StatCtr

Friday, November 15, 2013

LIVRO IV - Capítulo XVI - Christian e Anastasia Fanfiction


CAPÍTULO XVI

Pesadelos


Longamente a noite olhei e estarrecido me encontrei,
E, assustado, tive sonhos que ninguém sonhou iguais;
Mas total era o deserto e ser nenhum havia perto,
Quando um nome, único e certo, sussurrei entre meus ais –
"Anastasia?" – esta palavra – e o eco a repôs entre meus ais.”Anastasia!--”

E isto é tudo, e nada mais.
Edgar Allan Poe
Tradução: Neusa Reis




Como pode um homem se apaixonar por sua esposa de novo? Esta criatura dormindo em meus braços é a pessoa mais preciosa que existe para mim. Ela quer aprender a assumir o controle. Eu sabia que ela tinha habilidades não utilizadas que eu queria muito explorar, e aprender a controlar dá maior acesso a nossas habilidades secretas. Habilidades mais escuras... Eu a beijo levemente, sua forma se ajustando ao meu abraço. Ela aconchega-se ao meu peito e se encaixa perfeitamente na curva do meu braço. Seu braço se estende em torno de meu torso, buscando sua própria conexão.

"Christian..." ela murmura. Abro a boca para responder, mas noto que seus olhos ainda estão fechados, num sono profundo. Ela está dormindo. Isso me faz imensamente feliz que ela ainda esteja pensando em mim mesmo durante o sono. Eu deslizo para fora da cama, coloco meus jeans, com o meu peito ainda nu, carrego minha esposa envolta nos lençóis vermelhos, e a levo para nosso quarto. Eu não gosto de dormir na sala de jogos. Embora eu não ache que Anastasia se importe de dormir nela; eu ainda a prefiro na minha cama. Ela já não está intimidada com a sala de jogos o que me faz imensamente feliz. A forma como ela preparou seu caminho de volta para a Sala de Jogos, me faz pensar que ela encontra prazer e conforto nela, apesar de tudo. Eu abro a porta com uma mão apoiando o corpo da minha esposa em meus braços. Abro a porta e saio da sala com minha esposa em meu poder.

Minha garota exausta enterra a cabeça mais fundo no meu peito. Eu desço as escadas e caminho através do Salão. A Sra. Jones está ocupada cozinhando. Meus pés só fazem  pisadas macias, e não ruídos altos. Mas, com sua audição aguçada, a Sra. Jones levanta os olhos de sua tarefa de cortar legumes e cozinhar.

"Você está pronto..." a Sra. Jones levanta os olhos de sua tarefa "... para jantar?" Sua voz baixa para uma maneira envergonhada. Eu só balanço a cabeça em resposta e falo sem som "ainda não". A Sra. Jones se torna carmesim, e baixa a cabeça para a sua tarefa, enquanto ela confirma com a cabeça para mim. Eu entro em nosso quarto, e fecho a porta com o calcanhar. Deito Anastasia na cama, sob as cobertas e me asseguro que ela não sinta frio. Ela parece exausta. Gravidez, os eventos de hoje, a Sala de Jogos... Não admira que ela esteja dormindo o sono da morte. O pensamento me faz estremecer. Seu cabelo está espalhado em seu travesseiro. Eu lentamente deito sobre as cobertas. Estendendo a mão para seu cabelo suavemente, eu o acaricio lentamente, empurrando-o para longe de seu rosto. Um suspiro profundo escapa de seus lábios. A vibração do meu Blackberry, sobre a mesa lateral, tanto me assusta como  me faz franzir a testa. Quem estaria chamando? Eu me inclino e olho para o nome. É Welch. Eu suspiro. Eu abaixo lentamente as pernas e fico de pé e pego o Blackberry.

Find him,
Bind him,
Tie him to a pole and break his fingers to splinters.
Drag him to a hole until he wakes up,
Naked, clawing to the ceiling of his grave.

The mariner’s Revenge

Encontrem-no,
Amarrem-no,
Prendam-no a um poste e quebrem seus dedos em pedaços.
Arrastem-no para um buraco até que ele acorde,
Nu, arranhando o teto do seu túmulo.

A Vingança do marinheiro

( N.T.”The Mariner's Revenge Song" é uma música dos The Decemberists, do seu álbum de 2005, Picaresque).

"Grey," eu respondo secamente. Abro a gaveta e encontro uma t-shirt branca para vestir.
"Welch  aqui,” ele me cumprimenta.
"O que está acontecendo?" Eu pergunto enquanto eu lentamente me encaminho para fora do quarto, fechando suavemente a porta atrás de mim.
"Descobri a forma como a notícia vazou."
"Como?" Eu pergunto enquanto eu vou  para o meu escritório.
"Eles ouviram da boca do cavalo. (N.T. Da pessoa diretamente envolvida) Da Sra. Grey," diz ele. Eu paro imediatamente.
"Repita?" Eu pergunto.



"Eu deveria reformular essa afirmação. A fonte do paparazzi interceptou  uma conversa privada que a Sra. Grey estava tendo. A fonte, porém, é verossímil. Claramente, a Sra. Grey não estava anunciando sua gravidez para quem estivesse  ouvindo. Ela estava com a Srta. Kavanagh, na semana passada, no organizador do seu casamento. A Srta. Kavanagh perguntou à Sra. Grey se ela estava absolutamente certa da data de chegada de seu bebê para o que a Sra. Grey respondeu que o médico dela disse que seu bebê era esperado no 11  ou no 12 de maio. Então a Srta. Kavanagh disse a ela que no Country Club eles estavam com reserva disponível uma semana e meia antes, e uma semana depois que seu bebê era esperado. Eles estavam segurando as duas datas para obter uma data prevista clara da Sra. Grey.  A Srta. Kavanagh estava perguntando à Sra. Grey se deveria fazer o casamento antes da chegada do bebê porque seu vestido de Dama de Honra seria feito para caber em seu tamanho de gravidez, e seria difícil fazer os ajustes nesse curto espaço de tempo ou se a Sra. Grey estaria à altura da tarefa tão pouco tempo depois que o bebê nascesse..." diz ele. Então, Kavanagh foi descuidada o suficiente para discutir a gravidez não anunciada de Anastasia na frente de completos estranhos.

"Quem foi a pessoa que espalhou para os paparazzi?" Pergunto rangendo os dentes, quando eu entro em meu escritório. E como é que eles saberiam que valia a pena o dinheiro ou significava alguma coisa para alguém?

"Ele não quis revelar o nome, senhor. Poderia ter sido qualquer um que estava trabalhando naquele dia. Mas, ao mesmo tempo, não poderia ter sido um monte de gente. Esses organizadores têm alguns assistentes, e a Srta. Kavanagh seria um cliente de alto perfil para eles, então a maioria dos trabalhadores teriam sido informados sobre a confidencialidade das conversas dos clientes,  a menos que seja alguém que é recém-contratado e perspicaz. Mas, mesmo assim, teria ficado muito claro que esses clientes se preocupam imensamente com sua privacidade," Eu afundo em minha cadeira, e mantenho meus dedos tamborilando na minha mesa.

"Então, o vazamento foi acidental?"

"Eu não poderia facilmente rejeitá-lo como ouvido por acaso, Sr. Grey. Claramente alguém ouviu uma conversa privada que se passou entre a Sra. Grey e a Srta. Kavanagh. É por isso que a informação veio do nada. A pessoa que vazou não era conhecida dos paparazzi, que normalmente têm alguém plantado nesses locais caros onde ricos e famosos compram, e, claro, um organizador do casamento como a família da Srta. Kavanagh escolheu, só atende a uma determinada faixa de renda de alto nível. No entanto, o indivíduo que chamou os paparazzi conhecia o assunto, sabia exatamente quem chamar, mesmo que ele ou ela tenham agido ingenuamente. O repórter, porém, não quis revelar sua fonte. Porque, se ele a revelar, as histórias subseqüentes podem não chegar de outras fontes disponíveis. No entanto, por alguns milhares de dólares, revelou o local, o que nos dá um ponto de partida.”

"Então, você não tem idéia de quem era?"

"Eu tenho que ir entrevistar o organizador do casamento amanhã. No momento em que eu descobri a primeira parte, ela tinha ido atender um de seus clientes e não estava em seu escritório."

"Só por curiosidade... Por que o paparazzi não liberou  o nome da fonte? Claramente, ele poderia ter se aproveitado disso com outra coisa que ele quisesse de você, em troca," eu indago.

"A informação que ele obteria de nós seria um pedaço de informação e finita, em lugar do nome que ele iria liberar.  Divulgar o nome da fonte pode ser destacado entre seus pares e claramente isso seria muito ruim para a sua linha de trabalho. Por outro lado, eu tenho a sensação de que ele ou espera mais dessa fonte ou uma pista para outra história, ou  ele está certo de que ele irá obter mais informações sobre a Sra. Grey, talvez algo mais valioso."  A raiva que eu sinto é instantânea e assassina.  Me vejo segurando a borda da minha mesa tão forte que meus dedos ficam brancos. Esta é minha esposa, e alguém lá fora está disposto a trocar informações sobre ela, sem ter qualquer consideração pela sua segurança.

"O que significa isso? Nenhuma das conversas são privadas naquele lugar?" Eu sibilo. Tenho de avisar o meu irmão para colocar uma focinheira em sua noiva se for preciso. Sua boca frouxa vai atingir  minha esposa! Casar-se com um membro da família Grey requer lealdade familiar, e proteger o interesse dos membros dessa família vem em primeiro lugar; nós protegemos um ao outro, e não prejudicamos um ao outro por vontade própria ou de qualquer outra forma. O comportamento de Kavanagh é desconcertante. Nós nunca a colocaríamos em tal perigo de forma tão descuidada. Ela é jornalista. Ela deve saber como funciona a mídia. Um bilionário solteirão convicto casando e engravidando sua esposa em sua lua de mel é o sonho erótico de uma revista de fofocas. Claramente, os comentários descuidados de Kavanagh discutindo com Ana sua data prevista, simplesmente empurraram minha esposa contra a sua vontade ou seus desejos, para o centro do universo dos tablóides, o que claramente a aterrorizava.

A voz rouca de Welch me traz de volta ao aqui e agora. ”Tenho certeza de que eles não medem esforços para manter como prioridade a privacidade dos seus clientes. Caso contrário, eles nunca poderiam ter atingido o nível de respeito dos clientes da nata da sociedade que estão atraindo. É com isso que eu estou contando para garantir a cooperação do proprietário em descobrir o autor do crime. Uma família Grey descontente, com certeza, seria um duro golpe para a sua credibilidade como um negócio que atende àqueles que requerem máxima confidencialidade e profissionalismo." Eu posso ser percebido como um idiota rico que exige sigilo, mas, novamente, quase ninguém quer a sua vida dissecada, analisada e criticada na arena nacional. Eu vou fazer de tudo para manter a minha esposa longe de tal exposição e vou punir alguém que lhe deseje mal.

"Aqui está a minha preocupação: Se você está tão confiante de que este não poderia ser um empregado boca solta, então deve haver uma ameaça subjacente que você está vendo, a qual você não explicou para mim ainda."

"Eu não posso saltar para conclusões sem provas sólidas, Sr. Grey. Eu tenho que primeiro eliminar os suspeitos aparentes, ou seja, os funcionários que estavam trabalhando no dia em que a Sra. Grey esteve presente. Eu quero pegar seus nomes, e entrevistá-los pessoalmente. Além disso, vou ver se eles tinham qualquer homem de entrega, reparador, ou outros clientes possíveis, que estavam lá no momento. Apesar de eu ter falado com Sawyer que protegeu a área. Ele disse que manteve todos na distância correta da Sra. Grey. Enquanto eu elimino essas possibilidades, eu tenho que explorar os aspectos mais escuros, outras possíveis más intenções. A Srta. Kavanagh e sua mãe se estabeleceram neste organizador de casamentos, em particular, cerca de um mês atrás. Você e a Sra. Grey são inacessíveis para os outros. Mas, a Srta. Kavanagh não é tão inacessível. Ela não aceitou as nossas ofertas de fornecimento de segurança para ela...” diz Welch colocando-o  levemente. Lembro-me da resposta a Welch transmitida de volta: ' Coloque sua coleira em outra pessoa! Eu não estou casando com você; eu certamente não vou me casar com sua equipe de segurança! Mantenha-os longe de mim! Se eu os vir em volta de mim sem a minha permissão, você pode ter certeza que eu vou chamar a polícia para eles por assédio! Eu não sou Ana.’ E isto praticamente resume. Ela não é Ana, mas de certa forma, seu descuido está colocando minha esposa em perigo.

"... Mas isso faz da Srta. Kavanagh um alvo fácil de atingir se alguém quiser chegar na Sra. Grey. Eles são as melhores amigas, e com os preparativos do casamento da Srta. Kavanagh, onde a Sra. Grey está participando, é possível para alguns de seus adversários explorar essas opções para encontrar vulnerabilidades. Você está tão fortemente protegido apenas se  o seu elo mais fraco está. E, aí você tem seu elo mais fraco, senhor." Eu corro a mão pelo meu cabelo, exasperado.

“Eu não posso fazer a noiva do meu irmão concordar em ter segurança. Eu tive um momento árduo o suficiente com a minha própria irmã. Mesmo que ela tenha me iludido,” eu digo com raiva, lembrando-me de como ela foi sequestrada como isca para Anastasia.
"Descubra quem foi o responsável e determine como fechar esse buraco na segurança. Eu não quero falhas, nem perigos dirigidos à minha família, especialmente para minha esposa. Entendeu?" Não é uma pergunta. É uma ordem.

"Perfeitamente, senhor."

Depois de desligar, eu seguro a ponte do meu nariz para afastar uma dor de cabeça que se aproxima. Katherine Kavanagh e José Rodriguez são os dois espinhos na minha carne. Ana, eu penso com orgulho, tomou conta dele. A esmagadora de bolas, entretanto, tem que ser pensada. Ela não é só a noiva do meu irmão, mas ela também é a melhor amiga da minha esposa. Eu não posso eliminá-la completamente de nossas vidas, ou proibir Ana de vê-la. Eu gostaria, mas não posso. Ela não tem muitos amigos e os que ela tem são dores na minha bunda. Tenho que ver Flynn. Eu ainda não resolvi completamente os medos de me tornar um pai. Talvez esta noite, se Ana estiver bem, talvez amanhã.

Minha porta se abre lentamente e eu olho com raiva. Vendo Anastasia, meu olhar suaviza.

"Oi,” ela diz com uma voz aveludada. ”Por que você está escondido aqui?" O meu olhar derrete quando eu olho para minha esposa. Ela ainda é mesma garota com quem me casei, mas suas características são agora mais definidas, bem torneadas, seu corpo está bem tonificado, e há algo mais sobre ela. A gravidez está tornando-a mais curvilínea, com os seios mais cheios, mais firmes, quadris redondos, e os mamilos estão ficando deliciosamente mais longos, na verdade, ela está começando lentamente um arredondamento feminino para sua  barriga logo acima de seu osso púbico.

Anastasia está usando seus shorts de cintura baixa e regata, exibindo suas longas pernas, me dando água na boca. Seu cabelo castanho caindo para sua cintura, e com brilho, me implorando para correr minhas mãos por eles. Minha esposa me olha com seus olhos azuis, me prendendo no meu lugar. Ela lambe seus lábios como se eles estivessem ressequidos, e, em seguida, captura o lábio inferior entre os dentes, cuidadosamente punindo-o. Ela caminha em minha direção lentamente. Contornando a mesa, ela está diante de mim. Meu olhar permanece nela com intensidade total, sem piscar. Eu viro minha cadeira para acomodar  minha esposa. Ela sobe no meu colo, e se enrosca em mim, em busca de refúgio, como se algo a assustasse. Meu abraço fecha imediatamente sobre ela, e eu aperto-a mais forte no meu peito.



"O que é?" Eu pergunto baixinho, curiosamente, enquanto eu tento esconder a minha ansiedade.

Ela balança a cabeça.

"Anaaa!" Eu a repreendo sem levantar minha voz.

"Só tive um sonho ruim, isso é tudo." Eu levanto seu rosto para cima com o dedo indicador, em busca de qualquer evidência de que há mais do que ela está dizendo.

"Você prometeu ser aberta comigo." Eu digo tentando não acusá-la.

"Eu estava dormindo, Christian. O que mais poderia ter acontecido? Devem ter sido os eventos do dia que desabaram sobre mim,” ela sussurra. Em seguida, sua voz diminui, como se isso fosse ainda possível. Eu me esforço para ouvi-la. ”Eu vi que o nosso bebê ficou machucado, na agitação de uma grande multidão. Tudo o que eu estava vendo eram flashes de câmeras em todos os lugares. Eu não podia olhar. Eu não podia ver. E o bebê estava lá por um minuto, e tinha sumido no seguinte. Eu podia ouvir os gritos do bebê. Gritos de machucado..." ela estremece. ”Meu coração se partiu. Foi instintivo. Tentei empurrar as pessoas para o lado, e assim o fez Sawyer. Mas, tudo o que eu podia ver era que a multidão ia crescendo e de alguma forma empurrou você e Taylor para longe. Não importa o quão forte nós tentamos afastá-los para chegar um ao outro, ficou impossível. E o Blip estava gritando. Ambos tentamos encontrá-lo. Só não podíamos... Então eu o perdi. Eu era como uma mulher louca. Eu não sei como controlar a multidão. Estou apavorada, Christian. Muito."  Ela afirma simplesmente com a voz trêmula. Eu cavo o meu nariz em seu cabelo, inalando profundamente.

"Eu não vou deixar isso acontecer. Eu NUNCA vou deixar isso acontecer!" Eu enfatizo. ”As multidões não vão nos separar. Eu vou proteger vocês dois. E Ana... obrigado, baby,” eu sussurro. Ela levanta a cabeça, inclinando-a para trás, olhando para mim confusa.

"Por quê?” Ela pergunta.

"Por ser honesta comigo. Aberta. Você se abriu, me contou sobre o seu sonho, deixou-me entrar em seu pesadelo para que eu possa fazê-lo ir embora. Sou grato, baby." Um arremedo de um sorriso chega e puxa os cantos de sua boca.

"Gostaria de ir ver Flynn comigo esta noite?"

"Esta noite? Eu não sabia que você tinha um compromisso com Flynn."

"Eu não tenho. Ainda. Mas, eu lhe pago uma pequena fortuna para estar disponível quando eu preciso que ele esteja. Você está abalada, e é o que lhe dá pesadelos. Eu quero fazer isso ir embora e eu vou, mas eu preciso que você obtenha ajuda primeiro." Ela suspira.

"Ok".

"Eu vou ligar e informar Flynn, e depois vamos jantar antes de irmos." Seu estômago ronca como se concordando.

*****          *****

John Flynn fica surpreso ao saber que nós dois estamos chegando. Eu posso ouvir o leve toque de excitação na sua voz. Mesmo que ele não estivesse disponível hoje à noite, ele vai se certificar de que ele pode vir e nos ver a ambos em seu consultório. Mesmo Flynn não está imune aos encantos de Anastasia.

Sra. Jones preparou frango marsala, purê de batatas, e salada primavera mista. Eu me sirvo de vinho branco, e Ana olha com vontade.

"Água com gás, suco, ou Ginger Ale,  Sra. Grey?" Eu pergunto.

"Suco de Cranberry e Ginger Ale, por favor,” ela diz.

"Alguma razão em particular para a mistura? É o desejo? "

"Sim, mas não o que está pensando. Eu vou fechar os olhos e fingir que é suco de Cranberry e vodka.”

"Cosmo? Hmmm..." eu murmuro. ”Georgia,” eu digo enquanto meu olhar escurece com desejo devasso.

"Christian,” ela me repreende, em voz baixa, seus olhos correndo para trás e para a Sra. Jones, que está guardando pratos e estudadamente nos ignorando. Depois que ela coloca o último recipiente, ela discretamente se afasta da cozinha.

"Então?” eu pergunto. Eu sou um homem com um apetite sexual saudável e estou cobiçando minha esposa, especialmente quando ela está se referindo a uma reunião  apaixonada que tivemos.  

"Eu quero você, mas não agora."

"Por que não agora?" Eu pergunto, visivelmente tenso com sua negação. Eu fui muito duro com ela antes?  "Eu aposto que eu posso convencer você," eu a provoco em um tom rouco.

"Sim, você pode, Sr. Grey. Facilmente. Mas você está se esquecendo de que vamos ver Flynn?"

"Flynn pode esperar,” eu digo inclinando-me, sussurrando em sua orelha. Meus olhos estão bem abertos, com foco em seu rosto. Eu vejo seus olhos suavizarem e seus lábios lentamente abrirem. Sua língua acaricia lentamente o lábio superior. Ela acende um fogo intenso e imediato dentro de mim que toma conta do meu corpo, se espalhando como fogo selvagem, correndo através de minhas veias. Meu pau está latejando por ela, pronto para roubar meu juízo.

"Eu quero ver Flynn. Eu posso ficar melhor focada... depois de nós o vermos.”

"Eu aposto que posso levar sua mente para longe de tudo o que a está incomodando,” murmuro. Ela suspira; apertando seus lábios, então morde o lábio inferior.

"Quando você faz isso..." Eu digo, enquanto eu puxo lentamente seu queixo para libertar o lábio inferior, então inclino-me e o beijo. Levando-o para o cativeiro de meus dentes, eu chupo e depois ligeiramente mordo. Finalmente eu lambo os lábios para tirar a picada.”...estar dentro de você é tudo em que eu posso pensar, baby,” murmuro em sua boca, fazendo-a ofegar. Suas mãos lentamente viajam até  meu cabelo. Seus dedos passam entre os aglomerados de meu cabelo, me puxando para ela. Eu gemo um som gutural profundo.

"Cama!" Ela geme, finalmente cedendo e eu engulo o som de sua voz com meus beijos, sorrindo. Finalmente recuando, eu beijo seu nariz.

"Esqueceu-se que temos uma consulta com o Dr. Flynn? Venha, vamos ,” eu digo em pé, estendendo minha mão. Ela pisca, confusa.

"Que diabos?” Ela pergunta. ”Você não acaba de colocar-me na potência máxima? Agora você está me deixando excitada!" Eu escondo um sorriso.

"Eu vou atendê-la quando voltarmos bebê. Pense em quão bom isso será. Expectativa, Ana, é a chave para a sedução,”  murmuro, sem tirar o meu olhar dela. Eu me inclino e inalo o cheiro dela profundamente, mais uma vez.

Ela geme. ”Por que razão você está nos torturando?” ela reclama.

"Lição número dois, baby: Gerenciando seus impulsos. Você pode se concentrar em algo completamente diferente, enquanto você tem um desejo esmagador, básico, elementar de fazer outra coisa?" Eu a puxo para seus pés com força suficiente para mantê-la alinhada com meu corpo.

"Fome...” eu sussurro, enquanto eu beijo seu nariz. ”Sede..." eu beijo o canto esquerdo de seus lábios.”Deseeejo..." Desta vez a minha voz é baixa, profunda, apaixonada, e faminta por ela. Eu beijo o canto direito do seu lábio. ”Desejo insuportável de foder ..." Um exalar afiado e um gemido desesperado escapam de seus lábios. Anastasia e eu estamos muito em sintonia um com o outro. Ela responde ao meu corpo, ao tom da minha voz, a maneira como eu olho para ela, instantaneamente.

"Eu pensei que você tinha dito que íamos ao Dr. Flynn,” diz ela engolindo. Um lado dos meus lábios se curva em um arremedo de um sorriso. Eu agarro suas nádegas e puxo-a para minha ereção crescente. Eu tranco suas mãos atrás dela, e esfrego minha ereção através do tecido de nossas roupas. Ela inclina a cabeça para trás, com o cabelo tocando o braço que estou usando para imobilizar as mãos. Um gemido de pura luxúria reverbera de sua garganta enquanto eu me inclino e belisco e lambo seu pescoço exposto.

Eu puxo-a de volta para cima e a reboco atrás de mim. ”Vamos nos trocar  e ir ver o bom doutor,” eu digo com o timbre íntimo da minha voz, deixando minha esposa quente como se ela estivesse em chamas.

"Christian, não é justo!" Ela reclama quando chegamos à porta do nosso quarto.

"O que não é justo, Sra. Grey?" Pergunto inocentemente.

"Você sabe o quê! Você está me deixando excitada! E não pareça tão inocente!” Diz ela franzindo a testa. Eu fecho a porta atrás de nós e puxo-a para o nosso closed.

"Sra. Grey, você está ferindo o meu ego. Eu apenas estou tentando ajudá-la a aprender controle. As aulas ainda não acabaram. Você quer dominar as habilidades, não é, baby?" pergunto desafiando-a.

"Siiimmm!” Diz ela grunhindo. Desta vez, eu rio de sua resposta.

"Eu quero ser capaz de me concentrar, Sr. Grey!"

"Esse é o ponto. Eu quero que você aprenda a compartimentar cada sentimento. Redirecionar seus impulsos, e se concentrar em outra coisa...”

"Isso só está indo ficar pior!"

"Sim, mas você será capaz de segurá-lo. Isso é o que ser provocado parece. Se você der a reação esperada, eles vão saber como incitar você.”

"É difícil com você, Christian,” ela reclama. Dirijo-me a ela inesperadamente, pegando-a do chão; eu pressiono-a de costas para a parede. Ela envolve imediatamente as pernas em volta do meu tronco, e seus braços se envolvem ao redor do meu pescoço. Meu pau está doendo por ela. Isto está punindo a mim também, mas eu quero cobrar grande no final da noite.  Minha boca sela sobre a dela com fome feroz. Estamos todos  língua e  lábios. Cada angulação e batida do meu quadril empurra para dentro dela. Ela suaviza e abre as pernas totalmente. Seus braços caem por trás de mim, coçando e arranhando; tentando me puxar para dentro dela, o corpo dela está gritando por mim, para rastejar dentro dela. Ela está preparada e pronta para ir. Quando eu finalmente a ponho para  baixo, ela está ofegante.



"Christian, você estava apenas brincando comigo?” Ela pergunta.

"Não, baby," eu respondo com calma, embora eu mal esteja restringindo meus impulsos.

"Você não me quer, então?" Seus olhos preocupados, horrorizados mesmo.

Tomo sua mão e coloco-a em minha ereção se contorcendo.

"Será que isso parece que eu não quero você, Sra. Grey?" Ela visivelmente engole, com força.

"N... N... não..." ela gagueja.

"Bom, porque, eu quero! Nós temos um compromisso para ir. Eu só quero que você fique focada nisso." Ela pensa sobre isso por um minuto.

"É uma lição dura, Christian,” diz ela franzindo os lábios.

"Controle, baby. Controle!"

"E se eu entrar em combustão?"

"Oh, eu tenho um truque ou dois para apagar seu fogo,” eu sorrio.

*****     ♡     *****

Estamos na parte de trás do SUV. Eu não largo a mão de Anastasia.

"Ana, quando você foi para o organizador de casamentos de Kate, na semana passada, quem mais estava lá com você?" Eu pergunto. Ela me olha com curiosidade.

"Kate, a mãe dela e Mia. Por quê? "

"Alguém mais?  Ela teve alguma das criadas da noiva com ela em algum momento?" Ana estreita os olhos e procura meu rosto. Há mais do que curiosidade. Há uma pontinha de ciúme também. O tipo de ciúme que eu sentiria se o nome da minha esposa fosse mencionado na mesma frase com o nome de outro homem. Esta revelação me faz feliz, é claro, mas eu escondo.

"Por que a curiosidade nas criadas da noiva de Kate?” Ela pergunta, sem dar uma resposta.

"Porque Welch descobriu que, o vazamento para os paparazzi que a perseguiram esta manhã, veio de alguém que estava presente com você ou alguém que estava lá no organizador de casamento, quando Kate estava discutindo sua data prevista coincidindo com seu casamento. O que mais vocês duas  conversaram?"

"Christian, como é que você sabe o que falamos? Você está tendo Sawyer escutando-me,” ela pergunta. Seus olhos se dirigem para a parte de trás da cabeça de Sawyer, cujas orelhas se colorem de rosa.

"Jesus, não! Eu lhe disse, foi Welch quem descobriu. O trabalho de Sawyer é a sua proteção. Não o repreenda por fazer o seu trabalho. Ele deveria fazer o que ele está designado a fazer. Há dois de você agora, e eu pensei que você ia pensar na segurança do nosso Blip acima dos planos de casamento de Kavanagh...” ela olha pra mim, ”de Kate" eu me corrijo. “Não é porque o casamento não é importante, baby. Mas de alguma forma você acaba sendo a extremidade que fica prejudicada." Ela suspira.

"Kate disse-me que ela recusou as medidas de segurança que você ofereceu a ela. Ela disse que não quer ser como eu, atada e seguida por segurança para ter apenas a ilusão de privacidade.”

"Isso é bom, mas ela tem que ter cuidado para não deixar escapar a nossa informação privada. Então vamos acabar mantendo-a fora do circuito ".

"Christian, isso não teria sido um grande negócio se eu fosse a mulher de José ou a de Ethan," ela diz. Eu rosno.

"José ou Ethan?" Eu grito. Ela está me incitando?

"Você sabe o que quero dizer,” ela corrige a si mesma.

"Não, Anastasia! Eu não sei o que você quer dizer. Explique-me como José ou Ethan entraram na conversa como  pais hipotéticos de MINHA criança em você!" Eu sibilo com uma voz perigosamente baixa.

"Eu sinto muito! Eu não quis dizer isso dessa maneira. Isso veio à minha mente em primeiro lugar porque é o que Kate tinha dito." A trituradora de bolas faz o seu caminho em nosso relacionamento de novo!

"Anastasia,” eu digo atando  nossos dedos. ”Katherine Kavanagh não tem que lidar com as conseqüências do que acontece com você. Honestamente, estou decepcionado  com ela que, como sua melhor amiga,  que estava devastada com relação a você quando você estava no hospital após o ataque de Hyde, deveria ter um pouco mais de consideração. Especialmente quando esta citada amiga está grávida!" Eu digo com fervor. ”Mas as conseqüências de suas ações e as ações de seus amigos, que talvez descuidados com a nossa privacidade acabam caindo em você - em nós três! Kate não pode possivelmente se preocupar com você do jeito que eu faço... Claramente... porque eu sou o que está apaixonado por você! É fácil para Kate ou qualquer outra pessoa ter opiniões sobre a minha vida, a sua, e a nossa, mas eles não são eu, eles não são você, e eles não são nós! Eles não vivem nossas vidas. Eu valho muito dinheiro. Quando as pessoas querem um pouco disso, eles não vão parar de nenhuma forma, nenhum meio para prejudicá-la, ou colocar as mãos em você. Há pessoas que infligiriam danos em você e nosso filho por um maço de cigarros, sem pensar duas vezes! É simples assim. Você se torna um meio para um fim. Eu não quero que você ou MINHA esposa e filho paguem as conseqüências dessas ações. Eu pensei que nós concordáramos com isso."

"Sim, nós concordamos. É apenas difícil, para mim, compreender que mesmo uma conversa inocente sobre minha data prevista, traria algum dano. Isso é o que me incomoda! É como se eu não pudesse ter tempo de  garotas  com a minha melhor amiga, ou desfrutar o que as outras da minha idade estão desfrutando, mesmo simplesmente estando grávida.”

"Baby, eu pensei que ser a esposa de Christian Grey tivesse inúmeros benefícios,” eu digo, com um sorriso lascivo, suavemente acariciando seu rosto com as costas da minha mão. Ela se inclina para o meu toque, seus olhos fechados. ”Nós apenas temos que usar um pouco mais de discrição. Agora, me diga, quem mais estava lá, Anastasia?" Ela revira os olhos.

"A organizadora do casamento, duas de suas assistentes, a Sra. Kavanagh  e Mia. Sawyer esperou na porta para nos dar privacidade. Oh, e eu vi brevemente um homem de muito boa aparência, de seus 30 e poucos anos. Ele era alto, bem construído, talvez no serviço militar, mas ele não tinha o corte curto que  Taylor ou Sawyer tinham. A organizadora do casamento não nos apresentou, mas ele poderia ser seu namorado, pela forma como ele a abraçou, por trás da parede." Eu cerro os dentes, pela quantidade de  descrição que ela me deu deste homem. Se ela prestou tanta atenção à sua aparência, no breve tempo que ela o tinha visto, para não mencionar quando ela estava com a falastrona Kavanagh... Ciúme sobe em mim novamente.

"Eu não tenho certeza se eu gosto que você tenha prestado tanta atenção a outro homem, Sra. Grey. E como é que você sabe que ele estava nas forças armadas, se ele não tinha os sinais indicadores do corte curto? "
"Porque eu sou a filha de um ex-militar que foi para o combate. É a forma como eles andam, olham para você, ou digitalizam um lugar onde entram, como se estivessem prestes a ser emboscados.  Mas ele não ficou muito tempo. Ele apenas acenou com a cabeça para nós, e então ele estava ocupado acariciando a organizadora do casamento, até que ela alegremente enxotou-o para longe.”

"Ele deixou o prédio?" Eu ronrono.

"Sua voz é tão quente, você pode derreter cera,  marido,” diz ela franzindo os lábios, os olhos comendo-me, como se eu fosse a sobremesa, um banquete para uma mulher faminta, então suspira. Minha mão se estabelece em seu joelho intimamente, e então eu o aperto, levemente movendo-a até sua coxa. Seu olhar segue o movimento da minha mão avidamente. Ela engole. Sem levantar seu olhar ela diz: "Ele saiu, mas eu não poderia dizer se ele deixou o prédio, ou seu showroom."  Taylor gira para o  estacionamento do escritório de Flynn e para. Ambos, Sawyer e Taylor, pulam do SUV e abrem as portas para nós. Eu saio do carro imediatamente e rodeando por trás do carro, eu chego até Anastasia, segurando sua mão. Enlaçando nossos dedos, eu ando em direção a porta do consultório de Flynn. A brisa fresca sopra sobre nós, fazendo com que Ana se arrepie. Eu a puxo para o meu lado. John Flynn abre a porta para nos cumprimentar com um sorriso caloroso.

"Anastasia, como é maravilhoso vê-la!  Ouvi que merece os parabéns,” diz ele estendendo a mão. Anastasia toma a mão estendida com um sorriso genuíno.

"Oi Christian,” diz ele e aperta minha mão. ”Taylor, Sawyer,” diz ele acenando com a cabeça para eles.

"Dr. Flynn ,” ambos respondem em uníssono.

"Vamos?” Diz ele apontando na direção do seu quente, mobiliado masculino consultório. Ana e eu sentamos no sofá de couro escuro, que podia acomodar nós dois. Eu coloco meu tornozelo direito no meu joelho esquerdo. Minha mão chega a Anastasia e eu seguro sua mão sobre meu colo. Anastasia se inclina sobre mim. Dr. Flynn nos observa e nota como nos acomodamos no sofá, preenchendo um ao outro, procurando um ao outro. Ana sorri para mim.

"Eu não o vi em várias semanas, Christian. Sobre o que você gostaria de falar hoje?"

"Ana não tem se sentido bem. Eu estava relutante em deixá-la naquele estado," eu digo dando de ombros. John inclina a cabeça para o lado. Seu rosto permanece neutro, mas seus olhos brilham, com prazer.

"Você está se acostumando com a idéia de se tornar um pai?"

Eu dou de ombros, evasivo. ”O que há para não se acostumar?" Anastasia olha para mim. ”É o meu bebê."

"Sim, é o bebê de Ana e seu, mas essa não é a pergunta que fiz. Você está se acostumando com a idéia de se tornar um pai? "

Eu tomo uma inspiração profunda. Anastasia é pura atenção e me ouvindo. ”Estou me acostumando com a idéia, na verdade, eu estou me tornando possessivo com o  bebê. Mas..." Faço uma pausa. Dois pares de olhos viram para mim.
"Mas o quê?" Ana pergunta antes do médico.

"Mas, às vezes, quando estou trabalhando sozinho no meio da noite, eu tenho esse medo repentino de que eu seria um pai de merda,” eu digo para Flynn. Anastasia tenta mover sua mão para fora da minha. Eu a seguro com mais força. Eu viro meu olhar, com sua total intensidade sombria, sobre ela. ”Quando me sinto assim, eu venho para a cama e a encontro, encontro minha razão de ser, então o medo se dissipa. Você é minha âncora, Ana."

"Eu fico zangado se alguém se refere ao nosso bebê, mesmo hipoteticamente como pertencendo a outra pessoa," eu digo lembrando as palavras de Kate a Anastasia. ”Eu torno-me extremamente possessivo. É o meu bebê. Mas ainda não muda a possibilidade de que eu possa ter algum defeito genético como a prostituta de crack e foda o futuro desta criança, por ser tão ruim como pai."

"Você falou com Anastasia sobre seus medos?"

"Nós conversamos.  Alguns..." Eu me inclino para trás, expiro alto e olho para o teto. ”A prostituta viciada em crack, Ella... esse era o nome dela, era uma mãe ruim. Pobre, carente, desqualificada, nem sequer descrevem sua incompetência. Eu sei que algumas pessoas simplesmente não têm a capacidade..." Dirijo-me a Ana então. ”Você disse que ela tinha seus próprios problemas para lidar com eles. Eu entendo isso. Eu realmente entendo! Mas, então eu li histórias de mulheres, mães de Darfur ou partes da África, para onde eu envio alimentos. Apesar de todas as dificuldades, dias sem comida, aquelas mães tentam fazer milagres para cuidar de seus filhos, porque eu acredito que há uma capacidade inata, um gene maternal, de pais. E se Ella tinha isso, e ela passou isso para mim? E se eu desapontá-la?" Eu sussurro, meu olhar implorando que ela entenda. ”Às vezes eu morro de medo sobre isso. E se quando você descobrir isso, você me deixar? Você vai ser uma mãe perfeita. Eu não sou perfeito, sou inapto. Eu tenho pesadelos com isso..." Eu digo com minha voz baixa. Os lábios de Ana se partem, seu olhar suaviza, e ela quer dizer algo, mas ela está falando com os olhos. Há confiança neles. Amor, mas não piedade. Eu não suportaria piedade.

"Christian, eu também tenho pensado muito sobre isso, mas eu acho que eu posso lhe dar uma resposta plausível. Nenhum de nós conhece sua mãe biológica pessoalmente para assumir se faltava a ela o gene materno. Ela era uma viciada,  o que tira o raciocínio cognitivo que uma pessoa poderia ter. As drogas são hábitos difíceis de quebrar. Pode ter sido uma ferramenta que seus cafetões empregavam para mantê-la sob seu controle. No entanto, apesar de todas as dificuldades, ela não o abandonou, ela o manteve,” explica Dr. Flynn.

"Mas ela fez, John! Quando as coisas se complicaram, porém, ela morreu! Deixou-me com seu condenado corpo morto por quatro dias, porra!"

"Vamos olhar para isso a partir de outro ponto de vista, se você quiser. O que teria acontecido se ela tivesse sobrevivido? O que teria acontecido se ela tivesse lhe dado aos  pais dela, fisicamente capazes, irmãos ou outros parentes, se ela tinha algum?

As chances são de que eles podem tê-la deserdado, ou eles podem ter ido embora, ela pode ter ficado envergonhada para o ponto da vida a que ela chegou. Nós não sabemos isso. Nós podemos apenas especular. Ela pode ter assumido que o tipo de vida para o qual ela iria acabar levando você, seria o tipo de vida que ela levou. Mesmo que ela fosse uma mãe atenciosa, tão atenciosa como uma mãe solteira trabalhadora poderia ser em sua profissão, ela ainda não seria capaz de dar-lhe tudo o que precisava. Talvez, a única maneira que ela pensou que poderia empurrar você para fora da vida que ela levava, era sair dela. Os pais são conhecidos por fazer o sacrifício final para seus filhos.” Eu sacudo minha cabeça, e não encontro os olhos de Ana ou Flynn.

"Quando criança, eu tinha apenas lampejos de amor, um momento aqui, um momento ali. Um único bolo de aniversário: Chocolate. Lembro-me do cheiro ainda. Então, às vezes, ela me deixava escovar seu cabelo. E algumas vezes, ela me deixava dormir com ela."

"Isso é bom, Christian."

"Isso é bom?" Pergunto incrédulo. Minha voz está cheia de escárnio arrogante. ”John, apenas um maldito punhado de boas lembranças no decorrer de quatro anos de merda! Quantas recordações alegres, positivas, seus filhos possuem no curso de uma única semana? Eu não sou um homem de apostas, mas eu aposto que seria muito mais do que a minha lista inteira." Eu odiei a mim mesmo por um longo tempo, porque eu era indigno, mal amado, e sem cuidados.

"Christian, você é um adulto agora. Nosso raciocínio, o caminho do nosso pensamento é mais complexo. Nossas personalidades são variadas. Você está ferido porque você amava sua mãe. Todos nós nesta sala descobrimos que seus problemas de controle   se originaram do fato de que você não foi capaz de alterar o curso de sua vida, você não pôde controlar suas circunstâncias, e, consequentemente, você não pode mudar seu destino. Essas foram coisas que não poderiam ter sido realizadas por uma criança de quatro anos. Eu sei que você não quer ser como ela; uma falha na criação dos filhos. Ella não tinha um parceiro na vida para ajudá-la na criação dos filhos ou na vida em geral."

"Ela me deixou! Completamente só, John!"

"E, no entanto, o que você conseguiu com sua partida foi um conjunto de pais amorosos, irmãos, consistência, e amor. Tão ruim quanto essa tragédia foi, Christian, ela foi a causa da vida que você tem agora. Sua morte desencadeou a série de eventos que você não poderia ter tido de outra forma.”

"Por que ela apenas não o deu em adoção, sem suicídio em seguida, John?" Ana pergunta curiosa.

"Teria isso diminuído o sentimento de abandono, ou o aumentado? Christian já tinha quatro anos de idade. Ele sabia da existência de uma mãe biológica. Algumas mães que desistem de seus filhos mudam de idéia. O processo de adoção é longo. Se ela mudasse de idéia em um momento de fraqueza, eles estariam talvez de volta à estaca zero.”

"Dr. Flynn, você está desculpando o suicídio de Ella?" Ana pergunta incrédula.

"Não, Ana. Estou examinando os motivos de uma mulher, que deixou algumas pistas de como ela estava se sentindo. Analisar o comportamento, e desculpar, são duas coisas completamente diferentes. É uma reconstrução  psicológica.  Isso não significa que o que ela fez foi certo. Isso significa apenas que seu amor foi mal direcionado, mal orientado. Claramente, você se comportou por amor a Christian e sua cunhada Mia, quando você colocou sua vida e do seu bebê em perigo. Em momentos de  desespero, especialmente na situação de Ella, onde ela teve desolação prolongada, é muito possível que ela possa ter pensado que era a única maneira de acabar com sua agonia e salvar o futuro do Christian, ao mesmo tempo."

"É uma maneira duvidosa, mas, eu a entendo,” diz Ana.

"Não tenha idéias!" Eu a repreendo.

"Você vê Christian; nossas vidas não são feitas de genética apenas. Meio ambiente, as circunstâncias, a nossa própria maneira de pensar afetam o resultado como a sua própria vida pode testemunhar, para esse resultado final. Se você está procurando uma profecia auto-realizável, estou aqui para lhe dizer que os padrões que você está procurando podem ser quebrados: na verdade você os quebrou. Você possui o auto-conhecimento, e você tem um intenso desejo de mudar. Você me disse que você quer ser digno de Ana e seu amor. Você tem a capacidade, as ferramentas mentais, meios, e auto-controle para conseguir ser um bom pai. Mesmo os pais experientes como eu, temos dúvidas de nossas habilidades. As crianças não vêm com um manual. Cada uma é diferente. Mas, para nossa sorte, elas não começam muito complicadas. Para os bebês, crianças, e crianças jovens, a equação é bastante simples. Elas são geneticamente projetadas para amar você e serem ligadas a você, da forma mais primitiva e egoísta. Você vai encontrar-se apenas querendo retribuir, ser puxado para  este  bebê que não quer nada, além de seus braços ".

"Meus ou de Ana?" Pergunto  curiosamente. Dr. Flynn ri.

"Ambos. Embora eu tenho orgulho de dizer que os meus filhos preferem a mim para ler-lhes e colocá-los na cama mais que  minha esposa, mas não diga isso a Rhian.”

"Eu acho que a preocupação principal do Christian é que eu vou amá-lo menos, e vou acabar amando o bebê mais."

"Hmmm... Você está preocupado com isso, Christian?" John pergunta.

"Eu poderia estar um pouco preocupado com isso..." Eu digo encolhendo os ombros.

"Você ama Mia?"

"Claro."

"Você ama Elliot?"

"Certamente.”

"Que tal Grace?"

"Eu adoro a minha mãe. Onde isso está indo, John? "

"Que tal Carrick?” Ele pergunta ignorando minha pergunta.

"Eu amo o meu pai."

"Em algum momento, você achou que a existência de seu amor por uma pessoa em sua família, diminuiu o amor que você tem por um outro membro da família?"

"Claro que não. Eu amo todos eles. Meu amor por cada um deles é diferente, mas, afinal, a mesma coisa.”

"Você seria capaz de escolher entre eles, manter um deles acima do outro?"

Eu penso sobre isso por um momento. Minha mãe me salvou a vida. Meu amor e respeito por ela é imenso. Meu pai aceitou o desejo da minha mãe para me adotar, sem qualquer escrúpulo. Ele me ama, e tem sido sempre favorável ​​a mim, exceto quando saí de Harvard. Cada um à sua maneira, me ama, e eu amo a eles. ”Eu não posso escolher. Eu amo todos eles.”

"Assim será com o seu bebê. Vai ser um amor como nenhum outro. Você vai criar o espaço em seu coração e seu amor por Ana vai crescer para tornar esse amor possível para você.” Eu não digo nada. Eu não compro essa idéia ainda. O fato é que eu tenho pavor de perder meu tempo com Ana, ou ter sua atenção dividida e retirada de mim. Mas, vou pensar nisso quando chegar a hora.

"Obrigado, John. Eu acho que é meu amigo falando, e não o meu psiquiatra.”

"Às vezes o que você precisa é de um amigo com o conhecimento profissional de um psiquiatra,” diz ele sorrindo.

"Nós também precisamos falar sobre os medos de Ana, John."

"Você tem receios sobre o bebê?" Dr. Flynn pergunta.

"Não, Dr. Flynn. Eu não tenho. Christian estava se referindo ao meu medo dos paparazzi. Medo de perder minha privacidade, o medo de não ser capaz de discutir coisas simples com minha melhor amiga, sem que isso se torne notícia de tablóide, o medo de não ser capaz de sair sem segurança.”

"Você está preocupada que o modo de vida do Christian exerça demasiado controle sobre o seu?" Seu corpo fica tenso, e ela puxa a mão dela em seu colo, torcendo-a. Ela está nervosa. É isso o que ela está pensando? Ela olha para mim nervosamente, em seguida, olha para o Dr. Flynn.

"Apenas alguns meses atrás, eu não podia sequer imaginar esta liberalidade ou o estilo de vida voluptuoso em que eu estou vivendo. Meu marido... Christian coloca  meu sangue em chamas,” diz ela, sua mão alcançando meu joelho e comprimindo. ”Mas, acima disso, eu o amo com cada fibra do meu ser. Claro, ele sempre me lembra que a abundância na sua vida é um pacote. É parte de quem ele é. Eu apenas me preocupo com os perigos a que nos expõe. Mais ainda agora que vamos ter um bebê.”

Eu levanto o meu braço e envolvo-o em torno dela, puxando-a para o meu abraço protetor.

"Cada vida tem suas próprias dificuldades Ana, quer você esteja sob o radar ou não. Há pessoas que possuem muito pouco e elas são quase invisíveis para os outros, não porque elas estejam simplesmente sob o radar, ou porque nós não as vejamos, mas o público em geral só lhes proporciona concisas, bruscas, descorteses, indelicadas e apressadas respostas. As pessoas se movem mais rapidamente. Tão complexas quanto suas personalidades possam ser, a maioria das pessoas nem sequer prestam atenção a eles, e eles são simplesmente ignorados, como se eles não existissem. A vida é difícil, muito difícil para eles. Isso poderia muito bem ter sido a vida de Ella. Christian, no entanto criou uma vida que só poucos podem sonhar. Ele é um homem brilhante, maior que a vida. A vida que ele criou para si mesmo, da qual você é agora uma parte, é algo que cria inveja, curiosidade, distinção, e o faz mais que um aristocrata. Claramente, uma jovem e bela esposa, um bebê a caminho de um homem muito atraente, que pertence ao 1% do top 1% do mundo rico, faz notícia, mesmo que ele simplesmente espirre. O que você e Christian usem vai se tornar moda. Tudo que você fizer terá impacto grande ou pequeno, porque as pessoas vão estar assistindo. Esse é o outro extremo do espectro. Isso não significa que é ruim, mas simplesmente significa que você tem que desenvolver um conjunto diferente de habilidades para lidar com os aspectos da vida particular que vocês levam.”

"Mas, Dr. Flynn, você nunca foi emboscado por um grupo de paparazzi que entendem que nosso bebê pode não ser de Christian, quando Christian é o único homem com quem eu já estive" Ana diz com fervor.

"Ahhh... Agora estamos chegando a algum lugar. Você está preocupada que as opiniões ou acusações dos paparazzi possam mudar o amor e a afeição de Christian por você?"

Um quase inaudível, "sim,” escapa de seus lábios. Sua resposta faz minha boca cair  aberta.

"Christian? O que você pensa sobre as preocupações de Ana?" Dr. Flynn pergunta. Eu pisco algumas vezes. Eu viro o rosto completamente para minha esposa.

"Ana, como você poderia pensar isso? Você realmente acha que os cães de caça das revistas de fofocas, de alguma forma mudam o meu amor por você? Se qualquer um deles até mesmo tentar prejudicá-la de qualquer forma, eu vou ter certeza de que o repórter que fez a tentativa nunca trabalhe de novo e qualquer publicação que iria tentar difamar você será punida, com tanta força,  que ela será vendida pouco a pouco  para seus inimigos,  para nunca, jamais, se recuperar novamente! Eu não tomo qualquer ameaça contra você levemente, Ana! Você sabe disso.” Eu digo com fervor, enquanto eu levanto seu queixo para cima e viro o rosto dela, forçando-a a olhar para mim. Um tremor de medo passa por ela.

"Eu sei, Christian,” ela sussurra.

"Ana, paparazzi não é sua única preocupação. É?" Dr. Flynn pergunta.

Depois de hesitar, ela responde: "não,” ela responde, em voz baixa.

"Com o que mais você está preocupada?"

Ana olha para mim, em seguida, volta-se para John, balança a cabeça, mantendo-se em silêncio.

"O quê?" Eu pergunto. John abre a boca para dizer alguma coisa para mim. Eu sei onde isso vai dar.

"Dr. Flynn, antes de dizer alguma coisa para me enviar fora da sala, eu quero ouvir com  o que minha esposa está preocupada. É claro que é algo sobre mim. Ana...” Eu digo dirigindo a intensidade do meu olhar para ela com os olhos bem abertos, a minha atenção está totalmente sobre ela. Ambas minhas pernas estão agora firmemente plantadas no chão. Eu me inclino e coloco os cotovelos sobre os joelhos. Minhas mãos chegam às dela, procurando seu calor, sua conexão. ”Baby, você está preocupada com a minha raiva? Você está com medo de eu machucar você? Eu preciso saber, baby!" Ela olha para mim e depois para John com os olhos arregalados.

"Se isso faz você se sentir mais confortável..." Dr. Flynn começa.

"John,” eu aviso.

"Christian, no meu consultório, minhas regras!” Diz ele erguendo as sobrancelhas. Que valente você, John! Anastasia puxa as mãos para fora das minhas em frustração, e joga as mãos para cima, no ar, exasperada.

"Oh, pelo amor de Deus! Vocês dois; mantenham suas calças! NÃO  estou com medo de que o meu marido vá me machucar. Eu só estou preocupada que por minha causa, ele vá se machucar! Que alguém está tentando ou vai tentar chegar até ele, através de mim. Eu não sei todas as regras de lidar com a mídia, especialmente a mídia de fofocas. Mas eu estou aprendendo,” diz ela olhando para mim. ”Mas mesmo se eu fosse uma profissional nisso, eu ainda me preocuparia, porque eu sou apaixonada pelo meu marido,” ela sussurra com uma voz suave. ”Eu amo você Christian Grey, ferozmente, intensamente, desamparadamente, desavergonhadamente, e muito ardentemente. Mas, os acontecimentos recentes, especialmente a emboscada desta manhã, me fizeram perceber que algumas pessoas vão a qualquer distância para nos prejudicar pessoalmente e publicamente, como se estivessem em um piquenique de domingo, como se suas ações não tivessem consequências, e sentem que é simplesmente sem problema fazer isso. E nessa, eu vou me machucar, e eles vão machucar você através de mim.”

"Segurança ..." Eu começo dizendo, mas ela ergue um dedo.

"Eu também quero a normalidade, pelo menos a ilusão de privacidade, que é algo que eu não tinha percebido como sendo um luxo para alguns, para nós. No entanto, o que me dá pesadelos são os rostos desconhecidos que desejam lhe prejudicar. Isso é o que me aterrorizava esta tarde em meu pesadelo.”

"Sobre o que era o seu pesadelo, Ana?" Pergunta Flynn com curiosidade. Seus olhos se arregalam novamente com medo. Ela toma uma respiração instável. A mão que está segurando a minha está espremendo-me tão apertado, que os nós dos dedos estão brancos. Os olhos do Dr. Flynn avaliam toda a sua linguagem corporal e ele rabisca febrilmente em seu tablet. O olhar de Ana desvia-se para meus olhos, em busca de segurança. Meu olhar, em troca, suaviza. Eu desloco-me no sofá, e reposiciono o braço em torno de seu torso de novo, segurando-a firmemente debaixo do braço, dando o meu apoio. Minha outra mão apenas detém a dela no seu colo, meu polegar acaricia os dedos suavemente.

"Eu disse um pouco do meu pesadelo para Christian esta tarde,” ela começa. Ela engole, então pega uma respiração instável. ”Eu estou andando através de um edifício luxuoso com arcos, colunas dóricas em um belo quarto meticulosamente elegante. Em seguida, ele se transforma no Salão dos Espelhos, em Versalhes. Eu estou vendo os arcos pintados, as pilastras de mármore decoradas. É ostentoso, esplêndido... Mas o que é diferente é que o salão se torna uma sala sem saída de qualquer lado. A estátua de Afrodite está no meio da sala espelhada. Estamos admirando-a. Você,” diz ela enfatizando, "a está admirando. O rosto de Afrodite é indiferente, sem expressão, atemporal, mas diante de nossos olhos, a barriga começa a crescer, muito grande na verdade. Sua admiração por ela  muda para algo como desagrado, em primeiro lugar. Então, quando sua transformação está completa, ela se transforma em mim. Era eu. O que eu vi nos olhos de Christian,” diz ela com a voz quase inaudível, "era desgosto, desinteresse, falta de amor. Vejo-me firmemente plantada no local, com uma base de mármore, a barriga crescida, nua em cima. Então, eu me lembro dos flashes.  Flashes ofuscantes. Milhares deles, amplificados pelos espelhos. Eu vejo a minha imagem muito grávida, muito indesejável nos 357 espelhos, refletida milhares de vezes. Mas os flashes ofuscantes das câmeras continuam a vir. As vozes são altas, zombando, desconhecidas. Eu nunca me senti tão sozinha. Muito... Abandonada. Então eu sinto dor, uma dor horrível, como eu nunca senti antes. O Blip está tentando sair,” ela sussurra tomando uma profunda respiração trêmula. Seus olhos não piscam. Ela está perdida em seu pesadelo. Ela se aconchega a mim, se tornando pequena, puxando as pernas debaixo dela. Suas mãos estão se retorcendo, ela inclina a cabeça para baixo. Em seguida, suas duas mãos se movem para a barriga protetoramente. Outro arrepio passa por ela.

"Então, algo horrível acontece. Uma mão ou mãos me cortam. Eu sinto o jorro de sangue, fluindo em meio a flashes e ruídos de zombaria, e alguém puxa meu Blip para fora de mim. Eu ouço um choro do bebê, mais parecido com um grito de dor. Em seguida, ele se foi. Eu não consigo me mexer!” Diz ela com sua voz aumentando. ”Estou imóvel, sangrando, e eu não posso nem gritar. Tudo o que vejo são lágrimas escorrendo pelo rosto de mármore sem expressão, e flashes... Eu nunca me senti tão só, tão incrivelmente sozinha,  no meio de uma multidão. Tão desamparada. Eu senti a perda absoluta de tudo o que eu amava. Eu queria que os flashes e os ruídos cessassem. Eu queria que meus pés fossem móveis para procurar o bebê que já estava tomado pelas mãos desconhecidas. Eu queria pedir a Christian para me ajudar. Ele também tinha ido embora, muito irritado comigo. Então eu tive uma imensa vontade de... morrer...” ela sussurra para meus ouvidos horrorizados.

Eu acho que tanto Flynn como eu olhamos para ela com a mesma chocada, estarrecida cara. Nenhum de nós é capaz de dizer uma palavra para ela. Os rabiscos febris de John chegam a uma parada. Acho que ele é o primeiro que limpa a garganta e faz uma tentativa de falar.

"Esta é a primeira vez que você teve este pesadelo?"

"Eu tive o pesadelo de Versailles antes, onde Christian se afastou de mim e desapareceu,” ela murmura, sem olhar para mim. Meu olhar, por outro lado, permanece nela.

"Você sabia sobre seu pesadelo, Christian?" Dr. Flynn pergunta.

"Não,” uma resposta seca sai de mim, sem olhar para Flynn. ”Você só me contou sobre o outro pesadelo."

"Você teve outro pesadelo?" Flynn pergunta.

"Eu tive o outro pesadelo primeiro. Eu estava muito cansada e voltei a dormir, então eu tive esse pesadelo que me assustou completamente,” ela murmura.

"Por que não disse a Christian sobre seus outros pesadelos de antes, Ana?" Flynn pergunta.

"Dizer a ele? Dr. Flynn, tudo o que eu queria fazer era esquecer o pesadelo, não plantá-lo firmemente em minha mente, repetindo o seu conteúdo para Christian! E, geralmente, eu... esqueceria. Mas nos últimos tempos, ele tem estado voltando para mim com intensidade, e depois do que aconteceu esta manhã, eu tive esse pesadelo. Não havia apenas nenhuma maneira que eu poderia esquecê-lo. Eu estava apavorada,” diz ela com sua respiração acelerada, como se ela tivesse acabado de correr uma maratona.

"E sobre o desejo de morrer? É a primeira vez  em seu pesadelo? Está limitado a seus pesadelos? Você tem pensamentos de suicídio?” Ele pergunta baixinho. Eu endureço imediatamente, olhando para Anastasia, buscando a verdade nas palavras que ela vai proferir.

"Não!” Diz ela com fervor. ”Sem pensamentos de suicídio! Foi a primeira vez, no meu  pesadelo. Eu nunca tinha sentido essa emoção antes. Mas, novamente, eu nunca tinha perdido tudo o que eu amava,” diz ela olhando para mim enquanto suas mãos estão em sua barriga, protetoras. "Eu nunca tinha sentido a desolação absoluta, tudo o que eu amava tirado ou se afastando de mim. Eu senti a perda da minha razão de existir,” diz ela com os olhos cheios de lágrimas não derramadas. Eu ouço uma ingestão aguda de respiração, enquanto meus olhos, sem piscar, olham para minha esposa, e percebo que sou eu. Mesmo em frente dos olhos arregalados, surpresos,  do Dr. Flynn, eu puxo Anastasia para o meu colo, abraço-a com força, inalando seu perfume.

"Eu nunca vou deixar você ir, Sra. Grey. Você acha que é fácil se livrar de mim? Você é minha mulher, e esse é o nosso bebê. Ninguém se atreverá a machucá-la ou a ele. Eu vou amar você ainda, não importa o quão grande sua barriga fique com o nosso filho. Entendeu?" Eu sussurro apenas para seus ouvidos. Isso me dá uma outra firme determinação de descobrir quem está causando todo este problema. Ela acena com a cabeça em silêncio.

"Ana, mais uma pergunta...” diz Flynn, pigarreando. Deixo Ana sentar perto de mim de novo no sofá, mas não a solto, mantendo-a com força debaixo do braço. ”O pensamento da morte cessou uma vez que você acordou de seu pesadelo?"

"Uma vez que eu me orientei, percebi que era um pesadelo, algo que estava fora do meu controle, isso se dissipou como fumaça. Sim, completamente desaparecido. Isso não é quem eu sou Dr. Flynn, mas isto enfatizou que eu não tinha o controle dos eventos em torno de mim, ou o que os outros fazem para mim. Quando Christian afastou-se em meu pesadelo, a multidão continuou a fazer o que estava fazendo para mim, zombando, rindo, tirando fotos e intermináveis ​​flashes. Mas desta vez, eu estava completamente, absolutamente, singularmente sozinha. Esse é o pior sentimento porque foi amplificado com o sentimento de perda. É milhares de vezes pior do que apenas estar sozinha. É como se meu coração e alma tivessem sido rasgados em pedaços, de forma irrevogável.” Seu corpo treme. Outro suspiro é inalado. Em seguida, sua voz fica muito baixa. ”Eu não posso sobreviver a você, Christian. Eu não posso continuar existindo sem você estar,” ela sussurra.

Alone - Celine Dion


"Ana, não é saudável pensar que você não pode sobreviver a alguém..."

"Alguém?" Eu replico inclinando minha cabeça.

"Deixe-me reformular isso. Não é saudável pensar que você não pode sobreviver a Christian,” diz ele. ”O amor é uma emoção muito forte. Mas vocês dois são muito jovens. Estas não são o tipo de emoções que devem estar enchendo sua cabeça. Tendo em conta que está grávida...”

"John, o que é isto, um testemunho?" Eu pergunto. Dr. Flynn suspira.

"Christian, nós estamos analisando apenas o pesadelo de Anastasia, e nós queremos que Anastasia tenha um conjunto saudável de emoções. Seus hormônios também podem estar afetando sua angústia atual. Combinados com sua experiência com os paparazzi, ela está angustiada. Ana precisa de confiança e uma pausa ".

"E essa é opinião profissional? John, emoção, por definição, é um estado natural da mente instintiva decorrente de circunstâncias pessoais, de humor, ou relacionamentos com os outros. Saúde nem sempre está envolvida. Elas são subjetivas, experiências conscientes e respostas naturais para essas experiências.”

"No entanto, elas podem ser prejudiciais, que é por isso que é fundamental que ela aprenda a dirigi-las para canais positivos, e não deixá-las assumir a sua avaliação cognitiva, as tendências de ação e, definitivamente, não abaixe suas defesas mentais e físicas."

"Concordo," Eu aceno com a cabeça com firmeza.

"Como posso fazer isso?" Ana pergunta em um tom determinado.

"Por saber algo que é realmente. Você e Christian são ‘produtores de notícias' que fazem outras pessoas curiosas. Um ataque por paparazzi não tem que ser pessoal. Eles querem dinheiro, e só uma história sensacional pode fazer isso acontecer por causa da curiosidade do público na vida de um casal bonito. Não lhes dê o motivo para persegui-la mais reagindo às acusações da maneira que eles esperam que você o faça. Sua defesa contra eles é entender os motivos por trás, e aprender a lidar com isso. Seus medos só irão incitá-los mais.

Entenda que cada pessoa tem medos e preocupações. Nenhum de nós está imune a eles. Não temos garantias na vida. Mas os efeitos desses medos, fobias, que finalmente infestam nossos sonhos pode ser diminuído, se aprendermos a tomar o controle de nossas vidas e não deixá-los invadir-nos, simplesmente por entender por que temos medo. Isso não vai acontecer da noite para o dia, mas isso vai acontecer. Pense no momento em que seu pai estava no hospital. Você não tinha nenhum controle sobre o que lhe aconteceu, ou como seu corpo responderia ao tratamento. Você e Christian fizeram a única coisa possível: deram-lhe a melhor assistência médica que estava disponível, e deixaram seu corpo fazer o resto. O fato é que muita coisa acontece fora de nosso controle, como Christian descobriu quando você ficou grávida, e quando foram atacados por Hyde,” afirma e um arrepio passa por mim como se alguém acabasse de  andar sobre minha sepultura.

"Como você pretende lidar com isso?” Ele pergunta a Anastasia. ”Você vai deixar que pessoas de fora possam assumir o controle de sua vida e emoções ou você deseja manter esse controle em suas próprias mãos? Você não pode controlar a forma como os outros se comportam, mas você pode controlar a forma como você reage,” diz ele erguendo as sobrancelhas.

Anastasia concorda.

"Eu não vou deixar os de fora controlarem minhas reações,” responde Anastasia.

"Bom. Eu gostaria de vê-los novamente, em breve,” diz Flynn com um sorriso. Nós nos levantamos para ir embora.

"Christian, eu posso ter uma palavra com você em particular?” Ele murmura.

"Claro,” eu respondo com curiosidade. Preocupação lava sobre mim, encharcando minha alma. O que está errado?





 Sting ft. Stevie Wonder - Fragile

32 comments:

ane said...

Emine como sempre maravilhosooo

Anonymous said...

Que delicia! Capitulo novo,
Obrigada, obrigada, obrigada...

Olidelgi said...

Oi Neusa,
Que bom que tem capítulo novo, só dormirei após a leitura, senão não conseguirei, ficarei ansiosa.
Comento sobre o capítulo depois.
Bj
Olidelgi

Sandra said...

Que delícia de capítulo! Pena q acabou....
Obrigada Emine e Neusa.
Boa semana a todas.

Olidelgi said...

Meu outro comentário não tá aparecendo...
Que bom Neusa, vc já alcançou a Emine, tenho certeza que depois que publicou este capítulo já está mexendo no próximo, por isso é boa no que faz.
CG como sempre sendo um ótimo marido e a Ana cheia de medos. Eles vão superar tudo isso juntos, o amor dos dois é muito lindo, e amor assim supera qualquer coisa.
A Emine conseguiu mais uma vez se superar, Christian ensinando a Ana a tomar as rédeas de sua vida é pra lá de emocionante, é altamente perigoso pra nós, suas leitoras, eita homem bom, insaciável, é por isso que somos apaixonadas por ele.
Bem, Neusa, agora vou dormir, aguardando ansiosa o próximo capítulo. Sem querer ser repetitiva, parabéns pelo seu trabalho e competência.
Emine, obrigada por dividir conosco essa sua visão espetacular de CG. Amo vc e sua versão.
Bjs,
Olidelgi
Bjs

Joenes Carvalho Alves Xavier said...

Maravilhoso e perfeito como sempre Neusa, uma parceria insubstituível essa entre você e Emine, Parabéns, uma ótima semana, adoro você, bjssssssss

Letícia Pinheiro said...

Ahhhhhhhhhhhhhh quero mais-!!!!!!!!!'m

ana paula said...

Leio sempre bem devagar na esperança de que nao acabe,mas sempre acaba
Lindo capitulo
Emine e neusa obrigada
Beijos e ate o proximo

Anonymous said...

Nao acredito que acabou assim!!! Vou tet um treco!!!! Capitulo muito, muito bom!! Neusa sumida, alcançou a Emine e agora ficamos aguardando ela postar...nao demora nao Emine ! Estamos viciadas!!
Bjs Lala

Neusa Reis said...

Oi meninas, gostaria que vocês lessem um comentário que coloquei no capítulo XV. A única mudança no que escrevi é que não precisa mais enviar nada para o Bruno Porto. Vamos esperar ele se manifestar. O resto, está tudo valendo. Depois eu volto, estou no cap. XVII e esse é muito especial, porque causou muita controvérsia. Obrigada a todas pelas gentis palavras. Bjs

marcia marcelino da rocha said...

Obrigada muito bom mesmo . sera que vc tem previsão pro próximo capitulo, muito anciosa,bjs

Fer G. said...

Oi Neusa,lindo capítulo mesmo.A veracidade como a Emine passou as emoções do Christian e da Ana foram realmente incríveis.Parecia que a gente tava junto na sessão do psiquiatra.Vou tentar achar vcs no facebook ,mas confesso que sou meio lerda nessas coisas kkk.Enfim ,obrigada à vcs duas por tudo.beijos

Ana Paula Silva said...
This comment has been removed by the author.
Ana Paula Silva said...
This comment has been removed by the author.
Ana Paula Silva said...
This comment has been removed by the author.
Ana Paula Silva said...
This comment has been removed by the author.
Fer G. said...

Nada de achar vcs no facebook ownnn!! Aparece umas coisas nada a ver.Que pena! bjs

Neusa Reis said...

Oi meninas, pretendo postar até quarta feira se tudo correr bem, viu
Marcia Marcelino. Fer, procura a Rosangela Maria Cabral Corvalan no Facebook e diz que lê o blog que ela te adiciona. Garanto que você vai gostar.É um grupo pequeno, queremos não passar de 50. kkkk
E vamos publicar a #seriepella
Beijos meninas
Neusa

Mara Lins said...

Com tanta coisa acontecendo, este foi o primeiro capítulo, entre todos, que li aos "soquinhos". Me encanta sempre.
Emine você já não surpreende-me mais, sua escrita é fenomenal sempre.
Neusa, parabéns mais uma vez. Esse time bate um bolão.
Beijos

Anonymous said...

Emine , Neusa minhas queridas obrigada mais uma vez magnifico capitulo e tradução voces sao as melhores, me sinto muito feliz poder conviver desta forma com voces um beijao para as duas e meninas Chazinho espendao o proximo capitulo bjos

Rosi

Anonymous said...

Então gente.. Aqui estou eu para dar minha humilde opinião :D

Já sou até suspeita de falar isso, pq, de fato já falei por tantas vezes.. Emine e Neusa, vcs formam uma dupla sensacional!! Vcs me surpreendem a cada novo capítulo, impressionante. A forma como vc Emine coloca o “nosso” CG me encanta, esse homem que no seu ponto de vista, me ganhou ainda mais, apesar de toda sua possessividade e ciúmes, ele é um homem encantador e apaixonante, ah se ele existisse, eu sem dúvida me candidatava a ser sua Anástacia.. (que meu amado marido não leia isso, pq ele já fica irado qdo ouve o nome Christian) kkk E tenho certeza q eu não seria a única, eu concorreria, com pelo menos 1 milhão de concorrentes!! Kkkk

Curiosa pelo XVII, o capítulo tão polêmico!!

Beijo Emine e Neusa.. E mais uma vez Parabéns por toda essa estória, hj de dormir!!

Meninas... Nos encontramos lá no nosso cantinho, sempre, todos os dias.. kkk

Daysi

Glenda Suely said...

Como sempre muito bom,lindo e cheio de surpresas.Só fiquei angustiada com esse final,vou morrer de ansiedade.
Querida Neusa obrigada pela tradução,Emine você me surpreende sempre...bjs

Claudia Ferreira Peixoto said...

Como sempre capitulo lindo.Beijos. Ansiosa pelo próximo.

Anabela Encarnação said...

Oí Neusa mais uma vez parabéns e muito obrigada por mais um excelente capítulo. Você nem sabe o bem que me faz ler seus capitulos. Todos os dias eu vou ver se tem mais algum.
Não nos deixe por muito tempo.
Aqui em Portugal agora é inverno, e sabe tão bem estar no sfá com uma manta ao pé da lareira lendo e sonhando...... . Espero que ponha mais pois nesta época Natalícia quem não tem familia por perto para comemorar essa quadra. Não imagina a companhia que você nos faz sem se dar conta. MUITO OBRIGADA. Aguardo com espetativa mais desta linda e maravilhosa Historia de amor
Beijo

Nilvânia said...

Pessoal, sei que ando bem ausente por aqui.... mas ainda tô enrolada, conforme já citei diversas vezes, não tenho conseguido ler os capítulos. Tô super atrasada.
Acho que semana q vem acalma um pouco e volto às leituras.
Passei só pra dar uma espiada nos comentários e dar um oi!!
Beijos à todas.

Kenya Coutinho said...

Neusa, como faço para participar tu grupo no facebook?

Neusa Reis said...

Anabela Encarnação, que bom ter você por aqui. E que vontade de um pouco de frio! Aqui está muito calor, mas a gente a Emine Fougner com o mesmo prazer.Vocês aí têm muitos fãs que gostam dela como nós? Beijos, querida, vou tentar acabar até amanhã. Tentar!

Anonymous said...

estou feliz em ver a confiança e amadurecimento de ana e cg ,juntos
montando sua estoria de amor. anciosa pela noticias do livro sobre pella. sucesso para as guerreiras emine e neusa sao uns anjos.
ivone

Rosangela Maria Cabral Corvalan said...

Boa noite minhas amigas!! Ufá..rsrsrs.consegui ler esse capítulo!!
Oh semaninha agitada viu!! KKK
Como sempre Emine você arrasou..parecia que eu estava assistindo ao um filme tamanha é a sua capacidade de descrever ambientes, emoções, tudo detalhadamente, eu vivenciei tudo, você realmente é ímpar! Parabéns.
Neusa você é insuperável m sua tradução e doidinha já alcançou...o pior é que eu me acostumei a ter toda santa semana um capítulo novo pra ler..não vai ter jeito vou começar o livro I pela enésima vez!

Fascinante ver este casal ajudando um ao outro..amor é isso...superar obstáculos juntos, enfrentar as preocupações juntos, amparando, confiando, dividindo.
E ainda por cima ser recompensada com uma visitinha na sala de jogos..receber carinho..aconchego...bom demais.

Beijos minhas queridas, beijos amigas do blog..a gente vai se vendo por aí...minha sugestão para o café da manhã é suco de laranja, cafe com leite, pão quentinho, um belo queijo tipo padrão ou meia cura e um iogurte grego.
Deu fome!! rsrsrs

Beijos

Rosângela

Ediene O Maia said...

Boa noite meninas!
Estou de volta até que fim né estava com saudades de cada capítulo da nossa querida Emine e dos comentários de vocês meninas e do cafezinhos de vocês também.
Neusa querida como sempre você e maravilhoso com as suas traduções seu trabalho e maravilhoso, eu cinto o seu amor e dedicação por cada palavra que você traduz em cada capítulo da nossa querida Emine, Neusa muito obrigada por você dedicar um pouco de seu tempo para traduzir para que cada uma de nós podemos ler esses lindos capítulos que Nossa querida Emine escreve que e cada dia melhor, fantástico e maravilhoso, obrigada Emine por fazer parti da minha vida você Deu um novo sentido em minha vida mais alegria mais brilho aos meus olhos, quando eu entro para ler cada capítulo eu fico mais apaixonada por esse casal lindo.
Emine fico sem palavras quando vou falar sobre sua escrita que e maravilhosas muito obrigada minha amiga.
Emine e Neusa vocês são muito especial em minha vida, hoje eu posso dizer que tenho muito orgulho por ter conhecido cada uma de vocês.
Bjos!

Daniela Martins said...

Hello, meninas!
Passando para dizer pela milésima vez que amo muito ler este blog!
Eu acabo aprendendo muras coisas com ele!
E fico feliz em ver como CG e Anastasia estão superando todos estes obstáculos!
Um grande abraço, meninas!
Bjkas, Emine!
Dani
��

Priscila Pessotto said...

Olá girls!
Você que está começando a ler o blog agora ou que já é leitora, agora a Série Pella disponível aqui no blog foi publicada em livro – ECOS NA ETERNIDADE- e em português.
A Emine Fougner colocou a versão em português do Ecos na Eternidade na Amazon, apenas esta semana, por apenas R$ 3,94. Corram para aproveitar o preço porque na próxima semana voltará ao preço normal.
É só acessar a pagina da amazon: www.amazon.com.br.
Vamos aproveitar!
Beijos,
Pry