É uma historia de amor como qualquer outra, o sexo faz parte das outras também.. Mas como Emine diz sentimos a conexão e intimidade contida nessa historia, é totalmente diferente. E realmente muitas pessoas hoje estão casadas e não tem tanta intimidade e nem ao menos se conhecem seja no caráter ou intimamente. Claro, que nos apaixonamos pela historia por todo seu enredo, pois como eu digo sempre 50 tons não tem só sexo, tem ação, emoção, tristeza, nervosismo, raiva, e muito amoor.. Na expectativa por "mais" do que vem por ai.. Alias,qual será o nome do tão esperado "book IV"..

Abraço para Emine e Neusa, passei a amar vocês *--*

Kátia said...

Nossa! Que capítulo maravilhoso logo cedo! Coitado do Christian! Mas ainda bem que ele conseguiu perceber o quão ruim Helena foi pra ele! E que maravilha dos comentário da Emine ao leitores do livro em inglês. Abraços a Neusa, a Emine e a todas as amigas do blog!

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

caramba capitulo novo e eu não posso ler agora arg!!!

Obrigada Neusa!!

Beijos meninas...beijos Neusa e beijos Emine.....depois eu volto!!

Rosângela

Anonymous said...

Oi Neusa e Emine, que bom que vcs estão de volta!
Esse capitulo foi mt emocionante,deu pra entender melhor o que se passou na cabeça de CG quando Ana anunciou a gravidez. Não foi rejeição, como ficou parecendo no livro original, mas foi medo, desespero do que viria pela frente.Adorei a parte em que ele realmente entende o que Elena fez para ele...foi na hora certa!
Obrigada por mais esse maravilhoso capitulo...e por favor não sumam viu!? rsrs
Bjokas!
Aline Ribeiro

Camila Fernandes said...

Oiiii...
quando vai sair a continuação?? a parte que eu to mais esperando....

CarolBarp said...

Bom Dia Neusa! Bom dia Meninas do Blog! e Good Morning Emine!!!
Que cafe da manhã!!!! Como sempre sua tradução é primorosa Neusa!!!
Concordo com todas vcs.. muitos julgam 50 tons pela capa, sem ao menos se dar ao trabalho de conhecer!! Que relacionamento sobrevive sem uma dose de sexo?! Come on!! não sejam hipócritas!! posso dizer de carteirinha que essa trilogia, bem como linda historia na Emine salvou meu casamento!! Sim salvou meu casamento.. apesar de sermo um casal jovem (tenho 33 e meu marido 30) estamos juntos a muito tempo 14 anos para ser mais precisa. E a monotonia, a mesmice chegam sem aviso, ainda mais com m bebe em casa!! Pois bem a ler a trilogia algo despertou em mim e pude dar a atenção que meu marido merece!!! e pude ver que a seu modo ele é o meu Mrs. Grey!!! Amo cada dia mais esse blog e tuo o que ele tem trazido de bom para minha vida!!!
Obrigada por isso Emine e Neusa!!!
Agora so nos resta aguardar o livro IV!! Espero que esteja aproveitando suas merecidas Ferias Emine!!!
Um dia maravilhoso a todas!!!
Beijos
Carol

Fer G. said...

Neusa querida,vc fez falta! Ainda bem que voltou.Espero que esteja tudo bem.Como sempre sua tradução é impecável de maravilhosa.Emine sempre consegue nos surpreender na história.Só ela consegue desvendar a cabeça do Christian.Meninas,mais um livro se foi...aguardando o quarto.beijos à todas.

Alice said...

Me sinto ótima quando afirmo para as muitas pessoas que desfazem dos 50 Tons que eu simplesmente amei essa triologia. Pra falar a verdade acho pouco só três livros podia ter muiiiito mais.... né não meninas?!
Emine, Neusa, muito bom vê-las aqui novamente.
O negócio aqui e tão bom que não abro mão.
Então ..... beijo no coração das nossas princesas(Emine e Neusa).
Beijos e abraços pra todas vocês.

PS: a primeira leva do cafezinho já foi mas a mesa continua posta com broa de fubá, queijo e café frescos, tbem fiz salada de frutas pra quem quer manter o corpitiu!!!

Olidelgi said...

Oi Neusa e Emine,
Mais um capítulo onde é posto à provas, mais uma vez, o amor desse casal. Christian é único, ama com uma loucura que dar vontade de tê-lo para nós sempre e sua necessidade de controle e de amor tornam-o, mais uma vez, único. E vc, Emine, soube descrevê-lo muito mais amplamente do que a E.L.James, vc entrou em seu cérebro e coração e nos fez conhecê-lo mais profundamente, tornando-o, apesar de todos seus fodidos 50 tons, mais apto ao amor que passamos a sentir por ele cada vez que o desvendamos em um novo capítulo escrito por vc.
Vc tornou o Christain muito mais amado e amável, se é que isso é possível, e, apesar de seus foras com a Ana, o perdoamos e torcemos para que ele se deixe amar e aceite este amor incondicionalmente. Ele será um bom pai e um marido espetacular, disso não temos nenhuma dúvida, basta ele se deixar ser amado e continuar amando a Ana como já a ama.
Bem, agora é só esperar o desenrolar da história, que sei que vc escreverá, de modo a deixar-nos maravilhadas e sempre na expectativa de muito mais.
Espero que vcs tenham descansado bastante estes dias e aproveitado para extinguir um pouco o estresse diário, e que voltem com força total para a escrita de nossa história preferida, rsrsrsrs.
Bjs a vcs, e na expectativa do próximo capítulo, sempre.
Olidelgi

ana paula said...

Como o CRISTHIAN VIVE DIZENDO PARA A ANA:
"Sempre anciosa por informacoes srt ANA"
É EXATAMENTE ASSIM QUE ESTOU,QUERENDO SEMPRE MAIS.
O FINAL DO CAPITULO,VEM NO LIVRO IV OU TEREMOS UMA CONTINUACAO?
TRADUCAO EXEMPLAR! ESTOU LENDO O LIVRO 1 NOVAMENTE E ME ENCANTANDO NOVAMENTE
OBRIGADA NEUZA POR COMPARTILHAR ESSE ACHADO CONOSCO?

keila azevedo said...

Nossa eu amei esse capítulo, ansiosa para o novo livro.
Parabéns pelo trabalho!!!!!!!

Anonymous said...

Que saudades do nosso cafezinho!! Neusa que bom que vc voltou e já nos proporcionou um capitulo lindo! Näo nos deixe sem noticias sentimos sua falta!
Emine espero que suas ferias estejam otimas, descanse bastante!! E nos traga historias deliciosas sobre o amor!
Bjs a todas Lala

Rozeli Lemos de Melo said...

Ufa Neusa que bom tê-la de volta, melhor ainda saber que esta bem e tudo não passou de um "problema tecnológico"!

Capítulo, mais do que esperado, bom todo esse choque para o Christian o fez refletir sobre seu envolvimento com Helena, que bom, ficar "sem chão" o fez procurar novas estruturas para se erguer. Ainda tenho pena da Ana, nesse momento ela também precisava de colo, mas esse momento foi difícil para os dois e agora lendo a história na versão Grey, compreendo que ele também precisava desse tempo para não explodir com ela. Deixá-la, para esfriar a cabeça, também foi um gesto de amor.

Emine, adorei ler suas respostas aos leitores(as) americanos (as). Como a Carol posso dizer que os 50 tons, melhoraram e muito meu casamento e e não falo unicamente de sexo, falo de demonstrações de carinho diárias que com o tempo vamos perdendo, como mesmo você disse: "todo relacionamento precisa ser alimentado", e essas pequenos gestos fazem toda diferença. Como você ouvi inúmeras criticas aos livros, como quem os lessem fossem depravados ou coisa parecida, sempre encaro essa história como um romance, ou como você mesmo denominou: "historia de amor moderna". E acho que é também uma forma de liberação da mulher, que fala de amor e sexo abertamente, sem medo de ser questionada, porque sim as mulheres casadas ou não fazem e gostam de sexo e isso não é vergonhoso.
Bjus e continue descansado.

Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Neusa mais uma vez parabéns pela belíssima tradução, Emine fantástica na sua versão, que não me canso de repetir muito melhor que a original na minha opinião, esperar pelo livro 4 vai ser difícil meu nível de ansiedade vai as alturas amiga rsrsrs, obrigada pelo seu carinho, bjssssss

Suellen Gambim said...

Muito ansiosa para o novo livro... fico quase louca esperando! Quando será que vai sair o livro IV?

Suellen Gambim said...
This comment has been removed by the author.
Tati said...

Que bom!!! adorei o fora definitivo na Helena!!! ansiosa pelo livro IV!!! Adorei tudo!! Emine e Neusa vcs são Maravilhosas!!! bjs a vcs e as meninas do blog!!!

Tati said...

Carol concordo com vc!!! 50 tons tb deu uma levantado no meu casamento eu teno 32 e meu marido 29 mas estamos juntos ha 12 anos!!!e com uma filha pequena!! tem trazido a animaçao e a "tempero "que faltava!! tb defendo!! adoro o blog!!!bjs a todas!!!!

Ediene O Maia said...

Oi Neusa!
Eu estava esperando chegar nesse capitulo maravilhoso e um dos meus favoritos, vc está de parabéns com as suas traduções Neusa, eu sempre acompanhei cada capitulo que vc traduziu para nós que somos fãs do Christian e da Ana, eu amo esse casal.
Eu adorei a grande descoberta de Christian sobre Elena quem realmente era ela, ele pensou seu filho com Elena o que podia acontecer com ele na sala de jogos, e percebeu que mais uma vez ele regiamente fodeu tudo novamente como ele fala. E depois se arrependeu o que ele vez com a Ana, sentiu sua falta.
Eu li varias vezes cada capitulo, só não fui de comenta, mas dessa vez eu tinha que comentar alguma coisa.
Vou fica esperando para o próximo capitulo que esta maravilhosa.
Emine é maravilhosa, fantástica. Eu também acompanho cada capitulo que a Emine coloca no blog dela eu sou uma fã da Emine e também sua Neusa.
Obrigada por compartilha com a gente cada capitulo traduzido.
Obrigada Emine por compartilhar com a gente a sua escrita, as suas emoções com agente, você e maravilhosa.

Glenda Castro said...

Nossa que bom que vocês duas existem Emine e Neusa!Que bom também ter esse cantinho com vocês,meninas!Muito bom interagir com vocês,e o que é engraçado,é que quase sempre temos as mesmas opiniões sobre essa história,nos sentimos gratas por seu empenho Emine,gratas pela sua capacidade incrível dessa maravilhosa obra.E sem dúvida gratas a vc Neusa por sua fidelidade na tradução destes livros,obrigada mesmo,pois acredito que nossas vidas mudaram,e de alguma forma conhecemos novas amigas,que se identificam uma com as outras.
Ler cada capítulo tem sido uma terapia pra mim.
Desejo a todas um ótimo final de semana,e fico na espera do próximo livro.Abraços.

Ediene O Maia said...

Oi meninas!
Eu não sou muito de comentar no blog, mas desta vez eu tive que comentar.
Eu vou contar um pouco da minha historia pra vocês de como tudo começou a minha paixão pelo Christian e a Ana, eu sei que e um pouco longa para vocês.
Muitas pessoas julgam os livros pela capa antes de lê-lo, eu vou falar uma coisa o ano passado o meu marido ficava falando desse livro pra mim, pedia para que eu lesse o livro e eu ficava enrolando para lê-lo, o comentário que ele ouvia de que o livro era muito bom, mas vocês sabem o que foi engraçado e que ele não leu o livro até hoje.
Então eu comecei a lê o livro, no inicio não comecei gostando do livro porque eu achava o Christian muito bruto com a Ana, eu até tinha comentado com o meu marido é ele falava para eu continuar lendo o livro e continuei, quando foram chegando aos últimos capítulos que fui gostando do livro. Guando cheguei ao segundo me apaixonei pelo livro e não conseguia para de ler, o pior que eu não era a única, muitas mulheres que ele conhecia falava pra ele que lia também ate a madruga. Enfim eu me apaixonei pelo livro ele me ajudou muito com algumas ideias e fantasias, eu estou casada há 16 anos eu tenho 34 e o meu marido 37 anos, eu tive dois filhos um casal, não aproveitamos muito a nossa vida de casados, eu estava gravida com a nossa primeira filha, três anos depois veio um menino e ele se chama Christyan ele tem 12 anos de idade, hoje eles são adolescentes, o que não aproveitamos naquela época agora estamos aproveitando muito sem criança pequena agora, eu não tenho que reclamar do meu marido porque ele me ajudou muito com as crianças. Eu resumi um pouco da história,
Espero que um pouco da minha história não tenha deixado vocês entediadas.
Eu concordo com você Carol.
Beijos meninas a todas vocês!!!

Natii said...

Olá meninas, Neusa e Emine e todas as meninas fãs da triologia mais linda e fascinante de todos os tempo,como eu amo cada capitulo , é muito gratificante como vcs fazem nossas tardes felizes, ja estava quase tendo um colapso nervoso por ão ver o capitulo, mas sei que muito corrido pra vcs fazer esse maravilhoso trabalho, como sempre estao de parabéns, e nós claro fascinadas com cada capitulo, eu simplismente amooooo demais essa trilogia e nao vejo a hora de ver e ler os proximos capitulos!!!!

Muitissimo obrigada por tudo menias vcs são demais !!!

Grande beijo em seus corações da Natiii

Pao said...

Por fin pudo darse cuenta que Elena era una abusadora una pedófila, pero al ver el lado de él no se vio como un rechazo al embarazo. Espero Neusa que tus vacaciones hayan sido agradables. Espero ansiosa por el próximo capítulo. Gracias a ambas por su dedicación.

Kátia said...

CarolBarp, Edilene Moraes, Tati, parabéns pelas histórias de superação de vocês! No capítulo XXIII comentei sobre a minha história também! Tenho 33 anos e meu marido 32, e estamos juntos há 18 anos (8 de namoro e quase completando 10 de casamento,)com um casal de filhos de 6 e 4 anos. E como vocês disseram, se não tomarmos cuidado a relação vai "perdendo" o encanto, é preciso matar um leão por dia e viver um dia de cada vez para podermos renovar o amor sempre e não deixar que a convivência, a rotina e o dia a dia acabe com ele. Também já passei por fases difíceis e percebi que a gente tem que tomar a atitude de mudar e não ficar esperando que o outro mude. Faça por ele o que você gostaria que ele fizesse por você, e você vai ver que isso trará apenas coisas boas como retorno e que tudo vai melhorar. Às vezes o problema está na gente e a gente não consegue perceber. Já escrevi demais... rsrsrs
Bjim amigas!
PS: tô viciada no blog :)

Anonymous said...

Ola passadinha rápida meninas bjos para todas, Neusa Emine já coloquei aqui e vou de novo, vocês são maravilhosas obrigada por nos proporcionar esta leitura incrivel
que ajuda cada uma de nos de uma forma diferente super beijo no coração de vocês duas.
Rosi

ana paula said...

Com certeza meninas a trilogia tem um efeito imediato no casamento,na relacao em si.
Pensei que so havia ocorrido comigo e fico mais que feliz em observat que nao,tenho 36 amos e meu mario 40,nosso relacionamento sempre foi muito bom,mas depois da trilogia melhorou horrores em todos os sentidos.
Estamos juntoa a 10 anos e realmente existe essa necessidade de dar um tempero ao dia dia e 50 tons é exatamente este tempero este algo mais.
Muito legal os comentarios.
Ah agora entendi a maneira como EMINE separou a traducao,mas continuo anciosa para a chegada de CHRISTIAN PAPAI.

Leda Carneiro said...

Oi meninas só hoje vi a preocupação de vocês com nossa querida Neusa, tenho o e-mail dela mas não ia adiantar já que o problema era com o computador. Entrava no blog só para ver se tinha postado outro capítulo, como a Emine estava de férias achei que era por isso a ausência de capítulos, já que a Neusa depende do OK dela. Estou as voltas com pedreiros, pintores e meu cafezinho tem sido com eles.
Como sempre adorei o capítulo Emine.
Neusa querida ainda bem que o técnico resolveu o problema do computador sem prejuízo dos capítulos. E que venha o livro IV anciosa por ele. BJS

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Olá meninas...Neusa....Emine!!
Ontem foi um dia bem complicado e só consegui ler à noite...estava sozinha...abri uma espumante, relaxei pra ler esse capítulo maravilhoso que nos mostrar não a rejeição de Christian, mas sim o medo dele em relação não ser um bom pai e o medo de perder o amor da vida dele, que eu acho, que deve ser o medo de alguns homens.

Amei ele ter percebido quem Elena é realmente, amei ele perceber que o Christian pai já estava ali, querendo proteger seu filho e sua Ana.
Adorei ler os comentários da Emine..quanto preconceito e quanta bioquice não!!!
Amei também os comentários das meninas, dando testemunhos, isso é incrível!!!...e aqui vai um pouco da minha estoria também..
Tenho 56 anos meu marido 50...somos casados a 28 anos, tenho dois filhos (2 guris) um de 25 anos e o outro está fazendo hoje 21.
Imaginem..quando eu era adolescente tudo a respeito de sexo era pecado, tabu e imoral...(mudar o que foi incultido não foi fácil)..
Resumidamente,já passei por uma depressão a qual levou minha libido embora por um período de 5 anos,(a primeira coisa que sumiu e a ultima que voltou a normalidade na depressão, pelo menos, comigo foi assim) hoje estou curada e após ler 50 tons posso afirmar com toda certeza, que está muito melhor e prazerosa minha relação com meu marido, ela voltou com tudo... esta triologia mudou minha vida sexualmente falando, consegui entender e a me comunicar mais abertamente, meu marido é o primeiro a defender estes livros, ele diz assim: Nossa relação mudou muito..pra melhor..graças ao 50 tons!!

Acho que já falei demais!!

Adoro esse blog, adoro vocês todas..bom final de semana,beijos pra todas vocês!!

Beijos e abraços carinhosos para Neusa.
Emine..kisses and tender hugs!!!

Fui...

Rosângela

PS: meu cafezinho hoje vai ser churrasco...rsrsrs

Mari Lins said...

Olá Emine, Neusa e garotas!
Estamos na parte mais emocionante do livro, acho que mais esperada também.
Temos o privilegio de interagir, pela primeira vez, ao menos para mim, com a autora durante a elaboração de seu livro. Isto é impagável, pois podemos demonstrar como ela está "tocando" seus leitores e assim ter um feedback imediato.
Nunca também li um livro que tivesse imagens que se encaixavam tão bem à história e nem com uma linda trilha sonora.
Acho que as meninas já disseram tudo o que eu gostaria de dizer a respeito da rejeição, por parte de alguns, pela literatura erótica.
Então só me resta agradecer à Emine pela envolvente história e à Neusa, pela impecável tradução.
E que venha o quarto livro e depois o querido e adorável Pella (não sei se ainda terei coração para mais este homem dos sonhos).
Beijos à todas

Gabriele said...

Nossa qe capítulo maravilhoso, muito obrigado emine e Neusa por alegrar o meu dia! Espero qe o próximo capítulo venha logo, e Neusa oqe deu a série pela? Vc ainda vai postar mais capituLos? Espero qe sim! Bjos e até mais! <3

Gabriele said...

Simplesmente o Capítulo foi maravilhoso é mais qe lindo ver o Cristian se imaginar como pai e vê-lo com medo de perder a atenção eo amor da ana! Muito obg Neusa e emine! E Neusa princesa eu gostaria de saber sobre a serie pella? Vc ainda vai postar capituLos? Anciosa pela resposta! Obg por fazer meu dia mais bonito com esse capítulo divino e qe venha o proximo! bjos

Alice said...

Bom dia amigas do blog. Bom dia Emine e Neusa. Passei aqui para dizer a vocês que ontem, domingo, assisti no Telecine Premiun um filme em que o ator era nada menos que o futuro Cristian Grey.
Meninas digo a vcs que o filme em si admirei pouco pois cada cena eu me via imaginando-o no 50 Tons!
No princípio só vi defeitos. Achei que poderia ser um pouquinho mais alto, um pouco mais atlético, cabelos bem mais escuros enfim.... foram tantos contra da minha parte, que minha filha me repreendeu e me assustou ao dizer " caramba mãe, o cara e um gato, de uma chance a ele! O CG do livro foi criado na concepção da autora!
E foi assim que acabei achando-o mais bonitinho (rs).
Uma coisa e certa, ele e muito bom ator e nas cenas mais picantes se saiu bem.
Agora e esperar pra ver.
Beijos e abraços para todas vocês e bom início de semana

Viviane Oliveira said...

Olá meninas. "Nosso" blog está ficando cada vez melhor. Muito bacana conhecer um pouquinho da história de vcs e mais bacana ainda a superação. Concordo plenamente que 50 Tons mexeu com a vida de várias mulheres. Eu sou casada há 16 anos com meu segundo marido, ele é super parceiro, mas a rotina é uma inimiga iminente. E após 50T, o que era bom ficou melhor ainda... lembro de marcar algumas páginas e dar para ele ler... resultado: 7 tons de domingo, rsrsrsrsrs.
Olá especial para Emine e Neusa. O livro 3 ficou perfeito graças ao ótimo trabalho de vcs. Emine vc entende a mente do CG muito bem. Na versão original achei ele super egoísta e até desconfiei que pudesse ser apenas medo, mas vc brilhantemente nos mostra o misto de ambos os sentimentos, e qdo ele imaginou Elena com o próprio filho foi.....AMAZING. Neusa, nada disso seria possível sem a sua tradução. Vcs duas estão de parabéns. Muito, mas muito obrigada por nos proporcionar isso.
Agora, mais do que nunca, estou super, mega, tri, ansiosa pelo quarto livro... Por favor, se possível, não demorem muito com ele.
Boa semana a todas.
Bjos

Viviane Oliveira

Andrea Leoncio said...

Ola meninas, eu venho aqui varias vezes ao dia e fico contente quando encontro novos comentários.
Hoje estou muito feliz, comemorando o 28 aniversário do meu filho caçula, e para preencher a espera, revi o filme Orgulho e preconceito, e agora estou lendo o livro de novo!! Ainda tenho um seriado coreano para assistir, pois eu adoro filmes e seriados orientais.
E vcs, o que estão fazendọ̣ (desculpe mas eu não consigo encontrar o ponto de interrogação neste teclado...rsrsrsrs)

bjos

Ha! hoje o meu cafezinho é com torta holandese, a favorita do aniversariante!!!!

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Oi meninas..passando pra ler novos comentários e vejo que nossa integração está cada vez melhor!!!

Andrea Leoncio.....você não imagina...acabei agora mesmo de ler Orgulho e preconceito...subi para guardar o livro em minha estante e passei pelo blog..quando vi que você também acabou de ler não resisti em postar, aliás eu reli o livro!!
Torta holandesa é maldadeeee!!
Vou fazer o cafezinho fresquinho para acompanhar a torta holandesa da Andrea Leoncio, com pão de mel, pão de queijo, rosca espanhola, masssss tudo ligth...
..dê meus parabéns para o aniversariante......beijos para todas vocês, e para a Neusa e Emine(espero que esteja tudo bem com seu marido)...

Até mais...
Vou procurar outro livro para ler ou reler enquanto não vem novos capítulos

adriana anjos said...

ola amei os tres livros mais o num. 3 ainda falta capitulo qndo vc terminara estou anciosa pra termina de le lo.... lindo trabalho continue assim.

Andrea Leoncio said...

Ola a todas,
Neusa sinto sua falta, espero que esteja tudo bem com vc.
Nossa, Rosangela parece que temos bom gosto para leitura...rsrsrsr
Agora estou lendo uma versão de Orgulho e preconceito sob o ponto de vista do Sr Darcy que eu encontrei em um grupo de leitura, é interessante estou gostando bastante.
Hoje está chovendo muito aqui, dia perfeito para um bom livro e um cafezinho com pão de queijo e brioche de chocolate branco...

Bjs carinhosos para Emine, Neusa e todas as meninas!!!

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Olá meninas, boa tarde!!!!

Passando pra deixar um beijo pra vocês todas!!!

Andre Leoncio, acho que temos o mesmo gosto literário..rsrsrs...
Ah meu deus.....estes cafézinhos estão me engordando, pão de queijo com chocolate branco, tuuuuddooooo de bommmmm!!!

Neusa tem noticias do marido da Emine??

Bom gurias....beijinhos pra todas e boa quinta...inté qq hora!!

Rosângela


Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Oi Andrea Leoncio me passa o nome do grupo de leitura...hum acho que estou doidinha pra ler também!!

vai meu e-mail pra todas vocês
ro.cabral.corvalan@gmail.com
ou
ro.bilu@hotmail.com

Beijos

Anonymous said...

Oii meninas passando para ver se novo capitulo e tem vários comentários novos para que estiver interessada no face tem vários grupos com todos tipos de livros em pdf para baixar e so participar do grupo e abrir centenas de arquivos Neusa cade você Emine todo bem bjos para todas

Rosi

ana paula said...

Voltando depois de alguns dias e percebi que nao ha nenhum comentario da NEUZA
alguem tem alguma noticia dela?
boa noite a todas

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Meninas...bom dia!!
Não sei se vcs viram, só vi ontem à noite por isso estou compartilhando com vocês, ....capitulo 1 do livro 4 está disponível!!
Olhem a aba 4 portugues!!!

Boa leitura...beijos e bom final de semana à todas!!
Rosângela

Daniela Martins said...

A sua versao, sem sombras de duvidas, é a melhor, Emine!
Fiquei queimando de raiva quando li no livro original que Christian Grey tinha ido encontrar Elena apos descobrir a gravidez de Anastasia.
Porem, depois de ler a sua versao eu consegui deixar a raiva um pouco de lado e entender CG neste encontro.
Sem comentarios a respeito da atitude dele quando Ana disse que estava gravida!
Os proximos capitulos serao "sofridos"!
Boa noite, Emine!
Dani
;-)

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry